COMÉRCIO E ATIVIDADE PORTUÁRIA SOB A ÓTICA DA SEGURANÇA INTERNACIONAL CONTEMPORÂNEA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMÉRCIO E ATIVIDADE PORTUÁRIA SOB A ÓTICA DA SEGURANÇA INTERNACIONAL CONTEMPORÂNEA"

Transcrição

1 COMÉRCIO E ATIVIDADE PORTUÁRIA SOB A ÓTICA DA SEGURANÇA INTERNACIONAL CONTEMPORÂNEA Joana Stelzer Everton das Neves Gonçalves ** RESUMO Apenas depois do atentado de 11 de setembro, é que o tema terrorismo tornou-se pauta principal na agenda da segurança internacional, através da imposição de regras relativas, entre outras, à segurança comercial dos países, especialmente dos Estados Unidos da América (EUA). Dentre essas imposições, objetivou-se na presente pesquisa, verificar se as medidas contidas na Lei de Bioterrorismo, no International Ship and Port Facility Security (ISPS Code) e na Container Security Iniciative (CSI) podem representar barreiras técnicas ao comércio exterior brasileiro, já que para alguns exportadores a sua aplicação poderá se tornar um entrave às trocas internacionais. Nesse sentido, também houve emprenho em avaliar se a atividade portuária obteve êxito quanto à compatibilidade dessas exigências. No Brasil, os resultados dos investimentos em segurança são visíveis, pois cerca de 80% dos portos e terminais nacionais, por onde circulam navios de bandeiras estrangeiras, já estão totalmente ou parcialmente adaptados à nova legislação mundial contra o terrorismo. A temática sobre o terrorismo, além de ser um item na agenda da segurança nacional e internacional, representa um fator de competitividade do comércio exterior brasileiro. O presente estudo louvou-se do método indutivo de análise, servindo-se de fontes bibliográficas e documentais. Quanto aos fins, caracterizou-se como estudo explicativo, ao descrever o processo utilizando-se da análise crítica, combinando elementos políticos, jurídicos e econômicos. PALAVRAS-CHAVE: SEGURANÇA INTERNACIONAL, ATIVIDADE PORTUÁRIA, COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO, DIREITO INTERNACIONAL, TERRORISMO. Doutora e Mestre em Direito, na área de Relações Internacionais (UFSC). Professora na graduação e na pós-graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), atuando na linha de pesquisa Direito e Atividade Portuária (Grupo de Pesquisa: Comércio e Segurança Internacional). ** Doutor em Direito Econômico pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Doctor en Derecho Internacional Económico por la Universidad de Buenos Aires (UBA), Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor de Direito Internacional Público e de Direito Econômico na Fundação Universidade Federal do Rio Grande/RS (FURG).

2 ABSTRACT It was only after the terrorism attacks of 11th September that terrorism became one of the key items on the international security agenda, through the imposition of rules relating to the commercial security of countries, particularly the United States of America (USA), among other aspects. Among these impositions, this study investigates whether the measures contained in the Law on Bioterrorism, in the International Ship and Port Facility Security (ISPS Code) and in the Container Security Initiative (CSI) can represent technical barriers to Brazilian foreign trade, since for some exporters, the application of these laws could become a restraint to international exchange. In this sense, it also attempts to evaluate whether port activity has been successful in terms of compatibility with these demands. In Brazil, the results of investments on security are visible, as around 80% of the national ports and terminals where foreign flag vessels circulate have now adapted, either totally or partially, to the new global legislation against terrorism. The theme of terrorism, besides being an item on the national and international security agenda, represents a factor of competitiveness for Brazilian foreign trade. This study used the inductive analysis method, through bibliographic and documentary sources. In terms of overall objectives, it is characterized as an explanatory study, in that it describes the process using critical analysis, combining political, legal and economic aspects. KEYWORDS: INTERNATIONAL SECURITY, PORT ACTIVITY, BRAZILIAN FOREIGN TRADE, INTERNATIONAL LAW, TERRORISM. Introdução O comércio mundial se envolveu fortemente com a questão da segurança internacional após os ataques terroristas de Onze de Setembro. Preocupados com a segurança do Estado, a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos da América (EUA) aprovou leis que visam impedir novos atentados. A nova legislação ditada pelos EUA gerou mudanças nas relações de comércio exterior e essas alterações refletem diretamente nas negociações de todos os países que mantêm comércio com esse País. Entre as exigências, destacam-se: o Public Health Security and Bioteorism Preparedenss ans Response Act of 2003 (Lei de Bioterrorismo); o International Ship and Port Faciliy Security (ISPS Code) e a Container Security Iniciative (CSI). A Lei de Bioterrorismo visa proteger a população estadunidense contra riscos de ataques químicos e biológicos. Essa legislação contém regras para a comercialização e a importação de alimentos destinados ao consumo nos EUA. Todas as empresas que

3 exportam para esse País deverão se registrar junto à Food and Drug Administration (FDA), além de estarem obrigadas a emitir uma notificação prévia das exportações. O International Ship and Port Facility Security (ISPS Code) diz respeito à nova legislação portuária, oriunda da International Maritime Organization (IMO), que se destina à segurança e à proteção de embarcações e instalações portuárias (inclusive acessos aquaviários, áreas de fundeio e atracação), estabelecendo providências diversas aos portos com carga destinada aos EUA e à Europa. A última medida de segurança foi a Container Security Iniciative (CSI), que consiste em delimitar uma zona de segurança norte-americana, na qual se pretende identificar contêineres de alto-risco. Os contêineres deverão ser submetidos a um scanner no porto de origem. Essa medida incentiva a utilização de contêineres inteligentes, ou seja, contêineres que contenham chips para leitura de informações e lacres eletrônicos. Pretende-se avaliar se as medidas de segurança internacional, oriundas do terrorismo, podem prejudicar o comércio exterior brasileiro. Destaca-se também a hipótese dessas medidas se converterem em barreiras técnicas às exportações brasileiras. Nesse contexto, o presente artigo busca elucidar de que forma as medidas de segurança impostas ao comércio internacional podem se converter em barreiras técnicas. Em consonância com o método qualitativo, a investigação serviu-se do meio bibliográfico para colher informações fundamentais. Quanto aos fins, trata-se de análise exploratória e explicativa, pois em que pese a novidade do tema, buscar-se-á avaliar de forma crítica o contexto do comércio internacional. 1 Breves considerações históricas sobre o fenômeno do terrorismo As primeiras evidências históricas que relatam a violência física e psicológica sobre a pessoa humana no ocidente, remontam à época da Revolução Francesa. Naquela ocasião, a burguesia pretendia anular as estruturas que sustentavam a nobreza, o clero e a monarquia. O período entre 1793 e 1794 restou caracterizado por atos de extrema violência e foi denominado terrorismo. Tudo foi feito, em 1793 assim como nas gerações futuras, não em nome de um rei, de uma religião ou mesmo de um país. Tudo foi feito em

4 nome de uma idéia. A idéia do momento era a liberdade: em uma das mais terríveis ironias da história, o grito de liberdade que havia sido inflamado pela raiva justificada contra os excessos da elite governante da França desencadeou uma forma de guerra que se tornaria a mais destrutiva já conhecida. Em troca das liberdades prometidas pela revolução, esperava-se que todo cidadão francês matasse ou facilitasse a morte dos inimigos da revolução e do Estado revolucionário. 1 Do final do Século XIX ao início da Primeira Guerra Mundial, os atentados caracterizavam-se por serem anarquistas. No período entre as duas Guerras Mundiais, foi deflagrado nos Balcãs e, hoje, concentra-se no conflito árabe-israelense. No plano jurídico internacional, a primeira Convenção para a Prevenção e Repressão do Terrorismo foi concluída em Genebra, em 1937, [...] no direito internacional contemporâneo, há doze convenções multilaterais [...] 2. O mundo está diante de um fenômeno antigo quando o tema é terrorismo, apesar de recentemente ter obtido espaço nos campos político e social. Vários institutos e autores tentam de maneira exaustiva conceituar esse fenômeno. No livro Political Terrorism foram listadas 109 definições do termo 3, evidenciando a enorme preocupação em entender o fenômeno e delimitá-lo. Em diversas definições, emergem algumas características comuns, como o uso do terror e da violência generalizada contra pessoas e coisas, a indeterminação do número de vítimas, a paralisação da vontade de reação da população, o sentimento de insegurança transmitido pelos meios de comunicação, a finalidade política revestida de interesse militar ou religioso e a intenção de influenciar governos por meios não constitucionais 4. Historicamente, podem-se citar alguns grandes atos terroristas, entre eles: Os genocídios contra os cristãos, desde a época de Nero até o Constantino; como o saque o incêndio de Béziers; o assassinato de mais de 60 mil habitantes na I Cruzada dos Albigences, em 1209, sob o comando do Papa Inocêncio III; a destruição de comunidades judaicas 1 CARR, C. A assustadora história do terrorismo. Tradução de Mauro Silva. São Paulo: Ediouro, 2002, p MEDEIROS, A. P. C. O terrorismo na agenda internacional. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p , jul./set. 2002, p CARDOSO, A. M. Terrorismo e Segurança em um Estado Social Democrático de Direito. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p , jul./set. 2002, p STELZER, J.; GONÇALVES, E. N. A Lei de Bioterrorismo dos Estados Unidos e as medidas de segurança alimentar após o 11 de setembro: perspectivas para o comércio exterior brasileiro. In: 4º CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO INTERNACIONAL, 2006, Curitiba. Estudos de Direito Internacional. Anais... Curitiba: Juruá, 2006, p v. 7.

5 em 1391, nas cidades espanholas de Sevilha, Córdoba, Toledo, Cuenca, Barcelona e tantas outras. 5 No século XIX, o termo terrorismo era usado para as ações revolucionárias que questionavam a subordinação popular aos governantes que acreditavam ocupar posição preeminente em virtude de direito divino ou a dependência de povos inteiros à dinastia estrangeira, ou, ainda, às más condições de trabalho da classe operária 6. Nas décadas de 1920 e 1930, o termo passou a designar a atitude de certos Estados totalitários, fascistas ou comunistas, em relação a seus opositores individuais ou a camadas da população consideradas perigosas para a estabilidade do Estado, o chamado Terrorismo de Estado. Após a Segunda Guerra Mundial, em razão do surgimento dos movimentos anticolonialistas, o termo terrorismo foi assimilado às chamadas lutas de libertação nacional que, nas três décadas seguintes ao fim do conflito, ocuparam a cena internacional. Hoje, o termo terrorismo é bastante comum quando o assunto é o conflito árabe-israelense. A preocupação em conceituar esse fenômeno justifica-se em virtude da necessidade de delimitar a ação terrorista de maneira eficaz, fazendo com que o Estado tome medidas legislativas e de segurança. Para não confundi-lo com qualquer outro ato de vandalismo e desordem social, Munhoz 7 entende que essa inexistência de definição pode ser explicada pela falta de interesse de alguns Estados em criar a conceituação, já que a partir desse momento, essa servirá para punir não só as atividades dos grupos terroristas, mas, também, as praticadas pelos próprios Estados e seus agentes. Muitas vezes, os atos terroristas consistem em respostas às represálias de natureza política ou econômica de um Estado em relação a outro. O fim de agir é elementar. Não existe terrorismo de Direito Comum, trata-se de fato político no sentido de que seus autores o dirigem contra a vigente ordem política e social para destruí-la, para mudá-la ou para mantê-la pela violência. Os atentados e extensões de criminosos, tipo máfia, constituem apenas crimes comuns e só impropriamente poderão ser chamados de terroristas. 8 5 DOTTI, R. A. Terrorismo e devido processo legal. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p , jul./set. 2002, p CARDOSO, A. M. Terrorismo e Segurança em um Estado Social Democrático de Direito, p MUNHOZ, C. P. B. Terror e terrorismo nas relações internacionais. In: CAUBET, Christian (coord.). A Força e o Direito nas relações internacionais: as repolarizações do mundo. Florianópolis: Fundação Boiteux, FRAGOSO, H. Terrorismo e criminalidade política. Rio de Janeiro: Forense, 1981, p. 61.

6 O principal objetivo dos terroristas ao se espalharem pelo mundo é estabelecer suas células terroristas no maior número de locais possíveis, porque através dessas células é que esses conseguem sempre novos adeptos à causa. Para isso, utilizam-se do que chamam de scout (caçador de talentos) ou olheiros para recrutarem jovens às jihad (palavra da língua árabe que significa exercer esforço máximo ; pode ser entendida também como luta ; os europeus denominam a jihad como Guerra Santa ). A entidade terrorista que mais se destacou na última década foi a Al-Qaeda, fundada por Abdullah Azzam e Osama bin Laden. Essa organização teve como primeiro objetivo o recrutamento de voluntários islâmicos para lutar contra os soviéticos e disseminar suas células em diversos países, promovendo a jihad. Autora da mais cruel e chocante ação terrorista que o mundo acompanhou perplexo diante da imensidão de vítimas e mortos, destacou-se no ataque aos símbolos do Poderio Econômico e Militar Americano, por ocasião do lançamento de aeronaves contra os prédios do World Trade Center e do Pentágono. Movida pela tentativa de frear acontecimentos dessa natureza, a Organização das Nações Unidas (ONU) já editou dezenas de convenções contra o terrorismo, sempre ressaltando a necessidade da união de esforços entre países comprometidos com a paz mundial e as Organizações Internacionais contra o terror. Entre essas, a primeira resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas foi a de nº 3034, em 18 de setembro de 1972, motivada pelos atos terroristas nos Jogos Olímpicos de Munique, ocasião na qual morreram atletas israelenses. 2 Terrorismo de Estado e retaliações O Terrorismo de Estado é o termo utilizado para descrever as ações praticadas pelos países que dão ao terrorismo apoio lógico, suporte, financiamento, treinamento e refúgio às pessoas envolvidas em atos terroristas 9. Nesse sentido, pode-se citar o caso da Líbia e do Iraque que dão refúgio a terroristas procurados do Irã, e do Sudão, que fornece armamentos e bases de treinamento. Cita-se, ainda, o Afeganistão, que serve de 9 WANDERLEY JÚNIOR, B. A Cooperação Internacional como Instrumento de Combate ao Terrorismo. In: BRANT, L. N. C. Terrorismo e direito: os impactos do terrorismo na comunidade internacional e no Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 2003, p. 249.

7 base para o grupo Al-Qaeda, protegido pelo regime Talibã, mesmo após o Conselho de Segurança da ONU adotar resoluções impondo sanções contra o Talibã e exigindo que Osama bin Laden fosse entregue às autoridades competentes. Quando se pesquisa sobre Terrorismo de Estado, os EUA assumem um papel curioso, pois se trata de um Estado líder no assunto, tendo sido o único país já condenado por Terrorismo Internacional pela Corte Internacional de Justiça. 10 Com efeito, em 1981, os EUA suspenderam a ajuda econômica que era dada à Nicarágua e passaram a financiar guerrilheiros anti-sandinistas conhecidos como contras, esses realizavam ataques terroristas a civis sob ordem dos EUA para atingir os sandinistas. Milhares de pessoas morreram vítimas dessa arrasadora guerra econômica, que resultou no insucesso dos planos de reforma social e de desenvolvimento econômico presididos por Daniel Ortega. Quando o Estado é considerado vítima, indaga-se qual a melhor maneira para agir contra um atentado terrorista, pois é de conhecimento generalizado que se utilizar meios ilegais, lesando regras e meios juridicamente protegidos ou tomar atitudes que se está tentando erradicar, dessa maneira ele somente estará atacando o próprio fundamento deste Estado 11. O Secretário-Geral do Conselho da Europa abordou o tema em uma conferência judicial internacional: [...] o terrorismo é uma violação aos direitos humanos e à norma da lei. Deve ser combatido com vigor máximo, mas não a qualquer custo desses valores. Nós não devemos destruir ou até mesmo subestimar a democracia nos fundamentos de defendê-la [...] 12. Apesar de tal orientação, muitos Estados continuam se servindo de práticas não reconhecidas pelo ordenamento internacional. Em 26 de outubro de 2001, pouco após os atentados ao World Trade Center (WTC), o Presidente George Bush assinou o Ato Antiterrorismo Patriot (Provide Appropriate Tools Required to Intercept and Obstruct Terrorism). Esse ato teve como principal finalidade atribuir maiores poderes ao Poder Judiciário, à segurança pública e à inteligência americana, tanto dentro do País como internacionalmente. Através do 10 CHOMSKY, Noam. 11 de setembro. Tradução de Luiz Antonio Aguiar. 9 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, NAVES, N. Terrorismo e Violência: segurança do Estado, direitos e liberdades individuais. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p. 6-9, jul./set. 2002, p RODLEY, N. Terrorismo: segurança do Estado. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p , jul./set. 2002, p. 19.

8 chamado Ato Patriota foram autorizadas violações à privacidade dos civis, ou seja, habilitando o governo americano de obter documentos privados, promover escutas telefônicas e buscas sem autorizações judiciais. O Ato Patriota também autorizou prisão de suspeitos em segredo, sem qualquer comunicação a seus familiares ou advogados, durante tempo indeterminado O Onze de Setembro e as medidas comerciais antiterroristas O maior ataque terrorista registrado pela história, com o maior número de vítimas e resultado de complexos planos articulados entre si, ocorreu em Onze de Setembro de 2001 nos EUA. As perdas humanas foram estimadas em 265 vidas nos aviões; 2844 pessoas, incluindo 242 bombeiros, no World Trade Center; e, 125 pessoas no Pentágono, totalizando o falecimento de 3234 indivíduos. Além das Torres Gêmeas de 110 andares, cinco outras construções nas proximidades do World Trade Center e quatro estações subterrâneas de metrô foram igualmente destruídas ou seriamente danificadas. 14 A execução do ataque teve início em 1993, quando Ramzi Yousef, paquistanês, 24 anos, conhecido como o Químico, idealizou explodir edifícios nos Estados Unidos. Yousef utilizou-se de carga explosiva colocada no subsolo do World Trade Center no intuito de fazer desmoronar os alicerces e, com um efeito dominó, igualmente derrubar a outra torre. No dia 26 de fevereiro de 1993 houve a primeira tentativa, com a utilização de um veículo bomba. A explosão resultou em um rombo que se elevou até sete andares acima da garagem, com seis pessoas mortas e mais de mil feridos. Com a frustrada tentativa, um ano após, emergia a idéia da utilização de aviões contra os prédios. O plano foi submetido, em 1996, a Osama bin Laden. 15 Osama bin Laden é o 17º filho de Mohamed Awad bin Laden, um empreiteiro saudita considerado milionário. Formado pela Universidade Rei Abdul Aziz, em Jedá, quando jovem mostrou interesse por assuntos religiosos, além de ter sido voluntário das 13 WILNER, A. Privacidade versus combate ao terrorismo: uma análise do futuro da privacidade após o atentado de 11 de setembro de Disponível em: <http://www.lainsignia.org.br> Acesso em: 19/10/ WIKIPEDIA. Ataques de 11 de setembro. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/> Acesso em: 16/04/ SANT ANNA, I. Plano de Ataque: a história dos vôos de 11 de setembro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006, p.45 e ss.

9 jihad. Apesar da riqueza, vestia-se com simplicidade e compartilhava hábitos cotidianos com guerrilheiros comuns, fato que o tornou conhecido como Samaritano. Em 1987, por ocasião do combate ao governo soviético no Afeganistão, Osama juntou-se ao mentor religioso Abdullah Azzam, para fundarem a Maktab al-khadamat, o Escritório de Serviço, conhecido como MAK. O primeiro objetivo do MAK era recrutar voluntários islâmicos para lutar contra os soviéticos e disseminar suas células em diversos países, para promover a jihad. Em 1988, o MAK passou a chamar-se Al- Qaeda que significa A Base. No final de 1989, com o assassinato de Abdullah Azzam, na explosão de um carro bomba, Osama bin Laden tornou-se o líder absoluto da Al-Qaeda. 16 Em Onze de Setembro de 2001, a partir do seqüestro de quatro aviões civis efetivou-se o ataque aos EUA: dois aviões foram lançados contra os prédios do World Trade Center, uma aeronave colidiu com o Pentágono e o quarto avião teria, possivelmente, sido abatido ou eventualmente caído devido a confrontos diretos entre passageiros e seqüestradores. Em 29 de Outubro de 2004, Osama bin Laden assumiu explicitamente a responsabilidade pelos ataques. O terrorismo como se apresentou em Onze de Setembro é diferente do que se conhecia em termos de inimigo. Sob tal aspecto, entende-se o porquê de implementar medidas antiterror no âmbito comercial. Searle expõe algumas peculiaridades dessa nova forma de ataque e defesa. Infelizmente, o terrorismo tornou-se a maior ameaça à segurança nacional e as operações de combate de grande escala não vencerão, por si sós, a guerra global que ora está sendo travada. [...] Em vez dos revolucionários bem disciplinados da Guerra Fria, com fácil acesso a dinheiro e à tecnologia mais moderna, os Estados Unidos agora enfrentam coalizões informais de criminosos, insurgentes e terroristas, que não se encontram apenas no Iraque e no Afeganistão, como também na Colômbia, nas Filipinas e em outras partes. Eles aparentemente representam o modelo de guerra de guerrilha pós-guerra Fria SANT ANNA, I. Plano de Ataque: a história dos vôos de 11 de setembro, p. 45 e ss. 17 SEARLE, T. R. Tornar o Poder Aéreo Eficaz Contra Guerrilheiros. Air & Space Power Journal. Disponível em: <http://www.airpower.maxwell.af.mil/apjinternational/ apjpor04.html> Acesso em: 02/04/2007.

10 Essa também é a visão de Vries, ao asseverar que o terrorismo com motivação religiosa, indiscriminado e transfronteiriço, é novo 18. Em tal contexto, emergiu a legislação antiterror no cenário do comércio internacional. 3.1 Lei de bioterrorismo A Lei de Segurança da Saúde Pública e Prevenção e Resposta contra o Bioterrorismo, editada em 2002, é uma resposta norte-americana à preocupação do País com atentados bioterroristas e visa proteger a população estadunidense contra riscos de ataques químicos e biológicos. O mais importante dos seus 5 títulos é o terceiro, que dispõe sobre: Proteção da Segurança Alimentar e do Fornecimento de Medicamentos. A finalidade dessa Lei consiste em rastrear as importações de produtos alimentícios e farmacêuticos. A nova lei determina que o Food and Drug Administration (FDA), agência do governo federal dos EUA, encarregada de regular o comércio de alimentos e suplementos dietéticos e alimentares, receba notificações prévias referente a alimentos e a medicamentos importados para os EUA, a partir de 12 de dezembro de A Lei de Bioterrorismo autoriza a FDA a reter alimentos caso sejam constatadas evidências ou informações de que apresentem ameaça à saúde ou risco de morte para seres humanos e animais. Permite também que a FDA proíba a importação de alimentos por parte de pessoas que tenham histórico de importação de alimentos adulterados. Compradores, importadores, transportadores ou agentes autorizados devem apresentar a comunicação prévia por meio eletrônico através do Sistema de Comunicação Prévia (Prior Notice System). Eventuais mudanças quanto ao porto de embarque ou desembarque, data, hora de chegada, ente outras importantes informações, devem ser comunicadas sempre antes da chegada prevista, entretanto, nunca poderá haver mudança com relação à natureza do produto. O alimento 19 não deve ser enviado 18 VRIES, G. Terrorismo na União Européia. Revista Notícias da Organização do Tratado do Atlântico Norte. Disponível em: <http://www.nato.int /docu/review/ 2005/issue3/ portuguese /interview.html> Acesso em: 11/14/ Os alimentos sujeitos ao requisito de envio de notificação prévia são: suplementos e ingredientes dietéticos; fórmulas para lactantes; bebidas (incluindo bebidas alcoólicas e água engarrafada); frutas, verduras e legumes; peixes e frutos do mar; laticínios e ovos; derivados agrícolas crus para consumo como alimento ou em componentes de alimentos; alimentos enlatados e congelados; alimentos de panificação, lanches e doces (incluindo goma de mascar); animais vivos usados com alimentos; e,

11 antes que o recebimento da notificação prévia seja confirmado. O pacote internacional, portanto, deve estar acompanhado da confirmação do FDA. 20 A importância dessa comunicação previa consiste em permitir à FDA revisar, avaliar e julgar a informação recebida do produto importado pelos EUA antes da sua chegada, para que seja possível interceptar produtos contaminados e garantir a entrada de alimentos seguros no mercado doméstico. Antes do advento da Lei de Bioterrorismo, a maior parte das informações exigidas já eram fornecidas ao Birô Alfandegário e de Proteção de Fronteiras, a diferença é que as informações eram passadas na hora que os produtos chegavam e agora são enviadas previamente. O impacto dessas medidas, envolvendo tanto o comércio interno dos EUA quanto os produtos alimentares é significativo. Segundo a Embaixada do Brasil em Washington, a obrigação de registro afetará cerca de estabelecimentos domésticos e estrangeiros. A notificação de importações atingirá um universo estimado em 8 milhões de carregamentos alimentares anuais [...] 21.A cadeia do agronegócio brasileiro precisará ficar atenta aos novos custos e às dificuldades que poderão surgir, inclusive, de última hora, caso exista discrepância entre as informações prestadas e o entendimento do FDA. 3.2 International Ship and Port Facility Security Code (ISPS Code) Elaborado pelo Comitê de Segurança Marítima da Organização Marítima Internacional (OMI), o ISPS Code foi aprovado pela Resolução nº 2 da Conferência Diplomática SOLAS (International Convention for the Safety of Life at Sea), em Londres, em dezembro de Nota-se que esse código não é uma exigência exclusiva dos EUA, mas uma das medidas de segurança instituídas pela OMI. Essa nova medida alimentos para animais. A Lei Federal sobre Inspeção de Carne e a Lei de Inspeção de Produtos de Ovos, excluíram da exigência de notificação prévia: os alimentos transportados para uso pessoal do transportador ou para presentear alguém nos EUA; os alimentos que serão exportados e não abandonarão o porto até a sua exportação; e, alimentos sujeitos à jurisdição exclusiva do Departamento de Agricultura dos EUA. FOOD AND DRUG ADMINISTRATION. Sobre o FDA. Disponível em: <www.cfsan.fda.gov/~pn/pnfr.html> Acesso em: 07/07/ Veja mais sobre os procedimentos que devem ser tomados nessas situações em: LANCINI, V. A segurança nos portos dos EUA: procedimentos da empresa Hamburg Süd f. Monografia (Graduação em Comércio Exterior) Curso de Comércio Exterior, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Itajaí (S.C.), EMBAIXADA DO BRASIL EM WASHINGTON. Barreiras a produtos e restrições a serviços e investimentos nos EUA. São Paulo: Aduaneiras, 2003, p. 96.

12 visa à proteção contra atos terroristas, estabelecendo cooperação internacional entre governos, organismos governamentais, administradores locais e setores naval e portuário para detectar ameaças à proteção dos navios ou das instalações portuárias utilizadas no comércio internacional. O ISPS Code está dividido em parte A, denominada Medidas Especiais para Melhorar a Segurança Marítima e parte B, chamada Medidas voluntárias. 22 A primeira parte estabelece o âmbito de aplicação, ou seja, aplica-se aos navios dedicados a viagens internacionais incluídos os de transporte de passageiros, às unidades móveis de perfuração marinha e também às instalações portuárias que prestam serviços aos mencionados tipos de navios. Na prática, o ISPS Code requer efetivo combate a supostos ataques terroristas, demonstrando real cooperação internacional. Nesse sentido, deve haver por parte das instalações portuárias: avaliações de riscos à proteção marítima, compartilhamento dessas informações, manutenção de protocolos de comunicação, proibição de acessos não-autorizados aos navios e às instalações portuárias, combate à introdução de armas, de artefatos incendiários ou de explosivos nos navios e nos portos, facilitação do alarme em casos de ameaças à segurança marítima e portuária, planos de proteção dos navios e portos baseados na avaliação de riscos e treinamentos dos recursos humanos. 23 Ainda, na Parte A, encontram-se as responsabilidades atribuídas aos governos nacionais membros da OMI e signatários da SOLAS, decorrentes da implementação do ISPS Code. Uma das responsabilidades encontradas é a implantação de níveis de proteção para os navios e portos, classificados em três patamares: a) nível 1 (mais baixo), considerado o nível mínimo em que praticamente inexistem riscos de atentado; b) nível 2, usado quando não há aparente ameaça de terrorismo, mas se recomendam medidas adicionais de proteção; e, c) nível 3, quando há risco iminente de atentado. O Código sugere procedimentos para as instalações portuárias, tais como a avaliação de riscos para determinar a vulnerabilidade aos ataques terroristas e a provável designação de um Oficial de Proteção da Companhia Naval (responsável pela aplicação e fiscalização das normas do ISPS Code nos navios). 22 BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Negociações Internacionais. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 23/08/ BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Negociações Internacionais. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 23/08/2006.

13 A Parte B do ISPS Code é composta por modelos de procedimentos de proteção, no qual se objetiva elevar o padrão de segurança para níveis mais exigentes, incluindo orientações detalhadas sobre procedimentos especiais nos casos em que deve haver contato entre navios. Essa parte contém situações concernentes ao manejo de cargas, utilização de equipamentos de detecção e realização de inspeção visual. Preocupa, entre outros, a aquisição de novas tecnologias digitalizadas para que haja a efetiva aplicação do Código, ou seja, os mecanismos tecnológicos que acompanham o ISPS Code, como cercas perimetrais equipadas com sistemas para detectar e rechaçar intrusos, sistema de comunicação navio-terra e terra-terra, rastreamento de contêineres por satélite e sistema automático de identificação. Todos esses mecanismos têm custo bastante elevado e apesar da Parte B do Código ser de aplicação voluntária, o fato de os EUA e a União Européia (UE) terem convertido essas regras em requisitos legais e obrigatórios, obrigou o resto do mundo à implementação. 24 Portos e navios que não se adequarem às novas regras poderão ser classificados como aptos e não aptos, ou seja, na hipótese de um porto não apto, esse não poderá atender as cadeias internacionais de abastecimento e serão limitados a atender os tráficos locais, sub-regionais ou regionais, por conseguinte os navios buscarão portos que se adequaram aos requisitos, ocasionando alteração de rota e contrato. O mesmo acontece para um navio não apto, esse ficará de fora das principais rotas comerciais Container Security Iniciative (CSI) A Iniciativa para Segurança dos Contêineres (Container Security Iniciative CSI), executada pela Aduana dos EUA (Customs and Border Protection CBP), tornou-se oficialmente parte no conjunto de disposições adotadas para promover segurança contra ataques terroristas, em janeiro de A CSI consiste, basicamente, na utilização de informações computadorizadas para a identificação de contêineres de alto risco; na revisão dos contêineres antes da partida para os EUA (feita pelo 24 BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Negociações Internacionais. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 23/08/ BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Negociações Internacionais. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 23/08/2006.

14 funcionário da CBP nos portos estrangeiros) e na utilização de contêineres à prova de manipulação externa. O objetivo da CBP ao colocar em prática as medidas da Iniciativa para Segurança dos Contêineres consiste em eliminar o risco de ataques terroristas através desse meio de transporte, já que aproximadamente 90% do movimento mundial de cargas são feitos desse modo. Anualmente, são descarregados em torno de 7 milhões de contêineres nos portos dos EUA. 26 Os portos deverão instalar um scanner gigante, para que seja verificado o conteúdo da carga, através de raio-x. Após esse procedimento, constatado que não há risco, o contêiner será certificado por um oficial do CBP para liberação nos EUA através do chamado canal verde. Entretanto, não está efetivamente definido qual o procedimento a ser seguido ao deparar-se com um contêiner considerado de risco, nem mesmo de que forma isso afetará o responsável pelo transporte. Também não está explícito quem se responsabilizará caso haja dano à mercadoria. Países em desenvolvimento terão dificuldades em arcar com gastos dessa natureza, já que os custos vão além da aquisição dos equipamentos, sendo necessário também habilitar funcionários. Vale ressaltar que a implantação da CSI afetará de forma desigual os parceiros comerciais, já que quanto mais dependente da utilização do contêiner for o Estado envolvido, maior será impacto da CSI sobre sua exportação. 4 Medidas de segurança: efeitos e dificuldades no comércio internacional O transporte de mercadorias pela via marítima representa a maior parte do transporte mundial de mercadorias, demonstrando a importância do setor no âmbito econômico de um país. Os EUA têm enfrentado os perigos marítimos não somente em seu território, mas estendido as iniciativas antiterror também às outras área no mundo, a exemplo do Estreito de Málaca, por onde passa metade do comércio marítimo mundial e dois terços do petróleo e do gás natural. O fenômeno do terrorismo marítimo, as percepções da sua expansão e das suas teias internacionais, constituem, por isso, fatores fortemente perturbadores da estabilidade 27. As eventuais alterações no custo dos 26 BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Negociações Internacionais. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 23/08/ RIBEIRO, J. F. O mal esconde-se no mar. Revista Vega. Disponível em: <http://www.revistavega.com/revistas/material_03/terrorismo.pdf> Acesso em: 15/04/2007.

15 seguros sobre transporte marítimo e o impacto que poderá provocar na estabilidade da economia norte-americana e mundial, portanto, também devem ser levadas em consideração ao se verificar o impacto das medidas de segurança no âmbito do comércio exterior brasileiro. Receosos da continuidade dos ataques, os EUA invocaram a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) para a primeira operação de defesa coletiva. Segundo Cesaretti (2006), um destacamento de pequena escala da OTAN, que fornecia presença militar modesta numa vasta extensão do Mediterrâneo, transformou-se em extenso e bem equipado sistema de segurança. Desde então, a operação chamada Active Endeavour, tornou-se cada vez mais sofisticada, à medida que a Aliança foi redefinindo o seu papel contra o terrorismo e integrando as lições aprendidas no decurso da operação. Em fevereiro de 2003, a operação foi alargada de molde a incluir a escolta de navios da marinha mercante dos Estados aliados através do Estreito de Gibraltar. Em abril de 2003, a OTAN alargou o âmbito da Active Endeavour para incluir operações de abordagem consentidas, ou seja abordagens com o consentimento do capitão do navio e do país de origem, em conformidade com a lei internacional. Depois, em março de 2004, a OTAN alargou a área de operações da Active Endeavour para incluir todo o Mediterrâneo. Até 15 de setembro de 2005, foram controlados navios, 95 dos quais foram abordados. Para além disso, foram efetuadas 488 escoltas através do Estreito de Gibraltar. 28 No Brasil, várias iniciativas foram implementadas para assegurar o atendimento às normas de segurança antiterror, como a certificação do ISPS Code por intermédio da Comissão Interministerial de Segurança Portuária (COMPORTOS). Na hipótese de um porto brasileiro não possuir tal certificado, os navios estrangeiros podem não atracar, gerando prejuízos ao comércio exterior e ao turismo marítimo. As embarcações que realizam esses transportes são responsáveis pelo escoamento da produção nacional aos centros consumidores de todo o mundo, sem contar que entram, anualmente, no País, milhares de estrangeiros pelo mar. Cumpre lembrar que a segurança do comércio exterior brasileiro, além das instalações portuárias, promoveu mudanças também nas forças armadas, especialmente 28 CESARETTI, R. Combater o terrorismo no Mediterrâneo. Revista Notícias da Organização do Tratado do Atlântico Norte. Disponível em: <http://www.nato.int/docu/review/2005/issue3/portuguese/art4.html> Acesso em: 11/14/2006.

16 na Marinha do Brasil. Afinal, a pressão norte-americana se estendeu à Organização Marítima Internacional (OMI), no qual o conceito de segurança foi ampliado. Segundo Silva 29, além do ISPS Code, foi aprovada a Convenção para a Supressão de Atos Ilícitos contra a Segurança da Navegação (SUA 88), que inclui medidas para evitar o transporte, por via marítima, de qualquer material explosivo ou radioativo com a possibilidade de causar danos à população, e de material que possa contribuir para a produção de armas químicas, biológicas ou nucleares. Esse Protocolo criou novas possibilidades de interceptação de navios mercantes, realçando o conflito entre a segurança e a liberdade dos mares em face da necessidade de se enfrentar as emergentes ameaças oriundas do terrorismo contemporâneo. Após o Onze de Setembro, os EUA levaram à aprovação na OMI, uma resolução que chama os Estados Membros a adotarem um sistema de identificação e acompanhamento de navios à longa distância. Os EUA defendem que esse sistema deveria detectar e identificar navios a 2000 milhas náuticas da costa. A Guarda-Costeira americana está desenvolvendo um aparato para ampliar a vigilância e o controle dos espaços marítimos daquele país, chamado Integrated Deepwater System, que combinará aeronaves, navios e sensores. Embora persistam as discussões sobre como cada país deverá implementar a iniciativa da OMI, a tendência é que o controle do tráfego marítimo se dê cada vez mais distante do litoral, o que contribuirá não só para um maior controle dos navios mercantes como, também, do incremento da possibilidade de identificação de navios de guerra de outros países. 30 Sob tal ótica, considerando que a defesa nacional também denota fator de competitividade internacional, os dados mundiais sobre despesas militares trazem consigo em tempo de terrorismo indicadores comerciais importantes. Vale dizer, os gastos com segurança, no período pós-onze de Setembro, expressam o quanto um país pode se envolver comercialmente. De fato, entre os maiores exportadores mundiais, também estão as maiores despesas militares. 29 SILVA, A. R. A. As novas ameaças e a Marinha do Brasil. Disponível em: <http://www.egn.mar.mil.br/cepe/trabindividuais/marinhanovasameacas.pdf> Acesso em: 11/04/ SILVA, A. R. A. As novas ameaças e a Marinha do Brasil. Disponível em: <http://www.egn.mar.mil.br/cepe/trabindividuais/marinhanovasameacas.pdf> Acesso em: 11/04/2007.

17 Considerações finais A eficácia das medidas de segurança pode ser duvidosa em caso de novo ataque terrorista, mas a despesa pública e a escalada de controles exigidos dos exportadores, emergem nítidas. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio 31, o desempenho brasileiro no âmbito da segurança das instalações portuárias está acima da média mundial. Atualmente, 80% dos portos brasileiros já se adequaram total ou parcialmente às regras do ISPS Code. Entre as mais de 200 instalações portuárias, 152 já possuem o certificado emitido pela COMPORTOS. De acordo com o Ministério Brasileiro da Defesa, o Governo Federal já investiu mais de R$ 100 milhões e deve aplicar mais R$ 150 milhões em segurança, nos próximos dois anos. Até o momento, os gastos privilegiaram o Ministério dos Transportes (com R$ 57,3 milhões, sendo R$ 20 milhões destinados ao Porto de Santos, que é o maior do País), a Polícia Federal (com R$ 39,5 milhões para a instalação de bases da polícia marítima em 12 Estados) e o Comando da Marinha (com R$ 3,2 milhões para a instalação de sistemas de alerta de segurança nos navios). 32 De acordo com a OMI, apenas 69% dos portos mundiais obtiveram a aprovação de seus planos de segurança até 1º de julho de 2004, data em que o ISPS Code entrou em vigor. 33 Quanto à CSI, o Porto de Santos foi um dos poucos portos da América do Sul escolhido para participar da Iniciativa para a Segurança dos Contêineres, tornando-o ponto de partida preferencial das exportações da região para os EUA. Contudo, novos gastos são esperados, vez que a instalação dos scanners e sistemas que funcionam com raios gama ou equivalentes, supera US$ 3 milhões por aparelho. 34 Em relação ao bioterrorismo, as exigências, restrições, burocracia e custos gerados por essa norma aos produtos alimentícios que se dirigem aos EUA [...] revelam o risco dessas medidas se converterem em barreiras técnicas 35. As projeções 31 BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Negociações Internacionais. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 23/08/ BRASIL. MINISTÉRIO DA DEFESA. Política Nacional da Indústria e Defesa. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 18/04/ INTERNATIONAL MARITIME ORGANIZATION. Organização Marítima Internacional. Disponível em: <www.imo.org/home.asp> Acesso em: 03/12/ BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Negociações Internacionais. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 23/08/ STELZER, J.; GONÇALVES, E. N. A Lei de Bioterrorismo dos Estados Unidos e as medidas de segurança alimentar após o 11 de setembro: perspectivas para o comércio exterior brasileiro, p. 342.

18 da FDA indicam que algo como 16% dos atuais exportadores para os EUA devem deixar o mercado sobretudo pequenas empresas para quem os novos custos operacionais não se justificam diante do pequeno valor de suas transações 36. A Lei de Bioterrorismo pode ser obedecida somente por grandes empresas, pois são capazes de absorver os custos extras em sua cadeia logística. Às pequenas e médias empresas resta a exclusão incondicional de tão importante mercado. Seja qual for a motivação real por trás, os produtores americanos sujeitos à concorrência estrangeira devem estar comemorando. Com essa iniciativa, escudada na política de segurança nacional, os agricultores dos EUA ganham mais uma barreira protetora [...] 37. Caso a Lei de Bioterrorismo não venha a ser enquadrada na qualidade de barreira técnica ou barreira comercial ilegal, no mínimo, retrata uma dificuldade adicional que precisa ser cumprida pelos exportadores. Em síntese, percebe-se que a justaposição de requisitos e controles que alteraram o comércio internacional somam-se às outras barreiras que já caracterizam o processo de entrada das mercadorias brasileiras nos EUA (maior comprador dos produtos brasileiros) e também na Europa. Real ou fictício, o medo do terrorismo colabora para tornar os principais importadores mundiais em mercados que se caracterizam pela crescente dificuldade de acesso. Referências BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Negociações Internacionais. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 23/08/2006. BRASIL. MINISTÉRIO DA DEFESA. Política Nacional da Indústria e Defesa. Disponível em: <www.desenvolvimento.gov.br> Acesso em : 18/04/2007. CARDOSO, A. M. Terrorismo e Segurança em um Estado Social Democrático de Direito. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p , jul./set CARR, C. A assustadora história do terrorismo. Tradução de Mauro Silva. São Paulo: Ediouro, EMBAIXADA DO BRASIL EM WASHINGTON. Barreiras a produtos e restrições a serviços e investimentos nos EUA, p ESTADO DE SÃO PAULO. Mais uma arma contra o livre comércio. Estado de São Paulo, São Paulo, p. A 3., 26 de out. 2003, p. A3.

19 CESARETTI, R. Combater o terrorismo no Mediterrâneo. Revista Notícias da Organização do Tratado do Atlântico Norte. Disponível em: <http://www.nato.int/docu/review/2005/issue3/portuguese/art4.html> Acesso em: 11/14/2006. CHOMSKY, Noam. 11 de setembro. Tradução de Luiz Antonio Aguiar. 9 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, DOTTI, R. A. Terrorismo e devido processo legal. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p , jul./set ESTADO DE SÃO PAULO. Mais uma arma contra o livre comércio. Estado de São Paulo, São Paulo, p. A 3., 26 de out EMBAIXADA DO BRASIL EM WASHINGTON. Barreiras a produtos e restrições a serviços e investimentos nos EUA. São Paulo: Aduaneiras, FOOD AND DRUG ADMINISTRATION. Sobre o FDA. Disponível em: <www.cfsan.fda.gov/~pn/pnfr.html> Acesso em: 07/07/2006. FRAGOSO, H. Terrorismo e criminalidade política. Rio de Janeiro: Forense, INTERNATIONAL MARITIME ORGANIZATION. Organização Marítima Internacional. Disponível em: <www.imo.org/home.asp> Acesso em: 03/12/2006. LANCINI, V. A segurança nos portos dos EUA: procedimentos da empresa Hamburg Süd f. Monografia (Graduação em Comércio Exterior) Curso de Comércio Exterior, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Itajaí (S.C.), MEDEIROS, A. P. C. O terrorismo na agenda internacional. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p , jul./set MUNHOZ, C. P. B. Terror e terrorismo nas relações internacionais. In: CAUBET Christian (coord.). A Força e o Direito nas relações internacionais: as repolarizações do mundo. Florianópolis: Fundação Boiteux, NAVES, N. Terrorismo e Violência: segurança do Estado, direitos e liberdades individuais. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p. 6-9, jul./set RIBEIRO, J. F. O mal esconde-se no mar. Revista Vega. Disponível em: <http://www.revista-vega.com/revistas/material_03/terrorismo.pdf> Acesso em: 15/04/2007. RODLEY, N. Terrorismo: segurança do Estado. Revista do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), Brasília, n. 18, p , jul./set

20 SANT ANNA, I. Plano de Ataque: a história dos vôos de 11 de setembro. Rio de Janeiro: Objetiva, SEARLE, T. R. Tornar o Poder Aéreo Eficaz Contra Guerrilheiros. Air & Space Power Journal. Disponível em: <http://www.airpower.maxwell.af.mil/apjinternational/ apjpor04.html> Acesso em: 02/04/2007. SILVA, A. R. A. As novas ameaças e a Marinha do Brasil. Disponível em: <http://www.egn.mar.mil.br/cepe/trabindividuais/marinhanovasameacas.pdf> Acesso em: 11/04/2007. STELZER, J.; GONÇALVES, E. N. A Lei de Bioterrorismo dos Estados Unidos e as medidas de segurança alimentar após o 11 de setembro: perspectivas para o comércio exterior brasileiro. In: 4º CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO INTERNACIONAL, 2006, Curitiba. Estudos de Direito Internacional. Anais... Curitiba: Juruá, 2006, p v. 7. VRIES, G. Terrorismo na União Européia. Revista Notícias da Organização do Tratado do Atlântico Norte. Disponível em: <http://www.nato.int /docu/review/ 2005/issue3/ portuguese /interview.html> Acesso em: 11/14/2006. WANDERLEY JÚNIOR, B. A Cooperação Internacional como Instrumento de Combate ao Terrorismo. In: BRANT, L. N. C. Terrorismo e direito: os impactos do terrorismo na comunidade internacional e no Brasil. Rio de Janeiro: Forense, WILNER, A. Privacidade versus combate ao terrorismo: uma análise do futuro da privacidade após o atentado de 11 de setembro de Disponível em: <http://www.lainsignia.org.br> Acesso em: 19/10/2006. WIKIPEDIA. Ataques de 11 de setembro. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/> Acesso em: 16/04/2007.

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 AS PARTES DO PRESENTE PROTOCOLO, SENDO PARTES da Convenção Internacional

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS Gustavo Eccard Especialista em Regulação Portos, Saúde e Meio Ambiente Cargas Perigosas nos Portos Gustavo Henrique de Araújo Eccard Sumário 1. ANTAQ 2. Visão Integrada de Gerenciamento

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S Conselho de Segurança Distribuição: Geral S/RES/1267 (1999) 15 de Outubro de 1999 RESOLUÇÃO 1267 (1999) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4051ª sessão, em 15 de Outubro de 1999

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

SOCIOLOGIA I LIC. CRIMINOLOGIA

SOCIOLOGIA I LIC. CRIMINOLOGIA SOCIOLOGIA I LIC. CRIMINOLOGIA TERRORISMO Fundamentalismo Islâmico Trabalho realizado por: Daniel Cabral n.º 26298 Ano Lectivo 2012/2013 Introdução Neste trabalho pretende-se demonstrar a influência que

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

A terceirização no Setor Portuário

A terceirização no Setor Portuário A terceirização no Setor Portuário Em função de sua complexidade, dos múltiplos atores envolvidos e da diversidade de ocupações, identificar a terceirização no setor portuário é um exercício que requer

Leia mais

As Auditorias do ISPS Code: uma análise crítica

As Auditorias do ISPS Code: uma análise crítica As Auditorias do ISPS Code: uma análise crítica Como uma das medidas de prevenção e combate ao terrorismo após os atentados terroristas às torres gêmeas do WTC e ao Pentágono em 2001, foi estabelecido

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL Leia com atenção a nossa Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade aplica-se à todos os usuários cadastrados no site, e integram os Termos e Condições

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Brasília, setembro de 2007 Sistema Integrado de Gestão Ambiental Processo contínuo e adaptativo, por meio do qual uma organização define (e redefine)

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

PROC. N. 1486/04 P.L.L. N. 062/04 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. N. 1486/04 P.L.L. N. 062/04 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Como a simplicidade é a virtude dos sábios e a sabedoria, dos santos, assim a tolerância é sabedoria e virtude para a- queles que todos nós não são nem uma coisa nem outra. Pequena

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares MATERIAL DE APOIO MONITORIA Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas

Leia mais

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS Em conformidade com o Direito Internacional Humanitário, os jornalistas que estiverem em missão em áreas de conflitos armados devem ser respeitados

Leia mais

O que fazemos por si?

O que fazemos por si? O que fazemos por si? PT O que fazemos por si? Nos últimos anos, a Europa tem vindo a sofrer uma crise económica e financeira internacional de uma dimensão sem precedentes. A segurança social, os sistemas

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE 2011 Acrescenta alínea n ao art. 20 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, para tornar obrigatório o seguro de danos pessoais a empregado de

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS A proteção dos dados pessoais e o respeito pela vida privada são direitos fundamentais importantes. O Parlamento Europeu insiste na necessidade de alcançar um equilíbrio entre

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto da proposta de Emendas à Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por

Leia mais

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE A corrupção gera um sério impacto sobre o meio ambiente. Uma série de setores são particularmente vulneráveis à corrupção, incluindo a silvicultura, a proteção de espécies ameaçadas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão Seminário: As TIC para um Mundo Mais Seguro Segurança na Era Digital 25 de Novembro de 2010 Instituto de Estudos Superiores Militares Estudo As TIC para um mundo mais seguro Mário do Carmo Durão Patrocinadores

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Prof. Marcos Col. Santa Clara

Prof. Marcos Col. Santa Clara Prof. Marcos Col. Santa Clara Terrorismo: de modo geral, é um tipo de ação que emprega métodos violentos para criar uma situação de pânico, medo e terror, visando algum objetivo político. Terrorismo no

Leia mais

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 O Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é um banco estatal 3, fundado em 1952, que opera sob a supervisão do ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT

Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT Os participantes do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos e Transporte, realizado em 11 de agosto de 2014, no Grande Hotel São Francisco,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Professora Erlani. Capítulo 3 Apostila 4

Professora Erlani. Capítulo 3 Apostila 4 Capítulo 3 Apostila 4 Aspectos cruciais para a compreensão do Oriente Médio e de suas relações internacionais petróleo e terrorismo. Petróleo indispensável como fonte de energia. Terrorismo desencadeia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSTA DE RESOLUÇÃO QUE DISCIPLINA O ENVIO DE INFORMAÇÕES ANTECIPADAS SOBRE PASSAGEIROS E REGISTRO DE IDENTIFICAÇÃO DE PASSAGEIROS. JUSTIFICATIVA 1 APRESENTAÇÃO A presente

Leia mais

A ONU e o combate ao terrorismo

A ONU e o combate ao terrorismo A ONU e o combate ao terrorismo Resenha Segurança Igor Andrade Vidal Barbosa 28 de maio de 2006 A ONU e o combate ao terrorismo Resenha Segurança Igor Andrade Vidal Barbosa 28 de maio de 2006 As ações

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. a JUSTIFICATIVA: A Alcoa Inc. ( Alcoa ) e sua administração têm o compromisso de conduzir todas as suas operações em todo o mundo com ética e em conformidade com todas

Leia mais

Conferência Internacional do Trabalho

Conferência Internacional do Trabalho Conferência Internacional do Trabalho Recomendação 203 RECOMENDAÇÃO SOBRE MEDIDAS SUPLEMENTARES PARA A SUPRESSÃO EFETIVA DO TRABALHO FORÇADO, ADOTADA PELA CONFERÊNCIA EM SUA CENTÉSIMA TERCEIRA SESSÃO,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 278, DE 2009 (Do Poder Executivo) Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre os Governos da República Federativa

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR MITOSO

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR MITOSO PROJETO DE LEI Nº 051/2014 DISPÕE sobre a obrigatoriedade das empresas de comunicação que especifica a veicularem informações sobre crianças e adolescentes desaparecidos no Município de Manaus, passadas

Leia mais

27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 1-5 de outubro de 2007 Tema 4.7 da agenda

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Michael Haradom - www.shalomsalampaz.org - ssp@shalomsalampaz.org tel (11) 3031.0944 - fax (11)

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS Fortaleza/CE, 2015 Senhores Delegados, As simulações de organizações internacionais são, em sua essência, exercícios

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos 1 CONVENÇÃO N. 170 Segurança no Trabalho com Produtos Químicos I Aprovada na 77a reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1990), entrou em vigor no plano internacional em 4.11.83. II Dados

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Proteção do Suprimento de Alimentos dos EUA. O Que Você Precisa Saber Sobre REGISTRO DE INSTALAÇÕES DE ALIMENTOS

Proteção do Suprimento de Alimentos dos EUA. O Que Você Precisa Saber Sobre REGISTRO DE INSTALAÇÕES DE ALIMENTOS Proteção do Suprimento de Alimentos dos EUA O Que Você Precisa Saber Sobre REGISTRO DE INSTALAÇÕES DE ALIMENTOS Informações de Segurança de Alimentos da FDA para Fabricantes ou Processadores no país ou

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional.

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional. Acordo sobre Transportes Marítimos entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina Assinado em 15 de agosto de 1985, em Buenos Aires. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

P: Quem é o falsificador neste caso? R: Não podemos divulgar esta informação no momento, pois a investigação ainda está em curso.

P: Quem é o falsificador neste caso? R: Não podemos divulgar esta informação no momento, pois a investigação ainda está em curso. 1 Grupo de revendas de suprimentos Xerox P&R sobre cartuchos de toner falsificados 12 de abril de 2004 I. Detalhes do caso II. Dúvidas do cliente III. Tendências do setor IV. Combate à falsificação Detalhes

Leia mais

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens.

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens. Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios www.siemens.com/compliance "A cultura de uma empresa e seus valores fazem a diferença.

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 997, DE 2011. (Apensos PLs n os 1.697 e 2.516, de 2011) Altera a Lei nº 10.826 de 22 de dezembro de 2003,

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

por registro e controle de patrimônio. O dossiê será alimentado on-line, sendo de acesso exclusivo da

por registro e controle de patrimônio. O dossiê será alimentado on-line, sendo de acesso exclusivo da NILO ROSA DOS SANTOS DELEGACIA DE SALVADOR TELS : 99.18.46.42-32.40.45.70 nilorosa@atarde.com.br GRUPO: Carga tributária e a justiça fiscal Sumário A tese propõe a construção de um dossiê alimentado por

Leia mais

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais