40568 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "40568 Diário da República, 2.ª série N.º 249 26 de dezembro de 2012"

Transcrição

1 40568 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 Diretiva n.º 20/2012 Tarifas e preços para a energia elétrica e outros serviços em 2013 As tarifas e preços regulados para a energia elétrica e outros serviços regulados são ordinariamente aprovados e publicados pela ERSE, em dezembro de cada ano, para vigorarem no ano subsequente, nos termos e com os fundamentos estabelecidos no Regulamento Tarifário do Setor Elétrico, aprovado pelo Regulamento n.º 496/2011, de 19 de agosto, na redação da Diretiva n.º 6/2011, de 22 de dezembro. Para esse efeito, a ERSE elaborou uma proposta de tarifas e preços regulados que foi enviada em 15 de outubro à Autoridade da Concorrência e aos serviços competentes das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, à entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte de Eletricidade (RNT), à entidade concessionária de Rede Nacional de Distribuição de Eletricidade (RND), ao comercializador de último recurso, bem como à concessionária do transporte e distribuição da Região Autónoma dos Açores e à concessionária do transporte e distribuidor vinculado da Região Autónoma da Madeira. A proposta em questão foi igualmente enviada ao Conselho Tarifário, para efeitos de emissão de parecer. A proposta de tarifas e preços regulados obedeceu aos princípios previstos no artigo 61.º do Decreto-Lei n.º 29/2006, de 15 de fevereiro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 215-A/2012, de 8 de outubro e pelo Decreto-Lei n.º 78/2011, de 20 de junho, no Decreto- Lei n.º 165/2008, de 21 de agosto, nos Estatutos da ERSE aprovados pelo Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de abril, alterado pelo Decreto-Lei n.º 212/2012, de 25 de setembro e pelo Decreto-Lei n.º 200/2002, de 25 de setembro, no Regulamento de Relações Comerciais e no Regulamento Tarifário, designadamente os seguintes: Igualdade de tratamento e de oportunidades; Uniformidade tarifária, permitindo a aplicação universal do sistema tarifário a todos os clientes, fomentando-se a convergência dos sistemas elétricos do Continente e das Regiões Autónomas; Transparência na formulação e fixação das tarifas; Inexistência de subsidiações cruzadas entre atividades e clientes, através da adequação das tarifas aos custos e da adoção do princípio da aditividade tarifária; Transmissão de sinais económicos adequados a uma utilização eficiente das redes e demais instalações do Sistema Elétrico Nacional (SEN); Proteção dos clientes face à evolução das tarifas, assegurando-se concomitantemente o equilíbrio económico e financeiro das atividades reguladas em condições de uma gestão eficiente; Criação de incentivos ao desempenho eficiente das atividades reguladas das empresas; Contribuição para a promoção da eficiência energética e da qualidade ambiental. A proposta de tarifas, elaborada e enviada pela ERSE às referidas entidades, consta de um documento designado por Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica e outros serviços em 2013, o qual foi acompanhado pelos seguintes documentos complementares, que dele fazem parte integrante: Caracterização da procura de energia elétrica em 2013 ; Estrutura tarifária do setor elétrico em 2013 ; Ajustamentos referentes a 2011 e 2012 a repercutir nas tarifas de 2013 ; Proveitos permitidos das empresas reguladas do setor elétrico para A proposta de tarifas e preços para 2013 teve em conta um conjunto de alterações enquadradas legalmente e que a seguir se enumeram: Portaria n.º 310/2011, de 21 de dezembro, que revoga o regime de prestação do serviço de interruptibilidade estabelecido pela Portaria n.º 1309/2010, de 23 de dezembro;

2 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de Decreto-Lei n.º 75/2012, de 26 de março, que estabelece o regime de extinção das tarifas reguladas de venda de eletricidade a clientes finais com consumos em BTN e adota mecanismos de salvaguarda dos clientes finais economicamente vulneráveis, nomeadamente no que respeita ao relacionamento comercial e às tarifas e preços; Portaria n.º 139/2012, de 14 de maio, que revoga o regime de prestação de serviços de garantia de potência dos centros electroprodutores ao SEN ao abrigo da Portaria n.º 765/2010, de 20 de agosto, e Portaria n.º 251/2012, de 20 de agosto, que estabelece o novo regime para a atribuição de incentivos à garantia de potência, nas modalidades de incentivo à disponibilidade e incentivo ao investimento; Portaria n.º 140/2012, de 14 de maio, que estabelece os termos da tarifa de referência do regime remuneratório aplicável às instalações de cogeração, nos termos e para os efeitos do disposto no Decreto-Lei n.º 23/2010, de 25 de março, alterado pela Lei n.º 19/2010, de 23 de agosto; Decreto-Lei n.º 256/2012, de 29 de novembro, que consagra o diferimento dos ajustamentos anuais (i) dos custos relativos à parcela de acerto, dos CMEC e (ii) do sobrecustos CAE, bem como (iii) a dedução, no sobrecusto com aquisição da PRE a partir de fontes renováveis, das receitas geradas pela venda de licenças de emissão de gases com efeito de estufa. Este diploma aprova também o alargamento do regime transitório de fornecimento de eletricidade a clientes finais com consumos em MAT, AT, MT e BTE; Despacho n.º /2012, de 19 de outubro que determina em 1,3% o limite máximo de variação da tarifa social aplicável aos consumidores economicamente vulneráveis; Portaria n.º 332/2012, de 22 de outubro, que estabelece a repercussão diferenciada dos custos decorrentes de medidas de política energética, de sustentabilidade ou de interesse económico geral, entre os diferentes níveis de tensão e tipos de fornecimento e a sua afetação aos consumidores em cada nível de tensão e tipo de fornecimento, tendo em conta a potência contratada, o perfil tarifário, bem como os consumos verificados por período horário e sazonal, de forma a incentivar a modulação e uma maior eficiência energética do consumo. O Conselho Tarifário emitiu o seu parecer de acordo com o previsto nos Estatutos da ERSE e no Regulamento Tarifário. A ERSE teve em consideração este parecer, cuja divulgação se procede, bem como os comentários das empresas reguladas. Considerando o parecer do Conselho Tarifário, a presente deliberação, apropriando-se da fundamentação do documento da ERSE, Tarifas e Preços para a energia elétrica e outros serviços em 2013, procede à fixação das tarifas e preços regulados para Este documento da ERSE, incluindo os seus documentos complementares, juntamente com os comentários da ERSE ao parecer do Conselho Tarifário, consideram-se parte integrante da presente fundamentação preambular. A fixação dos valores das tarifas e dos preços dos serviços regulados para 2013, integra-se no cumprimento das atribuições e poderes de regulação da ERSE estabelecidos, respetivamente no artigo 3.º e 11.º dos seus Estatutos, conciliando uma tutela harmonizada dos interesses dos consumidores e das empresas reguladas do setor elétrico. A fixação dos valores das tarifas e preços dos serviços regulados traduziu uma justa composição da proteção dos consumidores em relação a preços e serviços e o equilíbrio económico e financeiro das empresas reguladas sujeitas a obrigações de serviço público. A determinação das tarifas para 2013 tem em consideração os valores dos custos e investimentos ocorridos em 2011, estimados para 2012 e os previstos para 2013, enviados pelas empresas reguladas do Continente e das Regiões Autónomas, bem como os parâmetros de regulação estabelecidos em 2011 para o período de regulação Considerando o alargamento do regime transitório, até 31 de dezembro de 2013, por via da publicação do Decreto-Lei n.º 256/2012, de 29 de novembro, que altera o Decreto-Lei n.º 104/2010, de 29 de setembro, são aprovadas tarifas transitórias de venda a clientes finais, em Portugal continental, para consumos em MAT, AT, MT e BTE. O processo de extinção das tarifas reguladas aos clientes de baixa tensão normal (BTN), consagrado pelo Decreto-Lei n.º 75/2012, de 26 de março, tem subjacente o seguinte calendário de extinção: (i) a partir de 1 de julho de 2012, para os clientes com potência contratada superior ou igual a 10,35 kva; (ii) a partir de 1 de janeiro de 2013, para os clientes com potência contratada inferior a 10,35 kva.

3 40570 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 As tarifas transitórias de venda a clientes finais a vigorarem a partir de 1 de janeiro de 2013 são determinadas pela soma das tarifas de acesso às redes, da tarifa transitória de energia e da tarifa de comercialização regulada. As tarifas aprovadas pelo presente diploma são suscetíveis de revisão trimestral, nos termos da lei. No que respeita à evolução das tarifas para energia elétrica de 2012 para 2013, em Portugal continental, destacam-se as variações relativas às tarifas de venda a clientes finais em BTN em 2,8%. A variação na tarifa social de venda a clientes finais é de 1,3%. A variação nas tarifas transitórias de venda a clientes finais em Portugal continental em MAT, AT, MT e BTE cifra-se em 3,8%. No que respeita às Regiões Autónomas são aprovadas as tarifas de venda a clientes finais, a aplicar pelos comercializadores de último recurso, aprovando-se para a Região Autónoma dos Açores variações de 1,9% em MT, 3,8% em BTE e 2,7% em BTN. Na Região Autónoma da Madeira são aprovadas variações de 2,3% em MT, 4,6% em BTE e 2,8% em BTN. As tarifas de acesso às redes são pagas por todos os clientes pela utilização das infraestruturas das redes. Estas tarifas estão incluídas nas tarifas de venda a clientes finais dos comercializadores, independentemente da sua natureza (de último recurso ou de mercado). A variação das tarifas de acesso às redes, entre 2012 e 2013, em Portugal continental cifra-se em 4,8%. Para esta variação contribuem os custos associados ao uso das redes de transporte e distribuição, e os custos de interesse económico geral e política energética, incluídos na tarifa de uso global do sistema. Os preços dos serviços regulados têm em consideração os valores atualmente em vigor e os valores propostos pelas empresas para Considerou-se ainda a recomendação do Conselho Tarifário constante do seu Parecer ao documento Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica e Outros Serviços em 2011 que refere a necessidade dos preços fixados para a prestação de alguns serviços regulados apresentarem uma maior aderência aos custos reais. Neste contexto, os preços aplicáveis a instalações em BTE, MT, AT e MAT refletem os custos da prestação dos serviços. A grande maioria dos preços sofre aumentos entre 0,4% e 1,8%. Os preços aplicáveis a instalações em BTN que ainda não reflitam totalmente os custos sofrem aumentos de modo a assegurar uma gradual aderência dos preços aos custos de prestação destes serviços. Todavia, a grande maioria dos preços sofre aumentos entre 0,4% e 1,8%. No que respeita aos preços previstos nos Regulamentos da Qualidade de Serviço, registam-se variações que não ultrapassam os 0,4%. Nos termos e em conformidade com a documentação subjacente à fundamentação das tarifas e preços, os valores das tarifas ora estabelecidos têm em devida conta os princípios e os pressupostos de convergência tarifária dos sistemas elétricos das Regiões Autónomas, consignados na legislação aplicável, em especial no Decreto-Lei n.º 29/2006, de 15 de fevereiro, alterado pelos Decretos-lei n.º 215-A/2012, de 8 de outubro e Decreto-Lei n.º 78/2011, de 20 de junho. Nestes termos: Considerando o parecer do Conselho Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE, ao abrigo das disposições conjugadas dos artigos 11.º, número 1, alínea a) e 31.º dos Estatutos da ERSE, anexos ao Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de abril, na redação do Decreto-Lei n.º 212/2012, de 25 de setembro e do Decreto-Lei n.º 200/2002, de 25 setembro, dos artigos 61.º, 66.º e 67.º do Decreto-Lei n.º 29/2006, de 15 de fevereiro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 215-A/2012, de 8 de outubro, e Decreto-Lei n.º 78/2011, de 20 de junho, e do artigo 168.º do Regulamento Tarifário, deliberou: 1º Aprovar as tarifas de energia elétrica para vigorarem em 2013 em Portugal continental e nas Regiões Autónomas, de acordo com os prazos estabelecidos para a extinção das tarifas reguladas de venda a clientes finais, as quais constam do Anexo da presente deliberação que dela fica a fazer parte integrante. 2º Aprovar os valores dos preços dos serviços regulados de energia elétrica, nos termos do Anexo da presente deliberação.

4 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de º Determinar a publicitação, na página da ERSE na Internet, do parecer do Conselho Tarifário da ERSE, assim como do documento com os comentários da ERSE sobre o mesmo parecer. 4º Proceder à publicação da presente deliberação no Diário da República, II Série. 5º Proceder igualmente à publicação da presente deliberação nos jornais oficiais das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira. 6º Independentemente da publicação da presente deliberação nos jornais das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, a mesma entra em vigor em todo o território nacional a partir de 1 de janeiro de Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos 14 de dezembro de 2012 O Conselho de Administração Prof. Doutor Vitor Santos Doutor José Braz Dr. Ascenso Simões

5 40572 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 A N E X O I TARIFAS E PARA A ENERGIA ELÉTRICA EM 2013 As tarifas transitórias de Venda a Clientes Finais a aplicar pelos comercializadores de último recurso aos fornecimentos a clientes finais em Portugal continental são apresentadas em I.1. As tarifas de Venda a Clientes Finais a aplicar pela concessionária do transporte e distribuição da Região Autónoma dos Açores (RAA) aos fornecimentos a clientes finais da RAA são apresentadas em I.2. As tarifas de Venda a Clientes Finais a aplicar pela concessionária do transporte e distribuidor vinculado da Região Autónoma da Madeira (RAM) aos fornecimentos a clientes finais da RAM são apresentadas em I.3. As tarifas de Acesso às Redes a aplicar pelo operador da rede de distribuição em MT e AT, pelos operadores das redes de distribuição em BT, pela concessionária do transporte e distribuição da RAA e pela concessionária do transporte e distribuidor vinculado da RAM às entregas a clientes são apresentadas em I.4. As tarifas por atividade a aplicar pelo operador da rede de distribuição em MT e AT, pelos operadores das redes de distribuição em BT, pela concessionária do transporte e distribuição da RAA e pela concessionária do transporte e distribuidor vinculado da RAM, no âmbito das entregas a clientes, são apresentadas em I.5. As tarifas por atividade a aplicar pelos comercializadores de último recurso, pela concessionária do transporte e distribuição da RAA e pela concessionária do transporte e distribuidor vinculado da RAM no âmbito dos fornecimentos a clientes finais em Portugal Continental, a clientes vinculados da RAA e a clientes vinculados da RAM são apresentadas em I.6. As tarifas por atividade da entidade concessionária da RNT são apresentadas em I.7. I.1 TARIFAS TRANSITÓRIAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DOS COMERCIALIZADORES DE ÚLTIMO RECURSO EM PORTUGAL CONTINENTAL As tarifas transitórias de Venda a Clientes Finais a aplicar pelos comercializadores de último recurso aos fornecimentos a clientes finais em MT, AT, MT, BTE e BTN em Portugal continental são as seguintes: TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM MAT Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia)* 74,49 2,4489 Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 4,969 0,1634 Contratada 0,848 0,0279 0,1072 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0866 0,0611 0,0555 0,1076 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0888 0,0650 0,0608 Energia reativa Indutiva Capacitiva (EUR/kvarh) 0,0211 0,0158

6 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM AT Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia)* 78,64 2,5854 Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* Tarifa de longas utilizações 5,979 0,1966 Contratada 0,845 0,0278 Tarifa de médias utilizações 5,768 0,1896 Contratada 0,683 0,0225 Tarifa de curtas utilizações 12,556 0,4128 Contratada 0,435 0,0143 0,1109 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal 0,0880 0,0629 Tarifa de longas Horas de super vazio 0,0566 utilizações 0,1106 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0909 0,0650 0,0605 0,1241 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal 0,0908 0,0656 Tarifa de médias Horas de super vazio 0,0594 utilizações 0,1260 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0940 0,0675 0,0625 0,1480 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal 0,1060 0,0676 Tarifa de curtas Horas de super vazio 0,0611 utilizações 0,1482 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,1055 0,0695 0,0643 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva Capacitiva 0,0215 0,0161

7 40574 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM MT Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia)* 47,20 1,5517 Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* Tarifa de longas utilizações 9,289 0,3054 Contratada 1,448 0,0476 Tarifa de médias utilizações 9,368 0,3080 Contratada 1,357 0,0446 Tarifa de curtas utilizações 14,179 0,4662 Contratada 0,528 0,0174 0,1252 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal 0,0969 0,0644 Tarifa de longas Horas de super vazio 0,0586 utilizações 0,1286 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0995 0,0669 0,0624 0,1313 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal 0,1003 0,0655 Tarifa de médias Horas de super vazio 0,0596 utilizações 0,1377 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,1008 0,0691 0,0644 0,2026 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal 0,1092 0,0735 Tarifa de curtas Horas de super vazio 0,0664 utilizações 0,2027 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,1091 0,0737 0,0690 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva Capacitiva 0,0234 0,0176

8 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM BTE Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia)* 27,59 0,9072 Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* Tarifa de médias utilizações 13,113 0,4311 Contratada 0,572 0,0188 Tarifa de longas utilizações 19,788 0,6506 Contratada 1,441 0,0474 0,2124 Tarifa de médias Horas cheias 0,1173 utilizações Horas vazio normal Horas super vazio 0,0808 0,0727 0,1456 Tarifa de longas Horas cheias 0,1078 utilizações Horas vazio normal Horas super vazio 0,0706 0,0660 Energia reativa Indutiva Capacitiva (EUR/kvarh) 0,0268 0,0204 TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM BTN (>20,7 kva) Potência (kva) (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa de médias 27,6 42,83 1,4081 utilizações 34,5 53,38 1, ,4 63,93 2,1019 Tarifa de longas 27,6 171,15 5,6268 utilizações 34,5 213,87 7, ,4 256,57 8,4353 Tarifa de médias 0,2858 utilizações Horas cheias Horas de vazio 0,1437 0,0822 Tarifa de longas 0,1959 utilizações Horas cheias Horas de vazio 0,1133 0,0746

9 40576 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM BTN (<=20,7 kva e >2,3 kva) Potência (kva) (EUR/mês) (EUR/dia)* 3,45 5,61 0,1844 4,6 7,32 0,2407 Tarifa simples, bi-horária e trihorária Tarifa simples <=6,9 kva Tarifa simples >6,9 kva Tarifa bi-horária Horas fora de vazio <=6,9 kva Horas de vazio Tarifa bi-horária Horas fora de vazio >6,9 kva Horas de vazio Tarifa tri-horária Horas de cheias <=6,9 kva Horas de vazio Tarifa tri-horária Horas de cheias >6,9 kva Horas de vazio 5,75 9,00 0,2959 6,9 10,68 0, ,35 15,71 0, ,8 20,75 0, ,25 25,78 0, ,7 30,81 1,0131 0,1405 0,1418 0,1641 0,0870 0,1674 0,0878 0,1865 0,1483 0,0870 0,1899 0,1515 0,0878 TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM BTN (<=2,3 kva) Potência (kva) (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples 1,15 2,36 0,0776 2,3 4,14 0,1362 Tarifa simples 0,1210 TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM BTN SAZONAL (>20,7 kva) Potência (kva) (EUR/mês) (EUR/dia)* 27,6 24,85 0,8170 Tarifa tri-horária 34,5 31,06 1, ,4 37,26 1,2249 0,2857 Tarifa tri-horária Horas cheias Horas de vazio 0,1536 0,0815

10 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de TARIFA TRANSITÓRIA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM BTN SAZONAL (<=20,7 kva) Potência (kva) (EUR/mês) (EUR/dia)* 3,45 1,85 0,0610 4,6 2,60 0,0856 5,75 3,35 0,1102 Tarifa simples 6,9 4,10 0, ,35 6,19 0, ,8 8,33 0, ,25 10,41 0, ,7 12,59 0,4139 3,45 5,11 0,1681 4,6 6,04 0,1987 5,75 6,78 0,2228 Tarifa bi-horária 6,9 7,73 0,2540 e tri-horária 10,35 9,81 0, ,8 11,94 0, ,25 14,02 0, ,7 16,22 0,5331 Tarifa simples <=6,9 kva Tarifa simples >6,9 kva 0,1640 0,1672 Tarifa bi-horária <=6,9 kva Tarifa bi-horária >6,9 kva Tarifa tri-horária <=6,9 kva Tarifa tri-horária >6,9 kva Horas fora de vazio Horas de vazio Horas fora de vazio Horas de vazio Horas de cheias Horas de vazio Horas de cheias Horas de vazio 0,1761 0,0870 0,1793 0,0870 0,2851 0,1501 0,0870 0,2851 0,1533 0,0870

11 40578 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 I.2 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAA As tarifas de Venda a Clientes Finais a aplicar pela concessionária do transporte e distribuição da RAA aos fornecimentos a clientes finais da RAA são as seguintes: TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAA EM MT Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia)* 34,42 1,1315 Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 8,815 0,2898 Contratada 1,202 0,0395 0,1173 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0961 0,0619 0,0566 0,1186 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0975 0,0643 0,0598 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva Capacitiva 0,0221 0,0164 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAA EM BTE Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia)* 14,24 0,4682 Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 19,702 0,6477 Contratada 1,227 0,0403 Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,1322 0,1087 0,0697 0,0650 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva Capacitiva 0,0264 0,0198 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAA EM BTN (>20,7 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* 27,6 41,74 1, ,5 52,06 1, ,4 62,39 2,0511 Horas cheias Horas de vazio 0,2832 0,1427 0,0789

12 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAA EM BTN (<=20,7 kva e >2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* 3,45 5,75 0,1891 4,6 7,58 0,2491 5,75 9,05 0,2976 6,9 10,77 0,3541 Tarifa simples 10,35 15,70 0, ,8 20,61 0, ,25 25,29 0, ,7 31,16 1,0245 3,45 6,22 0,2046 4,6 8,23 0,2707 5,75 9,43 0,3100 Tarifa bi-horária 6,9 11,28 0,3707 e tri-horária 10,35 16,33 0, ,8 21,39 0, ,25 26,44 0, ,7 31,16 1,0245 Tarifa simples 0,1426 Tarifa bi-horária Tarifa tri-horária Horas fora de vazio Horas de vazio Horas cheias Horas de vazio 0,1640 0,0870 0,1877 0,1430 0,0870 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAA EM BTN (<=2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples 1,15 2,31 0,0759 2,3 4,34 0,1428 Tarifa simples 0,1312

13 40580 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 I.3 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAM As tarifas de Venda a Clientes Finais a aplicar pela concessionária do transporte e distribuição da RAM aos fornecimentos a clientes finais da RAM são as seguintes: TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAM EM MT Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia)* 33,40 1,0979 Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 8,867 0,2915 Contratada 1,269 0,0417 0,1180 Períodos I, IV Horas cheias Horas vazio normal Horas super vazio 0,0964 0,0627 0,0569 0,1191 Períodos II, III Horas cheias Horas vazio normal Horas super vazio 0,0978 0,0651 0,0606 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva Capacitiva 0,0225 0,0168 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAM EM BTE Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia)* 17,46 0,5741 Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 19,788 0,6506 Contratada 1,145 0,0376 Horas cheias Horas vazio normal Horas super vazio 0,1361 0,1095 0,0698 0,0651 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva Capacitiva 0,0262 0,0199 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAM EM BTN (>20,7 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* 27,6 28,96 0, ,5 35,39 1, ,4 41,82 1,3748 Horas cheias Horas de vazio 0,2964 0,1418 0,0658

14 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAM EM BTN (<=20,7 kva e >2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* 3,45 5,74 0,1887 4,6 7,55 0,2483 5,75 9,05 0,2976 Tarifa simples 6,9 10,77 0, ,35 15,93 0, ,8 20,89 0, ,25 25,86 0, ,7 30,82 1,0131 3,45 5,94 0,1954 4,6 7,85 0,2581 5,75 9,10 0,2992 Tarifa bi-horária 6,9 10,88 0,3576 e tri-horária 10,35 16,01 0, ,8 21,09 0, ,25 26,26 0, ,7 31,42 1,0329 Tarifa simples 0,1422 Tarifa bi-horária Tarifa tri-horária Horas fora de vazio Horas de vazio Horas ponta Horas cheia Horas vazio 0,1629 0,0870 0,1851 0,1483 0,0870 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAM EM BTN (<=2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples 1,15 2,29 0,0754 2,3 4,29 0,1409 Tarifa simples 0,1295

15 40582 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 I.4 TARIFAS DE ACESSO ÀS REDES As tarifas de Acesso às Redes a aplicar pelo operador da rede de distribuição em MT e AT, pelos operadores das redes de distribuição em BT, pela concessionária do transporte e distribuição da RAA e pela concessionária do transporte e distribuidor vinculado da RAM às entregas a clientes, resultantes da adição das tarifas de Uso Global do Sistema, Uso da Rede de Transporte e Uso da Rede de Distribuição apresentadas em I.5, são as seguintes: TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM MAT Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 1,678 0,0552 Contratada 0,957 0,0315 0,0197 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0176 0,0135 0,0134 0,0196 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0176 0,0135 0,0135 Energia reativa Indutiva Capacitiva (EUR/kvarh) 0,0211 0,0158 TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM AT Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 4,536 0,1491 Contratada 0,843 0,0277 0,0226 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0202 0,0148 0,0146 0,0226 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0202 0,0149 0,0148 Energia reativa Indutiva Capacitiva (EUR/kvarh) 0,0215 0,0161 TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM MT Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 8,752 0,2877 Contratada 1,427 0,0469 0,0268 Períodos I, IV Horas cheias Horas de vazio normal 0,0236 0,0150 Horas de super vazio 0,0144 0,0266 Períodos II, III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0237 0,0151 0,0148 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva Capacitiva 0,0234 0,0176

16 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM BTE Potência (EUR/kW.mês) (EUR/kW.dia)* 19,789 0,6506 Contratada 1,497 0,0492 Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio 0,0354 0,0311 0,0187 0,0169 Energia reativa Indutiva Capacitiva (EUR/kvarh) 0,0268 0,0204 TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM BTN (>20,7 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* 27,6 41,32 1, ,5 51,65 1, ,4 61,98 2,0376 Horas cheias Horas de vazio 0,1912 0,0643 0,0199 TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM BTN (<=20,7 kva e >2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* 3,45 5,16 0,1698 4,6 6,89 0,2264 Tarifa simples, bi-horária 5,75 8,61 0,2830 e tri-horária 6,9 10,33 0, ,35 15,49 0, ,8 20,66 0, ,25 25,82 0, ,7 30,99 1,0188 Tarifa simples Tarifa bi-horária Horas fora de vazio Horas de vazio 0,0654 0,0908 0,0252 Tarifa tri-horária Hora ponta Hora cheia Hora vazio 0,1864 0,0588 0,0252 TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM BTN (<=2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* 1,15 1,72 0,0566 Tarifa simples 2,3 3,44 0,1132 Tarifa simples 0,0659

17 40584 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 O Regulamento de Relações Comerciais estabelece que os comercializadores informem, anualmente, os seus clientes sobre o peso dos custos de interesse económico geral (CIEG) na faturação de Acesso às Redes. Para o ano de 2013, os parâmetros a aplicar para calcular o valor dos CIEG são os seguintes: Nível de tensão / Tipo de fornecimento % (CIEG / Tarifas de Acesso) MAT 70% AT 53% MT 42% BTE 45% BTN 54% BTN > 20,7 kva 45% BTN 20,7 kva 55% I.5 TARIFAS POR ATIVIDADE DOS OPERADORES DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO As tarifas por atividade a aplicar pelo operador da rede de distribuição em MT e AT, pelos operadores das redes de distribuição em BT, pela concessionária do transporte e distribuição da RAA e pela concessionária do transporte e distribuidor vinculado da RAM no âmbito das entregas a clientes, são as seguintes: I.5.1 TARIFA DE USO GLOBAL DO SISTEMA Os preços da parcela I da tarifa de Uso Global do Sistema, relativa aos custos com a gestão do sistema, são os seguintes: USO GLOBAL DO SISTEMA - PARCELA I 0,0024 Horas cheias 0,0024 Horas de vazio normal 0,0024 Horas de super vazio 0,0024 No quadro seguinte apresentam-se os preços dos Custos de Interesse Económico Geral e de política energética por variável de faturação e por nível de tensão ou tipo de fornecimento, determinados nos termos estabelecidos pela Portaria n.º 332/2012, de 22 de outubro. CIEG INCLUIDOS NA TARIFA DE USO GLOBAL DO SISTEMA Unid: /MWh MAT AT MT BTE BTN > 20,7 kva BTN 20,7 kva Ponta Cheias Vazio Ponta Cheias Vazio Ponta Cheias Vazio Ponta Cheias Vazio Ponta Cheias Vazio Ponta Cheias Vazio Sobrecusto PRE (DL90/2006) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,03 0,03 0,02 0,18 0,16 0,08 0,56 0,50 0,25 6,04 5,34 3,45 Sobrecusto PRE (não DL90/2006) 7,94 7,02 5,14 7,94 7,02 4,85 7,94 7,02 4,07 7,94 7,02 3,59 7,94 7,02 3,54 7,94 7,02 4,54 Sobrecusto dos CAE 5,10 4,51 3,30 5,10 4,51 3,11 5,10 4,51 2,61 5,10 4,51 2,31 5,10 4,51 2,28 5,10 4,51 2,91 Garantia de potência -1,03-0,91-0,66-1,03-0,91-0,63-1,03-0,91-0,53-1,03-0,91-0,46-1,03-0,91-0,46-1,03-0,91-0,59 Sobrecusto RAAs 0,00 0,00 0,00 2,16 1,91 1,32 3,90 3,45 2,00 7,93 7,01 3,59 8,88 7,85 4,98 8,88 7,85 4,98 Défice ,02 3,56 2,60 4,02 3,56 2,46 4,02 3,56 2,06 4,02 3,56 1,82 4,02 3,56 1,80 4,02 3,56 2,30 Ajust. de aquisição de energia -1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39-1,39 Diferencial extinção TVCF 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 Sobreproveito -0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23-0,23 Terrenos 0,61 0,54 0,40 0,61 0,54 0,37 0,61 0,54 0,31 0,61 0,54 0,28 0,61 0,54 0,27 0,61 0,54 0,35 PPEC 0,33 0,29 0,21 0,33 0,29 0,20 0,33 0,29 0,17 0,33 0,29 0,15 0,33 0,29 0,15 0,33 0,29 0,19 Unid: /kw/mês MAT AT MT BTE BTN> 20,7 kva BTN 20,7 kva CMEC 0,77 0,77 0,77 0,77 0,77 0,77

18 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de Os preços da tarifa de Uso Global do Sistema após conversão para os vários níveis de tensão e opções tarifárias são os seguintes: Níveis de tensão e opções tarifárias DA TARIFA DE USO GLOBAL DO SISTEMA Nº períodos horários Potência contratada (EUR/kW.mês) Horas de ponta Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio MAT 4 0,771 0,0190 0,0170 0,0130 0,0130 AT 4 0,771 0,0212 0,0190 0,0138 0,0138 MT 4 0,771 0,0231 0,0207 0,0129 0,0129 BTE 4 0,771 0,0282 0,0253 0,0143 0,0142 BTN> 3 0,771 0,0298 0,0267 0,0160 BTN< tri-horárias 3 0,771 0,0353 0,0316 0,0214 BTN bi-horárias 2 0,771 0,0324 0,0214 BTN simples (<=20,7 kva e >2,3 kva) 1 0,771 0,0281 BTN simples (<=2,3 kva) 1 0,771 0,0282 Os preços da potência contratada da tarifa de Uso Global do Sistema, desagregados por cada uma das suas componentes, são os seguintes: Níveis de tensão e opções tarifárias DA TARIFA DE USO GLOBAL DO SISTEMA Potência contratada (EUR/kW.mês) CMEC - EDP Gestão da Produção de Energia, SA Parcela Fixa Parcela de acerto Renda Ajust. Revisib Ajust. Anual Componente de alisamento Revisib. Prevista Ajust. Previstos Correcção de hidraulicidade CMEC - EDP Distribuição Parcela de acerto MAT 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 AT 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 MT 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 BTE 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 BTN> 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 BTN< tri-horárias 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 BTN bi-horárias 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 BTN simples (<=20,7 kva e >2,3 kva) 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 BTN simples (<=2,3 kva) 0,119-0,001 0,000 0,002 0,434-0,002-0,040 0,257 Revisib I.5.2 TARIFAS DE USO DA REDE DE TRANSPORTE Os preços da tarifa de Uso da Rede de Transporte são os seguintes: USO DA REDE DE TRANSPORTE EM MAT Potência (EUR/kW.mês) 1,678 Contratada 0,186 0,0007 Períodos I, IV Horas cheias 0,0006 Horas de vazio normal 0,0005 Horas de super vazio 0,0004 0,0006 Períodos II, III Horas cheias 0,0006 Horas de vazio normal 0,0005 Horas de super vazio 0,0005 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva 0,0211 Capacitiva 0,0158

19 40586 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 USO DA REDE DE TRANSPORTE EM AT Potência (EUR/kW.mês) 3,216 Contratada 0,357 0,0008 Períodos I, IV Horas cheias 0,0007 Horas de vazio normal 0,0006 Horas de super vazio 0,0005 0,0008 Períodos II, III Horas cheias 0,0007 Horas de vazio normal 0,0006 Horas de super vazio 0,0006 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva - Capacitiva - Os preços da tarifa de Uso da Rede de Transporte em AT, após conversão para os vários níveis de tensão e opções tarifárias, são os seguintes: DA TARIFA DE USO DA REDE DE TRANSPORTE EM AT Níveis de tensão e opções tarifárias Nº períodos horários Potência em horas de ponta (EUR/kW.mês) Horas de ponta Períodos I e IV Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio Horas de ponta Períodos II e III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio AT 4 3,708 0,0008 0,0007 0,0006 0,0005 0,0008 0,0007 0,0007 0,0006 MT 4 3,885 0,0009 0,0007 0,0006 0,0005 0,0008 0,0007 0,0007 0,0006 BTE 4 4,165 0,0009 0,0008 0,0007 0,0006 0,0009 0,0008 0,0007 0,0006 BTN> 3-0,0506 0,0008 0,0007 0,0506 0,0008 0,0007 BTN< tri-horárias 3-0,0506 0,0008 0,0007 0,0506 0,0008 0,0007 BTN bi-horárias 2-0,0118 0,0007 0,0118 0,0007 BTN simples (<=20,7 kva e >2,3 kva) 1-0,0075 0,0075 BTN simples (<=2,3 kva) 1-0,0076 0,0076 I.5.3 TARIFAS DE USO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO Os preços das tarifas de Uso da Rede de Distribuição em AT e em MT são os seguintes: USO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO EM AT Potência (EUR/kW.mês) 0,828 Contratada 0,072 0,0006 Períodos I, IV Horas cheias 0,0005 Horas de vazio normal 0,0004 Horas de super vazio 0,0003 0,0006 Períodos II, III Horas cheias 0,0005 Horas de vazio normal 0,0004 Horas de super vazio 0,0004 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva 0,0215 Capacitiva 0,0161

20 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de USO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO EM MT Potência (EUR/kW.mês) 3,906 Contratada 0,656 0,0022 Períodos I, IV Horas cheias 0,0017 Horas de vazio normal 0,0011 Horas de super vazio 0,0007 0,0021 Períodos II, III Horas cheias 0,0017 Horas de vazio normal 0,0011 Horas de super vazio 0,0009 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva 0,0234 Capacitiva 0,0176 Os preços das tarifas de Uso da Rede de Distribuição em AT e em MT, após conversão para os vários níveis de tensão e opções tarifárias, são os seguintes: Níveis de tensão e opções tarifárias Nº períodos horários DA TARIFA DE USO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO EM AT Potência (EUR/kW.mês) horas de ponta contratada Horas de ponta Períodos I e IV Períodos II e III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio Horas de ponta Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio Energia reativa (EUR/kvarh) Fornecida AT 4 0,828 0,072 0,0006 0,0005 0,0004 0,0003 0,0006 0,0005 0,0004 0,0004 0,0215 0,0161 MT 4 0,961-0,0006 0,0005 0,0004 0,0003 0,0006 0,0006 0,0004 0, BTE 4 1,031-0,0007 0,0006 0,0005 0,0004 0,0007 0,0006 0,0005 0, BTN> ,0130 0,0006 0,0004 0,0130 0,0006 0, BTN< tri-horárias ,0130 0,0006 0,0004 0,0130 0,0006 0, BTN bi-horárias ,0033 0,0004 0,0033 0, BTN simples (<=20,7 kva) ,0022 0, BTN simples (<=2,3 kva) ,0022 0, Recebida Níveis de tensão e opções tarifárias Nº períodos horários DA TARIFA DE USO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO EM MT Potência (EUR/kW.mês) horas de ponta contratada Horas de ponta Períodos I e IV Períodos II e III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio Horas de ponta Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio Energia reativa (EUR/kvarh) Fornecida MT 4 3,906 0,656 0,0022 0,0017 0,0011 0,0007 0,0021 0,0017 0,0011 0,0009 0,0234 0,0176 BTE 4 5,062-0,0023 0,0018 0,0012 0,0008 0,0023 0,0018 0,0012 0, BTN> ,0628 0,0018 0,0011 0,0628 0,0018 0, BTN< tri-horárias ,0628 0,0018 0,0011 0,0628 0,0018 0, BTN bi-horárias ,0153 0,0011 0,0153 0, BTN simples (<=20,7 kva e >2,3 kva) ,0098 0, BTN simples (<=2,3 kva) ,0099 0, Recebida

21 40588 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 Os preços da tarifa de Uso da Rede de Distribuição em BT são os seguintes: USO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO EM BT Potência (EUR/kW.mês) 9,531 Contratada 0,726 0,0033 Períodos I, IV Horas cheias 0,0026 Horas de vazio normal 0,0019 Horas de super vazio 0,0008 0,0032 Períodos II, III Horas cheias 0,0026 Horas de vazio normal 0,0020 Horas de super vazio 0,0011 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva 0,0268 Capacitiva 0,0204 Os preços da tarifa de Uso da Rede de Distribuição em BT, convertidos para as entregas em BTN, apresentam-se no quadro seguinte: Níveis de tensão e opções tarifárias DA TARIFA DE USO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO EM BT Nº períodos horários Potência (EUR/kW.mês) horas de ponta contratada Horas de ponta Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio Energia reativa (EUR/kvarh) Fornecida Recebida BTE 4 9,531 0,726 0,0033 0,0026 0,0020 0,0009 0,0268 0,0204 BTN> 3-0,726 0,0350 0,0344 0, BTN< tri-horárias 3-0,726 0,0247 0,0240 0, BTN bi-horárias 2-0,726 0,0280 0, BTN simples (<=20,7 kva e >2,3 kva) 1-0,726 0, BTN simples (<=2,3 kva) 1-0,726 0, Nota: Para os fornecimentos em BTN, os preços da potência contratada apresentam-se em EUR/kVA mês.

22 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de I.6 TARIFAS POR ATIVIDADE DOS COMERCIALIZADORES DE ÚLTIMO RECURSO As tarifas por atividade a aplicar pelos comercializadores de último recurso em Portugal continental, pela concessionária do transporte e distribuição da RAA e pela concessionária do transporte e distribuidor vinculado da RAM no âmbito dos seus fornecimentos a clientes finais são as seguintes: I.6.1 TARIFA DE ENERGIA Os preços da tarifa transitória de Energia são os seguintes: ENERGIA 0,0776 Períodos I, IV Horas cheias 0,0661 Horas de vazio normal 0,0561 Horas de super vazio 0,0403 0,0732 Períodos II, III Horas cheias 0,0674 Horas de vazio normal 0,0595 Horas de super vazio 0,0518 Os preços da tarifa transitória de Energia, aplicável no âmbito dos fornecimentos em MAT, AT, MT e BT, após conversão para os vários níveis de tensão e opções tarifárias, são os seguintes: Níveis de tensão e opções tarifárias Nº períodos horários DA TARIFA DE ENERGIA Períodos I e IV Horas de ponta Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio Horas de ponta Períodos II e III Horas cheias Horas de vazio normal Horas de super vazio MAT 4 0,0773 0,0659 0,0559 0,0402 0,0730 0,0672 0,0593 0,0517 AT 4 0,0786 0,0670 0,0567 0,0408 0,0742 0,0683 0,0602 0,0524 MT 4 0,0823 0,0698 0,0585 0,0419 0,0777 0,0712 0,0621 0,0539 BTE 4 0,0859 0,0751 0,0639 0,0494 0,0859 0,0751 0,0639 0,0494 BTN> 3 0,0865 0,0751 0,0598 0,0865 0,0751 0,0598 BTN< tri-horárias 3 0,0867 0,0750 0,0593 0,0867 0,0750 0,0593 BTN bi-horárias 2 0,0776 0,0593 0,0776 0,0593 BTN simples (<=20,7 kva) 1 0,0706 0,0706 BTN simples (<=2,3 kva) 1 0,0706 0,0706

23 40590 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 I.6.2 TARIFAS DE COMERCIALIZAÇÃO Os preços das tarifas de Comercialização aplicáveis aos fornecimentos em MAT, AT, MT, BTE e BTN são os seguintes: COMERCIALIZAÇÃO EM MAT, AT E MT Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia) 2,19 0, ,0003 COMERCIALIZAÇÃO EM BTE Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia) 2,25 0, ,0002 COMERCIALIZAÇÃO EM BTN Termo tarifário fixo (EUR/mês) (EUR/dia) 0,45 0, ,0025 I.7 TARIFAS POR ATIVIDADE DO OPERADOR DA REDE DE TRANSPORTE EM PORTUGAL CONTINENTAL I.7.1 TARIFA DE USO GLOBAL DO SISTEMA Os preços da parcela I da tarifa de Uso Global do Sistema são os seguintes: USO GLOBAL DO SISTEMA - PARCELA I 0,0024 Horas cheias 0,0024 Horas de vazio normal 0,0024 Horas de super vazio 0,0024 Os preços da parcela II da tarifa de Uso Global do Sistema são os seguintes: USO GLOBAL DO SISTEMA - PARCELA II 0,0089 Horas cheias 0,0089 Horas de vazio normal 0,0089 Horas de super vazio 0,0089

24 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de Os preços da parcela III da tarifa de Uso Global do Sistema são os seguintes: USO GLOBAL DO SISTEMA - PARCELA III -0,0016 Horas cheias -0,0011 Os preços da tarifa de Uso Global do Sistema, que integra as três parcelas anteriores, são os seguintes: USO GLOBAL DO SISTEMA 0,0097 Horas cheias 0,0102 Horas de vazio normal 0,0113 Horas de super vazio 0,0113 I.7.2 TARIFAS DE USO DA REDE DE TRANSPORTE I TARIFAS DE USO DA REDE DE TRANSPORTE DO OPERADOR DA REDE DE TRANSPORTE APLICÁVEIS ÀS ENTRADAS NA RNT E NA RND Os preços das tarifas de Uso da Rede de Transporte do operador da rede de transporte aplicáveis às entradas na RNT e na RND são os seguintes: USO DA REDE DE TRANSPORTE (EUR/MWh) Horas de fora de vazio 0,5469 Horas de vazio 0,4269 I TARIFAS DE USO DA REDE DE TRANSPORTE A APLICAR AO OPERADOR DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO EM MT E AT Os preços das tarifas de Uso da Rede de Transporte a aplicar ao operador da rede de distribuição em MT e AT são os seguintes: USO DA REDE DE TRANSPORTE EM MAT Potência (EUR/kW.mês) 1,678 Contratada 0,186 0,0007 Períodos I, IV Horas cheias 0,0006 Horas de vazio normal 0,0005 Horas de super vazio 0,0004 0,0006 Períodos II, III Horas cheias 0,0006 Horas de vazio normal 0,0005 Horas de super vazio 0,0005 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva 0,0211 Capacitiva 0,0158

25 40592 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 USO DA REDE DE TRANSPORTE EM AT Potência (EUR/kW.mês) 3,538 Contratada 0,393 0,0008 Períodos I, IV Horas cheias 0,0007 Horas de vazio normal 0,0006 Horas de super vazio 0,0005 0,0008 Períodos II, III Horas cheias 0,0007 Horas de vazio normal 0,0006 Horas de super vazio 0,0006 Energia reativa (EUR/kvarh) Indutiva 0,0211 Capacitiva 0,0158 II TARIFAS SOCIAIS EM 2013 As tarifas sociais de Venda a Clientes Finais a aplicar aos fornecimentos a clientes economicamente vulneráveis dos comercializadores de último recurso, que tenham solicitado a tarifa social, são apresentadas em II.1. As tarifas sociais de Acesso às Redes a aplicar às entregas a clientes economicamente vulneráveis dos operadores das redes de distribuição, que tenham solicitado a tarifa social, são apresentadas em II.2. II.1 TARIFAS SOCIAIS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DOS COMERCIALIZADORES DE ÚLTIMO RECURSO As tarifas de Venda a Clientes Finais a aplicar aos fornecimentos a clientes economicamente vulneráveis dos comercializadores de último recurso em Portugal continental são as seguintes: TARIFA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM BTN SOCIAL (<=4,6 kva e >2,3 kva) Potência (kva) (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples, bi-horária 3,45 4,54 0,1492 e tri-horária 4,6 5,89 0,1937 Tarifa simples Tarifa bi-horária Tarifa tri-horária Horas fora de vazio Horas de vazio Horas de cheias Horas de vazio 0,1405 0,1641 0,0870 0,1865 0,1483 0,0870

26 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de TARIFA DE VENDA A CLIENTES FINAIS EM BTN SOCIAL (<=2,3 kva) Potência (kva) (EUR/mês) (EUR/dia)* 1,15 2,00 0,0658 Tarifa simples 2,3 3,43 0,1127 Tarifa simples 0,1210 As tarifas de Venda a Clientes Finais a aplicar aos fornecimentos a clientes economicamente vulneráveis do comercializador de último recurso na Região Autónoma dos Açores são as seguintes: TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAA EM BTN SOCIAL (<=4,6 kva e >2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples 3,45 4,68 0,1539 4,6 6,15 0,2022 Tarifa bi-horária 3,45 5,15 0,1694 e tri-horária 4,6 6,81 0,2237 Tarifa simples Tarifa bi-horária 0,1426 Horas fora de vazio 0,1640 Horas de vazio 0,0870 0,1877 Tarifa tri-horária Horas cheias Horas de vazio 0,1430 0,0870 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAA EM BTN SOCIAL (<=2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples 1,15 1,95 0,0641 2,3 3,63 0,1193 Tarifa simples 0,1312

27 40594 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 As tarifas de Venda a Clientes Finais a aplicar aos fornecimentos a clientes economicamente vulneráveis do comercializador de último recurso na Região Autónoma da Madeira são as seguintes: TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAM EM BTN SOCIAL (<=4,6 kva e >2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples 3,45 4,67 0,1534 4,6 6,12 0,2013 Tarifa bi-horária 3,45 4,87 0,1602 e tri-horária 4,6 6,42 0,2111 Tarifa simples Tarifa bi-horária Horas fora de vazio Horas de vazio Horas ponta 0,1422 0,1629 0,0870 0,1851 Tarifa tri-horária Horas cheia Horas vazio 0,1483 0,0870 TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA RAM EM BTN SOCIAL (<=2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples 1,15 1,94 0,0636 2,3 3,57 0,1174 Tarifa simples 0,1295 II.2 TARIFAS SOCIAIS DE ACESSO ÀS REDES As tarifas sociais de Acesso às Redes a aplicar às entregas a clientes economicamente vulneráveis dos operadores de rede de distribuição são as seguintes: TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM BTN SOCIAL (<=4,6 kva e >2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* Tarifa simples, bi-horária 3,45 4,09 0,1346 e tri-horária 4,6 5,46 0,1794 Tarifa simples Tarifa bi-horária Tarifa tri-horária Horas fora de vazio Horas de vazio Hora ponta Hora cheia Hora vazio 0,0654 0,0908 0,0252 0,1864 0,0588 0,0252

28 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de TARIFA DE ACESSO ÀS REDES EM BTN SOCIAL (<=2,3 kva) Potência (EUR/mês) (EUR/dia)* 1,15 1,36 0,0449 Tarifa simples 2,3 2,73 0,0897 Tarifa simples 0,0659 III TARIFA DE ACESSO ÀS REDES APLICÁVEL À MOBILIDADE ELÉTRICA Os preços da tarifa de Acesso às Redes aplicável à Mobilidade Elétrica são os seguintes: TARIFA DE ACESSO ÀS REDES APLICÁVEL À MOBILIDADE ELÉTRICA MT BTE BTN 0,0448 0,0730 0,0985 IV PARÂMETROS PARA A DEFINIÇÃO DAS TARIFAS Os valores dos parâmetros a vigorar em 2013 são apresentados em IV.1. Os valores mensais a transferir pela entidade concessionária da RNT são apresentados em IV.2. Os valores mensais a transferir pelo operador da rede de distribuição são apresentados em IV.3. Os valores dos ajustamentos tarifários de 2011 e 2012 são apresentados em IV.4. Os valores dos fatores de ajustamento para perdas definidos no Regulamento do Acesso às Redes e às Interligações são apresentados em IV.5. Os períodos horários de entrega de energia elétrica previstos nos artigos 27.º e 34.º do Regulamento Tarifário são apresentados em IV.6. IV.1 PARÂMETROS A VIGORAR EM 2013 Os valores dos parâmetros para a definição das tarifas a vigorar em 2013, estabelecidos no Regulamento Tarifário, são os seguintes: Parâmetro Valor adotado Descrição RT r CVEE,t 9,5% Taxa de remuneração do ativo fixo afeto à atividade de Compra e Venda de Energia Elétrica, fixada para 2013, em percentagem Art.º 73.º t-2 2,0 Spread de 2011, em pontos percentuais - t-1 1,50 Spread de 2012, em pontos percentuais - r GS,t 9,00% Taxa de remuneração do ativo fixo afeto à atividade de Gestão Global do Sistema, fixada para 2013, em percentagem Art.º 74.º

29 40596 Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de 2012 Parâmetro Valor adotado Descrição RT CIs URT, Custo incremental associado aos painéis de subestações, aceite para 2013 (em /painel de subestação) Art.º 79.º CIr URT,2 412 Custo incremental associado à extensão de rede, aceite para 2013 (em /km) Art.º 79.º X I,URT,2 3,5% Fator de eficiência a aplicar aos custos incrementais associados à extensão de rede de transporte e aos painéis de subestações, no ano t Art.º 79.º r CA,URT,t 9,0% Taxa de remuneração dos ativos corpóreos e incorpóreos, calculados com base em custos reais, afetos à atividade de Transporte de Energia Elétrica, fixada para 2013, em percentagem Art.º 79.º r CREF,URT,t 10,5% Taxa de remuneração dos ativos corpóreos calculados com base em custos de referência, afetos à atividade de Transporte de Energia Elétrica, fixada para 2013, em percentagem Art.º 79.º 2 50% Parâmetro associado ao incentivo à manutenção em exploração do equipamento em final de vida útil, em 2013 Art.º 79.º r Ime, URT,2 10,5% Taxa de remuneração a aplicar aos equipamentos que após o final de vida útil se encontrem em exploração, em 2013, em percentagem Art.º 79.º - 4% Taxa média de financiamento, aplicável ao saldo acumulado da conta de correção de hidraulicidade para 2011 Art.º 83.º - 4% Taxa média de financiamento, aplicável ao saldo acumulado da conta de correção de hidraulicidade para 2012 Art.º 83.º FCE URD,AT/MT, Componente fixa dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, em AT/MT, em milhares de euros Art.º 85.º X,AT/MT,2 3,5% Parâmetro associado à componente fixa dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, em AT/MT, em percentagem Art.º 85.º VCE URD,AT/MT,2 0, X VCE,AT/MT,2 3,5% VCE URD,AT/MT,2 0, X VCE,AT/MT,2 3,5% VCE URD,AT/MT, X VCE,AT/MT,2 3,5% Componente variável unitária dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, associada à energia elétrica distribuída em AT/MT, em Euros por kwh Parâmetro associado à componente variável dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, associada à energia elétrica distribuída em AT/MT, em percentagem Componente variável unitária dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, associada à energia elétrica injetada na rede de distribuição em AT/MT, em Euros por kwh Parâmetro associado à componente variável dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, associada à energia elétrica injetada na rede de distribuição em AT/MT, em percentagem Componente variável unitária dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, associada ao número de clientes em AT/MT, em Euros por cliente Parâmetro associado à componente variável dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, associada ao número de clientes em AT/MT, em percentagem Art.º 85.º Art.º 85.º Art.º 85.º Art.º 85.º Art.º 85.º Art.º 85.º FCE URD,BT, Componente fixa dos proveitos do Uso da Rede de Distribuição, em BT, em milhares de euros Art.º 85.º X,BT,2 3,5% Parâmetro associado à componente fixa dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, em BT, em percentagem VCE URD,BT,2 0, Componente variável unitária dos proveitos da atividade de Distribuição de Energia Elétrica, associada à energia elétrica distribuída em BT, em Euros por Art.º 85.º Art.º 85.º

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 15/2014

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 15/2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 15/2014 Tarifas e preços para a energia elétrica e outros serviços em 2015 e parâmetros para o período de regulação 2015-2017 Nos termos dos seus

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 Dezembro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010 Diário da República, 2.ª série N.º 80 26 de Abril de 2010 21945 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 7253/2010 O artigo 276.º do Regulamento de Relações Comerciais (RRC), aprovado

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013

MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013 MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013 1. CLIENTES BTE - MÉDIAS UTILIZAÇÕES CLIENTES BTE - MÉDIAS UTILIZAÇÕES Termo Tarifário Fixo (EUR/dia) e POTÊNCIAS (EUR/kW.dia) ENERGIA REACTIVA (EUR/kVArh) TERMO TARIFÁRIO

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 10/2015. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 10/2015. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016 16618 Diário da República, 2.ª série N.º 119 22 de junho de 2015 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 10/2015 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016 Nos termos

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 Despacho nº 15/2010 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, RT Regulamento tarifário RRC Regulamento de Relações comerciais Tarifário

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006 Novembro 2005 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 6/2011. Alteração ao Regulamento Tarifário do Sector Eléctrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 6/2011. Alteração ao Regulamento Tarifário do Sector Eléctrico Diário da República, 2.ª série N.º 244 22 de Dezembro de 2011 49883 PART NTIDAD RGULADORA DOS SRVIÇOS NRGÉTICOS Directiva n.º 6/2011 Alteração ao Regulamento Tarifário do Sector léctrico A presente revisão

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Regulamento n.º 468/2012. Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Regulamento n.º 468/2012. Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 218 12 de novembro de 2012 36849 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Regulamento n.º 468/2012 Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2013-2014 e Parâmetros para o Período de Regulação 2013-2016 O Regulamento Tarifário do

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS SETOR ELÉTRICO. Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS SETOR ELÉTRICO. Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR ELÉTRICO Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Comunicado Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Para efeitos da determinação das tarifas e preços de gás natural a vigorarem entre julho de 2013 e junho de 2014, o Conselho de Administração

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015 Nos termos dos seus Estatutos aprovados pelo Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Nos termos regulamentarmente previstos, designadamente no artigo 185.º do Regulamento Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural estabelece que os métodos e os parâmetros para o cálculo das tarifas sejam desenvolvidos

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS Eliminado: Maio REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS Junho 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

ESTRUTURA TARIFÁRIA DO SETOR ELÉTRICO EM 2015

ESTRUTURA TARIFÁRIA DO SETOR ELÉTRICO EM 2015 ESTRUTURA TARIFÁRIA DO SETOR ELÉTRICO EM 2015 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

E os consumidores economicamente vulneráveis? O que lhes acontece?

E os consumidores economicamente vulneráveis? O que lhes acontece? " opte pela melhor proposta não esquecendo de analisar, também, as condições contratuais apresentadas; " celebre o contrato com o novo comercializador que deverá tratar de todas as formalidades relativas

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO N.º 1/2015. Regulamento da Mobilidade Elétrica

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO N.º 1/2015. Regulamento da Mobilidade Elétrica ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO N.º 1/2015 Regulamento da Mobilidade Elétrica O Decreto-Lei n.º 90/2014, de 11 de junho que alterou o Decreto-Lei n.º 39/2010, de 26 de abril, aprovou

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva N.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva N.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva N.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico O Regulamento da Qualidade de Serviço do setor elétrico (RQS) prevê que

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 Julho 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL Janeiro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente

Leia mais

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Álvaro Gomes Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Conjunto de regras, opções tarifárias, horários e preços que regem a facturação dos fornecimentos

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721

Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721 Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721 b) Os perfis de consumo aplicáveis a instalações em Média Tensão (MT), Baixa Tensão Normal (BTN) e Baixa Tensão Especial (BTE), e o diagrama

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE ELETRICIDADE

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE ELETRICIDADE RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE janeiro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 227 22 de novembro de 2013 34305 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

Leia mais

DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS

DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS REGULAMENTO TARIFÁRIO PARA PERMITIR A SUA APLICAÇÃO NAS REGIÕES

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 18138/2009

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 18138/2009 31322 Diário da República, 2.ª série N.º 150 5 de Agosto de 2009 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 18138/2009 No âmbito do novo período regulatório (2009-2011), a ERSE procedeu

Leia mais

Relatório de Actividades 2003

Relatório de Actividades 2003 Relatório de Actividades 2003 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Março 2004 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Telefone: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 Email: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2011 E 2012 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2013

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2011 E 2012 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2013 AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2011 E 2012 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2013 Dezembro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009 AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 4494-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 123 26 de junho de 2015 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Portaria n.º 190-A/2015 de 26 de junho No âmbito do regime jurídico dos Fundos Europeus Estruturais

Leia mais

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL Abril 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

PROVEITOS PERMITIDOS DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR ELÉTRICO EM 2013

PROVEITOS PERMITIDOS DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR ELÉTRICO EM 2013 PROVEITOS PERMITIDOS DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR ELÉTRICO EM 2013 Dezembro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00

Leia mais

tomadas na revisão regulamentar Julho 2008

tomadas na revisão regulamentar Julho 2008 Justificação das principais pa opções tomadas na revisão regulamentar Julho 2008 Agenda Processo de consulta pública Principais decisões e sua justificação Incentivos à melhoria dos serviços prestados

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 8687/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 8687/2011 27106 Diário da República, 2.ª série N.º 122 28 de Junho de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 8687/2011 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural estabelece

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA 2015 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR ELÉTRICO

PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA 2015 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR ELÉTRICO PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA 2015 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR ELÉTRICO Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente

Leia mais

do Orçamento Familiar

do Orçamento Familiar Iniciativa Sessões de esclarecimento para consumidores Parceria Gestão MUDAR DE COMERCIALIZADOR DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL do Orçamento Familiar Susana Correia Olhão 4, Fevereiro de 2013 Liberalização

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO

REGULAMENTO DE ACESSO REGULAMENTO DE ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES DO SETOR ELÉTRICO Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax:

Leia mais

Proposta de protocolo Benefícios aos associados

Proposta de protocolo Benefícios aos associados Proposta de protocolo Benefícios aos associados A LUZBOA A LUZBOA Comercialização de Energia Lda é uma empresa de comercialização de electricidade no mercado liberalizado sedeada em Viseu, que opera para

Leia mais

TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008

TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008 TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008 12 de Dezembro de 2007 1 Agenda 1. Qual é o enquadramento legal que condiciona a fixação das tarifas para 2008? 2. O que mudou no sector eléctrico que condiciona

Leia mais

PORTUGAL O SISTEMA ELÉTRICO PORTUGUÊS E AS RECENTES ALTERAÇÕES AO SEU REGIME JURÍDICO INTRODUÇÃO O DL 29/2006: ATIVIDADES DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL

PORTUGAL O SISTEMA ELÉTRICO PORTUGUÊS E AS RECENTES ALTERAÇÕES AO SEU REGIME JURÍDICO INTRODUÇÃO O DL 29/2006: ATIVIDADES DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL 130 Actualidad Jurídica Uría Menéndez / 34-2013 PORTUGAL O SISTEMA ELÉTRICO PORTUGUÊS E AS RECENTES ALTERAÇÕES AO SEU REGIME JURÍDICO O Sistema Elétrico Português e as recentes alterações ao seu regime

Leia mais

Legislação Consolidada. Diploma

Legislação Consolidada. Diploma Diploma Estabelece os critérios para a repercussão diferenciada dos custos decorrentes de medidas de política energética, de sustentabilidade ou de interesse económico geral na tarifa de uso global do

Leia mais

Legislação Consolidada. Diploma

Legislação Consolidada. Diploma Diploma Estabelece os critérios para a repercussão diferenciada dos custos decorrentes de medidas de política energética, de sustentabilidade ou de interesse económico geral na tarifa de uso global do

Leia mais

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL (ARTIGO 13(6) DO REGULAMENTO 347/2013 1 ) Setembro 2015 1 Regulamento (UE) N.º 347/2013

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 194 10 de Outubro de 2011 40063

Diário da República, 2.ª série N.º 194 10 de Outubro de 2011 40063 Diário da República, 2.ª série N.º 194 10 de Outubro de 2011 40063 Regulamento n.º 541/2011 Alteração do Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural A publicação do Decreto-Lei nº 101/2011, de 30 de

Leia mais

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Cláudio Monteiro (FEUP / SYSTEC) cdm@fe.up.pt Índice Complemento sobre enquadramento do novo regime de produção distribuída (autoconsumo).

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5588-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 215-A/2012 de 8 de outubro O Decreto -Lei n.º 78/2011, de 20 de junho, que veio

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303

Leia mais

O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico

O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico Breves notas O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico O aprofundamento dos esforços de criação do Mercado Eléctrico de Electricidade (MIBEL) prevê a necessidade de compatibilizar o quadro

Leia mais

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Seminário Anual WavEC Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Direção-Geral de Energia e Geologia Pedro Cabral Potencial renovável marinho

Leia mais

Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário

Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário Relatório Sumário 30 de abril de 2015 Este texto foi escrito

Leia mais

PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA 2016 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR ELÉTRICO

PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA 2016 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR ELÉTRICO PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA 2016 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR ELÉTRICO Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente

Leia mais

ALERTA LEGAL. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro

ALERTA LEGAL. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro ALERTA LEGAL Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro No dia 20 de outubro de 2014 foi publicada em Diário da República, I Série, o Decreto-Lei n.º 153/2014 que estabelece o regime jurídico aplicável

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 2/2011 ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉTRICA

RECOMENDAÇÃO N.º 2/2011 ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉTRICA RECOMENDAÇÃO N.º 2/2011 ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉTRICA Dezembro de 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA O ANO GÁS 2015-2016 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR DO GÁS NATURAL

PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA O ANO GÁS 2015-2016 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR DO GÁS NATURAL PROVEITOS PERMITIDOS E AJUSTAMENTOS PARA O ANO GÁS 2015-2016 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SETOR DO GÁS NATURAL Junho 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão

Leia mais

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano VI Conferência RELOP Per : José Quarta Luanda, 30 31 de Maio de 2013 1 Interacção entre actores do Sistema Eléctrico 2 3 Projectos de

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA

TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA TARIFAS E PREÇOS DE ENERGIA ELÉCTRICA REVISÃO EXTRAORDINÁRIA PARA VIGORAR ENTRE SETEMBRO E DEZEMBRO DE 2007 10 de Agosto de 2007 1 Agenda 1. O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico? 2. O

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

2. o Na fórmula do número anterior: d) PA(VRD) m é a parcela ambiental da remuneração. 3. o O valor de PF(VRD) m, previsto no n. o 1.

2. o Na fórmula do número anterior: d) PA(VRD) m é a parcela ambiental da remuneração. 3. o O valor de PF(VRD) m, previsto no n. o 1. N. o 12 15 de Janeiro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 307 do SEP continuará a ser paga através da fórmula apresentada no n. o 1. o, mas com o valor de PA(VRD) m reduzido e calculado de acordo com

Leia mais

As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim reduzir a fatura.

As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim reduzir a fatura. O consumo elétrico pode representar um custo relevante para as empresas. As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003 O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado pela ERSE através do Despacho n.º 18 413-A/2001 (2.ª série), de 1 de Setembro,

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Tarifa Social na Eletricidade. Aspetos principais

Tarifa Social na Eletricidade. Aspetos principais Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às redes de

Leia mais

14394 Diário da República, 2.ª série N.º 87 7 de maio de 2013

14394 Diário da República, 2.ª série N.º 87 7 de maio de 2013 14394 Diário da República, 2.ª série N.º 87 7 de maio de 2013 ( 65 ) V. BLANCO DE MORAIS, Da Relevância do Direito Público no Regime Jurídico das Fundações Privadas, in Estudos em Memória do Professor

Leia mais

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS Índice Enquadramento Novo regime de autoconsumo Mercado do autoconsumo doméstico Análise energética/técnica Análise económica Futuros modelos de negócios

Leia mais

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Resultados principais Novembro de 2014 Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação 1 22 Após décadas de preços de electricidade

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

Discussão dos Comentários à Proposta de Revisão dos Regulamentos do Sector Eléctrico Agosto 2005

Discussão dos Comentários à Proposta de Revisão dos Regulamentos do Sector Eléctrico Agosto 2005 Discussão dos Comentários à Proposta de Revisão dos Regulamentos do Sector Eléctrico Agosto 2005 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21

Leia mais

b) A potência de ligação das instalações de co-geração

b) A potência de ligação das instalações de co-geração N. o 12 15 de Janeiro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 303 c) CB dec é o valor, declarado pelo co-gerador no acto de licenciamento, da energia primária que será consumida anualmente na instalação,

Leia mais

Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade

Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade Projeto FEUP 2013/2014 Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores: Armando

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES DO SETOR ELÉTRICO Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) através do seu Despacho n.º 13/2008, de 12 de Junho, procedeu à publicação anual

Leia mais

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12 Assunto: Protocolo ERSE CCP Exmos. Senhores, Através da circular 40/2012, a CCP deu conhecimento do protocolo celebrado com a ERSE e que teve por objectivo reforçar

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES - 2001. Índice

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES - 2001. Índice Índice NOTA DE ABERTURA... 1 1 REVISÃO DOS REGULAMENTOS... 5 1.1 REGULAMENTO DO DESPACHO... 6 1.2 REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS... 7 1.3 REGULAMENTO TARIFÁRIO... 10 1.4 REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PARA PRODUTORES/IMPORTADORES DE BATERIAS DE VEÍCULOS ÍNDICE Introdução...3 1. Enquadramento Legal...4

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída. Setembro de 2014

Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída. Setembro de 2014 Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída Setembro de 2014 Introdução Objectivos da apresentação Apresentar ponto de situação do atual enquadramento legislativo da Micro e Miniprodução Apresentar

Leia mais