NATHALLYE STEFFEN ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado ADM-GNI UNIMEP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NATHALLYE STEFFEN nasteffen@yahoo.com.br. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado ADM-GNI UNIMEP cmorini@unimep.br"

Transcrição

1 Um Estudo sobre Trading Company e Comercial Exportadora como Alternativas para Inserção de Produtos de Empresas de Pequeno Porte no Comércio Internacional. NATHALLYE STEFFEN ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado ADM-GNI UNIMEP Resumo: O objetivo desse estudo é, num primeiro momento, apresentar as trading companies e comerciais exportadoras e seu funcionamento como facilitadoras no mercado internacional e, num segundo momento, discutir em que medida essas empresas poderiam constituir-se em alternativas para a inserção de produtos de empresas de pequeno porte no mercado internacional. Analisa-se também os programas de governos de incentivos à exportação para micro e pequena empresa e seus entraves. Palavras-chave: Exportação, Trading Company e Comercial Exportadora, Micro e Pequena empresa. Abstract: This study has as main objective the presentation of the roles of trading companies and comerciais exportadoras as intermediators in the international market, and also, discuss how these companies could help small and medium sized companies to sell their products to the international market. This study will also analyze government programs to incentive the exportation by the micro and small companies. Keywords: Export, trading companies, micro and small company. 1. Introdução A micro e pequena empresa brasileira nos últimos anos vem obtendo um aumento em suas exportações que, mesmo sendo em termos absolutos ainda pequeno, já demonstra uma maior vontade por parte de seus empresários a aumentar suas vendas com o mercado externo. Muito se deve às atitudes tomadas pelo governo com a criação de meios que facilitam e desburocratizam os processos necessários para tal feito. Existem algumas alternativas também viáveis e de rápida realização. As trading companies e comerciais exportadoras constituem uma destas alternativas. Diante de todo desconhecimento de inserção internacional, essas empresas facilitam e promovem o comércio internacional de forma rápida e sem maiores complicações. O papel que as empresas comerciais exportadoras e trading companies desempenham, para conseguir de uma forma mais simples a introdução de produtos brasileiros no comércio internacional, é vital, pois não se limita às questões econômicas, mas repercute também em ganhos para as micro e pequenas empresas, aumento na Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 4(7):27-33,

2 competitividade e também agilidade em processos de desembaraço. 2. Trading Companies e Comerciais Exportadoras As empresas comerciais exportadoras e trading companies atuam como intermediárias na representação e comercialização de produtos entre Brasil e outros países. Essas empresas proporcionam um grande fomento na área de comércio exterior, tanto no que se diz respeito aos trâmites legais de exportação, quanto no estudo de mercados, viabilidade econômica e a inserção de produtos de interesse para os mais variados mercados. As micro e pequenas empresas possuem uma certa dificuldade em atuar no mercado internacional, muitas vezes por não possuírem estrutura logística, departamento capacitado ou até mesmo pela dificuldade ao acesso dos programas de incentivo à exportação do governo e de iniciativas privadas, podendo portanto contar com o trabalho realizado pelas trading companies e comerciais exportadoras. 2.1 Uma breve visão do Panorama Japonês Não é possível dizer ao certo quando tiveram início as trading companies, mas a maioria dos estudos indica que esse tipo de comércio iniciou-se durante a Revolução Comercial de 1400 a 1700, nas cidades-estados italianas. Embora não inventada no Japão, lá ela foi aperfeiçoada de modo que atingiu características próprias. No Japão, no início das transformações comerciais, e por falta de experiência, as exportações eram dominadas pelos ocidentais em 96,3%. Em virtude disso, em 1870, o governo japonês começou a criar suas próprias trading companies (sogo shosha) que serviam aos interesses nacionais. Sendo assim, os japoneses começaram a estudar a forma de comércio do mundo, como funcionava, e formas burocráticas de comercialização para depois adaptarem a seu modo (BELLO, 2001). O Japão, diferentemente dos outros países, principalmente dos países do ocidente, utilizava as trading companies com o único objetivo de desenvolvimento da nação. Portanto, as trading companies japonesas em suas circunstâncias econômicas, históricas, geográficas, políticas e culturais, influenciaram para que esse país obtivesse tamanho êxito na constituição dessas empresas que se apresentaram como sendo uma ferramenta valiosa no impulsionamento da economia desse país. 2.2 Trading Companies: Panorama Brasileiro O texto de lei que marcou o surgimento da figura jurídica das trading companies em nosso país, foi o Decreto-lei n , de 29 de novembro de 1972, posteriormente modificado pelo Decreto-Lei n , de 26 de fevereiro de 1973, e pela Portaria n. 13 do Ministério da Fazenda, de 14 de junho de 1973 (GRISI, 2003). No Brasil, a legislação das trading companies foi criada pelo governo de forma objetiva nos moldes da legislação japonesa e americana. Porém diferentemente dos EUA e Japão, onde a presença de trading company é numerosa e atua intensamente no desenvolvimento econômico desses países, aqui ela demorou a deslanchar devido aos erros de conceituação e compreensão de seu papel e não conseguindo ter uma representatividade expressiva no cenário econômico (GRISI, 2003). Como resposta a tantas dificuldades e obedientes à concepção jurídica que as concebeu, as trading companies surgem no cenário dos negócios brasileiro, apoiadas em suas competências e traduzindo suas vocações comerciais, quase sempre decorrentes da expertise de seus empresários, de seus executivos ou das operações empresariais que comandam. 2.3 Legislação em vigor Com o objetivo de desenvolver e incentivar a atividade comercial internacional, o governo brasileiro, por meio do Decreto-Lei 1.248, de , estendeu às operações de compra de mercadorias no mercado interno, quando realizadas pelas trading companies, para o fim específico de exportação. A legislação citada também ampara o fabricante/fornecedor, deferindo a este todos os benefícios que seriam atribuídos àquele produto se fosse comercializado diretamente pelo seu fa- 28 Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 4(7):27-33, 2006

3 bricante no exterior podendo se assegurar dos benefícios fiscais concedidos por lei para incentivo à exportação. De acordo com o Decreto-Lei 1.248/72, para atuar como trading company, as empresas precisam atender os seguintes requisitos mínimos (BRASIL, 1972): Registro especial na Carteira de Comércio Exterior do Banco do Brasil S.A. (CACEX) e na Secretaria da Receita Federal; Constituição sob forma de sociedade por ações, devendo ser nominativas as ações com direito a voto; Capital mínimo fixado pelo Conselho Monetário Nacional, equivalente a Unidades Fiscais de Referência (UFIR). O benefício fiscal a que se refere o Decreto- Lei 1.248/72 só poderá ser utilizado pela trading company se atendidas as normas que forem fixadas pelo Ministro da Fazenda (BRASIL, 1972). 3. Trading Company e Comerciais Exportadoras O governo, para impulsionar o comércio internacional, cria como meio de incentivos um tratamento tributário especial para empresas que têm por objetivo exportar, buscando assim o crescimento da produção nacional e todos os efeitos decorrentes, como geração de empregos, aumento de renda, etc. A legislação vigente coloca à disposição das indústrias algumas alternativas, todas destinadas a facilitar a operacionalização das exportações. Segue Figura 1 comparando a forma de constituição e os benefícios para os dois tipos de empresa: Figura 1: Diferenças e Semelhanças por tipo de empresas: TRATAMENTO TRIBUTÁRIO TRADING COMPANY COMERCIAL EXPORTADORA Formas de constituição Decreto-lei nº 1.248, de 29 de novembro de Não há requisitos específicos para se atuar como uma empresa comercial exportadora Aquisição de bens no mercado interno com o fim específico de exportação ICMS: não-incidência ICMS: não-incidência IPI: suspensão IPI: suspensão COFINS: isenção COFINS: isenção PIS: não-incidência PIS: não-incidência IRPJ/CSLL: dependerão da opção pelo regime tributário IRPJ/CSLL: dependerão da opção pelo regime tributário. Saída para o exterior de bens adquiridos pela trading company ICMS: não-incidência ICMS: não-incidência IPI: isenção IPI: imunidade COFINS: isenção COFINS: isenção PIS: não-incidência PIS: não-incidência IRPJ/CSLL: dependerão do regime tributário a ser escolhido. FONTE: TWL - Advogados Associados, 2004 IRPJ/CSLL: dependerão do regime tributário a ser escolhido. Portanto conclui-se que tanto a empresa comercial exportadora como a trading company usufruem tratamento fiscal idêntico, tanto nas obrigações como nos direitos, e a micro e pequena empresa, ao vender seus produtos para as trading companies e comerciais exportadoras, também gozam dos benefícios atenientes à exportação. 4. Micro e Pequenas Empresas O Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) trabalha desde 1972 pelo desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas, sendo a maior fonte de apoio aos empresários, além de assessorar empresas nas diversas áreas. Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 4(7):27-33,

4 Conforme lei nº 9.841, de 05 de outubro de 1999, o critério adotado para conceituar micro e pequena empresa é a receita bruta anual, sendo os valores atualizados pelo Decreto nº 5.028/ 2004, de 31 de março de 2004 (SEBRAE, 1999). Além do critério adotado no Estatuto, o SE- BRAE utiliza o conceito de pessoas ocupadas nas empresas, para se enquadrar como microempresa: a sua composição é de até 19 pessoas ocupadas na indústria e construção e até 09 pessoas ocupadas no comércio e serviços. Para ser de pequeno porte, sua composição deverá ser de 20 a 99 pessoas ocupadas na indústria e construção, e de 10 a 49 pessoas ocupadas no comércio e serviços (SEBRAE, 1999). 4.1 Micro e pequenas Empresas no Cenário Internacional As exportações possuem um grande papel na economia brasileira, pois além da geração de divisas, a desvalorização cambial também beneficia a atuação nas exportações. Consideradas também grandes fontes de renda e geradoras de emprego, as exportações estimulam empresas nacionais a se capacitarem e internacionalizarem seus produtos. Para que as micro e pequenas empresas criem cada vez mais uma cultura exportadora, é de suma importância a criação constante de condições para que elas adquiram competitividade para atuarem no comércio internacional, como, por exemplo, o apoio no investimento de infraestrutura e nas informações sobre essa área de atuação, possibilitando assim avanços tecnológicos, superação de barreiras entre outros. A Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (FUNCEX), com apoio do SE- BRAE, produziu estudo com foco no desenvolvimento das exportações de micro e pequenas empresas nos anos de 1998 a 2004, mostrando que a participação das MPEs nas exportações reduziu-se de 2,4% em 2003, para 2,3% em De forma isolada, mostrou-se uma redução na participação do total exportado de 2,2% para 2,1%, enquanto as microempresas tiveram um crescimento de 9,7%, tendo uma participação no valor exportado reduzido a 0,2% (SEBRAE, 2006b). O crescimento do valor exportado pelas micro e pequenas empresas entre 2003 e 2004 foi superior ao número de empresas exportadoras. Verifica-se um aumento no valor médio anual exportado por empresa, o qual passou de US$ 212,3 mil para US$ 248,1 mil, registrando um aumento de 16,9%. A evolução foi mais significante entre as pequenas empresas, 15%, do que entre as microempresas (9,2%). Porém as grandes empresas mostram uma evolução mais significativa frente as MPEs (SEBRAE, 2006b). Conforme pesquisa da FUNCEX, os principais produtos exportados pelas pequenas empresas, sendo os três primeiros os mesmos para as micro empresas, são eles: calçados (7,2%), madeira serrada (6,9%), móveis (5,4%), vestuário feminino (3,8%) e pedras preciosas ou semipreciosas (2,9%), representando 30% das vendas em 2004 (SEBRAE, 2006b). Os principais países de destinos das exportações das MPEs são EUA e o Canadá, exportando 21,7% e 26,5%, respectivamente, no ano de A União Européia aparece em seguida, com as MPEs exportando 18,1% e 24,0% (SE- BRAE, 2006b). 5. Programas de inserção de micro e pequena Empresa Brasileira no Mercado Global e seus entraves operacionais A implementação de políticas de apoio à inserção internacional das pequenas empresas é cada vez mais uma constante na economia brasileira. Elas formam uma extensa rede na economia. Os programas de apoio governamental à inserção internacional de pequenas empresas são baseados na aquisição de competitividade: de custos, de tecnologias, de promoção comercial, de escala de produção, de diferenciação, de preço. Apesar dos esforços recentes do governo, o acesso ao crédito continua limitado a um número reduzido de empresas, sobretudo às de grande porte. Diante dessa situação, a Confederação Nacional das Indústrias (CNI) fez o estudo dos problemas enfrentados pelas empresas que possuem por objetivo exportar, no ano de 2002, 30 Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 4(7):27-33, 2006

5 analisando os principais entraves enfrentados pelo exportador que interfere diretamente na competitividade das empresas brasileiras no âmbito internacional. Conforme o estudo da CNI, para micro e pequenas empresas, 31,8% das empresas consultadas confirmam grande dificuldade de acesso ao financiamento, além do desconhecimento como um entrave ao acesso das linhas de financiamento (CNI, 2002). 5.1 PROEX Programa de financiamento às exportações e financiamentos BNDES O programa do governo federal de financiamento ao exportador de bens e serviços brasileiros (PROEX), é realizado pelo Banco do Brasil, e apresenta duas modalidades de apoio às exportações: PROEX Financiamento e PROEX Equalização (BANCO DO BRASIL, 2006). Todo programa apresenta parâmetros para que as empresas possam utilizar-se do benefício. No caso do PROEX, o pré-requisito para o desembolso do financiamento é que o exportador esteja em situação regular com o INSS, o FGTS, a Receita Federal e que não esteja inscrito em dívida ativa da União (BANCO DO BRASIL, 2006). As vantagens da utilização do programa são o acesso facilitado ao crédito, rapidez na aprovação, operacionalização simplificada em financiamentos de curto prazo e a inexistência de limite mínimo de valor ou de quantidade de mercadoria por operação ou embarque. O BNDES também possui programa de financiamento aos exportadores, que seguem nas modalidades de pré-embarque, pré-embarque especial e pós-embarque (BNDES, 2006). Os financiamentos ainda são utilizados por uma fatia muito pequena das empresas, como mostra a CNI, apenas 20% das empresas utilizam algum tipo de financiamento. O programa mais utilizado é o PROEX financiamento para as MPEs, porém o acesso de maior facilidade é para empresas de grande porte (CNI, 2002). A CNI mostra que o desconhecimento afeta de 20,8% a 39,1% das empresas, e de 23,6% a 36,6% as que não conseguem o financiamento, resultando no baixo grau de utilização das linhas de financiamento (CNI, 2002). 5.2 Exporta Fácil - CORREIOS O Exporta Fácil foi criado pela rede de correios do Brasil em novembro de É um serviço de remessa internacional que envia mercadorias com rapidez e segurança até o destino, oferecendo diversas facilidades às exportações de micro e pequenas empresas, como também para pessoas físicas (artesãos, agricultores, etc.). Os CORREIOS contam com recintos alfandegários da Receita Federal em suas instalações, facilitando o trâmite aduaneiro das remessas postais, cuidando de todo operação aduaneira, assim como as documentações necessárias (CORREIOS, 2000). Além de possuirem limites nos valores (máximo de US$ 20,000 - vinte mil dólares) de exportação por operação, a carga pode pesar até 30 quilos, conforme a modalidade de serviço escolhida sendo elas: Sedex Mundi, Expressa (SEM), Mercadoria Econômica, Leve Priotitária e Leve Econômica, com o intuito de atender a qualquer necessidade do exportador (CORREIOS, 2000). Apesar de todos os benefícios do programa, o estudo realizado pelo CNI sobre os problemas enfrentados pelas empresas que possuem por objetivo exportar no ano de 2002, o Exporta Fácil é desconhecido por 53,8% das empresas consultadas (CNI, 2002). 5.3 SIMPLEX O SIMPLEX é uma iniciativa do governo que tem por objetivo desburocratizar as operações no comércio exterior de pequenos valores (até US$ 10 mil ou o equivalente em outras moedas), criada pela Circular n /98 do BACEN. As vantagens do programa são principalmente a simplificação da documentação, sendo dispensado o contrato de câmbio (MINISTÉ- RIO DA FAZENDA, 2006). Porém, de acordo com estudo do CNI, o Simplex (simplificação de procedimentos administrativos e cambiais para operações de exportação no valor de até US$ 10 mil) é des- Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 4(7):27-33,

6 conhecida para 57,9% das empresas. Para micro e pequenas empresas a situação de desconhecimento é mais acentuada, atingindo cerca de 70% no que se diz respeito ao desconhecimento do programa (CNI, 2002). 5.4 Principais Entraves Operacionais De acordo com a pesquisa da CNI, a burocracia aduaneira aparece como principal entrave à expansão das exportações correspondente por 40,8%, os custos portuários aparecem como o segundo maior entrave sendo 37,3% (CNI, 2002). Outros entraves importantes são canais de comercialização e burocracia tributária, assinalada por, respectivamente, 23,9% e 22,6% das empresas. As questões tributárias, no que diz respeito também à dificuldade de ressarcimento de créditos tributários, aparecem entre os obstáculos mais importantes às exportações, assinaladas por 36% das empresas. O transporte internacional afeta 29,2% das empresas, não deixando de lado a falta de infraestrutura interna para o escoamento de produtos destinados à exportação, assinalada por 16,2% das empresas (CNI, 2002). A documentação é apresentada como a segunda maior dificuldade assinalada por 44% das empresas, principalmente no que se trata de certificados de origem, de inspeção de qualidade, certificado fitossanitário, considerando também a legislação consular (CNI, 2002). Em síntese, a instabilidade do câmbio, a logística de transporte de mercadorias e a falta de informação sobre procedimentos de exportação representam os maiores entraves para as micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras exportarem seus produtos. Responsáveis por apenas 2,4% do total das exportações do Brasil (2003), essas empresas têm como maior motivação para a exportação a diversificação de clientes e a perspectiva de maiores lucros (CNI, 2002). 5.5 Considerações sobre Trading Company e Comerciais Exportadoras Como analisado anteriormente, no caso dos financiamentos como o PROEX e os financiamentos do BNDES, os principais entraves são o desconhecimento do programa, as documentações requeridas e as garantias, podendo nesse caso a trading company e a comercial exportadora atender a essas limitações, pois elas também podem se beneficiar desses programas, além de possuírem todo o aparato documental de comprovação exigida. No caso do Exporta Fácil e do Simplex, o maior entrave é o desconhecimento do programa. Como o objetivo dessas iniciativas é inserir de forma mais fácil e segura o produto no exterior e simplificar a documentação e os trâmites de negociações, respectivamente, a trading company e a comercial exportadora por possuírem estudos sobre viabilidade econômica, de mercados, riscos comerciais, procedimentos aduaneiros, negociações, podem suprir as limitações desses dois programas, inserindo os produtos de empresas de pequeno porte da forma mais competitiva no mercado global. Diante dos programas de governos analisados acima e do trabalho realizado por uma trading company ou comercial exportadora, conseguimos identificar que essas empresas estão capacitadas a atender as limitações dos programas enfrentadas pelas MPEs, nos aspectos de requisitos, documentações para comprovação e conhecimento do programa, sendo uma boa alternativa para inserirem seus produtos no mercado global. 6. Considerações Finais Os resultados apresentados pela pesquisa do CNI comprovam que as exportações perdem o dinamismo devido aos mais variados entraves específicos no país, colocando as MPEs à mercê das oscilações dos ciclos econômicos. Concluise que, para a expansão das exportações, ainda é necessária a atuação do governo em diversas etapas do processo de exportação, no que se diz respeito aos entraves operacionais como o acesso aos programas de financiamento, burocracia aduaneira, custos portuários, custo de frete internacional, fazendo-se necessária uma maior divulgação dos mecanismos existentes que beneficiam as empresas. 32 Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 4(7):27-33, 2006

7 REFERÊNCIAS BANCO DO BRASIL. Informações sobre o PROEX. Disponível em: <http://www.bb.com.br/appbb/ portal/on/intc/me/exp/admrecproexfin.jsp> Acesso em: 15 abr BELLO, Ubyrajara Brasil Dal. As Poderosas Trading Companies Japonesas Sogo Shosha. São Paulo: Aduaneiras, BNDES. Informações sobre o financiamento do BNDES. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/ linhas/exportacao.asp>. Acesso em: 15 abr BRASIL, Decreto-Lei nº 1.248, de 29 de Novembro de CNI. Estudo sobre as Dificildades enfrentadas pelas empresas exportadoras realizado pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Disponível em: <http://www.cni.org.br/produtos/ com_ext/src/empresa_exportadora_brasileira.pdf>. Acesso em: 22 abr CORREIOS. Informações sobre o Exporta fácil, Disponível em: <http://www.correios.com.br/exportefacil/default.cfm>. Acesso em: 15 abr GRISI, Celso Cláudio de Hildebrand. Trading Presença brasileira no cenário econômico munidal. São Paulo: Saraiva, Diante do quadro apresentado, é de grande valia a atuação das trading companies e comerciais exportadoras como facilitadoras, ajudando as MPEs a inserirem seus produtos no comércio internacional de uma forma mais dinâmica e expressiva, pois as trading companies e comerciais exportadoras possuem toda a estrutura para que os produtos de micro e pequenas empresas sejam inseridos no comércio internacional de forma segura e competitiva, podendo assim alavancar as exportações das micro e pequenas empresas. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Mecanismos de financiamento privado às exportações. Disponível em: <http://www.fazenda.gov.br/sain/m_financiamento.htm>. Acesso em: 15 abr SEBRAE.Critérios de Classificação do Porte da Empresa, Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/br/aprendasebrae/estudosepesquisas.asp>. Acesso em: 22 abr.2006 SEBRAE. Tributação do sistema SIMPLES. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/br/aprendasebrae/ tributacao_simples.asp>. Acesso em: 22 abr.2006a. SEBRAE. Estudo sobre as Micro e pequenas empresas na exportação brasileira de , realizada pelo SEBRAE. Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bte/bte.nsf/ 0E680B540F45AB E005ED42D/$File/ NT000AB71E.pdf>. Acesso em: 22 abr.2006b. TWL. Tizatto, Wildner e Luz Advogados Associados Trading Company/Comercial Exportadora: Tratamento Tributário, Disponível em: <http://www.twladvogados.com.br/artigos/trading.doc>. Acesso em: 11 mar VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 4(7):27-33,

Procedimentos para exportação

Procedimentos para exportação Procedimentos para exportação Fundamentos de Comércio Exterior Prof. 1. Inscrição da empresa em dois cadastros: REI (MDIC/SECEX) e Radar (MF /SRF); 2. Análise mercadológica: avaliação do potencial do mercado

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROEX FINANCIAMENTO FINALIDADE: Proporcionar e apoiar o exportador brasileiro na comercialização com o exterior de bens e serviços em condições de financiamento

Leia mais

5.564 cidades atendidas. 54 mil pontos de atendimento

5.564 cidades atendidas. 54 mil pontos de atendimento BOM DIA! Quem somos? 5.564 cidades atendidas 54 mil pontos de atendimento Distribuição diária: 50 mil carteiros que atendem 44 milhões de domicílios Maior rede logística intermodal do país: 2,6 milhões

Leia mais

A Importância das Exportações via Correios para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

A Importância das Exportações via Correios para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte A Importância das Exportações via Correios para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte DIEGO LUÍS DE LINARDO diego.linardo@terra.com.br ORIENTADORA: ANA MARIA ROMANO CARRÃO Estágio Supervisionado em

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD ICMS/IPI Registro 1110 Operações de Exportação Indireta

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD ICMS/IPI Registro 1110 Operações de Exportação Indireta EFD ICMS/IPI Registro 1110 Operações de 04/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Demonstração das informações na

Leia mais

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011 19ª. Plenária do Fórum Permanente Comitê Comércio Exterior 21 de julho de 2011 1. Atualização do Questionário de Gargalos à Exportação 2. Atualização das Estatísticas do Comércio Exterior de Bens e Serviços

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA SUMÁRIO Primeira Parte - Como Registrar sua Empresa Segunda Parte - O Novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa PRIMEIRA PARTE COMO REGISTRAR SUA EMPRESA

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP

Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP Junho/2011 1 Tipos de Exportação: Direta : A própria empresa vende diretamente ao exterior. Brasil Exterior 2 Indireta : Mercadoria é exportada

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO D. Daniela tem uma fábrica de móveis e vende seus produtos para todo o Brasil. Como os produtos de sua fábrica têm ótima qualidade e seus preços no mercado interno são

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA Curso: 22211 - ADMINISTRAÇÃO com Linha de formação em Comércio Exterior Disciplina: 02675 - OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR - IMPORTAÇÃO

Leia mais

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Medidas de Incentivo à Competitividade Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Devolução mais rápida de créditos tributários federais por exportações Devolução de 50% dos créditos de PIS/Pasep, Cofinse IPI

Leia mais

Sistemática de Comércio Exterior

Sistemática de Comércio Exterior Sistemática de Comércio Exterior Comércio Exterior 6 ADN 1 Prof. Charles Chelala Informações Básicas Exportar: para quê? Amplia as chances de melhores resultados para a empresa Aumenta a produtividade

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira

Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira Diretoria da Confederação Nacional da Indústria Presidente Fernando Luiz Gonçalves Bezerra 1º Vice-presidente

Leia mais

Avaliação dos Resultados

Avaliação dos Resultados MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E PEQUENAS DE PEQUENO PORTE Questionário para Identificação dos Gargalos

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas 1 de 7 13/07/2015 12:00 Menu Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa por Subsecretaria de Aduana e Relações Internacionais publicado 22/05/2015 16h36, última modificação 18/06/2015 15h00 Remessas

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS De acordo com o princípio contábil do custo como base de valor, o custo de aquisição de um ativo ou dos insumos necessários para fabricá-lo e colocá-lo em condições

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.719, DE 2014 Altera a legislação tributária facultando que as mercadorias vendidas com fim específico de exportação sejam

Leia mais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Diretoria de Negócios Internacionais Setembro/2013 Banco do Brasil. Do Brasil para o mundo. Do mundo para o Brasil O Banco do Comércio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente.

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Capitulo 10: Tipos de exportação As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Diretamente: quando o exportador fatura e remete o produto ao importador, mesmo

Leia mais

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA Paola Guariso Crepaldi¹, Renato Nogueira Perez Avila² Ernando Amorim Souza³, Francis Henrique Betteto 4 RESUMO

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Setembro 2014. Aspectos pragmáticos das importações indiretas

Setembro 2014. Aspectos pragmáticos das importações indiretas Setembro 2014 Aspectos pragmáticos das importações indiretas Agenda 1. Contexto 2. Modalidades de Importação 3. Real adquirente x Real importador 4. Conclusão PwC 2 PwC Contexto 1. Contexto Responsável

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS

INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS Entendidas as distinções básicas das alternativas apresentadas ao fabricante ou produtor para a promoção da saída, a título de exportação de seus produtos, seja ela direta,

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

Seminário Prospectiva CEBRI

Seminário Prospectiva CEBRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Seminário Prospectiva CEBRI Articulações Institucionais para o Investimento Brasileiro no Exterior São

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários. Maicon Bertuol

O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários. Maicon Bertuol O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários Maicon Bertuol Passo Fundo, 26/05/2011 Vantagens da Exportação diversificação de mercados e de riscos; melhoria da qualidade e produtividade;

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFRF/1998) O transporte de mercadoria estrangeira contida

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais 13/03/2014 Pergunte à CPA Exportação- Regras Gerais Apresentação: Helen Mattenhauer Exportação Nos termos da Lei Complementar nº 87/1996, art. 3º, II, o ICMS não incide sobre operações e prestações que

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65%

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65% Prestação de serviço de assessoria em importação Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% Faturamento (Receita Bruta) R$ 20.000,00 Alíquota PIS 0,65% Valor da propriedade imobiliária

Leia mais

Diretoria de Comércio Exterior

Diretoria de Comércio Exterior Diretoria de Comércio Exterior Rede de atendimento no País 15.212 pontos Banco do Brasil rede de atendimento Rede de TAA 39.417 terminais Agências no exterior 42 dependências em 23 países 1.471 Bancos

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Introdução Contexto Brasileiro AquisiçãoA i i ã de Produto Direta / Trading Importação por Conta e Ordem Globalização

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV

Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais RFB/SUARI/COANA/COFIA/DIDES Buenos Aires, 08 de novembro de 2011 Tópicos: 1. Panorama Atual do

Leia mais

MICRO E PEQUENA EMPRESA

MICRO E PEQUENA EMPRESA Agenda para MICRO E PEQUENA EMPRESA BRASÍLIA 2010 Uma agenda para crescer mais e melhor 4. Micro e pequena empresa: um caso especial As MPE, fundamentais para a economia brasileira As Micro e Pequenas

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro.

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Mercado a atuar Ao decidir atuar no comércio internacional, a empresa deverá desenvolver um planejamento

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR Robson Zanetti Advogados 1 1. Origem legal da holding no Brasil Lei nº. 6.404 (Lei das S/A s). No Brasil as holdings surgiram

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Ciências Contábeis

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Ciências Contábeis Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Ciências Contábeis GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS O Mercado externo As exportações e estratégias de lucratividade

Leia mais

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior propostas de política comercial Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior Marcelo Souza Azevedo O Brasil não pode cair na armadilha de acreditar que o mercado consumidor

Leia mais

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário Contábil,

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 1 Variáveis das de Internacionalização Segundo

Leia mais

Tributação na. Momento de ocorrência do FG do II para efeito de cálculo (art 73)

Tributação na. Momento de ocorrência do FG do II para efeito de cálculo (art 73) Tributação na Importação Imposto de Importação (II) Caráter extra-fiscal (regulatório) SP, BC e FG definidos em lei Regulamento Aduaneiro (RA Decreto 6.759/2009) consolida as normas Exceção constitucional

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

Missão Área Internacional

Missão Área Internacional Missão dos Correios Facilitar as relações pessoais e empresariais mediante a oferta de serviços de correios com ética, competitividade, lucratividade e responsabilidade social. Missão Área Internacional

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Eficiência Tributária

Eficiência Tributária Eficiência Tributária Cenário Tributário Brasileiro Características negativas: Tributação excessiva Multiplicidade de tributos e de Obrigações Acessórias Tributação em cascata (tributo incide sobre outros

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA AS EMPRESAS SOBRE COMO FAZER O CADASTRO NA SUFRAMA.

ORIENTAÇÕES PARA AS EMPRESAS SOBRE COMO FAZER O CADASTRO NA SUFRAMA. Compilações das Informações Maria da Conceição Mira dos Santos Outubro/2014 Página 1 CARTILHA DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS SOBRE O CADASTRO DA SUFRAMA. APRESENTAÇÃO Os pequenos negócios no Amapá contam com

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 01 /2015. Brasília, 03 de março de 2015. Assunto: Melhoria no ambiente de negócios com a alteração da Instrução Normativa SRF nº 1.291, de 19 de setembro de 2012, que dispõe sobre

Leia mais

DOS IMPOSTOS IMPOSTOS DA UNIÃO

DOS IMPOSTOS IMPOSTOS DA UNIÃO DOS IMPOSTOS INTRODUÇÃO: COMO JÁ ANTERIORMENTE ESTUDADO, CONCEITUAMOS IMPOSTO SENDO UMA PRESTAÇÃO PECUNIÁRIA QUE, PARA FINS DE INTERESSE COLETIVO, UMA PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO, POR LEI, EXIGE

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades:

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Linhas de Apoio à Exportação do BNDES Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Pré-embarque: financia a produção de bens a serem

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX)

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO A determinação do preço de exportação é um dos aspectos mais importantes e decisivos para a conquista e

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs O atual contexto do ambiente econômico das MPEs Brasil e Minas Gerais Belo Horizonte, outubro de 2013 1 Presidente Roberto Luciano Fortes Fagundes Superintendência Geral Gilson Elesbão de Siqueira Departamento

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais