POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES"

Transcrição

1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Art. 1 O presente documento desenvolvido na Biblioteca Professor Doutor N. de Carvalho da FACSETE, através da Comissão de Biblioteca, estabelece os parâmetros que norteiem o desenvolvimento de coleções para composição do acervo bibliográfico. Parágrafo Único. Através desse documento pode-se traçar ainda um perfil do estado geral da coleção, apontar o método de trabalho para alcance dos objetivos e fundamentar as decisões. Art. 2 Os objetivos gerais visam: DOS OBJETIVOS I. permitir o crescimento racional e equilibrado do acervo; II. identificar os itens apropriados à formação da coleção; III. determinar critérios para a duplicação de títulos; IV. estabelecer prioridades na ocasião de aquisição de material; V. traçar diretrizes para o desbaste e descarte de material; VI. destacar a responsabilidade do corpo docente nas aquisições. DA FORMAÇÃO DO ACERVO Art. 3 O desenvolvimento de coleções é um trabalho de planejamento. A formação do acervo é um processo abordado sob uma perspectiva sistêmica e as atividades ligadas à construção da coleção não podem ser encaradas isoladamente. Art. 4 A Biblioteca, de acordo com seus recursos orçamentários, deverá adquirir diferentes tipos de materiais, tais como: livros, obras de referência, periódicos, mapas e multimeios. Estes materiais devem atender as seguintes finalidades: I. suprir os programas de ensino dos cursos de graduação e pósgraduação;

2 II. dar apoio aos programas de pesquisa e extensão da Universidade. DA POLÍTICA DE SELEÇÃO Art. 5 A elaboração de políticas para seleção demonstra-se necessária a começar por razões econômicas que exigem a determinação de prioridades. Art. 6 Uma boa política deve informar sobre: I. qual material (tanto no conteúdo, quanto no suporte) fará parte do acervo; II. quando e sob quais condições este material poderá ingressar no acervo (estabelecimento de políticas de seleção, aquisição, doação, permuta e compensação de multa); III. como será avaliada a importância do material no acervo da biblioteca (métodos para avaliação do acervo); IV. quando e sob quais condições ele será descartado do acervo; Art. 7 A Biblioteca deverá comportar materiais em qualquer suporte desde que a informação seja relevante para os objetivos da Instituição e comunidade que serve. Deverá respeitar as normas estabelecidas pelo presente documento e alterá-lo quando necessário, de acordo com pesquisas de demanda para determinado material do acervo. Art. 8 A Política de Desenvolvimento de Coleções é de responsabilidade do bibliotecário e da Comissão de Biblioteca da FACSETE. Qualquer funcionário ou usuário poderá opinar a respeito da Política adotada, porém, caberá ao bibliotecário, acatar ou não as sugestões, sempre justificando as tomadas de decisão. DOS CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO Art. 9 Quando da formação do acervo, o material bibliográfico deve ser rigorosamente selecionado, observando os seguintes critérios: I. adequação do material aos objetivos e nível educacional da Instituição; II. autoridade do autor e/ou editor; III. atualidade;

3 IV. qualidade técnica; V. escassez de material sobre o assunto na coleção da Biblioteca; VI. preço acessível; VII. idioma acessível; VIII. número de usuários potenciais que poderão utilizar o material; IX. reputação do publicador ou produtor; X. condições físicas do material; XI. trabalhos acadêmicos que obedeçam às normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). DAS FONTES PARA SELEÇÃO Art. 10 No apoio a seleção de fontes de informação, a Biblioteca deve encaminhar todo o material bibliográfico de divulgação recebido ou solicitado no intuito de disseminar entre os docentes as novidades editoriais. Serão utilizadas diversas fontes de informação, dentre as quais: I. bibliografias gerais e especializadas; II. catálogos, listas e propagandas diversas de editores e livreiros; III. guias de literatura geral e especializadas DA SELEÇÃO DE LIVROS DEBIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR Art. 11 O número de exemplares para compor a bibliografia básica, deve ser calculado com base nas exigências do INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (MEC Ministério da Educação), além do exemplar que deverá permanecer no acervo da Biblioteca (reserva) com finalidade de consulta local, cujo procedimento é aconselhado pelo INEP. Art. 12 Os livros importados serão adquiridos quando não existir uma adequada tradução em português ou espanhol. Art. 13 Casos em que haja pedido de um número maior de exemplares efetuado pelos solicitantes, estes devem justificar a necessidade. DA SELEÇÃO DE LIVROS QUE NÃO PERTENCEM AOS PLANOS DE ENSINO Art. 14 Todo usuário (docente, discente, funcionário ou pessoas da comunidade) poderá sugerir a aquisição desse material. A prioridade será

4 dada para as solicitações dos usuários das Instituições a qual a Biblioteca está vinculada. Parágrafo Único. Após análise de pertinência, serão adquiridos de 01 (um) a 03 (três) exemplares desse material, de acordo com as possibilidades e demanda da Biblioteca, exceto nos casos em que haja pedido expresso efetuado pelos solicitantes que justifiquem a necessidade de um número maior de exemplares. DA SELEÇÃO DA COLEÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 15 Por ser material que permanece na Biblioteca para consulta rápida e/ou empréstimo local, é necessário que se adquira ao menos 01 (um) exemplar de obras diversas com caráter de referência. Entretanto, dependendo da demanda ou exigência do docente, pode-se adotar a política de mais exemplares (exemplo: dicionários bilíngües, técnicos de área específica, entre outros). Parágrafo Único. Será de competência da Biblioteca a seleção desses materiais, consultando especialistas no assunto/área e dos professores, quando de interesse em plano de ensino. DA SELEÇÃO DE PERIÓDICOS Art. 16 A Biblioteca deve adquirir periódicos de informações gerais e especializadas (locais, estaduais, nacionais e internacionais), mas como são muitas as publicações periódicas existentes, a Biblioteca estabelece critérios de prioridade para aquisição das mesmas: I. periódicos cujos títulos já fazem parte da lista básica, conforme indicação dos docentes; II. periódicos para dar suporte aos conteúdos programáticos e propostas pedagógicas; III. periódicos para os cursos em fase de reconhecimento, implantação, credenciamento ou recredenciamento; IV. periódicos de referência nas diversas áreas de conhecimento dos cursos que a Instituição oferece (anuários, boletins, relatórios, almanaques)

5 1º A cada três anos, a Biblioteca deve realizar uma avaliação da coleção de periódicos correntes, com o objetivo de colher subsídios para tomada de decisão para a compra (ou interrupção da assinatura) dos mesmos. Para isso, a listagem dos títulos correntes será enviada aos Coordenadores dos Cursos para análise dos docentes, no sentido de se realizar: I - cancelamento de títulos que já não atendem as suas necessidades; II - inclusão de novos títulos necessários para o desenvolvimento do conteúdo programático e/ou atualização; III - manutenção dos títulos já adquiridos. 2º São critérios para inclusão de títulos de periódicos: I. títulos solicitados pelo corpo docente; II. títulos publicados na área sem que haja equivalente disponível na Biblioteca; III. quando houver necessidade de novo título em decorrência de alteração de currículo de disciplina; IV. quando houver a implantação de novos cursos. DA SELEÇÃO DE CD-ROM, DVD, FITAS DE VÍDEO E OUTROS MATERIAIS NÃO-CONVENCIONAIS Art. 17 Serão adquiridos quando estiverem constando em bibliografia básica ou quando comprovada a necessidade de tais recursos para o desenvolvimento do ensino. DA SELEÇÃO NO RECEBIMENTO DE DOAÇÕES Art. 18 A instituição ou pessoa física que doa obra para a Biblioteca deve encaminhar materiais em bom estado de conservação e reservando ao Setor o direito de dispor das obras doadas de acordo com seus critérios de seleção do acervo. 1º Recebimento de autor: I. critérios: geralmente integrado ao acervo, desde que, de alguma forma, atenda aos objetivos dos cursos ministrados pela instituição.

6 II. estão incluídos neste item os documentos digitais originados da conclusão dos cursos de graduação e pós-graduação, acompanhados da folha de aprovação. 2º Recebimento de editoras: I. critérios: geralmente integrado ao acervo, desde que, de alguma forma, atenda aos objetivos dos cursos ministrados pela instituição. 3º Recebimento de terceiros: I. critérios: somente através de listagem, antecipada à doação, dos documentos a serem doados com os seguintes dados mínimos: livro - autor, título, editora, ano, assunto. periódico título, ano, número, volume, editora, data. outros materiais tipo de documento, autor, título, editora, ano, assunto. II. pertinência: após análise de pertinência, serão selecionados os documentos que poderão ser aceitos como doação. Parágrafo Único. A Biblioteca poderá incorporar ou não o material ao acervo e descartá-lo quando o mesmo não estiver de acordo com os objetivos e normas estipuladas pelo Setor. DO RECEBIMENTO DE DOAÇÕES DE LIVROS Art. 19 Serão aceitos títulos que satisfaçam as necessidades de informação e que constem nas Bibliografias básica e complementar dos cursos de graduação e pósgraduação e seja coerente com a proposta pedagógica. DO RECEBIMENTO DE DOAÇÕES DE PERIÓDICOS Art. 20 Serão aceitos periódicos doados no suporte impresso, CD-ROM que apresentarem as seguintes condições: I. fascículos faltantes de títulos assinados ou permutados pela Biblioteca; II. coleções completas de interesse da comunidade universitária de critérios estipulados para seleção do presente documento;

7 III. fascículos com boas condições de uso, sem rabiscos ou danos, com exceção de títulos de extrema importância (material de alta demanda e/ou poucas publicações sobre o assunto), bem como edições consideradas raras. DO RECEBIMENTO DE DOAÇÕES DE CD-ROM,DVD, FITAS DE VÍDEO E OUTROS MATERIAIS NÃO-CONVENCIONAIS Art. 21 Serão aceitos materiais em boas condições de uso, visibilidade e sonorização, sem danos, que estejam de acordo com a política de seleção do material específico. DA AQUISIÇÃO Art. 22 O processo de aquisição de dá através de compra, doação ou permuta. Devem ser observados os arts. 23, 24, 25 para maior clareza dos processos de aquisição. DA COMPRA Art. 23 Devido às restrições orçamentárias e à grande quantidade de documentos produzidos nas diversas áreas do conhecimento, torna-se impossível uma biblioteca universitária adquirir todo o material bibliográfico disponível no mercado editorial. Sendo assim, a Biblioteca estabelece as seguintes prioridades para a compra de material bibliográfico: I. bibliografia básica e complementar de livros e obras de referência para os cursos de graduação e pós-graduação em fase de reavaliação, reconhecimento e implantação; II. periódicos de referência; III. assinaturas de periódicos, cujos títulos já fazem parte da lista básica, conforme indicação dos docentes; IV. documentos para desenvolvimento de pesquisa desde que vinculada à universidade. Parágrafo Único. Os casos não previstos serão submetidos à apreciação do Responsável pela Biblioteca A DOAÇÃO

8 Art. 24 O recebimento de doação para compor o acervo deve observar o que está apontado nos arts. 18. A doação feita por autores e editoras são as mais bem aceitas no processo de doação, visto que são, geralmente, últimas edições publicadas. Desta forma, podemos manter novidades bibliográficas para os usuários e de forma atualizada. DA PERMUTA Art. 25 Consiste no envio de publicações e no recebimento e controle das publicações recebidas das instituições cadastradas. É um serviço que requer um controle de movimentação das publicações periódicas, bem como dos livros que chegam e são enviados por intermédio de doação DO DESBASTE Art. 26 O processo de desbaste é aquele em que os documentos passam por uma análise, retirando-os das estantes para posterior processo de descarte. Usa-se o termo desbaste para a retirada do documento do acervo por motivo determinado. Em função da falta de espaço físico nas bibliotecas, este processo precisa ser sistemático. 1º Todo material bibliográfico passível de descarte deverá ser submetido, antes, a um processo de desbaste pelo docente, especialista da área, observando os seguintes critérios: I. desatualização: este critério se aplica principalmente às obras cujos conteúdos já foram superados por novas edições. Entretanto, para aplicação deste critério, deve-se levar em consideração, principalmente, a área de conhecimento a que se refere à obra. II. inadequação de conteúdo: obras cujos conteúdos não interessam à Universidade, as incorporadas ao acervo anteriormente sem uma seleção prévia e/ou escritas em línguas pouco acessíveis. III. condições físicas (sujas, infectadas, deterioradas ou rasgadas): após rigorosa análise do conteúdo e relevância da obra, esta deverá ser recuperada se for considerada de valor e não disponível no mercado para substituição. Quando houver possibilidade de substituição e o seu custo

9 for inferior ao da recuperação do material, deve-se adquirir outro exemplar e o material deverá ser descartado. IV. duplicatas: número excessivo de cópias de um mesmo título em relação à demanda. V. pouco ou nenhum uso: observando as estatísticas de uso do documento, pode-se analisar se o documento foi usado e com que periodicidade. VI. outros: critérios diferentes dos anteriormente citados que poderão influir na disponibilidade da qualidade do acervo. 2º O docente da área elegerá os documentos para desbaste e posterior descarte, cuja formalização está no preenchimento do formulário de desbaste e descarte específico (ANEXO 1) devidamente validado por este profissional na folha principal e ocasionais anexos e com a ciência do bibliotecário responsável pelo acervo. 3º Havendo urgência no desbaste e na impossibilidade momentânea do docente especializado se fazer presente, o bibliotecário responsável fará o procedimento de desbaste, removendo para o setor de Serviços Técnicos, para posterior análise deste profissional. DOS CRITÉRIOS PARA DESBASTE DE LIVROS Art. 27 Os livros serão desbastados conforme critérios do artigo 26. Se observada a probabilidade de uma pesquisa histórica ou comparada, deverá permanecer na estante ao menos um exemplar da edição antiga. DOS CRITÉRIOS PARA DESBASTE DE PERIÓDICOS Art. 28 Os critérios para desbaste de periódicos está ligado diretamente ao uso, entretanto, podem ser alterados mediante acordo entre o responsável pela Biblioteca e consulta ao corpo docente e usuários. Inclusive, também deve ser dada a observância aos critérios estabelecidos no artigo 26. Outros critérios deverão ser observados: I. periódicos de interesse temporário;

10 II. Periódicos com repertório de jurisprudência e doutrina serão descartados em casos específicos com a devida justificativa; III. fascículos de periódicos recebidos em duplicata; IV. jornais, por assinatura, serão descartados a cada 7 dias; DOS CRITÉRIOS PARA DESBASTE DE CD-ROM,DVD, FITAS DE VÍDEO E OUTROS MATERIAIS NÃO-CONVENCIONAIS Art. 29 Multimeios e outros materiais não convencionais serão desbastados conforme critérios estabelecidos no art. 26. Se observada a probabilidade de uma pesquisa histórica ou comparada, os materiais, se em condições, devem permanecer no acervo. Parágrafo Único. A temporalidade para desbastes se baseia conforme as áreas de conhecimento a seguir: I. Ciências Exatas e Tecnológicas (exceto Informática) de 2 em 2 anos; II. Informática de 1 em 1 ano; III. Humanidades e Ciências Sociais de 3 em 3 anos; IV. Saúde de 2 em 2 anos. DO DESCARTE Art. 30 O processo de descarte abrange o destino a ser dado ao documento após o desbaste. Sendo assim, os documentos desbastados devem seguir os seguintes destinos para descarte: I. doação para instituições sem fins lucrativos; II. doação para bibliotecas carentes; III. reciclagem. Este processo só ocorrerá caso os documentos desbastados não atendam os dois itens anteriores ou se tratarem de periódicos (revistas, jornais, papers, etc.). 1º A Biblioteca deverá manter listagem com os dados completos das instituições sem fins lucrativos e bibliotecas, passíveis de doação. 2º Os documentos, quando enviados para doação, serão acompanhados por uma carta de encaminhamento de doação, protocolada, pela Biblioteca.

11 3º A Biblioteca será a única remetente da doação, aceitando indicações de Instituições e Bibliotecas para futuras doações. DO DESCARTE DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS Art. 31 As monografias e artigos de final de curso devem ser descartados: I. no caso de monografias em suporte de papel (capa dura) a cada (três) 3 anos até a sua extinção; II. no caso de CD/DVD a cada (cinco) 5 anos até sua extinção; III. no formato digital inserida na base de dados da instituição deverá ter sua guarda permanente. Art. 32 A partir de 1º de outubro de 2014, fica estabelecido que: 1. Todos os trabalhos de conclusão de curso, independente do nível (graduação ou pós-graduação), devem ser encaminhados à Biblioteca; 2. Serão recebidas todas as monografias aprovadas pelas bancas examinadoras, e que obedeçam às normas estabelecidas pela ABNT / VANCOUVER e aos padrões mínimos de qualidade; 3. Os artigos dos cursos de odontologia deverão ser entregues obedecendo às normas estabelecidas pelo sistema VANCOUVER e os demais pelas normas da ABNT; 4. A ficha catalográfica é um elemento obrigatório nas monografias e não será exigida nos artigos; 5. As monografias deverão ser entregues em 01 cópia impressa e 01 cópia em mídia digital (CD/DVD); 6. Os artigos deverão ser entregues em uma cópia em mídia digital (CD/DVD); 7. A cópia impressa deverá ser encadernada em capa dura na cor preta com letras em dourado; 8. A cópia em mídia digital obedecerá aos modelos estabelecidos no anexo, em formato PDF; 9. A folha de aprovação deverá ser digitalizada após avaliação da Banca Examinadora e inserida no CD-ROM, em formato PDF;

12 10. O autor deverá preencher e assinar o protocolo de entrega (anexo) para a disponibilização total e/ou parcial da monografia/artigo em meio eletrônico; 11. A versão eletrônica só será inserida na base de dados de Trabalhos Científicos, mediante assinatura do termo de autorização da divulgação. DO DESCARTE DE TESES E DISSERTAÇÕES Art. 33 As teses e dissertações em suporte de papel ou em mídia digital terão a sua guarda permanente na biblioteca. DESCARTE DE PERIÓDICOS Art. 34 Observar o que está determinado no Art. 28. DA AVALIAÇÃO Art. 35 A avaliação sistemática da coleção deve ser entendida como o processo utilizado para se determinar o valor e a adequação da coleção em função dos objetivos da Biblioteca e da própria universidade, possibilitando traçar diretrizes quanto à aquisição, acessibilidade e descarte. Art. 36 A Biblioteca deverá realizar o inventário do seu acervo anualmente e, de dois em dois anos, o acervo (exceto periódicos que serão avaliados de 03 em 03 anos) deverá ser analisado para e tomada de decisão à luz da Política de Desenvolvimento de Coleções em função de assegurar o crescimento consciente da coleção. Art. 37 Anualmente, a Política de Desenvolvimento de Coleções deverá ser submetida à revisão pela Comissão para garantir a adequação do acervo à comunidade que serve e aos objetivos da Instituição.

13 Anexo 1 FORMULÁRIO DE DESBASTE E DESCARTE De acordo com o regulamento da Biblioteca Professor Doutor N. de Carvalho da Faculdade de Tecnologia de Sete Lagoas, após a avaliação através de docente e/ou um bibliotecário, encaminha a(s) obra(s) relacionada(s) na listagem para reciclagem e/ou doação visando à renovação do acervo e a atualização informacional acadêmica Critérios Desatualização ( ) Inadequação de conteúdo ( )

14 Duplicatas em excesso ( ) Condições físicas do documento ( ) Falta de uso ( ) Outro ( ) qual? DOAÇÃO ( ) RECICLAGEM ( ) HISTÓRICO Contém lista anexa: sim ( ) não ( ) Avaliado por (nome e assinatura): Docente: Bibliotecário: Assinaturas: Recebedor da doação (uso da Biblioteca): Nome: RG: CPF: Instituição: CNPJ: Tel.: Set Lagoas, / /.

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco Universidade Alto Vale do Rio do Peixe UNIARP 82.798.828/0001-00 Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro - Cx. Postal 232 CEP 89500-000 - Caçador - SC Fone/Fax: (49)3561-6200/3561-6202 Política de Desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA Fabiane Andrade Muniz Pires do Rio 2010 FASUG FACULDADE DO SUDESTE GOIANO BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Elaboração Fabiane Andrade

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 Bibliotecário Emanuel Vieira Pinto CRB-5/1618 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 5

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Porto Alegre, 2010 ESADE - Política de Aquisição de Material Bibliográfico - 2 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO É essencial que se estabeleça

Leia mais

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos As Bibliotecas da (Unidade Serraria e Antares) tem como intuito, auxiliar os usuários em suas necessidades de ensino, pesquisa e orientação voltados

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC CURVELO 2010 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...3 1.1Objetivos...3. 1.2 Comissão

Leia mais

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014.

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. A Diretora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia Centro, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN Padre Miguel, RJ 2012 1 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN A política de desenvolvimento de coleções

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS São Carlos 2012 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES... 3 1.1 OBJETIVOS... 3 2 FORMAÇÃO DO ACERVO... 3 2.1

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC Florianópolis, 2011 Universidade do Estado de Santa Catarina Biblioteca Universitária POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas Atualmente, com duas unidades, localizadas na Escola de Sociologia e Política à rua General

Leia mais

Bibliotecas do Centro Universitário Metodista - IPA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO

Bibliotecas do Centro Universitário Metodista - IPA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO Bibliotecas do POLÍTICA DE AQUISIÇÃO PORTO ALEGRE 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 OBJETIVOS...4 1.1.1 Objetivo geral...4 1.1.2 Objetivos específicos...4 2 FORMAÇÃO DO ACERVO...5 2.1 FONTES DE SELEÇÃO...6

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES.

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. 1. INTRODUÇÃO A biblioteca Joaquim Maria Machado de Assis do Colégio

Leia mais

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº 54/2009, DE 14 DE MAIO DE 2009 Aprova a Política de Aquisição e Conservação do Acervo da Biblioteca da Faculdade La Salle. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1. INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA 1 INTRODUÇÃO Devido às suas características, enquadra-se na categoria de Biblioteca Universitária. O Sistema de Bibliotecas das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba é formado

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL BIBLIOTECA PROF. LUIZ ALBERTO MACHADO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

FACULDADE CAMPO REAL BIBLIOTECA PROF. LUIZ ALBERTO MACHADO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES 1 1 A política de desenvolvimento de coleções da Biblioteca Prof. Luiz Alberto Machado da Faculdade Campo Real tem por finalidade definir critérios para o desenvolvimento e atualização do acervo. Seus

Leia mais

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO ELABORAÇÃO Janine Silva Figueira Vitória 2015 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO Política de Desenvolvimento de Coleções Porto Alegre 2013 2 1 APRESENTAÇÃO A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa)

Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa) Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa) Andréa de Carvalho Pereira Vanessa Abreu Dias Vera Lucia Scotto Leite Bagé, Agosto 2014

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO UFRGS Porto Alegre 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DO. SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFSC (SiBi/UFSC)

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DO. SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFSC (SiBi/UFSC) POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFSC (SiBi/UFSC) Florianópolis 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Leia mais

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Belo Horizonte 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I Das considerações preliminares Art. 1º - A Biblioteca e a Biblioteca Digital da instituição é o depositário de todo material bibliográfico

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE PARANAÍBA FIPAR CENTRO EDUCACIONAL VISCONDE DE TAUNAY - CEVITA

FACULDADES INTEGRADAS DE PARANAÍBA FIPAR CENTRO EDUCACIONAL VISCONDE DE TAUNAY - CEVITA 1 FACULDADES INTEGRADAS DE PARANAÍBA FIPAR CENTRO EDUCACIONAL VISCONDE DE TAUNAY - CEVITA ORGANIZAÇÃO, POLITICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA UNIDADE DE INFORMAÇÃO/BIBLIOTECA

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB A função da biblioteca é prover a infra-estrutura bibliográfica, documentária e informacional em apoio às atividades

Leia mais

BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013.

BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013. BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013. REGIMENTO DA BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY 1. ESTRUTURA E ATRIBUIÇÕES A do Hospital Pelópidas Silveira IMIP/SES/SUS está sob a gerência

Leia mais

BIBLIOTECA JOEL RODRIGUES PEREIRA

BIBLIOTECA JOEL RODRIGUES PEREIRA BIBLIOTECA JOEL RODRIGUES PEREIRA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Londrina 2010 Rua Prefeito Faria Lima, 400, Jardim Maringá, Londrina PR Fone: (43) 3031-5050 CEP: 86.061-450 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Da Biblioteca Art.

Leia mais

2 FORMAÇÃO DO ACERVO...

2 FORMAÇÃO DO ACERVO... PORTO ALEGRE 2015 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 OBJETIVOS... 2 2 FORMAÇÃO DO ACERVO... 5 2.1 RESPONSÁVEIS PELA SELEÇÃO... 6 2.2 CRITÉRIOS BÁSICOS DE SELEÇÃO... 6 2.3 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE SELEÇÃO...

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DO IFSULDEMINAS. Capítulo III. Disposições Preliminares

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DO IFSULDEMINAS. Capítulo III. Disposições Preliminares MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA BIBLIOTECAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA BIBLIOTECAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA BIBLIOTECAS POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E DE ATUALIZAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 64/2012. CONSIDERANDO a importância de criar critérios sólidos para balizar os investimentos em recursos informacionais;

PORTARIA Nº 64/2012. CONSIDERANDO a importância de criar critérios sólidos para balizar os investimentos em recursos informacionais; Publicação: 02/07/12 DJE: 29/06/12 (*) Republicação: 13/07/12 DJE: 12/07/12 PORTARIA Nº 64/2012 Estabelece normas para desenvolvimento e avaliação dos acervos das bibliotecas do Tribunal de Justiça do

Leia mais

O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO:

O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO: R E S O L U Ç Ã O N 153/2012-CAD CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 23/10/2012. Aprova Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA Considerando o crescimento da demanda de informação no meio acadêmico, foi definida a Política de Atualização e de Expansão do Acervo da Biblioteca,

Leia mais

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Bibliotecária Juliana Ribeiro de Campos Solla CRB-8 201/2013 Provisório Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00 h às 12:00 h e das 17:00 h às 21:00

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FAJ POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FACULDADE JAGUARIÚNA INSTITUTO EDUCACIONAL JAGUARY - IEJ JAGUARIÚNA/SP 2013 1. POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Política de Desenvolvimento

Leia mais

POLITICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLITICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLITICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES CAUCAIA/2015 APRESENTAÇÃO Este plano apresenta a política de formação e desenvolvimento do acervo da Biblioteca da Faculdade de Terra Nordeste - FATENE Em linhas

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleção

Política de Desenvolvimento de Coleção Política de Desenvolvimento de Coleção 1 Política de Desenvolvimento de Coleção É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e não

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BILBLIOTECA

REGULAMENTO INTERNO DA BILBLIOTECA REGULAMENTO INTERNO DA BILBLIOTECA REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA - UNIGUA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º A Biblioteca da União de Ensino e Cultura de Guarapuava Ltda. - UNIGUA (Faculdades Guarapuava)

Leia mais

Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP

Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TCC CURSO DE DIREITO DA FESP FACULDADES Ultima versão 21/08/2012 CAPÍTULO

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV.

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. O Conselho Superior - CONSU, aprovou em 30 de março de 2007, e eu, Prof. José Carlos Barbieri, Diretor da

Leia mais

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS 1 Missão da Biblioteca Os princípios orientadores da Biblioteca Municipal Simões de Almeida (tio) têm como base o Manifesto da UNESCO sobre as Bibliotecas Públicas, pelo que no cumprimento da sua missão

Leia mais

ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI

ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI Atualmente, o acervo total da Biblioteca para os cursos da Faculdade está estimado em 17.894 livros. A política de atualização do acervo é a de aquisição contínua

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA REITORIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA REITORIA RESOLUÇÃO Nº 05/2011 DO CONSELHO DIRETOR Disciplina as condições e as rotinas de recebimento e de desfazimento de material informacional no âmbito das Bibliotecas da Universidade Federal de Uberlândia.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 031/2014, DE 30 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 031/2014, DE 30 DE ABRIL DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

Perguntas frequentes sobre a Biblioteca

Perguntas frequentes sobre a Biblioteca Perguntas frequentes sobre a Biblioteca Como funciona o Sistema de Bibliotecas da UFPI? O sistema de Bibliotecas SIBI/UFPI é formado por 01(uma) biblioteca comunitária e 09 (nove) bibliotecas setoriais:

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. º A biblioteca é uma unidade subordinada,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 Dispõe sobre a utilização da Biblioteca Comunitária do Centro Universitário Central Paulista (UNICEP) e Regulamenta os Prodecimentos. O Diretor Geral,

Leia mais

BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK

BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK (INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PLANALTO IESPLAN) Brasília Janeiro/2014 1 EQUIPE TÉCNICA Thayanne Farias das Virgens Ferreira Bibliotecária Diretora

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa,

Leia mais

INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais,

INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais, INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais, APROVA: REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ECOLÓGICA INFANTIL MARIA DINORAH CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA CAPÍTULO I DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA CAPÍTULO I DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA Estabelece parâmetros de funcionamento, serviços, procedimentos e dá outras disposições. CAPÍTULO I DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA Art. 1º. É obrigatória, por parte

Leia mais

Política de Aquisição de Obras

Política de Aquisição de Obras Política de Aquisição de Obras e Expansão do Acervo Bibliográfico POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE OBRAS E EXPANSÃO DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO APRESENTAÇÃO Este plano apresenta a política de formação e desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125 Considerando o crescimento da demanda de informação no meio acadêmico, foi definida

Leia mais

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Capítulo I DA ESTRUTURA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento disciplina o funcionamento

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Criada em 1933

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Criada em 1933 Orientações e Regras para elaboração TCCs - PÓS-GRADUAÇÃO As orientações que se seguem são válidas para todos os cursos de Pós- Graduação da Fespsp. A apresentação de trabalhos acadêmicos é normalizada

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Rede de Bibliotecas Senac/SC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Rede de Bibliotecas Senac/SC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Administração Regional em Santa Catarina Divisão de Educação Profissional POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Rede de Bibliotecas Senac/SC RESPONSÁVEL: Ivan

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO

BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA REGULAMENTO Agosto, 2010 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS... 3 DAS FINALIDADES... 4 DA CONSULTA AO ACERVO... 4 DO EMPRÉSTIMO... 5 DOS TIPOS DE EMPRÉSTIMO... 5 DA RENOVAÇÃO... 6 DA RESERVA DE LIVROS...

Leia mais

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 1.- Objetivos do Curso de Mestrado: a. Formação de professores para o magistério superior; b. Formação de pesquisadores; c. Capacitação para o exercício

Leia mais

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Reginaldo de Carvalho

Leia mais

Política de Formação e Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas do IFPR Aprovada como apêndice do PDI (2014-2018) em dezembro de 2014

Política de Formação e Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas do IFPR Aprovada como apêndice do PDI (2014-2018) em dezembro de 2014 Política de Formação e Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas do IFPR Aprovada como apêndice do PDI (2014-2018) em dezembro de 2014 Curitiba 2014 Irineu Mario Colombo Reitor Ezequiel Westphal Pró-Reitoria

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE CAPÍTULO I Da finalidade Art. 1º A Biblioteca do Conselho Federal de Contabilidade terá por finalidade: I - proporcionar ao presidente,

Leia mais

CAPÍTULO I. Da finalidade. Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo terá por finalidade:

CAPÍTULO I. Da finalidade. Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo terá por finalidade: NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA NELSON RODRIGUES, DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Da finalidade Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS SUMÁRIO CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO II DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III DOS USUÁRIOS CAPÍTULO IV DO EMPRÉSTIMO CAPÍTULO V DAS PENALIDADES CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA CAICÓ-RN 1. DO OBJETIVO Art.1º - As NORMAS DE ATENDIMENTO regulam horário, consultas, empréstimo, renovação e cópias, compreendendo

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 5 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA A Biblioteca da ESIC - Business & Marketing School tem por objetivo principal reunir informações necessárias ao aprimoramento profissional, educacional e pessoal, preparando-as

Leia mais

Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma

Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma UNIVERSIDADE CEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS UNICEUMA BIBLIOTECA PRESIDENTE JOSÉ SARNEY Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma 2014 Normatizar procedimentos padrão para a disponibilização

Leia mais

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS REGULAMENTO BIBLIOTECA SÃO CARLOS/SP - 2013 FACULDADE DE SÃO CARLOS Mantida pela CESMAR Centro de Ensino Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG. Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV

RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG. Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV Considerando o disposto na Resolução n o 002/07-DG e Considerando o parecer

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Bibliotecas FacSenac/DF Brasília 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FAC SENAC-DF Brasília 2014 SUMÁRIO MISSÃO...6 SENAC-DF...6 FACULDADE SENAC-DF...6

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS 2011 CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

Marta Pião Alves da Silva

Marta Pião Alves da Silva POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA FERNANDO GAY DA FONSECA Marta Pião Alves da Silva Coordenadora de Biblioteca CRB 8/6466 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE COLEÇÕES É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e

Leia mais

Paulo Dinarte Tavares Presidente do Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 03/2008. O Conselho Superior da Faculdade Campo Real, no uso de suas atribuições

Paulo Dinarte Tavares Presidente do Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 03/2008. O Conselho Superior da Faculdade Campo Real, no uso de suas atribuições RESOLUÇÃO Nº 03/2008 Aprova o Regulamento da Biblioteca da Faculdade Campo Real. e, O Conselho Superior da Faculdade Campo Real, no uso de suas atribuições CONSIDERANDO a Portaria MEC n 601, de 27 de agosto

Leia mais

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS Versão Preliminar MANUAL 2002 1 Manual editado pela Área de Planejamento da Biblioteca Central da Unicamp. UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS Capítulo I Da Finalidade Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normalizar o serviço de circulação de obras da Biblioteca UAB de Águas Lindas,

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Logísticos

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Logísticos Regulamento do Programa de em Engenharia de Sistemas Logísticos I Composição da Comissão Coordenadora de Programa (CCP) A CCP do Programa de Engenharia de Sistemas Logísticos é constituída por 3 (três)

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA RESOLUÇÃO N.º 04 O Diretor Geral das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o regulamento da Biblioteca das FARESC. A

Leia mais

Apresentação. Como usar a Biblioteca

Apresentação. Como usar a Biblioteca Apresentação A Biblioteca FAAP, constituída pela Biblioteca Central e Salas de Leitura localizadas nas unidades de Ribeirão Preto, São José dos Campos e Centro de Excelência, tem por finalidade fornecer

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é exigência obrigatória para integralização curricular

Leia mais

Sistema Integrado de Bibliotecas. Sistema Integrado de Bibliotecas

Sistema Integrado de Bibliotecas. Sistema Integrado de Bibliotecas Sistema Integrado de Bibliotecas Sistema Integrado de Bibliotecas Responsável: Cassiana Souza Coordenadora do Sistema Integrado de Bibliotecas FAEL CRB - 9/1501 Projeto Gráfico e Capa: Bruna Maria Cantador

Leia mais

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional.

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional. POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO PFDA DA BIBLIOTECA DO INSTITUO J. ANDRADE 1. Objetivo Para que o acervo da biblioteca esteja em conformidade com as necessidades e os objetivos da Instituição

Leia mais

Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO

Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO POLITICADEAQUISIÇÃO, EXPANSÃOEATUALIZAÇÃO DOACERVO Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO Católica do Tocantins Diretor Geral Pe. José Romualdo Degasperi Vice Diretor Acadêmico Galileu Marcos Guarenghi

Leia mais

REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO

REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO 1. Apresentação Na Faculdade do Sudeste Goiano a biblioteca tem sido alvo de constante atenção, seu

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA SERRA SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA... 2 DOS OBJETIVOS:... Erro! Indicador não definido. DO HORÁRIO

Leia mais

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO São Paulo 2015 REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DA FESPSP I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO 3 II USUÁRIOS 3 III DO ACERVO 4 IV DO PRAZO DE EMPRÉSTIMO E QUANTIDADES DE VOLUMES 5

Leia mais