Geologia, Mineralizações e Biodiversidade na Faixa Piritosa. Resumo. Palinoestratigrafia da Faixa Piritosa, Zona Sul Portuguesa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geologia, Mineralizações e Biodiversidade na Faixa Piritosa. Resumo. Palinoestratigrafia da Faixa Piritosa, Zona Sul Portuguesa"

Transcrição

1 II Encontro de Professores de Geociências do Alentejo e Algarve Geologia, Mineralizações e Biodiversidade na Faixa Piritosa Cine Teatro de Mértola, 12 de Outubro de 2007 Resumo Palinoestratigrafia da Faixa Piritosa, Zona Sul Portuguesa Zélia Pereira INETI, Departamento de Geologia, Rua da Amieira, S. Mamede Infesta, Portugal Introdução O presente trabalho mostra uma síntese dos conhecimentos actuais sobre a Zona Sul Portuguesa (ZSP) em geral e, a Faixa Piritosa em particular, com ênfase na palinoestratigrafia (Pereira et al., 2007). A ZSP (Fig. 1) representa o ramo sul do Varisco Ibérico e compreende, essencialmente, rochas sedimentares de idade Devónico superior ao Moscoviano (Carbonífero superior). A ZSP subdivide-se em vários domínios principais, a saber de norte para sul, o Antiforma do Pulo do Lobo, a Faixa Piritosa, o Grupo do Flysch do Baixo Alentejo e o Sector Sudoeste (Anticlinais da Bordeira e Aljezur). O Antiforma do Pulo do Lobo é interpretado como um prisma acrecionário varisco. A Faixa Piritosa, considerada uma das mais importantes províncias metalogenéticas do mundo, foi depositada em ambiente marinho epicontinental, durante o Devónico superior, sofrendo fenómenos de extensão crustal durante o Devónico terminal (Estruniano) e o Carbonífero inferior originando o vulcanismo bimodal. O grupo do Flysch do Baixo Alentejo é composto por turbiditos de idade Viseano superior a Moscoviano. E finalmente, o Sector Sudoeste compreende os Anticlinais da Bordeira e Aljezur, foi depositado em ambiente marinho epicontinental que evoluiu para uma plataforma distal carbonatada/pelítica, de idade Devónico Superior (Estruniano) ao Serpukoviano superior a BAshkiriano médio (Carbonífero Superior). A geologia da Faixa Piritosa desde sempre atraiu os investigadores, em particular devido aos famosos jazigos de sulfuretos polimetálicos. Com efeito, a investigação geológica nesta região, esteve sempre muito concentrada em áreas como a litoestratigrafia, a petrologia e a geoquímica, e só muito recentemente surgiram novas áreas de investigação aplicadas, como a bioestratigrafia, a geologia sedimentar, vulcanismo físico e a geoquímica de sedimentos. Do ponto de vista estratigráfico, a Faixa Piritosa compreende três grandes unidades, da base para o topo, o Grupo Filito-Quartzítico (FQ) o Complexo Vulcano Sedimentar (CVS) e a Formação de Mértola (Mt) (Oliveira et al., 1998). O Grupo Filito-Quartzítico constitui a unidade detrítica basal e é composto por filitos, quartzitos e quartzovaques e xistos com intercalações de lentículas de calcários e nódulos na parte superior. A espessura é de cerca de 200m (base desconhecida). Esta unidade possui uma idade do 1

2 Fameniano superior (Devónico Superior) com base em fósseis de amonites, conodontes e palinomorfos (Boogaard, 1963, Fantinet et al., 1976, Cunha and Oliveira, 1989, Oliveira et al., 1997, Oliveira et al., 2004; Pereira et al., 2004, Oliveira et al., 2005). O Complexo Vulcano Sedimentar inclui vários episódios vulcânicos, intrusivos e extrusivos, onde se observa um domínio de rochas vulcânicas do tipo riolitos, riodacitos, basaltos e raros andesitos e intercalações de xistos negros, siltitos, raros quartzovaques, vulcaniclásticas, finamente intercaladas, jaspes e xistos borra de vinho. A espessura desta unidade é variável desde poucas dezenas de metros até 1000 m. O CVS foi depositado em ambiente marinho e possui uma idade escalonada entre o Devónico superior e o Viseano superior com base em raros conodontes e associações de palinomorfos (Oliveira, 1990; Oliveira et al., 1997, Oliveira et al., 2004, Pereira et al., 2004, Oliveira et al., 2005). Sobre o CVS deposita-se uma sucessão turbidítica, a Formação de Mértola. Esta unidade corresponde a unidade inferior do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo, e compreende grauvaques, comglomerados e xistos com uma espessura total da ordem dos 3000m. A Formação de Mértola data do Viseano superior ao Serpukoviano inferior (Oliveira et al., 2004; Pereira et al., 2004). Palinoestratigrafia A palinoestratigrafia provou recentemente, ser a melhor metodologia para datar as unidades litoestratigráficas da ZSP e da Faixa Piritosa, permitindo estabelecer correlações entre unidades e fornecendo informações de suporte às interpretações estruturais, paleogeográficas e geodinâmicas. Na figura 2 é apresentado o esquema geral de Zonação de Miosporos da Europa Ocidental (Clayton et al, 1977; Clayton, 1996; Higgs et al, 1988; Streel et al, 1987) e sul de Portugal, com referência às espécies índex utilizadas na identificação de cada biozona de miosporos, assim como uma síntese dos resultados obtidos na Zona Sul Portuguesa. A estampa I ilustra o conjunto das espécies seleccionadas e identificadas na Faixa Piritosa. Todas as amostras para investigação palinológica foram tratadas por métodos normalizados. As amostras, lâminas e resíduos orgânicos estudados encontram-se arquivados no Departamento de Geologia do INETI, em S. Mamede de Infesta, Portugal. Os estudos palinoestratigráficos da ZSP remontam aos anos 80, com os trabalhos pioneiros de Oliveira et al., 1986 e Cunha et al., 1989, de suporte a trabalhos de cartografia geológica efectuados pelos Serviços Geológicos de Portugal. Em simultâneo, surgem trabalhos de palinoestratigrafia em Espanha, na região do Pulo do Lobo (Giese et al., 1988; Lake, 1991). Nos anos seguintes surgem projectos mais focalizados na investigação palinoestratigráfica. O estudo palinoestratigráfico detalhado dos Anticlinais da Bordeira e Aljezur, Sector Sudoeste da ZSP, permitiu identificar pela primeira vez 21 biozonas de miosporos e documentar cerca de 47 espécies de miosporos de idade Devónico Superior e mais de 200 espécies de miosporos do Carbonífero (Pereira et al., 1994; Pereira, 1998). Estes resultados provaram correlacionar perfeitamente com a biozonação local definida com base em amonóides (goniatites) (Korn, 1997). A primeira investigação palinoestratigráfica efectuada na Faixa Piritosa Ibérica correspondeu ao estudo da secção da região da mina de Neves Corvo. Este trabalho permitiu datar rigorosamente todas as unidades 2

3 locais o que a transforma na secção melhor datada da Faixa Piritosa Ibérica. Deste trabalho resultaram as seguintes conclusões: 1. O substracto detrítico possui uma idade do Fameniano superior; 2. O CVS possui uma idade compreendida entre o Fameniano superior (Estruniano superior) e o Viseano inferior; 3. A deposição da Fm. de Mértola ter-se-á iniciado durante o Viseano superior; 4. Foram identificados três hiatos, correspondendo ao Estruniano inferior a médio, ao Tournaisiano e à biozona de miosporos TC, do Viseano inferior alto; 5. Foi possível efectuar a datação rigorosa do minério de sulfuretos maciços que se encontra intercalado em xistos negros do Estruniano Superior. Estas datações permitiram também a interpretação tectónica da área da mina (Oliveira et al., 1997; Pereira et al., 2004; Oliveira et al., 2004; Oliveira e tal., 2006). Este estilo de estruturas tectónicas foi recentemente documentado, com base em dataçães palinoestratigráficas em outras regiões da Faixa Piritosa, nomeadamente nas estruturas antiformais da região de Albernôa, Serra Branca e Mina de São Domingos (Oliveira et al., 2005; Matos et al., 2006). Investigações palinoestratigráficas efectuadas no Antiforma do Pulo do Lobo, permitiram rever as datações das suas unidades constituintes com recurso a palinomorfos e estabelecer as seguintes correlações (Pereira et al., 2006): 1. As Formações de Pulo do Lobo e Atalaia exibem afinidade litológica e de deformação e não permitiram obtenção de datações; 2. As Formações de Ribeira de Limas e Gafo possuem miosporos de idade Frasniano inferior e as Formações Santa Iria, Horta da Torre e Represa foram datadas do Fameniano superior; Das afinidades encontradas em termos de idade e de comparação da assinatura palinífera é sugerido, que as bacias, Pulo do Lobo e Faixa Piritosa, estiveram em continuidade e pertenceram à mesma área paleogeográfica durante o Devónico superior. Referências BOOGAARD, M. V., Geology of the Pomarão region Southern Portugal. Thesis. Graf. Cent. Deltro. Rotherdam. CLAYTON, G., Mississippian Miospores. In: Jansonius J., McGregor D.C, (eds.), Palynology: Principles and applications. Am. Assoc. Strat. Palynol. Found, 2, CLAYTON, G., COQUEL, R., DOUBINGER, J., GUEINN K.J., LOBOZIAK, S., OWENS, B., STREEL, M., Carboniferous Miospores of Western Europe: illustration and zonation. Meded. Rijks Geol. Dienst, 29, CUNHA, T., OLIVEIRA, J. T., Upper Devonian Palynomorphs from the Represa and Phyllite- Quartzite Formation, Mina de São Domingos region, Southwest Portugal. Tectonostratigraphic implications. Bull. Société Belge Géol., 98 (3/4), FANTINET, D., Mise en évidence d un chevauchement d age Varisque et étude de ses déformations ultérieures (Region de Mértola, Baixo Alentejo, Portugal). C.R. Heb. Scéanc. Acad. Sci. Paris. Sér. D. Sciences Naturelles, 272, GIESE, U., REITZ, E., WALTER, R., Contributions to the stratigraphy of the Pulo do Lobo succession in Southwest Spain. Comun. Serv. Geol. Port., 74, HIGGS, K., CLAYTON, G., KEEGAN, J.B., Stratigraphic and Systematic Palynology of the Tournaisian Rocks of Ireland. Geol. Surv. Ireland. Spec. Paper, 7, KORN, D The Palaeozoic ammonoids of the South Portuguese Zone. Mem. Serv. Geol. Portugal, 33,

4 LAKE, P. A., The Biostratigraphy and Structure of the Pulo do Lobo Domain within Huelva Province, Southwest Spain. PhD Thesis, Univ. of Southampton, MATOS, J.X., PEREIRA, Z., OLIVEIRA, V., OLIVEIRA, J.T., The geological setting of the S. Domingos pyrite orebody, Iberian Pyrite Belt. In: Mirão, J., Balbino, A. (eds.), VII Congresso Nacional de Geologia, Resumos alargados. Vol 1, OLIVEIRA, J.T., Stratigraphy and syn-sedimentary tectonism in the South Portuguese Zone. In: Dallmeyer, R. D., Martinez Garcia, E. (eds.). Pre-Mesozoic Geology of Iberia. Springer Verlag. pp OLIVEIRA, J.T., CARVALHO, P., PEREIRA, Z., PACHECO, N., FERNANDES, J.P., KORN, D., The Stratigraphy of the Neves Corvo Mine Region. SEG - Neves Corvo Field Conference Abstract. OLIVEIRA, J. T., CUNHA, T., STREEL, M., VANGUESTAINE, M Dating the Horta da Torre Formation, a new lithostratigraphic unit of the Ferreira - Ficalho Group, South Portuguese Zone: geological consequences. Com. Serv. Geol. Portugal, 72, OLIVEIRA, J. T., PACHECO, N., CARVALHO, P., FERREIRA, A The Neves Corvo Mine and the Paleozoic Geology of Southwest Portugal. In: F. J. A. S. Barriga, D. Carvalho (edts) Geology and VMS Deposits of the Iberian Pyrite Belt. Neves Corvo Field Conference. Soc. Econ. Geol. Guidebook Series, 27, OLIVEIRA, J.T., PEREIRA Z., CARVALHO, P., PACHECO, N., KORN, D., Stratigraphy of the tectonically imbricated lithological succession of the Neves-Corvo mine region, Iberian Pyrite Belt. Implications for the regional basin dynamics. Min. Deposita 34, OLIVEIRA, J.T., PEREIRA, Z., ROSA, C., ROSA, D., MATOS, J., Recent advances in the study of the stratigraphy and the magmatism of the Iberian Pyrite Belt, Portugal. In: Carosi, R., Dias, R., Iacopini, D., Rosenbaum, G., (eds.). The southern Variscan belt. Journal of the Virtual Explorer, Electronic Edition, 19, 9, OLIVEIRA, J.T., RELVAS, J., PEREIRA, Z., MATOS, J., ROSA, C., ROSA; D., MUNHÁ, J.M., JORGE, R., PINTO, A., O Complexo Vulcano-Sedimentar da Faixa Piritosa: estratigrafia, vulcanismo, mineralizações associadas e evolução tectonoestratigráfica no contexto da Zona Sul Portuguesa. In: Dias, R., Araújo, A., Terrinha, P., Kullberg, J.C., (eds). Geologia de Portugal no contexto da Ibéria. Univ. Évora, Évora, PEREIRA,, Z., Palinoestratigrafia do Sector Sudoeste da Zona Sul Portuguesa. Comun. Inst. Geol. Min. Portugal, 86, 1, PEREIRA, Z., CLAYTON, G., OLIVEIRA, J.T., Palynostratigraphy of the Devonian-Carboniferous Boundary in Southwest Portugal. Ann. Soc. géol. Belgique, 117, 1, PEREIRA, Z., FERNANDES, P., OLIVEIRA, J.T., Palinoestratigrafia do Domínio Pulo do Lobo, Zona Sul Portuguesa. Resumos alargados. In: Mirão, J., Balbino, A. (eds.), VII Congresso Nacional de Geologia, 2, PEREIRA, Z., PACHECO, N., OLIVEIRA, J., A case of applied palynology: dating the lithological succession of the Neves Corvo Mine, Iberian Pyrite Belt, Portugal. XVth International Congress on Carboniferous and Permian Stratigraphy. Utrecht. Abstracts Book, PEREIRA, Z., PACHECO, N., OLIVEIRA, J., A case of applied palynology: dating the lithological succession of the Neves- Corvo mine, Iberian Pyrite Belt, Portugal. In: Wong, Th.E (ed.,): Proceedings of the XVth ICCP Stratigraphy. R. D. Academy Arts and Sciences. PEREIRA, Z., MATOS, J., FERNANDES, P., OLIVEIRA, J.T., Devonian and Carboniferous palynostratigraphy of the South Portuguese Zone, Portugal - An overview. In: Pereira, Z., Oliveira, J. and Wicander, R. (eds.,): CIMPLisbon 07. Joint Meeting of Spores/Pollen and Acritarch subcomissions. Abstract Book, STREEL, M., HIGGS, K., LOBOZIAK, S., RIEGEL, W., STEEMANS, P., 1987, Spore stratigraphy and correlation with faunas and floras in the type marine Devonian of the Ardenne-Rhenish regions. Rev. Palaeobot., Palynol., 50,

5 Fig 1. Mapa Geológico esquemático da Zona Sul Portuguesa. 5

6 Fig 2. Esquema geral de Zonação de Esporos da Europa Ocidental (Clayton et al, 1977; Clayton, 1996; Higgs et al, 1988; Streel et al, 1987) e sul de Portugal e síntese dos resultados obtidos na Zona Sul Portuguesa. 6

7 ESTAMPA I Cada espécimen está referenciado por número de amostra, número da lâmina, coordenadas do microscópio e número de colecção INETI. 1. Grandispora echinata Hacquebard, 1957; Sondagem MP 3, Amostra 36,60-1, , INETI Grandispora cornuta Higgs 1975; Sondagem MP 3, Amostra 36,60-1, , INETI Cristatisporites triangulatus Allen 1965; Sondagem MP 3, Amostra 36,60-1, , INETI Gorgonisphaeridium ohioense (Winslow) Wicander, 1974; Sondagem MP 3, Amostra 36,60-3, , INETI Gorgonisphaeridium plerispinosum Wicander 1974; Sondagem MP 3, Amostra 36,60-3, , INETI Veryhachium downiei Stockmans & Willière, 1962; Sondagem MSD 1, Amostra 42,60-1, , INETI Emphanisporites annulatus McGregor, 1961; Sondagem MP 3, Amostra 36,60-2, , INETI Rugospora radiata (Jushko) Byvscheva 1985; Sondagem MP 3, Amostra 36,60-1, , INETI Retispora lepidophyta (Kedo) Playford, 1976; Sondagem MP 3, Amostra 42,60-1, , INETI Lycospora pusilla (Ibrahim) Schopf, Wilson & Bentall 1944; Sondagem MSD 1, Amostra 255,30-1, , INETI Densosporites sp.; Sondagem MSD 1, Amostra 255,30-1, , INETI Raistrickia nigra Love, 1960; Sondagem MSD 1, Amostra 359,40-1, , INETI

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendida entre Mina de São Domingos e Pomarão.

Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendida entre Mina de São Domingos e Pomarão. Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendida entre Mina de São Domingos e Pomarão. INTRODUÇÃO À GEOLOGIA REGIONAL João Xavier Matos 1 e José Tomás Oliveira 2 A região

Leia mais

Idades U-Pb de zircões detríticos do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo, Zona Sul Portuguesa

Idades U-Pb de zircões detríticos do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo, Zona Sul Portuguesa Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, 301-305 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Idades U-Pb

Leia mais

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,***

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** Departamento de Geologia Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** *Professora Associada do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto **Reitoria da Universidade

Leia mais

Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão. Helena Couto. Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão. Helena Couto. Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão Helena Couto Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2002 Introdução O Parque Paleozóico de Valongo, criado em 1998, é o resultado

Leia mais

2. O PASSADO DA INDÚSTRIA MINEIRA EM PORTUGAL

2. O PASSADO DA INDÚSTRIA MINEIRA EM PORTUGAL In press nas Actas do Colóquio A Indústria Mineira: Passado e Futuro. Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra, 12 a 14 de Março, 2007 PASSADO, PRESENTE E FUTURO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA EM PORTUGAL

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica

As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua Importância Económica II ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE GEOLOGIA, MINERALIZAÇÕES E BIODIVERSIDADE NA FAIXA PIRITOSA CINE-TEATRO MARQUES DUQUE, MÉRTOLA As Mineralizações da Faixa Piritosa e sua

Leia mais

O Centro de Estudos Geológicos e Mineiros do Alentejo

O Centro de Estudos Geológicos e Mineiros do Alentejo O Centro de Estudos Geológicos e Mineiros do Alentejo João Xavier Matos, José Piçarra joao.matos@lneg.pt, jose.picarra@lneg.pt CEGMA, Aljustrel 2013 Projecto Arquitectura Carlos Ganhão Feira Internacional

Leia mais

M. J. Batista 1*, P. Represas 1, J. X. Matos 1, C. Inverno 1

M. J. Batista 1*, P. Represas 1, J. X. Matos 1, C. Inverno 1 Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial II, 747-752 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X 3D predictive

Leia mais

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 PARTE I: PRAIA DE PORTO DE MÓS...8 Localização geográfica do local da saída de campo...9

Leia mais

Recursos Minerais de Portugal

Recursos Minerais de Portugal VI Encontro de Professores de Geociências da Associação para a Defesa e Divulgação do Património Geológico do Alentejo e Algarve - DPGA Moura, 2 de Março de 2012 Recursos Minerais de Portugal - Importância

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA

RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA Rodrigo Coutinho Abuchacra 1 ; Paula Ferreira Falheiro 1 ; Carolinne L. Soares Macedo 2 ; Sabrina Felix de Oliveira; Alberto

Leia mais

Quarta Rodada de Licitações Bacia do Solimões

Quarta Rodada de Licitações Bacia do Solimões Quarta Rodada de Licitações Bacia do Solimões João Clark Superintendência de Definição de Blocos Área: 600.000 km 2 Bacia do Solimões Mapa de Localização Área do Paleozóico: 300.000 km 2 Esforço Exploratório

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA-GEOTÉCNICA DA CORTA DA MINA DE S. DOMINGOS, FAIXA PIRITOSA IBÉRICA

CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA-GEOTÉCNICA DA CORTA DA MINA DE S. DOMINGOS, FAIXA PIRITOSA IBÉRICA Matos, J.X.; Soares, S.; Claudino, C. (2006) Caracterização Geológica-geotécnica da corta da mina de S. Domingos, FPI. X Cong. Nac. Geotécnica, Soc. Port. Geotecnia, Un. Nova, V. 3, pp. 741-752. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL

CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL Alvaro Penteado Crósta Instituto de Geociências, Unicamp As crateras de impacto são estruturas formadas quando um planeta ou satélite é atingido por meteoritos, asteróides

Leia mais

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia -

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia - Descobre a Mina no Museu - A Geologia - Há cerca de 280 milhões de anos (durante a Era Paleozóica, no período Pérmico), um magma ascendeu no interior da crosta e cristalizou dando origem a um granito.

Leia mais

South America Mappack of Basin Stratigraphy (selected) Currently 33 Basins (222 columns) Main references for stratigraphic columns/transects

South America Mappack of Basin Stratigraphy (selected) Currently 33 Basins (222 columns) Main references for stratigraphic columns/transects South America Mappack of Basin Stratigraphy (selected) Currently 33 Basins (222 columns) Main references for stratigraphic columns/transects Brazil Main Compilers = Marcos dos Santos Filho and Shalli Teixeira

Leia mais

Visitas Guiadas ao Complexo Mineiro de S. Domingos

Visitas Guiadas ao Complexo Mineiro de S. Domingos Visitas Guiadas ao Complexo Mineiro de S. Domingos Definição de condições e preços A Fundação Serrão Martins (FSM) proporciona visitas guiadas ao complexo mineiro, sujeitas a marcação prévia e à disponibilidade

Leia mais

Jorge M.R.S. Relvas. (Última actualização: Fevereiro 2013) Artigos inseridos em publicações científicas periódicas (peer reviewed)

Jorge M.R.S. Relvas. (Última actualização: Fevereiro 2013) Artigos inseridos em publicações científicas periódicas (peer reviewed) Jorge M.R.S. Relvas (Última actualização: Fevereiro 2013) Publicações Artigos inseridos em publicações científicas periódicas (peer reviewed) Rosa, CJP, Mcphie, J, Relvas JMRS, 2013. Distinguishing peperite

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente. Índice:

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente. Índice: Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 Localização geográfica do local da saída de campo...7 Descrição geológica do local...8

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

Aplicação e divulgação de modelos geológicos complexos no âmbito de projetos de património geológico-mineiro na Faixa Piritosa Ibérica

Aplicação e divulgação de modelos geológicos complexos no âmbito de projetos de património geológico-mineiro na Faixa Piritosa Ibérica Aplicação e divulgação de modelos geológicos complexos no âmbito de projetos de património geológico-mineiro na Faixa Piritosa Ibérica Interpretation and promotion of complex geological models in geological

Leia mais

Geologia. Teste Intermédio de Geologia. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 03.03.2009

Geologia. Teste Intermédio de Geologia. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 03.03.2009 Teste Intermédio de Geologia Versão 1 Teste Intermédio Geologia Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 03.03.2009 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha de

Leia mais

II.2.7. Geologia Sul Portuguesa, com ênfase na estratigrafia, vulcanologia física, geoquímica e mineralizações da faixa piritosa

II.2.7. Geologia Sul Portuguesa, com ênfase na estratigrafia, vulcanologia física, geoquímica e mineralizações da faixa piritosa Geologia de Portugal, Volume I Geologia Pré-mesozóica de Portugal. Editores: R. Dias, A. Araújo, P. Terrinha & J. C. Kullberg. 2013, Escolar Editora II.2.7. Geologia Sul Portuguesa, com ênfase na estratigrafia,

Leia mais

CAPÍTULO 2. Caracterização Geológica do NW de Trás-os-Montes (Chaves, Montalegre e Boticas) EURICO PEREIRA* JOSÉ RODRIGUEs**

CAPÍTULO 2. Caracterização Geológica do NW de Trás-os-Montes (Chaves, Montalegre e Boticas) EURICO PEREIRA* JOSÉ RODRIGUEs** CAPÍTULO 2 Caracterização Geológica do NW de Trás-os-Montes (Chaves, Montalegre e Boticas) EURICO PEREIRA* JOSÉ RODRIGUEs** * LNEG (S. Mamede de Infesta). FEUP. ** FEUP. LNEG (S. Mamede de Infesta). MINERAÇÃO

Leia mais

PROVAS. Key words: palynology, biostratigraphy, Pennsylvanian, Piauí Formation, Parnaíba Basin.

PROVAS. Key words: palynology, biostratigraphy, Pennsylvanian, Piauí Formation, Parnaíba Basin. Rev. bras. paleontol. 13(1):57-66, Janeiro/Abril 2010 2010 by the Sociedade Brasileira de Paleontologia doi:10.4072/rbp.2010.1.07 PALINOLOGIA DA FORMAÇÃO PIAUÍ, PENSILVANIANO DA BACIA DO PARNAÍBA: BIOCRONOESTRATIGRAFIA

Leia mais

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra Geologia no Verão 2012 Saída: 10.00 h no Restaurante Muchaxo, Guincho Regresso: +/- 16.00 h no mesmo local Ida e volta: aprox. 8 km 1/9 INTRODUÇÃO

Leia mais

FONSECA, P. E. 1 ISSN: Cadernos Lab. Xeolóxico de Laxe Coruña Vol. 30, pp Abstract

FONSECA, P. E. 1 ISSN: Cadernos Lab. Xeolóxico de Laxe Coruña Vol. 30, pp Abstract Cadernos Lab. Xeolóxico de Laxe Coruña. 2005. Vol. 30, pp. 213-222 ISSN: 0213-4497 O terreno acrecionário do Pulo do Lobo: implicações geodinâmicas da sutura com a Zona de Ossa-Morena (SW da Cadeia Varisca

Leia mais

PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal. Seminário Diplomático

PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal. Seminário Diplomático PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal 1/9/2014 PROJETAR PORTUGAL 1 1 Sumário O limite exterior da plataforma continental para lá das 200 milhas náuticas Plataforma continental: o projeto português

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO

INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO Manuel Lemos de Sousa INTRODUÇÃO 1. A importância que, ao longo do tempo, tem tido o Jazigo de Ferro de Moncorvo justifica, só por si, a abundante e importante

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

A taxa de alimentação das usinas de beneficiamento são diretamente proporcionais à dureza e à qualidade do minério è Estudo dos Materiais Duros;

A taxa de alimentação das usinas de beneficiamento são diretamente proporcionais à dureza e à qualidade do minério è Estudo dos Materiais Duros; SUMÁRIO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO GEOLOGIA REGIONAL GEOLOGIA LOCAL METODOLOGIA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS MAPAS COLETA DE DADOS RESULTADOS CONCLUSÕES PRÓXIMOS PASSOS INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL

PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL Maria Luiza Correa da Camara Rosa 1,2 ; Eduardo Guimarães Barboza 2 ; Luiz José Tomazelli 2 ; Sérgio Rebello

Leia mais

saídas de campo Outras saídas serão divulgadas em breve...

saídas de campo Outras saídas serão divulgadas em breve... almograve saídas de campo SAÍDAS DE GEOLOGIA COM O CENTRO CIÊNCIA VIVA DE ESTREMOZ. PORQUE A GEOLOGIA SE APRENDE NO CAMPO! LEVE OS SEUS ALUNOS A OBSERVAR AQUILO QUE APRENDEM NAS AULAS. Ciente da importância

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

RESGATE DE FÓSSEIS EM REABERTURA DE AFLORAMENTO NA ÁREA URBANA DE PONTA GROSSA, PR

RESGATE DE FÓSSEIS EM REABERTURA DE AFLORAMENTO NA ÁREA URBANA DE PONTA GROSSA, PR RESGATE DE FÓSSEIS EM REABERTURA DE AFLORAMENTO NA ÁREA URBANA DE PONTA GROSSA, PR 54 SEDORKO, Daniel LUZ, Daniel Zadra LIMA, Michele Martha Weber BOSETTI, Elvio Pinto Introdução A Paleontologia avança

Leia mais

CAPÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE PORTUGUESAS

CAPÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE PORTUGUESAS CAÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE ORTUGUESAS 263 VI.1. INTRODUÇÃO O modelo geral de correlação sismostratigráfica entre as Margens Continentais

Leia mais

Agrupamento Vertical de Pias - Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias - Relatório -

Agrupamento Vertical de Pias - Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias - Relatório - Agrupamento Vertical de Pias - Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias - Relatório - Nome da equipa: Cientistas em acção Lá vai Serpa Lá vai Moura E as Pias Ficam no meio! Ano Lectivo 2010/2011

Leia mais

PALEONTOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA DOS SEDIMENTOS CENOZÓICOS DA REGIÃO DE EIRUNEPÉ, BACIA DO SOLIMÕES, AMAZONAS, BRASIL.

PALEONTOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA DOS SEDIMENTOS CENOZÓICOS DA REGIÃO DE EIRUNEPÉ, BACIA DO SOLIMÕES, AMAZONAS, BRASIL. TÍTULO: PALEONTOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA DOS SEDIMENTOS CENOZÓICOS DA REGIÃO DE EIRUNEPÉ, BACIA DO SOLIMÕES, AMAZONAS, BRASIL. Autores: MARIA INÊS FEIJÓ RAMOS E-MAIL: mramos@fua.com.br INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011 PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7º Ano Ano Lectivo: 2010/2011 Competências Temas/Unidades Conteúdos _ Conhecer a constituição do Universo e do Sistema Solar _ Conhecer as características

Leia mais

Ricardo Alfredo da Silva Faria

Ricardo Alfredo da Silva Faria Universidade do Minho Escola de Ciências Estudo palinostratigráfico dos sectores Martinlongo-Vaqueiros e Malhadinha da Faixa Piritosa Ibérica. Enquadramento geológico e paleogeográfico. Ricardo Alfredo

Leia mais

jazigos minerais em PEGMATITOS LITINÍFEROS

jazigos minerais em PEGMATITOS LITINÍFEROS Mini-Fórum CYTED-IBEROEKA LNEG (auditório de Alfragide) 26 e 27 de Maio de 2011 Aplicação de metodologias de modelação geoestatística stica 3D a jazigos minerais em PEGMATITOS LITINÍFEROS José A. Almeida

Leia mais

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS 4 o PDPETRO, Campinas, SP 1.1.0100 1 ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS Júnia Casagrande 1 (UFRGS ANP PRH12),

Leia mais

ISMAR DE SOUZA CARVALHO Editor PALEONTOLOGIA CONCEITOS MÉTODOS. 3a edição VOLUME 1 EDITORA INTERCIÊNCIA

ISMAR DE SOUZA CARVALHO Editor PALEONTOLOGIA CONCEITOS MÉTODOS. 3a edição VOLUME 1 EDITORA INTERCIÊNCIA ISMAR DE SOUZA CARVALHO Editor CONCEITOS MÉTODOS PALEONTOLOGIA 3a edição VOLUME 1 EDITORA INTERCIÊNCIA Sumário Apresentação... Prefácio... Prefácio da 2 a Edição... Prefácio da 1 a Edição... VII IX XI

Leia mais

Arquitectura da bacia vulcano-sedimentar de Aljustrel

Arquitectura da bacia vulcano-sedimentar de Aljustrel Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, 469-474 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Arquitectura

Leia mais

Avaliação do Potencial Gerador de Hidrocarbonetos Não Convencionais da Formação de Mira do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo

Avaliação do Potencial Gerador de Hidrocarbonetos Não Convencionais da Formação de Mira do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo Avaliação do Potencial Gerador de Hidrocarbonetos Não Convencionais da Formação de Mira do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo Pedro Miguel de Bruges Bettencourt Meneses Branco Dissertação para obtenção

Leia mais

A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL

A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL Shana Yuri Misumi 1 ; Marcia Aguiar de Barros 1 ; Robson Lucas Bartholomeu 1 ; Julio César

Leia mais

Areias: Geologia em Peças Separadas uma ferramenta interactiva para o ensino de Geociências do portal Casa das Ciências

Areias: Geologia em Peças Separadas uma ferramenta interactiva para o ensino de Geociências do portal Casa das Ciências Areias: Geologia em Peças Separadas uma ferramenta interactiva para o ensino de Geociências do portal Casa das Ciências Joana Rodrigues Mário Cachão Joana Paulo Mónica Mateus Pedro Silva Introdução O presente

Leia mais

Diálogo com os alunos Realização e correção da avaliação diagnóstica. As teorias científicas são entidades imutáveis no tempo?

Diálogo com os alunos Realização e correção da avaliação diagnóstica. As teorias científicas são entidades imutáveis no tempo? Apresentação, programa e funcionamento da disciplina Avaliação diagnóstica Diálogo com os alunos Realização e correção da avaliação diagnóstica. Resultados do teste de avaliação diagnóstica 2 1º 1.Génese

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7.º Ano UNIDADES DIDÁTICAS CONTEÚDOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período TERRA NO ESPAÇO Terra Um planeta com vida Condições da Terra que permitem a existência

Leia mais

Exploração. Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil

Exploração. Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil Exploração 2012 Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil AngloGold Ashanti AngloGold Ashanti 2011 Produção mundial - 4.33 MOz Brasil 428KOz produzidas $6.6 bilhões de faturamento 61.242 empregados

Leia mais

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia marinas.araujo@hotmail.com Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO GEOLÓGICO E GEOQUÍMICO DAS SEQUÊNCIAS OFIOLÍTICAS INTERNAS DA ZONA DE OSSA-MORENA (PORTUGAL)

ESTUDO GEOLÓGICO E GEOQUÍMICO DAS SEQUÊNCIAS OFIOLÍTICAS INTERNAS DA ZONA DE OSSA-MORENA (PORTUGAL) Universidade de Évora Departamento de Geociências ESTUDO GEOLÓGICO E GEOQUÍMICO DAS SEQUÊNCIAS OFIOLÍTICAS INTERNAS DA ZONA DE OSSA-MORENA (PORTUGAL) JORGE MANUEL COSTA PEDRO Dissertação apresentada à

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Caracterização estratigráfica do intervalo eodevoniano registrado na região de Jaquariaíva (PR), Bacia do Paraná,

Leia mais

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição.

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. RG2010 Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. Explorabilidade. Métodos de exploração. Tratamento mineralúrgico. Qual a importância

Leia mais

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra Para observar as pegadas de dinossáurio preservadas na laje vertical do extremo sul da Praia Grande, suba as escadas até as encontrar. Nas pegadas que observa

Leia mais

CAPÍTULO VIII CONCLUSÕES

CAPÍTULO VIII CONCLUSÕES CAPÍTULO VIII CONCLUSÕES 287 288 VIII.1. TECTONOSTRATIGRAFIA Apresenta-se uma síntese dos principais aspectos sismostratigráficos e tectonostratigráficos obtidos neste trabalho para cada um dos seis domínios

Leia mais

INTRODUÇÃO GEOLÓGICA (SEDIMENTAR, ESTRATIGRÁFICA, TECTÓNICA E CARACTERIZAÇÃO PALEOAMBIENTAL) Trilobita.

INTRODUÇÃO GEOLÓGICA (SEDIMENTAR, ESTRATIGRÁFICA, TECTÓNICA E CARACTERIZAÇÃO PALEOAMBIENTAL) Trilobita. Paleoicnologia da Formação do Quartzito Armoricano (Ordovícico Inferior) em Portugal: implicações em Paleoecologia e Paleoetologia (dados preliminares) C. NETO DE CARVALHO 1.2, C. DETRY 2.3 & M. CACHÃO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA Paulo ANDRADE (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO O presente artigo pretende

Leia mais

LOUSAL, PORTUGAL: PATRIMÓNIO GEOLÓGICO E MINEIRO DE UMA ANTIGA MINA NA FAIXA PIRITOSA IBÉRICA

LOUSAL, PORTUGAL: PATRIMÓNIO GEOLÓGICO E MINEIRO DE UMA ANTIGA MINA NA FAIXA PIRITOSA IBÉRICA XIV Congreso sobre Patrimonio Geológico y Minero. Castrillón (Asturias), 2013 LOUSAL, PORTUGAL: PATRIMÓNIO GEOLÓGICO E MINEIRO DE UMA ANTIGA MINA NA FAIXA PIRITOSA IBÉRICA LOUSAL, PORTUGAL: GEOLOGIC AND

Leia mais

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS)

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) RELATÓRIO PRELIMINAR PARA INFORMAR SOBRE O INTERESSE CIENTÍFICO, PATRIMONIAL, PEDAGÓGICO E CULTURAL DA JAZIDA Vanda Faria dos Santos Lisboa Novembro

Leia mais

Recebido em 28 maio, 2009 / Aceito em 19 novembro, 2009 Received on May 28, 2009 / Accepted on November 19, 2009

Recebido em 28 maio, 2009 / Aceito em 19 novembro, 2009 Received on May 28, 2009 / Accepted on November 19, 2009 Revista Brasileira de Geofísica (2010) 28(3): 495-514 2010 Sociedade Brasileira de Geofísica ISSN 0102-261X www.scielo.br/rbg EXPLORAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO UTILIZANDO DADOS DE AEROGRADIOMETRIA GRAVIMÉTRICA

Leia mais

MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS

MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS MILECH, R. 1 ; SCHNEIDER, F.C. 1 ; RIBEIRO, D.C.O.; BAMBERG, A.L. 1 ; SILVEIRA, C.A.P. 1 ; BERGMANN,

Leia mais

de Susceptibilidade Geotécnica

de Susceptibilidade Geotécnica II Congresso Internacional de Riscos 24-25 Maio 2010, Coimbra Classificação de Susceptibilidade Geotécnica João Narciso 1, Pedro Santarém Andrade 2 1 Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e

Leia mais

Universidade de Lisboa. Faculdade de Ciências. Departamento de Geologia

Universidade de Lisboa. Faculdade de Ciências. Departamento de Geologia Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Geologia Estudo Petrológico e Geoquímico dos metavulcanitos devónicos da região de Odivelas (Alentejo): Implicações Geodinâmicas e Metalogenéticas

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP)

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP) IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO Ribeiro, D.F. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 UNESP Email:dani_ferry@msn.com; 2 UNESP Email:cenira@rc.unesp.br; RESUMO: As atividades mineradoras causam

Leia mais

P. Fernandes 1*, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 2, J. Marques 3

P. Fernandes 1*, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 2, J. Marques 3 Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, 433-437 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Potencial

Leia mais

Guia Estratigráfico Internacional Uma versão condensada

Guia Estratigráfico Internacional Uma versão condensada 1 SOCIEDADE BRASILEIRA DE GEOLOGIA COMISSÃO BRASILEIRA DE ESTRATIGRAFIA 2003 Guia Estratigráfico Internacional Uma versão condensada Editada por Michael A. Murphy 1 e Amos Salvador 2 Subcomissão Internacional

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO Sarah Ribeiro Guazzelli Taís Renata Câmara Rodrigo de Lemos Peroni André Cezar Zingano Gustavo Steffen Daniel Fontoura

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Silva, M. G. 1999 Dissertação de Mestrado

Silva, M. G. 1999 Dissertação de Mestrado 51 5.4 - Processos Atuantes Apesar dos minerais pesados serem indicadores sensitivos da composição mineralógica da área fonte, a composição da assembléia de minerais pesados é afetada por uma variedade

Leia mais

Quarta Rodada de Licitações Bacia de Campos

Quarta Rodada de Licitações Bacia de Campos Quarta Rodada de Licitações Bacia de Campos Orivaldo Bagni Superintendência de Definição de Blocos Apresentação Localização Generalidades Evolução Tectono-Estratigráfica Sistema Petrolífero Modelos de

Leia mais

Feliz Ano 2012 Newsletter 8 Dezembro 2011

Feliz Ano 2012 Newsletter 8 Dezembro 2011 Feliz Ano 2012 Newsletter 8 Dezembro 2011 O ponto alto das actividades decorridas no último trimestre de 2011 foi a entrega do Dossier de Candidatura do Geoparque Açores para ingresso na Rede Europeia

Leia mais

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística ALBUQUERQUE, MTD & ANTUNES, IMHR Polytechnic Institute of Castelo Branco Castelo Branco, Portugal.

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Alguns Aspectos relacionados com as Pesquisas, Produção, Demanda e Mercado de Urânio no Brasil e no Mundo SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro

Leia mais

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil Antonio Liccardo ESCOPO As Bacias Sedimentares Brasileiras As bacias costeiras do Sul e Sudeste Importância econômica e disponibilidade de

Leia mais

Uma colecção centenária, de fósseis de Cacela: um património museológico com relevância científica e histórica 1

Uma colecção centenária, de fósseis de Cacela: um património museológico com relevância científica e histórica 1 Uma colecção centenária, de fósseis de Cacela: um património museológico com relevância científica e histórica 1 José M. Brandão INETI / CEHFC- Universidade de Évora Abstract: The Geological Museum (INETI,

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS

COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS preissler; a.g.- rolim; s.b.a. - philipp, r.p. CEPSRM - UFRGS e-mail: dricagp@hotmail.com RESUMO O estudo contribui no conhecimento da evolução

Leia mais

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL.

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. Lucas Araujo Costa 1 ; Renato Rodriguez Cabral Ramos 2 ; Fábio Ferreira Dias 3

Leia mais

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista Noções básicas de Geometria Descritiva e sua aplicação naa análise de estruturas geológicas António Alexandre Araújo (Centro de Geofísica de Évora, Departamento de Geociências, Escola de Ciências e Tecnologia

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL SUBTERRÂNEA

GESTÃO AMBIENTAL SUBTERRÂNEA GESTÃO AMBIENTAL SUBTERRÂNEA Vidal Félix Navarro Torres, Eng.º, MSc., PhD IST Universidade Técnica de Lisboa RESUMO O presente trabalho aborda a gestão ambiental subterrânea enquadrada no conceito do ambiente

Leia mais

Livro de resumos. 19 a 23 Outubro 2015, LNEG, Portugal

Livro de resumos. 19 a 23 Outubro 2015, LNEG, Portugal Livro de resumos 19 a 23 Outubro 2015, LNEG, Portugal Editor: LNEG - Laboratório Nacional de Energia e Geologia Título: Livro de Resumos do X Congresso Ibérico de Geoquímica/XVIII Semana de Geoquímica

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Paulino, R.B. (UFPR) ; Goulart, A.A. (UFPR) ; Siefert, C.A.C. (UFPR) ; Lopes,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DRª LAURA AYRES ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE POR MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE GEOLOGIA.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DRª LAURA AYRES ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE POR MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE GEOLOGIA. ANO LETIVO 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DRª LAURA AYRES ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE POR MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE GEOLOGIA Módulos 1, 2, e 3 12º ANO DURAÇÃO DA PROVA: 135

Leia mais

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1 PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA Luís RIBEIRO 1 RESUMO Nos problemas de poluição de águas subterrâneas, interessa mais a detecção dos valores anormais e o estudo da sua conectividade

Leia mais

Geochemistry of the Brejeira Formation (Baixo Alentejo Flysch Group): Preliminary Results

Geochemistry of the Brejeira Formation (Baixo Alentejo Flysch Group): Preliminary Results X Congresso de Geoquímica dos Países de Língua Portuguesa XVI Semana de Geoquímica Caracterização Geoquímica da Formação da Brejeira (Grupo do Flysch do Baixo Alentejo): Resultados Preliminares Geochemistry

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia de Minas - DEMIN DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DAS FORMAÇÕES SUPERFICIAIS NA MODELAÇÃO E CARTOGRAFIA DO RISCO GEORMORFOLÓGICO: O CASO DA SERRA DO MARÃO

A INTEGRAÇÃO DAS FORMAÇÕES SUPERFICIAIS NA MODELAÇÃO E CARTOGRAFIA DO RISCO GEORMORFOLÓGICO: O CASO DA SERRA DO MARÃO A INTEGRAÇÃO DAS FORMAÇÕES SUPERFICIAIS NA MODELAÇÃO E CARTOGRAFIA DO RISCO GEORMORFOLÓGICO: O CASO DA SERRA DO MARÃO The integration of slope deposits in the modeling and mapping of natural hazards: The

Leia mais

Modelagem dos limites geológicos suaves

Modelagem dos limites geológicos suaves Modelagem dos limites geológicos suaves Introdução 7/2013 Antes de poder começar com o planejamento detalhado de uma mina, é necessário realizar uma minuciosa avaliação do recurso mineral. A avaliação

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

Visita de Estudo à Mina (desactivada) do Lousal 6 de DEZ 2007

Visita de Estudo à Mina (desactivada) do Lousal 6 de DEZ 2007 Visita de Estudo à Mina (desactivada) do Lousal 6 de DEZ 2007 Instituto Superior Técnico, Departamento de Minas e Georrecursos Descrição geral da visita Conhecer o Plano de recuperação da antiga área mineira

Leia mais