Linfoma de Hodgkin. Anouchka Lavelle

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linfoma de Hodgkin. Anouchka Lavelle"

Transcrição

1 Linfoma de Hodgkin Anouchka Lavelle

2 INTRODUÇÃO 1832 Thomas Hodgkin apresentou 7 casos posmortem 1865 Samuel Wilks descreveu a doença e os sintomas and 1902, Carl Sternberg and Dorothy Reed descrevem a célula típica diagnóstica. Thomas Hodgkin ( )

3 EPIDEMIOLOGIA EUA: novos casos/ano 0.07% das neoplasias 12% do total de casos de linfoma Homem : Mulher = 4:3 Distribuição bimodal em 2 picos (3a e 6a década): jovens - mais frequente em países subdesenvolvidos Genética - Incidência elevada em gêmeos univitelinos HIV - Celularidade mista e depleção linfocitária EBV: positivo em 30-50% das células tumorais Mais comum no subtipo celularidade mista Incidência elevada (85-100%) na população pediátrica

4 EPIDEMIOLOGIA Novas neoplasias EUA / 2005 Novas neoplasias hematológicas EUA / 2005

5 MANIFESTAÇÃO CLÍNICA História clínica sintomas B (febre, sudorese e perda de peso) Febre de Pel-Ebstein : febre alta por 1-2 semanas alternando com o mesmo período afebril Dor desencadeada por consumo de álcool Mediastino : tosse, dispnéia, dor torácica Exame físico : adenomegalia consistência elástica Hepatoesplenomegalia Derrame pleural Sínd. veia cava superior Laboratório: Anemia Aumento VHS Neutrofilia, eosinofilia e linfocitose Alteração de função hepática Aumento LLH Beta-2 microglobulina, sorologias B-HCG, ECO, PFP

6

7 RADIOLOGIA Doença intratorácica em até 2/3 dos casos RX tórax; TC tórax / abdomen / pelve PET scan BMO: 5-20% envolvimento Idosos, estádio avançado, histologia desfavorável, imunodeficiência e sintomas constitucionais

8

9 Diagnóstico - conceitos básicos Aspiração por agulha fina : insuficiente Padrão-ouro: biópsia excisional com imunohistoquímica Citometria de fluxo: sem utilidade definida Célula de origem: célula B do centro germinativo Diagnóstico baseado na identificação das células de Reed-Sternberg (RS): células multinucleadas gigantes com muito citoplasma com fundo inflamatório com ou sem fibrose.

10 CLASSIFICAÇÃO

11 CLASSIFICAÇÃO LH clássica LH nodular predomínio linfocítico Frequência 95% 5% Etiologia Alguns casos associados ao EBV Sem associação com EBV Epidemiologia Incidência bimodal Unimodal em jovens Pico na 4a década Histologia Presença de RS e HC Células em pipoca, fundo nodular Estadiamento incial II-IV Sintomas B 40-60% < 20% Curso clínico Agressivo Indolente Citometria fluxo CD30 + CD15 + CD20 fraco ou CD45, CD79a, BCL6 - Recaída Recaídas tardias raras Recai como LH clássica I CD30 CD15 CD20 + CD45, CD79a, BCL6 + Recaídas tardias comuns Recai como LH nodular ou LDGCB

12 CLASSIFICAÇÃO

13 LH nodular - Predomínio linfocitário 4-5% de todos os casos de LH Comportamento indolente, SLD prolongada Doença localizada MO pode estar infiltrada mesmo em estágios precoces Envolvimento de timo incomum Boa resposta terapêutica mesmo na recaída Células LH grande, mononucleada com nucléolo basofílico e núcleo lobulado - aspecto em pipoca. CD20 e CD45 positivo, CD15 negativo Crescimento geralmente nodular, o achado de uma variante difusa pode corresponder a uma variação histológica.

14 LH nodular - Predomínio linfocitário CD20 + padrão nodular CD30 - Tratamento: Radioterapia Rituximabe (anti CD20)

15 LH clássica Células de Reed-Sternberg (RS) com fundo inflamatório com ou sem fibrose Hodgkin cells - células mononucleadas com nucléolo eosinofílico grande

16 LH clássica CD 15 + CD 30 +

17 Subtipos histopatológicos - SP SPMedJ 2005;123

18 Spector N et al EHA 2005 Subtipos histopatológicos - RJ

19 LH clássica - Esclerose nodular Descrita em 1956 por Smetana and Cohen 40-70% dos casos de LH Cápsula de fibrose divide o tecido linfóide em nódulos Melhor prognóstico Adolescentes e adultos jovens Sexo feminino Clínica: massa mediastinal, linfadenopatia cervical e supraclavicular 70 % doença localizada

20 LH clássica rica em linfócito Maioria das células são linfócitos B pequeno, podendo ser visto padrão nodular ou folicular. Parece com LH nodular, com IF de LH clássica (CD 15 e 30 positivos) Pacientes mais idosos

21 LH clássica celularidade mista 30-50% dos casos Geralmente doença avançada Sintomas constitucionais Imunodeficiência Pior prognóstico Comum em crianças e idosos Presença da célula RS clássica com um fundo de linfócitos, eosinófilos, células plasmáticas e histiócitos

22 LH clássica depleção linfocitária Rara Mais comum em idosos Doença avançada e sintomática Febre, icterícia, hepatoesplenomegalia ou pancitopenia Associação com HIV Sem envolvimento de gânglios periféricos

23 ESTADIAMENTO I envolvimento de 1 cadeia linfonodal ou 1 sítio extra-linfático (IE) II envolvimento de 2 ou mais cadeias linfonodais (II) ou sítio extra-linfático associado a linfonodos do mesmo lado do diafragma (IIE) III envolvimento de cadeias linfonodais em ambos os lados do diafragma (III) ou associado a sítio extra-linfático (IIIE), baço (IIIS) ou ambos (IIIES) IV envolvimento difuso ou disseminado de 1 ou mais órgãos extra-linfáticos com ou sem envolvimento de linfonodo. A assintomático B Sintomas B: febre, sudorese noturna e/ou perda de peso >10% em 6 meses X doença bulky : maior que 10 cm no maior diâmetro ou > 1/3 diâmetro intratorácico

24 TRATAMENTO : Cirurgia, Rx, ervas medicinais : Radioterapia : Quimioterapia ?: Terapia-alvo individualizada Orientado para o paciente : terapia mínima curativa e qualidade de vida Orientado para a biologia tumoral: terapia alvo Orientado para o tratamento objetivo: aumentar sobrevida livre de doença e definir terapia de resgate Orientado para a doença objetivo: aumentar sobrevida global

25 TRATAMENTO Stanford pacientes Óbito relacionado ao tratamento Óbito relacionado à doença TRATAMENTO Aisenberg A. Blood 1999; 93:

26 TRATAMENTO 1a LINHA

27 TRATAMENTO ESTADIAMENTO PRECOCE (I e II) FAVORÁVEL Fatores de risco: Massa mediastino Doença extranodal VHS elevado Mais de 3 áreas envolvidas

28 TRATAMENTO precoce e favorável ABVD Dose (mg/m2) Esquema Adriamicina 25 IV D1, D15 Bleomicina 10 IV D1, D15 Vinblastina 6 IV D1, D15 Dacarbazina 375 IV D1, D15

29 TRATAMENTO precoce e favorável Todos os braços com RxT 30 Gy associado

30 RADIOTERAPIA

31 Since Until 1996 Campbell BA et al. J Clin Oncol 2008; 26:

32 TRATAMENTO ESTADIAMENTO PRECOCE (I e II) DESFAVORÁVEL Fatores de risco: Massa mediastino Doença extranodal VHS elevado Mais de 3 áreas envolvidas

33 TRATAMENTO precoce e alto risco ABVD ou ABVD + RxT 152 pacientes ABVD x 6 ou ABVD x 6 + IFRT ou EFRT Sem diferença estatística entre os dois braços Conclusão: elimina a RxT e aumenta a QT 5a CR SLD SG ABVD x 6 94% 81% 97% ABVD x 6 + RxT 94% 86% 90% Straus DJ et al, 2004

34 TRATAMENTO ESTADIAMENTO AVANÇADO

35 TRATAMENTO avançado Objetivo: aumentar RC com tratamento de 1a linha e manter a RC por longo prazo Escore prognóstico para LH avançado Albumina < 4 g/dl Hb < 10.5 g/dl Sexo masculino Idade > 45 Estadiamento IV WBC > 15mil Linfócitos < 600 ou < 8% dos WBC Numero de fatores SLE 5a 0 84% 1 77% 2 67% 3 60% 4 51% 5 ou + 42%

36 TRATAMENTO avançado

37 TRATAMENTO avançado - CALGB DISPUTA VENCEDOR PERDEDOR 1st round MOPP x ABVD x MOPP-ABVD 1 ABVD e MOPP-ABVD MOPP 2nd round MOPP-ABVD X MOPP/ABV 2 MOPP/ABV MOPP-ABVD Final ABVD X MOPP/ABV 3 ABVD MOPP/ABV 1. Canellos G et al. N Engl J Med 1992; 327: Glick J et al. J Clin Oncol 1998; 16: Duggan DB et al. J Clin Oncol 2003; 21:607-14

38 TRATAMENTO avançado

39 TRATAMENTO avançado TRATAMENTO INTENSIVO MAIOR RC MAIOR SG

40 TRATAMENTO avançado

41 TRATAMENTO avançado

42 TRATAMENTO avançado

43 TRATAMENTO avançado - BEACOPP BEACOPP BEACOPP ++ via dia Ciclofosfamida iv 1 Uromitexan 600 0, 4, 8h 1 Doxorrubicina iv 1 Etoposide infusão 1-3 Procarbazina vo 1-7 Prednisona iv 1 Prednisona vo 2-14 Vincristina iv 8 Bleomicina infusão 8 G-CSF 300 < 60kg sc 480 > 60 kg Radioterapia 30 Gy em todas as áreas > 5 cm Radioterapia 40 Gy em áreas com doença residual

44 TRATAMENTO avançado - BEACOPP

45 TRATAMENTO avançado - BEACOPP SG 10a BEA esc 86% COPP/ABVD 75% Log-rank tests: A v B v C p= A v B p=0.19 B v C p= A v C p< GHSG 2007 HD9

46 TRATAMENTO avançado - BEACOPP ABVD BEACOPPesc Toxicidade pulmonar sim sim Toxicidade hematológica % > 90% Infecções 3-4 raro 22% (6% ) Infertilidade/ menopausa não sim Leucemias/MDS não/raro sim

47 ACOMPANHAMENTO - PET

48 ACOMPANHAMENTO - PET

49 ACOMPANHAMENTO - PET

50 ACOMPANHAMENTO - PET

51 ACOMPANHAMENTO - PET

52 RECAÍDA / REFRATÁRIA ICE LHAP ESHAP COLETA CÉL. TRONCO TMO AUTÓLOGO TMO ALOGÊNICO ICE LHAP ESHAP NOVAS DROGAS NOVA RECAÍDA?

53 TRATAMENTO RECAÍDA / REFRATÁRIA

54 TRATAMENTO TMO -Brasil Pacientes recaídos / refratários Maioria estadiamento III e IV

55 ACOMPANHAMENTO PET

56 TRATAMENTO NOVAS DROGAS

57 LH e HIV Retrospectivo 71% CM 40% Estadiamento IV 84% sintomas B 61% IPS alto risco Tto: ABVD ou CMOPP/ABV ClinLympMiel 2007;364

58 LH E GRAVIDEZ Tratamento de escolha: Radioterapia Adriamicina, bleomicina e vinblastina provavelmente são seguras a partir do 2o trimestre No 1o trimestre -???? No 3o trimestre aguardar ou arriscar?

59 LH E SEGUNDA NEOPLASIA 4-8 casos / / ano 3-6 por TU sólido 1 por leucemia e LNH

60 LH E SEGUNDA NEOPLASIA

61 Obrigado! Anouchka Lavelle

Doenças Linfoproliferativas

Doenças Linfoproliferativas Doenças Linfoproliferativas Órgãos linfóides Linfoproliferações não clonais Agudas Mononucleose infecciosa Citomegalovirose Rubéola Sarampo Hepatites HIV Crônicas Tuberculose Toxoplasmose Brucelose Sífilis

Leia mais

Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial

Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial Universidade Federal da Bahia Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial Aknar Freire de Carvalho Calabrich Marianna Deway Andrade Orientadora: Dra. Nadya Carneiro Definições FOI clássica:

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax

15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax 15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax Enunciado Paciente de 20 anos, sexo feminino, previamente hígida, percebeu há 20 dias nodulação em região cervical ínfero-anterior, indolor, com

Leia mais

JJNS. Linfoma de Hodgkin

JJNS. Linfoma de Hodgkin Linfoma de Hodgkin Jairo José do nascimento Sobrinho Hematologista Hospital Israelita Albert Einstein V curso de Revisão em Hematologia e Hemoterapia São Paulo 21/06/2012 Primeiros Indícios - 1666 Descrição

Leia mais

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Individualizados; Encapsulados; Vasos linfáticos aferentes; Vaso linfático eferente; Córtex; Medula; Linha de defesa secundária; Cápsula Seios subcapsulares

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Déborah Ferreira Marinho 1, Sabrina Guimarães Paiva 2, Gustavo José von Glehn dos Santos 3

Déborah Ferreira Marinho 1, Sabrina Guimarães Paiva 2, Gustavo José von Glehn dos Santos 3 LINFOMA DE HODGKIN: RELATO DE CASO Déborah Ferreira Marinho 1, Sabrina Guimarães Paiva 2, Gustavo José von Glehn dos Santos 3 Trata-se do relato de um caso de Linfoma de Hodgkin com quadro clínico de linfonodos

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

Significado prognóstico dos graus histológicos do linfoma. de Hodgkin tipo esclerose nodular

Significado prognóstico dos graus histológicos do linfoma. de Hodgkin tipo esclerose nodular LUÍS FERNANDO PRACCHIA Significado prognóstico dos graus histológicos do linfoma de Hodgkin tipo esclerose nodular Dissertação apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

LINFOMA DE HODGKIN NA INFÂNCIA: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA

LINFOMA DE HODGKIN NA INFÂNCIA: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA Hospital do Servidor Público Municipal LINFOMA DE HODGKIN NA INFÂNCIA: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA SWENY DE SOUSA MARINHO FERNANDES São Paulo 2011 Hospital do Servidor Público Municipal LINFOMA

Leia mais

16-06-2016 1/2 Info Saude

16-06-2016 1/2 Info Saude 16-06-2016 1/2 Info Saude Doença de Hodgkin A doença de Hodgkin (linfoma de Hodgkin) é um tipo de linfoma que se caracteriza por possuir um tipo particular de célula cancerosa, chamada célula de Reed-Sternberg,

Leia mais

LINFOMA NÃO HODGKIN EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO

LINFOMA NÃO HODGKIN EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LINFOMA NÃO HODGKIN EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO - Histopatologia do tumor - Imunohistoquímica - Hemograma - Bioquímica: ácido úrico, cálcio, fósforo, uréia, creatinina, provas de função hepática,

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS EM ONCOLOGIA LINFOMA FOLICULAR

ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS EM ONCOLOGIA LINFOMA FOLICULAR ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS EM ONCOLOGIA LINFOMA FOLICULAR 1. METODOLOGIA DE BUSCA E AVALIAÇÃO DA LITERATURA Foi realizada em 30/11/2013 uma busca na base eletrônica Medline, acessada

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: ONCOLOGISTA PEDIÁTRICO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão

Leia mais

Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015

Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015 Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015 Tema: Linfoma em busca de novos tratamentos Total atingido de pessoas na sala: 40 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

Therapeutic results of patients with Hodgkin s Lymphoma treated with first line ABVD chemotherapy

Therapeutic results of patients with Hodgkin s Lymphoma treated with first line ABVD chemotherapy 112 Artigo Original Avaliação dos resultados do tratamento de pacientes portadores de linfoma de Hodgkin com esquema ABVD em primeira linha Therapeutic results of patients with Hodgkin s Lymphoma treated

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA No- 8, DE 5 DE MAIO DE 2014

CONSULTA PÚBLICA No- 8, DE 5 DE MAIO DE 2014 CONSULTA PÚBLICA No- 8, DE 5 DE MAIO DE 2014 O SECRETÁRIO DE ATENÇÃO À SAÚDE torna pública, nos termos do art. 34, inciso II, c/c art. 59 do Decreto nº 4.176, de 28 de março de 2002, minuta de Portaria

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Doenças Hematológicas. Patologia Bucal. Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes

Doenças Hematológicas. Patologia Bucal. Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes Doenças Hematológicas Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes Sangue Tecido fluido: porção celular em meio líquido (plasma) Porção celular: 45% do volume Plasma: 55% restantes Responde por 7% do peso corporal 5 litros

Leia mais

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Caso clínico Paciente de 22 anos, sexo masculino Quadro de astenia há 2 semanas Exame Físico REG,

Leia mais

PET- TC aplicações no Tórax

PET- TC aplicações no Tórax PET- TC aplicações no Tórax Disciplina de Pneumologia InCor- HCFMUSP Prof. Dr. Mário Terra Filho 1906 1863 Eisenberg 1992 (J. Kavakama) RxTC- Sec XIX-XX Lyons-Petrucelli 1978 Sec XIX PET- Sec XX-XXI PET

Leia mais

CÉLS B CARACTERÍSTICAS GERAIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PROGNÓSTICO PRECURSORAS

CÉLS B CARACTERÍSTICAS GERAIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PROGNÓSTICO PRECURSORAS CÉLS B CARACTERÍSTICAS GERAIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PROGNÓSTICO PRECURSORAS Leucemia Linfoblástica de Céls Precursoras B / Linfoma Linfoblástico de Céls Precursoras B MADURAS Leucemia Linfocítica

Leia mais

Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ

Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ Resposta Curva Dose-Resposta Dose Odaimi et al. Am J Clin

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NEUROBLASTOMA E TUMOR DE WILMS

ATUALIZAÇÃO NEUROBLASTOMA E TUMOR DE WILMS ATUALIZAÇÃO NEUROBLASTOMA E TUMOR DE WILMS Beatriz de Camargo Programa de Hematologia-Oncologia Pediatrica CPq ATUALIZAÇÃO NEUROBLASTOMA /TUMOR DE WILMS Incidência Clinica Fatores prognósticos Tratamento

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

Linfoma de Hodgkin. 154 Guia Prático para o Oncologista Clínico

Linfoma de Hodgkin. 154 Guia Prático para o Oncologista Clínico Linfoma de Hodgkin BEACOPP escalonado Bleomicina: 10 mg/m² IV D8 Etoposide: 200 mg/m² IV D1 ao D3 Doxorrubicina: 35 mg/m² IV D1 Ciclofosfamida: 1250 mg/m² IV D1 Vincristina: 1,4 mg/m² IV D8 (dose máxima

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide

Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide Sessão Clínica Inter-hospitalar da Sociedade Médica dos Hospitais da Zona Sul Hospital de Caldas da Rainha Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide Catarina Louro Orientador:

Leia mais

Carcinoma de tireóide ide na infância

Carcinoma de tireóide ide na infância Carcinoma de tireóide ide na infância Dra. Rossana Corbo INCa/UFRJ 2006 Incidência: 5 casos/milhão /ano EUA (1973 1977) crianças as com idade inferior a 20 anos Apresentação clinica: predomínio em meninas

Leia mais

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P6 Hematologia e Hemoterapia Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração:

Leia mais

CASO CLÍ ICO HDA IOA. Fonte da História: o próprio paciente. Queixa Principal: inchaço no rosto GEYSA CÂMARA

CASO CLÍ ICO HDA IOA. Fonte da História: o próprio paciente. Queixa Principal: inchaço no rosto GEYSA CÂMARA Identificação: M.R.B,32 anos, sexo masculino,pardo, natural de Quixadá e procedente de Solonópoles, solteiro, agricultor, católico. CASO CLÍ ICO Fonte da História: o próprio paciente Queixa Principal:

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

Conteúdo. Data: 24/04/2013 NOTA TÉCNICA 54/2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Conteúdo. Data: 24/04/2013 NOTA TÉCNICA 54/2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 54/2013 Solicitante Juíza Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Processo número: 0512.13.002867-7 Data: 24/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Interferon, Oxsoralen 10 mg,

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

Significado prognóstico dos graus histológicos do linfoma de Hodgkin do tipo esclerose nodular

Significado prognóstico dos graus histológicos do linfoma de Hodgkin do tipo esclerose nodular J Bras Patol Med Lab v. 41 n. 5 p. 365-75 outubro 2005 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Significado prognóstico dos graus histológicos do linfoma de Hodgkin do tipo esclerose nodular Primeira submissão em

Leia mais

WDS, masculino, 57 anos

WDS, masculino, 57 anos Módulo: Câncer de Pulmão Não-Pequenas Células Metastático Caso 1 WDS, masculino, 57 anos FEV/2010: Dor lombar e em quadril E; ausência de tosse com hemoptise; sem sintomas neurológicos Cintilografia óssea:

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

Linfomas em Pacientes com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Lymphomas in Patients with Acquired Immunodeficiency Syndrome

Linfomas em Pacientes com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Lymphomas in Patients with Acquired Immunodeficiency Syndrome ONCOLOGIA BASEADA EM PROVAS / Oncology evidence-based Linfomas em Pacientes com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Lymphomas in Patients with Acquired Immunodeficiency Syndrome Rita de Cássia Costamilan

Leia mais

Seja bem-vindo ao Chat!

Seja bem-vindo ao Chat! Chat com o Dr. Jacques Dia 04 de setembro de 2014 Tema: Linfoma: Novas perspectivas em busca da cura Total atingido de pessoas na sala: 31 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (10h

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso 1 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso Linfomas de Hodgkin e Linfomas Não Hodgkin: Classificação e Métodos Diagnósticos Autor: Luís Eduardo Santos Barros Orientador

Leia mais

Introdução às Doenças Onco-hematológicas. Juliane Musacchio MD, PhD Gerente de Hematologia do Grupo COI

Introdução às Doenças Onco-hematológicas. Juliane Musacchio MD, PhD Gerente de Hematologia do Grupo COI Introdução às Doenças Onco-hematológicas Juliane Musacchio MD, PhD Gerente de Hematologia do Grupo COI Leucemias Agudas Introdução Leucemias Agudas Leucemia linfoblástica aguda (LLA): neoplasia mais comum

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

DOENÇA DE HODGKIN PEDIÁTRICA

DOENÇA DE HODGKIN PEDIÁTRICA Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR DOENÇA DE HODGKIN PEDIÁTRICA Painel de Especialistas em Radioterapia Grupo de Trabalho de Hodgkin: Louis S. Constine, Médico 1 ; Harvey B.

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Fase pré - analítica Recepção e cadastro - Nome do Exame Indicação do exame papel do

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 APESP 246 Caso Botucatu Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 História Clínica LP, 55 anos, homem, branco, pedreiro, hipertenso Massa palpável em flanco E TC = massa de 8 cm no pólo superior renal

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI

IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICAP IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI Os fatores relacionados com a sobrevida após

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC

TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC Mário Sérgio Rocha Macêdo TUMORES DA FARINGE Embriologia e Anatomia Embrião 4 semanas Faringe Embrionária TUMORES DA FARINGE Embriologia e Anatomia TUMORES

Leia mais

Instituto de Dermatologia Prof. R. D. Azulay/ INCA

Instituto de Dermatologia Prof. R. D. Azulay/ INCA Instituto de Dermatologia Prof. R. D. Azulay/ INCA Linfoma cutâneo primário rio de células B: tratamento com rituximab associado à quimioterapia Autores: Nayibe Solano Martinez Renata Teles Filogônio Rocio

Leia mais

Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com

Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com Paciente do sexo feminino de 78 anos, com passado de linfoma não hodgkin indolente há 10 meses, evoluindo com adenomegalia de crescimento rápido. Transformação?

Leia mais

Administração de Quimioterápicos: Tempo e Ordem de Infusão. Enfa. Ms. Shirlei Ferreira HUPE/UERJ INCA

Administração de Quimioterápicos: Tempo e Ordem de Infusão. Enfa. Ms. Shirlei Ferreira HUPE/UERJ INCA Administração de Quimioterápicos: Tempo e Ordem de Infusão Enfa. Ms. Shirlei Ferreira HUPE/UERJ INCA Via Endovenosa Principais Complicações: Infecção; Flebite; Formação de vesículas ou necrose quando extravasado,

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 40 ISSN 677-7042 Nº 84, terça-feira, 6 de maio de 204 RS00436006 RS GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRAN- SILVEIRA MAR Água DE DO SUL RS050437323 RS PREF MUN TAQUARI TA Q U A R I RS050437876 RS PREF MUN TRES

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais