Empreendedorismo e inclusão social - um estudo de caso: internet sem telefone

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendedorismo e inclusão social - um estudo de caso: internet sem telefone"

Transcrição

1 Empreendedorismo e inclusão social - um estudo de caso: internet sem telefone Antonio Wellington Sales Rios (FATEC Centro Paula Souza) José Manoel Souza das Neves (FATEC Centro Paula Souza) Resumo: Acesso à Internet tem sido colocado pela sociedade e governos como fator importante no processo de inclusão digital. Entretanto a qualidade adequada e os custos ainda são obstáculos. O processo de globalização tem estabelecido um ambiente de competição bastante acirrado. Tecnologias desenvolvidas em qualquer lugar do mundo, rapidamente são difundidas e colocadas à disposição para seu emprego pelas empresas empreendedoras e com espírito inovador, resultando em competitividade. A necessidade de baixar custos e aumentar a qualidade de produtos e serviços tem empurrado empresas a um processo de modernização, onde apenas as mais adaptáveis e criativas conseguem se manter em suas áreas de atuação. O desemprego tende a aumentar dentre os menos preparados, enquanto profissionais especializados são valorizados. Este trabalho aborda três aspectos dessa problemática que estão intrinsecamente relacionados: a tecnologia wireless como um meio de acesso à Internet de baixo custo e alta qualidade; a gestão empreendedora na busca da inovação para conquistar novos mercados; e a questão do emprego sob a ótica do processo de inovação tecnológica. Apresentaremos, também, um estudo de caso, onde uma empresa nacional estabelece um esquema de acesso à Internet wireless com sucesso e grande expansão em São Paulo. Palavras Chave: Empreendedorismo; Inclusão Social; Internet 1. Introdução Não apenas o Brasil, mas também o mundo, atravessa uma fase de grandes mudanças. Nunca, no processo da evolução humana, as mudanças aconteceram de forma tão rápida e tão profunda. O entendimento desse processo, a análise dos aspectos motivacionais envolvidos e o posicionamento para tomada de decisões adequadas e oportunas são desafios que despertam o interesse de estudiosos na tentativa de modelar comportamentos que levem a padrões explicativos das causas de sucesso e fracasso dos perfis profissionais encontrados no mercado. Quais os motivadores de ações empreendedoras que levam empresas e pessoas a arriscarem em novos e incertos empreendimentos? Qual o papel e o perfil do empreendedor dentro da atual conjuntura? Que relações se estabelecem com os modelos existentes? Respostas a essas questões nos ajudam entender o ambiente atual e nos apontam alguns indicadores para o sucesso de empreendimentos dentro da conjuntura global de competição e mercado. O avanço tecnológico e o emprego dessas novas tecnologias de forma empreendedora, agressiva e rápida têm mostrado o caminho a ser seguido pelas empresas e pessoas que pretendem se manter nesse cenário globalizado irreversível. Mesmo empresas focadas no mercado nacional e que não pretendem exportar produtos e serviços, são forçadas a realizar inovações com melhoria de qualidade e redução de custo, sob pena de serem substituídas por empresas sediadas no outro lado do mundo que conseguem colocar seus produtos e serviços aqui no mercado interno com melhor qualidade e menor custo. O consumidor está cada vez ENEGEP 2004 ABEPRO 4108

2 mais exigente e menos sensível a origem dos produtos e serviços. O que define o consumo é a qualidade e o preço. As regras de competição mudaram e não mais a grande empresa engolirá a pequena, mas a rápida sufocará a lenta. Nesse ambiente de grandes mutações obrigatórias, um elo importantíssimo do sistema sofre mais: o trabalhador. Assim, assistimos a um processo mundial de desemprego que na realidade, na maioria dos casos, é mais de mutação dos postos de trabalho do que realmente de fechamento dos mesmos. As inovações tecnológicas transformam o perfil do posto de trabalho e requerem rapidamente trabalhadores mais preparados que nem sempre o ocupante do posto consegue responder com a atualização necessária no tempo exigido, sendo substituído. No passado esse problema também era observado, só que o espaço de tempo exigido pela mudança era maior, sendo possível esperar, talvez, pela próxima geração de trabalhadores que naturalmente eram mais preparados. Percebe-se uma substituição do emprego tradicional pelo auto-emprego, onde o trabalhador empreende e cria seu próprio emprego. 2. Empreendedorismo Schumpeter (1959), em seus estudos sobre empreendedorismo já chamava a atenção para o fenômeno da inovação. "A essência do empreendedorismo está na percepção e aproveitamento das novas oportunidades no âmbito dos negócios... sempre tem a ver com criar nova forma de uso dos recursos nacionais, em que eles sejam deslocados de seu emprego tradicional e sujeitos a novas combinações. Dos trabalhos de Cantillon e Say (in DRUCKER, 1987), observa-se que empreendedores são pessoas que correm riscos, investem seu próprio capital em negócios. Para Cantillon, os empreendedores compram matéria-prima por um certo preço, com o objetivo de transformá-la e revendê-la por um preço ainda incerto. Assim, poder-se-ia afirmar que empreendedores são pessoas que, assumindo riscos, aproveitam oportunidades com o objetivo principal de obterem lucros. No entanto, para Say o importante seria a ligação entre empreendedores e inovação, tornando-se agentes da mudança. Por ser um empreendedor, foi o primeiro a definir as fronteiras do empreendedor na concepção moderna do termo. Se de um lado economistas como: Knigt, 1921; Innis, 1930; Baumol, 1968; Broehl, 1978; Leff, 1978; Kent, Sexton, e col., 1982 preocupavam-se em mostrar o empreendedorismo como motor do sistema econômico, de outro, Cantillon, Say, Schumpeter e outros, focavam o aspecto da inovação que o empreendedorismo pressupõe. Os economistas deram passos importantes, entretanto, a preocupação em quantificar e mensurar ensejou dificuldades no avanço do estudo do empreendedorismo. Um maior aprofundamento do tema se dá a partir de estudos comportamentalistas. Essa visão pode ser vista em David (1962): "Ser empreendedor significa ter, acima de tudo, a necessidade de realizar coisas novas, por em prática idéias próprias, características de personalidade e comportamento que nem sempre é fácil de se encontrar. Psicologicamente, as pessoas podem ser divididas em dois grandes grupos, uma minoria que, quando desafiada por uma oportunidade, está disposta a trabalhar arduamente para conseguir algo, e uma maioria que, na realidade não se importa tanto assim. As pessoas que têm necessidade de realizar se destacam porque, independente de suas atividades, fazem com que as coisas aconteçam. ENEGEP 2004 ABEPRO 4109

3 Os comportamentalistas dominaram o campo do empreendedorismo e tinham como objetivo definir empreendedores e suas características. Essas características apontadas nestes estudos podem, ainda hoje, refletir o espirito do empreendedor. Dentre as características mais comuns atribuídas aos empreendedores pelos comportamentalistas estão: Inovação Otimismo Tolerância à Ambigüidade e Incerteza Liderança Orientação para resultados Iniciativa Riscos Moderados Flexibilidade Capacidade de aprendizagem Independência Habilidade para conduzir situações Habilidade na utilização de recursos Criatividade Necessidade de realização Sensibilidade Energia Autoconsciência Agressividade Tenacidade Autoconfiança Tendência a confiar nas pessoas Originalidade Envolvimento em longo prazo Dinheiro como medida de desempenho Fonte: Hornaday, 1892; Meredith, Nelson e col, 1982; Timmons, 1978 (in Cavalcanti, 2001) Uma das grandes diferenças entre o empreendedor e trabalhadores comuns é que o primeiro define as metas que vão determinar seu próprio futuro e com freqüência identifica oportunidades de negócios, nichos de mercado e se organiza para atingir seus objetivos, enquanto os segundos se limitam a executar suas tarefas de forma rotineira. Nos anos 80, organizações e sociedades foram forçadas a buscar novas abordagens para incorporar as rápidas mudanças tecnológicas à sua dinâmica. O mundo mudou rapidamente. O capitalismo e o socialismo não eram suficientes para explicar o fenômeno. O maior bem que uma sociedade possui são os seus recursos humanos, que devem ser mobilizados em direção a projetos de caráter empreendedor. Depois do colapso da União Soviética, a guinada em busca de desempenho, liderando ou seguindo outras economias, parece se intensificar. O empreendedorismo parece ser a força motriz que resulta de um estado de confiança entre os indivíduos de uma sociedade. No Brasil, o SEBRAE tem sido a instituição mais preocupada com a formação de novos empreendedores o tema já vem sendo debatido com mais freqüência e intensidade em vários institutos e faculdades, algumas criando disciplinas de empreendedorismo, principalmente em cursos de Administração de Empresas ou formando grupos e linhas de pesquisa Tipos de Empreendedores e Velocidade das Mudanças Podemos destacar dois grupos de empreendedores: os empreendedores involuntários e os voluntários. O empreendedor involuntário é produto da atual conjuntura e é composto principalmente de recém-formados e trabalhadores desempregados que, demitidos pelo fechamento ou reestruturação de corporações, não conseguem qualificação para os novos postos de trabalho e assim, são forçados a criarem os próprios empregos. Empreendedores involuntários não são empreendedores no sentido da definição apresentada, embora criem uma atividade de negócio, criando valor, não são movidos pelo espírito inovador. Enquanto inovação e crescimento são as palavras-chave para se definir o empreendedor voluntário, para o grupo dos involuntários ou auto-empregados, são ecologia pessoal e estilo de vida equilibrado. A velocidade da mudança tecnológica está diretamente relacionada às competências das pessoas e das organizações em gerenciar de forma empreendedora, ou seja, com criatividade e eficácia. O indivíduo repetidor de tarefas e a organização baseada na produção inflexível e no volume não se manterão em posição de liderança por muito mais tempo. Quanto maior a organização, mais tempo ela necessita para aprender e mudar. Além de um certo tamanho, o tempo requerido para a realização de mudanças internas é maior que a velocidade das mudanças externas. ENEGEP 2004 ABEPRO 4110

4 Por esse motivo estamos assistindo à crescente evolução do empreendedorismo. Quanto maior a velocidade da mudança tecnológica, maior a probabilidade do empreendedorismo ser expresso através de formas organizacionais menores. Companhias com maior probabilidade de sucesso e crescimento serão aquelas com grande flexibilidade tanto de produtos quanto de processos, tendo a inovação como principal característica para competir e diferentes formas de empreendedorismo poderão se desenvolver Empreendedores Tecnológicos Para o fortalecimento das economias nacionais, hoje, a agricultura, a indústria e o comércio estão sofrendo transformações tecnológicas profundas. A alta produtividade não mais é garantia de sucesso, mas sim o quanto se produz com melhor qualidade e menor custo, utilizando para isso tecnologia de ponta. Estamos assistindo a uma verdadeira revolução na agricultura e pecuária, através da biotecnologia e engenharia genética, embora os aspectos éticos e de segurança estejam ainda em amadurecimento. A ciência está atropelando as discussões éticas e a própria legislação ou a falta dela. Para Formica (1999), os governos devem encorajar a criação e o crescimento de empresas de base tecnológica pela promoção dos empreendedores tecnológicos. Os traços mais importantes dessa personalidade são: Proximidade com o mundo acadêmico; Buscar oportunidades de negócios na economia digital e no conhecimento, sobretudo nos campos da eletrônica, computação e software, biotecnologia, tecnologia voltada para o meio ambiente; Possuir cultura predominantemente técnica; Atração por desafios, investindo em nichos de mercado onde a taxa de sobrevivência é baixa; Visão dos negócios e conhecimento adequado das forças competitivas do mercado. O ambiente empresarial impõe pressões sobre as organizações, traduzidas em ameaças e oportunidades. As empresas deverão responder a essas demandas, acompanhando a evolução ambiental e modificando seus sistemas para se adequarem às novas mudanças, ao mesmo tempo em que criam sistemas com fins específicos para lidar com tais mudanças, transformando ameaças em oportunidades. No caso brasileiro, há um complicador adicional, os segmentos político e econômico são tão mutáveis que é impossível a qualquer empresa sobreviver sem que o empreendedor dê uma atenção toda especial à questão financeira. Competir globalmente com taxas de juros e carga tributária brasileiras é tarefa bastante árdua. Formica (1999) afirma sobre o empreendedor tecnológico:... este deve mudar de atitude para ajudar seus clientes a aproveitarem as vantagens acarretadas pelas mudanças tecnológicas. Ao contrário do que se pensa, a criatividade em tecnologia está longe de habituá-lo a aproveitar as oportunidades que mudam o presente. A visão tecnológica precisa ser enriquecida com criatividade tanto no planejamento da produção quanto no marketing. Possivelmente, a grande mortalidade de empresas no Brasil na fase inicial tenha como um dos fatores a pouca importância dada pelos empreendedores aos aspectos financeiros como capital de giro, reservas financeiras, provisões e outros necessários às operações normais da empresa. 3. O Emprego e a Inovação Tecnológica Há uma corrente de pensamento defensora da idéia de que a inovação tecnológica e a automatização promoverão um grande desemprego nos países de economias emergentes e até ENEGEP 2004 ABEPRO 4111

5 mesmo nos mais desenvolvidos. Baseiam-se no fato de que com a automatização dos processos industriais os trabalhadores serão substituídos e colocados à margem do mercado. Uma outra corrente defende a idéia de que a inovação tecnológica proporcionada pela nova tecnologia da informação e comunicação - ICT (Information and Communication Technology), como processo irreversível, promoverá um deslocamento do emprego, ou seja, enquanto postos de trabalho com perfis repetitivos serão fechados, outros, com maior ênfase na criação e valores humanos, serão abertos. Freeman (1997) afirma que: Se o balanço líquido desses efeitos no emprego direto ou indireto será no final positivo ou negativo não pode ser avaliado pela simples contagem dos novos empregos ganhos e dos velhos destruídos. Tem-se que reconhecer que os efeitos expansionários da sociedade da informação em qualquer economia nacional ou na economia mundial como um todo, dependerá paradoxalmente da maneira pela qual a ICT criará as bases para o círculo virtuoso de crescimento, onde o investimento é alto, a produtividade da mão-de-obra cresce rápido, mas as perdas também crescem rápido, assim sobrando um crescimento liquido no emprego. Percebe-se, então, que a solução dessa questão do emprego não é uma tarefa muito simples, uma vez que envolve toda a sociedade e governos. O trabalhador da era da informação precisa ter uma formação básica mais sólida, que o permita transitar entre postos de trabalho com desenvoltura, e não dispensa o conhecimento dos processos de transmissão de informações. O simples treinamento na função não mais garante a permanência do trabalhador no posto. Outra vertente bastante forte é a criação do ambiente propício ao empreendedorismo. As empresas com maiores chances de sucesso nesse novo cenário são as pequenas e ágeis empresas, utilizando alta tecnologia e que optam por terceirizações que acabam por criar uma rede de fornecedores alicerçados, basicamente, na Inovação e empreendedorismo. Portanto, a sociedade e governos precisam perceber com antecedência essa tendência de mudança, tomando de medidas proativas no sentido de se anteciparem ao processo de adaptação do perfil do trabalhador para que não sejamos atropelados e vencidos pelos concorrentes. 4. Acesso à Internet A Internet representa um avanço tecnológico muito importante para o desenvolvimento das pessoas e empresas, sendo uma rede mundial de computadores com todas as qualidades e defeitos que um meio de comunicação tão abrangente e democrático como este possui. A inclusão digital tem sido apontada como uma das principais formas de inclusão social. Sem dúvidas a Internet é um forte aliado na consecução dos objetivos educacionais de massa. Como a Internet é uma grande rede de computadores, para que se possa utilizá-la é necessário que façamos parte dessa rede, ou seja, precisamos de alguma forma nos conectarmos. As possibilidades de conexão com a Internet, disponíveis hoje no Brasil, são: conexão discada via modem de 56Kbps, utilizando linha telefônica analógica comum; conexão via cable modem de 128, 256 Kbps ou mais, utilizando a infra-estrutura de TV a cabo; conexão via modem digital ISDN (Integrated Services Digital Network) ou DSL (Digital Subscriber Line) com velocidades de 128, 256 Kbps ou mais, utilizando linhas digitais; e por fim conexão via rádio com velocidades até 11Mbps, utilizando antenas e equipamentos de rádio-transmissão. O acesso a Internet através de linhas telefônicas analógicas comuns têm baixa velocidade, custo relativamente alto, qualidade de conexão razoável e o inconveniente de indisponibilizar o telefone enquanto se esta conectado. Portanto é uma solução que tende a desaparecer. ENEGEP 2004 ABEPRO 4112

6 O acesso via cable modem, e modem digital ISDN ou DSL tem boa qualidade, boa velocidade, custo relativamente alto e pouca disponibilidade, uma vez que a infra-estrutura de TV a cabo e linhas digitais atinge poucas regiões do país. O acesso via rádio tem boa qualidade, boa velocidade, custo relativamente baixo e, em combinação com cabos de fibras óticas e de pares trançados, pode ser disponibilizado em qualquer região. Os custos dos equipamentos de rádio estão cada dia mais baixos, ensejando uma ótima solução para acesso a Internet no futuro próximo. 5. Estudo de Caso A empresa estudada é uma provedora de acesso à Internet que inovou ao utilizar ondas de rádio para oferecer acesso de alta velocidade em substituição ao acesso discado via linha telefônica tradicional. Trata-se de uma empresa com capital limitado (Ltda) com matriz em São José dos Campos e com mais de 200 funcionários. Sua rede de computadores conta com mais de prédios interligados em 10 cidades e possuem mais de assinantes. Segundo o ranking da Revista INFO 200 da EXAME, é uma das cinco empresas de tecnologia que mais cresceram no último ano no Brasil. A empresa experimenta um crescimento sustentado desde sua entrada em operação em 1999, tendo se expandido para outras localidades como, Campinas, Guarulhos, Jacareí, Ribeirão Preto, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Sorocaba, e para vários bairros da capital paulista como Tatuapé, Santana e outros. Sua missão é oferecer acesso à Internet com qualidade, baixo custo e performance (bom, barato e confiável). Seu departamento de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) conta com um núcleo reduzido de pessoas atentas e preocupadas com inovações que transformam, significativamente, seus produtos e serviços. É uma constante, no Brasil, dificuldades na obtenção de dados mercadológicos confiáveis, assim a empresa criou um departamento de marketing especializado em tecnologia da informação, que realiza levantamentos e pesquisas de modo a prover a administração com dados de mercado confiáveis para embasar ações de planejamento Histórico A idéia do empreendimento surgiu em 1996, quando dois empreendedores, proprietários de uma empresa especializada em redes de computadores de São José dos Campos SP, que deu origem ao provedor, vislumbraram um nicho de mercado não explorado, representado pelo acesso à Internet através de rede Ethernet a longas distâncias, utilizando tecnologia wireless com alta performance (10Mbps). Esta rede deveria ser confiável e de baixo custo. Tendo essa idéia sido tirada de plantas de fábrica, onde pequenas redes wireless eram utilizadas com sucesso. O desafio era transportar a tecnologia que funcionava em pequenas plantas para as dimensões metropolitanas. A empresa iniciou suas operações em junho de 1999, quando todos provedores de São José dos Campos utilizavam linhas telefônicas. Em pouco mais de dois anos consolidou a tecnologia wireless e passou a ser o principal provedor de acesso à Internet da cidade. O modelo utilizado no empreendimento considerou incubar o provedor em uma empresa especializada em redes de computadores até que a tecnologia, já disponível no mercado mas não testada nessas dimensões, fosse consolidada. Inicialmente, foram utilizadas as instalações físicas, equipamentos e recursos humanos da própria empresa hospedeira. Desde a idéia até a ENEGEP 2004 ABEPRO 4113

7 maturação da tecnologia e entrada em operação, o empreendimento levou dois anos e seis meses A Tecnologia Empregada A grande inovação promovida foi a substituição da tecnologia de acesso à Internet via modem, através de linha discada, por acesso via rádio com velocidade maior (no mínimo quatro vezes mais), com a vantagem da liberação da linha telefônica, a um custo sensivelmente menor. Assim, houve uma melhoria no serviço do ponto de vista da qualidade do acesso, da maior velocidade e da não limitação do tempo de uso. Há, ainda, um ganho adicional referente à segurança, pois o sistema wireless é menos sensível a descargas eletromagnéticas que os sistemas a cabos de cobre. Assim, danos são evitados aos computadores e às placas de fax/modem que normalmente sofrem com as altas voltagens geradas nos cabos de cobre da rede telefônica por ocasião de tempestades. O provedor arca com todo o investimento necessário para instalação do sistema nos prédios, incluindo equipamentos de rádio, hubs, switches, antenas, etc, e o cabeamento de rede local de todo o condomínio, além de levar os pontos de rede até o escritório de cada morador que adquire o serviço. Em cada prédio é instalada uma antena de rádio-freqüência que se comunica com outras antenas, levando assim, os sinais até o Datacenter do provedor que por sua vez se conecta ao backbone Internet através da EMBRATEL. Os equipamentos de rádio utilizados pelo provedor trabalham na freqüência 2,4 Ghz (similar a de fornos de microondas) testados e homologados pela FCC (Estados Unidos) e pela ANATEL (Brasil). Além disso, eles trabalham num sistema de espalhamento de freqüência ( frequence hope ), o que reduz drasticamente a possibilidade de interferências, garantindo a qualidade do sinal e a integridade das informações Ganhos Obtidos O serviço de acesso à Internet, prestado pela empresa em estudo, tem como principais vantagens: Economia, pois é mais barato que o sistema via telefone; Melhor qualidade do sinal, com tecnologia 100% digital; Instalação grátis sem taxa e nem adesão; Acesso sem telefone, mantendo a linha desocupada sem custo de pulso telefônico; Maior velocidade, pelo menos 4 vezes mais que o sistema discado; Não é necessário ter telefone nem ser assinante de TV a cabo; Não necessita alugar qualquer equipamento (cable modem, por exemplo); Conexão automática e contínua, 24 horas por dia, 7 dias por semana; Compatível com PC e Macintosh, Sistemas operacionais Windows 95/98/NT/Me e Linux. 6. Conclusão No estudo de caso apresentado podemos observar alguns pontos importantes e de interesse. Em primeiro lugar, verifica-se um fator essencial para o empreendedorismo e inovação que é a existência da infra-estrutura de Ciência e Tecnologia, que possibilita o aparecimento de empresas de alta tecnologia. No caso em estudo, o provedor de acesso surgiu em São José dos Campos, onde há um dos maiores pólos de tecnologia do país, formado por escolas, institutos de pesquisa e empresas como: CTA (Centro Técnico Aeroespacial), ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), EMBRAER (Empresa Brasileira de Aeronáutica), que embora, com nítida vocação para o setor ENEGEP 2004 ABEPRO 4114

8 Aeroespacial gera subprodutos importantes, utilizados em vários outros campos, principalmente na área de Tecnologia da Informação. Os dois empreendedores do Provedor de acesso têm formação no ITA e passagem em empresas como a AVIBRAS e EMBRAER. As inovações tecnológicas podem ser classificadas, pelo tamanho do passo, em: inovação incremental ou inovação descontínua. No caso do provedor de acesso a inovação foi incremental, ou seja, inovou-se nos meios de como prestar o serviço. Antes usava-se o telefone como meio de transmissão de dados e com a inovação passou-se a utilizar rede local Ethernet com ligações entre prédios via rádio. Quanto à abrangência do Processo de Inovação Tecnológica (PIT), podemos verificar que houve uma pesquisa sobre redes locais de computadores para aplicação específica em acesso a Internet que resultou em uma nova tecnologia de acesso e que possibilitou o desenvolvimento de um novo serviço de acesso a Internet, que por fim resultou em vantagem econômica para os empreendedores inovadores. Observamos, também, que os caminhos da Informação em C&T podem seguir dois rumos: um para a Ciência e outro para a Tecnologia. A pesquisa pode ser dividida em pesquisa industrial, orientada para o avanço da tecnologia e a pesquisa básica ou universitária que enfatiza o avanço científico ou de tecnologias genéricas. No caso em estudo, verificamos que a pesquisa foi industrial e a vertente nitidamente tecnológica, onde observamos os passos: P&D industrial e projetos de pesquisa, embora não formalmente estabelecidos, realizados de 1996 a 1999; projeto de desenvolvimento realizado enquanto o provedor de acesso estava incubado na empresa hospedeira; produção piloto, que no caso foi a implementação dos primeiros prédios para certificação e consolidação da tecnologia; e por fim, o passo de marketing e vendas que continua em desenvolvimento até hoje. Na questão do emprego, é nítido o deslocamento, de parte dos trabalhadores, que antes mantinham as redes telefônicas e que com a inovação passaram a dar manutenção em redes de computadores. É difícil mensurar se houve o fechamento de postos de trabalho, pois a empresa experimentou um crescimento bastante acentuado nesse período, mas o deslocamento com o aumento da especialização é visível. Finalmente, podemos concluir que o empreendimento obteve sucesso, que teve sua base de conhecimento proveniente de um polo de alta tecnologia (São José dos Campos) e que com o espírito empreendedor de seus idealizadores inovou a tecnologia de acesso a Internet, e em pouco mais de dois anos passou a ser o principal provedor de acesso na Cidade de São José dos Campos, expandindo rapidamente para outras cidades do país. Conclui-se, também, que esta inovação tecnológica pode ser útil na colaboração para o atendimento dos objetivos de inclusão digital e social, por apresentar custo, qualidade e viabilidade bastante interessantes para serviços de acesso à Internet. Referências Bibliográficas CAVALCANTI, M., Et al. Gestão Estratégica de Negócios Evolução, Cenários, Diagnósticos e Ação, São Paulo, Pioneira, DAVID, C. Business Drive and National Achivemente, Harvard Business Review, jul.ago, DRUCKER, P. F. Inovação e Espírito Empreendedor, 5º ed., São Paulo, Pioneira, FORMICA, P. Inovação e Empreendedorismo, Palestra no Seminário Universidade Formando Empreendedores, Brasília, mai FREEMAN, C. The Economics of Industrial Innovation, 3rd ed., Great Britain, MIT Press, SCHUMPETER, J. Managers and Entrepreneurs: A Usefull Distinction. Adminstrative Science Quaterly, 3, pp , in: Hartmann, H ENEGEP 2004 ABEPRO 4115

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE)

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE) Questão n o 1 a) Na visão de Chiavenato, há pelo menos 10 ações que podem colaborar para a criação de um ambiente de criatividade na organização, duas das quais o candidato deve citar e descrever (evidentemente

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

2 EMPREENDEDORISMO. 2.1 O empreendedorismo

2 EMPREENDEDORISMO. 2.1 O empreendedorismo 2 EMPREENDEDORISMO 2.1 O empreendedorismo O empreendedor é um ser social, produto do meio que habita (época ou lugar). Se uma pessoa vive em um ambiente em que ser empreendedor é visto como algo positivo,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Motivações e Competências Pessoais

Motivações e Competências Pessoais O PERFIL EMPREENDEDOR Motivações e Competências Pessoais A criação e a consolidação de empresas bem sucedidas num mercado competitivo depende de um conjunto de factores que não podem ser reduzidos à personalidade

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais.

Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais. Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais. Transformando desafios em oportunidades. Novas dimensões de eficácia requerem

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Formação, Qualificação e Empregabilidade. Tema Central: Your Ticket to the Future Potencialização das Competências Secretariais

Formação, Qualificação e Empregabilidade. Tema Central: Your Ticket to the Future Potencialização das Competências Secretariais Formação, Qualificação e Empregabilidade Tema Central: Your Ticket to the Future Potencialização das Competências Secretariais Queremos que os olhares do mundo voltem para a visibilidade e valorização

Leia mais

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica SEÇÃO I: Fundamentos da Vantagem Estratégica Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Outras apostilas em: www.projetoderedes.com.br Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Redes Wireless estão em franco crescimento. Novas redes são implementadas, com soluções mais rápidas, abrangentes

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução)

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução) Empreendedorismo, transformando idéias em negócios (Introdução) Prof. Jose Carlos Alves Roberto, Msc. Baseado no Livro do Dr. José Dornelas, sobre Empreendedorismo Origem do Termo O termo empreendedor

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI.

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. *Definição *Contexto Atual *Meios de Transmissão *Equipamentos de Comunicação *Arquiteturas de Redes *Tecnologias de LAN s *Protocolos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO WifiGo

PLANO DE NEGÓCIO WifiGo UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PLANO DE NEGÓCIO WifiGo DANILO CAETANO PEREIRA Temas da apresentação Apresentação do negócio Técnica do Empreendedorismo

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

03 (TRÊS) ANOS LETIVOS

03 (TRÊS) ANOS LETIVOS Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR GESTÃO COMERCIAL (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL NOTURNO 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Dimensões da inovação Para inovar é necessário trabalhar com todos estes aspectos

Dimensões da inovação Para inovar é necessário trabalhar com todos estes aspectos MBA Gestão Empresarial -2009 Aula 2 Conceitos fundamentais de inovação danielstima@gmail.com Dimensões da inovação Para inovar é necessário trabalhar com todos estes aspectos 1 Inovação só existe depois

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. Conteúdo Programático. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. Conteúdo Programático. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h CAPITAL DE GIRO liquidez e capital circulante líquido rentabilidade do ativo estratégias de gerência fontes de financiamento estudo de caso orçamento de caixa

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Regina Arns da Rocha 1 Prof. Dr. Victor Meyer Jr 2 Resumo. O objetivo deste trabalho é examinar a importância da prática do empreendedorismo

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 Agenda 1. Demanda por profissionais e a estratégia de gestão de pessoas 2. Gestão de pessoas tendências

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Gerando idéias de negócio

Gerando idéias de negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Gerando idéias de negócio Manual Etapa 1/Parte 1 Bem-vindo! É um prazer ter você na Etapa 1 do Programa de Auto-Atendimento Negócio Certo do Sebrae.

Leia mais