em Fig 1 - Evolução do tratamento dos resíduos plásticos fonte: STILWELL, 1991

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "em 1991. Fig 1 - Evolução do tratamento dos resíduos plásticos fonte: STILWELL, 1991"

Transcrição

1 Logística Reversa Prof. Dr. Celso Claudio de Hildebrand e Grisi Prof. Msc. Ricardo Pitelli de Britto MBA Seiso Arima MBA André Chimeri Battaglia Resumo A Logística Reversa parece estar gradativamente ganhando importância no contexto das empresas, seus clientes e da sociedade, justificando o esforço de tentarmos conhecer melhor suas origens e seus papéis e funções atuais. Este artigo procede à revisão da bibliografia mais recente sobre o assunto e apresenta dados de uma pesquisa conduzida junto a profissionais de logística de empresas de diferentes setores. Nosso foco é o de abordar a logística reversa em três níveis. O primeiro deles são as demandas ambientalistas que impulsionam as empresas a zelar pelo destino final de produtos e embalagens, evitando que sejam dispostos de modo inadequado no meio ambiente e ensejando o reuso de materiais. Ligados a esta questão, surgem os dois níveis seguintes: economia de recursos, gerando ganhos financeiros, e melhoria da imagem da empresa perante os stakeholders em razão de suas atividades ambientalmente corretas. Conceito de logística reversa Muitos autores têm buscado caracterizar a Logística Reversa e sua abrangência nas empresas. Murphy e Poist (1989), em uma abordagem funcional, localizam a logística reversa como sendo a movimentação de produtos do consumidor em direção ao produtor na cadeia de distribuição. James Stock (1998), por sua vez, amplia esses limites afirmando que, sob a perspectiva logística do negócio, o termo se refere ao papel da logística na devolução de produtos, redução de materiais/energia, reciclagem, substituição de materiais, reutilização de materiais, tratamento de resíduos, substituição, conserto ou remanufatura. Do ponto de vista de engenharia, a logística reversa é um modelo de negócio sistêmico que aplica os melhores métodos de engenharia e administração logística na empresa, de forma a fechar lucrativamente o ciclo do supply chain. Trazendo a logística reversa para o âmbito da gestão das operações da empresa, Dale S. Rogers e Ronald S. Tibben-Lembke (1998) definem a Logística Reversa como o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo de matérias primas, estoque em processo e produtos acabados, e seu fluxo de informação, do ponto de consumo ao ponto de origem, com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. Para a Reverse Logistics Executive Council 1, Logística Reversa é o processo de movimentação de produtos da sua típica destinação final para outro ponto, com o propósito de capturar valor ou enviá-lo para destinação segura. As tarefas da Logística Reversa incluem processar a mercadoria retornada por razões como dano, sazonalidade, reposição, recall ou excesso de inventário; reciclar materiais de embalagem e re-usar containers; recondicionar, re-manufaturar e reformar produtos; dar disposição a equipamentos obsoletos; programa para materiais perigosos; recuperação de ativos (www.rlec.org). Dessa forma, a logística reversa acaba por implicar um processo de Integração funcional, atuando de forma a melhorar a gestão dos fluxos de materiais e informações. As responsabilidades da Gestão das operações e Logística atualmente não mais se limitam a coordenar os fluxos físicos relacionados à 1 The Reverse Logistics Executive Council is a not-for-profit professional organization whose purpose is to develop best practice industry standards that take costs out of the system for consumers, retailers and manufacturers; to provide on-going benchmark; to return causal information in order to improve the entire Reverse Logistics process.

2 produção, distribuição ou serviços pós-vendas. Elas estão se expandindo para incluir funções como pesquisa, desenvolvimento e marketing no projeto e gestão dos fluxos (DORNIER, 2000). Quando mencionamos Logística Reversa, não podemos deixar de citar a preocupação com o meioambiente, uma vez que é um dos principais fatores que a motivam, como as próprias definições acima evidenciam. A questão ambiental tem ganhado importância crescente desde a década de 70, à medida que os consumidores desenvolvem maior consciência ambiental, e naturalmente cobram postura similar das indústrias de bens de consumo ou serviços. São justamente essas transformações que propiciam a criação dos Green Consumers. Consumidores verdes procuram produtos ambientalmente corretos, advindos de empresas que demonstram clara preocupação com consciência ambiental. Esses mesmos consumidores, preocupados com as futuras gerações e seus descendentes, têm disposição a pagar mais caro por produtos verdes, tornando-os viáveis economicamente. Um exemplo dessa postura é o selo Anjo Azul (www.blauer-angel.de) que, deste 1972, já certificou mais de 1300 produtos ambientalmente corretos em todo o mundo. A Logística Reversa tem tido sua relevância acentuada no início da década de 80, mas somente na década de 90 é que sua influência tem se mostrado mais intensa por vários motivos, como a crescente preocupação com os impactos ambientais causados por materiais e produtos que no seu pós-uso são dispostos de forma indesejável na natureza, pela compressão crescente nas margens de rentabilidade o que leva por vezes as empresas a buscarem oportunidades em focos antes não bem explorados, pelo menor Ciclo de Vida do produto em função da necessidade do consumidor em querer coisas novas, pela maior exigência dos consumidores que não relutam em devolver produtos que lhe chegam com alguma discrepância. Neste aspecto, podemos entender claramente a Logística Reversa como diferencial competitivo numa concorrência mais acirrada nos mercados e que os varejistas acreditam que os clientes valorizam as empresas que possuem política liberais de retorno de produtos, e que essa é uma tendência que se reforça pela existência de legislação de defesa do consumidor, garantindo-lhes o direito de devolução ou troca (LACERDA, 2002). Origens do termo Em 1981, Lambert e Stock (1981) descreviam a Distribuição Reversa como o produto indo na contramão de uma rua de sentido único por que a grande maioria dos embarques de produtos flui em uma direção. Já em 1982, James R. Barnes (1982) utilizou o termo Logística Reversa numa publicação do Journal of Macromarketing, texto ao qual não tivemos acesso, mas que trata da importância crescente da reciclagem no benefício dos negócios e da sociedade (PELTON, STRUTTON, BARNES, TRUE, 1993). A mais antiga referência localizada por nós sobre o tema, no entanto, data do início dos anos 70. Willian G. Zikmund e Willian J. Stanton (1971), da University of Colorado, utilizaram o termo Reverse Distribution, referenciando-se à similaridade dos conceitos de distribuição aplicados no sentido inverso à necessidade de recolhimento de materiais sólidos provenientes do pós-venda e pós-uso para reutilização pelo produtor. Mais tarde, em 1978, Peter M. Ginter e Jack M. Starling (1978) utilizaram o termo Reverse Distribution Channels numa publicação do California Management Review, enfocando a questão da reciclagem e suas vantagens econômicas e ecológicas, e a importância dos canais de distribuição reversos como contribuinte fundamental na viabilidade econômica do processo de recuperação dos materiais.

3 Para se ter uma idéia dessa evolução, todas essas mudanças de consciência e atitude têm impacto direto na indústria como um todo. Também a fim de exemplificar estas mudanças, no quadro a seguir mostraremos a forma pela qual estas transformações impactaram a indústria de embalagens plásticas, que saiu de sua situação de conforto dos anos 60 já na década seguinte, e que até hoje vem sofrendo drásticas transformações. Este quadro é uma adaptação de um modelo extraído da obra Packaging for the Environment: A Partnership for Progress, de E. Joseph Stilwell e outros autores, edição publicada Década 60 Conveniência como base de Competição "Throw away society" 70 Crise de abastecimento energético (petróleo) Primeiros movimentos de redução em peso de embalagens plásticas 80 Alterações visando otimização, utilização de claims de segurança Aumento de durabilidade Consumidor procura qualidade Reestruturação/reorganização das indústrias 90 Questões ambientais 2000 Maior consciência dos consumidores Exigência de cumprimento de legislações ambientais Responsabilidade e papel social das organizações em Fig 1 - Evolução do tratamento dos resíduos plásticos fonte: STILWELL, 1991 Como vimos, as preocupações com os conceitos da Logística Reversa são crescentes nas últimas décadas, em função de transformações na consciência ambiental dos consumidores e das organizações. Fig 2 - Direções no Gerenciamento de Resíduos - Passado, Presente e Futuro Fonte: Embora represente uma ameaça ao tradicional marketing de consumo, o Green Marketing pode apresentar também oportunidades antes nunca exploradas. Novas estratégias deverão ser aplicadas e os administradores que se anteciparem nesse sentido poderão propiciar vantagens competitivas novas e fundamentais para suas empresas e produtos. Se produtos desse tipo são algo novo para o mercado, há de se dizer que isso não os torna inviáveis economicamente, ao contrário, produtos verdes tendem a economizar recursos, embalagens, e contam ainda com consumidores dispostos a mudanças em seus hábitos e com maior poder de compra. A revista The Public Pulse, editada pela The Roper Organization, de fevereiro de 1991 mostra essa evolução em duas pesquisas realizadas no mercado norte-americano, a primeira em 1988 e a segunda em Consumidores que alegavam serem fiéis a uma marca representavam 56% do público entrevistado em 1988, e 46% em Embora qualidade, preço e

4 conveniência ainda fossem fatores determinantes nas duas pesquisas, o fator compatibilidade ambiental aparece apenas na segunda edição, mostrando a rápida evolução da consciência ambiental, em apenas três anos. Apesar do consumo verde ter essa rápida evolução, podemos conjecturar que empresas que operam com esses produtos ainda apresentam vantagens competitivas em relação aos seus concorrentes, uma vez que a indústria não acompanha a evolução na mesma velocidade que seus consumidores. Um estudo da J. Ottman Consulting (1992, pág. 20) mostra a evolução da consciência ambiental nessa nova era, que a empresa chama de Era de Consumerismo Ambiental. As principais evoluções entre os anos 40 a 80 e 90 e depois, apontadas na pesquisa, são: Na primeira época, falava-se em quantidade de consumo como mais é melhor, enquanto que da década de 90 em diante, os consumidores passam a falar em qualidade de consumo e controle de vida, menos é mais. Consumidores se preocupavam muito com o curto prazo, descartabilidade e uso por conveniência, enquanto que a partir dos anos 90 a tendência é o longo prazo, surgem conceitos de durabilidade, reutilização e impacto a longo prazo na saúde. Enfim, talvez a maior mudança entre esses dois períodos advenha da consciência social, já que esta mudança é o fator-chave para todas as outras. Enquanto consumidores até os anos 80 pensavam em economias pessoais, a partir dos anos 90 a coletividade tende a predominar. Hoje podemos entender os consumidores como ambientalmente conscientes, uma vez que buscam produtos que exercem impacto mínimo no ambiente (OTTMAN, 1992, pág.27). A mesma consultoria coloca ainda outras mudanças na percepção e ação do consumidor a partir da década de 90. Os consumidores passam a ler os rótulos, pois necessitam de informação. Além disso, eles efetivamente mudam de marca, afim de contribuir para o que consideram responsavelmente correto. A Logística Reversa preocupa-se também com os retornos quando de uma não conformidade ou mesmo de um defeito (que às vezes assim alegado pelo cliente pode estar sem defeito, tecnicamente falando), além da destinação do produto se para uma reciclagem ou para um aterro. Nesse sentido há que buscar apoio ao longo de toda a cadeia, a começar dos fornecedores de matéria primas. Algo muito característico dessa amplitude de preocupação veio de Clay Valstad, da Sears dos Estados Unidos. No ultimo evento da CLM no Brasil em maio de 2002, ao dizer que a amplitude da Logística Reversa se estende ao conceito de Da Terra para a Terra. A importância da Logística Reversa pode ser vista também pelo seu tamanho sendo que apenas nos EUA gastam-se anualmente USD 35 bilhões em custo logísticos de retorno (ROGERS, 1988), e podemos estimar para o Brasil algo em torno de USD 4 bilhões. Esses números carregam uma dose, não quantificável, de imprecisão pois a maioria das empresas parecem desconhecer o montante de despesas nesta área. De modo geral, tais despesas estão dispersas junto com outras do Inbound ou das despesas de vendas. Estima-se que se gaste de 0,5% a 1 % do PIB americano em Logística Reversa e que 20 % das compras online durante os dois meses de Natal de 1999 foram retornados. (STOCK, 2001, p.44). Por esses números, entende-se por que o reconhecimento da Logística Reversa pode ser um fator de criação da vantagem competitiva (STOCK, 2001) pois grande parte desse montante poderia ser evitado ao se praticar os conceitos aqui resumidos. Os números de retorno nos EUA são em média da ordem de 4 a 6 %, chegando em alguns casos a 50%. A Pesquisa A pesquisa foi construída com o objetivo de, exploratoriamente, entender, como o mercado brasileiro, perceber os conceitos de política ambiental (desde relatórios de impacto ambiental até a utilização de ferramentas de análise de ciclo de vida no desenvolvimento de produtos) e a procedimentos específicos de administração da Cadeia Logística Reversa. Assim, procuraremos relacionar as expectativas dos profissionais quanto à evolução do tema ao conjunto de iniciativas efetivamente realizadas por suas empresas. Algumas questões foram inspiradas em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos

5 (Rogers,1998) de forma que nestes casos também será possível a análise comparativa da evolução dos temas em ambos os mercados. Construímos o questionário em base Internet, desenhado e hospedado com o apoio da empresa Foco Gerenciamento de Serviços e Comércio Ltda. A base em Internet nos propiciou facilidade de divulgação, de acompanhamento e de tabulação das respostas. E, principalmente aos pesquisados, houve uma importante facilidade de preenchimento e encaminhamento dos questionários. Como foco principal, procuramos abordar profissionais de Marketing e Supply Chain, que são as duas principais área de interesse de nossa pesquisa. Foi elaborada uma carta-convite à pesquisa, enviada a 6184 profissionais. Efetivamente esses s chegaram a profissionais, enquanto que retornaram sem chegar ao destinatário. Como resultado, obtivemos 140 questionários respondidos, portanto, cerca de 5,2 % dos profissionais que receberam a carta-convite responderam nosso questionário. A carta-convite foi enviada a estes profissionais 3 vezes, sendo a primeira em 15 de Agosto de 2002, a segunda 20 dias após esta data, e a terceira 40 dias após a segunda. Na segunda e terceira chamadas, eliminamos da relação de endereços aqueles que já haviam respondido à pesquisa, bem como os endereços anteriormente demonstrados inválidos. Além do convite direto realizado por nós, conseguimos o apoio de 3 Instituições (FIA Fundação Instituto de Administração, Revista Tecnologística e ABAI Associação para Educação em Administração Empresarial que entre outras coisas ministra cursos da APICS, Accademia Per La Promozione Internazionalle della Cultura e della Sciencia), que se prontificaram a colocar em seus respectivos sites uma chamada para a pesquisa (através de banners), que através de Links remetiam os internautas ao nosso site da pesquisa. Além das 3 Instituições já mencionadas, contamos com o apoio da ABML Associação Brasileira de Movimentação e Logística e ADPO-Academia de Desenvolvimento Profissional e Organizacional. Apresentação das Questões A pesquisa foi construída quase que em sua totalidade através de questões assertivas, 26 delas, para as quais os pesquisados contaram com uma escala de 5 pontos: 1 Discordo Plenamente, 2 Discordo Parcialmente, 3 Não Há Opinião Formada, 4 Concordo Parcialmente e 5 Concordo Plenamente. Os pesquisados tiveram também 2 opções adicionais: 0 Não Se Aplica e de simplesmente não responder a questão. Outras três questões contaram com construção distinta, na qual procuramos direcionar as respostas em algumas poucas alternativas, afim de que tivéssemos um panorama objetivo de procedimentos adotados pelas empresas, e também para que pudéssemos obter uma comparação entre as respostas obtidas no mercado brasileiro e aquelas obtidas no mercado americano, como mencionado anteriormente. Assim como nas questões assertivas, também para essas os entrevistados só podiam assinalar uma única alternativa. A pesquisa conteve uma única questão aberta, afim de levantar o Nível de Devolução dos Clientes, em percentual e em valor. Foram colocadas algumas questões com o objetivo de caracterizar o perfil do respondente. Procuramos, portanto, identificar o tamanho das empresas representadas (faturamento e número de funcionários), tipo de empresa e ramo de atividade. Procuramos saber também o número de funcionários dedicados a Supply Chain e Logística nessas mesmas empresas. Procuramos levantar também o perfil dos pesquisados, sexo, idade, formação, cargo ocupado e tempo de experiência em Supply Chain ou Marketing, duas das principais áreas de interesse discutidas no trabalho e na pesquisa. Além disso, optamos por dividir as empresas entrevistadas em dois grupos: empresas com faturamento de até 100 milhões de reais anuais e empresas com faturamento superior a 100 milhões de reais anuais. Do total de 140 respondentes, o primeiro grupo conta com 73 (52%) empresas, e o segundo com 67 (48%). Em função da relevância que estes números dão ao nosso estudo de campo, esta segmentação foi utilizada para análise das respostas. Análise dos dados

6 Os números encontrados em nossa amostra, base faturamento das empresas em Reais no ano 2001, mostram-nos que o faturamento total representado é da ordem de R$ 120 Bilhões. Este número representam um montante expressivo, uma vez que é próximo a 10,13% do PIB Brasil real em 2.001, que foi de R$ 1.184,769 BI, conforme publicado no site do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (www.mdic.gov.br), anuário obtido através de download de arquivo. O mesmo critério de estabelecimento de faixas foi estabelecido para obtenção de dados quanto ao número de funcionários, conforme segue abaixo: até 100: 20 - de 100 a 200: 12 - de 200 a 500: 26 - de 500 a 1.000: 23 - de a 5.000: 36 - mais de 5.000: 17 Não Informado: 6 Procuramos também identificar o tipo de organização, ou a principal atividade das empresas representadas pelos respondentes. Obtivemos os seguintes dados: Empresa Comercial: 14 - Empresa de Serviços em Logística: 17 - Empresa Industrial: 57 - Empresa de Serviços e Consultoria: 24 - Outros: 22, não Informado: 6 Portanto, do total de 140 respondentes, 57 (cerca de 40%) operam com indústria, que é o principal foco de nosso trabalho, por ser o tipo de atividade que mais claramente opera com a combinação de aspectos mercadológicos e logísticos. Quanto ao mercado de atuação dessas empresas, obtivemos cerca de 40 respostas distintas, o que demonstra a diversidade de nossa amostra. A maior concentração advém da Indústria Automotiva, com 16 respondentes, em seguida Telecomunicações, com 12, além dos setores de alimentos, bebidas, eletroeletrônicos, farmacêuticos, químicos e vestuário, cada um com cerca de 5 respondentes. Profissionais Respondentes De nossa amostra, cerca de 85% é composta por Homens, com idade média de 37 anos, sendo cerca de 8 deles dedicados a Supply Chain ou Marketing, nossos focos iniciais e principais de atuação. Também são diversas as formações dos respondentes, sendo as principais Engenharia (32 profissionais), Administração de Empresas (23) e Economia (11). Por último, procuramos saber o cargo ocupado pelos respondentes em suas atuais funções. Em nossa pesquisa, obtivemos respostas de 3 profissionais que ocupam nível de Presidência ou Sócios, 19 profissionais em cargos de Diretoria, e 52 em cargos de Gerência. Profissionais em posições diferentes dessas são 63, sendo que tivemos ainda a participação de 3 profissionais do meio acadêmico, todos professores. Ou seja, profissionais em nível Gerencial ou acima representam 53% de nossa amostra, o que nos parece um número extremamente relevante para a nossa pesquisa, uma vez que estamos comentando as respostas de profissionais com amplas visão e experiência em seus ramos de atividade. Nossa pesquisa nos indicou que os avanços na Legislação Ambiental ainda são pouco notados nos negócios (Fig. 3 Legislação Ambiental e Recursos dedicados). Observamos, no entanto, que para empresas com faturamento acima de USD 100 milhões há uma maior atividade. De uma forma geral as empresas não tem recursos financeiros e humanos dedicados à Logística Reversa, e parte desse resultado é explicado pela pergunta anterior. Fig. 3 Legislação Ambiental e Recursos dedicados

7 Não é uma particularidade brasileira essa observada neste trabalho, já que pesquisas mostram embora crescente as preocupações em se capacitar para uma boa Logística Reversa, ainda estamos longe de um ponto ideal. No nosso caso, (Fig. 4 Principais barreiras) o porquê está relacionado com a pequena importância relativa e a falta de budget, o que também reflete os dados de outras pesquisas (ROGERS, 1998, p.32-35). Fig. 4 Principais barreiras Podemos observar claros sintomas por não dar a devida importância ao tema. Eis alguns deles: (baseado em Rogers, 1.998, pp 1-35 ) Grandes quantidades de retornos dispostos no armazém de forma desorganizada. Retornos chegam sem a devida identificação ou processo definido. Retornos não tiveram ciência ou aprovação devida. Difícil identificação das responsabilidades para ações corretivas e preventivas.

8 Longos Cycle-time. Desconhecimento dos custos e volumes envolvidos Clientes perdem a confiança quando envolvidos atividades de reparo ou substituição. Os motivos para essa situação são vários, e abaixo listamos as principais : Importância relativa à outras questões. Política da empresa. Inexistência de um sistema de informações. Desatenção da direção. Desconhecimento do potencial financeiro envolvido. Recursos humanos e financeiros disponíveis. Questões legais. Podemos portanto reverter esse quadro observando fortes oportunidades de melhoria para as empresas e seus clientes como segue : Agilizar suas decisões adaptando um sistema de informações Esse sistema deverá lhe fornecer indicadores de performance de todo o processo de forma tal que você possa tomar decisões eficazes como renegociar contratos com fornecedores e clientes, e fazer uma boa gestão financeira sobre seus ativos. Reduzir seus custos de manuseio e de perdas, melhorando a performance das decisões concentrando os retornos em um único Centro de Retorno ( CRC Centralized return center ). Reduzir ou eliminar retornos, dependendo do produto e seus impactos para a imagem da sua marca, adotando uma Política de Vendas de retorno zero. Recuperar os valores dos materiais retornados desenvolvendo fornecedores e parceiros nas tarefas de reparo, recuperação e reciclagem. Como forma de verificação das transformações globais das últimas décadas, e a fim de averiguar o entendimento das organizações referente a importância e presença do Green Marketing no Brasil, fomos a campo pesquisar o tratamento de questões ambientais nas organizações que operam no Brasil. Para a análise da consciência ambiental, foi questionado às empresas se: Dispõem de política ambiental corporativa Realizam minucioso relatório de impacto ambiental Dispõem de indicadores de performance em questões ambientais Realizam intercâmbios com grupos ambientais, institutos ou agências governamentais ligadas ao meioambiente Importante lembrar que optamos por expurgar as respostas Não se Aplica e Não Informado, que neste caso somaram 30% das respostas a esta questão, e estamos analisando em conjunto tanto as duas graduações de resposta Concordo, quanto as duas de Discordo. A figura 5 mostra de que as preocupações com questões ambientais e atitudes específicas que demonstram uma maior consciência ambiental são mais presentes nas empresas do segundo grupo, as maiores, o que efetivamente contribui para o aumento médio da presença de consciência ambiental na amostra total. Por colocar as quatro questões lado a lado, o gráfico permite ainda a análise comparativa entre elas, trazendo-nos a conclusão de que algumas atitudes como política ambiental corporativa e indicadores ambientais são atualmente mais permeados pelas organizações do que a realização de Relatório de Impacto Ambiental ou intercâmbios com grupos ambientais, institutos ou agências governamentais ligadas ao meio-ambiente. O Green Marketing, ou Marketing Ambiental, tem dois objetivos-chave (OTTMAN, 1992, pág. 48): Desenvolver produtos que equilibrem necessidades dos consumidores, tenham preço viável e conveniência com compatibilidade ambiental, ou seja, exerçam um impacto mínimo sobre o ambiente,

9 e Projetar uma imagem de alta qualidade, incluindo sensibilidade ambiental, quanto aos atributos de um produto e quanto ao registro de trajetória de seu fabricante, no que se refere a respeito ambiental. Fig. 5 - Avaliação de Consciência Ambiental na amostra pesquisada 1. Dispõem de Política Ambiental Corporativa 2. Realizam Relatório de Impacto Ambiental 3. Dispõem de Indicadores Ambientais 4. Realizam intercâmbios com grupos ambientais ou outros 100% 80% 60% 40% Discordo 20% Não Há Opinião Formada Concordo 0% Todas De 0 a 100 Acima de 100 Todas De 0 a 100 Acima de 100 Todas De 0 a 100 Acima de 100 Faturamento MM R$ Todas De 0 a 100 Acima de 100 Se estes são os dois principais objetivos do Green Marketing, pesquisar, planejar, desenvolver e disponibilizar ao mercado produtos ambientalmente corretos é ainda hoje um desafio para a maioria das empresas. Nossa pesquisa de campo também procurou saber qual percentual de nossa amostra utilizada claims ambientais em seus produtos. Fig. 6 - Utilização de claims de impacto ambiental

10 Sua empresa utiliza claims de impacto ambiental em seus produtos 100% 80% 60% 40% Discordo Não Há Opinião Formada Concordo 20% 0% Todas De 0 a 100 Acima de 100 Faturamento MM R$ Muito embora esse diagnóstico seja claro, no Brasil a maior parte dos claims ambientais utilizados nos produtos se referem a possibilidade de reciclagem de suas embalagens, havendo poucas menções a eventuais matérias-primas que advenham de fontes renováveis, ou sejam extraídas de forma sustentável. No entanto, o desenvolvimento de um produto verde envolve uma série de fatores que vão além da possibilidade de reciclagem de sua embalagem. Esses fatores fazem parte da etapa de desenvolvimento do produto, e permitem a visualização do ciclo de vida de um produto sob outra ótica, a ótica do Green Marketing. Em nossa pesquisa de campo, procuramos saber se as empresas de nossa amostra evitam o uso de embalagens duplas, ação que é um bom exemplo da tradução de consciência ambiental em realidade, já que para a maioria dos produtos de consumo essa alternativa é relativamente fácil, requerendo pouco investimento por parte das organizações, se compararmos com alternativas de busca de novas fontes ou outras mais dispendiosas, como já mencionamos acima. O gráfico abaixo mostra os resultados encontrados. Fig. 7 Uso de embalagens duplas Sua empresa evita o uso de embalagens duplas 100% 80% 60% 40% Discordo Não Há Opinião Formada Concordo 20% 0% Todas De 0 a 100 Acima de 100 Faturamento MM R$

11 O gráfico nos mostra um cenário um pouco pior do que por nós esperado. Se analisarmos as respostas na primeira coluna, todas as empresas, percebemos que apenas cerca de 46% das empresas pesquisadas afirmar evitar o uso de embalagens duplas, enquanto que 35% delas discordam parcial ou plenamente da afirmação colocada. Quando olhamos os resultados de forma segmentada, vemos sensível melhora das respostas do grupo de empresas que faturam acima de R$ 100 milhões/ano. As empresas que concordam somam 54% desse segmento, enquanto que na amostra total eram 46%. De qualquer forma, esse número ainda nos parece pequeno dada a maior facilidade de execução da ação proposta na assertiva em relação a outras ações que necessitam maiores investimentos. Procuramos saber em nossa pesquisa de campo se as empresas de nossa amostra prevêem, durante o desenvolvimento de produtos, o processo de desmontagem afim de facilitar os trabalhos de reciclagem após uso. Quanto aos resultados, 50% da amostra optou por responder que o processo questionado não se aplica, sempre lembrando que esta resposta, assim como a não informado, foram expurgadas da análise gráfica abaixo. Lembrando também que estamos usando a mesma segmentação das análises anteriores, ou seja, empresas que faturam até R$ 100 milhões/ano e empresas com faturamento superior a este valor. Mais uma vez, identificamos clara diferença entre os dois segmentos, mostrando que as respostas Concordo Plena ou Parcialmente são mais comuns nas empresas dos segundo grupo. Fig. 8 Processo de Desmontagem Quando falamos em descarte pós uso, não podemos deixar de mencionar problemas de coleta e a problemática do lixo urbano. Sabemos que a Legislação tem evoluído afim de cobrar das empresas ações responsáveis no sentido de tratarem corretamente o lixo que seus produtos geram. Fomos a campo através de nossa pesquisa procurar saber se as empresas apóiam ou incentivam programas de recolhimento dos produtos após seu uso. Fig. 9 - Programas de Recolhimento Pós-Uso Temos programas para recolhimento dos produtos após seu uso 100% 80% 60% 40% Discordo Não Há Opinião Formada Concordo 20% 0% Todas De 0 a 100 Acima de 100 Faturamento MM R$ Obtivemos um alto índice de resposta Não se Aplica, cerca de 50%. Por outro lado, as respostas dos dois segmentos analisados são muito parecidas, sendo a principal diferença o menor número de resposta Não há Opinião Formada no segundo grupo em relação ao primeiro, mostrando que as maiores empresas têm maior assertividade em concordar com a (e a discordar da) afirmação proposta.

12 De qualquer forma, o resultado nos pareceu positivo, por indicar que cerca de 44% da amostra total incentiva programas de recolhimento de seus produtos. Quanto ao Pós-uso, quando a política de vendas assim o exigir, os fornecedores e fabricantes devem estar preparados para atender essa demanda de forma organizada, estabelecendo limites de responsabilidades para toda a rede de fornecedores e do fabricante. Ações de melhoria como pequenas alterações no projeto, utilização de materiais alternativos, devem ser bem analisados pois dessas melhorias vem a viabilidade econômica de tratar com eficácia os produtos do pós-uso. Na nossa pesquisa percebe-se que ainda há um bom espaço para melhoria nas relações com os fornecedores. Fig 10 - Fornecedores compartilham de responsabilidades Sua empresa prevê o processo de desmontagem afim de facilitar a reciclagem após o uso 100% 80% 60% 40% Discordo Não Há Opinião Formada Concordo 20% 0% Todas De 0 a 100 Acima de 100 Faturamento MM R$ Nossos fornecedores compartilham conosco das responsabilidades nas devoluções e recolhimentos de produtos 100% 80% 60% 40% 20% 0% Todas De 0 a 100 Acima de 100 Concordo Não Há Opinião Formada Discordo Na questão da previsão de demanda (Fig 11 Evitar excessos e Devoluções), temos uma preocupação elevada dado aos impactos financeiros que essas variações podem causar ao fluxo de caixa da empresa. As falhas nas previsões de demanda são fortes influenciadores do aumento de devoluções pelo fato de entupir o canal e pelo aumento de estoque de Matéria Prima e Produto Acabado, gerando consequentes desperdícios, contaminações. Outro fator importante na previsão de demanda é a realização do Phase-out de um produto, que deve envolver toda a Cadeia de Abastecimento em

13 conjunto com os Planos de Marketing. Na nossa pesquisa a atenção dada às previsões de demanda são ainda muito baixos. Fig 11 - Evitar excessos e Devoluções Um fator interessante é que as empresas estão bastante empenhadas na re-utilização de embalagens dado o seu custo elevado, assim como a otimização do uso das embalagens para evitar adicionais de custos logísticos (Fig 12 Reutilização e otimização de embalagens). A re-utilização de embalagens se dá de forma bastante intensa na industria automobilística com a utilização de pallets e contenedores padrões que nos fluxos do Milk-run vão e voltam por várias vezes, e além disso não gerando custos logísticos adicionais. Ajustes nos desenhos dos produtos e suas embalagens procurando maximizar sua ocupação em pallets de transporte também são alternativas muito utilizadas reduzindo custos de transporte e de manuseio. Um fator interessante é que as empresas estão bastante empenhadas na re-utilização de embalagens dado o seu custo elevado, assim como a otimização do uso das embalagens para evitar adicionais de custos logísticos (Fig 12 Reutilização e otimização de embalagens). A re-utilização de embalagens se dá de forma bastante intensa na industria automobilística com a utilização de pallets e contenedores padrões que nos fluxos do Milk-run vão e voltam por várias vezes, e além disso não gerando custos logísticos adicionais. Ajustes nos desenhos dos produtos e suas embalagens procurando maximizar sua ocupação em pallets de transporte também são alternativas muito utilizadas reduzindo custos de transporte e de manuseio. Fig 12 - Reutilização e otimização de embalagens

14 A utilização de Matéria Prima de forma otimizada é uma grande preocupação das empresas, e de forma muito mais intensa nas empresas de grande porte. Desperdícios de matéria prima são importante fator de custos que não será possível repassar ao mercado. Evidentemente empresas de maior porte dado o seu volume, podem exigir de seus fornecedores embalagens com quantidades ajustadas ao seu processo produtivo que reduzem sobremaneira a probabilidade de perdas por desperdício e contaminação. Para as pequenas e médias empresas também cabe partir para a negociação reforçando as parcerias com seus fornecedores. Um foco específico da Logística Reversa é o seu nível de devoluções que quando extrapola a característica de seu mercado ou de seu valor histórico indica problemas. Ter um bom controle sobre esses números e tomar medidas corretivas a tempo é de fundamental importância. As empresas pesquisadas via de regra tem pessoal dedicado e conseguem rastrear bem suas devoluções e tem sistemas de controle que os remetem às medidas corretivas. Para aproximados 15 % dos entrevistados a empresa não realiza essas práticas talvez por desatenção se os números forem inexpressivos, como é o caso de empresas que adotam políticas de vendas zeroreturn (Fig 13 Recursos e sistemas). Neste caso é preciso só ter o cuidado de por um lado certificarse de não estar prejudicando a marca, e de qualquer forma entender quais são os números de devoluções evitados pela política de vendas através dos descontos ou reposições. Fig 13 - Recursos e sistemas

15 As pressões dos clientes sobre a indústria não parece ser ainda muito intensa (Fig 14 Clientes obrigam a melhorar a Logística Reversa), conforme os dados da nossa pesquisa. Há no entanto uma consideração a ser feita, e um cuidado a ser tomado quando analisamos esses números, pois muitas vezes o cliente não tem um nível de serviço reverso no mercado que o faça exigir ou trocar de fornecedor. Claro que montar uma rede de serviços reversos não é uma tarefa fácil nem rápida, e também por isso devemos estar constantemente entendendo os movimentos do mercado pois a entrada de um concorrente com um serviço diferenciado na reversa pode não poder ser copiado em tempo hábil. Fig 14 Clientes obrigam a melhorar a Logística Reversa Nossos clientes têm nos obrigado a melhorar nossos processos e controles de Logística Reversa 100% 80% 60% 40% 20% 0% Todas De 0 a 100 Acima de 100 Concordo Não Há Opinião Formada Discordo Síntese das conclusões

16 No decorrer da apresentação das respostas às diferentes questões discutimos o significado diante da revisão bibliográfica anteriormente desenvolvida. De forma sintética, porém, podemos afirmar, com base nos resultados da pesquisa ora apresentada, as seguintes conclusões: As preocupações com questões ambientais e atitudes específicas que demonstram uma maior consciência ambiental são mais presentes nas empresas de maior porte. Também no grupo das empresas de maior porte observamos uma maior atividade em torno de assuntos concernentes à Logística Reversa, sob a forma do emprego de recursos financeiros e humanos dedicados a essa área. Embora as empresas pesquisadas apresentem dados que indicam ainda um relativamente baixo nível de preocupação com o tema, essa não é uma particularidade brasileira Algumas atitudes como política ambiental corporativa e indicadores ambientais são atualmente mais permeados pelas organizações do que a realização de Relatório de Impacto Ambiental ou intercâmbios com grupos ambientais, institutos ou agências governamentais ligadas ao meio-ambiente A maior parte dos claims ambientais utilizados nos produtos se referem a possibilidade de reciclagem de suas embalagens, havendo poucas menções a eventuais matérias-primas que advenham de fontes renováveis, ou sejam extraídas de forma sustentável Apenas cerca de 46% das empresas pesquisadas afirmar evitar o uso de embalagens duplas, enquanto que 35% delas discordam parcial ou plenamente da afirmação colocada. Um fator interessante é que as empresas estão bastante empenhadas na re-utilização de embalagens dado o seu custo elevado, assim como a otimização do uso das embalagens para evitar adicionais de custos logísticos A utilização de Matéria Prima de forma otimizada é uma grande preocupação das empresas, e de forma muito mais intensa nas empresas de grande porte. Desperdícios de matéria prima são importante fator de custos que não será possível repassar ao mercado As pressões dos clientes sobre a indústria não parece ser ainda muito intensa, conforme os dados da nossa pesquisa Referências Bibliográficas STOCK, James. Reverse Logistics in the Supply Chain, Revista Transport & Logistics, 2001, p.44 OTTMAN, Jacquelyn. Green Marketing, NTC Business Books, ROGERS, Dale, S., TIBBEN-LEMBKE, R. Going backwards: reverse logistics, trends and practices. Universtity of Nevada, Reno. Center for Logistics Management ROGERS, Dale, S., TIBBEN-LEMBKE, R. An examination of reverse logistics practices. Journal of business logistics, vol. 22, number 2, STOCK, James. The seven deadhly sins of Reverse Logistics. MH Solutions, March, 2001, pp The Roper Organization (1991). The Future of the Environment. The Public Pulse. 2(1). pp. 1-8 GINTER Peter M., STARLING Jack M. Reverse distribuition chanels for recycling. California management review. V. 20, number 3, Spring, 1978, pp PELTON, Lou, STRUTTON, David, BARNES, James, TRUE, Sheb. The relationship among referents, opportunity rewards and punishments in consumer attitydes toward recycling: a structural equations approach. Journal of Macromarketing. V. 13, Spring, 1993, p. 60. ZIKMUND Willian G., STANTON Willian J. Recycling solid wastes: a chanel-of-distribuition problem. Journal of Marketing, July, 1971, p.35. LAMBERT, Douglas, STOCK, James. Strategic Physical distribuition management. Homewood. Il. Irwin, 1981, p.19. LACERDA, Leonardo. Logística reversa uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais. Revista Tecnologística. Jan. 2002, pp

17 DORNIER, Philippe-pierre, Logística e operações globais. São Paulo: Atlas, MURPHY, Paul, POIST, Richard. Management of logistical retromovements. Transportation research forum, vol. 29, number 1, 1989, pp Sites consultados:

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA

LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA Déborah Francisco Rodrigues Departamento de Engenharia Industrial PUC-Rio Rua Marquês de São Vicente, 225 Gávea - RJ Gisela Gonzaga Rodrigues Departamento

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE COMO INSTRUMENTOS DE CONTROLE GERENCIAL Por: Auremilia Vilena de Almeida Orientador Prof.

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense

Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense F. H. C. Chagas a, A. L. Berretta-Hurtado b, C. A. K. Gouvêa b a. SOCIESC, Joinville,

Leia mais

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag Paulo Daniel Pessoa (FAGEN/UFU) pd.pessoa@hotmail.com Claúdio Luis Miotto (FAGEN/UFU) miotto@ufu.br Resumo Estudo

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE CLRB PAULO ROBERTO LEITE clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br http://meusite.mackenzie.br/leitepr MISSÃO DO CLRB Oferecer ganhos de competitividade empresarial através da Logística Reversa. SERVIÇOS OFERECIDOS

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DOS PRODUTOS DE PÓS-VENDA NO SEGMENTO DE LOJAS DE DEPARTAMENTO

LOGÍSTICA REVERSA DOS PRODUTOS DE PÓS-VENDA NO SEGMENTO DE LOJAS DE DEPARTAMENTO LOGÍSTICA REVERSA DOS PRODUTOS DE PÓS-VENDA NO SEGMENTO DE LOJAS DE DEPARTAMENTO Gisela Gonzaga Rodrigues Nélio Domingues Pizzolato Dep.Eng. Industrial PUC Rio de Janeiro Vitor Pires dos Santos Centro

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA Maria do Carmo Jampaulo Plácido Palhaci UNESP, Departamento de Artes e Representação Gráfica palhaci@faac.unesp.br Ricardo

Leia mais

Logística reversa: importância, fatores para a aplicação e contexto brasileiro

Logística reversa: importância, fatores para a aplicação e contexto brasileiro Logística reversa: importância, fatores para a aplicação e contexto brasileiro Luciangela Galletti da Costa 1 Rogério Valle 1 luciangela@pep.ufrj.br valle@pep.ufrj.br 1 Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas

Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas Adriano Nguyen Ngoc Phuoc Nhan (CEFET/RJ) nhan@ig.com.br Cristina Gomes de Souza (CEFET/RJ) cgsouza@cefet-rj.br Ricardo Alexandre Amar de Aguiar (CEFET/RJ)

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA

Leia mais

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo Logística Prof: Roberto Macedo Canais de Distribuições Reversos Objetivos Apresentar os conceitos da logística reversa e os canais utilizados; Evidenciar a importância destes canais e as formas corretas

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA COMO UMA FERRAMENTA GERENCIAL: UM NOVO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS ORGANIZAÇÕES

A LOGÍSTICA REVERSA COMO UMA FERRAMENTA GERENCIAL: UM NOVO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 A LOGÍSTICA REVERSA COMO UMA FERRAMENTA GERENCIAL: UM NOVO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS ORGANIZAÇÕES Resumo André de Sousa Pedrosa Diante das intensas ações estratégicas de mercado para criação de

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA: POLÍTICAS, PROCEDIMENTOS E BARREIRAS DE IMPLEMENTAÇÃO

LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA: POLÍTICAS, PROCEDIMENTOS E BARREIRAS DE IMPLEMENTAÇÃO ISSN 1984-9354 LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA: POLÍTICAS, PROCEDIMENTOS E BARREIRAS DE IMPLEMENTAÇÃO Adeilto Pereira Chagas (FFB) Sergio Jose Barbosa Elias (UFC) Roberto Ednísio Vasconcelos Rocha (BNB)

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Maria Fernanda Hijjar Marina Helena Gervásio Kleber Fossatti Figueiredo O desenvolvimento de um bom sistema de monitoramento

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

ABORDAGENS DA LOGÍSTICA NOS SÉCULOS XX E XXI

ABORDAGENS DA LOGÍSTICA NOS SÉCULOS XX E XXI ABORDAGENS DA LOGÍSTICA NOS SÉCULOS XX E XXI Martha M V O C Rodrigues (UnB) marthaveras@unb.br SANDRO GOMES RODRIGUES (UnB) sgomesrod@hotmail.com Francisco Eugenio Musiello Neto (UFT) musiello@uft.edu.br

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental Alexandre Borges Fagundes (UTFPR) borges.fagundes@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira (UTFPR) ivanir@utfpr.edu.br

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

LOGÍSTICA PARA RECICLAGEM E LOGÍSTICA REVERSA PRINCIPAIS SIMILARIDADES E PRINCIPAIS DIFERENÇAS. RESUMO:

LOGÍSTICA PARA RECICLAGEM E LOGÍSTICA REVERSA PRINCIPAIS SIMILARIDADES E PRINCIPAIS DIFERENÇAS. RESUMO: LOGÍSTICA PARA RECICLAGEM E LOGÍSTICA REVERSA PRINCIPAIS SIMILARIDADES E PRINCIPAIS DIFERENÇAS. João Carlos Souza Departamento de Arquitetura e Urbanismo Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Avaliar as diferenças entre as empresas da cadeia direta e da cadeia reversa; 2. Compreender o papel

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro. Fernando de Castro Presidente

Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro. Fernando de Castro Presidente Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro Fernando de Castro Presidente Quem Somos Grupo de empresários preocupados em: o Contribuir com políticas de desenvolvimento para o Brasil o Participação do

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC.

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. Viviane Santos Lacerda Pontelo Administradora de Empresas, Pós Graduada em

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

ANÁLISE DO NOVO DESENHO AMBIENTAL CONSTRUÍDO COM A LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

ANÁLISE DO NOVO DESENHO AMBIENTAL CONSTRUÍDO COM A LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO CIVIL ANÁLISE DO NOVO DESENHO AMBIENTAL CONSTRUÍDO COM A LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO CIVIL SANDRO GOMES RODRIGUES (UnB) sgomesrod@hotmail.com Evaldo Cesar Cavalcante Rodrigues (UnB) evaldocesar@unb.br Aldery

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

CURSO DE PROCESSOS GERENCIAIS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DA GESTÃO POR PROCESSOS UNIDADE DIDÁTICA I GUIA DE ESTUDO Nº 2 / 2015

CURSO DE PROCESSOS GERENCIAIS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DA GESTÃO POR PROCESSOS UNIDADE DIDÁTICA I GUIA DE ESTUDO Nº 2 / 2015 CURSO DE PROCESSOS GERENCIAIS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DA GESTÃO POR PROCESSOS UNIDADE DIDÁTICA I GUIA DE ESTUDO Nº 2 / 2015 A EMPRESA COMO UMA GRANDE COLEÇÃO DE PROCESSOS REDE DE PROCESSOS Autor: Prof.

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Relatório de pesquisa Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Via Consulting Maio de 2009 1 Caro leitor, Gostaria de convidá-lo a conhecer o resultado de uma pesquisa patrocinada pela Via Consulting

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

SUSTENTABILIDADE NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA SUSTENTABILIDADE NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA 1 O CONCEITO 2 - BARREIRAS E MOTIVADORES 3 AÇÕES EMPREENDEDORAS EVOLUÇÃO E TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS SUSTENTABILIDADE "suprir as necessidades da geração presente

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Primeira Pesquisa Nacional do Varejo Online

Primeira Pesquisa Nacional do Varejo Online Primeira Pesquisa Nacional do Varejo Online DADOS SOBRE A PESQUISA Data de início: 09/06/14 Data de Termino: 11/07/14 Base: E-commerce Brasil Amostra: 668 respondentes Confiança: 95% Margem de Erro: 4,0%

Leia mais

A Cadeia de Suprimentos

A Cadeia de Suprimentos Tema A Cadeia de Suprimentos Curso Disciplina Tema Professor MBA em Engenharia da Produção Gestão da Produção A Cadeia de Suprimentos John Jackson Buettgen Introdução Quando o assunto é Gestão de Produção,

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL Aline Pereira dos Anjos 1 Larissa Fabiana Oliveira Caetano 1 Luciana Pereira Mendonça 1 Clézio Antônio Lara 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente

Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente AGRADECIMENTOS! A ABComm agradece o apoio dos mantenedores 2015 METODOLOGIA Foram coletados 451 questionários válidos no campo

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DO PAPELÃO: O PROCESSO E CUIDADOS AMBIENTAIS EM UMA REDE DE VAREJO DO RS

LOGÍSTICA REVERSA DO PAPELÃO: O PROCESSO E CUIDADOS AMBIENTAIS EM UMA REDE DE VAREJO DO RS ISSN 1984-9354 LOGÍSTICA REVERSA DO PAPELÃO: O PROCESSO E CUIDADOS AMBIENTAIS EM UMA REDE DE VAREJO DO RS Andrea Karla Breunig de Freitas (ufsm) DEISE SCHEFFER (ufsm) Luis Felipe Lopes Dias (ufsm) Resumo

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Vanina Macowski Durski Silva (UFSC/CNPQ) vaninadurski@gmail.com Rosely Antunes de Souza (UTFPR) roselypr@gmail.com Silvana Ligia Vincenzi Bortolotti

Leia mais

Artigo publicado. na edição 29. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2012

Artigo publicado. na edição 29. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2012 Artigo publicado na edição 29 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2012 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião O crescimento dos Gastos Logísticos no Brasil e no mundo

Leia mais