Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente"

Transcrição

1 Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

2 Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional. 2

3 Índice A Unidade Saúde Familiar Infesta 4 Localização da USF Infesta? 5 Horário de atendimento da USF Infesta? 6 Serviços da USF Infesta? 7 Como ter acesso aos serviços da USF Infesta? 15 Disponho de outros serviços? 20 Direitos dos Utentes 22 3

4 A Unidade Saúde Familiar Infesta A Unidade de Saúde Familiar Infesta (USF Infesta) é constituída por uma equipa de profissionais de saúde (Médicos, Enfermeiros e Secretários Clínicos) empenhados em servir melhor. Acreditamos poder contar com a sua colaboração, de modo que conjuntamente possamos ter melhor acesso aos cuidados de saúde. A USF Infesta é uma unidade funcional do Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) da Unidade Local de Saúde Matosinhos. 4

5 Localização da USF Infesta Situa-se nas instalações do Centro de Saúde de São Mamede Infesta, ocupando o piso 0 do mesmo. Rua Godinho de Faria nº 731, piso São Mamede de Infesta. Telefone: Fax: Site: 5

6 Horário de atendimento da USF Infesta Garantimos a acessibilidade dos nossos cuidados de saúde nos dias úteis, no seguinte horário: Horário Funcionamento: 2ª a 6ª feira - 8h00 às 20h00 (último atendimento programado às 19H45) Fins-de-semana e Feriados, noites (dias uteis após 20h) caso necessite de observação urgente e inadiável, poderá dirigir-se ao SASU, situado no Centro de Saúde de Matosinhos, Rua Alfredo Cunha, 365. Horário de Funcionamento: Noites (dias úteis) 20h00 às 23h00 Fins-de-semana e Feriados 9h00 às 19h00 6

7 Serviços da USF Infesta Consultas Programadas Disponibilizamos aos utentes Consultas especificas para Saúde Infantil e Juvenil, Saúde Materna, Planeamento Familiar, Programa de vigilância de Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus, Saúde Idoso, Saúde do Adulto e cuidados no domicílio a utentes dependentes. As consultas de vigilância servem de manutenção do bem-estar dos utentes, promovendo a saúde nas diversas etapas de desenvolvimento da sua vida. Todas as consultas devem ser programadas, pelo próprio utente ou pela equipa de saúde. 7

8 Consulta de Saúde Infantil/Juvenil Consultas destinada à vigilância, promoção e manutenção da saúde da criança e do jovem, desde o nascimento até ao final da adolescência (18 anos). A primeira consulta deve ser realizada o mais cedo possível, de preferência na 1ª semana após alta hospitalar. Para isso, deve registar o bebé na USF e agendar a primeira consulta (se a mãe tiver sido vigiada na USF Infesta esta já estará marcada) De acordo com o programa de vigilância proposto pela Direção Geral da Saúde, as consultas devem realizar-se nas seguintes idades: primeiros 10 dias de vida, 1 mês, 2 meses, 4 meses, 6 meses, 9 meses, 12 meses, 15 meses, 18 meses, 24 meses, 3 anos, 4 anos, entre os 5 e 6 anos, 8 anos, entre os 11 e 13 anos, 15 anos e 18 anos. 8

9 Deve fazer-se acompanhar do Boletim de Saúde Infantil e Juvenil, assim como do Boletim Individual de Vacinas. Quando a idade da consulta programada coincidir com a idade para vacinação, estas serão administradas no decorrer da consulta. 9

10 Consulta de Saúde Materna São consultas destinadas ao acompanhamento de todos os casais grávidos e de preparação para o parto. Se está grávida, ou julga estar, vá à USF marcar a sua primeira consulta, fazendo referência ao facto de estar grávida para o Secretário Clínico fazer a correta marcação, com a prioridade necessária. As consultas deverão ser realizadas mensalmente até às 36 semanas e quinzenalmente até às 40 semanas. Deve trazer sempre o Boletim de Grávida e todos os exames pedidos pelo Médico Família. A vigilância de uma gravidez termina com a Consulta de Revisão de Puerpério, que deve ter lugar entre as 6 e as 8 semanas após parto 10

11 Consulta de Planeamento Familiar São consultas indicadas para que os nossos utentes tenham acesso a todas as informações e vigilância da sua saúde reprodutiva, permitindo ainda assegurar outras atividades de promoção da saúde, tais como: Informação e aconselhamento sexual, prevenção e diagnóstico precoce das Infeções Transmitidas Sexualmente, do cancro do colo do útero e da mama e prestação de cuidados pré-concecionais e no puerpério. Permite também a cedência de anticoncecional gratuita, escolhendo os que mais lhe convém. Cada consulta de Planeamento Familiar tem uma componente médica e outra de enfermagem, por isso a necessidade de marcação, prévia, com ambos os profissionais 11

12 Consulta de Hipertensão Arterial A Hipertensão Arterial está intimamente relacionada com o aumento da morbilidade e mortalidade globais, pois favorece o aparecimento de Insuficiência Cardíaca Congestiva, Acidente Vascular Cerebral, Morte Súbita, entre outras. As consultas são orientadas consoante Normas Clínicas, ou mediante avaliação Médica. Consulta de Diabetes Mellitus A Diabetes Mellitus é uma doença crónica caracterizada por uma elevada taxa de morbimortalidade, com uma prevalência crescente, afetando a pessoa de forma bio-psico-social. As consultas são orientadas consoante Normas Clínicas, ou mediante avaliação Médica/Enfermagem. 12

13 Cuidados de Enfermagem Tratamentos São efetuados nas respetivas salas de tratamento e são executados consoante o agendamento feito (dia e hora) para o Utente. Os serviços disponíveis mediante prescrição de Enfermagem ou médica são: - Realização de tratamento de feridas; - Cuidados Domiciliários a utentes dependentes; - Ensinos na área de prevenção; - Administração de terapêutica injetável (mediante prescrição médica). Vacinação: Horário: Diariamente de acordo com o horário do seu Enfermeiro de Família. 13

14 As vacinas e provas que se seguem são efetuadas nos seguintes dias: Vacina BCG (contra Tuberculose): 6ª feiras, mediante marcação com Enfermeiro Família; Prova de Mantoux 2º e 3ªfeira, mediante marcação com Enfermeiro de Família. As vacinas dos utentes da USF Infesta serão feitas preferencialmente por agendamento, para facilitar o atendimento e diminuir tempo de espera. A administração de vacinas fora do Programa Nacional de Vacinação só será efetuada perante prescrição médica. 14

15 Como ter acesso aos serviços da USF Infesta? Todos os serviços de saúde da USF Infesta carecem de agendamento prévio, que pode ser efetuado: - Presencialmente; - Telefone EAgenda portal da Saúde: Na generalidade, recomenda-se que os agendamentos sejam realizados com a máxima antecedência possível, deste modo será possível gerir melhor os tempos e dias de consulta disponíveis. Os utentes devem passar pelo Secretariado Clínico. 15

16 Como proceder ao chegar à USF UTENTE Entrada na USF Interação com o Quiosque de gestão de filas UTENTE Interação com o Quiosque de gestão de filas SECRETARIADO CLINICO Orientação Consulta programada médica e de enfermagem Receção de taxas moderadoras Marcação de consultas Marcação e validação de MCDT s Outros procedimentos Informações UTENTE Interação com o Quiosque de gestão de filas MÉDICO Consulta programada Diabetes e hipertensão Saúde da mulher Saúde infantil e juvenil Saúde materna Outros procedimentos ENFERMEIRO Consulta programada Diabetes e hipertensão Saúde da mulher Saúde infantil e juvenil Saúde materna Tratamentos, Vacinação Outros procedimentos UTENTE Saída da USF 16

17 No dia da Consulta Deverá chegar 10 minutos antes da hora marcada, dirigir-se ao Quiosque das senhas e seguir as instruções. Deve trazer o Cartão de Utente ou Cartão Cidadão e o comprovativo da marcação de consulta (quando tiver sido feito presencialmente). Não será necessário chegar com maior antecedência, até porque a inscrição não será efetuada. No entanto, se o utente chegar atrasado à USF Infesta, poderá não ser possível a realização da consulta. Após a confirmação da presença deverá aguardar na sala de espera e esperar ser chamado pelo profissional de saúde. 17

18 Se não puder comparecer no dia da consulta? Deverá avisar o Secretariado Clínico ou Enfermeiro por telefone, ou presencialmente, com máxima antecedência possível. Se o fizer, terá logo a possibilidade de agendar uma nova consulta. Como pedir renovação da medicação crónica ou continuação de tratamentos? Nestes casos como não necessita, de momento, de avaliação clínica, deve dirigir-se ao Secretariado Clínico e formular o seu pedido: Pedido de medicação crónica. Deverá trazer o Guia de Medicação Prolongada, fornecido pelo seu médico de família na consulta, assinalando a medicação pretendida; 18

19 Posso solicitar a vinda do médico e Enfermeiro a minha casa? A consulta Médica/Enfermagem, ao domicílio, destina-se a utentes de dependência funcional. UTENTE Entrada na USF por terceiro - Interação com o Quiosque de gestão de filas SECRETARIADO CLINICO Orientação / atendimento telefónico Registo do pedido de visitação domiciliária médica e de enfermagem UTENTE Saída na USF por terceiro Términos do contacto telefónico MÉDICO Informado pelo secretariado clínico do pedido de visitação domiciliária Contacto telefónico do médico com utente ou terceiro para avaliação de situação clínica. Realização da visitação ENFERMEIRO Informado pelo secretariado clínico do pedido de visitação domiciliária Contacto telefónico do enfermeiro com utente ou terceiro para avaliação de situação clínica Realização da visitação domiciliária 19

20 Disponho de outros serviços? Em articulação com a Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados (URAP) e com a Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC) de S. Mamede, dispomos de: Consulta de: -Ginecologia/Obstetrícia; - Hipocoagulados. - Psicologia; - Nutricionista; Consultadoria de: - Endocrinologia e Psiquiatria. Outros: - Colheitas de Produtos Biológicos (análises); - Preparação para o Parto e Parentalidade; - Saúde Escolar A referenciação é feita pelo Médico/Enfermeiro de Família. 20

21 Serviço Social / Gabinete do Utente Informa, atende e orienta situações sociais de risco, referenciadas pela equipa de saúde. O Gabinete do Utente funciona no mesmo local do Serviço Social e apoia o utente nas sugestões/reclamações. Horário: 9h00 13h00 e das 14h00 17h00 21

22 Direitos dos Utentes 1. O utente tem o direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana; 2. O doente tem o direito ao respeito pelas suas convicções culturais, filosóficas e religiosas; 3. O utente tem direito a receber os cuidados apropriados ao seu estado de saúde, no âmbito dos cuidados preventivos, curativos, de reabilitação e terminais; 4. O utente tem direito à prestação de cuidados continuados; 5. O utente tem direito a ser informado acerca dos serviços de saúde existentes, nas suas competências e níveis de cuidados; 6. O utente tem direito a ser informado sobre a sua situação de saúde; 7. O utente tem o direito de obter uma segunda opinião sobre a sua situação de saúde; 8. O utente tem direito a dar ou recusar o seu 22

23 consentimento, antes de qualquer ato médico ou participação em investigação ou ensino clínico; 9. O utente tem direito à confidencialidade de toda a informação clínica e elementos identificáveis que lhe respeitam; 10. O utente tem direito de acesso aos dados registados no seu processo clínico; 11. O utente tem direito à privacidade na prestação de todo e qualquer acto médico; 12. O utente tem direito, por si ou por quem o represente, a apresentar sugestões e reclamações. 23

24 Deveres dos Utentes 1. O utente tem o dever de zelar pelo seu estado de saúde. Isto significa que deve procurar garantir o mais completo restabelecimento e também participar na promoção da própria saúde e da comunidade em que vive; 2. O utente tem o dever de fornecer aos profissionais de saúde todas as informações necessárias para obtenção de um correto diagnóstico e adequado tratamento; 3. O utente tem o dever respeitar os direitos dos outros doentes; 4. O utente tem o dever de colaborar com os profissionais de saúde, respeitando as indicações que lhe são recomendadas e, por si, livremente aceites; 5. O utente tem o dever de respeitar as regras de funcionamento do serviço de saúde; 6. O utente tem o dever de utilizar os serviços de saúde de forma apropriada e de colaborar ativamente na redução de gastos desnecessários. 24

25

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

A Saúde: Direitos e Deveres como Português e Europeu" Tourigo Outubro de 2013 Vitor Almeida

A Saúde: Direitos e Deveres como Português e Europeu Tourigo Outubro de 2013 Vitor Almeida A Saúde: Direitos e Deveres como Português e Europeu" Tourigo Outubro de 2013 Vitor Almeida Saúde segundo a OMS Saúde: é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Índice Introdução... 4

Índice Introdução... 4 Índice Introdução... 4 Compromissos... 6 Área de abrangência e inscrição... 8 Localização... 9 Quem somos?... 10 Funcionamento... 11 Horário... 11 Como marcar uma consulta... 11 Circuito do utente. Fluxograma...

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

aúde cela USF Guia do Utente Apoio:

aúde cela USF Guia do Utente Apoio: cela Guia do Utente Apoio: ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. LOCAL DE FUNCIONAMENTO E ACESSIBILIDADE 3. EQUIPA DE PROFISSIONAIS 4. HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO E ATENDIMENTO 5. A INSCRIÇÃO NA 6. DIREITOS E DEVERES DOS

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA

PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA USF FAMALICAO I Procedimento nº 3 Data: Janeiro 2011 PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA Em situações especiais de afluência, horário de atendimento pode ultrapassar o limite superior de

Leia mais

UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I

UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I Administração Regional de Saúde do Norte UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I PLANO DE ACÇÃO Despacho Normativo N.º 9/2006 ACES AVE III- FAMALICÃO MODELO B JANEIRO 2011 PLANO DE ACÇÃO Coordenador da Equipa

Leia mais

SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS

SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS CENTRO DE PROMOÇÃO À SAÚDE Iwata-shi Kounodai 57-1 É um órgão da prefeitura que tem como objetivo principal: promover serviços visando o bem-estar e a saúde dos cidadãos e a

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. Tradução através de imagens elaborada pelo Grupo de Auto-Representação do CRM Assumar. Outubro de 2014, Assumar

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. Tradução através de imagens elaborada pelo Grupo de Auto-Representação do CRM Assumar. Outubro de 2014, Assumar CARTA DOS DIREITOS E DEVERES Tradução através de imagens elaborada pelo Grupo de Auto-Representação do CRM Assumar Outubro de 2014, Assumar Índice 1. Introdução Pág. 3 2. O que é um Direito? Pág. 4 2.1

Leia mais

NORMAS DA USF FAMALICÃO I

NORMAS DA USF FAMALICÃO I I.- MARCAÇÃO DE CONSULTAS Como marcar uma consulta? Opte pelas consultas com hora certa; quando necessitar de consulta dê preferência às consultas pré marcadas. Terá a sua consulta previamente assegurada

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO Definir os responsáveis e suas competências; Aquisição de equipamento e material clínico; Dotação de Recursos

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Manual de Procedimentos Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 4 Legislação Aplicável... 5 Mapa de Atualização do Documento... 6 Capítulo 1 - Serviços

Leia mais

Plano de ação 2014 2016

Plano de ação 2014 2016 ACES Cascais Plano de ação 2014 2016 USF Marginal 2014 Elaborado por: USFM Revisto por: -- Aprovado por: Conselho geral Revisão em: 06/05/2017 Data: 06/05/2014 Data: -- Data: 06/05/2014 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

Guia de Cliente Cartão de Saúde

Guia de Cliente Cartão de Saúde 1 Índice O Cartão de Saúde para todas as necessidades da sua família Modalidades disponíveis Cartão de Saúde Base Cartão de Saúde Oral Cartão de Saúde Maternal Cartão de Saúde Pleno Como utilizar o meu

Leia mais

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro (Responsável por este Documento) Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2012-2014

PLANO DE ACÇÃO 2012-2014 ACES FEIRA ENTRE DOURO E VOUGA I / FEIRA- AROUCA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. PLANO DE ACÇÃO 2012-2014 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS Índice 1. Introdução 4 2. Caracterização da Área

Leia mais

ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento. Plano de Formação 2011. Aprovação do Conselho Directivo

ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento. Plano de Formação 2011. Aprovação do Conselho Directivo ARS Norte, I.P. Gabinete de Gestão do Conhecimento Plano de Formação 2011 Aprovação do Conselho Directivo A intervenção integrada na Saúde Mental nos CSP 1 24 Rita Oliveira do Carmo Abordagem ao Doente

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

GUIA DE CLIENTE. Activcare PARA SABER TUDO SOBRE O SEU CARTÃO ACTIVCARE

GUIA DE CLIENTE. Activcare PARA SABER TUDO SOBRE O SEU CARTÃO ACTIVCARE Activcare PARA SABER TUDO SOBRE O SEU CARTÃO ACTIVCARE fevereiro/2014 ÍNDICE BEM-VINDO(A) 03 CARTÕES ACTIVCARE 04 MODALIDADES DISPONÍVEIS 04 COMO UTILIZO O MEU CARTÃO ACTIVCARE 05 COMO PAGO OS SERVIÇOS

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Ocidental e Oeiras PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS ÍNDICE ACRÓNIMOS...

Leia mais

Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Norte ACES Cávado I Braga USF S. Lourenço. Plano de Ação 2014/2016

Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Norte ACES Cávado I Braga USF S. Lourenço. Plano de Ação 2014/2016 Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Norte ACES Cávado I Braga USF S. Lourenço Plano de Ação 2014/2016 Janeiro 2014 ÍNDICE INTRODUÇÃO 7 APRESENTAÇÃO DA USF S. LOURENÇO 9 CUIDADOS GERAIS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO UN. SAÚDE FAMILIAR E UN. CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO CRITÉRIOS A OBSERVAR NA SUA IMPLEMENTAÇÃO 3 de Setembro de 2009 Versão revista a 19 de Fevereiro de 2010 Conteúdo

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos

Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Capítulo I Artigo 1º Objeto e âmbito 1. A Biblioteca Escolar é uma estrutura fundamental da organização pedagógica da Academia, constituindo-se

Leia mais

GUIA DE CLIENTE. Activcare PARA QUEM QUER SABER TUDO SOBRE O SEU ACTIVCARE

GUIA DE CLIENTE. Activcare PARA QUEM QUER SABER TUDO SOBRE O SEU ACTIVCARE Activcare PARA QUEM QUER SABER TUDO SOBRE O SEU ACTIVCARE ÍNDICE BEM-VINDO(A) 03 ACTIVCARE 04 MODALIDADES DISPONÍVEIS 04 COMO UTILIZO O MEU ACTIVCARE 05 COMO PAGO OS SERVIÇOS QUE UTILIZO 05 COMO USAR A

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

hospital de dia oncológico

hospital de dia oncológico guia do chtmad nota introdutória Sempre a pensar em si e para que possa beneficiar na totalidade de todos os nossos serviços, apresentam-se algumas informações que se consideram ser do seu interesse. Lembramos

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

AD2015/CGC/001 26 de janeiro de 2015 Revisão nº 03/15 CONDIÇÕES GERAIS PARA O ATENDIMENTO NO PEANDRA

AD2015/CGC/001 26 de janeiro de 2015 Revisão nº 03/15 CONDIÇÕES GERAIS PARA O ATENDIMENTO NO PEANDRA CONDIÇÕES GERAIS PARA O ATENDIMENTO NO PEANDRA Caros Clientes, CONDIÇÕES GERAIS PARA OS CLIENTES Queiram por favor tomar conhecimento das condições para o seu atendimento nas nossas instalações: I- Marcação

Leia mais

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro)

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) Código Deontológico (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) SECÇÃO II Do código deontológico do enfermeiro Artigo 78.º Princípios gerais 1 - As intervenções

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar Crianças

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013-2015

PLANO DE AÇÃO 2013-2015 PLANO DE AÇÃO 2013-2015 Unidade de Saúde Familiar Querer Mais - Vale da Amoreira ÍNDICE ÍNDICE... 2 Abreviaturas e Siglas... 4 INTRODUÇÃO... 5 1. Caracterização da área geográfica e da população inscrita...

Leia mais

I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R

I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R 12 de Abril de 2006 Introdução Cabe à Missão para os Cuidados de Saúde Primários (MCSP), entre outras

Leia mais

2015 Regulamento Interno

2015 Regulamento Interno Regulamento Interno 2015 LIGA DE AMIGOS DA UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR BUARCOS Introdução REGULAMENTO INTERNO A Liga de Amigos da USF Buarcos, está empenhada em contribuir para que os utentes da USF Buarcos

Leia mais

Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades

Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades SAÚDE PÚBLICA ESTADO DE SAÚDE ACAMADO ANDAR ANOS DE VIDA SAUDÁVEL ATIVIDADE DE VIDA DIÁRIA ATIVIDADE INSTRUMENTAL DE VIDA DIÁRIA AUTO APRECIAÇÃO

Leia mais

Processo de Acreditação na USF Dafundo

Processo de Acreditação na USF Dafundo Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Processo de Acreditação na USF Dafundo USF Dafundo Criada em Setembro 2006 ACES Oeiras / ARSLVT Modelo

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES DE TRABALHO MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM CASO DE SINISTRO

SEGURO DE ACIDENTES DE TRABALHO MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM CASO DE SINISTRO MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM CASO DE SINISTRO COMO PROCEDER EM CASO DE ACIDENTE DE TRABALHO? Sempre que um trabalhador sofre um acidente, existem uma série de cuidados a ter em conta de forma a melhorar

Leia mais

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax:

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax: CARTAA DE QUALIDADE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PORTA DO SOL Praceta Recarei de Cima, 56 4465-339 Leça do Balio, Matosinhos Telefone: 220969178; Fax: 220969179 e-mail: usf.portadosol@ulsm.min-saude.pt Horário

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

REGULAMENTO GABINETE DE APOIO PSICOSOCIAL DA FREGUESIA DE AVENIDAS NOVAS

REGULAMENTO GABINETE DE APOIO PSICOSOCIAL DA FREGUESIA DE AVENIDAS NOVAS REGULAMENTO GABINETE DE APOIO PSICOSOCIAL DA FREGUESIA DE AVENIDAS NOVAS Nota Justificativa Considerando que são atribuições da freguesia a promoção e salvaguarda dos interesses próprios das respetivas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE Versão 1-09-2014 1 Conteúdo CONVENÇÃO SAMSPICS - ADSE... 3 O que é a Convenção ADSE?... 3 UNIDADES COM CONVENÇÃO COM A ADSE... 4 Acesso aos beneficiários ADSE...

Leia mais

TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE

TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE O sistema de Transporte Inter-hospitalar Pediátrico (TIP) foi formalmente criado por protocolo entre

Leia mais

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde O Escritório de Projetos de Humanização do ICESP desenvolveu esta cartilha para orientar os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre

Leia mais

Usar o seu NHS local.

Usar o seu NHS local. Usar o seu NHS local. Este folheto explica o modo como o Serviço Nacional de Saúde (NHS) funciona em Inglaterra. Choose 1 well. www.bournemouthandpoole.nhs.uk Usar o seu NHS local Os cuidados de saúde

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA. - Normas de Funcionamento -

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA. - Normas de Funcionamento - BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA - Normas de Funcionamento - 1º - Definição A Biblioteca Municipal de Nisa é um equipamento cultural da Câmara Municipal de Nisa, estando ao dispor de toda a população, sem

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade 1 - INFORMAÇÃO POR PARTE DA ENTIDADE EMPREGADORA (Artigos 24.º n.º 4 e 127º nº 4 do Código do Trabalho) O empregador deve afixar nas instalações da empresa, em local apropriado,

Leia mais

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica ETAPA DE MINIMIZAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica O Plano de Contingência dos Açores para a Pandemia da Gripe (PCA) prevê mecanismos para garantir

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1 DATA DE PRÉ-INSCRIÇÃO:. / /20 DATA PREVISTA DE ENTRADA:. / /20 DATA EFECTIVA DE ENTRADA:. / /20 1. IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome Morada Código-postal N.º Telefone Idade BI/CC N.º Beneficiário SS Email Data

Leia mais

Universidade do IVlinho Reitoria RT-71/2013. desdacho

Universidade do IVlinho Reitoria RT-71/2013. desdacho Universidade do IVlinho Reitoria desdacho RT-71/2013 As bibliotecas da Universidade são uma estrutura essencial de apoio ao trabalho dos alunos, professores e investigadores, representando um repositório

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 Contactos da Junta de Freguesia Morada: Rua General Silva Freire, Lote C 1849-029 Lisboa Telefone: 21 854 06 90 Fax: 21 852 06 87 / 21 248 79 25 E-mail:

Leia mais

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - I Introdução INDICADORES O SIGIC é um sistema regulador da actividade cirúrgica programada que visa melhorar o acesso à prestação de cuidados

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado LAHUC LIGA DOS AMIGOS DOS HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LAHUC Gabinete de Serviço Social O MELHOR DA VIDA TODOS OS DIAS Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado Preâmbulo O Voluntariado

Leia mais

Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS

Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS 1 2 OS USUÁRIOS EM TRATAMENTO NOS HOSPITAIS E POSTOS DE ATENDIMENTO DA REDE MUNICIPAL DEVERÃO TER ASSEGURADO OS SEGUINTES DIREITOS:

Leia mais

Internação eletiva (Recepção Principal)

Internação eletiva (Recepção Principal) 1 de 8 RESULTADO ESPERADO: Proporcionar aos pacientes agilidade, segurança e comodidade durante o seu período de internação. 644 PROCESSOS RELACIONADOS: Apoio ao Cliente Assistência Cirúrgica Assistência

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

STAF. Serviço de Apoio a Famílias

STAF. Serviço de Apoio a Famílias STAF Serviço de Apoio a Famílias O Serviço Temporário de Apoio a Famílias O Serviço Temporário de Apoio às Famílias é um serviço privado e destina-se a apoiar famílias de pessoas com deficiência ou incapacidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

USF Ars Medica. Coordenador Maria José Casacão Silva Marques Telefone:217274201 Telemóvel:919032317 E-mail: marques.mjsilva@gmail.

USF Ars Medica. Coordenador Maria José Casacão Silva Marques Telefone:217274201 Telemóvel:919032317 E-mail: marques.mjsilva@gmail. Plano de Acção Triénio 2015-2017 Unidade de Saúde Familiar Ars Medica Modelo B ACES Loures-Odivelas Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo IP Ministério da Saúde Maio 2015 Centro de Saúde

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

Ficha de Protocolo. Beneficios e Vantagens: 10% de desconto em todos os serviços incluídos na tabela em anexo

Ficha de Protocolo. Beneficios e Vantagens: 10% de desconto em todos os serviços incluídos na tabela em anexo Ficha de Protocolo Resumo do Protocolo Entidade: Corpo e Alma Serviço de Apoio Domiciliário, Lda Local: Porto (Área Metropolitana Cidades do Porto, Vila Nova de Gaia, Matosinhos, Gondomar, Valongo, Espinho,

Leia mais

Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais

Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais Direitos e Deveres Comissão de Ética Instituto S. João de Deus ÍNDICE 3 NO ASPECTO CLÍNICO, CONSTITUEM DIREITOS DOS UTENTES: 6 8 10 TAMBÉM

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte: NÚMERO: 013/2015 DATA: 01/07/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Notícia de Nascimento Digital (NN) Notícia de Nascimento, Saúde Infantil, Saúde Materna, Boletim Saúde Infantil e Juvenil, Nascer

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa.

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa. Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP Centro de Saúde de Montemor-o-Novo Crescer Saudável O Programa de Educação para a Saúde Crescer Saudável surge no âmbito do Programa Nacional de Saúde r

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA ESPECÍFICO PARA AS ONDAS DE CALOR

PLANO DE CONTINGÊNCIA ESPECÍFICO PARA AS ONDAS DE CALOR PLANO DE CONTINGÊNCIA ESPECÍFICO PARA AS ONDAS DE CALOR ACES AMADORA 2013 Documento de trabalho proposto e 30 Abril 2013 Revisto em 14/05/2013 por Autoridades de Saúde do ACES Amadora Aprovado em / / 2013

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA INCUBADORA DA UTAD

REGULAMENTO INTERNO DA INCUBADORA DA UTAD REGULAMENTO INTERNO DA INCUBADORA DA UTAD 2013 Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se todos os procedimentos de funcionamento da Incubadora da UTAD desde os processos de candidatura, avaliação

Leia mais

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços:

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços: REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Anjos do Lar CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Serviço de Apoio Domiciliário designado por Anjos do Lar,

Leia mais

CRUZ VERMELHA PORTUGUESA

CRUZ VERMELHA PORTUGUESA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA A Ordem dos Advogados (OA) e a Cruz Vermelha Portuguesa decidiram estabelecer por comum acordo, em Abril de 2012, um protocolo de parceria, de âmbito nacional (incluindo ilhas

Leia mais

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE Entre: A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE IP, representada pelo seu Presidente Prof. Doutor Fernando Araújo, com poderes para outorgar o acto,

Leia mais

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte Centro Hospitalar do Oeste ÂMBITO: Todos os serviços clínicos do Centro Hospitalar do Oeste OBJECTIVOS: Definir as normas de funcionamento do Arquivo Clínico do CHON. RESPONSABILIDADES: Conselho de Administração

Leia mais

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia Dentro da Multicare O seu seguro Viva Melhor dá-lhe acesso a uma vasta lista de prestigiados médicos, clínicas, laboratórios, de todo o país a custos reduzidos. Pode consultar a lista em www.multicare.pt

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE relatório pela As entidades Inspeção-Geral circunstanciado prestadoras das sobre Atividades de cuidados o acesso em de Saúde, aos saúde cuidados conforme devem que publicar o prestam, disposto e o divulgar,

Leia mais