PLANEJAMENTO E GESTÃO POR RESULTADOS NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA MUDANÇA EM CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO E GESTÃO POR RESULTADOS NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA MUDANÇA EM CURSO"

Transcrição

1 Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 PLANEJAMENTO E GESTÃO POR RESULTADOS NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA MUDANÇA EM CURSO Cibele Franzese

2 2 Painel 12/044 Planejamento e orçamento no Estado de São Paulo: uma experiência integradora de gestão por resultados PLANEJAMENTO E GESTÃO POR RESULTADOS NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA MUDANÇA EM CURSO Cibele Franzese RESUMO O artigo tem o objetivo de apresentar as diferentes iniciativas de Gestão por Resultados que vêm sendo implementadas no Estado de São Paulo nos últimos dois anos. Considerando a complexidade e tamanho do governo paulista, a principal estratégia de implementação consiste em articular e integrar diferentes esforços e modelos pré-existentes em uma constante adaptação aos modelos gerenciais apontados pelas tendências observadas no debate sobre a reforma do Estado. Neste sentido, as mudanças implementadas exigiram um novo olhar sobre antigos instrumentos de planejamento e orçamento, buscando articulá-los de uma forma orientada a resultados. As mudanças estão em curso e seguem uma estratégia de implementação por meio de projetos-piloto, testando as inovações e aprendendo com o processo, para depois seguir com a disseminação da política por todo o Governo. A estratégia de disseminação passa por uma atenção especial à gestão de pessoas, apostando que a implementação ampla de mudanças só se dará com o engajamento dos servidores públicos no processo.

3 3 INTRODUÇÃO O presente artigo tem o objetivo de apresentar o trabalho que vem sendo desenvolvido pela Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo na constante busca do aprimoramento da gestão por resultados no Estado. Tem, portanto, a tarefa de expor, de maneira articulada, as experiências que serão detalhadas em quatro artigos específicos, apresentados nesse mesmo Consad 1, que descrevem estratégias de integração entre planejamento e orçamento; georeferenciamento de informações e ações governamentais; avaliação de políticas e programas; e capacitação de servidores públicos. A INTEGRAÇÃO ENTRE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO: O PROJETO ORÇAMENTO POR RESULTADOS A integração entre planejamento e orçamento é objeto do projeto de orçamento por resultados (OpR), realizado em parceria com a Secretaria de Fazenda e com apoio técnico do Fundo Monetário Internacional (FMI). O projeto tem como objetivo transformar a lógica orçamentária de maneira que o orçamento passe a refletir os principais resultados atingidos pelos órgãos da Administração Estadual. A estratégia de implantação baseia-se em Secretarias-piloto, ampliando pouco a pouco o escopo do projeto, de maneira que a lógica orçamentária esteja completamente revista para o próximo Plano Plurianual (PPA ). O mapeamento dos resultados é feito por meio de ferramentas de planejamento estratégico, que revisitam a missão do órgão e mapeiam os impactos, resultados intermediários e produtos. A principal metodologia utilizada para criar a cadeia de resultados baseou-se no Marco Lógico ou Quadro Lógico, desenvolvida para gestão de projetos, como instrumento para listar e relacionar 1) todos os insumos suficientes e necessários para gerar os as atividades previstas; 1 O quatro artigos mencionados são: 1) FERREIRA, S.P. Estruturação de sistemática de avaliação de impactos de programas e políticas públicas; 2) GODOY, M.G.; TALAMONI, C.D.; CIUFFA, A.I. Implementando um sistema integrado para gestão territorial no Estado de São Paulo; 3) PINTO, M.F.A. Gestores de Planejamento e Orçamento: a experiência paulista de capacitação voltada a resultados; 4) SOUZA, C.M.; SILVA, A.C.L. O Orçamento por Resultados como ferramenta da Gestão para Resultados o caso piloto no Governo do Estado de São Paulo.

4 4 2) todas as atividades suficientes e necessárias para que se chegue aos resultados desejados; 3) todos os resultados suficientes e necessários para que se alcance o objetivo do projeto; 4) o objetivo superior com o qual o projeto apenas colabora, que se assemelha à própria missão da organização (PFIFER, 2000). Nas palavras do autor: Trata-se de uma apresentação estruturada do conteúdo de um projeto de intervenção, na qual existe uma relação causal entre níveis: atividades/resultados, resultados/objetivo do projeto e objetivo do projeto/ objetivo superior. Essa cadeia e suas relações devem ser lógicas e plausíveis, mas não se trata de uma simples relação de causa/efeito. Levando em consideração que um projeto de desenvolvimento necessariamente encontra barreiras e limitações, também precisa ser incluído nessa lógica o elemento suposições importantes, que são fatores externos ao projeto, mas necessários para o seu êxito. Uma outra relação lógica considerada é aquela que vincula cada resultado e objetivo a um indicador que, por sua vez, está vinculado a uma fonte de comprovação. (PFIFER, 2000, p. 84) A partir dessa lógica, adaptou-se o desenho do quadro lógico a uma cadeia de resultados composta por produtos, que levam ao alcance de resultados intermediários que, por sua vez, colaboram para o atingimento dos impactos sociais previstos. No primeiro nível, abaixo dos produtos, alocam-se os insumos que, no caso do OpR, constituem os recursos orçamentários. Quadro 1 Hierarquia de Resultados Resultado final (Impacto) Resultado Intermediário (Efeito Direto) Resultado Imediato (Produto ou Serviço) Fonte: documentos do Programa Resultado Final Representa o impacto do uso do produto, é o objetivo superior da intervenção. O Impacto nem sempre é imediato e depende de outras condições, como a atuação de terceiros ou de outros programas ou mesmo de uma conjuntura favorável. Resultado Intermediário Representa o efeito ou impacto direto da utilização do produto ou serviço, implicando mudança de condição ou da forma de fazer as coisas. Significa que o produto ou serviço está sendo utilizado. Resultado Imediato Representa a disponibilização do produto ou serviço decorrente da intervenção. É o nível de mais fácil visualização e medição.

5 5 Para que se tenha segurança na relação de causalidade entre diferentes elos da cadeia e seja possível tomar decisões de alocação de recursos com base nos diferentes níveis de resultado (produto, resultado intermediário e impacto), dois outros projetos devem complementar a implementação da metodologia de OpR: o Projeto de custos e o Projeto de avaliação de políticas públicas. O primeiro, sob coordenação da Secretaria da Fazenda e também com apoio técnico do FMI, visa apurar os custos dos vários serviços prestados pelo Governo, apropriando as diferentes despesas aos produtos ou serviços produzidos pelos órgãos da Administração Estadual. Com a metodologia de custos implementada, é possível inserir no primeiro nível da cadeia de resultados a informação referente ao custo dos produtos, produtos estes que levarão aos resultados intermediários e, por fim, aos impactos sociais. Ambos os projetos foram desenvolvidos em sintonia, de maneira que os produtos ou serviços que tiveram seus custos apurados estão alinhados aos produtos que representam o primeiro nível da cadeia de resultados do OpR. Estes produtos, por sua vez, se tornaram as atuais atividades nas quais estão alocados os recursos por meio da Lei Orçamentária Anual, entrando, por lei, na lógica orçamentária do Estado. Já o Projeto de Avaliação de Políticas Públicas, sob responsabilidade da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional, pretende mensurar o impacto das políticas públicas, clarificando a relação de causalidade existente entre os produtos gerados pelos órgãos e os resultados intermediários esperados, e entre estes e os impactos sociais desejados. Articulando o resultado do projeto de custos e de avaliação de políticas públicas é possível entender, por exemplo, que a aplicação de pouco menos de R$8 milhões financiam 15 mil presos sentenciados na formação em educação básica (produto), que contribuem para o engajamento de milhares de apenados em atividades educacionais, possibilitando remissão da pena e melhor capacitação para o trabalho (resultados intermediários); que, por sua vez auxiliam na reintegração social do egresso (impacto social) 2. 2 Retirado da LOA 2013, da Secretaria de Administração Penitenciária, que foi piloto tanto do Projeto de Custos, quanto do OpR

6 6 O produto dessa cadeia de resultados Formação educacional e profissional em apoio à custódia e à reintegração foi inserido no orçamento dentro do Programa Gestão da Custódia e apoio à reintegração social da população penal e egressos, executado pela Secretaria de Administração Penitenciária, que foi o órgão piloto da implementação do OpR no Estado de São Paulo. Assim como a apuração dos custos advém de um mapeamento do tipo chão de fábrica dos produtos/serviços, que nos permite saber o custo de cada produto ou serviço produzido pelas organizações públicas, é a realização de avaliação que nos permitirá saber o quanto a concretização de 15 mil matrículas de presos sentenciados na educação básica colabora para a melhor capacitação para o trabalho e, o quanto esta contribui para a reintegração social do egresso. Como se vê, o orçamento por resultados permite utilizar informações de custo e de avaliação de impacto de políticas públicas de maneira articulada, fazendo do orçamento uma peça gerencial e não mais apenas um instrumento que prevê as receitas e despesas do Governo. É o instrumento que permite explicitar a ligação entre o gasto dos recursos públicos e os resultados planejados ou efetivamente obtidos, promovendo a alocação de recursos orçamentários em com base em alterações esperadas no desempenho. Isto é, insere no processo decisório a lógica da gestão por resultados. AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS, PROGRAMAS E PROJETOS: MENSURANDO IMPACTOS E TESTANDO NOVAS SOLUÇÕES O Estado de São Paulo conta com diferentes instrumentos de monitoramento das ações de governo que permitem acompanhar o andamento da implementação das políticas públicas. O mesmo não acontece com dinâmica de avaliação que, por conter tanto metodologias como ritmos diferentes da execução cotidiana das atividades de Governo, acaba, não raramente, ficando em segundo plano. Entretanto, apesar do monitoramento constante ser essencial à garantia de execução dos projetos prioritários de Governo, é somente a partir da avaliação de impacto que podemos descobrir os efeitos gerados por eles. Por isso, sua realização

7 7 é essencial para o avanço da gestão por resultados. O próprio processo de implementação do OpR, acima descrito, deixa claro a necessidade de serem mensurados os diferentes níveis de resultado e de se avaliar a relação de causalidade entre eles, para que se possam tomar decisões sobre alocação orçamentária com base em resultados. Por essas razões, em paralelo ao desenvolvimento do OpR e sua estratégia de disseminação a partir da implementação de pilotos, a Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional iniciou um projeto de avaliação de impacto de programas governamentais. O objetivo é que os dois projetos caminhem lado a lado de maneira que, à medida que o OpR vai sendo implementado, passa a utilizar o produto das avaliações realizadas, para a construção de novas cadeias de resultado. Para a formulação e realização do projeto a Secretaria de Planejamento buscou a parceria da Fundação Seade, responsável pela produção e disseminação de estatísticas, dados e indicadores do Estado de São Paulo. A Fundação Seade, por sua vez, trouxe a parceria do Banco Mundial, por meio do DIME (Development Impact Evaluation), que nos apresentou uma metodologia inovadora, capaz de trazer insumos para o gestor da implementação. A proposta foi construir uma avaliação bottom up com a participação do gestor do programa avaliado na discussão do desenho de pesquisa a ser implementado. Para tanto, foram feitas diversas reuniões com os gestores de cada programa participante, de maneira a sensibilizá-los para a importância da avaliação enquanto feedback para suas próprias ações. Felizmente, encontramos gestores bastante colaborativos e muito interessados em conhecer o impacto social dos programas que coordenam e dispostos, inclusive, a expor as fragilidades enfrentadas na implementação, encarando o processo de avaliação como uma oportunidade para rever rumos e testar inovações. De outro lado, a participação da Secretaria de Planejamento permitiu a presença de uma visão mais distante do dia a dia do programa, questionando certos aspectos da implementação que, ao longo dos anos, foi sendo cristalizada.

8 8 Em relação à possibilidade de propor inovações, a metodologia trazida pelo DIME se mostrou bastante oportuna. A proposta trazida atende tanto aos princípios metodológicos e estatísticos de uma boa pesquisa acadêmica, quanto às preocupações do gestor, que quer resultados e respostas tempestivos. Em resumo, trata-se de avaliar a o impacto de cada programa e, além disso, entender o impacto de pequenas mudanças em seu desenho ou forma de implementação. As mudanças são inseridas em um grupo de tratamento, selecionado observando critérios estatísticos; enquanto um grupo de controle mantém a implementação do programa sem alterações. Dessa forma, dá-se ao gestor a chance de testar inovações em menor escala, percebendo o impacto destas no resultado dos programas. Os gestores dos programas selecionados, bem como os técnicos da Fundação Seade e da Secretaria de Planejamento foram capacitados na metodologia em uma oficina de três dias, que resultou em um primeiro desenho de avaliação para cada programa, construído de maneira bastante dialogada. O próximo passo será a identificação da confiabilidade das bases de dados existentes em cada programa e a elaboração do desenho da pesquisa de campo, que deverá contar com duas tomadas: uma primeira logo de início e outra após algum tempo de implementação das alterações promovidas. Para a definição dos programas a serem avaliados, foram observadas áreas de resultado, definidas a partir dos programas presentes no PPA São elas: Qualidade de Vida; Serviços Sociais Básicos; Desenvolvimento Econômico; Segurança e Justiça; e Excelência na Gestão Pública. Considerando o objetivo de disseminar a lógica da avaliação para as diferentes áreas do Governo, decidiu-se lançar mão novamente da estratégia da implementação por meio de projetos piloto, definindo-se um Programa pertencente a cada uma das áreas de resultado, para ser objeto de avaliação. O objetivo é que os atores envolvidos tanto da Secretaria de Planejamento, quanto da Fundação Seade sejam capacitados nesse processo e se tornem agentes de disseminação preparados para atuar na implementação de uma política sistemática de avaliação para todo o Governo de São Paulo.

9 9 PLANEJAMENTO E GESTÃO TERRITORIAL INTEGRADA A RESULTADOS Além deste esforço para relacionar a aplicação de recursos públicos à obtenção de impactos para a sociedade, impactos estes capturados por um processo sistemático de avaliação, há um outro desafio que o processo de planejamento e gestão devem enfrentar que é a dimensão regional. Com o objetivo de chamar atenção para essa questão, no início de 2011, o Governador promoveu a criação da Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano e modificou a denominação da Secretaria de Economia e Planejamento para Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional. A dimensão regional constitui uma forma de integração de ações de governo bastante relevante em um território complexo e desigual como o Estado de São Paulo. Porém, trata-se de uma das políticas mais desafiadoras em um Governo com forte tradição de planejamento e descentralização setoriais. Apenas para exemplificar, observa-se que a área de Educação está organizada em 91 (noventa e uma) Diretorias Regionais de Ensino, que não coincidem espacialmente com as 17 Diretorias Regionais de Saúde que, por sua vez, diferem das 22 Unidades Geográficas de Recursos Hídricos (regidas pela divisão das bacias hidrográficas do estado) que, também não equivalem às 14 Regiões Administrativas do Estado. Da mesma forma, os diferentes Planos Setoriais de longo prazo (ex: Saúde, Educação, Logística e Transportes, Transportes Metropolitanos etc.) devem também ser articulados entre si, uma vez que juntos produzem efeitos sobre o território, diferentes daqueles previstos isoladamente por cada Secretaria. Nesse sentido, somente por meio da integração das ações de Governo no território é que se pode potencializar a competitividade das diferentes regiões do estado, fazendo de cada nova estrada ou hospital uma oportunidade de desenvolvimento regional. Da mesma forma, a integração da dimensão regional ao planejamento e gestão permitem diagnosticar e promover relações de complementariedade entre as diferentes regiões do estado, ligando a concentração econômica e demográfica das quatro regiões metropolitanas (RMs de São Paulo, Campinas, Baixada Santista e Vale do Paraíba) às regiões mais economicamente deprimidas do Estado, bem como às áreas de conservação ambiental. Trata-se, por tanto, de mapear os fluxos inter-regionais existentes nas diferentes áreas e identificar oportunidades para o desenvolvimento conjunto das várias regiões

10 10 Como primeiro e importante passo para essa integração é que surge o Sistema Integrado de Gestão Territorial que busca integrar em um único portal informações georeferencidas sobre os indicadores socioeconômicos do estado (produzidas pela Fundação Seade); os Planos Setoriais de Governo; os dados do PPA, LDO, LOA e execução orçamentária; as características ambientais e de zoneamento econômico e ecológico; as características geológicas e mapeamento de áreas de risco; e a execução de projetos prioritários de Governo. A partir da integração de diferentes bancos de dados e georeferenciamento de informações setoriais antes não territorializadas será possível observar as vulnerabilidades e oportunidades existentes nas diferentes regiões, bem como propor articulações e intervenções que potencializem o desenvolvimento das diferentes localidades. Longe de ser apenas um novo Sistema ou aporte tecnológico, o Sistema Integrado de Gestão Territorial pretende ser uma poderosa ferramenta de planejamento e gestão que insere a lógica regional na articulação das diferentes áreas de políticas públicas. ESTRATÉGIA DE DISSEMINAÇÃO DA GESTÃO POR RESULTADOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, POR MEIO DA CAPACITAÇÃO ORIENTADA A RESULTADOS Não é apenas no Estado de São Paulo 3 que área dedicada à elaboração do orçamento e ao acompanhamento da execução orçamentária é extremamente técnica. Felizmente, o governo paulista conta, nessa área, com servidores bastante treinados nas atividades que desempenham e que conhecem profundamente tanto o processo orçamentário, quanto as regras e diretrizes estabelecidas pelos órgãos de controle. A questão é que a implementação da gestão por resultados traz para o orçamento uma lógica não apenas técnica, mas sobretudo gerencial e, com isso, reforma boa parte dos pressupostos sobre as quais estão consolidadas as práticas vigentes. Nesse sentido, o avanço do projeto depende de uma mudança cultural na 3 Além dos casos de outros estados brasileiros e do Governo Federal, este último que conta com a estrutura técnica da SOF, o mesmo ocorre em outros países, como por exemplo a Argentina, que revelou a mesma característica durante a exposição sobre a implementação do orçamento por resultados, no Congreso del CLAD, realizado em Cartagena, em 2012.

11 11 forma de ver o processo orçamentário e exige o envolvimento da área técnica para que obtenha sucesso. A forma encontrada para disseminar essa nova visão sobre o processo orçamentário visão esta que inclui as dimensões regional e de resultado - foi a realização de um curso de capacitação para os membros dos Grupos Setoriais de Planejamento, Orçamento e Finanças Públicas (GSPOFPs). Os GSPOFPs são pequenos grupos de servidores, lotados nas diferentes Secretariais, responsáveis pela elaboração da proposta orçamentária do órgão ao qual estão vinculados, bem como pelo acompanhamento da execução orçamentária ao longo do exercício. São bastante familiarizados com os sistemas orçamentários (no caso de São Paulo, o SIAFEM e o SIGEO) e desenvolvem seu trabalho principalmente inserindo informações nos sistemas, por meio dos quais mantém constante contato com os técnicos das Secretarias de Planejamento e Fazenda. O curso foi organizado pela Secretaria de Planejamento, com a colaboração da Fundação para o Desenvolvimento Administrativo (Fundap), utilizando recursos do Programa Nacional de Apoio à Modernização da Gestão e do Planejamento nos Estados e do Distrito Federal (PNAGE). Para promover a cultura da gestão por resultados, os conhecimentos foram organizados em módulos, sendo que ao final de cada um deles, os servidores participantes, divididos em grupos, deveriam elaborar e entregar um produto, aplicando à sua realidade os conceitos discutidos pelo especialista encarregado de transmitir o conteúdo. Ao longo das 152 horas de curso, foram produzidos diversos produtos, que foram desde a elaboração de árvores de problemas para suas áreas de atuação e da construção de um esboço de cadeia de resultados, até a aplicação da dimensão regional em relatórios de execução orçamentária e a elaboração de planilhas de acompanhamento físico e financeiro para seus órgãos. Todos os produtos entregues foram avaliados e devolvidos com feedback, para que o grupo pudesse aprender com os próprios erros. Ao final, os diferentes produtos elaborados ao longo do curso foram revistos e concatenados de modo a resultar na estruturação do produto final, que foi o desafio de construir uma forma de acompanhamento gerencial do orçamento.

12 12 Os trabalhos finais foram apresentados a uma banca composta pelos Coordenadores de Planejamento e de Orçamento da Secretaria de Planejamento; pela Coordenadora de Administração Financeira da Secretaria da Fazenda; por assessores do Gabinete de ambas as Secretarias e pela Secretária Adjunta de Planejamento e Desenvolvimento Regional. A banca discutiu e deu nota aos trabalhos e, ao final, premiou o grupo vencedor. A presença dos membros da banca foi fundamental para que os servidores entendessem que as mudanças propostas vão de fato ocorrer e que o curso era um momento importante de aprendizado. A lógica da entrega de produtos ao final de cada módulo forçou a aplicação do conteúdo à realidade dos servidores que, na maioria das vezes, foram capazes de produzir adaptações para a superação de inadequações entre teoria e prática. Além disso, fortaleceu, na própria metodologia do curso, a lógica da gestão por resultados. A premiação gerou uma motivação extra, acompanhada do reconhecimento dos colegas e dos Coordenadores do Planejamento e da Fazenda. Por fim, os trabalhos em grupo geraram uma importante troca de experiências entre os servidores das diferentes secretarias, que culminou com um aprendizado mútuo e com a organização de uma rede de cooperação entre os diferentes GSPOFPs, que hoje se reúnem periodicamente, tanto presencialmente, quanto por meio de um grupo de mensagens virtual. CONCLUSÃO Conforme já mencionado, o detalhamento das experiências relatadas neste artigo pode ser encontrado nos trabalhos específicos elaborados para este mesmo Congresso do Consad. O objetivo do presente texto foi trazer um olhar geral e articulado sobre as diferentes iniciativas que constituem a abordagem de gestão por resultados que vem sendo implementada pelo Governo do Estado de São Paulo. Tal abordagem se realiza por meio da criação de um novo alinhamento entre planejamento, orçamento, avaliação e desenvolvimento regional e trabalha a partir da integração e, em alguns casos, revisão de diferentes práticas pré-existentes no Estado.

13 13 Dada a complexidade e o tamanho do Governo do Estado de São Paulo, um Governo com mais de um milhão de servidores públicos (entre ativos e inativos) e um orçamento de R$173 bilhões 4, utilizou-se como estratégia de execução, além do aproveitamento das experiências já existentes, a implementação por meio de projetos-piloto. Essa abordagem nos permite observar o impacto das mudanças e corrigir rumos, fazendo as adaptações necessárias, antes de abranger o Governo como um todo. Além disso, nos permite ganhar novos apoiadores ao longo do caminho, construindo uma rede pró-mudança que vai aumentando à medida que a implementação avança. Da mesma forma, para que possamos alcançar uma segunda etapa, com a disseminação dos projetos para o Governo como um todo, é preciso envolver, motivar e incentivar a mudança nos servidores públicos. Nesse ponto, a capacitação se torna uma ferramenta essencial que pretende fazer dos servidores públicos agentes dessa transformação, preparando-nos para uma implementação mais ampla, consistente e duradoura. 4 Orçamento total previsto na LOA Deste montante, ainda devem ser deduzidas as transferências aos municípios. A previsão é que mais de R$20 bilhões seja destinados a investimentos.

14 14 AUTORIA Cibele Franzese Secretária Adjunta de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo e Professora da Fundação Getulio Vargas de São Paulo. Endereço eletrônico:

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento

Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento ... Cadernos FUNDAP n. 22, 2001, p. 111-116 Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento Sandra Lúcia Fernandes Marinho SINOPSE A Portaria n. 42, de 14 de abril de 1999, do Ministério de Planejamento,

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral Unidade de Apoio a Projetos Especiais Projeto de Inserção dos Gestores Governamentais Programa de Qualificação Profissional para os Gestores Governamentais

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO ESCOLAR: A REFORMA EDUCACIONAL DE NOVA YORK

BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO ESCOLAR: A REFORMA EDUCACIONAL DE NOVA YORK BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO ESCOLAR: A REFORMA EDUCACIONAL DE NOVA YORK Apresentação A reforma do ensino que vem sendo implementada desde 2001 em Nova York, junto às escolas públicas da cidade, provocou o

Leia mais

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica Observando os Rios Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica OBJETIVO: Capacitar cidadãos, usuários de água, sociedade

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PARTICIPATIVA

PLANEJAMENTO E GESTÃO PARTICIPATIVA PLANEJAMENTO E GESTÃO PARTICIPATIVA A EXPERIÊNCIA DA PREFEITURA DE PORTO ALEGRE Conteúdo da Apresentação Evolução do Modelo de Gestão de Porto Alegre Estruturas Coletivas de Gestão Mapa e Programas Estratégicos

Leia mais

Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado do Ceará

Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado do Ceará 14 MANUAL DA Rede de Planejamento Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado do Ceará Secretária do Planejamento e Gestão Desirée Custódio Mota Gondim Secretário Adjunto Reno Ximenes Ponte Secretária

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia

A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia Planejar é muito mais do que uma atividade burocrática, pois......organiza as idéias;...expõe

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2006 1. PROGRAMA: ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO- (0512)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2006 1. PROGRAMA: ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO- (0512) RELATÓRIO DE GESTÃO 2006 1. PROGRAMA: ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO- (0512) 1.1 OBJETIVOS: 1.1.1 Objetivo Geral: Promover o zoneamento ecológico-econômico para planejar e organizar, de forma sustentável,

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV)

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) Termo de Referência para contratação de Gestor de Projetos Pleno 14 de Agosto de 2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE GESTOR DE PROJETOS PLENO O presente

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Ensino e Aprendizado. www.esaf.fazenda.gov.br

Ensino e Aprendizado. www.esaf.fazenda.gov.br ESAF 40 anos de História, Ensino e Aprendizado www.esaf.fazenda.gov.br Marco Legal Constituição Federal Art.39 2º-EscolasdeGov.paraformaçãodeservidorespúblicos; A União, os Estados e o Distrito Federal

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento

EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO 2016 Tipo: melhor técnica e preço Desenvolvimento de plataforma digital com indicadores de monitoramento

Leia mais

GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO

GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO Reunião Plenária do GTP-APL GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO Brasília, 19 de agosto de 2010 SEBRAE Governança Envolve uma rede de diferentes agentes - governos, instituições financeiras, instituições de ensino

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Modernização da Gestão e Tecnologia

Modernização da Gestão e Tecnologia Modernização da Gestão e Tecnologia Gestão Municipal? i. Economicidade e Eficiência: reduzir custos e ampliar a receita que é de direito do ente municipal ii. Processos: etapas de realização e fluxo de

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

20 de junho de 2013.)

20 de junho de 2013.) 20 de junho de 2013.) Tecnologias Educacionais (G.E.N.T.E.) _ 2 _ > Rio de Janeiro 20 de junho de 2013 Proposta elaborada pelo IETS _Contextualização O projeto Ginásio Experimental de Novas Tecnologias

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã 10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã REGULAMENTO O SESI/PR torna público o regulamento para participação no Programa SESI Empreendedorismo Social

Leia mais

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS 6º FÓRUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA NA PRÁTICA & GESTÃO POR PROCESSOS Conteúdo da Apresentação Modelo de Gestão de Porto Alegre Alinhamento Planejamento Estratégico e Orçamento

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação Monitoramento do PPAG; Sistema de

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira XXIII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DO CILEA Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira Nelson Machado Camboriu, julho 2011 Ambiente e Desafios Democratização e ampliação da participação social

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O

CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O MAPEAMENTO DA DEMANDA/OFERTA O que é Capacitação Ato ou

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTO: DIRETRIZES PARA INTEGRAÇÃO AO ORÇAMENTO PÚBLICO P E À CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL Nelson Machado Sec Executivo do MF Brasília, Outubro de 2008 DIVERSIDADE DE PONTOS DE VISTA

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

)))* "*+$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação "$%&'(

)))* *+$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação $%&'( )))* "*+$!"# Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação "$%&'( , $-. Cecom Centro de Computação: atendimento das demandas corporativas da universidade. LCC Laboratório

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

Histórico 2006/ 2010

Histórico 2006/ 2010 Histórico 2006/ 2010 Programa Na Mão Certa O Programa Na Mão Certa, uma iniciativa da Childhood Brasil, que tem como objetivo reunir esforços para mobilizar governos, empresas e organizações da sociedade

Leia mais

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013.

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Sistemas de Monitoramento e Avaliação Pode ser entendido, em sentido lato, como o conjunto de

Leia mais

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA COMPONENTE 1: Priorização da Biodiversidade em Setores Governamentais Objetivo: Implementar a Política Nacional

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas 1. APRESENTAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos que

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA APRESENTAÇÃO A CARTA DE SERVIÇOS atende a uma indicação do Programa Nacional de Gestão Pública, aderido pela Prefeitura do Município de Porto Velho, cujo programa é coordenado pela Secretaria Municipal

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais