Crédito ao Consumo em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Crédito ao Consumo em Portugal"

Transcrição

1 Crédito ao Consumo em Portugal Filipa Jesus Coimbra, Dezembro de 2008

2 Ficha Técnica Tema: O crédito ao consumo em Portugal Autora: Filipa Alexandra Santos Jesus Aluna nº: Ano/ Curso: 1º ano licenciatura Sociologia Trabalho de avaliação contínua realizado no âmbito da unidade curricular de Fontes de Informação Sociológica, sob orientação do professor Dr. Paulo Peixoto. Imagens da capa retiradas de: Fonte: images/pic_1.jpg&imgrefurl=http://www.creditoaoconsumo.com/creditoao-consumohistoria.html&usg= amrsmxna2qoluzwpjhvo0kxixqe=&h=254&w =618&sz=147&hl=pt-PT&start=6&um=1&tbnid=hOeHeS- QLfwA8M:&tbnh=56&tbnw=136&prev=/images%3Fq%3Dcr%25C3%25 A9dito%2Bpara%2Bconsumo%26ndsp%3D18%26um%3D1%26hl%3Dpt- PT%26sa%3DN Coimbra, Dezembro de 2008 Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra

3 Índice 1. Introdução 1 2. Desenvolvimento: 2.1 Estado das Artes 2 2.2Definição de crédito e consumo O que influencia o consumo Definição de endividamento e principais causas O crédito ao consumo em Portugal. 8 3 Descrição detalhada da pesquisa Avaliação de uma página da internet Ficha de leitura 16 6 Conclusão 21 7 Referências bibliográficas Anexos A) Página da internet avaliada B) Texto suporte da ficha de leitura 1

4 Introdução Para a realização do trabalho de avaliação contínua, decidi abordar o tema Crédito ao Consumo em Portugal. A razão da minha escolha prende-se com o facto de ser um tema bastante actual e com a qual muitas famílias se deparam. Irei primeiramente definir alguns conceitos básicos, tais como crédito e consumo e as razões que levam a sociedade a recorrer ao crédito, como é o caso da publicidade, das tecnologias e das novas necessidades que vão sendo criadas no consumidor. Actualmente, a nossa sociedade é sobretudo uma sociedade endividada e, por esse motivo achei por bem definir endividamento e as suas causas. Para dar a conhecer o perfil de uma pessoa sobreendividada recorri ao CES, mais precisamente ao Observatório do Endividamento dos Consumidores e achei pertinente utilizar um relatório muito interessante feito por este observatório em Deste relatório dou a conhecer o perfil de uma pessoa sobreendividada, como: o sexo, idade, estado civil, profissão e o rendimento individual. Também deste Observatório do Endividamento dos consumidores recolhi informação que considerei importante, sobre um estudo acerca das principais causas de sobreendividamento Como último sub-tema do estado das artes faço referência ao crédito ao consumo em Portugal, onde na década de 90, este regista um forte crescimento. Por outro lado, dou a conhecer todo o processo detalhado da minha pesquisa e a avaliação da minha página da internet, tendo a minha escolha recaído sobre a página da DECO (Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores) Por último, no que diz respeito à ficha de leitura, optei por uma dissertação de mestrado que se intitula Crédito ao consumo e restrições de liquidez: uma aplicação à economia portuguesa de Flora Hermengarda de Pinho e Cunha Lobo. Nesta, optei apenas por fazer referência a partes do texto que, de uma maneira geral, se relacionam com o meu tema. 2

5 2. Desenvolvimento 2.1 Estado das artes 2.2 Definição de crédito e consumo A palavra crédito deriva das palavras latinas credere, confiança e creditum uma coisa confiada de boa fé. Significa uma soma em dinheiro disponibilizada por uma pessoa, uma entidade financeira ou um banco, por um determinado período. O beneficiário deve pagar uma forma de remuneração, designada por juro, como contrapartida da disponibilização do dinheiro. Implica, geralmente, a prestação de uma garantia ao banco, pela quantia emprestada. O crédito ao consumo, geralmente, dispensa esta garantia e consequentemente implica uma taxa de juro mais elevada (MoneyBasic, 2005). Por sua vez, consumo significa a aquisição de bens que podem ser bens de consumo, bens de capital ou serviços (sublinhado da autora). Por definição, é a utilização, aplicação, uso ou gasto de um bem ou serviço por um indivíduo ou uma empresa. (wikipédia, s.d.) Neste trabalho irei debruçar-me apenas no consumo privado, ou seja, no consumo realizado pelas famílias, enquanto agente económico, utilizando o rendimento que obtêm na actividade produtiva para comprar bens e serviços necessários à satisfação das suas necessidades, tais como: alimentação, vestuário, habitação, divertimentos e outros. 3

6 2.3 O que influencia o consumo O consumo é um fenómeno social complexo condicionado por diversos factores e com influência sobre os indivíduos. Para Maslow, as necessidades dos seres humanos obedecem a uma hierarquia, ou seja, uma escala de valores a serem transpostos. (Maslow apud Oliveira, 2005: 28) Segundo Maslow, as necessidades humanas estão dispostas segundo graus de importância e de influência, numa pirâmide, onde, na sua base se encontram as necessidades fisiológicas (mais baixas) e, no topo, as necessidades de auto-realização (mais altas). Hoje em dia, somos bombardeados com publicidade, quer através da televisão, quer através da rádio, revistas, internet e até mesmo um simples panfleto que aceitamos na rua. (sublinhado meu) A publicidade tem como objectivo estimular o consumo, motivar, encantar e seduzir aqueles aos quais ela se dirige, através da criação de novas necessidades, com o fim de assegurar a venda de novos produtos. Para Everardo Rocha (1985), a função da publicidade é: vender um produto, aumentar o consumo e abrir mercados. Em cada anúncio, vendem-se: estilos de vida, sensações, emoções, visões do mundo, relações humanas, sistemas de classificação, hierarquias em quantidades significativas. ( Everardo apud Oliveira, 2005: 125) Muitas vezes, algumas pessoas são incitadas a evidenciar um nível de vida contrário ao seu orçamento familiar. O poder da publicidade é tão grande que o ser humano não tem condições de optar pelo que consome e o que não precisa de consumir, por incrível que pareça, até mesmo o consumidor consciente não está isento aos efeitos deste fenómeno. Também a televisão impôs o audiovisual como uma realidade central da cultura e do quotidiano de larguíssimas camadas da população. Devido ao facto da televisão ser um meio de informação e um instrumento lúdico, esta, por sua vez, influencia a vida dos cidadãos, delineia-lhes as crenças e os valores. Pelas suas características técnicas, condiciona o espectador a ter uma atitude de observação passiva das mensagens que recebe. Todavia, existem perigos de 4

7 manipulação deste meio de comunicação devido ao visionamento exclusivo deste, e por se tratar de um meio de comunicação muito vasto. Grande parte da nossa sociedade para quebrar o vazio que tem dentro de si mergulha no consumo exagerado como remédio para esse mesmo vazio. Por outro lado, também as novas tecnologias impulsionam a sociedade a consumir pois, tal como a publicidade, criam novas necessidades, levando muitas das vezes as pessoas a recorrer ao crédito. O que antes era topo de gama, hoje já não o é, pois vivemos numa sociedade onde a tecnologia está numa constante renovação. Hoje em dia, existem telemóveis, computadores, mp3, entre outras coisas que antigamente eram impossíveis de imaginar. Devido a esta evolução tecnológica a sociedade vai querendo cada vez mais e de melhor qualidade. Por estes motivos, as pessoas querem estar sempre actualizadas comprando sempre o que está na moda, o que é topo de gama, e para tal, recorrem ao crédito com bastante frequência, com o objectivo de satisfazer as suas necessidades. Actualmente, assistimos a uma expansão dos centros comerciais que constituem outro factor com forte influência no consumo. Com a evolução das grandes superfícies comerciais verifica-se uma grande difusão das redes de franchising e também o comércio electrónico, onde as compras são geralmente liquidadas através do cartão de crédito. Com os grandes centros comerciais, verifica-se o uso de técnicas de marketing que vão desde as campanhas de preços a outras formas mais sofisticadas de promoção de vendas, fazendo apelo aos valores privilegiados pelos consumidores (o saudável, o ecológico, o tradicional, o moderno, o cool, o in, etc.). O espaço comercial é hoje comparado a um espaço de lazer, de convívio e de cultura. Existe, portanto, o cuidado das lojas com a sua parte estética, o simbolismo do próprio centro, as preferências e disponibilidades dos consumidores, que passaram a aliar a tarefa de comprar ao passeio de fim-de-semana. Também a modernização do comércio, assim como a flexibilização dos horários, animação e remodelação das lojas, constitui uma atracção para o aumento do consumo. Muitas destas lojas, têm-lhes associado um cartão de crédito especial, utilizado como instrumento de fidelização de clientes, criando, desta forma, uma atracção à compra por impulso, à compra como distracção. 5

8 Todavia, também a facilidade de acesso ao crédito cria um forte aumento da procura do crédito ao consumo, devido à diminuição das taxas de juro e à grande influência das campanhas publicitárias para a cedência de crédito. Vejamos alguns exemplos onde a publicidade exerce uma forte atracção sobre os consumidores: - Alguns bancos oferecem prémios a quem lhes pedir crédito ; - Outros, propõe-nos o empréstimo de 4000 para o que quisermos, mediante "juros baixíssimos" ; - Outros, ainda, aliciam-nos com a frase mágica: "Compre agora e pague depois". Há também quem prometa crédito em cinco minutos ou ridicularize, em "spots" publicitários, as exigências da concorrência antes de conceder um crédito. E há ainda quem prometa vender a prestações com 0% de juros! Concluindo, a publicidade transmite a ideia de que o crédito não é caro e que é de fácil acesso, podendo contribuir para o sobreendividamento rápido dos portugueses. 6

9 2.4 Definição de endividamento e principais causas Entende-se por endividamento o saldo devedor de um agregado familiar. Pode resultar apenas de uma dívida ou de mais do que uma em simultâneo, utilizando-se, neste caso, a expressão multiendividamento (Marques et al., 2000: 1) O conceito de endividamento dos particulares está normalmente associado aos compromissos de crédito, nomeadamente crédito ao consumo (para aquisição de bens e serviços) e crédito à habitação, este último constitui a principal fonte de endividamento das famílias portuguesas. Entende-se por sobreendividamento a incapacidade de responder a compromissos financeiros por insuficiência de rendimentos. (OEC, 2002: 20a) O sobreendividamento põe em causa o equilíbrio orçamental do indivíduo ou do seu agregado familiar, com implicações importantes ao nível social e psicológico, como a marginalização e a exclusão social, os problemas psíquicos, o alcoolismo, a dissolução das famílias, as perturbações da saúde física e mental dos filhos das famílias sobreendividadas, etc. (OEC, 2002: 5a). Segundo um estudo realizado pelo Observatório do Endividamento dos Consumidores no Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, é possível verificar que as principais causas de endividamento são: o desemprego, a insuficiência de rendimento, a má gestão do orçamento familiar, problemas de saúde, alteração do agregado familiar (divórcio ou morte) e agravamento do custo de crédito (sublinhado meu). Geralmente, as famílias recorrem ao crédito com o objectivo de comprar uma habitação, um automóvel, melhorar/renovar o lar, entre outros Também considero importante, segundo dados deste estudo, apresentar o perfil dos sobreendividados que se dirigiram à DECO, vejamos: - a maioria são do sexo masculino, com idade compreendida entre os 36 e os 55 anos e cujo estado civil é casado; 7

10 - nível de instrução: secundário; Fontes de Informação Sociológica - ocupação e profissão: empregados administrativos, operários, comerciantes e vendedores; - o rendimento individual situa-se entre os 498,80 e os 997,60 ; - a maioria dos sobreendividados tem mais de três dívidas, estando por isso, multiendividados. (OEC, 2002: 33d) 8

11 2.5 O crédito ao consumo em Portugal É essencialmente a partir da década de 90 que o crédito ao consumo, regista em Portugal, um grande crescimento. Este crescimento deve-se a diversos factores, tais como: a liberalização do sistema financeiro português, a descida das taxas de juro, o baixo nível de endividamento das famílias portuguesas e a manipulação das campanhas publicitárias para a cedência de crédito ao consumo. A agressividade das campanhas publicitárias feitas pelos bancos, estão relacionadas com o facto de existir grande concorrência no mercado do crédito bancário, levando os bancos a apostarem no crédito ao consumo. O negócio do crédito ao consumo é altamente vantajoso para os bancos, pela grande dispersão do risco, pela cobrança de taxas mais elevadas e pela fidelização dos clientes, as perdas causadas por quem deixa de pagar as dívidas são altamente compensadas, e os bancos facilitam a concessão deste tipo de crédito. (Lobo, 1998: 104) Por outro lado, com as descidas das taxas de juro e com a facilidade de acesso ao crédito, as famílias são impulsionadas a aderir ao crédito, que outrora era visto como um sinal de pobreza e agora tornou-se algo banal na nossa sociedade. 9

12 De acordo com os dados do estudo Basef Banca 2006 da Marktest, mais de 1,8 milhões de portugueses recorrem a crédito bancário para aquisição de bens e serviços. Neste estudo feito pelo Grupo Marktest (2006) é possível verificar que de 2000 a 2005, assiste-se a um aumento generalizado do crédito bancário. De notar que de 2004 a 2005 o aumento é mais acentuado (15,9% e 24,5%, respectivamente). Segundo a mesma fonte, a maior parte dos possuidores de conta bancária diz não destinar nenhuma percentagem do seu rendimento à poupança e os que o fazem dizem que poupam menos que antes. (Grupo Marktest, 2008) Através deste gráfico, constata-se que os níveis de rendimento destinados à poupança têm vindo a decrescer de 2003 a 2004 (29,8%; 28,4%, respectivamente). De 2004 a 2006 é possível verificar um ligeiro crescimento (28,4%; 30,5% e 33,2%, respectivamente). De 2006 a 2008 assiste-se a um decréscimo, tendo-se obtido os seguintes valores (33,2%; 30,4% e 29,1%, respectivamente). 10

13 Desta forma, conclui-se que de ano para ano o crédito em Portugal tem vindo a aumentar significativamente, e que as famílias cada vez têm menos hábitos de poupança, conduzindo, desta forma, as famílias ao endividamento. 11

14 2. Descrição detalhada da pesquisa Escolhi o tema Crédito ao Consumo em Portugal, visto que na minha opinião é um tema bastante actual com o qual a maioria da sociedade se depara. Outro motivo que me levou a escolher este tema foi o facto de já ter algumas ideias formalizadas acerca deste assunto que dia após dia me preocupa mais. Para iniciar o meu trabalho, dirigi-me ao professor Paulo Peixoto com o fim de lhe dar a conhecer o meu tema e a estrutura que já tinha elaborado para desenvolver o trabalho. Mais tarde, comecei por iniciar a minha pesquisa on-line, visto que é um meio onde recorro com bastante frequência, com o motor de busca Google onde inseri a palavrachave «crédito e consumo», no qual obtive resultados. Logo na primeira página seleccionei um dos milhares de resultados que obtive e seleccionei uma empresa de crédito a GE Money, onde nos fornece conceitos importantes como: o que é o crédito? ; Porquê recorrer ao crédito?, entre outros Como não podia deixar de ser, e visto que é um conceito importantíssimo para o desenrolar do meu trabalho, inseri o conceito consumo e obtive resultados. Após abrir várias páginas dos resultados obtidos, decidi escolher a primeira página, onde, no meu entender, a definição de consumo se encontra mais simples e esclarecedora. De seguida, iniciei a pesquisa do conceito crédito onde obtive resultados. Devido à imensidão de resultados encontrados, decidi restringir a minha pesquisa a crédito em Portugal, tendo obtido resultados. Como ainda não estava satisfeita com a informação recolhida, decidi ir ao site do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (www.ces.uc.pt) procurar junto do Observatório do Endividamento dos Consumidores mais alguma informação que achasse relevante para o meu trabalho. Logo de início, encontrei vários estudos feitos relacionados com o meu tema que considerei muito pertinentes, tais como: O sobreendividamento em Portugal ; Endividamento e sobreendividamento das famílias: conceitos e estatísticas para a sua avaliação ; Endividamento e incumprimento no crédito bancário ao consumo: um estudo de caso ; Crédito à habitação: endividamento e incumprimento em Portugal ; O sobreendividamento em Portugal ; Sobreendividamento: um estudo de caso ; entre outros Mais tarde, e como não podia 12

15 deixar de o fazer, dirigi-me à Biblioteca da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, pois achei este um recurso muito importante para completar o meu trabalho. Desta forma, a minha pesquisa toma início com uma pesquisa no catálogo da mesma, fazendo uma pesquisa simples introduzindo em assuntos o conceito «endividamento» e obtive 9 resultados e, de entre estes escolhi uma tese de mestrado, cujo título é Factores explicativos das atitudes e intenções para com o endividamento de Patrícia Milene Azinheira Cardoso (2003). Visto que não encontrava mais nada que achasse relevante, decidi inserir em títulos «endividamento dos consumidores» e encontrei apenas um livro cujo título é O endividamento dos Consumidores de Maria Manuel Leitão Marques, Vítor Neves, Catarina Frade, Flora Lobo, Paula Pinto e Cristina Cruz (2000). Depois, alarguei a minha pesquisa e dirigi-me ao CES, onde encontrei uma revista que considerei bastante importante para desenvolver o meu trabalho que se intitula Uma sociedade aberta ao crédito de Maria Marques e Catarina Frade (2003). Para finalizar o processo da minha pesquisa, através da internet, entrei no catálogo da Biblioteca Geral e, no assunto, inseri a palavra-chave crédito onde obtive 38 resultados. Desses resultados seleccionei o livro História do crédito ao consumo: doutrinas e práticas de Rosa-Maria Gelpi e François Julien-Labruyère; tradução de Carlos Peres Sebastião e Silva (2000). Seleccionei este livro pois considerei o título atractivo e relacionado com o meu trabalho. Por fim, no assunto inseri a palavra-chave consumo onde obtive 80 resultados. Nesta lista de 80 resultados, deparei-me que o consumo de droga era uma constante, mas após entrar em várias páginas encontrei o que realmente me pareceu interessante referir no trabalho e, para tal, seleccionei o livro Consumidores de palmo e meio: a criança e a família perante o consumo de Maria das Dores Oliveira Rafael de Oliveira (2005). No que respeita à ficha de leitura, em casa tinha uma revista crítica do centro de estudos sociais (CES) de 1995, com um artigo do Dr. Paulo Peixoto que se intitulava Sedução ao consumo. As novas superfícies comerciais urbanas. Apesar de achar interessante este artigo, decidi não o utilizar para a realização da ficha de leitura, visto que este artigo já foi utilizado para o mesmo tema noutros anos lectivos. Desta forma, dirigi-me à Biblioteca da Faculdade de Economia e decidi ir procurar outras revistas críticas de ciências sociais, mas, para minha infelicidade, não encontrei nenhuma revista crítica que tivesse um artigo sobre o meu tema. Assim, e como não encontrava outra 13

16 solução, entrei no site do CES e fui em busca de revistas críticas relacionadas com o meu tema, mas não obtive o que pretendia. Desta forma, voltei a dirigir-me à Biblioteca da Faculdade de Economia e inseri em assunto o conceito crédito ao consumo em Portugal onde obtive 25 resultados. Destes, seleccionei uma dissertação de mestrado em economia na especialidade de economia financeira, que se intitula: Crédito ao consumo e restrições de liquidez: uma aplicação à economia portuguesa de Flora Hermengarda de Pinho e Cunha Lobo (1998). Em relação à página de avaliação do site decidi escolher a página principal da DECO (www.deco.proteste.pt) pois considero ser muito pertinente referenciá-la devido ao facto de estar relacionada com o meu tema e por se tratar de uma fonte fiável. No que diz respeito às imagens da capa estas foram difíceis de encontrar, pois não queria nada vulgar queria uma imagem que traduzisse realmente o meu tema central. E, após muito procurar, finalmente encontrei duas imagens que, na minha opinião, são apelativas, não só pela cor mas também pelo seu conteúdo. 14

17 3. Avaliação de uma página da internet Para o presente trabalho, foi-nos proposto avaliar uma página da internet que de alguma forma estivesse relacionada com o nosso tema. Desta forma, optei por avaliar a página da DECO < visto tratar-se de uma fonte fiável. Na minha opinião, o público-alvo desta página é o grande público, visto tratar de assuntos que interessam a toda a sociedade de uma maneira geral. No que diz respeito à amplitude, esta aborda várias dimensões, tais como: direitos do consumidor, serviços utilizados pelo consumidor (seguro automóvel, crédito habitação, crédito pessoal ); multimédia, como por exemplo animações onde podemos responder a testes; também temos um menu designado de ferramentas onde podemos executar várias simulações, tais como: qual o seguro mais barato? (automóvel), qual o melhor banco? (crédito à habitação) ; por último temos o designado arquivo onde podemos encontrar todas as edições da decoproteste, assim como todas as edições de Dinheiro e Direitos, entre outros. Por todas estas razões, posso afirmar que o site se adequa ao meu trabalho, visto responder a todas as dimensões do meu problema. Na verdade, em termos de leitura, consulta ou impressão, é uma página acessível, de fácil navegação e não exige um software específico, podendo ser consultado em qualquer computador com ligação à Internet. O texto está bem redigido e estruturado e utiliza uma linguagem simples, o que facilita a compreensão. Quanto à profundidade da página, os vários temas abordados não são debatidos com exaustão, pois apenas referem o essencial. Considero importante referir o facto da página se encontrar escrita em português, o que no meu caso me facilita muito. Também podemos aceder ao site gratuitamente, o que é uma grande vantagem. No que diz respeito à cobertura do tempo, esta página está sempre actualizada com as informações e estudos que se vão realizando diariamente. 15

18 O objectivo da página é, por uma lado, informar e, por outro, persuadir, pois tenta ajudar as pessoas a tomar as decisões mais correctas e a informar-se sobre determinado assunto. Todavia, para acedermos a informação mais detalhada e precisa, é necessário fazer um login, o que só é possível para quem for sócio da DECO. Concluindo, faço uma avaliação positiva do site devido ao seu conteúdo ser muito pertinente e o facto de o seu grafismo ser muito atractivo, o que considero importante para captar a atenção do leitor. Outro factor positivo a apontar é o grau de singularidade da página, pois trata-se de uma página com informação inédita e o facto de ser uma fonte fiável, visto que existem sites na internet com ligações para a DECO, como é o caso do Observatório do Endividamento dos Consumidores. 16

19 4. Ficha de Leitura Título da publicação: Dissertação de Mestrado em Economia na especialidade de economia financeira Autor: Flora Hermengarda de Pinho e Cunha Lobo Local onde se encontra: Biblioteca da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra Data de publicação: 1998 Local de edição: Coimbra Título do artigo: Crédito ao consumo e restrições de liquidez: uma aplicação à economia portuguesa Cota: LOB Número de páginas: Assunto: evolução do crédito ao consumo em Portugal; condições gerais dos empréstimos para consumo; finalidade do crédito pessoal e sociedades financeiras para aquisição de crédito Palavras-chave: crédito, consumo, endividamento, Data de leitura: Dezembro de 2008 Observações: nenhuma a registar Notas sobre a autora: Licenciatura em Economia na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, tendo concluído em 1995; Mestrado em economia, área de especialização em economia financeira, pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, concluído em Abril de 1999, após ter defendido a tese intitulada Crédito ao Consumo e Restrições de Liquidez: uma aplicação à economia portuguesa. Pós-graduação em Economia, área de especialização em economia financeira, pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, no ano lectivo de 1996/1997. Participou num estudo do Observatório do Endividamentos dos Consumidores 17

20 No presente ano, encontra-se no Instituto Superior de Contabilidade e Administração da Universidade de Aveiro exercendo o cargo de Equip. Professora Adjunta, onde também pertence ao Conselho Científico. 18

21 Resumo: Nesta dissertação de mestrado, a autora divide-a em subtemas, sendo eles: crédito ao consumo em Portugal; O crédito pessoal na Caixa Geral de Depósitos e as sociedades financeiras para aquisições de crédito. No primeiro subtema faz referência à evolução do crédito dos anos 70 aos anos 90, tendo sido nestes últimos que o crédito ao consumo em Portugal registou um forte crescimento. No segundo, apresenta um estudo de caso realizado na Caixa Geral de Depósitos com o fim de saber mais informações acerca do tipo de produtos disponibilizados ao consumidor, as condições de concessão de crédito, os tipos de produtos financiados, entre outros Por último, no terceiro subtema dá a conhecer as SFAC, ou seja, instituições financeiras para aquisições a crédito. Estrutura: É a partir de 1989 que o crédito ao consumo em Portugal apresenta um forte crescimento, tendo sido as décadas de 70 e 80 caracterizadas por um fraco crescimento do mesmo. Isto deve-se ao facto de ter sido instaurado um regime de limite de crédito. O crédito ao consumo é um meio privilegiado de divulgação da imagem dos bancos, de vinculação de clientes (novos e antigos) e de lançamento e implantação de produtos colaterais. (Lobo, 1998: 78). Existe uma grande procura do crédito ao consumo devido à mudança cultural existente na sociedade portuguesa, que põe em primeiro plano o consumo presente e para último plano a acumulação de poupanças. Isto mostra-nos a sociedade consumista em que vivemos, onde a posse de bens e serviços é fundamental para a qualidade de vida, estando relacionada com a valorização pessoal e uma maior despreocupação em relação ao futuro. Todavia, para cativarem novos clientes, as instituições financeiras exercem uma forte influência sobre os consumidores através da publicidade, como: folhetos, anúncios na comunicação social, linhas telefónicas de atendimento e, mais recentemente, nas páginas da internet. Tudo isto, encoraja a banalização do recurso ao crédito, no sentido dos consumidores utilizarem mais crédito e com mas frequência para a satisfação dos impulsos consumistas (Lobo, 1998: 85). Hoje em dia, com crédito ao consumo, as pessoas são impulsionadas a mostrar um nível de vida que não corresponde verdadeiramente ao seu, mas sim, a um nível superior. Muitas pessoas que estavam excluídas de adquirir crédito, devido ao facto de não terem rendimentos suficientes ou que, com a concessão de crédito, tivessem de realizar um maior esforço que não era suportável pelo cliente, agora, tornou-se mais fácil adquirir 19

22 crédito devido à descida das taxas de juro, à supressão de restrições no acesso ao crédito e ao baixo nível de endividamento dos consumidores. No desenrolar desta dissertação a autora fez um estudo de caso na Caixa Geral de Depósitos, cujo objectivo prendia-se com o facto de tentar conhecer mais aprofundadamente a realidade do crédito ao consumo em Portugal, sobretudo: tipo de produtos disponibilizados ao consumidor, condições de concessão de crédito, tipo de produtos financiados, o incumprimento do crédito, entre outros Deste estudo concluise que existe uma flexibilização na atribuição do crédito, nomeadamente, a jovens e reformados. Os créditos atribuídos são proporcionais ao perfil do credor e às suas necessidades. No que diz respeito ao crédito pessoal, este é particularmente procurado para satisfazer necessidades como: comprar uma casa, adquirir um veículo, comprar um computador e electrodomésticos ou, até mesmo, pagar as despesas com a saúde e educação. Outro factor importante a apontar é o facto de neste ano (1998) as famílias portuguesas ainda estarem num nível baixo de endividamento. Como refere a autora (1998), esta situação pode, no entanto, tornar-se num problema sério se o crédito ao consumo mantiver o forte ritmo de crescimento dos últimos anos. Hoje em dia, o que a autora referiu pode comprovar-se, visto que a nossa sociedade a cada dia que passa, encontra-se mais endividada e, quando já não encontram outras soluções, recorrem à DECO com o objectivo de, juntamente com a instituição de crédito, negociar da melhor forma possível o caso dessa pessoa. Para além dos bancos, as sociedades financeiras para aquisições a crédito (SFAC), também são procuradas. O seu principal objectivo é o financiamento da aquisição a crédito de bens ou serviços, podendo o financiamento ser concedido directamente ao comprador, seja particular (bens de consumo) ou empresa (bens de equipamento), quer ao fornecedor. Estas sociedades actuam, assim, como intermediários financeiros, na medida em que realizam uma intermediação entre compradores e vendedores, com o objectivo de facilitar o acesso à aquisição de bens e serviços. (Lobo, 1998: 107) Cada vez mais se assiste ao aparecimento de mais SFAC que são bastante procuradas pelos consumidores. Os créditos mais concedidos pelas SFAC são para a aquisição de electrodomésticos, mobiliário e artigos para o lar. As SFAC actuam através de protocolos com stands de automóveis e grandes superfícies de distribuição, que, encaminham as suas operações financeiras para aquelas instituições de crédito. No meu entender, esta dissertação apresenta-se bem construída, fornecendo ao leitor uma esclarecedora visão sobre o crédito ao consumo em Portugal. Considero que 20

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Crédito ao Consumo em Portugal

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Crédito ao Consumo em Portugal FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Crédito ao Consumo em Portugal Cidália Ramos Coimbra, Dezembro 2007 FICHA TÉCNICA Título: Crédito ao consumo em Portugal Autor: Maria Cidália da Silva Ramos

Leia mais

A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito. 2 de Abril de 2008

A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito. 2 de Abril de 2008 A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito 2 de Abril de 2008 Caracterização dos inquiridos Sexo 37% 63% Feminino Masculino Idade 12% 18-25 anos 18% 26-35 anos 36-45 anos 54% 16% > de 45 anos

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias Natália Nunes Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado CONFERÊNCIA HABITAÇÃO, ARRENDAMENTO

Leia mais

O sobreendividamento

O sobreendividamento Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções 19 de Junho de 2010 O sobreendividamento O papel do Gabinete de Apoio ao Sobreendividado da DECO Natália Nunes GAS Gabinete de Apoio ao Sobreendividado

Leia mais

Boas Práticas, Boas Contas

Boas Práticas, Boas Contas Boas Práticas, Boas Contas www.boaspraticasboascontas.pt - www.bpbc.pt Neste prédio vivem oito famílias com situações financeiras diversas, de diferentes idades, com necessidades distintas em termos de

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 11.2.2008 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a melhoria da educação financeira dos consumidores e da sua sensibilização

Leia mais

O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar?

O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar? O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar? Luísa Marabuto Clara Magalhães Celeste Varum Carla Monteiro GEACE-UA 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira 15 e 16 de Julho de

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Sérgio Nuno Damas Coimbra, 2010 Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Fontes de Informação Sociológica Professor Paulo Peixoto Licenciatura em Sociologia 2º Semestre Tema: Pobreza e Exclusão Social

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 10/2008. Preâmbulo

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 10/2008. Preâmbulo Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 10/2008 Preâmbulo A divulgação pelas instituições de crédito e sociedades financeiras de informação sobre produtos e serviços financeiros, no âmbito

Leia mais

Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. Observatório do Endividamento dos Consumidores

Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. Observatório do Endividamento dos Consumidores Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens Observatório do Endividamento dos Consumidores 2 Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. 1. Considerações

Leia mais

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM As soluções de Gestão comercial GM são uma ferramenta essencial e indispensável para a correcta gestão de negócio e fomentador do crescimento sustentado das Empresas. Criado de raiz para ser usado em

Leia mais

ESEIGlobal Simulador Empresarial 3ª Edição - 2005/2006 NEGÓCIOS. Ana Pestana SEGMENTO DE MERCADO CAPACIDADE FINANCEIRA.

ESEIGlobal Simulador Empresarial 3ª Edição - 2005/2006 NEGÓCIOS. Ana Pestana SEGMENTO DE MERCADO CAPACIDADE FINANCEIRA. PLANO DE NEGÓCIOS Ana Pestana VIABILIDADE DO PROJECTO SEGMENTO DE CAPACIDADE FINANCEIRA Ana Pestana 1 CARACTERÍSTICAS Elevado nível de objectividade Adaptado àrealidade do projecto Transmitir uma imagem

Leia mais

Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHC Mensagens SMS CS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS CS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso:

Leia mais

Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30%

Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30% Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30% PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 11 DE MARÇO DE 2013 POR ALBERTO PITA~ ENTREVISTA A GRAÇA MONIZ Na semana em que é assinalado o Dia do Consumidor,

Leia mais

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto:

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto: Exemplos de Inovação Neste documento apresenta-se uma descrição dos vários tipos de inovação e respectivos exemplos para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com a introdução de inovações.

Leia mais

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A.

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Economia e Gestão - 2000/2001 Trabalho nº1 Análise Económico Financeira

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008 Sociedade da Informação e do Conhecimento 04 de Novembro 2008 Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008 Banda larga presente em 86% dos agregados domésticos

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Plano de Aula 1 Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Competências - Comparar as taxas associadas aos diferenets cartões de crédito. - Comparar as taxas com a inflação.

Leia mais

Responsabilidades no crédito II

Responsabilidades no crédito II Responsabilidades no crédito II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 26 DE MARÇO DE 2012 POR JM A Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal tem como principal objectivo apoiar

Leia mais

UM ESPECIALISTA AO SEU LADO. www.doutorfinancas.pt

UM ESPECIALISTA AO SEU LADO. www.doutorfinancas.pt UM ESPECIALISTA AO SEU LADO www.doutorfinancas.pt Programa Principais sintomas de doença financeira Principais Ferramentas de Gestão de Finanças Pessoais Orçamento familiar O Negócio Bancário Mecanismos

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO *

O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO * PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2012 POR O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO * Elaborar o orçamento familiar é muito importante porque permite controlar melhor

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * *

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Escola Profissional de Agentes de Serviço e Apoio Social Curso de Animador Social/Assistente Familiar Área Científica - ECONOMIA * * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Módulo 4: MOEDA E MERCADO FINANCEIRO

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.494/12.0 TBVNG 1º Juízo Cível Insolventes: ESMERALDA MARIA RIBEIRO CARVALHO GONÇALVES E ANÍBAL AUGUSTO RODRIGUES GONÇALVES Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário A Internet: Modelos de Negócio, Publicidade e Meios

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO Índice Conceito de responsabilidade de crédito Central de Responsabilidades de crédito (CRC) O que é a CRC? Para que serve a CRC? Mapa de

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

1 Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto.

1 Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto. MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Decreto-Lei n.º 51/2007 de 7 de Março (Alterado pelo Decreto-Lei n.º 88/2008, de 29 de Maio, e pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto) Artigo 1.º 1 Objecto

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 03 de Dezembro de 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL EM PORTUGAL

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL EM PORTUGAL Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra COMBATE AO TRABALHO INFANTIL EM PORTUGAL Bárbara Rodrigues Coimbra Maio de 2010 Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas?

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? Novos apoios a pessoas sobreendividadas Perguntas & Respostas 18 de Março de 2009 1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? As medidas hoje apresentadas visam criar novos mecanismos

Leia mais

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia Business Research Unit (UNIDE-IUL) / Instituto Universitário de Lisboa Ed. ISCTE-IUL, Av. Forças Armadas 1649-026 Lisbon Portugal Phone: 210 464 019 E-mail: bru-unide@iscte.pt Internet: http://www.bru-unide.iscte.pt/

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet, os computadores, ostelefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhos Práticos Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores 1. Objectivos 2. Calendarização 3. Normas 3.1 Relatório 3.2 Avaliação 4. Propostas Na disciplina de Programação

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO

CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO A UNICRE UNICRE Instituição Financeira de Crédito, S.A Especialista em cartões de pagamento desde 1974 Sede: Av. António Augusto de Aguiar, 122 Lisboa www.unicre.pt Emissora

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA. Gestão do orçamento familiar

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA. Gestão do orçamento familiar PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Gestão do orçamento familiar 1 PLANO DE EXPOSIÇÃO A importância do orçamento familiar Rendimentos e despesas Risco e incerteza Saldo do orçamento Elaboração do orçamento

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO 2013 GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO CARTÕES DE CRÉDITO Definição Cartão de crédito é modalidade de pagamento à vista, objeto de um contrato de adesão entre o consumidor e uma administradora de cartões,

Leia mais

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009)

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Assunto: s às Perguntas Mais Frequentes sobre a Instrução da CMVM n.º 3/2008 - Informação sobre Concessão de Crédito para a

Leia mais

Protecção do Consumidor

Protecção do Consumidor Protecção do Consumidor na Era 2.0 Fevereiro 2010 Fevereiro 2009 Protecção do Consumidor na Era 2.0 Protecção do Consumidor na Era 2.0 Destaques 3 Atitudes em Relação à Publicidade... 4 O Consumidor face

Leia mais

O melhor crédito para você

O melhor crédito para você 1016324-4 - abr/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

Banca, Seguros e Mercados Financeiros

Banca, Seguros e Mercados Financeiros Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Vasco da Gama Sines Tecnopolo Pós-Graduação Banca, Seguros e Mercados Financeiros Edital 2ª Edição 2011 1 Enquadramento A Escola Superior

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

IMIGRANTES E SERVIÇOS FINANCEIROS QUESTIONÁRIO. N questionário. Cidade em que habita:. Sexo: M F Idade:

IMIGRANTES E SERVIÇOS FINANCEIROS QUESTIONÁRIO. N questionário. Cidade em que habita:. Sexo: M F Idade: IMIGRANTES E SERVIÇOS FINANCEIROS QUESTIONÁRIO N questionário Cidade em que habita:. Sexo: M F Idade: Grau de Ensino: 1. Nenhum 2. Escola primária ou ciclo preparatório 3. Escola Secundária/qualificações

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA 03 DE DEZZEMBRO 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL Exposição e Propostas da FESETE à Reunião com o Senhor Ministro do Trabalho no dia 19 de Dezembro de 2008 1. Nota Introdutória: As ITVC, em resultado do seu enquadramento num mercado global, desregulado

Leia mais

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR Rua Henrique Bravo, 6929 e 6967 4465-167 S. Mamede de Infesta Portugal 1 Filosofia/Historial A 3infor é uma empresa especializada em software profissional, com um produto inovador

Leia mais

Ocrédito à habitação barato,

Ocrédito à habitação barato, risco de explosão Ocrédito à habitação barato, com spreads (margem financeira do banco) abaixo de 1% e financiamentos de 100% ou mais, ainda é uma recordação recente. Durante muito tempo, os bancos de

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

CAPITULO 4. Comércio e Moedas

CAPITULO 4. Comércio e Moedas CAPITULO 4 Comércio e Moedas Comércio noção e tipos A evolução da moeda formas e funções A moeda portuguesa O Euro O preço de um bem noção e componentes A inflação noção e medida A inflação em Portugal

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS. Meios de Pagamento utilizados no Comércio Internacional

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

0,25 120 1,2 100 2,3 100

0,25 120 1,2 100 2,3 100 Tema de vida: O mundo em mudança somos consumidores Nome do Formando: Data: / / A percentagem é um dos conceitos matemáticos mais utilizado no dia-a-dia. Por exemplo, quando lemos jornais, ouvimos a rádio,

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais