Somague Engenharia Relatório Anual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Somague Engenharia Relatório Anual"

Transcrição

1 Somague Engenharia Relatório Anual 2013

2 SOMAGUE ENGENHARIA

3 Somague Engenharia Relatório Anual 2013

4 Principais Indicadores Económico-financeiros EVOLUÇÃO NOS ÚLTIMOS 3 ANOS 2 INDICADORES ECONÓMICO-FINANCEIROS Volume de negócios Proveitos operacionais EBITDA Resultados antes de impostos Resultados líquidos Capitais próprios Financiamento Caixa e equivalentes/outros títulos e depósitos Endividamento líquido Passivo total Autonomia financeira 16% 21% 21% (Unid: Euros) VOLUME DE NEGÓCIOS/PROVEITOS OPERACIONAIS (Unid: Milhões Euros) CAPITAIS PRÓPRIOS (Unid: Milhões Euros) Volume de negócios Proveitos operacionais EBITDA RESULTADOS LÍQUIDOS (Unid: Milhões Euros) (Unid: Milhões Euros) ENDIVIDAMENTO BANCÁRIO (Unid: Milhões Euros) Financiamento Caixa e equivalentes/outros títulos e depósitos Endividamento líquido SOMAGUE ENGENHARIA

5 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (Unid: Euros) Mercados Vol. negócios Carteira Vol. negócios Carteira Vol. negócios Carteira Portugal Espanha Irlanda Brasil Angola Moçambique Cabo Verde Togo Outros TOTAL DO INDICADOR PRINCIPAIS INDICADORES VOLUME DE NEGÓCIOS (por mercado geográfico) CARTEIRA (por mercado geográfico) Angola 50% Angola 41% Portugal 29% Portugal 20% Cabo Verde 6% Brasil 15% Brasil 5% Moçambique 14% Togo 4% Togo 5% Espanha 4% Cabo Verde 3% Moçambique 2% Espanha 2% Irlanda 0% Irlanda 0% Outros 0% Outros 0% VOLUME DE NEGÓCIOS (por tipo de obra) CARTEIRA (por tipo de obra) Não residenciais 51% Não residenciais 48% Residenciais 16% O. Ferroviárias 21% O. Hidráulicas 9% O. Hidráulicas 15% O. Marítimas 9% Residenciais 6% O. Ferroviárias 7% O. Rodoviárias 4% Outras 6% O. Marítimas 3% O. Rodoviárias 2% Outras 3% O. Aeroportuárias 0% O. Aeroportuárias 0% Urbanizações 0% Urbanizações 0% VOLUME DE NEGÓCIOS (Nacional e Internacional) CARTEIRA (Nacional e Internacional) (Unid: Milhões Euros) (Unid: Milhões Euros) Total Nacional Internacional Total Nacional Internacional RELATÓRIO ANUAL 2013

6 Principais Indicadores Sociais e Ambientais EVOLUÇÃO NOS ÚLTIMOS 3 ANOS 4 INDICADORES SOCIAIS Nº de colaboradores Formação/colaboradores (h) 14,12 13,01 8,65 Encargos com proteção social não obrigatórios ( /colaborador) Índice de incidência de acidentes 25,81 25,35 20,26 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO NÚMERO DE COLABORADORES Portugal Espanha Brasil Angola Moçambique Cabo Verde Togo Panamá Irlanda Outros 6-1 Total INDICADORES AMBIENTAIS Consumo de água (m 3 ) Consumo de cimento (ton) Consumo de agregados (ton) Produção de RCD (ton) Emissões de CO DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO NÚMERO DE COLABORADORES NÚMERO DE COLABORADORES (Nacional e Internacional) Portugal 49% 2800 Angola 34% 2400 Cabo Verde Moçambique Brasil Espanha Togo Outros Panamá 5% 5% 3% 1% 1% 1% 0% Irlanda 0% Total Nacional Internacional SOMAGUE ENGENHARIA

7 Reforço de Potência da Barragem de Venda Nova III - Vieira do Minho 5 PRINCIPAIS INDICADORES RELATÓRIO ANUAL 2013

8 Índice Principais Indicadores Carta do Presidente Governo Corporativo Relatório Consolidado de Gestão Qualidade e Inovação Recursos Humanos Segurança e Saúde Ambiente Impacte na Comunidade Demonstrações Financeiras Consolidadas Notas Consolidadas Certificação Legal das Contas Consolidadas Relatório e Parecer do Conselho Fiscal Anexo aos Indicadores de Sustentabilidade (GRI) SOMAGUE ENGENHARIA

9 Hospital de Vila Franca de Xira 7 ÍNDICE RELATÓRIO ANUAL 2013

10 01 Carta do Presidente 8 SOMAGUE ENGENHARIA

11 9 Kinaxixi MXD Complex - Angola RELATÓRIO ANUAL 2013

12 Carta do Presidente 10 Em 2013 a economia global continuou a não mostrar evidentes sinais de recuperação, embora se tenha notado alguma dinâmica de crescimento nas economias mais avançadas. Portugal continua o seu lento caminho, tendo a economia apresentado uma contração de 1,4%. Ainda assim, esta evolução permitiu atenuar um ciclo de recessão económica de três anos consecutivos. No entanto, no setor da construção em Portugal, o ano revelou as maiores quebras das últimas décadas, fruto da insuficiente concessão de crédito e do continuado abrandamento do setor público. Neste cenário a Somague irá continuar a sua estratégia de internacionalização de forma sólida e sustentada, adequando a sua estrutura à nova realidade e a apostando na especialização. De notar que o mercado internacional representa já hoje 81% da carteira de encomendas e que 2013, tendo sido um ano recorde em termos de angariações (950 milhões de euros ), o mercado internacional contribuiu com 92,2%. Esta carteira de encomendas permite- -nos encarar o futuro próximo com alguma tranquilidade. O reforço e aposta nas competências que diferenciam a Somague permitiram evoluir ainda mais para uma cultura de qualidade e excelência. As capacidades e recursos técnicos e humanos são fatores críticos para enfrentar os de- SOMAGUE ENGENHARIA

13 11 CARTA DO PRESIDENTE safios com solidez e confiança. Assim, a aposta estratégica em quatro especialidades - obras hidráulicas, marítimas, ferroviárias (através da Neopul) e industriais e de construção civil, permitirá dar resposta aos grandes desafios da engenharia nestes domínios, em qualquer parte do globo, mantendo a Somague o seu know-how e experiência em todo o tipo de obras. Gostaria de terminar com uma palavra de orgulho e agradecimento a todos os colaboradores. É pois com confiança que olhamos para 2014, querendo continuar a ser um parceiro sólido para os nossos stakeholders, sejam os nossos clientes e fornecedores, parceiros estratégicos ou o acionista Sacyr, e um empregador de confiança para todos os colaboradores espalhados pelo mundo. Rui Ferreira Vieira de Sá Presidente do Conselho de Administração RELATÓRIO ANUAL 2013

14 02 Governo Corporativo Modelo de funcionamento Órgãos Sociais Organograma da Empresa Gestão do Risco Auditoria Interna Stakeholders/Comunicação SOMAGUE ENGENHARIA

15 13 Corredor de Nacala - Moçambique RELATÓRIO ANUAL 2013

16 2.1 Modelo de funcionamento 14 A Somague orienta o desenvolvimento da sua atividade por modelos de excelência empresarial pelo que tem direcionado a sua gestão no sentido de atingir os melhores resultados através do envolvimento de todos os colaboradores num processo de melhoria contínua, que visa o aumento da produtividade e da eficácia, reduzindo as atividades que não geram valor e potenciando aquelas que o geram. É neste contexto que a Somague, desde 1993, funciona de acordo com um sistema de gestão orientado por processos, o qual designou por Modelo de Funcionamento, que foi estabelecido com o propósito de criar um conjunto de normas internas que suportassem a implementação da estratégia da empresa. Em 2013, com o intuito de adaptar essas normas, compiladas nos Manuais de Processos, à nova realidade da empresa: internacionalização do negócio em mercados com diferentes contextos, crescente incorporação de aplicações informáticas e evolução dos processos de trabalho; a Somague iniciou um programa de revisão desses Manuais, tendo sido já publicadas as novas edições dos seguintes: Manual de Angariação de Negócios e Elaboração de Propostas a Clientes, Manual de Gestão da Informação e Documentação, Manual de Gestão do SIGAQS, Manual de Gestão do SGIDI e o Manual de Fase de Garantia. Angariação de negócios (AN) Elaboração de propostas a clientes (EPC) Preparação do arranque de obra (PAO) Execução de obra (EO) Controlo de obra (CtO) Conclusão de obra (CcO) Fase de garantia (FG) Planeamento Estratégico (PE) Fornecimento de Materiais e Serviços (FMS) Utilização e Manutenção de Equipamentos (UME) Gestão de Recursos Humanos e Organização (RHO) Controlo Operacional e Financeiro (COF) Gestão da Informação e Documentação (GID) Gestão do SIGAQS (QSA) Gestão do SGIDI (IDI) Processos de negócio Processos de suporte SOMAGUE ENGENHARIA

17 Missão, Visão e Valores MISSÃO Assegurar de uma forma sustentada e contínua a melhoria da qualidade de vida da população, construindo as infraestruturas do futuro, baseada nos mais elevados padrões de performance em termos de qualidade, custo e prazo. VISÃO Ser uma empresa de sucesso nas áreas da construção civil e obras públicas onde exerce a sua atividade, assegurando a satisfação e confiança dos seus clientes pela qualidade e competitividade dos seus produtos e serviços, beneficiando com tudo aquilo que fizer, correspondendo aos anseios dos colaboradores. VALORES Inovação Aceitar desafios e soluções criativas numa perspetiva de melhoria contínua avaliando os riscos inerentes. Espírito de Grupo Desenvolver uma Visão Global de objetivos partilhados, valores e regras de acordo com as orientações e políticas de Grupo, transmitindo sempre uma boa imagem da Somague. Orientação para o Cliente Encontrar as soluções que satisfaçam simultaneamente os interesses dos clientes internos e externos, de acordo com os padrões de qualidade da Somague. Desenvolvimento Profissional Valorizar a partilha de conhecimentos com o objetivo de promover a integração e o sucesso profissional atual e futuro. Ética e Responsabilidade Social Cumprir os seus compromissos e responsabilidades, contribuindo para o desenvolvimento e bem-estar da sociedade, protegendo a sua imagem e posição competitiva. Respeito pelo Indivíduo Considerar cada colaborador como único, identificando o seu potencial e respeitando as suas expectativas, reconhecendo o seu esforço, dedicação e desempenho. Qualidade Organizacional Cumprir com rigor e visão integrada os procedimentos da empresa satisfazendo necessidades internas e externas e propondo sugestões numa ótica de melhoria contínua. A Somague tem também vindo a promover, progressivamente, a integração no sistema de gestão da empresa, o cumprimento de políticas internas e requisitos externos por si subscritos, nomeadamente: Internos Missão, Visão e Valores Política de Sustentabilidade Plano Diretor de Responsabilidade Corporativa do Grupo Sacyr Código de Ética e Conduta Política de Recursos Humanos Política da Qualidade, Segurança e Ambiente Política de Investigação, Desenvolvimento e Inovação Processo de Subcontratação Procedimentos de Prevenção de Branqueamento de Capitais e Bloqueio ao Terrorismo 15 GOVERNO CORPORATIVO RELATÓRIO ANUAL 2013

18 16 Externos Pacto Mundial das Nações Unidas (através do Grupo Sacyr) Rede Nacional de Responsabilidade Social das Organizações (RSO.pt) Certificação Qualidade (ISO 9001) Certificação Segurança e Saúde (OHSAS 18001) Certificação Ambiental (ISO 14001) Certificação Inovação (NP 4457) Certificação Código ISM A implementação das políticas, códigos e compromissos anteriormente referidos é verificada através da realização de auditorias internas e externas às diferentes unidades de negócio da Somague. O resultado destas auditorias é periodicamente transmitido à Administração da empresa. Jornadas Estratégicas Nos dias 12 e 13 de setembro, estiveram reunidos no auditório da Somague mais de 100 quadros da empresa, desde a Administração a chefias intermédias, com o objetivo de refletir na situação atual da Somague e nas principais linhas estratégicas para o futuro. As reuniões, dinamizadas por Miguel Angel Peña (CEO), iniciaram-se com a identificação clara dos desafios que a Somague atualmente enfrenta: Mudança dos fluxos de tesouraria Redução da atividade em Portugal Internacionalização Após a apresentação de um benchmarking da situação económico-financeira dos principais concorrentes da Somague, efetuada por Luis Patrício, Administrador Financeiro, coube a cada responsável de mercado (Angola, Brasil, Cabo Verde, Togo, Moçambique e Irlanda) a apresentação da situação da empresa nesses mercados e das respetivas oportunidades. Procurando uma otimização das competências da empresa e uma diferenciação relativamente à concorrência foram apresentadas as quatro grandes áreas de atuação da Somague, designadas de Especialidades: Hidráulicas, Marítimas, Ferroviárias e Industriais. Estas sessões contaram também com a avaliação dos impactes das alterações de funcionamento nos diferentes Serviços de Apoio à Produção (QSA, Inovação, Sustentabilidade, Engenharia e Métodos, Seguros, Aprovisionamentos e Equipamentos) assim como do balanço da atividade comercial da empresa. Destas jornadas de reflexão resultaram as principais linhas estratégicas para o futuro da empresa: Estabilização da tesouraria Internacionalização sólida e ordenada Adequação da estrutura à nova realidade Coube a cada responsável de área da empresa a transmissão desta estratégia aos seus colaboradores através do efeito de cascata. As apresentações foram também disponibilizadas a todos os colaboradores através da Snet. Em 2014, seguir-se-ão várias sessões de Debate Estratégico, através das quais se vai dar continuidade à troca de opiniões entre os principais responsáveis e colaboradores da empresa, na busca das melhores respostas operacionais e organizacionais para os novos desafios a que a empresa tem de dar resposta. SOMAGUE ENGENHARIA

19 17 GOVERNO CORPORATIVO Data Center PT - Covilhã Prémio Sustentabilidade A Somague foi premiada nos Prémios Construir, 2013, galardões que distinguem a excelência do que é feito nas áreas da Construção, Arquitetura, Engenharia e Imobiliário. A empresa, em parceria com a Opway, foi distinguida com o troféu do Prémio Sustentabilidade, pela construção do Data Center da Portugal Telecom, na Covilhã. A obra incide sobre dois edifícios estruturantes: um Bloco Técnico, destinado a albergar instalações de armazenagem e processamento de dados e um Edifício de Suporte, destinado a áreas de escritórios, armazenagem e a um estacionamento coberto. Com mais de m 2 e mais de servidores o empreendimento está sujeito à certificação Leed Leadership in Energy and Environmental Design. RELATÓRIO ANUAL 2013

20 2.2 Órgãos Sociais 18 Assembleia Geral: Presidente: Luís Maria Lino da Costa de Sousa Macedo Secretário: Ana Sofia Dias Pedro Conselho de Administração: Presidente: Rui Ferreira Vieira de Sá Vogais: Miguel Ángel Peña Penilla Luís Manuel Silva Duarte Patrício José Manuel Loureda López Miguel Heras Dolader Diogo Alves Dinis Vaz Guedes José Augusto Ferreira Teixeira Conselho Fiscal Presidente: João Belard Kopke Marques Pinto Vogais: Isabel Garizo Garcia António Joaquim Andrade Gonçalves Revisor Oficial de Contas: Ernst & Young Audit e Associados, SROC, S.A. Representada por: Paulo Jorge Luís da Silva Secretário da Sociedade Miguel Peter Gomes Tönnies Técnico Oficial de Contas: Graça Maria Epifânio Pinto Dias, TOC 1869 SOMAGUE ENGENHARIA

21 O Conselho de Administração apoia-se nos seguintes órgãos do governo, que o assistem no exercício das suas funções: A Comissão de Nomeações e Retribuições, que analisa o histórico profissional e avalia o perfil das pessoas mais idóneas para formar parte do conselho e restantes órgãos de governo, procurando que os candidatos que propõe ao Conselho de Administração sejam sempre pessoas de reconhecido prestígio, competência e experiência. Esta comissão é ainda responsável pela implementação do Programa de Gestão por Objetivos, no qual são estabelecidos os objetivos da Administração e dos gestores de topo, cuja avaliação é efetuada anualmente. 19 GOVERNO CORPORATIVO A Direção de Auditoria Interna, com o objetivo de avaliar e gerir os riscos associados à atividade da Somague e assegurar a fiabilidade e integridade da informação financeira e operacional. Reporta hierarquicamente à Direção de Auditoria Interna do Grupo Sacyr. O Departamento de Prevenção de Branqueamento de Capitais, com a missão exclusiva de realizar a gestão das atividades de prevenção de branqueamento de capitais. A Comissão de Segurança e Saúde, com o objetivo de analisar os acidentes ocorridos e avaliar a implementação do sistema de segurança e saúde no trabalho. Reorganização da empresa Em 2013 operaram-se diversas alterações à estrutura organizativa da empresa com o objetivo de a adequar à nova realidade. Das alterações implementadas destaca-se a reorganização da produção por tipo de obras (especialidades): Hidráulicas e Vias de Comunicação Marítimas Industriais e Construção Civil Ferrovias Com esta reorganização a Somague pretende potenciar as áreas de atividade que a distingue da concorrência, pela sua experiência, equipamento e corpo técnico. Esta nova estrutura permite também potenciar a execução de obras especiais nos mercados internacionais, nos quais a Somague se destacava essencialmente pela execução de obras de construção civil. RELATÓRIO ANUAL 2013

22 2.3 Organograma da Empresa 20 SOMAGUE SGPS 100% SOMAGUE ENGENHARIA Participadas Sucursais ACE s Ferropor Neopul Somague TI Somague - Ediçor, Engenharia Sucursal Espanha ACUPM Pescanova GNL Sines Projesines Grupo construtor Data Center ACE 100% 100% 100% 100% 80% 85% 50% Neopul Ireland Ltd Soconstroi PMG S.D.C.P.V. Sucursal Brasil NHXira Cogeração Sines Molhes do Douro 100% 100% 12,75% 47,5% 65% 50% ACE s Sucursais Promoceuta Momasoteco Sucursal Cabo Verde NHBraga Somague / Tomás Oliveira ACE LCHXira 55% 23,75% 47,5% 65% 60% UTE Muelle Ing. Juan Gonzalo Neopul Ferrovias Sucursal Neopul Espanha H.S.E. Emp. Imobiliários Portas da Lagoa Sucursal Angola LOC Transmetro NCC Alegro Setúbal ACE 50% 50% 27,5% 12,75% 25% 47,5% 50% UTE Inecat AVIAS Sucursal Neopul Brasil SGIS Parque Futuro Sec. XXI Sucursal Irlanda Águas da Linha Barragem Foz Tua ACE Cais Cruzeiros Funchal ACE 38% 22% 100% 12,75% 50% 33,33% 50% UTE Orihuela UTE Estación de Goya Sucursal Neopul Irlanda Soconstroi Engenharia Haçor C, ACE Águas de Gondomar Venda Nova III Construção Terminal de Lomé ACE 10% 10% 100% 34,25% 100% 28,33% 50% UTE Can Tunis Neopul Gabaldón Sucursal Neopul Moçambique Somague Angola Edimecânica Águas de Barcelos ETAR Alcântara 50% 33% 100% 100% 70% 50% UTE Ave Portela UTE Pontevedra CVC (Cabo Verde) Via Expresso Infratúnel GACE 15% 20% 90,3% 11,2% 55% 24% UTE Neopul Isolux (Málaga) UTE Neopul Dorsalve (Sevilha) Somague Moçambique Somague Ireland Ltd LCHB ACE LGC 50% 50% 100% 100% 60% 30% UTE Nudo Castellbisbal Neorail Somague MPH Somague Panamá VL9 LMNS Atlântico ACE 30% 50% 50% 100% 70% 25% UTE Alicante UTE Linares Somague Togo Estaleiro de Pegões SEN 20% 10% 100% 100% 100% UTE ADIF Merida 10% Via Alameda II 50% Joint Venture Cyes / Somague 50% Nota: do organograma da empresa foram excluídas as participações menos significativas. SOMAGUE ENGENHARIA

23 21 GOVERNO CORPORATIVO Metro do Porto - Linha de Gondomar RELATÓRIO ANUAL 2013

24 2.4 Gestão do Risco 22 Consciente das necessidades de adaptação a um mercado cada vez mais abrangente e considerando a necessidade de expansão em países cada vez mais diversos, a Somague iniciou, em 2013, a consolidação do processo de Gestão do Risco. A emergência de novos mercados e a competitividade por processos construtivos inovadores e que possam gerar valor acrescentado em propostas variantes são, cada vez mais, soluções valorizadas pelos clientes em fase de Concurso, caracterizadas por uma elevada componente de oportunidade. Foi com base nesta matéria que a empresa implementou uma aplicação, desenvolvida internamente, com base na experiência dos colaboradores e do portal de gestão do risco comercial. Esta foi criteriosamente desenhada tendo em consideração a realidade seto- rial da Somague, as suas áreas de negócio, os mercados onde opera e os riscos assumidos em fase de contratação e desenvolvimento do negócio. Outro aspeto que mereceu especial atenção e que representa uma maior valia para a gestão do seu portfólio, foi a angariação e compilação de toda a informação técnica referente às Empreitadas mais expressivas dos últimos 10 anos, e que permitiram à Somague, a preservação do seu já extenso curriculum. Gerou-se para tal um sítio de consulta, pesquisável por palavras, idêntico a uma WIKI interna e disponível na Snet, que funciona atualmente como banco de dados da informação mais relevante a nível técnico, e onde se encontram arquivados os mais importantes elementos históricos das obras. Esta aplicação tentará garantir que as análises de risco a efetuar em próximos projetos, se possam alimentar de experiências vividas anteriormente e operacionalizando de forma incremental as análises de risco futuras. Bancos, Consultores externos, Clientes Avaliação de fornecedores, subempreiteiros e prestadores de serviços Gestão de Interfaces (externas e internas) Relatórios de não conformidade e auditorias Aplicação da GR GESTÃO DO RISCO O que se faz? Seguros RMO, RMQ, RMA, RFO, Relatório SAV Sligo, Sophia, Dados estatísticos Base de dados WikiObras (...) SOMAGUE ENGENHARIA

25 2.5 Auditoria Interna 23 GOVERNO CORPORATIVO Etar de Alcântara - Lisboa O principal objetivo da função de Auditoria Interna, consiste em assegurar à Administração e ao Comité de Auditoria do Grupo Sacyr uma segurança razoável em torno do ambiente dos sistemas de controlo interno operacionais da Somague, que foram corretamente concebidos e estão adequadamente geridos. A consecução do referido objetivo requer a realização das seguintes tarefas: Atualização (com a participação ativa da Administração) do mapa de riscos da Somague, que sirva de base para a planificação global dos trabalhos do período. Avaliar a adequação dos sistemas de controlo interno com o objetivo de contribuir com uma maior eficácia e eficiência dos processos de gestão e controle dos riscos inerentes nas atividades desenvolvidas pela Somague. Verificar que as operações e procedimentos estão a ser implementados e desempenhados tal como foram planeados e em consequência, comprovar que os resultados obtidos estão de acordo com os objetivos estabelecidos. Contribuir com uma opinião independente e objetiva em relação à interpretação e aplicação da normativa legal vigente em matérias relacionadas com os riscos da Somague. Avaliar a eficácia com que se utilizam os recursos na Somague. Analisar os meios de salvaguarda dos ativos e verificar a sua existência real. Analisar a fiabilidade e integridade da informação fi- nanceira e de gestão das sociedades da Somague, e os meios utilizados para identificar, avaliar, classificar e comunicar essa informação. Em 2013, foram realizados 12 trabalhos de auditoria interna, que consubstanciaram o sentido da missão da auditoria interna dentro da Somague e do Grupo Sacyr. Todos eles estiveram orientados para proporcionar conforto sobre o controlo dos riscos, oriundos do mapa de riscos da Somague, contribuindo com valor acrescentado mediante sugestões de melhoria e posteriores ações de seguimento. Adicionalmente a Auditoria Interna é também responsável por controlar o correto cumprimento da norma vigente em matéria de prevenção de branqueamento de capitais nas participadas do Grupo Sacyr em território Português, e suas sucursais no estrangeiro cuja sua atividade principal é a mediação imobiliária, a compra e venda de imóveis ou a construção e venda direta de imóveis, sendo a efetividade deste controlo garantido através da realização de auditorias anuais. RELATÓRIO ANUAL 2013

26 2.6 Stakeholders/ Comunicação 24 A proximidade com que a Somague acompanha os seus grupos de interesse permite conhecer as suas necessidades e expectativas e serve de base para desenhar e desenvolver ações concretas para o cumprimento dos compromissos assumidos. Esta relação implica uma comunicação entre a Somague e as suas partes interessadas, por um lado fornecendo informações atualizadas, por outro recebendo o respetivo feedback relativamente à sua atuação. Tal só é possível através de uma gestão ativa das expectativas dos seus stakeholders onde são identificados e caracterizados os diferentes grupos com os quais se relaciona diretamente na sua atividade. Colaboradores Parceiros Estratégicos Entidades Públicas Acionista Clientes Fornecedores Participadas Comunidade SOMAGUE ENGENHARIA

27 25 Togo - Stakeholders Pela primeira vez a trabalhar no Togo, onde iniciou a construção do Terminal de Contentores de Lomé, foi essencial para a Somague o levantamento dos stakeholders do projeto, de forma a identificar os meios mais eficazes para o desenvolvimento da obra. Assim, foram identificados as seguintes partes interessadas: GOVERNO CORPORATIVO Porto Autónomo de Lomé/Port Autonome de Lomé: empresa estatal, sob a supervisão administrativa do Ministério dos Transportes. A sua missão é garantir o funcionamento das instalações portuárias por intermédio de empresas que gerem a atividade portuária, nomeadamente a LCT promotora/concessionária da obra; LCT - Lomé Container Terminal S.A.: empresa responsável pela concessão, financiamento, construção, gestão e exploração de um terminal privado em Lomé (dono de obra); IFC - International Finance Corporation pertence ao World Bank Group e BAD - Banque Africaine Developpement: Principais financiadores do projeto; Fornecedores/Subempreiteiros locais: sempre que possível, o consórcio recorre a empresas locais, no entanto, dada a falta de empresas especializadas não tem sido possível recorrer de forma mais significativa a essas empresas; A.N.G.E - Agência Nacional de Gestão Ambiental: organização responsável pela supervisão ambiental do país, em geral, destacando-se o seu envolvimento na proteção da biodiversidade, nomeadamente das tartarugas marinhas identificadas na envolvente do projeto; Maire de Lomé: entidade envolvida na obtenção das licenças necessárias para o armazenamento de resíduos de qualquer espécie; Município de Lomé/Municipalité de Lomé: detém prerrogativas relativas à gestão ambiental e social do projeto; Comunidade local. Moçambique - Comunidades locais No ano de 2013, a Somague deu início à obra de requalificação de 520 km de caminho de ferro do Corredor de Nacala, em Moçambique. Dada a localização da obra e os impactos que a mesma tem nas localidades/povoamentos que atravessa, a relação da Somague com as comunidades locais é de extrema importância para o sucesso do projeto. Os habitantes locais regem-se por etnia ou por associação religiosa - nomeadamente a Muçulmana e a Hindu. Aquando da montagem do estaleiro em Cuamba, no âmbito do relacionamento com os seus stakeholders, a empresa foi abordada pelo Régulo da etnia dos Ajaua que considerou importante realizar uma cerimónia religiosa no respetivo terreno. A Somague concordou de imediato com a realização da mesma, como forma de respeito pela comunidade e de promoção de uma cooperação que se espera vantajosa para ambas as partes. RELATÓRIO ANUAL 2013

28 Comunicação Interna Algumas das ferramentas utilizadas na empresa para comunicação interna são: Portal do Gestor: também acessível via Snet, permite um rápido olhar sobre temas ligados à gestão mais direta de cada colaborador, seja a nível de recursos humanos, eficiência de custos, financeira ou de controlo de gestão. Snet: esta ferramenta de intranet permite sistematizar, e divulgar a todos os colaboradores, os mais variados temas, desde informação corporativa, manuais e formulários técnicos, portfólio de obras, digest diário de imprensa, parcerias disponíveis com entidades externas, fóruns de discussão, informação relativa a áreas específicas (Marketing e comunicação, QSA e IDI, equipamentos, jurídicos, tecnologias de informação, recursos humanos, seguros/gestão de risco, etc.), entre outros. A partir da Snet pode aceder-se a outras ferramentas de comunicação interna, nomeadamente ao Portal do Colaborador, ao Portal do Gestor ou ao Portal HelpDesk. A utilização da Snet como forma preferencial de comunicação é ainda uma medida de redução significativa de consumo de papel, uma vez que é usada nos sistemas de faturação, programa de encomendas de merchandising, avaliação de subempreiteiros e fornecedores, na divulgação de notas internas ou de circulares de serviço, ou na publicação de manuais. Revista Soma e Segue : publicação trimestral, com distribuição a todos os colaboradores, bem como a um público externo, divulga a atividade mais relevante da empresa. LAC - Linha de Apoio ao Colaborador: um canal de comunicação via telefone ou , destinado a apoiar na resolução concreta de problemas, na clarificação de dúvidas e no debate de questões com que qualquer colaborador, no âmbito da relação laboral, se poderá deparar. Cada um dos responsáveis da Somague dinamiza ainda reuniões específicas por área, com as quais pretende assegurar a receção e compreensão da informação adequada aos diversos níveis da organização. Destacam-se as reuniões mensais de controlo de custos e as reuniões de produção. Portal do Colaborador: acessível a partir da Snet, permite a execução de uma série de tarefas, sem necessidade de recurso ao suporte papel, e reúne toda a informação pessoal do colaborador associada diretamente à sua relação com a empresa: marcação de férias, avaliações de desempenho, seguros, ações de formação, entre outros. SOMAGUE ENGENHARIA

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE ENTIDADE GESTORA DE FUNDO DE CAPITAL DE RISCO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE ENTIDADE GESTORA DE FUNDO DE CAPITAL DE RISCO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE ENTIDADE GESTORA DE FUNDO DE CAPITAL DE RISCO 1. Enquadramento O presente Concurso, lançado na sequência de Deliberação da Assembleia Municipal

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO)

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) Março 2015 V A L E INO V A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo Específico... 3 3. Tipologia de Projetos...

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger SEM MAIS EMPREGO NÃO É POSSÍVEL A RECUPERAÇÃO ECONÓMICA DO PAÍS Slides utilizados na intervenção que fiz

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO COMO GESTOR GERAL DA QUALIDADE DE EMPREENDIMENTOS DA CONSTRUÇÃO INSTRUÇÕES DE CANDIDATURA 1. DESTINATÁRIOS A Marca de

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas 1 Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas O lançamento do portefólio Eco veio abrandar a tendência de redução de receitas e pelo terceiro

Leia mais

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA GUIA PORTUGAL 2020 NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? www.f-iniciativas.com GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? 1. O que é Portugal 2020 2. Metas para o Portugal

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Vale Inovação PSZ CONSULTING Maio 2015 Índice 1 O que é?... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Objetivos Específicos... 2 1.3 Âmbito Setorial... 2 1.4

Leia mais

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos 2ª JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA CIVIL OS NOVOS DESAFIOS O PAPEL DA CONSTRUÇÃO NO FUTURO Índice: Onde Estamos Europa 2020 e Crescimento da Construção em Portugal

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países MGI Internacional Presença em mais de 80 países Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores associações internacionais de empresas independentes

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 COMUNICADO Ílhavo, 30 de Agosto de 2013 RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 Destaques»» As vendas da VAA no primeiro semestre de 2013 atingiram 24,7 M ;»» O mercado nacional apresentou um crescimento

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA Gestão Empresarial Internacional e Diplomacia Económica International Management and Economic Diplomacy 2 O aumento das exportações

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Relatório de Atividades 2011. Carlos da Silva Costa

Relatório de Atividades 2011. Carlos da Silva Costa Banco de Portugal Relatório de Atividades 2011 Carlos da Silva Costa Banco de Portugal Relatório de Atividade 2011 Esquema da Apresentação I. Enquadramento da Atividade Enquadramento externo Linhas Gerais

Leia mais