BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL"

Transcrição

1 BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL OLIVEIRA, Amauri GonÉalves de 1 SILVA, Denis Rodrigues 2 RESUMO: O processo de convergüncia contâbil ao International Financial Reporting Standards (IFRS) no Brasil trouxe impactos significativos nas DemonstraÉäes Contâbeis, assim, o presente estudo busca mostrar as principais alteraéäes no BalanÉo Patrimonial, com a finalidade de evidenciar o ganho da qualidade informacional proporcionada aos usuârios internos e externos devido ao processo de convergüncia promovido pelos ãrgños regulamentadores no Brasil. Para este estudo foram utilizadas pesquisas bibliogrâficas e tambåm um comparativo histãrico entre o Decreto-Lei 2.627/40, a Lei 6.404/76, a Lei /07 e a Lei /09 apoiado nas orientaéäes emitidas pelo ComitÜ de Pronunciamentos Contâbeis (CPC), objetivando entender e evidenciar as principais alteraéäes ocorridas no BalanÉo Patrimonial. Com o presente estudo foi possövel perceber que este processo de harmonizaéño estâ trazendo grandes beneföcios para os usuârios da informaéño contâbil, seja ele um usuârio nacional ou internacional, uma vez que, a contabilidade estâ utilizando uma linguagem universal facilitando o entendimento das DemonstraÉäes Financeiras de uma forma globalizada. PALAVRAS-CHAVE: BalanÉo Patrimonial. ConvergÜncia contâbil. InformaÉÑo contâbil. INTRODUÇÃO No Brasil, dåcadas atrâs, a contabilidade era desenvolvida principalmente para atender çs necessidades fiscais, nño existindo a preocupaéño com o usuârio da informaéño contâbil. Entretanto, com o passar do tempo cada vez mais foi existindo a necessidade da obtenéño de informaéäes mais seguras e atualizadas para demonstrar a situaéño patrimonial e financeira das empresas. As informaéäes apresentadas nas demonstraéäes contâbeis sofreram grandes mudanéas por conta da globalizaéño. Diante disso, as demonstraéäes contâbeis necessitaram que a informaéño tivesse uma linguagem universal, para que analistas, investidores e demais usuârios tenham a mesma compreensño. 1 Mestrando em CiÄncias ContÅbeis FECAP/SP. Especialista em MatemÅtica UFMT/ROO. Bacharel em CiÄncias ContÅbeis UFMT/ROO. Atualmente, É docente na Faculdade de CiÄncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÖo EDUVALE. 2 Mestrando em CiÜncias Contâbeis FECAP/SP. Especialista em FinanÉas FMU/SP. Bacharel em CiÜncias Contâbeis FECAP/SP. Professor Universitârio FACSUMARé. 1

2 Este processo ficou conhecido no Brasil como harmonizaéño das DemonstraÉäes Contâbeis criando um marco para a contabilidade no Brasil, pois buscou-se uma convergüncia das normas contâbeis internacionalmente permitindo assim que todos os paöses tenham uma mesma linguagem contâbil. Toda esta transformaéño nas normas locais de contabilidade para o padrño internacional estâ ocorrendo de forma gradativa, sendo orientado pelo ComitÜ de Pronunciamentos Contâbeis (CPC), e este å formado por Conselhos, AssociaÉäes e FundaÉäes diretamente ligadas a contabilidade atravås da auditoria, do mercado de capitais e da ârea acadümica. Assim, o presente estudo busca estudar e comparar as mudanéas ocorridas no BalanÉo Patrimonial devido ao processo de convergüncia impactado pelas mudanéas nas normas legais rumo ao IFRS. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E SUA IMPORTÂNCIA A contabilidade å uma ferramenta de importència inegâvel para a gestño das empresas, pois atravås de suas demonstraéäes contâbeis pode-se evidenciar a prestaéño de contas assim como os direitos realizâveis, alcanéando o seu sentido real de existir na dissipaéño da informaéño as partes interessadas diretamente ou indiretamente das aéäes tomadas na organizaéño. Na visño de IudÖcibus, Marion e Faria (2009, p. 43) a informaéño contâbil, como todo bem econëmico, tem um custo, e esse custo deve ser comparado com os beneföcios esperados da informaéño. Diante disto, å notãrio perceber que a contabilidade exerce um papel fundamental no contexto empresarial, pois sño exigidas informaéäes que de uma ou outra maneira proporcionam uma satisfaéño em favor dos interesses de quem tem uma relaéño direta ou nño com as aéäes das Companhias Abertas ou informaéäes relevantes para Companhias fechadas ou limitadas. Estas informaéäes sño encontradas nas demonstraéäes contâbeis, que conforme o ComitÜ de Pronunciamentos Contâbeis (CPC) representam de forma estruturada a posiéño patrimonial e financeira e o desempenho da entidade proporcionando informaéño átil a um grande námero de usuârios em suas avaliaéäes e tomada de decisäes econëmicas, cumprindo ainda o papel de apresentar os resultados da atuaéño da administraéño, em face de seus deveres e responsabilidades na gestño dos recursos permitindo aos usuârios das demonstraéäes contâbeis a prever os futuros fluxos de caixa da entidade e, em particular, a åpoca e o grau de certeza de sua geraéño (CPC-26, 2011). 2

3 Em consonència ao CPC-26 (2011) o Conselho Regional de Contabilidade do Paranâ (CRC-PR) elenca que: A anâlise e leitura das DemonstraÉäes Contâbeis indicam que as informaéäes sobre a posiéño patrimonial e financeira sño principalmente fornecidas pelo balanéo patrimonial. As informaéäes sobre o desempenho sño basicamente fornecidas na demonstraéño do resultado. As informaéäes sobre as mutaéäes na posiéño financeira sño fornecidas nas DemonstraÉäes Contâbeis por meio de uma demonstraéño em separado, tal como a de fluxos de caixa, mutaéäes do patrimënio löquido, etc. (CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO PARANì, 2011) No entanto, å imprescindövel que se perceba que å o conjunto das demonstraéäes contâbeis å que facilitam as aéäes dos usuârios da contabilidade, e que as demonstraéäes contâbeis se inter-relacionam por serem oriundas das mesmas transaéäes ou eventos, no entanto, nño significa que todas cumprem uma ánica funéño e que sño autossuficientes para prover os usuârios de informaéäes (CPC-00, 2011). Usuários das informações contábeis O papel das demonstraéäes contâbeis å prover seus usuârios ou as partes interessadas de informaéäes para as suas avaliaéäes ou tomadas de decisño. Os usuârios podem ser investidores, empregados, credores, proprietârios, governo, etc. Cada usuârio da informaéño contâbil tem uma necessidade, como se encontra no CPC-00 (2011), entre esses usuârios incluem: (a) Investidores. Os provedores de capital de risco e seus analistas que se preocupam com o risco inerente ao investimento e o retorno que ele produz. Eles necessitam de informaéäes para ajudâ-los a decidir se devem comprar, manter ou vender investimentos. Os acionistas tambåm estño interessados em informaéäes que os habilitem a avaliar se a entidade tem capacidade de pagar dividendos. (b) Empregados. Os empregados e seus representantes estño interessados em informaéäes sobre a estabilidade e a lucratividade de seus empregadores. Tambåm se interessam por informaéäes que lhes permitam avaliar a capacidade que tem a entidade de prover sua remuneraéño, seus beneföcios de aposentadoria e suas oportunidades de emprego. (c) Credores por empréstimos. Estes estño interessados em informaéäes que lhes permitam determinar a capacidade da entidade em pagar seus empråstimos e os correspondentes juros no vencimento. (d) Fornecedores e outros credores comerciais. Os fornecedores e outros credores estño interessados em informaéäes que lhes permitam avaliar se as importèncias que lhes sño devidas serño pagas nos respectivos vencimentos. Os credores comerciais provavelmente estarño interessados em uma entidade por um peröodo menor do que os credores por empråstimos, a nño ser que dependam da continuidade da entidade como um cliente importante. 3

4 (e) Clientes. Os clientes tüm interesse em informaéäes sobre a continuidade operacional da entidade, especialmente quando tüm um relacionamento a longo-prazo com ela, ou dela dependem como fornecedor importante. (f) Governo e suas agências. Os governos e suas agüncias estño interessados na destinaéño de recursos e, portanto, nas atividades das entidades. Necessitam tambåm de informaéäes a fim de regulamentar as atividades das entidades, estabelecer polöticas fiscais e servir de base para determinar a renda nacional e estatösticas semelhantes. (g) Público. As entidades afetam o páblico de diversas maneiras. Elas podem, por exemplo, fazer contribuiéño substancial ç economia local de vârios modos, inclusive empregando pessoas e utilizando fornecedores locais. As demonstraéäes contâbeis podem ajudar o páblico fornecendo informaéäes sobre a evoluéño do desempenho da entidade e os desenvolvimentos recentes. (grifo nosso). O CPC-00 (2011) ainda destaca que: Esses usuârios possuem interesses e competüncias distintas, por isso precisam as DemonstraÉäes Contâbeis ser preparadas para atendimento çs necessidades comuns da maioria deles. Todavia, elas nño fornecem todas as informaéäes que os usuârios possam necessitar para tomar decisäes econëmicas, considerando que tais DemonstraÉäes Contâbeis refletem principalmente os efeitos financeiros ocorridos no passado e nño contåm necessariamente informaéäes que nño sejam de carâter financeiro. Adicionalmente, presume-se que os usuârios das DemonstraÉäes Contâbeis tenham um conhecimento razoâvel dos negãcios, atividades econëmicas e de contabilidade e a disposiéño de estudar as informaéäes com razoâvel diligüncia. Conforme IudÖcibus, Marion e Faria (2009, p. 44), enquanto alguns tomadores de decisño sabem tirar leite de pedra de informaéäes simples [...] outros nem tomam conhecimento. Nesse tocante, fica evidente que å imprescindövel que o usuârio saiba manipular as informaéäes contâbeis para que proporcione o que se espera como retorno. Essas informaéäes encontradas nas demonstraéäes contâbeis å que subsidiam a aéño ou nño do usuârio, pois os demonstrativos contâbeis viabilizam informaéäes de natureza econëmica, financeira e social da empresa. A qualidade informacional das demonstrações contábeis As informaéäes que sño viabilizadas pelas demonstraéäes contâbeis necessitam atender as necessidades de seus usuârios de forma que este nño duvide do teor. Para isso å necessârio que as informaéäes sejam confiâveis e cumpram um rigor de qualidade possuindo caracterösticas como compreensibilidade, relevència, confiabilidade e comparabilidade (IUDÄCIBUS; MARION; FARIA, 2009, p ). é fundamental que as demonstraéäes contâbeis sejam compreensíveis, pois as informaéäes apresentadas aos usuârios tem o papel de permitir que os usuârios tenham um 4

5 conhecimento razoâvel dos negãcios, das atividades econëmicas e da contabilidade tornando possövel a tomada de decisño (CPC-00, 2011). Com relaéño ç relevència das informaéäes o CPC-00 (2011) traz que: As informaéäes sño relevantes quando podem influenciar as decisäes econëmicas dos usuârios, ajudando-os a avaliar o impacto de eventos passados, presentes ou futuros ou confirmando ou corrigindo as suas avaliaéäes anteriores. [...] InformaÉäes sobre a posiéño patrimonial e financeira e o desempenho passado sño frequentemente utilizadas como base para projetar a posiéño e o desempenho futuros, assim como outros assuntos nos quais os usuârios estejam diretamente interessados [...] Para terem valor como previsño, as informaéäes nño precisam estar em forma de projeéño explöcita. A capacidade de fazer previsäes com base nas demonstraéäes contâbeis pode ser ampliada, entretanto, pela forma como as informaéäes sobre transaéäes e eventos anteriores sño apresentadas. (grifo nosso). O CPC-00 (2011) tambåm afirma que: Para ser átil, a informaéño deve ser confiável, ou seja, deve estar livre de erros ou vieses relevantes e representar adequadamente aquilo que se propäe a representar. [...] Para ser confiâvel, a informaéño deve representar adequadamente as transaéäes e outros eventos que ela diz representar. [...] Para que a informaéño represente adequadamente as transaéäes e outros eventos que ela se propäe a representar, å necessârio que essas transaéäes e eventos sejam contabilizados e apresentados de acordo com a sua substència e realidade econëmica, e nño meramente sua forma legal. A essüncia das transaéäes ou outros eventos nem sempre å consistente com o que aparenta ser com base na sua forma legal ou artificialmente produzida. [...] Para ser confiâvel, a informaéño contida nas demonstraéäes contâbeis deve ser neutra, isto å, imparcial. As demonstraéäes contâbeis nño sño neutras se, pela escolha ou apresentaéño da informaéño, elas induzirem a tomada de decisño ou um julgamento, visando atingir um resultado ou desfecho predeterminado. [...] Para ser confiâvel, a informaéño constante das demonstraéäes contâbeis deve ser completa, dentro dos limites de materialidade e custo. Uma omissño pode tornar a informaéño falsa ou distorcida e, portanto, nño-confiâvel e deficiente em termos de sua relevència. (grifo nosso). que: E, a orientaéño trazida pelo ComitÜ de Pronunciamentos Contâbeis, ainda destaca Os usuârios devem poder comparar as demonstraéäes contâbeis de uma entidade ao longo do tempo, a fim de identificar tendüncias na sua posiéño patrimonial e financeira e no seu desempenho. Os usuârios devem tambåm ser capazes de comparar as demonstraéäes contâbeis de diferentes entidades a fim de avaliar, em termos relativos, a sua posiéño patrimonial e financeira, o desempenho e as mutaéäes na posiéño financeira. Conseqñentemente, a mensuraéño e apresentaéño dos efeitos financeiros de transaéäes semelhantes e outros eventos devem ser feitas de modo consistente pela entidade, ao longo dos diversos peröodos, e tambåm por entidades diferentes. Uma importante implicaéño da caracteröstica qualitativa da comparabilidade å que os usuârios devem ser informados das prâticas contâbeis seguidas na elaboraéño das demonstraéäes contâbeis, de quaisquer mudanéas nessas prâticas e tambåm o efeito de tais mudanéas. Os usuârios precisam ter 5

6 informaéäes suficientes que lhes permitam identificar diferenéas entre as prâticas contâbeis aplicadas a transaéäes e eventos semelhantes, usadas pela mesma entidade de um peröodo a outro e por diferentes entidades. A observència dos Pronunciamentos Tåcnicos, inclusive a divulgaéño das prâticas contâbeis utilizadas pela entidade, ajudam a atingir a comparabilidade. A necessidade de comparabilidade nño deve ser confundida com mera uniformidade e nño se deve permitir que se torne um impedimento ç introduéño de normas contâbeis aperfeiéoadas. NÑo å apropriado que uma entidade continue contabilizando da mesma maneira uma transaéño ou evento se a prâtica contâbil adotada nño estâ em conformidade com as caracterösticas qualitativas de relevència e confiabilidade. Tambåm å inapropriado manter prâticas contâbeis quando existem alternativas mais relevantes e confiâveis. Tendo em vista que os usuârios desejam comparar a posiéño patrimonial e financeira, o desempenho e as mutaéäes na posiéño financeira ao longo do tempo, å importante que as demonstraéäes contâbeis apresentem as correspondentes informaéäes de peröodos anteriores. Diante, das argumentaéäes citadas acima, å possövel observar que as demonstraéäes contâbeis precisam ser minuciosamente elaboradas cumprindo uma qualidade informacional aos usuârios para que as suas tomadas de decisño sejam eficientes e eficazes. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONFORME IFRS O que sño as Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) e o ãrgño regulamentador (IASC/IASB)? O IFRS å uma norma internacional de contabilidade utilizada pela comunidade europeia para facilitar leituras uniforme entre os analistas de mercados mundiais e tambåm demais leitores. Trata-se de organizaéño internacional sem fins lucrativos que publica e atualiza as International Financial Reporting Standards (IFRS) em löngua inglesa com sede em Londres Inglaterra. Sua criaéño originou-se em 1 de abril de 2001 na estrutura do International Accounting Standards Committee (IASC) antigo nome da instituiéño que emitia as normas internacionais de contabilidade (IAS) que posteriormente foi alterado para Normas Internacionais de Relatãrios Financeiros (IFRS). A instituiéño International Accounting Standards Board (IASB) posteriormente assumiu as responsabilidades tåcnicas do IASC a partir de 2005 com o objetivo de melhorar os anteriores pronunciamentos contâbeis internacionais (IAS) emitidos pelo IASC. No Brasil por mais de 30 anos a contabilidade foi elaborada em consonència com a lei das sociedades anënimas, Lei 6.404/76 que teve forte influüncia dos princöpios contâbeis norte americanos (USGAAP Generally Accepted Accounting Principles). Entretanto, este cenârio foi foréado 6

7 a mudar para atender as exigüncias internacionais, sendo num primeiro momento instituöda a Lei de dezembro de 2007 buscando a convergüncia das normas de contabilidade. Esta convergüncia impactou diretamente na evidenciaéño das DemonstraÉäes Contâbeis, sendo mais recentemente orientada pelo CPC no Brasil e internacionalmente pelo International Financial Reporting Standards (IFRS). Segundo o CPC-26 (2011) as peéas das demonstraéäes contâbeis sño: (a) balanéo patrimonial ao final do peröodo; (b) demonstraéño do resultado do peröodo; (c) demonstraéño do resultado abrangente do peröodo; (d) demonstraéño das mutaéäes do patrimënio löquido do peröodo; (e) demonstraéño dos fluxos de caixa do peröodo; (f) demonstraéño do valor adicionado do peröodo aplicâvel para as Companhias Abertas, conforme Pronunciamento Tåcnico CPC 09 DemonstraÉÑo do Valor Adicionado, se exigido legalmente ou por algum ãrgño regulador ou mesmo se apresentada voluntariamente; (g) notas explicativas, compreendendo um resumo das polöticas contâbeis significativas e outras informaéäes explanatãrias; e (h) balanéo patrimonial do inöcio do peröodo mais antigo comparativamente apresentado quando a entidade aplica uma polötica contâbil retroativamente ou procede ç reapresentaéño de itens das demonstraéäes contâbeis, ou ainda quando procede ç reclassificaéño de itens de suas demonstraéäes contâbeis. Destes tãpicos serâ discutido a seguir o BalanÉo Patrimonial, contemplando suas informaéäes chaves e traéando um comparativo histãrico. O Balanço Patrimonial e sua evolução O BalanÉo Patrimonial å uma ferramenta que å usada hâ muito tempo para solidificar as informaéäes contâbeis. Em um primeiro momento eram chamados de BalanÉos Gerais onde todos os comerciantes deviam apresentar anualmente os totais de seus ativos e passivos (MENDONóA, 1906, 72). Estes BalanÉos Gerais tinham a finalidade de apresentar a situaéño econëmica e os resultados favorâveis ou negativos das operaéäes realizadas anualmente e serviam como advertüncia aos empresârios (MENDONóA, 1906, p. 72). 7

8 Nos estudos de MendonÉa (1906, p. 72) ele afirma que o balanéo figurou em sociedades muito antigas e que em 1600, o Banco de Sant Ambrogio, de MilÑo, e as companhias anglo-indiana e franco-indiana jâ levantavam os balanéos. Assim, os balanéos gerais deviam ser elaborados todos os anos nño obedecendo ao ano calendârio e sim o áltimo balanéo. No entanto, existiam ocasiäes em que os BalanÉos gerais eram levantados como pela dissoluéño da sociedade, pela venda ou pela falüncia, podendo ainda ser elaborado conforme conviesse aos interesses dos proprietârios (MENDONóA, 1906, p. 74). Os BalanÉos Gerais eram constituödos, conforme MendonÉa (1906, p ), de:... duas partes distintas: o ativo e o passivo. [...] O ativo nño representa os haveres, a fortuna, o patrimënio de um comerciante, mas significa a totalidade dos valores permutâveis, expressos em dinheiro, dos quais o comerciante tem a livre disposiéño, pertenéam a ele ou a terceiros: material, mercadorias, letras em carteira, cråditos diversos, dinheiro em caixa ou em depãsito, etc. [...] Costuma-se, â vista disso, distinguir duas espåcies principais de ativo: a) o ativo real, a totalidade do capital que o comerciante dispäe, capital distribuödo pelas suas diversas contas de valores e pelos seus devedores; b) o ativo fictício, nño realizâvel, representado por qualquer conta de ordem, cujo saldo devedor exprime no balanéo despesas nño ainda amortizadas ou perdas do capital, ex: o saldo devedor da conta de lucros e perdas. O passivo exprime as responsabilidades do comerciante e, por sua vez, pode ser: a) fictício, representado pelo capital do comerciante, ou por uma conta de amortizaéño ou reserva: o comerciante nño o deve a ninguåm; b) real, que å o devido a terceiros mutuantes, fornecedores, etc, e chama-se capital de crédito. (versño nossa). Do texto supracitado, å possövel perceber que no inöcio do såculo XX jâ se tinha uma divisño do BalanÉo, no entanto essa divisño em fictöcio e real nño separava coerentemente. Desta forma nño era possövel perceber uma classificaéño entre o que era realizâvel/exigövel em curto prazo e longo prazo e, assim como a figura do Patrimënio LÖquido que nño era perceptövel. Assim, somente por volta de 1940, com influüncia da escola europeia, å que se percebe uma busca das normatizaéäes das demonstraéäes contâbeis. DurÑes (2003, p. 91) afirma que:... o grande passo rumo as normatizaéäes contâbeis no Brasil teve seu inöcio praticamente com o advento do Decreto-Lei nò 2627, promulgado em 26 de setembro de 1940, influenciado pela escola europeia, onde a preocupaéño dos governantes da åpoca estava direcionada ç proteéño aos investidores e acionistas de maneira geral. 8

9 E, com a divulgaéño desse Decreto-Lei å que se comeéa observar alteraéäes na elaboraéño do balanéo que ainda recebia o nome de BalanÉo Geral e, em seu art. 135 determinava que: Art O balanéo deverâ exprimir, com clareza, a situaéño real da sociedade, e, atendidas as peculiaridades do günero de indástria ou comårcio explorado pela sociedade, nele se observarño as seguintes regras: a) o ativo serâ dividido em ativo imobilizado, estâvel ou fixo, ativo disponövel, ativo realizâvel em curto prazo e a longo prazo, contas de resultado pendente, contas de compensaéño; b) o passivo serâ dividido em passivo exigövel, a longo e curto prazo, e passivo nño exigövel, neste compreendidos o capital e as reservas legais e estatutârias, e compreenderâ tambåm as contas de resultado pendente e as contas de compensaéño (BRASIL, 1940). O que a norma legal evidencia å uma preocupaéño com a åtica na elaboraéño do BalanÉo Geral e mostra uma racionalidade na classificaéño dos grupos de contas, alåm de exigir a separaéño do capital e das reservas. Com relaéño çs prâticas contâbeis DurÑes (2003, p. 94) afirma: Era notãrio, como uma boa prâtica contâbil da åpoca o uso das contas de compensaéño que tambåm eram conhecidas como contas de ordem, ou contas extra-patrimoniais, elas tinham a finalidade de registrar, para efeito de mera localizaéño e controle, os valores jâ inscritos nas contas patrimoniais. No entanto, mesmo com o advento desta busca pela normatizaéño das demonstraéäes contâbeis å possövel observar que o Brasil estava em uma evoluéño das prâticas contâbeis. Corroborando do mesmo pensamento, DurÑes (2003, p. 98) relata que ainda existia uma certa lacuna em relaéño ç padronizaéño das informaéäes elaboradas com base nesse decreto. Assim, vale destacar que esta lacuna somente foi preenchida com a promulgaéño da Lei de 15 dezembro de 1976 que foi um marco para a contabilidade podendo, desta forma, dividir a histãria da contabilidade em duas partes: antes e depois da lei (DURôES, 2003). A Lei foi fortemente influenciada pela escola americana, que conforme Andrade (2009, p. 29):... trouxe disciplinamento mais complexo nas relaéäes societârias das sociedades por aéäes, instituindo a figura da reavaliaéño de ativos, estabelecimento de regras rigorosas para a formaéño do capital das sociedades, para a proteéño do acionista minoritârio,e, principalmente, determinando que a escrituraéño mercantil das companhias deve obedecer aos preceitos da legislaéño comercial e aos princöpios de contabilidade geralmente aceitos, em especial ao regime de competüncia para registro das mutaéäes patrimoniais. Estabeleceu tambåm a estrutura das demonstraéäes contâbeis consideradas obrigatãrias para a elaboraéño e os 9

10 critårios de avaliaéño de ativos e passivos, detalhamento de reservas de capital, de reservas de lucros e para proteéño da distribuiéño de dividendos. Diante disso, pode ser observado que jâ existia um maior rigor com a qualidade da informaéño a ser divulgada, na Lei 6.404/76 em seu artigo 178 se pode averiguar como entño foi regulamentada a composiéño do BalanÉo Patrimonial. Art No balanéo, as contas serño classificadas segundo os elementos do patrimënio que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a anâlise da situaéño financeira da companhia. ö 1ò No ativo, as contas serño dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nelas registrados, nos seguintes grupos: a) ativo circulante; b) ativo realizâvel a longo prazo; c) ativo permanente, dividido em investimentos, ativo imobilizado e ativo diferido. ö 2ò No passivo, as contas serño classificadas nos seguintes grupos: a) passivo circulante; b) passivo exigövel a longo prazo; c) resultados de exercöcios futuros; d) patrimënio löquido, dividido em capital social, reservas de capital, reservas de reavaliaéño, reservas de lucros e lucros ou prejuözos acumulados (BRASIL, 1976). Assim, para a åpoca, o BalanÉo Patrimonial era uma demonstraéño contâbil que tinha como objetivo atender as necessidades dos acionistas, focado no mercado interno. Entretanto, o perfil e a necessidade dos acionistas foram se alterando, pois aquele acionista de antigamente, hoje tem que se reportar para sua matriz que estâ em outro paös e que å regida por normas contâbeis diferentes das brasileiras. Por este motivo o Brasil foi foréado a adotar uma medida de harmonizaéño dos padräes contâbeis, que foi introduzido atravås da Lei /07, onde as principais mudanéas causadas no BalanÉo Patrimonial foram no ativo permanente, que foi dividido em investimentos, imobilizado, intangövel e diferido e no patrimënio löquido, que foi dividido em capital social, reservas de capital, ajustes de avaliaéño patrimonial, reservas de lucros, aéäes em tesouraria e prejuözos acumulados. (BRASIL, 2007). Para complementar a Lei /07, foi promulgada a Lei /09 para aprimorar a informaéño contâbil que temos hoje, sendo que as principais alteraéäes promovidas no BalanÉo Patrimonial foram as seguintes: Art ö 1o... I - ativo circulante; e II - ativo nño circulante, composto por ativo realizâvel a longo prazo, investimentos, imobilizado e intangövel. ö 2o... I - passivo circulante; II - passivo nño circulante; (BRASIL, 2009). 10

11 Assim, å possövel perceber que no áltimo såculo no Brasil o BalanÉo Patrimonial foi sempre se alterando para atender as necessidades requeridas por stakeholders e shareholders para dinamizar e universalizar as informaéäes que o demonstrativo propicia aos seus leitores. O Balanço Patrimonial conceitos e principais aspectos abaixo. O BalanÉo Patrimonial pode ser conceituado de diversas formas, conforme quadro Franco (1989, p.39) BalanÉo Patrimonial å a representaéño sintåtica dos elementos que formam o patrimënio, evidenciando a diferencial que completa a equaéño entre seus valores positivos e negativos. Santos et al. (2003, p.77) Ribeiro (2008, p.39) O balanéo patrimonial å uma demonstraéño contâbil, obrigatãria, sendo uma apresentaéño sintåtica e ordenada do saldo monetârio de todos os valores integrantes do patrimënio da companhia, em determinada data, num sentido estâtico. O balanéo patrimonial å uma demonstraéño financeira (contâbil) que evidencia de forma qualitativa e quantitativa, em uma determinada data, a situaéño patrimonial e financeira de uma entidade. IudÖcibus, Marion e Faria (2009, p.161) O balanéo patrimonial å a peéa contâbil que retrata a posiéño (saldo) das contas de uma entidade apãs todos os lanéamentos das operaéäes de um peröodo terem sido feitos, apãs todos os provisionamentos (depreciaéño, devedores duvidosos, etc) e ajustes, bem como apãs o encerramento das contas de receita e despesa tambåm terem sido executados. Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 1 DefiniÉäes de BalanÉo Patrimonial Constata-se que existem diversas definiéäes para o balanéo patrimonial, entretanto, todas elas possuem a mesma ideia principal que å evidenciar que o BalanÉo Patrimonial å a forma de demonstrar a situaéño financeira do patrimënio de uma determinada entidade. Sua estrutura bâsica deverâ apresentar no mönimo, de acordo com a ComissÑo de Valores Mobiliârios (CVM), atravås da deliberaéño 676/11 (CVM, 2011) que aprovou e regulamentou a utilizaéño do CPC-26 (CPC, 2011), as seguintes contas: 11

12 (a) caixa e equivalentes de caixa; (b) clientes e outros receböveis; (c) estoques; (d) ativos financeiros (exceto os mencionados nas alöneas a, b e g ); (e) total dos ativos classificados como disponöveis para venda (CPC 38 ) e ativos ç disposiéño para venda de acordo com o CPC 31; (f) ativos biolãgicos; (g) investimentos avaliados pelo måtodo da equivalüncia patrimonial; (h) propriedade para investimento; (i) imobilizado; (j) intangövel; (k) contas a pagar comerciais e outras; (l) provisäes; (m) obrigaéäes financeiras, (exceto as referidas nas alöneas k e l ); (n) obrigaéäes e ativos relativos ç tributaéño corrente, conforme definido no CPC 32; (o) impostos diferidos ativos e passivos, como definido no CPC 32; (p) obrigaéäes associadas a ativos ç disposiéño para venda de acordo com o CPC 31; (q) participaéño de nño controladores apresentada de forma destacada dentro do patrimënio löquido; e (r) capital integralizado e reservas e outras atribuöveis aos proprietârios da entidade. No ativo circulante deverño ser classificadas as contas que satisfaéa qualquer um dos critårios abaixo estabelecidos pela ComissÑo de Valores Mobiliârios (CVM), atravås da deliberaéño 676/11 (CVM, 2011) que aprovou e regulamentou a utilizaéño do CPC-26 (CPC, 2011): (a) espera-se que seja realizado, ou pretende-se que seja vendido ou consumido no decurso normal do ciclo operacional da entidade; (b) estâ mantido essencialmente com o propãsito de ser negociado; (c) espera-se que seja realizado atå doze meses apãs a data do balanéo; ou (d) å caixa ou equivalente de caixa (conforme definido no Pronunciamento Tåcnico CPC 03 DemonstraÉÑo dos Fluxos de Caixa), a menos que sua troca ou uso para liquidaéño de passivo se encontre vedada durante pelo menos doze meses a pãs a data do balanéo. No tocante aos ativos circulantes ou correntes incluem tambåm segundo Lage e Weffort (2010, p.21):... ativos (tais como inventârios e contas a receber comerciais) que sño vendidos, consumidos ou realizados como parte de um ciclo operacional normal mesmo que nño se espere que sejam realizados como parte de um ciclo operacional normal mesmo que nño se espere que sejam realizados dentro de 12 meses apãs a data da demonstraéño da posiéño financeira. Ativos correntes tambåm incluem ativos mantidos, primeiramente, com a finalidade de serem negociados (ativos financeiros dentro dessa categoria seriam classificados como mantidos para negociaéño, de acordo com a IAS 39) e a parcela corrente dos ativos financeiros nño correntes. E, todos os demais ativos deverño ser classificados como nño circulantes, sendo que estes poderño ser subdivididos em realizâvel a longo prazo, investimentos, imobilizado 12

13 e intangövel. Dentre os grupos do ativo nño circulante å necessârio dar Ünfase ao grupo do intangövel, pois representam valores que nño podem ser tocados podendo entendü-lo como IudÖcibus et al. (2010, p. 263) refletem: Os intangöveis sño um ativo como outro qualquer. SÑo agregados de beneföcios econëmicos futuros sobre os quais uma dada entidade detåm o controle e exclusividade na sua exploraéño. Ocorre que, diferentemente dos ativos tangöveis, que sño visivelmente identificados, e contabilmente separados, os intangöveis por vezes nño o sño. Um exemplo de intangövel nño identificâvel å o âgio por expectativa de rentabilidade futura (Goodwill), denominado pela Lei nò 6.404/76 como fundo de comårcio (art. 179, inciso VI). No passivo circulante deverño ser classificadas as contas que satisfaéam qualquer um dos critårios abaixo estabelecidos pela ComissÑo de Valores Mobiliârios (CVM), atravås da deliberaéño 676/11 (CVM, 2011) que aprovou e regulamentou a utilizaéño do CPC-26 (CPC, 2011): (a) espera-se que seja liquidado durante o ciclo operacional normal da entidade; (b) estâ mantido essencialmente para a finalidade de ser negociado; (c) deve ser liquidado no peröodo de atå doze meses apãs a data do balanéo; ou (d) a entidade nño tem direito incondicional de diferir a liquidaéño do passivo durante pelo menos doze meses apãs a data do balanéo. Os termos de um passivo que podem, ç opéño da contraparte, resultar na sua liquidaéño por meio da emissño de instrumentos patrimoniais nño devem afetar a sua classificaéño. Todos os demais passivos deverño ser classificados como passivos nño circulantes. A IAS 1 ressalta ainda, conforme Lage e Weffort (2010, p. 21): A norma ressalta que alguns passivos correntes, tais como contas comerciais a pagar e algumas provisäes relativas a custos com empregados e outros custos operacionais, fazem parte do capital circulante usado no ciclo operacional normal da entidade. Tais itens operacionais sño classificados como passivos correntes mesmo que sua liquidaéño seja estimada para mais de 12 meses apãs a data da demonstraéño da posiéño financeira. O BalanÉo Patrimonial å resultado de uma sårie de eventos que ocorreram no patrimënio da entidade e que foram sintetizados nesta demonstraéño. Muitos destes eventos, que nño sño individualmente materiais, sño agregados em outras classes de acordo com sua natureza ou funéño, para serem explicados de forma individual ou em conjunto atravås de uma nota explicativa. O valor contâbil de cada categoria a seguir, tal como foi definido pela ComissÑo de Valores Mobiliârios (CVM), que aprovou e regulamentou a utilizaéño do CPC-38 (CPC, 13

14 2011) deve ser divulgado no BalanÉo Patrimonial ou nas notas explicativas: (a) ativos financeiros pelo valor justo por meio do resultado, mostrando separadamente (i) aqueles designados dessa forma no reconhecimento inicial e (ii) os classificados como mantidos para negociaéño, de acordo com o Pronunciamento Tåcnico CPC 38 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e MensuraÉÑo; (b) investimentos mantidos atå o vencimento; (c) empråstimos e receböveis; (d) ativos financeiros disponöveis para venda; (e) passivos financeiros pelo valor justo por meio do resultado, mostrando separadamente (i) aqueles designados dessa forma no reconhecimento inicial e (ii) os classificados como mantidos para negociaéño de acordo com o Pronunciamento Tåcnico CPC 38 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e MensuraÉÑo; e (f) passivos financeiros mensurados pelo custo amortizado. O CPC-38 instituiu que os ativos e passivos deverño ser mensurados nas seguintes bases: custo histãrico, custo corrente, valor realizâvel e valor presente, sendo que a base mais utilizada pelas entidades å o custo histãrico, sendo este combinado com outras bases. PROCESSO DE CONVERGÊNCIA ÀS IFRS NO BRASIL O processo de convergüncia çs normas internacionais no Brasil foi necessârio, devido ao fato que as grandes potüncias mundiais jâ se posicionavam de forma diferenciada por volta dos anos 70, assim para que o movimento da contabilidade nacional estivesse alinhado com os padräes internacionais tornou-se imprescindövel se desvincular a contabilidade societâria dos aspectos tributârios e deixâ-la focada nos interesses dos principais usuârios externos, (investidores e credores), fazendo com que o processo de normatizaéño nño fosse fundamentado em atos normativos elaborados pelos ãrgños governamentais, e sim em integrantes geradores de informaéäes como os auditores independentes e contadores. Assim, proporcionou que as normas brasileiras se tornassem convergentes com as internacionais, em especial com as do IASB, a fim de que as demonstraéäes financeiras pudessem ser entendidas com certa facilidade em outros paöses, aumentando a confiabilidade das informaéäes financeiras e viabilizando um custo mais baixo no acesso das empresas nacionais çs fontes de financiamentos internacionais (LIMA, p. 86). O padrño contâbil norte-americano preponderou nas áltimas dåcadas como a expressño contâbil internacionalmente aceita, que de certa forma proporcionou ao Brasil a expansño das transaéäes e relaéäes internacionais, a chamada globalizaéño, que trouxe reflexo sobre a necessidade de um idioma contâbil comum, um conjunto de princöpios contâbeis genuinamente internacionais. Muito embora essa reflexño tenha se iniciado jâ na 14

15 dåcada de 70, de fato tomou dimensño em 2001, com a criaéño do IASB, sucessor do antigo IASC, como uma entidade independente e abrangentemente representativa, ou seja, tanto dos diversos paöses do mundo como dos diversos interessados na contabilidade, cujo objetivo å justamente o de desenvolver um conjunto ánico de princöpios contâbeis que sejam geralmente aceitos e utilizados internacionalmente, visando elevados padräes de transparüncia ao redor do globo e ampla comparabilidade entre entidades atuantes na aldeia econëmica global. NÑo menor å seu desafio de orquestrar e coordenar para que as distintas naéäes e seus normatizadores procurem a convergüncia para esse padrño. METODOLOGIA O presente estudo å caracterizado como uma pesquisa descritiva, pois o principal objetivo å descrever as transformaéäes ocorridas no BalanÉo Patrimonial nos áltimos såculos em busca de uma padronizaéño das suas informaéäes proporcionadas aos seus usuârios. Na realizaéño do estudo foram utilizadas fontes primârias (Leis, Decretos e Pronunciamentos) acessadas dos sötios eletrënicos e fontes secundârias (livros, teses e artigo). Assim, a tåcnica de pesquisa utilizada para observar os impactos ocorridos no BalanÉo Patrimonial rumo ao processo de convergüncia foi a anâlise documental e a pesquisa bibliogrâfica. A abordagem ao problema da pesquisa foi qualitativa, pois envolve as percepéäes dos autores a respeito das alteraéäes que ocorreram no BalanÉo Patrimonial. RESULTADOS A presente pesquisa proporcionou observar as alteraéäes estruturais do BalanÉo Patrimonial ao longo do tempo. Alåm disso, foi possövel concluir que o BalanÉo Patrimonial possui o formato e informaéäes que tem hoje devido ao interesse em proporcionar ao usuârio da informaéño contâbil uma linguagem universal. No ano de 1940 o Brasil promulgou o Decreto-Lei 2.627, influenciado pela escola europeia, tendo como objetivo subsidiar o proprietârio da entidade sobre as suas informaéäes patrimoniais. Com o decorrer dos anos, mais precisamente em 1976, influenciado pela escola americana de contabilidade, o enfoque se tornou o acionista, pois se iniciavam as transaéäes comerciais no mundo de maneira mais intensa. Com o advento da globalizaéño mundial, as informaéäes contâbeis passaram a ser analisadas por pessoas de diferentes paöses com prâticas diferenciadas. Portanto, a 15

16 informaéño que antes era vista apenas por um determinado paös, passou a ser divulgada mundialmente nascendo daö a necessidade de uma contabilidade mais harmënica. Este processo ficou conhecido no Brasil como convergüncia as normas internacionais de contabilidade. Diante disso, foi editada a Lei /07 que num primeiro momento teve o intuito de universalizar a informaéño contâbil. Sendo complementada posteriormente pela Lei /09 conforme ilustra a figura abaixo. D. Lei 2627/1940 Lei 6404/1976 Lei 11638/2007 Lei 11941/2009 Modelo Europeu Olhava para os donos de empresas Não acionistas Modelo Americano Adequar os acionistas brasileiros aos padrões Modelo influenciado pelo IASB Contabilidade Globalizada Abrangência das Sociedades de Grande Porte Figura 1 Processo evolutivo da legislaéño contâbil no Brasil E, esta evoluéño å refletida em todas as demonstraéäes contâbeis, principalmente no BalanÉo Patrimonial, conforme o quadro ilustrativo a seguir. NÑo ExigÖvel Circulante Circulante Circulante ATIVO Capital ExigÖvel a Longo ExigÖvel a Longo NÑo Circulante Reservas Prazo Prazo ExigÖvel a Longo Lei 2.627/40 Lei 6.404/76 Lei /07 Lei /09 ExigÖvel a Curto Prazo Resultado de Resultado de Prazo Imobilizado Resultado Pendente Realizâvel Contas de a Curto Prazo CompensaÉÑo DisponÖvel Circulante ExercÖcios Futuros Realizâvel Patrimënio a LÖquido Longo Prazo Capital Social Permanente Reserva de Resultado Pendente Capital Investimentos Contas de Imobilizado Reserva de CompensaÉÑo lucros Diferido Lucros ou Circulante ExercÖcios Futuros Realizâvel Patrimënio a LÖquido Longo Prazo Capital Social Permanente Reserva de Capital Investimentos Imobilizado Ajustes de AvaliaÉÑo IntangÖvel Circulante Patrimënio LÖquido NÑo Capital Circulante Social Realizâvel Reserva de a Longo CapitalPrazo Investimentos Ajustes de AvaliaÉÑo Imobilizado Patrimonial IntangÖvel Patrimonial Diferido Reserva de PrejuÖzos Reservas de Lucros PASSIVO Acumulados Lucros AÉäes em AÉäes em tesouraria Lei 2.627/40 Lei 6.404/76 Lei /07 Lei /09 Tesouraria PrejuÖzos PrejuÖzos Acumulados 16

17 Acumulados Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 2 Estrutura do BalanÉo Patrimonial e sua evoluéño Com a apresentaéño do quadro acima å possövel perceber que o processo evolutivo do BalanÉo Patrimonial sempre foi demandado por uma linha positivista, pois sempre buscou evidenciar de forma clara, objetiva e de fâcil compreensño para todos os usuârios da informaéño contâbil. CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste estudo se objetivou em demonstrar as mudanéas estruturais ocorridas no BalanÉo Patrimonial devido ao processo de convergüncia çs normas IFRS, pois pelo fato do BalanÉo Patrimonial apresentar as principais informaéäes das empresas e nño ter em todos os paöses uma mesma apresentaéño o IASB resolveu normatizar para que em qualquer parte do mundo se tenha um mesmo tratamento e interpretaéño das informaéäes patrimoniais. Diante disso, å imprescindövel perceber a necessidade de um sistema contâbil uniforme em todos os paöses, sendo motivado pelo advento da globalizaéño mundial e o volume de negociaéäes realizadas entre os diversos paöses, pois para se investir em uma empresa å necessârio conhecer a estrutura da empresa e para isso å importante que a informaéño seja de fâcil entendimento tanto para os analistas como investidores. Com a realizaéño da pesquisa foi possövel observar que nño å um movimento simples de transformaéño e que o Brasil sempre buscou trazer as informaéäes contâbeis conforme se desenvolve nos principais paöses, sendo refletido em um primeiro momento pelo Decreto-Lei 2.627/1940 e atualmente pela Lei /2009. Ressalta-se assim que, o BalanÉo Patrimonial ao longo do tempo vem sofrendo mudanéa no seu formato para se adequar tanto as necessidades dos stakeholders como dos shareholders, pois devido çs exigüncias internacionais exercerem grande pressño å obrigatãrio que a informaéño contâbil seja unificada e, neste aspecto, o BalanÉo Patrimonial sirva como fonte nño sã de informaéäes, mas tambåm como ponto de estratågia financeira. Assim, o presente estudo permite concluir que o BalanÉo Patrimonial å uma fonte importante de informaéño para os gestores, investidores, acionistas e demais usuârios e que as mudanéas estruturais que aconteceram e acontecerño sño para uma harmonizaéño da informaéño e para atender as exigüncias mercadolãgicas. 17

18 Apesar de ainda existir um longo caminho a percorrer, a adoéño do padrño internacional de contabilidade (IFRS), pelas empresas brasileiras trata-se de uma preocupaéño nño somente dos contadores, mas de todos os envolvidos com a situaéño econëmico-financeira das empresas e, para uma adequada conduéño da harmonizaéño o Brasil deve conduzir com muita transparüncia. Considera-se o tema BalanÉo Patrimonial muito significativo, principalmente por ser um dos principais demonstrativos contâbeis servindo como fonte de estratågia financeira e mercadolãgica. REFERÊNCIAS ANDRADE, A. P. Origem e evoluéño histãrica da contabilidade. In: RIBEIRO FILHO, J. F.; LOPES, J.; PEDERNEIRAS, M. (Organizadores). Estudando teoria da contabilidade. SÑo Paulo: Atlas, p BORINELLI, M. L.; PIMENTEL, R. C. Curso de contabilidade para gestores, analistas e outros profissionais. SÑo Paulo: Atlas, BRASIL, Decreto-Lei nº 2.627, de 26 de setembro de Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de Lei nº , de 28 de dezembro de Lei nº , de 27 de maio de COMISSôO DE VALORES MOBILIìRIOS CVM. Edital de Audiência Pública SNC nº 22/2009, de 25 de setembro de Aprova o Pronunciamento Tåcnico CPC 38 do ComitÜ de Pronunciamentos Contâbeis, que trata dos Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e MensuraÉÑo.. DeliberaÉÑo 676, de 13 de dezembro de Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 26 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da ApresentaÉÑo das DemonstraÉäes Contâbeis. COMITÇ DE PRONUNCIAMENTOS CONTìBEIS. CPC-00: estrutura conceitual para a elaboraéño e apresentaéño das demonstraéäes contâbeis. BrasÖlia, dez CPC 26: ApresentaÉÑo das DemonstraÉäes Contâbeis. BrasÖlia, dez CPC 38: Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e MensuraÉÑo. BrasÖlia, dez CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO PARANì CRC-PR. Demonstrações contábeis: aspectos prâticos elaboraéño e apresentaéño conceitual de acordo com o IFRS. 18

19 DURôES, A. N. A. Um estudo da evolução histórica da contabilidade no contexto da visão das escolas européia e americana frente à abordagem da evidenciação nas informações contábeis brasileiras f. : DissertaÉÑo (mestrado) - UniFecap - Controladoria e Contabilidade Estratågica, SÑo Paulo, FRANCO, H. Estrutura, análise e interpretação de balanços. 15. ed. SÑo Paulo: Atlas, IUDÄCIBUS, S. et al. Manual de contabilidade societária: aplicâvel a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC. SÑo Paulo: Atlas, IUDÄCIBUS, S.; MARION, J. C.; FARIA; A. C. Introdução à teoria da contabilidade para o nível de graduação. 5. ed. SÑo Paulo: Atlas, LAGE, A. C.; WEFFORT, E. F. J. Estrutura conceitual para elaboraéño e apresentaéño das demonstraéäes financeiras In: ERNST & YOUNG; FundaÉÑo Instituto de Pesquisas Contâbeis, Atuariais e Financeiras. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. 2. ed. atual. conforme pronunciamentos emitidos. SÑo Paulo: Atlas, p LIMA, J. B. A Relevância da informação contábil e o processo de convergência para as normas IFRS no Brasil f. Tese (Doutorado em Contabilidade) Faculdade de Economia, AdministraÉÑo e Contabilidade, Universidade de SÑo Paulo, SÑo Paulo, MENDONóA, J. X. C. Dos livros dos commerciantes. SÑo Paulo: Rolhschild & Co., DisponÖvel em: <http://bdjur.stj.jus.br/xmlui/handle/2011/21482>. Acesso em: 25 maio RIBEIRO, O. M. Demonstrações financeiras: mudanéas na Lei das sociedades por aéäes como era e como ficou. 1. ed. SÑo Paulo: Saraiva, SANTOS, J. L. et al. Introdução à contabilidade. SÑo Paulo: Atlas,

VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA

VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA OLIVEIRA, Amauri GonÉalves de 1 RESUMO: Com a expansño

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 6

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PRIVADO Professora Mírian DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14 DE MARÇO DE 2008

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PRIVADO Professora Mírian DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14 DE MARÇO DE 2008 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PRIVADO Professora Mírian DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14 DE MARÇO DE 2008 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO ESTRUTURA

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Adoção e Aplicação da IFRS

Adoção e Aplicação da IFRS IFRS Normas internacionais de contabilidade PARTE I Adoção e Aplicação da IFRS AULA 2 Prof. MSc. Márcio de Souza e Silva Objetivos: Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais

Leia mais

Adoção do IFRS no Brasil, uma verdadeira revolução contábil

Adoção do IFRS no Brasil, uma verdadeira revolução contábil NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 1 - ESTRUTURA CONCEITUAL PARA A ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (Conforme Anexo da Resolução CFC 1.121/2008) Adoção do IFRS no Brasil, uma

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro NBC TSP 3 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro Objetivo 1. O objetivo desta Norma é definir critérios para a seleção e a mudança de políticas contábeis, juntamente com o tratamento

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro 1. Aplicação 1- As instituições

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT

O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT ANDRADE, Crislaine Barcelo 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Associada 55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com Março, 2015 Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

Política Contábil de Investimentos

Política Contábil de Investimentos Política Contábil de Investimentos 1 Sumário CONCEITUAÇÃO... 4 OBJETIVO... 4 REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 APLICAÇÃO... 5 DEFINIÇÕES... 6 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS CONTÁBEIS... 8 Influência Significativa...

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS Professor 1 JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Prefácio Com a convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02101-6 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 08.807.432/0001-10 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02101-6 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 08.807.432/0001-10 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS Fernanda de Fátima Teixeira Arantes, 1 José César de Faria 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013. Página 1 de 16

BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013. Página 1 de 16 BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 Página 1 de 16 BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013 Conteúdo Relatório

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

Guararapes Confecções S.A. e Controladas

Guararapes Confecções S.A. e Controladas 1 Informações gerais Atividades operacionais A Guararapes Confecções S.A. ( Companhia ) e suas controladas (conjuntamente, "o Grupo"), constituída em 6 de outubro de 1956, é uma sociedade anônima de capital

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis

Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 1 Presentation of Financial Statements No CPC: CPC 26 Apresentação das Demonstrações

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

II - que esta Deliberação entra em vigor na data da sua publicação no Diário Oficial da União.

II - que esta Deliberação entra em vigor na data da sua publicação no Diário Oficial da União. Aprova o Pronunciamento do IBRACON NPC nº 27 sobre Demonstrações Contábeis Apresentação e Divulgações. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião realizada

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

Demonstrações contábeis ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A.

Demonstrações contábeis ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A. Demonstrações contábeis ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A. 31 de dezembro de 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis 31 de dezembro de 2011 Índice

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 27/2009. Prazo: 25 de outubro de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 27/2009. Prazo: 25 de outubro de 2009 Prazo: 25 de outubro de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB 1 ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB Paulo Schmidt * José Luiz dos Santos ** Luciane Alves Fernandes *** Resumo: A cada dia que passa, maior se torna a dependência entre mercados e países,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A.

Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A. Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A. e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras...

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS Camila Gomes de Carvalho Nivaldo Grego (OR) RESUMO: Com a abertura da cultura e economia no mundo devido a globalização, possibilitou que

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.Márcia Ota As NORMAS Internacionais de (International Accounting Standard

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações Financeiras com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010 ABCD Gonçalves & Tortola S.A. Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações

Leia mais

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC Profa Marcia Ferreira Neves Tavares Prof. Severino Ramos da Silva O que vamos conversar... Por quê

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA CIÊNCIAS CONTÁBEIS ATIVO INTANGÍVEL LUCIANA SANTOS RODRIGUES RA: 20716350 PROFESSOR ORIENTADOR

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA CIÊNCIAS CONTÁBEIS ATIVO INTANGÍVEL LUCIANA SANTOS RODRIGUES RA: 20716350 PROFESSOR ORIENTADOR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA CIÊNCIAS CONTÁBEIS ATIVO INTANGÍVEL LUCIANA SANTOS RODRIGUES RA: 20716350 PROFESSOR ORIENTADOR João Alberto de Arruda. Brasília - DF 2010 LUCIANA SANTOS RODRIGUES ATIVO

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Proposta da Administração. Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63

Proposta da Administração. Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63 Proposta da Administração Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63 Informações requeridas pela Instrução CVM n o 481/09, em atendimento ao Edital de Convocação das Assembleias Gerais Ordinária e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações Financeiras IFRS

Demonstrações Financeiras IFRS Demonstrações Financeiras IFRS Prof. Dr. Fábio Moraes da Costa Professor Associado da FUCAPE Business School Grupo Consultivo do International Accounting Education Standards Board (IAESB) Membro da delegação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 (BV2010) Índice

Leia mais

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A.

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais