Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil"

Transcrição

1 Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil (42) (42) Caixa Posta 2339, CEP Os Painéis Aglomerados (MDP)... 1 O que são os Painéis Aglomerados?... 1 Tipos de Aglomerado... 1 Usos e Aplicações dos Aglomerados... 2 Vantagens e Desvantagens dos Aglomerados... 2 Os Painéis Aglomerados no Mundo... 3 A evolução da produção de Aglomerados no mundo.. 3 A evolução dos preços dos Aglomerados no mundo... 3 Os Painéis Aglomerados no Brasil... 4 A Produção de Aglomerados no Brasil... 4 O mercado do MDP no Brasil As Indústrias de Aglomerados... 6 O Processo de Produção de Aglomerados... 6 Tamanho das Plantas de Produção... 6 Diferenças entre Plantas grandes e pequenas... 6 As vantagens das plantas pequenas... 7 É rentável a Produção de Aglomerado no Brasil?... 7 Instalação de plantas pequenas de MDP no Brasil.. 7 É possível instalar uma planta pequena no Brasil?... 7

2 1,

3 1 Os Painéis Aglomerados (MDP) O painel de aglomerado é um dos mais antigos produtos de painéis feitos em madeira. Sua historia data de começos do Século XX.O aglomerado é um painel feito com partículas de madeira aglutinadas com adesivo sintético, uma espécie de cola e consolidado através de aplicação de calor e pressão numa prensa quente. Como matéria-prima, no mundo, são empregados: resíduos industriais de madeira; resíduos da exploração florestal; madeiras de qualidade inferior, não industrializáveis de outra forma; madeiras provenientes de florestas plantadas; e reciclagem de madeira sem serventia. No Brasil, a madeira de florestas plantadas em especial, de eucalipto e de pinus constitui a principal fonte de matéria-prima. O que são os Painéis Aglomerados? As chapas de madeira aglomerada (MDP pela sua sigla em inglês) pertencem ao grupo dos painéis de madeira reconstituída, do qual também fazem parte o MDF, HDF, a Chapa de Fibra e OSB. Nomenclatura Internacional de Painéis MDP = Medium density particle board, Painéis de partículas de media densidade, o Painel Aglomerado. MDF = Medium density fiber board, Painéis de fibras de media densidade. O Aglomerado é uma chapa produzida com partículas de madeira selecionadas de pinus e/ou eucalipto, aglutinadas com cola (resina sintética), calor e pressão. Isto o diferencia do MDF e das chapas de fibra que são produzidos com fibras de madeira. As chapas de aglomerado não são homogêneas. Na sua espessura apresentam três camadas com diferente tamanho de partícula (uma interna e duas externas). Os maiores concorrentes dos Painéis Aglomerados no mercado mundial são os Painéis MDF. Os MDF, porém, apresentam custos de produção muito maiores, pelo qual dispõem somente de um nicho de mercado, que é de volume muito menor ao volume do MDP comercializado no mundo. Este é o caso também no Brasil. 1 HDF = High density fiber board, Painéis de fibras de alta densidade utilizadas para pisos principalmente. OSB = Painel estrutura, destinado para substituir o compensado. Tipos de Aglomerado As chapas de aglomerado são fabricadas com diferentes características, que variam em função de sua utilização final. Podem ser classificadas de um modo geral em: 1. Chapas de revestimento: é a chapa "in natura", possibilitando receber os mais diversos tipos de acabamento; 2. Chapas revestidas (ou laminadas): podem ser revestidas em uma ou duas faces, com película de celulose do tipo Finish Foil (FF) ou Lâmina Ecológica (LE) em padrões madeirados, unicolores ou fantasias, ou ainda, revestidas com laminado melamínico de baixa pressão (BP), que, por efeito

4 de prensagem a quente, funde o laminado ao painel aglomerado formando um corpo único e inseparável; lâminas de madeira, laminado de alta pressão, précompostas, etc., podendo apresentar superfície lisa ou texturização, acabamentos de diferentes brilhos e cores. No Brasil cerca de metade da produção de aglomerado é revestida com diferentes materiais e tecnologias agregando valor às chapas cruas. Porém, mais da metade da produção é comercializada sem qualquer acabamento. Usos e Aplicações dos Aglomerados O aglomerado de partículas possui uma grande versatilidade, no que diz respeito as suas potenciais aplicações. É amplamente utilizado pela indústria de móveis, construção civil, embalagens, entre outros. É indicado para confecção de portas de armários, tampos de mesas e outras peças onde se deseja obter um bom acabamento e uniformidade. Ele também é adequado para a fabricação de mobiliário de cozinha, quarto, sala e área de serviço com grandes vantagens sobre o compensado quando se trata de características físicas e econômicas (menor custo) e também sobre o MDF para as mesmas funções, exceto para portas trabalhadas. A madeira aglomerada é menos indicada para móveis que fiquem em áreas úmidas da casa por ter menor resistência a umidade. A umidade é fatal para o aglomerado, que, com tempo apodrece, a madeira costuma esfarelar em contato frequente com ela. 2 Vantagens e Desvantagens dos Aglomerados As principais vantagens dos Painéis Aglomerados são as seguintes: Densidade igual ou maior que a da madeira (característica que lhe dá maior resistência); É uma matéria-prima homogênea (o processo de produção retira os nós e as imperfeições da madeira, evitando o rachado e as deformações da madeira serrada e aumentando a resistência); São chapas estáveis, podendo ser cortadas em qualquer direção, o que permite o seu maior aproveitamento; É feita com madeira de reflorestamento, o que reduz o uso da madeira nativa; Tem um custo baixo; Tem maior resistência às pragas (cupins e brocas) do que a madeira serrada. Os Painéis Aglomerados também tem algumas desvantagens: A superfície do painel e as bordas são mais grosseiras do que a madeira aplainada; Tem baixa usinabilidade (a usinabilidade confere à madeira a possibilidade de ser entalhado, receber bordas e ser torneada); Algumas operações como fresagem, fixações, encabeçamentos, molduras, post forming, entre outras, requerem cuidados especiais com ferramentas e equipamentos; Pode esfarelar com o uso de dobradiças e parafusos inadequados; Não aceita pregos; Tem baixa resistência à umidade, pelo que deve ser utilizado em ambientes internos e secos, para que suas propriedades originais não se alterem.

5 Os Painéis Aglomerados no Mundo A evolução da produção de Aglomerados no mundo Os painéis de aglomerado são os mais largamente consumidos no mundo dentre os diferentes painéis de madeira reconstituída existente. A produção mundial de aglomerados alcançou 84 milhões de m³, em 2000, destacando-se como maior fabricante o Estado Unido responsável por 25% desse volume. fornecedores tradicionais são os países da Oceania, principalmente Nova Zelândia, e da Europa. De acordo com a FAO e o Departamento Florestal dos EEUU, e ao contrario de um boato espalhado por interessados no desenvolvimento do MDF, o produto Aglomerado (MDP) encontra-se na cúspide da curva de maturidade no mercado mundial (Figura 1), levemente na frente de MDF. A partir da realidade do Brasil, baseado nas necessidades de vivenda e mobiliário de baixo custo, é fácil concluir que o aglomerado possui longa vida em nosso mercado. O Brasil posiciona-se em nono lugar, com 2% do volume produzido. No período 1996/2000, o consumo mundial de aglomerado cresceu à uma taxa média anual de 6,5%; Estados Unidos e Alemanha são os maiores centros de consumo, representando 46% da demanda. O comércio mundial de aglomerado movimenta cerca de US$ 6 bilhões e 25% do consumo global (22 milhões de m³). A Europa concentra metade das transações realizadas. Observa-se que a comercialização se dá, preferencialmente, entre regiões próximas, uma vez que o preço do aglomerado não suporta valores de fretes para grandes distâncias. A Europa é a principal região exportadora, enquanto América do Norte e Ásia/Oceania é importadora. Os Estados Unidos são o maior importador mundial e o Canadá é o maior exportador. A China é outro importador de expressão. Merece destaque a condição de importador de aglomerado do Continente Asiático. Em 2000, a Ásia importou 2,5 milhões de metros cúbicos de aglomerado e exportou 1,3 milhão, segundo a FAO. Seus Figura 1. Curva de maturidade dos produtos de madeira (Fonte: USDA-FS) A evolução dos preços dos Aglomerados no mundo Na Figura 2 observam-se os três nichos de preços internacionais: 1. Aglomerado (MDP) em torno de 150 Euros/m³; 2. MDF em torno de 200 Euros/m³, baseado nos custos de produção maiores; 3

6 3. OSB em torno de Euros/m³ (para uso na construção civil, basicamente) capacidade produtiva de aglomerado. Das dez plantas de produção existentes, a maioria pode ser considerada atualizada tecnologicamente. Figura 3. Produção brasileira de Painéis Reconstituidos (Aglomerado e MDF) milhões de m³/ano. (Fonte: Arauco) Figura 2. Evolução dos preços dos painéis na Europa, (fonte: EUWID, 2012) Devido aos incrementos de custos nas matérias primas na Europa o potencial exportador de aglomerado de boa qualidade com matérias primas de reflorestamento, vai se incrementar, especialmente dos painéis laminados com madeira decorativa de florestas artificiais e Aspecto Tropical. O Brasil ainda importa e exporta painéis aglomerados. O mercado do MDP no Brasil Comparativamente com outros países, o consumo per capita de Aglomerado e MDF ainda é baixo, e há bastante espaço para crescer quando a renda da população melhorar Os Painéis Aglomerados no Brasil A Produção de Aglomerados no Brasil A produção brasileira de aglomerado, no período 1996/2000, evoluiu de mil m³ para mil m³, o que representa um crescimento médio anual de 13,6%, bastante superior à taxa mundial de 6,5%. A produção é realizada por dez fabricantes, todos localizados nas regiões Sul e Sudeste, principais centros de consumo (onde se localizam os pólos moveleiros de maior expressão), somando uma capacidade total de mil m³. As quatro maiores empresas (Satipel, Berneck, Duratex e Eucatex) detêm 79,8% da 4 Figura 4. Consumo de painéis per capita. O maior consumidor de painéis de aglomerado no Brasil é a indústria moveleira. Mais de 90% da produção de aglomerado no Brasil é destinada aos polos moveleiros, sendo uma parcela expressiva comercializada diretamente com as fábricas, enquanto um volume menor é vendido para revendedores que atendem os pequenos fabricantes de

7 móveis. Na Figura 5 é apresentada a distribuição do consumo dos MDP no Brasil. Figura 5. Aplicações dos painéis aglomerados no Brasil em (Fonte: ABIPA) A evolução do consumo (e da produção) dos MDP, então, está ligada diretamente com a evolução da indústria moveleira. Mais do 84% dos móveis no Brasil são feitos de MDP ou MDF, segundo apresentado na Figura 6. Figura 6. Proporção dos diferentes tipos de matéria prima de madeira consumidos nos principais polos moveleiros do Brasil. 5

8 2 As Indústrias de Aglomerados A indústria de chapas de partículas teve sua origem na Alemanha, desenvolvendo-se após a segunda Guerra Mundial. Porem, a grande expansão desta indústria ocorreu inicialmente nos EUA, e a partir daí, no resto do mundo. A primeira indústria de chapas de madeira aglomerada no Brasil foi instalada em 1966, em Curitiba, Estado do Paraná. O Processo de Produção de Aglomerados O processo produtivo das chapas de madeira aglomerada é realizado por meio de um processo seco e inclui a aplicação de resinas uréia-formaldeído para formar a chapa de aglomerado, além da possibilidade de utilização de diversos produtos químicos para evitar mofo, umidade, ataque de insetos e aumentar a resistência ao fogo. O fluxo de produção das chapas de madeira aglomerada é descrito brevemente pelas etapas seguintes: 1. As toras de pinos ou eucalipto são descascadas, com descascador de tambor ou de anel; 2. Em seguida, as toras passam por um Chipper-Flaker (um picador), que as transforma em partículas de madeira (maravalha); 3. As partículas são armazenadas em silos, passando em seguida por um secador e peneiras classificadoras, que separam as partículas que formarão as camadas interna e externas do painel; 4. As partículas passam por um processo de colagem e pela formadora, de onde saem três camadas, duas externas com partículas menores e uma interna com partículas maiores; 5. As camadas seguem para a prensa, de onde saem como chapas consolidadas após um processo a base de pressão e temperatura; 6 6. Finalmente, as chapas passam por uma serra para o dimensionamento final, são lixadas de forma a sofrerem um acabamento superficial, são classificadas e vão para a expedição. Tamanho das Plantas de Produção O tamanho das plantas de produção de painéis aglomerados é definido pela quantidade de m³ que são capazes de produzir por dia. As faixas de produção no Brasil são as seguintes: 1. Plantas grandes: mais de 300 m³/dia 2. Plantas medias: entre 100 e 300 m³/dia 3. Plantas pequenas: até 100 m³/dia. A tendência ao longo do tempo tem sido ao aumento do tamanho de plantas, principalmente pelo fator de rentabilidade relacionado à produção em escala. Na Europa, hoje em dia, já não são fabricadas plantas de menos de 500 m³/dia. Diferenças entre Plantas grandes e pequenas A diferença tecnológica mais destacável entre as plantas maiores e as menores e a continuidade da prensa. As plantas maiores trabalham com prensado continuo, enquanto as menores fazem um prensado descontinuo. A qualidade dos painéis, porém, não depende da continuidade do prensado. Painéis corretamente fabricados

9 com prensas descontinuas tem a mesma qualidade que os fabricados com prensas continuas. A nível mundial, só na China estão sendo fabricados hoje equipamentos para produção de menos de 500 m³/dia. Porém, a tecnologia desenvolvida na China é copia de tecnologias europeias obsoletas e inapropriadas. As vantagens das plantas pequenas A vantagem mais visível é o menor custo de instalação de uma planta pequena, que fica entre 6 a 8 vezes menor do que uma planta grande. Um investimento em uma planta de 500 m³/dia está na faixa de R$ 80: , enquanto uma planta pequena, de até 100 m³/dia pode ficar por menos de R$ 10: Outra grande vantagem é que uma planta pequena não precisa funcionar nas 24 horas do dia, como é o caso de uma planta grande que não pode parar pelos custos do investimento. As plantas pequenas também tem vantagens na possibilidade de fazer adaptações e ajustes para otimizar a produção de acordo às características particulares da matéria prima ou do mercado alvo particular. É rentável a Produção de Aglomerado no Brasil? A rentabilidade depende da relação entre os custos de produção e o preço de venda. Os custos de produção, por sua vez, eles dependem da tecnologia empregada e da escala de produção, que permite diminuir os custos de pessoal, energia, etc. Os custos, então, dependem de cada projeto em particular. Porém, é possível afirmar que nas condições do mercado brasileiro, uma planta pequena, na faixa de produção de até 100 m³/dia, recupera a totalidade do investimento feito num prazo de uns 8 meses. Instalação de plantas pequenas de MDP no Brasil O Brasil está entre os mais avançados do mundo na fabricação de painéis de madeira reconstituída. É também o país com o maior número de fábricas de última geração. Com investimentos contínuos em tecnologia de automação, instalação de novas unidades e atualização tecnológica das plantas já existentes, implantação de linhas contínuas de produção o caminho do desenvolvimento da produção de aglomerados parece dirigido às megaplantas como na Europa. Mas existem alternativas para quem quer fazer um ótimo aproveitamento de reflorestamentos médios e pequenos de pinus ou eucaliptos. As plantas pequenas de produção de aglomerado permitem ingressar a um mercado de alta rentabilidade e com uma boa demanda potencial de investidores menores. É possível instalar uma planta pequena no Brasil? Sim, é possível. Existe a tecnologia e o know-how para instalar uma planta pequena de MDP no Brasil hoje. Existem também possibilidades de financiamento através do FINAME e outros mecanismos de crédito. Na atualidade, aproximadamente um 50% do maquinário necessário pode ser fabricado no Brasil. O resto pode ser importado com as vantagens que existem para o equipamento que não é produzido no país, isto é, pode se importar maquinário usado de boa qualidade e ainda obter financiamento do FINAME, segundo o caso. 7

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho PAINEIS DE MADEIRAS RECONSTITUÍDAS Madeira Reconstituída Madeira reconstituída são aquelas que utilizam partículas, fibras ou lâminas de madeira natural como principal matéria prima, aglutinadas por uma

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

Nº 2 2002 PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA. Área de Setores Produtivos 1

Nº 2 2002 PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA. Área de Setores Produtivos 1 Nº 2 2002 PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA Área de Setores Produtivos 1 PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA ÁREA DE SETORES PRODUTIVOS 1 SP1 DIRETOR José Mauro Mettrau Carneiro da Cunha SUPERINTENDENTE Jorge

Leia mais

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP.

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. Apresentação MDF E MDP Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. MDF (Medium Density Fiberboard) Fibra de Média Densidade Painel de fibras de madeira encoladas com resina

Leia mais

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O MDF não é tudo igual. PROCURE O RINO. Quer MDF assegurado, fabricado com a mais avançada tecnologia mundial, produzido pela empresa que é sinônimo de qualidade? PROCURE O RINO. Tecnologia, qualidade e

Leia mais

Artigo Técnico Nº 1 BRASIL E SUAS PARTICULARIDADES

Artigo Técnico Nº 1 BRASIL E SUAS PARTICULARIDADES Artigo Técnico Nº 1 PAINÉIS DE MADEIRA FABRICADOS NO BRASIL E SUAS PARTICULARIDADES 1 Apresentação Graças aos avanços tecnológicos havidos na indústria de madeiras do Brasil, é possível nos dias de hoje

Leia mais

MDF, MDP, OSB... A MADEIRA POR TRÁS DAS SIGLAS INFORMATIVO TÉCNICO 3 - JULHO DE 2008

MDF, MDP, OSB... A MADEIRA POR TRÁS DAS SIGLAS INFORMATIVO TÉCNICO 3 - JULHO DE 2008 Por quê transformar a madeira? Fábrica de painéis de MDP Enquanto trabalhada sob a forma de peças serradas, a madeira maciça apresenta excelentes propriedades mas também alta heterogeneidade e anisotropia

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 A SEFIT Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho Ltda, inscrita no CNPJ n.º 04.207.225/0001-74,

Leia mais

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Ibá Inédita união de quatro associações de empresas de produtos de base florestal plantada, com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

Receita Operacional Líquida (ROL) no 1T09 atingiu R$ 118,7 milhões, praticamente repetindo a cifra apresentada em igual período de 2008

Receita Operacional Líquida (ROL) no 1T09 atingiu R$ 118,7 milhões, praticamente repetindo a cifra apresentada em igual período de 2008 RESULTADOS 1T09 Destaques Destaques Receita Operacional Líquida (ROL) no 1T09 atingiu R$ 118,7 milhões, praticamente repetindo a cifra apresentada em igual período de 2008 Lucro Bruto de R$ 38,1 milhões

Leia mais

O MATERIAL. O Material. O Uso. Propriedades. Fabricação. Transporte. Produto Final. Distribuição. Reciclagem. Distribuidores

O MATERIAL. O Material. O Uso. Propriedades. Fabricação. Transporte. Produto Final. Distribuição. Reciclagem. Distribuidores CICLO DE VIDA MDF O MATERIAL O MDF (Medium-density fiberboard) é um material fabricado pela aglutinação de fibras de madeira (eucalipto ou pinus) com resinas sintéticas e outros aditivos. Possui como características

Leia mais

PRODUTOS FLORESTAIS PAINÉIS DE MADEIRA NO BRASIL: PANORAMA E PERSPECTIVAS. René Luiz Grion Mattos Roberta Mendes Gonçalves Flávia Barros das Chagas

PRODUTOS FLORESTAIS PAINÉIS DE MADEIRA NO BRASIL: PANORAMA E PERSPECTIVAS. René Luiz Grion Mattos Roberta Mendes Gonçalves Flávia Barros das Chagas PAINÉIS DE MADEIRA NO BRASIL: PANORAMA E PERSPECTIVAS René Luiz Grion Mattos Roberta Mendes Gonçalves Flávia Barros das Chagas * Respectivamente, engenheiro, estagiária e gerente do Departamento de Papel

Leia mais

Processo de fabricação de móveis utilizandose chapa de fibras de madeira de média densidade (MDF ou MDP)

Processo de fabricação de móveis utilizandose chapa de fibras de madeira de média densidade (MDF ou MDP) UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE Processo de fabricação de móveis utilizandose chapa de fibras de madeira de média densidade (MDF ou MDP) Por: Marcos de Freitas

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

Resultados do 4T13. 20 de Fevereiro de 2014

Resultados do 4T13. 20 de Fevereiro de 2014 Resultados do 4T13 20 de Fevereiro de 2014 Grupo Eucatex 2 Destaques Gerais do 4T13 Receita Líquida R$ 293,1 milhões, crescimento de 10,7% EBITDA Recorrente R$ 56,7 milhões, aumento de 10,7% Margem EBITDA

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira Materiais de Construção Civil Aula 10 Madeira Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Situação atual no Brasil: Complicantes: Poucos cursos de graduação ministram estruturas de madeira; Falta de conhecimento

Leia mais

Tendencias do setor de painéis e madeira sólida no MS- junho 2010

Tendencias do setor de painéis e madeira sólida no MS- junho 2010 Tendencias do setor de painéis e madeira sólida no MS- junho 2010 Área de efetivo plantio - ha 99.589 ha MASISA Área total = 242.400 ha 12.286 ha 89.294 ha 41.231 ha O setor de painéis reconstituidos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

Painéis de Madeira Situação Atual e Perspectivas

Painéis de Madeira Situação Atual e Perspectivas Painéis de Madeira Situação Atual e Perspectivas Vaider Dal Forno Foletto Gerente Florestal Unidade RS 14 de Maio de 2015 GOVERNANÇA Empresa privada e de capital aberto, a Duratex é controlada pelos conglomerados

Leia mais

Tipos de madeiras, cuidados e usos!

Tipos de madeiras, cuidados e usos! Tipos de madeiras, cuidados e usos! O trabalho em madeira esta ao alcance de todos, material excelente, explorado pelo homem á milhares de anos. Porém sua resistência e durabilidade são afetadas de diversas

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

MADEIRAS TIPOS DE PISOS DE MADEIRA

MADEIRAS TIPOS DE PISOS DE MADEIRA MADEIRAS MADEIRAS TIPOS DE PISOS DE MADEIRA As características específicas de cada um dos principais tipos de pisos de madeira encontrados no mercado - assoalhos, carpetes, laminados, tacos e parquets

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Panorama de mercado: painéis de madeira

Panorama de mercado: painéis de madeira Painéis de Madeira BNDES Setorial 32, p. 49-90 André Biazus André Barros da Hora Bruno Gomes Pereira Leite * Resumo Os painéis de madeira são estruturas fabricadas com madeiras em lâminas ou em diferentes

Leia mais

SETOR DE PAINÉIS E DE MADEIRA SERRADA

SETOR DE PAINÉIS E DE MADEIRA SERRADA Ivan Tomaselli stcp@stcp.com.br CAMPINAS, SP 3 CONTEÚDO OS PRODUTOS PAINÉIS DE MADEIRA MATÉRIAS PRIMAIS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS GLOBAIS PRODUÇÃO COMÉRCIO INTERNACIONAL TENDÊNCIAS NACIONAIS PRODUÇÃO EXPORTAÇÕES

Leia mais

catálogo técnico painéis de madeira

catálogo técnico painéis de madeira catálogo técnico painéis de madeira Fundada em 1951 e com ações controladas pelo grupo Itaúsa e pela Companhia Ligna de Investimentos, a Duratex é a maior indústria de painéis de madeira industrializada

Leia mais

PAINÉIS DE MADEIRA AGLOMERADA

PAINÉIS DE MADEIRA AGLOMERADA PAINÉIS DE MADEIRA AGLOMERADA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR - DETF INTRODUÇÃO Histórico 1941 > Alemanha > início da produção > escassez madeira > uso resíduos Final 2ª guerra mundial > paralisação > redução

Leia mais

Aracruz Celulose principais dados

Aracruz Celulose principais dados ARACRUZ CELULOSE Aracruz Celulose principais dados Fundada em 1972, e iniciou a produção em 1978 400.000 t/ano Hoje produz 3.000.000 t/ano. Responde por 33% do mercado mundial de celulose de eucalipto.

Leia mais

Marco de porta tipo Americano

Marco de porta tipo Americano Marco de porta tipo Americano em resistente à umidade* proteção contra cupins* pré pintado ecológico soluções em sistemas construtivos O que é é a sigla de Medium Density Fiberboard ou Painel de Fibras

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 214 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 214 CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ACR 2. BASE FLORESTAL PLANTADA 3. MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

Descritivo Portas (Kit)

Descritivo Portas (Kit) Descritivo Portas (Kit) Portas hospitalares com aplicação de chapa possuem em termos de estrutura: duas lâminas de HDF densidade 800 kg/m3 e espessura de 6mm (espessura de folha 35mm) ou 9mm MDF Ultra

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa 2º trimestre de 2014 Destaques do período Desempenho no período prejudicado pela conjuntura desfavorável: Ambiente de baixa expansão da atividade econômica Inflação medida pelo

Leia mais

ANALISIS DE LA INFORMACION SOBRE PRODUCTOS FORESTALES MADEREROS EN LOS PAISES DE AMERICA LATINA

ANALISIS DE LA INFORMACION SOBRE PRODUCTOS FORESTALES MADEREROS EN LOS PAISES DE AMERICA LATINA PROYECTO INFORMACION Y ANALISIS PARA EL MANEJO FORESTAL SOSTENIBLE: INTEGRANDO ESFUERZOS NACIONALES E INTERNACIONALES EN 13 PAISES TROPICALES EN AMERICA LATINA (GCP/RLA/133/EC) ANALISIS DE LA INFORMACION

Leia mais

PRODUTOS SÓLIDOS DE MADEIRA. Resumo

PRODUTOS SÓLIDOS DE MADEIRA. Resumo PRODUTOS SÓLIDOS DE MADEIRA Angela Regina Pires Macedo Carlos Alberto Lourenço Roque Elizabete Tojal Leite* Resumo Este trabalho analisa o desempenho e as principais tendências das exportações brasileiras

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

CATÁLOGO DE PORTAS. www.dalcomad.com.br

CATÁLOGO DE PORTAS. www.dalcomad.com.br www.dalcomad.com.br CATÁLOGO DE PORTAS DALGALLO COMÉRCIO DE MADEIRAS LTDA. Rua Ângelo Albino Bertoletti, 480 I Pq. Industrial Pref. Hilário Clivatti Fone +55 (042) 3553 1350 I CEP 84640 000 I Bituruna

Leia mais

Madeira na construção

Madeira na construção Madeira na construção Madeira como material de construção O emprego da madeira na construção civil remonta desde os primórdios da civilização. Esta apresenta-se como material excepcional e como matéria-prima

Leia mais

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br ESTRUTURA ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ATUAÇÃO GLOBAL REINO UNIDO CANADÁ ESTADOS UNIDOS HONDURAS PANAMÁ COLÔMBIA EQUADOR PERÚ BOLÍVIA CHILE EL SALVADOR CONGO ARGENTINA URUGUAI PARAGUAI BRASIL GUIANA

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p.195-200 195 ISSN 0103-9954

Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p.195-200 195 ISSN 0103-9954 Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p.195-200 195 ISSN 0103-9954 RESISTÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE ALGUNS PAINÉIS AGLOMERADOS COMERCIALIZADOS NO RIO GRANDE DO SUL STATIC BENDING PROPERTIES OF SOME

Leia mais

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA CIMENTO-MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR - DETF INRODUÇÃO HISTÓRICO 1914 > Áustria > partículas excelsior + aglutinante (óxido magnésio + cloreto magnésio) 1928 > Alemanha > início > uso cimento portland

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO nº 08012.002930/2005-93 Requerentes: Arauco Brasil Ltda. e Louis Dreyfus S.A.S Advogados: Lauro Celidonio Neto,

Leia mais

Lounge Hotel Nightclub Foto: Mariana Medeiros Milanezi

Lounge Hotel Nightclub Foto: Mariana Medeiros Milanezi Lounge Hotel Nightclub Foto: Mariana Medeiros Milanezi 70 ANOS DE HISTÓRIA, INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL A SANTA LUZIA foi fundada em 1942, como uma pequena fábrica de espelhos.poucos anos

Leia mais

MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES

MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES Características MDF MDP O que é Painel de média densidade Painel de média densidade produzido a partir de fibras produzido a partir de

Leia mais

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. ago. 2014

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. ago. 2014 PAINEIS DE MADEIRAS RECONSTITUÍDAS ago. 2014 Madeira Reconstituída Madeira reconstituída são aquelas que utilizam partículas, fibras ou lâminas de madeira natural como principal matéria prima, aglutinadas

Leia mais

Panorama de mercado: painéis de madeira. André Carvalho Foster Vidal André Barros da Hora

Panorama de mercado: painéis de madeira. André Carvalho Foster Vidal André Barros da Hora Panorama de mercado: painéis de madeira André Carvalho Foster Vidal André Barros da Hora Produtos Florestais BNDES Setorial 40, p. 323-384 Panorama de mercado painéis de madeira André Carvalho Foster Vidal

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

catálogo técnico painéis de madeira

catálogo técnico painéis de madeira catálogo técnico painéis de madeira Olá, somos a Duratex! Somos a maior indústria do hemisfério sul de painéis de madeira e de louças e metais sanitários, com as marcas Deca e Hydra e Duratex Madeira.

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

C ELULOS E & P A P E L

C ELULOS E & P A P E L ELULOSE C & P A P E L C ELULOSE & P A P E L APRESENTAÇÃO A Revista CELULOSE & PAPEL surge no segmento para oferecer aos seus leitores uma nova oportunidade na busca da melhor informação do mercado e novos

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos

Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Apoio ao estudo que mapeie as oportunidades de negócio florestal nos segmentos: papel e celulose, painéis de madeira, madeira serrada PROJETO

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

APIMEC 2012. APIMEC 2012 Flávio Donatelli Diretor de Relações com Investidores

APIMEC 2012. APIMEC 2012 Flávio Donatelli Diretor de Relações com Investidores APIMEC 2012 Flávio Donatelli Diretor de Relações com Investidores DURATEX S.A. Principais Acionistas em 31.Ago.2012 Governança Corporativa 0,2% 100% de ações ordinárias. 1 ação, 1 voto 12,1% Itaúsa e Famílias

Leia mais

3-3 Compensado [Artigos para o lar]

3-3 Compensado [Artigos para o lar] 3-3 Compensado [Artigos para o lar] 1. Definição da Categoria Compensado (e tábua em partículas) bem como chapas de madeira compensada e chapas de compensados utilizadas para fazer compensado. Números

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 134/026/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 026/2014 SRP PROCESSO Nº 23080. 056220/2013-73

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 134/026/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 026/2014 SRP PROCESSO Nº 23080. 056220/2013-73 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPRAS Prédio II da Reitoria - Rua Desembargador Vitor Lima, 222 - Trindade 6º andar CEP: 88040-400

Leia mais

ESTUDO DE PAINÉIS E SEUS ACABAMENTOD

ESTUDO DE PAINÉIS E SEUS ACABAMENTOD UNIUV CENTRO UNIVERSITÁRIO DE UNIÃO DA VITÓRIA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL DA MADEIRA PAINÉIS DE MADEIRA PROF. Dr. ROBERTO PEDRO BOM ESTUDO DE PAINÉIS E SEUS ACABAMENTOD 1 UNIÃO DA VITÓRIA MAIO/2010

Leia mais

REVISTA DON DOMÊNICO SEGURANÇA NO REAPROVEITAMENTO DE FINOS NO PROCESSO MDF

REVISTA DON DOMÊNICO SEGURANÇA NO REAPROVEITAMENTO DE FINOS NO PROCESSO MDF SEGURANÇA NO REAPROVEITAMENTO DE FINOS NO PROCESSO MDF Marcos Santos Lima 1 Júnior dos Santos Gomes 2 Mayara Nascimento Fontes 3 Vinícius Roveri 4 Rodrigo Tognotti Zauberas 5 Resumo Os finos são denominados

Leia mais

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 (requisitos dimensionais) ERGOSPACE MESA DE TRABALHO RETA

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 (requisitos dimensionais) ERGOSPACE MESA DE TRABALHO RETA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 (requisitos dimensionais) ERGOSPACE MESA DE TRABALHO RETA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 A SEFIT Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Design de Móveis. Chapas de madeira processada

Design de Móveis. Chapas de madeira processada Design de Móveis Chapas de madeira processada O que são chapas de madeira processada? São chapas formadas por madeira em formatos diferenciados (lâminas, fibras, partículas, etc.), processadas industrialmente

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL XIV Seminário de Atualização Sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Curitiba, Agosto 2006 1. Introdução O preço do petróleo

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

1 AÚSA 2009 APIMEC IT

1 AÚSA 2009 APIMEC IT APIMEC ITAÚSA 2009 1 APIMEC ITAÚSA 2009 2 05 APIMEC ITAÚSA 2009 3 APIMEC ITAÚSA 2009 4 07 08 APIMEC ITAÚSA 2009 5 09 10 APIMEC ITAÚSA 2009 6 11 12 APIMEC ITAÚSA 2009 7 13 14 APIMEC ITAÚSA 2009 8 16 APIMEC

Leia mais

USOS INDUSTRIAIS. O painel OSB é versátil, resistente e apresenta uma variedade de espessuras que permite diversos usos.

USOS INDUSTRIAIS. O painel OSB é versátil, resistente e apresenta uma variedade de espessuras que permite diversos usos. CATÁLOGO TÉCNICO USOS INDUSTRIAIS O painel OSB é versátil, resistente e apresenta uma variedade de espessuras que permite diversos usos. M A T E R I A I S P A R A C O N S T R U I R M E L H O R. Quem somos

Leia mais

Ferramentas Leitz Brasil

Ferramentas Leitz Brasil Ferramentas Leitz Brasil Leitz Association Representada em mais de 100 paises São 25 Fabricas espalhadas pelo mundo e mais de 300 postos de Serviço. Em torno de 7000 funcionários Vendas anuais em cerca

Leia mais

FORMÓBILE 2014 LANÇAMENTOS DA EUCATEX ALIAM TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E EXCLUSIVIDADE DE PRODUTOS

FORMÓBILE 2014 LANÇAMENTOS DA EUCATEX ALIAM TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E EXCLUSIVIDADE DE PRODUTOS FORMÓBILE 2014 LANÇAMENTOS DA EUCATEX ALIAM TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E EXCLUSIVIDADE DE PRODUTOS Vermelho Scarlate: uma das cores vibrantes do MDF Eucafibra Lacca AD, exclusivo da Eucatex A Eucatex, considerada

Leia mais

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente.

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente. Os programas Domus são divididos em 4 aplicativos para atender às diferentes necessidades das pequenas e médias fábricas de móveis, ou de profissionais que se dedicam somente ao desenvolvimento de projetos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

Grupo Eucatex. Pioneirismo, inovação, qualidade e sustentabilidade são as palavras-chave que fazem da Eucatex a escolha de milhares de brasileiros.

Grupo Eucatex. Pioneirismo, inovação, qualidade e sustentabilidade são as palavras-chave que fazem da Eucatex a escolha de milhares de brasileiros. Grupo Eucatex Há mais de 60 anos, a Eucatex tem pautado suas ações por um grande respeito às pessoas e ao meio ambiente e destaca-se por ser uma das maiores fabricantes de pisos, portas, divisórias, painéis

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA sca.com.br Parabéns! Agora, a mudança faz parte da sua vida. Neste manual, você encontrará as principais informações para garantir que seu mobiliário S.C.A.

Leia mais

SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA

SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA Artigo Técnico Nº 27 Novembro 2004 SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA INTRODUÇÃO A secagem é uma etapa indispensável no processo de industrialização da madeira serrada, bem como de lâminas de madeira,

Leia mais

Eucafloor. Sempre fazendo parte da sua vida!

Eucafloor. Sempre fazendo parte da sua vida! Os pisos laminados Eucafloor são os únicos com duas opções de montagem em seus produtos: o sistema 5G e o encaixe com cola. Eucafix: um sistema que faz você subir pelas paredes de alegria. Quando o assunto

Leia mais

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA As paredes de madeira dividem-se em: Paredes Estruturais Divisão e fechamento de ambientes Suportar cargas verticais e transmití-las as fundações Suportar cargas horizontais

Leia mais

PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ

PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ FACULDADE PRUDENTE DE MORAES PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ MAURICIO CESAR BOCHINI Itu 2009 Faculdade Prudente de Moraes MBA Executivo PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ MAURICIO

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

ESTRUTURA CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS CONSTRUÇÃO EM COMPENSADO. 5 32 x 44. 4 32 x 68. 3 Serrado de. 6 Cavernas do meio do barco. 8 44 x 143 1.

ESTRUTURA CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS CONSTRUÇÃO EM COMPENSADO. 5 32 x 44. 4 32 x 68. 3 Serrado de. 6 Cavernas do meio do barco. 8 44 x 143 1. ESTRUTURA 17 18 Serrado de 20 x 193 CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS 5 32 x 44 14 16 x 143 4 32 x 68 3 Serrado de 32 x 143 3 Cavernas da popa ao meio do barco: 32 x 143 6 Cavernas do meio do barco até proa: 32 x

Leia mais

maters Eficiency New Perspectives

maters Eficiency New Perspectives maters Eficiency New Perspectives visão e missão resto do mundo visão Ser reconhecido como um líder mundial sustentável no sector dos painéis derivados de madeira, proporcionando de forma consistente,

Leia mais

SOCIAL AMBIENTAL MFS ECONÔMICA

SOCIAL AMBIENTAL MFS ECONÔMICA II FORUM INTERNACIONAL DE MEIO AMBIENTE BRASIL JAPÃO Desenvolvimento Sustentável e Indústria Florestal do Brasil Rio de Janeiro - RJ Setembro 2007 Sociedade Brasileira de Silvicultura Carlos Alberto da

Leia mais

Modelo de estrategias competitivas de porter: um estudo das potencialidades da produção de OBS

Modelo de estrategias competitivas de porter: um estudo das potencialidades da produção de OBS Modelo de estrategias competitivas de porter: um estudo das potencialidades da produção de OBS Marcio Henrique Coelho (UEPG) marhenco@ig.com.br Marcelo Guilherme (UEPG) marcelog@ig.com.br Resumo: O potencial

Leia mais

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 1 BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Celulose de Mercado Ao longo de 1999 e parte do ano 2000 os preços da celulose foram crescentes, num cenário de demanda aquecida

Leia mais

Manual Técnico Fibrapiso

Manual Técnico Fibrapiso Manual Técnico dos Pisos Laminados Fibrapiso O Fibrapiso possui um sistema de classificação, que estabelece requisitos práticos para áreas e níveis de utilização, indicando onde o piso laminado melamínico

Leia mais

a solução em fitas de borda a solução em fitas de borda QUALIDADE MUNDIALMENTE RECONHECIDA.

a solução em fitas de borda a solução em fitas de borda QUALIDADE MUNDIALMENTE RECONHECIDA. w w w. p ro a d e c. c o m. b r A NOSSA EMPRESA 01 01 EMPRESA A Proadec é um dos líderes na produção e comercialização de fitas de borda em PVC e ABS* para móveis e arquitetura de interiores. A sua proposta

Leia mais

MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL II WORKSHOP FLORESTAL

MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL II WORKSHOP FLORESTAL MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL Rubens Garlipp* II WORKSHOP FLORESTAL Paranavaí - PR 20 de outubro de 2005 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade Brasileira de Silvicultura SOCIEDADE

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

Release de Resultados do 4T13

Release de Resultados do 4T13 São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 A Eucatex (BM&FBovespa: EUCA3 e EUCA4), uma das maiores produtoras de painéis de madeira do Brasil, que atua também nos segmentos de tintas e vernizes, pisos laminados,

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

H T A HTA HIGH TECHNOLOGY AERONAUTICS POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO SETOR DE AEROPARTES - UMA VISÃO -

H T A HTA HIGH TECHNOLOGY AERONAUTICS POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO SETOR DE AEROPARTES - UMA VISÃO - HTA HIGH TECHNOLOGY AERONAUTICS POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO SETOR DE AEROPARTES - UMA VISÃO - H T A HTA HIGH TECHNOLOGY AERONAUTICS POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO SETOR DE AEROPARTES - UMA VISÃO - O que mais

Leia mais

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL 15/03/2012 Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente STCP 1/29 A STCP Conquistas recentes Clientes de 38 países das Américas, África, Europa, Ásia e Oceania 17 escritórios

Leia mais

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança.

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança. Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança. Estabilidade, resistência a Raio X, facilidade de controle e manutenção, peso reduzido e características inovadoras. Descrição

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais