Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso"

Transcrição

1 Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso Eglon Rhuan Salazar Guimarães João José de Assis Rangel Ana Lúcia Diegues Skury RESUMO Este trabalho objetivou analisar, por simulação computacional, o processo de produção de sapatas diamantadas, avaliando o número de operadores nos processos, leiaute das máquinas e fluxo de produção, entre outros parâmetros utilizados para avaliar a dinâmica e regras operacionais do sistema. Esta análise visou auxiliar a tomada de decisão necessária para a implementação da empresa, que será a primeira fábrica brasileira para produção de ferramentas diamantadas, com tecnologia brasileira, incubada no TEC-Campos. Os primeiros resultados indicaram que o aumento na quantidade de determinadas máquinas deve ser acompanhada de forma proporcional pelo número de operadores, para se atingir o ganho proporcionado pelo sistema. Palavras-chave: Ferramentas Diamantadas; Modelagem; Simulação; Diamante; Sapata Diamantada. Computer simulation system for the analysis of the system of manufacturing abrasive crowns - a case study ABSTRACT This study has the objective to analyze, by computational simulation, the process of producing abrasive crowns, evaluating the number of operators in the processes, the layout of the machinery, and the production flow, among other parameters used to evaluate the dynamics and operational rules of the system. The analysis aims to assist the decision making necessary for the implementation of the company which will be the first Brazilian plant for the production of diamond tools, with Brazilian technology, housed in TEC-Campos. The initial results indicated that the increased number of certain machines must be proportionate to the number of operators, in order to achieve the gain produced by the system. Key words: Diamond Tools; Modeling; Simulation; Diamond; Abrasive Crowns. Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

2 Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso 1. Introdução O Estado do Rio de Janeiro é o quinto maior produtor de rochas ornamentais do Brasil. Segundo Zepeda (2009), o Estado possui um parque de processamento de empresas que geram mais de 11 mil empregos formais distribuídos na região metropolitana da cidade do Rio de Janeiro (62%, em sua maioria, de marmorarias) e nas regiões Norte-Noroeste. Somente no Município de Santo Antônio de Pádua e cidades vizinhas, como Miracema, São José de Ubá, Itaperuna, Laje do Muriaé, Natividade, Porciúncula, Varre-Sai, Bom Jesus do Itabapoana, Cambuci e Italva, existem em torno de 165 empresas, entre pedreiras e serrarias, das quais 99,9% são de micro e pequeno porte. Todavia, essas empresas dependem da importação de tecnologias de extração de rochas, além de diversas ferramentas diamantadas, que são usadas em processos de corte e polimento. Diante dessas circunstâncias, foi identificado um potencial nicho de mercado na região fluminense. Essa oportunidade alavancou a criação da empresa ABRASDI, a qual se propôs a produzir novas ferramentas diamantadas com tecnologia totalmente brasileira, visando atender às necessidades das empresas brasileiras, em especial as localizadas no Estado do Rio de Janeiro. As ferramentas diamantadas produzidas no Brasil com tecnologia nacional trarão economia considerável de custos, redução de tempo e, consequentemente, aumento da produtividade do setor (ZEPEDA, 2009). Uma das principais vantagens competitivas da ABRASDI é a proximidade de seus clientes. Para que as ferramentas possam ser aplicadas de forma ideal, é necessário que se façam testes em reais condições de trabalho. A distância entre o Brasil e os países exportadores impossibilita a realização de testes com rochas típicas do país. Portanto, pode-se ter um tipo de ferramenta que faça corte ou polimento com grande eficiência nas rochas italianas, porém isso não basta para garantir esse mesmo desempenho nas rochas nacionais (ZEPETA, 2009). A criação da ABRASDI foi iniciativa de pesquisadores ligados ao Laboratório de Materiais Superduros da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) e está sendo incubada pela incubadora de empresas TEC-Campos, que é mantida pela Universidade, além de receber o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ). A empresa produzirá quatro tipos de ferramentas diamantadas diferentes, entre as quais duas serão destinadas ao corte das rochas (serras e fios diamantados) e duas ao polimento (sapatas e ceras diamantadas). Este trabalho objetivou analisar por simulação computacional o processo de produção de sapatas diamantadas, avaliando o número de operadores nos processos, leiaute das máquinas, fluxo de produção e outros parâmetros avaliando a dinâmica do sistema e as regras operacionais. A análise auxiliará a tomada de decisões para implantar a primeira fábrica brasileira de produção de ferramentas diamantadas. Modelos de simulação permitem representar cenários complexos com considerável rapidez. Em razão das diversas fontes de incertezas e da complexidade operacional relacionada ao processo de produção das sapatas diamantadas, o método utilizado tem por base a técnica de simulação computacional de eventos discretos, utilizando-se o software Arena. As principais medidas de desempenho avaliadas são: taxa de utilização de operadores e máquinas, peças em processo (WIP) e lead time do processo (considerando como restrições: custo das ferramentas, qualidade do produto e outros). O modelo de simulação proposto por este trabalho foi baseado na metodologia proposta por Freitas Filho (2008) com os seguintes passos: formulação e análise do problema; planejamento do projeto; formulação do modelo conceitual; coleta de macroinformações e dados; tradução do modelo; verificação e validação; projeto experimental; experimentação; interpretação e análise estatística dos resultados; comparação e identificação das melhores soluções; documentação; e apresentação dos resultados. Seu objetivo foi auxiliar a tomada de decisão relacionada ao processo de produção de sapatas diamantadas (KELTON et al., 2007). 2. Descrição do problema Com o intuito de representar o local e os processos que serão simulados, suas limitações físicas e a localização das máquinas, foi criada uma planta ilustrativa da empresa com algumas imagens que representam as máquinas e bancadas disponíveis para cada processo. Na Figura 1, apresenta-se o espaço físico da empresa com um leiaute inicial, porém as distâncias entre as máquinas não foi disponibilizada, e esse leiaute 282 Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

3 Eglon Rhuan Salazar Guimarães, João José de Assis Rangel e Ana Lúcia Diegues Skury poderá ser alterado com base nas informações encontradas a partir do modelo de simulação. A Figura 1 possui, em alguns locais, siglas de F1 a F10, as quais representam as etapas (de 1 a 10, respectivamente) que compõem o processo de fabricação de sapatas diamantadas. Todos os processos necessários para a fabricação da sapata serão efetuados no galpão da ABRASDI, apresentado na Figura 1. Esse galpão é dividido em duas partes, a primeira consiste em uma partição com escritórios, laboratório de preparação da mistura, áreas de estoque e banheiro. A segunda parte do galpão consiste na área das máquinas, possuindo sinterizadora, máquina de brazagem (não utilizada na fabricação de sapatas), retífica e tensionadora (não utilizada na fabricação de sapatas), além de algumas mesas e bancadas, onde são feitos os processos de preparação do molde, limpeza e desmolde, entre outros. Figura 1 - Espaço físico da ABRASDI A matéria-prima para produção da ferramenta consiste em pó de diamante e liga metálica inorgânica. O processo inicia-se no laboratório, onde as porções desses materiais são misturadas e pesadas por um operador utilizando uma máquina específica (F1). Após esse processo, o mesmo operador será responsável por fazer inspeção da mistura (F2). Nesse ponto, estima-se que 3% da mistura não está homogênea o suficiente e, nesse caso, será retirada e voltará para a etapa F1, para que a mistura seja refeita. Após fazer a inspeção, um operador fará o transporte do material para a mesa de molde, onde se dará início à preparação do molde (F3) para sinterização, etapa em que serão preenchidos pequenos moldes com a mistura para que sejam submetidos à sinterização. A sinterização (F4) consiste em um processo de compactação da mistura através de tratamento térmico, em que a mistura passará por transformação e se tornará material cerâmico. Depois de sinterizado, o molde segue para a bancada de desmolde, onde será submetido a um material desmoldante, além de passar por secagem, desmolde e pré-limpeza. Esses processos serão feitos pelo mesmo operador simultaneamente, motivo pelo qual foram agrupados em uma só etapa (F5). Nessa etapa, separa-se o molde da sapata, que segue no processo para ser submetida aos acabamentos, enquanto o molde volta para o processo F3 para ser reutilizado. A próxima etapa (F6) consiste em uma inspeção que verificará a qualidade da ferramenta criada, e 3% dessa é considerada defeituosa e descartada nesse momento. As sapatas consideradas de boa qualidade (97%) seguem no processo, sendo cada uma delas colada em um suporte (F7) e, então, levada à retífica para que seja submetida ao processo de retificação (F8). Após a retificação, a ferramenta passa por uma pintura (F9) para, então, ser submetida ao último processo necessário, a embalagem (F10), que é feita por outro operador destinado unicamente a essa função. Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

4 Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso 3. Modelo conceitual Segundo Brooks e Robinson (2001), um modelo conceitual é a descrição do modelo que se deseja construir, não dependendo da ferramenta de simulação que se deseja utilizar. Um modelo conceitual, além de servir como documentação do modelo real, pode auxiliar na elaboração do modelo computacional, agilizando seu processo e definindo os pontos de coleta de informações (LEAL et al., 2008). Visando melhorar a descrição e entendimento dos processos da produção de sapatas diamantadas, foi criado um modelo conceitual com base no padrão IDEF-SIM, proposto por Leal et al. (2008). O modelo criado é apresentado no Anexo A. Para complementar o modelo conceitual, o Anexo A contém uma tabela em que se descrevem todas as informações contidas nesse modelo. Essa tabela apresenta cada processo, juntamente com seus tempos estimados e quantidade de recursos necessários, além de descrever os devidos recursos, seus movimentos e as entidades apresentadas no modelo conceitual. 4. Descrição do modelo de simulação Conforme citado, o modelo de simulação proposto neste trabalho foi desenvolvido com base na metodologia apresentada por Freitas Filho (2009). Nele, o modelo conceitual descrito na seção 3 deste trabalho foi traduzido para o software Arena 12, possibilitando que as simulações computacionais sejam de fato realizadas. A empresa a ser simulada está em fase de incubação e não começou a produzir em escala industrial. Esse fator possibilita que vários cenários sejam simulados para que o melhor cenário encontrado seja implantado, e esse procedimento permite identificar problemas e oportunidades de melhoria no processo antes do início das linhas de produção. Contudo, devido ao fato de as linhas de produção não estarem implantadas, não foi possível coletar os tempos reais dos processos. Por esse motivo, os tempos foram estimados pelos responsáveis pela idealização, planejamento e implantação da ABRASDI, devido à vasta experiência na produção de diamante e de ferramentas diamantadas possuídas por eles. Os tempos estimados para cada processo estão apresentados na Tabela 1, em que é possível notar que, nesse processo, não existem distribuições estatísticas. Dessa forma, não se pode classificá-lo como modelo estocástico clássico, tampouco determinístico. No entanto, o conjunto de regras que interagem entre si, compondo o funcionamento do sistema, torna esse conjunto um modelo dinâmico complexo (RANGEL et al., 2009; BANKS et al., 2010), com variáveis dependentes, tornando-se, assim, necessário o emprego de simulação de eventos discretos para sua análise e avaliação. Antes de realizar a simulação do processo, foi necessário validar e verificar o modelo (CARSON, 2004; CHWIF; MEDINA, 2006). Essas etapas foram efetuadas com base na metodologia apresentada por Sargent (2007). Com o intuito de facilitar a verificação do modelo, todos os processos e movimentações tiveram seus tempos alterados para o valor de um segundo, sendo essa mudança feita para facilitar sua análise e verificar se o modelo estava condizente com o sistema a que se propõe simular. Após essa alteração, o modelo foi executado passo a passo e os eventos, analisados em relação ao tempo, identificando se havia coerência entre o modelo de simulação, o modelo físico e o modelo conceitual. Todavia, para aumentar a confiabilidade da verificação, uma tabela foi criada, na qual foram cadastradas todas as informações dos processos consideradas necessárias, entidades e recursos que o modelo de simulação possibilitou, viabilizando, assim, uma análise mais apurada. Essa tabela serviu para confirmar, de fato, que o sistema descrito representava o modelo conceitual e físico. Devido ao fato de não existir sistema real para que seja feita a validação do modelo criado, essa etapa foi realizada pelos idealizadores da empresa ABRASDI. Devido à experiência na referida área, considerou-se suficiente a verificação feita por essa análise. Tabela 1 - Tempos estimados dos processos Tempos estimados dos processos Processo Tempo Preparação da mistura e pesagem (min) 30 Inspeção da mistura 10 Sinterização 15 Secagem, desmolde e pré-limpeza 15 Inspeção 10 Colar no suporte 2 Retífica 2 Pintura 5 Embalagem Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

5 Eglon Rhuan Salazar Guimarães, João José de Assis Rangel e Ana Lúcia Diegues Skury Os parâmetros de entrada do modelo (chegada) foram as porções de diamante e liga metálica, porções essas que chegam juntas e na mesma proporção. Há também a entidade- molde, que chega diretamente na mesa de molde, onde aguarda a chegada da porção da mistura (liga metálica + diamante), para que possa prosseguir. Após a entrada das entidades, estas circulam por todas as etapas de produção da ferramenta, passando por cada processo, aguardando o tempo necessário (Tabela 1) e sofrendo as alterações de entidade, conforme apresentado no modelo conceitual (vide Anexo A) para, então, chegar ao final do processo, momento no qual a entidade já foi transformada em sapata pronta para a comercialização. Este trabalho visa identificar a capacidade de produção de sapatas diamantadas, tendo em conta as possíveis variações de quantidade de operadores e de máquinas, avaliando-se a quantidade ideal de cada recurso. O projeto experimental ainda não está totalmente concluído e possui alguns resultados preliminares, que são apresentados na seção Projeto experimental e análise dos resultados A experimentação realizada neste trabalho foi baseada na estratégia de simulações computacionais do tipo Projeto Fatorial 2k descrita por Freitas Filho (2008). Nessa estratégia, altera-se um dos dois níveis de um fator (k) por vez, mantendo os demais fixos. Os experimentos são iniciados com uma configuração típica (a mesma utilizada na validação do modelo), para todos os fatores, depois se alteram os níveis de um fator por vez, nos experimentos sucessivos. Antes, todavia, de efetuar os experimentos com os cenários considerados possíveis, considerou-se necessária a realização de testes com o mesmo cenário, alterando o número de replicações. Esse procedimento se justifica pela necessidade de identificar a quantidade ideal de replicações a executar, e essa quantidade pode ser identificada quando a média do número de sapatas produzidas nas replicações começa a convergir, ou seja, quando os resultados obtidos através do cenário, variando o número de replicações, começam a apresentar valores aproximados. Os resultados começaram a apresentar convergência quando executados em 20 replicações. Dessa forma, o valor adotado em todos os testes foi de 20 replicações. Após identificar o número de replicações necessárias, foi realizado um experimento para verificar a quantidade ideal de operadores no processo. Esse experimento foi efetuado utilizandose oito níveis e um fator, tornando-o linear, pois a única variação necessária para essa verificação é a variação de operadores. Na Tabela 2, apresentam-se os cenários que foram utilizados nas simulações computacionais, resultando em um total de oito cenários. Todos os experimentos executados neste trabalho foram efetuados em uma máquina com processador semprom GHz e 1 GB de memória RAM. O modelo foi ajustado para rodar durante 8 h de trabalho, com simulação de um dia de produção, executando-se 20 replicações em cada cenário. Conforme citado, os resultados são preliminares, e os testes foram realizados considerando o processo de produção de sapatas até o processo de inspeção (F5), excluindo-se os outros processos. Tabela 2 - Descrição dos cenários simulados no primeiro experimento Fatores Cenários Num. de operadores A Figura 2 ilustra um gráfico com os resultados obtidos pelas simulações computacionais, adotando-se os valores de um a oito operadores para os respectivos níveis. Como variável de resposta foi definida a quantidade de sapatas produzidas. O eixo y do gráfico (vertical) representa a capacidade de produção, e o eixo x (horizontal) mostra a quantidade de operadores definida para o devido nível. Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

6 Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso Tabela 3 - Descrição dos cenários utilizados no segundo experimento Fatores Cenários Num. operadores Num. de 1 Nível 1 máquinas Nível 1 2 Nível 1 Nível 2 3 Nível 2 Nível 1 4 Nível 2 Nível 2 Figura 2 - Gráfico com os resultados do primeiro experimento É possível notar que a quantidade ideal de operadores necessários para a fabricação das sapatas é em torno de 3 e 4. Operando com somente um operador, a capacidade de produção é de 18 sapatas por dia. Porém, adicionando um operador, a capacidade é dobrada e, caso seja possível adicionar mais um operador, chega a três deles, e a capacidade aumenta novamente em 47,22%. Aumentando de três para quatro operadores, ainda obtém-se um ganho, porém este não é muito expressivo, representando apenas 1,89%. Contudo, a viabilidade da contratação ou não de mais um operador depende da necessidade da empresa, uma vez visto que pequeno aumento na produção pode trazer ganho considerável para a companhia, garantindo o cumprimento de algum contrato ou pedido. Um segundo experimento foi realizado para identificar o impacto que poderia causar a variação da quantidade das máquinas. A máquina escolhida para ser analisada foi a misturadora, devido à demora exigida no processo de mistura (30 min) e ao preço da máquina, que é menor que o das demais. Variando a quantidade de operadores entre três e quatro e a quantidade de misturadores entre uma e duas, obtém-se um experimento com dois níveis e dois fatores, resultando em um total de quatro cenários. Na Tabela 2, apresentam-se os cenários que foram utilizados nas simulações computacionais para o segundo experimento, no qual o modelo também foi ajustado para rodar durante 8 h de trabalho, simulando um dia de produção. A Figura 3 contém um gráfico com os resultados obtidos pelas simulações computacionais no segundo experimento. Neste foram adotados os valores de 3 e 4 para os níveis do fator número de operadores e os valores de um e dois para os níveis do fator número de máquinas. Como variável de resposta, também foi definida a quantidade de sapatas produzidas. O eixo y desse gráfico (vertical) representa a capacidade de produção, e o eixo x (horizontal) exibe a quantidade de máquinas definida para o devido nível. A quantidade de operadores é representada pelas séries do gráfico, conforme legenda. Figura 3 - Gráfico com os resultados do segundo experimento Com base nos valores apresentados na Figura 3, nota-se que a quantidade de mistuadoras influencia diretamente na capacidade de produção. Contudo, quando se aumenta para duas misturadoras mantendo três operadores, o aumento é pouco representativo (3,57%), pois a máquina fica sem operador. Mas, aumentando a quantidade de máquinas para duas e a quantidade de operadores para quatro, obtém-se um ganho de 33,96% em relação ao cenário de uma misturadora e três 286 Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

7 Eglon Rhuan Salazar Guimarães, João José de Assis Rangel e Ana Lúcia Diegues Skury operadores, chegando à capacidade de produção de 71 sapatas diamantadas por dia. ainda, à Direção da empresa ABRASDI, pelos dados e pelas sugestões. 7. Referências 5. Considerações finais O potencial de produção de rochas ornamentais possuído pelo Estado do Rio de Janeiro, juntamente com a carência que o Brasil possui de ferramentas de suporte a esse tipo de segmento, torna visível um potencial nicho de mercado na área. Essa oportunidade alavancou a idealização da empresa ABRASDI. Este trabalho implementa técnicas de Simulação Computacional a um processo consideravelmente novo no Brasil, auxiliando a tomada de decisão para a criação da primeira empresa nacional dedicada à fabricação de ferramentas diamantadas. A importância deste trabalho se reforça pelo fato de não existir no Brasil outra empresa de fabricação de ferramentas diamantadas para que se possam identificar parâmetros de análise. Desse modo, o modelo de simulação propõe-se a apresentar diversas informações consideradas importantes para a análise do seu processo. Este artigo apresentou um modelo de simulação para auxiliar a tomada de decisão em relação ao número de operários e de máquinas necessários para o funcionamento da empresa. Os resultados indicam alguns cenários que podem ser considerados ideais, a depender de sua necessidade, indicando que ganhos consideráveis podem ser obtidos com algumas mudanças nos parâmetros. Conforme citado, este trabalho apresenta resultados preliminares do projeto. Como trabalhos futuros, propõe-se a execução do modelo em outros cenários, analisando alterações no leiaute das máquinas, lead time do processo e, possivelmente, estimando custos de produção. BANKS, Jerry; CARSON, John, S.; NELSON, Barry, L.; NICOL, David M. Discrete-event system simulation. 5nd ed. New Jersey: Prentice Hall, BROOKS, R. J.; ROBINSON, S. Simulation, with inventory control, operational research series. Basigstoke: Palgrave, CARSON II, J. S. Introduction to modeling and simulation. In: THE WINTER SIMULATION CONFERENTE, 2004, Marietta. Proceedings Marietta, USA, p Available: <http://www.wintersim.org>. CHWIF, L.; MEDINA, A. C. Modelagem e simulação de eventos discretos, teoria e aplicações. Bravarte, FREITAS FILHO, Paulo José de. Introdução a modelagem e simulação de sistemas. 2. ed. São Paulo: Visual, p. KELTON, W. D.; SADOWSKI, R. P.; STURROCK, D. T. Simulation with arena. 4nd ed. New York: MacGraw-Hill, LEAL, F.; ALMEIDA, D. A.; MONTEVECHI, J. A. B. Uma proposta de técnica de modelagem conceitual para a simulação através de elementos do IDEF, XL SBPO, RANGEL, J. J. A.; AZEVEDO, L. R.; CUNHA, A. P.; VIANNA, D. S. Modelo de simulação para análise do frete e lead time no transporte de cana-de-açúcar fornecida para uma usina SARGENT, R. G. Verifications and validation of simulations models. In: Winter simulation conference. Miami, USA, p ZEPEDA, V. Novos produtos deverão impulsionar setor de rochas ornamentais no Estado. Boletim FAPERJ. Disponível em: <http://www.faperj.br/boletim_interna.phtml?obj_id=5886>. Acesso em: 30 out Agradecimentos Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), pelo suporte financeiro a esta pesquisa; Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

8 Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso Anexo A Modelo conceitual do processo de produção de sapatas diamantadas e tabela de descrição dos elementos 288 Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

9 Eglon Rhuan Salazar Guimarães, João José de Assis Rangel e Ana Lúcia Diegues Skury Código Descrição Tempo e quantidade F1 Preparação da mistura e pesagem tempo: 30 min (um operador 1 e 1 misturadora) F2 Inspeção da mistura Tempo: 10s (um opeador 1) F3 Preparar e preencher o molde Tempo: 2 min (um operador 1) F4 Sinterização Tempo: 15 min (um operador 3 e uma sinterizadora) F5 Secagem, desmolde, passar desmoldante e pré-limpeza Tempo: 15 min (um operador 3) F6 Inspeção Tempo: 10s (um operador 4) F7 Colar no suporte Tempo: 2 min (um operador 4) F8 Retífica Tempo: 2 min (um operador 5 e uma retífica) F9 Pintura Tempo: 5 min (um operador 6) F10 Embalagem Tempo: 3 min (um operador 7) R1 Operador 1 Quantidade: 1 MA1 Misturadora Quantidade: 1 R2 Operador 2 Quantidade: 1 R3 Operador 3 Quantidade: 1 MA2 Sinterizadora Quantidade: 1 R4 Operador 4 Quantidade: 1 R5 Operador 5 Quantidade: 1 R6 Operador 6 Quantidade: 1 MA3 Retífica Quantidade: 1 R7 Operador 7 Quantidade: 1 E1 E2 E3 E4 E5 Diamante Liga metálica inorgânica Mistura Molde Sapata M1 Movimentação do laboratório para a mesa de molde Dist. Indefinida (um operador 1) M2 Movimentação da mesa de molde para a sinterizadora Dist. Indefinida (um operador 3) M3 Movimentação da sinterizadora para a mesa de limpeza Dist. Indefinida (um operador 3) M4 Movimentação da mesa de limpeza para a retífica Dist. Indefinida (um operador 5) M5 Movimentação da retífica para a mesa de pintura Dist. Indefinida (um operador 5) M6 Movimentação da mesa de pintura para a mesa de embalagem Dist. Indefinida (um operador 6) Artigo selecionado entre os 10 melhores do VI Encontro Mineiro de Engenharia de Produção - EMEPRO Revista Eletrônica Produção & Engenharia, v. 3, n. 2, p , Jan./Jun

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Tiago de Azevedo Santos tiago@iff.edu.br João José de Assis Rangel joao@ucam-campos.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Tiago de Azevedo Santos tiago@iff.edu.br João José de Assis Rangel joao@ucam-campos.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

UM MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO FLUXO DE CLIENTES EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA

UM MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO FLUXO DE CLIENTES EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 UM MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO FLUXO DE CLIENTES EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA João José de Assis Rangel (UCAM-Campos) joao@ucam-campos.br Anna Christine Azevedo

Leia mais

03.05.11 SIMULAÇÃO. Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br)

03.05.11 SIMULAÇÃO. Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br) 03.05.11 SIMULAÇÃO Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br) roteiro da aula TEORIA PRÁTICA LAB conceitos Algumas definições SIMULAÇÃO: técnica de solução de um problema análise de um modelo

Leia mais

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DO TRANSPORTE DE TIJOLOS DE CAMPOS DOS GOYTACAZES. Cardoso L.D.¹, Rangel J.J.A.²

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DO TRANSPORTE DE TIJOLOS DE CAMPOS DOS GOYTACAZES. Cardoso L.D.¹, Rangel J.J.A.² SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DO TRANSPORTE DE TIJOLOS DE CAMPOS DOS GOYTACAZES Cardoso L.D.¹, Rangel J.J.A.² 1 IFF/Núcleo de Pesquisa Operacional, leonardodcardoso@gmail.com 2 IFF/Núcleo de Pesquisa Operacional,

Leia mais

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO BENEFICIAMENTO DE BLOCOS DE GRANITO UM ESTUDO DE CASO

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO BENEFICIAMENTO DE BLOCOS DE GRANITO UM ESTUDO DE CASO IJIE Iberoamerican Journal of Industrial Engineering Periódico da área de Engenharia Industrial e áreas correlatas Editor responsável: Nelson Casarotto Filho, Prof. Dr. Organização responsável: Universidade

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

SIMULAÇÃO COM OTIMIZAÇÃO: UMA APLICAÇÃO PARA O DIMENSIONAMENTO DE CENTRAIS DE ATENDIMENTO

SIMULAÇÃO COM OTIMIZAÇÃO: UMA APLICAÇÃO PARA O DIMENSIONAMENTO DE CENTRAIS DE ATENDIMENTO SIMULAÇÃO COM OTIMIZAÇÃO: UMA APLICAÇÃO PARA O DIMENSIONAMENTO DE CENTRAIS DE ATENDIMENTO Ozéas dos Santos Leite * João José de Assis Rangel ** RESUMO: Este trabalho apresenta um modelo de simulação com

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS

A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS André Monteiro Klen (UFOP) Klen@bol.com.br Irce Fernandes Gomes Guimarães

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

Simulação Transiente

Simulação Transiente Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho de Sistemas Professores: Paulo Maciel Ricardo Massa Alunos: Jackson Nunes Marco Eugênio Araújo Dezembro de 2014 1 Sumário O que é Simulação? Áreas de Aplicação

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM UM SISTEMA DE CARREGAMENTO E PESAGEM DE CAMINHÕES EM UMA MINA

APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM UM SISTEMA DE CARREGAMENTO E PESAGEM DE CAMINHÕES EM UMA MINA APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM UM SISTEMA DE CARREGAMENTO E PESAGEM DE CAMINHÕES EM UMA MINA Rafael Quintao de Andrade (UFOP) rafaelqandrade@gmail.com ANDRE FILIPE MORAES GOLOBOVANTE (UFOP) afilipemoraes@yahoo.com.br

Leia mais

Modelo de Simulação para Análise do Sistema de Fabricação de Serras Diamantada

Modelo de Simulação para Análise do Sistema de Fabricação de Serras Diamantada Modelo de Simulação para Análise do Sistema de Fabricação de Serras Diamantada Ana Carolina de Almeida Sá (UCAM) carolalmeidasa@gmail.com Elaine Cristina Gonçalves Moreira (UCAM) elainemoreira20@yahoo.com.br

Leia mais

SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1

SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1 SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1 Leonardo Chwif Sinopse Simulate Tecnologia de Simulação Ltda Travessa R, n o 400, sala 19, Prédio Cietec 05508-900, São Paulo,

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM CONCEITUAL IDEF-SIM AO SOFTWARE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL SIMUL8: UM CASO PRÁTICO

APLICAÇÃO DA MODELAGEM CONCEITUAL IDEF-SIM AO SOFTWARE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL SIMUL8: UM CASO PRÁTICO APLICAÇÃO DA MODELAGEM CONCEITUAL IDEF-SIM AO SOFTWARE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL SIMUL8: UM CASO PRÁTICO Marcelo Machado Mendonca (UNIFEI ) mmmnix@yahoo.com.br Jose Arnaldo Barra Montevechi (UNIFEI )

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO ISSN 1984-9354 UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO Jonathan Velasco da Silva (Instituto Federal Fluminense) Dalessandro Soares Vianna (Universidade

Leia mais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 1 A fim de poder realizar uma análise mais precisa dos resultados de simulação, é preciso saber classificar o sistema modelado como sendo terminal ou não-terminal.

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

SIMULAÇÃO DE LAYOUT APLICADA AO PROJETO DE UMA LINHA DE FUNDIÇÃO

SIMULAÇÃO DE LAYOUT APLICADA AO PROJETO DE UMA LINHA DE FUNDIÇÃO VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil SIMULAÇÃO

Leia mais

Calculadora de economia de energia do cliente Dell. Descrição geral do consumo de energia em sistemas de computador:

Calculadora de economia de energia do cliente Dell. Descrição geral do consumo de energia em sistemas de computador: Calculadora de economia de energia do cliente Dell Finalidade: A Calculadora de economia de energia do cliente Dell pretende oferecer uma ferramenta que permita aos clientes estimar o consumo de energia

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM CENÁRIO E USO DE UM SOFTWARE DE SIMULAÇÃO EM VISANDO O ENSINO EM GESTÃO DA PRODUÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE UM CENÁRIO E USO DE UM SOFTWARE DE SIMULAÇÃO EM VISANDO O ENSINO EM GESTÃO DA PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM CENÁRIO E USO DE UM SOFTWARE DE SIMULAÇÃO EM VISANDO O ENSINO EM GESTÃO DA PRODUÇÃO Marcelo Castanharo (UNESP) mcastanharo@hotmail.com Renato de Campos (UNESP) rcampos@feb.unesp.br

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de

Leia mais

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD RESUMO Thereza P. P. Padilha Fabiano Fagundes Conceição Previero Laboratório de Solos

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2012-2 SISTEMA GERENCIADOR DE REVENDAS DE COSMÉTICOS Alunos: BARROS,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Reduzindo Custos na Logística

Reduzindo Custos na Logística Reduzindo Custos na Logística 1 Sempre que observo o processo tenho a sensação de estar perdendo muito dinheiro, mas não sei o quanto. Tenho ideia de onde estou perdendo dinheiro mas é impossível ter checar

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

A IFOUR ÁREAS DE ATUAÇÃO

A IFOUR ÁREAS DE ATUAÇÃO A IFOUR Fundada em 2000, a ifour Sistemas conta com sedes em Viçosa e Muriaé. Atua no desenvolvimento de soluções completas para gestão empresarial (automação), envolvendo software e equipamentos para

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

COLETA DE DADOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS DE UM RESTAURANTE

COLETA DE DADOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS DE UM RESTAURANTE COLETA DE DADOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS DE UM RESTAURANTE Natacha Maria de Carvalho Oliveira Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Av. BPS, 1.303, Bairro Pinheirinho,

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO TRANSPORTE DE TIJOLOS PRODUZIDOS NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO TRANSPORTE DE TIJOLOS PRODUZIDOS NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Versão inicial submetida em 27/07/2011. Versão final recebida em 09/04/2012. Rio de Janeiro, v.4, n.2, p. 216-229, maio a agosto de 2012 SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO TRANSPORTE DE TIJOLOS PRODUZIDOS

Leia mais

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Revisão da Literatura Tema 2 Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Sistema Termo utilizado em muitas situações Prado (2014) afirma que: Sistema é uma agregação de objetos que têm alguma interação ou interdependência.

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA CAFETERIA UNIVERSITÁRIA: UM ESTUDO DE CASO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA CAFETERIA UNIVERSITÁRIA: UM ESTUDO DE CASO SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA CAFETERIA UNIVERSITÁRIA: UM ESTUDO DE CASO JOSÉ AIRTON A. DOS SANTOS 1, ANGELA R. BEM 2, CAMILA C. C. DOS REIS 3, EDUARDO A. NAUMANN 4, MATHEUS FERNANDO MORO

Leia mais

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Alexandre Magno Castañon Guimarães Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Aplicação da Simulação Discreta para Melhoria do Gerenciamento de Incidentes de Sistemas de Informação em uma Empresa do Setor de Petróleo e Gás

Aplicação da Simulação Discreta para Melhoria do Gerenciamento de Incidentes de Sistemas de Informação em uma Empresa do Setor de Petróleo e Gás Aplicação da Simulação Discreta para Melhoria do Gerenciamento de Incidentes de Sistemas de Informação em uma Empresa do Setor de Petróleo e Gás Hadriel Toledo Lima hadriellima@gmail.com UFF/PETROBRAS

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO - SIMULADOR DE REGRAS DE SEQÜÊNCIAÇÃO

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO - SIMULADOR DE REGRAS DE SEQÜÊNCIAÇÃO PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO - SIMULADOR DE REGRAS DE SEQÜÊNCIAÇÃO Renato de Oliveira Moraes UNIP Universidade Paulista Rua Bacelar, 1212 Vila Clementino São Paulo, SP Cep 04026-002 e-mail: renato.moraes@ perceptron.com.br

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

APLICAÇÃO DA EAP NAS ETAPAS DE UM PROJETO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS EM UMA FÁBRICA DE LATICÍNIOS

APLICAÇÃO DA EAP NAS ETAPAS DE UM PROJETO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS EM UMA FÁBRICA DE LATICÍNIOS APLICAÇÃO DA EAP NAS ETAPAS DE UM PROJETO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS EM UMA FÁBRICA DE LATICÍNIOS Tabata Fernandes Pereira (UNIFEI) tabatafp@gmail.com Rafael de Carvalho Miranda (UNIFEI) rafaelc.miranda@yahoo.com.br

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Tópicos em Programação Linear e Inteira Prof. Dr.Ricardo Ribeiro dos Santos ricr.santos@gmail.com Universidade Católica Dom Bosco - UCDB Engenharia de Computação Roteiro Introdução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

Centro de Estudos em Logística COPPEAD / UFRJ. capacidade. Victor Brito. Introdução

Centro de Estudos em Logística COPPEAD / UFRJ. capacidade. Victor Brito. Introdução Aplicação de simulação como ferramenta de apoio à elaboração de um planejamento estratégico de Victor Brito Introdução Capacidade é o volume de saída que um sistema é capaz de atingir em um período específico

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R ENCARTE R Estimativa de de Software Estimativa de de Software: Contratação de Serviços de Fábrica de Software Página 1 de 10 SUMÁRIO 1 REFERÊNCIAS... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 3.1 ESTIMATIVA PRELIMINAR... 4

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA PARA UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE: UM ESTUDO DE CASO COM SUPORTE DE SIMULAÇÃO.

PROPOSTA DE MELHORIA PARA UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE: UM ESTUDO DE CASO COM SUPORTE DE SIMULAÇÃO. PROPOSTA DE MELHORIA PARA UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE: UM ESTUDO DE CASO COM SUPORTE DE SIMULAÇÃO. Aparecido Soares Filho (UFSCar/Sor) cidao_soares@hotmail.com Guilherme Tadeu Chiozzotto

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 1 ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA W.A. Lehmkuhl, T.S. Possamai, D.S. Weber, V. Fornazieri, V.P. Nicolau Universidade Federal de Santa Catarina / Campus

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

SIMULAÇÃO E LAYOUT - UM ESTUDO DE CASO

SIMULAÇÃO E LAYOUT - UM ESTUDO DE CASO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. SIMULAÇÃO E LAYOUT - UM ESTUDO DE CASO André Fernandes Meirelles (UFRJ) andre.meirelles@gpi.ufrj.br Luiz Antônio Meirelles (UFRJ) meirelles@ufrj.br Rafael

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Débora Cristina de Souza RODRIGUES1; Matheus Soares NAMETALA2; Rafaela Leite das CHAGAS3.Ciniro Aparecido Leite NAMETALA4; Wemerton Luís

Leia mais

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025.

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Computational development tool for equipament control according to ISO/IEC 17025. Heloisa de Campos

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Consultoria - Gestão de Capital Humano Pesquisa de Remuneração A Deloitte conta com importantes métodos e parâmetros para ajudá-lo a definir mais adequadamente as estratégias

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços A empresa A FollowUp é uma empresa que presta serviços em Tecnologia da Informação (TI). O principal foco é o outsourcing de serviços de análise e desenvolvimento de sistemas computacionais.

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

SIM0101 - Simulação de Eventos Discretos Semana 2-3

SIM0101 - Simulação de Eventos Discretos Semana 2-3 SIM0101 - Simulação de Eventos Discretos Semana 2-3 Introdução à modelagem e simulação com Arena Ricardo Lüders UTFPR Sumário Terminologia 1 Terminologia 2 3 4 Elementos básicos da simulação Variáveis

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática Estudo e aperfeiçoamento da técnica de steering behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais