ARAMES TUBULARES PARA AÇO INOXIDÁVEL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARAMES TUBULARES PARA AÇO INOXIDÁVEL"

Transcrição

1 ARAMES TUBULARES PARA AÇO INOXIDÁVEL

2

3 Arames tubulares para aço inoxidável Os arames tubulares BÖHLER Welding combinam as excelentes características de soldagem de eletrodos revestidos rutílicos BÖHLER com as vantagens de produtividade dos arames GMAW. Os arames tubulares BÖHLER WELDING apresentam um arco de excelente penetração que garante um acabamento de solda liso e com mínima formação de respingos. Além disso, o ajuste preciso da liga garante soldas de alta qualidade com boa resistência à corrosão e excelentes propriedades mecânicas. Para garantir uma boa homogeneidade na composição química do metal de solda, todos os arames são produzidos usando-se fitas em aços inoxidáveis austeníticos e enchimentos de fluxos aglomerados. Durante a fabricação, um sistema automático monitora constantemente a produção garantindo a distribuição uniforme do enchimento de fluxo por todo o comprimento do arame. Todos os arames são produzidos conforme a DIN EN ISO 9001 sistema de qualidade. Características e benefícios Bobinas de arames tubulares BÖHLER, embadas a vácuo em sacos de alumínio resistentes à umidade. Fácil aplicação Excelente qualidade da solda Excelentes características de soldagem Limpeza mínima após a solda Maior produtividade Redução dos custos de soldagem Tire partido da relação custo-benefício dos arames FCAW para as posições plana e horizontal e de suas características que promovem boa velocidade de soldagem, qualidade garantida e consistente do metal depositado e acabamentos de solda lisos da economia apresentada pela utilização dos arames FCAW para soldagem fora de posição da otimização de custos na união de chapas finas usando arames FCAW de 0,9 mm da redução dos tempos de parada ao mínimo Solda de união tubo/flange feita em aço duplex UNS S soldado com BÖHLER CN 22/9 N-FD. Arames tubulares BÖHLER WELDING 3

4 Benefícios gerais Os arames tubulares de aços inoxidáveis BÖHLER apresentam uma larga faixa de ajustes de parâmetros de soldalgem. 36 Formação de respingos Normalmente, o arame entra no modo de transferência spray a partir de aprox. 125 Amps. 22 Volts (para arame de mm, mistura de gás Ar/CO 2 e a 100 A, 23 V para arame de 0,9 mm) e produz um arco com excelente penetração que deposita um cordão de solda liso e livre de respingos. Os parâmetros de soldagem são de fácil ajuste. Normalmente, as variações involuntárias de parâmetros de soldagem podem ser toleradas sem perda da qualidade. Isto resulta em um excelente desempenho global do arame, com qualidade de solda garantida e consistente. Isto também reduz o risco de falhas de solda e respectivos custos de reparo. Tensão elétrica (V) Arame sólido mm FCAW 0,9 mm Arame sólido 1,0 mm 22 FCAW mm 20 Má aparência do cordão Amperagem (A) Arame sólido ø mm O arco estreito causa penetração profunda tipo dedo que pode originar uma falta de fusão na parede lateral. Tal como pode ser visto a cima, a chapa inferior quase não está fundida. Arame tubular ø mm Boa penetração com excelente características de molhagem, com alta produtividade em aplicações específicas com backing cerâmico. Arame tubular ø mm O arco largo apresenta uma penetração uniforme profunda com boa fusão de parede lateral e acabamento de solda liso. Os arames tubulares de aço inoxidável BÖHLER, como os conhecidos eletrodos rutílicos, produzem metal de solda com excelente aparência de cordão. O depósito de solda apresenta sanidade radiográfica, livre de respingos e com boas características de molhagem. A escória protege o metal depositado da oxidação e é facilmente removida, apresentando um acabamento do cordão liso, quase não necessitando de limpeza após soldagem. Cladding por solda feito com BÖHLER CN 23/12 Mo-FD (1ª camada) e BÖHLER EAS 4 M-FD (2ª camada). Esta aplicação é ideal para arames tubulares de aço inoxidável devido aos seus níveis uniformes de ferrita e a boa resistência à corrosão. Os arames tubulares tem um coluna de arco mais ampla que os arames sólidos. Por isso, eles operam com uma penetração muito segura. O risco de falta de fusão na parede lateral é mínimo, se comparado com a soldagem de arames sólidos, mesmo quando a tocha está ligeiramente mal direcionada devido à falta de concentração do soldador. 4

5 Possibilidades de diminuir custos Em termos práticos, nas áreas em que poderão ser realizadas economias sensíveis, uma empresa de soldagem estará, normalmente, restringida à: seleção de um processo de soldagem mais eficiente (taxa de deposição, lbs ou kg/hr) automatização (aumentar o tempo de arco efetivo) redução de tempos de preparação (esmerilhamento, remoção de escória e respingos, decapagem, etc.) Comparações de custos Embora os arames sólidos sejam mais baratos que os arames tubulares, são os custos de soldagem totais do componente concluído que devem ser levados em consideração. Os arames tubulares apresentam benefícios que reduzem bastante os custos de soldagem globais, principalmente nas áreas de limpeza após a solda, decapagem, etc., que muitas vezes não são considerados. Economizar tempo Os maiores ganhos de tempo podem ser conseguidos na soldagem fora de posição, se comparado com o GMAW pulsado usando arames sólidos. Os arames PW BÖHLER apresentam, por exemplo, soldagem vertical ascendente na metade do tempo, se comparado com o GMAW pulsado. Podem ser obtidos ganhos de produtividade de 20 a 50 %, se comparado com o GMAW, usando arames sólidos nas posições de soldagem plana e horizontal. FCAW apresenta Velocidade de soldagem 2X mais rápida = metade do tempo de soldagem 18 8,16 Taxa de deposição com ciclo de funcionamento 100 % (Ibs/h) arame tubular 0,9 mm arame tubular mm arame tubular mm arame sólido 1,0 mm arame sólido mm eletrodo revestido Posição de soldagem 1G (PA) 5 mm 4 mm Ampère ,26 6,35 5,44 4,54 3,63 2,72 1,81 0,91 Taxa de deposição com ciclo de funcionamento 100 % (kg/h) Velocidade de soldagem (mm/min.) mm 180 mm/minuto Arame FCAW ø mm 90 mm/minuto Arame GMAW ø 1,0 mm Solda de topo, 2ª camada, 3G ascendente, metal de base UNS S 31803, chapa de 10 mm Arame tubular Gás de proteção Arame Stick Out ø 0,9 mm Argônio + 18 % CO 2 15 mm ø / mm Argônio + 18 % CO 2 20 mm Arame sólido Argônio + 2 % CO 2 12 mm FCAW GMAW SMAW 850 mm 700 mm 280 mm Com exceção ao processo de soldagem por arco submerso, o processo de soldagem por arame tubular é o que apresenta maior produtividade. A razão para isso é a alta densidade de corrente (A/mm 2 ), pois a corrente é conduzida através da fita metálica, que forma o arame tubular, que apresentam uma área transversal menor que os arames sólidos. Por sua vez, isto resulta em um efeito de aquecimento resistente que faz com que o arame derreta rapidamente e que promova taxas de deposição mais altas e maior produtividade. O resultado global é a redução do tempo de soldagem, logo é possível economizar num custo principal que é a mão-de-obra. Comparação de comprimentos de soldas de ângulo executadas em 1 minuto (garganta: 3 mm, posição de soldagem 2F) Reduções de custos adicionais devido a Excelentes características de soldagem e acabamento de solda liso Poucas exigências de limpeza e decapagem. Formação de respingos e coloração por temperatura minimizada Custos mais baixos do gás de proteção Menor deformação devido à alta velocidade de soldagem Menor risco de reparo, devido a sanidade radiográfica do depósito de solda e a penetração segura do arco. Arames tubulares BÖHLER WELDING 5

6 Características especiais Soldagem de chapas finas usando os arames FCAW de 0,9 mm da BÖHLER Produto ideal quando se necessitam cordões com pequena seção transversal! Para espessuras de parede 1,5 mm (1F, 2F, 3F descendente). Transferência de arco por spray com reduzida formação de respingos a partir de 100 A / 23 V / 9 m/min. Solda de topo Solda de ângulo Cordão plano e liso com boas características de molhagem e excelente aparência do cordão. Proporciona altas velocidades de soldagem, conseqüente menor heat input e menor deformação! Uma excelente solução para economizar tempo e dinheiro na soldagem de chapas finas! Junta sobreposta Junta de canto Juntas de soldagem em chapa fina de 2 mm Menores custos com os gases de proteção Os arames tubulares de aço inoxidável são soldados usando os gases de proteção comercialmente disponíveis Argônio % CO 2 ou 100 % CO 2. A vazão dos gases é idêntica à usada na soldagem de arames sólidos usando Argônio + 2 % CO 2. Isto tem uma influência muito positiva na estabilidade do arco, produzindo uma transferência tipo spray sem respingos, e penetração garantida. Não existe qualquer risco de contaminação por carbono ou queima de elementos com afinidade com o oxigênio, como o cromo, o que seria inaceitável devido a perda da resistência à corrosão. Isto é garantido devido ao fato de cada gotícula de metal transferida no arco estar completamente coberta de escória, evitando qualquer reação com gás de proteção. A melhor relação custo-benefício para o usuário resulta do baixo custo do gás como também de um menor consumo, devido ao tempo de soldagem reduzido. Além disso, com um sistema de distribuição de gás por tubulação na empresa, também é possível diminuir ainda mais os custos adicionais. Cobertura total da gotícula com escória rutílica Gotícula de metal num eletrodo tubular Escória parcialmente saliente após o arrefecimento Microestrutura Duplex do depósito de solda do arame tubular BÖHLER CN 22/9 PW-FD analisado por micro sonda eletrônica (EPMA) 6

7 Benefícios adicionais do processo Adequado para soldagem mecanizada. As máquinas de soldagem MIG/MAG convencionais são adequadas para soldar arames tubulares. com o arame sólido, principalmente em aços CrNi(Mo) com maior teor de cromo. O material ainda apresenta baixo nível de decapagem, independentemente do número de passes. De fácil manuseio não oferecendo dificuldades facilita a formação e a reavaliação dos soldadores e, ao mesmo tempo, a manutenção e a melhoria dos aspectos de garantia de qualidade. Melhor acessibilidade, ex. em soldas de topo T com um só bisel, como resultado da soldagem com Stick Out mais comprido, se comparado com o arame sólido. Soldabilidade multi-passes Baixo efeito de coloração por temperatura facilmente removida por escovamento e a auto-remoção da escória tornam a soldagem multi-passes mais fácil, se comparada Ideal para soldas parciais e ponteamento. Necessidade de armazenagem reduzida O diâmetro de arame mais comum de mm pode ser usado universalmente para todas as espessuras de parede superiores a 3 mm, com intensidades de corrente de 130 A a 280 A e soldagem de arco por spray. Existe também 0,9 mm para chapas finas, bem como o altamente eficiente tipo PW para soldagem em todas as posições também com o diâmetro mm. A utilização do diâmetro mm é útil para aplicações especiais com correntes de 280 a 350 A. Soldagem mecanizada com BÖHLER EAS 4 PW-FD Aplicação na industria de celulose Espessuras de parede mínimas Tipo de junta junta de filete junta de filete junta de filete junta de topo junta de topo junta de topo Posição de soldagem 2F (horizontal) 3F (vertical descendente) 3F (vertical ascendente) 1G (plano) 3G (vertical descendente) 3G (vertical ascendente) Espessura de parede mínima (mm) 0,9 mm mm 1,5 3,0 1,5 3,0 5,0 5,0* 1,5 3,0 2,0 3,0 5,0 5,0* * para arames em todas as posições de soldagem Arames tubulares BÖHLER WELDING 7

8 Arames tubulares para soldagem plana e horizontal Todas as propriedades típicas de metal de solda (gás de proteção Argônio % CO 2 ), como condição de soldagem. Abreviaturas: YS = Limite de elasticidade, TS = Resistência à tração, EL = Alongamento, CVN = Resistência ao impacto Designação BÖHLER Aprovações Ø mm Classificação EN AWS Composiçã o química % Propriedades mecânicas N/mm 2 Metais base e outras características E 308 H-FD T Z19 9 H R M (C) 3 E308HT0-4(1) C 0,05 Si 0,6 Mn Cr 19,4 Ni 10,1 YS 390 TS 585 EL 42 % CVN 80 J AISI 304 H, 321 H, 347 H, 304. Teor controlado de ferrita de 3 a 8 FN. Bimax < 0,001 %. até 700 ºC. EAS 2-FD TÜV-D, TÜV-A, CWB, GL, DB, ÖBB, SEPROZ; CE 0,9 T 19 9 L R M (C) 3 E308LT0-4(1) ø 0,9 mm T 19 9 L P M (C) 1 E308LT1-4(1) Mn 1,5 Cr 19,8 Ni 10,2 YS 380 TS 560 EL 40 % CVN 60 J 32 J -196 C AISI 304 L, AISI 304, AISI 321, AISI 347, AISI 304 LN, AISI 302. Para trabalhos em temperaturas operacionais de -196 C a 350 C. SAS 2-FD TÜV-D, SEPROZ, CE T 19 9 Nb R M (C) 3 E347T0-4(1) Si 0,6 Mn 1,4 Cr 19,0 Ni 10,4 Nb + YS 420 TS 600 EL 35 % CVN 75 J 32 J -196 C AISI 347, AISI 304, AISI 321, AISI 304 L, AISI 304 LN, AISI 302. Para trabalhos em temperaturas operacionais de -196 C a 400 C. EAS 4 M-FD TÜV-D, TÜV-A, CWB, GL, DB, SEPROZ, ÖBB, CE 0,9 T L R M (C) 3 E316LT0-4(1) ø 0,9 mm T L P M (C) 1 E316LT1-4(1) Mn 1,5 Cr 19,0 Mo 2,7 Ni 12,0 YS 400 TS 560 EL 38 % CVN 55 J 32 J -120 C AISI 316 L, AISI 316, AISI 316 Ti, AISI 316 Cb, AISI 316 LN. Para trabalhos em temperaturas operacionais de -120 C a 400 C. SAS 4-FD T Nb R M (C) 3 E318T0-4(1) # # no momento, não classificado conforme AWS A Si 0,6 Mn 1,3 Cr 18,8 Mo 2,6 Ni 12,2 Nb + YS 430 TS 570 EL 35 % CVN 65 J 32 J -120 C AISI 316 Cb, AISI 316 Ti, AISI 316, AISI 316 L. de -120 C até 400 C. E 317 L-FD T Z L R M (C) 3 E317LT0-4(1) C 0,035 Mn 1,3 Cr 18,8 Mo 3,4 Ni 13,1 YS 420 TS 570 EL 32 % CVN 50 J 32 J -60 C Para aços CrNiMo (3-4 % Mo) AISI 317 L, AISI 316 LN, AISI 316 L, AISI 317 LN. Com alta resistência à corrosão em temperaturas operacionais de -60 C a 300 C. CN 22/9 N-FD TÜV-D, ABS, DNV, GL, RINA, SEPROZ, CWB, CE T NL R M (C) 3 E2209T0-4(1) C 0,03 Si 0,8 Mn 0,9 Cr 22,7 Mo 3,2 Ni 9,0 N 0,13 PREN 35 YS 600 TS 800 EL 27 % CVN 60 J 32 J -40 C UNS S31803, UNS S32205, juntas similares e dissimilares. PREN 35. CPT ASTM G48/A ou ASTM A923 Método C 22 C, Ferrita FN. Apropriado para temperaturas operacionais de -40 C até 250 C. A 7-FD T 18 8 Mn R M (C) 3 E307T0-G C 0,1 Si 0,8 Mn 6,8 Cr 18,8 Ni 9,0 YS 420 TS 630 EL 39 % CVN 60 J 32 J -100 C Dureza 200 HB, Endurecimento a frio até 400 HV. Aplicação universal! Liga de alta tenacidade e resistente a formação de trincas.para temperaturas de trabalho de -100 ºC até 850 ºC com resistência a formação de carepas. CN 23/12-FD TÜV-D, TÜV-A, CWB, GL, DB, ÖBB, LR, SEPROZ, CE 0,9 T L R M (C) 3 E309LT0-4(1) ø 0,9 mm T L P M (C) 1 E309LT1-4(1) Mn 1,4 Cr 22,8 Ni 12,5 YS 400 TS 540 EL 35 % CVN 60 J 32 J -60 C Juntas dissimilares entre aços ligados ao Cr- e CrNi e aços baixa liga ou sem liga. Também para cladding por solda. Para temperaturas operacionais de -60 C a 300 C. CN 23/12 Mo-FD TÜV-D, TÜV-A, ABS, GL, DNV, DB, ÖBB, RINA, SEPROZ, CE 0,9 T L R M (C) 3 E309LMoT0-4(1) ø 0,9 mm T L P M (C) 1 E309LMoT1-4(1) Si 0,6 Mn 1,4 Cr 22,7 Mo 2,7 Ni 12,3 YS 500 TS 700 EL 30 % CVN 55 J 32 J -60 C Juntas dissimilares entre aços ligados ao Cr- e CrNi(Mo) e aços baixa liga ou sem liga. Também para cladding por solda com Mo. de -60 C a 300 C. NIBAS 70/20-FD TÜV-D Typ Ni 6082 (NiCr20Mn3 Nb) ENiCr-3T0-4 Si 0,4 Mn 3,2 Cr 19,6 Nb 2,5 Fe 2,0 Ni bal. Ti + YS 400 TS 650 EL 39 % CVN 135 J 110 J -196 C Liga 600, Ni Cr 15 Fe, LC-NiCr 15 Fe, NiCr Arame FCAW a base de níquel. Para soldagem de ligas à base de níquel, aços para temperaturas elevadas, materiais criogênicos e resistentes ao calor, juntas dissimilares. Para temperaturas de trabalho de -196 ºC até 1200 ºC com resistência a formação de carepas (atmosferas livres de S). CN 13/4-MC SEPROZ T 13 4 M M 2 EC410NiMo (mod.) C 0,025 Mn 0,9 Cr 12,0 Ni 4,6 Mo 0,6 Wbh: (a) 580 C/8H YS 760 TS 900 EL 16 % CVN 65 J 47 J -20 C , , , ACI classe CA 6 NM, Para a fabricação e soldagem de reparo de componentes de turbinas hidráulicas à base de Aços matensíticos soft (macios) 13 % Cr, 4 % Ni e aços fundidos. 8

9 Arames tubulares para soldagem em todas as posições Todas as propriedades típicas de metal de solda (gás de proteção Argônio % CO 2 ), como condição de soldagem. Abreviaturas: YS = Limite de elasticidade, TS = Resistência à tração, EL = Alongamento, CVN = Resistência ao impacto Designação BÖHLER Aprovações Ø mm Classificação EN AWS Composiçã o química % Propriedades mecânicas N/mm 2 Metais base e outras características E 308 H PW-FD T Z19 9 H P M (C) 1 E308HT1-4(1) C 0,05 Si 0,6 Mn Cr 19,4 Ni 10,1 YS 390 TS 585 EL 42 % CVN 90 J Para aços CrNi-austeníticos resistentes à fluência, como AISI 304 H, 321 H, 347 H, 304. Teor controlado de ferrita de 3 a 8 FN. Bimax 0,001 %. Apropriado para temperaturas operacionais até 700 ºC. EAS 2 PW-FD TÜV-D, CWB, DB, SEPROZ, ÖBB, CE T 19 9 L P M (C) 1 E308 LT1-4(1) Mn 1,5 Cr 19,8 Ni 10,2 YS 380 TS 560 EL 40 % CVN 70 J 32 J -196 C AISI 304 L, AISI 304, AISI 321, AISI 347, AISI 304 LN, AISI 302. de -196 C até 350 C. SAS 2 PW-FD TÜV-D, SEPROZ, CE T 19 9 Nb P M (C) 1 E347T1-4(1) Mn 1,4 Cr 19,0 Ni 10,4 Nb + YS 420 TS 600 EL 35 % CVN 75 J 32 J -120 C AISI 347, AISI 304, AISI 321, AISI 304 L, AISI 304 LN, AISI 302. de -120 C até 400 C. EAS 4 PW-FD TÜV-D, CWB, DB, SEPROZ, ÖBB, CE T L P M (C) 1 E316LT1-4(1) Mn 1,5 Cr 19,0 Mo 2,7 Ni 12,0 YS 400 TS 560 EL 38 % CVN 65 J 32 J -120 C AISI 316 L, AISI 316, AISI 316 Ti, AISI 316 Cb, AISI 316 LN. de -120 C até 400 C. SAS 4 PW-FD TÜV-D, CE T Nb P M (C) 1 E318T1-4(1) # # no momento, não classificado conforme AWS A Si 0,6 Mn 1,3 Cr 18,8 Mo 2,6 Ni 12,2 Nb + YS 430 TS 570 EL 35 % CVN 65 J 40 J -120 C AISI 316 Cb, AISI 316 Ti, AISI 316 L, AISI 316. de -120 C a 400 C. E 317 L PW-FD BV T Z L P M (C) 1 E317LT1-4(1) C 0,035 Mn 1,3 Cr 18,8 Mo 3,4 Ni 13,1 YS 380 TS 560 EL 39 % CVN 58 J 32 J -60 C Para aços CrNiMo com elevado teor de Mo, para claddings, aços resistentes a corrosão e aços estruturais, AISI 317L, 317LN, 316 L, 316 LN. Excelentes características para soldagem em todas as posições e alta velocidade de soldagem. CN 22/9 PW-FD TÜV-D, ABS, CWB, DNV, GL, RINA, SEPROZ, CE T NL P M (C) 1 E2209T1-4(1) C 0,03 Si 0,8 Mn 0,9 Cr 22,7 Mo 3,2 Ni 9,0 N 0,13 PREN 35 YS 600 TS 800 EL 27 % CVN 80 J 45 J -46 C UNS S31803, UNS S32205, juntas similares e dissimilares. PREN 35. CPT ASTM G48/A ou ASTM A923 Método C 22 C, Ferrita FN. de -50 C até 250 C. A 7 PW-FD T 18 8 Mn P M (C) 2 C 0,1 E307T1-G Si 0,8 Mn 6,8 Cr 19,0 Ni 9,0 YS 420 TS 630 EL 39 % CVN 60 J 32 J -100 C Aplicação universal Liga de alta tenacidade e resistente a formação de trincas.para temperaturas de trabalho de -100 ºC até 850 ºC com resistência a formação de carepas CN 23/12 PW-FD TÜV-D, ABS, SEPROZ, CWB, DB, ÖBB, CE T L P M (C) 1 E309LT1-4(1) Mn 1,4 Cr 22,8 Ni 12,5 YS 400 TS 540 EL 35 % CVN 65 J 50 J -60 C Juntas dissimilares entre aços ligados ao Cr- e CrNi(Mo) e aços baixa liga ou sem liga. Também para cladding por solda. de -60 C até 300 C. CN 23/12 Mo PW-FD TÜV-D, SEPROZ, BV, CE T L P M (C) 1 E309LMoT1-4(1) Mn 1,4 Cr 22,7 Mo 2,7 Ni 12,3 YS 530 TS 720 EL 32 % CVN 65 J 50 J -60 C Juntas dissimilares entre aços ligados ao Cr- e CrNi(Mo) e aços baixa liga ou sem liga. Também para cladding por solda com Mo. de -60 C até 300 C. Ótimas características operacionais. Fácil de operar em todas as posições de soldagem com somente uma configuração de parâmetros usando misturas de Argônio ou CO 2. Arco de forte penetração, transferência por spray, reduzida formação de respingos, auto-remoção de escória, excelente molhabilidade, ótimo perfil de cordão. A alta velocidade de soldagem e uma ampla variedade de parâmetros operacionais promovem uma alta produtividade. A BÖHLER disponibiliza uma grande gama de produtos para soldagem de alta qualidade e considerável redução de custos na soldagem em todas as posições. Seção macro de uma parede de 49 mm S solda de tubo de aço inoxidável duplex para a industria offshore. BÖHLER EAS 4 PW-FD com auto-remoção de escória e depósito de solda com qualidade radiográfica. Arames tubulares BÖHLER WELDING 9

10 Parâmetros operacionais Posições de soldagem plana e horizontal Posição de soldagem downhand e horizontal Tipo de junta junta sobreposta + l-junta I-junta chanfro em V, raiz chanfro em V, preen.+cam. acabamento chanfro em V, preen.+cam. acabamento solda de ângulo solda de ângulo solda de ângulo solda de ângulo Espessuras de parede mm 1, , Arame ø mm 0,9 0,9 Amperagem A Tensão elétrica V Velocidade de alimentação do arame m /minuto 8,0-15,0 4,5-6,0 4,5-6,0 8,5-14,5 4,5-9,5 8,0-15,0 4,5-10,0 8,5-14,5 4,5-9,5 Limite do comprimento do arco até 3 mm com arame de 0,9 mm 5 mm com arame de mm O ângulo da tocha permite bom controle da poça de fusão e, ao mesmo tempo, promove a fusão lateral sem falhas, apesar das altas taxas de deposição. Posicionamento de tocha, posições de soldagem plana e horizontal Soldagem em todas as posições Excelentes configurações de parâmetros para arame de mm Faixa de parâmetros de soldagem Posição de soldagem superior 4G, 4F horizontal 2G posição plana 1G Tipo de junta chanfro em V, passe de raiz chanfro em V, preenchimento e cam. acabamento Solda de ângulo chanfro em V, passe de raiz chanfro em V, preenchimento e cam. acabamento Solda de ângulo chanfro em V, passe de raiz chanfro em V, preenchimento e cam. acabamento vertical ascendente 3G, 3F Amperagem A Tensão elétrica V Velocidade de alimentação do arame m/min. 6-6, , , Amperagem A Tensão elétrica V Velocidade de alimentação do arame m/min Limite do comprimento do arco até 3 mm com arame de soldagem em todas as posições de mm Posicionamento de tocha, soldagem em todas as posições. Leve oscilação é recomendado para todas as posições de soldagem Geral Dependendo das características da máquina de soldagem, a boa configuração de parâmetros pode variar. Os gases de proteção recomendados são o Argônio % CO 2 ou 100 % CO 2. (Quando usar 100 % CO 2, é necessário aumentar a tensão elétrica da soldagem em 2 Volts!). A taxa de fluidez do gás deverá ser de l/min. O Stick Out do arame deverá ser de mm na soldagem de arames de - mm e de mm na soldagem de arames de 0,9 mm. É recomendada uma extração de fumos adequada sempre que soldar aços inoxidáveis. Ressecagem: 150 C, se necessário! 10

11 Acondicionamento e campos de aplicação Acondicionamento Embalagem disponível, bobina B 300 0,035 0,9 mm 25 lb (12,5 kg) 0,045 mm 33 lb (15 kg) 1/16 mm 33 lb (15 kg) Para outras formas de fornecimento, favor contatar o seu representante BÖHLER. Todos os arames são embalados a vácuo em embalagens aluminizadas resistentes à umidade para maior proteção. Os arames tubulares da BÖHLER Welding são embobinados com precisão e apresentam excelentes características de alimentação. Algumas aplicações Filtro de drenagem para a industria de celulose, metal base / AISI 304 L, soldado com BÖHLER EAS 2-FD Transportadores de químicos, navios de carga, UNS S Construção de instalações: aço duplex UNS S31803 / , espessura de parede mm, soldada com BÖHLER CN 22/9 N-FD GTI-FIB Ind. Bedrijven bv. te Leeuwarden, NL Austrian Energy & Environment, Áustria Solda de junta dissimilar 3F, soldada com BÖHLER CN 23/12 Mo PW-FD Arames tubulares BÖHLER WELDING 11

12 Publicado pela BÖHLER WELDING Böhler Schweißtechnik Austria GmbH Böhler-Welding-St Kapfenberg / ÁUSTRIA +43 (0) (0) Member of the BÖHLER-UDDEHOLM Group O seu parceiro: BSGA 09/2006 POR1000 Foto de capa: BÖHLER WELDING

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Número 1 em arames tubulares sem costura

Número 1 em arames tubulares sem costura Número 1 em arames tubulares sem costura Desenvolvido por líderes em consumíveis para soldagem voestalpine Böhler Welding www.voestalpine.com/welding Beneficie-se da experiência de um especialista em arame

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS

ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS ARAMES PARA SOLDA ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS Soldar com Gerdau-MIG é ter alto rendimento nos processos industriais em soldagens semiautomáticas, mecanizadas e robotizadas,

Leia mais

0,8 0,9 1,0 1,2 1,32 1,6 18-20 100-250 ROSETADO AWS A 5.18 ER70S-6 0,15 0,15 0,15 0,03

0,8 0,9 1,0 1,2 1,32 1,6 18-20 100-250 ROSETADO AWS A 5.18 ER70S-6 0,15 0,15 0,15 0,03 ARAMES PARA SOLDA A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS Soldar com GerdauMIG é ter alto rendimento nos processos industriais em soldagens semiautomáticas, mecanizadas e robotizadas, nos mais diversos segmentos.

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Distribuição. Soluções em Aço para Solda

Distribuição. Soluções em Aço para Solda Distribuição Soluções em Aço para Solda A ArcelorMittal Distribuição apresenta sua linha de produtos para solda. A Belgo Bekaert Arames é líder de mercado no Brasil e tem um dos mais modernos parques industriais

Leia mais

MATERIAL DE QUEIMA E SOLDADURA

MATERIAL DE QUEIMA E SOLDADURA 06 MATERIAL DE QUEIMA E SOLDADURA CANDEEIROS A GÁS FOGAREIROS A GÁS ACESSÓRIOS FOGAREIROS A GÁS CARTUCHOS GÁS MAÇARICOS CARTUCHO MAÇARICOS GARRAFA ELECTRODOS FIO DE SOLDA CANDEEIROS Candeeiro a Gás L3000PZ

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8 1 - ELÉCTRODOS Soldadura de aços carbono... Soldadura de aços resistentes à fluência... Soldadura de aços de baixa liga... Soldadura de aços com baixa soldabilidade... Soldadura de aços inoxidáveis e refractários...

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Processo de Soldagem por Arame Tubular

Processo de Soldagem por Arame Tubular Processo de Soldagem por Arame Tubular Engº Roberto Joaquim INTRODUÇÃO Data da década de 30 o início da utilização de proteção gasosa nas operações de soldagem, para resolver problemas da contaminação

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA Tcg Alexandre Serra dos Santos Para se fazer o trabalho de revestimento protetor das camisas de moenda através de um sistema automatizado é necessário uma

Leia mais

Para soldas, escolha qualidade. Soldas

Para soldas, escolha qualidade. Soldas ara soldas, escolha qualidade. oldas 1 Qualidade que faz a diferença onhecer a qualidade das coisas é saber diferenciá-las. E, assim, poder escolher o que há de melhor. omo os inúmeros produtos Belgo Bekaert

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Dados Técnicos Sobre Tubos

Dados Técnicos Sobre Tubos www.swagelok.com Dados Técnicos Sobre Tubos Índice Serviço de Gás.......................... 2 Instalação.............................. 2 Tabelas de Pressão de Trabalho Sugeridas Tubos em Aço Carbono.....................

Leia mais

10. Fluxos e Arames para Soldagem a Arco Submerso AWS A5.17.

10. Fluxos e Arames para Soldagem a Arco Submerso AWS A5.17. CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM ÍNDICE: 1. Conceitos. 2. Normas Técnicas Aplicáveis. 3. Especificações e Classificações AWS. 4. As Normas AWS. 5. Gases de Proteção AWS A5.32. 6. Eletrodos Revestidos AWS A5.1,

Leia mais

Olhal soldável VLBS Elevação e amarração de cargas Cumpre as diretrizes de maquinaria 2006/42/EG C F T D E T I Articulação 180 G B A H Descrição Carga de trab. (t) Dimensões (mm) Solda Peso O VLBS forjado

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG Processos Soldagem MIG/MAG No Processo MIG/MAG (Gas Metal Arc Welding GMAW) é estabelecido um arco elétrico entre um eletrodo consumível nu alimentado continuamente (arame-eletrodo) e o metal de base,

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM Soldagem A soldagem é o mais importante processo de união de metais utilizado na indústria. Aplicações da soldagem: Estruturas simples Grades Portões Estruturas

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO Alcindo Fernando Moreira Juno Gallego Ruis Camargo Tokimatsu Wyser José Yamakami Vicente

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

LINHA MUNDIAL EUTECTIC CASTOLIN PARA SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS ÍNDICE

LINHA MUNDIAL EUTECTIC CASTOLIN PARA SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS ÍNDICE LINHA MUNDIAL EUTECTIC CASTOLIN PARA SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS ÍNDICE I. CONSIDERAÇÕES GERAIS...3 II. TIPOS DE AÇOS INOXIDÁVEIS...4 III. LISTA DOS AÇOS INOXIDÁVEIS NORMALIZADOS SEGUNDO A AISI...8 IV.

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

VARETAS FLUXADAS VARETAS FLUXADAS PARA A SOLDADURA DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

VARETAS FLUXADAS VARETAS FLUXADAS PARA A SOLDADURA DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Rev: 1.1 OUT214 VARETAS FLUXADAS VARETAS FLUXADAS PARA A SOLDADURA DOS AÇOS INOXIDÁVEIS TG-X 38 L ASME SFA 5.22: R38LT1-5 19 TG-X 39 L ASME SFA 5.22: R39LT1-5 19 TG-X 316 L ASME SFA 5.22: R316LT1-5 2 TG-X

Leia mais

NOSSOS CLIENTES SOLDAM MELHOR

NOSSOS CLIENTES SOLDAM MELHOR OK Arames Tubulares NOSSOS LIENTES SOLDAM MELHOR S ES OK OM GASOSA Pg. 3 Aços de baixo e médio teor de carbono Pg. 4 Aços de baixa liga Pg. 8 Aços inoxidáveis S ES OK - ARO SUBMERSO Pg. 10 Revestimento

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

versão com máscara disponível Apresentação do Sistema

versão com máscara disponível Apresentação do Sistema versão com máscara disponível Apresentação do Sistema Treinamento e simulação de soldagem em um ambiente virtual. Agilize seus processos de capacitação de soldadores com esta nova ferramenta. O SOLVI é

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG)

A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG) A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG) A suposta facilidade operacional da soldagem pelo processo GMAW (MIG-MAG) pode sugerir que este seja um processo que requeira poucos cuidados, mas quando se começa a entender

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB.

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB. Eletrodos GD GD 99 SX - E-NiCI GD 99 -E-NiCI GD 60 -E-NiFeCI GD 60S -E-NiFeS GD ST -E-ST Propriedades R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB R: 520 MPa A: 20% D: 180 HB R: 530 MPa A: 18%

Leia mais

warrior PRONTA batalha.

warrior PRONTA batalha. warrior PRONTA para a batalha. Soldadores comuns vão ao trabalho. Mas você não é um soldador comum você é um guerreiro. E guerreiros vão para a batalha. A ESAB traz para você a Warrior o equipamento inovador

Leia mais

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores.

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores. 4 Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Tubos sem Costura Tubos de aço sem costura são utilizados em aplicações como cilindros hidráulicos, componentes de transmissão, oleodutos,

Leia mais

GTAW Soldagem TIG 17/04/2013 2

GTAW Soldagem TIG 17/04/2013 2 2012 17/04/2013 1 GTAW Soldagem TIG 17/04/2013 2 17/04/2013 3 A Soldagem TIG (GTAW) O processo de soldagem Gas Tungsten Arc Welding - GTAW, ou soldagem TIG - Tungsten Inert Gas, como é mais conhecido atualmente,

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO SOB PROTEÇÃO GASOSA

SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO SOB PROTEÇÃO GASOSA SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO SOB PROTEÇÃO GASOSA PROCESSO MIG - MAG Elaboração : Engenheiro Arnaldo Mello Solci White Martins Gases Industriais S/A - Bauru 1 1 - FUNDAMENTOS DO PROCESSO O processo de soldagem

Leia mais

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br Influência da Velocidade de Soldagem sobre as Geometrias dos Cordões de Solda Realizados Através dos Processos de Soldagem FACW e Soldagem Híbrida (TIG/FACW) Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Leia mais

Apostila de Soldagem MIG/MAG

Apostila de Soldagem MIG/MAG Apostila de Soldagem MIG/MAG MODOS DE TRANSFERÊNCIA DE METAL... 4 EQUIPAMENTOS Soldagem manual... 7 SUPRIMENTO DE ENERGIA... 10 GASES DE PROTEÇÃO... 14 ARAMES... 23 SEGURANÇA... 29 TÉCNICAS E PARÂMETROS

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE SOLDAGEM PROF. JAQUES JONAS SANTOS SILVA RESENDE, NOVEMBRO DE 2008. ÍNDICE 1. SOLDAGEM...

Leia mais

Seu parceiro em Soldagem e Corte. Soldagem MIG/MAG

Seu parceiro em Soldagem e Corte. Soldagem MIG/MAG Seu parceiro em Soldagem e Corte Soldagem MIG/MAG ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 MODOS DE TRANSFERÊNCIA DE METAL... 4 EQUIPAMENTOS... 12 SUPRIMENTO DE ENERGIA... 18 GASES DE PROTEÇÃO... 27 ARAMES... 46 SEGURANÇA...

Leia mais

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS 01/14 VENDAS SUDESTE São Paulo Tel. (11) 3094-6600 Fax (11) 3094-6303 e-mail: atendimentogerdau.sp@gerdau.com.br Rio de Janeiro Tel. (21) 3974-7529 Fax (21) 3974-7592 e-mail: atendimentogerdau.rj@gerdau.com.br

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL

MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL Manual Técnico de Aço Inoxidável Índice 1. INTRODUÇÃO...59 2. FABRICAÇÃO DO INOX...60 3. APLICABILIDADE DO AÇO INOXIDÁVEL...61 3.1 - Aço Inoxidável Austenítico...61 3.2

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

consumíveis de solda

consumíveis de solda consumíveis de solda TOTALFIX APRESENTA HYUNDAI WELDING TOTALFIX, uma empresa especializada na distribuição exclusiva de marcas que representam qualidade e alto padrão tecnológico, apresenta mais uma inovação.

Leia mais

INTRODUÇÃO. A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de:

INTRODUÇÃO. A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de: MIG-MAG Prof. Luiz Gimenes Jr. Engº José Pinto Ramalho INTRODUÇÃO A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de: MIG, quando a proteção gasosa utilizada

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica Soldagem I Introdução aos Processos de Soldagem Prof. Paulo J. Modenesi Prof. Paulo Villani Marques Belo Horizonte, janeiro de

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

Soldagem a Plasma - PAW

Soldagem a Plasma - PAW Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Engenharia. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. Soldagem a Plasma - PAW Disciplina: Processo de Soldagem. Professor: Alexandre Queiroz Bracarense,

Leia mais

Luciano Lima Gerente de Equipamentos

Luciano Lima Gerente de Equipamentos Luciano Lima Gerente de Equipamentos Redução de custo Produtividade Fácil operação Tecnologia ONDE ESTÃO OS CUSTOS E DEFICIÊNCIAS DE PRODUTIVIDADE? Tempo de preparação da junta Tempo para preparação do

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

TECNOLOGIA DA SOLDAGEM CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MECÂNICA E MATERIAIS TECNOLOGIA DA SOLDAGEM Prof. Dr. Kléber Mendes de Figueiredo São Luís 2005 O presente trabalho é uma compilação de

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. LARRY FLEX Fonte de soldagem para TIG, eletrodo revestido e MIG/MAG

MANUAL DE INSTRUÇÕES. LARRY FLEX Fonte de soldagem para TIG, eletrodo revestido e MIG/MAG MANUAL DE INSTRUÇÕES LARRY FLEX Fonte de soldagem para TIG, eletrodo revestido e MIG/MAG II Sumário 1. Introdução 1 2. Descrição do Equipamento 2.1 Ligando a fonte na Rede 2.2 Descrição do Painel Frontal

Leia mais

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência 132 7. Processo de soldagem por resistência elétrica 7.1 Introdução As soldas a ponto, por costura, por projeção e topo a topo formam um grupo de soldas nas quais o calor necessário para a soldagem é gerado

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

AÇO INOXIDÁVEL. Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras

AÇO INOXIDÁVEL. Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras AÇO INOXIDÁVEL Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras CERT I F I CADA Empresa Certificada pela Norma ISO 9001:2008 ISO 9001 2008 www.elinox.com.br ÍNDICE Empresa...2 Visão, Missão e Valores...3 Qualidade...4

Leia mais

1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS.

1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS. 1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS. Os aços inoxidáveis são aços de alta liga, geralmente contendo cromo, níquel, molibdênio em sua composição química. Estes elementos de liga, em particular o cromo, conferem uma

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções.

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro, 2010 Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. Paulo Rogerio Santos de Novais * * Tecnólogo

Leia mais

WORKSHOP: Tecnologia de Construção Naval e Offshore

WORKSHOP: Tecnologia de Construção Naval e Offshore WORKSHOP: Tecnologia de Construção Naval e Offshore Linhas de Fabricação de Painéis is Qualidade, Produtividade e Redução de Custos na Construção e Montagem dos Blocos de Estruturas Navais e de Offshore.

Leia mais

CURSO DE. Franco Canan

CURSO DE. Franco Canan CURSO DE SOLDAGEM Curso de Soldagem 1. INTRODUÇÃO 1.1) O que é soldagem 1.2) Visão geral do processo MIG/MAG 1.3) Responsabilidades do soldador 1.4) Compromisso com a Empresa (Cliente) 2. EQUIPAMENTOS

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Funilaria de Autos 1. Os processos de soldagem podem ser classificados em três

Leia mais

Esferas de Aço Inox. Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox

Esferas de Aço Inox. Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox Esferas de Aço Inox Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox Esferas de Aço Inox A MultiEsferas possui uma larga experiência na produção e comercialização de esferas de aço inox em diversas ligas austeníticas,

Leia mais

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático As atividades de soldagem são um desafio constante aos profissionais de saúde e segurança do trabalho. Calor excessivo, movimentos repetitivos,

Leia mais

Sistemas de codificação a laser de fibra

Sistemas de codificação a laser de fibra Contraste de marcação superior a uma alta velocidade em matéria plástica e metais robustos Guia de amostra de codificação e marcação Sistemas de codificação a laser de fibra Realizar marcações a laser

Leia mais

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES 1 FERRITES Os ferrites são produzidos com óxido de ferro, cobalto, níquel, manganês e zinco. Após misturados são prensados de acordo com o perfil desejado. É sinterizado

Leia mais

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização.

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização. 1 1 - FUNDAMENTOS DO PROCESSO O processo de soldagem a arco sob proteção gasosa consiste em um aquecimento localizado da região a se unir, até que esta atinja o ponto de fusão, formando - se então a poça

Leia mais

Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW)

Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW) 2015-Jul Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW) Público alvo: Vendedores e Representantes comerciais 1 Informações iniciais : Ciclo de Trabalho (Fator de trabalho) O Ciclo de Trabalho é a relação entre

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

THE SWEDISH DOCTOR BLADE

THE SWEDISH DOCTOR BLADE THE SWEDISH DOCTOR BLADE SOBRE A PRIMEBLADE A PrimeBlade Sweden AB é uma empresa fabricante e fornecedora global de lâminas doctorblade para impressoras flexográfica, rotogravura e offset. Juntamente com

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 Vicente Afonso Ventrella Prof. Dr. UNESP / Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira

Leia mais

AÇOS. Construção Mecânica

AÇOS. Construção Mecânica AÇOS Construção Mecânica SÃO CERCA DE 10.000 TONELADAS EM AÇOS E METAIS A PRONTA ENTREGA GGD 10 Composição Química C Mn Si Cr Al P S 0,17 0,24 0,18 0,23 0, 0,60 0,60 0,90 0, máx 0,15 0, ----- --- 0, 0,

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Açúcar & Álcool A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um

Leia mais

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas SOLDAGEM 1. Introdução Junção de peças metálicas por contato e aquecimento. Processos por fusão: fusão local das partes, necessidade de metal de adição (geralmente). Processos por pressão: aquecimento

Leia mais