FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO YEH JUI CHENG DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO YEH JUI CHENG DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONAL"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO YEH JUI CHENG DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONAL DECISÃO DE INVESTIMENTO ATRAVÉS DA TEORIA DE OPÇÕES REAIS: ESTUDO DE CASO EM PROJETOS DO SETOR FINANCEIRO ORIENTADOR: PROF. DR. RICARDO RATNER ROCHMAN SÃO PAULO

2 YEH JUI CHENG DECISÃO DE INVESTIMENTO ATRAVÉS DA TEORIA DE OPÇÕES REAIS: ESTUDO DE CASO EM PROJETOS DO SETOR FINANCEIRO Dissertação apresentada à Escola de Economia de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Finanças e Economia Empresarial. Campo de Conhecimento: Economia de Empresas Orientador: Prof. Dr. Ricardo Ratner Rochman São Paulo

3 YEH JUI CHENG DECISÃO DE INVESTIMENTO ATRAVÉS DA TEORIA DE OPÇÕES REAIS: ESTUDO DE CASO EM PROJETOS DO SETOR FINANCEIRO Dissertação apresentada à Escola de Economia de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Finanças e Economia Empresarial. Campo de Conhecimento: Economia de Empresas Data de Aprovação: / / Banca Examinadora: Prof. Dr. Ricardo Ratner Rochman (Orientador) FGV-EESP Profa. Dra. Andréa M. A. F. Minardi IBMEC Prof. Dr. Hsia Hua Sheng FGV-EESP São Paulo

4 AGRADECIMENTOS Inicialmente, gostaria de agradecer ao meu orientador, Prof. Dr. Ricardo Ratner Rochman, por todo o seu direcionamento e suporte ao longo deste processo. Aos membros da banca examinadora, Profa. Dra. Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi e Prof. Dr. Hsia Hua Sheng agradeço pelos comentários e contribuições para o aprimoramento deste trabalho. Em especial à minha família que sempre me incentivou e esteve ao meu lado tanto nos bons quanto nos difíceis momentos da minha vida. 4

5 ÍNDICE GERAL 1 INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELOS DE AVALIAÇÃO SEM FLEXIBILIDADE MODELOS DE AVALIAÇÃO COM FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO DE OPÇÃO FINANCEIRA OPÇÕES REAIS MODELOS DE AVALIAÇÃO DE OPÇÕES REAIS METODOLOGIA METODOLOGIA PARA ESTUDO DE CASO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE OPÇÕES REAIS ANÁLISE DO CASO INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO CASO CARTÃO DE CRÉDITO PREMISSAS DO PROJETO DE CARTÃO DE CRÉDITO CONSTRUÇÃO DO FLUXO DE CAIXA LIVRE ESTIMATIVA DA VOLATILIDADE DO PROJETO DE CARTÃO CRÉDITO PESSOAL PREMISSAS DO PROJETO DE CRÉDITO PESSOAL CONSTRUÇÃO DO FLUXO DE CAIXA LIVRE ESTIMATIVA DA VOLATILIDADE DO PROJETO DE CRÉDITO PESSOAL ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROJETOS COMPARAÇÃO DE RISCO E RETORNO COMPARAÇÃO ATRAVÉS DO VPL COMPARAÇÃO PELO MÉTODO DE OPÇÕES REAIS OPÇÕES REAIS 1ª PARTE MESMO INVESTIMENTO INICIAL OPÇÕES REAIS 2ª PARTE NA HIPÓTESE DO MESMO VPL COMENTÁRIOS FINAIS BIBLIOGRAFIA

6 1 INTRODUÇÃO As incertezas inerentes em um projeto constituem um grande desafio para os tomadores de decisão de uma empresa. Estudos anteriores foram realizados com o intuito de tornar a precificação de projetos mais precisa levando-se em conta não só as variáveis internas da empresa como também o cenário macroeconômico. Além disso, a escolha do melhor momento para realizar o investimento é um parâmetro decisivo para a viabilidade de um determinado projeto seja do ponto de vista econômico, buscando maximizar o valor a ser gerado ou do ponto de vista estratégico, em caso de se antecipar a concorrência. Como se não bastassem todos estes fatores a serem considerados em um único projeto, é necessário decidir qual projeto escolher entre os diversos projetos concorrentes pelos mesmos recursos financeiros. Esta dissertação tem por objetivo realizar a análise quanto a decisão de investimento para projetos concorrentes pelo mesmo investimento utilizando a teoria de opções reais. Para isso, será efetuado um estudo de caso avaliando dois projetos dentro de uma mesma instituição financeira. A decisão de investimento em um determinado projeto ocorre na maioria das vezes com a combinação de dois fatores: o retorno esperado positivo e o timing em que este retorno supera o dos projetos concorrentes. De acordo com Dixit e Pindyck (1994), o modelo tradicional de valor presente líquido pode levar a análises equivocadas por duas razões: ignorar a irreversibilidade e a opção de postergar um investimento. Assim, a utilização da teoria das opções reais é interessante para este estudo pois além da análise tradicional de valor presente, incorpora flexibilidade no momento da tomada de decisão. Em estudos anteriores para um único projeto, Ford e Sobek (2004) buscaram explicar através da teoria de opções, o paradoxo na linha de montagem da Toyota onde o timing da decisão de iniciar cada etapa do processo era primordial para ganhar velocidade visto que em determinadas situações, postergar etapas do processo era a melhor maneira de agilizar o desenvolvimento final do produto. 1

7 Similarmente, no caso de projetos múltiplos, o adiamento de um projeto em determinados cenários não significa perdas ou desistências definitivas. Na verdade, pode ser a melhor decisão a ser tomada face a um retorno esperado superior a ser obtido em um momento posterior. Sendo assim, o modelo de opções reais permite à empresa avaliar os projetos não mais de forma isolada, mas considerando também o conjunto de projetos que maximize o valor para a empresa como um todo. Este texto está organizado da seguinte forma: 1. Introdução: Formulação do objetivo da dissertação e definição do ferramental teórico a ser utilizado. 2. Revisão bibliográfica: Apresentação do modelo de opções reais comparado com os modelos tradicionais de avaliação. 3. Metodologia: Apresentação das metodologias para estudos de casos e para a avaliação de projetos utilizando opções reais. 4. Estudo de caso: Aplicação do modelo de opções reais no caso de múltiplos projetos concorrentes dentro de uma instituição financeira. 5. Comentários finais: Avaliação dos resultados e sugestões para desenvolvimento futuro de outros estudos. 2

8 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 MODELOS DE AVALIAÇÃO SEM FLEXIBILIDADE Os modelos sem flexibilidade são aqueles em que não se pode rever a decisão de investimento após o investimento inicial. Entre os modelos tradicionais de avaliação mais utilizados estão: o valor presente líquido (VPL) e a taxa interna de retorno (TIR). O valor presente líquido é a ferramenta mais utilizada pelas grandes empresas na análise de investimentos. (Copeland e Antikarov, 2002, 57). O VPL de um projeto é obtido através dos fluxos de caixa livres gerados pelo mesmo, descontado ao custo do capital próprio, onde: (i) Os fluxos de caixa livres são os fluxos de caixa gerados pela empresa em cada período após os impostos. (ii) O custo de capital é taxa requerida pelos acionistas pelo seu investimento. As dificuldades neste modelo se baseiam na projeção dos fluxos de caixas futuros e na determinação do custo do capital próprio, o que normalmente é considerado conhecido e constante ao longo do tempo do projeto como um todo. A decisão de investimento é tomada caso o VPL calculado do projeto é positivo e rejeitada caso contrário. Já a TIR é a taxa onde o VPL é igual a zero. [..] a regra da TIR é aceitar o projeto de investimento caso o custo de oportunidade de capital seja menor que a TIR. (Brealey e Myers, 2002, 98, tradução nossa). Assim, quando a TIR é maior que o custo de capital, o fluxo de caixa descontado (DCF) do projeto é positivo. 3

9 Entretanto, a utilização da TIR para tomar a decisão de investimento pode resultar em conclusões errôneas. Um projeto com TIR maior pode apresentar VPL menor dependendo da taxa de desconto conforme a figura abaixo: Figura 2.1. Análise pela TIR versus análise via VPL Valor Presente Líquido ($) Projeto A Projeto B Taxa de Desconto (%) Fonte: Brealy e Myers (2002) O gráfico acima apresenta dois projetos: A e B. Pela TIR, o projeto A seria o escolhido por apresentar uma TIR superior ao do projeto B. Entretanto, numa avaliação mais detalhada, nota-se que a análise via VPL nos indica que o projeto B pode ser mais rentável que o A dependendo da taxa de desconto. Caso o custo de capital seja abaixo de 20%, o projeto B proporciona um retorno superior ao do projeto A. Com este exemplo, Brealey e Myers (2002) argumentam que o VPL é a melhor ferramenta de avaliação para projetos, pois não só considera o fluxo de caixa futuro como a taxa de desconto requerido. 4

10 2.2 MODELOS DE AVALIAÇÃO COM FLEXIBILIDADE O termo opções reais é derivado das opções financeiras. Em 1973 Fischer Black e Myron Scholes publicaram o seu modelo de precificação de opções, introduzindo o princípio de avaliação que determinou os fundamentos para a teoria de opções e apresentaram a idéia de que as garantias empresariais podem ser vistas como opções para o valor da empresa. (Smit e Trigeorgis, 2004, 100, tradução nossa). Desta forma, antes de iniciarmos a discussão a respeito de opções reais, é importante apresentarmos como funciona uma opção financeira DEFINIÇÃO DE OPÇÃO FINANCEIRA Uma opção é um direito de fazer algo que se adquire, sem a obrigatoriedade de ser exercido numa data futura. Existem basicamente dois tipos de opções: [...] calls (opções de compra) e puts (opções de venda). Na opção de compra, o detentor (titular ou comprador da opção) tem o direito de comprar o ativo em certa data por determinado preço. Na opção de venda, o detentor tem o direito de vender um ativo em certa data por determinado preço. [...] Uma opção européia pode ser exercida somente na data de vencimento. Uma opção americana pode ser exercida a qualquer momento até o vencimento. (Hull, 1996, 4). Nos casos de opções de ações, os fatores que influenciam no seu preço são: (i) Preço atual da ação: permite estabelecer a base para o preço de exercício. (ii) Preço de exercício: numa ação de compra, por exemplo, o retorno está em quanto o preço de exercício excede o valor da ação no momento do exercício. (iii) Tempo para o vencimento: as opções americanas são mais valiosas a medida que aumenta o prazo para o vencimento. Já para as européias, a mesma 5

11 afirmação não é necessariamente verdadeira, visto que só podem ser exercidas no vencimento e o titular de uma opção de longa duração não tem as mesmas oportunidades de exercício que o titular de uma opção de curta duração. (iv) Volatilidade do preço da ação: mede a incerteza quanto às oscilações dos preços. Quanto mais volátil, maiores são as chances de atingir o preço de exercício e maior é o preço da opção. (v) Taxa de juros livre de risco: afeta o preço, pois com maiores taxas de juros na economia, há uma tendência em aumentar a taxa de crescimento esperado para o preço da ação, e, ao mesmo tempo, diminui o valor atual dos fluxos de caixa a serem recebidos pelo titular da opção no futuro. (vi) Dividendos esperados durante a vida da opção: tendem a diminuir o preço da ação na data ex-dividendo OPÇÕES REAIS A aplicação dos conceitos de opções para ativos reais tem sido uma importante e interessante área em desenvolvimento na teoria e na prática de finanças. Ela tem revolucionado a maneira como acadêmicos e tomadores de decisão pensam sobre projetos de investimento ao incorporar de forma explícita a flexibilidade gerencial nas análises. (Schwarz e Trigeorgis, 2001, 1, tradução nossa). A flexibilidade pode agregar um valor significativo ao projeto, principalmente em casos onde há uma grande incerteza em relação ao fluxo de caixa futuro. O termo real é empregado para diferenciar da opção financeira já que neste caso o ativo subjacente é um ativo real. Como é o caso de suas primas financeiras, o valor das opções reais depende de cinco variáveis básicas [...] além de uma importante sexta variável. (Copeland e Antikarov, 2002, 6). 6

12 Fazendo uma associação direta das seis variáveis entre a opção financeira e a opção real, temos: a) Valor do ativo subjacente sujeito a risco: nas opções reais, o ativo subjacente é um projeto de investimento ou aquisição. b) O preço de exercício: em caso de um investimento, trata-se do valor inicial a ser investido no projeto. É importante destacar que após a decisão de investimento, a mesma é irreversível, isto é, não é mais possível recuperar o valor investido na sua totalidade. c) Prazo de vencimento da opção: similar à opção financeira, quanto maior o prazo, maior é o valor da opção real. d) Volatilidade do valor presente dos fluxos de caixa do ativo subjacente sujeito a risco: medida de volatilidade do projeto. Pode ser obtida através da distribuição dos retornos médios do valor presente do projeto. e) Taxa de juros livre de risco ao longo da vida da opção: o aumento da taxa de juros livre de risco aumenta a opção na medida em que eleva o valor temporal da vantagem monetária do diferimento do custo de investimento. f) Dividendo: diminui o fluxo de caixa que é perdido para os concorrentes, desta forma, reduz-se o valor da opção. Conforme Copeland e Tufano (2004), existem duas diferenças principais entre as opções financeiras e as reais. Primeiro, a informação necessária para avaliar uma opção financeira e tomar a decisão de exercê-la é tipicamente muito mais simples, disponível e rápida que as opções reais. Segundo, uma importante diferença está quanto à transparência dos termos da opção: na opção financeira não existe ambigüidade no direito de exercício, ao passo que 7

13 para um detentor de opção real, não está claro qual é o seu direito para comprar e por quanto tempo este direito irá perdurar. Em projetos de investimento, existem vários tipos de opções possíveis como: - Opção de diferimento nos momentos de investimentos em projetos novos, como a construção de uma nova fábrica, a opção existe quando a decisão de postergar o investimento agrega valor ao projeto em virtude das incertezas do cenário futuro. - Opção de abandono o abandono do projeto pode ser momentâneo para uma possível retomada em um cenário mais favorável ou de forma definitiva, esta opção é importante em projetos de exploração e desenvolvimento de recursos naturais ou mesmo de programas de fusões e aquisições. - Opção de expandir ou contrair produção se a demanda ou mesmo o projeto apresenta um resultado melhor que o esperado é desejável a sua expansão. Caso contrário, o direito de vender parte da capacidade produtiva e reduzir a escala é uma opção importante para a redução do custo variável. - Opções compostas muitas vezes o investimento é feito em fases, sejam seqüenciais ou não. A maioria das fábricas, por exemplo, pode ser construída em várias etapas: uma etapa de projeto, uma de engenharia e uma de construção. (Copeland e Antikarov, 2002, 165). Adicionalmente, de acordo com Dixit e Pindyck (1994), para existir uma opção real são necessárias três condições básicas: (i) Irreversibilidade: o projeto é parcialmente ou totalmente irreversível, isto é, não é possível recuperar todo o investimento inicial caso haja mudança de planos. (ii) Incerteza: a respeito dos retornos futuros do investimento, o fluxo de caixa não é fixo e conhecido de antemão. 8

14 (iii) Possibilidade de reavaliação: é possível postergar a ação para obter mais informações sobre o futuro. A utilização de opções reais para avaliação de projetos foi objeto de diversos estudos no Brasil. Minardi (1996) apresentou a utilização da teoria em avaliação de projetos de investimentos e empresas. Castro (1998) aplicou na precificação de reservatórios e Yang (2001) utilizou a teoria no setor petroquímico. Tendo em vista as dificuldades para avaliar empresas ligadas à internet, Lopes (2001) fez a avaliação de uma empresa de tecnologia, no caso a Globo Cabo. Voltados para a agro-pecuária, Carbinatto (2003) aplicou a teoria no setor de soja e De Zen (2005) na indústria de carnes. Em encontros recentes da ANPAD (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração) e SBFIN (Sociedade Brasileira de Finanças) houve a discussão de inúmeros trabalhos utilizando a teoria de opções reais. D Almeida (2003) aplicou a teoria no dimensionamento de sondas de petróleo. Alvarez (2004) utilizou na análise de investimentos em parcerias público-privadas. Nascimento e Baidya (2005) na avaliação do desenvolvimento de uma nova tecnologia. Rocha et al (2006) analisou a viabilidade econômica de investimentos em barragens e adutoras. Além da aplicação direta da teoria de opções reais, outras análises mais complexas foram feitas, como a de Smit e Trigeorgis (2004) e Dia e Teixeira (2004), combinando a teoria de opções reais com a teoria dos jogos e, Rochman (2005), no desenvolvimento de um modelo para a maximização de valor aliando a teoria de restrições com a teoria de opções reais MODELOS DE AVALIAÇÃO DE OPÇÕES REAIS Em Hull (2003) são discutidos diversos modelos que podem ser utilizados para a avaliação de opções, entre eles: 9

15 Modelo de Black e Scholes: Ficher Black e Myron Scholes revolucionaram as análises de precificação de opções financeiras no início dos anos 70 ao desenvolver este modelo. O modelo de Black e Scholes para precificação de opções segue as seguintes premissas: a) O preço da ação segue um processo estocástico browniano geométrico com média e desvio padrão constantes; b) Não há custos de transação, impostos ou necessidade de margem; c) Não há dividendos durante a vida da opção; d) Os mercados estão sempre abertos e as ações são comercializadas de forma contínua; e) Não há oportunidades de arbitragem sem risco; f) A volatilidade é constante; g) Não há restrições à venda a descoberto e os investidores adquirem a receita total da venda; h) A taxa de juros livre de risco é constante ao longo da opção e todos os investidores podem contrair e conceder empréstimos nesta mesma taxa. Para uma opção de compra européia, que só pode ser exercida na data do vencimento, o seu valor pode calculado através das seguintes fórmulas: Equação 2.1. Valor da opção de compra européia rf C = S N( d ) Xe d d 1 2 t ( T ) S0 1 2 ln( ) + ( rf + σ )( T ) = X 2 σ T = d σ T 1 1 N( d ) 2 onde: N(d) = função de distribuição normal padronizada cumulativa S = preço do ativo subjacente 10

16 rf = taxa de juros livre de risco T = tempo até a expiração = volatilidade do ativo subjacente A fórmula direta acima assume que a distribuição de probabilidades do preço da ação, em qualquer instante futuro, é lognormal. Estudos empíricos mostram que esta premissa gera viés nos resultados do modelo, pois a distribuição real não necessariamente é lognormal. Além disso, há outra limitação do modelo, pois o mesmo considera a volatilidade constante, mas na prática, a volatilidade futura dos preços não só é inconstante como também é incerta. Em 1973, Robert Merton mostrou como ajustar o modelo de Black-Scholes levando em conta o pagamento de dividendos. O modelo de Black-Scholes-Merton parte da premissa de que os dividendos são conhecidos e pagos continuamente. Simulação de Monte Carlo: em muitos casos das análises empíricas existe uma grande quantidade de variáveis sujeitas a incertezas. A simulação é uma ferramenta computacional que permite trabalhar com grande volume de informações de forma interativa. Geralmente, a simulação de Monte Carlo envolve os seguintes passos: 1. modelagem do projeto através de um conjunto de equações matemáticas e identidades para todas as variáveis mais importantes, incluindo a descrição de interdependência entre as diferentes variáveis e os diferentes períodos de tempo; 2. especificação das distribuições de probabilidades para cada uma das variáveis críticas; 3. são retiradas então amostras aleatórias, geralmente com o auxílio de um gerador de números aleatórios, e através da distribuição de probabilidade e inter-relação das variáveis são simulados os fluxos de caixa de cada período; 4. o processo é repetido inúmeras vezes, obtendo para cada vez uma estimativa de VPL. Por último, obtém-se uma distribuição de VPLs, podendo-se 11

17 atribuir probabilidades para cenários ruins e estimar o desvio-padrão do projeto. (Minardi, 2004, 19). Na etapa de definição das variáveis críticas do projeto, a análise de sensibilidade pode ser utilizada em conjunto com a simulação de Monte Carlo. Inicialmente, identificam-se nos fluxos de caixa as variáveis que derivam o VPL. Em seguida, o valor de uma das variáveis é alterado mantendo as outras constantes e, por fim, aquelas que gerarem maiores variações no VPL indicam que são as variáveis mais importantes do projeto. Modelo de árvore binomial: Cox, Ross e Rubinstein (1979) levaram à criação de um modelo discreto para avaliação de opção que envolve a construção das trajetórias que poderão ser seguidas pelo preço da ação durante a vida da opção. Segundo Copeland e Tufano (2004), o modelo binomial é o mais indicado para efetuar uma avaliação através da teoria de opções reais. Os modelos binomiais são facilmente customizáveis para refletir as mudanças na volatilidade e múltiplas decisões. Além disso, tem uma implementação mais simplificada, pois utiliza a álgebra como base de cálculo. O modelo de árvore binomial considera as seguintes premissas: a) O preço da ação (S) desloca-se num movimento ascendente multiplicativo com um fator u e descendente com um d; b) A probabilidade do movimento de alta é p, e de baixa, 1-p; c) A taxa de juros livre de risco (r) é constante ao longo da opção e todos os investidores podem contrair e conceder empréstimos nesta mesma taxa; d) Não há custos de transação, impostos ou necessidade de margem; e) Não há restrições à venda a descoberto e os investidores adquirem a receita total da venda; f) A restrição u > 1+ r > d precisa ser cumprida. Figura 2.1. Árvores binomiais de uma ação e de uma opção de compra 12

18 Valor da ação Valor da opção p us p Cu = máximo entre 0 e us-x S C 1-p ds 1-p Cd = máximo entre 0 e ds-x onde: C = Preço atual da opção; C u = Preço da opção caso o preço da ação suba para us; C d = Preço da opção caso o preço da ação caia para ds. Assim, o valor da opção pode ser calculado a partir das seguintes equações: Equação 2.2. Cálculo do valor da opção C = ou C = p. C u + (1 p). C 1+ r d p. máx(0, us X ) + (1 p) máx(0, ds X ) 1+ r Generalizando para intervalos de tempos diferentes em um período de ( t), o preço da opção é obtido a partir das seguintes fórmulas: Equação 2.3. Cálculo do valor da opção com intervalo de tempo ( t) 13

19 C = t = u = e p. C T N σ t + (1 p). C (1 + r) t 1 d = u t (1 + r) d p = u d u d onde: é a volatilidade do preço da ação. Para avaliar as opções reais, utilizaremos a abordagem probabilística neutra ao risco. Ela parte de um portfólio de hedge composto de uma ação do ativo subjacente sujeito a risco e uma posição vendida de m ações da opção que está sendo apreçada; [...] O coeficiente de hedge, m, é escolhido de tal forma que o portfólio esteja livre de risco no curto período próximo. [...] Se o coeficiente de hegde for exato, a perda com o ativo subjacente será anulada pelo ganho na posição vendida da opção de compra, e o resultado será livre de risco. Copeland (2002). Assim, dentro do conceito de neutralidade ao risco, a taxa livre de risco é a taxa para se descontar os fluxos de caixa no período. 14

20 3 METODOLOGIA 3.1 METODOLOGIA PARA ESTUDO DE CASO O estudo de caso nos permite aplicar a teoria numa situação real e avaliar os resultados obtidos dentro de um ambiente controlado e dentro de algumas premissas definidas inicialmente. Conforme Yin (2003), a metodologia aplicada neste processo envolve os seguintes passos: a) Definição do projeto de pesquisa Constitui-se basicamente de quatro definições: quais questões estudar, quais dados são relevantes e necessários, a coleta dos dados e como analisar os resultados. Com isso, um projeto de pesquisa define a estrutura central a ser seguida ao longo do estudo de forma que se encaminhe para uma definição do problema a ser analisado. Complementarmente, cinco componentes são importantes para se atingir este objetivo: as questões de um estudo, suas proposições, sua unidade de análise, a lógica que une os dados às proposições e, por fim, os critérios para se interpretar as descobertas. b) Preparação para a coleta de dados Esta etapa é iniciada com a preparação do analista na adequação dos questionamentos a serem feitos de forma que os dados sejam suficientes para respondê-los. Adicionalmente, a utilização de um protocolo para estudo de caso é um instrumento interessante pois fornece uma visão geral do caso, os procedimentos durante a coleta de dados, as questões do estudo de caso e um guia para o relatório do estudo. c) Coleta efetiva dos dados e evidências Com o objetivo de se obter dados confiáveis para o estudo, são importantes alguns princípios como a convergência de mais de uma fonte, a checagem da conexão entre as questões efetuadas, os dados coletados e as conclusões a que chegaram. 15

21 d) Análise dos dados É primordial ter uma visão clara de como o dado deve ser analisado e a sua relevância para a conclusão do caso. Duas estratégias podem ser seguidas para a análise: a primeira baseia-se nas proposições teóricas e a segunda, no desenvolvimento de uma descrição do caso. A proposição teórica serve como um guia da análise do estudo de caso apesar de muitas vezes induzir a um viés em função do foco definido. A proposição auxilia na organização do estudo como um todo e na definição das explanações alternativas a serem analisadas. A segunda estratégia refere-se à situação onde não se possui uma proposição teórica e se baseia simplesmente no desenvolvimento de uma estrutura descritiva com o objetivo de organizar o estudo de caso. Como métodos para a análise de dados temos: a adequação do padrão, análise de séries temporais, os modelos lógicos de programa, entre outros. e) Conclusão do estudo É a etapa final e combina os conceitos teóricos com as evidências apresentadas a partir da análise de dados. A conclusão do estudo procura responder as questões inicialmente propostas, bem como enumerar as soluções alternativas não se limitando apenas a soluções diretas. A utilização da metodologia permite organizar, planejar e direcionar o estudo de caso. Com isso, é possível definir o foco do projeto, as ações prioritárias e os dados necessários para obter uma conclusão concisa do problema dentro de uma visão imparcial. Na seção 1 deste estudo definimos o objetivo do trabalho em questão, as suas principais etapas e o ferramental que será utilizado para efetuar a análise. Na seção 4, seguiremos no 16

22 detalhamento do escopo, aprofundando a apresentação dos projetos e a sua contextualização no ambiente macro no qual estão inseridos. Em relação aos dados utilizados, haverá um foco predominante nas informações de acesso público, seja de associações e publicações setoriais, órgãos fiscalizadores ou reguladores. Como exemplo, a fonte de diversos parâmetros que serão utilizados neste trabalho é proveniente do banco de dados do Banco Central do Brasil. O estudo de caso, que será detalhado na próxima seção, envolve produtos do sistema financeiro nacional com instituições que prestam contas para esta autarquia federal conforme determinado na Constituição Federal de Vale ressaltar que apesar deste trabalho analisar dois projetos que fazem parte de um contexto real, eles ainda estão em fase de desenvolvimento, sem as suas implementações efetivadas. Como preparação para a análise dos dados, a revisão bibliográfica efetuada na seção anterior teve por objetivo avaliar as ferramentas disponíveis, as vantagens e limitações de cada uma delas, bem como a melhor forma de aplicar a teoria a ser utilizada. A aplicação da teoria nas análises seguirá as metodologias descritas nesta seção e os resultados serão validados a cada etapa no decorrer do seu desenvolvimento. A proposta deste trabalho é a utilização da ferramenta de opções reais para análise de investimentos para situações que envolvem mais de um projeto. Na conclusão do estudo de caso, buscaremos responder as questões levantadas sobre como aplicá-la numa situação real, avaliando os possíveis vieses, bem como propor alternativas que possam mitigar os eventuais desvios a serem verificados. 17

23 3.2 PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE OPÇÕES REAIS Copeland e Antikarov (2002) descrevem o processo de avaliação de empresas através da teoria de opções reais a partir de quatro passos, conforme o diagrama a seguir: Figura 3.1. Abordagem geral para avaliação através da teoria de opções reais Passo 1 Passo 2 Passo 3 Passo 4 Cálculo do valor base sem flexibilidade Modelagem da Incerteza por meio de árvores de eventos Identificar e incorporar flexibilidade com árvores de decisão Fazer a análise de opções reais Fonte: Copeland e Antikarov (2002) Passo 1: Cálculo do valor base sem flexibilidade Na primeira etapa, projetam-se os fluxos de caixas livres que se espera obter ao longo do projeto. Por ser um cálculo direto, o valor dos fluxos projetados deve consistir com a precificação sob a hipótese de ausência de flexibilidade, isto é, com o valor obtido através do VPL. Nas seções e definiremos os itens de receitas e despesas que compõem os fluxos de caixa esperados de cada projeto e as evoluções dos mesmos ao longo dos períodos a serem analisados. A partir daí, será possível calcular os VPLs onde teremos os primeiros resultados para uma tomada de decisão. É importante ressaltar que apesar das limitações do VPL, por ser uma ferramenta que não possibilita agregar a flexibilidade gerencial, em muitos casos a decisão de investimento pode já ser tomada de imediato, como por exemplo, numa situação onde o VPL encontrado seja elevado em relação ao investimento que demanda o projeto. 18

24 Passo 2: Modelagem da incerteza por meio de árvores de eventos Nesta fase, constroem-se as árvores de eventos fundamentadas nas incertezas combinadas que afetam diretamente a volatilidade do projeto. Na árvore de eventos não existem decisões; ela tem por objetivo modelar as incertezas, que podem ser de ordem tecnológica, econômica, entre outros fatores que influenciam o valor do ativo subjacente sujeito a risco. A volatilidade do projeto reflete a amplitude das incertezas e a partir dos fluxos de caixas livres modelados é possível efetuar a análise de risco através de simulações, como a de Monte Carlo, por exemplo. Dos resultados obtidos da simulação é possível extrair a volatilidade dos projetos. Este é um parâmetro essencial para a análise de opções reais visto que é dele que se origina o valor da opção. Assim, quanto maior a volatilidade, maior é o valor da opção real dentro de um projeto comparado com ao valor obtido na análise sem se levar em consideração a flexibilidade gerencial. Para um melhor entendimento de uma árvore de eventos vamos utilizar de forma simplificada um exemplo criado por Copeland e Tufano (2004): a empresa fictícia de commodities químicos (chamada Copano) precisa decidir se investe em uma nova fábrica. O projeto custará de imediato $ 60 milhões para permissões e preparações. No final do primeiro ano, a empresa pode investir mais $ 400 milhões para completar a fase de design. Ao fim desta esta etapa, a empresa tem dois anos para decidir se investe os $ 800 milhões necessários para construir a nova fábrica. Como o projeto envolve algumas fases de investimento, podemos tratá-lo como uma opção composta, onde numa primeira fase com $ 60 milhões cria-se o direito de investir $ 400 milhões em um ano, e exercendo a primeira opção cria o direito de investir $ 800 milhões para adquirir um novo ativo que é a fábrica. Para construir a árvore de eventos deste projeto, vamos pressupor que o valor de hoje desta nova fábrica é de $ 1 bilhão com uma volatilidade de 18,23%. Além disso, caso os spreads dos preços aumentem, o valor da fábrica cresce a cada período com um fator de 1,2 e decresce a 0,

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 12 2 Revisão da Literatura 2.1. Avaliações de Projetos de Investimentos 2.1.1. Avaliações pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado O método do fluxo de caixa descontado diz respeito ao conceito do valor

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

2. Avaliação de Ativos

2. Avaliação de Ativos 15 2. Avaliação de Ativos 2.1. O método tradicional Fluxo de Caixa Descontado (FCD) O método de fluxo de caixa descontado (FCD) é atualmente o mais utilizado por profissionais de finanças na avaliação

Leia mais

Introdução as Opções Reais

Introdução as Opções Reais Introdução as Opções Reais Capitulo 1 - Uma nova visão de investimento A economia define investimento como ato de incorrer em custo imediato na expectativa de recompensas futuras. Firmas que constroem

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Audiência Pública CAE junho de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

Veja na figura 1 o fluxo de caixa (em $1.000) que pode exprimir as entradas e saídas de caixa de um desenvolvimento de um novo produto:

Veja na figura 1 o fluxo de caixa (em $1.000) que pode exprimir as entradas e saídas de caixa de um desenvolvimento de um novo produto: CAPÍTULO 8 OPÇÕES REAIS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Segundo Copeland, Koller e Murrin Os métodos de precificação de opções são superiores às abordagens DCF (Discounted Cash Flow) tradicionais porque captam

Leia mais

2 Teoria das Opções Reais

2 Teoria das Opções Reais 2 Teoria das Opções Reais 2.1. Introdução Este capítulo descreve os conceitos da teoria de opções reais utilizada para a avaliação de ativos reais, tais como projetos de investimento, avaliação de projetos

Leia mais

5 Modelagem: Aplicação a um Projeto de Troca de Aparelhos de Ar Condicionado

5 Modelagem: Aplicação a um Projeto de Troca de Aparelhos de Ar Condicionado 5 Modelagem: Aplicação a um Projeto de Troca de Aparelhos de Ar Condicionado Será analisado nesta seção do trabalho o valor da flexibilidade gerencial que os administradores da Companhia têm em fazer o

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA

COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA O que são opções? Precificação de opções Exemplo de árvore recombinante Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009 Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento CARDS 28 de abril de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização dos Instrumentos

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Valor Presente Líquido. 2 Do inglês Capital Asset Pricing Model ou Modelo de Precificação de Ativos.

1 INTRODUÇÃO. 1 Valor Presente Líquido. 2 Do inglês Capital Asset Pricing Model ou Modelo de Precificação de Ativos. 17 1 INTRODUÇÃO A eficiência dos métodos tradicionais de análise de investimentos, como o VPL 1 obtido a partir do desconto dos fluxos de caixas usando uma taxa que reflita o custo de oportunidade do investidor,

Leia mais

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar Opções Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Opção É um contrato que da o direito, mais não a obrigação de comprar ou vender um determinado ativo subjacente a um determinado preço Tipos de Opções Uma opção de compra

Leia mais

Aplicação de opções reais em um estudo de caso sobre terceirização

Aplicação de opções reais em um estudo de caso sobre terceirização Aplicação de opções reais em um estudo de caso sobre terceirização Fábio de Oliveira Alves (UFMG) foalves@yahoo.com.br Antônio Sérgio de Souza (UFMG) antonio@dep.ufmg.br Resumo Este artigo retrata a aplicação

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) 1 Sumário: 1) Introdução

Leia mais

Análise Comparativa dos Métodos Financeiros para Avaliação de Empreendimentos de Infra-Estrutura Aeronáutica

Análise Comparativa dos Métodos Financeiros para Avaliação de Empreendimentos de Infra-Estrutura Aeronáutica Anais do 14 Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 20 a 23, 2008. Análise Comparativa

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO NO SETOR DE MINERAÇÃO UTILIZANDO ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO NO SETOR DE MINERAÇÃO UTILIZANDO ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS Leandro Paloschi Dick AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO NO SETOR DE MINERAÇÃO UTILIZANDO ANÁLISE POR

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007

Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007 1 Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007 Secretaria de Acompanhamento Econômico 1 Brasília 27 de maio de 2008 2 ESTRUTURA A Secretaria de Acompanhamento Econômico/MF Panorama

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados.

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. ANÁLISE DE RISCO E DERIVATIVOS Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 09.11.2012 OBJETIVOS DA AULA Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. 1 Relembrando a aula de VAR... O

Leia mais

Sumário. Parte Um Introdução à administração financeira. Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2

Sumário. Parte Um Introdução à administração financeira. Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2 Sumário Prefácio Parte Um Introdução à administração financeira xiii Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2 1.1 Finanças e empresas 3 O que são finanças? 3 Principais áreas e oportunidades

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 9: Concessionárias de Transmissão S u b m ó d u l o 9. 8 M e t o d o l o g i a d e c á l c u l o de p r e ç o t e t o d a R e c e

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

Gestão Financeira de Empresas

Gestão Financeira de Empresas Gestão Financeira de Empresas Módulo 6 Decisões de investimento de longo prazo Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail:luiz.campagnac@gmail.com Livro - Texto Administração Financeira: princ princípios, pios,

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS)

COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS) COMO QUALIFICAR O PREÇO DE VENDA DE SEUS PRODUTOS (UTILIZANDO AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTOS FORMAÇÃO DE PREÇOS)! A TIR e o VPL Na Formação do Preço Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Considerações Gerais

1 Introdução. 1.1 Considerações Gerais 1 Introdução 1.1 Considerações Gerais Durante a última década do século passado, o Setor Elétrico Brasileiro (SEB) passou por um grande processo de reestruturação, saindo de uma situação de monopólio estatal

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas CUSTO DAS DIVERSAS FONTES DE CAPITAL Aula 4 Da aula passada: Vimos a relação entre risco e retorno; Os benefícios da diversificação (eliminação do risco não-sistemático); O que importa

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS

INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS Fundos de Investimento Alternativo Os investimentos alternativos proporcionam uma fonte alternativa de rendimentosaos investimentos tradicionais, tais

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

www.convexity.net.br http://www.convexity.net.br/treinamentos/in stituto-educacional-bmfbovespa-fazendo-adiferenca/

www.convexity.net.br http://www.convexity.net.br/treinamentos/in stituto-educacional-bmfbovespa-fazendo-adiferenca/ www.convexity.net.br A Convexity possui uma parceria com o Instituto Educacional BM&FBOVESPA. A parceria abrange os seguintes aspectos: - Os treinamentos Convexity são certificados pelo Instituto Educacional.

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 COMO FAZER RAPIDAMENTE PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Projeção do Balanço, Resultado e do Caixa integrados Qual o melhor método para uma projeção rápida Finalidades

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS Disciplina: Economia 30 h/a Mercado e seu equilíbrio: teoria do consumidor e a curva de demanda; Teoria da produção, custos, e a curva de

Leia mais

A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS

A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS Rodrigo de Moares Gaudard (UnB) gaudard.rodrigo@gmail.com Iana Giesbrecht

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

3. Metodologia. 3.1.Tipo de Pesquisa

3. Metodologia. 3.1.Tipo de Pesquisa 3. Metodologia 3.1.Tipo de Pesquisa Há várias taxonomias de tipos de pesquisa, conforme os critérios dos diferentes autores. O importante é que o tipo de pesquisa seja o mais adequado ao fenômeno objeto

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R

O F Í C I O C I R C U L A R 5 de outubro de 00 143/00-DG O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais Ref.: Limites Mínimo e Máximo para Prêmios, Preços de Exercício e Preços de

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

Spinelli Análise VisaNet

Spinelli Análise VisaNet Spinelli Análise VisaNet 02 de outubro de 2009 Destaques: VNET3 Preço alvo: R$ 20,62 Cotação: R$ 17,00 Upside: 21,3% Empresa: A VisaNet é a empresa líder da indústria de cartões de pagamento no mercado

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS

FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS Ângelo da Silva Agosto/2011 Conceitos 2 Lucro econômico (L) = Receitas Custos (deve embutir o custo de capital, diferindo do lucro contábil) Um projeto

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO TIPOS DE CARTÃO CARTÃO DE CRÉDITO Instrumento de pagamento que possibilita ao portador adquirir bens e serviços nos estabelecimentos credenciados mediante um determinado limite de crédito. O cliente poderá

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N O Cartão do Servidor PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA Cartão BMG Card O BMG Card é um cartão de crédito com bandeira MasterCard, direcionado aos Servidores Públicos Estatutários do Governo de Santa Catarina,

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS

O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS O desenvolvimento crescente da utilização de meios de pagamento alternativos nas operações dos supermercados coloca mais uma vez em evidência a necessidade

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

IND 2072 - Análise de Investimentos com Opções Reais

IND 2072 - Análise de Investimentos com Opções Reais IND 2072 - Análise de Investimentos com Opções Reais PROVA P2 1 o Semestre de 2007-03/07/2007 OBS: 1) A prova é SEM CONSULTA. Nota da prova = mínimo{10; pontuação da P2 + crédito da P1} 2) Verdadeiro ou

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO

COOPERATIVA DE CRÉDITO 3 COOPERATIVISMO Baseia-se na união de pessoas onde cada membro deve contribuir com uma parcela ou quota parte, colaborando para a melhoria das condições econômicas e sociais de todos que fazem parte dessa

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Manual do Desenvolvedor

Manual do Desenvolvedor estamos todos ligados 01 02 03 04 05 3 Diferenças de taxa de desconto 5 Processamento e retorno 5 Especificações do layout 6 Estrutura do arquivo 7 06 07 5.1 Tipo de bandeira (posição 78) 8 Erro de estrutura

Leia mais

DINHEIRO DE PLÁSTICO- CARTÕES DE DÉBITO E CRÉDITO

DINHEIRO DE PLÁSTICO- CARTÕES DE DÉBITO E CRÉDITO DINHEIRO DE PLÁSTICO- CARTÕES DE DÉBITO E CRÉDITO Os cartões de débito e crédito facilitam o dia a dia e proporcionam maior segurança tanto para o cliente pessoa física quanto para as empresas que se utilizam

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Quanto vale o meu negócio?

Quanto vale o meu negócio? Quanto vale o meu negócio? Apoio: Publicação: Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP) Edição: Março 2015 Coordenação: Ângela Ximenes Superintendente Executiva Gabriela Sant Anna

Leia mais

2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento

2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento 2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento Abril de 2007 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2º PANORAMA ANUAL DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Evolução dos fundos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Spread Bancário Brasileiro

Spread Bancário Brasileiro UNICAMP Projeto Supervisionado Spread Bancário Brasileiro Daniel Hauschild de Aragão RA 093607 Orientador: Laércio Vendite Objetivo: Este trabalho tem como objetivo a apresentação do método de cálculo

Leia mais

Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1

Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1 Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1 De tempos em tempos a sociedade debate se deve ser permitida a diferenciação de preços

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais