RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce"

Transcrição

1 Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International Development Agency University of Victoria, Canada) RELATÓRIO Curso Química analítica aplicada a aquicultura (02 a 06 de julho de 2012, Escola Superior de Ciências Marinhas e Costeiras, Quelimane) Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce (09 a 13 de julho de 2012, Instituto Nacional de Aquacultura INAQUA, Maputo) Luis Alejandro Vinatea Arana, Dr. Julho de

2 1. Introdução Sob o patrocínio do Southern Oceans Education and Development Project (CIDA, University of Victoria, Canada), em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, Brasil), foram realizados dois cursos concentrados na República de Moçambique, a saber: Química Analítica Aplicada a Aquicultura, na Escola Superior de Ciências Marinhas e Costeiras (ESCMC), Quelimane, de 02 a 06 de julho de 2012, e Qualidade da Água em Piscicultura de água doce, no Instituto Nacional de Aquacultura (Inaqua), Maputo, de 09 a 13 de julho de Os referidos cursos contaram com a participação de um docente do Departamento de Aquicultura da Universidade Federal de Santa Catarina, quem subscreve, e da acadêmica do curso de Engenharia de Aquicultura da mesma instituição, Scheila Anelise Pereira, em qualidade de assistente. 2. Curso em Quelimane As aulas começaram na segunda feira 02 de julho, as 08h30min. Assistiram ao todo 25 participantes, sendo a maioria deles alunos de mestrado e docentes da própria Escola. Houve, também, a participação de técnicos das fazendas Aquapesca e Aquacquel. Neste primeiro dia de aula, no período da tarde, as atividades foram suspensas a fim de verificar e preparar todos os materiais existentes no laboratório de química. 2.1 Conteúdo O curso esteve composto por quatro unidades, a saber: 1) Segurança no laboratório; 2) Noções de química geral (tabela periódica, unidades químicas de massa, soluções, reações químicas, ácidos e bases); 3) Química analítica aplicada à aquicultura (ph, determinação do ph, alcalinidade e dureza, determinação da alcalinidade e da dureza, oxigênio, uso e manutenção do oxímetro polarográfico, nitrogênio, determinação da amônia, nitrito e nitrato, fósforo, determinação do fósforo, matéria orgânica no solo, determinação do carbono orgânico, material em suspensão); 4) Biossegurança em aquicultura. 2.2 Dinâmica do curso O curso foi dividido em aulas teóricas e práticas. Nos dias 02, 03 e 04 de julho aconteceram as aulas teóricas, dando-se ênfase aos exercícios de cálculos estequiométricos e balanço de equações químicas (Figura 1). Na quinta feira 05 foi realizada uma aula prática nas instalações da própria escola (Figura 2). Na sexta feira 06, devido à inexistência na Escola de um espectrofotômetro, houve a necessidade de deslocar-nos até a fazenda Aquapesca, cujo gerente, Sr. François, nos fez a gentileza de ceder uma sala de aula e o respectivo espectrofotómetro para a realização das análises de amônia e nitrito (Figura 3). Nessa oportunidade, a assistente Scheila Pereira proferiu uma aula sobre regressão linear a fim de complementar a aula prática de espectrofotometria. Cabe destacar que muitos dos reagentes utilizados nas aulas práticas foram comprados no Brasil e doados a Escola. 2

3 Figura 1. Aulas teóricas com exercícios de estequiometria e reações químicas Figura 2. Aula prática de química analítica na ESCMC 3

4 Figura 3. Aula prática de química analítica na fazenda Aquapesca 2.3 Visita técnica a fazenda Aquactel Uma vez finalizado o curso na ESCMC, no sábado 07 de julho, antes de partir para Maputo, realizamos uma visita técnica a fazenda Aquactel (Figura 4), na localidade de Inhangome. Os sócios proprietários tiveram a gentileza de nos pegar no hotel e nos levar até a fazenda de moto. Uma vez lá nos foi possível tecer algumas recomendações com relação ao que foi visto. Por exemplo, criticamos o fato dos tanques serem escavados, o qual, no nosso entendimento, é caro e inapropriado em termos de manejo. Contudo, os peixes cultivados em hapas apresentavam bom aspecto, o que nos fez conjeturar que uma boa qualidade da água consegue ser mantida. Nesta oportunidade fizemos uma série de indicações em relação à construção de estanques, manejo da água e formulação de rações artesanais para tilápias. Deve ser destacado que este grupo de empreendedores está fazendo um trabalho inédito na região, o qual deveria ser apoiado e valorizado. Do sucesso deste empreendimento pode depender que novas iniciativas de aquicultura venham a surgir na região. Da nossa parte, nos dispusemos a colaborar em todo o que estiver ao nosso alcance a fim de apoiar o desenvolvimento desta fazenda. Acreditamos que iniciativas similares, se reproduzidas adequadamente, podem se tornar importantes elementos de geração de emprego e alimento, com a consequente dinamização da economia local. 4

5 Figura 4. Visita técnica a fazenda Aquactel (Inhangome) 3. Curso em Maputo Na segunda feira 09 de julho teve inicio o curso na sede do Instituto Nacional de Aquacultura (INAQUA), entidade ligada ao Ministério das Pescas de Moçambique. Nesta oportunidade contamos com a participação de 15 pessoas, sendo quatro delas extensionistas do Inaqua. Os outros participantes pertenciam a Universidade Eduardo Mondlane, empresas privadas de piscicultura e a Vila do Milênio de Lionde. As aulas teóricas tiveram lugar até a quinta feira 12 (Figura 5) e começaram todos os dias as 08h00min, terminando as 15h00min, de acordo com o horário estipulado de comum acordo com os participantes. Na sexta feira 13 nos deslocamos até a fazenda de cultivo de tilápias, de propriedade de um dos participantes do curso, o senhor Julho, onde foram realizados os ensaios com um aerador mecânico (movido a combustível) e determinados os parâmetros físicos, químicos e biológicos dos viveiros, assim como a fotossíntese, a respiração do solo e da coluna de água (Figura 6). No período da tarde, nas instalações do Instituto de Inspeção de Pescado, no porto de Maputo, foi realizada a aula prática laboratorial, onde foram determinados o ph do solo, a alcalinidade e dureza da água, tanto da fazenda de tilápias quanto de uma amostra avulsa de torneira; a reatividade e o poder neutralizante do calcário utilizado na fazenda também foram determinados (Figura 7). Nessa oportunidade foi doado ao dono da fazenda, onde a aula da manha teve lugar, um kit de análise de alcalinidade e dureza da água. Já ao Inaqua lhe foram doadas a peneira de aço inox utilizados na determinação da granulometria do calcário. 5

6 Figura 5. Aulas teóricas de qualidade da água em piscicultura de água doce na sede do Instituto Nacional de Aquacultura (Inaqua, Maputo). Figura 6. Aulas prática de qualidade da água numa fazenda particular de cultivo de tilápias (perto de Maputo). 6

7 Figura 7. Aulas prática de qualidade da água nas instalações do Instituto de Inspeção de Pescado, em Maputo. 4. Recomendações Com o objetivo de preparar os técnicos e docentes que laboram na Escola Superior de Ciências Marinhas e Costeiras na arte de publicar artigos científicos em revistas indexadas, sugerimos que, ainda neste ano, seja realizado de um curso concentrado sobre metodologia da pesquisa científica, aplicado à aquicultura, onde sejam revistos temas relativos às fases lógicas e metodológicas da elaboração dos planos de pesquisa, estatística experimental, formatação do artigo científico e respectiva submissão em periódicos internacionais. Acreditamos que por meio da produção científica a Escola possa construir um caminho que a leve a visibilidade internacional, com a consequente facilidade para captar recursos financeiros. Devido a uma serie de deficiências teóricas e práticas sobre aquicultura constatada nos participantes do curso em Maputo, sugerimos igualmente a realização de um curso concentrado sobre aquicultura geral, onde sejam abordados temas fundamentais como a escolha do local, construção de estanques, nutrição e alimentação, principais doenças e sanidade aquícola, assim como o manejo da água dos cultivos. Acreditamos ser de fundamental importância que o Inaqua convoque todos os extensionistas que tem em campo a fim de nivela-los na temática sugerida. 7

RELATÓRIO. Curso Aquicultura geral. Curso Metodologia da pesquisa científica em aquicultura

RELATÓRIO. Curso Aquicultura geral. Curso Metodologia da pesquisa científica em aquicultura Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

Relatório sobre o curso Qualidade da água no cultivo de camarões marinhos

Relatório sobre o curso Qualidade da água no cultivo de camarões marinhos Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias Departamento de Aquicultura Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International Development Agency University of

Leia mais

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011)

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011) PROJETO SOED Relatório do primeiro ano de formação na UFSC Genyess R.A.S.Vieira (Março - Dezembro de 2011) Florianópolis, 2012 A cidade de Florianópolis, é a cidade capital do estado Santa Catarina, localizado

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL

CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL CURSO INTERNACIONAL SOBRE CULTIVO DE CAMARÕES PROJETO SOED SOUTHERN OCEAN EDUCATION AND DEVELOPMENT RELATÓRIO FINAL Coord. : Prof. Edemar Roberto Andreatta - UFSC Francisco de Oliveira Neto - EPAGRI Florianópolis

Leia mais

Relatório da Deslocação a Angoche no Âmbito do Projecto de Aquacultura de Pequena Escala

Relatório da Deslocação a Angoche no Âmbito do Projecto de Aquacultura de Pequena Escala REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS PESCAS INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE AQUACULTURA INAQUA Relatório da Deslocação a Angoche no Âmbito do Projecto de Aquacultura de Pequena Escala Angoche,

Leia mais

Departamento de Tecnologia e Extensão RELATÓRIO DO CURSO SOBRE O CULTIVO DE TILÁPIA

Departamento de Tecnologia e Extensão RELATÓRIO DO CURSO SOBRE O CULTIVO DE TILÁPIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS PESCAS INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA AQUACULTURA Departamento de Tecnologia e Extensão RELATÓRIO DO CURSO SOBRE O CULTIVO DE TILÁPIA Maputo, Outubro de

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

Relatório da deslocação ao Distrito de Angoche Província de Nampula- Angoche no âmbito do Projecto de aquacultura de camarão de pequena escala

Relatório da deslocação ao Distrito de Angoche Província de Nampula- Angoche no âmbito do Projecto de aquacultura de camarão de pequena escala REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS PESCAS INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA AQUACULTURA Relatório da deslocação ao Distrito de Angoche Província de Nampula- Angoche no âmbito do Projecto de

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES PROJECTO SOED RELATÓRIO DE ACTIVIDADES (Março Dezembro 2008) Por: Eulália Domingos Mugabe Florianópolis, 5 de Janeiro de 2009 RESUMO Durante o período compreendido entre Março e Dezembro de 2008, em Florianópolis,

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

ENS. FUNDAMENTAL II - I UNIDADE 6º s ANOS - MANHÃ

ENS. FUNDAMENTAL II - I UNIDADE 6º s ANOS - MANHÃ 6º s ANOS - MANHÃ 03/03 06/03 12/03 17/03 20/03 24/03 26/03 Laboratório Empreendedorismo 5 5 5 5 5 As avaliações parciais das seguintes disciplinas: Empreendedorismo, e serão trabalhos realizados em sala

Leia mais

SOUTHERN OCEANS EDUCATION DEVELOPMENT (SOED) PROJECT RELATÓRIO DE ESTUDO AND EVELOPMENT (SOED) P

SOUTHERN OCEANS EDUCATION DEVELOPMENT (SOED) PROJECT RELATÓRIO DE ESTUDO AND EVELOPMENT (SOED) P SOUTHERN OCEANS EDUCATION AND EVELOPMENT (SOED) P DEVELOPMENT (SOED) PROJECT RELATÓRIO DE ESTUDO Quelimane, Moçambique 17 de julho a 17 de agosto, 2009 Por Jessica Anderson Page 2 ATIVIDADES Semana 1 Chegada

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 092/07-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

Manual de qualidade da água para aquicultura

Manual de qualidade da água para aquicultura Manual de qualidade da água para aquicultura KT / KP ALFAKIT PRESERVE PRESERVE Alfakit Ltda Rua João Sampaio da Silva, 128 Capoeiras Florianópolis/SC 88090820 Fone (48) 30292300 vendas@alfakit.ind.br www.alfakit.ind.br

Leia mais

PROJECTO SOED Relatório de Actividades no Canada Jan-Jul 2010. Por Edson José

PROJECTO SOED Relatório de Actividades no Canada Jan-Jul 2010. Por Edson José PROJECTO SOED Relatório de Actividades no Canada Jan-Jul 2010 Por Edson José Background Southern Oceans Education and Development (SOED) é um projecto financiado pela Agência Canadiana para o Desenvolvimento

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP) INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL

Leia mais

Núcleo de estudo e extensão em aquacultura NUEEAQUA

Núcleo de estudo e extensão em aquacultura NUEEAQUA INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BEBEDOURO VICTÓRIO CARDASSI PROJETO DE GRUPO DE ESTUDO E EXTENSÃO Núcleo de estudo e extensão em aquacultura NUEEAQUA Proponente: Prof. Dr. Eduardo Pahor Filho

Leia mais

Qualidade da Água para a Aquicultura

Qualidade da Água para a Aquicultura Qualidade da Água para a Aquicultura Perila Maciel Rebouças Mestranda em Engenharia Agrícola UFC Engenharia de Sistemas Agrícolas - Ambiência Agrícola (Piscicultura) 11/01/2013 Definições Aqui = água e

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

Alimentação e Nutrição de Organismos Aquáticos. Biologia de Organismos Aquáticos Cultiváveis e Biotecnologia

Alimentação e Nutrição de Organismos Aquáticos. Biologia de Organismos Aquáticos Cultiváveis e Biotecnologia EDITAL DE SELEÇÃO Número 10-2014 O Programa de Pós- Graduação em Aquicultura torna público o Edital de Seleção que informa os critérios para o processo seletivo de candidatos ao MESTRADO. 1. PROGRAMA:

Leia mais

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS É sabido que agricultura sem

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 04/2015 EDITAL DE REABERTURA

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 04/2015 EDITAL DE REABERTURA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 04/25 EDITAL DE REABERTURA A SEPLAG, considerando o número de inscrições e a necessidade de ampliar a concorrência, reabre as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado

Leia mais

ANEXO VI - (Quadro de Vagas com as respectivas codificações)

ANEXO VI - (Quadro de Vagas com as respectivas codificações) NEXO VI - (Quadro de Vagas com as respectivas codificações) 001 gricultor Orgânico Ouro Branco Empreendedorismo Graduação em Ciências Contábeis, dministração, Matemática, Técnico em Contabilidade ou experiência

Leia mais

Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre: Turma: Ano: Período: 1º 2016s1-A 2016 Noturno

Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre: Turma: Ano: Período: 1º 2016s1-A 2016 Noturno 1º 2016s1-A 2016 Noturno Comunicação e Expressão Fundamentos de Cálculo Informática Aplicada à Engenharia Desenho Técnico Aux. por Computador Física Geral Introdução à Engenharia Civil Fundamentos de Cálculo

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

PROPEP Encontro com docentes da UNEAL 2 7 / 1 1 / 2 0 1 3

PROPEP Encontro com docentes da UNEAL 2 7 / 1 1 / 2 0 1 3 PROPEP Encontro com docentes da UNEAL 2 7 / 1 1 / 2 0 1 3 CURSOS ESTRITO SENSO OFERTADOS PELA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA CAPINA GRANDE - UECG DOUTORADOS: 1. ENGENHARIA AMBIENTAL ÁREA BÁSICA: ENGENHARIA

Leia mais

Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR

Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE AGROINDÚSTRIA, ALIMENTOS E NUTRIÇÃO Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR Juliana Antunes Galvão

Leia mais

Universidade Lusófona

Universidade Lusófona Universidade Lusófona Licenciatura (1º Ciclo) em Ciências da Engenharia - Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director: Prof. Doutor José d'assunção Teixeira Trigo Objectivos: Formação

Leia mais

RELATÓRIO DA DIRETORIA DA FACULDADE DE AGRONOMIA DO MÉDIO SÃO FRANCISCO FAMESF PERÍODO DE 1982 A 1985 (RESUMO)

RELATÓRIO DA DIRETORIA DA FACULDADE DE AGRONOMIA DO MÉDIO SÃO FRANCISCO FAMESF PERÍODO DE 1982 A 1985 (RESUMO) UNIVESIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA: JOÃO DURVAL CARNEIRO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA E REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA E e F

1ª ETAPA - TURMA E e F Atualizado em: 20/05/2013 1/7 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PF 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PF 3 ÉTICA E CIDADANIA I PF 3 FÍSICA GERAL I PF 3 GEOMETRIA ANALITICA E VETORES PF 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos

Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos Dados das amostras: Tipo: Solos de uso Agrícola; Proprietário: Sinergeo - Soluções Aplicadas Em Geologia, Hidrogeologia E Ambiente Lda Endereço: Edificio

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ.

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. Naiane Ramilio 1, Ana Cristina Franzoi TEIXEIRA 2, Adriano MARTENDAL 3 1 Estudante do Curso Técnico em

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle INFORMAÇÕES BÁSICAS Título do projeto: Nutrilápia - Elaboração de um Software de formulação de ração destinado à Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT. CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT. CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias) Cálculo em Várias Variáveis FUV ou Calculo I Algoritmos e Estrutura de Dados Lógica de

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

TOTAL DE VAGAS FURB 957

TOTAL DE VAGAS FURB 957 ANEXO I QUADRO DE CURSOS E VAGAS Universidade Regional de Blumenau - FURB FURB Campus Blumenau ADMINISTRAÇÃO Noturno 60 ARQUITETURA E URBANISMO Matutino 30 BIOMEDICINA Noturno 25 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS- 3ºCICLO - DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. 1.1.4.20.01 Lista Pré-Requisitos por Curso

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. 1.1.4.20.01 Lista Pré-Requisitos por Curso Código Nome da Tipo Pré Requisito Curso: BAEQ ENGENHARIA QUIMICA Ano do Curriculo: 2010 Descrição da Estrutura: 2º SEMESTRE BA010903 FISICA II BA011004 CALCULO I BA010901 FISICA I BA010904 LABORATORIO

Leia mais

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40 ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS O desenho curricular do curso de Engenharia de Energias segue as Diretrizes Gerais da UNILAB, as quais preveem os seguintes Núcleos de Formação nos cursos de graduação:

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA

DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA 06/ 05/ INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO º SEMESTRE 05 ANEXO II EDITAL Nº 8/05 DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA Técnico em Redes de Computadores

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

Curso(s): Licenciaturas em Engenharia Total de horas Aulas Teórico-Práticas 60 h

Curso(s): Licenciaturas em Engenharia Total de horas Aulas Teórico-Práticas 60 h UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA F A C U L D A D E D E E NGE N H ARIA Disciplina de DESENHO Contexto da Disciplina Horas de Trabalho do Aluno Curso(s): Licenciaturas em Engenharia Total de horas Aulas

Leia mais

Identificação. Estrutura. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade)

Identificação. Estrutura. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Manifestação da CPEU Identificação Projeto Institucionalizado a quem

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS- 3ºCICLO - DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO - PRONATEC EDITAL PROFESSOR INTERNO - Nº 27/2015

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E GESTÃO DE ENERGIA

PÓS GRADUAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E GESTÃO DE ENERGIA PÓS GRADUAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E GESTÃO DE ENERGIA SOBRE O CURSO Objetivo O Centro de Investigação e Pesquisa Novo Milênio - CIPENM, realiza de junho/11 a janeiro/13, o curso de Pós Graduação em Este

Leia mais

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS Aprovado no CONGRAD de: 24.09.2013 Retificado no CONGRAD de: 13.05.2014 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/1 CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 CÓD.

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

Florianópolis Santa Catarina Brasil 3, 4 e 5 de dezembro de 2014. ISBN: 978-85-68618-00-4

Florianópolis Santa Catarina Brasil 3, 4 e 5 de dezembro de 2014. ISBN: 978-85-68618-00-4 XIV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA CIGU A Gestão do Conhecimento e os Novos Modelos de Universidade Florianópolis Santa Catarina Brasil 3, 4 e 5 de dezembro de 2014. ISBN: 978-85-68618-00-4

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação Juliana Chaves Maristela Pessolano

Leia mais

Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP

Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP 1 Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP A presente pauta foi elaborada através de levantamento elaborado por comissão de estudantes de cada curso, serão apresentadas as reivindicações

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Antônio Pasqualetto 1, Fernando Alcântara 2, Flávia de Sousa 2, Carlos Vieira 2, Levi Martins

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES

NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES Os 365 exemplares de livros adquiridos pelo CES-CL para o curso de Engenharia Elétrica já foram entregues e estão passando

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã)

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã) MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Primeiro Semestre (Manhã) Cálculo I 90 h Básico - Experimental I 90 h Básico - Geometria Analítica 36 h Básico - Introdução à Engenharia de Controle

Leia mais

plantas aquáticas Controle de em viveiros de criação de peixe

plantas aquáticas Controle de em viveiros de criação de peixe 1 Controle de plantas aquáticas em viveiros de criação de peixe Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda fernando@acquaimagem.com.br lantas aquáticas e algas filamentosas podem tomar conta

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar Listagem de UC por curso Semestre * 2013-14 Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar Animação Turística Língua Estrangeira II (Espanhol II ou Alemão II) Comunicação e Desenvolvimento Pessoal Imagem

Leia mais

Matéria e energia nos ecossistemas

Matéria e energia nos ecossistemas Aula de hoje Matéria e energia nos ecossistemas Matéria e energia nos ecossistemas A forma e funcionamento dos organismos vivos evoluiu parcialmente il em respostas às condições prevalecentes no mundo

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA?

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? ÍNDICE LONGLINE ENVIRONMENT 3 PANORAMA DA AQUICULTURA 3 COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? 3 ESPÉCIES ASSEGURADAS 4 RISCOS COBERTOS 5 QUANTO CUSTA O SEGURO AQUÍCOLA? 6 COMO OBTER O SEGURO AQUÍCOLA? 7 3 SEGURO

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil 1º Semestre 1. Cálculo Diferencial e Integral I 2. Desenho Básico 3. Física I 4. Laboratório de Física I 1º Básica 5. Química Geral 6. Introdução a Engenharia

Leia mais

FURB Universidade Regional de Blumenau. FURB Campus Blumenau Informações gerais dos cursos a serem oferecidos

FURB Universidade Regional de Blumenau. FURB Campus Blumenau Informações gerais dos cursos a serem oferecidos FURB Universidade Regional de Blumenau FURB Campus Blumenau ADMINISTRAÇÃO Gestão Empresarial Matutino 25 ADMINISTRAÇÃO Gestão Empresarial Noturno 50 ARQUITETURA E URBANISMO Matutino 25 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

Manejo na produção de peixes. Parte 2. O uso eficiente da aeração: fundamentos e aplicação

Manejo na produção de peixes. Parte 2. O uso eficiente da aeração: fundamentos e aplicação Panorama da AQÜICULTURA, setembro/outubro, 2008 1 Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua & Imagem Serviços Ltda. fernando@acquaimagem.com.br Na edição passada, iniciamos uma série de artigos sobre práticas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 03/2014- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 03/2014- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 03/2014- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições regimentais e em conformidade

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA AGRICULTURA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA AGRICULTURA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Decreto n.º 6/96 Protocolo de Cooperação nos Domínios da Agricultura entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo em 28 de Julho de 1995 Nos termos da alínea c) do n.º 1

Leia mais

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões SNatural Ambiente Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões Apostila 3: Aeração em Viveiros de Camarões e Peixes Aeração de Tanques pequenos em Série Apostila 1: Teoria de Aeração Apostila 2:

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE GLÓRIA DE DOURADOS

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE GLÓRIA DE DOURADOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL ASSESSORIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E CAPTAÇÃO DE RECURSOS DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE GLÓRIA DE DOURADOS LINHA TEMÁTICA (PROBLEMAS)

Leia mais

I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA. 15 de Outubro 2004 Silva jardim. Presidente da OADS Vice Presidente da OADS

I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA. 15 de Outubro 2004 Silva jardim. Presidente da OADS Vice Presidente da OADS AUTOMAÇÃO EM AQÜICULTURA I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA DULCÍCOLA 15 de Outubro 2004 Silva jardim Ronald Cruz Ubirajara S. Japiassu Presidente da OADS Vice Presidente da OADS Introdução Introdução

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º ano EMENTA

IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º ano EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Química FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( )

Leia mais

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO Operação de Software Aplicativo Científica Engenharia da Produção Engenharia de Engenharia de Produção Matemática Aplicada às Matemática Aplicada e Científica Matemática com Tecnologia em - Ênfase em Gestão

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO 2015 APRESENTAÇÃO A tem a satisfação de apresentar o seu novo portfólio de cursos de especialização. Agora você poderá continuar sua formação profissional, ampliar as possibilidades

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE

República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE Data de Geração: 01/10/2012 Orçamento do Estado para Ano de 2013 Código Designação 0101 Presidência da República 150,000.00 0.00 150,000.00 0105

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO A B C Álgebra Linear Álgebra Linear Computacional Álgebra Linear II Algoritmos e Estrutura de Dados I Algoritmos e Estrutura de Dados II Algoritmos em Bioinformática Alteridade e Diversidade no Brasil

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INFORMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão das Organizações Desportivas 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SOBRE O CURSO Com a revolução tecnológica, não é só o mundo que muda, mas a área de tecnologia também. O Engenheiro de Computação é um profissional fundamental para que essa evolução

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 anos Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow Pesquisadora Científica Dra. Daercy Mª M. de Rezende Ayroza Polo Regional Médio Paranapanema Regularização

Leia mais

Produto 1: Sequência de atividades desenvolvidas durante o projeto

Produto 1: Sequência de atividades desenvolvidas durante o projeto Produtos da Pesquisa: Bárbara Rodrigues Layoun Título do Trabalho: Ensino de Ciências, Ensino de Geografia, Educação Ambiental e o manejo ecológico de uma horta escolar como mediação da aprendizagem de

Leia mais

Algarve: novos recursos, novos negócios

Algarve: novos recursos, novos negócios Algarve: novos recursos, novos negócios Paulo Zaragoza Pedro 22 de Novembro de 2012 Biblioteca Municipal Lídia Jorge - Albufeira No final de Março de 2011 são conhecidos os vencedores do 3º Concurso de

Leia mais

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ Código/Área de Estudo. Desenho Técnico, Desenho Assistido por Computador (CAD), Informática 02. Materiais para Construção Mecânica, Corrosão e Tribologia 03. Termodinâmica, Refrigeração, Transferência

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste CICLO DE FUNDAMENTAÇÃO 1º. Semestre Semestre 442 h/ semanal 26 h EIXO TEMÁTICO Eixo DISCIPLINAS disciplinas Tipo INTRODUÇÃO A ATIVIDADE

Leia mais