AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO PERPENDICULAR E DA DENSIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO PERPENDICULAR E DA DENSIDADE... 235"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA ESISTÊNCIA À TAÇÃO PEPENDICULA E DA DENSIDADE AVALIAÇÃO DA ESISTÊNCIA À TAÇÃO PEPENDICULA E DA DENSIDADE DE CHAPAS DE FIBAS DE MÉDIA DENSIDADE CONFECCIONADAS COM ESINA POLIUETANA MONOCOMPONENTE E BICOMPONENTE DEIVADA DE ÓLEO DE MAMONA Sergio Augusto Mello da Silva Departamento de Engenharia Civil, Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, UNESP, Alameda Bahia, 550, Norte, CEP , Ilha Solteira, SP, Brasil, aquel Gonçalves Departamento de Construções urais, Faculdade de Engenharia Agrícola, UNICAMP, Cidade Universitária Zeferino Vaz, s/n, Barão Geraldo, CEP , Campinas, SP, Brasil, Cristiane Inácio de Campos UNESP, Campo Experimental de Itapeva, ua Geraldo Alckimim, 519, CEP , Itapeva, SP, Brasil, Francisco Antonio occo Lahr Departamento de Engenharia de Estruturas, Escola de Engenharia de São Carlos, USP, Av. Trabalhador São-carlense, 400, Centro, CEP , São Carlos, SP, Brasil, esumo A emissão de gases decorrente da produção industrial é um dos fatores que contribui para a poluição do meio ambiente, entretanto, a utilização de tecnologias adequadas pode minimizar os efeitos desse tipo de poluição. Este trabalho apresenta um estudo da avaliação da resistência à tração perpendicular (ligação interna) de chapas de fibras de Pinus caribaea e de suas densidades para verificar a possibilidade de utilização de resinas poliuretanas monocomponente e bicomponente derivadas de óleo de mamona na fabricação desses produtos. A metodologia empregada baseou-se no manual de procedimentos experimentais propostos pela EuroMDFBoard- EMB/IS-2:1995. As chapas foram produzidas considerando-se os tipos de resinas utilizadas e suas espessuras, consequentemente, foram confeccionadas 3 chapas de 10 mm de espessura com 8% de resina poliuretana monocomponente e 3 chapas de 10 mm com 8% de resina poliuretana bicomponente. De cada conjunto de 3 chapas foram retirados 12 corpos-de-prova para caracterização da resistência à tração perpendicular e da densidade. Vale ressaltar que as chapas confeccionadas com resina poliuretana monocomponente foram produzidas no Laboratório de Controle de Qualidade e Desenvolvimento de Produtos da Duratex e as chapas confeccionadas com resina poliuretana bicomponente foram produzidas no Laboratório de Madeiras e Estruturas de Madeira da Universidade de São Paulo. Para verificação dos valores obtidos, foram realizadas análises de regressão linear simples e múltipla com intervalo de confiança de. Essa análise possibilitou concluir que os valores observados são significativos e que a adição de 8% de resina poliuretana, na confecção de chapas de fibras de Pinus caribaea, conferiu boa adesão entre as fibras e resistências à tração perpendicular superiores aos valores mínimos propostos pela EMB. Palavras-chave: MDF, resina poliuretana, fibras de Pinus.

2 236 SILVA ET AL. Introdução Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Painéis de Madeira (ABIPA, 2006), o Brasil é considerado um dos países mais avançados do mundo na fabricação de particleboard (PB) e de Medium Density Fiberboard (MDF), contando atualmente com o maior número de fábricas de última geração, com produção de m 3 de MDF, um percentual mundial muito baixo se forem considerados o potencial madeireiro do país e as tecnologias instaladas. Um importante aspecto a se levar em conta com o desenvolvimento tecnológico e a geração de valor agregado é o rápido crescimento do volume produzido pelas indústrias e, consequentemente, o surgimento de problemas decorrentes da poluição do meio ambiente devido à emissão de gases tóxicos. Estudos desenvolvidos por Bradi et al. (2006) avaliaram a influência da mistura de óleo vegetal (EFB) em matriz poliuretana (PU) na resistência mecânica de MDF. As proporções de EFB e PU na base peso seco foram de 25:75, 30:70 e 35:65; determinou-se que a relação 35:65 conferiu maior adesão entre as fibras e, consequentemente, maior resistência mecânica. Ao estudarem as propriedades de resistência e estabilidade dimensional de MDF confeccionados com fibras de clones de madeira dura (Populos sp), Shi et al. (2005) concluíram que as propriedades de resistência à flexão e tração interna sofreram influência favorável à utilização de fibras de clones de madeira, apresentando relações lineares significativas entre o MO e o MOE dos painéis. Campos & Lahr (2005) avaliaram as propriedades físicas e mecânicas de MDF confeccionados com fibras de Pinus e Eucalipto com adição de 8, 10 e 12% de resina à base de uréia formaldeído (UF), poliuretano (PU) bicomponente derivado de óleo de mamona e resina inorgânica. Os melhores valores obtidos para os Módulos de esistência à Flexão Estática e Tração Perpendicular de MDF confeccionados separadamente com fibras de Pinus e Eucalipto foram de 29,4 e 28 MPa e 0,91 e 0,89 MPa, respectivamente, considerando-se a adição de 12% de PU. Essas resistências são todas superiores às resistências dos MDF comerciais. Silva (2003), ao estudar a caracterização do compósito de fibras curtas e longas de sisal e coco com resina PU derivada de óleo de mamona, verificou, de modo geral, que a resistência à tração, flexão, impacto, tenacidade à fratura e absorção d água foram inferiores nos compósitos confeccionados com fibras de coco. Os melhores resultados obtidos foram para os compósitos com fibras longas de sisal na resistência à tração e tenacidade à fratura. Os compósitos confeccionados com fibras curtas de coco apresentaram percentual de resistência à absorção d água igual a 17%. Os principais obstáculos à produção de chapas MDF utilizando fibras de espécies de madeiras duras estão relacionados à densidade das fibras, à resistência à prensagem e à dificuldade de impregnação da resina nas fibras. A partir dessas propriedades, Widsten et al. (2003) estudaram o efeito do desfibramento com alta temperatura objetivando melhorar o processo de confecção de MDF. Observou-se que esse processo propicia maior reatividade às fibras durante colagem. Este estudo teve por objetivo confeccionar e avaliar chapas MDF de Pinus caribaea, empregando-se resina poliuretana monocomponente e bicomponente derivada do óleo de mamona. Material e Métodos Confecção das chapas e preparação dos corpos-de-prova As chapas com resina poliuretana monocomponente foram confeccionadas no Laboratório de Controle de Qualidade e Desenvolvimento de Produtos da Duratex, e as chapas com resina poliuretana bicomponente foram confeccionadas no Laboratório de Madeiras e Estruturas de Madeiras da USP. Foram confeccionadas 3 chapas, com 500 mm de comprimento, 500 mm de largura e 10 mm de espessura e adição de 8% em massa (base peso seco) de resina para cada chapa. A Tabela 1 apresenta um resumo dos parâmetros experimentais adotados para confecção das chapas. Os corpos-de-prova foram confeccionados com 50 mm de largura, 50 mm de comprimento e 10 mm de espessura e de cada chapa foram retirados 4 corpos-de-prova, totalizando 12 corpos-de-prova para cada tipo de resina. Tabela 1 Parâmetros experimentais utilizados para confecção das chapas com fibras de Pinus caribaea e resina poliuretana. Parâmetros experimentais PUMONO PUBI Comprimento das fibras (mm) 2 a 4 Espessura da chapa (mm) 10 Densidade da chapa (g/cm 3 ) 0,5 a 0,8 Teor de resina (%) 8 Pressão de prensagem (T) Temperatura de prensagem ( o C) Tempo de prensagem (seg) PUMONO esina Poliuretana Monocomponente. PUBI esina Poliuretana Bicomponente.

3 AVALIAÇÃO DA ESISTÊNCIA À TAÇÃO PEPENDICULA E DA DENSIDADE Análise dos esultados Os resultados obtidos foram avaliados por meio de análise de regressão linear simples e múltipla com intervalo de confiança de. As avaliações estão apresentadas em três grupos. No grupo estatística de regressão observamse os valores de múltiplo, que é o coeficiente de correlação, quadrado, que é o coeficiente de determinação da regressão, quadrado ajustado, que é o coeficiente de determinação da regressão ajustado, observações, que é o número de valores das amostras, e erro-padrão da estimativa (atendidas as premissas da regressão linear, espera-se que aproximadamente das observações y se encontrem dentro do intervalo de seus respectivos valores projetados na reta de regressão). O grupo ANOVA se constitui da avaliação para rejeitar ou aceitar a regressão. Se o valor do f de significação for menor que o valor do nível de significância (F), a regressão é aceita. O nível de significância (F) foi determinado com probabilidade igual a 0,05. O último grupo apresenta os coeficientes (a e b) da reta, seus respectivos erros-padrão, o valor-p, que é o p-volue igual à probabilidade P dos valores observados, o valor mínimo ( inferiores) e o valor máximo ( superiores) de cada coeficiente de regressão, ambos para o intervalo de confiança de. esultados e Discussões A caracterização da resistência à tração perpendicular está diretamente relacionada à densidade das chapas e, consequentemente, ao desempenho da resina utilizada para confecção dos painéis. Os valores obtidos inferem sobre a eficiência da resina. Na Tabela 2 comparam-se os valores de resistência à tração perpendicular (TP) e densidade (DENS) obtidos com os ensaios nas chapas de fibra confeccionadas com 8% de resina poliuretana (PUMONO e PUBI) com os valores mínimos de resistência à tração perpendicular (TP) e densidade (DENS) propostos pela EMB para chapas de fibra fabricadas industrialmente com resina uréia formaldeído (UF). Na Tabela 2, ao se analisarem as resistências das chapas confeccionadas com PUMONO, observa-se que suas DENS se mantêm em intervalos menores de variações, entretanto, os valores de TP se apresentam em intervalos maiores de variações. Isso se deve ao processo de fabricação das chapas, pois as resinas PUMONO possuem solventes que, com a ação da temperatura, reagem mais velozmente nas regiões das bordas das chapas e menos velozmente nas regiões do meio das chapas, consequentemente, as regiões do meio da chapa são mais densas, com fibras mais fortemente ligadas entre si, se comparadas às regiões próximas às bordas das chapas. Tabela 2 Valores de TP obtidos com os ensaios para caracterização das chapas. CPS TP PUMONO (MPa) DENS PUMONO (g/cm 3 ) TP PUBI (MPa) DENS PUBI (g/cm 3 ) TP UF (MPa) DENS UF (g/cm 3 ) ,78 1,94 1,93 1,89 0,734 0,739 0,738 0,738 0,76 0,81 0,79 0,71 0,702 0,705 0,703 0, ,98 1,85 1,95 1,87 2,05 2,05 2,03 2,05 0,744 0,734 0,739 0,738 0,753 0,755 0,745 0,746 0,72 0,68 0,66 0,75 0,75 0,79 0,81 0,88 0,701 0,697 0,696 0,701 0,701 0,703 0,705 0,707 MED 1,95 0,742 0,76 0,702 DP 0,089 0,007 0,062 0,003 CV 0,046 0,009 0,081 0,005 MÁX 2,050 0,755 0,880 0,707 MIN 1,780 0,734 0,660 0,696 0,55 0,5 a 0,8 TP esistência à Tração Perpendicular, DENS Densidade, PUMONO esina Poliuretana Monocomponente, PUBI esina Poliuretana Bicomponente, UF esina Uréia Formaldeído.

4 238 SILVA ET AL. Ao se analisarem as resistências das chapas confeccionadas com PUBI observa-se que tanto a TP quanto a DENS se mantêm em intervalos menores de variações. Isso também se deve ao processo de fabricação das chapas, entretanto, nesse caso, as resinas PUBI não possuem solventes e, consequentemente, são menores as variações nas propriedades das chapas. A despeito das variações observadas nos valores de TP e DENS para as chapas confeccionadas com PUMONO, os valores médios determinados, tanto para as chapas confeccionadas com PUMONO quanto com PUBI, são superiores aos valores mínimos propostos pela EMB, cujas chapas são fabricadas com resina uréia formaldeído. A Tabela 3 apresenta a análise de regressão simples e múltipla para os valores de TP e DENS obtidos com a caracterização das chapas de média densidade confeccionadas com resina PUMONO. As análises realizadas entre os valores de TP e DENS para as chapas confeccionadas com PUMONO tiveram por objetivo verificar as correlações entre esses valores, e, nesse caso, os valores apresentados na tabela evidenciam a influência da reação dos solventes no processo de confecção das chapas, pois os coeficientes de regressão são inferiores a 0,9. Entretanto, vale ressaltar que, de acordo com o grupo ANOVA, o f de significação apresenta valor inferior ao nível de significação (F), consequentemente, os valores dos coeficientes de regressão devem ser aceitos. essalta-se ainda que, apesar de os coeficientes de regressão serem inferiores a 0,9, tantos os valores de TP quanto os valores de DENS são superiores aos valores mínimos propostos pela EMB. Na Tabela 4 verifica-se que os coeficientes de regressão são todos superiores a 0,9, tendendo para 1. Essa análise evidencia o comportamento da resina PUBI na confecção das chapas, conferindo estabilidade ao processo de fabricação e propiciando pequenas variações entre os valores das propriedades avaliadas. No grupo ANOVA verifica-se que o f de significação é inferior ao nível de significância (F); essa avaliação possibilita aceitar os coeficientes de regressão. A análise de regressão realizada na Tabela 5 teve por objetivo verificar a correlação existente entre os valores da TP das chapas confeccionadas com resina PUMONO e PUBI. Apesar das diferenças entre as características de cada resina, observa-se que os coeficientes de regressão são significativos, com 2 próximo de 0,9. O valor do f de significação é outro aspecto a ser considerado, pois é inferior ao valor do nível de significância (F). Conclusões As propriedades analisadas [esistência à Tração Perpendicular (TP) e Densidade (DENS)] são importantes parâmetros para avaliar a qualidade das chapas e a eficiência da resina. De acordo com os valores obtidos e as análises de regressão, é possível concluir que o emprego de 8% de resina poliuretana monocomponente e bicomponente é suficiente para conferir ligação interna às chapas, com valores de TP superiores aos mínimos exigidos pela EMB. Esse teor possibilita também valores de densidades dentro dos limites exigidos pela EMB. Os parâmetros experimentais propiciaram boa qualidade às chapas, e o processo de confecção, apesar de as chapas serem fabricadas em locais distintos, conferiulhes homogeneidade. essalta-se, entretanto, que, embora os valores de TP das chapas confeccionadas com resina PUMONO tenham sido superiores aos mínimos valores propostos pela EMB, é necessário melhorar a composição da resina PUMONO, com o objetivo de melhorar a relação de reação entre solvente e ação da temperatura no momento da prensagem das chapas. Tabela 3 Análise de regressão entre os valores de TP e DENS das chapas confeccionadas com resina PUMONO. ESTATÍSTICA DA EGESSÃO Múltiplo ajustado Erro-padrão 0,8893 0,7908 0,7699 0, ANOVA gl SQ MQ F f egressão 1 0,0685 0,0685 3,7795E+01 1,0864E-04 esíduo 10 0,0181 0,0018 Total 11 0,0866 COEFICIENTES DA ETA Erro-padrão Stat t Valor-P inferiores Obs superiores Interseção -6,6264 1,3947-4,7512 7,7883E-04-9,7340-3,5189 DENSPUMONO 11,5565 1,8798 6,1478 1,0864E-04 7, ,7448 TPPUMONO = 11,556DENSPUMONO - 6, = 0,7908

5 AVALIAÇÃO DA ESISTÊNCIA À TAÇÃO PEPENDICULA E DA DENSIDADE Tabela 4 Análise de regressão entre os valores de TP e DENS das chapas confeccionadas com resina PUBI. ESTATÍSTICA DA EGESSÃO Múltiplo ajustado Erro-padrão 0,9753 0,9512 0,9464 0, ANOVA gl SQ MQ F f egressão 1 0,0398 0,0398 1,95E+02 6,9296E-08 esíduo 10 0,0020 0,0002 Total 11 0,0866 COEFICIENTES DA ETA Erropadrão Stat t Valor-P inferiores Obs superiores Interseção -11,6862 0, ,1143 1,2621E-07-13,6717-9,7007 DENSPUBI 17,7368 1, ,9664 6,9296E-08 14, ,5665 TCPUBI = 17,737DENSPUBI - 11,686 2 = 0,9512 Tabela 5 Análise de regressão entre os valores de TP das chapas confeccionadas com resina PUMONO e PUBI. ESTATÍSTICA DA EGESSÃO Múltiplo ajustado Erro-padrão 0,9458 0,8945 0,8840 0, ANOVA gl SQ MQ F f egressão 1 0,0775 0, ,8190 3,3623E-06 esíduo 10 0,0091 0,0009 Total 11 0,0866 COEFICIENTES DA ETA Erro-padrão Stat t Valor-P inferiores Obs superiores Interseção 0,9150 0,1124 8,1369 1,0146E-05 0,6644 1,1655 TPPUBI 1,3601 0,1477 9,2097 3,3623E-06 1,0310 1,6891 TPPUMONO = 1,360TPPUBI + 0,915 2 = 0,8945 Agradecimentos A CAPES e FUDUNESP, pelo apoio financeiro para realização do trabalho A DUATEX, pelo apoio técnico e pelo fornecimento de materiais necessários à confecção das chapas e realização dos ensaios. eferências Bibliográficas ABIPA (ASSOCIAÇÃO BASILEIA DA INDÚSUTIAS DE PAINÉIS DE MADEIA PODUTOS E TECNO- LOGIAS). Gráfico sobre consumo mundial de aglomerado em 2004/2005. Disponível em: Acesso em: BADI, K. H.; AMIM, K. A. M.; OTHMAN, Z.; MANAF, H. A.; KHALID, N. K. Efect of filler-to-matrix blending ratio on the mechanical strength of palm-based. Polymer International, v. 55, n. 2, p SHI, J. L.; ZHANG, S. Y.; IEDL, B.; BUNETTE, G. Flexural properties, internal bond strength, and dimensional stability of medium density fiberboard panels made from hybrid poplar clones. Wood and Fiber Science, Canada, v. 37, n. 4, p , Oct

6 240 SILVA ET AL. CAMPOS, C. I. de; LAH, F. A.. Propriedades físicomecânicas de MDF a partir de fibras de madeira de reflorestamento e adesivos alternativos f. Tese (Doutorado) Ciência e Engenharia de Materiais, EESC/ IFSC/IQSC, USP, São Carlos. SILVA,. V. da; SPINELLI, D. Compósito de resina poliuretano derivada de óleo de mamona e fibras vegetais f. Tese (Doutorado) Ciência e Engenharia de Materiais, EESC/IFSC/IQSC, USP, São Carlos. WIDSTEN, P; LAINE, J. E.; TUOMINEN, S.; QVINTUS- LEINO, P. Effect of high defibration temperature on the properties of medium-density fiberboard (MDF) made from laccase-treated hardwood fibers. Journal of Adhesion Science and Technology, Finland, v. 17, n. 1, p , 2003.

Avaliação da distribuição da densidade em MDF a partir da técnica da onda de ultra-som

Avaliação da distribuição da densidade em MDF a partir da técnica da onda de ultra-som Scientia Forestalis n. 74, p. 19-26, junho 2007 Avaliação da distribuição da densidade em MDF a partir da técnica da onda de ultra-som Evaluation of the density distribution in MDF s using ultrasonic wave

Leia mais

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O MDF não é tudo igual. PROCURE O RINO. Quer MDF assegurado, fabricado com a mais avançada tecnologia mundial, produzido pela empresa que é sinônimo de qualidade? PROCURE O RINO. Tecnologia, qualidade e

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA WILSON HENRIQUE NEGRÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA WILSON HENRIQUE NEGRÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA WILSON HENRIQUE NEGRÃO APROVEITAMENTO DE MADEIRAS TROPICAIS PARA CONFECÇÃO E AVALIAÇÃO DE PAINÉIS

Leia mais

ESTUDO DA VARIAÇÃO DE VELOCIDADE ATRAVÉS DA ESPESSURA DE PAINÉIS OSB UTILIZANDO ONDAS ULTRA-SÔNICAS

ESTUDO DA VARIAÇÃO DE VELOCIDADE ATRAVÉS DA ESPESSURA DE PAINÉIS OSB UTILIZANDO ONDAS ULTRA-SÔNICAS ESTUDO DA VARIAÇÃO DE VELOCIDADE ATRAVÉS DA ESPESSURA DE PAINÉIS OSB... 7 ESTUDO DA VARIAÇÃO DE VELOCIDADE ATRAVÉS DA ESPESSURA DE PAINÉIS OSB UTILIZANDO ONDAS ULTRA-SÔNICAS Elen Ap. Martines Morales Francisco

Leia mais

Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Belini, Ugo Leandro; Filho, Mario Tomazello AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA DE PAINÉIS MDF DE MADEIRA DE Eucalyptus grandis

Leia mais

DE RESINA MELAMINA-URÉIA-FORMALDEÍDO PRODUCTION OF HIGH DENSITY PARTICLEBOARD USING MELAMINE-UREA-FORMALDEHYDE RESIN

DE RESINA MELAMINA-URÉIA-FORMALDEÍDO PRODUCTION OF HIGH DENSITY PARTICLEBOARD USING MELAMINE-UREA-FORMALDEHYDE RESIN Produção PRODUÇÃO de painéis aglomerados DE PAINÉIS de alta AGLOMERADOS densificação... DE ALTA DENSIFICAÇÃO COM USO 323 DE RESINA MELAMINA-URÉIA-FORMALDEÍDO Setsuo Iwakiri¹, Alan Sulato de Andrade², Antonio

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO ALMEIDA, Diego Henrique de Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP MOLINA, Julio Cesar Escola

Leia mais

CORRELAÇÕES ENTRE MÓDULO DE ELASTICIDADE E CONSTATE DINÂMICA EM CHAPAS MDF

CORRELAÇÕES ENTRE MÓDULO DE ELASTICIDADE E CONSTATE DINÂMICA EM CHAPAS MDF CORRELAÇÕES ENTRE MÓDULO DE ELASTICIDADE E CONSTATE DINÂMICA EM CHAPAS MDF Raquel Gonçalves Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP raquel@agr.unicamp.br Sérgio Augusto Mello da Silva Universidade

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p.195-200 195 ISSN 0103-9954

Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p.195-200 195 ISSN 0103-9954 Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p.195-200 195 ISSN 0103-9954 RESISTÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE ALGUNS PAINÉIS AGLOMERADOS COMERCIALIZADOS NO RIO GRANDE DO SUL STATIC BENDING PROPERTIES OF SOME

Leia mais

Painéis MDF produzidos com resina poliuretana à base de óleo de mamona

Painéis MDF produzidos com resina poliuretana à base de óleo de mamona DOI: 10.5935/1809-2667.20130002 Painéis MDF produzidos com resina poliuretana à base de óleo de mamona Painéis MDF produzidos com resina poliuretana à base de óleo de mamona Medium density fiberboard manufactured

Leia mais

Painéis de partículas de madeira leucena e resina poliuretana derivada de óleo de mamona

Painéis de partículas de madeira leucena e resina poliuretana derivada de óleo de mamona Ciência Rural, Santa Maria, v.43, Painéis n.8, p.1399-1404, de partículas ago, de 2013 madeira leucena e resina poliuretana derivada... 1399 ISSN 0103-8478 Painéis de partículas de madeira leucena e resina

Leia mais

RESISTÊNCIA DA ADESÃO DE TRÊS ESPÉCIES DE MADEIRA AMAZÔNICA COM PAINÉIS MDF E OSB COM VISTA À PRODUÇÃO DE VIGAS ESTRUTURAIS

RESISTÊNCIA DA ADESÃO DE TRÊS ESPÉCIES DE MADEIRA AMAZÔNICA COM PAINÉIS MDF E OSB COM VISTA À PRODUÇÃO DE VIGAS ESTRUTURAIS 20 de octubre 2011 Lima - Perú RESISTÊNCIA DA ADESÃO DE TRÊS ESPÉCIES DE MADEIRA AMAZÔNICA COM PAINÉIS MDF E OSB COM VISTA À PRODUÇÃO DE VIGAS ESTRUTURAIS GLUE-LINE SHEAR STRENGTH BETWEEN THREE AMAZONIAN

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

MDF, MDP, OSB... A MADEIRA POR TRÁS DAS SIGLAS INFORMATIVO TÉCNICO 3 - JULHO DE 2008

MDF, MDP, OSB... A MADEIRA POR TRÁS DAS SIGLAS INFORMATIVO TÉCNICO 3 - JULHO DE 2008 Por quê transformar a madeira? Fábrica de painéis de MDP Enquanto trabalhada sob a forma de peças serradas, a madeira maciça apresenta excelentes propriedades mas também alta heterogeneidade e anisotropia

Leia mais

Marco de porta tipo Americano

Marco de porta tipo Americano Marco de porta tipo Americano em resistente à umidade* proteção contra cupins* pré pintado ecológico soluções em sistemas construtivos O que é é a sigla de Medium Density Fiberboard ou Painel de Fibras

Leia mais

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP.

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. Apresentação MDF E MDP Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. MDF (Medium Density Fiberboard) Fibra de Média Densidade Painel de fibras de madeira encoladas com resina

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL 1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DA RIGIDEZ À FLEXÃO EM MATERIAL COMPÓSITO CARBONO-EPÓXI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Aluno:

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho PAINEIS DE MADEIRAS RECONSTITUÍDAS Madeira Reconstituída Madeira reconstituída são aquelas que utilizam partículas, fibras ou lâminas de madeira natural como principal matéria prima, aglutinadas por uma

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ Carolina Coelho da Rosa carolinarosa@ufpa.br Debora Dias Costa Moreira deborinhadias@hotmail.com Géssica Katalyne Bilcati ge_katalyne87@hotmail.com UFPA,

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira Materiais de Construção Civil Aula 10 Madeira Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Situação atual no Brasil: Complicantes: Poucos cursos de graduação ministram estruturas de madeira; Falta de conhecimento

Leia mais

ISSN 1517-7076. C. I. Campos, F. A. R. Lahr

ISSN 1517-7076. C. I. Campos, F. A. R. Lahr ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 9, n. 1, pp. 29 40, 2004 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo10592 Estudo Comparativo dos Resultados de Ensaio de Tração Perpendicular para MDF Produzido

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

ANO 6 Nº 06, AGOSTO 2015. Marcela da Silva Raimundo Marcelo Lançoni Marcelo de Oliveira Silva Emanuel Benedito de Melo

ANO 6 Nº 06, AGOSTO 2015. Marcela da Silva Raimundo Marcelo Lançoni Marcelo de Oliveira Silva Emanuel Benedito de Melo Ano 06 Marcela da Silva Raimundo Marcelo Lançoni Marcelo de Oliveira Silva Emanuel Benedito de Melo n. 06 A UTILIZAÇÃO DE MICRO ONDAS PARA MELHOR COMPACTAÇÃO E REDUÇÃO DE BOLHAS NAS CHAPAS DE MDF p.71-82

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água.

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água. ESTUDO DO FATOR ÁGUA/CIMENTO PARA A CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS DE SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESÍDUOS GERADOS NO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS Natália de Oliveira SANTIAGO 1, Djane de Fátima

Leia mais

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos.

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. um produto que une efi ciência técnica com preocupação ambiental EcoSilenzio é um produto que traz ao mercado um novo conceito para a absorção das vibrações

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais

REAPROVEITAMENTO CELULÓSICO DO PAPEL MOEDA RETIRADO DE CIRCULAÇÃO

REAPROVEITAMENTO CELULÓSICO DO PAPEL MOEDA RETIRADO DE CIRCULAÇÃO Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Florestal, Campus Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília / UnB BRASIL REAPROVEITAMENTO CELULÓSICO DO PAPEL MOEDA RETIRADO DE CIRCULAÇÃO LOUREINE RAPÔSO

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático FEVEREIRO 0 TEO 05 09 11 TEO 1 Definir as regras do curso. Histórico do. P&D e avanços da tecnologia do. tipos e aplicações do cimento. Contexto da indústria do cimento Materiais de Construção Civil II

Leia mais

DE PAINÉIS COMERCIAIS DE MDF E MDP CYCLIC LOADING EFFECT ON THE FLEXURAL PROPERTIES OF COMMERCIAL MDF AND PARTICLEBOARD PANELS

DE PAINÉIS COMERCIAIS DE MDF E MDP CYCLIC LOADING EFFECT ON THE FLEXURAL PROPERTIES OF COMMERCIAL MDF AND PARTICLEBOARD PANELS Efeito do EFEITO carregamento DO CARREGAMENTO cíclico sobre as propriedades CÍCLICO... SOBRE AS PROPRIEDADES DE FLEXÃO DE PAINÉIS COMERCIAIS DE MDF E MDP 403 Cláudio Henrique Soares Del Menezzi 1, Cristiane

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO 2 nd International Workshop on Advances in Cleaner Production Orientadora: Profª.Dra. Ana Elena Salvi Abreu, Ricardo M. a ; Lopes, Ricardo W. b ; Azrak, Roberto c a. Universidade

Leia mais

Artigo Técnico Nº 1 BRASIL E SUAS PARTICULARIDADES

Artigo Técnico Nº 1 BRASIL E SUAS PARTICULARIDADES Artigo Técnico Nº 1 PAINÉIS DE MADEIRA FABRICADOS NO BRASIL E SUAS PARTICULARIDADES 1 Apresentação Graças aos avanços tecnológicos havidos na indústria de madeiras do Brasil, é possível nos dias de hoje

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PRODUÇÃO DE TELHA SEM AMIANTO USANDO FIBRAS DE COCO VERDE E CINZAS DE CANA-DE-AÇÚCAR. Ana Paula dos Santos Rodrigues¹; Daiene Lemes Pinto 2, Fernanda Luiza Mendonça Oliveira³, Guilherme Vitor Batista Correia

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205 Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente: Usina Fortaleza

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 26_Endurecedor G 226_Carga EF 35/P Resina

Leia mais

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 A SEFIT Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho Ltda, inscrita no CNPJ n.º 04.207.225/0001-74,

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

EFEITO DA ESPESSURA E DO VÃO SOBRE DEFORMAÇÃO EM FLEXÃO DE PAINÉIS DE MADEIRA UTILIZADOS NA PRODUÇÃO DE MÓVEIS VALÉRIA MARIA DE FIGUEIREDO PAZETTO

EFEITO DA ESPESSURA E DO VÃO SOBRE DEFORMAÇÃO EM FLEXÃO DE PAINÉIS DE MADEIRA UTILIZADOS NA PRODUÇÃO DE MÓVEIS VALÉRIA MARIA DE FIGUEIREDO PAZETTO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL MESTRADO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS EFEITO DA ESPESSURA E DO VÃO SOBRE DEFORMAÇÃO EM FLEXÃO DE PAINÉIS DE MADEIRA UTILIZADOS

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica epotech aqua epotech aqua é uma nova linha de massas de base epoxídica para a selagem de juntas em ladrilhos cerâmicos. Massa bicomponente isenta de solventes orgânicos, caracteriza-se pela

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RODAS DE POLIURETANO E SILICONE PARA ROBÔS

DESENVOLVIMENTO DE RODAS DE POLIURETANO E SILICONE PARA ROBÔS DESENVOLVIMENTO DE RODAS DE POLIURETANO E SILICONE PARA ROBÔS Carolina Diniz Machado 1 ; Guilherme W. Lebrão 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professor da

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE UM ECO-COMPÓSITO PARA APLICAÇÃO COMO PAINÉIS DIVISÓRIOS DE AMBIENTES

ESTUDO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE UM ECO-COMPÓSITO PARA APLICAÇÃO COMO PAINÉIS DIVISÓRIOS DE AMBIENTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ROSSANA MARTINS MIRANDA ESTUDO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE UM ECO-COMPÓSITO PARA APLICAÇÃO COMO PAINÉIS DIVISÓRIOS

Leia mais

Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil

Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil (42) 9926 4348 (42) 8821 5351 Caixa Posta 2339, CEP 84.045-981 1 Os Painéis Aglomerados (MDP)... 1 O que são os Painéis

Leia mais

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale ARTIGO Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale Isaias Moreira de Freitas 1, Bruno Teieira Barros 2, Francisco Nascimento Chagas 3 1 Ger. de Engenharia Ferroviária, Av. Dante Micheline,

Leia mais

Produção de painéis laminados unidirecional LVL com madeiras de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden E Eucalyptus dunnii Maiden

Produção de painéis laminados unidirecional LVL com madeiras de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden E Eucalyptus dunnii Maiden Produção de painéis laminados unidirecional LVL com madeiras de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden E Eucalyptus dunnii Maiden Setsuo Iwakiri¹, Jorge Luis Monteiro de Matos¹, José Guilherme Prata² Luciane

Leia mais

Filtro Automotivo Separador de Poluentes Controle da emissão de poluentes

Filtro Automotivo Separador de Poluentes Controle da emissão de poluentes Ricardo Castro de Aquino Filtro Automotivo Separador de Poluentes Controle da emissão de poluentes Trabalho desenvolvido com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Transporte do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

Densitometria de raios X aplicada na avaliação tecnológica de painéis MDF de eucalipto

Densitometria de raios X aplicada na avaliação tecnológica de painéis MDF de eucalipto Sci e n t i a For e s ta l i s Densitometria de raios X aplicada na avaliação tecnológica de painéis MDF de eucalipto X ray densitometry applied to technological evaluation of MDF panels of eucalyptus

Leia mais

Adesivo elástico, para pisos de madeira, isento de solvente. Para a Colagem completa da superfície de: Para o Sistema Sika AcouBond :

Adesivo elástico, para pisos de madeira, isento de solvente. Para a Colagem completa da superfície de: Para o Sistema Sika AcouBond : Ficha Técnica Edição 1, 2005. Versão no. 01 Fevereiro/2006 SikaBond T52 FC Adesivo elástico, para pisos de madeira, isento de solvente. Descrição Usos SikaBond T52 FC é um adesivo elástico, mono componente,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA.

CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA. CARACTERIZAÇÃO DO COMPÓSITO DE POLIURETANO DERIVADO DO ÓLEO DE MAMONA (PUR) COM SÍLICA OBTIDA DA PLANTA CAVALINHA. William F. Alves 1,4, Edson N. Ito 1,4, José A. Malmonge 2, W.L.E. Magalhães 3, Luiz H.

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE PAINÉIS MDF DE DIFERENTES DENSIDADES E TEORES DE RESINA JACKSON ROBERTO ELEOTÉRIO

PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE PAINÉIS MDF DE DIFERENTES DENSIDADES E TEORES DE RESINA JACKSON ROBERTO ELEOTÉRIO PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE PAINÉIS MDF DE DIFERENTES DENSIDADES E TEORES DE RESINA JACKSON ROBERTO ELEOTÉRIO Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis;

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis; UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Correlação e Regressão Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística Introdução Eistem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto

Leia mais

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN)

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN) Reforço Estrutural com FIBRA DE CARBONO MFC (MADE IN JAPAN) AN) Fax: (21) 3254-3259 A ROGERTEC é uma empresa nacional voltada para o fornecimento de produtos, equipamentos e tecnologia no setor das recuperações.

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

QUALIDADE DA ADESÃO DA MADEIRA DE PINUS E EUCALIPTO PARA PRODUÇÃO DE PAINÉIS ESTRUTURAIS CROSS LAMINATED TIMBER (CLT)

QUALIDADE DA ADESÃO DA MADEIRA DE PINUS E EUCALIPTO PARA PRODUÇÃO DE PAINÉIS ESTRUTURAIS CROSS LAMINATED TIMBER (CLT) QUALIDADE DA ADESÃO DA MADEIRA DE PINUS E EUCALIPTO PARA PRODUÇÃO DE PAINÉIS ESTRUTURAIS CROSS LAMINATED TIMBER (CLT) ALENCAR, Juliana Bello Mussi (1); MOURA, Jorge Daniel de Melo (2); (1) Universidade

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

catálogo técnico painéis de madeira

catálogo técnico painéis de madeira catálogo técnico painéis de madeira Fundada em 1951 e com ações controladas pelo grupo Itaúsa e pela Companhia Ligna de Investimentos, a Duratex é a maior indústria de painéis de madeira industrializada

Leia mais

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano Medidas de Aderência pelo Método Pull-Off Aspectos Práticos Não Abordados em Norma Rodolpho C. D.Pereira, Jeferson Leite Oliveira, Walter Andrade de Souza, Bruno Pacheco Silva, Isabel Cristina P. Margarit

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

PREDIÇÃO DE PROPRIEDADES FÍSICO-MECÂNICAS DAS MADEIRAS DE EUCALIPTO E PINUS POR MEIO DO INFRAVERMELHO PRÓXIMO

PREDIÇÃO DE PROPRIEDADES FÍSICO-MECÂNICAS DAS MADEIRAS DE EUCALIPTO E PINUS POR MEIO DO INFRAVERMELHO PRÓXIMO 1 PREDIÇÃO DE PROPRIEDADES FÍSICO-MECÂNICAS DAS MADEIRAS DE EUCALIPTO E PINUS POR MEIO DO INFRAVERMELHO PRÓXIMO Patrícia Gomes Ribeiro, Eng. Ftal, MSc., Prof. da UNIFIMES Mineiros/GO, doutoranda do PPG/EFL/UNB/Brasília/DF/Brasil,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-MECÂNICA DE PAINÉIS AGLOMERADOS DE Eucalyptus grandis COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS

Leia mais

Simone B. Carvalho, Daniela Becker*, Palova S. Balzer. Instituto Superior Tupy IST, Joinville, SC daniela_becker@sociesc.org.br

Simone B. Carvalho, Daniela Becker*, Palova S. Balzer. Instituto Superior Tupy IST, Joinville, SC daniela_becker@sociesc.org.br COMPÓSITOS DE POLI (CLORETO DE VINILA) E FIBRA DE BANANEIRA: ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO ALCALINO DA FIBRA DE BANANEIRA NAS PROPRIEDADES DO COMPÓSITO Simone B. Carvalho, Daniela Becker*, Palova

Leia mais

Materiais para preenchimento de fissuras no concreto: B. Hillemeier [118]

Materiais para preenchimento de fissuras no concreto: B. Hillemeier [118] EXEMPLO N o 150 : TIPO DE ESTRUTUR : Estrutura de concreto armado ou de concreto protendido. INJEÇÃO EM FISSURS : Materiais para de fissuras no concreto Materiais para preenchimento de fissuras no concreto:.

Leia mais

Reforço com Fibras de Vidro em Painéis Compensados _ uma Alternativa Ecológica.

Reforço com Fibras de Vidro em Painéis Compensados _ uma Alternativa Ecológica. Reforço com Fibras de Vidro em Painéis Compensados _ uma Alternativa Ecológica. Cinthia Brito Fonseca cinthiabritofonseca@hotmail.com Unileste-MG Geovane Ferreira da Costa cinthiabritofonseca@hotmail.com

Leia mais

Contabilometria. Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO

Contabilometria. Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO Contabilometria Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO Ferramentas -------- Análise de Dados -------- Regressão Regressão Linear - Exemplo Usando o Excel Regressão Linear Output do

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Luiza Ferreira Campos Maragno (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Professora Adjunto 1 da Faculdade

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 6NF_Endurecedor G 130 Blue Resina para aplicação

Leia mais

4 Materiais e Métodos

4 Materiais e Métodos 44 4 Materiais e Métodos Nesse capítulo estão apresentados os materiais e a metodologia de caracterização usada. Definido que o melhor material para fabricação da escova era o poliuretano derivado do óleo

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2 ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA Bruno Carlos de Santis

Leia mais

Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Ficha empresa

Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Ficha empresa Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Produto: Chapas de Policarbonato Compactas Actos Chapas de policarbonato compactas para coberturas. Ver tabela. Ver tabela. Produtos Chapa compacta TABELA

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais