Autoria: Francisco Ricardo Bezerra Fonseca, Arcanjo Ferreira de Souza Neto, Tatiana Bittencourt Gouveia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Francisco Ricardo Bezerra Fonseca, Arcanjo Ferreira de Souza Neto, Tatiana Bittencourt Gouveia"

Transcrição

1 Acessando a Reação Emocional à Propaganda: Um Estudo Baseado na Escala de William D. Wells Autoria: Francisco Ricardo Bezerra Fonseca, Arcanjo Ferreira de Souza Neto, Tatiana Bittencourt Gouveia Resumo A competição acirrada entre provedores de Internet está forçando-os a oferecerem conteúdo e serviços de melhor qualidade, para que possam enfrentar e vencer as adversidades do mercado. A propaganda, então, tem sido considerada uma das principais ferramentas do composto mercadológico, para comunicar e diferenciar seus produtos dos da concorrência. É imprescindível que os profissionais do marketing estejam conscientes da forma como a propaganda afeta os consumidores, compreendendo assim, seu funcionamento, a fim de formular estratégias de propaganda que reflitam maior efetividade. Uma das formas mais utilizadas para medir a efetividade das propagandas é a escala de Wells. Foram utilizados três anúncios e entrevistados 315 pessoas. Os resultados indicam que os anúncios tendem a enfatizar o aspecto emocional. Dos três anúncios, somente um não obteve por parte dos respondentes uma avaliação boa. 1. Introdução Em todo o mundo, cresce o número de indivíduos interessados em se conectar à Internet. No Brasil, o número de pessoas que está ingressando no ambiente virtual vem aumentando exponencialmente, conforme pesquisas longitudinais realizadas pelo Ibope, que revelam números surpreendentes relacionados à multiplicação de pessoas que estão se plugando na rede (Ibope, 2000; Gurovitz, 1999). Hoje, conforme o relatório de Mazzeo (2000) intitulado Evolução da Internet no Brasil e no Mundo publicado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, o Brasil está entre os dez países que mais utilizam a Internet, com aproximadamente seis milhões de internautas, o que corresponde a 4% da população mundial conectada. Esses dados revelam uma demanda crescente, reforçando o papel estratégico relacionado ao fornecimento de serviços de acesso à Internet. Não obstante, existe um sem número de provedores de acesso à Internet que parecem não saber que caminho seguir ou mesmo sabendo, nada ou pouco fazem para tornarem-se mais competitivos. Neste sentido, nos últimos anos verificou-se no Brasil um crescimento no número de provedores de acesso a Internet, ressaltando-se o aparecimento de provedores de grande porte, tais como UOL e Terra, além dos provedores de Internet gratuita. Uma dezena de provedores locais de acesso grátis detonou uma reação em cadeia que deveria aumentar consideravelmente a quantidade de brasileiros ligados à Internet (Amaral, 2000; Lopes, 2000; Pajola, 2000). O Bradesco e o Unibanco saíram na frente, restringindo, no entanto, os seus serviços apenas aos seus clientes. O mesmo caminho foi seguido pelo Banco do Brasil através de parcerias com provedores nas mais diversas cidades brasileiras. Em seguida entraram no mercado o IG (Internet Grátis), BRFree, Netgratuita, Super11, Terra Livre, Tutopia e até a Igreja Católica entrou com o Católico, todos esses abertos ao público. Essa competição acirrada entre provedores está forçando-os a oferecerem conteúdo e serviços percebidos como de melhor qualidade, para que venham a ter mais facilidade para enfrentar e vencer as adversidades do mercado. Porém, oferecer conteúdo ou serviços diferenciados parece não ser uma tarefa simples. Possivelmente, a entrada desses novos pesos pesados no mercado (e.g. UOL e Terra) tenha trazido mudanças na forma como as empresas do setor devam olhar para o seu negócio e provavelmente muitas transformações e adaptações 1

2 acontecerão em um futuro próximo. Assim, buscar entender melhor o ambiente, perceber as reais necessidades do seu público alvo e criar estratégias para satisfazê-las melhor que os concorrentes parecem ser questões fundamentais para a permanência no jogo. Dessa forma, a propaganda tem sido considerada uma das principais ferramentas do composto mercadológico utilizadas pelas empresas, para comunicar seu produto ao mercado (Vieira, 2001). Conforme alguns autores (e.g., Shimp, 2002; Vieitez, 2000), ela visa elucidar aos indivíduos, não que eles precisam dos serviços, mas sim, que os serviços podem ajudá-los a satisfazer seus desejos e necessidades. Todavia, apesar dos publicitários estarem cientes da importância da propaganda, as campanhas publicitárias não têm se mostrado efetivas, pois apesar dos altos investimentos, constatou-se que muito dos gastos realizados em tais campanhas não obtiveram o êxito esperado (Abraham e Lodish, 1990; Vieitez, 2000). Diante dessa realidade, é imprescindível reverter esse quadro, pois os profissionais do marketing devem estar conscientes da forma como a propaganda afeta os consumidores, compreendendo assim, seu funcionamento, a fim de formular estratégias de propaganda que reflitam maior efetividade (Varastas e Ambler, 1999). 2. Referencial Teórico 2.1 O problema em se mensurar a efetividade das propagandas Uma das razões para a baixa efetividade das propagandas é que os profissionais de marketing, ainda não compreenderam que utilizar apenas métodos objetivos para a mensuração da efetividade não é o suficiente (Wells, 1969a, 2000). Pois, quando os consumidores avaliam uma marca de serviços, eles consideram racionalmente as características práticas sobre as capacidades funcionais da marca e, ao mesmo tempo, eles avaliam diferentes aspectos simbólicos (personalidade, valores, etc.), formando dessa maneira a imagem da marca (de Chernatony e McDonald, 1998). As características funcionais, também conhecidas como racionais, referem-se à avaliação racional das habilidades da marca em satisfazer as necessidades utilitárias do consumidor (de Chernatony e McDonald, 1998; Sweeney e Chew, 2002). Essas habilidades estão relacionadas às questões tangíveis da marca, tais como: performance da marca, durabilidade, estética, qualidade, entre outros (Garvin, 1992). Contudo, vários autores (Plummer, 1985; Fournier, 1994; Bhat e Reddy, 1998; Helman e de Chernatony, 1999) sugerem que uma marca de serviço consiste em um conjunto de características identificadoras que ultrapassam esses aspectos mensuráveis, permeando aspectos intangíveis (simbólicos e emocionais), tais como: personalidade, reputação, proeminência, entre outros. Essas características intangíveis, consoante esses autores, são mensuradas de formas indiretas, através de inferências sobre o quê os consumidores pensam a respeito da marca. Conforme Wells (1969a, 2000) utilizar apenas o teste de recall para mensurar a efetividade de uma propaganda é insuficiente, devido ao fato das marcas serem compostas por duas dimensões, esse método (por ser objetivo) não consegue exaurir todas as informações dos consumidores, pois quando eles pensam em uma propaganda de determinada marca, tendem a externalizar certas descrições emocionais (intensa, chata, etc.), as quais adicionam uma nova direção ao teste de recall, haja vista que esses testes objetivos não conseguem captar a dimensão emocional. Em vista disso, um dos mais tradicionais métodos utilizados para mensurar a efetividade da propaganda, no intuito de verificar o aspecto emocional, bem como outras dimensões da propaganda impressa é a escala do quociente emocional desenvolvido por Wells (1964a). 2

3 2.2 A Escala do Quociente Emocional de Wells Devido a necessidade em identificar as dimensões que estão subjacentes as reações cognitivas e afetivas pertinentes a propaganda (Wells, 1964; Leavitt, 1970 e Schilinger, 1979), houve por parte dos pesquisadores um interesse em criar uma escala que pudesse traçar os perfis multifuncionais, com o objetivo de captar sob a perspectiva do consumidor, a reação emocional imediata aos anúncios impressos (Zikman e Burton, 1989; Wells, 1964). Então, no intuito de elicitar o perfil dos consumidores em relação as suas reações às propagandas, em 1969, Wells desenvolveu uma escala, para mensurar o apelo emocional em propagandas impressas. Para desenvolver esses perfis, uma lista foi gerada com todas as palavras e frases que o respondente esperava utilizar quando reagissem a determinado anúncio impresso. Para tal, uma série de testes empíricos foram utilizados para identificar os itens percebidos como de alto ou baixo apelo emocional. Dessa forma, durante o desenvolvimento da escala ficou evidente que alguns itens não capturaram o apelo emocional, mas em contrapartida apareceram como tendo significante impacto em outras variáveis de interesse, tais como memória em relação ao conteúdo do anúncio. A lista, então, foi reduzida visando eliminar itens que (1) não distinguiam entre as pessoas que diferiam em termos da qualidade a ser mensurada, ou que (2) falharam em mensurar a mesma qualidade em outros itens com a mesma dimensão (Wells, 1964; Zikhan e Fornel, 1985). De acordo com Wells (1964, 2000), com os resultados da escala para mensurar apelos emocionais das propagandas impressas, foi possível desenvolver uma escala do perfil de reações aos anúncios. A construção desse perfil justifica-se por dois motivos: 1) criar uma lista estável de itens para estruturar as reações à propaganda; 2) testar a efetividade da propaganda através da investigação de quais dimensões podem medir a efetividade da propaganda, tais como formação de atitude e comportamento de compra. Assim sendo, os perfis dos consumidores indicam as reações dos consumidores para com os anúncios e, conseqüentemente, impactam no comportamento de escolha da marca (Shimp e Yokum, 1981; Zikhan, Gelb e Martin, 1983). Conforme Wells (1969) a escala de perfil de reação mensura além dos apelos emocionais, duas outras dimensões significantes do perfil de escolha do consumidor. As dimensões são: Potencialidade e Vitalidade. Com bases nessa três dimensões, foram criados perfis de reação, os quais têm sido associados de forma positiva ao método de recall (Zikhan, Gelb e Martin, 1983) e com o comportamento de escolha (Shimp e Yokum, 1981). Ressaltando-se o fato de que com essas dimensões é capaz traçar o perfil dos respondentes e com isso é possível predizer o comportamento de compra dos consumidores. (Zikman e Burton, 1989). 2.3 Dimensões das marcas De acordo com o modelo de Lannon e Cooper (1983), o princípio da bidimensionalidade da imagem das marcas parte do pressuposto de que os consumidores adquirem os produtos levando em conta seus benefícios prático-racionais. Os autores complementam ainda, que é a combinação do produto físico somado a símbolos, imagens ou sentimentos que faz com que uma marca adquira significado para o consumidor. Identificando assim, duas dimensões de marca: a funcional e a simbólica. Nesta pesquisa será utilizada a dimensão emocional para fazer referência à dimensão simbólica. A dimensão funcional de uma marca está relacionada à capacidade da marca em satisfazer necessidades utilitárias. Diante disso, os consumidores identificam aspectos 3

4 funcionais nas marcas quando ela satisfaz às suas necessidades práticas. Portanto, neste caso, as propagandas devem reforçar aos consumidores suas características físicas e utilitárias (de Chernatony e McDonald, 1998). Em contrapartida, a dimensão simbólica é a consideração de uma marca num nível mais emocional, onde os serviços não são avaliados apenas de acordo com o que eles podem fazer, mas principalmente, a sua capacidade de comunicar algo (Vieitez, 2000). A perspectiva simbólica sugere que a marca pode ter personalidade (Biel, 1993). A personalidade de uma marca pode ser compreendida como a percepção do consumidor sobre uma marca nas dimensões que identificam a personalidade de uma pessoa (Kapferer, 1997). 2.4 Tipos de argumentos utilizados para atrair a atenção dos consumidores O tipo de apelo, ou argumento, utilizado na propaganda tem um papel fundamental na efetividade do anúncio. Estudiosos afirmam que a efetividade da propaganda está relacionada ao seu poder de convencer o público a escolher seu produto (Vakratsas e Ambler, 1999). Diante das duas dimensões de marca, a funcional e a emocional, é imprescindível a elaboração de propagandas específicas visando atender as respectivas necessidades de seus consumidores, levando em conta o papel das dimensões das marcas nesse processo. O objetivo fundamental da propaganda é criar a idéia de algo e estimular o desejo para sua aquisição, o que pode ser feito através de dois caminhos: oferecer o serviço com objetividade e fidelidade, ou sugestionar e atrair a atenção para ele. Sendo assim, a propaganda é composta por dados objetivos e subjetivos, vendendo o serviço, seja pela razão ou pela emoção. Martins (1997) identifica então três bases de argumentação que compõem a comunicação publicitária, seriam elas: Argumentos lógico-racionais ou referenciais: cujo objetivo é demonstrar a utilidade prática do produto; Argumentos lógico-emocionais: exploram o componente emocional das pessoas, os sentimentos naturais e até os aspectos inconscientes; Argumentos mistos: é uma mistura dos dois argumentos acima mencionados. 3. Procedimentos metodológicos 3.1 Delineamento da pesquisa Esta pesquisa é uma survey caracterizada como do setor lucrativo, de origem positiva e de amplitude micro, delineada de forma corte seccional (Kinnear e Taylor, 1996; Hunt, 1991). O questionário utilizado foi não-disfarçado em relação aos seus objetivos, composto de perguntas fechadas e em escalas e foi pré-testado em uma amostra de 30 (trinta) pessoas. Para a realização deste estudo foram utilizadas as escalas desenvolvidas por Wells (1964a e 1964b). Para garantir uma maior fidedignidade ao sentido das afirmações contidas nas escalas originais, foi utilizada a técnica de tradução reversa conforme sugerida por Green e White (1976). As informações coletadas no pré-teste serviram para acessar a confiabilidade do questionário, através do coeficiente Alfa de Cronbach (ver Cronbach, 1951). O resultado obtido do teste de confiabilidade indicou a exclusão de 5 variáveis da escala original de perfil de reação de Wells (1964a). Para todas as outras variáveis, o pré-teste indicou uma alta consistência interna (α 0,80). Este pré-teste também serviu para uma revisão final do instrumento, bem como um maior refinamento e alinhamento do questionário com o propósito da pesquisa. As perguntas de classificação foram colocadas no final do questionário. 4

5 3.2 Seleção da população e amostra A amostra pesquisada foi composta de alunos efetivamente matriculados em uma grande universidade brasileira. Sendo adotada uma margem de erro de 5% e índice de confiabilidade de 95%, uma amostragem probabilística aleatória simples para populações finitas foi calculada (ver Richardson, 1999), indicando serem necessários pelo menos 298 questionários válidos. Na intenção de evitar que erros sistêmicos pudessem afetar a qualidade do estudo e para permitir uma melhor rotação (este procedimento será detalhado no item 3.4) na aplicação do questionário, foram realizadas 315 entrevistas, obtendo-se com isso 300 questionários válidos. 3.3 Seleção das marcas e propagandas A seleção das marcas procurou abordar os três maiores provedores brasileiros de acesso à Internet na época em que o estudo foi realizado. As propagandas utilizadas nesta pesquisa foram selecionadas dentre àquelas que estavam sendo veiculadas no período de abril a julho de 2002 na mídia impressa (revistas), sendo selecionada uma propaganda para cada marca (vide anexo). 3.4 Coleta de dados e mensuração Os dados foram coletados diretamente dos respondentes através de um questionário estruturado e autopreenchível. As entrevistas aconteceram entre os meses de julho e agosto de Para a coleta de dados foram utilizados 3 auxiliares de pesquisa devidamente treinados pelos pesquisadores. Antes da aplicação do questionário, duas perguntas-filtro foram realizadas e somente os entrevistados que responderam afirmativamente a ambas puderam participar da pesquisa. Na primeira delas, questionou-se se o pesquisado possuía familiaridade com o tipo de serviço abordado pelo estudo e, em caso afirmativo, se ele se sentia confiante em avaliar aspectos concernentes à propaganda desse serviço. Na primeira parte do questionário, o respondente foi solicitado a indicar (através da escala de Likert) o quão discordava ou concordava com cada uma das 12 afirmações que compõem a Escala de Quociente Emocional de Wells (1964a). Na segunda parte, uma escala de diferencial semântico de sete pontos foi utilizada para mensurar a opinião dos entrevistados acerca de cada um dos 20 itens - pares de adjetivos oriundos do estudo original de Wells (1964b) utilizados neste estudo para compor o perfil de reação às propagandas. Vale ressaltar que o respondente avaliou cada uma das três propagandas de forma isolada, ou seja, só após realizar todas as avaliações solicitadas sobre a propaganda de uma marca é que o entrevistado teve contato com a propaganda seguinte. Deve-se ressaltar que, para se evitar o carry-over effect três seqüências de aplicação do questionário foram formuladas, variando a ordem de apresentação da propaganda de cada marca, de acordo com as recomendações sobre rotação latina quadrada de Neter et al. (1990), as quais foram randomicamente apresentadas aos respondentes. É importante ainda destacar que as propagandas foram apresentadas em impressão colorida para evitar causar vieses na percepção dos respondentes. 5

6 3.5 Tipos de análises de dados Com o retorno dos questionários válidos, foram realizados três tipos de análises: univariada para o cálculo de médias e desvios-padrão; bivariada para verificar a diferença entre médias e perfis (através do t-test); e multivariada para a análise fatorial dos 20 itens que compunham o perfil de reação. Vale ressaltar que para uma melhor compreensão do significado dos fatores, a matriz fatorial foi rotacionada ortogonalmente, usando-se o procedimento VARIMAX; apenas os fatores que apresentaram um Autovalor superior a 1 (um) foram considerados; e para a inclusão de itens em um fator, considerou-se a carga fatorial mínima de 0,5, sem duplicidade (Hair et al., 1998). 4. Análise dos resultados 4.1 Perfil sócio-demográfico da amostra Em sua maioria, os respondentes deste estudo foram homens (57,7%), com idade entre 21 e 30 anos (65,3%), solteiros (87%), que trabalham (72,3%) e que possuem renda familiar mensal entre 1.500,01 e reais (53,6%). 4.2 Perfil de reação dos consumidores aos anúncios impressos das três marcas de provedores de acesso à Internet A Figura 1 apresenta os valores médios obtidos pela propaganda de cada marca em cada um dos itens considerados neste estudo para a obtenção do perfil de reação. Pelo que se pode observar na figura, a avaliação de todos os itens da propaganda da marca UOL é pior do que as avaliações realizadas para as propagandas das outras duas marcas, pois o seu perfil está mais relacionado à parte direita da figura, na qual encontra-se os adjetivos de cunho negativo. Desse modo, percebe-se que os pesquisados tenderam a considerar a propaganda da UOL como sendo sem charme, entediante e sem vida. Por sua vez, o perfil de reação às propagandas das marcas Terra e IG parecem ser mais congruentes entre si, ainda que a avaliação da propaganda do IG tenha sido bem melhor no que diz respeito às variáveis v.1, v.2 e v.3. Além disso, percebe-se que as avaliações das propagandas dessas duas marcas estão mais posicionadas à parte esquerda da figura, na qual encontra-se os adjetivos de cunho positivo. Percebe-se também que o item de pior avaliação nestas duas marcas é o mesmo ( é importante para mim/não é importante para mim. 6

7 Figura 1- Comparação entre o perfil de reação dos pesquisados às propagandas das marcas UOL, Terra e IG U O L Terra IG M édia M édia M éd ia 1 Bo nito Fe io 4,98 3,15 2,12 2 Gen til Gros s eiro 4,34 3,09 2,08 3 Char mo s o Se m ch ar me 5,32 3,57 2,48 4 A traen te Repu ls iv o 4,51 3,12 2,70 5 D e bo m g os to De mau go s to 4,43 3,02 2,42 6 Es timu lan te Des e s timu lan te 4,59 3,26 3,29 7 Interess an te Des in te ress an te 4,61 2,87 2,95 8 Cau s a be m-es tar Caus a ma l-es tar 4,47 3,59 2,77 9 Fas cinan te En ted ian te 5,24 3,84 3,76 10 Tem s ig nif icad o p/ Não te m s ig nif icad o m im p/mim 5,01 4,01 3,78 11 Co nv incen te Não con vincen te 4,56 3,74 3,59 12 É imp ortan te p ara Não é imp ortan te m im pa ra mim 5,18 4,56 4,34 13 H on es to Des o nes to 3,66 3,44 3,04 14 Fác il d e le mbrar Difíc il d e le mbra r 4,35 2,54 3,01 15 Fácil de entend er Difíc il d e enten der 3,46 2,38 2,54 16 Va le a p en a le mbra r Não vale a pe na le mbrar 4,70 3,54 3,49 17 Simp les Co mplicad o 3,41 2,60 2,32 18 A tualizad o Des a tua lizado 3,37 2,41 2,77 19 Cr iativ o Se m cr iativ idad e 4,84 2,29 2,68 20 Co m v ida Se m v ida 5,22 2,48 2,39 A comparação entre perfis também pode ser analisada através da Tabela 1. Esta tabela apresenta as diferenças absolutas entre os perfis de reação à propaganda de cada marca estudada, comparando-os entre si. Vale salientar que quanto menor a distância entre valores absolutos, mais similar são os perfis. Desse modo, como a distância entre os perfis do Terra e do IG (74,40) foi menor que a distância entre os perfis do UOL e do Terra (133,13) e menor também do que a distância entre os perfis do UOL e do IG (151,62), pode-se concluir que os pesquisados perceberam as propagandas das marcas Terra e IG como sendo mais congruentes, apesar de perceberem (conforme indica o resultado do t-test) todas as três propagandas como sendo diferentes entre si. Tabela 1- Dissimilaridades na avaliação da propaganda dos provedores de acesso à Internet UOL, Terra e IG UOL x IG UOL x Terra Terra x IG Diferença absoluta 151,62 133,13 74,40 t-test 23,712* 22,779* 17,796* * p 0,01 A próxima etapa da análise concentra-se na identificação de dimensões que possam auxiliar na compreensão dos perfis de reações identificados para cada uma das propagandas analisadas. 7

8 4.3 Análise fatorial do perfil de reação - UOL A Tabela 2 apresenta os resultados da análise fatorial dos itens que compõem o perfil de reação à propaganda da marca UOL. Deve-se ressaltar que uma primeira rotação ortogonal realizada através do método VARIMAX resultou em três fatores, mas indicou que as variáveis v.6, v.19 e v.20 deveriam ser excluídas da análise para a eliminação de cargas em duplicidade e para um aumento no Alfa de Cronbach dos fatores até o nível mínimo de 0,60 (ver Cronbach, 1951). Após um segundo procedimento de rotação ortogonal, agora sem as variáveis referidas anteriormente, foram identificados novamente 3 (três) fatores conforme pode ser observado na tabela. O primeiro fator, denominado de significância apresentou = 0,91; o segundo fator, denominado de atratividade apresentou = 0,88 e o terceiro fator, denominado de utilidade apresentou = 0,78. Como se pode perceber, o primeiro fator explica sozinho mais de dois terços do percentual acumulado da variância. Tabela 2 Matriz fatorial rotacionada das variáveis que compõem o perfil de reação - UOL VARIÁVEL Fator I 1 Fator II 2 Fator III 3 V.16- Vale a pena lembrar 0,747 0,265 0,273 V.11- Convincente 0,717 0,250 0,272 V.12- É importante para mim 0,708 0,369 0,148 V.07- Interessante 0,706 0,471 0,209 V.14- Fácil de lembrar 0,705 0,176 0,279 V.10- Tem significado para mim 0,699 0,350 0,085 V.09- Fascinante 0,672 0,081 0,082 V.02- Gentil 0,027 0,788 0,227 V.03- Charmoso 0,407 0,719 0,035 V.08- Causa bem-estar 0,206 0,708 0,095 V.05- De bom gosto 0,371 0,677 0,271 V.01- Bonito 0,376 0,668 0,124 V.04- Atraente 0,385 0,654 0,285 V.15- Fácil de entender 0,135 0,162 0,836 V.17- Simples 0,146 0,114 0,832 V.18- Atualizado 0,259 0,185 0,717 V.13- Honesto 0,145 0,119 0,536 Alpha do Fator 0,91 0,88 0,78 Autovalor 7,79 1,66 1,26 Percentual de variância 45,82 9,77 7,41 Percentual Acumulado de variância 45,82 55,59 63,01 Fatores: 1 = Significância 2 = Atratividade 3 = Utilidade A seguir, serão apresentados os resultados da análise fatorial realizada para a propaganda do Terra. 4.4 Análise fatorial do perfil de reação - Terra A Tabela 3 apresenta os resultados da análise fatorial dos itens que compõem o perfil de reação à propaganda da marca Terra. Deve-se ressaltar que após duas rotações ortogonais (todas resultando em três fatores) as variáveis v.6, v.8, v.13 e v.20 foram excluídas da análise para a eliminação de cargas em duplicidade e para um aumento no Alfa de Cronbach dos fatores até o nível mínimo de 0,60 (ver Cronbach, 1951). Após um terceiro procedimento de 8

9 rotação ortogonal, agora sem as variáveis referidas anteriormente, mais um vez foram identificados 3 (três) fatores conforme pode ser observado na tabela. O primeiro fator, denominado de atratividade apresentou = 0,91; o segundo fator, denominado de significância também apresentou = 0,91 e o terceiro fator, denominado de utilidade apresentou = 0,87. Como se pode perceber, mais uma vez o primeiro fator explica sozinho mais de dois terços do percentual acumulado da variância. Tabela 4 Matriz fatorial rotacionada das variáveis que compõem o perfil de reação - Terra VARIÁVEL Fator I 1 Fator II 2 Fator III 3 V.02- Gentil 0,820 0,097 0,238 V.01- Bonito 0,796 0,277 0,174 V.03- Charmoso 0,778 0,334 0,093 V.05- De bom gosto 0,687 0,406 0,340 V.04- Atraente 0,676 0,454 0,245 V.07- Interessante 0,602 0,452 0,319 V.12- É importante para mim 0,187 0,852 0,075 V.10- Tem significado para mim 0,278 0,825 0,161 V.11- Convincente 0,345 0,734 0,311 V.16- Vale a pena lembrar 0,247 0,730 0,412 V.09- Fascinante 0,431 0,690 0,133 V.15- Fácil de entender 0,147 0,134 0,872 V.17- Simples 0,072 0,084 0,866 V.18- Atualizado 0,253 0,186 0,769 V.14- Fácil de lembrar 0,283 0,304 0,610 V.19- Criativo 0,445 0,281 0,609 Alpha do Fator 0,91 0,91 0,87 Autovalor 8,55 1,81 1,17 Percentual de variância 53,44 11,37 7,34 Percentual Acumulado de variância 53,44 64,82 72,15 Fatores: 1 = Atratividade 2 = Significância 3 = Utilidade A seguir, serão apresentados os resultados da análise fatorial realizada para a propaganda do IG. 4.5 Análise fatorial do perfil de reação - IG A Tabela 4 apresenta os resultados da análise fatorial dos itens que compõem o perfil de reação à propaganda da marca IG. Deve-se ressaltar que, após uma primeira rotação ortogonal, a variável v.13 foi excluída da análise para a eliminação de cargas em duplicidade e para um aumento no Alfa de Cronbach dos fatores até o nível mínimo de 0,60 (ver Cronbach, 1951). Após um segundo procedimento de rotação ortogonal, agora sem as variáveis referidas anteriormente, mais um vez foram identificados 3 (três) fatores conforme pode ser observado na tabela. O primeiro fator, denominado de significância apresentou = 0,93; o segundo fator, denominado de atratividade apresentou = 0,91 e o terceiro fator, denominado de utilidade apresentou = 0,78. Como se pode perceber, novamente o primeiro fator explica sozinho mais de dois terços do percentual acumulado da variância. 9

10 Tabela 4 Matriz fatorial rotacionada das variáveis que compõem o perfil de reação - IG VARIÁVEL Fator I 1 Fator II 2 Fator III 3 V.12- É importante para mim 0,824 0,135 0,063 V.11- Convincente 0,800 0,187 0,168 V.09- Fascinante 0,786 0,256 0,136 V.10- Tem significado para mim 0,747 0,282 0,013 V.16- Vale a pena lembrar 0,735 0,152 0,372 V.07- Interessante 0,715 0,381 0,251 V.06- Estimulante 0,705 0,342 0,270 V.14- Fácil de lembrar 0,703 0,228 0,310 V.19- Criativo 0,570 0,417 0,325 V.01- Bonito 0,179 0,843 0,177 V.03- Charmoso 0,252 0,823 0,066 V.02- Gentil 0,074 0,823 0,188 V.04- Atraente 0,491 0,662 0,199 V.05- De bom gosto 0,439 0,655 0,351 V.08- Causa bem-estar 0,447 0,592 0,224 V.20- Com vida 0,443 0,570 0,239 V.17- Simples 0,036 0,213 0,849 V.15- Fácil de entender 0,291 0,182 0,754 V.18- Atualizado 0,407 0,248 0,662 Alpha do Fator 0,93 0,91 0,78 Autovalor 10,05 1,77 1,28 Percentual de variância 52,88 9,29 6,75 Percentual Acumulado de variância 52,88 62,18 68,93 Fatores: 1 = Significância 2 = Atratividade 3 = Utilidade A seguir, serão apresentados os resultados da análise da Escala de Quociente Emocional para cada uma das propagandas. 4.6 Análise do Quociente Emocional A Figura 2 apresenta os resultados do desempenho das marcas nos itens que compõem a escala de quociente emocional de Wells (1964a). Vale destacar que as variáveis cuja numeração está assinalada em vermelho (na primeira coluna à esquerda da figura), como proposto pelo autor citado, estão redigidas de maneira desfavorável (pois serão utilizadas dessa forma no cálculo propriamente dito do quociente emocional) e que a escala que as mensurava vai de 1-discordo totalmente a 5-concordo totalmente. 10

11 Figura 2- Comparação entre a avaliação dos pesquisados nos itens compontes da escala de quociente emocional de Wells para as propagandas do UOL, Terra e IG UOL Terra IG Média Média Média 1 Este anúncio é muito atraente para mim 2,29 3,35 3,45 2 Eu provavelmente não prestaria atenção a este anúncio caso o visse em uma revista 3,28 2,21 2,12 3 Este é um anúncio caloroso e mexe com o emocional 1,79 2,90 3,17 4 Este anúncio me fez desejar comprar o produto ou serviço 2,18 2,69 2,73 5 Este anúncio é pouco interessante para mim 3,55 2,62 2,55 6 Eu não gosto desse anúncio 3,42 2,29 2,12 7 Este anúncio me faz sentir bem 2,23 2,89 3,34 8 Este é um anúncio maravilhoso 1,84 2,55 2,82 9 Este é um anúncio que se esquece com facilidade 3,51 2,35 2,62 10 Este é um anúncio fascinante 1,72 2,59 2,65 11 Estou cansado(a) deste tipo de anúncio 3,31 2,44 2,45 12 Este anúncio me causa arrepio 1,89 1,94 1,80 Pelo que se pode observar na figura em questão, as avaliações das propagandas do Terra e do IG são mais similares entre si e, por conta disso, parecem seguir um padrão diferente da avaliação do UOL, o que corrobora com os achados da seção 4.2. Vale destacar que o desempenho da propaganda do UOL mais uma vez está associado a itens de conotação negativa e que tal fato pode prejudicar a eficácia dessa ferramenta de marketing, tendo em vista que os consumidores afirmaram que este é um tipo de anúncio que se esquece com facilidade e que é pouco interessante para eles. Além disso, os entrevistados não gostaram do anúncio e afirmaram que provavelmente não prestariam atenção nele caso o visse em uma revista. Após a análise descritiva dos itens que compõem a Figura 2, para se chegar ao valor do Quociente Emocional da propaganda de cada marca, utilizou-se a fórmula original de Wells (1964a) conforme descrita na Figura 3 a seguir: Figura 3 Procedimento para o cálculo do Quociente Emocional nº concordâncias com os itens+ / nº discordâncias com os itens favoráveis - 1,3,4,7,8 e 10) desfavoráveis - 2,5,6,9,11 e 12) 12 x 100 Os resultados do procedimento acima descrito podem ser visualizados na Tabela 5, a qual apresenta a média e o desvio padrão do quociente emocional obtido pelos entrevistados. Como se pode perceber, o menor quociente emocional médio está associado à propaganda do 11

12 UOL e o maior, à propaganda do IG. Tal fato indica que os consumidores sentem-se mais atraídos pela propaganda deste último, que utilizou em sua mensagem atributos emocionais. Tabela 5 Média e desvio padrão do Quociente Emocional UOL Terra IG Q.E. Médio 18,4 48,9 58,3 Desvio Padrão 17,1 28,2 28,1 Analisando-se o quociente emocional médio de acordo com o gênero do respondente, conforme indicado na Tabela 6, pode-se observar que, embora os homens tenham percebido a propaganda do UOL como tendo um perfil mais funcional (dado seu baixo quociente emocional para essa marca) eles não perceberam tanta diferença entre as propagandas do Terra e do IG, ou seja, eles foram capazes de distinguir em sua mente a propaganda com apelo funcional da propaganda com apelo emocional, mas não foram capazes de enxergar maiores diferenças entre as propagandas com este último tipo de apelo. Tabela 6 Quociente Emocional de acordo com o gênero do respondente Gênero UOL** Terra IG* Homens (n=173) 20,1 46,6 46,7 Mulheres (n=124) 16,1 52,2 60,3 Diferença entre médias para os gêneros em cada marca significantes ao nível de * p 0,01 e ** p 0,05 Pode-se perceber também que as médias do quociente emocional encontradas para os homens diferem significativamente das médias encontradas para as mulheres em três das duas marcas analisadas, a exceção ficando por conta da propaganda do Terra. Outro ponto que merece destaque é que, ao contrário do que aconteceu com os homens, as mulheres, além de serem capazes de perceber diferenças entre os apelos funcionais e emocionais das propagandas, apresentaram uma maior capacidade de diferenciar as propagandas com apelos emocionais distintos, como é o caso do IG e do Terra. A seguir, serão apresentadas as principais conclusões e implicações gerenciais oriundas a partir deste estudo. 5. Conclusões O fato de em todas as análises fatorias o primeiro fator ter explicado um percentual muito maior de variância do que os outros dois reforça a idéia de que as agências de publicidade concentram-se na formação da imagem de um anúncio enfatizando os atributos emocionais, isto é, as propagandas tendem a realçar os aspectos intangíveis dos provedores de internet. Pode-se concluir que o tipo de anúncio veiculado pelo UOL, de modo geral, não possui uma boa avaliação quando comparado aos anúncios dos outros dois provedores. Um dos indicadores disso é o menor quociente emocional médio associado à propaganda do UOL, pois como os individuos deste estudo tenderam a analisar de forma positiva as propagandas que tem elevado apelo emocional, o anuncio do UOL por ter tido um baixo quoeficiente emocional, obteve por conseguinte avaliações negativas. Além disso, percebeu-se que as mulheres avaliam melhor os anúncios mais emocionais, já os homens não diferenciam muito, tanto quanto elas, os anúncios do Terra e do IG. 12

13 6. Agradecimentos Esta pesquisa é parte integrante de um trabalho maior incentivado pelo CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico ao qual os autores lhe são muito gratos. 7. Referências bibliográficas ABRAHAM, M.M., LODISH, L.M., Getting the Most Out of Advertising and Promotion. Havard Business Review, v.3, p.50-63, AMARAL, P. Pague apenas se quiser. Web World [online]. Jan Disponível: [Capturado em 25 de março de 2003]. BHAT, Subodh, REDDY, Srinivas. Symbolic and functional positioning of brands. Journal of Consumer Marketing. Vol. 15. No. 1. pp , BIEL, A.L. Converting image into equity, In Brand Equity & Advertising: Advertising s Role in Building Strong Brands, D.A e A.L., Ed. New Jersey: IEA, CHERNATONY, L., MCDONALD, M.H.B. Creating Powerful Brands. London: BH Butterworth-Heineemann, CROMBACH, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrica, v.16, p , GARVIN, D. A. Gerenciando a Qualidade: A Visão Estratégica e Competitiva. São Paulo: Qualitymark, GREEN, R. T.; WHITE, P. D. Methodological considerations in cross-national consumer research. Journal of International Business Studies, fall/winter, p , GUROVITZ, H. Brasil Digital. Revista Exame, Brasil.com, São Paulo: Editora Abril, vol. 700, n.22, p , nov HAIR, J. F. Jr.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. et al. Multivariate data analysis. 5. ed. Upper Saddler River: Prentice Hall, HELMAN, D., CHERNATONY, L. Exploring the development of lifestyle retail brands. The Service Industries Journal, v. 19, London, p.49-68, HUNT, S. D. Modern marketing theory: critical issues in the philosophy of marketing science. Cincinnati, OH: South-Western Publisinh Co., IBOPE. 4ª PESQUISA Internet Brasil. [online]. Jun Disponível: [Capturado em 10 de marçol de 2003]. KAPFERER, J.N. Strategic Brand Management. Londres: Kogan Page, KINNEAR, T. C.; TAYLOR, J. R. Marketing research: an applied approach. 5. ed. New York: MacGraw-Hill, LANNON, J., COOPER, P. Humanistic Advertising. A Holistic Cultural Perspective. International Journal Advertising, v. 2, p , LEAVITT, Clark. A Multidimensional Set of Rating Scales for Television Commercials. Journal of Apllied Physhology. p , LOPES, M. Cine Web. Revista Exame. São Paulo: Editora Abril, vol. 705, n.1, p , jan MARTINS, J.S. Redação Publicitária. São Paulo: Atlas, NETER, J.; WASSERMAN, W.; KUTNER, M. H. Applied linear statistical models: regression, analysis, and variance designs. 3. ed. Boston: Irwin,

14 PAJOLA, A. Quem é quem no acesso gratuito. WEBWorld [online] Fev Disponível: PLUMMER, J.T. How personality makes a difference. Journal os Advertising Research, v. 24 (6), p.27-31, RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Atlas, SCHILINGER, Mary Jane. A Profile of Responses to Commercials. Journal of Advertising Research. V. 19. pp , SHIMP, Terence A. Propaganda e Promoção: aspectos complementares da comunicação integrada de marketing. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, SHIMP, T.A., YOKUM, J.T. The Influence of Deceptive Advertising on Repeat Purchase Behavior, in The Changing Marketing Environment. New Theories and Applications. Ed, Chicago: American Marketing Association, , SWEENEY, J. C.; CHEW, M. Understanding Consumer-Service Brand Relationships: A case study approach. Australian Marketing Journal v. 10, n. 2, p , VAKRATSAS, D., AMBLER, T. How advertising Works. What do we really know? Journal of Marketing, v. 63. p New York, VIEITEZ, Cristinas Ma. Alcântara de Brito. Efetividade da Propaganda na Comunicação de Marcas com Diferentes Graus de Funcionalidade e Simbolismo. Dissertação de Mestrado. UFPE/PROPAD, WELLS, William D. Recognition, Recall and Rating Scales. Journal Advertising Research. Pp EQ, son of EQ, and the reaction profile. Journal of Marketing, n.28, oct., p.45-52, 1964a.. Recognition, recall, and rating scales. Journal of Advertising Research, n.4, p.2-8, 1964b. ZIKHAN, George M., BURTON, Scot. An Examination of Three Multidimensional Profiles for Assessing Consumer Reactions to Advertisements. Journal of Advertising. Vol. 18, pp. 6-14, 1989., FORNEL, Claes. A Test of Two Consumer Response Scales in Advertising. Journal of Marketing Research. Vol. XXII. Pp , MAZZEO, L. M. Evolução da Internet no Brasil e no Mundo. Brasil, Disponível em: [capturado em 28 abril, 2002]. IBOPE 7º PESQUISA Internet BRASIL. [online]. Maio Disponível: http//www.ibope.com.br/digital/produtos/8pop/8pop.html. [capturado em 28 de outubro de 2000]. 14

15 8. Anexo A 15

ACESSANDO A REAÇÃO EMOCIONAL À PROPAGANDA POR MEIO DA ESCALA DE WELLS

ACESSANDO A REAÇÃO EMOCIONAL À PROPAGANDA POR MEIO DA ESCALA DE WELLS ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA ACESSANDO A REAÇÃO EMOCIONAL À PROPAGANDA POR MEIO DA ESCALA DE WELLS ASSESSING THE EMOTIONAL REACTION TO PUBLICITY BY MEANS OF THE WELLS SCALE Sérgio Carvalho Benício de Mello

Leia mais

Revista de Administração FACES Journal ISSN: 1517-8900 faces@fumec.br Universidade FUMEC Brasil

Revista de Administração FACES Journal ISSN: 1517-8900 faces@fumec.br Universidade FUMEC Brasil Revista de Administração FACES Journal ISSN: 1517-8900 faces@fumec.br Universidade FUMEC Brasil Carvalho Benício de Mello, Sérgio; Bezerra Fonsêca, Francisco Ricardo; Ferreira de Souza Neto, Arcanjo; Maranhão

Leia mais

Atributos influenciadores da escolha de um produto.com

Atributos influenciadores da escolha de um produto.com Atributos influenciadores da escolha de um produto.com Ricardo S Gomes Vieira (MTN/UFPE) ricardovieira@ufpe.br Sérgio C Benício de Mello (MTN/UFPE) scbm@elogica.com.br Adriana Tenório Cordeiro (MTN/UFPE)

Leia mais

Reações emocionais à marca: um estudo sobre as relações estabelecidas entre indivíduos e o iphone

Reações emocionais à marca: um estudo sobre as relações estabelecidas entre indivíduos e o iphone INGEPRO Inovação, Gestão e Produção Reações emocionais à marca: um estudo sobre as relações estabelecidas entre indivíduos e o iphone Gabriel Bergmann Borges Vieira (UNISINOS) gabriel.vieira@fsg.br Filipe

Leia mais

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Sharlene Neuma Henrique da Silva 1 Isys Pryscilla de Albuquerque Lima 2 Moacyr Cunha Filho 2 Maria Cristina Falcão Raposo 3 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. SEMESTRE 2015 DISCIPLINA: Pesquisa Quantitativa com Análise de Dados PROFESSOR:

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Hayala Cristina Cavenague de Souza 1 Marina Pasquali Marconato Mancini 2 Francisco Louzada Neto³ Gleici

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO Questões Introdutórias Como se mensurar fenômenos que, na maioria das vezes, não podem ser

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde

Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde Aluna: Karina Aparecida da Cruz Pinto Orientadora: Ms. Maria Ludovina Aparecida Quintans Sistemas

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA 0 EDUCAÇÃO BÁSICA Brasileiros reconhecem que baixa qualidade da educação prejudica o país A maior parte dos brasileiros reconhece que uma educação de baixa

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

Serviço Especial de TV por Assinatura

Serviço Especial de TV por Assinatura RELATÓRIO CONTENDO AS ANÁLISES ESTATÍSTICAS DOS DADOS COLETADOS E SEUS RESULTADOS PRODUTO VI PÚBLICO (TUP) Serviço Especial de TV por Assinatura Janeiro de 2013 2 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VALIDAÇÃO

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

AS DIMENSÕES DAS MARCAS E A PROPAGANDA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM PUBLICITÁRIOS BRASILEIROS

AS DIMENSÕES DAS MARCAS E A PROPAGANDA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM PUBLICITÁRIOS BRASILEIROS AS DIMENSÕES DAS MARCAS E A PROPAGANDA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM PUBLICITÁRIOS BRASILEIROS Sérgio C. Benício de Mello Instituição: Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Cristina M. A. de Brito Instituição:

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA Como fazer pesquisa de mercado? Por quê fazer pesquisa de mercado? Qual é o meu negócio? Qual a finalidade do meu produto/serviço? Por quê fazer pesquisa de mercado? Eu sei o que estou vendendo, mas...

Leia mais

Model of analysis of performance of Healthcare Waste. (HW) management by indicators, São Carlos-SP, Brazil

Model of analysis of performance of Healthcare Waste. (HW) management by indicators, São Carlos-SP, Brazil Model of analysis of performance of Healthcare Waste (HW) management by indicators, São Carlos-SP, Brazil Katia Sakihama Ventura (USP-EESC-SHS) Luisa Fernanda Ribeiro Reis (USP-EESC-SHS) Angela Maria Magosso

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo apresenta-se a pesquisa realizada, abrangendo o tipo de pesquisa, os critérios para a seleção de sujeitos, o processo de coleta de dados e o tratamento de dados. 3.1. Tipo

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS A INFLUÊNCIA DA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO NO POSICIONAMENTO E NO BRAND EQUITY DE MARCAS E PRODUTOS Rubens Gomes Gonçalves (FAFE/USCS) * Resumo Muitos autores têm se dedicado a escrever artigos sobre uma das

Leia mais

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA 1. Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar

Leia mais

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO:

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA (2011-2012) Comunicação em saúde e a Internet. Comunicação Social PROVÁVEL CONCLUSÃO:

PROJETO DE PESQUISA (2011-2012) Comunicação em saúde e a Internet. Comunicação Social PROVÁVEL CONCLUSÃO: PROJETO DE PESQUISA (2011-2012) Comunicação em saúde e a Internet CURSO: LINHA DE PESQUISA DO CURSO AO QUAL O PROJETO ESTARÁ VINCULADO: BOLSISTA: ORIENTADOR : Comunicação Social Comunicação, Inovação e

Leia mais

EFETIVIDADE DA PROPAGANDA NA COMUNICAÇÃO DE MARCAS COM DIFERENTES GRAUS DE FUNCIONALIDADE E SIMBOLISMO

EFETIVIDADE DA PROPAGANDA NA COMUNICAÇÃO DE MARCAS COM DIFERENTES GRAUS DE FUNCIONALIDADE E SIMBOLISMO EFETIVIDADE DA PROPAGANDA NA COMUNICAÇÃO DE MARCAS COM DIFERENTES GRAUS DE FUNCIONALIDADE E SIMBOLISMO ARTIGO MARKETING Sérgio Carvalho Benício de Mello Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Tecnologia,

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA Agenda do Futuro Iniciativa do Grupo TV1 criada em 2008 para gerar conhecimento e incentivar a reflexão sobre as mudanças em curso na Comunicação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

11 Resultados obtidos: discussões

11 Resultados obtidos: discussões 11 Resultados obtidos: discussões Através da tabulação dos dados, foi possível constatar que os participantes não prestaram atenção no banner, pelo fato de estarem navegando de acordo com um interesse

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA NO ÂMBITO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA NO ÂMBITO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING

A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING Sumaia Abdei Latif Aluna Especial do PPGA/FEA/USP INTRODUÇÃO A teoria diz que determinadas técnicas de análise de

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação.

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação. a 9 de Dezembro Clima organizacional: uma análise comparativa entre a empresa x e a empresa y do setor varejista de eletrodomésticos e móveis, que disputam o mesmo nicho no município de Bambuí-MG Franciele

Leia mais

O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL

O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL Antônio André Cunha Callado UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Aldo Leonardo Cunha Callado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDO

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

PROJETO TENDÊNCIAS. Relatório Parcial Pesquisa de Mercado Etapa Quantitativa

PROJETO TENDÊNCIAS. Relatório Parcial Pesquisa de Mercado Etapa Quantitativa PROJETO TENDÊNCIAS Relatório Parcial Pesquisa de Mercado Etapa Quantitativa Preparado por Ibope Inteligência Para Associação de Marketing Promocional Maio/2009 Introdução Objetivos: Investigar o mercado

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho RESUMO Este artigo relata uma pesquisa empírica de teste e quantificação

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Informações Gerais A Nielsen recentemente pesquisou mais de 25.000 consumidores online em

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

Consumo feminino de cerveja

Consumo feminino de cerveja Consumo feminino de cerveja Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES 1

MARKETING DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES 1 MARKETING DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES 1 Roseli Fistarol Krüger 2, Lucinéia Felipin Woitchunas 3. 1 Trabalho de Conclusão de Curso Pós-Graduação 2 Aluna do Mestrado em Desenvolvimento da UNIJUÍ,

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Élan vital: o eu do momento no caráter libertário da criação publicitária

Élan vital: o eu do momento no caráter libertário da criação publicitária Élan vital: o eu do momento no caráter libertário da criação publicitária Autoria: Arcanjo Ferreira de Souza Neto, André Luiz Maranhão de Souza Leão, Luiz Henrique Olsen Lubi, Cristina Maria Alcântara

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO 200 AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO Clayton Cardoso de MORAES 1 Guilherme Bernardo SARDINHA 2 O presente

Leia mais

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Contexto Durante a história recente, as percepções públicas a respeito da indústria automobilística tem reagido de acordo com eventos e marcos globais

Leia mais

IV ENEBIO e II EREBIO da Regional 4 Goiânia, 18 a 21 de setembro de 2012

IV ENEBIO e II EREBIO da Regional 4 Goiânia, 18 a 21 de setembro de 2012 CONCEPÇÕES DE GRADUANDOS DE CURSOS DE LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS SOBRE CIÊNCIA, MÉTODO CIENTÍFICO E ENSINO DE CIÊNCIAS. Leonardo Henrique Montalvão (Programa FaunaCO Licenciando em Ciências

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers

As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers ASSUNTO em pauta As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers As lojas de shopping não estão explorando todo o potencial desta poderosa ferramenta de marketing. P o r Fábio Mestriner

Leia mais

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016 2 Gestão de Mestre em Administração Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Master em International Business Universidad de Barcelona MBA em Estratégico Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Administrador Univ.

Leia mais

Proposições. Gluckman(1990) Muitas pessoas deixam de tomar vinho em restaurantes por não saber escolher.

Proposições. Gluckman(1990) Muitas pessoas deixam de tomar vinho em restaurantes por não saber escolher. 3 Metodologia 3.1 Elaboração da Pesquisa A pesquisa de campo dividiu-se em três fases distintas, porém complementares. 1 Passo - Pesquisa Bibliográfica Primeiramente, foi realizada uma pesquisa bibliográfica,

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Fábio Favaretto (PUCPR) fabio.favaretto@pucpr.br Rosana Adami Mattioda (PUCPR) mattioda@brturbo.com Resumo O

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R Roberta Bessa Veloso 1, Daniel Furtado Ferreira 2, Eric Batista Ferreira 3 INTRODUÇÃO A inferência estatística

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais