Sistemas Distribuídos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Distribuídos"

Transcrição

1 Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Joinvile Batista Junior Sistemas de Arquivos Distribuídos A : Características B : Requisitos C : Arquitetura D : Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 2 1

2 A : Características 1. O que caracteriza um sistema de arquivo distribuído básico. Quais suas restrições? 2. Comente o conceito de abstração do arquivo. Enumere os componentes adicionais de um sistema de arquivos distribuído, em relação a um sistema convencional. UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 3 Sistemas de Arquivos Distribuídos um sistema de arquivo distribuído básico permite que os programas armazenem e acessem arquivos remotos como se fossem locais possibilitando que os usuários acessem seus arquivos a partir de qualquer computador em uma intranet requisitos restritos não mantém várias réplicas persistentes (replicação) nem suportam garantia de largura de banda e temporização (fluxos de dados multimídia) a concentração de armazenamento persistente em alguns poucos servidores reduz a necessidade de armazenamento em disco local facilita o serviço de backup dos dados persistentes da organização simplifica a interface para outros serviços: nomes, autenticação, impressão UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 4 2

3 Características dos Sistemas de Arquivos (SAs) sistemas de arquivos são responsáveis por organização, armazenamento, atribuição de nomes, compartilhamento e proteção de arquivos fornecem API que caracteriza a abstração do arquivo liberando os programadores da preocupação com os detalhes da alocação e do layout do armazenamento físico no disco em um sistema de arquivos não-distribuídos em um SO convencional organização de módulos em camadas funcionais uma camada depende somente das camadas inferiores a implementação de um SA Distribuído tem componentes adicionais para tratar da comunicação cliente-servidor e da atribuição de nomes e da localização de arquivos distribuídos UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 5 Módulos de SA organizados em Camadas Directory module: File module: relates file names to file IDs relates file IDs to particular files Access control module: checks permission for operation requested File access module: Block module: Device module: reads or writes file data or attributes accesses and allocates disk blocks disk I/O and buffering UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 6 3

4 Características dos Sistemas de Arquivos (SAs) os sistemas de arquivos são projetados para armazenar e gerenciar um grande número de arquivos com recursos para: criação, atribuição de nomes e exclusão de arquivos a atribuição de nomes de arquivos é suportada pelo uso de diretórios responsabilidade pelo controle de acesso aos arquivos restringindo o acesso de acordo com as autorizações dos usuários e do tipo de acesso requisitado: leitura, escrita, execução um diretório é um arquivo especial que fornece um mapeamento de nomes textuais para identificadores internos de arquivo podem incluir nomes de outros diretórios: hierarquia de nomes UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 7 Características dos Sistemas de Arquivos (SAs) arquivos contém atributos mantidos em um único registro contendo informação de tamanho de arquivo, indicações de tempo, tipo de arquivo, identidade do proprietário e listas de controle de acesso em caracter ilustrativo: principais operações sobre arquivos do UNIX chamadas de sistema implementadas pelo núcleo acessadas pelos aplicativos como funções de biblioteca são baseados em informações sobre o estado do arquivo consistem em uma lista de arquivos correntemente abertos e um ponteiro de leitura e escrita que fornece a posição da próxima operação de leitura e escrita UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 8 4

5 B : Requisitos 1. Comente os requisitos de transparência para Sistemas de Arquivos Distribuídos: acesso, localização, mobilidade. 2. Comente um Sistemas de Arquivos Distribuídos moderadamente tolerante a falhas. Qual o problema associado à desconexão? 3. Explique o requisito de consistência para Sistemas de Arquivos Distribuídos e qual o problema decorrente da replicação. UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 9 Requisitos do Sistema de Arquivos Distribuídos Transparência serviço mais usado em uma intranet portanto: funcionalidade e desempenho críticos contrabalançar transparência (flexibilidade e escalabilidade) com a complexidade e o desempenho do software transparência de acesso acesso local e remoto indistinto programas não devem conhecer a distribuição dos arquivos transparência de localização mesmo espaço de nomes independente do deslocamento de arquivos em servidores UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 10 5

6 Requisitos do Sistema de Arquivos Distribuídos Transparência transparência de mobilidade não precisam ser alterados quando os arquivos são movidos programas clientes tabelas de administração de sistema no nós clientes transparência de desempenho programas devem continuar a funcionar enquanto a carga sobre o serviço varia dentro de um intervalo especificado transparência de mudança de escala o serviço pode ser expandido de forma paulatina para tratar com uma ampla variedade de cargas e tamanhos de rede UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 11 Requisitos do Sistema de Arquivos Distribuídos Atualizações concorrentes de arquivos as alterações feitas em um arquivo por um cliente não devem interferir na operação de outros clientes a maior parte dos SAs atuais segue os padrões UNIX fornecendo travamento (locking) em nível de arquivo e em nível de registro Replicação de arquivos em um SA que suporta replicação um arquivo pode ser representado por várias cópias do seu conteúdo em diferentes locais duas vantagens: compartilhamento de carga e tolerância a falhas poucos servidores suportam replicação completa mas a maioria suporta uma forma de replicação limitada armazenamento de arquivos (ou de porções de arquivos) em caches locais UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 12 6

7 Requisitos do Sistema de Arquivos Distribuídos Tolerância a falhas por ser parte essencial nos SDs é essencial que o SA Distribuídos continue a funcionar diantes das falhas dos clientes e dos servidores um projeto moderadamente tolerante à falhas baseado na semântica de invocação no máximo uma vez (não resposta retorna exceção) ou na semântica de pelos menos uma vez com um protocolo baseado em operações idempotentes (duplicação não causa erro) para garantir que solicitações duplicadas não resultem em atualizações inválidas a tolerância às falhas de desconexão ou de um servidor é mais dificil de obter exige replicação do arquivo UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 13 Requisitos do Sistema de Arquivos Distribuídos Heterogeneidade do hardware e do SO sistemas abertos: interfaces do serviço devem permitir a implementação para diferentes SO e computadores Consistência os SAs convencionais (ex: fornecido pelo UNIX) oferecem semântica de atualização por uma única cópia arquivo visto por todos os processos como se existisse apenas uma única cópia quando os arquivos são replicados, ou armazenados em cache, em diferentes sites há um atraso inevitável na propagação das modificações: feitas em um site para outros sites que poderá resultar um certo desvio da semântica da cópia única UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 14 7

8 Requisitos do Sistema de Arquivos Distribuídos Segurança praticamente todos os SAs fornecem mecanismos de controle baseados no uso de listas de controle de acesso nos SAs Distribuídos há necessidade de autenticar as requisições dos clientes para garantir o acesso a usuários com permissão de acesso e para proteger o conteúdo das mensagens de requisição e respostas com assinaturas digitais e opcionalmente com criptografia de dados secretos Eficiência objetivo para SAs Distribuídos uma performance comparável a um sistema de arquivos locais UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 15 C : Arquitetura 1. Conceitue arquitetura de modelo abstrato para um serviço arquivos e seus componentes. 2. Comente os 2 métodos utilizados para controle de acesso do usuário em Sistemas de arquivos distribuídos. Qual a vulnerabilidade associada e qual o esquema adotado? UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 16 8

9 Arquitetura do Serviço de Arquivos modelo abstrato para um serviço de arquivos abstraindo as preocupações com a implementação e fornecendo um modelo simplificado uma arquitetura baseada em 3 componentes serviço de arquivos (flat files) operações sobre o conteúdo dos arquivos utiliza identificadores únicos (em um SD) de arquivo» UFIDs (unique file identifiers) serviço de diretório mapeamento de nomes textuais e seus UFIDs módulo cliente executado em cada computador cliente extendendo as APIs do serviço de arquivos e de diretórios» para um interface de programação única também contém informações sobre os locais de rede» dos processos dos servidores de arquivo e diretório UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 17 Modelo de Arquitetura de Serviços de Arquivos Client computer Lookup AddName UnName GetNames Server computer Application program Application program Directory service Flat file service Client module Read Write Create Delete GetAttributes SetAttributes UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 18 9

10 API RPC (Remote Procedure Call) do Serviço de Arquivos Read (FileId, first_element, n_elements) Data lê uma sequência de n elementos de um arquivo a partir de first_element Exceção BadPosition: para first_element inválido Write (FileId, first_element, Data) grava uma sequência de Data de um arquivo a partir de first_element ampliando o arquivo se necessário Exceção BadPosition: idem Create () FileId Cria um arquivo de tamanho 0 e retorna seu UFID Delete (FileId) remove arquivo GetAttributes (FileId) Attr retorna os atributos do arquivo SetAttributes (FileId, Attr) configura alguns atributos do arquivo não configura: tamanho e indicação de tempo UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 19 API RPC do Serviço de Arquivos interface funcionalmente equivalente às primitivas do UNIX com algumas diferenças fundamentais operações podem ser repetidas: são idempontentes uso de semântica RPC pelo menos uma vez : clientes podem repetir chamada sem resposta com exceção de Create: que produz um novo arquivo servidores sem estado servidor pode ser reiniciado após falha: sem necessidade dos clientes e do servidor restaurarem estado controle de acesso no UNIX os direitos de acesso são verificados em relação ao modo de acesso (leitura ou escrita) na chamada do open os direitos de acesso são mantidos até o arquivo ser fechado em SDs as verificações não precisam ser no servidor se servidor mantém direitos para acessos futuros não seria mais sem estado UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 20 10

11 API RPC do Serviço de Arquivos estratégias para controle de acesso nas requisições verificação de acesso quando nome do arquivo é convertido em UFID e resultados codificados em capacidade que é retornada para o cliente para envio em requisições subsequentes identidade do usuário é enviada com cada requisição de cliente e as verificações de acesso são realizadas pelo servidor para cada operação de arquivo os 2 métodos permitem implementação de um servidor sem estado e tem sido utilizados em SDs Distribuídos mas o segundo é mais comum: utilizado no NFS nenhuma destas estratégias resolve a vulnerabilidade à identidades de usuários falsificadas Kerberos é uma esquema de autenticação eficaz usado no NFS UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 21 API RPC do Serviço de Diretórios Lookup (Dir, Name) FileId retorna o UFID correspondente ao Name no diretório Exceção NotFound: se Name não estiver no diretório AddName (Dir, Name, FileId) adiciona arquivo FileId com Name no diretório Exceção NameDuplicate: se Name já estiver no diretório UnName (Dir, Name) remove a entrada Name do diretório Exceção NotFound: se Name não estiver no diretório GetNames (Dir, Pattern) NameSeq retorna todos os nomes textuais presentes no diretório que correspondam à expressão regular Pattern UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 22 11

12 API RPC do Serviço de Diretórios sistema de arquivos hierárquico: equivalente ao do UNIX diretórios organizados em uma estrutura de árvore qualquer arquivo ou diretório pode ser localizado através de um caminho (pathname) um sistema de atribuição de nomes como o do UNIX pode ser implementado pelo módulo cliente através dos serviços de arquivo e diretório uma hierarquia é construída com arquivos nas folhas e diretórios nos demais nós atribuição de vários nomes a um arquivo através de AddName função que o obtenha o UFID de uma arquivo a partir de um caminho a função interpreta o nome do caminho a partir da raiz utilizando Lookup em um diretório hierárquico os atributos dos arquivos devem incluir um campo que diferencie arquivo de diretório UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 23 D : Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) 1. Comente o controle de acesso do NFS: como funciona, sua brecha de segurança e a solução encontrada. 2. Conceitue montagem de arquivos. Como funciona, no NFS, a solução de um nome de caminho que inclui um ponto de montagem vazio através da montagem automática? 3. Comente as medidas extras para uso do cache no servidor. UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 24 12

13 Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) a arquitetura do NFS segue o modelo abstrato de serviço de arquivos todas as implementações NFS suportam o protocolo NFS o protocolo NFS é independente de SO mas foi desenvolvido originalmente para uso em redes UNIX o estudo de caso descreve a implementação UNIX do NFS módulo servidor NFS reside no núcleo de cada computador que atua como servidor NFS módulo cliente NFS transforma requisições de arquivos remotos em operações do protocolo NFS e repassa para módulo servidor NFS no computador que contém o SA em questão: comunicação por RPC sistema de arquivos virtual suporta transparência de acesso programas de usuário executam operações de arquivo em arquivos locais e remotos, sem distinção integra: SA do UNIX, Cliente NFS e outros SAs UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 25 Arquitetura NFS Client computer Server computer UNIX system calls UNIX kernel Application program Local Application program Virtual file system Remote UNIX kernel Virtual file system UNIX file system Other file system NFS client NFS protocol NFS server UNIX file system UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 26 13

14 Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) Controle de Acesso e Autenticação ao contrário do SA UNIX convencional o servidor NFS é sem estado e não mantém arquivos abertos a cada requisição, a servidor deve verificar novamente a identidade do usuário nos atributos de permissão de acesso ao arquivo o protocolo RPC Sun exige que os clientes enviem informações de autenticação do usuário em cada requisição existe uma brecha de segurança neste mecanismo o cliente pode modificar as chamadas de RPC para incluir a ID de outro usuário personificando-o sem seu conhecimento ou permissão solução para brecha de segurança inicial: criptografia DES das informações de autenticação do usuário recente: integração com o Kerberos UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 27 Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) Serviço de Montagem a montagem de subárvores de SAs remotos feita por clientes é suportada por um versão modificada do comando mount do UNIX que se comunica com o processo do serviço de montagem do host remoto protocolo RPC que inclui uma operação que recebe um nome de caminho de diretório e retorna o manipulador do arquivo do diretório: caso o cliente tenha permissão de acesso a figura do slide seguinte ilustra Cliente pode acessar arquivos no Servidor 1 e no Servidor 2 usando respectivamente os nomes de caminho /usr/students/jon e /usr/staff/ann UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 28 14

15 Acesso Local e Remoto de Sistemas de Arquivos Server 1 (root) Client Server 2 (root) (root) export... vmunix usr nfs people Remote mount students x staff Remote mount users big jon bob... jim ann jane joe UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 29 Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) Montagem Automática (automounter) monta dinamicamente um diretório remoto quanto um ponto de montagem vazio é referenciado pelo cliente mantém uma tabela de pontos de montagem (nomes de caminho) com referências para um ou mais servidores quando o Módulo Cliente NFS tenta solucionar um nome de caminho que inclui um desses pontos de montagem faz um requisição de lookup para o automounter local que envia um pedido de sondagem (probe) para cada servidor remoto o SA do servidor que responder primeiro é então montado no cliente: utilizando o serviço de montagem normal o SA montado é associado ao ponto de montagem para evitar novas chamadas ao automounter replicação pode ser utilizada para proporcionar um grau limitado de tolerância a falhas e balanceamento de carga UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 30 15

16 Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) Uso do Cache no Servidor nos sistemas UNIX convencionais blocos de arquivos, diretórios e atributos de arquivos são mantidos em cache na memória principal até que o espaço de cache seja exigido por outros blocos leitura antecipada (read-ahead): adianta acessos de leitura busca os blocos seguintes aos lidos mais recentemente escrita postergada (delayed write): otimiza operações de escrita gravação do bloco alterado ocorrerá somente quando o espaço ocupado pelo bloco no cache for requisitado para evitar falha: periodicidade de 30 seg os servidores NFS usam o cache da mesma forma mas para operações de escrita: medidas extras são necessárias UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 31 Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) Uso do Cache no Servidor 2 opções para a operação write escrita direta (write-through) gravados no disco antes que um resposta seja enviada ao cliente clientes podem continuar a operar quando um servidor falha operação de efetivação (commit) gravados no disco quando um commit for recebido para o arquivo opção para o gargalo decorrente de operações de escrita direta em servidores que recebem grandes quantidades de requisições UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 32 16

17 Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) Uso do Cache no Cliente o Módulo Cliente NFS armazena em cache os resultados das operações: read, write, lookup, readdir para reduzir o número de requisições feitas aos servidores o uso de cache no cliente implica na possibilidade de existirem diversas versões de arquivos em diferentes nós clientes pois as gravações feitas por um cliente não resultam na atualização imediata em outros clientes um método baseado em timestamps é usado para validar blocos armazenados em cache antes de serem usados UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 33 Estudo de Caso: SUN NFS (Network File System) Sun NFS é um excelente exemplo de um serviço distribuído simples, robusto, com alta performance atende muitos requisitos importantes de projeto Cache eficiente de cliente pode resultar em uma performance igual ou superior a sistemas de arquivos locais A maioria das falhas de cliente e servidor podem ser contornadas Requisitos Futuros suporte para usuários móveis, operação de desconexão e reintegração automática suporte para stream de dados e qualidade de serviço UFGD - SD 07 - Joinvile Batista Junior 34 17

Desenvolvimento de Sistemas Distribuídos Aula 03 Sistema de Arquivos Distribuídos

Desenvolvimento de Sistemas Distribuídos Aula 03 Sistema de Arquivos Distribuídos Desenvolvimento de Sistemas Distribuídos Aula 03 Sistema de Arquivos Distribuídos Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com Agenda Sistema de Arquivos Distribuídos Introdução Requisitos do sistema de arquivos

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 8 Sistema de Arquivos Distribuído Sumário Problemas Solução

Leia mais

Sistemas de Arquivos Distribuídos. Universidade Federal do ABC Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto

Sistemas de Arquivos Distribuídos. Universidade Federal do ABC Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Sistemas de Arquivos Distribuídos Universidade Federal do ABC Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Conceitos Dois tipos Stateless Statefull Statefull Mantém informações de estado Nome do arquivo Ponteiro

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos 331 Arquivo: objeto que existe após criação, é imune a falhas temporárias e é persistente até que seja destruído Propósito de arquivos: armazenamento

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos Aula 23 Distribuídos SOs de Rede Em sistemas operacionais de rede você sabe quando é local e quando é remoto. Assim, o trabalho não muda, com exceção de comandos para acesso remoto: - telnet - ftp - etc.

Leia mais

Pg. Autoria. Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer. Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS. Projeto de. Sistemas de Arquivos Distribuídos (DFS) Súmula

Pg. Autoria. Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer. Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS. Projeto de. Sistemas de Arquivos Distribuídos (DFS) Súmula Autoria 1 versão Alunos de disciplina do PPGC Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer Sistemas Distribuidos Sistema de Arquivos Distribuídos 1 Sistemas Distribuidos Sistema

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

Transparência de Localização. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Serviço de Arquivos X Servidor de Arquivos

Transparência de Localização. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Serviço de Arquivos X Servidor de Arquivos Sistemas de Arquivos Distribuídos nnetwork File System - NFS (Sun) nandrew File System - AFS (IBM) Serviço de Arquivos X Servidor de Arquivos nserviço de Arquivos o que o sistema de arquivos oferece para

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas de Ficheiros Distribuídos Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org December 16, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos

Leia mais

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistemas Operacionais 3º bimestre Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistema de Arquivos (1) Todas as aplicações precisam armazenar e recuperar informações. Considerações sobre os processos: Espaço

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

the slides) Sobre a apresentação (About( Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Objetivos

the slides) Sobre a apresentação (About( Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Objetivos Sobre a apresentação (About( the slides) Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin e Gagne em 2005. Esse apresentação

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Sistemas Cliente-Servidor

Sistemas Cliente-Servidor Sistemas Cliente-Servidor Disciplina Bancos de Dados II (INE 5616 2006-1) Curso de Sistemas de Informação Prof. Renato Fileto INE/CTC/UFSC 1 1 Cliente - Servidor Arquitetura cliente/servidor: Os servidores

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos Capítulo 6 Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas de arquivos 1 Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS. Projeto

Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS. Projeto Curso de Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS Projeto Sistemas Distribuidos Sistema de Arquivos Distribuídos 1 Autoria Autoria 1a versão Alunos de disciplina do PPGC Revisões C.

Leia mais

Sistema de Arquivos EXT3

Sistema de Arquivos EXT3 Sistema de Arquivos EXT3 Introdução Ext3 é uma nova versão do Ext2. Possui as mesmas estruturas do ext2, além de adicionar as propriedades do Journal. O uso do Ext3 melhora na recuperação do sistema(dados),

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Sistemas de Arquivos. Sistemas Operacionais - Professor Machado Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito grande de informação 2. A informação deve

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

Sistemas Distribuídos RPC

Sistemas Distribuídos RPC Sistemas Distribuídos RPC Disciplina: Sistemas Distribuídos Prof.: Edmar Roberto Santana de Rezende Faculdade de Engenharia de Computação Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Pontifícia

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

Estrutura Interna do KernelUNIX Sistema O. Estrutura Interna de Arquivos (1) Estrutura Seqüência. User application. Standard Unix libraries

Estrutura Interna do KernelUNIX Sistema O. Estrutura Interna de Arquivos (1) Estrutura Seqüência. User application. Standard Unix libraries Sistemas de Arquivos (Aula 23) Funções Profa. Gerência Sistema de um processos SO Patrícia D. CostaLPRM/DI/UFES de de de Proteção memória I/O Arquivos Necessidade 2 Sistemas Operacionais 2008/1 Grandes

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Turma de Redes AULA 06 www.eduardosilvestri.com.br silvestri@eduardosilvestri.com.br Estrutura do Sistema Operacional Introdução É bastante complexo a estrutura de um sistema operacional,

Leia mais

Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes

Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes Paulo.Guedes@inesc.pt Alves Marques jam@inesc.pt INESC/IST 1 Sistema de Ficheiros Distribuídos Permite a

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br

http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Características O que são os Sistemas Distribuídos? Benefícios : Não são consequências automáticas da distribuição;

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Introdução e o Domain Name System Serviço de Diretório Estudo de caso: Global Name Service Estudo de caso: X.500 Directory Service Introdução SISTEMAS

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34 Comunicação em Sistemas Distribuídos Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34 Comunicação em Sistemas Distribuídos Protocolos regras que os processos que estão se comunicando tem de seguir Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Máquinas e processos podem ser identificados por endereços (hierárquicos ou não) conforme visto, como IP, IP+NroPorta, No uso por usuários

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Comunicação. Parte II

Comunicação. Parte II Comunicação Parte II Carlos Ferraz 2002 Tópicos Comunicação Cliente-Servidor RPC Comunicação de objetos distribuídos Comunicação em Grupo Transações Atômicas Comunicação Stream 2 Comunicação cliente-servidor

Leia mais

Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos

Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos Pilhas de Dispositivos Drivers no Windows Vista podem fazer todo trabalho sozinho; Uma requisição pode passar por uma seqüência

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Google File System Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Tópicos abordados Sistemas de arquivos Sistemas de arquivos distribuídos Google File System Gmail File System Linux Windows Gspace Referências

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

Capítulo 6. Gerenciamento de Arquivos. 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos

Capítulo 6. Gerenciamento de Arquivos. 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos Capítulo 6 Gerenciamento de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos 1 Armazenamento de longo prazo 1. Deve guardar grandes volumes de dados. 2. Informação armazenada

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais