PROC 001 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC NORMAS DE CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS (NAPV)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROC 001 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC NORMAS DE CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS (NAPV)"

Transcrição

1 PROC 001 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC NORMAS DE CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS (NAPV) Estabelece regras para a emissão e uso de crachá do TESC, bem como de controle de acesso de pessoas e veículos

2 Por ordem da Diretoria do TESC, a Supervisora de Segurança Portuária, com base no Plano Nacional de Segurança Pública Portuária, no ISPS Code, Resoluções 12, 13 e 22 da CONPORTOS, IN 003/2008 e 001/2010 da APSFS e Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de 2011, resolve instituir a NAPV do TESC. EMISSÃO DE CRACHÁ Capítulo I. Disposições preliminares Artigo 1º. O ingresso, a permanência e a movimentação de pessoas na área alfandegada do TESC somente serão possíveis mediante a utilização de crachás e confirmação dos dados de identificação, autorização de acesso e prazo de vigência da autorização. Parágrafo Primeiro. O ingresso, a permanência e a movimentação de veículos na área alfandegada do TESC somente serão possíveis mediante confirmação dos dados de identificação, autorização de acesso e prazo de vigência da autorização. Parágrafo Segundo. Não se sujeitam à regra do caput: a) os tripulantes, conforme previsão do artigo 17, 4º da Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de 2011; b) os visitantes de eventos abertos ao público, conforme previsão do artigo 18 da Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de 2011; c) os acessos pelo portão do píer; e

3 d) os acessos pelo portão da portaria. Parágrafo Terceiro. Para a hipótese da letra b, deverá a Unidade de Segurança providenciar o isolamento dos locais de atracação e movimentação de carga, bem assim controlar o fluxo de pessoas. Parágrafo Quarto. A utilização dos portões das letras c e d será solicitada à Unidade de Segurança, a qual terá a incumbência de abrir e fechar, be-m como de registrar em planilha o nome do responsável pelo pedido de utilização, o motivo, a data e hora da abertura e fechamento. Artigo 2º. O uso do crachá não dispensa o porte dos documentos oficiais de identificação (RG, CPF, CNH ou Passaporte para estrangeiros) e capacitação (CNH e certificado de curso MOPP). Artigo 3º. O crachá é de uso pessoal, intransferível e obrigatório para acessar, circular, permanecer e sair das dependências do TESC, sendo seu portador e a empresa que o vinculou os responsáveis por sua utilização, guarda e conservação. Artigo 4º. A emissão de crachá do TESC é realizada pelo setor de inteligência da Unidade de Segurança. Capítulo II. Tipos de crachá Artigo 5º. O TESC poderá emitir os seguintes crachás:

4 a) Crachá definitivo b) Crachá provisório c) Crachá de visitante Capítulo III. Crachá definitivo Artigo 6º. O crachá definitivo de pessoas seguirá o seguinte esquema de letras, conforme o nível de acesso do seu portador: a) A Armazém b) E Embarcação c) P Pátio e píer d) R Rua Artigo 7º. O crachá definitivo poderá ser emitido para as seguintes pessoas físicas: a) Autoridades e agentes intervenientes no comércio exterior; b) Empregados do grupo TESC; c) Funcionários da APSFS; e

5 d) Usuários. AUTORIDADES E AGENTES INTERVENIENTES NO COMÉRCIO EXTERIOR Artigo 8º. Para fins de atendimento deste procedimento, consideram-se autoridades e agentes intervenientes no comércio exterior as pessoas relacionadas nos incisos I e II do art. 17, da Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de Artigo 9º. A emissão de crachá para as autoridades intervenientes no comércio exterior será mediante ofício da chefia imediata do funcionário público com atividades em área portuária informando apenas o nome e o último sobrenome, CPF, RG, data de nascimento, além da função que exerce. Parágrafo Primeiro. O prazo para envio do crachá solicitado será de 48 horas a partir do recebimento do ofício. Parágrafo Segundo. A emissão de crachá para autoridades e agentes intervenientes no comércio exterior será isenta do pagamento da taxa para a compra do crachá. Artigo 10. O crachá das autoridades e agentes intervenientes no comércio exterior será de cor verde, terá os níveis de acesso AEPR, bem como o nome do órgão ao qual é vinculado, o nome e o último sobrenome. Artigo 11. A validade do crachá das autoridades e agentes intervenientes no comércio exterior será de dois anos, sendo de responsabilidade da Unidade de Segurança solicitar a atualização dos dados dos servidores de cada órgão interveniente 60 dias antes de expirar o prazo.

6 Artigo 12. Compete ao órgão requisitante recolher o crachá do funcionário desligado ou transferido e encaminhar à Unidade de Segurança, de forma que esta possa realizar os procedimentos de invalidação descritos neste procedimento. EMPREGADOS DO GRUPO TESC Artigo 13. Todos os empregados do grupo TESC receberão crachá, cabendo ao setor de RH informar a Unidade de Segurança, via sistema Ronda Acesso, sobre todas as contratações. Parágrafo Único. A emissão do 1º crachá para os empregados do grupo TESC será isenta do pagamento da taxa para a compra do crachá, sendo que, em caso de extravio, será descontado o respectivo valor (ANEXO I) dos seus rendimentos. Artigo 14. O crachá dos empregados do grupo TESC será na cor azul, terá o nível de acesso definido conforme respectiva descrição de cargo e conterá o departamento, o RG, a data de admissão, a matrícula, o nome e sobrenome, além da foto. Artigo 15. A validade do crachá dos empregados do grupo TESC será de dois anos ou até que se encerre o contrato de trabalho. Parágrafo Único. Compete ao RH recolher o crachá do empregado desligado até o momento da assinatura da rescisão contratual, bem como encaminhar o crachá à Unidade de Segurança, de forma que esta possa realizar os procedimentos de invalidação descritos neste procedimento.

7 FUNCIONÁRIOS DA APSFS Artigo 16. Os funcionários da Administração do Porto de São Francisco do Sul que exercem funções dentro da área do TESC receberão crachá, a saber: a) Presidente; b) Diretores; c) Gerentes de operação e segurança portuária; d) Prático de terra; e e) Supervisores de segurança. Artigo 17. A emissão de crachá para os funcionários da APSFS será mediante ofício do RH informando departamento, o nome e o último sobrenome, CPF, RG e data de nascimento. Parágrafo Primeiro. A APSFS, junto com o ofício previsto no caput, deverá encaminhar a foto dos funcionários que precisam do crachá em meio digital nos formatos BMP, GIF, JPG ou PNG. Parágrafo Segundo. O prazo para envio do crachá solicitado será de 48 horas a partir do recebimento do ofício.

8 Parágrafo Terceiro. A emissão do 1º crachá para funcionários da APSFS com funções na área alfandegada do TESC será isenta do pagamento da taxa para a compra do crachá, sendo que, no caso de extravio, incidirá a cobrança da taxa prevista no ANEXO I. Artigo 18. O crachá dos funcionários da APSFS será de cor marrom, terá os níveis de acesso AEPR, bem como a identificação da APSFS, o nome e o último sobrenome, além da foto. Artigo 19. A validade do crachá dos funcionários da APSFS será de dois anos, sendo de responsabilidade da chefia imediata atualizar os dados dos servidores 30 dias antes de expirar o prazo. Parágrafo Único. Compete, ainda, à chefia imediata recolher o crachá do funcionário desligado ou transferido e encaminhar à Unidade de Segurança, de forma que esta possa realizar os procedimentos de invalidação descritos neste procedimento. USUÁRIOS Artigo 20. São considerados usuários, para fins desse procedimento: a) Operador portuário; b) Despachante e ajudante de despachante aduaneiro; c) Agente marítimo; d) Despachante marítimo;

9 e) Motoristas de veículos de carga; f) Trabalhadores Portuários Avulsos; g) Empregados do OGMO; h) Fornecedores e prestadores de serviços; i) Práticos; j) Empregados de empresas instaladas no TESC; e k) Autônomos (Despachantes aduaneiros, despachantes marítimos, motoristas de veículos de cargas, peritos). Artigo 21. A emissão de crachá definitivo do TESC para os usuários obedecerá as seguintes etapas: 1ª) Solicitação de cadastro da empresa ou autônomos vinculante no banco de dados do TESC; 2ª) Cadastramento das pessoas vinculadas à empresa solicitante ou autônomos; e 3ª) Solicitação de emissão de crachá definitivo do TESC para pessoas. Artigo 22. As etapas descritas no artigo anterior serão executadas, de acordo com a Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de 2011, por pessoa jurídica ou atônomos que exerçam atividade frequente e regular na área alfandegada do TESC. Parágrafo Primeiro. Considera-se frequente, segundo o disposto no artigo 9º, parágrafo único, da Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de 2011, o acesso de empregado vinculado à pessoa jurídica solicitante, com motivação, por mais de 3 (três) vezes, seguidas ou não.

10 Parágrafo Segundo. No caso dos despachantes aduaneiros, despachantes marítimos, motoristas de veículos de cargas e peritos, classificados como autônomos, competirá à estas pessoas a execução deste procedimento. Parágrafo Terceiro. A emissão de crachá para os funcionários do OGMO será mediante ofício do RH informando departamento, o nome completo, CPF, RG, data da vacina de febre amarela, e data de nascimento. Parágrafo Quarto.O procedimento para cadastramento dos trabalhadores portuários avulsos será realizado através de integração entre os sistemas de escalação do OGMO e de controle de acesso do TESC. Parágrafo Quarto. O OGMO, junto com o ofício ou integração entre os sistemas, deverá encaminhar a foto dos funcionários ou dos trabalhadores portuários avulsos que precisam do crachá em meio digital nos formatos BMP, GIF, JPG ou PNG. Solicitação de cadastro da empresa vinculante no banco de dados do TESC Artigo 23. Por meio do usuário tesc e senha tesc, o representante legal da empresa solicitante, com poderes de comprometimento, ou autônomo, deverá fazer o pedido de cadastro. Artigo 24. O pedido de cadastro será feito eletronicamente, por meio do formulário Solicitação de cadastro de empresa, mesmo nos casos de autônomos, disponível no link Ronda Acesso site Parágrafo Primeiro. Uma vez preenchidos todos os dados do formulário, serão gerados uma petição de pedido de autorização de acesso e indicação de responsável perante o banco de dados de crachá (Anexo I

11 do formulário de solicitação de cadastro de empresa) e um termo de responsabilidade perante o banco de dados de crachá (Anexo II do formulário de solicitação de cadastro de empresa). Parágrafo Segundo. A partir do cumprimento do parágrafo anterior, deverá a empresa solicitante ou autônomo, no prazo de 15 (quinze) dias corridos, protocolar os seguintes documentos junto ao credenciamento do TESC, sob pena de cancelamento no sistema: Para empresas: a) Formulário de pedido de cadastro assinado pelo proprietário da empresa ou pessoa responsável comprovada por procuração (Anexo I, do formulário de solicitação de cadastro de empresa no sistema Ronda Acesso); b) Formulário de pedido de cadastro assinado pelo responsável do banco de dados (Anexo II do formulário de solicitação de cadastro de empresa no sistema Ronda Acesso); c) Formulário de pedido de cadastro assinado pelo proprietário da empresa ou pessoa responsável comprovada por procuração (Anexo III do formulário de solicitação de cadastro de empresa no sistema Ronda Acesso); d) Documentos de identificação com foto dos indicados para atuar como responsável perante o banco de dados informados no Anexo II, para este caso não será monitorada a validade do documento. e) Contrato social ou estatuto referente à constituição da pessoa jurídica e às eventuais alterações, devidamente registrados no órgão competente, de forma a comprovar que o signatário do pedido tenha poderes de representação da empresa; f) Procuração do proprietário da empresa dando poderes de representação em órgãos públicos e empresas privadas.

12 g) Comprovante de atividade da empresa que justifique a necessidade de ingresso na área portuária (CNPJ); e h) Alvará de funcionamento dentro da validade (que será a validade do cadastro no sistema) Para autônomos: i) Formulário de pedido de cadastro assinado pelo autônomo (Anexos I, II e III do formulário de solicitação de cadastro de empresa no sistema Ronda Acesso); j) Documentos de identificação com foto dos indicados para atuar como responsável perante o banco de dados informados no Anexo II, para este caso não será monitorada a validade do documento. k) Declaração de prestação de serviço como autônomo da(s) empresa(s) solicitante(s);e l) Comprovante de residência. Parágrafo Terceiro. Em casos que os usuários também forem fornecedores ou prestadores de serviço do Tesc, os documentos dos itens e, g, e h serão retirados de uma pasta na rede compartilhada com o nome Controle de Fornecedores. Parágrafo Quarto. O assistente de credenciamento poderá realizar as etapas descritas nos artigos 23 e 24 deste procedimento somente com autorização do Supervisor de segurança enviada por . Parágrafo Quinto. A aprovação do cadastro da empresa com documentos faltantes poderá ser concedida somente com autorização do Supervisor de segurança enviada por . Artigo 25. Depois de recebidos todos os documentos acima listados, a Unidade de Segurança do TESC, no prazo de 24 horas e por meio do Assistente de Credenciamento, fará a análise do pedido e, se tudo estiver ok, informará sobre a validade do cadastro da empresa solicitante e liberará, via , uma senha para o

13 representante perante o banco de dados de crachá ter acesso à aba cadastro no link Ronda Acesso site Caso contrário, concederá o prazo de 5 (cinco) dias úteis para a empresa solicitante regularizar a documentação. CADASTRAMENTO DAS PESSOAS VINCULADAS À EMPRESA SOLICITANTE Artigo 26. O cadastramento das pessoas vinculadas à empresa solicitante ou autônomos será feito no formulário de cadastro de terceiros disponível no link Ronda Acesso site e compreenderá a inserção de dados, bem como a digitalização dos seguintes documentos: a) Fotografia em meio digital no formato BMP, GIF, JPG ou PNG; b) Cópia do CPF (se não constar em outro documento); c) Cópia do documento de identidade - RG, RNE ou Passaporte (se não constar em outro documento); d) Cópia da CNH, para todos os motoristas, com categoria compatível com o veículo e tipo de carga (a CNH poderá servir como documento comprobatório dos documentos CPF e RG); e) Comprovante de vinculo empregatício - cópia da carteira de trabalho ou do contrato de prestação de serviço de autônomo para comprovação do vínculo com a empresa vinculante; f) Cópia do comprovante de vacinação da febre amarela; g) Cópia do curso MOPP para todos os motoristas que transportam carga perigosa, inclusive fornecedores ou anotação na CNH como HAB PROD PERIGOSOS; h) Comprovante de pagamento da compra do crachá (ANEXO II), exceto para a 1ª emissão de crachá para empregados do OGMO que exercem funções operacionais e até a 5ª emissão para o trabalhador portuário avulso.

14 i) Comprovante de integração. Parágrafo Primeiro. Entende-se por vínculo qualquer relação de trabalho ou de prestação de serviço entre uma pessoa e seu vinculante no banco de dados do TESC. Parágrafo Segundo. É possível a vinculação de uma mesma pessoa a mais de uma empresa, desde que exista um vinculo empregatício válido entre a pessoa as empresas. Parágrafo Terceiro. No caso de pessoa vinculada a mais de uma empresa, ela receberá os crachás respectivos de cada empresa. SOLICITAÇÃO DE EMISSÃO DE CRACHÁ DEFINITIVO DO TESC PARA PESSOAS Artigo 27. Depois de encerrado o cadastro das pessoas e digitalizados os documentos pela empresa solicitante ou autônomo, a Unidade de Segurança, no prazo de 48 horas, fará a análise e decidirá sobre a quantidade de pessoas que se quer o credenciamento, locais de acesso, prazo de validade do crachá, que será igual ao cadastro da empresa solicitante, não superior a data de validade do alvará de funcionamento informado e se tudo estiver ok, emitirá e informará ao solicitante, também em 48 horas úteis, a retirada dos crachás solicitados. Caso contrário, concederá o prazo de 5 (cinco) dias úteis para a empresa solicitante regularizar a documentação. Parágrafo Primeiro. A empresa solicitante, por meio de seu representante legal, terá o prazo até o término do contrato vigente da empresa, para retirar os crachás solicitados, sob pena de destruição do crachá não retirado e perda do valor pago, cabendo à Unidade de Segurança comunicar o fato, via portal web, à RFB.

15 Parágrafo Segundo. Ao retirar o crachá o usuário deverá assinar o comprovante de retirada de crachá no credenciamento, que será digitalizado e inserido no cadastro do usuário no sistema de controle de acesso. Artigo 28. O crachá dos usuários terá os seguintes níveis de acesso: a) Operador portuário: AEPR b) Despachante e ajudante de despachante aduaneiro: APR c) Agente marítimo: AEPR d) Despachante marítimo: AEPR e) Motoristas de veículos de carga: APR f) Trabalhadores Portuários Avulsos: AEPR, exceto TPA s da categoria arrumadores, cujo crachá conterá as letras APR g) Empregados do OGMO: APR, exceto integrantes do SESSTP e fiscais, cujo crachá conterá as letras AEPR h) Fornecedores e prestadores de serviços: APR, exceto fornecedores de navio, cujo crachá conterá as letras AEPR i) Práticos: AEPR j) Empregados de empresas instaladas no TESC: APR k) Autônomos - com atividades a bordo: AEPR - com atividades no armazém: APR - com atividades de motoristas: PR Artigo 29. O crachá dos usuários conterá o nome da empresa vinculante ou autônomo, o nome e o último sobrenome, além da foto, obedecendo ao seguinte critério de cores:

16 a) Operador portuário, despachante e ajudante de despachante aduaneiro, agente marítimo, despachante marítimo e práticos: cor laranja; b) Motoristas de veículos de carga, bem como seus representantes da classe, ou funcionários de transportadoras: cor cinza; c) Fornecedores e prestadores de serviços: cor amarela; d) Trabalhadores portuários avulsos e empregados do OGMO: cor branca; e e) Autônomos: de acordo com a categoria das letras "a", "b" e "c". Artigo 30. A validade do crachá não será superior à validade do cadastro da empresa solicitante. Parágrafo Primeiro. A validade do crachá será informada, via sistema, à empresa vinculante e não constará do crachá, mas somente do sistema. Parágrafo Segundo. A empresa vinculante, antes de 30 dias do prazo de vencimento da validade do crachá, deverá solicitar, eletronicamente, a revalidação, cabendo à Unidade de Segurança avaliar o cadastro da empresa e do portador a fim de verificar os documentos a seguir: Para Empresas: a) Formulário de pedido de cadastro assinado pelo proprietário da empresa ou pessoa responsável comprovada por procuração (Anexo I, do formulário de solicitação de cadastro de empresa no sistema Ronda Acesso); b) Formulário de pedido de cadastro assinado pelo responsável do banco de dados (Anexo II do formulário de solicitação de cadastro de empresa no sistema Ronda Acesso);

17 c) Formulário de pedido de cadastro assinado pelo proprietário da empresa ou pessoa responsável comprovada por procuração (Anexo III do formulário de solicitação de cadastro de empresa no sistema Ronda Acesso); d) Documentos de identificação com foto dos indicados para atuar como responsável perante o banco de dados informados no Anexo II, para este caso não será monitorada a validade do documento. e) Cópia do contrato social (necessário somente se houver alteração) f) Cartão CNPJ (necessário somente se houver alteração) g) Alvará de funcionamento dentro da validade (que será a validade do próximo cadastro no sistema) Para autônomo: h) Formulário de pedido de cadastro assinado pelo autônomo (Anexos I, II e III do formulário de solicitação de cadastro de autônomo no sistema Ronda Acesso); i) Cópia de documento com foto do(s) representante(s) perante o banco de dados do sistema de controle de acesso. j) Declaração de prestação de serviço como autônomo da(s) empresa(s) solicitante(s);e Comprovante de residência. Parágrafo Terceiro. Em casos que os usuários também forem fornecedores ou prestadores de serviço do Tesc, os documentos dos itens e, f, e g serão retirados de uma pasta na rede compartilhada com o nome Controle de fornecedores.

18 Parágrafo Quarto. O crachá não validado no prazo do parágrafo anterior será bloqueado no sistema e o fato comunicado, via portal web, à RFB, devendo a empresa interessada no desbloqueio aguardar as instruções deste órgão para regularizar a situação. Artigo 31. Compete à empresa solicitante recolher o crachá do empregado desligado ou transferido e encaminhar à Unidade de Segurança, de forma que esta possa realizar os procedimentos de invalidação descritos neste procedimento. Capítulo IV. Crachá provisório Artigo 32. O crachá provisório para pessoas será utilizado apenas no caso de perda, furto ou roubo com a apresentação de Boletim de Ocorrências registrado na Polícia Civil, e deverá ser comunicado na forma do art. 37, sendo vedado o acesso em caso de não cumprimento deste dispositivo. Parágrafo Único. O crachá provisório seguirá o mesmo critério de cores dos crachás definitivos e conterá a inscrição provisório e numeração do crachá. Capítulo V. Crachá de visitante Artigo 33. O crachá de visitantes será utilizado por pessoa ou veículo cuja motivação justifique o ingresso na área alfandegada do TESC, mas que ainda não tenha atingido o quesito frequência descrito no artigo 22, 1º deste procedimento. Parágrafo Primeiro. O crachá de visitante será na cor vermelha e conterá a inscrição visitante, os níveis de acesso, descritos no artigo 6 deste procedimento e a numeração do crachá.

19 Parágrafo Segundo. A prestação de qualquer serviço, seja este no pátio ou em embarcações, não é motivação válida para emissão de crachá de visitante, independente de não ter atingido o quesito de freqüência descrito no artigo 22, 1º deste procedimento. Cabendo ao solicitante da prestação de serviço procurar o departamento de Segurança de Trabalho para tal liberação. A segurança do trabalho por sua vez, fará a liberação do acesso por a Unidade de Segurança. Capítulo VI. Biometria Artigo 34. O portador de crachá definitivo emitido pelo TESC terá o prazo de 48 horas úteis para comparecer ao credenciamento e registrar a biometria da mão para aqueles que acessarem o TESC pela portaria principal e portaria da divisa e/ou do dedo para aqueles que acessarem o TESC pelos gates de entrada, saída e divisa. Capítulo VII. Cancelamento e destruição de crachá autorizado Artigo 35. O credenciamento, ao receber um crachá para inutilização, fará imediatamente o cancelamento no sistema de controle de acesso da pessoa ou veículo autorizado, bem como providenciará o corte do crachá em 4 (quatro) pedaços, destinando um dos pedaços à RFB juntamente com ofício de acompanhamento e descartando os demais. Artigo 36. No caso de desligamento de uma das empresas do portador de crachá com mais de um vínculo, haverá o cancelamento e destruição do crachá somente da empresa que o portador de crachá foi desligado. Artigo 37. A perda, furto ou roubo de crachá do TESC deverão ser comunicados imediatamente à Unidade de Segurança, com a apresentação de Boletim de Ocorrência, para que esta proceda ao cancelamento do crachá em seu sistema de controle de acesso e à comunicação do fato, via portal web, à RFB.

20 Artigo 38. O cancelamento e destruição de crachá de pessoa e veículo desvinculados não implicam na devolução do preço pago pelo crachá. Capítulo VIII. Cadastramento de veículos Artigo 39. O cadastramento de veículos poderá ser feito para as seguintes pessoas jurídicas e físicas: a) Grupo TESC; b) Órgãos intervenientes no comércio exterior; c) Operadores portuários; k) Agentes marítimos; l) Fornecedores e prestadores de serviços; d) Transportadoras de cargas; e) Motoristas de carga autônomos; e f) Empresas instaladas no TESC. Artigo 40. O cadastramento dos veículos do grupo TESC será mediante solicitação do usuário à Unidade de Segurança informando o código RENAVAM, marca, modelo, cor e placa, além da numeração do chassi do veículo. Parágrafo Primeiro. A validade do cadastramento será de 1 (um) ano contado da data do licenciamento regular no exercício correspondente.

21 Parágrafo Segundo. Compete ao usuário informar a baixa de veículo cadastrado e não mais utilizado à Unidade de Segurança, de forma que esta possa recolher o crachá e realizar os procedimentos de invalidação descritos neste procedimento. Artigo 41. O cadastramento dos veículos dos órgãos intervenientes no comércio exterior será mediante ofício da chefia informando o código RENAVAM, marca, modelo, cor e placa, além da numeração do veículo registrado do órgão interveniente, se este possuir. Parágrafo Primeiro. A validade do cadastramento de veículo será de 1 (um) ano contado da data do licenciamento regular no exercício correspondente. Parágrafo Segundo. Compete ao órgão requisitante informar a baixa de veículo cadastrado e não mais utilizado à Unidade de Segurança, de forma que esta possa realizar os procedimentos de invalidação descritos neste procedimento. Artigo 42. O cadastramento dos demais veículos deve ser somente daqueles utilizados, exclusivamente, nas atividades operacionais que necessitem de transporte de volumes e que sejam de propriedade ou locados pela pessoa jurídica vinculante ou autônomo autorizado. Artigo 43. O cadastramento de veículos vinculados à empresa solicitante ou autônomo será feito no formulário de cadastro de veículos disponível no link Ronda Acesso site ou no credenciamento do Tesc e compreenderá a inserção de dados, bem como digitalização de documentos: Parágrafo Único. É possível a vinculação de mais de um veículo por empresa.

22 Artigo 44. Após encerradas as etapas do cadastramento, a empresa solicitante ou autônomo deverá digitalizar os seguintes documentos originais e inserir no sistema, disponível no link Ronda Acesso - site sob pena de cancelamento do cadastro no sistema, ou poderá ser realizada no credenciamento: a) Licenciamento; b) Registro nacional de Transportador Rodoviário de Carga - RNTRC, observado disposto no CTB e em normativos da ANTT e do Contran no caso de veículos de carga; e c) CIPP (Certificado de Inspeção de Produtos Perigosos) e Licença Ambiental para Transportes de Produtos Perigosos, no caso de veículos que forem transportar produtos perigosos. Retirado o item de comprovante de pagamento de seguro obrigatório Artigo 45. Depois de inseridos todos os documentos acima listados, a Unidade de Segurança do TESC, no prazo de 48 horas úteis, fará a análise e, se tudo estiver ok, realizará a vistoria (ANEXO III), prevista no art. 22, 1º da Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de 2011, que não será superior a 48 horas úteis, para a confirmação dos dados cadastrados do veículo. Caso contrário, concederá o prazo de 5 (cinco) dias úteis para a empresa solicitante regularizar a documentação e marcará nova data para a vistoria do veículo. Parágrafo Único. A Unidade de Segurança, na mesma oportunidade de conferência física dos dados do veículo inseridos no sistema de controle de acesso, irá verificar o cumprimento do disposto no artigo 30, 1º, da Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de Artigo 46. Após 48 horas da realização da vistoria (ANEXO III) prevista no artigo anterior, a Unidade de Segurança fará a análise do processo e se tudo estiver ok informará o solicitante, também em 48 horas.

23 Artigo 47. A validade do cadastramento será de 1 (um) ano contado da data do licenciamento regular no exercício correspondente, não podendo, todavia, ser superior à validade do cadastro da empresa solicitante. Parágrafo Primeiro. A validade do cadastramento será informada, via sistema, à empresa vinculante e somente do sistema. Parágrafo Segundo. A empresa vinculante, antes de 30 dias do prazo de vencimento da validade do cadastramento, deverá solicitar, eletronicamente, a revalidação, cabendo à Unidade de Segurança avaliar o cadastro da empresa e do veículo a fim de verificar quais os documentos e procedimentos necessários para tal. Parágrafo Terceiro. O cadastramento não validado no prazo do parágrafo anterior será bloqueado no sistema e o fato comunicado, via portal web, à RFB, devendo a empresa interessada no desbloqueio aguardar as instruções deste órgão para regularizar a situação. Artigo 48. Compete à empresa solicitante informar a baixa de veículo cadastrado e não mais utilizado à Unidade de Segurança, de forma que esta possa realizar os procedimentos de invalidação descritos neste procedimento. CONTROLE DE ACESSO Capítulo IX. Disposições Preliminares Artigo 49. O controle de acesso na área do TESC é exercido pela Unidade de Segurança, servindo para fiscalizar o ingresso, permanência e movimentação de pessoas, veículos, embarcações, helicópteros, mercadorias, bens e cargas nos gates de entrada, saída e divisa, portaria principal e da divisa, píer, pátio, prédio administrativo e estacionamentos.

24 Artigo 50. O acesso de pessoas a qualquer área do TESC será restrito ao local de execução da atividade que justificou o ingresso. Parágrafo Primeiro. Considera-se área de acesso público aquelas de interesse do terminal, em que o acesso de pessoas ou veículos se dá sem restrições e sem necessidade de registro ou cadastramento, porém vigiadas ou monitoradas. Parágrafo Segundo. Considera-se área de acesso controlado o prédio administrativo, o estacionamento do prédio administrativo e o estacionamento dos empregados do TESC, em que o acesso de pessoas ou veículos se dá mediante identificação. Parágrafo Terceiro. Considera-se área de acesso restrito o setor de monitoramento e controle (SMC), o datacenter e toda a área alfandegada, em que o acesso de pessoas ou veículos se dá mediante cadastro, entre outras exigências, conforme o caso. Artigo 51: O acesso de pessoas à área alfandegada poderá ser pela portaria principal e da divisa, gate de saída, entrada e divisa, píer, portão píer, portão Museu do Mar e pátio (helicóptero). Parágrafo Primeiro. O acesso de pessoas pelo gate somente é permitido ao motorista, devendo todos os demais passageiros do veículo passar obrigatoriamente pela portaria. Parágrafo Segundo. O acesso de pessoas à área alfandegada pelo píer do TESC será somente de tripulantes das embarcações atracadas no terminal e na hipótese do art. 6º, caput, da Portaria GAB/ALF/SFS nº 57, de 1º de setembro de 2011.

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO 1 ORIGEM problemas - ISPS Code CFRB, art.37, inciso XVII: A Administração Fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,

Leia mais

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom 1. OBJETIVO Este documento tem como objetivo descrever a metodologia para o Controle de Acesso, Entrada e Saída de Clientes Dentro ou Fora do Ambiente Housing., bem como a metodologia para o recebimento

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS

CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS Procedimentos 1. Introdução Este documento visa regulamentar o controle de acesso e permanência de pessoas e veículos nas dependências dos Órgãos da SECRETARIA

Leia mais

Elaborado por: Julho/2010. Versão 1.0. ABTRA Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados

Elaborado por: Julho/2010. Versão 1.0. ABTRA Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados Guia do Usuário BDCC Banco de Dados Comum de Credenciamento Introdução Cadastre sua Empresa Elaborado por: ABTRA Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados Julho/2010 Versão 1.0 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital.

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital. ÍNTEGRA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto nos artigos 113 e 114 do Decreto n 53.151, de 17 de maio de 2012, RESOLVE:

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada).

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Conselho Nacional do Ministério Público O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO Prezados Srs. Transportadores O Sistema de Registro Eletrônico faz parte de um composto ( Averbação Eletrônica + Registro Eletrônico ), que propicia a Transportadora um rápido

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO 25/03/203 PSP-0. INTRODUÇÃO O Procedimento de Controle de Acesso tem como objetivo orientar e padronizar o procedimento de acesso de pessoas as fábricas, garantindo que somente pessoas autorizadas possam

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Revogado pela Portaria STJ n. 417 de 24 de outubro de 2012 PORTARIA N. 329 DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Superior Tribunal de Justiça.

Leia mais

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO 1. O QUE É O ISPS - CODE Trata-se de uma nova estrutura de normas internacionais, elaboradas pela Organização Marítima Internacional (IMO), pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU) e aprovada

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES Art. 1º - Este Regulamento Geral de Credenciamento e Exploração de Pátios Reguladores de Caminhões tem por finalidade

Leia mais

Normas e Procedimentos da Portaria

Normas e Procedimentos da Portaria Normas e Procedimentos da Portaria 1- Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais da portaria, visando proteger a integridade da FECAP e de seus usuários. Fixação de critérios

Leia mais

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Manual do usuário Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Índice Apresentação 03 O que é um Certificado Digital? 04 Instalando

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Página1 Certificado Digital e-cpf Manual do Usuário Página2 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?... 03 Instalando o Certificado... 04 Conteúdo do Certificado... 07 Utilização, guarda

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos esse manual, significa que você adquiriu um certificado digital AC Link. Manual do Usuário 1 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO CÓD. 200 ASSUNTO: ESTABELECE CRITÉRIOS DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA CÓD: APROVAÇÃO: Resolução nº 0098/94, de 15/12/1994 NORMA

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE. Solicitação de CAT N-LINE CREA-SP PASSO-A-PASSO

SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE. Solicitação de CAT N-LINE CREA-SP PASSO-A-PASSO SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE CAT Solicitação de CREA-SP N-LINE PASSO-A-PASSO 1 2 CREA-SP SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE: A QUALQUER HORA, EM QUALQUER LUGAR! O QUE É ACERVO TÉCNICO? É o conjunto das atividades

Leia mais

MANUAL DO BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO. Introdução Cadastro e Revalidação de Pessoa Jurídica Cadastro de Responsáveis perante o BDCC

MANUAL DO BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO. Introdução Cadastro e Revalidação de Pessoa Jurídica Cadastro de Responsáveis perante o BDCC MANUAL DO BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO Versão 1.1 Introdução Cadastro e Revalidação de Pessoa Jurídica Cadastro de Responsáveis perante o BDCC Santos 17 de Fevereiro de 2014 Documento: Manual

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. A DIRETORA EM EXERCÍCIO DO CÂMPUS DE PARANAÍBA da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS MANUAL DO TRANSPORTADOR

ESTADO DO PARANÁ TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS MANUAL DO TRANSPORTADOR ESTADO DO PARANÁ TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS MANUAL DO TRANSPORTADOR 2012 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO 2. QUEM PODE EXECUTAR O TRANSPORTE INTERMUNICIPAL COM FINS COMERCIAIS 2.1. QUE TIPO DE EMPRESA

Leia mais

TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal. Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se:

TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal. Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se: TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal 1. DEFINIÇÕES: Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se: EMPRESA CONCESSIONÁRIA Viação Atibaia

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS 1 - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 O Programa Bolsa Jovens Talentos para a Ciência (PJT- IC) tem como objetivo proporcionar a formação

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os processos de emissão de Certificados Digitais aos membros, servidores, equipamentos e aplicações do Ministério Público Federal.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999 REVOGADA PELA IN SEAP N 03/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO 1 - Definições: 1.1- o sistema de controle de acesso abrange a identificação, a permissão e o registro de entrada e saída de pessoas e veículos no âmbito das unidades acadêmicas

Leia mais

DA SEGURANÇA. A infringência aos artigos 1º e 2º implicará nas seguintes sanções: a) Comunicação por escrito solicitando a regularização.

DA SEGURANÇA. A infringência aos artigos 1º e 2º implicará nas seguintes sanções: a) Comunicação por escrito solicitando a regularização. Aprovação das alterações das cláusulas do Regulamento Interno (trechos destacados em amarelo e azul são trechos que foram feitas mudanças e/ou alterações) DA SEGURANÇA Art. 1º - Cada novo morador receberá

Leia mais

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Seção I Da Criação, da Captura e da Digitalização de Documentos Art.

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre normas de segurança e acesso aos prédios

Leia mais

Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT

Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT Disciplina a tramitação dos processos de habilitação, a ordem de apresentação dos documentos obrigatórios e da outras providencias. O PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO ESTADUAL

Leia mais

PORTARIA N.º 989, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA N.º 989, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA N.º 989, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema de Controle de Acesso às instalações da Procuradoria da República no Estado de São Paulo e dá outras providências. A PROCURADORA-CHEFE

Leia mais

TERMO DE ADESÃO DE USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO ITU. Para interpretação do Termo de Adesão e Uso do Loja Virtual VT Urbano Itu, considera-se:

TERMO DE ADESÃO DE USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO ITU. Para interpretação do Termo de Adesão e Uso do Loja Virtual VT Urbano Itu, considera-se: TERMO DE ADESÃO DE USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO ITU 1. Definições Para interpretação do Termo de Adesão e Uso do Loja Virtual VT Urbano Itu, considera-se: Empresa Concessionária: Viação Itu Ltda, pessoa

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI NOVEMBRO DE 2014 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI Este manual tem

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E SERVIÇOS

TABELA DE PREÇOS E SERVIÇOS TABELA DE PREÇOS E SERVIÇOS Esta TABELA DE PREÇOS E SERVIÇOS será aplicada a todos os usuários que na data da prestação do serviço não tenham assinado um acordo individual com a BTP - Brasil Terminal Portuário.

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU SALVADOR BA APROVADA NA REUNIÃO DE 16/02/2006 S U M Á R I O 1 - Objetivo 2 - Âmbito de aplicação 3 - Competências 4 - Definições

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

Secretaria de Gestão de Pessoas

Secretaria de Gestão de Pessoas PORTARIA Nº 125, DE8DEAGOSTODE 2013 Revoga a Instrução Normativa nº 03/2008. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, RESOLVE : Diretor-Geral. Art.1º Fica revogada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço nº 7 em 7/7/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre o controle de acesso, a utilização de crachá e a proteção das dependências internas no âmbito

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14

Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14 Instrução Normativa nº 1.473, de 02.06.14 DOU-1, de 04.06.14 Altera a Instrução Normativa RFB nº 800, de 27 de dezembro de 2007, que dispõe sobre o controle aduaneiro informatizado da movimentação de embarcações,

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204 ASSUNTO: MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PESSOAS CONTROLE DE ACESSO E CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDENCIAS DA EMPRESA APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 77, de 08/06/2015 COD. 200 VIGÊNCIA: 08/06/2015

Leia mais

Sobre o Cancelamento de Gravames. Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP

Sobre o Cancelamento de Gravames. Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP Sobre o Cancelamento de Gravames Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP Procedimentos para Solicitação do Desbloqueio de Cancelamento de Gravame De acordo com a portaria 2.762 de 28 de dezembro

Leia mais

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda.

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Portaria Conjunta CGA/CPM - 1, de 27-11-2012 Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Os Coordenadores da Coordenadoria Geral de Administração

Leia mais

3. DA SELEÇÃO E DOS CRITÉRIOS: 3.1. A seleção será operacionalizada pela Comissão Coordenadora de Programa do PPG-MATEMÁTICA.

3. DA SELEÇÃO E DOS CRITÉRIOS: 3.1. A seleção será operacionalizada pela Comissão Coordenadora de Programa do PPG-MATEMÁTICA. INSTITUTO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO No 034/2015 PROGRAMA DE MATEMÁTICA DOUTORADO E DOUTORADO DIRETO A Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*).

RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*). RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*). Dispõe sobre o sistema de Recolhimento da Arrecadação de Taxas de Fiscalização de Vigilância Sanitária e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte Verifique a documentação necessária. Atenção: Não há renovação nem prorrogação de passaporte, se o seu está

Leia mais

Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior

Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior Disposições gerais I-Viajantes Com Permanência No Exterior Superior A Um Ano Que Retornam Definitivamente Ao Brasil Ii - Viajantes Com

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS MANUAL DO CANDIDATO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS MANUAL DO CANDIDATO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS MANUAL DO CANDIDATO O presente Manual integra o conjunto de orientações voltadas

Leia mais

LEILÃO N. 05/2007 - UHE SANTO ANTÔNIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

LEILÃO N. 05/2007 - UHE SANTO ANTÔNIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS LEILÃO N. 05/2007 - UHE SANTO ANTÔNIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS Brasília, 30 de novembro de 2007 LEILÃO UHE SANTO ANTÔNIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1. PREÂMBULO Este Manual de Procedimentos foi desenvolvido

Leia mais

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para subcontratar serviços de transporte de cargas, sem exclusividade, subordinação e dependência, com a finalidade da realização da prestação de serviços de

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

Consignação Manual do Correspondente Consignação

Consignação Manual do Correspondente Consignação Manual do Correspondente Consignação Banestes S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo GCONS - Gerência de Consignação SUMÁRIO 1. Conceito...3 2. Apresentação...3 3. Informações Gerais...3 3.1. Condições

Leia mais

LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013

LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013 LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013 Poder Legislativo Regulamenta área para estacionamento exclusivo de veículos pesados no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito do Município de Lucas do

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001 LEIN 1.195/2001 Institui o Serviço de Transporte Individual de Passageiros em Motocicletas de aluguel (Mototáxi) O Prefeito Municipal de Rio Brilhante, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara

Leia mais

Manual para Cadastro de Nota Fiscal e Outros Documentos de Exportação. ÍNDICE

Manual para Cadastro de Nota Fiscal e Outros Documentos de Exportação. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 Objetivo... 2 Requisitos Mínimos do Sistema... 2 Acesso ao sistema... 2... 3 CADASTRO DA NOTA FISCAL... 3 Grupo Booking... 4 Campo... 4... 4 Grupo Cliente... 5... 6 Grupo Documentos...

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS

INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS Domingos de Torre 17/01/2013. COMÉRCIO EXTERIOR. DIREITO ADUANEIRO BRASILEIRO. DO EXERCÍCIO

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO:

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: 1.1 A destinação deste plano de benefício é disponibilizar, ora contratado, diárias de veículo econômico com ar para as pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015 MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015 1 1. A Certificação por Prova é destinada a profissionais de Previdência Complementar Fechada que atuem na área de Contabilidade. IMPEDIMENTOS 2. O candidato

Leia mais

E D I T A L. 1º Para os casos de transferência externa serão aceitas, apenas, as inscrições para áreas afins.

E D I T A L. 1º Para os casos de transferência externa serão aceitas, apenas, as inscrições para áreas afins. EDITAL NRCA-SJP N.º 09/2015 DISPÕE SOBRE OS PROCESSOS DE INGRESSO POR TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADOR DE DIPLOMA AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. O Coordenador do Núcleo

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE SANTOS

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE SANTOS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE SANTOS PORTARIA ALF/STS Nº 73, DE 10 DE JANEIRO DE 2008 Determina os procedimentos para

Leia mais

Secretaria Municipal da Fazenda Serviço de Cadastro Mobiliário. 1. Documentação necessária para inscrição

Secretaria Municipal da Fazenda Serviço de Cadastro Mobiliário. 1. Documentação necessária para inscrição Cartilha de Atendimento ao Autônomo Alvará de Licença para Localização e Permanência. Fornecer alvará de licença para localização e permanência para os trabalhadores autônomos que exercem atividade sem

Leia mais

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS.

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. REGULAMENTO DA PORTARIA INDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III - DO OBJETIVO. - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. 1. Dos sócios titulares, seus dependentes e acompanhantes

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011.

DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011. DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011. Regulamenta a Lei Municipal nº 1.874, de 11 de novembro de 2011, que instituiu a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) O Prefeito do Município de Campina Verde,

Leia mais

MA-GCF-002 Versão: 01 Vigência: 2013 Página: 1 / 14

MA-GCF-002 Versão: 01 Vigência: 2013 Página: 1 / 14 MA-GCF-002 Versão: 01 Vigência: 2013 Página: 1 / 14 MA-GCF-002 Versão: 01 Vigência: 2013 Página: 2 / 14 ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Direito de obtenção e utilização... 4 3. Sem direito ao benefício do passe

Leia mais

Autorização Especial de Trânsito AET

Autorização Especial de Trânsito AET Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbano Autorização Especial de Trânsito AET Amparo legal: Lei Complementar Municipal nº 205/2009: que acrescenta, altera e regulamenta a Seção XI, do Capítulo

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 D E C R E T A:

DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 D E C R E T A: DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE UBAPORANGA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto

Leia mais

Objetivo...2 Requisitos mínimos do sistema...2 Acesso ao sistema...2

Objetivo...2 Requisitos mínimos do sistema...2 Acesso ao sistema...2 Índice Objetivo...2 Requisitos mínimos do sistema...2 Acesso ao sistema...2 Cadastro da Nota Fiscal...3 Grupo Booking...3 Grupo Cliente...5 Grupo Documentos...6 Grupo Contêiner...8 Anexo I... 10 Objetivo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02.

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02. NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SEREM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES E VOLUMES, EM INSTALAÇÕES DE USO PÚBLICO, NOS PORTOS ORGANIZADOS -

Leia mais

Manual do Usuário Certificado Digital AC PRODERJ

Manual do Usuário Certificado Digital AC PRODERJ Manual do Usuário Certificado Digital AC PRODERJ Guia CD-18 Público Índice 1. Emissão dos Certificados Digitais PRODERJ... 3 2. Documentos Necessários para Emissão dos Certificados... 3 3. Responsabilidades...

Leia mais

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO Prezados Srs. Transportadores O Sistema de Registro Eletrônico faz parte de um composto ( Averbação Eletrônica + Registro Eletrônico ), que propicia a Transportadora um rápido

Leia mais

Documentos para o Embarque

Documentos para o Embarque Documentos para o Embarque C A N A s a c i D 2 Documentos para o Embarque Embarque Check-in Antes de embarcar em um voo, todos os passageiros devem fazer o check-in. Apresente-se para o check-in no horário

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Bibliotecas da UCB possui um acervo com mais de 200.000 volumes possibilitando o acesso dos usuários aos livros, sistemas de consulta,

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CRACHÁ DE IDENTIFICAÇÃO 1. FINALIDADE

NORMA PROCEDIMENTAL CRACHÁ DE IDENTIFICAÇÃO 1. FINALIDADE 50.03.003 1/8 1. FINALIDADE Regulamentar a obrigatoriedade do uso do crachá de identificação nas dependências da Universidade Federal do Triângulo Mineiro UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os colaboradores,

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO ACESSO AO SISTEMA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO ACESSO AO SISTEMA O ISS-e é um sistema completo de gestão do ISS do Município de Maringá, composto pelos módulos de: - NFS-e (Nota Fiscal de Serviços Eletrônica) - DMS-e (Declaração Mensal de Serviços Eletrônica) - AIDF-e

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003 Casa Civil da Presidência da República Presidência da República Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Secretaria Executiva RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003 Altera os Critérios e

Leia mais

Soluti Orientações SIOPS 22/03/2013 SOLUTI

Soluti Orientações SIOPS 22/03/2013 SOLUTI SOLUTI Orientações para a Emissão do Certificado Digital, tipo A3, Pessoa Física, com Financiamento pelo Ministério da Saúde para Operadores da Funcionalidade Restrita do Sistema de Informações sobre Orçamentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 04/2010 Dispõe sobre procedimentos para expedição e uso do

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AOS PROCESSOS SELETIVOS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AOS PROCESSOS SELETIVOS INSTITUTO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AOS PROCESSOS SELETIVOS nº.047/2015 PROGRAMA DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E MATEMÁTICA COMPUTACIONAL

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...) LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N.... Ano...) DISPÕE SOBRE O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS ATRAVÉS DE TÁXI. O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso das atribuições que lhe

Leia mais

1. Tela de Acesso pg. 2. 2. Cadastro pg. 3. 3. Abas de navegação pg. 5. 4. Abas dados cadastrais pg. 5. 5. Aba grupo de usuários pg.

1. Tela de Acesso pg. 2. 2. Cadastro pg. 3. 3. Abas de navegação pg. 5. 4. Abas dados cadastrais pg. 5. 5. Aba grupo de usuários pg. Sumário 1. Tela de Acesso pg. 2 2. Cadastro pg. 3 3. Abas de navegação pg. 5 4. Abas dados cadastrais pg. 5 5. Aba grupo de usuários pg. 6 6. Aba cadastro de funcionários pg. 7 7. Pedidos pg. 12 8. Cartões

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações do TJAC, objetivando promover a segurança patrimonial e pessoal.

Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações do TJAC, objetivando promover a segurança patrimonial e pessoal. Código: MAP-ASMIL-002 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência do TJAC 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações

Leia mais

Divulgação do Edital: 15/03/2016

Divulgação do Edital: 15/03/2016 DIRETORIA DE GESTÃO CORPORATIVA DG Superintendência de Suprimento de Material e Serviços GSS Gerência de Aquisição de Material e Serviços Corporativos GSSC Objeto: Credenciamento de pessoas físicas instrutores,

Leia mais