MUDANÇAS AMBIENTAIS GLOBAIS, VULNERABILIDADE E RISCO: IMPACTOS NA SUBJETIVIDADE EM CARAGUATATUBA, LITORAL NORTE PAULISTA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇAS AMBIENTAIS GLOBAIS, VULNERABILIDADE E RISCO: IMPACTOS NA SUBJETIVIDADE EM CARAGUATATUBA, LITORAL NORTE PAULISTA 1"

Transcrição

1 MUDANÇAS AMBIENTAIS GLOBAIS, VULNERABILIDADE E RISCO: IMPACTOS NA SUBJETIVIDADE EM CARAGUATATUBA, LITORAL NORTE PAULISTA 1 Sônia Regina da Cal Seixas 2 João Luiz de Moraes Hoeffel 3 - Michelle Renk 4 - Simone Aparecida Vieira 5 - Leonardo Freire de Mello 6 - Paula V. Carnevale Vianna 7 - Resumo: As regiões costeiras do Brasil, recentemente, tem sido objeto de importantes mudanças ambientais e sócio-culturais, resultante de tansformações no uso da terra. Essa situação pode levar à perda de serviços ambientais que afetam a saúde física e psicológica da população, especialmente os pescadores artesanais e suas famílias, que, por suas trajetórias de vida e de trabalho são os primeiros a perceber as mudanças ambientais em suas vidas e, ao mesmo tempo possuir conhecimento que pode contribuir para a compreensão desta dinâmica e seus efeitos sobre suas subjetividades. Assim, considerando que as comunidades litorâneas do Estado de São Paulo, Brasil, ao enfrentar mudanças ambientais globais, irão passar por transformações socioambientais e culturais que afetam a maneira como os habitantes lidam com tais mudanças importantes, este trabalho apresenta resultados preliminares sobre a avaliação dos impactos sobre a subjetividade dos habitantes, relacionados à vulnerabilidade e riscos. Palavras-chave: Mudanças ambientais globais, vulnerabilidade, risco e subjetividade, Litoral Norte Paulista. GLOBAL ENVIRONMENTAL CHANGE, VULNERABILITY AND RISK: IMPACTS ON SUBJECTIVITY IN CARAGUATATUBA, NORTH COAST OS SÃO PAULO STATE Abstract: The coastal regions of Brazil have recently undergone significant environmental 1 Agradecemos a Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo pelo suporte financeiro que possibilitou a pesquisa que originou esse artigo (FAPESP, n. 2008/ e 2010/2010/ ). A versão em inglês desse artigo foi apresentado em Session 4: Health, Environmental Risks and Well-Being, The Social Pathologies of Contemporary Civilization. International Conference, University College Cork, Ireland, September 15th and 16th Professora e Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais e do Doutorado Ambiente & Sociedade, Universidade Estadual de Campinas. Bolsista Produtividade CNPq 2 3 Professor e Pesquisador do Núcleo de Estudos em Sustentabilidade Faculdades Atibaia (NES/FAAT) 4 Mestre em Planejamento de Sistemas Energéticos, Bolsista FAPESP TT III, Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais, UNICAMP. 5 Professora e Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais e do Doutorado Ambiente & Sociedade, Universidade Estadual de Campinas. 6 Professor e pesquisador da Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP e do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais, UNICAMP. 7 Professora e pesquisadora da Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP. 1

2 and socio-cultural disturbances resulting from changes in land use. These situation lead to loss of environmental services that affect the physical and psychological health of the population, especially the small-scale fishermen and their families, that by their life and work trajectories are the first ones to perceive environmental changes in their daily lives and to retain special knowledge that can contribute to the understanding of this dynamic and its effects over their subjectivities. Based on the hypothesis that the seaside communities of the State of São Paulo, Brazil, when facing global environmental change, will pass through socioenvironmental and cultural transformations that will affect the way the inhabitants deal with such major changes in their daily lives, this paper presents preliminary results regarding the evaluation of the impacts over the subjectivity of the inhabitants related to the vulnerability and risks. Key-words: Global environmental change; vulnerability; risk and subjectivity; São Paulo State North Coast. 2

3 1. Introdução Pesquisas têm apontado que as mudanças ambientais globais, especialmente as climáticas promoverão impactos na economia, na sociedade, na política e também na saúde humana (HOGAN; TOLMASQUIM, 2001; McMICHAEL et al., 2006; PATZ et al., 2007; ALLEY et al., 2009; KOTIR, 2010; GIDDENS, 2008; MIN et al., 2011). No entanto, esses impactos, do ponto de vista da subjetividade e da saúde mental, têm sido pouco considerados na literatura acadêmica, podendo desta forma indicar falsamente sua pequena importância no cenário das pesquisas sobre a temática. No entanto, por considerarmos que os aspectos socioambientais globais, na mesma medida que as questões individuais promovem impactos e precisam ser reconhecidos com o mesmo grau de importância, pois podem contribuir para aumentar o estresse e as tensões que afetam a vida cotidiana, a subjetividade, os modos de vida e as culturas tradicionais (O CONNOR, 1994; CARAPINHEIRO, 2002; HANNIGAN, 2006), temos nos debruçado sobre essa temática há algum tempo, e continuamos a investir nessa abordagem (BARBOSA, 2003; 2004; 2006; 2006a; 2008; 2008a; SEIXAS; HOEFFEL; BIANCHI, 2010; SEIXAS; HOEFFEL et al., 2010). A literatura especializada também tem destacado que as regiões costeiras são exatamente aquelas mais sensíveis a tais impactos (CONFALONIERI, 2005; CONFALONIERI et al., 2007; CONFALONIERI, 2007; CONFALONIERI, MARINHO, 2007; HOGAN, TOLMASQUIM, 2001; PEREIRA, et al., 2009). No caso brasileiro essas regiões recentemente têm passado por significativas alterações ambientais e socioculturais decorrentes da mudança do uso da terra, das novas configurações do espaço e da utilização dos recursos naturais (RAIMUNDO, 2007; HOGAN et al., 2008; BARBOSA et al., 2009; 2010), o que nos impõe maior preocupação com seu futuro. Considerando que as comunidades de pescadores artesanais do Estado 3

4 de São Paulo, ao enfrentar as mudanças ambientais globais serão afetados, do ponto de vista socioambiental e cultural, que influirá na maneira como os mesmos lidam com tais mudanças em suas vidas diárias, este trabalho apresenta resultados preliminares sobre a avaliação dos impactos no cenário ambiental, e as transformações, a vulnerabilidade e os riscos que afetam o modo como a comunidade se relaciona pelo trabalho, com os recursos naturais, com sua cultura, e subjetividade (WISNER et al., 2003; GIDDENS, 2008). Desta forma, o artigo apresenta um estudo de caso, tendo como referência o município de Caraguatatuba, no Litoral Norte Paulista e um grupo potencialmente afetado por essas alterações que são os pescadores artesanais e suas famílias que vivem na região, e que pela sua vida e trajetórias de trabalho são os primeiros a perceber as mudanças ambientais no seu cotidiano, visando captar o conhecimento especial que possuem e que pode contribuir para a compreensão desta dinâmica e seus efeitos sobre suas subjetividades. Pesquisas anteriores realizadas nos quatro municípios do Litoral Norte Paulista permitem considerar, particularmente, dois aspectos importantes para a região: 1. A mesma está passando por mudanças significativas, e impondo aos moradores novas relações com o ambiente de moradia e de trabalho e 2. Identificou-se expressivos diagnósticos de depressão entre os usuários adultos do serviço de saúde pública atendidos na região, considerando que no ano de 2007, o percentual de diagnósticos foi cerca de 15% (BARBOSA, 2007). Mesmo respeitando diferentes abordagens metodológicas este número está acima da prevalência internacional, que oscila entre 3% e 11% (FLECK et al., 2003). Estudos internacionais em 14 diferentes países apontam que em pacientes atendidos em Unidades Básicas de Saúde, a média de prevalência está em torno de 10% (USTUN; SARTORIUS, 1995). Assim, buscando dar continuidade as pesquisas anteriormente realizadas, procurou-se neste artigo considerar os dados já coletados 4

5 (BARBOSA, 2007 e 2009), aliados as mudanças ambientais globais mais recentes (SEIXAS; HOEFFEL et al., 2010; HOGAN et al., 2008), tendo como pressuposto as seguintes estratégias metodológicas para a realização da pesquisa: a coleta e analise de dados sócio-demográficos e de saúde originados de fontes de base estaduais e federais (IBGE; DATASUS; Unidades Básicas de Saúde do município); entrevistas com 13 pescadores e maricultores, da praia da Cocanha, escolhidos especialmente para exemplificar a relação das transformações socioambientais e a subjetividade dos moradores, em função de que os pescadores desta praia foram identificados como aqueles que possuem uma organização social mais expressiva do que os residentes em outras áreas, possibilitando uma maior articulação e evidência da identificação dos problemas da região. Desta forma, o artigo conta com uma parte introdutória onde se apresentou o problema e a teoria que o embasa; a segunda parte com a caracterização da região de estudo e seus principais problemas. No terceiro item foram destacadas as mudanças ambientais globais e a subjetividade, com ênfase especial para as entrevistas realizadas com os pescadores e maricultores que nos permitiu identificar a percepção dos mesmos com relação à problemática apontada. Além disso, foram analisadas as Médias de Internações para cada 100 mil habitantes no somatório dos Transtornos Mentais e Comportamentais (Capítulo CID-10: V), com a apresentação de resultados para os quatro municípios do Litoral Norte, a média do Litoral Norte e para o Estado de São Paulo, no período , obtidos da base de dados do DATASUS (MS, 2011), com a função de exemplificar a região sobre esse aspecto. E por fim, as considerações que finalizam o artigo e mostram os futuros caminhos que a pesquisa pretende percorrer. 2. Considerações sobre a região do estudo: Caraguatatuba, Litoral Norte 5

6 Paulista O Litoral Norte do Estado de São Paulo (Figura 1) situa-se no complexo geológico e topográfico da Serra do Mar (SUGUIO; MARTIN, 1978), formado pela atividade tectônica ocorrida no Terciário e nas baixas altitudes, por alterações do nível do mar associadas com os ciclos glaciais no Quaternário (SUGUIO; MARTIN, 1978; SOUZA et al., 2005;. PIERRE-LEDRU et al., 2009). Esta região abrange tanto a zona costeira, quanto as escarpas associadas a ela, abrigando um mosaico de ecossistemas, denominado de Mata Atlântica. Originalmente, a Mata Atlântica era uma das maiores áreas de floresta tropical das Américas, cobrindo a maior parte do litoral brasileiro, com uma área de aproximadamente 1,5 milhões km² (RIBEIRO et al., 2009). No entanto, a história e a vida econômica brasileira estão fortemente relacionadas com o domínio de Mata Atlântica. Nesta área, vive 70% da população total, e a área de abrangência do bioma original produz 80% do PIB (ou seja, 80% do valor da produção industrial e de serviços do país). Assim, as atividades econômicas e a população em geral, dependem direta ou indiretamente dos recursos naturais que são produzidos ou regulados pela Mata Atlântica (DEAN, 1995). Como conseqüência, a Mata Atlântica é hoje restrita a apenas 12% de sua área original (METZER, 2009), e grande parte do remanescente que sobreviveu a ocupação européia, relativamente intactas são encontrados na região costeira do Brasil, onde seu uso está limitado para agricultura (RANTA et al., 1998; RESENDE et al., 2002; SILVA et al., 2007; RIBEIRO et al., 2009), principalmente nas montanhas do nordeste de São Paulo (mais de 80% da vegetação original preservada), um ecossistema de complexidade estrutural de grandes dimensões que abrigam alguns dos ecossistemas florestais biologicamente mais diversos e únicos na terra (MYERS, 1988; WILSON, 1992; DAVIS et al., 1997). 6

7 O Litoral Norte do Estado de São Paulo possui uma população de habitantes (IBGE, 2011), distribuídos em seus quatro municípios Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba (Figura 2), e compreende uma área total de 1.947,70 km². A cobertura vegetal original ainda persiste em 84% da área dos municípios de Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba (SOS Mata Atlântica; INPE, 2009), enquanto que em Caraguatatuba, com maior população entre eles, esta porcentagem cai para 74%. A partir dos anos 1950, após a construção da rodovia dos Tamoios, que liga a região costeira com o vale do Rio Paraíba do Sul e com uma ampla malha rodoviária, as cidades da região tornaram-se destinos turísticos muito populares, permitindo a sua recuperação econômica, já que a agricultura e a pesca estavam em decadência. Entretanto, mesmo com o obstáculo físico vencido, a ligação entre planalto e litoral oscilou ao longo dos ciclos econômicos, principalmente com a implantação das ferrovias conectando São Paulo a Santos e posteriormente São Paulo ao Rio de Janeiro. As condições topográficas e geológicas, o mosaico de ecossistemas e o clima da região associados ao crescimento demográfico, impulsionado pela especulação imobiliária decorrente do turismo desordenado têm ocasionado mudanças ambientais profundas com grande impacto para a qualidade de vida dos moradores dessas cidades. Hoje, um novo ciclo econômico se apresenta à região, relacionado principalmente com a exploração das reservas de petróleo conhecidas como Pré Sal. O que poderá aumentar significativamente o risco de acidentes e enchentes, em função de uma mudança expressiva no cenário atual, com aumento de número de pessoas, carros de passeio e de transporte de cargas. Ao mesmo tempo em que se constata a precariedade da rede de serviços de saúde incluindo os serviços de emergência hospitalar, que não estão preparados para atender a demanda resultante da expansão urbana que já se encontra em curso 7

8 (LEITE; MORAES, 2001). Figura 01: Litoral Paulista e subdivisões: Litoral Sul, Baixada Santista e Litoral Norte Fonte: Hogan et al. (2009) Figura 02: População total do Litoral Norte Paulista, Campinas e São Paulo Fonte: IBGE, 2011 Esta situação é observada especialmente no município de Caraguatatuba que se situa a 186 km da capital paulista, faz limite com Ubatuba e São 8

9 Sebastião, e possui 29 km de orla formada por 17 praias, que propiciam uma variedade extensa de atividades de lazer e turismo (BARBOSA, 2007). A densidade demográfica é de 183,52 hab./km², sendo uma das 15 estâncias balneárias do Estado de São Paulo, o que lhe garante o repasse, pelo governo estadual, de recursos para a promoção do turismo regional (BARBOSA, 2007; RENK, 2010). Além disso, o município abriga o Núcleo Caraguatatuba do Parque Estadual da Serra do Mar (PESM), o primeiro núcleo do Litoral Norte, instituído em 1977 pelo Governo do Estado de São Paulo, com uma área de ha, sendo que desse total 84% fica no município de Caraguatatuba, e o 16% restantes nos demais municípios (INSTITUTO FLORESTAL, 2009). Para evidenciar a vulnerabilidade da região vale destacar que em março de 1967, ocorreu importante evento clim{tico que ficou conhecido como A Catástrofe 8, resultante de uma seqüência de deslizamentos na Serra do Mar, decorrentes, por sua vez, de uma anomalia positiva de precipitação na região no período e que provocou, segundo registros da época, a morte de 436 pessoas, além de severos danos à infraestrutura e à economia locais. Da população local residente no município na época, 33 % perdeu suas casas em função dos deslizamentos. Na área que hoje abriga o Parque Estadual da Serra do Mar, ocorreram inúmeros desabamentos provocando um lençol de lama que em dez minutos cobriu a cidade 9. Assim, pode-se afirmar que a região possui uma dinâmica natural própria e bastante característica que compõe um quadro de elevada vulnerabilidade ambiental e expõe a população da região a um complexo quadro de riscos socioambientais, que tende a se agravar, já que o município é o centro de uma série de investimentos em infraestrutura relacionada à 8 Sobre esse evento recomenda-se a leitura de SANTOS et al., 2000; CONTI, 2001 e CASTRO; FREIRE DE MELLO; SOUZA; PENNA (Work in progress), Ver nota 1. 9

10 exploração dos recursos de petróleo e gás natural da chamada camada do Pré- Sal, como o Projeto Mexilhão da Petrobras, e infraestrutura urbana como Anel Viário Caraguatatuba São Sebastião, Aterro Sanitário Regional e Centro de Detenção Provisória (HOGAN et al., 2008; RENK, 2010; SEIXAS;RENK, 2010). A praia da Cocanha, bem como outras da região, tem sofrido forte influência do turismo e um processo crescente de ocupação do solo, que se iniciou em meados da década de 1950, a partir da abertura da Rodovia dos Tamoios (SP-099), aliada a melhorias na infra-estrutura regional provenientes da obra de ampliação do Porto de São Sebastião (SOUZA, 2009). No entanto, sua especificidade ocorre uma vez que é caracterizada como a maior produtora de mexilhões do Estado de São Paulo, com cerca de 30 toneladas/ano (MARQUES et al., 2008; BOSCARDIN, 2008). 3. Serviços ecossistêmicos e subjetividade 3.1. Pescadores, maricultores: vida e trabalho No período de 2009 a 2011, foram realizadas entrevistas com 13 pescadores e maricultores, na faixa etária de 34 a 54 anos, que nasceram e residem na praia da Cocanha. O tempo médio de atividade pesqueira entre eles é de 19,5 anos. O objetivo era que os entrevistados pudessem refletir sobre o impacto das mudanças ambientais globais na região, nas atividades que realizam e no seu modo de vida. Para Koren; Butler (2006), o ambiente construído afeta o ecossistema, os serviços ecossistêmicos, assim como a saúde humana e o bem estar. As áreas urbanas ao mesmo tempo em que oferecem atrativos e benefícios aos seus moradores, como facilidades e acesso a serviços, podem atuar negativamente sobre a qualidade de vida, principalmente em relação à sobrecarga dos recursos naturais e de infraestrutura em uma região. O uso da terra é intensamente afetado pela expansão urbana, que é geralmente responsável pela degradação 10

11 do ambiente, alterando a função do ecossistema e, resultando em uma consequente redução da biodiversidade (KOREN; BUTLER, 2006; CINNER; BODIN, 2010; MARENGO, 2007). Nas entrevistas pode-se confirmar esse aspecto, na medida em que os pescadores reconhecem as mudanças em seu ecossistema. No dizer de um pescador a ocorrência de inúmeras mudanças na praia da Cocanha como afastamento do mar, e o fechamento do Rio Cocanha, em décadas anteriores, para construção de um condomínio residencial, tem sido os mais expressivos problemas observados. Ao mesmo tempo o nível do mar se alterou, e com a mudança da maré, o mangue que existia na região desapareceu, estando hoje instalado um rancho dos pescadores. Essas mudanças fazem com que no período de chuvas, ocorram enchentes, que já provocou inundações nos boxes deste rancho (entrevistados 5 e 9, 2011). As falas dos pescadores nos possibilitam relacionar a função dos ecossistemas de manguezais na reprodução de diversas espécies de peixes marinhos, e evidenciam as consequências da especulação imobilíaria no local, alavancada pelo turismo na região. Os relatos apontam como principal modificação na sua atividade a diminuição dos estoques pesqueiros. Segundo os mesmos, a queda na produção pesqueira está relacionada às alterações ocorridas tanto no ambiente (praia), como na aparelhagem de pesca e no clima. Segundo Koren; Butler (2006), ambientes sensíveis são muitas vezes fragmentados ou sacrificados para a construção de estradas, moradias e parques industriais. Os autores chamam atenção para a poluição de reservatórios e águas subterrâneas com a descarga na rede de esgoto, por aglomerados urbanos, de produtos químicos e patógenos, com inúmeros efeitos adversos à saúde humana. Com relação ao saneamento ambiental (esgoto) existem duas vertentes a serem observadas, sua produção - quiosques e comércio de produtos na praia 11

12 e a cobertura de tratamento de esgoto encontrada no município. De acordo com técnico da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP, a cidade possui 86% da população com abastecimento de água, ao lado de preocupantes 45% de coleta, afastamento e tratamento de esgoto (RENK, 2010). E verifica-se, com base nos relatos, a ausência de coleta e tratamento do esgoto gerado na praia. Devido à vocação turística da região aliada a expansão da indústria petrolífera no litoral, observa-se os reflexos da pressão populacional principalmente no período do verão, quando a população chega a triplicar. Em relação à qualidade da água observou-se que possuiu qualificação imprópria nas praias mais movimentadas e próximas ao centro da cidade. O indicador básico utilizado para a classificação das praias em termos sanitários é a densidade de coliformes fecais (CETESB, 2011) e assim, verifica-se que entre as 15 praias analisadas, 40% são classificadas como impróprias durante a maior parte do tempo no período de férias, principalmente de verão (CETESB, 2011; PREFEITURA DE CARAGUATATUBA, 2010). Esta preocupação surge no discurso de 86% dos pescadores e de 100% dos maricultores entrevistados. A contaminação da água, por coliformes fecais, influência diretamente a qualidade do mexilhão, já que o mesmo é um filtrador biológico. Nas entrevistas ficou evidente que, de acordo com os pescadores, um dos significativos problemas enfrentados por eles é causado pelo esgoto doméstico que é jogado diretamente no rio pelos quiosques, e como a correnteza segue em direção ao cultivo dos mexilhões, ocorre a contaminação da produção por coliformes fecais (entrevistado 6, 2011). Outra questão abordada pelos entrevistados está relacionada à utilização de técnicas de pesca que não garantem a sustentabilidade das espécies, como barcos a motor e pesca de arrasto que contribuem para a pesca de alevinos e não de peixes adultos. A pesca de camarões também contribui para que a 12

13 atividade fique mais predatória e pouco sustentável, pois também é feita por arrasto, e a rede possui uma malha mais fina (entrevistados 2 e 3, 2011). Além das modificações nos métodos de pesca, os entrevistados indicam a influência do clima na produtividade pesqueira, tanto na diminuição quanto na mudança da qualidade do pescado (pesca de parelha, poluição por diesel provocada pelos barcos a motor), além de representar gastos financeiros mais elevados devido a perdas com material de pesca: despesas com barcos maiores e que possibilitam uma permanência maior em alto mar, por exemplo (entrevistado 2, 2011). Na percepção dos entrevistados, no entanto, as mudanças climáticas são aquelas mais expressivas e importantes para o desenvolvimento de suas atividades, podendo ser evidenciada nas entrevistas com os maricultores que acreditam estar ocorrendo superaquecimento da água a cada ano. Alguns destacam que perderam 2 toneladas para a venda, o que significa outras duas para o plantio. Em termos econômicos o produtor destaca que perdeu o equivalente a U$ em 2010 e que por conta do clima não tem sido possível atender aos compradores (entrevistado 5, 2011). Outro ainda aponta que isso tem representado uma diminuição de 90% nos últimos cinco anos (entrevistado 6, 2011). O mesmo entrevistado declarou que em determinados dias do ano de 2010, observou-se que a temperatura da água do mar estava em torno de 32ºC, sendo que o ideal para a atividade é de 22 a 26ºC. Essas observações evidenciam que o mundo do trabalho e da vida cotidiana desses trabalhadores, frente às mudanças ambientais globais, tem sido alterado, e promovem impactos que alteram a saúde mental dessas pessoas, na medida em que geram sofrimento e incapacidade de enfrentar essas dificuldades que ultrapassam sua rotina de vida e seus hábitos, como procuraremos evidenciar a seguir. 13

14 3.2. Os impactos na subjetividade Fritze et al. (2008), ressaltam que tem ocorrido uma maior sensibilização dos cientistas para a saúde mental da população, considerando a importância das condições do ambiente e o impacto das mudanças climáticas. Assim, observou-se que a mudança das atividades pesqueiras tem promovido alterações no modo de vida da comunidade. Entre os pescadores e maricultores entrevistados na praia da Cocanha a mudança mais significativa é a diminuição dos estoques pesqueiros, que representa para esses trabalhadores, o ponto inicial para as modificações em seu cotidiano, afetando aspectos da cultura dos pescadores artesanais, que se expressam através da comparação entre a fartura encontrada antigamente frente à escassez atual. Em seus depoimentos fica evidente a diminuição do pescado na atualidade frente à fartura de duas a três décadas anteriores (entrevistados 3 e 8, 2011), pois até para o consumo familiar o produto do trabalho diminuiu significativamente (entrevistado 7, 2011). Os relatos coletados remontam a situações de abundância de recursos, onde a problemática vivida na época era a falta de mercado consumidor para toda a produção. Os entrevistados utilizam à corvina, que é uma das espécies mais comum no litoral paulista (IP, 2011) para contextualizar a diminuição dos estoques. Na medida em que apontam que foi de 18 a 20 anos que começou a diminuir, já que antes desse período era comum pescarem peixes mais nobres como bonito e dourado, e que agora só conseguem pescar corvina, cação e bagre, e que hoje nem corvina pescam (entrevistado 3, 2011). Como consequência da redução dos estoques pesqueiros, pode-se observar um maior esforço por parte dos pescadores para continuar obtendo sustento com a pesca. As dificuldades encontradas envolvem o esforço físico, com a necessidade de mais viagens ao mar, e financeiro em termos de maior investimento em matéria prima para realização da atividade pesqueira. Esse 14

15 maior investimento humano e financeiro evidencia, na visão deles um maior desgaste na saúde. Muitos pescadores mencionam problemas na coluna vertebral, como dores e dificuldades de locomoção (entrevistado 5, 2011). Segundo Lee (2007), os efeitos das mudanças climáticas serão desproporcionalmente sentidos pelas comunidades já vulneráveis, incluindo pessoas com baixos rendimentos e as comunidades diretamente dependentes de seu ambiente local para a sobrevivência, como na região estudada. Assim, em função da diminuição do pescado foi possível observar uma recolocação da atividade pesqueira artesanal, onde esta passa de atividade primária para secundária, sendo colocada como renda complementar pelos entrevistados. O desemprego, bem como as desvantagens socioeconômicas, interfere negativamente na saúde mental, uma vez que leva à maior exposição aos fatores de risco psicossocial como auto-percepção negativa, stress, insegurança, perda da autonomia pessoal e isolamento social (PATEL et al., 1999; SHIELDS; PRICE, 2001; FRITZE et al., 2008). Atualmente, poucos estão vivendo exclusivamente da pesca artesanal, e entre os entrevistados é comum o desenvolvimento de uma segunda atividade, que muitas vezes configura sua fonte de renda principal como comércio local, prestação de serviços como caseiros e na construção civil, evidenciando a necessidade de renda complementar para quem pratica a pesca. Alguns entrevistados mencionam a prática de outras atividades laborais, como trabalho em supermercados, como caseiros ou na construção civil, durante a semana e tendo a prática da pesca como lazer ou hobby (entrevistados 2, 5 e 7, 2011). Devido às dificuldades encontradas no desenvolvimento da pesca, muitos pescadores não estimulam a manutenção da atividade para seus descendentes, sendo que muitas vezes incentivam os mesmos a migrarem para outras atividades laborais. Assim, pode-se observar uma diminuição do número de pescadores ao comparar a quantidade de associados nas 15

16 comunidades pesqueiras e os que trabalham efetivamente. É apontado que atualmente existem 35 associados, e destes 15 são identificados como maricultores, mas efetivamente praticando a atividade existe 1 pescador e 8 maricultores na praia da Coconha (entrevistado 6, 2011). Para Fritze et al. (2008), as mudanças climáticas possivelmente trarão impactos à saúde mental e bem-estar, através de seus prováveis embates sobre o sistema econômico, o custo de vida, e ao mesmo tempo na distribuição desigual desses impactos entre os membros de uma comunidade. Esses aspectos anteriormente apontados podem ser complementados através de dados do Sistema de Saúde Brasileiro em relação à saúde mental dos moradores dos municípios do Litoral Norte Paulista. Utilizou-se, desta forma a média de internações a cada 100 mil habitantes, para o somatório das morbidades especialmente escolhidas e sistematizadas a partir do Capítulo CID-10: V, por serem na área de saúde mental as mais sensíveis às questões socioambientais e culturais, tais como os transtornos mentais e comportamentais, devido ao uso abusivo de álcool e outras substancias psicoativas e que são reconhecidas como promotoras de problemas a saúde mental; além daquelas relacionadas aos transtornos de humor (afetivos) e neuróticos, e relacionados com stress; também esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e delirantes e outros transtornos mentais e comportamentais. Procurou-se evidenciar o panorama dos municípios do Litoral Norte, separadamente, a média do Litoral Norte e do Estado de São Paulo, para um período de 10 anos ( ) (Figura 3). A partir da Figura 3 observa-se que a situação dos municípios para esse conjunto de morbidades é expressiva, embora abaixo da média do Estado de São Paulo, como era de esperar. No entanto em todo o período os municípios de Caraguatatuba e Ilhabela foram aqueles que estiveram acima da média do Litoral Norte, com exceção de Caraguatatuba em 2010 (que esteve abaixo), e o 16

17 município de Ilhabela que apresentou quadro significativo em 2007, muito acima da média do Litoral Norte e do Estado de São Paulo. Figura 3: Média de Internações a cada 100mil habitantes no somatório das morbidades, municípios do Litoral Norte, média do Litoral Norte e do Estado de São Paulo, período Fonte: elaboração própria, DATASUS, 2011 A partir da consolidação dos dados por 100mil habitantes foram elaborados os percentuais dos quatro municípios, como observa-se nos gráficos 1 a 4, comparativamente ao Estado de São Paulo, para o mesmo conjunto de morbidades e mesmo período (gráfico 5). E o que efetivamente chama atenção é a soma dos itens transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de alcool e transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de outras substâncias psicoativas que se apresentam significativamente proximos a média do Estado de São Paulo, para os quatros municípios, no período de E o item esquizofrenia, transtornos esquisotípicos e delirantes que para os quatro municípios estão superiormente acima da média do Estado de São Paulo. A observação desses dados exigirá dos pesquisadores uma atenção especial, pois necessitarão ser melhor compreendidos a luz de uma observação mais sistemática da realidade socioambiental dos municípios do Litoral Norte Paulista, principalmente aliados a continuidade de entrevistas com a comunidade e também com os profissionais de saúde da rede de atenção 17

18 primária em saúde e das unidades especializadas em saúde mental. 18

19 Gráfico 1: Porcentagem de distribuição das morbidades em Caraguatatuba a (n=1090) Gráfico 2: Porcentagem de distribuição das morbidades em Ilhabela 2000 a (n=468) Fonte: Elaboração própria a partir do Datasus, Gráfico 3: Porcentagem de distribuição das morbidades em São Sebastião to 2010 (n=685) Fonte: Elaboração própria a partir do Datasus, Gráfico 4: Porcentagem de distribuição das morbidades em Ubatuba a (n= 621) Fonte: Elaboração própria a partir do Datasus, Fonte: Elaboração própria a partir do Datasus,

20 Grafico 5: Porcentagem de distribuição das morbidades no estado de São Paulo to (n= ) Fonte: Elaboração própria a partir do Datasus,

Urban Growth, Vulnerability and Adaptation: Social and Ecological Dimensions of Climate Change on the Coast of São Paulo (2009-2013)

Urban Growth, Vulnerability and Adaptation: Social and Ecological Dimensions of Climate Change on the Coast of São Paulo (2009-2013) Urban Growth, Vulnerability and Adaptation: Social and Ecological Dimensions of Climate Change on the Coast of São Paulo (2009-2013) 22 Doutores; 17 Orientações; 58 Alunos (Iniciação Científico, Mestrado,

Leia mais

Crescimento Urbano, Vulnerabilidade e Adaptação: Dimensões Sociais e Ecológicas das Mudanças Climáticas no Litoral de São Paulo (2009-2013)

Crescimento Urbano, Vulnerabilidade e Adaptação: Dimensões Sociais e Ecológicas das Mudanças Climáticas no Litoral de São Paulo (2009-2013) Crescimento Urbano, Vulnerabilidade e Adaptação: Dimensões Sociais e Ecológicas das Mudanças Climáticas no Litoral de São Paulo (2009-2013) Coordenação Lúcia da C. Ferreira LEONARDO R. TEIXEIRA NEPAM/UNICAMP

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo;

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo; CENTRO CULTURAL SÃO SEBASTIÃO TEM ALMA DESDE 1989 VALORIZANDO A CULTURA CAIÇARA E O MEIO AMBIENTE Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

OBJETIVOS LG NB. 1- Investigar se os pescadores artesanais percebem as mudanças ambientais. X X

OBJETIVOS LG NB. 1- Investigar se os pescadores artesanais percebem as mudanças ambientais. X X Efeitos das mudanças socioambientais na pesca artesanal do litoral norte de São Paulo (Componente IV) Imagem: João Vianna Workshop Projeto Clima 2013 Dra. Cristiana S. Seixas Luziana Garuana Natália Bahia

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Revista Ceciliana Jun 4(1): 55-59, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA

RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA 1 Carlos Antônio Costa dos Santos; 2 José Ivaldo Barbosa de Brito RESUMO O objetivo deste trabalho é estimar e verificar

Leia mais

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR INTERIOR DE SÃO PAULO Flavio Amary Vice-presidente do Interior do Secovi-SP e Diretor Regional em Sorocaba e Região PARTICIPAÇÃO % DO

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 Consumo de água na cidade de São Paulo Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Caixa Postal 515 - CEP 12245-970 São José dos Campos SP,

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS Nayane Cristina Costa Silva 1 ; Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais*

População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais* RESENHA/BOOK REVIEW População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais* Rafael D Almeida Martins 1 As mudanças climáticas passaram em curto espaço de tempo para o centro do

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

O município de Guarujá

O município de Guarujá O município de Guarujá Problemas socioambientais a partir da década de 70 Quadro atual de degradação social de parcela da população Degradação ambiental do território municipal Reflexos na economia, vocação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Programa de Estudos e Pesquisas 2009

Programa de Estudos e Pesquisas 2009 Programa de Estudos e Pesquisas 2009 DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Ana Paula Vitali Janes Vescovi Rodrigo Lorena Redirecionamento Estratégico IJSN Missão "Prover conhecimento social, econômico e territorial

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

UMA ANÁLISE DO ESTADO DA ARTE RESULTANTE DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

UMA ANÁLISE DO ESTADO DA ARTE RESULTANTE DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL UMA ANÁLISE DO ESTADO DA ARTE RESULTANTE DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL INTRODUCÃO O início do Século XXI tem sido marcado por uma discussão crescente a respeito das mudanças

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 19 de Maio de 2009 National Climate Change Policy National Plan on Climate Change Climate Fund Amazon Fund Política Nacional sobre Mudança Climática 2 objetivos

Leia mais

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC Não podemos acrescentar dias em nossas vidas, mas podemos acrescentar vida em nossos dias Cora Coralina 1 - Introdução Este trabalho

Leia mais

PROJEÇÕES DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL PARA CENÁRIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAPEROÁ - PB

PROJEÇÕES DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL PARA CENÁRIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAPEROÁ - PB PROJEÇÕES DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL PARA CENÁRIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAPEROÁ - PB Madson T. SILVA 1, Edicarlos P. de SOUSA 2, Sonaly D. de OLIVEIRA 3, Vicente de Paulo

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014 Outubro/2014 Período 1 a 31 de outubro de 2014 Museu da Energia de São Paulo promove curso gratuito sobre Educação Patrimonial Essencial para o desenvolvimento cultural, tema será apresentado em um evento

Leia mais

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo:

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo: Oficina em Ilhabela Relatoria da Plenária Final Esta oficina, realizada no dia 28 de março de 2012, no Hotel Ilhabela, na sede do município, faz parte do processo de escuta comunitária no âmbito do projeto

Leia mais

VULNERABILIDADE SÓCIO-CLIMÁTICA: CASOS BRASILEIROS EMBLEMÁTICOS DE ÁREAS SUJEITAS A ALAGAMENTO

VULNERABILIDADE SÓCIO-CLIMÁTICA: CASOS BRASILEIROS EMBLEMÁTICOS DE ÁREAS SUJEITAS A ALAGAMENTO VULNERABILIDADE SÓCIO-CLIMÁTICA: CASOS BRASILEIROS EMBLEMÁTICOS DE ÁREAS SUJEITAS A ALAGAMENTO Aluno: Camila Romano de Paula Antunes Orientador: Maria Fernanda Rodrigues Campos Lemos Introdução A pesquisa

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL ANTECEDENTES Em continuidade aos trabalhos do Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro (GERCO), o Ministério do Meio

Leia mais

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP.

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. 26º. Encontro Técnico AESABESP Izanilde Barbosa da Silva Elivania Silva de Abreu DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. São Paulo-SP INTRODUÇÃO O Brasil é um pais

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TARTARUGAS MARINHAS VIVENDO LIVRE NO MAR

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TARTARUGAS MARINHAS VIVENDO LIVRE NO MAR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TARTARUGAS MARINHAS VIVENDO LIVRE NO MAR RESUMO O Programa de Educação Ambiental Tartarugas Vivendo Livres no Mar foi criado pelo Projeto Tamar/ICMBio Regional São Paulo

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Gisele Garcia Alarcon, Marta Tresinari Wallauer & Cláudio Henschel de Matos

Gisele Garcia Alarcon, Marta Tresinari Wallauer & Cláudio Henschel de Matos MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO: DESAFIOS PARA O ENVOLVIMENTO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PARQUE Gisele Garcia Alarcon,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 1.º Período ESTUDO DO MEIO Domínios Subdomínios Metas finais Conteúdos programáticos Avaliação natural

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 VIERO, Lia Margot Dornelles 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Geografia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil E-mail:

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil Exercícios Processo de Urbanização no Brasil 1. Nota intitulada Urbano ou rural? foi destaque na coluna Radar, na revista Veja. Ela apresenta o caso extremo de União da Serra (RS), município de 1900 habitantes,

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil

Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil Allan Yu Iwama (NEPAM/IFCH-UNICAMP) Orientador: Mateus Batistella (EMBRAPA Monitoramento

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

Diagnóstico Urbano Socioambiental e Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável em Municípios da Baixada Santista e Litoral Norte do Estado de

Diagnóstico Urbano Socioambiental e Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável em Municípios da Baixada Santista e Litoral Norte do Estado de Diagnóstico Urbano Socioambiental e Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável em Municípios da Baixada Santista e Litoral Norte do Estado de São Paulo 2 Pressuposto : Verificar o potencial de implantação

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

HEALTH SECTORIAL PLAN ON CLIMATE CHANGE

HEALTH SECTORIAL PLAN ON CLIMATE CHANGE MINISTRY OF HEALTH OF BRAZIL HEALTH SECTORIAL PLAN ON CLIMATE CHANGE Guilherme Franco Netto, MD, MPH, Ph.D. guilherme.netto@saude.gov.br Rio de Janeiro, October 19, 2011 Background IPCC(1988) UNFCCC (1992/1994)

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais