O poder global do agribusiness brasileiro. Um relatório do Economist Intelligence Unit. Patrocinado por

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O poder global do agribusiness brasileiro. Um relatório do Economist Intelligence Unit. Patrocinado por"

Transcrição

1 O poder global do agribusiness brasileiro Um relatório do Economist Intelligence Unit Patrocinado por

2 Prefácio O poder global do agribusiness brasileiro é um relatório de pesquisa do Economist Intelligence Unit, patrocinado pela Accenture. O Economist Intelligence Unit conduziu a pesquisa e a análise e redigiu o relatório. O autor é Kieran Gartlan e a responsável pela edição é Katherine Dorr Abreu. O Economist Intelligence Unit gostaria de agradecer a todos que dedicaram seu tempo e suas observações para este projeto. Novembro

3 Sumário executivo B rasil é o quinto maior país do mundo em termos de área geográfica, e o maior em termos de terras cultiváveis. Embora somente uma parte de suas terras seja utilizada, o país produz uma grande diversidade de bens agrícolas. Isso coloca o Brasil numa posição única para liderar o setor agrícola mundial no médio e longo prazo. Com uma reserva abundante de recursos naturais (água, solo e clima favorável), o país tem chance de ser a maior superpotência em agribusiness, atendendo ao mercado mundial e também abastecendo sua própria população com alimentos de preço acessível. O país já é o maior fornecedor mundial de produtos tão variados quanto carne, suco de laranja e etanol. A expectativa é que ele continue a aumentar suas exportações de outros produtos, como algodão, óleo de soja e celulose. Seus mercados também são variados: a China é agora o maior mercado para os produtos agrícolas brasileiros, e as vendas para o leste europeu, o oriente médio e a África também estão em rápida ascensão. Para manter essa trajetória, o Brasil precisa expandir as significativas melhorias em produtividade que são a base de seu sucesso atual, além de superar as barreiras que impedem a realização plena de seu potencial. Os obstáculos vão desde a escassez de crédito até impasses logísticos, desde medidas protecionistas em mercados importantes até questões ambientais. As fronteiras agrícolas demonstram o que está certo e errado com o setor de agribusiness no Brasil. As ricas colheitas do vasto interior do país mais do que compensam o investimento público e privado em pesquisa para se criar novas variedades de plantas adaptadas ao solo e ao clima da região. A produção em larga escala e a gestão profissional ajudaram a contrabalançar o alto custo e a apertada margem de lucro de se cultivar tais áreas. Atraídos pela expectativa de crescimento, os investidores financiaram a expansão da agricultura e forneceram know-how tecnológico. Ainda assim, os empreendimentos agrícolas nessas regiões são dificultados pelo transporte inadequado e capacidade de armanezamento insuficiente. A produtividade em segmentos como carne e milho continua baixa. A margem de lucro continua pequena. O forte desempenho do setor hoje em dia tem base nas mudanças realizadas nos últimos 30 anos nos modelos de negócios, nas práticas de cultivo e na tecnologia. Para que o Brasil realize seu potencial como superpotência mundial em agribusiness nas próximas décadas, as empresas devem continuar a inovar, transformando como e onde fazem negócios. As empresas líderes testaram e tiveram sucesso com diferentes caminhos para expandir além das fronteiras do país. Para superar as barreiras protecionistas nos EUA e na Europa, elas diversificaram seus 2

4 produtos, aperfeiçoaram os controles sanitários e compraram competidores no exterior. Elas aumentaram o valor dos produtos vendidos nos mercados de países desenvolvidos, mas também penetraram nos mercados emergentes. Ainda são necessários mais investimentos e mudanças para que o setor de agribusiness possa florescer nas próximas décadas. Entre eles, estão: A infraestrutura transporte, portos e armazenagem deve ser aprimorado de modo a suprir as necessidades atuais e futuras. O solo deve ser usado de maneira mais produtiva, por meio de técnicas de cultivo inovadoras. O crescimento virá com a melhor utilização das terras atualmente usadas para cultivo e pastagem, e não apenas com a abertura de novas áreas. Deve-se dar prosseguimento à pesquisa para assegurar o desenvolvimento de variedades de plantas melhor adaptadas ao clima e ao solo brasileiros. 3

5 Situação atual Muito se fala da vastidão das terras disponíveis nas fronteiras agrícolas do Brasil 71mi de hectares, de acordo com o Ministério da Agricultura. Mas talvez sejam uma maior eficiência e novas técnicas de cultivo que permitirão ao país atender às necessidades de sua própria população ao mesmo tempo em que supre à demanda por alimentos cada vez maior no resto do mundo nas próximas décadas. O desafio para os fazendeiros brasileiros é corresponder às expectativas de que o país possa se tornar o celeiro do mundo. Segundo o consenso geral, eles têm capacidade para isso. O país apresenta várias vantagens competitivas. Entre elas, estão: um clima favorável que permite duas ou mais colheitas por ano; grandes extensões de terra arável barata, com potencial de duplicar a área de cultivo; água abundante quase o triplo da quantidade de água doce disponível nos EUA; produtores e agroindústrias experientes com tecnologia; solos e climas variados que estimulam a diversidade dos produtos. O Brasil já é o maior exportador mundial de carne bovina. É também o principal fornecedor internacional de açúcar, café, suco de laranja, etanol, tabaco e frango. Ocupa o segundo lugar na exportação de soja e o quarto na exportação de carne de porco e algodão. Mesmo ocupando uma posição de destaque, o Brasil pode fazer ainda mais. Somente 50mi hectares (de mais de 400mi hectares do total de terras cultiváveis) são utilizados para o cultivo, de acordo com Projeções da participação do Brasil no mercado global (%) Produto 2009/ / /20 Açúcar* Café* Soja Farelo de soja Óleo de soja Milho Carne bovina Carne suína Carne de ave * Não há projeções, então a participação no mercado continua constante. Fontes: Departamento de Agricultura dos EUA 2010; Food and Agriculture Policy Research Institute, 2009; e AGE/ Ministério da Agricultura, Pesca e Abastecimento

6 a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO). De todos os principais países produtores, o Brasil ainda apresenta um dos menores índices de terra cultivada em relação à área total, com apenas 7% dedicados à lavoura, em comparação com aproximadamente 18% nos EUA, de acordo com Marcus Vinicius Pratini de Moraes, ex-ministro da agricultura e membro do conselho administrativo da JBS, a maior produtora mundial de carne bovina. Parece lógico que o Brasil deva explorar esse enorme recurso de terras disponíveis para aumentar sua produção agrícola nas próximas décadas e satisfazer a demanda mudial cada vez maior por alimentos. Mas isso poderá não acontecer. Os agricultores que se aventuraram nas fronteiras agrícolas consideram extremamente difícil atuar em novas áreas devido a atuais pressões ambientais, alto custo e logística inadequada. Assim, a Associação Brasileira de Agribusiness (ABAG) estima que nos próximos dez anos a área de plantio irá aumentar em apenas 15mi hectares, sendo que grande parte dessa área será de pasto degradado, e não novas áreas desmatadas. Estima-se que a população mundial irá crescer de 7 bilhões para 9 bilhões até Para suprir as mudanças nos hábitos alimentares e uma maior demanda, a FAO estima que será preciso dobrar a produção de carne e aumentar a produção de grãos em 50%. Isso representa tanto um desafio quanto uma oportunidade para o setor de agribusiness no Brasil. Previsão para produtos de exportação para o setor de agronegócio no Brasil Produto Unidades 2009/ /20 Variação (%) Taxa de crescimento annual composta (%) Milho mt Soja mt Farelo de soja mt Óleo de soja mt Algodão mt Suco de laranja mt Carne de aves mt peso da carcaça Carne bovina mt peso da carcaça Carne suína mt peso da carcaça Leite m litros Açúcar mt Etanol bil litros Celulose mt Papel mt Fonte: AGE/ Ministério da Agricultura, Pesca e Abastecimento 2010 Mesmo com uma expansão modesta das terras cultivadas, a ABAG prevê um crescimento constante na produção agrícola na próxima década. Até 2020, a produção de grãos terá aumentado em 37%, para 180mi de toneladas, e a produção de carne terá aumentado em 38%, para 30,5mi de toneladas. O maior crescimento ocorrerá no setor da cana de açúcar: a ABAG estima que a produção de etanol aumentará em 127%, para 63bi de litros, e que a produção de açúcar crescerá em 48%, para 46,7mi de toneladas. Essa salto será resultado de melhores técnicas de cultivo e gestão mais profissional, de acordo com André M. Nassar, economista agrícola e diretor geral do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações 5

7 SLC Agrícola: colhendo os frutos da agricultura de larga escala A SLC Agrícola demonstra como a gestão profissionalizada e o bom uso da tecnologia e dos mercados de capital podem levar a um rápido crescimento. A empresa entrou para a história em 2007, quando se tornou o primeiro produtor de grãos e algodão do mundo a ter ações numa bolsa de valores, levantando mais de R$309 mi (US$181 mi) para alavancar seus ambiciosos planos de expansão. Desde então, ela mais do que dobrou a área de plantio (para hectares) e planeja chegar a hectares até Em 2009, sua receita operacional líquida aumentou de R$269 mi (US$138,7 mi) em 2007 para R$597 mi (US$303,4 mi). A SLC foi fundada em 1945 por três famílias de imigrantes alemães. Produziu maquinário agrícola e depois se tornou pioneira na produção de colheitadeiras automatizadas no Brasil. A transição para a agricultura só aconteceu em 1977, quando a onda da soja tomou conta da América do Sul. A empresa continuou a produzir maquinário, no entanto. Sua parceria de 20 anos com John Deere, que começou em 1979, inspirou a SLC a criar uma equipe de gerência profissional. Num grande contraste com o modelo de empresa familiar de pequena escala comum à época, a SLC implementou um modelo de agricultura empresarial desde seus estágios iniciais. Nosso modelo de negócios se baseia em alta tecnologia, pesquisa e maquinário de última geração, explica Arlindo Moura, o CEO da empresa. Parte da estratégia da empresa é diversificar a produção tanto em tipo de cultura quanto em local de modo a diminuir os riscos de produção ocasionados pela seca e por doenças. A SLC cultiva soja, milho e algodão em seis estados: Maranhão, Bahia, Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul e Piauí. Nos últimos cinco anos, a produtividade média em algodão da SLC foi 70% maior que a dos EUA o maior exportador de algodão do mundo e 22% maior que a do Brasil. Sua produtividade média em soja nesse mesmo período foi 21% maior que a dos EUA e 29% maior que a média brasileira. 1 A empresa também deu um grande salto na produção total nos últimos anos ao arrendar terras vizinhas às suas fazendas e fazer maior uso do cultivo duplo (produção de dois grãos diferentes na mesma área durante a mesma safra, em geral soja seguida de milho ou algodão). Isso reduz os custos unitários de produção e aumenta o fluxo de caixa durante todo o ano. Parte desse impressionante desempenho é resultado da dedicação da empresa à pesquisa. Na safra de , a SLC tinha 190 projetos experimentais em hectares de terra, com uma equipe de quatro agrônomos, nove técnicos de pesquisa e nove técnicos assistentes realizando pesquisas próprias. Ela também participa em projetos conjuntos de pesquisa com a Embrapa e órgãos de pesquisa do governo. Gostamos de experimentar diferentes variedades de planta, diferentes aplicações de fertilizantes e diferentes espaçamentos. Assim que atingimos resultados satisfatórios, imediatamente fazemos a mudança em escala comercial, explica o Dr. Moura. Essa abertura à inovação, aliada a uma gestão profissionalizada, é um modelo que outras empresas podem seguir. 1. A SLC relata que sementes geneticamente modificadas (GM) são utilizadas quase que universalmente nos EUA, resultando em produção maior do que no Brasil, onde a prática está aumentando mas não é ainda tão presente. A seca no sul e a ferrugem asiática na região centro-oeste ( ) também serviram para diminuir a produção de soja nos últimos cinco anos. 2. A estação de plantio na América do Sul geralmente tem início em setembro, mas o tempo seco acabou causando um atraso em 2010 e o plantio começou no início de outubro. Internacionais (ICONE), um think tank de São Paulo. As economias de escala e novas técnicas de cultivo ajudarão a impulsionar lucros e produtividade nos próximos anos. O cinturão agrícola brasileiro está passando por uma fase de consolidação: grandes corporações agrícolas, bem administradas, aproveitam as economias de escala para compensar as margens de lucro baixas e o alto custo de se fazer negócio nas fronteiras agrícolas. Os 20 maiores produtores do estado de Mato Grosso plantaram 1,2 mi de hectares na última safra, um aumento de 130% em comparação com os hectares de cinco anos atrás, de acordo com o Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (IMEA). Como resultado, as megafazendas agora representam 20% da área de cultivo do estado, em comparação com apenas 9% cinco anos atrás. Enquanto isso, novos gigantes agrícolas, como a El Tejar, que plantará mais de 1 mi de hectares na América do Sul na próxima safra 2, trouxeram o know-how e a tecnologia da Argentina, bem como acesso a 6

8 linhas de crédito internacionais. Empresas familiares tradicionais como a Cosan e a SLC Agrícola adotaram gestão profissionalizada e agora são negociadas no mercado de valores local de modo a ajudar a cobrir os altos custos com a expansão das fronteiras agrícolas. E os agricultores menores estão trocando os tratores pelos escritórios, o que lhes dá mais tempo para avaliar riscos e fazer melhores decisões de mercado. Muitos estão transformando suas fazendas em entidades corporativas, o que lhes dá acesso a crédito mais barato. A agricultura desempenha um papel crucial na economia brasileira atual. À medida que ela for evoluindo para novos modelos de organização, passará a servir de exemplo para outros setores, afirma Décio Zylbersztajn, economista agrícola e professor da Universidade de São Paulo (FEA-USP). 7

9 Aproveitando as oportunidades crescimento agrícola do Brasil nos últimos 20 anos foi impressionante. Por exemplo, embora a área O de plantio tenha aumentado em apenas 30%, a produção mais que o dobro. E é possível que continue a crescer nas próximas décadas: embora os segmentos tradicionais como carne bovina, café, soja e açúcar continuem fortes, estima-se que o Brasil assuma a liderança em outras áreas, incluindo carne de frango, etanol, algodão, óleo de soja e celulose. São produtos que têm grande potencial de crescimento para os próximos anos, afirma Paulo Roberto de Souza, presidente da Coopersucar, uma das maiores tradings de açúcar e etanol do Brasil. De acordo com o Ministério da Agricultura, a participação do Brasil nas exportações mundiais de carne de frango crescerá de 41% para 48% nos próximos dez anos. Sua participação no setor do açúcar aumentará de 47% para 50% nesse mesmo período. E o que está por trás do crescente sucesso da agricultura brasileira? As vantagens naturais do país servem de base. Mas as políticas governamentais de longo prazo, que encorajaram o investimento na pesquisa e educação, e ao mesmo tempo criaram incentivos de preço e crédito, também criaram um ambiente favorável, de acordo com Geraldo Sant Ana de Camargo Barros, professor e coordenador da CEPEA, um centro de pesquisa da Universidade de São Paulo. Os esforços de indivíduos, empresas e instituições também tem sido de grande importância. A conversão de novas áreas. Nos últimos 20 anos, os agricultores conseguiram converter com sucesso a região do cerrado em uma nova e vasta fronteira agrícola que é responsável por quase 70% da produção do país. O desenvolvimento de produtos agrícolas inovadores. A Embrapa e a Fundação Mato Grosso, um órgão de pesquisa privado fundado e patrocinado pelos agricultores locais, adaptaram sementes de soja, um produto de clima temperado oriundo da China, para os trópicos. Os esforços de fazendeiros pioneiros. Os fazendeiros brasileiros também fizeram sua parte. Durante as décadas de 1970 e 1980, sedentos por novas terras, eles saíram das regiões superlotadas do sul para converter novas terras em uma Meca agrícola. Os fazendeiros de pequeno porte também foram engenhosos, juntando forças para comprar em grande quantidade e conseguir melhores preços por seu produto. Somente no estado do Paraná, existem agora seis cooperativas agrícolas com mais de R$1bi (US$580mi) de receita anual. 8

10 A onda de produtores empresariais, ricos em capital. Grandes grupos internacionais com gestão profissionlaizada têm investido no Brasil, trazendo conhecimento tecnológico e recursos financeiros. As empresas locais, envolvidas tanto na agricultura quanto no processamento, também cresceram rapidamente, expandindo para além das fronteiras brasileiras para ter acesso a novos mercados. Uma nova onda de investidores corporativos e megaprodutores instigará um crescimento ainda maior. 9

11 As empresas de agribusiness brasileiras O perfil das empresas de agribusiness no Brasil mudou radicalmente nos últimos cinco a dez anos. Anteriormente, as tradings multinacionais denominadas A,B,C,D Archer Daniel Midlands (ADM), Bunge, Cargill e Louis Dreyfus dominavam o mercado, beneficiando-se da rápida expansão na produção de soja e grãos em fronteiras agrícolas como o Mato Grosso. Mas as empresas brasileiras estão em expansão. Existem atualmente cerca de 20 empresas de agribusiness no chamado clube de bilionários do Brasil com receitas anuais de mais de US$1bi e outros em breve se unirão a eles por meio de crescimento orgânico ou consolidação. Entre 2006 e 2009, por exemplo, a receita operacional líquida da Cosan aumentou em 153%, a da Marfrig aumentou em 351% e a da JBS aumentou em 698%. Os caminhos que essas e outras empresas inovadoras de agribusiness tomaram para crescer podem servir de lição para as empresas mais ambiciosas do Brasil. Preencher lacunas. Nos últimos anos, o alto risco e o arrocho de crédito mundial levaram as tradings multinacionais a se conrtrair nas fronteiras agrícolas. A Multigrain, uma trading nacional, aproveitou para dobrar sua receita de US$ 475,6mi em 2008 para US$972,2 mi em 2009, e espera mais crescimento em Outras empresas de peso são a AMaggi e a Caramuru. Consolidação. A fusão da Citrosuco com a Citrovita, anunciada em maio de 2010, mas cuja aprovação está pendente diante do CADE, dará origem ao maior produtor de suco de laranja do mundo, com US$1,1bi em receita anual. A empresa terá pomares no Brasil e nos EUA, e terminais portuários na América do Norte, Ásia e Europa. Outra grande empresa, a Brasil Foods, é resultado da fusão de duas grandes rivais, Sadia e Perdigão. Ela agora está entre os maiores produtores de alimentos congelados do mundo, com vendas anuais de quase US$6bi. As fusões deram a diversas empresas brasileiras a chance de penetratrem em mercados estrangeiros, aumentando sua expressão mundial. Dois produtores de carne bovina, a Marfrig, com receita operacional líquida de R$9,6bi (US$4,9bi) em 2009, e a JBS, com receita operacional líquida de R$34,3bi (US$17,4bi) no mesmo ano, são exemplos dessa estratégia. Diversificar. Empresas como o Grupo Maggi, chefiada pelo rei da soja e ex-governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, deixaram de ser exclusivamente produtores para oferecer uma grande variedade de serviços, incluindo a comercialização, o processamento e o transporte. No segmento do açúcar e do etanol, as empresas inovaram ao agregarem valor aos produtos, adicionando etanol e agora energia aos produtos e serviços oferecidos. A Cosan, gigante na área de açúcar e etanol e que já havia adquirido os ativos da Exxon no Brasil, agora criou uma joint venture com a Shell no segmento de biocombustíveis que abrange os locais de venda a varejo das empresas. Buscar fontes de financiamento internacional. A obtenção de crédito é uma preocupação constante para o setor agrícola brasileiro. As taxas de juros são altas a taxa básica anual é de 10,75% e os bancos são relutantes em atender um setor que consideram de alto risco. Como resultado, algumas empresas agrícolas de grande porte buscaram recursos em fundos de investimento internacionais, assim como gestão profissonalizada. A Adecoagro, fundada pelo investidor bilionário George Soros, e a Agrifirma, patrocinada por investidores britânicos, entre eles Lorde Rothschild, têm comprado terras em regiões de fronteira agrícola como a Bahia e o Maranhão. Uma lei de agosto de 2010 limita a posse estrangeira de terras no Brasil e pode inibir nova entrada de capital, muito embora seja provável que os investidores mais experientes continuem firmes no setor. A recente entrada de capital no Brasil gerou uma fonte mais barata de crédito para o desenvolvimento das fronteiras agrícolas, mas também serviu para trazer conhecimento técnico de grande importância. Grupos argentinos, como El Tejar e Los Grobo, por exemplo, introduziram sacos de armazenamento ( silo bags ) para a estocagem de grãos a curto prazo, enquanto os investidores americanos ajudaram a desenvolver o cultivo de precisão utilizando GPS e tecnologia autodirigível, a chamada auto-steer. Usar a bolsa de valores para levantar capital. Empresas dos segmentos de açúcar, etanol e carne bovina, incluindo a Cosan, a JBS, a Marfrig e a Minerva realizaram lançamentos de ações (IPOs). A SLC foi a primeira produtora de grãos a entrar para a Bovespa. (Ver o estudo de caso da SLC.) Outras empresas, tais como a Vanguarda, a Maggi, a ETH e a Caramuru podem se beneficiar do renovado apetite global por investimentos no Brasil para dar início a uma nova onda de lançamentos de ações do setor agrícola brasileiro. IPOs no setor de agribusiness brasileiro Valor Empresa Setor Data da IPO Em milhões de reais Em milhões de US$ dólares* SLC Produção agrícola Jun Marfrig Carne bovina Jun JBS Carne bovina Mar-07 1, São Martinho Açúcar e etanol Feb Brasilagro Produção agrícola May Cosan Açúcar e etanol Nov *Com a taxa de câmbio média mensal. Fontes: Relatórios das empresas. 10

12 Maiores empresas de agribusiness no Brasil Classificação* (por vendas) Empresa Atividade Controle Vendas (em milhões de US$) (9)z Bunge Trading Holanda $9,747 $14, (19) Cargill Trading EUA $8,406 $8, (224) Brasil Foods Alimentos processados Brasil $5,992 $1, (81) Copersucar Açúcar/Etanol Brasil $4,047 $2, (67) JBS Carne bovina Brasil $3,376 $3, (69) ADM Trading EUA $3,295 $3, (66) Louis Dreyfus Trading França $2,890 $3, (89) Coamo Cooperativa Brasil $2,573 $2, (78) Suzano Papel & celulose Brasil $2,426 $3, (114) AMaggi Produtora/Trading Brasil $2,359 $2, (101) Klabin Papel e celulose Brasil $2,136 $2, (135) Seara Carne bovina Brasil $1,753 $1, (184) Marfrig Carne bovina Brasil $1,642 $1, (185) Minerva Carne bovina Brasil $1,565 $1, (155) Fibria Papel e celulose Brasil $1,464 $1, (156) Imcopa Exportadora/Moedora Brasil $1,452 $1, (196) Caramuru Produtora alimentícia Brasil $1,216 $1, (214) C. Vale Cooperativa Brasil $1,207 $1, (509) Multigrain Trading Brasil $972.2 $ (284) Lar Cooperativa Brasil $822.7 $ (280) Agrenco Trading Brasil $806.5 $ (324) Cocamar Cooperativa Brasil $752.0 $ (358) Algar Agro Trading Brasil $725.5 $ (295) Carol Cooperativa Brasil $723.8 $ (348) Cosan Açúcar/Etanol Brasil $687.6 $ (494) Arosuco Suco de Laranja Bélgica $684.1 $ (270) Cooperativa Agraria Cooperativa Brasil $662.0 $ (870) Fiagril Fornecedora de produtos e serviços Brasil $616.7 $ (552) Mataboi Carne bovina Brasil $599.4 $ (590) Guarani Açúcar/Etanol França $530.4 $ Vanguarda Produtora--diversos grãos Brasil $456.7 ND 530 Big Frango Carne de frango Brasil $415.7 ND 565 (790) Bom Gosto Laticínios Brasil $383.0 $ Bela Vista Laticínios Brasil $332.5 ND 715 Abengoa Açúcar/Etanol Espanha $283.3 ND 728 (932) Barra Grande Açúcar/Etanol Brasil $279.0 $ (683) Cacique Produtora de café Brasil $276.0 $ Citrosuco Suco de laranja Brasil $255.8 ND 863 SLC Produtora--diversos grãos Brasil $223.7 ND 946 (881) Café Tres Corações Produtora de café Israel $193.4 $223.3 * Posição entre as maiores empresas brasileiras; classificação de 2008 entre parênteses. Fonte: Exame, As mil maiores empresas brasileiras 11

13 Superando os desafios despeito das muitas vantagens naturais do Brasil, nos últimos anos alguns dos fatores que favorecem A o setor de agribusiness foram neutralizadas por deficiências em infraestrutura, incluindo a capacidade de transporte e armazenagem e altos custos portuários. Outros desafios incluem a necessidade de se importar fertilizantes, pressões ambientais e questões trabalhistas, além da faca de dois gumes que é a forte moeda nacional. Embora muitas empresas tenham encontrado maneiras de contornar esses problemas, assim conseguindo progredir, somente um esforço sistemático para superar tais barreiras permitirá que o setor de agribusiness alcance todo o seu potencial. Infraestrutura inadequada aumenta os custos A infraestrutura de transportes é um grande empecilho para a agricultura brasileira. Somente 10% da rede rodoviária do país é asfaltada; no entanto, mais de 60% da produção agrícola é transportada em caminhões, muitas vezes através de milhares de quilômetros. Enquanto isso, o sistema ferroviário do país tem um sétimo do tamanho do sistema ferroviário dos EUA, e consiste em diversas ferrovias pequenas que não se interligam, por causa de bitolas diferentes. Milhares de passagens de nível nas ferrovias limitam a velocidade dos trens. A rede fluvial no Brasil é cerca de 20% maior que a dos EUA, mas é extremamente subutilizada, devido às pressões ambientais e à falta de investimento nos portos e dragagens. Como resultado da falta de planejamento, a maioria das usinas hidrelétricas foi construída sem eclusas, o que impede a passagem de embarcações. O transporte rodoviário predomina no Brasil Vias fluviais e outras Estradas de ferro Rodovias Rússia Índia China Austrália EUA Argentina Brasil Brasil (líquido de minério de ferro) * O minério de ferro representa grande porcentagem do frete ferroviário no Brasil, e muito é transportado por ferrovias de propriedade da, e operadas pela, Vale. Fontes: Ministério dos Transportes do Brasil; CIA Factbook 12

14 O sistema portuário do país, por sua vez, é caro e deficiente. As filas nos grandes portos de grãos podem chegar a 50 km de comprimento no auge da colheita, e os caminhões podem ficar até 20 dias esperando para descarregar. Isso em grande parte reflete o uso de equipamento antiquado e processos intensivos de mão de obra. Os sindicatos portuários também são fortes, e as greves, embora sejam menos comuns do que no passado, continuam a ser um preocupação. Além disso, o país padece de um déficit de armazenamento de grãos de 43 mi toneladas 3, de acordo com o Ministério da Agricultura. A má distribuição agrava o problema: somente 11% da capacidade está nas lavouras, em comparação com 40% na Argentina e 80% no Canadá. Além disso, a construção de infraestutura não acompanhou a expansão muito rápida da agricultura, e a estocagem ainda se concentra mais no sul do país do que nas regiões de fronteira agrícola, as quais correspondem a 70% da produção do país. De acordo com os analistas, os fazendeiros brasileiros perdem em média US$1 por bushel ( em torno de 3.5 litros) de soja porque não possuem instalações para estocagem no local de cultivo e devem vender na época de colheita, quando os preços estão em seu patamar mais baixo. Essa perda pode ser muito maior dependendo das condições do mercado: em 2010, os preços estavam em torno de US$8 por bushel no Mato Grosso na época da colheita (abril), enquanto que no fim de setembro chegaram a US 11 por bushel. Pressões ambientais Os desafios para o agribusiness não se limitam à infraestrutura. O adubo importado corresponde a mais de 70% do abastecimento do Brasil e é essencial para melhorar a fertilidade do solo, principalmente nas fronteiras agrícolas. A logística de se transportar o adubo percorrendo grandes distâncias, por navio e caminhão, aumenta seu custo e sobrecarrega o sistema de transporte do país, já bastante abarrotado. A pressão para se preservar o meio-ambiente aumentou consideravelmente nos últimos anos, retardando ou paralizando os projetos de infraestrutura e a abertura de novas terras, principalmente nas fronteiras agrícolas. Regras ambientais severas, incluindo exigências de que as fazendas separem grandes áreas como reservas ecológicas (que vão de 20% a 80% da área total, dependendo da região), estão sendo colocadas em vigor, restringindo ainda mais os fazendeiros. Objeções por parte dos ambientalistas também atrasaram a chegada de novas tecnologias. Os produtos geneticamente modificados (GM) que aumentam o rendimento e podem ajudar a reduzir os custos, foram aprovados para o uso comercial somente em O Brasil agora é responsável por 16% da produção global de produtos GM e tem 21,4 mi de hectares sob cultivo. Embora ainda existam objeções aos produtos GM na Europa, isso não é um problema para outros grandes mercados como a China, por exemplo. 3. O Ministério da Agricultura considera a capacidade de estocagem ideal 20% maior do que a produção total. Assim, com a produção de 149 mi de toneladas e uma estocagem total de 136 mi de toneladas, o déficit é de 43 mi de toneladas. Problemas de moeda forte e de mão de obra Os concorrentes muitas vezes citam a mão de obra barata como uma vantagem no Brasil, mas a realidade é que os altos impostos e leis trabalhistas muitas vezes confusas fazem com que a contratação no Brasil seja menos atraente do que possa parecer de início. Isso é agravado por uma escassez de mão de obra especializada, principalmente nas fronteiras agrícolas, o que pode ser um problema significativo quando os funcionários precisam manejar maquinário e equipamento que custa centenas de milhares de dólares. 13

15 Área de plantio da soja cresce à medida que a moeda desvaloriza 25,000 Área plantada (época de cultivo, milhão de hectares) Taxa de Câmbio (Setembro, $R/US$) , , ,000 5, Fontes: CONAB; Banco Central do Brasil. 1.5 Um grande obstáculo para a expansão agrícola nos últimos anos foi a valorização do real. Embora um real mais forte resulte em preços mais baixos para materiais tais como o adubo importado, produtos químicos e maquinário, ele faz com que os fazendeiros sejam menos competitivos no mercado internacional e diminui margens de lucro já bastante apertadas. A soja é um claro exemplo do impacto das variações da moeda na competitividade. Quando o real foi desvalorizado no fim da década de 1990, tornando os produtos brasileiros mais competitivos no mercado global, a área plantada com soja expandiu rapidamente, atingindo seu ápice em Quando o real começou se valorizar em 2003, a expansão se estancou. (Existe um atraso entre a decisão de plantar, a qual é influenciada, entre outras coisas, pelas expectativas monetárias, e o plantio. Desde 2007, a área dedicada à soja aumentou novamente apesar da moeda forte, devido a fatores como a grande demanda por parte da China e o baixo preço do milho.) Soluções improvisadas geram mudanças Muitas empresas contornaram tais obstáculos com sucesso, ou então os transformaram em situações de vantagem. Agricultores e pesquisadores colaboraram para abordar problemas como a ferrugem asiática, que em 2004 destruiu 8% da produção de soja do país. Tanto a Fundação Mato Grosso quanto a Embrapa trabalharam em conjunto com os agricultores em busca de uma maneira de combater a doença. Também no Mato Grosso, os agricultores construíram estradas que ligam as fazendas às autoestradas federais e estaduais. Na Bahia, os agricultores estão usando as sacos de armazenagem para solucionar o problema da estocagem tecnologia importada por duas empresas argentinas, El Tejar e Los Grobo. Até mesmo desafios macroeconômicos, como a moeda nacional cada vez mais forte, foram aproveitados por algumas empresas. A JBS e a Marfrig compraram concorrentes internacionais para ganhar acesso a mercados restritos. Os produtores de carne de ave e porco poderiam muito bem seguir seu exemplo e começar a diversificar suas operações no exterior. 14

16 JBS faz uso da moeda forte para crescer no exterior A JBS, a produtora de carne, é uma das maiores histórias de sucesso do Brasil. Por meio de uma agressiva campanha de aquisições, a empresa brasileira se tornou a maior processadora de carne bovina do mundo, e está entre as maiores processadoras de carne de aves e porco. A empresa, originalmente chamada Friboi, teve um início modesto em 1953, com capacidade de abate de apenas cinco cabeças por dia. Ela só começou a expandir cerca de 30 anos mais tarde, por meio de aquisições e investimentos para aumentar a produção. Em 2002, sua capacidade de abate era de cerca de animais por dia. A empresa mudou o nome para JBS, as iniciais do fundador, quando começou a expandir no mercado internacional, em Seu primeiro passo foi adquirir a Swift Armour, a maior produtora e exportadora de carne bovina da Argentina. Seguiram-se mais aquisições e, em 2006, a capacidade de abate havia quadruplicado. Em 2007, a empresa entrou para a história como a primeira produtora de carne bovina do mundo a lançar ações em bolsa (IPOs), emitindo papéis na Bovespa. Também em 2007, a JBS entrou no mercado americano ao adquirir a Swift Foods Company, e depois comprou 50% da Inalca, uma das maiores empresas de produção de carne da Europa. Hoje ela opera em todos os maiores mercados produtores de carne bovina do mundo. Contudo, foi preciso mais do que o lançamento de ações para financiar o apetite da empresa para adquirir concorrentes internacionais. Em 2009, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) concedeu um empréstimo de curto prazo altamente subsidiado para a aquisição da Pilgrim s Pride, a maior produtora de frango dos EUA. Mas a expansão não ocorreu sem desafios. A oferta de boi de corte na Argentina diminuiu devido a uma seca severa no ano passado e a medidas do governo que limitaram a exportação de carne e os preços internos. A JBS recentemente anunciou que suspendeu a produção em diversas de suas plantas de processamento de carne e poderá vender parte da empresa por causa da falta de animais. Nos EUA, a empresa enfrenta acusações de discriminação religiosa em uma fábrica no Colorado. Ao que consta, sua parceria com a Inalca está passando por uma fase difícil. Além disso, a JBS pode vir a ter de pagar uma multa se não conseguir pagar o empréstimo do BNDES dentro do prazo, como resultado das fracas condições do mercado financeiro, que atrasaram o lançamento da Pilgrim s Pride na Bolsa de Valores de Nova Iorque. Tais desafios são típicos de uma empresa em rápida expansão. Para reforçar sua estratégia arrojada, a JBS se baseou em sua vasta experiência no setor de carne bovina. Mas o que talvez diferencie a empresa seja o uso da moeda nacional cada vez mais forte como oportunidade para a expansão no exterior, comprando concorrentes e ganhando acesso a todos os grandes mercados, como salienta Marcus Vinicius Pratini de Moraes, um dos diretores da JBS. O mercado agrícola está se tornando mais globalizado, mas as barreiras comerciais ainda impedem o acesso aos mercados americano e europeu. A estratégia da JBS foi perfeita para superar tais obstáculos e ganhar acesso ao consumidor final. No futuro, a empresa pretende agregar valor a seus produtos, desenvolvendo alimentos prontos para o consumo, carnes curadas e outros. São estratégias que podem ajudar as empresas brasileiras a ganhar relevância no mercado global. O setor agrícola também pode buscar inspiração na indústria de cana de açúcar para superar os desafios e aumentar sua eficiência. Nos últimos anos, a indústria de cana foi líder de inovação, primeiro diversificando a produção com açúcar e etanol, e depois construindo usinas de co-geração que utilizam o bagaço residual da cana para a produção de energia. Diante de uma demanda fraca por etanol, o setor ajudou a desenvolver a tecnologia de carros flex. Isso levou a um aumento no consumo de etanol no Brasil, que ultrapassou o da gasolina. Antecipando-se a um prazo imposto por lei, o setor já concordou em desativar a colheita manual de cana de açúcar, que envolve um processo de queima que era alvo de crítica dos ambientalistas. Agora o setor contribui para a geração de energia do país por meio da co-geração. Ele não é apenas auto-suficiente em termos de energia como também fornece o excedente de eletricidade gerada para a cadeia elétrica local. Até 2030, o setor pode ser responsável por quase 20% do fornecimento total de energia do país, de acordo com a ABAG. Embora outras empresas possam aprender com tais exemplos, essas não são soluções de longo prazo. Para que o setor de agribusiness do Brasil floresça, ele precisa enfrentar os empecilhos ao seu crescimento. 15

17 Alimentando o crescimento setor de agribusiness do Brasil tem potencial para ocupar uma fatia ainda maior do mercado mundial O nas próximas décadas, ajudando a suprir a crescente demanda interna e internacional por alimentos. Mas apesar de outros grandes países produtores terem limitados recursos naturais, o Brasil ficará restrito a suprir deficiências no abastecimento internacional nos próximos anos se não superar o alto custo de produzir nas fronteiras agrícolas, assim como os empecilhos financeiros que seus produtores enfrentam (incluindo a escassez de crédito e moeda forte). A menos que tenha sucesso na abordagem desses problemas, é pouco provável que o Brasil consiga deslocar suprimentos atuais. A inovação é essencial para o setor de agribusiness brasileiro manter seu crescimento dinâmico e aumentar sua participação no mercado global. Assim como os investimentos em pesquisa, educação e crédito agrícola iniciados na década de 1980 estão gerando resultados hoje, as medidas adotadas agora servirão de base para um maior crescimento e transformação do setor. Como demonstram as três últimas décadas, todos os interessados devem participar. Eles precisam: Intensificar o cultivo duplo e a integração entre pecuária e agricultura. Existe um potencial significativo para o crescimento por meio da conversão de pasto em terras aráveis e do aumento da produtividade por meio de melhor gestão agrícola. Veremos uma melhoria nos sistemas de produção agrícolas, diz o Dr. Nassar. Isso inclui mais duplo cultivo, o plantio direto e maior integração entre pecuária e agricultura, o que gera um fluxo de caixa durante todo o ano. As fazendas como um todo ficarão mais eficientes e lucrativas, permitindo que os fazendeiros invistam em melhor tecnologia e melhor utilização de produtos. A produção de carne bovina também exige mudanças. O sistema atual de produção de carne no Brasil é barato mas ineficiente. Criadores se limitam a apenas um animal por hectare, em comparação com quatro animais por hectare em outros países; isso resulta do pouco investimento em adubo ou replantio. O Dr. Pratini de Moraes prevê um uso mais intensivo dos pastos e também um aumento no número de confinamentos nos próximos cinco anos. Atualmente, somente 5% do gado abatido no Brasil é procedente de confinamentos, em comparação com 80% nos EUA. 16

18 Transformar as estruturas corporativas. Os agronegócios precisam continuar a evoluir. A consolidação pode fornecer a escala necessária para competir a nível mundial. Tornar-se uma empresa multinacional ou transnacional pode ajudar a contornar as barreiras comerciais. Qualquer que seja a estratégia escolhida, contudo, para crescer será necessária uma transformação contínua na gestão e nas operações da empresa. Expandir a pesquisa de novas variedades de grãos. Aumentar a produção de grãos individuais requer tempo e dinheiro, mas pode revolucionar o setor. Por exemplo, a produção média de milho no Brasil é de apenas cerca de 60 bushels por acre, ou um terço da média nos EUA, e cerca de metade do nível produzido pela Argentina. Será necessário realizar mais pesquisas de modo a desenvolver variedades de milho e outras plantas melhor adaptadas aos trópicos. Reavaliar a gama de produtos nas fronteiras agrícolas para maximizar o potencial. Os produtores brasileiros já estão aumentando o valor de seus produtos, mas ainda é possível fazer mais. Converter parte da proteína vegetal em proteína animal de maior valor aumentará a eficiência nas fronteiras agrícolas e também reduzirá o alto impacto do custo com transporte. Por exemplo, o custo do transporte de milho até o porto, saindo de Mato Grosso, era de US$200/tonelada na época da colheita em 2010, enquanto que o produto era avaliado em apenas US$170/tonelada. Usar este milho para fazer a engorda de mais gado no Mato Grosso e depois despachar a carne reduziria o custo relativo do transporte, já que a carne bovina tem um valor muito maior que o milho. O governo também pode estimular o setor de processamento, talvez seguindo o exemplo da Argentina, onde fortes incentivos fiscais encorajam o esmagamento da soja e a produção de biodiesel. Isso não apenas criaria empregos em regiões de cultivo mais remotas como também reduziria os custos de transporte e acrescentaria à produção de bioenergia do país. Aumentar o investimento em vias fluviais e ferrovias. O Brasil obviamente precisa de mais investimento em sua infraestrutura de transporte, principalmente nas vias fluviais e ferrovias. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que almeja acelerar o crescimento econômico por meio de maior investimento, ajudou a dar início a projetos, mas de modo geral o progresso ainda é muito lento, em grande parte devido a severas regras ambientais que aumentam os custos e o tempo de desenvolvimento de projeto. Embora novos projetos ferroviários tenham sido implementados nos últimos anos, os agricultores reclamam que os custos permancem altos. Os preços de transporte na linha ferroviária ALL (América Latina Logística), que vai de Alto Araguaia no Mato Grosso até o porto de Santos, por exemplo, são equivalentes aos do transporte por caminhão. São necessários modos de transporte alternativos, como o fluvial, para que se possa estimular a competição e diminuir os custos. Tais medidas criarão as condições necessárias para que o setor de agribusiness brasileiro se desenvolva nas próximas décadas. Elas reforçarão o resultado financeiro das empresas, permitirão que elas possam se beneficiar de novas oportunidades em mercados existentes e emergentes, e colocarão o Brasil na vanguarda da inovação no setor de agribusiness. 17

19 Cover image: Corbis Ainda que todos os esforços tenham sido realizados para verificar a exatidão dessas informações, nem o Economist Intelligence Unit Ltd. nem os patrocinadores deste relatório podem assumir qualquer responsabilidade ou obrigação de confiabilidade, por qualquer pessoa neste documento, ou quaisquer informações, opiniões ou conclusões nele apresentadas. 18

20 LONDON 26 Red Lion Square London WC1R 4HQ United Kingdom Tel: (44.20) Fax: (44.20) NEW YORK 750 Third Avenue 5th Floor New York, NY United States Tel: (1.212) Fax: (1.212) HONG KONG 6001, Central Plaza 18 Harbour Road Wanchai Hong Kong Tel: (852) Fax: (852) GENEVA Boulevard des Tranchées Geneva Switzerland Tel: (41) Fax: (41)

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura Edição 14 - Julho de 2015 Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura A presidente Dilma Rousseff esteve nos Estados Unidos, de 27 de junho a 1º de julho, onde

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA)

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO O presente artigo vem analisar o nível de preço e produtividade, tecnologia, comercialização

Leia mais

10 Minutos. sobre o agronegócio no Brasil. Perspectivas para o setor agropecuário brasileiro. Destaques. Agosto 2012

10 Minutos. sobre o agronegócio no Brasil. Perspectivas para o setor agropecuário brasileiro. Destaques. Agosto 2012 10 Minutos sobre o agronegócio no Brasil Perspectivas para o setor agropecuário brasileiro Destaques O Brasil caminha para se tornar nos próximos anos a mais importante potência agrícola do planeta. O

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO...

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013 PRODUÇÃO E PROTEÇÃO: IMPORTANTES DESAFIOS PARA O BRASIL Climate Policy Initiative Dezembro 2013 No Brasil, assim como em outros países, há frequente tensão entre objetivos econômicos, sociais e ambientais,

Leia mais

BLAIRO MAGGI Governador do Estado Email: blairo@terra.com.br

BLAIRO MAGGI Governador do Estado Email: blairo@terra.com.br BLAIRO MAGGI Governador do Estado Email: blairo@terra.com.br CONHECENDO A AMAZÔNIA BIOMAS DA AMAZONIA LEGAL Bioma Amazônia Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Bioma Cerrado Biomas Território

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura?

A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura? A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura? Outubro 2014 A agricultura é um importante contribuinte para a economia de Moçambique

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

Sumário Executivo: WWF-Brasil

Sumário Executivo: WWF-Brasil Sumário Executivo: O Impacto do mercado mundial de biocombustíveis na expansão da agricultura brasileira e suas consequências para as mudanças climáticas WWF-Brasil Um dos assuntos atualmente mais discutidos

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

A JBS. A JBS tem seu capital listado na BM&FBovespa desde 2007. Perfil

A JBS. A JBS tem seu capital listado na BM&FBovespa desde 2007. Perfil Perfil GRI G4-3 G4-5 G4-7 S.A. é uma empresa de alimentos com 61 anos de tradição e líder global no processamento de proteína animal. Operando em mais de 20 países, a companhia atende uma base de mais

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição Agricultura Página 2 O Dragão está em xeque? Prezados

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Departamento de Cooperativismo e Associativismo - DENACOOP INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE CONSÓRCIO Raul de Oliveira Fontoura

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL.

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. Três em cada cinco copos de suco de laranja bebidos no mundo são produzidos no Brasil. Nos países com inverno rigoroso, os consumidores não

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

Bancos e big data: risco e conformidade na balança dos executivos

Bancos e big data: risco e conformidade na balança dos executivos Um relatório do The Economist Intelligence Unit Bancos e big data: risco e conformidade na balança dos executivos Patrocinado por Como os big data podem ajudar os bancos no gerenciamento de riscos Em uma

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

Agro-Combustíveis e segurança alimentar

Agro-Combustíveis e segurança alimentar Agro-Combustíveis e segurança alimentar Jean Marc von der Weid Novembro/2008 Não há dúvida de que estamos vivendo o início de uma grave crise alimentar mundial. Após décadas de excedentes na produção agrícola

Leia mais

BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2011/2012 a 2021/2022

BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2011/2012 a 2021/2022 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 211/212 a 221/222 RESUMO EXECUTIVO* APRESENTAÇÃO Este trabalho é uma atualização e revisão

Leia mais

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin.Flake@fas.usda.gov Global Policy Analysis Division

Leia mais

Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar

Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar ETHOS Conferência Internacional 2012 Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar André M Nassar ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 12 de junho de 2012 Segurança Alimentar: Questões Fundamentais

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Intercooperação para Acesso a Mercados

Intercooperação para Acesso a Mercados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Departamento de Cooperativismo e Associativismo Rural Intercooperação para Acesso a Mercados

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Novembro de 2013 Milho: Neste mês o mercado de milho registrou comportamento diferenciado. Em algumas localidades ocorreram quedas nos preços, caso do Paraná, e sustentação em outras,

Leia mais

Copersucar S.A. nasce como maior empresa de açúcar e bionergia

Copersucar S.A. nasce como maior empresa de açúcar e bionergia Copersucar S.A. nasce como maior empresa de açúcar e bionergia Em dez anos, empresa quer deter 30% do mercado nacional e ser um dos maiores players mundiais Começa a operar, a partir desta quarta-feira,

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais