FINANCIAMENTO INTELIGENTE: PROTEÇÃO AO CLIENTE NO PROCESSO DE CRÉDITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINANCIAMENTO INTELIGENTE: PROTEÇÃO AO CLIENTE NO PROCESSO DE CRÉDITO"

Transcrição

1 FINANCIAMENTO INTELIGENTE: PROTEÇÃO AO CLIENTE NO PROCESSO DE CRÉDITO Uma Visão Geral para Incorporação de Práticas de Proteção ao Cliente em Empréstimos a Pessoas Físicas por Instituições de MicroFinanciamento

2 INTRODUÇÃO Essas diretrizes foram projetadas para auxiliar as instituições de micro (MFI Microfinance Institutions) que operam com a pessoa física para integrarem boas práticas de proteção ao cliente em seus processos de crédito. A cada ponto do processo de a pessoas físicas, as diretrizes explicam como os agentes das MFIs devem incorporar a proteção ao cliente às suas políticas e operações. As diretrizes concentram-se em grande parte nas questões operacionais, com breves recomendações sobre o estabelecimento de políticas para a instituição. As diretrizes são apresentadas no gráfico abaixo e nas páginas seguintes. Elas guiam o usuário através de cada etapa principal do processo de crédito, que está organizado em cinco fases: 1) Promoção e Vendas, 2) Avaliação, 3) Aprovação, 4) Desembolso e 5) Cobrança. O gráfico inicia com uma visão geral de todo o processo de crédito, fornecendo então maiores detalhes para cada uma das cinco fases. A cada passo do processo, as diretrizes identificam onde as práticas de proteção ao cliente podem e devem ser incorporadas. Cada intersecção é salientada com um número de ponto de intervenção de proteção ao cliente (ex.: CP1, CP2, etc.). As diretrizes para cada CP Client Protection (Proteção ao Cliente) incluem sugestões de como seguir uma boa prática de proteção ao consumidor para aquela porção do processo de crédito. Apesar das diretrizes oferecerem sugestões para os passos operacionais e considerações de políticas, elas não são soluções completas para a implementação de proteção ao cliente no processo de crédito. Entretanto, elas identificam as áreas onde passos adicionais poderão ser necessários, tais como treinamento de pessoal e material específico para cada instituição sobre como tratar as questões levantadas nas diretrizes. Muitas diretrizes se beneficiariam com o uso de ferramentas adicionais mais aprofundadas para auxiliar os agentes de campo a implementarem as ideias contidas nas diretrizes. Por exemplo, a CP2 oferece diretrizes sobre a informação que deve ser transmitida durante o discurso inicial de venda e sobre o que deve ser evitado ao vender produtos de crédito pessoal aos clientes. Uma ferramenta adicional, tal como uma amostra do discurso de venda, poderia oferecer uma amostra de diálogos entre a pessoa vendendo o produto e o cliente, com possíveis perguntas e respostas referentes à adesão aos Princípios de Proteção ao Cliente. The Smart Campaign planeja desenvolver várias dessas ferramentas detalhadas. Até lá, encorajamos os usuários de MFI a utilizarem essa ferramenta para continuarem a implementar a proteção ao cliente em suas operações e a compartilharem seus resultados e experiências com The Smart Campaign. PRINCÍPIOS DE PROTEÇÃO AO CLIENTE (versão abreviada abaixo; para uma descrição completa referir-se ao site 1. Evitar o endividamento excessivo 4. Conduta ética dos agentes 2. Determinação transparente e responsável de preço 5. Mecanismos de resolução de queixas 3. Práticas apropriadas de cobrança 6. Sigilo de dados do cliente Fonte: Essas diretrizes são o resultado da colaboração entre The Smart Campaign e a equipe técnica da ACCION International. Essa colaboração está em andamento e a ACCION espera continuar compartilhando no futuro mais ferramentas em tópicos relacionados. Agradecimentos especiais a Susana Barton, Cara Forster, Raul Gomez, Valerie Kindt, Elisabeth Rhyne e Victoria White.

3 O PROCESSO DE CRÉDITO PROMOÇÃO E VENDAS Demonstração Promoção de Descrição de Formulário de de interesse pelo produtos de MFI produtos e serviços crédito cliente CP1 CP2 CP3 CP4 CP5 Investigação interna Ir para Avaliação AVALIAÇÃO Coleta de dados não financeiros CP6 CP7 Coleta de dados financeiros CP8 Entrada de dados CP5 Investigação interna Ir para Aprovação APROVAÇÃO Comitê de crédito e análise do CP9 CP5 Decisão sobre o Ir para Desembolso DESEMBOLSO Informar o cliente sobre a decisão do Cliente e co-signatários visitam a agência CP10 Discurso de desembolso CP11 Finalização da documentação Desembolso de fundos COBRANÇA E RECUPERAÇÃO Acompanhamento e relatório de cobranças CP1 CP2 Acompanhamento regular do cliente Acompanhamento e Cobrança Pontual Application form recuperação de pagamentos atrasados CP3 CP4 CP5 Registro das atividades de pagamentos atrasados

4 1. PROMOÇÃO E VENDAS Promoção de produtos de MFI Demonstração de interesse pelo cliente Descrição de produtos e serviços Formulário de crédito CP1 CP2 CP3 CP4 CP5 Investigação interna Ir para Avaliação CP# CP1 CP2 CP3 CP4 CP5 ACTIVITY MATERIAIS DE MARKETING ARGUMENTOS DE VENDAS DESCRIÇÃO DO PRODUTO FORMULÁRIO DE CRÉDITO PROTOCOLO DE COMUNI- CAÇÃO DE RESULTADOS Transparência, Reparação Endividamento excessivo, Transparência, Sigilo de Dados Endividamento excessivo, Transparência Transparência, Sigilo de Dados Transparência, Reparação Transparência dos termos e condições: A instituição se compromete com a transparência nos termos e condições de produtos e serviços, incluindo preços. Práticas responsáveis de preços: O custo total para o cliente deve ser acessível e deve oferecer o potencial de sustentabilidade para a instituição Política de incentivo de pessoal para crédito: avaliar adequadamente os juros anuais (PAR) e crescimento, dado o risco do ambiente (ex.: regional, condições macroeconômicas, etc.). Desenvolver panfletos promocionais em idioma local. Fornecer requisitos básicos de qualificação no panfleto. Reservar espaço em cartões de chamada e panfletos sobre como lidar com perguntas e/ ou queixas, incluindo o número de telefone e endereço da instituição. Caso haja espaço, incluir informação básica sobre o produto (ex.: finalidade, informação de pagamento, etc.). Os argumentos de venda devem fornecer uma introdução básica sobre a instituição e seus produtos em idioma local. Os termos e condições dos produtos deverão ser descritos claramente, incluindo tópicos tais como requisitos de qualificação, requisites de documentação, custo total para o cliente para acessar o (com exemplos), tamanhos mínimos e máximos do empréstimo, explicação sobre o uso dos dados do cliente e, para produtos de para grupos, uma explicação clara do significado de responsabilidade conjunta. Explicar os produtos indicando qual o mais apropriado/ melhor valor/ melhor encaixe. Fornecer uma descrição complete dos custos do produto, incluindo preço, juros e todas as taxas associadas. Fornecer uma descrição completa dos termos e condições do produto. Fornecer uma explicação do processo de avaliação e informar o cliente sobre as penalidades, multas por pagamento atrasado, etc. Informar o cliente sobre qual a informação demográfica e comercial necessária e o motivo. Explicar como tal informação será utilizada e guardada. O consentimento do cliente sobre os termos e condições deverá ser localizado no formulário e explicado pelo gerente de empréstimos (se necessário, explicar o conceito de serviço de proteção ao crédito). Comunicar claramente os resultados de qualificação ao cliente. Caso negativo, explicar porque tal decisão foi tomada e como o cliente poderá tomar providências para obter um resultado positivo no futuro. Fornecer um número de telefone através do qual o cliente poderá obter informação adicional e recorrer. Guia para desenvolver panfleto promocional contendo informação relevante; amostra de panfleto Guia para os argumentos iniciais de venda; amostra de argumentos de venda Guia para descrever os produtos disponíveis ao cliente Guia sobre como solicitar informação de um cliente; amostra de formulário Guia para comunicar os critérios de qualificação

5 2. AVALIAÇÃO Coleta de dados não financeiros CP6 CP7 Coleta de dados financeiros CP8 Entrada de dados CP5 Investigação interna Ir para Aprovação CP# CP6 CP7 CP8 ATIVIDADE/ FORMULÁRIOS COLETA DE DADOS: AVALIAÇÃO NÃO FINANCEIRA COLETA DE DADOS: AVALIAÇÃO FINANCEIRA SIGILO DE DADOS / GERENCIAMENTO DE DADOS Endividamento Excessivo, Transparência, Cobrança Adequada, Conduta dos Agentes, Sigilo de Dados Endividamento Excessivo, Conduta Ética dos Agentes Conduta Ética dos Agentes, Sigilo de Dados Compromissar-se com o respeito à privacidade do cliente e à confidencialidade da informação. Coletar dados relevantes para garantir a disposição de pagar e para analisar a capacidade de pagar. Compromissar-se com a cobrança e a incorporação de informação de dívida de terceiros sobre cada cliente. Desenvolver diretrizes de política claras sobre garantia de empréstimos e mecanismo de colateral, incluindo perfis de fiadores e o que não pode ser registrado como colateral. Geral Explicar ao cliente qual a informação necessária e o motivo. Explicar como a informação será utilizada. Caso relevante, explicar o que é pontuação de crédito e como ela será utilizada. Perguntar claramente sobre outras dívidas que o cliente possa ter. Utilizar os meios disponíveis (ex.: serviços de referência de crédito, listas de cliente compartilhadas, etc.) a fim de confirmar dividas a pagar. Assegurar o sigilo de fotos; caso fotos do cliente sejam tiradas, explicar como elas serão utilizadas e quem terá acesso a elas. Colateral Explicar porque os ativos do cliente estão sendo registrados (colateral e avaliação) e o que poderá acontecer com tal colateral em caso de inadimplência. Se aplicável, descrever sob quais circunstâncias os ativos do cliente poderão ser removidos e descrever o processo de confisco. Co-signatários, Fiadores, Cônjuges Explicar porque co-signatários e fiadores são utilizados e porque cônjuges estão envolvidos. Explicar os direitos e deveres dos co-signatários, fiadores e cônjuges. A explicação deverá preceder o ato da assinatura. Tratar todas as partes com respeito. Referências Explicar porque os ativos estão sendo verificados. Concentrar-se na verificação dos fatos. Evitar fazer perguntas que envolvam criticismo. Antes de iniciar a avaliação financeira: explicar ao cliente as consequências do endividamento excessivo e porque é importante fornecer informação correta Destacar a honestidade e a integridade, e explicar qual a informação que deverá ser coletada e como tal informação será utilizada. Discutir valores institucionais para evitar o endividamento excessivo, tais como produtos adequados e análise de capacidade de endividamento. Limitar o acesso a dados sigilosos dentro da instituição utilizando fortes controles internos. Forte segurança de dados significa: controles internos, bom gerenciamento de TI; hierarquia de acesso de usuários claramente definida; e troca frequente de senhas. Considerações especiais em compartilhar dados com terceiros incluem: considerações com segurança de dados em caso de terceirização, e MOUs Memorandum of Understanding [Memorandos de Entendimento] com terceirizados, os quais deverão concordar com as diretrizes/éticas de CP. Guia para coleta de informação de avaliação não financeira Guia para coleta de informação de avaliação financeira Diretriz para desenvolver protocolo de gerenciamento de dados

6 3. APROVAÇÃO Comitê de crédito e análise do CP9 CP5 Decisão sobre o Ir para Desembolso CP# ATIVIDADE Endividamento Excessivo CP9 ANÁLISE FINANCEIRA Nunca emprestar mais do que o cliente está solicitando ou mais do que ele tem capacidade de pagar. Todas as decisões de empréstimo deverão incorporar algum elemento de análise de capacidade de pagamento; à medida que o tamanho do empréstimo aumenta, essa análise deverá ser cada vez mais completa. Assegura que as decisões de crédito sejam tomadas por um profissional adequadamente treinado. A análise de capacidade de pagar deverá incluir no mínimo o cálculo do capital de giro do cliente e o excedente doméstico e de seus negócios, bem como seus ativos e seu passivo. Endividamento excessivo: a MFI é responsável por coletar dados referentes a outros empréstimos que o cliente possa ter. Isso pode ser feito através de entrevista, consulta a serviço de proteção ao crédito, ou troca de informação entre MFIs. As MFIs precisam investir na aquisição de dados disponíveis de maneira que a melhor decisão de crédito possa ser tomada. Qualquer outro empréstimo corrente do cliente deverá ser incorporado na análise de endividamento do cliente. O endividamento do cliente deverá ser monitorado continuamente pela organização. As diretrizes deverão ser regionais, por setor de negócios, ou ambos. Guia para avaliação financeira

7 4. DESEMBOLSO Informar o cliente sobre a decisão do Cliente e co-signatários visitam a agência CP10 Discurso de desembolso CP11 Finalização da documentação Desembolso de fundos CP# CP10 CP11 ATIVIDADE DISCURSO DE DESEMBOLSO DOCUMENTAÇÃO REFLETIDOS Endividamento Excessivo, Transparência, Sigilo de Dados Endividamento Excessivo, Transparência, Cobrança Adequada, Conduta Ética dos Agentes, Reparação Assegurar que uma pessoal suficientemente experiente e treinada seja responsável por juntar a documentação relevante e fazer a declaração de desembolso para o cliente. Assegurar que essa pessoa não seja a mesma que venha mais tarde cobrar os pagamentos do empréstimo. As MFIs somente deverão aceitar como fiadores pessoas que tenham capacidade financeira de repagar o empréstimo. Geral: Explicar verbalmente cada documento ao cliente, especialmente o cronograma de pagamentos. Ler para o cliente a página de sumário (consultar CP11). No caso de clientes analfabetos, ler em voz alta ou explicar todos os documentos. Considerar a colocação de um poster na parede próxima ao local onde o desembolso será feito para lembrar os agentes e clientes de seus direitos e responsabilidades. Elementos-chave dos argumentos de desembolso: Explicar todos os custos (ex.: imposto do selo, dinheiro em reserva, seguro, quaisquer outras taxas, produtos relacionados, etc.). Os clientes deverão também ser alertados para nunca pagar aos agentes quaisquer comissões ou taxas adicionais além das que foram explicadas durante os argumentos de desembolso. Aconselhar o cliente a sempre pedir recibo de seu saldo de conta e pedir o troco exato. Explique o impacto das taxas sobre o valor do desembolso, o qual poderá ser menor do que o valor do empréstimo aprovado, caso as taxas sejam deduzidas em adiantado. Para fiadores, cônjuges e co-signatários: Informar o cônjuge sobre o desembolso, exceto se houver uma boa razão para crer que tal cônjuge deverá fazer mau uso ou apropriar-se dos fundos. Informar o fiador/co-signatário de sua responsabilidade de pagar o empréstimo caso o cliente seja inadimplente. Assegurar que o fiador não seja um fiador profissional que tenha garantido empréstimos a múltiplos clientes e poderá vir a exigir uma taxa ou percentagem sobre o valor do empréstimo. Explicar que o recipiente do empréstimo deverá controlar o uso do dinheiro emprestado. Guia argumentos de desembolso; amostra de argumentos Incluir uma página sumário que: Forneça ao cliente um sumário de uma página contendo as informações-chave. Essa página sumário pode ser projetada para cada cliente ou pode ser genérica. (Páginas genéricas aumentam a eficiência e reduzem a incidência de erros; páginas customizadas podem ser melhor entendidas pelo cliente. Considerar fazer essa página parte do kit de boas-vindas ao cliente.) Contenha os direitos e deveres tanto da MFI quanto do cliente. Contenha informações sobre queixas (ex.: como acessar a MFI a agências independentes de proteção ao consumidor). Explique as práticas de cobrança, as consequências e os procedimentos, em caso de não pagamento. Ofereça explicação verbal a todos os clientes, especialmente os analfabetos. Explicar todo o contrato em termos leigos, claros e inteligíveis. Assegurar que o cliente sempre receba uma cópia da tabela de pagamento do empréstimo. Diretriz para requisitos de documentação; amostra do contrato em linguagem leiga e amostra da página sumário

8 5. COBRANÇA E RECUPERAÇÃO Acompanhamento e relatório de cobranças CP12 Acompanhamento regular do cliente CP12 CP13 Cobrança Online Acompanhamento e recuperação de pagamentos atrasados CP14 Registro das atividades de pagamentos atrasados CP# CP12 CP13 CP14 ATIVIDADE COBRANÇAS PONTUAIS TERCEIRIZAÇÃO - USO DE AGENTES TERCEIRIZADOS RECUPERAÇÃO APÓS PAGAMENTO ATRASADO Transparência, Cobrança Adequada, Conduta Ética dos Agentes Cobrança Adequada, Conduta Ética dos Agentes Endividamento Excessivo, Transparência, Cobrança Adequada, Conduta Ética dos Agentes, Sigilo de Dados Comprometer-se com padrões éticos de cobrança. Agentes de cobrança (na instituição ou terceirizados) deverão compartilhar a cultura institucional e/ou ser treinados sobre os valores da instituição. Agentes de cobrança (na instituição ou terceirizados) deverão agir dentro dos mesmos padrões de comportamento estabelecidos no código de ética da instituição. Padrões estabelecidos para garantir a privacidade dos dados do cliente deverão ser utilizados tanto pela MFI quanto pelos agentes terceirizados. Assegurar a conduta ética dos agentes durante as cobranças, como descrito no código de ética. Utilizar métodos preventivos de recuperação, tais como lembretes. Fornecer sempre recibo e dar o troco correto. Para cobranças em campo, fornecer treinamento especial para os agentes de cobrança. Para cobranças em campo, garantir que as visitas ocorram em uma data especificada. As diretrizes de CP 12 se aplicam. Fazer contratos com agências terceirizadas cujos agentes sejam responsáveis dentro dos mesmos padrões éticos da MFI. Implementar um processo de controle de qualidade que garanta que os padrões estejam sendo satisfeitos. Preparar scripts de visitas de recuperação para enfatizar respeito e modelos de conduta apropriada. Assegurar que a reestruturação não aumente os níveis da dívida de clientes que já estão com excesso de endividamento. Assegurar que qualquer confisco de bens siga os canais legais de recuperação de fundos. Penalidades Taxas, juros de penalidade, etc., não devem exceder uma porção estabelecida do valor original do empréstimo. Cada instituição deverá estabelecer seu próprio padrão. Não cobrar juros após ter-se dado baixa no empréstimo. Diretrizes para práticas de cobrança; amostra do código Diretrizes para práticas de cobrança por agentes terceirizados Diretrizes para práticas de recuperação; amostra de scripts

Transparência em promoções e vendas: uma lista de verificação para prestadores de serviços financeiros

Transparência em promoções e vendas: uma lista de verificação para prestadores de serviços financeiros Transparência em promoções e vendas: uma lista de verificação para prestadores de serviços financeiros Introdução Prestadores de serviços financeiros devem divulgar por inteiro para os clientes os preços,

Leia mais

MODELO DE KIT DE BOAS-VINDAS DO CLIENTE Documentos essenciais para novos clientes. www.smartcampaign.org

MODELO DE KIT DE BOAS-VINDAS DO CLIENTE Documentos essenciais para novos clientes. www.smartcampaign.org MODELO DE KIT DE BOAS-VINDAS DO CLIENTE Documentos essenciais para novos clientes www.smartcampaign.org MODELO DE KIT DE BOAS-VINDAS DO CLIENTE Documentos essenciais para novos clientes www.smartcampaign.org

Leia mais

PREVENÇÃO DO ENDIVIDAMENTO EXCESSIVO DE CLIENTES: DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO FINANCEIRA E NÃO FINANCEIRA. www.smartcampaign.org

PREVENÇÃO DO ENDIVIDAMENTO EXCESSIVO DE CLIENTES: DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO FINANCEIRA E NÃO FINANCEIRA. www.smartcampaign.org PREVENÇÃO DO ENDIVIDAMENTO EXCESSIVO DE CLIENTES: DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO FINANCEIRA E NÃO FINANCEIRA www.smartcampaign.org ÍNDICE Introdução...3 II. Coleta de dados financeiros e não financeiros...5

Leia mais

Análise documental do desempenho social no MIX

Análise documental do desempenho social no MIX Análise documental do desempenho social no MIX 2013 Âmbito do processo de análise documental O MIX procura continuamente oferecer ao setor de microfinanças os dados mais confiáveis possíveis. Para esse

Leia mais

Diretrizes de Cobrança para Empresas de Serviços Financeiros

Diretrizes de Cobrança para Empresas de Serviços Financeiros Diretrizes de Cobrança para Empresas de Serviços Financeiros Intrudução 1 As empresas de serviços financeiros devem sempre tratar os clientes com respeito e dignidade, até mesmo quando os mesmos deixam

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

Atividade. O que é Pesquisa sobre Saúde? Pesquisa é um método de adquirir novos conhecimentos

Atividade. O que é Pesquisa sobre Saúde? Pesquisa é um método de adquirir novos conhecimentos Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários 1 Atividade Introdução A população deve estar agradecida pela pesquisa chegar nas suas comunidades. Você: Concorda totalmente

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER Entenda o que é e como funciona o Cadastro Positivo, antes de optar por aderir ou não. Quanto mais informado, melhor e mais consciente poderá ser a sua opção. Algumas

Leia mais

INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais

INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais Setembro de 2014 A International Network of Financial Services Ombudsman Schemes (a INFO Network) é a associação mundial de ouvidores/ombudsmen

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND

POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND 1. Princípios Gerais Esta Política de privacidade descreve como o CONSULTOR HND coleta e usa informações pessoais fornecidas no nosso site: www.consultorhnd.com.br.

Leia mais

Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários

Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários 1 Atividade Introdução A A população deve estar agradecida pela pesquisa chegar nas suas comunidades. Você: Concorda totalmente

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions. Nenhuma

Leia mais

Para informações sobre as condições de uso das redes sociais da Abbott, por favor acesse os Termos de Uso para mídiais sociais.

Para informações sobre as condições de uso das redes sociais da Abbott, por favor acesse os Termos de Uso para mídiais sociais. TERMOS DE USO Estes Termos de Uso regulam o acesso a páginas de Internet controladas pela Abbott Laboratories, suas subsidiárias e afiliadas (doravante denominadas, em conjunto, Abbott ), e para as quais

Leia mais

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares.

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares. Normas do RRDRP Estas Normas estão em vigor para todos os processos de RRDRP. Os processos administrativos referentes a resolução de disputas nos termos do Procedimento de resolução de disputas de restrições

Leia mais

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM da Solidus S/A CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 08/02/2013 A Corretora Solidus S/A CCVM assume o compromisso de zelar pela reputação de seus negócios e de sua imagem, assim

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu

Leia mais

Política de privacidade V2

Política de privacidade V2 Política de privacidade V2 Para os fins desta Política de Privacidade, as palavras grifadas em maiúsculo terão os seguintes significados: V2 é uma loja virtual disponibilizada na Internet para comercialização

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF. Parte Um: Definição de Coaching. Seção 1: Definições. Parte Dois: Os Padrões ICF de Conduta Ética

CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF. Parte Um: Definição de Coaching. Seção 1: Definições. Parte Dois: Os Padrões ICF de Conduta Ética CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF Parte Um: Definição de Coaching Seção 1: Definições Coaching: Coaching é fazer uma parceria com os clientes em um processo estimulante e criativo que os inspira a maximizar o seu

Leia mais

FAVOR LER. SEU USO DESTE WEBSITE ESTÁ SUJEITO À SEGUINTE DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE PRIVACIDADE E AOS TERMOS DE SERVIÇO DO WEBSITE.

FAVOR LER. SEU USO DESTE WEBSITE ESTÁ SUJEITO À SEGUINTE DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE PRIVACIDADE E AOS TERMOS DE SERVIÇO DO WEBSITE. FAVOR LER. SEU USO DESTE WEBSITE ESTÁ SUJEITO À SEGUINTE DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE PRIVACIDADE E AOS TERMOS DE SERVIÇO DO WEBSITE. Notificação Esse website é operado pela/para Sony Pictures Entertainment

Leia mais

Orientações para Elaboração de Projetos para o Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos CEP/CESUPA 11/01/2013

Orientações para Elaboração de Projetos para o Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos CEP/CESUPA 11/01/2013 Orientações para Elaboração de Projetos para o Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos CEP/CESUPA 11/01/2013 Todo Projeto de Pesquisa, de qualquer natureza, financiado ou não por instituições de

Leia mais

TUTORIAL PARA CADASTRO E SUBMISSÃO DE ARTIGO NA PLATAFORMA BRASIL

TUTORIAL PARA CADASTRO E SUBMISSÃO DE ARTIGO NA PLATAFORMA BRASIL TUTORIAL PARA CADASTRO E SUBMISSÃO DE ARTIGO NA PLATAFORMA BRASIL Prezado (a) aluno (a) / professor (a), O objetivo deste manual é o de auxiliar no cadastro como pesquisador na Plataforma Brasil, assim

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

(a) Entrar por meio do endereço: http://www.saude.gov.br/plataformabrasil

(a) Entrar por meio do endereço: http://www.saude.gov.br/plataformabrasil CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CEP - COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CESUMAR PLATAFORMA BRASIL COMO SE CADASTRAR - Para se cadastrar na Plataforma Brasil, o pesquisador, deverá cumprir os seguintes

Leia mais

A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu Cartão.

A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu Cartão. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato de Utilização American Express Linha Crédito A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

ESCLARECIMENTOS A RESPEITO DA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA

ESCLARECIMENTOS A RESPEITO DA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ESCLARECIMENTOS A RESPEITO DA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA TODOS OS PROTOCOLOS DE PESQUISA DEVEM SER SUBMETIDOS AO CEP VIA PLATAFORMA BRASIL Se você é um Usuário novo, acesse o link www.saude.gov.br/plataformabrasil

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ PARA 25º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA

REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ PARA 25º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ PARA 25º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA 1 OBJETIVOS 1.1 Divulgar a 25ª edição do Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, mais tradicional e renomada premiação

Leia mais

WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS

WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS 1. Code of Ethics WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS Honestidade, integridade e transparência são valores fundamentais da William E. Connor & Associates Limited (a

Leia mais

Política de Privacidade.

Política de Privacidade. Política de Privacidade Johnson & Johnson do Brasil Indústria e Comércio de Produtos para Saúde Ltda., preocupa se com questões sobre privacidade e quer que você saiba como coletamos, usamos e divulgamos

Leia mais

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016.

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. 1 Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. Formulários obrigatórios para Prestação de Contas PRESTAÇÃO DE CONTAS - PROJETOS INCENTIVADOS PELA DME E/OU SUAS SUBSIDIÁRIAS.

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

Código de. Conduta e Melhores Práticas

Código de. Conduta e Melhores Práticas Código de Conduta e Melhores Práticas PRESSUPOSTOS Ser complementar ao Código de Ética do Administrador e harmônico a este Aproveitar a experiência de entidades de contextos onde Coaching é uma atividade

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SEDE EMPREENDIMENTOS ONLINE LTDA., com sede na Rua Piauí, nº 477 - Uberaba/MG, inscrita no CNPJ sob o nº 08.601.154/0001-40, daqui por diante denominada "MERCANCIA BRASIL", prestará os serviços doravantes

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

CONTRATO DE HOSPEDAGEM E DESENVOLVIMENTO DE WEB SITE

CONTRATO DE HOSPEDAGEM E DESENVOLVIMENTO DE WEB SITE CONTRATO DE HOSPEDAGEM E DESENVOLVIMENTO DE WEB SITE PREAMBULO PARTES: CONTRATADA: SISTEMAS GERAIS DA INFORMAÇÃO inscrita no CNPJ sob nº 12.777.502/0001-02; doravante designada simplesmente CONTRATADA.

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions.

Leia mais

Declaração de Helsínquia da Associação Médica Mundial [versão de outubro de 2013]

Declaração de Helsínquia da Associação Médica Mundial [versão de outubro de 2013] Declaração de Helsínquia da Associação Médica Mundial [versão de outubro de 2013] Princípios Éticos para a Investigação Médica em Seres Humanos Adotada pela 18.ª Assembleia Geral da AMM, Helsínquia, Finlândia,

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO

PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO Este formulário é o canal exclusivo para o envio dos projetos concorrentes ao Edital de Patrocínio do Banco do Nordeste para 2015. Seu correto preenchimento é imprescindível

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CORRESPONDENTES BANCÁRIOS (COBANS)

POLÍTICA GERAL PARA CORRESPONDENTES BANCÁRIOS (COBANS) POLÍTICA GERAL PARA CORRESPONDENTES BANCÁRIOS (COBANS) Sumário Introdução...2 Nossos produtos e suas redes de relacionamento...2 Principais responsabilidades na realização das operações para o EMPRESTA

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Finalidade e escopo Na Pearson (incluindo suas subsidiárias e empresas com controle acionário), acreditamos fortemente que agir de forma ética e responsável

Leia mais

Compêndio de Documentos para Validação do Desempenho Social do MIX

Compêndio de Documentos para Validação do Desempenho Social do MIX Compêndio de Documentos para Validação do Desempenho Social do MIX O que se segue é uma descrição da metodologia do MIX para validar os indicadores de desempenho social (DS) informados pelas IMFs. Este

Leia mais

Orientações para Elaboração de Projetos para o Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos CEP/CESUPA 25/11/2010

Orientações para Elaboração de Projetos para o Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos CEP/CESUPA 25/11/2010 Orientações para Elaboração de Projetos para o Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos CEP/CESUPA 25/11/2010 Todo Projeto de Pesquisa, de qualquer natureza, financiado ou não por instituições de

Leia mais

REVENDEDOR Conheça os benefícios de ser um Revendedor Grupo Positiva

REVENDEDOR Conheça os benefícios de ser um Revendedor Grupo Positiva Conheça os benefícios de ser um Revendedor Grupo Positiva Prezado Revendedor Seja bem-vindo! O Grupo Positiva conta com você para crescer no mercado e se tornar a empresa número 1 no segmento de soluções

Leia mais

Bom Crédito. Lembre-se de que crédito é dinheiro. Passos

Bom Crédito. Lembre-se de que crédito é dinheiro. Passos Bom Crédito Lembre-se de que crédito é dinheiro É. Benjamin Franklin, Político Americano e inventor quase impossível passar a vida sem pedir dinheiro emprestado. Seja algo básico como usar um cartão de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO DA DMCARD CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO DA DMCARD CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO PARA APROVEITAR TODOS OS BENEFÍCIOS E FAZER O MELHOR USO POSSÍVEL DO SEU CARTÃO É MUITO IMPORTANTE QUE VOCÊ LEIA COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES CONDIÇÕES GERAIS: 1. DEFINIÇÕES:

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL N 17/2015 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq 2015-2016

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços

Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Julho de 2011 Sumário 1. Apresentação...3 2. Definições...3 3. Público alvo...4 4. Credenciamento...4

Leia mais

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Network Afiliados, Associados, Membros GNBI e AFMIN fornecem serviços financeiros

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

Transparência na Relação com os Consumidores

Transparência na Relação com os Consumidores Transparência na Relação com os Consumidores Mediador: Paulo Durval Branco Ekobé FEBRABAN São Paulo, 19 e 20 de agosto de 2009. Workshop Grupo I Transparência na Relação com os Consumidores Coordenação:

Leia mais

LEVANTAMENTO DO SERVIÇO (Exemplo em Risco de Crédito)

LEVANTAMENTO DO SERVIÇO (Exemplo em Risco de Crédito) LEVATAMETO DO SERVIÇO (Exemplo em Risco de Crédito) Data de Levantamento: Responsável: 1 LEVATAMETO O objetivo deste relatório é documentar tudo o que foi definido durante o levantamento para permitir

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 006 2 2 APRESENTAÇÃO Este manual é uma ferramenta de consulta

Leia mais

SEMARC Seminário de Marketing e Relações com Clientes O SISTEMA BANCÁRIO E A COMUNICAÇÃO COM SEUS DIVERSOS CONSUMIDORES

SEMARC Seminário de Marketing e Relações com Clientes O SISTEMA BANCÁRIO E A COMUNICAÇÃO COM SEUS DIVERSOS CONSUMIDORES SEMARC Seminário de Marketing e Relações com Clientes O SISTEMA BANCÁRIO E A COMUNICAÇÃO COM SEUS DIVERSOS CONSUMIDORES Componentes do grupo Procons Jorge Wilson G. de Mattos - Guarulhos Paulo Goes - Diretor

Leia mais

Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br.

Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br. Eu Amo Hotel Fazenda LTDA v01 Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br. DEFINIÇÕES Além dos termos definidos

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA CETESC - CENTRO DE ENSINO E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Campinas/SP SUMÁRIO CAPÍTULO I Da Natureza, Objetivos e Finalidade 1 CAPÍTULO II Da Vinculação Administrativa 2 CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento da MultiConta Prestige

Regulamento da MultiConta Prestige Regulamento da MultiConta Prestige Mais serviços e mais benefícios feitos para quem recebe seu crédito de salário ou aposentadoria no Itaú Personnalité. A MultiConta Prestige oferece um maior número de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ RESOLUÇÃO Nº 09/2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ RESOLUÇÃO Nº 09/2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ RESOLUÇÃO Nº 09/2008 Institui e regulamenta as regras de utilização e administração de sistemas e serviços

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 Estes regulamentos aplicam-se aos sites da web, programas de pedido pelo

Leia mais

METODOLOGIA. Questões: 1 a 4 (sexo/faixa etária/escolaridade e renda mensal) Objetivo: traçar o perfil do usuário reclamante de cartão de crédito.

METODOLOGIA. Questões: 1 a 4 (sexo/faixa etária/escolaridade e renda mensal) Objetivo: traçar o perfil do usuário reclamante de cartão de crédito. INTRODUÇÃO O cartão de crédito é uma forma de pagamento muito utilizada no comércio convencional e, mais moderadamente, em compras eletrônicas. A praticidade, a ampla aceitação do mercado, a possibilidade

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

Condições e formulários de aceitação DEGIRO

Condições e formulários de aceitação DEGIRO Condições e formulários de aceitação DEGIRO 1/25 Endereço para onde pode enviar este formulário: Pode enviar este formulário devidamente preenchido por e-mail para: clientes@degiro.pt 2/25 Condições para

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

TREINAMENTO BRADESCARD. Lojas BP

TREINAMENTO BRADESCARD. Lojas BP TREINAMENTO BRADESCARD Lojas BP 1 Cartão BradesCard O BradesCard facilita a realização dos seus clientes de forma prática e flexível. Especializado no Varejo, oferece um portfólio completo de produtos

Leia mais

MOSTRA DE PROJETOS 2015. Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local. REGULAMENTO Anexos I e II

MOSTRA DE PROJETOS 2015. Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local. REGULAMENTO Anexos I e II MOSTRA DE PROJETOS 2015 Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local REGULAMENTO Anexos I e II O Sesi Paraná, por meio do programa Sesi Indústria e Sociedade e do Movimento Nós Podemos

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 14:13 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES Como resultado de uma série de reuniões técnicas envolvendo representantes da Febraban, do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor e do Banco Central do Brasil, no sentido de aprimorar ainda mais os procedimentos

Leia mais

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U:

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U: RESOLUCAO 2.878 Dispõe sobre procedimentos a serem observados pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na contratação de operações e na

Leia mais

C Ó D I G O D E C O N D U T A

C Ó D I G O D E C O N D U T A CÓDIGO DE CONDUTA 2014 INTRODUÇÃO Este código de consulta e ética visa apresentar de forma clara os padrões éticos da Cenário Projetos Audiovisuais e as condutas que devem orientar os relacionamentos e

Leia mais

CURSO PLANEJAR PARA O SUCESSO. Treinamento para os Professores e Especialistas de Estacas

CURSO PLANEJAR PARA O SUCESSO. Treinamento para os Professores e Especialistas de Estacas CURSO PLANEJAR PARA O SUCESSO Treinamento para os Professores e Especialistas de Estacas O que é o Fundo Perpétuo de Educação? Disponível para todos os membros a partir de 18 anos; Disponível para cursos

Leia mais

Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa

Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa 3. PROTOCOLO DE PESQUISA 3.1) Protocolo de pesquisa: é o conjunto de documentos, que pode ser variável a depender do tema, incluindo o projeto, e que apresenta

Leia mais

A sua empresa em contato com o mundo. Ferramenta de envio de SMS

A sua empresa em contato com o mundo. Ferramenta de envio de SMS A sua empresa em contato com o mundo Ferramenta de envio de SMS A Talktelecom Líder na América Latina em telefonia computadorizada Compete no mercado desde 1992 com soluções em telecomunicações Em plena

Leia mais

Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio.

Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio. Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio. Participe da rede de distribuição dos produtos exclusivos da

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa CEP - UNIPAMPA. Cadastro de Projetos de Pesquisa

Comitê de Ética em Pesquisa CEP - UNIPAMPA. Cadastro de Projetos de Pesquisa Comitê de Ética em Pesquisa CEP - UNIPAMPA Cadastro de Projetos de Pesquisa Documentos para abertura de Protocolo de Pesquisa: CEP-UNIPAMPA PLATAFORMA BRASIL - CADASTRO DE PESQUISADORES Doc. 1º 2º 3º Descrição

Leia mais

MANUAL DO REFERENCIADO TISS

MANUAL DO REFERENCIADO TISS MANUAL DO REFERENCIADO TISS Prezado Referenciado, As instruções contidas neste Manual têm como principal objetivo, servir como guia para que os agentes integrantes do processo de faturamento e conciliação

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

Cartilha do Crédito Consignado

Cartilha do Crédito Consignado Cartilha do Crédito Consignado Guia Prático para o Aposentado e Pensionista do INSS apoio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS Caro aposentado ou pensionista Esta cartilha foi elaborada para o seu bem-estar.

Leia mais

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário São Paulo, junho de 2007 1º Versão SUMÁRIO 1 Introdução... 3 2 Autor... 5 2.1 Cadastro no sistema (http://submission.scielo.br),

Leia mais

DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Geraldina Porto Wiiter Coordenadora do CEP/UNICASTELO Para dar transparência ao usuário do CEP/UNICASTELO, em sua 1ª reunião plenária realizada em 2012, foi decidido

Leia mais