Modelo para indexação de imagens médicas com suporte a CAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo para indexação de imagens médicas com suporte a CAD"

Transcrição

1 Modelo para indexação de imagens médicas com suporte a CAD Daniel da Silva Cotrim 1, Fábio de Oliveira Padilha 1, Ana Maria Marques da Silva 2, Eduardo Augusto Bezerra 3 1 INPAR Soluções em Sistemas (INPAR), TECNOPUC, RS, Brasil. 2 Núcleo de Pesquisa em Imagens Medicas (NIMed), Pontifícia Universidade Católica do Rio grande do Sul (PUCRS), Brasil 3 Faculdade de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio grande do Sul (PUCRS), Brasil Resumo - O modelo de indexação de Imagens Médicas com suporte a CAD, proposto tem como base as imagens armazenadas em servidores PACS e o protocolo DICOM que permitem a realização do diagnóstico digital e disponibilização de imagens de estudos clínicos aos componentes de CAD para cada tipo de diagnóstico. Este modelo agrega informações às imagens armazenadas em um índice de CAD, com a formalização da inteligência associada a cada diagnóstico já efetuado pelos físicos médicos, estabelecendo uma relação entre as imagens e o conhecimento do próprio médico. Para tanto, é proposta a integração do método de análise de conceitos ao método de análise baseado em conteúdo matemático das imagens. Neste contexto, é apresentado um modelo para definição de ontologias que tem por objetivo formalizar o conhecimento do médico e do físico médico, através da definição de conceitos auto relacionados. As imagens e informações são organizadas de forma semântica, permitindo uma associação específica de conceitos relativos ao diagnóstico de cada estudo, possibilitando, ratificar ou excluir a hipótese inicialmente definida pelo médico com análise por similaridade da própria matemática da imagem associada às respectivas informações clinicas e patológicas. Palavras-chave: Suporte ao Diagnóstico; Recuperação de imagem baseada em conteúdo, Reconhecimento de Padrões, DICOM, PACS, JPEG2000. Abstract - The model of indexation of Medical Images that supports CAD, investigated in this paper, has concept of images stored in servers PACS and protocol DICOM that allows performing digital diagnosis and images available for clinical studies to the components of CAD for each type of diagnosis. This model includes information to the images stored in a CAD index, with the intelligence associated formalization to each diagnosis already performed by the medical physicists, establishing a relationship between the images and the doctor s knowledge. The integration proposal of the analysis method of the concepts to the analysis method based in mathematical image content. A model for ontology definition that is presented has the objective to formalize the doctor s and physicist s knowledge, by the related concept definition. Thus, images and information are managed in a semantic form, allowing a specific association of related concepts to each study diagnosis, allowing, to ratify or to exclude the exclude the initially definite hypothesis by the doctor with analysis of similarity mathematics of the image associated with the respective clinics and pathological information. Key-words: Computer-Aided Diagnosis, Image Recovery based on Content; Pattern Recognition, DICOM, PACS, JPEG2000. Introdução As novas técnicas desenvolvidas para obtenção e o aumento de modalidades geradoras de imagens médicas digitais estabelecem a necessidade do desenvolvimento de sistemas de gerenciamento para estas imagens. Desta forma, existem quatro grandes soluções tecnológicas utilizadas em um hospital: PACS (Picture Archiving and Communication Systems), que consiste em um sistema para armazenamento e recuperação de imagens [1,2]; RIS (Radiology Information System), sistema de informações radiológicas; HIS (Hospital Information System), sistema de informações hospitalaresl; e MIII (Medical Imaging Informatics Infrastruture) que fornece suporte às ferramentas de CAD [3]. A visualização de imagens é uma das principais fontes de informações na área da saúde, tendo um papel decisivo para melhorar a qualidade do diagnóstico e conseqüentemente, em muitos casos, diminuir o período de tratamento. Há uma tendência de informatização dos hospitais e da própria aquisição das imagens em formato digital, sendo esta uma das principais razões para a implantação de um sistema de PACS que traz benefícios efetivos quantificáveis, não apenas, para a otimização dos procedimentos internos, mas também, para os aspectos clínicos relacionados ao tempo de permanência e estado do paciente [4].

2 Um sistema de PACS possibilita a associação das imagens aos laudos dos pacientes. Este banco de imagens é abastecido com um grande número de exames realizados diariamente, sendo necessárias formas de transformar estes repositórios de conteúdo em um banco de conhecimento baseado na identificação de características quantitativas, ou mesmo, padrões pictórios. Estes padrões exigem uma otimização na sua recuperação para comparação de imagens adquiridas com imagens ou padrões de referência relevantes retirados do PACS. Neste caso, imagens que possuem as mesmas características da referência ou que tenham um determinado grau de semelhança, em relação a aspectos específicos, podem ser solicitadas. Outra questão relevante é a utilização de chaves textuais como filtros adicionais às consultas. Estas consultas são freqüentemente implementadas em aplicativos de suporte ao diagnóstico, permitindo que os médicos analisem a evolução por comparação com estudos anteriores [5]. É necessário prever como construir um ambiente único que seja primordialmente ergonômico e permita a exploração de todos os dados relacionados, dentro de um grande universo híbrido com imagens de diferentes tipos e informações textuais, ou mesmo, estruturadas. Este ambiente deve permitir a pesquisa nos diferentes tipos de informações, o suporte a diagnóstico e / ou ensino. Além disso, devem ser consideradas a superação de problemas éticos, de segurança e usabilidade [4]. Os sistemas de diagnóstico auxiliados por computador (CAD Computer-Aided Diagnosis) têm a função de processar imagens em análise comparando com imagens já diagnosticadas para fornecer o subsídio ao médico especialista. Sua finalidade é melhorar a consistência da interpretação da imagem, mediante o uso da resposta do computador como referência. Esta resposta pode ser útil, já que o diagnóstico do radiologista é subjetivo, com variações inter e intra sujeitos. Assim uma dupla leitura por um radiologista e um computador pode melhorar a eficiência do diagnóstico [2]. Este cenário estabelece a viabilidade de construir um novo modelo de indexação para armazenamento e recuperação com a capacidade de identificar a inteligência depositada na imagem no momento do diagnóstico e disponibilizar tais informações ao médico em um outro diagnóstico de forma transparente e eficiente. Neste contexto, o acesso rápido às informações dos pacientes e seus exames, de forma organizada, descentralizada e distribuída, é muito importante para comunidade médica em geral [1,2]. A inteligência artificial aplicada ao diagnóstico médico envolve o uso do computador para o processamento de dados, visando à distinção entre padrões normais e anormais, a partir dos atributos extraídos das imagens. As técnicas relacionadas a essa área do conhecimento incluem métodos para a seleção de atributos, como os baseados na separabilidade entre as distribuições de probabilidades das classes e algoritmos genéticos, e classificadores, como os baseados em técnicas de análise discriminante, sistemas especialistas baseados em regras específicas, métodos estatísticos, redes neurais artificiais e ontologias [4]. Metodologia Uso de ontologias para CAD O uso de ontologias pode ser aplicado a representação de conhecimento com suporte a CAD, como na área de mamografia através do conceito de atlas digital, conforme Guliato [6] propõem no modelo AMDI (An Atlas to Integrate Case Studies, E-Learning, and Research Systems via the Web). Este atlas incorpora um sistema de ensino e um de pesquisa que são projetados para permitir suporte ao diagnóstico, tele radiologia, tele medicina, recuperação de imagens indexadas baseadas em mineração de dados. A importância da formalização de uma ontologia refere-se à capacidade de processá-la por computador, que exclui definições em linguagem natural. Uma ontologia é compartilhada porque descreve um conhecimento consensual. Assim, uma ontologia é a união de um conjunto não vazio de atributos, conceitos e especificações em contraposição com as hierarquias, representando o conhecimento através dos relacionamentos e axiomas. A hierarquia conceitual é estabelecida na ontologia através dos relacionamentos que podem ser subdivididos, como por exemplo: taxonomia, mereologia, temporal e topológico. Manter a memória diagnóstica de uma instituição hospitalar implica na criação/formalização, distribuição (memória corporativa), uso, consistência (validade) e atualização das informações. A integração de ontologias é um processo de unificação de conhecimento coletado de diferentes conjuntos. Suas vantagens são: comprometimento com o trabalho cooperativo e aprimoramento pessoal com a construção de conhecimento gerado justamente por esta integração. Validação Sobre o ponto de vista do desenvolvedor, questões referentes ao funcionamento correto do software devem ser definidas, assim como sua robustez. As questões que devem ser respondidas são: Existem erros no software? Como é o desempenho do software em relação aos outros softwares? Com relação ao uso do software pela equipe médica apresentam-se as seguintes questões: Posso confiar no software que estou utilizando?

3 Qual é a exatidão do software em relação às informações apresentadas (pontos anatômicos relevantes)? Qual a confiabilidade neste grau de exatidão? O software ajuda a melhorar a saúde e a qualidade de vida do paciente? O software faz meu trabalho diário de modo mais eficiente? Com relação à viabilidade para o desenvolvimento ou aquisição de tecnologia as questões são: Existe a possibilidade de investimento em tecnologia? Esta tecnologia trará um impacto positivo nos seguintes aspectos: eficiência operacional; índices de recuperação dos pacientes; custos? Modelos para Recuperação O modelo apresentado é na verdade um índice reverso semelhante aos demais, diferenciando-se apenas pelo fato de ser definido pelo usuário ou pelas características matemáticas da imagem. Sistemas de recuperação de informações devem ser capazes de armazenar, recuperar e manter as informações. Seu principal objetivo é minimizar o desperdício de tempo do usuário ao procurar a informação desejada, ou seja, a informação que está no sistema e que se relaciona com a necessidade do usuário. Duas formas de medida comumente associadas com sistemas de recuperação de informação são: a precisão e recall (retorno). Assumindo a relevância de um resultado como os documentos que contêm a informação que ajudam o usuário a responder sua questão, pode-se definir a precisão como a razão entre o número de resultados de uma procura que são relevantes e o número total de resultados. O resultado desta relação reflete a eficiência do processo de procura e seleção das informações num espaço total de documentos. Se, por exemplo, o resultado de uma procura mostra uma precisão de 80%, os 20% restantes denotam o overhead, ou seja, a quantidade de itens não relevantes, mas que fazem parte do resultado. Além disso, existem resultados relevantes que não são retornados para o usuário. Para essa medida é utilizada a métrica mencionada de recall que é a razão entre o número de resultados relevantes e o número possível (total) de resultados relevantes [9]. O recall é um conceito muito útil, mas não é calculável, pois se o sistema soubesse o número possível de resultados relevantes, então ele simplesmente poderia mostrá-los sem que houvesse margem de erro. A precisão é diretamente afetada pela quantidade de resultados não relevantes. O recall não é afetado pelos resultados não relevantes. A quantidade de resultados não relevantes afetam a precisão do mecanismo de procura, mas não afetam o recall. O objetivo principal dos mecanismos de procura é balancear a relação entre precisão e recall, mostrando o máximo possível de documentos que são relevantes, mas tentando minimizar a quantidade de documentos que não interessam ao usuário. O usuário deve encontrar as informações de forma rápida e eficiente, sem perder seu tempo em uma nova seleção dos documentos já identificados pelo sistema. MIII Medical Imaging Informatics Infrastructure Um sistema de armazenamento de imagens PACS requer dados de outros sistemas de informação para seu efetivo funcionamento. Estes dados complementares estão no sistema hospitalar (HIS) e no sistema de radiologia (RIS). Assim, muitas funções de controle do PACS têm como base as informações passadas por estes sistemas, tais como, roteamento, busca de imagens (prefetching), agendamento, localização, agrupamento automático, etc. Observa-se ainda que os registros eletrônicos dos pacientes contidos no sistema hospitalar são informações complementares durante o processo de diagnóstico radiológico e estão diretamente relacionadas às funções básicas de um PACS. Neste contexto, surge a necessidade de suprir as limitações de um armazenamento simples e buscar formas de fornecer subsídios aos radiologistas. Quando uma solução PACS consegue suprir estas necessidades, o conceito de MIII (Medical Imaging Informatics Infraestruture) está sendo aplicado [3]. A necessidade de um ambiente MIII é evidenciada em ambientes educacionais e de pesquisa diagnóstica. Conforme mostrado na Figura 1, os componentes de uma arquitetura MIII são basicamente: uma base de imagens associadas as informações clínicas e diagnósticas (PACS Server, HIS e RIS); ferramentas de processamento de imagens e reconhecimento de padrões (CAD); consoles de visualização; renderização 3D; comunicação através de rede local ou remota; bases de conhecimento com suporte a mineração de dados (Indexação); e integração (Gayteway e WEB Server ). HIS/RIS Estação de visualização Renderização 3D PACS Server MIII Dicom Gateway Servidor de Aplicação WEB Servidor para Indexação de imagens Figura 1: Arquitetura de Ambiente MIII [3]. Servidor de CAD As linhas pontilhadas na Figura 1 relacionadas à estação de visualização, mostram a independência de funcionamento do PACS em relação ao MIII. Entretanto, pode-se verificar o

4 valor agregado que esta solução fornece ao PACS. A comunicação entre o MIII e o PCAS é realizada via protocolo DICOM, já com os sistemas HIS e RIS é realizada a comunicação via HL7 (Health Level Seven). Esta estrutura adicional ao PACS tem na realidade a função de complementar a visualização das imagens adquiridas para realização do laudo que é a função principal de um servidor de imagens. Desta forma, como subsídio para visualização ao radiologista, informações são apresentadas sobre patologias de forma categorizada, exibidas imagens similares adicionais para referência e localizados artefatos internos nas imagens. O processamento de imagens associado ao CAD permite a criação de um repositório de imagens relevantes para cada diagnóstico e está interligado com a indexação destas imagens (informações clínicas). Cada diagnóstico está associado a um contexto, sendo as imagens armazenadas no servidor PACS através de uma nova indexação relacionada à extração de características internas destas imagens. Assim, é possível buscar as imagens para visualização baseadas na similaridade com suporte a categorização, ou mesmo, identificar imagens relevantes armazenadas no PACS para reconhecimento de padrões nas imagens em processo de diagnóstico. Esta arquitetura também permite o desenvolvimento de ferramentas de mineração de dados (Data Mining) para orientar os radiologistas com informações relevantes a cada tipo de patologia analisada. Assim, com o aumento do volume de imagens armazenadas digitalmente e com o crescimento das funcionalidades de um PACS deve-se buscar novas formas para fornecer subsídios ao diagnóstico radiológico baseadas no conceito MIII [3]. Bueno [10] propõe uma arquitetura de PACS, chamada cbpacs, com recursos para recuperação de imagens baseado em conteúdo utilizando um método de extração de características as imagens O cbpacs estabelece a viabilidade para o desenvolvimento de novas técnicas para o armazenamento e recuperação de informações com o objetivo de melhorar sua eficiência. Assim, é proposta a utilização do grafo gerado pela ontologia como índice para estas aplicações. Desta forma, as ontologias não seriam definidas apenas pelos médicos radiologistas, mas através do reconhecimento de padrões e dados quantitativos das imagens fornecidas. Estabelecendo a ontologia de cada processamento para reconhecimento de padrão associado aos respectivos diagnósticos de cada patologia. Resultados O servidor PACS foi projetado para disponibilizar imagens através do Worklist e do MPPS que definem uma lista de pacientes, estudos, séries e imagens, sendo o MPPS uma variação do Worklist categorizando as imagens por estado em que o laudo se encontra (aguardando, em execução ou disponível, entre outros). Estes índices são suficientes para o modelo de uso tradicional, mas não são adequados para indexação em uma arquitetura MIII, que é baseada no conteúdo das informações clínicas e diagnósticas. A indexação por paciente se baseia em chaves definidas e padronizadas. A indexação com suporte a CAD é mais complexa por considerar aspectos nas consultas relacionados às informações das imagens. Estes aspectos podem ser termos abstratos (objetos de interesse), dados quantitativos derivados (área, volume, dos objetos) e informações sobre a textura. Existem dois métodos de indexação: baseado em conceitos e baseados em conteúdo [7]. O método baseado em conceitos está ligado à idéia de meta dados associados às imagens, que incluem as modalidades de imagens, regiões e estruturas anatômicas e suas respectivas funções [8]. Os métodos baseados em conteúdo referemse diretamente ao processamento e técnicas para análise das imagens. Um estudo é referenciado pela sua data de aquisição, não existindo alteração em seus dados ou imagens ao longo do tempo. Isto permite a criação de estruturas de índices com atualização apenas na inserção do estudo (storage) possibilitando definir políticas de cachê de acesso às imagens e não onerando o processo de localização com atualizações constantes nos índices. O modelo de indexação proposto busca agregar ao método baseado em conteúdo os benefícios do método baseado em conceito. Os principais objetivos do modelo de indexação são: Identificar as informações dos estudos dos pacientes; Definir cada tipo de CAD; Definir o contexto de cada tipo de CAD (cenário: quando é acionado); Visualização das imagens com suporte a categorização (patologias e outras informações); Localização de imagens similares com suporte à visualização categorizada; Análise estatística em relação à ocorrência de lesões. O modelo aqui apresentado para indexação de imagens foi baseado em uma ontologia [6] que prioriza a formalização do conhecimento em um hospital através da inclusão de conceitos baseado no método de categorização. O uso de ontologias permite integrar os métodos de indexação definidos por [7] com dois índices (interno e externo) em um único ambiente. O índice externo tem a função de contextualizar (baseado em conceitos) e categorizar as imagens retornadas do PACS, assim como definir que tipo de CAD deve ser

5 aplicado. O índice interno está focado em análises matemáticas das imagens (baseado em conteúdo) e fornece uma abstração para os físicos médicos definirem diferentes formas de processamento e apoio a diagnóstico. Na Figura 2 é apresentada a arquitetura de funcionamento do modelo proposto. Conceito selecionados de forma automática e ou pelo radiologista Interação do Radiologista Índice externo (Ontologia) com referência para as imagens armazenadas no servidor PACS Identificação do tipo diagnóstico (reconhecimento de padrão a ser aplicado) Padrões aplicados Retorna referência das imagens relacionadas aos conceitos Selecionados (imagens categorizadas) Índice interno (Ontologia) com referência para as images keys e ou padrões Identificação dos padrões a serem plicados Processamento da Imagem Resultados para Visualização e ou probabilidade de ocorrência da patologia Figura 2: Arquitetura de funcionamento do índice proposto. Neste modelo foi proposto um foco alternativo, com a aplicação da teoria da engenharia do conhecimento para transformar repositórios de armazenamento de imagens médicas em repositórios de armazenamento de conhecimento relevante ao diagnóstico, abstraindo, portanto, a complexidade da tarefa em si, mas posicionando-a em um índice reverso definido pelo radiologista, que na verdade, é a própria ontologia de cada diagnóstico. O modelo proposto atua na parte global, enquanto a engenharia do conhecimento preocupa-se mais com elementos específicos de cada tarefa. Uma das principais características que diferenciam este modelo é a associação de uma semântica no relacionamento entre os conceitos. O modelo proposto define ainda a integração dos padrões de reconhecimento de cada diagnóstico com a definição da ontologia de cada diagnóstico e com a identificação das características matemáticas das imagens a serem processadas ou mesmo de referência. Estas características representam os fragmentos de padrões analisados pelos físicos médicos que definem a existência ou não da lesão sob o ponto de vista do processamento da imagem. O radiologista pode simplesmente solicitar imagens com suporte a categorização baseada em conceito para utilizar como referência no laudo. O índice externo tem uma segunda função de identificação automática do tipo de CAD que deve ser utilizado, ou mesmo, que imagens devem ser comparadas para estabelecer o nível de simetria. Quando as imagens são retornadas, o índice externo as classifica em relação ao laudo realizado interativamente, com a escolha dos conceitos relevantes para realização do laudo. A partir da identificação do tipo de CAD e das imagens de referência, são identificados os padrões aplicados ou mesmo as métricas de relacionamento entre as imagens. Após o processamento, pode-se excluir a possibilidade de lesão ou identificá-la na imagem adquirida. Existe uma abstração da complexidade de categorização fornecida pela ontologia que deve ser implementada em um grafo. Outra abstração relevante está na múltipla localização das imagens armazenadas. O grafo na realidade é uma tabela de conceitos auto relacionados que estabelecem o filtro ou a união de imagens em relação aos referidos conceitos. Os conceitos por sua vez têm referência a uma tabela de imagens que pode ser acessada de forma otimizada (hash table) para fornecer a abstração de localização. A seguir é apresentada a Figura 3 com a estrutura lógica do modelo proposto. Grafo da Ontologia Conceito 1 Conceito 2 Conceito 3 Conceito n 3 3 n.. n.. Vetor de imagens Conceito 1 Imagem 2 Imagem n Vetor de imagens 4 Imagem Imagem 2 Imagem n Resultado da Intersecção ou da união entre os vetores Vetor de ponteiros para as imagens Imagem 2 Imagem n+1 Imagem n+2 Imagem n+3 Imagem Figura 3: Estrutura lógica do modelo proposto. PACS 1 PACS 2 PACS 3 Abstração física com replicação A identificação de conceitos associados definidos pela ontologia podem diminuir o universo de pesquisa e melhorar tanto a precisão quanto diminuir o índice de recall das consultas realizadas [9]. Foi identificado como fator crítico de sucesso do modelo, a capacidade de formalizar o conhecimento diagnóstico, associando-o à ontologia de cada diagnóstico de forma intuitiva. Discussão e Conclusões A definição de um modelo para armazenamento e recuperação de imagens médicas digitais, tendo como referencial teórico os conceitos de formalização de ontologia através de uma semântica persistente associada aos relacionamentos, estabelece como resultados as

6 seguintes considerações para o conceito de ambiente MIII: Construção de conhecimento dos radiologistas residentes que podem buscar imagens e ou séries de imagens através de informações clínicas associadas a informações de patologias clássicas buscando similaridades; Identificação automática e escolha do método e posteriormente das imagens a serem comparadas e ou padrões a serem aplicados à imagem adquirida; Análise estatística das informações externas integradas as informações internas das imagens; A proposta de fornecer suporte deste índice de CAD para o protocolo DICOM permite a integração com estações de trabalho de diferentes fabricantes. Suporte ao físico médico na construção dos métodos de apoio a diagnóstico e validação dos resultados; Possibilidade de permitir vários tipos de diagnósticos; Abstração do reconhecimento de padrões em um conjunto de ferramentas que podem ser utilizadas de diferentes formas (criação de um framework de reconhecimento de padrões acessados através do índice interno); Possibilidade de inserção de novos tipos de padrões e processamentos gerando novos tipos de diagnósticos; Análise estatística das informações externas integradas as informações internas das imagens; Para estudos futuros estão previstos o aprimoramento das ontologias com os padrões de reconhecimento, definidos a partir da análise direta das imagens. A criação de ontologias personalizadas para cada radiologista deve ser realizada, além da validação deste modelo em um ambiente real. Para tanto, pretende-se integrá-lo à solução INPACS [INP06] que está sendo utilizada pelo Hospital São Lucas da PUCRS. Este modelo é importante para o diagnostico médico, porque permite um diagnóstico precoce de doenças como câncer de mama que são de difícil identificação em tumores muito pequenos. O uso desse sistema poderia resultar na detecção de até 23% dos casos de câncer detectados em mulheres que realizaram o exame 24 meses antes [12]. Referências [1] Cao, X.; Huang, H.K. "Current Status and Future Advances of Digital Radiography and PACS", IEEE Engineering in Medicine and Biology Magazine, v. 9, n. 5, p.80-88, [2] Furuie, S.S.; Gutierrez, M.A.; Bertozzo, N.B.; Figueiredo J.C.B.; Yamagutti, M. Archiving and Retrieving Long-Term Cineangiographic Images in a PACS. Computers in Cardiology, v.26, p , [3] Huang, H. K.,D. Sc., FRCR (Hon.), PACS and Imaging informatics: Based Principles and Aplication, 2004, John Wiley and Sons, p. 488, NY, NY. [4] Andrew Todd-Pokropek, Medical Imaging and Health Informatics, Medical Physics and Bioengineering University College London,& INSERM U494 Paris. [5] AZEVEDO-MARQUES, Paulo Mazzoncini de, HONDA, Marcelo Hossamu, RODRIGUES, José Antônio H. et al. Recuperação de imagem baseada em conteúdo: uso de atributos de textura para caracterização de microcalcificações mamográficas. Radiol Bras, mar. 2002, vol.35, no.2, p ISSN [6] D. Guliato, R.S. Bôaventura, E.V. de Melo, V. de Deus, F.R. Janones, and R.M. Rangayyan, AMDI: An atlas to integrate case studies, e- learning, and research systems via the Web, Proc. IASTED International Conference on Telehealth, July 2005, pp [7] Rasmussen, E.M. Indexing multimedia: Images, Annual Review of Information Sciences and Technology, Vol. 31, [8] Brinkley, J. F., Wong, B.A., Hinshaw, K.p., and Rosse, C. Design of an anatomy information System, Computer Graphics and Applications, Vol. 19, pp.38-48, [9] KOWALSKI, Gerald. Information Retrieval Systems Theory and Implementation. Estados Unidos: Kluwer Academic Publishers, [10] Josiane M. Bueno, Suporte à recuperação de imagens médicas baseada em conteúdo através de histogramas métricos,tese de Doutorado apresentada ao ICMC-USP, São Carlos SP 2002, 146 pags. [11] INPAR Soluções em Sistemas, Site último acesso em:26/06/2006. [12] Computer-Aided Detection (CAD) in Mammography, Site último acesso em 10/06/2006. Contato Daniel da Silva Cotrim Av. Ipiranga, 6681, Porto Alegre,RS, Tel: (51)

Arquitetura de indexação aplicada a servidores PACS para processamento de imagens

Arquitetura de indexação aplicada a servidores PACS para processamento de imagens Arquitetura de indexação aplicada a servidores PACS para processamento de imagens Autor: Daniel da Silva Cotrim 1, Co-autores: Ana Maria Marques da Silva 2 (co-orientadora), Eduardo Augusto Bezerra 3 (orientador)

Leia mais

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Ernani Viriato de Melo V Jornada Científica 24/10/2006 Tópicos Abordados Motivação Imagens e Características PostgreSQL-IE:

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

INPACS - Ambiente distribuído de alta disponibilidade para o armazenamento e recuperação de imagens médicas

INPACS - Ambiente distribuído de alta disponibilidade para o armazenamento e recuperação de imagens médicas INPACS - Ambiente distribuído de alta disponibilidade para o armazenamento e recuperação de imagens médicas Fábio de oliveira Padilha 1, Daniel da Silva Cotrim 1, Ana Maria Marques da Silva 2 1 INPAR Soluções

Leia mais

Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas

Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas Fabio Massao Hasegawa 1,2, João Paulo Aires 1,3 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Ponta Grossa Av. Monteiro Lobato, Km

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA REFINAMENTO DE RESPOSTAS BASEADO EM RELEVANCE FEEDBACK PARA REFINAR CONSULTAS POR SIMILARIDADE

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA REFINAMENTO DE RESPOSTAS BASEADO EM RELEVANCE FEEDBACK PARA REFINAR CONSULTAS POR SIMILARIDADE CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI

Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI Projeto Corporativo Missão: Oferecer soluções corporativas em Tecnologia da Informação, fornecendo e integrando produtos e serviços profissionais de alta

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA

SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA Euclides de Moraes Barros Junior, M.Sc - UFSC O SIAPDI O desenvolvimento deste trabalho teve como motivação solucionar os problemas

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

DICOM Grid Brasil www.dicomgrid.com.br

DICOM Grid Brasil www.dicomgrid.com.br DICOM Grid Brasil Imagens médicas na nuvem Compartilhamento, visualização e armazenamento na nuvem www.dicomgrid.com.br Situação atual do mercado de imagens e laudos médicos na América Latina Alto custo

Leia mais

Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário

Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário Natália Abdala Rosa 1,6, Roberto Figueira Santos Filho 2, Josiane M. Bueno 3, Agma J. M. Traina 4, Caetano Traina Junior 5 1,2,3,4,5

Leia mais

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology Vue PACS Radiology UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Já está aqui: acesso rápido e fácil a todas as ferramentas e aplicações clínicas dos quais os radiologistas

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes pagadoras e a exigência dos pacientes por serviços

Leia mais

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas Eizo Soluções Médicas Conceitos Básicos RADIOLOGIA DIGITAL Entenda os conceitos, termos e a história da radiologia ; os benefícios, desafios e o futuro da radiologia digital INTRODUÇÃO Para profissionais

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA Vue Connect Enterprise Workflow MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Para empresas que possuem diversas unidades, uma ampla gama de instalações, fluxo de trabalho departamental

Leia mais

Picture, Archiving and Communication System. Ramon A. Moreno

Picture, Archiving and Communication System. Ramon A. Moreno Picture, Archiving and Communication System Ramon A. Moreno Introdução O que é PACS? O que é RIS? O que é HIS? Como esses sistemas se integram? O que é HL7? O que é DICOM? O que é IHE? O que é PACS PACS

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário X CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário Autores: Edilson Carlos Caritá Enzo Seraphim Marcelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

agility IMPAX Muito mais do que PACS

agility IMPAX Muito mais do que PACS agility IMPAX Muito mais do que PACS Desempenho Sermos os primeiros da América Latina a usar a solução nos tem possibilitado contribuir com sugestões para torná-lo ainda melhor e mais eficaz. Na prática,

Leia mais

GT Computação Colaborativa (P2P)

GT Computação Colaborativa (P2P) GT Computação Colaborativa (P2P) Djamel Sadok Julho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto de estruturação do grupo de trabalho GT Computação Colaborativa (P2P), responsável pelo

Leia mais

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor Reuso de Software Aula 05 Agenda da Aula Linha de Produtos de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 19 Março 2012 Padrões arquiteturais Cliente-Servidor

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging Aplicações de GED Processamento, arquivamento e recuperação de documentos (Document Imaging) Gerenciamento de documentos (Document Management) Sistema de Gerenciamento de documentos técnicos (engineering

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133 Capítulo 5 Conclusões 133 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES Neste capítulo são abordadas as conclusões traçadas no desenvolvimento e validação do SMD, e indicação de estudos futuros. Ressalta-se o atendimento aos

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual

Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual Shênia Salvador de Pinho, Kleber J. F. Souza Instituto de Ciências Exatas e Informática PUC Minas Guanhães,

Leia mais

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Elder de Macedo Rodrigues, Guilherme Montez Guindani, Leonardo Albernaz Amaral 1 Fábio Delamare 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo H. E. R. Gato 1,3, F. L. S. Nunes 2 e H. Schiabel 1 1 USP- Depto. de Engenharia Elétrica, São Carlos, Brasil 2 Centro Universitário

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS... 4 04 TEORIA

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência TEMA IEN 3 1 DESCRIÇÃO. TEMA PROPOSTO: Desenvolvimento de Tecnologia para Sistemas Complexos ÁREA DE PESQUISA: Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência PROCESSO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Access Control System Based on Face Recognition Tiago A. Neves, Welton S. De Oliveira e Jean-Jacques De Groote Faculdades COC de Ribeirão

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Radiologia na Nuvem: O que é e como impactará sua organização?

Radiologia na Nuvem: O que é e como impactará sua organização? Radiologia na Nuvem: O que é e como impactará sua organização? www.dicomgrid.com.br Dr Roberto Caldeira Cury Doutor em Ciências pela FMUSP Sócio da Dicom Grid Brasil Março de 2014 Radiologia na Nuvem Definição

Leia mais

PENSE ALÉM UM FLUXO DE TRABALHO ÚNICO E GLOBAL DENTRO DO SEU ALCANCE. Vue RIS. Radiology

PENSE ALÉM UM FLUXO DE TRABALHO ÚNICO E GLOBAL DENTRO DO SEU ALCANCE. Vue RIS. Radiology Vue RIS Radiology UM FLUXO DE TRABALHO ÚNICO E GLOBAL DENTRO DO SEU ALCANCE Produtividade. Retorno do investimento. Capacidade de comunicar rapidamente informações do paciente. Tudo isso, mais a pressão

Leia mais

PROJETOS SISTEMAS DE CAPTURAS DE VÍDEO

PROJETOS SISTEMAS DE CAPTURAS DE VÍDEO PROJETOS SISTEMAS DE CAPTURAS DE VÍDEO PROJETOS ESPECIAIS : MODALIDADES MÉDICAS CAPTURA DE IMAGENS. Criamos uma linha de produtos denominado PROCapVG para a utilização em serviços de captura de imagens

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI034)

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR TÍTULO: SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE TEATROS DIONÍSIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

A Internet facilitando tratamentos médicos

A Internet facilitando tratamentos médicos VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 A Internet facilitando tratamentos

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Relatório da prática/proposta

Relatório da prática/proposta Relatório da prática/proposta 1.Nome da pratica/ proposta inovadora: Projeto de Digitalização de Imagens Radiológicas na Rede Pública de Saúde de Naviraí 2.Caracterização da situação anterior: O município

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde CRIAÇÃO DE UM MODELO DE INTERFACE EXTENSÍVEL PARA SISTEMAS DE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE Modalidade

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Pauta O que é um Modelo de Requisitos? Modelo de Requisitos: Benefícios Pirâmide de Requisitos MoReq-Jus Motivação Objetivos Principais referências Evolução Abrangência dos

Leia mais

Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia.

Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia. Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia. Alceu Antonio da Costa alceuacosta@gmail.com FAQ Claudia Cobero claudia.cobero@terra.com.br FAQ Resumo:: O trabalho apresenta

Leia mais

PACS - Um Conceito Obsoleto?

PACS - Um Conceito Obsoleto? Cyclops LAPIX - INE - UFSC PACS - Um Conceito Obsoleto? Dr rer nat Aldo von Wangenheim Projeto Cyclops Laboratório rio de Telemedicina Hospital Universitário rio Ernani de São Thiago Universidade Federal

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos.

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Gestão de Conteúdo web através de ontologias: conceitos e aplicações Fernando Silva Parreiras Contextualização O que? Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Quem? Gerentes, consultores

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais