A ATUAÇÃO DAS GRANDES TRADINGS DO AGRONEGÓCIO DA SOJA NO AVANÇO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA NA BR-163

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATUAÇÃO DAS GRANDES TRADINGS DO AGRONEGÓCIO DA SOJA NO AVANÇO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA NA BR-163"

Transcrição

1 A ATUAÇÃO DAS GRANDES TRADINGS DO AGRONEGÓCIO DA SOJA NO AVANÇO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA NA BR-163 THE ROLE OF MAJOR AGRIBUSINESS TRADING FROM SOYBEAN SECTOR IN THE ADVANCE OF THE AGRICULTURE FRONTIER AT BR- 163 Emilia Jomalinis de Medeiros Silva UFRJ RESUMO A partir de novos padrões tecnológicos, áreas do cerrado brasileiro se constituíram como significativa fronteira para a ciência e a tecnologia, favorecendo a expansão do capital e da fronteira agrícola da soja, sobretudo a partir da década de Em um contexto de emergência da modernização conservadora da agricultura, baseada em um grande pacote técnico, em apenas 15 anos a produtividade da soja no Brasil quase dobrou, tornando-se, atualmente o principal produto agrícola da pauta de exportação do agronegócio brasileiro (SCHLESINGER & NORONHA, 2006: 21). Vastas extensões territoriais do cerrado passam a ser progressivamente marcadas por essa divisão territorial e internacional do trabalho, bem como pela existência de circuitos produtivos complexos, em decorrência dos sistemas técnicos sofisticados. Estes, junto aos círculos de cooperação, geram fluxos mais intensos, extensos e seletivos, permitindo ao capital que se mova a um custo mais baixo (BERNARDES, 2006). No contexto da divisão internacional do trabalho, os atores hegemônicos, representados pelas corporações internacionais, passaram a desempenhar papel singular no setor. Atualmente, o setor da soja é marcado pela crescente presença de corporações em diversas etapas das redes produtivas alimentares, pela flexibilização, concentração e centralização. Segundo dados de 2005, cerca de 70% do total exportado no Brasil estava concentrado em sete empresas, das quais se destacam, no Brasil, o protagonismo de 1

2 quatro corporações: Archer Daniels Midland Company (ADM), Bunge, Cargill e Louis Dreyfus (FREDERICO, 2010). Através de estímulos como crédito, criação de infraestrutura e venda de pacotes tecnológicos, essas empresas vêm contribuindo para a intensificação da produção agrícola brasileira e, consequentemente, para a expansão da fronteira agrícola da soja rumo aos bioma Cerrado e Amazônia. Nesse sentido, a proposta deste artigo é traçar reflexões iniciais acerca da inserção das grandes empresas controladoras do setor, no país, identificando, especialmente, seu papel na expansão da fronteira econômica agrícola da BR-163, trecho Cuiabá/Santarém. ABSTRACT With new technological standards, the Brazilian cerrado became a significant frontier for science and technology, promoting the expansion of capital and the agricultural frontier of soy, especially from the 1970s. In an emergency context of conservative modernization of agriculture, based on a large technical package, in only 15 years, the productivity of soybean in Brazil has nearly doubled, making it currently the main agricultural exported product of the Brazilian agribusiness (SCHLESINGER & NORONHA, 2006: 21). Hence, the Brazilian Cerrado became increasingly marked by this territorial and international division of labor, as well as the existence of complex circuits of production, due to the sophisticated technical systems. These, together with the cooperation circles, generate more intense, extensive and selective flows allowing capital to move with a lower cost (BERNARDES, 2006). In the context of the international division of labor, hegemonic actors, represented by international corporations came to play a unique role in the sector. Currently, the scenario of the soybean sector is marked by the increasing presence of corporations in various stages of food production networks, and well as flexibility, concentration and centralization. According to 2005 data, about 70% of total exports in Brazil were concentrated in seven companies, including most importantly, in Brazil, the role of four corporations: Archer Daniels Midland Company (ADM), Bunge, Cargill and Louis Dreyfus (FREDERICO, 2010). Through incentives such as credit, creation of infrastructure and the sale of technological packages, these companies are contributing to the intensification of agricultural production in Brazil and, consequently, the expansion of the agricultural frontier of soybeans in the Cerrado and Amazon biome. 2

3 Accordingly, the purpose of this article is to develop initial reflections upon the insertion of large holding companies in the sector in the country, identifying its role in expanding economic frontier agricultural BR-163 road from Cuiabá to Santarém. Palavras - chave: Agronegócio, tradings, soja, BR-163, corporações Keywords: Agribusiness, tradings, soybean, BR-163, corporations Eixo de inserção do trabalho: 6 - Modernização da Agropecuária e Reestruturação Produtiva Introdução O perfil agrário exportador brasileiro, cada vez mais estratégico no contexto atual da economia brasileira, não se trata de uma característica recente. Pelo contrário, o processo de formação econômica brasileira relaciona-se, em grande medida, com seu setor agroalimentar exportador (FURTADO, 1963; FLEXOR, 2006). Sua inserção nas trocas comerciais internacionais, ou no que Wallerstein e demais chamam de Economia- Mundo se dá, desde o início de sua colonização, a partir da exportação de produtos primários (BECKER & EGLER, 2003; FREDERICO, p.30) 1. Através dos ciclos de exploração, este modelo vai se consolidando; ainda que em alguns momentos históricos, houvesse maior investida no processo de industrialização e substituição de importações. Como ressalta Porto-Gonçalves (2006), as monoculturas que se desenvolveram, sobretudo nas regiões coloniais, tornaram-se base de sustentação da agricultura capitalista moderna voltada para a exportação. A partir da segunda metade do século XX, em consonância com a dinâmica internacional do setor, parte da agricultura brasileira passa por um processo de modernização e consequente constituição de complexos agroindustriais, caracterizando-se por um estreitamento das relações entre agricultura e indústria (SILVA, 1996; SILVA, 1993). Este processo contou, principalmente, com forte participação do Estado seu principal financiador - e do capital nacional, mas não deixou de ter apoio internacional (FREDERICO, 2010). Este processo de modernização e reestruturação do sistema técnico agrícola brasileiro se deu por meio da implantação do paradigma da Revolução Verde e passou a ser chamada por vários autores de Modernização Conservadora, na medida em que, a 1 Tanto Immanuel Wallerstein como Aníbal Quijano consideram que o que eles denominam de Sistemamundo tenha seu início após 1942 e é também a partir dessa data que os autores consideram ser o início da globalização e da emergência do conceito de moderno (Porto-Gonçalves, 2006, p.24). 3

4 despeito da incorporação de novas técnicas, foi um processo que não alterou profundamente a estrutura social existente no campo brasileiro (OLIVEIRA, 1986: 8). Apesar de ter como foco principal a agricultura, este processo de modernização vai além e influencia todo o uso do território em questão, que passa a ser cada vez mais dotado de técnica e ciência, em consonância com o que Santos (1996) classifica como período técnico-científico (FREDERICO, 2010). Já na década de 1990, esta agricultura moderna-conservadora passa por novo processo de tecnificação e cientifização dos sistemas técnicos, onde a informação passa a ser o principal elemento viabilizador e organizador da agricultura; processo que se inicia em escala mundial já na década de Nesta nova estrutura produtiva agroindustrial em rede, as corporações transnacionais começam a ganhar papel de destaque (FREDERICO, 2010: 34; ARACI, 2005: 35). O grande conteúdo em informação promove um controle mais restrito e hierárquico da produção; as grandes empresas mundiais, exportadoras de grãos e fornecedoras de insumos, passaram a ter um maior poder de regulação, ao mesmo tempo em que o Estado principal financiador e articulador do modelo de modernização via CAI [Complexos Agroindustriais] passou a ter um papel menos proeminente. A ausência do Estado se deve em grande parte à crise econômica/fiscal sofrida durante a década de 1980 e à introdução das políticas de ideologia neoliberal (FREDERICO, 2010: 34). Objetivos À luz do debate sobre técnica, globalização, estratégia e território, no contexto do meio técnico-científico informacional, o objetivo deste artigo é traçar uma reflexão inicial acerca da inserção das corporações transnacionais no setor brasileiro da soja, e os processos de territorialização decorrentes, no âmbito do avanço da fronteira econômica/agrícola, em especial na BR-163 trecho Cuiabá-Santarém. A partir deste objetivo geral, desdobram-se objetivos específicos: o Fazer uma reflexão teórica inicial sobre o processo de modernização conservadora no Brasil, em especial no cerrado brasileiro e sobre os processos territoriais de acumulação do capital no cerrado brasileiro, com ênfase para os municípios na região de influência da BR-163, no trecho Cuiabá Santarém; o Analisar o processo de reorganização das relações entre os atores econômicos das redes produtivas da soja na região, em especial da crescente atuação de 4

5 quatro tradings do setor - ADM, Bunge, Cargill e Dreyfus a partir dos anos 1990; Metodologia Esta pesquisa apresenta como recorte temporal o início da década de 1990 até os dias atuais. Em termos de recorte espacial, o artigo busca privilegiar uma reflexão sobre a atuação das corporações da soja no centro-oeste brasileiro, em especial, no trecho Cuiabá-Santarém da BR-163. Para dar conta desta proposta trabalhamos com as noções de espaço e técnica (Santos, 1996, Bernardes, 2005), processo de acumulação do capital (Harvey, 2004) e redes produtivas (Mazzali, 2000). Dados secundários da Secretaria de Comércio Exterior e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística também foram utilizados. O presente texto não conta, ainda, com dados primários coletados a partir de trabalhos na região focal do estudo, sendo assim, uma reflexão inicial sobre a temática estudada. Modernização conservadora no cerrado brasileiro A partir de novos padrões tecnológicos da primeira Revolução Verde, áreas do cerrado brasileiro se constituíram como significativa fronteira para a ciência e a tecnologia, favorecendo a expansão do capital e da fronteira agrícola da soja, sobretudo a partir da década de Entendemos como Revolução Verde o modelo baseado na intensiva utilização de sementes melhoradas (principalmente híbridas), insumos industriais (como fertilizantes e agrotóxicos), alta mecanização e uso extensivo de tecnologia no plantio, na irrigação e na colheita. É um modelo de origem norteamericana, país que incentivou sua execução em diversos outros lugares de produção agrícola. No Brasil e no mundo, a modernização conservadora com suas tecnologias que envolviam a Revolução Verde implicaram em grandes transformações nas relações de poder (PORTO-GONÇALVES, 2006: 225) e nas relações de produção na agricultura, redefinindo toda a estrutura socioeconômica e política no campo (OLIVEIRA, 1986: 5). Com a migração de produtores da região Sul (onde até então se concentrava esta produção) à procura de terras mais baratas e escala de produção, a soja se expandiu para o estado de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, oeste de Minas Gerais e da Bahia e, posteriormente, para o sul do Maranhão, Piauí e Tocantins. Vastas extensões territoriais do cerrado passam a ser progressivamente marcadas por essa divisão territorial e internacional do trabalho, bem como pela existência de circuitos produtivos 5

6 complexos, em decorrência dos sistemas técnicos sofisticados. Estes, junto aos círculos de cooperação, geram fluxos mais intensos, extensos e seletivos, permitindo ao capital que se mova a um custo mais baixo (BERNARDES, 2006). Região/Estabele Número Número cimentos (Agricultura (Agricultu Familiar) ra não Familiar) Área Área Financiamento (Agricultura (Agricultura (Agricultura Familiar) não Familiar) Familiar) Financiamento (Agricultura não Familiar) Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Tabela 1: Perfil dos estabelecimentos familiares e não familiares (Brasil e Região) Fonte: Censo Agropecuário 2006 / IBGE No contexto do avanço da fronteira agrícola, a construção de novas rodovias, como a BR-163, favoreceu o fluxo de migrantes para a região e de grandes empresas (BERNARDES, 2004). Para Bernardes, diversas ações do governo foram definidas e apresentadas como programas viabilizadores da reforma agrária e de promoção da política agrícola, embora estivessem associadas à expansão da fronteira econômica baseada na concessão de incentivos fiscais e financeiros a grandes empreendimentos capitalistas estabelecidos na região. Essas políticas, que incluíam projetos de colonização, contemplando a transferência dos trabalhadores rurais para áreas da Amazônia Legal, também tinham como objetivo desmobilizar os movimentos sociais de luta pela reforma agrária, com vistas à eliminação dos conflitos que vinham se acirrando no campo em fins da década de 60 e início dos anos 70 (BERNARDES, 2007). 6

7 Em um contexto de emergência da modernização conservadora da agricultura, baseada em um grande pacote técnico 2, em apenas 15 anos a produtividade da soja no Brasil quase dobrou: de kg/ha na safra 1990/1991 passa para kg/ha em 2004/2005 (SCHLESINGER & NORONHA, 2006: 21), tornando-se, atualmente o principal produto agrícola da pauta de exportação do agronegócio brasileiro 3. Atualmente a soja é o principal produto agrícola da pauta de exportação do agronegócio brasileiro 4 e o que ocupa a maior área cultivada do país: 27,35 milhões de hectares na safra 2012/2013. Em 2012, a oleaginosa alcançou recorde de produção nacional, 82,68 milhões de toneladas 5 ; de fevereiro a novembro, foram exportados toneladas de soja 6. O grão possui, também, importância ímpar no comércio internacional, tornando-se, em 2001, a commodity agrícola mais negociada em mercados de futuros internacionais, especialmente na Chicago Board of Trade. Gráfico 1: Balanço do 1º semestre de 2013 (Em US$ bilhões) Fonte: MAPA apud Valor Econômico 7 2 Entendemos técnica como um conjunto de meios instrumentais e sociais com os quais o homem realiza sua vida, produz e, ao mesmo tempo, cria espaço (SANTOS, 1996: 29). 3 SAUER, Sérgio. Dinheiro Público para o agronegócio. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, ano3, n o 33, p.8-9, abr Tendo como principal país comprador a China. 4 SAUER, Sérgio. Dinheiro Público para o agronegócio. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, ano3, n o 33, p.8-9, abr Tendo como principal país comprador a China. 5 CONAB, Acompanhamento da Safra Brasileira: grãos, quarto levantamento, 2013 Disponível em: < Acesso em: 10 jan Exportações do Complexo da Soja, Ano Comercial (Fev-Jan): Abiove. Disponível em: < Acesso em: 07 jan Valor Econômico: Exportação do campo cresceu 13,7% em junho e rendeu US$ 100 bi em 12 meses. Disponível em: < Acesso em 12 jul 2013,

8 Referencial Teórico Gráfico 2: Principais produtos exportados no 1º semestre de 2013 Fonte: MAPA apud Valor Econômico Segundo David Harvey (2004), os processos na economia contemporânea devem ser analisados enquanto a atual etapa de uma constante acumulação do capital. Para o autor, a lógica do capital baseia-se na constante circulação através do espaço e do tempo e o Estado seria o arcabouço territorializado dentro do qual agem os processos moleculares de acumulação do capital. Estes, por sua vez, criam redes 8 e estruturas de operação no espaço, independente das estruturas de poder do Estado (HARVEY, 2004: 80). A reflexão a partir dos processos de acumulação do capital nos permite perceber que essas trocas de bens e serviços produziram, ao longo dos séculos, desenvolvimentos geográficos desiguais. Devido à competitividade do modelo, capitalistas tendem, dentre outros fatores, a mudar para locais de menores custos de produção ou maiores taxas de lucro. Por isso, esses processos de acumulação do capital estão em constante expansão e permanente ação de rompimento com toda tendência ao equilíbrio. A invariável busca de localizações de menor custo leva ao constante movimento e instabilidade na distribuição espacial das atividades capitalistas (HARVEY, 2004: 82-84). A expansão da produção da soja no Brasil e a inserção das tradings no setor podem ser entendidas, a partir desses conceitos, como uma mudança de localização dentro do processo molecular de acumulação no tempo e no espaço, em busca de menores custos 9. Nesse processo de localização, constatamos uma diminuição do preço 8 Santos (1996) também apresenta a ideia de que as empresas globais atores estratégicos na etapa contemporânea do capital - funcionam em redes, desenvolvendo toda sorte de ramificações. Algumas características centrais desse arranjo mundializado é o controle da inovação, da circulação e da gestão do capital em sua forma de dinheiro. 9 Valor Econômico: Tradings tentam aprofundar diversificação geográfica. Disponível em: Acesso em: 11 jan

9 do produto final, em meio às inovações tecnológicas nas mais variadas esferas que permitem o barateamento dos custos de produção e circulação. A diminuição do custo do giro do capital deve ser entendida como um dos principais objetivos do processo capitalista e como uma característica muito importante da globalização. A flexibilidade também vem sendo um dos princípios orientadores deste processo de reestruturação das redes produtivas do setor da soja (HARVEY, 2004; MAZZALI, 2000). A soja globalizada apresenta-se, assim, como um espaço para a acumulação do capital e o setor do agronegócio vem se mostrando extremamente lucrativo para o capital nacional e transnacional 10. Esta constante expansão do sistema tem rebatimento no espaço e na organização do território, entendido aqui como um espaço definido e delimitado por e a partir de relações de poder (SOUZA, 1995). Para Milton Santos (1996), o espaço deve ser definido como um conjunto indissociável de sistemas de objetos e sistema de ações, no qual a técnica exerce um papel de centralidade, enquanto mediadora da relação entre o homem e a natureza. A atual etapa da história do meio geográfico, classificada como meio técnico-científico informacional, caracteriza-se dentre outras coisas, pela profunda interação da ciência e da técnica, onde os objetos e seus sistemas são dotados de informação (SANTOS, 1996: 238). Assim como Harvey, Santos ressalta fatores como competitividade, unicidade técnica, concentração e centralização como aspectos fundamentais da atual etapa do meio técnico-científico informacional. A cada novo impulso de modernização das forças produtivas, o território apresenta maior grau de complexidade. Neste meio atual, ambos, objetos e ações, se veem dotados de racionalidade, baseado na ciência e na técnica. Num território como o brasileiro, apresentam-se tanto espaços trabalhados sob a ótica de uma racionalidade dura, como espaços trabalhados segundo uma racionalidade mole. Esse envelhecimento rápido dos sistemas técnicos tem raízes na competitividade e deve ser compreendido como um processo histórico. O cerrado da soja vem se apresentando como um espaço inteligente, dotado de racionalidade, marcado pela ciência, a tecnologia e informação (SANTOS, 1996: 222). 10 Em meio à crise financeira global de 2008, a queda do dólar e a crise no setor imobiliário norteamericano levaram muitos players do mercado a aplicarem seus ativos financeiros em commodities agrícolas, que se tornaram uma opção atrativa para a maximização de lucros. Muitos fundos têm usado as bolsas de mercadorias para especular com a antecipação da compra de safras futuras em busca de melhor rentabilidade. 9

10 As ações baseadas na ciência e na técnica são movidas por uma racionalidade obediente à razão do instrumento, ação deliberada por outros, uma razão instrumental que predomina sob a razão simbólica. Destacamos, assim, a existência de uma radicalização da racionalidade moderna ocidental, que, segundo Ribeiro, pode levar os meios para o alcance de objetivos, o que leva perdas em sentidos da ação. Cabe avaliar se uma possível radicalização da racionalidade moderna ocidental, traduzida na ação dessas empresas, tem levado à perda do sentido da ação. É necessário que busquemos os sentidos da ação social que constituem e organizam o território em questão (RIBEIRO, 2000). É no meio técnico-científico informacional que a mais-valia global, parte integrante da unicidade do motor da vida econômica e social, contribui para ampliar e aprofundar o processo de internacionalização. Em um contexto marcado pela mundialização, o setor produtivo é constituído por uma rede de interdependências ampliadas e a liberalização dos mercados regionais avança a caminho de um mercado global. As maiores empresas tornam-se empresas globais e a aliança entre elas organiza os mercados e circuitos de produção. Destaca-se o predomínio do controle da inovação, da circulação e da gestão do capital em sua forma dinheiro. Destarte, o cenário da organização produtiva das redes da soja vai ao encontro das características aqui apresentadas por Santos (SANTOS, 1996: 204). Ainda que o meio técnico-científico informacional caracterize-se pela transformação de territórios nacionais num espaço nacional da economia internacional, não apenas os Estados ainda são atores importantes, como têm a capacidade de encorajar ou inibir a integração global ou nacionalmente responsável aos desígnios das empresas transnacionais, (SANTOS, 1996: 245). É notório que o Estado brasileiro tem papel singular na organização territorial do cerrado, contribuindo para que esta seja uma frente de espaço de produção da commodity. A ação governamental tem se mostrado indispensável à organização e reprodução das forças produtivas, no contexto das redes produtivas da soja. Outro importante conceito apresentado por Santos e ressaltado por outros autores, relevante para os termos deste trabalho, é a coexistência entre processos de horizontalidade, pontos que se agregam sem descontinuidade, e as verticalidades, pontos que asseguram o funcionamento global da sociedade e da economia. A inserção dessas corporações nos territórios do cerrado apresenta-se tanto horizontalmente, como 10

11 verticalmente, gerando concentração de mercado e privilegiada posição de poder econômico estratégico. Para Raffestin (1993), o poder político é congruente a toda forma de organização. É possível identificar a ação das tradings, que envolve concentração e centralização de poder, a partir de um sistema de malhas, nós e redes que se imprimem no espaço, conduzidos pela interação de indivíduos e grupos, como um fator que vem gerando reflexos na organização do território do cerrado. Além do Estado, atores como empresas ou outras organizações também desempenham papel relevante na organização do território nacional, por meio de novos recortes e novas implantações e ligações. Ainda, as possíveis relações entre diversos atores e seus grupos são, em sua maioria, dissimétricas e multilaterais, envolvendo relações de poder e dominação entre os diversos grupos em questão. É de conhecimento que a fronteira agrícola na qual se insere as redes produtivas de soja vem avançando de forma continuada (Mazzali, 2000) no cerrado, em direção ao bioma amazônico. Faz-se necessário compreender o papel estratégico dessas empresas na criação dessa nova fronteira, conceito aqui compreendido enquanto um lugar onde se cria o novo a partir de recursos técnicos modernos, a articulação com o capital privado nacional e internacional, e a integração da colonização regional a um projeto mais amplo de modernização institucional e econômica (Osório, 1996). A atuação das tradings no Brasil: reflexões iniciais sobre as tradings no trecho Cuiabá-Santarém da BR-163 Segundo Flexor, a atuação de empresas transnacionais na indústria brasileira de alimentos não é algo recente, ainda que se tratasse de uma participação tímida, abaixo da média nacional de participação de empresas estrangeiras. Este panorama muda e já entre 1980 e 1995, a indústria de alimentos começou a atrair mais investimentos estrangeiros que os bancos ou a indústria farmacêutica, o que reconfigurou o perfil do setor (FLEXOR, 2006: 76-77). Neste período, as dinâmicas globais de demandas em transição e a aceitação da premissa neoliberal, de liberalização dos mercados regionais a caminho de um mercado global, levaram a uma crescente presença dessas corporações em diversas etapas das redes produtivas alimentares, a partir da década de Uma forte pressão se faz sentir em setores como sementes, fertilizantes e agroquímicos, principalmente a partir dos 11

12 avanços da biotecnologia. A flexibilização passou a se constituir como princípio orientador do processo de reestruturação e de reorganização das atividades produtivas e da estrutura administrativa das empresas do setor. A inserção dessas corporações se deu tanto horizontalmente, como verticalmente, gerando concentração de mercado e privilegiada posição de poder econômico estratégico (WILKINSON, 2009: 39). Amin (2013) ressalta que a Rodada de Doha, em 2001, da Organização Mundial do Comércio (OMC) decidiu que a produção agrícola constituía-se de bens como outros quaisquer e, nesse sentido, caberia aplicar a este setor as diversas regras de competição já utilizada no âmbito da organização. Segundo ele, a medida teve consequência no avanço do padrão da agro-indústria capitalista, originário em países do Norte Global, sob formas tradicionais de agricultura, como a agricultura familiar. Para Wesz Júnior (2011), há pelo menos três grandes movimentos ao longo dos últimos 15 anos no âmbito da agricultura, dos quais, destacamos aqui um forte processo de concentração econômico-produtiva, vinculado à desnacionalização do capital que atua nesse ramo. Flexor (2006) também afirma que desde meados da década de 1990, e principalmente a partir dos anos 2000, o processo de inserção global do sistema agroalimentar tem alcançado novos patamares, tanto quantitativa como qualitativamente. Segundo o autor, desde meados dos anos 1990 há um aumento tanto no valor das exportações agrícolas como na participação de grandes empresas transnacionais nos mercados de alimentos, assim como no setor de distribuição, onde até então havia o predomínio do capital nacional (FLEXOR, 2006 p.64). Presenciamos nesta década, enfim, a reorganização interna de empresas, bem como a especialização e flexibilização (ARACI, 2005, p.35). Se os processos econômicos e políticos que sustentam a liberalização do comércio incentivam o crescimento dos fluxos internacionais de produtos agrícolas, pesquisadores têm sublinhado que os jogadores mais ativos nessa fase de reestruturação das regras do jogo global são as firmas transnacionais da indústria de alimentos e do varejo (FLEXOR, p.65-66). 12

13 Região ADM Bunge Cargill Dreyfus América do Sul América Central e Caribe América do Norte África Ásia-Pacífico Europa TOTAL Tabela 2: Número de países com presença das corporações, por região do mundo. Fonte: ADM, Bunge, Cargill e Dreyfus 11 No Brasil e no setor da soja, nosso objeto de análise, é possível identificar mudanças a partir das transformações acima constatadas. Com a adesão de um forte pacote técnico, a soja produzida na região estudada é bastante competitiva em termos de mercados mundiais. Este fator amplia a inserção desta região nos processos globais o que também traz novas reestruturações e dinâmicas para as redes produtivas (BERNARDES, 2007). A major poultry complex emerged in Brazil in the 1980s (...). All this was to change in the deregulated climate of the 1990s, with national firms being displaced by transnationals, particularly in the soy complex. Ceval was bought by Bunge, and Perdigão, along with Sadia, retreated from the soy sector, the latter selling its operations to Arched Daniels Midland (ADM, marking this company s entry into Brazil). Some regional players have survived, and a new group around the now State Governor of Mato Grosso, Blairo Borges Maggi, has established a firm position in the expansion of soy in the north of the country. The majority of the country s soy crushing and trade, however, is now in the hands of the four leading global players Bunge, Cargill, ADM, and Dreyfus. Crucial to their dominance has been the control of these groups over fertilizer supplies, both in Brazil and globally, a key input for grain and oil seed production. Decisive, too, has been their access to financing at a time when public credit was in retreat. (...) This transnational takeover of large portions of the soy complex has been complemented and accelerated by radical changes in the control and sale of seeds. (WILKINSON, 2009: 4). Segundo Wesz Júnior, o setor da soja, que apresentou nos últimos 25 anos grande crescimento de produção e de capacidade de esmagamento, passa a ser liderado por grupos empresariais pertencentes ao capital internacional, a partir de um processo de concentração de poder, pela aquisição de plantas industriais, outrora nacionais. O autor destaca o papel de quatro grupos empresariais de origem estrangeira, no processo de avanço da fronteira agrícola da soja. Soma-se a isso, constatação referente à queda no 11 ADM: BUNGE: CARGILL: DREYFUS: 13

14 percentual de esmagamento realizado no Brasil. Entre 1996 e 2006, o processamento do grão apresentou uma queda de 24% para 19% (WESZ, 2011: 34). Ao longo da década de 1990, firmas nacionais do setor dac soja foram compradas por corporações transnacionais: empresas como Bunge e ADM compraram importantes corporações nacionais do ramo 12. Até o ano de 1996, a produção de sementes no Brasil apresentava uma base nacional, privada e pública. Pouco a pouco, porém, o setor privado foi tomando o controle dessa produção pelas gigantes corporações do setor da biotecnologia. Além do interesse das transnacionais, devemos levar em conta também que, devido à liberalização, as empresas nacionais, de forma a se manterem competitivas, viam a necessidade de se incorporarem a esse bloco transnacional (WILKINSON, 2009: 41-42). No caso da Monsanto, a empresa comprou as produtoras nacionais, FT Sementes e Monsoy em 1996, e, posteriormente, a Terrazawa. A Monsanto também é proprietária, ou parcialmente proprietária, de companhias transnacionais que operam no Brasil, tais como a Cargill e a Asgrow (especificamente em relação à soja). A Du Pont, por sua vez, ao entrar no mercado brasileiro, assumiu o controle da empresa Sementes Dois Marcos. Já a AgrEvo adquiriu as companhias Sementes Ribeiral e Sementes Fartura (BELL, 1999). No outro lado do processo produtivo, as mesmas empresas ADM, Bunge e Cargill foram garantindo o monopólio do processamento da soja (farelo e óleo) na Europa. Elas são as responsáveis pelo abastecimento da lucrativa indústria de ração para animais com ingrediente barato e com alto teor de proteínas, atendendo à crescente demanda por leite, ração animal e carne (GREENPEACE, 2006: 8). O mercado global de commodities tem uma influência ímpar na produção de soja no Brasil. Até o início dos anos 1980, os Estados Unidos eram responsáveis pela exportação de mais de 90% do produto. Todavia, a produção do grão foi se expandindo ao longo da década na América Latina, sob forte influência de empresas multinacionais, como a ADM e a Cargill. O crescimento da produção de soja na América Latina reduziu os preços do grão no mercado internacional e muitos produtores norte-americanos converteram sua produção de soja para outras culturas. Finalmente, em 2003, Brasil e Argentina, juntos, ultrapassaram as exportações norte-americanas. 12 Em 1997, a Bunge adquiriu a Ceval Alimentos, líder no processamento de soja e produção de farelo. 14

15 Percebe-se assim que, juntamente com os grandes produtores, as maiores traders da commodity no mundo são atores relevantes no processo de expansão da soja no Brasil: ADM, Bunge e Cargill, e algumas empresas nacionais, como o Grupo Maggi, dos quais o ex-governador do Mato Grosso e atual Senador Blairo Maggi faz parte. Através de estímulos como crédito, sementes, agrotóxicos e a construção de infraestrutura para exportação (como portos), essas empresas vem contribuindo para a intensificação da produção agrícola brasileira no modelo do agronegócio e, consequentemente, para a expansão da fronteira agrícola da soja para os biomas Cerrado e Amazônia (GREENPEACE, 2006: 13). Vale ressaltar que essas traders também controlam outros segmentos da cadeia alimentar. Ou seja, na prática, este sistema de produção caracterizado pelo controle de diversos segmentos da cadeia produtiva apresenta características de um sistema de monopólio (tal como Harvey sugere, os processos de acumulação do capital tendem ao monopólio na busca de maior rentabilidade). Elas dominam o setor financeiro em diversas etapas, tais como: compra de sementes, de produtos químicos e de equipamentos e também são responsáveis pelo armazenamento, distribuição e transporte dos produtos (Ibid.: 104). Para Frederico, as tradings desempenham um papel ímpar no processo de organização desses novos territórios na medida em que são responsáveis por garantir uma série de arranjos logísticos necessários para o escoamento dos grãos, assim como fornecer o crédito para os produtores. Segundo o autor, os primeiros sistemas técnicos estabelecidos são os silos que garantem o armazenamento e tratamentos dos grãos, bem como os escritórios que fornecem crédito e fazem as transações para exportação da produção e importação de insumos (FREDERICO, 2010: 52). Bunge e ADM foram as primeiras empresas a acessar a informatização do armazenamento, algo que tem sido fundamental na redução de perdas em decorrência de fungos (ARACI, 2005: 34). A atuação dessas empresas ocupou lacunas deixadas pela diminuição da atuação do estado (ARACI, 2005: 39). Segundo dados de 2005, o mercado da soja no Brasil é concentrado nas mãos de sete grandes empresas processadoras/exportadoras, indicando um grande monopólio nas redes de mercadoria do sistema mundializado. Cerca de 70% do total exportado no Brasil estava concentrado em sete empresas, das quais se destacam, no Brasil, o protagonismo de quatro corporações: Archer Daniels Midland Company (ADM), Bunge, Cargill e Louis Dreyfus (FREDERICO, 2010). 15

16 ADM, Bunge e Cargill, juntas, são responsáveis por cerca de 60% do financiamento da produção de soja no Brasil e controlam quase 80% da capacidade de processamento do grão em farelo e óleo na Europa. Na safra 2005/2006, elas financiaram produtores num valor cerca de R$30 bilhões (GREENPEACE, 2006: 5-17), negociaram cerca de 60% das exportações do grão, óleo e farelo de soja e esmagaram 60% dos grãos voltados para o consumo interno (SCHLESINGER & NORONHA, 2006: 104). Volume (milhões de t) Valor (R$ milhões) Market-Share Cliente Soja Farelo Total Soja Farelo Total Part. Acum Bunge 3,5 5,0 8, % 22% Cargill 4,5 1,8 6, % 39% ADM 3,0 1,8 4, % 52% Dreyfuss 1,3 1,8 3, % 60% Maggi 1,1 0,8 1, % 65% Caramuru 0,7 0,7 1, % 69% Multigrain 0,9 0,0 0, % 71% Outras 6,0 4,7 10, % 100% Total 21,0 16,5 37, % Tabela 3 Concentração de Exportações (FREDERICO, 2010). Em agosto de 2012, dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, demonstraram que, das 10 principais exportadoras do país em julho, cinco eram empresas diretamente ligadas ao agronegócio. Bunge, a líder entre as exportadoras do agronegócio, apresentava vendas ao exterior de US$ 654,4 milhões no mês, só perdeu lugar para a Vale (US$ 2,4 bilhões) e Petrobrás (US$ 1,8 bilhão). Em sequencia à Bunge, estavam a ADM do Brasil (US$ 533 milhões) e Cargill Agrícola (US$ 466,4 milhões). Por fim, em sétimo lugar ficou a Louis Dreyfus Commodities (que exportou US$ 357,4 milhões) 13. Bernardes ressalta que junto à terceirização dos serviços agrícolas, tais grupos transnacionais controlam também a concessão de crédito para produtores e compra e 13 Valor Econômico: Cinco das dez maiores exportadoras do país são de agronegócio. Disponível em < Acesso em 12 jul 2013,

17 armazenamento da produção, o que leva à concentração de capital, poder e hegemonia (BERNARDES, 2006: 28). No campo do financiamento, grandes agroindústrias e tradings mundiais foram progressivamente ocupando o espaço estatal, a partir da década de 1990, a partir do financiamento de produções agrícolas mais lucrativas e com grandes nichos de mercado, como o caso da soja (FREDERICO, 2010: 35). Percebe-se, assim, que essas empresas vêm contribuindo para a intensificação da produção agrícola brasileira e, consequentemente, para a expansão da fronteira agrícola da soja no bioma cerrado e em direção à Amazônia. A BR-163 no eixo de ação das corporações Segundo Bernardes, o eixo da BR-163 compreende uma das regiões mais importantes da região amazônica. A instalação da rodovia, um polêmico projeto que corta a Amazônia ao meio, levou e ainda tem levado a uma nova estruturação do espaço, escoando a soja produzida na região para outras partes do mundo. Para a autora, falar de fronteira no contexto da agricultura moderna na BR-163 é falar de uma economia globalizada e de uma nova racionalidade econômica (BERNARDES, 2006: 14-16). A criação de projetos de colonização privada na região do entorno da BR-163, a partir dos anos 1980, intensificou a migração de agricultores do sul do país, aumentando consideravelmente o volume de produção e dos negócios da região. Na ocasião, os agricultores já dispunham da existência da variedade de soja cristalina e dos programas de pesquisa e desenvolvimento voltados para a região do cerrado. O novo padrão de produção calcado na técnica gerou fortes mudanças na magnitude da produção e nos níveis de produtividade (BERNARDES, 2007). Bernardes ressalta que o corredor de exportação Cuiabá-Santarém foi tarefa de abertura da fronteira nos anos 1970, porém, a atual expansão da fronteira agrícola moderna tem levado a um rápido asfaltamento nas principais estradas vicinais (BERNARDES, 2006: 18). As tradings Cargill, Bunge e ADM e foram parceiras no financiamento do projeto para pavimentação do restante da estrada que leva ao porto em Santarém (GREENPEACE, 2006). Dos 37 municípios sob influência da BR-163, destacam-se três áreas distintas, uma área já consolidada de soja que vai desde o município de Nova Mutum até Sorriso e uma fronteira ainda em expansão, a partir do município de Sinop, envolvendo demais municípios como Vera, Cláudia, Santa Carmem e Feliz Natal. Em direção ao Norte, 17

18 onde temos uma região Pré-Amazônia há ainda uma área reserva da expansão da fronteira agrícola moderna (BERNARDES, 2006: 18-19). A chegada dessas verticalidades trouxe consigo uma nova racionalidade técnica para o uso de gestão desse território (FREDERICO, 2010: 53). Segundo Bernardes, a nova fase de expansão territorial do capital no contexto da agricultura moderna no estado do Mato Grosso difere-se da constituição da fronteira do capital na década de 1970 e A atual fronteira se dá a partir de relações de mercado para além dos limites do território já incorporado e consolidado. Mesmo aqueles produtores mais capitalizados que possuem condições de adquirir os novos pacotes técnicos e as inovações tecnológicas, se tornam cada vez mais condicionados à ação e decisão das grandes corporações, que ainda contam com a cooperação do Estado (BERNARDES, 2006: 34-36). As grandes empresas e produtores, em cooperação com o Estado, são assim atores chave no processo de difusão de uma nova temporalidade no cerrado brasileiro e, nesse sentido, tendem igualmente a ser as principais beneficiadas pelas possibilidades que emergem dessa nova racionalidade técnica oferecida pelos novos objetos. A circulação e os circuitos produtivos passam a ter uma importância estratégica e estruturante da produção agrícola. É pelo domínio dos fluxos materiais (grãos, insumos e pessoas) e imateriais (informação, capital e ordens) que esses atores regulam de forma seletiva e privilegiada os circuitos espaciais produtivos (FREDERICO, 2010: 19). Um exemplo emblemático referente ao papel das corporações na garantia de arranjos logísticos para a setor da soja é a construção pela exportadora Cargill, em 2000, de um terminar de grãos do porto de Santarém, onde se instalara em Fundada em 1865, nos Estados Unidos, a Cargill iniciou suas atividades no Brasil em 1965 como uma das mais importantes indústrias de alimentos do país. Atualmente, possui unidades industriais, armazéns, escritórios e terminais portuários, marcando presença em 181 municípios brasileiros (CARGILL, 2012; OLIVEIRA, 2005). A construção do terminal e a perspectiva de pavimentação da BR-163 no trecho paraense levou um número relativo de produtores a se instalarem na cidade e em municípios vizinhos. Porém, sua construção foi alvo de crítica de movimentos sociais 14 e ambientalistas. Segundo o Greenpeace (2012), tratou-se de um processo repleto de 14 Porto da Cargill em Santarém é repudiado por movimentos sociais. Disponível em Acesso em 12 jul

19 irregularidades e falta de transparência. O empreendimento começou a operar regularmente desde 2003, mesmo sem o Estudo e o Relatório de Impacto Ambiental. A conquista da licença ambiental definitiva do porto foi apenas em 2012, todavia, o porto continuava sub júdice na justiça federal e houve denuncia de que os relatórios de impacto ambiental do empreendimento eram fraudulentos. A presença do terminar da Cargill nos ajuda a compreender a posição de destaque que passou a ter o município de Santarém, que se tornou o melhor localizado da região para a atividade exportadora, levando à redução nos custos com transporte (SCHLESINGER, NORONHA, 2006). Outra corporação presente na região da BR-163 é a Bunge. Principal exportadora do país no ramo do agronegócio, a trading fundada em 1918 teve seu primeiro moinho brasileiro no início do século XX (FLEXOR, 2006). Atualmente, a empresa possui mais de 150 unidades nacionais, dentre fabricas, moinhos e usinas, centros de distribuição, silos e instalações portuárias. Com investimento de R$ 150 milhões, a trading inaugurou em 2009 uma fábrica no município de Nova Mutum, destinada ao processamento de soja, voltado tanto para o mercado externo como interno, que dispõe de um silo para armazenagem de 100 mil toneladas de grãos. A capacidade anual estimada da planta de processamento é de 1,3 milhão de toneladas de soja, a segunda maior planta da companhia 15. Em 1942, o grupo Louis-Dreyfus adquiriu a empresa brasileira Coinbra e a partir da década de 1970 deu início ao processamento de soja. Atualmente, está presente em quase todas as regiões produtores de soja no Brasil - em mais de 12 estados. Possui mais de 60 unidades industriais logísticas e uma unidade de grãos e oleaginosas em Nova Mutum (OLIVEIRA, 2005). Por fim, uma das maiores exportadoras de soja do Brasil, Paraguai e Bolívia, a Archer Daniels Midland (ADM), iniciou suas operações no Brasil em Atualmente, possui unidades nos municípios de influência da BR-163, tais como Silos no município de Nova Mutum e Sorriso. 15 Bunge investe R$150 milhões em moderna fábrica de soja. Disponível em< Acesso em 12 jul

20 Considerações finais: O papel das tradings para o avanço da fronteira agrícola (...) os interesses econômicos das minorias dominantes também trabalharam para escamotear o fenômeno da fome do panorama espiritual moderno. É que ao imperialismo econômico e ao comércio internacional a serviço do mesmo interessava que a produção, a distribuição e o consumo dos produtos alimentares continuassem a se processar indefinidamente como fenômenos exclusivamente econômicos (...) e não como fatos intimamente ligados aos interesses da saúde pública. Josué de Castro, em 1946, no prefácio do autor na primeira edição do livro Geografia da Fome A área de influência da BR-163 a partir de sua forte relação com as redes internacionais do sistema agroalimentar pode ser compreendida enquanto um lugar que exerce uma função que lhes é atribuída por uma nova ordem fundada na lógica da acumulação de capital (BERNARDES, 2007). A divisão do espaço, enquanto fundamento do desenvolvimento capitalista leva à expansão da divisão espacial do trabalho e da produção e, consequentemente, de um novo modelo de acumulação e territorialização do capital. A mobilidade e a territorialização do capital se dão a partir da abertura de novos territórios à produção. Essa expansão tem aporte na estratégia de atores e tende a ter como característica a geração ou o acirramento de conflitos, sejam em relação às novas formas de trabalho, ou em termos de tentativas de expropriação de grupos tradicionais locais. O projeto de desenvolvimento adotado para o cerrado brasileiro vai ao encontro das características acima. Articulado inicialmente pelo Estado e atualmente contando com um forte papel de corporações transnacionais, o projeto levou e tem levado à expansão do capital e à expansão da fronteira agrícola, baseado em uma intensa apropriação dos recursos naturais. A consolidação de um projeto técnico-científico informacional no âmbito da agricultura tem contado com a participação destacada das empresas mundiais de grãos, responsáveis pelo financiamento, armazenamento, e transporte da produção e novas alianças entre o Estado e as tradings. O setor do agronegócio da soja tem se mostrado como uma grande oportunidade para essas corporações e é importante avaliar seus processos territoriais à luz de dinâmicas percebidas em escala mundial. Em meio à recente crise financeira global de 2008, a queda do dólar e a crise no setor imobiliário norte-americano levaram muitos players do mercado a aplicarem seus ativos financeiros em commodities agrícolas, que 20

Uma via para o (des)envolvimento: Expansão da soja norte mato-grossense e os conflitos no campo

Uma via para o (des)envolvimento: Expansão da soja norte mato-grossense e os conflitos no campo Emilia Jomalinis de Medeiros Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ ejomalinis@gmail.com Uma via para o (des)envolvimento: Expansão da soja norte mato-grossense e os conflitos no campo INTRODUÇÃO

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA.

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. Larissa Chiulli Guida lalaguida@yahoo.com.br Discente do curso de Geografia - Unifal-MG

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014

PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014 PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014 EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS HABILIDADES COMPETÊNCIAS 1. A reestruturação mundial: modos de produção, suas especificidades e

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

A SOCIOLOGIA RURAL FRENTE À EXPANSÃO DO AGRONEGÓCIO. RIBEIRO, Hidelberto de Sousa 1 ; MARZARI, Marilene 2

A SOCIOLOGIA RURAL FRENTE À EXPANSÃO DO AGRONEGÓCIO. RIBEIRO, Hidelberto de Sousa 1 ; MARZARI, Marilene 2 A SOCIOLOGIA RURAL FRENTE À EXPANSÃO DO AGRONEGÓCIO RIBEIRO, Hidelberto de Sousa 1 ; MARZARI, Marilene 2 Palavras-chave: Fronteira. Agronegócio. Comunidades. Violência. Introdução A Sociologia como disciplina

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira

Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira André Buonani Pasti andre@pasti.art.br IG/UNICAMP Palavras-chave: finanças, informação, São Paulo O atual

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País EMBRATEL CASE Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País O Portfólio de TI da Embratel a Serviço da Agroindústria A convergência de serviços de TI e telecom se consolida como fenômeno

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

PLANO DE CURSO I EMENTA

PLANO DE CURSO I EMENTA Disciplina: Geografia Regional do Mundo I Carga horária total: 90H PLANO DE CURSO I EMENTA Formas de agrupamento dos países segundo a lógica econômica; Globalização e geopolítica internacional; Questões

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Excelentíssima Senhora Presidenta da República,

Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Brasília, 13 de maio de 2013 E.M. nº 001-2013/CONSEA Excelentíssima Senhora Presidenta da República, O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), reunido em plenária no dia 24 de

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Trabalho de pesquisa: Como se explica a intensificação e diversificação da produção agrícola e exportações no Brasil?

Trabalho de pesquisa: Como se explica a intensificação e diversificação da produção agrícola e exportações no Brasil? O que podem os países africanos aprender com o crescimento e desenvolvimento inclusivo do Brasil? Trabalho de pesquisa: Como se explica a intensificação e diversificação da produção agrícola e exportações

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO

I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO o DE PRODUTO o DE PROCESSO o DE ESTRATÉGIA CARACTERÍSTICAS DA INOVAÇÃO o INOVAÇÃO É

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

A economia global e a organização do espaço

A economia global e a organização do espaço littleny/ Shutterstock ssguy/ Shutterstock A economia global e a organização do espaço Xangai, China Las Vegas, EUA Alain Lacroix/ Dreamstime.com Empresas multinacionais e economia global A revolução tecnocientífica,

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD COMPARATIVO DE PRODUÇÃO DE SOJA: MATO GROSSO E IOWA Marina Garcia Lara João Roberto Gomes Ana Paula de Moraes Campos Nidia Martineia Guerra Gomes GestãodeOperaçõeseLogística(GOL)

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional

Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional Outubro de 2012 1 Conteúdo Bunge Diagnóstico de Gestão da Cadeia de Valor Evolução do planejamento tático e operacional Resultados do projeto

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

LOGÍSTICA E REORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO NA BR-163 PARAENSE

LOGÍSTICA E REORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO NA BR-163 PARAENSE LOGÍSTICA E REORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO NA BR-163 PARAENSE Marcos Vinícius Velozo da Costa Universidade Federal do Rio de Janeiro marcosvvc@yahoo.com.br Introdução A preservação do meio ambiente é um dos

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO O termo globalização surgiu no início dos anos 80, nas grandes escolas de administração de empresas dos Estados Unidos (Harvard, Columbia, Stanford, etc.), como referência às oportunidades de

Leia mais

O Comércio Internacional e a soja no Brasil 2.1. A competitividade das exportações brasileiras

O Comércio Internacional e a soja no Brasil 2.1. A competitividade das exportações brasileiras 2. O Comércio Internacional e a soja no Brasil A logística tem um papel fundamental na avaliação do desempenho das exportações brasileiras. Goebel (2002) afirma que torná-las mais eficientes é essencial

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização. Silvio Isopo Porto Fev/2006

Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização. Silvio Isopo Porto Fev/2006 Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização Silvio Isopo Porto Fev/2006 1. Contexto MODELO AGROEXPORTADOR TECNOLOGIA (CONCENTRAÇÃO) TRADING COOPERATIVA MERCADO

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013 PRODUÇÃO E PROTEÇÃO: IMPORTANTES DESAFIOS PARA O BRASIL Climate Policy Initiative Dezembro 2013 No Brasil, assim como em outros países, há frequente tensão entre objetivos econômicos, sociais e ambientais,

Leia mais

Centro-Sul Brasileiro

Centro-Sul Brasileiro Centro-Sul Brasileiro 1. (UFSC - 2010) Gráfico elaborado a partir de dados do IBGE, Anuário Estatístico do Brasil, jan. 2001. (Adaptado) Com base no gráfico acima, Brasil: Valor da produção industrial,

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION

ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION 14 Florestar Estatístico ARTIGOS TÉCNICOS ARTICLES O FUTURO DA HEVEICULTURA BRASILEIRA THE FUTURE OF BRAZILIAN NATURAL RUBBER CULTIVATION HEIKO ROSSMANN 1 AUGUSTO HAUBER GAMEIRO 2 1 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO PRODUTIVA REGIONAL: UMA ABORDAGEM SOBRE O AGRONEGÓCIO CAFEEIRO NA REGIÃO COMPETITIVA DO SUL DE MINAS

GLOBALIZAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO PRODUTIVA REGIONAL: UMA ABORDAGEM SOBRE O AGRONEGÓCIO CAFEEIRO NA REGIÃO COMPETITIVA DO SUL DE MINAS GLOBALIZAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO PRODUTIVA REGIONAL: UMA ABORDAGEM SOBRE O AGRONEGÓCIO CAFEEIRO NA REGIÃO COMPETITIVA DO SUL DE MINAS Henrique Faria dos Santos 1 Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

OS INTERESSES EM TORNO DA PAVIMENTAÇÃO DA BR-163 : POLÍTICAS E CONFLITOS SÓCIO-ESPACIAIS NA FRONTEIRA AGRÍCOLA

OS INTERESSES EM TORNO DA PAVIMENTAÇÃO DA BR-163 : POLÍTICAS E CONFLITOS SÓCIO-ESPACIAIS NA FRONTEIRA AGRÍCOLA OS INTERESSES EM TORNO DA PAVIMENTAÇÃO DA BR-163 : POLÍTICAS E CONFLITOS SÓCIO-ESPACIAIS NA FRONTEIRA AGRÍCOLA Eduardo Margarit - UFMS/CPTL eduardo-max@bol.com.br Maria Rosangela Bedun - UFMS/CPTL rosebedun@yahoo.com.br

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO REGIONAL PRODUTIVA E A VIABILIZAÇÃO DO TERRITÓRIO NACIONAL PARA O ESCOAMENTO DA SOJA

ESPECIALIZAÇÃO REGIONAL PRODUTIVA E A VIABILIZAÇÃO DO TERRITÓRIO NACIONAL PARA O ESCOAMENTO DA SOJA ESPECIALIZAÇÃO REGIONAL PRODUTIVA E A VIABILIZAÇÃO DO TERRITÓRIO NACIONAL PARA O ESCOAMENTO DA SOJA 7 Msc. Marcio Toledo Unesp/Rio Claro. toledo_mr@yahoo.com.br RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição Agricultura O exemplo de nossos vizinhos... Página 2

Leia mais

O Projeto Juruti Sustentável: uma proposta alternativa de desenvolvimento

O Projeto Juruti Sustentável: uma proposta alternativa de desenvolvimento O Projeto Juruti Sustentável: uma proposta alternativa de desenvolvimento Grupo de Estudo: Eduardo José Monteiro da Costa Eunápio Dutra do Carmo Júlio César dos Santos Patrício Milene Maués Raul Tavares

Leia mais

O USO DO TERRITÓRIO PELOS SERVIÇOS PRIVADOS DE SAÚDE EM NATAL/RN E A FORMAÇÃO DE UM CORREDOR SANITÁRIO EM PETRÓPOLIS E TIROL

O USO DO TERRITÓRIO PELOS SERVIÇOS PRIVADOS DE SAÚDE EM NATAL/RN E A FORMAÇÃO DE UM CORREDOR SANITÁRIO EM PETRÓPOLIS E TIROL Edseisy Silva Barbalho Tavares Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); Graduanda em Geografia Bacharelado pela UFRN e professora da rede municipal de ensino de Parnamirim/RN

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

PARA ALÉM DO ACESSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADOS INSTITUCIONAIS E EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO MEIO RURAL

PARA ALÉM DO ACESSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADOS INSTITUCIONAIS E EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO MEIO RURAL PARA ALÉM DO ACESSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADOS INSTITUCIONAIS E EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO MEIO RURAL Marcio Gomes da Silva* Sandro Pereira Silva** 1 INTRODUÇÃO Os dados do Mapeamento

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

I Simpósio Regional de Geografia do Cerrado SIREGEO 09 a 12 de Outubro de 2010 Barreiras BA

I Simpósio Regional de Geografia do Cerrado SIREGEO 09 a 12 de Outubro de 2010 Barreiras BA REGIÃO AGRÍCOLA COMPETITIVA E LOGÍSTICA NO OESTE BAIANO: UMA ANÁLISE SOBRE A AIBA - ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES E IRRIGANTES DA BAHIA Clayton Gomes Ilario Universidade Estadual de Campinas clayton.ilario@ige.unicamp.br

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras.

Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras. Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras. Câncer Por que o Brasil tem vocação agrícola? Capricórnio Zona quente ou Intertropical Quatro fatores são fundamentais para

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel O que podem os países africanos aprender do desenvolvimento e crescimento inclusivo do Brasil? Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Leia mais