Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG"

Transcrição

1 Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos Márcio Roldão INDG

2 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL - INDG; NOVAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA DOS RESULTADOS: FOCOS DE ATUAÇÃO x CADEIA DE VALOR x PROCESSOS; MÉTODO DE SOLUÇÃO DE PROBLEMAS; PASSO A PASSO DO MÉTODO E FERRAMENTAS; APLICAÇÃO DA METODOLOGIA E DIFICULDADES; FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO.

3 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL O INDG Instituto de Desenvolvimento Gerencial é a maior organização de consultoria empresarial brasileira. Nossa equipe é constituída por cerca de 9 consultores com experiências adquiridas em vários setores, atuando também no exterior. Nosso trabalho consiste em construir um Sistema de Gestão Empresarial que reflita diretamente seu sucesso nos resultados financeiros da empresa. Isto é feito: - Dentro das organizações clientes, no local de trabalho; - Com foco em resultados contábeis (se a meta é atingida, a transferência do conhecimento foi bem conduzida); - De forma prática (learn( by doing) ) fazendo a tarefa junto com o cliente, transferindo o conhecimento gerencial.

4 Em alinhamento com a idéia de ampliação do conceito de desperdícios podemos encontrar várias oportunidades de melhoria dos resultados no varejo: Receita Volume Mix Preço FOCO EM VENDAS Lucro Operacional Pessoal GERAR VALOR Custos Operacional Fixo FOCO EM CUSTOS Variável Custo do Capital Empregado Prazo Médio Pagamento Estoques Prazo Médio Recebimento FOCO EM CAPITAL EMPREGADO

5 Estas oportunidades (focos de atuação) podem ser diretamente correlacionadas com a Cadeia de Valor das organizações... Infra-estrutura da Empresa Recursos Humanos/Tecnologia da Informaçãos FOCO EM CUSTOS FIXOS FOCO EM Marketing, Vendas e P&D VENDAS Administrativo/Contábil/Financeiro FOCO EM Logística CUSTOS OPERACIONAIS Operações Suprimentos de Entrada FOCO EM CAPITAL EMPREGADO Logística de Saída Serviços ao Cliente FOCO EM VENDAS MELHORIA DOS Lucro RESULTADOS Operacional

6 ... e esta por sua vez, deve ser desdobrada em grandes processos, onde necessariamente a melhoria deve ocorrer, para que tenhamos uma maior geração de valor (resultados). Eficácia cia = Ser veloz Suprimentos Logística de entrada Comercialização Logística de saída Serviços ao cliente Processos FIM Processos MEIO Maximizar Resultados: Gerar fluxo de caixa positivo. Administrativo Informática Marketing Contábil/Financeiro Recursos Humanos Ger. Produtos Eficiência = Fazer mais com menos

7 Aumentar a Eficiência e a Eficácia de um processo ocorre através da utilização de um Método de Solução de Problemas e seu conjunto de Ferramentas. CONCLUSÃO: Revisão das atividades de planejamento para trabalho futuro PADRONIZAÇÃO: Eliminação definitiva das causas 7 8 A C 1 P D PROBLEMA: Identificação do problema 2 ANÁLISE DO FENÔMENO 3 4 ANÁLISE DO PROCESSO PLANO DE AÇÃO: Contra-medidas das causas principais 6 VERIFICAÇÃO: Confirmação da efetividade da ação 5 EXECUÇÃO: Atuação de acordo com o Plano de Ação META + (META) MÉTODO HODOS (CAMINHO)

8 ETAPA 1: IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA Quais os Custos Mais relevantes Definição de Submetas suficientes para a Meta Geral MELHOR MELHOR MELHOR MELHOR MELHOR MELHOR Resultados FinanceiroS MELHOR MELHOR $ $ $ $ $ PREMISSAS DO PROJETO Estimativas de Ganhos Financeiros INDICADORES COMPARATIVOS ESCOLHA TEMAS Perdas Custos Logística Embalagem Etc. Selecionar Agrupamentos Priorização das frentes de ataque Cluster semelhantes Definição das Metas Tema A MELHOR Desdobramento dos dados Identificação dos Benchmarking e Régua Tema B Tema C

9 ETAPA 1: PRINCÍPIO DA VARIABILIDADE Lacuna R$ Oportunidades Análises Melhor Pratica Média Máximo Entidades Onde existe variação, existe oportunidades de melhoria. A análise da variabilidade identifica lacunas em relação à melhor prática e permite comparar o desempenho entre entidades pertencentes a um mesmo agrupamento. Um percentual da lacuna é definido como meta desafio.

10 ETAPA 2: ANÁLISE DE FENÔMENO Estratifica o problema para direcionar a análise de causas Estratificação Por produto Folha Verificação Coleta de Dados Rejeitados Tipo Maq 1 Maq 2 A B Maq Diagrama de Árvore NOTA FISCAL ATRASADA COBRANÇA INDEVIDA PROBLEMA NO NOTA FISCAL SETOR DE ERRADA TESOURARIA FALTA DE RECURSOS EM CAIXA OUTROS NOTA FISCAL ATRASADA Por Local COBRANÇA PROBLEMA NO NOTA FISCAL FALTA DE OUTROS INDEVIDA SETOR DE ERRADA RECURSOS EM TESOURARIA CAIXA Pareto NOTA FISCAL ATRASADA COBRANÇA INDEVIDA PROBLEMA NO SETOR DE TESOURARIA NOTA FISCAL ERRADA FALTA DE RECURSOS EM CAIXA NOTA FISCAL ATRASADA OUTROS COBRANÇA INDEVIDA PROBLEMA NO SETOR DE TESOURARIA NOTA FISCAL ERRADA FALTA DE RECURSOS EM CAIXA OUTROS NOTA FISCAL ATRASADA Por Horário COBRANÇA PROBLEMA NO NOTA FISCAL FALTA DE OUTROS INDEVIDA SETOR DE ERRADA RECURSOS EM TESOURARIA CAIXA NOTA FISCAL ATRASADA COBRANÇA INDEVIDA PROBLEMA NO NOTA FISCAL SETOR DE ERRADA TESOURARIA FALTA DE RECURSOS EM CAIXA OUTROS

11 ETAPA 3: ANÁLISE DE PROCESSO Identifica a causa raiz do problema Diagrama de Causa e Efeito Fluxograma INÍCIO MATÉRIA PRIMA MÃO DE OBRA MÁQUINA Escolher Forma Untar Forma Problema, situação ou evento Colocar Massa Preparar Forno N Temp ok? S MÉTODO MEIO AMBIENTE MEDIDA Assar Bolo FIM MÉTODO DOS PORQUES!!!

12 ETAPA 4: PLANO DE AÇÃO 5W 1H Estabelece ações necessárias e suficientes para remoção das causas CAUSA ESCOLHIDA Mesa de corte inadequada na Peixaria Falta uma cultura de economia O QUE FAZER? Modificar a Mesa de Corte para conter os resíduos Implantar uma cultura de economia de agua na loja COMO FAZER? QUEM? 1 - Fazer experiencia na mesa de corte que está sobrando da Peixaria colocando 1 - Elaborar materiar para divulgacao e promocao 2 - Dar treinamento para a equipe 3 - Divulgar mensalmente o resultado do consumo Tiago (manut.) QUANDO? (Detalhes da ação, onde será feito, por que) Responsável Prazo/conclusão Sem. 23 Maria Luíza Sem. 25

13 ETAPA 5: EXECUÇÃO PROCESSO DE MELHORIA CONTÍNUA Legenda: Verde - Ação no Prazo; Vermelho - Ação Atrasada; Preto - Ação OK Farol de acompanhamento do Plano de Ação RESPONSÁVEL: Maria Reduzir consumo de água em 25% Causa N AÇÃO QUEM? (Responsável) QUANDO? (Prazo) MAIO JUNHO Modificar a mesa de corte para conter os resíduos Fazer experiência na mesa de corte que esta sobrando da peixaria adaptando canaletas para escorrer o resíduo Thiago 2/jun 2 -Implantar uma cultura de economia de água na loja 2.1- Elaborar material para divulgação e promoção Maria 11/jun 2/jul Dar treinamento para equipe Maria 5/jun 2.3- Divulgar mensalmente Resultado do consumo Maria 12/jun 19/6

14 ETAPA 6: VERIFICAÇÃO Gestão à Vista gráficos dos resultados mensais dos indicadores prioritários, com indicação da meta e status. Farol planilha que possibilita visualizar os resultados mensais dos indicadores prioritários, bem como a tendência, podendo ser realizados vários tipos de consultas e análises, para um grupo (cluster) ou para um indicador dentro do grupo. Ranking instrumento gerencial que classifica as entidades de cada grupo pelo resultado do mês. Diagnóstico identificar o status da implantação da metodologia, além de fornecer uma oportunidade de treinamento (OJT) no método, com esclarecimento de dúvidas e orientações. Avaliação do Ganho sistema capaz de computar mensalmente o ganho real (resultado financeiro) obtido com o processo de melhoria contínua.

15 ETAPA 6: EXEMPLO DE GESTÃO À VISTA Custos Operacionais Volume de Vendas Ações ENERGIA EMBALAGEM DESPESAS Ações Ações Ações Ações Ações Ações RESULTADO GERAL

16 ETAPA 7: PADRONIZAÇÃO Elabora os Padrões Operacionais; Defini e dissemina Melhores Práticas; Desenvolve o treinamento no trabalho; Desenvolve o diagnóstico do trabalho operacional; Treina e retreina a equipe na metodologia; Apresenta resultados.

17 2, 1,5 1,, ETAPA 8: CONCLUSÃO COMO AVANÇAR NO PLANEJAMENTO White Belt Green Belt Black Belt Metodologia e ferramentas da qualidade Metodologia e ferramentas analíticas Ferramentas avançadas Seasonal Analysis for Volume produ Seasonal Indices Original Data, by Seasonal Period Percent Variation, by Seasonal Period Residuals, by Seasonal Period Medida 1 Medida 2 Medida 3 Medida 4 Fatores causais Medida 1 Medida 2 Medida 3 Medida 4 Fatores causais

18 APLICAÇÃO DA METODOLOGIA Metodologia Entendimento da ferramenta, definição e validação dos temas e metas, seleção dos grupos de trabalho Líderes dos projetos, conhecem o método, condução dos trabalhos Liderança Domínio da metodologia Base Conhecedores da metodologia Grupo maior, reuniões de idéias, causa e efeito,... Pessoas Execução do planos de ação, padronizações

19 DIFICULDADES NECESSIDADE DE RESULTADOS DE CURTÍSSIMO PRAZO GERANDO AÇÕES DESESTRUTURADAS; CULTURA DE REDUÇÃO DE CUSTOS PONTUAL; PROCESSOS DE MELHORIA EMPURRADOS ; INEXISTÊNCIA DE UMA SISTEMÁTICA FORMAL DE LEVANTAMENTO, PRIORIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROBLEMAS; NECESSIDADE DE BANCO DE DADOS ESTRUTURADO; MUDANÇA CONTÍNUA DA ESTRATÉGIA DA EMPRESA; DINAMISMO DO SETOR EM TERMOS DE TECNOLOGIA ; TURN OVER CAUSA NECESSIDADE DE TREINAMENTOS CONSTANTE.

20 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO LIDERANÇA GERAÇÃO DE VALOR CONHECIMENTO GERENCIAL CONHECIMENTO TÉCNICO

21 FIM CONTATO: MÁRCIO ROLDÃO DE ALMEIDA COSTA INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL (31)

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

PALESTRA: SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL

PALESTRA: SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL I SEMINÁRIO REGIONAL DA QUALIDADE PALESTRA: SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL ENG. MÁRCIO ROLDÃO COSTA ROTEIRO DA PALESTRA 1. APRESENTAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - ; 2. CÓDIGOS FONTE

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. A Empresa i. Nossas Crenças O Grupo Voitto i Método de Trabalho iv. Nossos Diferenciais v. Nossos Clientes vi. Equipe Societária 2. Mercado de Consultoria no Brasil

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Filomena Garcia Sócia-Diretora do Grupo Cherto: Comercial, Expansão de Franquias e Rede de Negócios

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH Alinhado ao Negócio Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH ALINHADO AO NEGÓCIO Essencial x fundamental As pessoas e a empresa A importância da estratégia Navegar é preciso A espinha dorsal do

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Qual a melhor técnica para auto-avaliação?

Qual a melhor técnica para auto-avaliação? técnicas Qual a melhor técnica para auto-avaliação? : Integração das ferramentas de auto-avaliação 1. Por meio de questionários aplicados às partes interessadas (docentes, discentes, funcionários e sociedade)

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

8.2.4 Controle de estoque de matérias-primas...193 8.2.5 Conceito de cadeia competitiva...194 8.3 Tópicos para reflexão pelos grupos de cumbuca...

8.2.4 Controle de estoque de matérias-primas...193 8.2.5 Conceito de cadeia competitiva...194 8.3 Tópicos para reflexão pelos grupos de cumbuca... Sumário 1 Sobrevivência e produtividade...25 1.1 Conceito de qualidade...26 1.2 Conceito de produtividade...27 1.3 Como melhorar a produtividade...29 1.4 Conceito de competitividade...31 1.5 Conceito de

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS SM

GESTÃO DE PROCESSOS SM GESTÃO DE PROCESSOS OBJETIVOS OBJETIVOS Promover a percepção de negócio, a partir do Mapeamento e da Gestão de Processos, focalizando principalmente: O desenvolvimento de uma visão sistêmica e estratégica

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês)

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) Vicente Falconi Campos TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) 1. Sobrevivência e Produtividade.................................................... 01 1.1. Conceito de qualidade.......................................................

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA COMO FALHAR COM SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ Quem somos de atuação. Foco em métodos quantitativos para qualidade, produtividade

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22 Nesta edição Siqueira Campos valida Escala de Alienação Parental Novo cliente: Castrolanda Gráficos e análise de

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 30 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade V: O Plano de Marketing Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM Planejamento é tudo... Link: http://www.youtube.com/watch?v=dwt9ufbxluk

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Plano de Comunicação

Plano de Comunicação PLANO DE COMUNICAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS PMIMF Plano de Comunicação É o artefato que visa planejar e documentar a comunicação existente entre os projetos, o escritório de projetos, o Ministério da

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO NOVAS LIDERANÇAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO NOVAS LIDERANÇAS Apresentação Atenta aos movimentos do mercado e ao cenário competitivo vivenciado pelas empresas e profissionais, a ADVB/RS atua na área de educação corporativa e oferece conhecimentos alinhado às principais

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Centro de Iniciação ao Esporte Gestão de Equipamento Esportivo

Centro de Iniciação ao Esporte Gestão de Equipamento Esportivo Centro de Iniciação ao Esporte Gestão de Equipamento Esportivo SNEAR/ME DEZ/14 Objetivo: orientar os entes selecionados a desenvolver o Plano de Gestão. IMPORTÂNCIA PLANO DE GESTÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Sumário 03. Nossa Empresa 05. Seis Sigma 06. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 07. Conteúdo Programático 12. Certificados 13. Principais Instrutores

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Gestão para Resultados

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Gestão para Resultados Gestão para Resultados Gerenciar é atingir metas Nada acontece em uma Organização, a não ser por uma ação gerencial Prof. Vicente Falconi ampos OBJETIVO FINAL DAS AÇÕES EM TODAS AS ÁREAS DA EMPRESA ATINGIR

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria

Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria 2 Ferramentas da Qualidade Para outras publicações acesse: Sercan Materiais Didáticos www.smd.sercan-consultoria.com.br Sercan Treinamento e Consultoria

Leia mais

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula Plano de Aula - Sistema de Gestão da - cód. 5325 Aula 1 Capítulo 1 - Conceitos e Fundamentos da Aula 2 1 - Aula 3 1 - Aula 4 1 - Aula 5 Capítulo 2 - Ferramentas da Aula 6 2 - Ferramentas da Aula 7 2 -

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 7º Encontro - 09/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - PRODUTIVIDADE - VÍDEOS PARA DEBATE -

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE

ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE AUX. ADMINISTRATIVO Escolaridade: Superior em Administração, Ciências Contábeis e/ou áreas afins Experiência: Necessário experiência com lançamentos

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Esta seção agrupa os componentes relacionados ao sistema de governo da Organização, aos aspectos

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA 1. OBJETO 1.1. A LEYA BIKES S.A realizará licitação para a prestação dos serviços de Consultoria em Comunicação, levando em conta

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

PROPOSTA PROCESSO PARA O DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL E DO NEGÓCIO

PROPOSTA PROCESSO PARA O DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL E DO NEGÓCIO PROPOSTA PROCESSO PARA O DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL E DO NEGÓCIO São Paulo, 21 de março de 2013. Cara Bruna, Conforme combinado segue proposta de consultoria e acompanhamento financeiro e estratégico

Leia mais

PAEX Parceiros para a Excelência

PAEX Parceiros para a Excelência PAEX Parceiros para a Excelência Estabelecer parcerias por melhores resultados: uma prática comum na natureza e nas empresas que querem se desenvolver. CONHECA A FDC Alianças Internacionais: Uma Escola

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Estruturar e implantar uma unidade administrativa para assessorar a alta administração do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais em relação à elaboração e ao

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

MÓDULO GESTÃO ESTRATÉGICA

MÓDULO GESTÃO ESTRATÉGICA MÓDULO GESTÃO ESTRATÉGICA STRATEC " Somos uma empresa de tecnologia, cujo DNA está na aplicação de metodologias de gestão, tendo sua origem no spin- off de uma empresa de consultoria. Desenvolvemos softwares

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus!

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus! Palestras, Treinamentos e Consultoria para Gestão Ministerial Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência Instituto Crer & Ser A excelência honra a Deus! Quem somos O Instituto Crer & Ser nasceu

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Gestão focada na redução de custos através do método do Diagnóstico de Desempenho Operacional (DDO)

Gestão focada na redução de custos através do método do Diagnóstico de Desempenho Operacional (DDO) Gestão focada na redução de custos através do método do Diagnóstico de Desempenho Operacional (DDO) Ademir Kricheldorf Ademir_Kricheldorf@ig.com.br Gerson Gilgen octopusconsultoria@gmail.com Guilherme

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Mining 2014 Redução de Custos

Mining 2014 Redução de Custos www.pwc.com.br Redução de Custos O desafio das empresas para manter a rentabilidade com preço do minério em queda Conectando Estratégia à Execução Luís Seixas Sócio Advisory Brasil competência Melhoria

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais