Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!"

Transcrição

1

2

3

4 Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas com que lidamos em nosso dia a dia, este material busca enfatizar a responsabilidade de todos os funcionários, estagiários, terceiros, parceiros e visitantes que acessem informações do Ultra. Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Esperamos que este guia ajude a esclarecer eventuais dúvidas e possa orientá-los sobre como exercer o papel de colaborador-chave para a Segurança da Informação. Tenham uma ótima leitura! Comitê Gestor de Segurança da Informação

5 Trata-se da proteção da informação (preservação da Confidencialidade, Integridade e Disponibilidade) contra diversos tipos de ameaças e visa garantir a continuidade do negócio, minimizar danos, maximizar o retorno dos investimentos e as oportunidades de negócio. A seguir, a definição dos três pilares que sustentam a Segurança da Informação: Confidencialidade: Limita o acesso à informação somente a pessoas devidamente autorizadas. Integridade: Garante que a informação manipulada mantenha todas as características originais estabelecidas pelo proprietário da informação, incluindo o controle de mudanças e a garantia do seu ciclo de vida (criação, manutenção e destruição). Disponibilidade: Garante que a informação esteja sempre disponível para o uso legítimo.

6 Comitê Gestor de Segurança da Informação O Ultra constituiu um Comitê de Segurança da Informação que atua no sentido de estabelecer normas e políticas, que servem tanto para promover a ideia de segurança, quanto para monitorar riscos e ameaças e evitar o surgimento e exploração de brechas de segurança. Responsabilidade Todo colaborador é responsável por garantir a segurança das informações do Ultra de acordo com as diretrizes da Política da Segurança da Informação e normas corporativas.

7 As informações de propriedade do Ultra possuem valor inestimável à empresa e são consideradas ativos para a organização. O acesso às informações é controlado e limitado ao necessário para o cumprimento de suas atividades e para que isso ocorra foram definidas as seguintes regras: O uso dos ativos de propriedade do Ultra pode ser monitorado. Todos os Usuários são responsáveis pelos ativos aos quais possuem acesso. Os Usuários devem relatar formalmente a ocorrência ou suspeita de incidentes de segurança por meio de abertura de chamado junto ao Service Desk. O Ultra adota diretrizes de segurança para utilização dos recursos disponibilizados para uso. Entende-se por recurso todo e qualquer tipo de ativo, seja ele lógico (software, sistemas) seja ele físico (hardware), que armazene, processe e/ou transmita informação.

8 Sua senha garante o acesso a recursos para os quais você está autorizado. A senha é de uso pessoal, intransferível, de responsabilidade exclusiva do Usuário e deve ser trocada de acordo com as normas da organização. As senhas não devem ser simples, a ponto de serem descobertas, ou complexas, para terem de ser anotadas. Aconselha-se o uso de senha fortes, considerando a combinação de letras maiúsculas e minúsculas, números, caracteres especiais, comprimento mínimo de 6 (seis) caracteres e que não derivem de um padrão. Abaixo seguem boas práticas em relação a senhas. Evite: Nome e sobrenome, palavras encontradas em dicionários ou invertidas. Números de documentos, telefones e placas de carro. Datas que possam ser relacionadas ao Usuário ou familiares. Recomendações: Certifique-se de não estar sendo observado ao digitar sua senha. Não anote sua senha, memorize-a. Nunca compartilhe sua senha! Sugestões Defina uma frase qualquer: Copa do Mundo no Brasil em 2014 Utilize a primeira, a segunda ou a última letra de cada palavra da frase intercalando com números e caracteres especiais:

9 Ativos de tecnologia da informação são todos os equipamentos e informações necessários para o desempenho das suas funções, por exemplo, as estações de trabalho, servidores, softwares, arquivos, correio eletrônico, dispositivos de autenticação e quaisquer equipamentos eletrônicos ou sistemas relacionados à tecnologia da informação. A utilização dos ativos é restrita apenas aos Usuários autorizados e devem ser devolvidos em caso de seu desligamento da empresa. Não é recomendado armazenar arquivos particulares nos ativos do Ultra. As informações de trabalho devem ser armazenadas sempre nos diretórios de rede ou em pastas específicas, pois possuem cópias de segurança.

10 Lidamos com diversos tipos de informações, desde simples boletins informativos até informações confidenciais. Com base nisso você deve sempre zelar pela sua estação de trabalho, tendo o cuidado de não deixar informações restritas ou confidenciais à mostra. Sempre que se ausentar da sua mesa, garanta que quaisquer documentos impressos estejam guardados apropriadamente e que sua estação esteja bloqueada para acesso, impedindo que informações privilegiadas sejam visualizadas por pessoas não autorizadas.

11 O correio eletrônico é uma concessão do Ultra e, portanto, pode ser monitorado a qualquer momento para fins de Segurança da Informação e processos de auditoria. Sendo assim, todos devem zelar pelo seu uso. Algumas boas práticas no uso do correio eletrônico são: Não utilize seu endereço de corporativo para fins pessoais; Todas as mensagens enviadas para endereços de s externos contêm um aviso legal padrão; Não devem ser enviadas ou arquivadas mensagens que contenham: Assuntos que provoquem assédio, perturbação a outras pessoas ou que comprometam a imagem do negócio. Temas difamatórios, discriminatórios, material obsceno, ilegal ou antiético. Imagens, áudios ou vídeos que não tenham relação com atividades profissionais. Anexos com arquivos potencialmente perigosos (vide norma de correio eletrônico).

12 A internet é um recurso corporativo disponibilizado aos Usuários para o desenvolvimento das atividades profissionais, portanto pode ser monitorado quanto a sua utilização. A Internet traz inúmeras possibilidades de uso, porém, para aproveitar cada uma delas de forma segura, é importante que alguns procedimentos de segurança sejam seguidos: Não acesse material de cunho sexual, profano, obsceno, pedófilo, fraudulento, difamatório, racialmente ofensivo ou ilegal. Não realize downloads de arquivos que não estejam relacionados com as atividades do negócio.

13 A concessão de acesso às redes sociais deve ser autorizada pelo gestor da área do Usuário que necessita do acesso para desempenho da função, por meio de chamado junto ao Service Desk e poderá ser monitorado. As seguintes recomendações devem ser seguidas na utilização de redes sociais: Ao encontrar comentários ofensivos relacionados ao Ultra, qualquer situação que possa colocar em risco a confidencialidade de informações corporativas ou a imagem da organização, comunique imediatamente o Service Desk informando o ocorrido. Nunca publique endereços, dados financeiros ou números de documentos. Caso a utilização não esteja relacionada com suas atividades profissionais, utilize sempre um pessoal e nunca o corporativo. Não permita que ninguém visualize seu perfil sem sua permissão. Nunca publique informações de propriedade do Ultra sem a autorização prévia do seu gestor. Não publique assuntos que provoquem assédio, perturbação a outras pessoas ou que comprometam a imagem da organização. Escolha cuidadosamente as informações, vídeos e imagens que serão compartilhados e não publique temas considerados difamatórios, discriminatórios, obscenos ou ilegais.

14 Sistemas são recursos de tecnologia da informação utilizados pelo Ultra para coletar, processar, transmitir e disseminar informações para o Usuário e que contribuem para os processos de negócio. A licença para a utilização dos sistemas é uma concessão do Ultra aos Usuários que necessitem desse recurso para desempenhar suas funções. Este acesso requer aprovação do gestor e sua utilização é monitorada. Não é permitido o compartilhamento de credenciais de acesso. Elas são de uso pessoal, intransferível e de responsabilidade exclusiva do Usuário. Os critérios para a elaboração de senhas para sistemas devem ser cumpridos conforme o item Criação e Utilização de Senhas, exceto casos em que os próprios sistemas imponham limitações.

15 O Ultra disponibiliza uma rede sem fio exclusiva para Usuários credenciados para desempenho de suas funções e, outra, exclusiva para visitantes somente para acesso à internet. Ambas possuem as mesmas regras corporativas de controle de conteúdo. É disponibilizada também uma rede sem fio segregada para dispositivos móveis, somente para Usuários elegíveis. Os Usuários que possuem esse acesso devem comunicar imediatamente o Service Desk em caso de incidente com o dispositivo móvel. As redes mencionadas são uma concessão do Ultra e, portanto, podem ser monitoradas a qualquer momento quanto a seu uso.

16 O Ultra dispõe de soluções que permitem que os recursos de tecnologia da informação sejam acessados fora do ambiente corporativo, no intuito de flexibilizar e viabilizar o compartilhamento de informações, assegurando a confidencialidade e integridade das informações através da internet. Utilize o acesso remoto apenas em locais confiáveis. Em caso de conexão à partir de uma rede pública, certifique-se de que sua privacidade está sendo respeitada. Os dispositivos móveis homologados e de Usuários elegíveis são configurados de acordo com um padrão mínimo de Segurança da Informação e, sob tais condições, o acesso aos recursos de rede do Ultra é disponibilizado para estes dispositivos.

17 Todos nós somos responsáveis pela Segurança das Informações da empresa para a qual trabalhamos. Por isso, precisamos conhecer a sensibilidade dos dados acessados em nosso dia a dia e tratá-los de acordo com a sua classificação. Nossa Política de Segurança determina os seguintes níveis para a classificação da informação: Informação Pública: pode ser distribuída sem restrição, inclusive exposta na internet. Informação Interna: deve ser limitada ao público interno do Ultra. Informação Restrita: deve ser limitada ao grupo de Usuários envolvidos com o assunto. Informação Confidencial: deve ser limitada ao mínimo necessário de Usuários.

18 A utilização da telefonia é designada para as atividades profissionais e cabe a cada um usar de forma adequada. Ligações telefônicas normalmente não são protegidas, havendo a possibilidade de outras pessoas ouvirem suas conversas. Alguns telefonemas podem fazer referência a assuntos confidenciais, portanto não é recomendada a divulgação destas informações ao telefone. O Ultra admite o uso dos recursos de impressão para propósitos particulares, desde que sejam respeitados os dispositivos legais e normativos vigentes. Tal uso não deve interferir no desempenho do próprio profissional ou de qualquer outro Usuário, prejudicar o desempenho dos recursos disponíveis ou comprometer a imagem do negócio. Documentos impressos são mais difíceis de serem controlados, e por isso exigem maiores cuidados em caso de documentos restritos ou confidenciais. O descarte de documentos impressos deve ser realizado de modo seguro, garantindo a destruição da informação.

19 No início, definimos o que é Segurança da Informação e concluímos que se trata de preservar o estado de confidencialidade, integridade e disponibilidade da informação. Diante dessa definição, salientamos a todos a responsabilidade e as disposições gerais a qual estamos submetidos no Ultra. Entendendo nosso papel na Segurança da Informação, descrevemos em linhas gerais como proceder de forma segura em relação à utilização dos recursos. Em caso de sugestões e dúvidas, entre em contato com o Comitê Gestor de Segurança da Informação, pelo endereço: Você encontrará na Intranet Corporativa informações sobre as normas e políticas de Segurança da Informação, bem como todas as definições necessárias. Acesse:

20

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da PMESP Cooperacs - SP

3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da PMESP Cooperacs - SP Título : Política institucional de segurança da informação. Capítulo : Índice Seção : Capítulo Seção Item Descrição 3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Página: 1 de 5 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande importância para PRÓ-MEMÓRIA, sendo resguardada contra ameaças e riscos. Segurança da informação, segundo a NBR ISO/IEC 27002:2005,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 O Diretor Presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos CPRH, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Decreto nº. 30.462 de 25 de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR GETAD/TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1-OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e procedimentos relacionados à utilização da REDE SETUR por todos os servidores, estagiários

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PO - PSI 1ª 1/9 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONCEITOS/CRITÉRIOS GERAIS... 2 5. DIRETRIZES... 3 6. RESPONSABILIDADES... 3 6.1 Todos

Leia mais

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações T TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações Versão 1.2 24/08/2015 1 1. Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a FSB Comunicações, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

CARTILHA DE SEGURANÇA

CARTILHA DE SEGURANÇA ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO CARTILHA DE SEGURANÇA COORDENADORIA DE INFORMÁTICA Sumário O que é informação... 3 Cuidado com a Engenharia Social... 3 Dicas de Senhas... 4 Recomendações

Leia mais

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

Política da Segurança da Informação

Política da Segurança da Informação Política da Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA BM&FBOVESPA 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a BM&FBOVESPA, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Quanto mais informações você disponibiliza na Internet, mais difícil se torna preservar a sua privacidade Nada impede que você abra mão de sua privacidade e, de livre e espontânea

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 764/GDGSET.GP, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2012. (*) Estabelece as diretrizes de segurança da informação no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho. O PRESIDENTE

Leia mais

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER.

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record).

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record). 1. OBJETIVOS Regulamentar o processo a ser seguido pelos usuários para liberação de ferramentas e recursos de Tecnologia da Informação, visando otimizar e agilizar as solicitações de forma que não gere

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DATA: 25/01/2016 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2 25/01/2016 ÁLVARO BARBOSA SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 4 II.1 - COMITÊ EXECUTIVO... 4 II.2 - CONTROLES

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço Nº 4, em 7/4/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Disciplina o uso dos recursos de tecnologia da informação do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências.

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Nº de Páginas: 1 / 5 1. OBJETIVOS Os objetivos desta Política de Segurança da Informação são estabelecer orientações gerais de segurança da informação no âmbito da Braslight, fornecendo o apoio conceitual

Leia mais

POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Sumário POLÍTICA DE SEGURANÇA DE ACESSO A BENS DE INFORMAÇÃO.... 2 1 Política de segurança... 2 2 Dispositivos gerais... 3 2.1 Usuário de acesso e senha...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

RESOLUÇÃO GP/DG N. 7, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO GP/DG N. 7, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO RESOLUÇÃO GP/DG N. 7, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014 Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC-TRT3) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA A FIESP esclarece que as informações apresentadas na presente Cartilha são apenas sugestões para auxiliar as

Leia mais

Versão 1.6. Março, 2012 DTI Depto. de Tecnologia e Informação

Versão 1.6. Março, 2012 DTI Depto. de Tecnologia e Informação Versão 1.6 Março, 2012 DTI Depto. de Tecnologia e Informação Página de Revisão Versão Atual Data da Revisão 1.6 Novembro, 2013 Aprovações Diretoria (Assinatura) Gerencia de Tecnologia (Assinatura) Páginas

Leia mais

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação DIRETRIZES GERAIS PARA USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 6 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. DIRETRIZES GERAIS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL Portal do Servidor Publico Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL 1 Indice Apresentação do Portal... 03 Acesso ao Portal do Servidor Publico... 04 Solicitar Senha... 04 Disponibilidade do Portal... 06

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Introdução A PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, através de seu setor de Tecnologia da Informação, tem como objetivo o provimento de um serviço de qualidade,

Leia mais

Política da Segurança da Tecnologia da Informação

Política da Segurança da Tecnologia da Informação Política da Segurança da Tecnologia da Informação INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a CREMER S/A, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES () Versão 2.0 08/08/2014 Política de Segurança da Informação e Comunicações - SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 ABRANGÊNCIA... 2 3 CONCEITOS... 2 3.1 Autenticidade...

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Documento Política de Segurança da Informação Data Revisão Responsável Área 14/07/2008 1.0 Thiago Lima da Silva Suporte Interno ÍNDICE Introdução...4 1.Pessoal...4 1.1.Prestadores

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar:

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar: A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ,

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Índice 1 Introdução... 3 2 Política de cadastro e senhas... 5 3 Política de Utilização da Internet... 7 4 Política de Utilização de

Leia mais

Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO TC Nº 17, DE 22 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre a Política de Uso Aceitável dos Recursos de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O DO ESTADO DE PERNAMBUCO,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 323/GDGCA.GP, DE 31 DE OUTUBRO DE 2006

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 323/GDGCA.GP, DE 31 DE OUTUBRO DE 2006 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 323/GDGCA.GP, DE 31 DE OUTUBRO DE 2006 O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Considerando a necessidade

Leia mais

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 195/2011 Institui a Norma de Segurança dos Recursos de Tecnologia da Informação - NSRTI, do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva Comissão de Direito eletrônico E Crimes de Alta Tecnologia Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo Dra. CRISTINA SLEIMAN Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva SP,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA Sumário 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Documentos de Referência 4. Definições 5. Condições gerais 6. Condições de Acesso aos Recursos 7. Autenticação de Usuários 8. Recursos de Hardware e Software

Leia mais

Plano de Segurança da Informação

Plano de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia SENAC - Goiás Projeto Integrador Governança da Tecnologia da Informação Plano de Segurança da Informação Diego Miranda José Rodrigues Neto Romário Sena Warley Gabriel Plano de Segurança

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais e usuários de informática da FECAP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 2/8 1. OBJETIVO

07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 2/8 1. OBJETIVO 07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLES DE ACESSO

Leia mais

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 PLASAC - POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 Tecnologia da Informação. Índice: 1. Introdução 2. Objetivos da política 3. Princípios da política 4.

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Código: PSI_1.0 Versão: 1.0 Data de Publicação: 28/05/2014 Controle de Versão Versão Data Responsável Motivo da Versão 1.0 28/05/2014 Heitor Gouveia Criação da Política

Leia mais

Emails colmeia login senha

Emails colmeia login senha Emails O que é e-mail? Correio eletrônico, ou e-mail, é atualmente uma das práticas mais comuns da Internet. O correio eletrônico permite que qualquer pessoa com acesso à Internet envie mensagens escritas,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Diretoria Executiva Aprovação: DD-494-0001/2012 Revisão 05 Vigência a partir de 25/09/2012 1. Introdução Os processos e atividades de negócio são suportados, cada vez

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE

TERMO DE RESPONSABILIDADE TERMO DE RESPONSABILIDADE Pelo presente instrumento particular, declaro assumir a total responsabilidade pela utilização do CARTÃO FUNCIONAL e SENHA ELETRÔNICA, doravante chamados de IDENTIDADE DIGITAL

Leia mais

Leia com cuidado e procure respeitá-la!

Leia com cuidado e procure respeitá-la! Páginas: 1 de 5 Leia com cuidado e procure respeitá-la! Introdução: A Tecnologia da Informação, TI, está cada dia mais presente nas empresas, mudando radicalmente os hábitos e a maneira de comunicação,

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAFAEL D. RIBEIRO, M.SC,PMP. RAFAELDIASRIBEIRO@GMAIL.COM HTTP://WWW.RAFAELDIASRIBEIRO.COM.BR @ribeirord A segurança da informação protege a informação de diversos

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador Política de TI A Política de segurança da informação da OPERARIO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO aplica-se a todos os colaboradores e prestadores de serviços, incluindo trabalhos executados externamente ou por

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

PIG 001 Gestão de Recursos Humanos Data: 20/08/2013 Rev 00

PIG 001 Gestão de Recursos Humanos Data: 20/08/2013 Rev 00 PIG 001 Gestão de Recursos Humanos Data: 20/08/2013 Rev 00 01 02 PIG 001 Gestão de Recursos Humanos Data: 20/08/2013 Rev 00 PIG 001 Gestão de Recursos Humanos Data: 20/08/2013 Rev 00 03 04 PIG 001 Gestão

Leia mais

Microsoft é uma marca registrada ou comercial da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países.

Microsoft é uma marca registrada ou comercial da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. Este documento serve apenas para fins informativos. A MICROSOFT NÃO CONCEDE GARANTIAS EXPRESSAS, IMPLÍCITAS OU LEGAIS NO QUE DIZ RESPEITO ÀS INFORMAÇÕES NESTE DOCUMENTO. Este documento é fornecido no estado

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

Asser Rio Claro. Descubra como funciona um antivírus. Como o antivírus protege o seu computador. A importância de um antivírus atualizado

Asser Rio Claro. Descubra como funciona um antivírus. Como o antivírus protege o seu computador. A importância de um antivírus atualizado Administração Informática Asser Rio Claro Descubra como funciona um antivírus Responsável por garantir a segurança do seu computador, o antivírus é um programa de proteção que bloqueia a entrada de invasores

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES RESPONSABILIDADE DE TODOS PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dilma Rouseff MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Carlos Roberto Lupi SECRETÁRIO EXECUTIVO Paulo Roberto dos

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Dispõe acerca de normas referentes à segurança da informação no âmbito da CILL Informática S/A. Goiânia-Go, novembro de 2015 Política de Segurança da Informação CILL

Leia mais

ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 07/IN01/DSIC/GSIPR 01 15/JUL/14 1/9 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLES DE ACESSO

Leia mais

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente,

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente, PORTARIA Nº 7876 Dispõe sobre a Norma PSI/N.0001 - Utilização da Estação de Trabalho, nos termos dos arts. 20 e 24, da Resolução nº 041/2010-SPDE. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions.

Leia mais

PORTARIA/INCRA/P/N 70, DE 29 DE MARÇO DE 2006. (DOU nº 62, DE 30 DE MARÇO DE 2006)

PORTARIA/INCRA/P/N 70, DE 29 DE MARÇO DE 2006. (DOU nº 62, DE 30 DE MARÇO DE 2006) PORTARIA/INCRA/P/N 70, DE 29 DE MARÇO DE 2006. (DOU nº 62, DE 30 DE MARÇO DE 2006) Disciplina a utilização dos recursos de Tecnologia da Informação nas unidades do Instituto Nacional de Colonização e Reforma

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes Regras de Acesso à Rede Sem Fio da UFS 1. DESCRIÇÃO A rede sem fio do projeto Wi-Fi UFS foi concebida para complementar

Leia mais

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários.

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários. $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &RQWUROHVVREUHEDQFRGHGDGRVH PLFURFRPSXWDGRUHV

Leia mais

Política de Segurança. Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório

Política de Segurança. Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório Política de Segurança Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório Salvador, Novembro de 2007 NECESSIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA NA EMPRESA Gerencia de recursos e funcionários,

Leia mais

Política de. Segurança. Informação

Política de. Segurança. Informação Política de Segurança da Informação Diretrizes para a conduta adequada no manuseio, controle e proteção das informações contra a destruição, modificação, divulgação indevida e acessos não autorizados,

Leia mais

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais,

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais, DECRETO Nº 012, de 05 de agosto de 2009. DISPÕE SOBRE O USO DOS SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET AOS ÓRGÃOS E DEPARTAMENTOS QUE INTEGRAM A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PICUÍ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

Política de uso: Serviço de Conferência Web

Política de uso: Serviço de Conferência Web Política de uso: Serviço de Conferência Web DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços outubro de 2011 Este documento descreve a política de uso do serviço de Conferência Web. Sumário 1. Apresentação...

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos esse manual, significa que você adquiriu um certificado digital AC Link. Manual do Usuário 1 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?...

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Página1 Certificado Digital e-cpf Manual do Usuário Página2 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?... 03 Instalando o Certificado... 04 Conteúdo do Certificado... 07 Utilização, guarda

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011.

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. Regulamenta o uso do correio eletrônico institucional e normatiza as regras para criação e exclusão de caixas postais institucionais. TÍTULO I DO OBJETIVO

Leia mais