Taxas de juro e racionamento do crédito em Lisboa ( ) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Taxas de juro e racionamento do crédito em Lisboa (1715-1800) 1"

Transcrição

1 Taxas de juro e racionamento do crédito em Lisboa ( ) 1 Leonor Freire Costa * Maria Manuela Rocha * Paulo Brito ** 1- Introdução Em economias com capacidade para produzir excedentes, em relação ao consumo, operam-se transferências inter-temporais de recursos, e portanto, de valor. A taxa de juro é a taxa de variação do preço implícito nas transacções inter-temporais e nos contratos a elas associados. É uma das variáveis fundamentais da economia porque sintetiza várias dimensões, nem todas operando no mesmo sentido. As estruturas tecnológicas, institucionais e demográficas determinam as taxas de juro. A primeira diz respeito não só a capacidade reprodutiva dos recursos poupados uma vez investidos (produtividade marginal do capital), mas também aos custos de transacção associados à existência e disseminação da informação. A segunda diz respeito aos tipos de contratos que se podem fazer, à protecção dos direitos de propriedade, à protecção das partes quando há incumprimento, através de contratos bilaterais ou multilaterais, e à coordenação das diferenças de informação que tipicamente estão presentes em contratos inter-temporais. Se estas estruturas serão determinantes da evolução da taxa de juro no tempo muito longo (multi-secular), em prazos mais curtos (digamos, dentro de um século) o comportamento das taxas de juro é influenciado conjuntamente por flutuações macroeconómicas, variações do risco agregado e pela política económica. No caso do século XVIII, estando relativamente ultrapassadas razões de ordem moral ou religiosa na regulação do juro, princípios de economia política orientaram a promulgação de leis que estipularam um tecto máximo para a taxa de juro. Julgava-se esta regulação como uma forma de promoção da actividade económica em geral, ou um incentivo necessário ao investimento de juros de certos sectores considerados prioritários na óptica dos poderes. 1 Texto de um trabalho em progresso. Por favor não citar sem conhecimento dos autores. Primeira divulgação de resultados de um projecto financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia Money Supply and credit market in pre-modern economies (EXPL/ EPH-HIS/ 1742/ 2012). * GHES, Instituto Superior de Economia e Gestão, Universidade de Lisboa. ** UECE, Instituto Superior de Economia e Gestão, Universidade de Lisboa. 1

2 Os limites legais decorrentes de uma proto política monetária não é tema central num significativo filão de trabalhos na historiografia que se tem interessado pelas relações entre crédito e actividade económica. Embora não se descure a sua existência, não se lhe tem dado a devida importância na análise do mercado de crédito. O trabalho inaugural de North e Weingast (North e Weingast, 1989) secundarizou a política económica como determinante da variação do juro, porquanto pretendeu destacar as transformações institucionais que permitiram ao Estado financiar-se a taxas cada vez mais baixas. Os constrangimentos ao executivo e alterações na fiscalidade, com incremento de receitas, tornam-se o argumento explicativo da redução do risco agregado. A gradual mobilização de poupanças individuais terá sido o resultado da segurança incutida pelo Estado nos mercados financeiros, negligenciando estes autores a possibilidade de crowding out. Estudos subsequentes criticaram várias destas asserções, mas nem por isso ofereceram uma visão consensual sobre tendências do juro e suas repercussões na oferta de crédito. Por um lado, o impacto positivo das alterações institucionais na esfera dos investimentos privados, que pressupunha uma articulação entre mercado da dívida pública e mercado de crédito privado, foi questionado (Buchinsky e Polak, 1993; Clark, 1996). Por outro, uma série da dívida pública alargada a todo o século XVIII mostrou que a remuneração do capital se manteve relativamente elevada e que as taxas flutuaram em resposta a choques externos, instabilidade política e a guerra (Sussman e Yafeh, 2002). Por fim, uma observação estritamente centrada no sector privado, através da actividade de um banco londrino entre 1680 e 1705, não encontrou comprovação para a redução do risco agregado, já que as taxas de juro não cederam e revelaram mesmo uma subida depois da guerra de Sucessão de Espanha (Quinn, 2001). Uma tendência que só seria interrompida com a administração da taxa a 5% por legislação de Estudos sobre crédito privado em Paris questionaram por outras vias as asserções de North e Weingast, embora mantivessem em destaque o papel das instituições e dispositivos de minimização de risco (Hoffman, et. al., 2000). O notariado destaca-se como instituição fundamental, em particular na solução para problemas de assimetria de informação. Ao centralizar informação sobre activos hipotecados e capacidade de cumprimento dos devedores, esta instituição contribuiu para superar a falta de bancos na mobilização de poupanças. Apesar de o regime francês em nada se assemelhar ao caso inglês, o sistema financeiro beneficiou de mecanismos de redução do risco, cuja eficácia 2

3 está atestada no crescente volume de crédito transaccionado depois de 1726, uma vez superadas as perturbações causadas pelas reformas de John Law. A secundarização dos impactos de taxas de juro administradas na evolução do mercado de dinheiro constitui uma fragilidade do estudo sobre Paris na visão dos mais recentes trabalhos sobre crédito privado em Inglaterra (Temin e Voth, 2013). Estes autores destacaram a importância de uma avaliação conjunta das taxas administradas e do volume do crédito, pois comprova-se que estando o limite legal abaixo do ponto de equilíbrio teórico (de encontro livre entre oferta e procura) há alterações no mercado por ajustamento das quantidades oferecidas. Por seu lado, os casos de taxas indicadas em Paris, abaixo dos 5% administrados, forneceriam informação pertinente para questionar a operabilidade do limite legal para a existência de racionamento de crédito. Na obra destes autores, atentos aos efeitos da regulação da taxa na curva da oferta de dinheiro, é acrescentada mais uma crítica ao argumento de North e Wiengast. A imposição de uma taxa máxima restringiu o crédito privado, enquanto a segurança depositada na dívida pública não exclui o crowding out como causa adicional da escassa participação dos bancos privados ingleses no financiamento da revolução industrial. A relevância das taxas de juro, mesmo que administradas, está confirmada pelas suas consequências na variação dos montantes mutuados. Os estudos sobre crédito em Portugal não têm caracterizado a evolução do mercado, nas suas vertentes de juro e quantidades, pelo que é notória a falta de uma perspectiva dinâmica e secular deste problema. Verificando-se a ausência de casas bancarias na intermediação financeira a literatura focou-se no papel de certas instituições (misericórdias e conventos) e na identificação sociológica dos devedores e credores (Sá, 2002; Amorim, 2006; Rocha, 1996). A imagem obtida revela grande dispersão da oferta e acentuada difusão social e institucional do empréstimo (Rocha, 1996). Apesar da existência de alguns casos de especialistas na actividade creditícia (sobretudo negociantes e desembargadores), a análise baseada nos inventários post-mortem assinala a frequência com que o empréstimo era concedido de forma esporádica por uma multiplicidade de indivíduos, sinalizando uma pulverização do mercado. Embora não se obtenha informação de volume total de crédito nos períodos estudados, algumas referências pontuais dão notícia de 6,25% ser a taxa mais frequente até à intervenção pombalina. 3

4 Por alvará de 17 de Janeiro de 1757 este mercado foi regulado pela fixação administrativa da taxa de juro a 5%. De forma distinta do que ocorreu em Inglaterra, a intervenção pública não vem na sequência da guerra de Sucessão de Espanha, mas é possível associa-la a outro tipo de choque externo, com uma dimensão mais destrutiva de capital que as guerras noutros contextos europeus: o terramoto de Pela sua inserção nesta conjuntura específica podemos supor que a motivação da legislação portuguesa, visando acautelar o aumento do custo do dinheiro, era uma resposta directa a uma fase marcada pelo aumento da procura decorrente da necessária reconstituição do capital destruído pelo terramoto. A lei não explicita este propósito, evocando-se apenas a pretensão de incentivo ao comércio, no que se equipara à legislação inglesa. Ensaios sobre o século XVIII não ignoram esta lei, embora as suas consequências económicas sejam secundárias nas preocupações dos autores que a citam. Elencada no conjunto das iniciativas que procuravam superar os rescaldos nefastos do terramoto (Cardoso, 2007), o leitor é levado a crer na sua eficácia. Quando citada nos estudos específicos do mercado de crédito, é tomada como uma ordenação que, como qualquer outra, pode ser contornada e suscita um quadro mais apertado de controlo dos poderes públicos (Madureira, 1994, Rocha, 1996). Está por esclarecer se a lei pombalina visava resolver um problema casuístico decorrente do terramoto ou se pretendeu disciplinar um mercado onde as taxas flutuariam livremente havia várias décadas muito acima dos 5%. Desconhece-se, portanto, se as taxas nominais portuguesas antes da sua regulação estavam muito ou pouco afastadas das praticadas nas praças europeias onde a fixação foi realizada nas primeiras décadas do século. Por último ignora-se a consequência desta administração: se imprimiu ou não um ritmo distinto à variação do volume de crédito. Este texto procura avaliar quais as consequências da intervenção pública no mercado de crédito privado, por uma análise do volume e da evolução da taxa de juro a partir de dados recolhidos na instituição notarial de Lisboa. Beneficia da riqueza informativa desta documentação e da possibilidade de construção de séries temporais longas e homogéneas sobre quantidades e juros. Coloca como hipótese que a administração da taxa de juro interferiu negativamente nas quantidades emprestadas, podendo ter-se repercutido nos ritmos de recuperação da catástrofe. Utilizando outros detalhes dos contratos, superiores aliás aos que estiveram na base dos estudos do crédito em Paris e Londres (que omitem as aplicações que suscitaram o pedido de empréstimo), o presente trabalho questiona ainda que sectores e que tipo de despesas mais recorreram a 4

5 empréstimos. Uma avaliação das aplicações antes e depois da intervenção política no mercado permite completar o estudo das implicações de uma legislação que interferiu numa das variáveis macroeconómicas de mais complexas dimensões. 2- Dados: notários em Lisboa As informações sobre crédito notarial em Lisboa exploradas no presente trabalho suportam-se na recolha exaustiva de contratos de obrigação de um ofício entre os dezoito existentes na cidade, uma vez confirmados os seus requisitos para servir de amostra representativa. Os critérios de selecção consideraram: a) existência de uma série contínua de livros de notas para todo o século XVIII; b) possibilidade de identificação da sucessão de tabeliães e dos momentos em que se alterou a serventia do ofício; c) exibição de um ritmo de actividade sem grandes variações conjunturais, e com uma ponderação regular no conjunto de todos os ofícios da cidade. Estes requisitos presumem que o cartório notarial escolhido tem uma actividade próxima da média e, sobretudo, que não revela as oscilações acentuadas que tantas vezes acompanham a mudança de notário ou os acidentes específicos que afectam o estado de preservação arquivística. A selecção do cartório exigiu, portanto, um conhecimento prévio da instituição notarial, no seu conjunto. Nela se espelha a importância da contratualização formal ao longo do século XVIII, envolvendo todo o tipo de transacções. Permite identificar o lugar das obrigações por empréstimos de dinheiro e quais os ofícios que poderiam respeitar os critérios enunciados. Os fundos do chamado Distribuidor, organismo responsável por arrolar as escrituras celebradas nos 18 ofícios, prestam-se a esse inquérito com relativa segurança até Registam os ritmos de actividade de todos os cartórios (mesmo os que hoje não se encontram em depósito arquivístico) e incluem os múltiplos tipos de escrituras (Figura1). Figura 1- Ritmo de actividade dos 18 ofícios notariais de Lisboa 5

6 nº de escrituras Fonte: ANTT Arquivo Distrital de Lisboa, Cartório do Distribuidor O número de transacções com sinal público experimentou um crescimento acentuado entre 1700 e 1725 (6000 para 9000), altura em que se encetou uma tendência descendente, pelo que a redução da participação de notários nos mercados de diferentes activos não aparenta uma relação directa com o terramoto. Certamente a catástrofe traumatizou a vida quotidiana da cidade, e verifica-se que provocou uma quebra abrupta de 7000 para pouco mais de 4000 contratos no próprio ano de 1755, mas não nos anos subsequentes. O que quer que tenha sucedido na cidade de Lisboa após o 1º de Novembro de 1755, a instituição notarial não o espelha, ao menos pelos ritmos de elaboração de escrituras, mantendo-se a linha descendente iniciada na década de Os múltiplos factores desta lenta e continuada retracção da actividade dos notários extravasam a questão específica do mercado de crédito. Qualquer pesquisa dependente de registos emanados de contratos públicos levanta o problema de alterações nos incentivos dos agentes para recorrerem a instrumentos com validade judicial, enquanto dispositivos de minimização de risco. Mas também não será de excluir uma leitura da actividade notarial pelo seu conteúdo facial, o que supõe que ela oferece uma informação robusta sobre o dinamismo dos mercados que mais frequentemente recorreram a contratualização com sinal público: compra-venda, arrendamento, aforamento, quitação, fretamento, obrigação de empréstimo, além da sempre presente e 6

7 esmagadoramente representada escritura de procuração 2. Deste modo, a ponderação das escrituras de obrigação no conjunto dos contratos pode ser reveladora das flutuações do mercado de dinheiro (Figura 2). Figura 2- Percentagem de obrigações no conjunto das escrituras notariais 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Fonte: ANTT Arquivo Distrital de Lisboa, Cartório do Distribuidor Nota-se, com efeito, que houve um acréscimo percentual de obrigações até 1723, chegando a perfazer 25% de todas escrituras. Fixam-se depois em torno dos 15% até 1755; decrescem para os 10% e aí estabilizam, pelo que o retraimento do mercado de obrigações terá tido o mesmo ritmo dos demais que procuraram a mediação notarial. Estas observações baseadas no universo global dos ofícios escondem, todavia, diferenças importantes entre cartórios. A apreensão da diversidade facultou o reconhecimento do(s) ofício(s) que poderiam fornecer os dados para uma amostra representativa das regras correntes nas transacções de dinheiro (Figura 3). 2 A literatura sobre o sistema notarial e sua relação com o sistema socio-económico é muito ampla e mereceu diferentes trabalhos desde a década de Chamamos a atenção para o especial contributo de Jean-Paul Poisson e para as actas dos diferentes encontros que versaram esta fonte documental, a qual, estranhamente, não tem tido muitos seguidores na historiografia portuguesa. Laffont, Jean L. (ed), 1991; Poisson, Jean-Paul (1973), Poisson, Jean-Paul (2002); Vogler, Bernard (ed) (1979). 7

8 Figura 3- Estatística das obrigações nos 18 ofícios de Lisboa e no ofício seleccionado 350,0 300,0 250, desvio padrão 200,0 150,0 100,0 50,0 0, média mediana mínimo máximo Barbuda desvio padrão Fonte: ANTT Arquivo Distrital de Lisboa, Cartório do Distribuidor A heterogeneidade de ritmos de actividade dos vários notários no mercado de crédito expressa-se nos elevados valores do desvio padrão que caracterizam a primeira metade do século, coexistindo cartórios muito activos com outros quase estagnados. A informação mais significativa é, precisamente, a redução dessa disparidade depois de 1755, adequando a maior homogeneidade dos cartórios. É, agora, possível afinar as conclusões que a figura 2 adiantou. A descida do número de obrigações depois de 1725 espelha sobretudo a decadência de alguns dos ofícios até então mais dinâmicos, por vicissitudes desconhecidas e que aqui não são relevantes. Já a redução do número de contratos de obrigação depois de 1755 afectou todos os cartórios, tornando os valores do desvio padrão bastante baixos e reduzindo a dispersão entre mínimos e máximos do número de contratos celebrados. Deste modo se individualiza o cartório de Henrique Barbuda, um dos que esteve na linha da média e de que conhecemos as sucessões, reveladoras da patrimonialização do ofício, que passou de pai para filho e em pouco recorreu a serventuários. Escapou à destruição de 1755, e pôde manter um ritmo de actividade ligeiramente superior ao que exibiu até essa data. Dez anos após a catástrofe aproximou-se novamente da média. 8

9 Do cartório de Henrique Barbuda foram coligidos todos os contratos de obrigação de empréstimos de dinheiro e de crédito a risco marítimo entre 1715 e 1800, perfazendo uma amostra de 3263 contratos 3. As datas limites da pesquisa prendem-se com a cronologia de outras séries macroeconómicas disponíveis e que serão operacionalizadas em futuros trabalhos sobre este tema. Trata-se, concretamente, da série de oferta de moeda metálica, cuja variação é conhecida com maior segurança a partir de Mercê da entrada em circulação do papel-moeda em 1797, considerou-se que a análise deveria circunscrever-se aos anos de circulação exclusiva de moeda metálica, concebendo-se três anos à margem, para início (1715) e fim (1800) da recolha de informação. Em cada contrato constam clausulas relevantes para a construção de várias séries, entre as quais as respeitantes a montantes mutuados, maturidades da dívida, aplicações a que se destina a quantia mutuada, taxas de juros, periodicidade do pagamento dos juros, colaterais, além de, naturalmente, nome e ocupação socio-profissional ou estatuto de credores e devedores. No presente trabalho pretendemos incidir nas cláusulas que facultam um quadro global da evolução do crédito no século XVIII, para dele inferir os efeitos da lei sobre taxas de juro. As séries pertinentes para esse fim respeitam ao volume total anual de crédito, número de contratos celebrados, seu valor médio (nominal e real), taxas de juro e aplicações do crédito contraído. Começamos por considerar as quantidades. 3- O volume de crédito No estudo do volume (quantidades emprestadas) e do número de obrigações, aparece uma fractura em torno de (Figura 4 e Figura 5). 3 ANTT, Arquivo Distrital de Lisboa, 2º Cartório Notarial de Lisboa (antigo 1º). 4 Costa, Rocha, Sousa (2013). 9

10 Figura 4- Valor total (anual) dos contratos ( ) Fonte: ANTT, Arquivo Distrital de Lisboa, Livros de Notas do 2º Cartório Notarial de Lisboa (antigo 1º). Figura 5- Número de obrigações ( ) Fonte: a mesma da Figura 4. O volume total de crédito aumenta na primeira metade do século, não só porque se celebram mais contratos, mas também porque aumenta o seu valor médio (Figura 6). 10

11 Depois desta fase, apesar de haver uma manutenção do valor médio por contrato, são perceptíveis a redução do número de escrituras de crédito e volume total. Figura 6- Valor médio dos contratos de obrigação ( ) Fonte: a mesma da Figura 4 Em termos de valor médio dos contratos, os mínimos situam-se nos e réis, no início do período, (1719 e 1716) enquanto o máximo se situa em réis (1787). A mediana, réis, reporta a uma soma longe de insignificante num século em que os salários do trabalho não qualificado estabilizaram em torno dos 200 réis e os qualificados (carpinteiros e pedreiros) saltaram de 200 para 300 réis na década de Aquela maquia representa um crédito que careceria de cerca de 8 anos de trabalho qualificado para amortização. A relação entre rendimento e esforço de amortização exigido ao devedor melhor se expressa no facto de em apenas um caso a maturidade indicada ter sido os 9 anos. O prazo mais frequente foi um ano, ainda que a possibilidade de prorrogação por entendimento das partes descubra a vulgaridade de transacções que, prevendo o curto prazo, se transformaram em relações menos exigentes, não obstante a manutenção da taxa de juro acordada inicialmente. 5 Dados sobre salários resultados de projecto Prices, Wages and Rents in Portugal, , financiado pela FCT, coordenação de Jaime Reis, em 11

12 As taxas de inflação do século XVIII reforçam essa percepção do crescente estrangulamento do mercado de crédito (Figura 7). A taxa de inflação teve uma tendência secular positiva ainda que haja uma clara diferença entre a primeira e a segunda metade do século, como no resto da Europa. Até ao início da década de 1750 a variação média é cerca de 0,5%, começa a aumentar despois dessa data e ultrapassa os 2,5% na década de 1780 em diante. Significa, assim, que em termos reais o mercado de dinheiro em Lisboa, mediado por notários, sofreu uma continuada e pronunciada contracção depois de Figura 7 - Valor real do crédito ( ) a preços de Fonte: Preços em 6 Esta conclusão é tanto mais representativa quanto a substituição do capital destruído pela catástrofe natural, pela sua imensa dimensão, levaria a esperar um boom de contratos e do volume de crédito pelas décadas subsequentes, e não apenas nos dois anos seguintes. Os dados questionam uma visão optimista sobre a rapidez com que foram superadas as consequências da destruição. Recentes ensaios sobre impactos 6 Prices, Wages and Rents in Portugal, , projecto financiado pela FCT, coordenação de Jaime Reis. Composição do cabaz: 208kg de cereais; 26 kg carne; 7,8 lt azeite; 4,3 dúzias de ovos; 68 lt vinho; 70,8 kg carvão (cerca de 42% em cereais). 12

13 económicos do sismo fornecem ordens de grandeza que vale a pena confrontar com o volume máximo de crédito com registo em notários de Lisboa. Os montantes totais anuais exibem uma dispersão superior à que se apreende nos valores médios, com um mínimo de réis registado em 1793 os dois máximos de réis e registados em 1757 e 1758, significativamente anos posteriores ao terramoto. Considerando a representatividade no cartório seleccionado no conjunto dos 18 ofícios, e extrapolando o volume do crédito por ele intermediado para o total da cidade, especula-se de forma fundamentada que em 1757 os empréstimos poderão ter chegado a 891,8 contos e a 1.044, 8 contos em 1758, totais que logo terão descido para 624 contos em 1759 e 477,8 em Os dois anos imediatos ao cataclismo repercutiram-se num circunstancial boom de crédito. Embora as somas em causa sejam extraordinárias, e apesar da imprecisão com que se pode quantificar o capital destruído na cidade, é verosímil que correspondam a 1/10 dos danos estimados, só para o capital residencial (11520 contos, para as cerca de casas em ruína), além dos 4 mil contos em edifícios públicos (Cardoso, 2007, p. 166). Suspeita-se por relatos coevos que um décimo das habitações foi totalmente arrasada, e das 90% restantes, ficaram inabitáveis 2/3, pelo que restaram de pé e em condições, ainda que a carecer de reparações, apenas 30% (Serrão, 2007, nota 8, p.161). Não entrando com qualquer estimativa de capital perdido em mercadorias, em armazéns e alfândegas, assim como navios e cargas, e à parte os danos sofridos pela Igreja (mercê dos muitos mosteiros, igrejas paroquiais e conventos arrasados) só mantendo-se tão excepcionalmente elevado o volume do crédito transaccionado poderia a reposição levar 10 anos. Pelas figuras 4 a 6 sabe-se que os montantes mutuados estavam em 1760 reduzidos a metade de Cremos que o comportamento do mercado sugere uma visão pouco optimista do ritmo da recuperação do abalo e compagina-se com descrições de Lisboa com vários vestígios de escombros já entrado o século XIX (Lousada, 2007). Os mais recentes estudos sobre os impactos económicos do terramoto abordam de forma inovadora o acontecimento que necessariamente afectaria a evolução da economia no médio prazo, e exploram os contributos de estudos actuais sobre catástrofes, os quais elucidam os percalços e dificuldades de uma recuperação. Pugnam por uma quantificação dos estragos com metodologias mais rigorosas e avançam com conjecturas credíveis sobre a escala da destruição, sendo possível que 20% do capital 13

14 fixo da economia nacional tenha sido arruinado 7. Convém referir, ainda, que fica devidamente sublinhado o lado moderno dos caminhos da retoma da economia, uma vez que a acção do poder político em muitos sectores deixou às forças livres do mercado o ajustamento dos factores. Assim, após medidas estritas de urgência na sequência do cataclismo, um dos princípios norteadores de Pombal baseou-se em entregar ao mercado o mais depressa possível satisfação das necessidades quotidianas da população. Todavia, nestas excelentes sínteses, mantêm-se intocada uma velha imagem de eficácia da acção política, capaz de enterrar os mortos e tratar dos vivos e de levar a acabo significativas reformas institucionais em muitos domínios. Desta imagem de eficácia emerge a noção de uma relativa rapidez da superação dos efeitos do abismo insondável, nas palavras de coevas, em que o terremoto mergulhara a reino (Cardoso, 2007, p.168). A história do crédito notarial coloca cores distintas neste retrato pela retracção das quantidades transaccionadas e recorda a sua possível relação com as medidas tomadas pela acção pombalina. Em primeiro lugar, não foi um sector entregue às forças livres do mercado, sendo administrada a taxa de juro. Em segundo lugar, e já que uma catástrofe é também conjuntura favorável a transferências entre os que salvaram as suas fortunas e capitais e os que tudo perderam, a administração de uma variável que interfere no preço destas transferências é passível de muitos efeitos contraditórios entre si. Pode favorecer a realização de contratos ilegais, com taxas especulativas, ou dar menos incentivos aos credores que procurem remuneração superior para os seus capitais. Um mercado ilegal pode emergir para contornar taxas de juro administradas abaixo do ponto de equilíbrio do mercado, e este poderá estar acima por vários factores. Ou porque a informação assimétrica entre credor e devedor eleva o risco na transacção, ou porque há uma escassez dramática de colaterais. Qualquer destas respostas dos agentes repercute-se na retracção das quantidades. Seja qual for a razão que favoreça a contratualização informal a taxas superiores às administradas, o risco da ilegalidade não é o melhor dos incentivos ao crescimento do mercado de crédito, mas sim à sua segmentação. 7 As mais recentes e enriquecedoras reavaliações do nível de destruição encontram-se nos contributos de José Luís Cardoso e de José Vicente Serrão na colectânea de ensaios O Terramoto de Impactos Históricos, editados por Araújo et al. (2007), sendo de destacar a precedência deste enfoque nos documentos de trabalho de Álvaro Santos Pereira, com versão definitiva em Pereira (2009). 14

15 Uma análise da evolução das taxas de juro, antes e depois de 1757, pretende testar a verosimilhança da hipótese de uma contracção da oferta em virtude da interferência de medidas reguladoras. 3- As taxas de juro no mercado de Lisboa A fixação da taxa de juro a 5% é uma das principais medidas de política económica pombalina, nunca ignorada na historiografia, mas nunca devidamente incorporada na análise da recuperação (ou não recuperação) do terramoto, pelos seus efeitos de curto e médio prazo na economia. No preâmbulo do diploma ecoa o postulado dos benefícios da fixação do juro, esse preço implícito nas transacções intertemporais e nos contratos a elas associados. Impedir-se-iam os exorbitantes juros praticados e criar-se-iam as condições ideais ao crescimento do comércio. O legislador actuou no mercado de crédito como actuou com as rendas urbanas imediatamente após a catástrofe, pretendendo salvaguardar o estado de emergência do comportamento dos especuladores 8. Contudo, a medida não foi apenas de emergência. Não sendo revogada, passou a regular o mercado de crédito de 1757 em diante. Uma das questões de onde partimos prende-se, justamente, com uma averiguação mais detalhada dos efeitos desta lei. Para tal, é necessário saber se contrariou as forças naturais do mercado livre, interrompendo uma tendência altista das taxas de juro que afastava a taxa nominal em Portugal da que era corrente nas praças europeias; ou se essa tendência seria meramente casuística, por acção do terramoto. A evolução dos montantes transaccionados, acima apresentada, indica que o mercado de dinheiro sofreu uma alteração. A redução das quantidades, coincidindo com a fixação da taxa de juro por imposição legal, levanta a hipótese de em Portugal a intervenção do Estado ter tido efeitos idênticos aos verificados em Inglaterra aquando da descida de 6% para 5% por determinação de uma lei de A imposição de um preço máximo, se respeitada pelos agentes, terá feito com que o mercado funcionasse em desequilíbrio e terá introduzido um racionamento (Temine e Voth, 2013). Convém, então, esclarecer o que se entende por racionamento. Há duas noções básicas. A primeira é resultante da operação do mercado de crédito em situações de risco muito elevado (ver, por exemplo Stiglitz e Weiss, 1981 ou Brito e Melo, 1995), que ocorre 8 Cardoso (2007), p

16 quando o rácio de endividamento em relação aos potenciais colaterais é muito elevado. Devido à existência de informação assimétrica, a curva da oferta pode-se tornar virtualmente vertical, o que significa a introdução, por parte de oferta, de um limite máximo para o endividamento. Não é provável que a redução das quantidades em Portugal se devesse a este tipo de racionamento de mercado, embora a destruição de colaterais possa contribuir para esta forma de racionamento. Todavia, sabendo-se da lei de 1757 é mais provável ter havido um racionamento de tipo administrativo. Este segundo significado de racionamento existe em mercados que operam em regimes de desequilíbrio, verificando-se usualmente em economias onde há imposição de limites administrativos à variação da taxa de juro. Se a taxa de juro administrada for fixada a um nível diferente da taxa de juro de equilíbrio, então há racionamento de crédito. O lado mais curto do mercado determina as quantidades de crédito que são contratadas: se a taxa de juro for mais baixa do que a taxa de juro de equilíbrio, o lado mais curto do mercado é o da oferta; se for mais lata, o lado mais curto é a procura. Caso a taxa de juro administrada seja fixada como um tecto máximo, tal como na experiência de Pombal, há duas situações possíveis: 1- o tecto da taxa de juro é inferior à taxa de juro de equilíbrio, tornando o limite operativo e havendo racionamento de crédito; 2- a taxa de juro em equilíbrio é inferior ao limite legal, e este deixa de ser operativo. Nesse caso, o equilíbrio entre oferta e procura estabelece-se como num mercado sem intervenções. Para averiguar a hipótese de racionamento, foi construída uma série de taxas de juro a partir de contratos homogéneos, o que constitui a principal vantagem do recurso a fontes notariais. Trata-se de empréstimos com clausulas idênticas, com juro anualizado, na maioria com maturidades de um ano, e se prorrogáveis com o acordo das partes sem alteração do juro. A amostra incide, assim, nas obrigações e exclui os contratos de dinheiro a risco e todos os casos em que maturidades e juro não eram informação segura. A Figura 8 mostra a evolução das taxas narradas nestes contratos: Figura 8- Taxas de juro nominais (média ponderada por quantidades) 16

17 Fonte: a mesma da Figura 4. Ao longo de Setecentos é possível identificar três fases: uma entre 1715 até 1756, uma segunda fase entre 1757 e 1780 e uma terceira entre 1781 e As figuras 9 a 11 procuram representar o mercado de equilíbrio parcial nestas três fases acima indicadas e discutir em que circunstancias se poderá falar de racionamento na sequência da promulgação da lei de Figura 9- Período de Nesta e nas seguintes figuras, o eixo vertical representa a taxa de juro e o eixo horizontal as quantidades emprestadas para uma dada taxa de juro. A curva D 17

18 representam a procura. Sabemos que no período de 1715 a 1756, em regime livre, as quantidades de crédito aumentaram e as taxas de juro médias reduziram-se, tendencialmente. Este comportamento sugere um aumento da oferta de crédito (deslocação de S0 para S1), possivelmente associada a um aumento geral da liquidez na economia, com uma deslocação da curva de oferta de crédito ao longo da curva da procura. Mesmo que se tenha havido deslocação da curva da procura, a expansão da oferta de crédito de crédito a evolução do equilíbrio do mercado. A segunda fase, que vai de 1757 a 1780, sensivelmente, foi iniciada pela fixação do tecto de 5% pela lei pombalina. Verificamos que neste período as taxas de juro médias se mantiveram estacionárias ao nível de 5%, mas a quantidade de crédito se reduziu. A Figura 10 descreve o comportamento do mercado em equilíbrio parcial nesta fase, sendo o juro fixo. Figura 10- Período de Considera-se que o tecto estabelecido introduziu efectivamente um racionamento no mercado do crédito e que a linha estacionária nas taxas de juro indicia ter sido operativo na maior parte do período. Significa que a taxa de juro foi fixada abaixo do que seria uma taxa de juro de equilíbrio no mercado sem intervenção, por isso as quantidades de crédito transaccionadas terão sido determinadas pela oferta, que se tornou o lado "curto" 18

19 do mercado. Neste período houve contração da oferta de crédito (deslocando-se S0 para S1) coincidente, ainda, com o aumento da inflação e com alteração da taxa de incidência do imposto da décima, com nova legislação 9, o que, conjuntamente, resultaria numa redução da remuneração real para os credores. NO entanto, após 1780, o limite de 5% parece ter correspondido a uma taxa de juro próxima da taxa de equilíbrio. Esta evolução só terá sido possível devido a uma contracção muito significativa da procura de crédito (deslocação de D0 para D1) Uma alteração entre a taxa de equilíbrio e taxa administrada deverá ter ocorrido depois de A Figura 11 descreve a fase final do século XVIII que tem a particularidade de assistir a uma descida das taxas de juro, deixando de ser operativo o tecto administrado, mas perpetuando a contracção das quantidades. Figura 11- Período de Ao longo deste período final do século XVIII, mesmo havendo uma pequena redução da oferta (deslocação de S0 para S1), ter-se-á verificado a continuação da contracção da procura de crédito, mais do que suficiente para compensar o efeito de racionamento introduzido pelo limite da taxa de juro de 5%, (deslocando-se a curva da procura de D0 para D1) É possível conjecturar que essa contracção da procura, resultante eventualmente da recessão da actividade geral da economia, terá feito com que a taxa de 9 Alvará de 26 de Setembro de

20 juro em equilíbrio se tornasse inferior ao limite legal. Ou, seja, a taxa de juro de equilíbrio estaria próximo e por vezes inferior a 5%. Em síntese, considera-se verosímil a hipótese de racionamento do crédito até E se o limite deixa de ser operativo por contracção da procura, esta periodização do século XVIII compagina-se com conclusões de anteriores trabalhos incidentes na oferta de moeda. Também aqui se identificaram sinais de economia em recessão nas duas últimas décadas do século (Costa, Rocha, Sousa 2013). Além disso, verificou-se que a promulgação da lei no ano de 1757 não se inseriu numa tendência marcadamente altista, que eventualmente se seguisse ao terramoto. A legislação que alega os elevados juros praticados devolve uma avaliação do mercado que os contratos não confirmam. Encontrou-se uma tendência descendente desde 1715, que parte de taxas de 6,25% e que atinge os 4,9% em Apesar da evolução descendente, em 1756, no ano anterior à promulgação do alvará, as taxas médias praticadas em Portugal estavam a 5,6%, isto é, 0,6 pontos percentuais acima do limite que será fixado e do que era corrente no crédito privado londrino, igualmente sujeito a este tecto administrado. Até 1757, a evolução das taxas de juro indicam um ponto de equilíbrio parcial em regime de mercado livre. Tendo estes créditos como colaterais em muitos casos terras e quintas, estes valores dão informação relevante para uma análise comparada com outros rendimentos, nomeadamente com a renda da terra (Allen, 1988). Não é este o tópico central deste trabalho, mas não deixa de importar reconhecer que a fixação do juro a 5% aproximaria a rentabilidade do dinheiro emprestado à renda esperada em investimentos nos campos da cidade, sugerindo que aplicações de liquidez em empréstimos a juro anteriormente à promulgação do alvará seriam melhor remuneradas. Recorde-se que o valor da terra no mercado fundiário (Serrão, 2000 e Fonseca, 1996, p. 179) era calculado por 20 anos de renda, o que a igualava a 5%. Além disso, desejando o mesmo legislador cooptar fundos para as grandes companhias coloniais, com promessa de dividendos não inferiores a 11% (Carreira, 1988), é possível que a alegação do preâmbulo da lei cale outras intenções, pois asseguraria com o tecto de 5% que a liquidez disponível se canalizaria para investimentos considerados prioritários pelas decisões da grande política ultramarina. Sendo ou não ocultada a totalidade de intenções da regulamentação, tornar a oferta o lado mais curto do mercado não deveria fazer parte dos objectivos. Resta cotejar as 20

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

Para Crescer Sustentadamente

Para Crescer Sustentadamente Preparar a Reestruturação da Dívida Para Crescer Sustentadamente Nenhuma estratégia de combate à crise poderá ter êxito se não conciliar a resposta à questão da dívida com a efectivação de um robusto processo

Leia mais

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Cria um instrumento financeiro denominado obrigações hipotecárias. B.O. n.º 40 - I Série Decreto n.º 63/99 de 2 de Novembro O presente diploma, dando sequência à reforma

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal. Pedro Silva Martins*

A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal. Pedro Silva Martins* A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal Pedro Silva Martins* A rotatividade dos trabalhadores nas empresas é uma realidade bem conhecida dos gestores de recursos humanos. Seja por iniciativa do empregador

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca Ana Tavares Lara Pereira José Gomes Armindo Fernandes Dezembro de 2011 COMO TUDO COMEÇOU

Leia mais

RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise

RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise Ana Isabel Quinteiro Lopes Gonçalves Loureiro, Faculdade de Economia do Porto Bárbara Andrea Pereira Ribeiro, Faculdade de Economia

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECÓNOMIA E GESTÃO 2001/2001 2.º TRABALHO ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

Norma Internacional de Relato Financeiro 2

Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Pagamento com Base em Acções OBJECTIVO 1 O objectivo desta IFRS é especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Análise de Projectos ESAPL / IPVC Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Uma definição de empresa Uma empresa é um sistema em que se coordenam, para

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

Novas regras na habitação

Novas regras na habitação Novas regras na habitação PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 7 DE JANEIRO DE 2013 POR JM A lei n.º 59/2012, de novembro, cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o decreto-lei

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Lei quadro da Dívida Pública

Lei quadro da Dívida Pública Lei quadro da Dívida Pública Lei n.º 7/98 de 3 de Fevereiro (com as alterações introduzidas pelo artigo 81º da Lei n.º 87-B/98, de 31 de Dezembro) Regime geral de emissão e gestão da dívida pública A Assembleia

Leia mais

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Análise económica e financeira realizada às Farmácias Comunitárias em Portugal, com base em informação histórica relativa a 2010 e informação prospetiva

Leia mais

Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro

Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro No nosso país, é generalizada a prática de as instituições de crédito exigirem, como condição sine qua non da concessão de crédito à habitação, a contratação,

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886 IAPMEI - Legislação - Legislação Nacional - Incentivos-Portaria 1102/2010 de 25 de... Page 1 of 24 Portaria nº 1102/2010 de 25 de Outubro de 2010 DR 207 - SÉRIE I Emitido Por Ministério da Economia, da

Leia mais

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL*

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem como objectivo calcular um Índice de Condições Monetárias (ICM) para a economia portuguesa, o qual constitui

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO

APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO Alves da Rocha GENÉRICO O Papa Francisco recentemente escreveu no Twitter do Romano Pontífice que a desigualdade é a

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A.

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Economia e Gestão - 2000/2001 Trabalho nº1 Análise Económico Financeira

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Lei nº 9/95 de 15 de Setembro Nos termos da Lei constitucional, o sistema económico e social do País assenta na coexistência dos diversos tipos de propriedade,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 - Estabilidade e Supervisão do Sistema Financeiro 1. Estabilidade do Sistema Financeiro O Banco de Cabo Verde tem, de entre as suas

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 91 12 de Maio de 2009 2829 Artigo 8.º Garantias do Estado 1 Os créditos concedidos pelo Estado ao abrigo da presente linha de crédito gozam de privilégio imobiliário

Leia mais

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 Capitalização de Gastos com Empréstimos Obtidos 4 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Tribunal Constitucional

Leia mais

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Enquanto o mercado dos produtos e serviços financeiros foi regulado de forma administrativa, a procura que lhes era dirigida defrontava condições do lado da oferta

Leia mais

Mercado de Operações de Intervenção (MOI)

Mercado de Operações de Intervenção (MOI) Mercado de Operações de Intervenção (MOI) CAPÍTULO I. DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES CAPÍTULO III. OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO III.1. MODALIDADES DE EXECUÇÃO DAS OPERAÇÕES III.1.1.

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 1 Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 2 Taxas Bilaterais Taxas Efectivas 3 4 Bilateral Nominal and Real Exchange Rates: Rand/Meticais

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Introdução O desconto é um dos mais importantes, e também dos mais difíceis, conceitos em economia. Através das taxas de juro, as questões do desconto atravessam

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º Exclusão da aplicação ao "Contrato de Gestão Discricionária de Valores Mobiliários" da alínea e) do n.º 27 do artigo 9.º

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO)

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) 1 A FUNÇÃO PROCURA AGREGADA No final deste texto o leitor deverá ser capaz de: Compreender o conceito de função de procura agregada. Entender a curva de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

ANÁLISE DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO

ANÁLISE DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO ANÁLISE DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto José Fernando Oliveira CONCEITO DE PROJECTO DE INVESTIMENTO Em termos gerais, um projecto de investimento pode ser

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais