PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno"

Transcrição

1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno TIPO DE AUDITORIA: ACOMPANHAMENTO DA GESTÃO UNIDADE AUDITADA: SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO CÓDIGO: CIDADE: Brasília/DF RELATÓRIO Nº: UCI : SFC/DEPOG - Coordenação-Geral das Áreas de Planejamento, Orçamento e Gestão RELATÓRIO DE AUDITORIA Em atendimento à determinação contida na Ordem de Serviço nº , apresentamos os resultados dos exames realizados sobre atos e consequentes fatos de gestão, ocorridos na Unidade referida, no período de 08/09/2005 a 31/08/2013. I Escopo do Trabalho Os trabalhos foram realizados na Sede da Unidade Gestora Secretaria do Patrimônio da União SPU/MP, em Brasília, no período de 30/07/2013 a 30/08/2013, em estrita observância às normas de auditoria aplicáveis ao serviço público federal, objetivando o acompanhamento a posteriori dos atos e fatos de gestão referentes à destinação patrimonial de imóveis da União ocorridos no período de abrangência do trabalho, qual seja, 08/09/2005 a 31/08/2013. Cabe ressaltar que houve dificuldades, por parte da Secretaria, em atender as solicitações de auditoria emitidas ao longo do trabalho, o que afetou o andamento da auditoria, conforme detalhado no item deste relatório. Foram avaliados os controles internos mantidos pela SPU/MP no âmbito da condução da destinação patrimonial de imóveis da União para fins de provisão habitacional de interesse social, que adotam como estratégia de execução parcerias com entidades privadas sem fins lucrativos, tendo como amostra os processos nº / e / Tais processos resultaram, respectivamente, nos contratos de Concessão de Direito Real de Uso - CDRU com a Associação Pró-Morar do Movimento Vida de Samambaia AMMVS (CNPJ / ) e com Cooperativa Habitacional do Recanto das Emas COOHREMAS (CNPJ / ), respectivamente, no âmbito da Superintendência do Patrimônio da União no DF SPU/DF. A escolha do processo de destinação patrimonial de imóvel da União em Riacho Fundo II 4ª Etapa, objeto do contrato de CDRU firmado entre a SPU/DF e a AMMVS, se deu em razão de variadas denúncias no âmbito de órgãos de controle, bem como na mídia, cujos conteúdos apontam para potenciais fragilidades no macroprocesso 1

2 de destinação, especificamente no que se refere a parcerias com entidades do terceiro setor, a exemplo de associações e cooperativas habitacionais. Adicionalmente, a escolha do processo de destinação de imóvel localizado na QNM 12 VIA NM 12-B Lote 06 Ceilândia, objeto do contrato de CDRU entre a SPU/DF e a COOHREMAS, se deu por ser um processo recente e relativo à área localizada no Distrito Federal, inserido no mesmo macroprocesso/ação objeto do presente trabalho (parcerias com entidades privadas sem fins lucrativos). O trabalho realizado foi orientado no intuito de responder às seguintes questões de auditoria: I Os procedimentos de destinação são formalizados, institucionalizados e suficientes para a adequada condução dos processos de destinação? II Existem fragilidades no fluxo do macroprocesso de destinação? III A minuta padrão do contrato de CDRU utilizado é suficiente para minimizar os riscos inerentes ao processo de destinação? IV A publicidade dada ao processo é ampla o suficiente para promover efetivo controle social? V Foram adotadas ações no sentido de sanar os eventuais vícios existentes no âmbito dos processos de destinação escolhidos na amostra? II Resultado dos Exames 1 Democracia e Aperfeiçoamento da Gestão Pública 1.1 Destinação de Imóveis da União Efetividade dos Resultados Operacionais Informação Descrição da Ação 20U4 - Gestão do Patrimônio Imobiliário da União / Plano Orçamentário Destinação de Imóveis da União Ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MP, por meio de sua Secretaria do Patrimônio da União SPU/MP, compete a administração patrimonial da União, mais especificamente seu patrimônio imobiliário, conforme disposto no art. 39 do Decreto 7.675/2012. A administração patrimonial compreende a incorporação, preservação, caracterização, cadastramento, destinação e regularização dos imóveis da União, bem como a arrecadação das receitas daí provenientes e a fiscalização de seu estado e uso. Em termos orçamentários, estas atribuições estão dispostas no Programa 2038 Democracia e Aperfeiçoamento da Gestão Pública, no qual insere-se a Ação 20U4 Gestão do Patrimônio Imobiliário da União. Esta ação abrange, a partir do exercício de 2013, vários planos orçamentários, dentre eles o 0003 Destinação de Imóveis da União. Os recursos orçamentários destinados para este fim, para o referido exercício, são os dispostos na tabela abaixo: Tabela. Recursos Orçamentários da Ação Ação.PO PLOA (R$) LOA (R$) Liquidado (R$) 20U , , ,13 Fonte: dados extraídos do SIOP em 20/09/

3 A atividade de Destinação é voltada para o apoio às políticas públicas, ao desenvolvimento local e ao funcionamento de órgãos da Administração Pública Federal. Essa atuação deve se pautar pelo disposto na Constituição Federal, a qual destaca a função social da propriedade, o direito fundamental à moradia e a concessão de áreas públicas para a reforma urbana e agrária. A Lei nº 9.636/98 dispõe sobre a regularização, administração, aforamento e alienação de bens imóveis de domínio da União, destacando as competências da SPU no processo. Em 2005 foi editada a Lei nº , instituindo o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social SNHIS, que objetiva viabilizar a habitação digna e sustentável à população de menor renda, centralizando todos os programas e projetos destinados à habitação de interesse social. Além disso, tal normativo estabelece como uma de suas diretrizes a utilização prioritária de terrenos de propriedade do poder público para implantação de projetos habitacionais de interesse social. Posteriormente, em 2007, a Lei nº foi alterada para permitir o repasse de recursos públicos diretamente a entidades privadas sem fins lucrativos cujos objetivos estejam em consonância com os do SNHIS. No mesmo ano foi publicada também a Lei nº , que prevê a possibilidade de cessão de imóveis da União para a mesma espécie de entidades, sob o regime de concessão de direito real de uso resolúvel dispensando-se a licitação para associações e cooperativas. No exercício seguinte, por meio da Portaria nº 80, de 26/03/2008, foi criado Grupo de Trabalho para discussão de critérios para destinação de imóveis da União para programas de provisão habitacional de interesse social e fortalecimento da gestão democrática desse patrimônio, posteriormente chamado de Grupo de Trabalho Nacional (GTN) por força da Portaria nº 199, de 21/10/2008. Em complemento a esta política, a SPU/MP, utilizando-se da Portaria nº 436, de 28/11/2008, orientou as Superintendências do Patrimônio da União a criarem Grupos de Trabalho Estaduais (GTEs) para discussão de critérios para destinação de imóveis da União para programas de provisão habitacional de interesse social e fortalecimento da gestão democrática desse patrimônio. Em decorrência desse papel desempenhado pela SPU, o presente trabalho concentrou-se na avaliação dos controles internos mantidos pela Secretaria no que se refere à destinação de imóveis da União para projetos de habitação de interesse social, envolvendo as citadas entidades. Com isso, a equipe de auditoria analisou o fluxo de ações adotado pela SPU/MP, bem como as seguintes destinações, objetos da amostra: Quadro. Destinações analisadas Imóvel Entidade Área Famílias a serem atendidas Data de assinatura da CDRU Riacho Fundo II 4ª Etapa AMMVS m² /05/2006 QNM 12 VIA NM 12-B Lote 06 - Ceilândia COOHREMAS 800m² 72 23/03/2011 Fonte: contratos de CDRU constantes dos processos nº / e / O fluxo a seguir, encaminhado pela Unidade por meio de resposta à Solicitação de Auditoria nº /004, refere-se especificamente aos processos de destinação patrimonial para fins de provisão habitacional de interesse social que adotam como estratégia de execução parcerias com entidades privadas sem fins lucrativos: 3

4 Fonte: Anexo ao Ofício nº 867/2013-SPU/MP, de 16 de setembro de

5 De acordo com os gestores, o fluxo pode ser resumido da seguinte forma: - As Superintendências do Patrimônio da União nos estados e DF indicam imóveis em áreas urbanizadas e dotadas de infraestrutura urbana, passíveis de destinação para o desenvolvimento de projetos de empreendimentos habitacionais de interesse social. Após a apresentação desses imóveis no âmbito dos GTEs, são selecionados aqueles que, à primeira vista, são adequados à provisão habitacional. - O passo seguinte é a realização das vistorias participativas com técnicos da SPU, CAIXA e representantes do GTEs, por meio das quais são elaborados relatórios simplificados, hábeis a justificar a vocação dos imóveis para os fins sugeridos. É utilizado um roteiro mínimo e preenchida uma ficha de vistoria participativa que compreende diagnóstico prévio do imóvel, regularidade fundiária e legislação incidente. - A partir da seleção dos imóveis que apresentam aptidão para abrigar empreendimentos habitacionais de interesse social, a SPU realiza a publicação no D.O.U. de Portaria de Declaração de Interesse do Serviço Público (PDISP) do(s) imóvel(is) selecionado(s) no âmbito do GTE e, por meio deste instrumento, faz o chamamento público das entidades interessadas em empreender projeto de HIS nos imóveis reservados. - Os critérios obrigatórios para seleção das entidades são: estar a entidade habilitada no Ministério das Cidades com entidade organizadora (EO) no âmbito dos programas de habitação de interesse social direcionados ao atendimento da demanda organizada por EO e executadas com recursos do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS), em conformidade com a resolução CCFDS nº 194/2012 e nº 291/2012; ter sede na unidade da federação do GTE. Esses critérios são obrigatórios e determinantes para pré-classificação das entidades que apresentarem manifestação de interesse sobre os imóveis reservados. Outros critérios classificatórios são elencados na Portaria, hábeis a auxiliar no processo seletivo das entidades e dar transparência ao formato utilizado pela Secretaria do Patrimônio da União, justificando inclusive a dispensa de licitação neste tipo de destinação. - Uma vez selecionada a entidade que apresentar melhor proposta e atender aos critérios classificatórios, a SPU/UF dá publicidade da seleção no âmbito do GTE/UF, emite Termo de Anuência autorizando a entidade a tomar todas as providências necessárias para dar andamento ao pedido de financiamento habitacional junto à CAIXA, etapa que compreende também a elaboração e aprovações dos projetos, vistorias e levantamentos de campo, se comprometendo a destinar o imóvel à entidade até a contratação do financiamento desta junto à CAIXA. - Enquanto a Entidade elabora o projeto, leva à aprovação da prefeitura e órgãos ambientais e toma as demais providências 5

6 necessárias para obter o financiamento aprovado junto à CAIXA, a SPU promove todas as medidas necessárias para regularização patrimonial do imóvel, tornando-o livre e desimpedido para a destinação proposta e assina o contrato de destinação com a entidade, prioritariamente, por meio de Cessão, sob o regime de Concessão de Direito Real de Uso CDRU, com cláusulas resolutivas. Cabe destacar que, apesar de não estar evidenciado no fluxo apresentado, após a assinatura do contrato de CDRU, os gestores informaram que ainda constam as seguintes etapas: a SPU/MP publica no DOU o extrato do contrato; a entidade beneficiária leva a CDRU a registro no Cartório de Registro de Imóveis; e após a conclusão das obras, também é levado a registro, pela entidade, a individualização da CDRU em nome das famílias beneficiadas. Adicionalmente, foi enviada documentação referente ao Plano de Aceleração de Áreas para Habitação, estratégia traçada para agilizar procedimentos de destinação de imóveis da União em discussão no âmbito dos Grupos de Trabalho Estaduais, bem como orientações sobre o Plano para as Superintendências, o qual altera o fluxograma conforme segue: 6

7 Fonte: Anexo ao Ofício nº 867/2013-SPU/MP, de 16 de setembro de A alteração mais significativa no fluxo, contudo, diz respeito ao momento em que é celebrado o contrato de CDRU, que antes era condicionado à aprovação do projeto pela CEF e da análise do processo pela Consultoria Jurídica do Ministério CONJUR/MP e agora não mais dependerá da execução destas etapas. As etapas descritas anteriormente foram objeto de análise na presente auditoria, cujo resultado foi dividido nos seguintes aspectos dispostos ao longo do relatório: - marco regulatório; - planejamento (impessoalidade, papel dos Grupos de Trabalho, fluxo de atividades); - instrumento contratual; - acompanhamento e fiscalização contratual; - publicidade; e - canais de comunicação com a sociedade e tratamento dado às denúncias. 7

8 Constatação Fragilidades dos controles primários da Unidade na destinação de imóveis da União para fins de Provisão Habitacional de Interesse Social que adote como estratégia de execução parcerias com entidades privadas sem fins lucrativos. Por meio da Solicitação de Auditoria nº /002, foi requisitado que a SPU listasse todos os normativos legais e infralegais utilizados para balizar os processos de destinação de imóveis da União ora tratados, cuja resposta segue abaixo na íntegra: Quadro. Normativos Destinação de imóveis Normativo Data Assunto Decreto Lei de setembro de 1946 Dispõe sobre os bens imóveis da União e dá outras providências. Lei de maio de 1998 Dispõe sobre a regularização, administração, aforamento e alienação de bens imóveis da União. Lei de maio de 2007 Dá nova redação à dispositivos das Leis 9.636/98, 8.666/93, etc. Lei de junho de 2009 Dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal; altera as Leis 8.666/93 e 6.015/73; e dá outras providências. Decreto de janeiro de 2001 Regulamenta a Lei 9.636/98 e dá outras providências. Memorando SPU nº de outubro de 2009 Orientações para a Destinação do Patrimônio da União. Decreto de novembro de 1993 Dispõe sobre a cessão de uso e a administração de imóveis residenciais de propriedade da União a agentes públicos federais, e dá outras providências. Portaria Interministerial 596 Portaria Interministerial de dezembro de 2011 Fica delegada ao Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA a função de promover a Concessão de Direito Real de Uso CDRU, no âmbito da Amazônia Legal, de imóveis rurais situados em glebas públicas arrecadadas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA em seu próprio nome ou em nome da União. 2 de dezembro de 2009 O ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão MP, através da Secretaria do Patrimônio da União SPU, efetuará a entrega ao Ministério do Meio Ambiente MMA, nos termos do Decreto-Lei nº 9.760, de 1946, das áreas de domínio da União, ainda não incorporadas ao seu patrimônio, localizadas em Unidades de Conservação Federais de posse e domínio públicos integrantes do Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC, conforme Lei nº 9.985, de Portaria de junho de 2010 Delegação de competência aos Superintendentes do Patrimônio da União. Portaria de abril de 2010 Subdelegação de competência do Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão para a Secretária do Patrimônio da União. Portaria SPU de dezembro de 2012 Estabelece normas e procedimentos para a instrução de processos visando à cessão de espaços físicos em águas públicas e fixa parâmetros para o cálculo do preço público devido, a título de retribuição à União. Orientação Normativa 25 de janeiro de 2002 Aforamento Oneroso de Imóveis Dominiais da União. GEANE 01 Orientação Normativa 25 de setembro de 2002 Aforamento Gratuito de Imóveis Dominiais da União. GEANE 02 Orientação Normativa 24 de janeiro de 2001 Entrega de Imóvel da União Próprio Nacional. GEAPN 01 Orientação Normativa 24 de janeiro de 2001 Cessão de Uso Gratuito de Imóvel da União Próprio GEAPN 02 Nacional. Fonte: Ofício nº 784/2013-SPU/MP, de 26 de agosto de Obs.: foram grifados, pela equipe de auditoria, aquelas normativos mais relevantes para o escopo estabelecido no presente trabalho. 8

9 A partir da análise dos instrumentos citados, observa-se que não há, até o momento, normativo institucional publicado, de cunho tático-operacional, que estabeleça os procedimentos a serem seguidos pelas Superintendências do Patrimônio da União nos Estados e no Distrito Federal, no que se refere à destinação patrimonial de imóveis da União para fins de provisão habitacional de interesse social que adote como estratégia de execução parcerias com entidades privadas sem fins lucrativos. Ressalta-se, inclusive, que o Memorando SPU nº 90, de 29/10/2009, intitulado Orientações para a Destinação do Patrimônio da União, basicamente concentrou-se em informar os diversos instrumentos jurídicos de destinação, a exemplo da Concessão de Direito Real de Uso CDRU, associando-os às situações aplicáveis a cada caso. De forma geral, o ordenamento jurídico relativo à espécie de destinação ora analisada se restringe ao disposto na Lei nº 9.636/98, regulamentada pelo Decreto nº 3.725/01, e suplementada pela Lei nº /07, não havendo dispositivos infralegais de natureza tático-operacional formalmente publicados, a exemplo de instruções e/ou orientações normativas, o que fragiliza os controles primários da Unidade. Causa: Ausência de normativo tático-operacional que discipline a destinação de imóveis da União para fins de Provisão Habitacional de Interesse Social que adote como estratégia de execução parcerias com entidades privadas sem fins lucrativos. Manifestação do Auditado: Questionada acerca da institucionalização de procedimentos, a Unidade apresentou fluxograma relacionado aos processos de destinação patrimonial de imóveis da União para fins de provisão habitacional de interesse social envolvendo entidades do terceiro setor, já apresentado no item do presente relatório. Posteriormente, quando da análise do Relatório Preliminar, a SPU confirmou a inexistência de normativos infralegais, ressaltando a elaboração e disseminação junto às Superintendências do Patrimônio da União nos Estados por meio de uma série de orientações e memorandos circulares. Informou ainda a intenção de elaborar norma interna que unifique os procedimentos de destinação de áreas da União para Habitação de Interesse Social, nos próximos três meses, a contar do início de janeiro de Análise do Controle Interno: A Lei /05 estabelece os objetivos, princípios, diretrizes e principais atores envolvidos na política pública de habitação de interesse social. Entretanto, não obstante tais definições, o papel tático-operacional da SPU/MP, no que tange a essa política pública, carece de normatização. Apesar de a Unidade ter apresentado fluxograma e haver informado sua utilização por parte das Superintendências, tal instrumento está, por si só, aquém do necessário para suprir as necessidades de normatização do processo de destinação patrimonial de imóveis da União para fins de provisão habitacional de interesse social que adote como estratégia de execução parcerias com entidades privadas sem fins lucrativos. Tal fato é confirmado, por exemplo, ao verificar-se que o instrumento não apresenta nenhuma etapa de acompanhamento/ fiscalização. 9

10 Em virtude da complexidade e relevância da Ação, ressalta-se que o fluxograma deveria ser encarado como uma ferramenta acessória, dado sua natureza sintética, e não como o objeto principal, papel este que caberia à norma propriamente dita. Ainda, entende-se que a existência de normativos oficiais que padronizem os procedimentos utilizados pelas Superintendências é crucial para o desempenho da missão institucional da Secretaria, qual seja Conhecer, zelar e garantir que cada imóvel da União cumpra sua função socioambiental, em harmonia com a função arrecadadora, em apoio aos programas estratégicos para a Nação. Além disso, a falta de normativo institucionalizado e publicado compromete a disseminação do conhecimento, pois esta pode ficar condicionada a iniciativas pontuais e individualizadas de seus detentores, e realizadas caso a caso. Igualmente, quando ocorrem mudanças em normativos correlatos ou no próprio procedimento, a difusão dessas alterações resta fragilizada, uma vez que não se encontra institucionalizado. Adicionalmente, a ausência de procedimentos padronizados e oficializados potencializa os riscos de impropriedades e/ou irregularidades nos processos correlatos visto que, sem a norma, a delimitação do arbítrio do gestor fica fragilizada, podendo comprometer, em especial, a impessoalidade dos atos. Visto que não há que se falar em obrigatoriedade de cumprimento de dispositivos não publicados, a supervisão, pelo Órgão Central, das ações executadas pelas Superintendências, pode restar enfraquecida, além de ter sua efetividade reduzida, em virtude da dificuldade de responsabilização por eventuais falhas. Em que pese a equipe de auditoria ter observado a disseminação do fluxograma e dos modelos de atos administrativos necessários (portarias de declaração de interesse do serviço público e de autorização de cessão, modelo de contrato de CDRU, etc.) por meio de memorando às Superintendências, no que se refere ao Plano de Aceleração de Áreas para Habitação, ressalta-se que tal iniciativa resta insuficiente para sanar as questões apontadas anteriormente, pois não garante a institucionalização dos procedimentos. Cabe destacar que o Decreto nº 7.675, de 20/01/2012, que define a estrutura da Secretaria destaca, dentre outros, o Departamento de Destinação Patrimonial, ao qual compete coordenar, controlar e orientar as atividades relacionadas com o desenvolvimento de ações e projetos voltados à destinação, à regularização fundiária, à normatização de uso e à análise vocacional dos imóveis da União. Além disso, de acordo com o Relatório de Gestão de 2012, tal Departamento engloba a Coordenação- Geral de Habitação e Regularização Fundiária, a qual compete o estabelecimento de critérios para destinação de imóveis à habitação de interesse social nos Estados e Distrito Federal, observando-se, assim, a existência de áreas que poderiam assumir esse papel normatizador. Diante do exposto e conforme corroborado pela Unidade em resposta ao relatório preliminar, fica evidente a necessidade de que os procedimentos de destinação patrimonial de imóveis para fins de habitação de interesse social executadas em parceria com o terceiro setor sejam normatizados, especialmente pelo fato de que tal silêncio normativo perdura há mais de 6 anos e que, neste interim, foram promovidas, até o momento, 104 destinações, conforme planilha de controle dos processos de destinação de imóveis da União para HIS GTs, fornecida pela Unidade. 10

11 Recomendação 001: Recomendamos à SPU/MP que elabore normativos infralegais, de caráter tático/operacional, capazes de disciplinar suficientemente os procedimentos a serem adotados pela própria Secretaria e pelas Superintendências, no que se refere à destinação patrimonial de imóveis para fins de habitação de interesse social executadas em parceria com o terceiro setor, dando ampla publicidade a estes normativos Constatação Possibilidade de melhorias na atuação do Grupo de Trabalho Nacional GTN e dos Grupos de Trabalho Estaduais GTEs. Em decorrência do disposto na Lei nº /05, que determina a utilização prioritária de terrenos de propriedade do poder público para implantação de projetos habitacionais de interesse social, a SPU/MP, em trabalho conjunto com as suas Superintendências, selecionou, no período de abril/07 a março/08, 31 áreas passíveis de disponibilização para projetos de tal natureza. Objetivando debater os critérios para a destinação dos imóveis da União e fomentar o fortalecimento da gestão democrática, foi instituído Grupo de Trabalho GT no âmbito da SPU/MP, por meio da Portaria nº 80, de 27/03/2008. Em seu art. 1º, este instrumento definiu os seguintes objetivos do Grupo de Trabalho: I. Propor critérios para a transferência de áreas da União com vocação habitacional para associações e cooperativas de interesse social, nos termos do art. 18, 1º, da Lei nº 9.636/1998. II. Propor estratégias para identificação e avaliação do potencial construtivo de áreas da União com vocação para a provisão habitacional de interesse social, em apoio às Gerências Regionais do Patrimônio da União. III. Propor estratégias e formular ações para o fortalecimento da gestão democrática nas ações de regularização fundiária e provisão de habitação de interesse social em áreas da União. Como resultado dos esforços do GT, foram utilizados como critérios eliminatórios, a serem aplicados sobre os 31 imóveis já selecionados, os que seguem: vigência de cessão a outros órgãos; impedimentos legais considerando a legislação de uso e ocupação do solo municipal ou a existência de sentença judicial sobre o imóvel; e áreas rurais extensas e sem infraestrutura. Em função destes critérios, definiu-se 21 áreas para seleção pública conjunta no âmbito da Ação de Apoio à Produção Social da Moradia, do Programa de Habitação de Interesse Social, operada com recursos do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS), disponibilizadas por meio da Portaria nº 388, de 21/10/2008. Outro importante resultado do Grupo de Trabalho foi uma maior articulação institucional com os diversos atores envolvidos, neste caso o Ministério das Cidades - MCidades e a Caixa Econômica Federal CEF, em decorrência da participação destes no GT. Como resultado desta maior integração, inseriu-se menção à SPU, no item 4.5 do Capítulo XII da Instrução Normativa nº 47/2008 do Ministério das Cidades, e restringiu-se os casos em que as áreas da União poderiam ser contempladas pelo programa habitacional. Assim, as propostas a serem desenvolvidas em imóveis de 11

12 propriedade da União só poderiam ser selecionadas quando contemplassem áreas para as quais tivesse processo de cessão iniciado junto à SPU, ou em áreas disponibilizadas para esta seleção em portaria daquela Secretaria. Vale ressaltar que a Portaria nº 199, de 08/10/2009, prorrogou a vigência do Grupo de Trabalho por prazo indeterminado, tornando-o de caráter permanente, e alterou sua nomenclatura para Grupo de Trabalho Nacional GTN, aparentemente no intuito de definir sua posição com relação aos Grupos de Trabalho Estaduais criados em Quanto a estes, na introdução elaborada pela Unidade para subsidiar a resposta à Solicitação de Auditoria nº /004, foi informado que sua criação baseou-se no êxito da experiência com o GTN e da estrutura descentralizada da SPU, tendo as Superintendências sido orientadas nesse sentido por meio da Portaria nº 436, de 28/11/2008. A portaria também sugere a composição dos mesmos no que se refere aos representantes dos atores externos à União (poderes públicos estadual/municipal e sociedade civil) e seus objetivos, quais sejam: I - Propor critérios para a transferência de áreas da União com vocação habitacional para associações e cooperativas de interesse social, nos termos do art. 18, 1º, da Lei nº 9.636/1998. II - Promover a avaliação da aptidão de imóveis da União e da extinta Rede Ferroviária Federal S.A.- RFFSA para destinação a programas de provisão habitacional de interesse social mediante levantamento da situação dominial e a realização de vistorias participativas; III - Promover e fortalecer a gestão democrática nas ações de regularização fundiária e provisão de habitação de interesse social em áreas da União. Não obstante os resultados obtidos pela ação de replicar a iniciativa para o âmbito estadual, foram observadas possibilidades de melhoria na atuação dos citados Grupos de Trabalho quanto aos seguintes aspectos: Objetivos; Competências; Composição dos GTEs; e Publicidade. Primeiramente, no que se refere aos objetivos definidos para o Grupo de Trabalho Nacional, verificou-se que a Portaria nº 199, de 08/10/2009, alterou o disposto originalmente, assim redefinindo-os: I - Apoiar a implementação e desenvolvimento das ações dos Grupos de Trabalho Estaduais de apoio à destinação de imóveis da União para projetos de habitação de interesse social das Superintendências do Patrimônio da União nos 27 Estados e Distrito Federal, fortalecendo a gestão democrática na Secretaria do Patrimônio da União; II - Discutir fluxos e procedimentos para a integração da destinação de imóveis da União às Políticas de Habitação de Interesse Social; 12

13 III - Propor critérios para a identificação e destinação de imóveis da União com vocação para a provisão habitacional de interesse social em apoio às Superintendências do Patrimônio da União; IV - Fomentar o diálogo e elaborar informes ao Conselho Nacional das Cidades - CONCIDADES sobre a destinação de imóveis da União para habitação de interesse social e integração das políticas fundiária e de provisão habitacional. Porém, ao analisar o disposto na Portaria nº 296, de 04/10/2011, que novamente regulamentou o GTN, observou-se que os objetivos inicialmente propostos foram retomados, ignorando as alterações descritas acima e, consequentemente, sobrepondo-se com os objetivos definidos para os Grupos de Trabalho Estaduais. Nota-se que as alterações iniciais, promovidas em função da Portaria 199/2009, conferiam um caráter estratégico ao GTN, não só ao determinar que este estabelecesse um diálogo permanente com o Ministério das Cidades (Órgão Central da política de habitação de interesse social) e o CONCIDADES, mas ao colocá-lo como instância de apoio aos GTEs. A sobreposição causada pelo retorno aos objetivos originais do GTN agrava o risco de não uniformização dos critérios para destinação de imóveis pelas diversas Superintendências, visto que estas passam a analisar e/ou implementar as propostas de seus respectivos GTEs de forma autônoma, ao invés de adotar, via GTN, uma abordagem sistêmica e padronizada. Esse problema é agravado porque nem o Órgão Central nem as Superintendências publicizam quais os critérios propostos pelos GTs foram efetivamente aceitos e utilizados, culminando em possíveis consequências a exemplo das já abordadas no item deste relatório. Quanto às competências dos Grupos de Trabalho (GTEs e GTN), não há definição formal nos atos de criação ou em qualquer outro instrumento normativo. Porém, em que pese as respectivas portarias serem silentes, verificou-se, por meio das respostas às Solicitações de Auditoria constantes do Ofício nº 867/2013-SPU/MP, que no caso dos GTEs estão sendo desenvolvidas diversas atividades, a saber: realização de vistorias nos imóveis públicos juntamente com a SPU e a CEF; participação na seleção dos imóveis a serem destinados à habitação de interesse social; seleção das propostas e projetos a serem contemplados com a cessão do imóvel esta última a cargo de uma comissão julgadora formada por membros do GTE. As atividades relatadas pela SPU e descritas no parágrafo anterior não condizem com os objetivos definidos nas Portarias de criação dos GTEs, uma vez que estes estão exercendo ações de caráter operacional, em contraponto à natureza propositiva sugerida pelos referidos normativos. A não definição expressa de competências abre espaço para problemas em um amplo espectro, passando desde a inoperância resultante do desconhecimento das funções que se espera das duas instâncias de Grupos de Trabalhos, até a usurpação de atribuições indelegáveis da Secretaria do Patrimônio da União. Além disso, resta prejudicado o controle social sobre suas atividades, visto que a sociedade desconhece as atribuições e atividades dos mesmos. Outra questão, verificada tanto na minuta padrão de contrato de CDRU proposta pela SPU/MP e objeto do Plano de Aceleração de Áreas para Habitação PAAH, 13

14 quanto em Portarias de Declaração de Interesse do Serviço Público - PDISP recentemente publicadas pelas Superintendências, diz respeito à competência para promover o desempate quando houver a manifestação de interesse de mais de uma entidade pelo imóvel, que recai sobre comissão composta por membros do GTE. No tocante à composição dos Grupos de Trabalho Estaduais, constatou-se, em primeiro lugar, que quando da orientação para criação destes, não houve a definição de um quantitativo mínimo de representantes da Superintendência. Como resultado, verificou-se uma disparidade na representatividade da SPU no âmbito dos diversos GTEs, variando de 01 (SPU/PR) a 06 (SPU/GO) membros titulares. Adicionalmente, cumpre destacar que não houve normatização de suplência, ficando a cargo de cada Superintendência decidir a respeito. Entretanto, o art. 6º da minuta de PDISP, disponibilizada pelos gestores, define que a comissão julgadora que realiza a seleção das propostas e projetos deve ter no mínimo 02 representantes da Superintendência. Observa-se assim que não há como garantir a composição da comissão julgadora, uma vez que aquela definida para o Grupo de Trabalho não prevê um quantitativo mínimo de 02 servidores da Unidade Regional, problema verificado, por exemplo, na SPU/PR, conforme visto anteriormente. Além disso, considera-se que seria uma boa prática que os 02 representantes da Superintendência na comissão julgadora fossem servidores do quadro permanente, em consonância com o art. 51 da Lei 8.666/93, que define a composição da comissão permanente ou especial responsável por processar e julgar as propostas dos licitantes. Destaca-se ainda que a não definição do número mínimo de representantes das Superintendências na composição dos GTEs compromete a paridade da representação do poder público com relação aos demais atores, a qual é observada na composição do GTN. Dada a assunção de atividades deliberativas e operacionais pelos GTEs, tal fator torna-se mais crítico se comparado a uma instância meramente propositiva. Ainda quanto à composição dos Grupos de Trabalho (GTN e GTEs), verifica-se que, quando da decisão pelo caráter permanente do mesmo, não se estabeleceu mandato com prazo definido para os membros e tampouco limites para recondução, comprometendo a legitimidade da representação da sociedade civil e potencializando o risco de captura do agente público. Por fim, no que se refere à publicidade, além do problema quanto à normatização e publicização das competências dos Grupos de Trabalho (GTN e GTEs), já tratados nesse ponto, foram verificadas fragilidades quanto à divulgação das decisões e dos resultados dos trabalhos realizados. Nesse sentido, de acordo com a Nota Técnica nº 17/SPU/OC, de 27/11/2008, que dispõe sobre a criação dos Grupos de Trabalho Estaduais, O registro das reuniões em ata e sua disponibilização para todos os membros do Grupo são de suma importância para que as decisões do GTE possam embasar decisões da Gerência, integrando processos administrativos de destinação de imóveis e resoluções do GTE, sempre que necessário. A postura de limitar-se a divulgar os registros documentais apenas no âmbito dos membros do Grupo de Trabalho, não lhes dando ampla divulgação, não é suficiente em termos de acesso à informação e transparência, comprometendo a legitimidade dessa instância perante a população em geral, situação potencializada inclusive pelo modo 14

15 indireto de escolha dos representantes da sociedade civil que compõem os GTs. Tal fragilidade é agravada pela implementação informal, por parte da Secretaria, das deliberações do GTs, em detrimento à utilização de atos administrativos, a exemplo de Instruções e Orientações Normativas. Cumpre informar que, segundo o Relatório de Gestão de 2012, foram retomadas as atividades do GTN e foi incentivada a recomposição dos GTEs, visando agilizar procedimentos internos e fomentar a ação de destinação de áreas da União para Habitação de Interesse Social. Essas medidas demonstram, mais uma vez, o importante papel desempenhado por tais grupos no processo e, consequentemente, reforça a necessidade de se garantir uma maior legitimidade dos resultados obtidos pelos mesmos. Finalmente, registra-se que uma ampla divulgação das composições e deliberações dos GTEs mostra-se essencial também para inibir eventuais situações de conflito de interesse dos seus membros, por meio de um efetivo controle social, o que vai ao encontro, inclusive, da Lei de Acesso à Informação, nº /2011, regulamentada pelo Decreto 7.724/2012, o qual define que é dever dos órgãos e entidades promover, independente de requerimento, a divulgação em seus sítios na Internet de informações de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas. Causa: Deficiências na regulamentação dos Grupos de Trabalho Nacional e Estaduais, ocasionando fragilidades quanto a definição dos objetivos e das competências do GTN e dos GTEs, da representatividade das Superintendências na composição dos GTEs, e da publicidade dos resultados de seus trabalhos. Manifestação do Auditado: A Unidade informou, quando da manifestação ao Relatório Preliminar, a necessidade de realizar uma revisão das atribuições tanto do GTN quanto dos GTEs, à luz do acúmulo das atividades desenvolvidas ao longo desses anos em que eles foram instituídos, bem como do que foi destacado na orientação desta CGU, definindo o papel mais estratégico do GTN, e deixando mais claro o papel dos GTEs, que em momento nenhum devem assumir a função pública da gestão do patrimônio público. Além da revisão das atribuições, a qual resultará na alteração das Portarias de instituição do GTN e dos GTEs, minutas de regimento interno serão discutidas em reunião do Grupo de Trabalho Nacional prevista para o final de janeiro de De acordo com a Unidade, a previsão é de que em 90 dias, a partir de 01/01/2014, seja finalizada a revisão das citadas Portarias, bem como publicado o regimento interno do GTN, sendo este último utilizado para iniciar a contagem do prazo, também de 90 dias, para publicação dos regimentos internos dos GTEs. No que se refere à composição do GTN e dos GTEs, foi informado que a revisão ou alteração será definida a partir da nova composição do Conselho Nacional das Cidades, e dos Conselhos Estaduais das Cidades pois, tanto o GTN quanto os GTEs foram instituídos a partir de demanda dos segmentos do Conselho Nacional das Cidades, e que a indicação dos membros ocorre pelos segmentos que compõem tais Conselhos. 15

16 Quanto à duração dos mandatos, foi definido que o mesmo corresponde ao dos conselheiros das Cidades, nas duas esferas, e que a definição das suplências segue o mesmo rito da indicação dos membros titulares. Por fim, referente à divulgação das deliberações e atos praticados pelo GTN e GTEs a Unidade informou que tais informações serão inseridas no sítio eletrônico da SPU no prazo de 06 (seis) meses, a partir de 01/01/2014, e que após transcorrido esse prazo passará a ser feita sistematicamente, a partir das aprovações das atas dos encontros. Análise do Controle Interno: Quanto às competências, responsabilidades e composição do GTN e dos GTEs, as informações apresentadas pela Unidade confirmam as fragilidades verificadas pela equipe de auditoria no que se refere à ausência de uma definição formal. Mais ainda, especificamente no que se refere às competências, a necessidade de normatização fica latente ao verificar-se que, conforme os gestores, esses grupos teriam acumulado atividades diversas ao longo de seus anos de criação. Visto que as Portarias de criação tanto do GTN quanto dos GTEs apenas definem seus objetivos, a sinalização da SPU no sentido alterar tais instrumentos e publicar os regimentos internos aponta uma possível solução para as citadas fragilidades, uma vez que a Unidade já dispõe de diversos critérios e regras definidos, conforme relatado pelos gestores, porém carente de normatização. Vale ressaltar que os mecanismos a serem utilizados devem ser adequados, não se resumindo ao disposto, por exemplo, em Notas Técnicas, devendo buscar o esgotamento da matéria, inclusive regulamentando critérios tais como formas de indicação dos membros, duração dos mandatos, limites de recondução dos membros da sociedade civil e suplência, além de produzidos e publicados de forma tempestiva. Ainda, no que se refere à divulgação das deliberações e atos praticados pelos Grupos de Trabalho Nacional e Estaduais, as informações apresentadas pela SPU corroboram com o já relatado pela equipe de auditoria, apresentando prazos e soluções que, caso implementadas, podem sanar as fragilidades verificadas, motivo pelo qual serão acompanhadas por meio do Plano de Providências Permanente. Cabe ressaltar, entretanto, que, ao analisar a manifestação da Unidade no que se refere à sobreposição dos objetivos do GTN em relação aos definidos para os GTEs, verificou-se que a SPU ateve-se a informar a necessidade de revisão das atribuições dos citados Grupos de Trabalho, não mencionando, em sua resposta, o problema decorrente da publicação na Portaria nº 296, de 04/10/2011, conforme citado no decorrer deste item do relatório. Com isso, entende-se que a Secretaria deve buscar a edição e publicação de um novo instrumento capaz de dirimir a incoerência relatada, no que se refere à sobreposição dos objetivos dos Grupos de Trabalho, dando uma caráter mais estratégico ao GTN. Recomendação 001: Recomendamos à SPU/MP que redefina, formalmente, os objetivos do GTN, de modo a evitar a sobreposição em relação aos definidos para os GTEs e a garantir o caráter estratégico do Grupo de Trabalho Nacional. 16

17 Recomendação 002: Recomendamos à SPU/MP que defina, formalmente, quais as competências, as responsabilidades e a composição, tanto do Grupo de Trabalho Nacional quanto dos Grupos de Trabalho Estaduais, em consonância com os objetivos estabelecidos para ambos e levando-se em consideração as competências indelegáveis da SPU. Recomendação 003: Recomendamos à SPU/MP que regulamente o funcionamento dos Grupos de Trabalho, tanto Nacional quanto Estaduais, prevendo a composição, forma de indicação, duração dos mandatos e eventuais limites de recondução dos membros da sociedade civil, suplência e prazo para elaboração do regimento interno. Recomendação 004: Recomendamos à SPU/MP que promova a ampla divulgação das deliberações e atos praticados pelos Grupos de Trabalho Nacional e Estaduais Constatação Possibilidade de adoção de procedimentos que garantam maior impessoalidade na escolha das entidades privadas sem fins lucrativos beneficiadas com a destinação patrimonial de imóveis da União. Neste tópico, a análise concentra-se no fluxo das ações da SPU no que se refere à definição da entidade a ser beneficiada pela destinação patrimonial de imóveis para fins de habitação de interesse social executadas em parceria com o terceiro setor. Quanto ao primeiro caso concreto analisado, referente à destinação de imóvel em Riacho Fundo II, verificou-se que em setembro de 2005 foi celebrado Convênio de Cooperação Técnica entre os Ministérios das Cidades, do Meio Ambiente, da Cultura e do Planejamento e o Governo do Distrito Federal GDF, com a finalidade de desenvolver ações conjuntas para regularização fundiária e implantação de políticas habitacionais. Em decorrência, foi instituído um Comitê Gestor paritário composto por 10 membros indicados pelas partes envolvidas. Em sua primeira reunião, o Comitê Gestor definiu 4 áreas prioritárias para sua atuação, constituindo Grupos de Trabalho específicos para cada uma delas, com participação paritária da União, do GDF e da comunidade local. Dentre essas, destacava-se a área de m² de propriedade da União em Riacho Fundo II 4ª Etapa, localizada no Distrito Federal/DF, que estava desocupada à época, e para a qual o Comitê Gestor definiu como representante da comunidade local a Coalizão de Luta Pela Moradia, que representava diversas entidades relacionadas ao pleito habitacional. O Grupo de Trabalho específico de Riacho Fundo II 4ª Etapa propôs arranjo definindo as seguintes atribuições de cada ator: Secretaria do Patrimônio da União: ceder sem ônus ao GDF toda área de uso institucional e comercial e, ao movimento organizado, a área habitacional; MCidades: liberação dos recursos do Crédito Solidário; GDF: promover o licenciamento do empreendimento, detalhar e aprovar o projeto urbanístico e dotar a área de infraestrutura; e 17

18 Coalizão: indicar as famílias a serem atendidas junto à Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação SEDUH e à Caixa Econômica Federal CEF. Essa proposta foi aprovada pelo Comitê Gestor e, posteriormente, a Coalizão indicou a Associação Pró-Morar do Movimento Vida de Samambaia AMMVS como representante de 207 entidades a serem beneficiadas pelo projeto habitacional a ser desenvolvido na área, já definindo, inclusive, a quantidade de unidades habitacionais a serem concedidas a cada uma delas, necessárias ao atendimento de cerca de famílias. Assim, em maio de 2006, foi publicada portaria ministerial autorizativa de CDRU, delimitando a área a ser cedida, e aviso de dispensa de licitação, além de firmado contrato de CDRU entre a União, representada pelo Procurador-Chefe da Fazenda Nacional no Distrito Federal, e a AMMVS. Ressalta-se que esse processo foi iniciado no ano de 2005, ou seja, anteriormente à criação dos Grupos de Trabalho Nacional e Estaduais citados nos fluxogramas. Importante citar, nesse momento, que o Comitê Gestor restringiu, desde o início, suas tratativas com o movimento Coalizão de Luta Pela Moraria que participou inclusive da definição da política habitacional a ser desenvolvida na área em questão, culminando na decisão de destinar o terreno a uma entidade por ela indicada, qual seja a AMMVS, que representaria as demais 207 entidades participantes. Sobre esse assunto, a CONJUR/MP manifestou-se condicionando a possibilidade de dispensa de licitação com a AMMVS à verificação por parte da SPU/DF de que a referida entidade representasse todas as demais associações e/ou cooperativas habitacionais do Distrito Federal. Como providência à manifestação da CONJUR/MP, a SPU/DF publicou aviso de dispensa de licitação com a citada associação e solicitou reexame por aquele órgão consultivo em função das alterações promovidas pela Medida Provisória nº 292/06. Este instrumento alterou o art. 17, inciso I, alínea f da Lei nº 8.666/93, o qual dispõe sobre a dispensa de licitação para os casos de destinação de imóveis no âmbito de programas habitacionais de interesse social, por órgãos ou entidades da Administração Pública especificamente criados para esse fim. Porém, apesar do embasamento legal utilizado pela Unidade, entende-se que, como forma de melhor atender ao interesse público, é possível adotar procedimentos que garantam maior impessoalidade na escolha das entidades, em contraponto ao verificado nos autos, nos quais não há qualquer indício de oportunidade de manifestação de interesse por parte de outras entidades, assim como não há, também, qualquer comprovação de que a citada entidade representasse todas as associações e/ou cooperativas habitacionais do Distrito Federal, conforme inicialmente solicitado pela CONJUR/MP. O outro processo analisado se refere à destinação realizada em favor da Cooperativa Habitacional do Recanto das Emas COOHREMAS. Em maio de 2009, a entidade solicitou à SPU/DF parceria para implementação do projeto, por meio da disponibilização por aquela Superintendência de um terreno de 800m 2, até então de propriedade da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil NOVACAP, empresa pública de propriedade do GDF e da União. 18

19 Em julho de 2010, após solicitação da Superintendente da SPU/DF, a TERRACAP adquiriu e doou o imóvel à União, que, em dezembro daquele ano, procedeu à avaliação por parte da equipe técnica da Superintendência, determinando seu valor em R$ ,00. Em janeiro de 2011, a COOHREMAS reitera sua solicitação à SPU/DF, mas acrescentando que o projeto seria financiado com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida a ser habilitado e contratado junto à CEF. No mês seguinte (fevereiro de 2011), a SPU/DF elabora a Nota Técnica nº /SIRDE/SPU/DF, na qual se posiciona favoravelmente à Cessão à entidade e encaminha os autos ao Órgão Central da SPU para manifestação da Coordenação-Geral de Habitação e Regularização Fundiária/SPU/MP, com posterior encaminhamento para a CONJUR/MP e, enfim, submetendo-o à consideração da Sra. Secretária do Patrimônio da União. Em 09/02/2011 a SPU/MP publica no Diário Oficial da União a PDISP do imóvel, datada do dia anterior, e o extrato da dispensa de licitação, concedendo o imóvel à COOHREMAS. Simultaneamente, foi publicada pela SPU/DF a autorização da CDRU àquela entidade, datada de 02/02/2011. Apenas posteriormente os autos foram encaminhados à Consultoria Jurídica do Ministério CONJUR/MP, que constatou não haver no processo manifestação do Órgão Central da SPU sobre o assunto, apesar de imprescindível, recomendando o envio do feito àquela Secretaria, a qual se manifestou pela legalidade e conveniência da cessão em tela. Assim, após a devolução dos autos à CONJUR/MP, a análise ressaltou que a manifestação daquela Pasta antes da publicação da Portaria autorizativa de cessão, e não posteriormente como foi realizado, revela-se mais seguro e eficaz aos interesses da União. Por fim, após tal análise, a cessão da área foi concretizada por meio de contrato de CDRU, firmado em 23/03/2011. Nesse processo, assim como no caso de Riacho Fundo II 4ª Etapa, já analisado anteriormente, verificou-se que, apesar da Lei 8.666/93 possibilitar a dispensa de licitação, a Unidade poderia valer-se de procedimentos que garantissem uma maior impessoalidade na escolha da entidade a ser beneficiada. Entretanto, na destinação realizada em Ceilândia, verificou-se que a Superintendente do Patrimônio da União no Distrito Federal atendeu diretamente ao pleito da Cooperativa, sem permitir que outras entidades manifestassem interesse em desenvolver projeto habitacional na respectiva área. Mais ainda, constatou-se que a União sequer detinha posse de terreno que satisfizesse as características demandadas pela COOHREMAS e que, por isso, passou a articular com o Governo local no intuito de adquirir, por doação, o terreno futuramente concedido à entidade por meio de contrato de CDRU. Agrava a questão o fato de a manifestação do Órgão Central ter ocorrido posteriormente à publicação da portaria autorizativa, conforme identificado pela própria CONJUR/MP. 19

20 Causa: Utilização de modelo para destinação dos processos selecionados na amostra que não garantiu a possibilidade de manifestação de interesse de outras entidades, comprometendo a impessoalidade dos processos de escolha das cessionárias. Manifestação do Auditado: Questionada sobre o diagnóstico referente à destinação de Riacho Fundo II e sobre as eventuais medidas que teriam sido adotadas para assegurar a legitimidade no processo de escolha da entidade beneficiária do imóvel em Ceilândia, a SPU/MP, inicialmente, manifestou-se apenas quanto ao primeiro caso até a conclusão do relatório preliminar, conforme citado no item Dentre as informações prestadas, a Unidade não se pronunciou sobre o procedimento utilizado para escolha da cessionária. Entretanto, relatou fragilidades no modelo no que se refere à representação das demais entidades beneficiárias pela AMMVS, bem como as medidas estruturantes adotadas. Conforme informado pelos gestores e descrito no passo a passo constante do item deste relatório, o fluxo de ações atualmente sugerido pelo Órgão Central, para ser utilizado nas destinações ora em comento, prevê chamamento público para que as entidades habilitadas pelo MCidades manifestem interesse pelo imóvel para desenvolvimento de projeto habitacional. Tal convocação, atualmente, é realizada por meio de publicação de Portaria de Declaração de Interesse do Serviço Público PDISP no Diário Oficial da União. Adicionalmente, quando da análise do relatório preliminar, a SPU informou um aprimoramento e uma padronização, por meio da Portaria nº 292, de 14/10/2013, dos procedimentos que as Superintendências devem passar a adotar quando realizarem chamamento público. Este instrumento definiu regras relativas ao conteúdo da cartaproposta a ser entregue pelas entidades, vinculação da seleção ao Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades, critérios de desempate para os casos em que houver mais de uma entidade interessada, prazo para manifestação de interesse, dentre outros. No tocante à escolha das entidades nos casos concretos abordados pela equipe de auditoria, a Unidade informou que os processos seguiram as regras vigentes à época das destinações. Especificamente no que se refere à destinação de área da União em Riacho Fundo II 4ª Etapa, relatou que foi adotado o processo de seleção promovido pelo Ministério das Cidades e que, apesar de a destinação ter sido feita diretamente à AMMVS, esta representava a Coalizão Pela Moradia Popular, instituto criado pelas próprias entidades. Adicionalmente, a Unidade citou entidades ligadas à Coalizão que representavam os interesses da população organizada no tema moradia, tanto no âmbito nacional quanto no Distrito Federal. Por fim, quanto ao caso específico de destinação da área em Ceilândia à COOHREMAS a Secretaria se restringiu a acrescentar a informação de que a entidade solicitou a área à SPU em período anterior à instituição de GTE/DF que ocorreu em 25/08/2009. Análise do Controle Interno: No que se refere à manifestação dos gestores quanto aos casos concretos analisados, em relação a destinação de Riacho Fundo II 4ª Etapa realizada diretamente à AMMVS, a SPU afirmou que as entidades ligadas a Coalizão representavam a 20

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União OFICINA Observatório Litoral Sustentável Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União Cristiane Siggea Benedetto Coordenação Geral de Habitação e Regularização Fundíária Secretaria Nacional

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Caeté, Minas Gerais, aprova: Art. 1º - Fica instituída a Política

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.124, DE 16 DE JUNHO DE 2005. Mensagem de veto Dispõe sobre o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social SNHIS, cria

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 1.193/2015 AUTOR: MESA DIRETORA SÚMULA: CRIA O CONSELHO E O FUNDO MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ, ESTADO DE MATO GROSSO, E

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50 PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007 CONSULTA EFETUADA PELA CAIXA. ANÁLISE DE ESCRI- TURA DE ÁREA DE INTERVENÇÃO, REFERENTE A CON- TRATO DE REPASSE CELEBRADO COM O MUNICÍPIO DE (...). IMÓVEL ORIUNDO

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO 04/02/2014 Resenha D.O.U Seção 1 pag. 32 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO GABINETE DA MINISTRA PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 37, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014 OS MINISTROS DE ESTADO DO PLANEJAMENTO,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL RELATÓRIO Nº : 175467 UCI 170985 : CG DE AUDITORIA DA ÁREA DE TRANSPORTES EXERCÍCIO : 2005 PROCESSO Nº : 51400.000131/2006-19

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

Medida Provisória nº 691/2015

Medida Provisória nº 691/2015 Medida Provisória nº 691/2015 Brasília, Setembro/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO GESTÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO APERFEIÇOAMENTO DO MARCO LEGAL- MP 691/2015 Alienação de terrenos em áreas urbanas consolidadas

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

MINUTA TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PROVEDORES

MINUTA TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PROVEDORES Sumário TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA...2 1.1 DO OBJETO...2 1.2 DA EXECUÇÃO...2 1.3 DOS DIREITOS E DAS OBRIGAÇÕES DAS PARTES...2 1.3.1 SÃO DIREITOS DOS PARTÍCIPES:...2 1.3.2 SÃO OBRIGAÇÕES DOS PARTÍCIPES:...2

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO LEI N 495, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTES E DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Povo do Município de Nepomuceno, Minas Gerais,

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 Dispõe sobre o financiamento e desenvolvimento de programas habitacionais sociais, destinados à população de baixa renda e dá outras

Leia mais

PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010.

PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010. PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010. Publica o Regimento Interno do Colegiado Setorial de Música do Conselho Nacional de Política Cultural. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso das atribuições que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento.

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento. CIRCULAR Nº 3.502 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições legais e regimentais em vigor, e em cumprimento à decisão desse egrégio Conselho Superior,

O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições legais e regimentais em vigor, e em cumprimento à decisão desse egrégio Conselho Superior, RESOLUÇÃO Nº 095/2013 CONSUP Institui o Conselho Editorial e aprova o Regulamento do Conselho Editorial da Faculdade de Ensino Superior de Marechal Cândido Rondon. O Presidente do CONSUP, no uso de suas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23087.000109/2007-14 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União;

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União; INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 17 DE MAIO DE 2007 DOU de 18.5.2007 _ Retificação _DOU de 21.5.2007 Altera dispositivos, que especifica, da Instrução Normativa nº 1, de 15 de janeiro de 1997, disciplinadora

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77)

RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77) RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77) Dispõe sobre o Portal da Transparência do Ministério Público. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010.

PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010. PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010. Publica o Regimento Interno do Colegiado Setorial de Literatura, Livro e Leitura do Conselho Nacional de Política Cultural. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso

Leia mais

Diretoria de Patrimônio - DPA

Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Finalidade Coordenar, supervisionar, controlar e executar as atividades relativas a administração patrimonial do Estado. (Decreto Estadual nº

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

(Minuta) Decreto N..., de 2010.

(Minuta) Decreto N..., de 2010. (Minuta) Decreto N..., de 2010. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas. O PREFEITO DE...(município)... segue o texto de aprovação do presente Decreto, conforme o trâmite

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, nos termos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES)

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) Da caracterização, dos fins e dos objetivos Art. 1º. Este Regimento regulamenta a estrutura,

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

PORTARIA 359 DE 20 DE JANEIRO DE

PORTARIA 359 DE 20 DE JANEIRO DE PORTARIA 359 DE 20 DE JANEIRO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos para conservação e devolução de livros, bem como o descarte de livros didáticos irrecuperáveis ou desatualizados no âmbito da Secretaria

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais