Benefícios artigo censo artigo aplicações camaçari rio de janeiro regulamentação pará tecnologias gestão londrina gestão são josé dos pinhais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Benefícios artigo censo artigo aplicações camaçari rio de janeiro regulamentação pará tecnologias gestão londrina gestão são josé dos pinhais"

Transcrição

1 Março de 2009 Benefícios Em sintonia com um novo mundo 2 artigo Uma resposta aos cidadãos 3 censo Sua cidade já é digital? 4 artigo Tarefa de todos 5 aplicações O que pode mudar no seu município 6 camaçari Do Brasil Colônia à Era Digital 8 rio de janeiro Charme e inovação tecnológica 10 regulamentação Sob o signo da legislação 12 pará Um projeto rumo ao interior do estado 14 tecnologias Um leque de possibilidades 16 gestão Como montar as licitações 19 londrina Rede sem fio apoia expansão 20 gestão Como financiar um projeto 22 são josé dos pinhais O desafio da extensão territorial 24

2 benefícios em sintonia com um novo mundo Quando se fala em Cidade Digital, pensa-se imediatamente em oferecer acesso à tecnologia às pessoas de classes sociais menos favorecidas. É isto? Também. Mas é muito mais. Significa criar um ambiente digital que favoreça a modernização da gestão pública, o empreendedorismo e o desenvolvimento econômico, além da prestação de serviços aos cidadãos em diversas áreas. Mas significa, principalmente, criar uma nova perspectiva de cidadania por meio da inclusão digital. O ponto de partida é a conexão à Internet em banda larga, que o governo federal promete que chegará aos municípios do País até Mas não é preciso esperar até lá. Com um projeto apropriado e um modelo de negócios adequado, que garanta sustentabilidade, é possível construir uma Cidade Digital que se mantenha ao longo do tempo, traga mais eficiência governamental para os municípios e estados e benefícios para toda a população. São utilizados três tipos de vias para levar o sinal de acesso à internet para os variados pontos de um mesmo município: cabos, fibra ótica ou sinal de rádio. É por uma destas três opções que circula a informação. A escolha de uma das três vias e dos equipamentos depende muito da infraestrutura tecnológica já existente. Nos municípios em que ainda não há cabos ou fibras e mesmo naqueles em já há, mas não chegam à totalidade do território, a opção de instalar redes sem fio para fazer o sinal chegar das centrais ao usuário final tem mostrado boa relação custo/benefício, pois evita o transtorno e o custo de quebrar ruas e calçadas [Leia mais sobre tecnologias sem fio nas páginas 16 a 18]. Por que um Guia das Cidades Digitais? Um projeto de Cidade Digital é acessível para qualquer município; tudo depende das tecnologias escolhidas e do plano de sustentabilidade a longo prazo. Para implementá-lo, são indispensáveis vontade política e uma gestão atenta às oportunidades que a iniciativa pode proporcionar. Neste Guia, as prefeituras têm informações básicas sobre pontos fundamentais como tecnologia, regulamentação e recursos. Podem conhecer também algumas experiências tão diversas quanto as do projeto Orla Digital, na cidade do Rio de Janeiro, de Camaçari (BA), Londrina (PR), São José dos Pinhais (SP) e estado do Pará. Leia também as opiniões do subsecretário estadual de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Júlio Lagun Filho [na página 3] e do presidente do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), Marcos Mazoni [na página 5]. Acesse também o portal que traz informações atualizadas e indispensáveis para gestores, profissionais e empresas que se interessam pelo tema. Realização: Network Eventos Carlos Calazans - diretor-presidente Redação e Edição: P&B Comunicação Bia Alvim diretora reportagem: Marcelo Medeiros Maria Eduarda Mattar Edição de arte: Pedro Costa - Impressão: Select Centro de Impressão 2 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

3 Foto: Divulgação artigo uma resposta aos cidadãos Na cidade de hoje, o desafio da tecnologia centra-se no democratizar a informação e no disponibilizar os artefatos que permitam ao cidadão produzir conhecimento, inovar e empreender Júlio Lagun * Diziam os filósofos gregos que a cidade é uma casa grande, e que a casa é uma cidade pequena. Ao longo da história, a tecnologia respondeu aos desafios do crescimento destas pequenas grandes casas, capilarizando artefatos, como os aquedutos, o gás canalizado e as redes distribuídas de energia elétrica e comunicação. Cada uma destas revoluções produziu transformações radicais nos seus espaços e fluxos, mas, na essência, o ideal de uma boa cidade permanecerá sempre associado, conforme destaca Kevin Lynch (em seu A Theory of Good City Form ), à sua capacidade em oferecer aos cidadãos uma resposta satisfatória à suas necessidades biológicas e de segurança, de conhecimento e integração às suas construções, espaços e redes, que lhes permitam conduzir seus projetos com sucesso, através do exercício das atividades, pelo alcance de recursos, serviços e informações, e onde tenham garantida sua palavra, em um clima onde os valores sejam a eficiência e a justiça. Ou, como diria o grego de outrora, a cidade somente ser realiza como espaço humano quando nos sentimos nela como nos sentiríamos em nossa casa. Na cidade de hoje, o desafio da tecnologia centra-se no democratizar a informação e no disponibilizar os artefatos que permitam ao cidadão produzir conhecimento, inovar e empreender. O conceito do Programa Estado Digital do Governo Sergio Cabral, articulado pelo Secretário Alexandre Cardoso, da Secretaria de Ciência e Tecnologia, está apoiado na crença de que a Tecnologia da Informação e da Comunicação, através de suas redes e conteúdos, pode ser uma oportunidade para que as cidades do Estado do Rio de Janeiro, vistas em um continuum territorial, possam alcançar o ideal de boas cidades. Uma responsabilidade pública? Entendemos que o papel do Governo se insere não apenas nos vácuos do empreendendorismo privado ou cidadão, mas tem, também, como responsabilidade, a representação da garantia das oportunidades e da convergência da redução dinâmica das desigualdades. Particularmente nos momentos de rompimento de paradigmas, em que o Estado deve ampliar sua competência nuclear de harmonizar as naturais tendências ao agravamento das desigualdades. A questão da inclusão digital e sua relação direta com a ampliação da exclusão social é uma preocupação estratégica para o Governo. É crucial a sua intervenção na construção de infraestruturas que permitam aos segmentos com menor acesso a recursos, serviços e informações construir e garantir ganhos sociais, especialmente aqueles ligados à empregabilidade. Com esta estratégia, esperamos cobrir as lacunas de inserção da sociedade ao mundo digital, ao mesmo tempo em que abrimos espaço para que o empreendedorismo privado possa ampliar seus serviços a partir dos novos mercados que surgirão. * Subsecretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 3

4 censo Sua cidade já é?censo digital Quantos, quais, como são e onde estão os municípios digitais no Brasil. Quem vai responder é o Censo das Cidades Digitais Brasileiras, que irá mapear a situação dos municípios de todo o País no que se refere à utilização dos recursos das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) visando estabelecer um ambiente digital que leve em conta a modernização da gestão pública, o empreendedorismo e desenvolvimento econômico, ou a prestação de serviços aos cidadãos em uma ou mais das seguintes áreas: educação, saúde, segurança, governo eletrônico, lazer e turismo, engenharia de trânsito e inclusão digital. O Censo é uma iniciativa do Guia das Cidades Digitais, primeiro portal brasileiro na Internet sobre Retrato de um País Menos de hab. O tamanho dos municípios brasileiros Entre e hab. Entre e hab. das Cidades Digitais Brasileiras vai mapear quantas, quais, como são e onde estão as Cidades Digitais a construção de cidades digitais. No ar desde o final de 2007, o Guia tem levado informações exclusivas a gestores municipais, estaduais e federais, como prefeitos, governadores e secretários; empresas estaduais e municipais de processamento de dados; prestadores de serviço; executivos e técnicos da área de telecomunicações; consultores especializados e outros. O Censo é uma proposta ousada, mas possível, afirma Carlos Calazans, diretor do portal Guia das Cidades Digitais. Para definir diretrizes e critérios para o Censo das Cidades Digitais Brasileiras, foi formado um Conselho Consultivo. Fazem parte do Conselho, representantes de órgãos governamentais, associações e entidades públicas e privadas, além de algumas empresas que atuam no segmento de Mais que hab. Centro-Oeste Nordeste Sudeste Norte Sul Brasil Total TICs Tecnologias da Informação e Comunicação. A coleta de dados será realizada ao longo de 2009, com base em questionários a serem respondidos pelos prefeitos ou instâncias municipais competentes. A previsão é divulgar os dados no primeiro trimestre de Existem, hoje, no Brasil, municípios, e a imensa maioria deles tem menos de 100 mil habitantes, conforme mostra o quadro ao lado. 4 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

5 Foto: Divulgação artigo tarefa de todos Temos de pensar em um Plano Nacional de Inclusão Digital, que não é responsabilidade exclusiva da União, tampouco do Estado, e sim da sociedade brasileira Marcos Mazoni * Não sabemos qual será o padrão da tecnologia da informação nas diferentes atividades profissionais daqui para frente. Só sabemos que ela estará em todas. Portanto, ela será diferencial para as pessoas. Estarão incluídas nas atividades de trabalho as pessoas que estiverem incluídas digitalmente. Então passa a haver a necessidade de uma política pública efetiva para isso. E, assim como foi feito com a educação e a saúde, ela tem de ser articulada entre municípios, Estados e União. A União vem disponibilizando pontos de acesso, telecentros. Alguns projetos são mais audaciosos, como o Casa Brasil projeto interministerial cuja gestão é coordenada pela Casa Civil e os Pontos de Cultura, desenvolvidos pelo Ministério da Cultura. Mas eles precisam estar articulados com as situações que são diferenciadas localmente. E só quem lida com isso é o município: a questão local se estabelece através deles. Se colocarmos hoje um telecentro em uma comunidade indígena, queremos que ela entenda a internet, considerando que hoje 80% do conteúdo da rede é em inglês e só 3% é escrito em português e não há praticamente nada em guarani? Ou que possa usar a facilidade de comunicação, de interligação que pode estabelecer, por exemplo, com as 280 comunidades indígenas brasileiras espalhadas por esse continente que é o Brasil? Outro exemplo: queremos colocar telecentro em uma favela para que as pessoas de lá recebam um modelo das elites brasileiras? Ou que elas entrem em um telecentro e mostrem o que fazem de cultura, de hip hop e outras coisas fantásticas? Para mudar isso é preciso colocar conteúdo na rede e isso é um trabalho local, do município. Essa função é fundamental, pois senão teremos uma inclusão digital que nada mais será que a transmissão e a replicação de conhecimento das elites, gerando homogeneização e padronização. Outro fator importante é a capacitação e aí sim a União tem uma importância grande. Por isso insisto na relevância da articulação União-Estados-Municípios, pois cada um tem um papel nesse processo. E, se conseguirmos desenhar bem o papel de cada um, vamos criar uma possibilidade de crescimento da sociedade. Temos que construir uma política aderida a um conceito de Estado, e não a um conceito de governo. O município tem que ter financiamento, independentemente de tamanho e de articulações para conseguir fundos. Tem que existir uma política do país, e não uma política do governo. Precisamos de um modelo de fontes de financiamento, de projetos de conteúdo e de inclusão das pessoas, modelo esse não imposto pelo governo federal, mas sim negociado entre os diversos entes. Em resumo, temos de pensar em um Plano Nacional de Inclusão Digital, que não é responsabilidade exclusiva da União, tampouco do Estado, e sim da sociedade brasileira. * Presidente do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 5

6 Aplicações O QUE PODE MUDAR NO SEUMUNICÍPIO Educação, saúde, segurança, finanças, turismo, cultura, esporte, assistência social e muitas outras áreas podem ser significativamente transformadas com as iniciativas de Cidade Digital. Atividades como planejamento, controle de custos e logística tornamse substancialmente mais eficientes e rápidas com a adoção de sistemas e processos interligados por internet. No atendimento direto ao cidadão, formulários eletrônicos, atendimento via internet (chat, , mensagens instantâneas), telefone e tecnologias agregadas (SMS), totens de autoatendimento e outros canais facilitam e poupam tempo tanto dos indivíduos quanto de funcionários públicos. A seguir, alguns exemplos de possibilidades que a tecnologia pode oferecer, mediante o uso da internet e de softwares específicos, que estão disponíveis em grande número no mercado: Educação: gerenciamento do funcionamento das escolas públicas, com controle informatizado e integrado à Secretaria de Educação do município ou estado da merenda escolar, frequência de alunos, carga horária de professores, suprimentos, material escolar, etc. Resultados online de testes e provas, matrículas e reserva de vaga via internet são mais algumas possibilidades, bem como integração das escolas a outras instituições de pesquisa e ensino; laboratórios de informática; acesso a acervos de livros e documentos históricos; capacitação dos professores. Saúde: gerenciamento dos processos e materiais da rede pública de atendimento, incluindo hospitais e postos de saúde; marcação de consultas online; monitoramento da retirada de remédios nos postos de saúde, impedindo que uma mesma pessoa receba o mesmo medicamento em vários postos; controle de ponto de médicos e funcionários. E mais: gestão integrada dos centros de assistência à saúde; interligação com serviços de emergência como o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil; uso de novas tecnologias, tais como videoconferência e telemedicina. Segurança: monitoramento de toda a cidade através de câmeras que enviam imagens automaticamente via internet para quaisquer canais ou destinatários pré-definidos; e a interligação dos sistemas de segurança de prédios públicos, pontos turísticos e outros diretamente com as centrais das polícias Civil e Militar e do Corpo de Bombeiros. Tributos: controle eficaz e mais rápido sobre pagamentos e inadimplência das pessoas físicas, do comércio e da indústria; suporte no combate à corrupção e ao contrabando, com a utilização de 6 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

7 notas fiscais eletrônicas; geração mais rápida de cobranças de multas e impostos (IPTU, ISS, ICMS, etc.) e uma série de outras aplicações podem ser aproveitadas pelos municípios e estados para garantir melhor saúde tributária. Comunicação: com a interligação de toda a rede pública, os órgãos podem fazer ligações via internet, através da tecnologia de voz sobre protocolo internet (VoIP, da expressão em inglês Voice over Internet Protocol). Com isso, os custos telefônicos caem drasticamente. As ligações entre os órgãos conectados na mesma rede são gratuitas. Por exemplo: telefonemas de uma secretaria para outra da mesma cidade ou da prefeitura para uma de suas secretarias são de graça. Já as ligações para fora da rede (ou seja, órgãos que não estão conectados) são barateadas em aproximadamente 70%, dependendo do local de destino da chamada. Cultura, Esporte & Lazer: divulgação da agenda cultural e esportiva da cidade ou do estado; possibilidade de compra online de ingressos e reserva de cadeiras; transmissão via internet, ao vivo, de eventos não-televisionados; instalação de totens de acesso à internet para turistas; acesso wireless gratuito em toda a cidade ou em pontos turísticos. À sua escolha A escolha de software tem duas frentes: aqueles que serão utilizados na infraestrutura da rede ou seja, nos computadores que têm a função de servidores e os que serão usados para as aplicações ou em cada computador. Nesta segunda frente, há centenas de softwares disponíveis, provenientes de empresas especializadas, de outras prefeituras que já desenvolveram programas para determinados serviços e atividades, e do próprio governo federal. Governo: modernização da administração pública, com a integração, via computador, de todos os órgãos diretos e indiretos; integração das estruturas tributária, financeira e administrativa; acesso mais imediato às informações e serviços. Turismo: para estimular este ramo de atividade, é possível, entre outras coisas, disponibilizar informações completas do município (incluindo textos, fotos e vídeos) na internet; apresentar fotos em tempo real de pontos turísticos; inserir condições climáticas; instalar totens de autoatendimento turístico em pontos de interesse; permitir a contratação e agendamento prévios de transporte e alimentação nos sítios turísticos; possibilidade de construção de sites por hotéis, pousadas e resorts, inclusive com reservas online. Engenharia de trânsito: uso de câmeras para monitoramento do tráfego em tempo real, com reflexos imediatos no planejamento. Economia e empreendedorismo: acesso à Internet sem fio para pequenos empresários; comunicação mais barata com entidades de classe ou empresários de outra cidade /região através da internet ou da telefonia VoIP; comunicação mais rápida e barata com outros países, visando exportações; estímulo a atividades econômicas antes impensáveis, como lojas de informática. Inclusão digital: instalação de telecentros; disseminação de terminais para consultas e reclamações por parte da população; acesso à Internet para as classes sociais menos favorecidas; produção de conhecimento. Além do que foi descrito, muitas outras atividades podem fazer parte do cardápio do seu município ou estado. Cada um tem necessidades diferenciadas e, assim, funções e serviços específicos podem ser criados e implementados. Várias dessas atividades já estão em andamento em diferentes partes do País. GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 7

8 iniciativas camaçari Do Brasil colônia à era digital Um dos municípios mais antigos da Bahia, Camaçari entrou na era digital com bastante planejamento. Seu projeto foi idealizado de forma completa e iniciado em 2006, já previsto para ser realizado em etapas, até mesmo em função do alto investimento. Os benefícios já chegaram para a cidade, a apenas 42 quilômetros da capital baiana, com uma população de aproximadamente 221 mil habitantes e que abriga o maior polo industrial integrado do Hemisfério Sul. A primeira iniciativa foi a revisão das redes de dados e elétrica das unidades escolares. Sabíamos que iríamos precisar do bom funcionamento dos laboratórios para fazer um projeto de Cidade Digital realmente acontecer, afirma Luiz Karlos Ribeiro Barbosa, gerente de Tecnologia. Ele integra, com Tansy Abud, gerente de redes, e Bruno Moura, a equipe da Coordenação de Gestão da Tecnologia da Informação (CGI) da Secretaria de Administração, responsável pela elaboração do projeto. Nas unidades de ensino, na primeira fase, foram instalados laboratórios de robótica, mesas inteligentes e lousas digitais. Dos com- putadores adquiridos, metade destinou-se às escolas e metade foi doada aos professores municipais para que pudessem se familiarizar com a tecnologia. O passo seguinte foi o monitoramento de vias públicas, a partir de um sistema com 22 câmeras, 20 delas instaladas em pontos fixos definidos pela Polícia Militar e duas móveis, utilizadas em eventos como festas populares. Todas as câmeras são do tipo IP (Internet Protocol), possuem controle remoto e proteção antivandalismo. As imagens captadas por elas são enviadas à Central de Monitoramento no Batalhão da Polícia Militar e ao datacenter [centro de informática], no prédio da prefeitura. Em apenas quatro meses, houve uma redução de aproximadamente 70% nos índices de ocorrências nas áreas onde as câmeras foram instaladas. As vantagens da interligação, via rede sem fio, das 63 unidades de saúde também puderam ser percebidas desde o primeiro momento. Tornou- Fotos: Divulgação 8 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

9 se possível o uso de um sistema de gestão, que permite marcar consultas, centralizar históricos médicos, usufruir da telemedicina, etc. Hoje, há postos de saúde com acesso a esse sistema e à internet que sequer têm telefone, como os localizados na zona rural, caso de Machadinho, diz o gerente de Tecnologia. Agora está em andamento a segunda fase do projeto na educação, com a ampliação da área de cobertura para as demais unidades escolares até então não atendidas. O objetivo é que todas as 90 escolas municipais tenham acesso à internet e a sistemas educacionais. Pretendemos fazer, no futuro, um piloto para matrícula online, comenta Barbosa. Toda a comunicação sem fio, utilizada nas unidades escolares, nos postos de saúde e no monitoramento das vias públicas, é feita via rádios Canopy, da Motorola, que também serão empregados no Orla Digital. A última etapa do projeto será o acesso gratuito à internet para a população, previsto para o final de Entretanto, ele terá algumas restrições. Na maioria das cidades de interior, fornecer acesso à internet é o ganha-pão de muitos provedores pequenos, e a administração municipal não quer prejudicá-los, explica o gerente de Tecnologia. Por isto, as velocidades e o compartilhamento e download de arquivos serão limitados. O objetivo é proporcionar internet para a população que não pode pagar por este serviço, acrescenta. Por este motivo, o acesso gratuito somente poderá ser feito com o uso de uma senha, fornecida apenas se forem atendidos alguns pré-requisitos. O cidadão precisará ter o IPTU regularizado, e seus filho(s) deverão estar matriculado(s) e assíduos na escola e com as vacinas em dia. Além disso, também terão acesso pessoas que forem voluntárias em projetos voltados para o crescimento do município. Orla Digital com sotaque baiano Famoso por sediar um polo petroquímico e um dos maiores complexos automotivos da América do Sul, Camaçari também é conhecido por suas praias paradisíacas, como as de Arembepe, Barra do Jacuípe, Guarajuba, Itacimirim e Jauá. Nada mais natural, portanto, do que ter um projeto de Orla Digital. Já em andamento, ele será finalizado até o final de Serão implantadas sete torres, sendo seis delas de 30 metros, para repetição e distribuição de sinal na orla, e uma de 60 metros para comunicação com a sede da prefeitura. A implantação dessas torres irá permitir a implantação de rede Mesh em toda a faixa à beira-mar do município. Temos aproximadamente 42 quilômetros lineares de orla, e estaremos cobrindo uma área de pelo menos 150 quilômetros quadrados com essa rede, explica Luiz Karlos Ribeiro Barbosa, gerente de Tecnologia da Secretaria de Administração. Iremos fornecer diversos serviços, tais como totens de apoio ao turista, para localização de hotéis, pousadas, restaurantes, etc, e ao cidadão. GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 9

10 iniciativas rio de janeiro charme e inovação tecnológica Quando entrou em operação, em 22 de julho de 2008, o Orla Digital trouxe mais do que o charme de proporcionar conexão Wi-Fi à beira do mar de Copacabana, no Rio de Janeiro. Ele concretizou um dos projetos pioneiros de redes Mesh de acesso livre e de grande porte no País, agora plenamente implementado. A cobertura é feita com 24 rádios emitindo sinal Wi-Fi para os 4,5 quilômetros da princesinha do mar. Não há muitas redes Mesh no mercado brasileiro; elas ainda são experimentais. Porém, trazem vantagens interessantes para os governos, avalia Daniel Melo, gerente de Vendas Canais da Motorola, empresa que forneceu os rádios (MotoMesh) para a rede do Orla Digital, escolhida entre várias propostas. A rede ao longo de Copacabana opera em duas frequências: 2,4 GHz, ou seja, padrão Wi-Fi, para emissão do sinal que chega ao usuário final; e 5,8 GHz também uma banda de frequência não-licenciada, para a comunicação entre os próprios rádios, que se interconectam. A escolha da tecnologia Mesh teve benefícios, já que este tipo de rede, uma vez implantado, não depende de operadora, portanto, não tem conta no final do mês. O retorno sobre o investimento é muito maior quando se investe em rede própria, eliminando um dos custos mais elevados, que é o das operadoras, avalia Melo. Do outro lado da balança, está a necessidade de contratar provedor, operar a manutenção física, de segurança, etc., ou seja, manter a rede funcionando em bom estado. No caso do governo fluminense, como ele já dispõe da Rede Rio de Computadores, que interliga os órgãos do governo do Estado, o sinal de internet já estava disponível e não foi necessário, portanto, comprar banda internet de um provedor. Conhecidos o propósito e a abrangência do sistema, nossa engenharia elaborou projeto básico que, após diversas rodadas de discussões técnicas com o cliente, resultou no desenho final da rede, relata Newton Luiz de Ataíde Trindade, diretor da Mibra Engenharia, empresa responsável por montar e executar o projeto técnico, contratada pela Coppe, o instituto de pós-gradução e pesquisa de engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). facilidade de expansão e abrangência Outra vantagem é a facilidade de expansão, que poderá fazer com que, facilmente, a rede wireless chegue a bairros e praias vizinhas, como Ipanema, Botafogo, Urca, etc., caso isto seja previsto no projeto 10 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

11 estadual. Bastaria adquirir e instalar rádios semelhantes. O Orla Digital do Rio de Janeiro destacase das demais iniciativas Mesh, como as de Petrópolis (RJ) e Porto Alegre (RS), em função do seu potencial de abrangência: segundo anunciou o governo do Estado, é atender 100 mil pessoas, em um bairro altamente turístico e com grande confluência de pessoas, especialmente nos finais de semana. Além disso, o que os técnicos da Coppe estão planejando, como aplicações de vídeo e interações possíveis entre vários pequenos aparelhos que têm acesso à Internet, pode criar usos até então impensáveis para redes desse tipo. Um exemplo interessante de utilização, comentado pelo professor da Coppe, Luis Felipe Magalhães de Moraes, um dos dois responsáveis técnicos pelo Orla Digital, é a possibilidade de monitorar batimentos cardíacos dos idosos que caminham na praia de Copacabana. Outro, mais óbvio, é o monitoramento mais abrangente ao longo da Orla, até para garantir as condições de segurança para as pessoas se sentirem confortáveis para utilizar o computador ao ar livre. Sem dúvida o grande legado dessa implan- Fotos: Divulgação tação foi aprofundar o conhecimento relativo à tecnologia de redes Mesh, acredita o diretor da Mibra. Daniel Melo, da Motorola, concorda e vai além: Este projeto vai servir como laboratório do que pode ser feito com redes Mesh em locais públicos. Não era sequer possível definir todas as aplicações antes de a rede estar operando. Pode-se fazer muita experiência, aprender através dela. Tecnologias com tanto impacto dão espaço para mudança de hábitos, geram reações e podem ter consequências sociais que ainda desconhecemos, avalia. Foto: Maria Eduarda Mattar Foco também em conteúdo Segundo Alexandre Cardoso, Secretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro, além da tecnologia em si, o projeto terá cuidado com o conteúdo. Daqui a algum tempo, internet será igual a rádio, todo mundo terá condições de acessar. O que vai definir a rede será seu conteúdo, que poderá ser voltado para segurança, saúde, educação, etc., diz. Cardoso informa ainda que a Secretaria de Ciência e Tecnologia está fazendo convênios com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) para fornecer conteúdo a essa rede. GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 11

12 Regulamentação Sob o signo da legislação Como em qualquer atividade ligada às telecomunicações, todas as iniciativas relacionadas a projetos de Cidade Digital devem levar em conta o cumprimento das normas estabelecidas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A este órgão, cabe regulamentar os assuntos vinculados ao setor, o que inclui administrar o uso do espectro de radiofrequência [vide quadro na página 13]. Para usar telecomunicações em sua localidade, seja internamente, na interligação dos órgãos municipais, seja oferecendo serviços como acesso à Internet à comunidade, a prefeitura pode recorrer às operadoras tradicionais de telefonia fixa ou móvel. Mas nem sempre isto é possível ou viável economicamente. As condições muitas vezes não são vantajosas ou o município sequer está na rota de atendimento comercial das operadoras, porque elas não vislumbram, ali, possibilidade de retorno financeiro que justifique seus investimentos. Nesse caso, os gestores públicos podem buscar alternativas como contratar serviços de terceiros ou criar uma solução própria. serviços de terceiros O poder municipal pode contratar os serviços de uma empresa, pública ou privada, que já tenha a licença de Serviço de Comunicação Multimídia (SCM). Esta licença custa R$ [preço em janeiro/2009] e permite às empresas contratadas pelos municípios cobrar pelos serviços prestados. É uma opção disponível, por exemplo, para as prefeituras que contam com um órgão municipal de informática, desde que tal órgão seja uma empresa. Para mais informações sobre a licença SCM e as empresas autorizadas, visite o portal da Anatel (www.anatel.gov.br), clique em Informações Técnicas > Comunicação Multimídia. solução própria A prefeitura também pode obter na Anatel uma licença de Serviço Limitado Privado (SLP), na submodalidade Serviço de Rede Privado. As normas relativas a essa opção foram aprovadas pela Anatel em março de 2007, especificamente para atender às demandas das municipalidades. Esta alternativa surgiu dos estudos e análises técnicas feitas por especialistas da Anatel. Eles constataram que, em função do avanço da tecnologia sem fio, muitas prefeituras já vinham instalando sistemas de telecomunicação em frequência de radiação restrita, ou seja, dentro de limites pré-estabelecidos, para oferecer a seus cidadãos não somente acesso à Internet, mas também a uma série de serviços municipais de forma online, via computadores ou totens de atendimento. A licença do Serviço Limitado Privado (SLP) não tem custo, mas há algumas res- 12 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

13 RadiofreqUência e licenças Espectro de radiofrequência é o espaço por onde trafegam as ondas eletromagnéticas de radiofrequências (ou ondas de rádio), que possibilitam a comunicação sem fio. Ele é dividido em faixas, e a responsável por sua regulamentação e fiscalização é a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A regulamentação das diversas faixas de radiofrequências está no Plano de Atribuição, Destinação e Distribuição de Faixas de Frequências no Brasil (PDFF). Para consultá-lo, visite o portal da Anatel (www.anatel.gov. br), clique em Informações Técnicas > Radiofrequência. No caso das tecnologias sem fio para banda larga, há necessidade de licença da Anatel para algumas faixas de frequências e, para outras, ela é dispensável, conforme o quadro ao lado: Faixas de frequência Tecnologia / Serviço Licença da Anatel 2.4 GHz Wi-Fi Não (1) Mesh 2.5 GHz e 3.5 GHz WiMax Sim (2) Ponto-a-multiponto 4.9 GHz Segurança pública Sim (3) Mesh Ponto-a-ponto Ponto-a-multiponto 5.4 GHz Mesh Não Ponto-a-ponto Ponto-a-multiponto 5.8 GHz Mesh Não Ponto-a-ponto Ponto-a-multiponto 3G 1.9 e 2.1 GHz Sim, exclusivamente para as operadoras de telefonia móvel. (1) Exceto para localidades com população superior a 500 mil habitantes e potência superior a 400 mw. (2) Ainda a serem licitadas pela Anatel. (3) Para aplicações de segurança pública. Fonte: Anatel trições: está condicionada à gratuidade do acesso e é válida apenas para os serviços da prefeitura e dentro do território municipal. Para mais informações sobre o SLP, visite o portal da Anatel (www.anatel.gov.br), clique em Informações Técnicas > Comunicação via Rádio > Serviço Limitado e selecione a opção Serviço Limitado Privado. Certificação de equipamentos A prefeitura precisa optar se irá usar sistemas de tecnologia baseados em faixas de radiofrequência licenciadas, ou seja, vendidas pela Anatel a empresas privadas por meio de licitação, ou não-licenciadas, isto é, aquelas que não sofrem fiscalização direta deste órgão regulador na prestação de serviços ao usuário. Para cada serviço de telecomunicações, a Anatel destina uma determinada faixa de frequência. Alguns serviços e suas respectivas faixas de frequência precisam obrigatoriamente de licença. Outros, que utilizam equipamentos de radiação restrita, ou seja, dentro de limites pré-estabelecidos, dispensam esta formalidade. Entretanto, mesmo para as faixas de frequên cia não-licenciadas, é necessário que os equipamentos empregados tenham um certificado de homologação da Anatel. Isto é necessário para assegurar que tais equipamentos estão de acordo com as regras internacionais para o oferecimento de serviços à população. Quanto à tecnologia Power Line Communications (PLC), até janeiro de 2009, a Anatel ainda não havia definido sua regulamentação. Na consulta pública, a Anatel propôs que a comunicação a ser estabelecida pelos sistemas de acesso em banda larga utilizando a rede de energia elétrica somente possa ocorrer na faixa de khz a 50 MHz. A Anatel estabeleceu ainda que os equipamentos devem possuir certificação expedida ou aceita por ela e atender às normas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 13

14 iniciativas pará Iniciado em abril de 2008, o projeto Cidades Digitais do Pará vem marcando a interiorização do acesso a banda larga para seus municípios, acompanhada de outras atividades como telecentros e uso de Voz sobre IP. No estado de quase 7 milhões de habitantes, a intenção é chegar inicialmente a pelo menos 2 milhões de pessoas, ou cerca de 28% da população. O projeto Cidades Digitais integra o programa estadual NavegaPará, lançado em novembro de 2007, que inclui ainda a construção de infovias (estadual e a municipal em Belém) e a instalação de telecentros para uso geral e de negócios. Para a primeira fase, foram selecionados 15 municípios, que vêm recebendo sinal de internet e telecentros. O plano é iluminar até 2010 todas as 143 cidades paraenses, distribuídas por aproximadamente 1,3 milhão de quilômetros quadrados de área. Estaremos disponibilizando internet de alta velocidade a 2 milhões de pessoas. E também telecentros para ações de telemedicina e tele-educação, além de melhorar serviços já existentes e oferecer novos como a governança eletrônica no interior, diz o secretário de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do Pará, Maurílio Monteiro. Ele lembra que o objetivo final é reduzir a alta taxa de exclusão digital do estado. Segundo o IBGE, cerca de 6% da população paraense tem acesso ao computador, e apenas metade deste percentual utiliza a internet, informa. Uma parceria estabelecida com a Eletronorte é ponto-chave do projeto paraense. Através da rede da companhia elétrica, que tem quilômetros de fibra ótica instalada, passará o sinal de internet em direção às suas subestações situadas nas portas das cidades, de onde será redistribuído para dentro dos municípios. Cada um poderá ter uma banda de, no mínimo, 6 Mbps. Os equipamentos para compor a infovia começaram a ser instalados em dezembro de 2008, e a plena operação será iniciada até final de março de 2009, com a infovia 100% implementada e interligando as 15 cidades escolhidas para a primeira fase do projeto. Os municípios aos quais não chegam as fibras da Eletronorte ficaram para a segunda fase. A expectativa é levar banda larga até eles diretamente através de conexão sem fio. Um projeto rumo ao interior do estado As 15 primeiras As 15 cidades incluídas na primeira fase do projeto Cidades Digitais são: Abaetetuba Altamira Barcarena Belém Itaituba Jacundá Marabá Marituba Pacajá Rurópolis Santa Maria Santarém Tailândia Tucuruí Uruará 14 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

15 Segundo o presidente da Empresa de Processamento de Dados do Estado do Pará (Prodepa), Renato Francês, apenas nas cidades mais populosas Belém, Marabá e Santarém, incluídas na primeira fase a rede intramunicipal será de fibra, em vez de sem fio. O compromisso do NavegaPará, no qual o projeto de Cidades Digitais está inserido, é interligar todas as secretarias e órgãos estaduais e municipais, escolas públicas, delegacias, quartéis de polícia, hospitais e também algumas instituições do terceiro setor das cidades aonde o programa chegar. Foto: Divulgação Também no âmbito do NavegaPará, o projeto Infocentros vem instalando, nos mesmos municípios, telecentros que oferecem capacitação, formação e possibilidade de utilização do computador e suas ferramentas. Em 2010, haverá um total de 300 no estado. Destes, no máximo 10 serão na região metropolitana de Belém, informa o presidente da Prodepa, caracterizando a intenção de interiorizar ao máximo os Infocentros. Nos locais, além de computadores e acesso à internet, haverá também totens para acesso à delegacia virtual, emissão de segunda via de certidões e de guias de impostos e matrícula na rede estadual de ensino, entre outras opções. Na área da educação, todas as escolas estaduais e muitas municipais terão acesso à internet de alta velocidade. Além dos impactos diretos no ensino, isso permitirá a realização de videoconferências para reuniões entre os docentes do Estado, sem a necessidade de deslocamento entre as cidades. Cerca de 600 colégios, de um total de 920 escolas estaduais, serão conectados à rede. A maioria dos laboratórios de informática dessas escolas já está pronta, porém sem o acesso a internet. Muitos deles foram montados com equipamentos doados pelo Ministério da Educação (MEC), no entanto, estão parados ou trancados. A falta de acesso comprometia fortemente os programas do MEC, relata Renato Francês. Inspiração em Porto Alegre O modelo que está sendo adotado no Pará, com fibra ótica para grandes distâncias e rede sem fio para levar o sinal ao usuário final, se inspira no projeto de Porto Alegre, que leva sinal por fibra até os bairros e, neles, redistribui por Wi-Fi. Para aproveitar a experiência já acumulada pela equipe que implantou a iniciativa na capital gaúcha, o estado do Pará firmou parceria de cooperação técnica com a Companhia de Processamento de Dados do Município de Porto Alegre (Procempa). No processo de implantação de sua rede, toda vez que o Pará necessitar de um técnico nosso, enviaremos uma pessoa para lá, disponibilizamos o conhecimento e a experiência que acumulamos. Serão os próprios técnicos que viveram, estudaram e implementaram o modelo de Porto Alegre, explica o presidente da Procempa, André Imar Kulczynski. GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 15

16 Tecnologias Um leque de possibilidades A conexão via banda larga sem fio possibilita que voz, dados e imagens sejam transmitidos e acessados em altas velocidades, e seu custo é relativamente baixo em comparação a tecnologias convencionais. Por meio de uma tecnologia sem fio e/ou sua combinação com outras, é possível iluminar todo o município, isto é, ter conectividade em todo o território, tanto na zona urbana quanto rural, para fornecer acesso e serviços públicos aos seus habitantes e visitantes. A banda larga sem fio pode ser expandida aos poucos. Uma de suas principais vantagens é dis- Ponto-a-ponto e Ponto-a-multiponto Estas tecnologias podem ser consideradas fortes pilares da implementação de uma Cidade Digital. A ponto-a-ponto interliga as estações radiobase entre si, permitindo a instalação de várias delas dentro de uma cidade, inclusive em áreas remotas. A ponto-a-multiponto é utilizada para chegar na ponta, ou seja, na localidade que precisa de conexão sem fio, como escolas, postos de saúde, centrais de monitoramento de segurança, etc, ou seja, faz a distribuição do sinal a partir de um ponto central e ilumina prédios e outras áreas públicas, sendo também usada para interconectar redes Mesh. As tecnologias ponto-a-multiponto e ponto-a-ponto utilizam rádios que operam nas frequências de 4.9 GHz, 5.4 GHz e 5.8 GHz. Ambas são fáceis de implementar e administrar, podendo ser integradas com redes Mesh. Há diferentes opções de rádios, com ou sem linha de visada direta [termo que se utiliza quando não pode haver obstáculos entre os equipamentos]. Ficha técnica: Tecnologia: Ponto-a ponto e ponto-a-multiponto. Faixas de frequência: 4.9 GHz, 5.4 GHz e 5.8 GHz. Taxas de transmissão de dados: na ponto-a-ponto é bastante ampla, variando de 7 Mbps a 300 Mbps por enlace; na ponto-a-multiponto, em torno de 80 Mbps para cada estação radiobase completa. Alcance: na ponto-a-ponto, o alcance é de até 200 km com visada direta; na ponto-amultiponto, em torno de 15 km. Exigência: os equipamentos utilizados na construção da rede devem ser obrigatoriamente homologados pela Anatel. 16 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

17 pensar a instalação, bem mais cara, de fios aéreos ou subterrâneos. Ela tem como base protocolos de Internet, e por isto é bastante flexível. Pode constituir a instalação inicial de uma cidade digital ou ser integrada a outros tipos de rede, como as de fibra ótica, cabo ou energia elétrica, esta última conhecida como PLC [do inglês power line communications, que significa comunicações via linha de energia]. Para que um projeto de cidade digital dê certo, é essencial que ele seja o mais adequado às características geográficas e às necessidades de uso. Escolher a melhor tecnologia é uma etapa importante, e somente um estudo técnico cuidadoso pode apontar aquela, ou aquelas, que vão render bons frutos. Conheça um pouco sobre as principais tecnologias disponíveis. WiMAX A tecnologia WiMAX proporciona conectividade em banda larga sem fio de alcance mais longo que o Wi-Fi, com a vantagem de não precisar de linha de visada direta à estação radiobase para ter ótimo desempenho. É ideal para conexões fixas e móveis com altas taxas de transmissão. Destina-se a grandes áreas urbanas, onde a integridade do sinal é de fundamental importância. No caso da tecnologia WiMAX, é indispensável mencionar a questão Ficha técnica: Tecnologia: WiMAX (Worldwide Interoperability for Microwave Access, ou interoperabilidade mundial para acesso via ondas de rádio). Padrão internacional: IEEE d (somente fixo) e IEEE e (fixo e móvel). Faixas de frequência: 2.5 GHz (já licenciada); e 3,5 GHz (até fevereiro de 2009, em processo de licitação pela Anatel). Taxa de transmissão de dados: até 75 Mbps para cada estação radiobase completa. Alcance: até 5 quilômetros de raio. Exigência: os equipamentos precisam ser homologados pela Anatel, que ainda está definindo as especificidades deste processo. da regulamentação. A faixa de frequência de 2.5 GHz foi concedida, em leilão, a operadoras de MMDS, ou, simplificando, empresas de TV por assinatura via micro-onda. Quanto à faixa de 3.5 GHz, houve um primeiro leilão em 2003, quando foram concedidas licenças a algumas operadoras, entre elas a Brasil Telecom e a Embratel. As demais licenças nessa faixa ainda serão licitadas pela Anatel. Empresas de todos os portes têm interesse nesse leilão, e a principal polêmica, neste caso, é se as operadoras de telefonia fixa podem, ou não, ter direito a uma licença. GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 17

18 Tecnologias Wi-Fi É uma das tecnologias mais utilizadas atualmente para complementar uma infraestrutura de Cidade Digital, oferecendo acesso à Internet em alta velocidade, sem fio, a quem esteja usando equipamentos móveis (com cartões ou placas internos ou externos para este tipo de conexão) e no raio de ação de um ponto de acesso, conhecido como hotspot. As prefeituras não precisam obter licença de frequência da Anatel para instalar ou operar a tecnologia Wi-Fi até um determinado nível de potência de transmissão de sinal. Já para operar o serviço, é indispensável licença somente se o uso for comercial. Ficha técnica: Tecnologia: Wi-Fi (abreviação de Wireless Fidelity, ou fidelidade sem fios); ou WLAN (Wireless Local Area Network, ou rede sem fio local). Padrão internacional: IEEE a/b/g. Faixas de frequência: 2.4 GHz e 5.8 GHz. Taxa bruta de transmissão de dados: até 54 Mbps (megabits por segundo) para acesso. Alcance: 100 a 300 metros por estação. Exigência: seu desempenho é melhor com linha de visada direta, ou seja, sem que haja obstáculos entre os equipamentos e as estações; e os equipamentos utilizados devem ser obrigatoriamente homologados pela Anatel. Mesh Mesh, ou redes em malha, aplicam às redes sem fio a mesma arquitetura de roteamento distribuído encontrada na Internet. É formada quando uma série de roteadores sem fio (repetidores) é conectada a nós ou pontos de acesso inteligentes para fornecer cobertura sobre uma área maior do que a possibilitada com um ponto de acesso independente, ou hotspot. As redes em malha foram projetadas para continuar funcionando e roteando sinais com eficiência mesmo quando encontrarem interferência ou algum nó tiver saído do ar. A experiência tem mostrado que as redes Mesh representam a solução ideal para inundar áreas urbanas com acesso sem fio de alto desempenho e baixo custo. Redes Wi-Fi em malha já estão sendo utilizadas em cidades brasileiras e de outros países para fornecer acesso universal à Internet e prometem estimular o desenvolvimento econômico, além de agilizar os serviços públicos e segurança pública. 18 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

19 gestão Como montar as licitações Depois da decisão de implantar um projeto de Cidade Digital, a prefeitura se vê ante o desafio de montar a licitação. Que equipamentos pedir e o que considerar no edital? Quantas licitações fazer? Especialistas indicam ser imprescindível preparar, antes de tudo, o pré-projeto, e gastar o tempo que for preciso nessa etapa, contratando consultorias independentes para ajudar a definir objetivos e características. Chamo o pré-projeto de plano diretor da Cidade Digital, pois considero que é um planejamento a longo prazo, como fazemos como o plano diretor de ocupação urbana, diz o professor Leonardo Mendes, coordenador do Laboratório de Redes e Comunicação (LarCom) da Universidade de Campinas (Unicamp). Gasta-se um pouco mais de energia antes, mas o desenvolvimento será mais suave depois, completa. Para Bruno Soares, do Inatel Competence Center, na etapa do pré-projeto é importante definir as atribuições de cada um: quem vai fazer obras civis, instalação, implementação, configuração, manutenção, etc. É bom procurar consultores técnicos capacitados e planejar também uma possível expansão da rede, diz. Uma vez feito o planejamento detalhado e minucioso do que se deseja para a Cidade Digital, chega a hora de montar os textos dos editais. Nesta fase, a dica de especialistas é dividir serviços e equipamentos a serem contratados em dois grandes blocos: montagem de infraestrutura e, depois, serviços, aplicações e manutenção da rede. A primeira parte envolve a implantação física, ou seja, compra e instalação de equipamentos. A segunda, depois da rede pronta, abrange a sua operação, manutenção, atendimento a usuário, instalação de sistemas, uso, prestação de serviços através dessa rede, etc., orienta Newton Scartezini, consultor em Cidade Digitais. O prof. Leonardo Mendes recomenda também observar os regulamentos da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Lei Geral de Telecomunicações e resoluções do Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura (Confea) e dos conselhos regionais. Contratação como serviço A maioria das licitações é feita considerando que a prefeitura será a dona da rede municipal, adquirindo equipamentos e operando a infovia depois de montada. Mas especialistas atentam para uma segunda opção: a contratação da infovia como serviço. Dependendo do porte e das necessidades do município, ela pode trazer redução de custos e evitar problemas. O consultor Newton Scartezini defende essa alternativa: A licitação para compra de serviço é mais garantida e mais simples. No outro caso, a prefeitura fica dona de um ativo que não é sua área de atuação, diz ele. Com a compra do serviço, evita-se que a prefeitura tenha que conduzir uma operação que não é seu negócio, analisa. O professor Leonardo Mendes, da Unicamp, acredita que as vantagens econômicas nesse modelo dependem de vários fatores, como o porte da cidade. O estudo inicial é que indica a melhor opção, diz. Para Bruno Soares, do Inatel, caso a prefeitura opte por fazer licitação do serviço, é recomendável exigir o que chamamos de turnkey, ou seja, a entrega do projeto completo funcionando. GUIA DAS CIDADES DIGITAIS 19

20 iniciativas londrina Rede sem fio apoia expansão do Sem deixar de lado o anel de fibra ótica em uso há cerca de 10 anos, Londrina decidiu implementar uma nova tecnologia para apoiar sua necessidade de expansão. A rede sem fio, inaugurada em 10 de novembro de 2008, inicialmente atenderá toda a rede municipal de educação e, numa segunda fase, servirá para ampliar a interligação dos órgãos públicos, conectando, entre outros, todos os pontos de atendimento à população das redes de saúde e de assistência social. Localizado a 379 quilômetros da capital paranaense, o município tem aproximadamente 500 mil habitantes. A primeira fase do projeto começou em 1997, quando a prefeitura iniciou a construção de um anel de fibra ótica no centro da cidade para servir aos órgãos da administração pública. Na época, o serviço de conexão já atendia às necessidades do governo municipal, mas, dado o crescimento dos serviços e às possibilidades da Internet, foi planejada uma ampliação. Uma das necessidades do poder público era operar uma rede própria a fim de garantir o sigilo de dados. Afinal, pela malha da prefeitura passam informações sigilosas relacionadas a tributos e receitas médicas. O custo de construção de uma rede própria de fibra ótica maior do que a em uso mostrou-se além A ideia é operar com duas redes a de fibra ótica e a sem fio pois, na eventualidade de uma cair, os serviços não seriam afetados possível para as contas municipais. Assim, há cerca de cinco anos, a prefeitura decidiu iniciar estudos de viabilidade para implementação de uma rede sem fio ponto-a-multiponto. A tecnologia wireless é bem mais barata, diz Edvaldo Oliveira, diretor de Tecnologia da Informação da Secretaria de Planejamento de Londrina. Começamos a desenvolver o projeto há pouco mais de um ano. A idéia é operar com duas redes para garantir aos usuários maior segurança e disponibilidade, de modo a não causar prejuízo aos serviços e à população. Foco em educação e saúde O custo do projeto, batizado de Londrina Digital e abrigado na Secretaria de Educação, está em R$ 4,6 milhões, a serem investidos ao longo de cinco anos. Quando pronta, a iniciativa dará acesso à internet a 82 escolas municipais, incluindo as da zona rural, e 11 centros de educação infantil. A conexão das unidades de ensino era feita via cabo (ADSL). Com a rede sem fio, todas passam a operar em banda larga e com acesso liberado aos alunos, pois cada unidade terá ao menos dois computadores disponíveis para o corpo discente. Para isso, foi lançado um edital de compra de 700 computadores, 140 notebooks e 140 data shows, 20 GUIA DAS CIDADES DIGITAIS

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Rede PLC da Restinga Primeira Etapa do Projeto

Rede PLC da Restinga Primeira Etapa do Projeto Primeira Etapa do Projeto Transferência de sinal da rede elétrica do prédio para cabo ou wireless e vice-versa D Repetidores e extratores de sinal para baixa tensão (220V/127V) e vice-versa C B Injeção

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

PROJETO CIDADE DIGITAL. CIDADE ONLINE e Internet para todos

PROJETO CIDADE DIGITAL. CIDADE ONLINE e Internet para todos PROJETO CIDADE DIGITAL CIDADE ONLINE e Internet para todos 2 PROJETO CIDADE DIGITAL CIDADE(nome da cidade) ONLINE e Internet para todos 3 CONCEITO Em termos técnicos, uma CIDADE DIGITAL é a interconexão

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Tecnologia nos Municípios Brasileiros

Tecnologia nos Municípios Brasileiros PREFEITURA DE ITABORAÍ SECRETARIA DE FAZENDA ASSCT&I & (COBRA/BANCO DO BRASIL) DIRETORIA DE SISTEMAS INTEGRADOS Tecnologia nos Municípios Brasileiros O TERMO CIDADE DIGITAL Uma Cidade Digital muitas vezes

Leia mais

XII Congresso Catarinense de Municípios

XII Congresso Catarinense de Municípios XII Congresso Catarinense de Municípios Linha de Financiamento para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT Automático O que é o PMAT?

Leia mais

Autor: Patrick Freitas Fures

Autor: Patrick Freitas Fures FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade WIMAX Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira com requisito parcial para obtenção

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

REDE COMUNITÁRIA DE TELECOMUNICAÇÕES SEM FIO LAGUNA DIGITAL

REDE COMUNITÁRIA DE TELECOMUNICAÇÕES SEM FIO LAGUNA DIGITAL REDE COMUNITÁRIA DE TELECOMUNICAÇÕES SEM FIO LAGUNA DIGITAL PROJETO Inicial Básico SITUAÇÃO ATUAL IMPLEMENTADA Autorização ANATEL ATO No- 3.543, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Processo no- 53500.011016/ 2008.

Leia mais

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br Cidades Digitais Desmistificando a Tecnologia INATEL Competence Center Av. João de Camargo, 510 Santa Rita do Sapucai MG Tel: (35) 3471 9330 Bruno Soares Henriques O que é Cidade Digital City Cloud, Digital

Leia mais

Secretaria para Assuntos Estratégicos

Secretaria para Assuntos Estratégicos Secretaria para Assuntos Estratégicos DO DESAFIO A REALIDADE Nosso desafio: 399 municípios conectados por uma internet rápida, que oportuniza a aproximação da gestão pública com o cidadão. O projeto Rede399

Leia mais

Soluções em TI ao alcance de todos

Soluções em TI ao alcance de todos Você sabia que a sua prefeitura, independentemente do tamanho, pode ser beneficiada com o uso de mais de 50 aplicações que fazem parte do Portal do Software Público Brasileiro? Soluções em TI ao alcance

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA PARQUE TECNOLÓGICO DA BAHIA ÁREAS DE ATUAÇÃO BIOTECNOLOGIA E SAÚDE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENERGIAS E ENGENHARIAS TECNOCENTRO

Leia mais

Assunto: Avaliação da documentação de Habilitação Técnica enviada pela empresa GIMP Engenharia participante do Pregão 02/2011 TB

Assunto: Avaliação da documentação de Habilitação Técnica enviada pela empresa GIMP Engenharia participante do Pregão 02/2011 TB NOTA TÉCNICA Nº /2011/Telebrás Assunto: Avaliação da documentação de Habilitação Técnica enviada pela empresa GIMP Engenharia participante do Pregão 02/2011 TB Elaboração: Gerência de Projetos Diretoria

Leia mais

aumentar a arrecadação?

aumentar a arrecadação? Como aumentar a arrecadação? Como economizar recursos públicos? Como modernizar a Gestão Pública? Como oferecer melhores serviços ao cidadão? Melhoria da Gestão com o uso de Tecnologia da Informação Melhore

Leia mais

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Marco A O Tavares Gerente Operacional de Planejamento Engenharia do Espectro tavares@anatel.gov.br Agenda A Anatel neste Contexto Passos Percorridos E para

Leia mais

O Compartilhamento de Infraestrutura de Rede como Estratégia Pública

O Compartilhamento de Infraestrutura de Rede como Estratégia Pública O Compartilhamento de Infraestrutura de Rede como Estratégia Pública 1 Vantagens do Programa Para as Prefeituras Administração mais Eficiente Redução de Gastos Para os Provedores Melhoria da Infraestrutura

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento

PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento PMAT Ambiente de Negócios PMAT Ambiente de negócios Implantação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Capacitação de Servidores

Leia mais

ONDE ESTÁ O DINHEIRO? Conheça algumas fontes de financiamento disponíveis atualmente para as prefeituras.

ONDE ESTÁ O DINHEIRO? Conheça algumas fontes de financiamento disponíveis atualmente para as prefeituras. Agosto de 2007 2 12 14 16 POR QUE SER UMA CIDADE DIGITAL? Saúde, educação, segurança, melhor gestão pública e desenvolvimento econômico. Estes são apenas alguns dos benefícios de uma Cidade Digital. As

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL CANELA - RS

INCLUSÃO DIGITAL COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL CANELA - RS INCLUSÃO DIGITAL COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL CANELA - RS DADOS ESTATÍSTICOS População 2010: 39.238 Área da unidade territorial (km²): 254 EMEF: 12 EMEE: 1 EMEI: 10 UBS: 7 Parques Municipais:

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA n 01/2013 PERGUNTAS FREQUENTES

CHAMADA PÚBLICA n 01/2013 PERGUNTAS FREQUENTES CHAMADA PÚBLICA n 01/2013 PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como identificar na cidade onde esta a torre, caixa e fibra? Resposta: No Site do governo do Estado(www.ceara.gov.br) ou no link direto http://cinturao.etice.ce.gov.br/cinturao/public/zabix.jsf,

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Especialização de Engenharia de Produção Análise da Cobertura Móvel nos estádios da Copa do Mundo

Especialização de Engenharia de Produção Análise da Cobertura Móvel nos estádios da Copa do Mundo ISSN 1984-9354 Especialização de Engenharia de Produção Análise da Cobertura Móvel nos estádios da Copa do Mundo Leandro Nogueira Guimarães (LATEC / UFF) Resumo: A telefonia celular tem o grande desafio

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia

Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia Parceria entre a Ericsson e a Vivo promoverá o acesso à educação de qualidade no coração da Amazônia com a implementação de soluções

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Caio Bonilha Telebras 1 Câmara dos Deputados, 06/12/2011 Mercado de Banda Larga no Brasil Conexões Banda Larga por região 9% 2% 17% 63% 9% Norte Nordeste

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 1: Etapas de Projeto e Dimensionamento do Sistema INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Etapas de projeto e dimensionamento

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Projeto MIDAS Município Integrado Digital com Aplicações Sociais

Projeto MIDAS Município Integrado Digital com Aplicações Sociais Projeto MIDAS Município Integrado Digital com Aplicações Sociais Objetivos do Projeto MIDAS Desenvolver uma infraestrutura de intranet via rádio de baixo custo para integração digital total de municípios

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática

Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática Audiência Pública 30/03/2010 Plenário 13 Requerimento 217/2009 - Deputada Luiza Erundina Tema: Discutir os efeitos, as implicações e a viabilidade

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Recife, outubro de 2014 Meta do PNBL Se pacote PNBL de

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Internet Cidadão Quissamã

Internet Cidadão Quissamã Internet Cidadão Quissamã Agenda Introdução Internet Cidadão Rede Prefeitura Situação Internet Cidadão Setembro de 2005 Ausência de provedores locais de acesso à Internet 2 Empresas de Informática (cerca

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST

UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST FORUM NACIONAL do CONSECTI - Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I - SALVADOR - 08/07/2008 Vilson Vedana Consultor Legislativo 1 Câmara dos Deputados

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos

Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos I D C C A S E S T U D Y Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos Janeiro, 2015 João Paulo Bruder, Coordenador de Telecomunicações, IDC Brasil Patrocinado pela Embratel A eficiência

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

Da cidade de pedra à cidade virtual

Da cidade de pedra à cidade virtual Cidades Infovia Inteligentes Municipal (Uma nova revolução social) Da cidade de pedra à cidade virtual Prof. Leonardo Mendes Departamento de Comunicações Fac. Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS

REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS REDE IP WAVENET INFRA-ESTRUTURA MULTISERVIÇOS IP WIRELESS TÓPICOS - INTRODUÇÃO - HISTÓRICO - INTERNET PONTO A PONTO - INTERNET PONTO MULTIPONTO - TECNOLOGIA WI-MESH - REDE MULTISERVIÇOS IP - CASOS PRÁTICOS

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Ministério das Comunicações Desafios para a melhoria da infraestrutura: Ampliação das comunicações móveis Diagnóstico Fonte: Cetic.br Tic Domicílios Diagnóstico Fonte: Cetic.br Tic Domicílios Diagnóstico

Leia mais

Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle

Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Brasília, 17 de abril de 2012 Visão Geral AC Rio Branco Venezuela Boa Vista Manaus AM Hub Satélite RR Porto Velho Rede de fibra ótica

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios

TE155-Redes de Acesso sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Inclusão Digital usando Redes sem Fios Conceito

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF. Case de Sucesso.

RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF. Case de Sucesso. outubro/2012 Case de Sucesso RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail

Leia mais

Aula 1 - Redes de computadores 15

Aula 1 - Redes de computadores 15 Aula 1 - Redes de computadores Objetivos Compreender os conceitos iniciais de redes de computadores. Compreender as principais classificações de redes. Definir e diferenciar as principais topologias de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

ALTEROSA CIDADE DIGITAL Inclusão Digital e Inclusão Social

ALTEROSA CIDADE DIGITAL Inclusão Digital e Inclusão Social ALTEROSA CIDADE DIGITAL Inclusão Digital e Inclusão Social PROF. DIMAS DOS REIS RIBEIRO MESTRE EM HISTÓRIA E CULTURA E DOUTORANDO EM SERVIÇO SOCIAL MUNDO DO TRABALHO E QUESTÃO SOCIAL UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

GENERAL SANTOS GUERRA EXÉRCITO BRASILEIRO

GENERAL SANTOS GUERRA EXÉRCITO BRASILEIRO AS CONSEQUÊNCIAS DA ALOCAÇÃO DA BANDA DE FREQUÊNCIA EM 700 MHz, ATUALMENTE OCUPADA PELA TV ABERTA, E A ELABORAÇÃO DO EDITAL DE LICITAÇÃO PARA OS SERVIÇOS DE BANDA LARGA MÓVEL DE QUARTA GERAÇÃO GENERAL

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

O P apel do Governo Federal nas Cidades Digitais

O P apel do Governo Federal nas Cidades Digitais O P apel do Governo Federal nas Cidades Digitais Mercado Mundial de Banda Larga Fonte: I DC/ Barômetro Cisco Mercado de Banda Larga no Brasil Distribuição Geográfica Dez/ 2007 7,49 milhões conexões crescimento

Leia mais

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Este tutorial apresenta conceitos e modelos de negócios para a implantação das Cidades Digitais e, através de um estudo de caso da cidade da Filadélfia

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Serviço Social do Comércio Departamento Regional Minas Gerais Processo nº 11999/14 Folha nº Informações e/ou despachos RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Licitação: Pregão Eletrônico 0053/2015.

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal III Seminário de Gestão e iza Arrecadação Municipal Modernização dos Instrumentos de Arrecadação Fontes de Financiamento para Fazendas Públicas Municipais. Temas abordados no evento: 1. Alternativas de

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Este tutorial apresenta conceitos e modelos de negócios para a implantação das Cidades Digitais e, através de um estudo de caso da cidade da Filadélfia

Leia mais

Rede Metropolitana de Belo Horizonte: cobrindo a cidade com Wimax, Wimesh e fibras ópticas

Rede Metropolitana de Belo Horizonte: cobrindo a cidade com Wimax, Wimesh e fibras ópticas APTEL / ABEMTIC 2008 Rede Metropolitana de Belo Horizonte: cobrindo a cidade com Wimax, Wimesh e fibras ópticas Apresentação: Lilian Noronha Nassif Sumário Rede Metropolitana de Informática (RMI) de Belo

Leia mais

Liderando a Evolução para Redes Mesh

Liderando a Evolução para Redes Mesh Tendências do mercado A realidade do século 21 A conectividade em Banda Larga tem se transformado numa utilidade tão básica quanto a a eletricidade e o gás As redes mesh wireless fazem hoje, desta tecnologia,

Leia mais

InternetSul. Associação dos Provedores de Serviços de Internet da Região Sul. Fabiano André Vergani Presidente InternetSul

InternetSul. Associação dos Provedores de Serviços de Internet da Região Sul. Fabiano André Vergani Presidente InternetSul Porto Alegre Wireless Junho/2009 InternetSul Associação dos Provedores de Serviços de Internet da Região Sul Fabiano André Vergani Presidente InternetSul Organização 1. Conapsi Quem somos; 2. Breve Histórico

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Telefones Fixos RJ-SP R$ 0,14 Telefones Fixos Brasil R$ 0,19 Telefones Celulares BR R$ 0,69

Telefones Fixos RJ-SP R$ 0,14 Telefones Fixos Brasil R$ 0,19 Telefones Celulares BR R$ 0,69 A é uma operadora VoIP, que tem como objetivo oferecer o melhor serviço de Voip com os menores custos possíveis para o cliente. O VoIP (Voice over Internet Protocol), conhecida também por Voz sobre IP,

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Missão Marco Legal Atuação do CIASC Sistemas Data Center Rede Governo Responsabilidade

Leia mais

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais