Advantages of Port Lobito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Advantages of Port Lobito"

Transcrição

1 Advantages of Port Lobito (1) Predominant geological locations Facing the Atlantic, Port Lobito locates around 30km north to Benguela City, and it is the main seaport in the middle of Angola.

2 (2) Favorable onshore transportation system LOBITO LUANDA LOBITO NAMIBE

3 (3) Excellent natural conditions Well sheltered by a natural sand bar; Excellent water depth inside the bay; Mass undeveloped land for port development; Well municipal supporting nearby; Fantastic beach for tourism.

4 Development Target (1) A hinge of land/water transportation for middle south of Angola, even for the inland neighbors; (2) A big port with advanced infrastructure and modern handling equipments; (3) A center port of luxury cruise for middle south of Angola; (4) Port Lobito should be able to import the general cargo and containers, export the minerals, also transport the incoming crude oil and outgoing refined oil for the proposed refinery.

5 Plan of time implementation It is suggested that Port Lobito should be improved to a preliminary modern port in 3.5 years, which is arranged in three steps including rehabilitation works, extension works and updating works. 1 st stage: to rehab the existing quays in one year; 2 nd stage: to make the overall plan of Lobito Port and fulfill the Phase I Extension Work in 2 years; 3 rd stage: to update the existing quay area in one year.

6 No. Project The Rehabilitation Work of Existing Berths The Phase I Extension Work The Updating Work of Existing Berths First Year Second Year Third Year Fourth Year Duration Q1 Q2 Q3 Q4 Q1 Q2 Q3 Q4 Q1 Q2 Q3 Q4 Q1 Q2 Q3 Q4 12 months 24 months 12 months

7 1 st Stage: Rehab the existing quay

8 ITEMS OF REHABILITATION (1) Install/replace the rubber fenders and bollards to improve the safety of docking and mooring;

9 (2) Rehab the damaged part of maritime structure crashed by ship recently, and repair/replace the deteriorated components of structure.

10 (3) Repave the apron and stacking yard;

11 (4) Repair and update the port accessorial supporting system such as water, electric, fuel oil, communication, navigation and warehouse, etc. (5) Navigation Aids; (6) Update the handling equipments 2 sets(40t) 2 sets(16t) 1 set(8t)

12 2 nd Stage: Master Plan and Phase I Extension Project of Lobito Port

13 Throughput forecast for Lobito Port Year Remark General cargo (import) Container (import) 400, ,000 1,000, , , ,000 Bulk cargo (export) 550,000 (3,550,000) 820,000 (5,820,000) 1,000,000 (9,000,000) Including iron ore (NOT including iron ore) Crude oil (import) 10,000,000 12,000,000 Product (export) road railway waterway 500, ,000 1,000,000 1,500,000 8,500,000 10,000,000

14 Vessel type selected Vessel type Short term Load capacity (DWT) LONG TERM General cargo vessel 20,000~30,000 20,000~30,000 Bulk cargo vessel 50,000 / 100,000 70,000 / 250,000 Container vessel 50,000(The fourth generation) 70,000 (The fifth generation)

15 Master Plan of Port LobitoOption 1 Oil terminal Lobito bay Luxury Luxury cruise cruise terminal terminal Yacht Yacht club club Container terminal Bulk cargo Terminal Multipurpose terminal

16 Bulk Bulk cargo cargo terminal terminal Master Plan of Port LobitoOption 2 Luxury Luxury cruise cruise terminal terminal Yacht Yacht club club Oil terminal Lobito bay Multipurpose terminal Container terminal

17 Phase I Extension Work in Option 1 It is planned to build a container and general cargo berth and a bulk and general cargo berth for the extension works of option 1. Berth Container and general cargo Bulk and general cargo Design Item Water Area Quay Length Marine Structure Water Area Quay Length Design Vessel Type 30,000DWT general cargo vessel 50,000DWT container vessel 70,000DWT container vessel 50,000DWT bulk cargo vessel 70,000DWT bulk cargo vessel Marine Structure 70,000DWT bulk cargo vessel

18 General layout of Option 1 Container and general cargo berth Bulk and general cargo berth

19 Plan of container and general cargo berth 360 m Container and general cargo berth 11.7 m (14.7m)( 205,200m 2

20 Handling technology of container and general cargo berth Portal crane Multipurpose portal crane Railmounted Gantry Crane Rubbertyred gantry crane Container reach stacker Empty container stacker Forklift Rubbertyred mobile crane

21 The throughput: 440,000 tons and 118,000 TEUs annual.

22 ) LIEBHERR

23 Plan of bulk and general cargo berth 330 m Bulk and general cargo berth 13.7 m (14.7m)( 188,100m 2

24 Handling technology of bulk and general cargo berth Portal crane Multipurpose portal crane StackerReclaimer Screw train unloader Forklift Rubbertyred mobile crane

25 Handling technology of general cargo berth in the future Special container berth The throughput: 350,000 TEUs annual. Rubbertyred gantry crane Quayside container crane Empty container stacker

26 The throughput: 270,000 tons general cargo and 730,000 tons bulk cargo annual.

27 Phase I Extension Work in Option 2 It is planned to build a multipurpose berth and a bulk cargo berth for the extension works of option 2. Berth Multipurpose Design Item Water Area Quay Length Marine Structure Design Vessel Type 30,000DWT general cargo vessel 50,000DWT container vessel 70,000DWT container vessel Bulk Cargo Water Area Quay Length Marine Structure 100,000DWT bulk cargo vessel 250,000DWT bulk cargo vessel 250,000DWT bulk cargo vessel

28 General layout of Option 2 Bulk Bulk cargo cargo berth berth Multipurpose berth

29 Plan of multipurpose berth 360 m Multipurpose berth 11.7 m (14.7m) 205,200m 2

30 Handling technology of multipurpose berth

31 Handling technology of multipurpose berth in the future Special container berth

32 Plan of bulk cargo berth 426m Bulk cargo quay 15.0m(21.2m) 174,000m 2 (270,000m 2 )

33 Handling technology of bulk cargo berth Screw train unloader Stackerreclaimer reclaimer Ship loader

34 The throughput: 3,800,000 tons annual at the beginning, And 12,670,000 tons annual in the future.

35 Pilebeam beamslab structure (steel pipe pile)

36 Caisson structure The recommendation of maritime structure should be determined finally according to the detailed geological data

37 3 rd : Updating of the Existing Quay

38 We plan to reconstruct the existing north and south quay based on the Master Plan after Phase I extension project is finished The north quay will be updated for luxury cruises The south quay will be rebuild as multipurpose terminal

39

40 TRAFICO DE NAVIOS Durante o ano de 2006 escalaram ao Porto do Lobito 829 Navios para efeitos de operações comerciais, na seguinte composição: 647 Navios de Longo Curso, 69 Navios Petroleiros, 75 navios Pesqueiros e 13 Navios de Cabotagem Movimento de NAvios 2006 MÊS Navios p/categoria Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total Navios/Longo Curso Navios/ Cabotagem Navios /Tanques Rebocadores Nav./Pesqueiros SOMA

41 Movimento de Navios JaneiroAbril/2007 JAN FEV MAR ABR TOTAL Longo Curso Nacionais Longo Curso Estrangeiros Petroleiros Estrangeiros Butaneiros Pesqueiros Estrangeiros Frigoríficos Cabotagem Nacionais Cabotagem Estrangeiros Petroleiros Nacionais Rebocadores Pesqueiros Nacionais 3 3 Outros TOTAL

42 TRÁFEGO DE MERCADORIAS O manuseamento de cargas durante o período em análise cifrouse em Toneladas ( Tons em relação ao ano anterior) na seguinte composição: Toneladas embarcadas e Toneladas desembarcadas. A produção realizada superou as previsões que apontavam para o manuseamento de Toneladas de mercadoria diversa. A produtividade média foi de 1200 à 1500 Toneladas por Navio dia. A média de permanência para os Navios de Longo Curso foi de 2,3 dias. Tonelagem Movimentada em 2006 MÊS VARIANTE JAN. FEVER. MAR. ABRIL MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. TOTAL L.Curdescarga direct L. Cur desc indirecta Carga Directo L. Cur c. indirecta Cabot. desc. directa Cabot. Indirecta Carreg. Directo carreg indirecto Descarga. Combust Descarga de Gás SOMA

43 Tonelagem Movimentada em 2005/ TOTAL Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Junho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro DIFERENÇA ANO MÊS

44 TRÁFEGO DE CONTENTORES A contentorização representou o maior nível do total de carga movimentada, como resultado do manuseamento de contentores, representando um aumento de mais de contentores em relação ao período homólogo anterior em que foram manuseados contentores. Destes contentores, referemse a operação de desembarque, enquanto que contentores foram embarcados e entregues aos proprietários. No final do ano encontravamse parqueados no recinto portuário contentores cheios e contentores vazios, totalizando contentores. Movimento de Contentores 2006 Mês Desembarcados Embarcados Entregues Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez SOMA

45 Movimento de Contentores JaneiroAbril/ Vazios Cheios TOTAL (EMB+DESEM Vazios Cheios DESEMBARCADOS Vazios Cheios EMBARCADOS TON NUM. TON NÚM. TON NÚM TON NÚM. TON NÚM. TOTAL ABRIL MARÇO FEVEREIRO JANEIRO

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

The Best Business Opportunity with High Return on Investment

The Best Business Opportunity with High Return on Investment Port Itaqui Area The Best Business Opportunity with High Return on Investment Willer Pos whpos@whpos.com.br Port Itaqui Fonte: Google Earth Port Itaqui- Present Layout Iron ore stock pile area VALE MPX

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

We connect your goods to the World

We connect your goods to the World We connect your goods to the World Os Nossos Serviços Our Services A STM - Sociedade de Terminais de Moçambique, Lda, é um aduaneiro multimodal, com valência rodo-ferroviária, que abre as portas de Moçambique

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Kamsar Container Terminal and Barge Unloading Facility- Port of Kamsar

Kamsar Container Terminal and Barge Unloading Facility- Port of Kamsar Terminal de Contentores de Kamsar e Terminal de Descarga de Barcaças Porto de Kamsar, República da Guiné Kamsar Container Terminal and Barge Unloading Facility- Port of Kamsar Republic of Guinea Trabalhos

Leia mais

ESTALEIRO EISA MOMENTO ATUAL E PERSPECTIVAS APIMEC 26/03/2013

ESTALEIRO EISA MOMENTO ATUAL E PERSPECTIVAS APIMEC 26/03/2013 ESTALEIRO EISA MOMENTO ATUAL E PERSPECTIVAS APIMEC 26/03/2013 SUMÁRIO O GRUPO O EISA PROJETOS MILITARES SYNERGY ENTERPRISES -Shipbuilding & Repair -Offshore repair and conversions shipyards SYNERGY RESOURCES

Leia mais

Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo

Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo Modal indicado para distribuição de grandes cargas, com transferências de longas distâncias a baixo custo O TRANSPORTE DE CARGAS NO BRASIL de longo curso Há 30 anos a velocidade de cruzeiro era de 10 nós;

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS

REGULAMENTO DE TARIFAS REGULAMENTO DE TARIFAS CAPITULO I Contentores Artigo 1º Tarifas máximas a aplicar 1 Nas operações de embarque e desembarque de contentores no porto de Leixões, aplicar-se-á uma tarifa máxima por contentor

Leia mais

AUMENTO DE PRODUTIVIDADE DA FROTA DE CAMINHÕES RODOVIÁRIOS COM A PADRONIZAÇÃO DE CARGAS MINERAÇÃO PARAGOMINAS S.A.

AUMENTO DE PRODUTIVIDADE DA FROTA DE CAMINHÕES RODOVIÁRIOS COM A PADRONIZAÇÃO DE CARGAS MINERAÇÃO PARAGOMINAS S.A. AUMENTO DE PRODUTIVIDADE DA FROTA DE CAMINHÕES RODOVIÁRIOS COM A PADRONIZAÇÃO DE CARGAS MINERAÇÃO PARAGOMINAS S.A. Fábio Trindade Pereira, Engenheiro de Minas, Mineração Paragominas S/A. fabio.trindade@vale.com

Leia mais

AIS SUPERPESA CIA DE TRANSPORTES TES ESPECIAIS E INTERMODAIS

AIS SUPERPESA CIA DE TRANSPORTES TES ESPECIAIS E INTERMODAIS Escritório Central Av. Brasil, 42.301 - Campo Grande - Rio de Janeiro, RJ - 23095-700 Tel.: (+55 21) 2394-9000 Fax: (+55 21) 2413-7797 / 2413-7521 decom@superpesa.com.br Filial ilial São Paulo Av. Júlia

Leia mais

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando:

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando: A Gavea Logística é uma operadora logística que oferece soluções de logística Portuária, Marítima e Terrestre, em seus terminais localizados no Rio de, e. Com estrutura voltada para atendimento no mercado

Leia mais

7 º Seminário Internacional de Logística Agroindustrial. Mecanismos de redução de custos logísticos de exportação Algodão

7 º Seminário Internacional de Logística Agroindustrial. Mecanismos de redução de custos logísticos de exportação Algodão Mecanismos de redução de custos logísticos de exportação Algodão Como o algodão é exportado? Fazenda/ Terminal Algodoeira Portuário Exportação Quanto custa tudo isso? R$ 160,00 / ton R$ 20,00 / ton Fazenda/

Leia mais

O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética

O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética Lisboa, Maio de 2009 Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares www.luis-simoes.com Índice ➊ - A Luís Simões ➋

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 215 14 de janeiro de 216 Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Movimento de passageiros nos aeroportos continua a crescer mas com ligeira

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil - Planeamento Urbanístico Engenharia Civil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE ENERGIAS ALTERNATIVAS ENG03371 Módulo de sistemas solares térmicos Prof. Paulo Smith

Leia mais

Global forwarding: ao serviço da supply chain

Global forwarding: ao serviço da supply chain José Guilherme Tavares jgbtavares@hotmail.com .... Logística Global Logística Global Desenhar a rede Encontrar as respostas para as necessidades da Supply Chain: Qual a origem da mercadoria Condicionantes/natureza

Leia mais

INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO

INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO 3.000 Milhões receitas I&D&i: 6-8% receitas 43.000 profissionais 149 paises 16% 17% 18% 11% 21% 17% Energia e Indústria Banca e Seguros Adm. Pública e Saúde Telecom

Leia mais

ABM - 44º Seminário de Aciaria Internacional. Fatores Críticos de Engenharia e Projeto na Indústria Siderúrgica PLANEJAR PARA EXECUTAR

ABM - 44º Seminário de Aciaria Internacional. Fatores Críticos de Engenharia e Projeto na Indústria Siderúrgica PLANEJAR PARA EXECUTAR ABM - 44º Seminário de Aciaria Internacional Fatores Críticos de Engenharia e Projeto na Indústria Siderúrgica PLANEJAR PARA EXECUTAR GERDAU NO MUNDO Fonte: RELATÓRIO ANUAL 2012 GERDAU NO BRASIL Produção

Leia mais

Fazendo a diferença para sempre fazer melhor

Fazendo a diferença para sempre fazer melhor II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO Desafios de Implantação e Gestão de um Porto Privado Uma experiência nacional e internacional Florianópolis, 4 de outubro de 2015 PATRÍCIO JUNIOR - Presidente

Leia mais

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop SEPETIBA TECON MAIS DO QUE UM PORTO, UM PARCEIRO LOGÍSTICO VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop INFRAESTRUTURA/ ACESSOS Rodoviário Ferroviário Marítimo Linhas de

Leia mais

Cyclic loading. Yield strength Maximum strength

Cyclic loading. Yield strength Maximum strength Cyclic Test Summary Results SAFECAST Project Yield strength Maximum strength Cyclic loading Yield displacement (d y ) Ultimate displacement Total energy dissipated by the connection Total energy dissipated

Leia mais

LIVRO DE TARIFAS PORTUÁRIAS

LIVRO DE TARIFAS PORTUÁRIAS LIVRO DE TARIFAS PORTUÁRIAS VERSÃO 11.0 ABRIL, 2014 GENERALIDADES E CONDIÇÕES DE APLICAÇÃO ÍNDICE 1 Organização Livro de Tarifas 3 2 Definições Gerais 4 3 Cargas 5 4 Navios 6 5 Serviços Prestados aos Navios

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

International Projects Logistics

International Projects Logistics International Projects Logistics VALE e a utilização das hidrovias DEEB 01.10.08 Novembro 2009 Apresentação para Câmara dos Deputados Vale e a utilização das hidrovias Mina de Urucum Corumbá Localização

Leia mais

O Porto de Salvador Análise da realidade atual, suas necessidades e comparações pós lei 8.630/93

O Porto de Salvador Análise da realidade atual, suas necessidades e comparações pós lei 8.630/93 Antonio de Biaso Junior O Porto de Salvador Análise da realidade atual, suas necessidades e comparações pós lei 8.630/93 Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil 2 Língua(s) de aprendizagem/avaliação:

Leia mais

DEFINIÇÃO. O South Atlantic FANS Interoperability Team (SAT/FIT) foi estabelecido para supervisionar e monitorar o desempenho do

DEFINIÇÃO. O South Atlantic FANS Interoperability Team (SAT/FIT) foi estabelecido para supervisionar e monitorar o desempenho do OBJETIVO Apresentar para a platéia uma visão geral sobre SAT- FIT, os projetos implementados e os projetos em discussão (Present to the audience an overview of SAT-FIT, the projects implemented and projects

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO. DAVID DA SILVA, 37 anos, supervisor de equipamentos, acompanhou o primeiro navio a atracar no Terminal. Perfil Corporativo

PERFIL CORPORATIVO. DAVID DA SILVA, 37 anos, supervisor de equipamentos, acompanhou o primeiro navio a atracar no Terminal. Perfil Corporativo PERFIL CORPORATIVO A Portonave é um terminal diferenciado pelos seus equipamentos e pelas pessoas. A Companhia está onde está no cenário mundial devido às pessoas que trabalham aqui. Eu tenho orgulho de

Leia mais

Lista dos Consultores e Especialistas

Lista dos Consultores e Especialistas Lista dos Consultores e Especialistas Álvaro José Lopes da Nova - especialista em faltas e avarias, licenciado pelo IICL ocupando o cargo de supervisor de operações na Empresa Santos Brasil Tecon, maior

Leia mais

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL JOÃO CRESTANA President of Secovi SP and CBIC National Commission of Construction Industry SIZE OF BRAZIL Population distribution by gender, according to age group BRAZIL 2010

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA Conferência Internacional sobre Capital Privado em Aeroportos FIESP / CIESP 23/Abril/2009 A Costa da Sol Operadora Aeroportuária S.A. é uma

Leia mais

Logística Maritima Brasileira. Nelson Carlini Setembro 2007

Logística Maritima Brasileira. Nelson Carlini Setembro 2007 Logística Maritima Brasileira Nelson Carlini Setembro 2007 Agenda 1. Evolução do volume de Contêineres no Brasil. 2. Aspectos Operacionais. 3. Custos para o Armador e para a Carga. 4. Intermodalidade.

Leia mais

I. TENDÊNCIAS GLOBAIS: MUNDIAL

I. TENDÊNCIAS GLOBAIS: MUNDIAL I. TENDÊNCIAS GLOBAIS: MUNDIAL Após períodos de crescimento na movimentação global de contentores por via marítima a crise económica mundial provocou, em 2009, uma quebra dessa tendência, que está agora

Leia mais

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 08

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 08 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 EMBARCAÇÕES MARÍTIMAS Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Aula 08 NAVIO

Leia mais

Infrastructure in Brazil Tax Aspects

Infrastructure in Brazil Tax Aspects Infrastructure in Brazil Tax Aspects Luiz Felipe Ferraz 5511 3147-7870 lferraz@mattosfilho.com.br Glaucia Frascino 511 3147-7654 glaucia@mattosfilho.com.br ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS ADMINISTRADAS PELA RFB

Leia mais

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo Serviços de transporte marítimo CEPA A. Serviços de transporte marítimo H. Serviços de apoio Transporte internacional (transporte de mercadorias e de passageiros) (CPC7211, 7212, excluindo serviços de

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

Kamsar Container Terminal and Barge Unloading Facility - Port of Kamsar

Kamsar Container Terminal and Barge Unloading Facility - Port of Kamsar Terminal de Contentores de Kamsar e Terminal de Descarga de Barcaças Porto de Kamsar, República da Guiné Kamsar Container Terminal and Barge Unloading Facility - Port of Kamsar Republic of Guinea Works

Leia mais

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1 8 () Diploma Ministerial n. / de de Agosto A Política Pesqueira e a respectiva Estratégia de Implementação, aprovada pela Resolução n. /, de 8 de Maio e o Plano Director das Pescas, definem a propriedade

Leia mais

Vistoria Básica para Confêrentes

Vistoria Básica para Confêrentes Vistoria Básica para Confêrentes Container Nos primórdios da navegação marítima, toda mercadoria era transportada em tonéis. O tonel, por ser uma embalagem resistente e de fácil manuseio, foi o sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Sistema de Monitorização dos Indicadores de Gestão das Empresas Públicas do Sector dos Transportes Apresentação do Projecto 1 Apresentação do Projecto Objectivos e Plano do Projecto

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE 1º TRIMESTRE DE 2014 Página 1 de 34 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário do 1º trimestre de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e

Leia mais

APRESENTAÇÃO E TRABALHOS DESENVOLVIDOS

APRESENTAÇÃO E TRABALHOS DESENVOLVIDOS Innovation Center for Logistics and Ports Infrastructure APRESENTAÇÃO E TRABALHOS DESENVOLVIDOS Março de 2012 1 O CILIP tem como missão criar um centro de excelência para educação e pesquisa em logística

Leia mais

CIRCULAR A TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07

CIRCULAR A TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS CIRCULAR A TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: GESTÃO ELECTRÓNICA DE MANIFESTOS. 1. Introdução. 1.1 A

Leia mais

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Professores: Sílvio dos Santos, Esp. Eunice Passaglia, Dra. AULA N 2: OS NAVIOS

Leia mais

DE LINGAS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS PARA ELEVAÇÃO DE CARGA

DE LINGAS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS PARA ELEVAÇÃO DE CARGA Inovando com qualidade e segurança FABRICAÇÃO E RECERTIFICAÇÃO DE LINGAS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS PARA ELEVAÇÃO DE CARGA SLINGS MANUFACTURING AND RECERTIFICATION MATERIALS AND EQUIPMENT FOR LIFTING AND

Leia mais

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 SET-15 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 ÁREA: OPERAÇÃO GERAL TARIFAS PORTUÁRIAS DO AÇU - TERMINAL 2 (T2) ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 01 INCLUÍDA

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

Fazendo a diferença para sempre fazer melhor

Fazendo a diferença para sempre fazer melhor Fazendo a diferença para sempre fazer melhor Acionistas 60% 40% Portinvest 70% 30% Diretoria Presidente - CEO Patrício Júnior Diretor de Operações Márcio Guiot Diretor Comercial Marcus Harwardt Diretor

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 22 Aula Data Evento 7/0 a 22/0 Período para solicitação de provas de 2ª chamada 23 24 25 26 27 28 29 26/jan Entrada de novos alunos + AVA (OFERTA JANEIRO 20) 30 3 3/0

Leia mais

Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a

Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a ABTTC representa um grupo de empresas e profissionais

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS Curricular Unit Plan ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. GESTÃO DE PROJECTOS INFORMÁTICOS Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010

Leia mais

Edifícios Comerciais Commercial Projects. Inovação & Qualidade

Edifícios Comerciais Commercial Projects. Inovação & Qualidade Edifícios Comerciais Commercial Projects Inovação & Qualidade Índice Table of Contents 01 Edifícios Comerciais Commercial Projects 5 02 Referências Main Projects 6 Fórum Coimbra Forum Coimbra Shopping

Leia mais

Atividade dos Transportes

Atividade dos Transportes 28 de maio de 213 Atividade dos Transportes I. Transporte marítimo, fluvial, aéreo e ferroviário de passageiros e mercadorias (212 - dados provisórios) II. Transporte rodoviário de mercadorias no Continente

Leia mais

O Presente e o Futuro da Segurança no Cuidado ao Paciente Resultados da Acreditação no Novo Cenário Econômico e Populacional

O Presente e o Futuro da Segurança no Cuidado ao Paciente Resultados da Acreditação no Novo Cenário Econômico e Populacional II CONGRESSO DE ACREDITAÇÃO INTERNACIONAL O Presente e o Futuro da Segurança no Cuidado ao Paciente Resultados da Acreditação no Novo Cenário Econômico e Populacional Painel A importância da segurança

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

2nd Itaú Securities Conference. 31 Março, 2010 1

2nd Itaú Securities Conference. 31 Março, 2010 1 2nd Itaú Securities Conference 1 A Tenaris 2 Tenaris em Números Capacidade Anual Tubos de aço sem costura: 3,320 milhões de tons Tubos de aço soldados: 2,420 milhões de tons Colaboradores 22.140 (dezembro

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

DIREITO DA NAVEGAÇÃO

DIREITO DA NAVEGAÇÃO 1 DIREITO DA NAVEGAÇÃO MARÍTIMO - Embarcação e Navio: natureza jurídica, acessórios e classificação dos navios P r o f. M a r c e l o A l v a r e s V i c e n t e 2011 2 Navio e Embarcação Conceito Legislação

Leia mais

Simulação da Carga Movimentada Num Terminal Intermodal

Simulação da Carga Movimentada Num Terminal Intermodal Simulação da Carga Movimentada Num Terminal Intermodal Carlos António da Silva, Carlos Guedes Soares XX Copinaval 23 de Outubro, 2007 Estrutura Introdução Modelação do Terminal Intermodal Implementação

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS JULHO DE 2013 DC/SCM/GCE, 02/09/2013 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP 11015-900 Site:http://www.portodesantos.com.br

Leia mais

d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc.

d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc. 1 AV Cálculo de Fretes As tarifas são condicionadas a: a) Fatores de preço de mercadoria, tais como: tipo de embalagem, peso, volume, densidade, perecibilidade, periculosidade, facilidade de acomodação,

Leia mais

TRANSPORTES marítimos E aéreos nos açores. Direcção Regional dos Transportes Aéreos e Marítimos

TRANSPORTES marítimos E aéreos nos açores. Direcção Regional dos Transportes Aéreos e Marítimos TRANSPORTES marítimos E aéreos nos açores Direcção Regional dos Transportes Aéreos e Marítimos Corvo Graciosa Flores Terceira Faial S. Jorge Pico São Miguel Santa Maria 2 2 600km desde Santa Maria ao Corvo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA

DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA A Economia Caboverdiana tem resistido relativamente bem a crise mundial graças uma boa politica macroeconómica: a divida externa reduziu consideravelmente,

Leia mais

Oportunidades de Negócio

Oportunidades de Negócio Oportunidades de Negócio 2268/2014 Activ idade: Re ferência: 04/2014 Apresentação da Proposta: 06-05-2014 "The scope of work of this ITT document is to supply special tools and equipment for cleaning and

Leia mais

Renato Ferreira Barco

Renato Ferreira Barco 27/08/2013 OS PROBLEMAS LOGÍSTICOS DO PORTO DE SANTOS E SOLUÇÕES A CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZO Renato Ferreira Barco DIRETOR PRESIDENTE 34 35 36 38 39 42 43 48 53 60 68 72 76 80,7 81,1 83,2 96 97,2 104,5

Leia mais

Como também diz o ditado, o que não nos derruba torna-nos mais fortes. Este será, seguramente, um dos lemas da MSC Portugal para 2013.

Como também diz o ditado, o que não nos derruba torna-nos mais fortes. Este será, seguramente, um dos lemas da MSC Portugal para 2013. Daring to be different EDITORIAL EXPECTATIVAS RENOVADAS Ano Novo, Vida Nova, diz o conhecido ditado, fazendo jus, à habitual sabedoria popular. O virar do calendário cria-nos sempre expectativas renovadas.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

Extrato de Unidade. Período de 01/01/1901 até 22/06/2015 2542 COND.JULHO/2007(50%) 162,00 4073 FUNDO DE RESERVA 18,00 2542 COND.

Extrato de Unidade. Período de 01/01/1901 até 22/06/2015 2542 COND.JULHO/2007(50%) 162,00 4073 FUNDO DE RESERVA 18,00 2542 COND. 13975867 20/07/2007 033508 13991044 02/08/2007 034027 13998459 02/09/2007 034534 14014148 20/09/2007 034969 14031362 08/10/2007 035487 14049982 02/11/2007 036071 14065498 02/12/2007 036420 14083661 02/01/2008

Leia mais

Atividade dos Transportes 4º Trimestre de 2014

Atividade dos Transportes 4º Trimestre de 2014 Atividade dos Transportes 4º Trimestre de 214 14 de abril de 215 Movimento de mercadorias em crescimento nos portos e aeroportos mas com redução por estrada Transporte de passageiros com aumento significativo

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE JUNHO DE 2014 (Valores Acumulados) Página 1 de 33 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no 1º semestre de 2014 0. Movimento por Tipo

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

Seminário PPP Project Cargo e DSU

Seminário PPP Project Cargo e DSU Jardine Lloyd Thompson Group plc Seminário PPP Project Cargo e DSU Maio 2014 Papel do Corretor nas PPP Financiamento do Projeto Principais Participantes Financiamento do Projeto Principais Participantes

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232

Leia mais

IT 204 Análise Operacional e Gerencial de Aeroportos Prof. Carlos Müller sala 2134 (muller@ita.br) 1 º semestre / 2014 Versão 2 Programa:

IT 204 Análise Operacional e Gerencial de Aeroportos Prof. Carlos Müller sala 2134 (muller@ita.br) 1 º semestre / 2014 Versão 2 Programa: Programa: Requisito recomendado: IT-203 Aeroportos. Requisito exigido: não há. Horas semanais: 3-0-6. Análise de terminais aeroportuários sob o ponto de vista operacional. Conceituação de capacidade do

Leia mais

João Franco. Transporte de Mercadorias e Desenvolvimento Económico. Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A.

João Franco. Transporte de Mercadorias e Desenvolvimento Económico. Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A. João Franco Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A. 17 de outubro de 2013 Transporte de Mercadorias e Desenvolvimento Económico 1 Domínios da Circulação Marítima (Densidade

Leia mais

Tabela de preços pag 1. Atracação. TABELA B Tarifa de operação por conteiner Preço (R$)

Tabela de preços pag 1. Atracação. TABELA B Tarifa de operação por conteiner Preço (R$) Tabela de preços pag 1 TABELA A Utilização Instalação e Acostamento Preço (R$) Atracação *Por metro Linear/Navio per de 12h ; A taxa mínima a cobrar será de 60 metros por periodo, por embarcação 5,00 TABELA

Leia mais

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle So that all the available files in the Moodle can be opened without problems, we recommend some software that will have to be installed

Leia mais

10 Edição. Um dos maiores eventos de moda de África / One of the biggest fashion show in Africa

10 Edição. Um dos maiores eventos de moda de África / One of the biggest fashion show in Africa a 10 Edição Um dos maiores eventos de moda de África / One of the biggest fashion show in Africa 10 a Edição Retorno ao Patrocinador / Return Primeiramente ter a imagem de sua marca/produto aliada a um

Leia mais

O transporte de passageiros aumentou por via ferroviária (+3,7%) e por metropolitano (+6,3%).

O transporte de passageiros aumentou por via ferroviária (+3,7%) e por metropolitano (+6,3%). Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 214 14 de janeiro de 215 Transporte de passageiros evidenciou crescimento nos aeroportos e ferrovia, mas movimento de mercadorias reduziu-se nos portos e no transporte

Leia mais

Bent glass lamination 1 If the curve of the bent glass is small, you can laminate it by vacuum bag. Noted: The shape of the wood should match the maximum curve of the glass. 2 If the curve of the glass

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio

Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio Qualification Completed By / Qualificação completada por: Country/Region / País/Região: Royal Caribbean LTD Lead Source & Contact Information

Leia mais

Março/2008 Certificação do ISPS Code. Maio/2012 2 milhões de TEUs movimentados LINHA DO TEMPO

Março/2008 Certificação do ISPS Code. Maio/2012 2 milhões de TEUs movimentados LINHA DO TEMPO HISTÓRICO LINHA DO TEMPO Maio/2001 Contrato de adesão com o Ministério dos Transportes Outubro/2005 Início da construção da Portonave Outubro/2007 Início da operação da Portonave Março/2008 Certificação

Leia mais

Petrobras - PNG 2015/2019 Mercado de Embarcações de Apoio no Brasil. Rio de Janeiro 27 de Agosto de 2015

Petrobras - PNG 2015/2019 Mercado de Embarcações de Apoio no Brasil. Rio de Janeiro 27 de Agosto de 2015 Petrobras - PNG 2015/2019 Mercado de Embarcações de Apoio no Brasil Rio de Janeiro 27 de Agosto de 2015 Cláudio Araújo Gerente Geral de Contratações E&P - Serviços 2ª Conferência OAB/RJ de Direito Marítimo

Leia mais

CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA

CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA Certificado Nº ANEXO CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA Expedido de acordo com as disposições da Convenção Internacional para Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974, como emendada, (daqui em diante

Leia mais

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE Página 1 de 35 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no período janeiro-dezembro de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e por Porto

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular 6.2.1.1. Unidade curricular: Curricular Unit: Ficha de Unidade Curricular Comunicação Multimédia (Desenvolvimento) Multimedia Communication (Development) 6.2.1.2. Docente responsável e respectivas horas

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE TÉCNICAS DE OPERAÇÕES EM TERMINAIS DE CONTÊINERS SIGLA: CTOTC SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO: 3,5 SEMANAS CARGA HORÁRIA

Leia mais

CURSO/ COURSE: Engenharia Electrotécnica e de Computadores/ Electrical and Computer Engineering

CURSO/ COURSE: Engenharia Electrotécnica e de Computadores/ Electrical and Computer Engineering 1 CURSO/ COURSE: TIPO DE CURSO/ COURSE TYPE: Ciclo de Estudos Integrado (Mestrado Integrado)/ Integrated Study Cycle (Integrated Master) DURAÇÃO/ DURATION: 10 semestres/ 10 semesters 300 ECTS PLANO DE

Leia mais