MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL"

Transcrição

1 MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados a preços correntes de mercado Material adaptado do originalmente produzido pelo Prof. Dr. Ernando A. Reis, da UFU Uberlândia/MG INBRAPE PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO O é um modelo gerencial baseado em Resultados Econômicos, desenvolvido pelo Prof. Armando Catelli (FIPECAFI/USP). A empresa deve estar orientada para a EFICÁCIA, cumprindo sua MISSÃO com CONTINUIDADE. Para a empresa ser eficaz, os gestores devem tomar as decisões que mais contribuem com o grau de eficácia da empresa: OTIMIZAÇÃO. Para isso, os gestores necessitam de um INDICADOR que reflita o grau de eficácia de suas decisões. Entre tantos indicadores existentes, o RESULTADO ECONÔMICO (LUCRO) se apresenta como o que melhor mede o grau de eficácia da empresa, por ser universal a qualquer atividade e refletir, se mensurado corretamente, os impactos dos comportamentos dos requisitos da eficácia. O resultado econômico correto é aquele que expressa a variação do patrimônio da empresa entre dois momentos do tempo. O PL, por sua vez, deve expressar o valor da empresa para seus donos. O resultado econômico é gerado por todas as atividades da empresa a partir das decisões tomadas pelos gestores sobre os eventos econômicos. As ATIVIDADES consomem recursos (sacrifícios) e geram produtos e serviços (benefícios) a partir da ocorrência de eventos econômicos. 3 4 PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO EVENTOS ECONÔMICOS são todas as ocorrências que produzem impacto patrimonial. Cada gestor deve ser responsável pelos aspectos operacionais, financeiros e econômicos dos eventos econômicos: CONTROLABILIDADE. A soma do resultado das partes conduz ao resultado do todo, porém a soma dos resultados ótimos das partes não conduz, necessariamente, ao resultado ótimo global. É imprescindível que os gestores administrem o resultado econômico dos eventos sob sua responsabilidade, em consonância com os objetivos globais da empresa: PAPEL DA CONTROLADORIA. Na presente disciplina, considerando sua ementa, serão abordados apenas os modelos de DECISÃO e MENSURAÇÃO. O MODELO DE DECISÃO DO Receita (-) Custos Variáveis (=) Margem de Contribuição (-) Custos Fixos (=) Resultado Operacional ( +) Custos Financeiros (=) Resultado Econômico PRODUTOS Avaliação de Resultados ÁREAS Avaliação de Desempenhos 5 6

2 PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO ALGUMAS PREMISSAS DO MODELO DE MENSURAÇÃO DO O mercado é quem valida o potencial de serviços dos diversos ativos: os recursos utilizados pela empresa são ativados pelos seus preços de mercado, a custos correntes, na condição a vista; O potencial de serviço do ativo independe da forma como ele é financiado; Deve ser levado em consideração o valor do dinheiro no tempo (equivalente de capital) para as operações a prazo; As receitas e os custos operacionais são separados das receitas e dos custos financeiros; Reconhecimento de ganhos pela valorização dos ativos; PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO Em cada evento econômico que tem como contrapartida um ativo é apropriado um custo financeiro, calculado por uma taxa padrão de captação de recursos financeiros no mercado; Em cada evento econômico que tem como contrapartida um passivo é apropriada uma receita financeira, calculada por uma taxa padrão de aplicação de recursos financeiros no mercado; Em ambiente econômico inflacionário, a apuração do lucro deve contemplar a correção dos valores por meio de uma moeda de capacidade aquisitiva constante; A receita é reconhecida na medida em que a produção de produtos e serviços é realizada; É utilizado o conceito de depreciação econômica dos ativos. 7 8 PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO - EXEMPLO PRINCIPAIS EVENTOS ECONÔMICOS EMPRESA EXEMPLO (usando a abordagem do custo corrente) EVENTOS ECONÔMICOS 1. Investimento em ativo fixo 2. Compra de materiais 3. Produção 4. Tempo conjuntural 5. Venda 6. Apropriação de custos fixos 9 10 INVESTIMENTO EM ATIVO FIXO EVENTO 1: INVESTIMENTO EM ATIVO FIXO VALOR DO ATIVO Representa uma alternativa à contratação de serviços de terceiros para realização de um determinado processo (evita contratar serviços de terceiros). Na compra, a avaliação é feita com base em um plano de benefícios futuros que deve conter Fluxos de Benefícios e Fluxo de Desembolsos, ou seja, VPFBF Valor Presente de Fluxos de Benefícios Futuros. FLUXO DE BENEFÍCIOS Abrange o valor dos serviços evitados e o valor residual do ativo. FLUXO DE DESEMBOLSOS Corresponde à soma do custo de aquisição/instalação bem como todos os gastos de manutenção esperados para sua vida útil. Preço do Equipamento: ,00 Benefícios Manutenção Horas Valor Horas Valor , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 P , ,00 OBS: Ao final de P5, o equipamento pode ser vendido por 10% do seu preço de aquisição

3 EVENTO 1: INVESTIMENTO EM ATIVO FIXO Per. VF Benef VF Manut VP Benef VP Manut Totais (*) Valor Residual Resultado Econômico Receita Operacional (-) Prov. Manutenção (22.319) (-) Custo de Aquisição ( ) = MC Operacional EVENTO 1: INVESTIMENTO EM ATIVO FIXO EVENTOS CAPITALIZAÇÃO E ATIVO FIXO - IMPACTOS PATRIMONIAIS ATIVO Ativo Corrente Caixa Ativo Fixo Equipamentos (-) Provisão para Manutenção (22.319) PASSIVO Patrimônio Líquido Capital Lucros Acumulados COMPRA DE MATERIAIS Segundo o pressuposto de que todos os eventos devem ser avaliados pela contribuição econômica que geram ao empreendimento, a compra de materiais representa outra importante fonte de valor. Basicamente, duas são as oportunidades de agregação de valor oriundas do processo de compra: PRIMEIRA: a área responsável (p.e. suprimentos) pode criar valor econômico ao obter materiais, componentes, embalagens etc. a um preço inferior ao que os compradores médios pagam no mercado, na condição à vista. O Resultado Econômico, neste momento denominado Margem de Contribuição Operacional, é a diferença entre o preço de mercado (Receita Operacional de Compras) e o preço da aquisição (Custo Operacional de Compras), ambos na condição à vista. SEGUNDA: as condições de financiamento, no caso de a compra ser realizada a prazo, podem também proporcionar valor econômico. O resultado, neste momento denominado Margem de Contribuição Financeira, é a diferença entre a Receita Financeira de Compras e o Custo Financeiro de Compras. O Custo Financeiro de Compras refere-se ao juro embutido pelo fornecedor pelo prazo de pagamento concedido. A Receita Financeira, por seu turno, refere-se ao custo de oportunidade. 15 EVENTO 2: COMPRA DE MATERIAIS Inflação 0,0% Fornecedor Alfa Beta Quantidade Preço de mercado a vista 10,00 10,00 Preço a vista 9,85 9,90 Preço a prazo 10,15 10,45 Prazo (período) Alfa T0 VP: $ EVENTO 2: COMPRA DE MATERIAIS n:1 i: $ Valor a prazo: $ Valor a vista: ($ ) Juros (custo finan.): $ Receita (juros dif.): $ Juros (custo finan.) ($ 3.600) Resultado Financ.: ($ 52) T1 VF: $ Valor a vista: $ Valor presente: ($ ) Resultado Financ.: ($ 52) x $ 10, x $ 9,85 17 EVENTO 2: COMPRA DE MATERIAIS MEMÓRIA DE CÁLCULO Fornecedor Alfa Beta VF no Vencimento (A) VP no Vencimento (B) Vr Mercado a vista (C) Vr a Vista (D) RESULTADO ECONÔMICO Fornecedor Alfa Beta Receita Operacional (C) (-) Custo Operacional (D) ( ) ( ) = MC Operacional Receita Financeira (A - B) (-) Custo Financeiro (A - D) (3.600) (6.600) = MC Financeira (52) 598 = Resultado

4 EVENTO 2: COMPRA DE MATERIAIS EVENTO COMPRA DE MATERIAIS - IMPACTOS PATRIMONIAIS ATIVO Ativo Corrente Caixa Estoque Matéria-Prima Ativo Fixo Equipamentos (-) Provisão para Manutenção (22.319) 0 0 (22.319) PASSIVO Patrimônio Líquido Lucros Acumulados PRODUÇÃO Além de adquirir os recursos analisados (equipamentos e materiais), a empresa, no cumprimento de sua missão, deve combiná-los em um processo produtivo, transformando-os em produtos e/ou serviços. Quando eficaz, esse processo também agrega valor ao patrimônio empresarial. A contribuição do evento produção para o resultado global da empresa é apurada mediante o confronto entre a receita operacional de produção e o custo operacional de produção. A Receita é reconhecida mediante consideração dos preços de mercado à vista dos produtos (subprodutos, componentes etc.), no estágio da produção, antes dos esforços de venda. O preço de mercado antes dos esforços de venda é também denominado preço de produção. O Custo refere-se ao valor de mercado dos recursos consumidos no processo produtivo (serviços dos equipamentos, materiais etc.) EVENTO 3: PRODUÇÃO de Produção Produção (Qtde.) Horas Máquinas Totais Utilizadas 600 Materiais Consumidos (Qtde) Preço (mercado a vista) de Delta/Unid. 20,00 RESULTADO ECONÔMICO Receita Operacional ( x $ 20,00) (-) Materiais ( x $ 10,00) ( ) (-) Deprec. Equipamento (600 horas) (30.000) = MC Operacional D - Prov p/ Manutenção C - Caixa EVENTO 3: PRODUÇÃO EVENTO PRODUÇÃO - IMPACTOS PATRIMONIAIS ATIVO Ativo Corrente Caixa Estoque Matéria-Prima Estoque Produto-Acabado Ativo Fixo Equipamentos (-) Provisão para Manutenção (22.319) (18.319) PASSIVO Patrimônio Líquido Lucros Acumulados TEMPO-CONJUNTURAL A passagem do tempo e as alterações conjunturais afetam todos valores de ativos e passivos das organizações em decorrência de várias causas. O valor patrimonial da empresa é afetado na medida em que fica exposto às variáveis ambientais, quer sejam estas econômicas, sociais, políticas, tecnológicas, regulatórias, ou fortuitas. Embora o gestor não detenha o controle sobre as ocorrências externas à empresa, não está isento de responder pela correta alocação de recursos e obrigações que estão sujeitos a variações em função destas ocorrências, de forma a preservar o patrimônio da empresa. 23 P1 Inflação 0,0% 1) Aplicações Financeiras Vr. Aplicado (Saldo de Caixa) Rec. Juros = Saldo Atual ) Estoque de Materiais Ganho/Perda Estocagem Quantidade Preço Anterior $ 10,00 Preço Atual - $ 10,30 Ganho/Perda / u 0,30 Ganho/Perda - Total 600 Custo Financeiro Saldo Estoques $ Juros s/ Estoques $ Um período depois... 24

5 3) Estoque de Produtos Acabados Ganho/Perda Estocagem Quantidade Preço Anterior $ 20,00 Preço Atual - $ 20,70 Ganho/Perda / u 0,70 Ganho/Perda - Total Custo Financeiro Saldo Estoques Juros s/ Estoques ) Financ. Ativo Fixo VPL Anterior (após produção) VPL Atual Ganho/Perda Total Custo Financeiro VPL Anterior (após produção) Juros s/equipamentos ) Rem. K Próprio PL no inicio do Rem K Próprio RESULTADO ECONÔMICO - TEMPO CONJUNTURAL Áreas >>> Suprimentos Produção Finanças Total Receitas Aplicações Financeiras Receita Financ. Estoques Receita Financ. Equipam Ganho c/estocagem - MP Ganho c/estocagem - PA Ganho c/estocagem - Equip Soma Custos - Juros s/estocagem - MP (600) - - (600) Juros s/estocagem - PA (6.000) - - (6.000) Juros s/ Estocagem - Equip. - (3.831) - (3.831) Remuneração K Próprio - (12.765) (12.765) Soma (6.600) (3.831) (12.765) (23.196) - Result. Econômico do Evento VENDA EVENTO TEMPO-CONJUNTURAL - IMPACTOS PATRIMONIAIS ATIVO Ativo Corrente Aplicações financeiras Estoque Matéria-Prima Estoque Produto-Acabado Ativo Fixo Equipamentos (-) Provisão para Manutenção (18.319) (18.868) PASSIVO Patrimônio Líquido Rem. Capital Investido Lucros Acumulados Para promover o escoamento dos estoques de produtos acabados, a empresa realiza o esforço de vendas e, neste momento, novas oportunidades de agregação de valor se apresentam. Nos mesmos moldes do evento compra, dois eventos simultâneos têm lugar, proporcionando Contribuição Operacional de Vendas e Margem de Contribuição Financeira de Vendas. A lógica implícita na apuração do resultado da venda é a mesma do evento compra, embora neste caso, a análise seja relativamente oposta. Enquanto na compra a empresa se financia junto a um fornecedor e, em tese, aplica o seu caixa no mercado financeiro, no evento venda, a empresa financia o seu cliente captando, para isso, recursos no mercado financeiro EVENTO 5: VENDA EVENTO 5: VENDA Inflação 0,0% Número de s >>> 1 2 Quantidade Impostos 10% 10% Outros 5% 5% Preço Merc. S/Serv.Venda 20,70 20,70 Preço Merc. a vista 30,00 30,00 Preço no prazo 31,50 32,20 29 MEMÓRIA DE CÁLCULO Número de s >>> 1 2 Custo Operacional VF no Vencimento (A) VP no Vencimento (B) Vr Mercado a vista (C) Vr de Venda a Vista (D) RESULTADO ECONÔMICO Receita Operacional (-) Custo Operacional ( ) ( ) (-) Impostos (30.000) (30.000) (-) Outros (15.000) (15.000) = MC Operacional Receita Financeira (A - D) (-) Custo Financeito (A - B) (9.175) (18.484) = MC Financeira = Resultado Econômico

6 EVENTO 5: VENDA EVENTO VENDA - IMPACTOS PATRIMONIAIS ATIVO Ativo Corrente Aplicações financeiras Contas a receber Clientes (-) Juros Diferidos Clientes (9.175) Estoque Matéria-Prima Estoque Produto-Acabado Ativo Fixo Equipamentos (-) Provisão para Manutenção (18.868) 0 0 (18.868) PASSIVO Patrimônio Líquido Remuneração Capital Investido Lucros Acumulados APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS FIXOS Para o desempenho de suas atividades, os departamentos da empresa requerem, em cada período, o consumo de alguns gastos fixos relativos a pessoal e a outros recursos. Por essa razão, os resultados apurados nos eventos anteriores são considerados Margens de Contribuição. Afinal, numa abordagem de Custeio Variável/Direto, somente os gastos variáveis devem ser confrontados à receita de cada evento. Os GASTOS FIXOS podem ser identificados de maneira objetiva e sem rateios a uma determinada área e seu respectivo gestor. Logo, um departamento/gestor eficaz é aquele que consegue obter Margens de Contribuição em eventos, cujo total excede os custos fixos identificados. ITENS R$ Suprimentos Industrial Vendas Finanças Comuns TOTAL EVENTO 6: APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS FIXOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EVENTO APROPRIAÇÃO/PAGAMENTO DE CUSTOS FIXOS ATIVO Ativo Corrente Aplicações financeiras Contas a receber Clientes (-) Juros Diferidos Clientes (9.175) 0 0 (9.175) Estoque Matéria-Prima Ativo Fixo Equipamentos (-) Provisão para Manutenção (18.868) 0 0 (18.868) PASSIVO Patrimônio Líquido Remuneração Capital Investido Lucros Acumulados Os gestores internos da organização demandam informações acerca do desempenho individual de suas áreas. Nesta direção, a contabilização por eventos, à luz da abordagem, propicia as condições para a elaboração de uma demonstração do desempenho departamental. As contribuições de cada área da Cia. Exemplo para a formação do resultado global, em função dos impactos dos eventos sob sua responsabilidade, estão demonstradas a seguir AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO CIA. EXEMPLO M.C. DAS ÁREAS / RESULTADO GLOBAL ITENS/ÁREAS Suprim. Industrial Vendas Finanças Total Receitas Rec. Operac. - Produção Rec. Operac. - Vendas Rec. Operac. Compras (MP) Rec. Operac. Compras (Equip.) Ganhos c/ Estoc. (MP/PA) Ganhos c/ Estoc. (Equip.) Rec. Fin. Aplicações Rec. Fin. Vendas Rec. Fin. Estocagem (MP/PA) Rec. Fin. Equipamentos AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO CIA. EXEMPLO ITENS/ÁREAS Suprim. Industrial Vendas Finanças Total Custos ( ) ( ) ( ) (12.765) ( ) Custo Operac. - Produção - ( ) - ( ) Custo Operac. - Vendas ( ) ( ) Custo Operac. Compras (MP) ( ) - - ( ) Custo Operac. Compras (Equip.) ( ) ( ) Remuneração K Próprio (12.765) (12.765) Custo Fin. Vendas - - (9.175) - (9.175) Custo Fin. Estocagem (MP/PA) (6.600) (6.600) Custo Fin. Estocagem (Equip.) - (3.831) - - (3.831) ABORDAGEM 35 ABORDAGEM 36

7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO CIA. EXEMPLO PRINCIPAIS FUNDAMENTOS DO - EXERCÍCIOS M.C. DAS ÁREAS / RESULTADO GLOBAL ITENS/ÁREAS Suprim. Industrial Vendas Finanças Total Receitas (-) Custos ( ) ( ) ( ) (12.765) ( ) 1ª Margem de Contribuição (-) Custos Fixos Ident. (3.000) (12.000) (8.000) (4.000) (27.000) 2ª Margem de Contribuição (200) (4.000) (-) Custos Fixos Comuns (8.000) RESULTADO GLOBAL EXERCÍCIOS (usando a abordagem do custo corrente) ABORDAGEM QUESTÃO 1: COMPRA DE MATERIAIS QUESTÃO 2: TEMPO-CONJUNTURAL Considere os seguintes dados, da Cia. Alfa: 1) Preço de Mercado à Vista do Material X... $ 5,00 2) Preço a Prazo do Material X (30 dias)... $ 5,25 3) Preço a Prazo do Material X (60 dias)... $ 5,50 4) Preço à Vista do Material X... $ 4,95 Oriente o Gestor de Suprimentos nas questões abaixo: a) Qual é a melhor decisão de compra (à vista ou a prazo?), considerando o ambiente não inflacionário e taxa média de juros de 3% ao mês? b) Após a decisão de compra, supondo que o gestor de Suprimentos tenha optado pela condição de 60 dias, quais serão os valores das contas de ativo (Estoques) e de passivo (Fornecedores), se a Cia. Alfa adquiriu unidades? No dia 1º de Janeiro de 2007, a Cia. Beta apresentava, em seu ativo, $ em produtos acabados (correspondentes a unidades) e uma aplicação financeira de $ Do lado do passivo, a empresa não apresentava valor algum além de seu patrimônio líquido. Ao final do mês de Janeiro, o preço do produto acabado é de $ 31,00/unidade. A taxa de juros do período (aplicação e captação) foi de 5% e a inflação nula. Com base nesses dados, analise o evento tempoconjuntural QUESTÃO 3: VENDA QUESTÃO 4: PRODUÇÃO Ainda no dia 31/01, a Cia. Beta decide vender u de produtos acabados. Sabendo-se que os preços de venda, à vista e a prazo, são, respectivamente, $32,00/u e $35,00; com prazo de 60 dias. A taxa de juros praticada é de 5% a. m. e a inflação é nula. Dadas estas condições, assinale o evento venda. (Usar dados da questão 2) No mês de Março de 2006, o Departamento de Produção da Cia. Gama fabricou e transferiu para a área de Vendas unidades do produto Gama-5. Caso não realizasse a produção interna, a área comercial deveria obter tal produto no mercado ao preço de $30,00/unidade. Os custos internos de fabricação incluem o consumo de matéria prima ($12,00/unidade) e a utilização de equipamentos ($8,00/unidade). Durante o mês, a empresa realizou a manutenção prevista para seus equipamentos num montante de $25.000,00 e pagou a folha de seus operários ($30.000,00, incluindo encargos e provisões). Analise a viabilidade econômica do Departamento de Produção da Companhia Gama

A CONTROLADORIA SOB A PERSPECTIVA DA ABORDAGEM GECON. 1.1. Informação sob medida para os gestores internos

A CONTROLADORIA SOB A PERSPECTIVA DA ABORDAGEM GECON. 1.1. Informação sob medida para os gestores internos A CONTROLADORIA SOB A PERSPECTIVA DA ABORDAGEM GECON PROF. MSc. SÉRGIO LEMOS DUARTE 1.1. Informação sob medida para os gestores internos Um grupo importante entre os usuários da informação contábil é aquele

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Elizabeth Ferraz Barros. Valcemiro Nossa. Introdução. Decisões Financeiras e Impactos Tempo-Conjunturais

Elizabeth Ferraz Barros. Valcemiro Nossa. Introdução. Decisões Financeiras e Impactos Tempo-Conjunturais 1 Elizabeth Ferraz Barros Mestranda em Controladoria e Contabilidade FEA/USP Auditora da Auditoria Geral do Estado do Maranhão Pesquisadora da FIPECAFI Laboratório de Auditoria Valcemiro Nossa Mestrando

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br 1 Quantia que pode ser consumida sem prejudicar o capital, tanto o capital fixo quanto

Leia mais

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como elaborar a programação dos investimentos? Existe um método alternativo para o cálculo do Capital de Giro de uma empresa ou projeto? Como elaborar

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

A Controladoria e a Contabilidade Gerencial na Era da Globalização. apresent19

A Controladoria e a Contabilidade Gerencial na Era da Globalização. apresent19 A Controladoria e a Contabilidade Gerencial na Era da Globalização apresent19 A Globalização e suas Perspectivas Empresa / Ambiente Competitividade globalização Velocidade das Mudanças Gestão Adaptatividade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS Objetivo 1. As transações e eventos decorrentes das atividades normais de uma empresa são, de acordo com determinados parâmetros e circunstâncias, classificados

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

A RESOLUÇÃO CFC Nº 750/03 FOI ALTERADA PELA RESOLUÇÃO CFC Nº 1.282/10:

A RESOLUÇÃO CFC Nº 750/03 FOI ALTERADA PELA RESOLUÇÃO CFC Nº 1.282/10: A RESOLUÇÃO CFC Nº 750/03 FOI ALTERADA PELA RESOLUÇÃO CFC Nº 1.282/10: PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE O termo PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE passa a ser definido como PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE.

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

TEORIA CONTÁBIL DO LUCRO Prof. Paulo Arnaldo Olak (olak@uel.br)

TEORIA CONTÁBIL DO LUCRO Prof. Paulo Arnaldo Olak (olak@uel.br) INBRAPE INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS E PESQUISAS SÓCIO-ECONÔMICOS UNISALESIANO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM LINS (SP) MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL TEORIA CONTÁBIL DO LUCRO

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em Reais) Ativo Nota Passivo e patrimônio líquido Nota Circulante Circulante Caixa

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo.

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo. 1. CONCEITO de ARRENDAMENTO MERCANTIL Arrendamento mercantil é um acordo pelo qual o arrendador transmite ao arrendatário em troca de um pagamento ou série de pagamentos o direito de usar um ativo por

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Noções Básicas de Contabilidade 27-07- 2011

Noções Básicas de Contabilidade 27-07- 2011 Noções Básicas de Contabilidade Aplicada Telefonica 27-07- 2011 0 Apresentação Rogério PROCÓPIO da Cunha Programação Início 14:00 Intervalo 15:30 Retorno 15:50 Conclusão 17:30 Este material poderá ser

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Belém Bioenergia Brasil S.A.

Belém Bioenergia Brasil S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 17.132 16.233 Fornecedores (Nota 11) 7.768 48.741

Leia mais

Even Construtora e Incorporadora S.A. e Controladas

Even Construtora e Incorporadora S.A. e Controladas Even Construtora e Incorporadora S.A. e Controladas Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Contabilidade Societária 3

Contabilidade Societária 3 Contabilidade Societária 3 Prof. Dr. Fernando Caio Galdi fernando.galdi@fucape.br Redução ao Valor Recuperável de Ativos CPC 01 Impairment of Assets IAS 36 2 1 Conceito de ATIVO Prováveis benefícios econômicos

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional IFRS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Luiz Alves Lalves01@gmail.com Rio de Janeiro Outubro de 2014 Rua 1º de Março, 33 Centro Rio de Janeiro/RJ Cep: 20.010-000

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Alcoa Alumínio S.A. Demonstrações financeiras consolidadas e individuais em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes

Alcoa Alumínio S.A. Demonstrações financeiras consolidadas e individuais em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas e individuais em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais