FORMAÇÃO DOCENTE A DISTÂNCIA: MUDANÇAS DE PARADIGMAS OU NOVAS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO DOCENTE A DISTÂNCIA: MUDANÇAS DE PARADIGMAS OU NOVAS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO?"

Transcrição

1 FORMAÇÃO DOCENTE A DISTÂNCIA: MUDANÇAS DE PARADIGMAS OU NOVAS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO? Julia Malanchen Universidade Federal de Santa Catarina A modalidade de Educação a Distância em torno da qual este trabalho se desenvolve, é tema em voga na sociedade do momento. Encontramos facilmente nos meios de comunicação e, principalmente, nos meios virtuais a grande difusão de notícias sobre o desenvolvimento e incentivos a essa modalidade, na qual o governo brasileiro através da Secretaria de Educação a Distância (SEED), que foi reestruturada nos últimos anos com a intenção de regulamentar e fomentar em números cada vez maiores, a expansão de cursos de graduação está investindo maciçamente com incentivos ao Ensino Superior nessa modalidade, por meio de legislação específica que é aprovada aceleradamente. De acordo com notícia divulgada, No ano de 2004 pelo menos de brasileiros se beneficiaram de algum tipo de curso a distância, desse total, estavam matriculados em cursos oferecidos por 166 entidades credenciadas, como universidades públicas ou privadas que seguem uma regulamentação específica do poder público. (FOLHA ONLINE EDUCAÇÃO, acesso 18/04/05) Outro dado da notícia é de que o crescimento das matrículas na EAD até 2003 na graduação e pós-graduação foi de 44 vezes mais alunos, e se incluir os dados de 2004 esse número aumenta para até 90 vezes mais matrículas. A notícia ainda confirma que a maioria dos cursos a distância no Brasil forma professores, Seria impossível formar um número tão grande de professores pelo método presencial, uma sala de aula normalmente possui 40 alunos, a educação a distância quadruplica, no mínimo, esse número, onde são atendidas em cada turma cerca de 150 pessoas. (FOLHA ONLINE EDUCAÇÃO, 2005). Devido a isso encontramos em grande parte das universidades públicas e em maior número também nas privadas: Centros ou Núcleos de Educação à Distância que ofertam cursos de graduação em diversas áreas, e como evidenciamos nessa pesquisa inicial, em números expressivos no campo da formação docente. Nesse contexto, o que encontramos durante o ano de 2005 com continuidade durante 2006 é o ápice da abertura de cursos de graduação à distância em todo o Brasil. E isto é resultado dos incentivos promovidos por parte dos órgãos responsáveis pelas políticas públicas educacionais, que tiveram fortes impulsos a partir da aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da educação Nacional 9.394/96, e realizam um grande movimento pela instauração de um novo modelo de formação superior, visando atender as normas de organismos internacionais que influenciam em nossa estrutura econômica e social. EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Considerando que a abertura de cursos de EAD se expandiu em maior quantidade a partir da aprovação da nova LDB em 1996, e que as normatizações para a mesma começaram a ocorrer a partir de 1998 e mais precisamente no campo da formação de professores o número se ampliou expressivamente a partir dos anos de 2001 e 2002, como podemos conferir nos pareceres de abertura de cada curso, não temos, portanto muitos

2 trabalhos até o momento que possam contribuir a realização de um contraponto às políticas públicas para ampliação em massa dos cursos à distância. Durante o levantamento de produção, encontramos Scheibe (2002), Silva (2002), Lima (2001,2004) e Barreto (2003, 2004) que colocam a problemática da formação docente a distância em nosso país, e que a mesma precisa ser discutida e não aceita, como está sendo imposta pelos órgãos responsáveis do governo. Sobre as atuais propostas de formação por meio da EAD, Scheibe considera, No seu sentido de educação aberta, de acesso livre a informações e de sua utilização ao longo da vida, a Educação a Distância não é uma modalidade de ensino que possa substituir uma formação inicial presencial, onde os sujeitos em formação iniciam a sua vida acadêmica, precisando de contatos mais permanentes e diretos, de trocas com os professores e com os seus pares. O seu uso na substituição dos cursos e não como complementar a estes, não atende aos princípios construídos pelos educadores brasileiros. Mais grave ainda é o fato de que no Brasil a educação a distância é utilizada tendencialmente para suprir a ausência de oferta de cursos de formação inicial a uma determinada clientela, apresentando-se dessa forma como uma política compensatória (Maués e Bazzo, 2002), dirigida aos segmentos populacionais já historicamente prejudicados e que apresentam defasagem em relação ao sistema formal de educação. (2002, p.10-11) Durante o texto a autora destaca a preocupação e a luta que existe em nosso país pelos educadores na defesa de uma formação de qualidade para todos os professores através de entidades representativas como: ANPED, FORUNDIR e a ANFOPE que em várias reuniões com seus representantes produziram documentos como os de 1998, 2000 e 2002 onde a postura sobre a EAD é a seguinte, É entendimento da ANFOPE que tanto a formação inicial quanto os programas de formação continuada devem possibilitar o uso articulado de tecnologias educacionais, não como substitutivos da modalidade presencial, mas como cooperativos garantida nesse processo a autonomia do trabalho do professor com os conteúdos e materiais didáticos (...) A tecnologia não pode ser vista, entretanto, como um valor em si mesma, é necessário recuperar o sentido de totalidade do homem e de uma educação sustentada na realidade. (2002, p.10-11) Com a mesma preocupação SILVA afirma, Se levarmos em consideração que a educação na modernidade, além de constituidora do ser social, é também a esfera social privilegiada de soberania nacional, de identidade cultural de um país, que contribui para a unidade política, a formação de professores através da educação a distância é um instrumento fundamental dessa negação: essas são as implicações políticas mais sérias das políticas de formação de professores por meio da educação à distância. (2002 p.123) O autor também considera que a demanda nacional pela formação de professores através da EAD, está atrelada a reforma da educação superior, particularmente das universidades, institutos e fundações de pesquisa, bem como a mudança das atividades desenvolvidas pelos intelectuais dessas instituições, e a mudança de paradigma da ciência ai produzida e desta forma, Abre um enorme espaço para as organizações não governamentais e para empresas que possam especializar-se nessas atividades, abrindo, dessa maneira, um nicho para o mercado, numa conjuntura em que o capital tem migrado extensiva e intensivamente para todos os

3 espaços outrora não organizados segundo sua racionalidade. (2002 p.114) Outro apontamento que o autor faz é o da implicação teórica na formação do professor através da EAD, pois para ele a educação é uma esfera social de formação humana e, como tal, realiza-se no âmbito das relações sociais, pondo-as em movimento, concretizando-as por meio da prática humana na especificidade da esfera educativa. Mas através da EAD o que ocorre para ele é uma pseudoformação, onde a mediação feita pela tecnologia não permite que os sujeitos da prática educativa com foco no cognitivo desenvolvam-na nas mesmas relações sociais. Nesse sentido o que se produz são números cada vez maiores de certificação e não há efetivamente produção de conhecimento, uma formação docente efetiva. Para o autor a EAD pode ser um meio de auxiliar formação, mas nunca a única forma de fazê-lo. (SILVA, 2002) Com preocupações semelhantes, Barreto (2003) que é pesquisadora do CNPq com o projeto: Tecnologias da informação e da comunicação e educação a distância: o discurso do MEC, destaca que a partir de 1995, as novas tecnologias da informação e da comunicação - NTIC passaram a constituir referência obrigatória nos discursos das políticas educacionais. E no cenário mundial, a utilização das NTIC como estratégias de educação a distância (EAD) também passaram a integrar as condicionalidades para a concessão de empréstimos aos países em desenvolvimento e que, os organismos internacionais, principalmente o Banco Mundial, defende a formação inicial de forma distinta em países desenvolvidos dos países em desenvolvimento como se configura o caso do Brasil. Barreto relata que no artigo Treinamento de professores ou desenvolvimento profissional permanente? é abordado, A mudança de paradigma na formação de professores nos países desenvolvidos: da separação entre a formação inicial e em serviço para um continuum caracterizado pela articulação da teoria, prática e pesquisa, abrangendo a formação inicial, a inserção na profissão e o desenvolvimento profissional ininterrupto. Nesse movimento as tecnologias são inseridas como estratégias para aperfeiçoar o processo de formação como um todo. Ao tratar da formação de professores nos países em desenvolvimento, o mesmo artigo reduz as TICs a estratégias de EAD, em especial a programas de certificação em larga escala, e destaca iniciativas no Brasil, Uganda e Vietnã, apontando para a sua homogeneização e submissão as leis do mercado. (2003, p.275). Barreto (2004) escreve que a intenção que aparece em artigo escrito por um consultor da CEPAL é um discurso de ordem econômica que veicula um modelo de substituição tecnológica, fundado na racionalidade mental e ancorado nos materiais de ensino. Segundo a autora, essa substituição se refere à tecnologia a ser substituída, que neste caso é o professor na medida em que é cara e ineficiente. E que através do uso intensificado das NTIC os docentes deixariam de ser os principais depositários do conhecimento e passam a ser apenas os animadores de grupo. Dessa forma os organismos internacionais concluem que o dito monopólio do conhecimento detido pelo professor poderia ser quebrado por meio da intensificação do uso das NTIC. E com o conhecimento inscrito nos softwares, nos vídeos e nos livros didáticos, um único docente pode atender a um maior número de estudantes, permitindo cortar custos, com a vantagem adicional de uma formação docente mais flexível e condizente com o mundo globalizado preferencialmente a distância e em menor tempo.

4 Barreto (2004), afirma que com essas medidas, que tiveram inicio no ano de 1995, ano em que foi criada a Secretaria de Educação a Distância SEED, a expressão trabalho docente tem sido cada vez menos usada e substituída por atividade e mais recentemente por tarefa, para a autora isso configura um inegável esvaziamento do trabalho docente. O esvaziamento do trabalho docente, segundo a autora está inscrito na formulação da SEED, instituída para dar conta da revolução tecnológica, anunciada pelo então ministro Paulo Renato de Souza, no lançamento do ano da educação. Lima (2004) avalia que a base da fundamentação política do discurso hegemônico construído pelo MEC, pelo Ministério da Ciência e da Tecnologia (MCT) e por setores hegemônicos das universidades públicas é constituída por três eixos, que são: 1- A educação é concebida enquanto elemento impulsionador do desenvolvimento econômico sustentável de cada país, garantido sua subordinação ao pensamento globalitário; 2- A utilização das novas tecnologias educacionais é identificada como o passaporte da educação para a modernidade (ou pós-modernidade?) ; 3- A educação a distância é concebida como instrumento de democratização da educação, no sentido de adequação dos indivíduos a uma nova sociedade: a sociedade do conhecimento. Para a autora essa perspectiva expressa, através desses três elementos políticos, o viés ideológico, o qual ela nomeia como mito da democratização que atravessa e condiciona a atual política de educação superior a distância. O que podemos observar, é que está posto um modelo de formação que tem duas claras intenções: a) desintelectualizar a formação docente, pois por meio da EAD se valoriza o instrumental e ocorre um esvaziamento do conteúdo cientifico; b) ocorre uma abertura para o comércio dos países centrais nos países periféricos, para a venda de produtos tecnológicos, expandindo a utilização das NTICS. Dessa maneira o capital amplia seu espaço de ação, aumentando significativamente seus lucros, e contempla-se dessa forma, os interesses dos empresários, que fazem da educação uma mercadoria. NÚMEROS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASIL Até o final do mês de dezembro de 2005, no banco de dados da SEED existiam 72 instituições credenciadas para a oferta de cursos de graduação a distância que estão assim distribuídos: Região Instituição privada Instituição pública Total por região Sul Sudeste Norte Nordeste

5 Centro-oeste Total Fonte: elaboração própria com dados da SEED/MEC janeiro/2006. Na seqüência, expomos o resultado da pesquisa realizada nas instituições credenciadas junto ao MEC, para ofertar a formação docente por meio da EAD. Região Total Oferta Total Oferta Total geral por Total oferta Instituição privada formação docente instituição pública formação docente região formação docente por região Sul Sudeste Norte Nordeste Centro-oe ste Total Fonte: elaboração própria com dados da SEED/MEC janeiro/2006. Observa-se que das 72 instituições credenciadas para ofertar cursos de graduação a distância 47 ofertam formação docente. Este quadro representa que 65% das instituições estão atuantes nessa área. Ou seja, no Brasil a educação a distância tem ocupado um lugar de destaque, prioritariamente no campo da formação de professores, especialmente no ensino básico onde se concentra um grande número de cursos e programas experimentais. Esses dados demonstram que a formação docente está sendo estimulada a ser efetuada em sua grande maioria a distância. Para Scheibe (2002) este quadro de formação docente a distância tende a deixar um saldo negativo na profissionalização do professor. E isso ocorre, segundo Campos (2002) apud Scheibe porque, As novas normatizações para a formação docente estão configuradas no interior de uma racionalidade instrumental, cujo caráter pragmático vincula-se fortemente aos contextos de trabalho e emprego, e se afasta das propostas de formação que visam a construção de uma sociedade radicalmente democrática (2002, p.07) Como podemos constatar até o momento, no conjunto das políticas educacionais, brasileiras a formação de professores ocupa uma função estratégica. Em outras palavras, observa-se que a reconfiguração do perfil dos professores constitui a intervenção final para completar a reforma educacional, para uma nova sociedade, um novo perfil de professor, adequado às ditas novas necessidades do mercado de trabalho, mercado este que no Brasil tem a marca da precariedade. Não surpreende, portanto, que um mercado de trabalho assim precarizado demande uma formação

6 profissional nos mesmos moldes. Nesta perspectiva, a concepção de política para a formação docente, assenta-se na defesa: da capacitação, prioritariamente em serviço, em detrimento da formação inicial; visando à certificação aligeirada por meio das novas tecnologias da comunicação e da informação, postas como capazes de operar uma revolução no ensino, a partir da modalidade de educação a distância. Observa-se que, o que orienta essa proposta, é a lógica de racionalizar recursos. Faz-se uma redistribuição racional dos professores existentes e recicla-os, evitando-se, assim, gastos em contratação (TORRES, 1998). Não é coincidência que o Banco Mundial também defenda essa proposta, acrescentando a recomendação de que os recursos públicos serão mais bem distribuídos aumentando-se o número de alunos por professor, com a justificativa de que os gastos com a contratação de professores devem ser realocados para outros fins que melhorem o rendimento. Observa-se, portanto que a política de formação de professores, longe de representar uma política fragmentada, deslocada é viabilizada a partir de estratégias articuladas. A primeira é priorizar a formação de professores do nível fundamental mediante programas acelerados, de curta duração e, como já assinalado, preferencialmente, em serviço, consoante as recomendações do Banco Mundial. A segunda caminha na direção de criar condições favoráveis para a iniciativa privada investir na formação superior de professores em instituições públicas, via ensino à distância, permitindo-se, por exemplo, a cobrança de taxas. (NOGUEIRA, 2003). O que importa segundo Barreto (2003), é um retorno rápido e eficiente, que se traduz em certificação em larga escala, através de cursos flexíveis e de curta duração. Dessa maneira se traduz uma tentativa de hegemonia refletida no direcionamento dado à reforma educacional que segue princípios que pretendem racionalizar, flexibilizar e tornar eficiente o sistema educacional. Um dos aspectos realçados nesse contexto é o de que, o MEC está comprometido com propostas, programas e projetos que visam a diplomação, não há, então, uma preocupação declarada em relação à formação que atenda aos interesses qualitativos seja para a formação inicial ou continuada de professores. Valendo-se desse contexto no qual a EAD está sendo implementada e pouco discutida destacamos um artigo produzido pelo grupo de trabalhos de política educacional da associação dos docentes da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP), que foi publicado em 2002, falando exclusivamente das implicações do ensino a distância em São Paulo. Devido a sua importância transcrevemos abaixo alguns pontos que consideramos os mais importantes, e nos remetem à situação vigente não só no Estado de São Paulo, mas em todo o país, no que tange a formação de professores: 1.Os projetos de cursos de formação de professores a distância representam uma opção por uma nova modalidade de curso superior, pautada na LDB, e caracteriza uma adesão acrítica à política neoliberal, que quer impor um novo projeto de universidade, baseado na economia de recursos humanos e financeiros e na rapidez da formação. Essa modalidade está direcionada às demandas sociais, oriundas de setores mais amplos da população. Está claro que o objetivo desta política é reforçar a existência de dois projetos educacionais: um de qualidade, para as elites; outro rápido e econômico, para a maioria excluída da população. 3.O aligeiramento da formação é uma característica dos projetos em curso e esta não é uma característica de projetos de qualidade. A condição de aligeirado passa a ser um princípio norteador desses cursos (...) A duração do curso PEC/Formação Universitária é de cerca de 17 meses e o da Pedagogia Cidadão de cinco a sete semestres, enquanto o tempo desejado para cursos regulares é de quatro anos.

7 5.Os projetos em andamento indicam o início de um novo processo de fragmentação da formação docente. No processo de ensino/aprendizagem, diferentes atores passarão a desempenhar papéis em diversos níveis do processo de ensino, pois são previstas teleconferência, videoconferência, tutoria e monitoria. Portanto, esses profissionais estarão realizando fragmentariamente partes desta formação. (ADUNESP, 2002 p.52-53) Portanto, o desafio maior dos educadores comprometidos com a qualidade na formação dos professores é de ultrapassar esse modelo de formação calcado na ideologia neoliberal, que tem o mercado como sujeito e determinação última, a favor de uma concepção de formação que tenha o homem, e suas múltiplas e históricas necessidades, como sujeito. REFERÊNCIAS BANCO MUNDIAL. La Enseñanza Superior: las lecciones derivadas de la experiencia. Banco Mundial. Primeira Edição em Espanhol, junho de Washington-DC. BARRETO. Raquel G. Tecnologias na formação dos professores. O discurso do MEC. Educação e Pesquisa v.29 nº Tecnologia e Educação. Trabalho e formação docente. Educação e Sociedade. V. 25 nº. 89, CAMPOS, Roselane Fátima. A reforma da formação inicial dos professores da educação básica nos anos de 1990 desvelando as tessituras da proposta governamental. Florianópolis, p. Tese (Doutorado em Educação) Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina. GRUPO DE TRABALHO DE POLÍTICA EDUCACIONAL DA ADUNESP S. SINDICAL. Novas propostas de formação ou velhas políticas de (des)qualificação? Cadernos da ADUNESP, n. 1, fev LIMA, Kátia R. S. Reforma universitária do governo Lula e educação a distância: democratização ou subordinação das universidades públicas à ordem do capital? Trabalho apresentado no seminário local preparatório do 5º CONED. Eixo 1: organização da educação nacional. Mesa 1: Educação à distância. ADUFU. 02/05/2004. NOGUEIRA, Elizabeth Saramela. Políticas de formação de professores: a formação cindida ( ) Tese de doutorado defendida em 2003 no programa de pós-graduação em educação na UFRJ. (mimeo). SCHEIBE, Leda. Formação inicial a distância: Novas propostas de formação ou velhas políticas de (des)qualificação dos professores para as séries iniciais? Texto escrito a partir da apresentação da autora na Sessão Especial sobre As políticas de formação do professor em Educação a Distância implicações teórico-práticas, ocorrida na 25ª Reunião Anual da ANPED (mimeo). SILVA JUNIOR, J. dos R. Reformas do Estado, da Educação Superior e as Políticas Públicas para Formação de professores à Distância: implicações políticas e teóricas. Texto apresentado na mesa redonda do mesmo nome, na 25ª reunião de ANPED. Caxambu: ANPED, setembro de TORRES, Rosa Maria. Tendências da formação docente nos anos 90. In: Seminário Internacional: Novas Políticas Educacionais: Críticas e Perspectivas, 2., 1998, São Paulo. Anais. São Paulo: PUC-SP,

8

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Conselheira do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior EAD NO BRASIL 1ª Fase: Década de 60 Ensino

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Ana Claudia da Silva Rodrigues; Lílian Maria Paes de Carvalho Ramos (Orientadora) Universidade Federal Rural

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

As tecnologias de informação e comunicação no Plano Nacional de Educação 2011-2020: para quê? Resumo

As tecnologias de informação e comunicação no Plano Nacional de Educação 2011-2020: para quê? Resumo As tecnologias de informação e comunicação no Plano Nacional de Educação 2011-2020: para quê? Cíntia Velasco Santos Glaucia Campos Guimarães Faculdade de Formação de Professores UERJ Resumo Este estudo

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 1 DOS OBJETIVOS GERAIS... 1 CAPÍTULO II... 1 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 1 CAPÍTULO III...

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Uso de Tecnologias no Ensino Fundamental

Capacitação de Recursos Humanos para o Uso de Tecnologias no Ensino Fundamental Programa 0042 ESCOLA DE QUALIDADE PARA TODOS Objetivo Melhorar a qualidade do ensino fundamental, mediante a democratização do acesso a novas tecnologias de suporte à formação educacional. Indicador(es)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto-SP - 05/2009 Edilson Carlos Caritá - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação DOCUMENTO PARA SUBSIDIAR DISCUSSÃO NA AUDIÊNCIA PÚBLICA REGIONAL RECIFE 21/03/01. ANÁLISE DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROPOSTA DE DIRETRIZES

Leia mais

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO 1. Apresentação O curso de Pós Graduação Lato Sensu em Psicologia Educacional da POSGLOGAL visa a formação profissional de graduados que tenham

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA EAD: REALIDADE OU ILUSÃO?

INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA EAD: REALIDADE OU ILUSÃO? INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA EAD: REALIDADE OU ILUSÃO? JULIA MALANCHEN 1 Na pesquisa que realizamos, e que resultou nesse trabalho, pudemos observar na produção de diversos autores que trabalham com a Educação

Leia mais

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD Maringá PR Maio 2012 Camilla Barreto Rodrigues Cochia CESUMAR camilla.cochia@ead.cesumar.br José Renato de Paula Lamberti

Leia mais

Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal

Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal Depoimento de Fredric M. Litto Presidente da ABED-Associação Brasileira de Educação a Distância Brasília, 5 de julho de 2007 ABED-Associação

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

José Severino da Silva UFPE js.pedagogo@gmail.com. Julho 2011. Educação Media e Tecnologia. Sistemas e Instituições. Descrição de Projeto em Andamento

José Severino da Silva UFPE js.pedagogo@gmail.com. Julho 2011. Educação Media e Tecnologia. Sistemas e Instituições. Descrição de Projeto em Andamento 1 O TRABALHO DO PROFESSOR-TUTOR NOS CURSOS A DISTÂNCIA: UM OLHAR SOBRE A REGULAMENTAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE EM ALGUMAS IES PÚBLICAS DE PERNAMBUCO Julho 2011 José Severino da Silva UFPE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Espaços de fluxo das TICs Fluxo Tecnológico Sistema Produtivo Sociedade Inovação Realimentação Flexibilidade Equipes Extrema velocidade das mudanças

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O PAPEL DOCENTE: PRESSUPOSTOS E PARADIGMAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O PAPEL DOCENTE: PRESSUPOSTOS E PARADIGMAS EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O PAPEL DOCENTE: PRESSUPOSTOS E PARADIGMAS Introdução Marcos Antônio de Carvalho Rosa (FCA) A educação é parte integrante do processo de formação do ser humano, contribuindo para

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFMT Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Hoje, no Brasil, são inúmeras as Instituições de Ensino credenciadas para oferecer cursos na modalidade de

Leia mais

Como você vê o futuro da EAD na universidade pública brasileira?

Como você vê o futuro da EAD na universidade pública brasileira? Como você vê o futuro da EAD na universidade pública brasileira? A mídia costuma ser implacável em relação à EAD: tomando por base uma realidade inegável na qual os antigos cursos de fim de semana, na

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD Ana Maria Ferreira Carvalho Mariza Russo Nadir Ferreira Alves Nysia Oliveira de Sá CBG/FACC/UFRJ

Leia mais

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Audiência Pública As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância Dados globais

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro Universidade de Santiago de Compostela/Espanha

Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro Universidade de Santiago de Compostela/Espanha TRAJETÓRIA DA PRODUÇÃO E APLICAÇÃO DO MATERIAL IMPRESSO E AUDIOVISUAL DE DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA À DISTÂNCIA DA UDESC Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

ANÁLISE DA CONJUNTURA EDUCACIONAL BRASILEIRA

ANÁLISE DA CONJUNTURA EDUCACIONAL BRASILEIRA ANÁLISE DA CONJUNTURA EDUCACIONAL BRASILEIRA Breve balanço das principais atividades realizadas no âmbito educacional pela CONTEE na gestão que se encerra: 1-Participação na organização das etapas municipais,

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA 1 DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Brasília - DF setembro 2014 Omitido para avaliação Instituição email Classe Investigação Científica Setor Educacional Educação Superior Classificação

Leia mais

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CONTEXTO DA EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CONTEXTO DA EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CONTEXTO DA EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL Rudinei Lopes Magalhães Silva 1 Ana Maria da Silva Magalhães 2 Eixo temático: 5 Educação Superior Indicação da categoria: Comunicação

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

A tutoria na UFAL. Mc. Rosana Sarita de Araujo CEDU/CIED/UFAL

A tutoria na UFAL. Mc. Rosana Sarita de Araujo CEDU/CIED/UFAL A tutoria na UFAL Mc. Rosana Sarita de Araujo CEDU/CIED/UFAL Quem é o tutor da UFAL? O tutor é o mediador entre: Professor Aluno TUTOR Conteúdo O Núcleo de Tutoria na CIED Sistema de relações internamente

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Keywords: distance education, vocational training and social services.

Keywords: distance education, vocational training and social services. Ensino superior e Serviço Social brasileiro: análise dos cursos de Serviço Social na modalidade de educação à distancia Taiane Alecrim Mattos 1 taianealecrim@gmail.com Modalidade: Eixos temáticos: Palavras-chave:

Leia mais

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1 A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1 Benedito Anselmo Martins de Oliveira 2 O movimento de economia solidária

Leia mais

O PROUNI: IMPACTOS DO PROGRAMA COMO POLÍTICA PÚBLICA PARA UNIVERSITÁRIOS DE BELO HORIZONTE

O PROUNI: IMPACTOS DO PROGRAMA COMO POLÍTICA PÚBLICA PARA UNIVERSITÁRIOS DE BELO HORIZONTE O PROUNI: IMPACTOS DO PROGRAMA COMO POLÍTICA PÚBLICA PARA UNIVERSITÁRIOS DE BELO HORIZONTE Janaína Vieira de Carvalho 1 Renato Júdice de Andrade 1 End. Rua Itaguaí, nº 315 Bairro: Alto Caiçara Belo Horizonte

Leia mais

AS DIRETRIZES DO ACORDO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO E O TRABALHO DOCENTE

AS DIRETRIZES DO ACORDO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO E O TRABALHO DOCENTE 1 AS DIRETRIZES DO ACORDO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO E O TRABALHO DOCENTE ILMA DE ANDRADE BARLETA Universidade Federal do Pará UFPA ilmabarleta@bol.com.br RESUMO: este artigo objetiva analisar

Leia mais

Educação à Distância Vantagens e Desvantagens

Educação à Distância Vantagens e Desvantagens Educação à Distância Vantagens e Desvantagens Helena Pinto Nonato 1, Ernerstina Nonato Pinto 2 1 Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás (UFG) Caixa Postal 131 CEP 74001-970 Goiânia Go Brasil

Leia mais

A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância

A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância Oreste Preti Como tudo começou Dizem os historiadores, eu concordo com eles, que nada nasce de repente (ad abrupto,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Recife PE - Abril 2010 Ivanda Maria Martins Silva - UFRPE martins.ivanda@gmail.com Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC INSTITUTO EDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA IC PRO-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE EaD PRO-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO MÓDULO EaD 2013 PROCD Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA À DISTÂNCIA: POSSIBILIDADE E REALIDADE

CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA À DISTÂNCIA: POSSIBILIDADE E REALIDADE CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA À DISTÂNCIA: POSSIBILIDADE E REALIDADE Kátia M.V.G.Segovia 1 ; Tallyrand M..Jorcelino 2, Uziel S.Alves 3, Alice M.Ribeiro 4 Autor: Graduanda em Licenciatura em Biologia

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Certeza de um. grande negócio

Certeza de um. grande negócio ESPECIAL EAD Certeza de um grande negócio A educação a distância no ensino superior segue uma tendência irreversível de crescimento, puxada pelas instituições particulares, que investem cada vez mais pesadamente

Leia mais

Projeto de Monitoria 2011/2012 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de ensino em Ciências Sociais

Projeto de Monitoria 2011/2012 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de ensino em Ciências Sociais Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Campus Guarulhos Curso de Ciências Sociais Projeto de Monitoria 2011/2012 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de

Leia mais

A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA

A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA 1 A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA Angélica Cristina Bitar Miranda (UFPA) GT 02 Formação de Professores O curso de Pedagogia foi instituído no Brasil em 1939

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

Cursos de Graduação na modalidade EAD em Engenharia. Waldomiro Loyolla

Cursos de Graduação na modalidade EAD em Engenharia. Waldomiro Loyolla Cursos de Graduação na modalidade EAD em Engenharia Waldomiro Loyolla Foz do Iguaçu 15 de maio de 2013 Univesp Agenda Histórico do Programa Universidade Institucionalização Engenharia por EAD Cursos no

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.547, DE 18 DE SETEMBRO DE 2009. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Autoriza a doação de lote pertencente ao Município de Morrinhos para

Leia mais

Trabalho docente e TIC alguns apontamentos

Trabalho docente e TIC alguns apontamentos Trabalho docente e TIC alguns apontamentos Elizabeth Menezes Teixeira Leher (UFRJ) Ligia Karam Corrêa de Magalhães (UERJ) Eixo Temático - Tecnologia: pra que te quero? Resumo Este trabalho aborda os discursos

Leia mais

Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania

Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania 1 Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania Outubro/2006 Solange Cristina da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina/UDESC- psolangesil@yahoo.com.br GT3 Elaboração de Material Didático Palavras-Chave:

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE Laboratório de Extensão - LABEX Augusto Gomes Amado Júlia Mafra Letícia Nery de Figueiredo Juliana Westmann Del Poente Thaisa

Leia mais

Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria.

Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria. Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria. II CONAE 2014 Adércia Bezerra Hostin Coordenadora de assuntos educacionais Eixos i. Mercantilização ii. Financeirização

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: DA ELABORAÇÃO À EFETIVAÇÃO

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: DA ELABORAÇÃO À EFETIVAÇÃO DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: DA ELABORAÇÃO À EFETIVAÇÃO Resumo SOARES, Solange Toldo UFPR solange_tsoares@yahoo.com.br BETTEGA, Maria Odette de Pauli UFPR mbettega@terra.com.br

Leia mais

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ 1 A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ Mayara de Freitas Orientadora Profa. Dra. Sandra Aparecida

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP

Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP A formulação de um PDI deve partir de metas definidas pela parceria entre a comunidade e a administração central da

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA Fortaleza Ce Maio 2011 Graziella Batista de Moura Universidade de Fortaleza graziella@unifor.br Vandalina

Leia mais