contratação ncia e limpeza Federal cia de Vigilân Serviços Data de início Versão 2.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "contratação ncia e limpeza Federal cia de Vigilân Serviços Data de início Versão 2.0"

Transcrição

1 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 02/2015 Serviços de Vigilân cia da Federação: SP Data de início da vigência da Convenção Coletiva: 1º de janeiro de 2015 Versão 2.0

2

3 Caderno Técnico Vigilância SP S APRESENTAÇÃO O presente Caderno Técnico apresenta os estudos realizados para a fixação de valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública para cada da Federação e os estudos de fatores de formação de custos para o estabelecimento de preços mínimos e máximos. Os estudos foram realizados no âmbito doo Sexto Aditivo do Contrato Administrativo n o. 11/2010, firmado entre o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e a Fundação Instituto de Administração FIA. O presente Caderno Técnico encontra-se organizado sessões: nas seguintes Cláusulas mais relevantesr s da Convenção Coletiva C utilizada para a apuração dos valores limites; Uma Visão sintética dos resultados Cenário Máximo, que apresenta os valores obtidos após a realização do estudo e os principais fatores que o compõe com a utilização do que está sendo denominado de Cenário Máximo; Memória de cálculo do estudo Cenário Máximo, apresentando a planilha de cálculo detalhadaa a partir da qual foram obtidos os valores limite com os parâmetros do Cenário Máximo; 4. Quadro comparativo dos valores de 2014 e 2015 para o cenário máximo; Composição do custo de Uniformes; Visão sintética dos resultados Cenário Atenção A com o mesmo formato da sessão anterior, com os parâmetros dee Cenário Atenção; Memória de cálculo do estudo Cenário Atenção, apresentando a planilha de cálculo detalhadaa a partir da qual foram obtidos os valores limite com os parâmetros do Cenário Atenção. SLTI CT Vigilância SP v 2_0 3

4 Caderno Técnico Vigilância SP S CLÁUSULAS MAIS RELEVANTES DA CONVENÇÃO COLETIVA Cláusulas da convenção coletiva: Vigilância 2015 São Paulo Cláusulas da Convenção Coletiva Parâmetro Valor Número de registro no Min Trab. SP000993/20S 014 e SP000339/ /2015 Cláusulas Salário base dataa base salário base do acordo salário base supervisor, informado cargo da chefia de campo Adicionais usuais alíquota do adicional noturno divisor para cálculo de valor hora nas jornadas 12 x 36 Benefícios custo UNITÁRIO do vale refeição custo UNITÁRIO do vale refeição ESCALAA 12X36 compartilhamento do vale refeição (%) 01/01/ /2015 1a TA R$ 1.218,15 3a TA R$ 2.128,28 3a Cargo XVIII TA de 3a Cargo XVIII segurança TA 20% 7a TA 220 6a TA R$ 17,68 9a TA 18% 9a parágrafo 3o SLTI CT Vigilância SP v 2_0 4

5 Caderno Técnico Vigilância SP S Vigilância 2015 São Paulo Cláusulas da Convenção Coletiva custo unitário da assistência médica e familiar R$ 111,92 11a Parágrafo 5o"Fica permitida a substituição do Convênio Médico por cesta básica suplementar em espécie ou cartão eletrônico de alimentação, a ser fornecida mensalmente, no valor mínimo de R$ 111,92 (cento e onze reais e noventa e dois centavos), devendo ser descontado do empregado o percentual de 5% (cinco por cento)...)" TA compartilhamento da assistência médicaa e familiar (%) seguro: indenização por morte seguro: indenização por invalidez 26xx piso salarial acrescido unicamente do adicional de periculosidade 52xx piso salarial acrescido unicamente do adicional de periculosidade 5% 11 a Parágrafo 4 o TA 24a CC 24a CC seguro: auxílio funeral desconto máximo de vale transporte 12 x 36 1,5 x o piso salarial 23a CC 6% 20a CC SLTI CT Vigilância SP v 2_0 5

6 Caderno Técnico Vigilância SP S Vigilância 2015 São Paulo Cláusulas da Convenção Coletiva faltas por consultas médicas de filho (anual) 2 por ano UNIFORMES Composição Calçaa Camisa Sapato Cinto de nylon Japona Boné Colete à prova de balas (Nível IIA) Apropriação Anual (1/duração média em anos) Calçaa Camisa Sapato Cinto de nylon Japona Boné 46a CC 2 54a CC 2 54a CC 1 54a CC 1 54a CC 1 54a CC 1 54a CC 1 53a CC 1 54a CC 1 54a CC 1 54a CC 1 54a CC 1 54a CC 1 54a CC SLTI CT Vigilância SP v 2_0 6

7 Caderno Técnico Vigilância SP 2015 Visão sintética dos resultados Cenário Máximo Caderno Técnico n o. 02 / 2015 Serviços de Vigilância da Federação: SP - São Paulo Data de início da vigência do Acordo: 1 de janeiro de 2015 Cenário: Cenário Máximo SLTI CT Vigilância SP v 2_0 7

8 Resumo dos Capítulos e Sessões da Federação: SP - São Paulo (Custo Total POR TRABALHADOR) Data Base do Acordo: janeiro-15 Cenário Máximo Valores em R$ VIGILÂNCIA 12 x x x x semanais diurno noturno diurno noturno 44 semanais I COMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO 1.640, , , , , ,77 I.i SALÁRIO BASE 1.218, , , , , ,28 I.ii ADICIONAIS DE PERICULOSIDADE, INSALUBRIDADE E OUTROS 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de periculosidade 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de insalubridade Adicional por jornada 12 x Outro adicional Outro adicional I.iii ADICIONAIS POR TRABALHO NOTURNO - 504, ,23 - Adicional noturno - 237, ,02 - Repercussão do adicional noturno no DSR - 33, ,30 - Hora noturna reduzida - 204, ,92 - Repercussão da hora noturna reduzida no DSR - 29, ,99 - I.iv HORAS EXTRAS 56,97 72,88-99,54 127,31 - Adicional de hora extra 56,97 72,88-99,54 127,31 - I.v REMUNERAÇÃO - SALÁRIO COM ADICIONAIS 1.640, , , , , ,77 II ENCARGOS E BENEFÍCIOS ANUAIS E MENSAIS 1.019, ,95 991, , , ,49 II.i 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS 182,45 240,38 176,12 318,76 419,96 307,69 13º salário 136,83 180,27 132,08 239,06 314,95 230,75 Adicional de férias 45,62 60,11 44,04 79,70 105,01 76,94 II.ii Previdência social (GPS) E FGTS 670,88 883,88 647, , , ,41 GPS 525,03 691,73 506,80 917, ,53 885,45 FGTS 145,85 192,15 140,78 254,81 335,71 245,96 II.iii BENEFÍCIOS MENSAIS ACORDADOS 127,85 127,85 127,85 136,79 136,79 136,79 Assistência médica e familiar 106,33 106,33 106,33 106,33 106,33 106,33 Benefício Social e Amparo a Família Cesta básica Auxílio alimentação mensal Auxílio creche 9,54 9,54 9,54 9,54 9,54 9,54 Seguro de vida, invalidez e funeral 11,98 11,98 11,98 20,92 20,92 20,92 Outro Benefício (1) Outro Benefício (2) Custeio de acidente de trabalho II.iv AFASTAMENTO MATERNIDADE 1,57 2,00 1,52 2,61 3,37 2,53 II.v RESCISÃO 36,77 46,84 38,81 60,00 77,60 62,07 Parcela a considerar do custo total de AP indenizado 55,35 71,37 56,71 92,57 120,55 93,47 Parcela a considerar do custo total de AP trabalhado 3,79 4,95 3,70 6,52 8,55 6,33 Parcela a considerar de demissão por justa causa (22,37) (29,48) (21,60) (39,09) (51,50) (37,73) SLTI CT Vigilância SP v 2_0 8

9 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno Valores em R$ 44 semanais 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais III UNIFORMES, EQUIPAMENTOS E RECICLAGEM 81,19 81,19 135,47 81,19 81,19 135,47 III.i UNIFORMES, EQUIPAMENTOS E RECICLAGEM 81,19 81,19 135,47 81,19 81,19 135,47 Custo dos uniformes 38,22 38,22 38,22 38,22 38,22 38,22 Custo dos equipamentos 25,32 25,32 79,60 25,32 25,32 79,60 Custo da reciclagem 17,65 17,65 17,65 17,65 17,65 17,65 IV REPOSIÇÃO DE PROFISSIONAL AUSENTE 393,00 509,10 348,80 667,43 870,26 591,61 IV.i CUSTO DA REPOSIÇÃO DE PROFISSIONAL AUSENTE 393,00 509,10 348,80 667,43 870,26 591,61 Dias de trabalho - Férias 287,64 372,61 273,43 488,49 636,94 463,77 Dias de trabalho - Ausências Legais 105,36 136,49 75,37 178,94 233,32 127,84 V BENEFÍCIOS DIÁRIOS ACORDADOS 254,09 254,09 373,98 220,64 220,64 319,37 V.i BENEFÍCIOS DIÁRIOS ACORDADOS 254,09 254,09 373,98 220,64 220,64 319,37 Auxílio transporte 33,45 33,45 72, ,88 Vale refeição 220,64 220,64 301,49 220,64 220,64 301,49 VI CUSTO DE REPOSIÇÃO DA INTRAJORNADA 280,25 356,79 381, VI.i Custo mensal de reposição da intrajornada 280,25 356,79 381, VII VALOR CALCULADO POR TRABALHADOR 4.598, , , , , ,49 VII.i INSUMOS VII.ii CUSTO TOTAL POR TRABALHADOR 3.668, , , , , ,71 VII.iii CUSTOS INDIRETOS, TRIBUTOS E LUCRO (CITL) 930, ,44 967, , , ,78 Custos Indiretos 220,12 279,81 228,89 331,55 427,82 327,22 Tributos 397,80 505,68 413,66 599,18 773,16 591,36 Lucro (LAIR) 312,26 396,94 324,71 470,34 606,91 464,20 VIII VALOR FINAL DO POSTO VIII.i Valor por Trabalhador 4.598, , , , , ,49 VIII.ii Valor por Posto 9.197, , ,14 trabalhadores por posto VIII.iii Valor por Posto do 346,35 446,91 170,91 Subordinados por Valor do Posto Supervisionado (Posto + Sup) 9.543, , ,05 SLTI CT Vigilância SP v 2_0 9

10 Caderno Técnico Vigilância SP 2015 Memória de cálculo Cenário Máximo Caderno Técnico n o. 02 / 2015 Serviços de Vigilância da Federação: SP - São Paulo Data de início da vigência do Acordo: 1 de janeiro de 2015 Cenário: Cenário Máximo SLTI CT Vigilância SP v 2_0 10

11 Cenário: Cenário Máximo INTRODUÇÃO Os capítulos a seguir demonstram os passos seguidos para a obtenção dos valores de referência para a Federativa, tipo de serviço, data base e Cenário de preços constantes no cabeçalho de cada página que se seguirá. Cada capítulo é dividido em seções que, por sua vez, agrupam os principais itens de custo do cálculo do salário de referência final. Os valores de supervisão são calculados para a obtenção do custo que será rateado pelos trabalhadores supervisionados, razão pela qual sua memória de cálculo também está demonstrada. Informa quais itens de custo são utilizados para a composição do salário utilizado como salário de referência em cada seção de cálculo. PARÂMETROS DOS REGIMES DE TRABALHO RIO BASE Os Regimes de trabalho são a referência para o cálculo da proporção dos dias de folga no mês e do número de dias de trabalho, que são utilizados nos cálculos dos demais capítulos. O número de dias de trabalho por ano foi calculado levando em conta a existência de 1 ano bissexto a cada quatro anos, o que representa 365,25 dias por ano. Como decorrência, considera-se que cada mês tenha 30,4375 dias. O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: (Número de dias de trabalho do mês) = (Número de dias do mês) * [1 - ( 5 / 7)] Na escala 12x36, cada dia trabalhado é seguido de um dia de descanso, o que resulta em uma proporção de 50% dos dias do mês de folga. Para esta escala, o custo de adicional de hora extra em feriados está demonstrado na sessão "Horas Extras". Para efeito de cálculo do valor adicional de "Horas Extras" trabalhadas aos domingos nas jornadas 12x36, foi considerado o número de feriados da da Federação. Legenda: Escalas 12x36 D 12x36 N 44 SEM Período diurno 12 x 36 horas Período noturno - 12 x 36 horas Período diurno - 44 horas semanais Os horários de trabalho estabelecidos para fins de cálculo de adicional noturno das escalas 12 x 36 do período diurno é das 7:00 às 19:00 horas e do período noturno das 19:00 às 7:00 do dia seguinte. Para a escala 44 horas semanais no período noturno o horário tem início às 22:00 e a jornada é integralmente sujeita a adicional noturno. Regime de trabalho 12 x 36 (s/n) Sim/Não s s n s s n proporção de dias de folga no mês % 50,000% 50,000% 31,677% 50,000% 50,000% 31,677% dias de trabalho no mês dias 15,22 15,22 20,80 15,22 15,22 20,80 SLTI CT Vigilância SP v 2_0 11

12 Cenário: Cenário Máximo CAPÍTULO I - COMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO I.i - SALÁRIO BASE RIO BASE O Salário base estabelecido em Acordo Coletivo é a base inicial de cálculo utilizada em todos os passos seguintes. Para o salário do supervisor podem ocorrer três situações: 1) O Acordo estabelece o valor do salário; 2) O Acordo estabelece um percentual de acréscimo sobre o salário do vigilante; 3) O Acordo não estabelece nem o valor do salário nem o percentual de acréscimo. No segundo caso, foi calculado o salário base do da seguinte forma: (Salário Base do ) = (Salário Base do ) X (percentual de acréscimo). Na terceira situação foi utilizada a média do percentual de acréscimo sobre os salários dos s (estabelecidos no Acordo ou calculados) daqueles Acordos do ano anterior que estavam na situação 1 ou 2, segundo a fórmula: Acréscimo médio = [Somatório de (Salário Base do encarregado nos acordos onde há previsão)/(salário Base do ) -1 )]/ (número de acordos onde há previsão). O acréscimo corresponde a 47%. O salário do encarregado foi então calculado da seguinte forma: (Salário Base do encarregado nos acordos onde NÃO há previsão) = (Salário base do ) X (Acréscimo médio) Data base data do último acordo coletivo jan 15 jan 15 jan 15 jan 15 jan 15 jan 15 SALÁRIO BASE salário base R$ 1.218, , , , , ,28 Salário base R$ 1.218, , , , , ,28 cargo da chefia de campo de segurança SLTI CT Vigilância SP v 2_0 12

13 Cenário: Cenário Máximo I.ii - ADICIONAIS DE PERICULOSIDADE, INSALUBRIDADE E OUTROS ONAIS DE PERICULOSIDADE, INSALUBRIDADE E OUTROS O adicional de periculosidade considerado é de 30% conforme a Lei n.º /2012 e Portaria n.º 1.885/2013 do MTE.; o salário de referência para cálculo do seu custo é o Salário base calculado na seção anterior. Para o cálculo do adicional de insalubridade, o salário de referência para o cálculo do seu custo é o salário base da categoria, salvo se a Convenção Coletiva estabelecer outro salário de referência. Quando forem previstos outros adicionais em Acordo Coletivo, seus valores e natureza estarão discriminados nos itens Outros adicionais 1 e/ou Outros adicionais 2. Adicional de periculosidade salário de referência para o adicional R$ 1.218, , , , , ,28 alíquota do adicional % 30% 30% 30% 30% 30% 30% Adicional de periculosidade R$ 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de insalubridade salário de referência para o adicional R$ 1.218, , , , , ,28 alíquota do adicional % Adicional de insalubridade R$ Outro adicional 1 outro adicional (*) R$ nihil nihil nihil nihil nihil nihil Outro adicional 1 R$ (*) descrição do adicional Não há outro adicional Outro adicional 2 outro adicional (*) R$ Outro adicional 2 R$ (*) descrição do adicional Não há outro adicional ITENS DE CUSTO Adicional de periculosidade R$ 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de insalubridade R$ Adicional por jornada 12 x 36 R$ Outro adicional 1 R$ Outro adicional Total R$ 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 % salário base % 30% 30% 30% 30% 30% 30% SLTI CT Vigilância SP v 2_0 13

14 Cenário: Cenário Máximo I.iii - ADICIONAIS POR TRABALHO NOTURNO ONAIS POR TRABALHO NOTURNO O Custo Total do adicional por trabalho noturno é composto por dois itens de custo: A - Adicional noturno - decorrente da hora noturna ser remunerada em valor maior e; B - Hora de redução noturna - decorrente de cada hora remunerada no período noturno corresponde a 52 minutos e 30 segundos. Sobre ambos é calculado a repercussão no descanso semanal remunerado (DSR) unicamente no cenário Máximo já que sua incidência é questionável. A) Adicional noturno Será utilizada a Súmula nº 60, II, TST, revisada em 2005: "Cumprida integralmente a jornada no período noturno e prorrogada esta, devido é também o adicional às horas prorrogadas". Sendo assim, serão computadas 9 horas das 12 horas totais da jornada (período das 22:00 horas até as 7:00 horas do dia seguinte). Foi calculada a proporção de horas noturnas em percentual, dividindo-se o número de horas sobre as quais incide o adicional noturno pelo número total de horas da jornada de trabalho (12 horas). Em geral isso significa 9/12 horas, ou seja, 75% da escala de 12 horas. O custo do adicional noturno é calculado como se segue: (Custo do adicional noturno) = (Salário de referência para adicional noturno) X (Proporção de horas noturnas) X (alíquota do adicional Noturno) B) Hora de redução noturna Caso o Acordo Coletivo preveja a incorporação do valor da hora de redução noturna ao salário base, o item hora de redução noturna será igual a 0. Caso o Acordo preveja a remuneração da Hora de redução noturna em percentual maior do que o estabelecido na lei, este percentual foi convertido em horas e somado à hora de redução noturna. Caso o Acordo não estabeleça condições diferentes da legislação, a hora de redução noturna foi calculada levando em conta que o posto estar coberto nas 9 horas de horário reduzido (540 minutos corridos) é necessário remunerar 10,29 horas reduzidas ( 540 / 52,5 ). Em relação à jornada de trabalho diária (12 horas), representa acréscimo de 10,75% da escala de 12 horas. Por ser remunerada no período noturno, incide o Adicional noturno sobre ela. Para o cálculo do custo da hora noturna adicional procede-se da seguinte forma: (Custo de hora noturna adicional) = (Salário de referência para adicional noturno) X (Proporção de hora noturna adicional) X (1 + alíquota do adicional noturno) A repercussão no descanso semanal remunerado foi calculado dividindo-se o valor previsto para o adicional noturno ou hora de redução noturna pela número de dias do mês e multiplicado pelo número médio de domingos ao longo do ano. Salário de referência Salário base R$ sim 1.218, , , , , ,28 Adicional de periculosidade R$ sim 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de insalubridade R$ sim Adicional por jornada 12 x 36 R$ sim Outro adicional 1 R$ sim Outro adicional 2 R$ não Salário de referência R$ 1.583, , , , , ,77 % salário base % 130% 130% 130% 130% 130% 130% Adicional noturno proporção de horas noturnas % - 75% % - alíquota do adicional % - 20% % - Custo de adicional noturno R$ - 237, ,02 - SLTI CT Vigilância SP v 2_0 14

15 Cenário: Cenário Máximo Hora noturna reduzida número de horas da jornada horas 12,00 12,00 8,80 12,00 12,00 8,80 horas de redução noturna horas - 1, ,29 - proporção de horas noturnas % - 10,75% ,75% - alíquota do adicional % 0,00% 20,00% 0,00% 0,00% 20,00% 0,00% Custo de hora noturna reduzida R$ - 204, ,92 - ADICIONAIS POR TRABALHO NOTURNO Adicional noturno R$ - 237, ,02 - Repercussão de adicional noturno no DSR R$ - 33, ,30 - Hora noturna reduzida R$ - 204, ,92 - Repercussão da hora noturna reduzida no DSR R$ - 29, ,99 - Total R$ - 504, ,23 - % salário base % - 41% % - SLTI CT Vigilância SP v 2_0 15

16 Cenário: Cenário Máximo I.iv - HORAS EXTRAS S EXTRAS O custo do adicional de horas extras foi previsto segundo a necessidade de manter um funcionário no posto de trabalho nos feriados e no dia da categoria, quando o Acordo Coletivo estabelecer o pagamento de adicional neste dia. Para o cálculo dos adicionais de horas extras, todos os demais adicionais previstos em Acordo Coletivo (inclusive de trabalho noturno) foram adicionados ao salário base, obtendo-se um salário de referência para horas extras. Foi calculado, ainda, a repercussão das horas extras no Descanso Semanal Remunerado unicamente no cenário Máximo já que sua incidência é questionável. O custo do adicional de hora extra é composto da soma de: (A) custo de adicional de hora extra em feriados e (B) Custo do adicional de hora extra no dia da categoria. A) Adicional de hora extra em feriados Todos os feriados estabelecidos oficialmente são considerados, independente do dia da semana em que ocorram. O parâmetro total de horas de trabalho em feriados no ano no posto indica o número de horas que serão trabalhados e portanto remuneradas com o adicional. Para as jornadas 12 x 36 horas é igual ao número de feriados multiplicado por 12 horas. Para a jornada de 44 horas semanais, o parâmetro é 0 pois é pressuposto que os feriados não são dias de trabalho para o contratante. Já o parâmetro parcela trabalhada apresenta a probabilidade de cada empregado estar trabalhando quando do feriado: nas jornadas 12 x 36 horas é 50% e nas jornadas 44 semanais é de 100%. Quando a Convenção Coletiva estabelece que o adicional de hora extra pago nos feriados já esta incluído no salário base, a alíquota do adicional de hora extra em feriados será igual a 0. Caso contrário, o valor estará indicado no item alíquota do adicional de hora extra em feriados. O custo do adicional de hora extra em feriados é calculado conforme segue: (Valor da hora trabalhada para cálculo de horas extras) = (Salário de referência para horas extras) / (Número de horas par cálculo de horas extras) (Total de horas de trabalho em feriados no ano por posto) = (Número de feriados) X (Horas de trabalho na jornada quando feriado) (Custo de adicional de hora extra em feriados) = (Valor da hora trabalhada para cálculo de horas extras) X (Total de horas de trabalho em feriados no ano por posto) X (parcela trabalhada) X (alíquota do adicional de hora extra em feriados) / 12 A repercussão do pagamento de horas extras em feriados no DSR é calculado segundo a seguinte fórmula: Repercussão mensal de Horas extras no DSR = [ (total de horas de trabalho em feriados no ano por posto / 12 x parcela trabalhada) / ((dias.do.ano / 7 dias da semana x 6 dias úteis) - número de feriados no ano) ] x { [ dias.do.ano [ (dias.do.ano / 7 dias da semana x 6 dias úteis) - número de feriados no ano] } x (Salário de referência para horas extras / horas de trabalho no mês para cálculo de hora extras) B) Adicional de hora extra no dia da categoria Quando existe previsão de pagamento de adicional pelo trabalho no dia da categoria por ano, a adicional só será pago caso o dia da categoria não coincida com o final de semana. O Custo é calculado segundo a fórmula: (Custo de adicional de hora extra no dia da categoria) = (Valor da hora trabalhada para cálculo de horas extras) X [ (Horas de trabalho na jornada) / 7 X 6 ] X (Parcela Trabalhada) * (Alíquota do adicional) A este valor foi acrescida a incidência das horas extras no Descanso Semanal Remunerado, quando previsto na Convenção Coletiva. A repercussão do pagamento de horas extras no dia da categoria no DSR é calculado segundo a seguinte fórmula: Repercussão mensal de Horas extras no DSR = [ (total de horas de trabalho em feriados no ano por posto / 12 x parcela trabalhada) / ((dias.do.ano / 7 dias da semana x 6 dias úteis) - número de feriados no ano) ] x { [ dias.do.ano [ (dias.do.ano / 7 dias da semana x 6 dias úteis) - número de feriados no ano] } x (Salário de referência para horas extras / horas de trabalho no mês para cálculo de hora extras) Para o Acordo Coletivo que não prevê que o trabalho no dia da categoria será remunerado como extraordinário, o valor da alíquota de adicional de hora extra no dia categoria será igual a 0. Caso contrário, o valor estará indicado no item alíquota do adicional de hora extra em feriados. SLTI CT Vigilância SP v 2_0 16

17 Cenário: Cenário Máximo Salário de referência para horas extras Salário base R$ sim 1.218, , , , , ,28 Adicional de periculosidade R$ sim 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de insalubridade R$ sim Adicional por jornada 12 x 36 R$ sim Outro adicional 1 R$ sim Outro adicional 2 R$ não Adicional noturno R$ sim - 237, ,02 - Repercussão de adicional noturno no DSR R$ não Hora noturna reduzida R$ sim - 204, ,92 - Repercussão da hora noturna reduzida no DSR R$ não Salário de referência para horas extras R$ 1.583, , , , , ,77 % salário base % 130% 166% 130% 130% 166% 130% Adicional de hora extra em feriados horas de trabalho no mês para cálculo de hora extras horas 220,00 220,00 220,00 220,00 220,00 220,00 valor da hora trabalhada para cálculo de horas extras R$ 7,20 9,21 7,20 12,58 16,09 12,58 número de feriados no ano dias 13,00 13,00 13,00 13,00 13,00 13,00 total de horas de trabalho em feriados no ano por posto horas 156,00 156,00-156,00 156,00 - parcela trabalhada % 50% 50% 100% 50% 50% 100% adicional de hora extra em feriados % 100% 100% 0% 100% 100% 0% custo de adicional de hora extra em feriados % 46,80 59,87-81,77 104,59 - incidência de hora extra no feriado sobre DSR R$ 10,17 13,01-17,77 22,72 - Custo de adicional de hora extra em feriados R$ 56,97 72,88-99,54 127,31 - Adicional de hora extra no dia da categoria horas de trabalho no ano no dia da categoria horas 12,00 12,00 5,71 12,00 12,00 5,71 parcela trabalhada % 50% 50% 100% 50% 50% 100% alíquota do adicional de hora extra no dia da categoria % 0% 0% 0% 0% 0% 0% custo de adicional de hora extra no dia da categoria R$ incidência de hora extra no dia da categoria sobre DSR R$ Custo de adicional de hora extra no dia da categoria R$ Adicional de hora extra Adicional de hora extra R$ 56,97 72,88-99,54 127,31 - Total R$ 56,97 72,88-99,54 127,31 - % salário base % 4,68% 5,98% 0,00% 4,68% 5,98% 0,00% SLTI CT Vigilância SP v 2_0 17

18 Cenário: Cenário Máximo I.v - REMUNERAÇÃO - SALÁRIO COM ADICIONAIS NERAÇÃO - SALÁRIO COM ADICIONAIS Quando o Acordo Coletivo prevê um valor fechado para o salário (com a inclusão dos adicionais de periculosidade, insalubridade e outros, além da hora noturna adicional, adicional de hora extra e intervalo intrajornada como salário), o valor estará indicado no item Salário com adicionais incorporados. Caso Contrário, este valor será igual a 0. Neste caso, os adicionais estarão discriminados no item Salário com adicionais calculados. Salário de referência Salário com adicionais incorporados R$ Salário de referência R$ Salário com adicionais calculados Salário base R$ sim 1.218, , , , , ,28 Adicional de periculosidade R$ sim 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de insalubridade R$ sim Adicional por jornada 12 x 36 R$ sim Outro adicional 1 R$ sim Outro adicional 2 R$ sim Adicional noturno R$ sim - 237, ,02 - Repercussão de adicional noturno no DSR R$ sim - 33, ,30 - Hora noturna reduzida R$ sim - 204, ,92 - Repercussão da hora noturna reduzida no DSR R$ sim - 29, ,99 - Adicional de hora extra R$ sim 56,97 72,88-99,54 127,31 - Total R$ 1.640, , , , , ,77 REMUNERAÇÃO - SALÁRIO COM ADICIONAIS Salário com adicionais incorporados R$ Total R$ % salário base % 0% 0% 0% 0% 0% 0% SLTI CT Vigilância SP v 2_0 18

19 Cenário: Cenário Máximo CAPÍTULO II - ENCARGOS E BENEFÍCIOS II.i - 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS ALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS Para o cálculo do custo do 13 e do adicional de férias, obtém-se inicialmente a proporção de meses não trabalhados no ano (1/12 meses), utilizada para estabelecer a proporção de 13 salário no ano e a proporção de adicional de férias no ano. O custo mensal de 13 salário é calculado como segue: (custo mensal de 13 salário) = (Salário de referência para cálculo de férias e 13º) X (proporção de 13 salário no ano) O Custo do adicional de férias é calculado como segue: (custo mensal do adicional de férias) = (Salário de referência para cálculo de férias e 13º) X (proporção de adicional de férias no ano) X (alíquota do adicional de férias) Salário de referência Salário base R$ sim 1.218, , , , , ,28 Adicional de periculosidade R$ sim 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de insalubridade R$ sim Adicional por jornada 12 x 36 R$ sim Outro adicional 1 R$ não Outro adicional 2 R$ não Adicional noturno R$ sim - 237, ,02 - Repercussão de adicional noturno no DSR R$ sim - 33, ,30 - Hora noturna reduzida R$ sim - 204, ,92 - Repercussão da hora noturna reduzida no DSR R$ sim - 29, ,99 - Adicional de hora extra R$ sim 56,97 72,88-99,54 127,31 - Salário de referência R$ 1.640, , , , , ,77 % salário base % 135% 177% 130% 135% 177% 130% 13º salário proporção de 13º salário no ano % 8,34% 8,34% 8,34% 8,34% 8,34% 8,34% Custo mensal de 13º salário R$ 136,83 180,27 132,08 239,06 314,95 230,75 Adicional de férias proporção de adicional de férias no ano % 8,34% 8,34% 8,34% 8,34% 8,34% 8,34% alíquota do adicional de férias % 33,34% 33,34% 33,34% 33,34% 33,34% 33,34% Custo mensal do adicional de férias R$ 45,62 60,11 44,04 79,70 105,01 76,94 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS 13º salário R$ 136,83 180,27 132,08 239,06 314,95 230,75 Adicional de férias R$ 45,62 60,11 44,04 79,70 105,01 76,94 Total R$ 182,45 240,38 176,12 318,76 419,96 307,69 % salário base % 14,98% 19,73% 14,46% 14,98% 19,73% 14,46% SLTI CT Vigilância SP v 2_0 19

20 Cenário: Cenário Máximo II.ii - Previdência social (GPS) E FGTS ência social (GPS) E FGTS O Salário de Referência para o cálculo da GPS e do FGTS é obtido pela soma do Salário base a todos os adicionais previstos em Acordo Coletivo. Se o Acordo Coletivo prever um salário fechado com os adicionais já incorporados, este valor estará expresso em "Salário com adicionais incorporados". Neste caso, as linhas anteriores serão iguais a 0 e estarão discriminados apenas o Adicional de férias e o 13 Salário, calculado com base no Salário com adicionais incorporados. Calcula-se então a alíquota da GPS, que aplicada sobre o Salário de referência resulta no custo da GPS. Sobre este também se aplica a alíquota do FGTS, obtendo-se o custo de FGTS. Salário de referência Salário base R$ sim 1.218, , , , , ,28 Adicional de periculosidade R$ sim 365,45 365,45 365,45 638,49 638,49 638,49 Adicional de insalubridade R$ sim Adicional por jornada 12 x 36 R$ sim Outro adicional 1 R$ não Outro adicional 2 R$ não Adicional noturno R$ sim - 237, ,02 - Repercussão de adicional noturno no DSR R$ sim - 33, ,30 - Hora noturna reduzida R$ sim - 204, ,92 - Repercussão da hora noturna reduzida no DSR R$ sim - 29, ,99 - Adicional de hora extra R$ sim 56,97 72,88-99,54 127,31 - Salário com adicionais incorporados R$ sim Adicional de férias R$ sim 45,62 60,11 44,04 79,70 105,01 76,94 13º salário R$ sim 136,83 180,27 132,08 239,06 314,95 230,75 Salário de referência R$ 1.823, , , , , ,46 % salário base % 150% 197% 144% 150% 197% 144% Alíquota da Guia da Previdência Social INSS - empregador % 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% Salário Educação % 2,50% 2,50% 2,50% 2,50% 2,50% 2,50% GILRAT % 3,00% 3,00% 3,00% 3,00% 3,00% 3,00% Sesc % 1,50% 1,50% 1,50% 1,50% 1,50% 1,50% Senac % 1,00% 1,00% 1,00% 1,00% 1,00% 1,00% Sebrae % 0,60% 0,60% 0,60% 0,60% 0,60% 0,60% Incra % 0,20% 0,20% 0,20% 0,20% 0,20% 0,20% Alíquota da Guia da Previdência Social % 28,80% 28,80% 28,80% 28,80% 28,80% 28,80% SLTI CT Vigilância SP v 2_0 20

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 17/2014 Serviços de Vigilância da Federação: PR Data de início

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 54/2013 Serviços de Vigilância da Federação: Amapá Data de

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 01/2013 Serviços de Vigilância da Federação: Distrito Federal

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 2.0

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 2.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 42/2014 Serviços de Limpez za da Federação: SP Data de

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 33/2014 Serviços de Vigiância Unidade da Federação: PE Data

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 23/2014 Serviços de Vigilância Unidade da Federação: MT Data

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 09/2013 Serviços de Limpeza da Federação: Pará Data de início

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 18 Serviços de Limpeza da Federação: Santa Catarina Data de

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 38/2013 Serviços de Limpeza da Federação: Mato Grosso Data

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 21/2014 Serviços de Limpeza Unidade da Federação: SC Data

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 1.0

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 1.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 43/2014 Serviços de Limpez za da Federação: ES Data de

Leia mais

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Unidade da Federação Pará 2015 Versão 1.0 Presidente da República Dilma Rousseff Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 ANEXO - II PROCESSO Nº 23216.000072/2014-31 APRESENTAÇÃO MEMÓRIA DE CÁLCULO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 A presente Memória de Cálculo demonstram os passos seguidos para a fixação

Leia mais

Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012

Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012 Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012 DLSG/SLTI SUMÁRIO 1. Histórico 2. Objetivo 3.Acórdão nº 1.753/2008 4. Metodologia

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013 Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Planilha de Custo e Formação de Preços (Em conformidade à Portaria nº 7, de 09/03/2011

Leia mais

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011.

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. PORTARIAS PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. Altera o anexo III da Instrução Normativa nº 02/2008, de 30 de abril 2008, que dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos proponentes em licitações

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011

INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011 Publicado no DOE em 17 de março de 2011 INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual sobre os encargos sociais a serem utilizados na fixação

Leia mais

ANEXO III. Página 1. Quantidade (total) a contratar (em função de medida)

ANEXO III. Página 1. Quantidade (total) a contratar (em função de medida) ANEXO III PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS N Processo Licitação n Dia / / às : horas Discriminação dos Serviços (referente à contratada) A Data de apresentação da proposta (dia/mês/ano) B Município/UF

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de MG Câmpus São João del-rei Diretoria de Administração e Planejamento ANEXO IV Modelo de Planilha de Custos e Formação

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA

ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA DADOS COMPLEMENTARES DO ANEXO DA PROPOSTA DE PREÇOS: ADSERTE - ADMINISTRAÇÃO E TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA

Leia mais

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA Ao ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S/A COMISSÃO DE LICITAÇÃO COLIC Ref. PREGÃO ELETRÔNICO N. 2013/ Prezados Senhores, Apresentamos em atendimento ao Edital do Pregão em epígrafe

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS RECEPÇÃO_POA Nº do processo: Contrato Dia: XX/XX/2013 - Hora: XxhXXmin A PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Data de apresentação da proposta

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ:

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: ENDEREÇO: TELEFONE: ( ) FAX: ( ) E-MAIL: REPRESENTANTE LEGAL: NACIONALIDADE:

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

Gerência de Segurança em Brasília Tabela Estimativa de Custos

Gerência de Segurança em Brasília Tabela Estimativa de Custos Gerência de Segurança em rasília Tabela Estimativa de Custos A - DISCRIMINAÇÃO DOS SERVIÇOS A MUNICIPIO / UF rasília/df ANO ACORDO, CONVENÇÃO DF000528/2011-2013 C Nº DE MESES DE EXECUÇÃO CONTRATUAL 12

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS CONSTRUÇÃO CIVIL

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS CONSTRUÇÃO CIVIL ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Janeiro de 2004 Setor de Economia ENCARGOS SOCIAIS DO CUB Apresentação Além do salário, vários outros custos devem ser calculados ou estimados

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

Planilhas_Custo_final

Planilhas_Custo_final Planilhas_Custo_final Quadro demonstrativo - Valor Global da Proposta Valor Global da Proposta Descrição Qtde de Postos Valor Por Posto Valor Mensal Valor Global (12 meses) Auxiliar 7 R$ 2.070,36 R$ 14.492,53

Leia mais

Barbacena, 06 de outubro de 2015.

Barbacena, 06 de outubro de 2015. INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS - CAMPUS BARBACENA PREGÃO ELETRÔNICO Nº 03/2015 (Processo Administrativo n. 23355.000394/2015-76) À CONFIARE SOLUÇÕES EMPRESARIAIS EIRELI -ME Barbacena, 06 de outubro

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO RECEPCIONISTA. Página 1. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação)

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO RECEPCIONISTA. Página 1. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Obs.: O modelo utiliza o Regime de Tributação Lucro Real. A empresa deverá utilizar o seu Regime de Tributação indicando as respectivas alíquotas no item C, do Módulo 5. MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E

Leia mais

3.438,76 ASCENSSORISTA 16 R$ 1.969,29 R$ PREÇO TOTAL MENSAL:

3.438,76 ASCENSSORISTA 16 R$ 1.969,29 R$ PREÇO TOTAL MENSAL: Ao Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM) Proposta que faz a empresa ALMAN CONSERVAÇÃO DE PREDIOS EPP, CNPJ: 19.002.421/000180 contratação de empresa especializada para a prestação

Leia mais

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições:

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 013, de 30 de outubro de 1996 O MINISTRO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO, no uso de sua competência, e considerando o disposto no Decreto nº 2.031, de 11 de

Leia mais

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios a empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método de cálculo do percentual de encargos

Leia mais

Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03

Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03 Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03 Número do processo: Data de apresentação da proposta: Unidade

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO SEMINÁRIO ESPECIAL PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO A ELABORAÇÃO DA PLANILHA PASSO A PASSO: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO, JURISPRUDÊNCIA E MEMÓRIA DE CÁLCULO DE CADA RUBRICA

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação)

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Obs.: O modelo utiliza o Regime de Tributação Lucro Real. A empresa deverá utilizar o seu Regime de Tributação indicando as respectivas alíquotas no item C, do Módulo 5. MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E

Leia mais

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00 Q AU SECRETARIA A DE AVIAÇÃO CIVIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - ANAC Ref.: D PREGÃO ELETRÔNICO N.º 07/2013 Processo R Nº 00055.002521/2013-99 Abertura: O 09/10/2013 às 09:00 h R PROPOSTA COMERCIAL E Prezados

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Encargos Sociais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Encargos Sociais SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL Encargos Sociais SUMÁRIO - ENCARGOS SOCIAIS 1. Encargos Sociais...03 1.1. Memória de Cálculo dos Percentuais Adotados...04 1.2.

Leia mais

www.linceseg.com.br / Iinceseg@Iinceseg.com.br

www.linceseg.com.br / Iinceseg@Iinceseg.com.br PROPOSTA DE PREÇOS MINISTEFLIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ECUAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS ARAQUARI PREGA() ELETRÓNICO N 005/205 DATA DA ABERTURA: 28/09205 HORA: 09:005

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011 ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011 I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios à empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método

Leia mais

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA Kelly Amichi O custo de mão-de-obra refere-se ao montante das despesas dos serviços prestados pelos funcionários à empresa. É o segundo maior custo no segmento de refeições

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO)

COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES Inicialmente é necessário esclarecer que este estudo permite ser moldado às características de cada empresa,

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais.

Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais. Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais. 1. Introdução 1.1 Trata-se de atualização dos estudos relativos aos percentuais máximos de encargos sociais admissíveis nas contratações de serviços

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Dados complementares para composição dos custos referente à mãodeobra 1.742,57 Supervisor Administrativo (Protocolo e Diretoria 1 Salário 100,00% 1.742,57 2 Hora Extra 3 Adicional noturno 4 Adicionais

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO A ELABORAÇÃO DA PLANILHA PASSO A PASSO: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO, JURISPRUDÊNCIA E MEMÓRIA DE

Leia mais

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...).

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...). Cálculos Infor-Pag CLT, Estagiários, Autônomos e Pró-Labore. Geral ou por Centro de Custos. Recálculo. Com o mesmo código de evento pode-se ter 3 tipos de movimento; Normal, diferença ou estorno. Permite

Leia mais

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº ÍNDICE DO MANUAL DE ROTINAS TRABALHISTAS TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº INTRODUÇÃO 6 SIGLAS UTILIZADAS 7 ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL E GERÊNCIA DE REC HUMANOS 8 ABANDONO DE EMPREGO 19 ACIDENTE NO

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

ERRATA ERRATA EDITAL DE LICITAÇÃO - PROCESSO N.º 014/2015 - COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS- DIVULGAÇÃO ELETRÔNICA N.º 014/2015

ERRATA ERRATA EDITAL DE LICITAÇÃO - PROCESSO N.º 014/2015 - COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS- DIVULGAÇÃO ELETRÔNICA N.º 014/2015 INSTITUTO PALMAS DE DESENVOLVIMENTO E SOCIOECONOMIA SOLIDÁRIA Av. Val Paraíso, 698, Conjunto Palmeira Fortaleza-CE CEP 60870-440 bancopalmas@bancopalmas.org.br / 55 85 3459-4848 CNPJ 05705438/0001-99 ERRATA

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

PLANILHAS DE CUSTOS E PREÇOS DA IN 02/08 - MPOG E SUAS ALTERAÇÕES FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS TERCEIRIZADOS

PLANILHAS DE CUSTOS E PREÇOS DA IN 02/08 - MPOG E SUAS ALTERAÇÕES FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS TERCEIRIZADOS PLANILHAS DE CUSTOS E PREÇOS DA IN 02/08 - MPOG E SUAS ALTERAÇÕES FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS TERCEIRIZADOS Alterações Conforme Novas Disposições da IN 06/13 MPOG de 23/12/2013 31/Mar e 01/Abr de 2014 -

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

ANEXO III A -PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

ANEXO III A -PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº do processo: Contrato Dia: XX/XX/2014 Hora: XxhXXmin C NEXO III PLNILH DE CUSTOS E FORMÇÃO DE PREÇOS Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Data de apresentação da proposta Município/UF

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º de novembro de 2012

Leia mais

RELATÓRIO DE JULGAMENTO

RELATÓRIO DE JULGAMENTO RELATÓRIO DE JULGAMENTO Pregão nº 012/2011 Trata-se o presente Relatório de Julgamento relativo à licitação na modalidade de Pregão Eletrônico, Tipo Menor Preço para a contratação de especializada para

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO DO CUSTO, PREÇO DE SERVIÇOS NAS CONTRATAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO SISTEMA S

CURSO FORMAÇÃO DO CUSTO, PREÇO DE SERVIÇOS NAS CONTRATAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO SISTEMA S CURSO FORMAÇÃO DO CUSTO, PREÇO DE SERVIÇOS NAS CONTRATAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO SISTEMA S MANAUS/AM 11 E 12 DE DEZEMBRO DE 2014 PROFESSOR JERÔNIMO LEIRIA APRESENTAÇÃO Proporcionar aos participantes

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001599/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017802/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.004343/2013-81 DATA DO

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

Ministério da Integração Nacional - M I Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

Ministério da Integração Nacional - M I Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Ministério da Integração Nacional M I ANEXO II PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS SEDE DA 1ª SUPERINTENDENCIA REGIONAL DA CODEVASF EM MONTES CLAROS Nº do Processo Licitação Nº Dia / / às : horas.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

PRIMEIROS APONTAMENTOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR 150/2015: A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

PRIMEIROS APONTAMENTOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR 150/2015: A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS PRIMEIROS APONTAMENTOS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR 150/2015: A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Karime Antunes de Souza Advogada em São Paulo karime@silvaribeiro.com.br Aprovada recentemente, a Lei Complementar

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

RESUMO DA PAUTA UNIFICADA DE REIVINDICAÇÕES EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE VINHEDO E ITATIBA - NEGOCIAÇÃO COLETIVA 2010/2011

RESUMO DA PAUTA UNIFICADA DE REIVINDICAÇÕES EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE VINHEDO E ITATIBA - NEGOCIAÇÃO COLETIVA 2010/2011 RESUMO DA PAUTA UNIFICADA DE REIVINDICAÇÕES EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE VINHEDO E ITATIBA - NEGOCIAÇÃO COLETIVA 2010/2011 1 REAJUSTE SALARIAL: salários fixos ou parte fixa dos salários mistos reajustamento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE Dados da empresa Razão Social: Nome de fantasia: Endereço: RUA DOUTOR AGENOR MARTINS DE CARVALHO, 1138 - SALA 02 - BAIRRO AGENOR MARTINS DE CARVALHO CEP: 76.820-350

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Folha de Pagamento Sumário Mapa de Vale Refeição Seguro de Vida Cesta Básica Assistência Médica Tipo 1 e 2 Parâmetro 22 - Assistência Médica Parâmetro 58 - Assistência Médica 2 Salário-Base Periculosidade

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001746/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020832/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005849/2012-27

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF PRIMEIRO TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA EM 30 DE AGOSTO DE 1993. ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS

Leia mais

DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004

DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004 DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004 PELO PRESENTE INSTRUMENTO E NA MELHOR FORMA DE DIREITO, DE UM LADO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSÕES DE SÃO PAULO E REGIÃO, ENTIDADE

Leia mais

Estudo técnico dos encargos sociais.

Estudo técnico dos encargos sociais. Estudo técnico dos encargos sociais. Apresentamos como sugestão, para a discussão o presente estudo técnico que sendo aprovado por esta Secretaria, certamente indicará os percentuais quando aplicados sobre

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

CUSTOS DOS ENCARGOS SOCIAIS

CUSTOS DOS ENCARGOS SOCIAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 1. REAJUSTE SALARIAL: O salário base nominal dos empregados da categoria

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total ANEXO... PLANILHA DE CUSTOS 2º TURNO Quantidades (veículos/diárias): Tipo da contratação: ( ) Terceirizada ( ) Regime da CLT ( ) Cooperativa (Lei nº 5.764/71) ( ) Regime Tributário: ( ) Lucro Real ( )

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

Assunto: Planilha de composição de custos Valores limites nas contratações de serviços terceirizados com vinculação à mão de obra.

Assunto: Planilha de composição de custos Valores limites nas contratações de serviços terceirizados com vinculação à mão de obra. NOTA TÉCNICA 001/2013 Poder Judiciário Conselho da Justiça Federal Brasília, 31 de janeiro de 2013. Assunto: Planilha de composição de custos Valores limites nas contratações de serviços terceirizados

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação)

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Obs.: O modelo utiliza o Regime de Tributação Lucro Real. A empresa deverá utilizar o seu Regime de Tributação indicando as respectivas alíquotas no item C, do Módulo 5. MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS E GESTÃO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMO FORTALECER UMA VISÃO INTEGRADA

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS E GESTÃO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMO FORTALECER UMA VISÃO INTEGRADA LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS E GESTÃO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMO FORTALECER UMA VISÃO INTEGRADA Hélio Janny Roy Martelanc Luiz Patrício Cintra do Prado Filho Sérgio Mattoso Salomão

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 28/2014 Serviços de Vigilância Unidade da Federação: RS Data

Leia mais

Conteúdo Complementar Cálculo de Rescisão

Conteúdo Complementar Cálculo de Rescisão Conteúdo Complementar Cálculo de Rescisão Gestão de Pessoal Contéudo Complementar Cálculo de Rescisão 1. Cálculo de Rescisão Para efetuar o cálculo de um recibo de rescisão é necessário seguir as orientações

Leia mais