Palavras-chave: Audio-Descrição, Acessibilidade, Usabilidade Universal, Televisão Digital e Interactiva.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Audio-Descrição, Acessibilidade, Usabilidade Universal, Televisão Digital e Interactiva."

Transcrição

1 Artigo para livro da pós-graduação New Media Authoring and Production: itv and Mobile, a ser publicado por COFAC Universidade de Lusófona de Humanidades e Tecnologias em Janeiro de URL: Acessibilidade e Televisão Digital e Interactiva: o caso particular do serviço de Áudio-Descrição destinado a pessoas invisuais ou com deficiências visuais graves Célia Quico Gestora de Projectos de Televisão Digital Interactiva e Multimédia (TV Cabo/ PT Multimédia) Doutoranda em Ciências da Comunicação especialidade Audiovisual e Multimédia (Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências Sociais e Humanas) Palavras-chave: Audio-Descrição, Acessibilidade, Usabilidade Universal, Televisão Digital e Interactiva. Abstract : A Televisão Digital e Interactiva deve ser para todos não basta enunciar este princípio, há que torná-lo uma realidade. O serviço de Áudio-Descrição é um exemplo de um projecto na área da Televisão Digital e Interactiva centrado nas necessidades e preferências dos utilizadores, com o objectivo concreto de melhorar a qualidade da experiência televisiva de pessoas invisuais ou com deficiências visuais graves. O objectivo do presente artigo é o de explorar os seguintes tópicos: - O que é o serviço de Áudio-Descrição? - Qual o estado da arte do serviço de Áudio-Descrição via Televisão Digital no Reino Unido? - Qual o estado da arte do serviço de Áudio-Descrição via Televisão Digital na Espanha? - Áudio-Descrição via Televisão em Portugal: os primeiros passos, - Áudio-Descrição via Televisão Digital em Portugal: o projecto da PT Multimédia. O lançamento do projecto de Áudio-Descrição em Portugal representa um passo importante no sentido de oferecer serviços de Televisão Digital e Interactiva verdadeiramente centrados nas necessidades dos utilizadores, bem como da aplicação do conceito de Usabilidade Universal ou Acessibilidade Integral. 1

2 0. Introdução Como conseguir que as tecnologias de informação e comunicação sejam utilizadas por todas as pessoas? questiona Ben Shneiderman 1 - um dos maiores especialistas mundiais na área do Interface Homem- Máquina, para quem a Usabilidade Universal deve ser encarada como uma cruzada por inovadores, homens de negócio e políticos, bem como por todos os utilizadores. Considerando que a Usabilidade Universal será atingida quando tecnologias úteis, fáceis de utilizar e a preço acessível estiverem à disponíveis à grande maioria da população mundial 2, Shneiderman defende ainda que é essencial ter sempre presente as necessidades de diferentes perfis de utilizadores. O caso particular das pessoas com deficiências visuais, auditivas, motoras, cognitivas merece uma atenção redobrada: simples actividades da vida diária como ver televisão, ler um livro, obter informação de um serviço público, receber uma carta de um amigo, ler a informação de um produto e utilizar serviços de telecomunicações são, para pessoas com necessidades especiais, um confronto permanente entre as necessidades e as respostas que a sociedade e o Estado forem capazes de dar, lê-se no Plano Nacional para a Participação dos Cidadãos com Necessidades Especiais na Sociedade da Informação 3. Este programa tem a intenção de representar uma política activa em favor da acessibilidade integral à Sociedade da Informação, organizando-a de maneira a permitir às pessoas com necessidades o acesso da forma mais independente e natural possível, proporcionando melhorias na qualidade de vida e promovendo o desenvolvimento do conhecimento científico e tecnológico. Um exemplo de um serviço verdadeiramente orientado para as necessidades de pessoas com deficiências é o serviço de Áudio-Descrição. No âmbito da Televisão Digital e Interactiva, este serviço consiste em adicionar uma faixa de áudio a um programa de televisão ou a um filme, na qual um narrador descreve o que se passa na imagem, destinado a pessoas invisuais ou com deficiências visuais graves. Este tipo de serviço já existe em diversos países, como é o caso do Reino Unido e da Espanha. No fundo, trata-se neste caso de proporcionar a pessoas com deficiências e/ ou necessidades especiais uma experiência mais rica de televisão, auxiliando na compreensão do programa através das descrições de um narrador. Desta forma, o objectivo do presente artigo é o de explorar os seguintes tópicos: - O que é o serviço de Áudio-Descrição? - Qual o estado da arte do serviço de Áudio-Descrição via Televisão Digital no Reino Unido? - Qual o estado da arte do serviço de Áudio-Descrição via Televisão Digital na Espanha? - Áudio-Descrição via Televisão em Portugal: os primeiros passos, - Áudio-Descrição via Televisão Digital em Portugal: o projecto da PT Multimédia. 1 Shneiderman, Ben Leonardo s Laptop: Human Needs and the New Computing Technologies, MIT Press, 2002, Pag Shneiderman, Ben Communications of the ACM, 2000, citado no website Universal Usability: 3 Presidência do Concelho de Ministros - Plano Nacional para a Participação dos Cidadãos com Necessidades Especiais na Sociedade da Informação, Resolução do Conselho de Ministros nº 100/2003, 185 SÉRIE I-B, 12 Agosto de 2003 (emissão). Disponível online em: 2

3 1. O que é o serviço de Áudio-Descrição? O serviço de Áudio-Descrição consiste numa faixa de áudio adicional à transmissão regular de televisão que descreve verbalmente detalhes visuais importantes, destinado a espectadores invisuais ou portadores de deficiências visuais graves, para que possam acompanhar melhor e com mais detalhe o desenrolar do programa transmitido. De acordo com a definição do Royal National Institute of the Blind (RNIB), o serviço de Áudio-Descrição é uma narração adicional inserida nos intervalos dos diálogos, que descreve todos os aspectos significativos do que é exibido visualmente - quem, onde, o quê, quando e porquê, se for adequado à situação. Acção, expressões faciais, vestimentas, cenários e ambientes tudo o que seja importante para permitir a melhor compreensão da estória ou do programa 4. AUDIO-DESCRIÇÃO (John e Andy estão no supermercado e veêm Mary) (Andy aproxima-se de Mary, que está debruçada sobre o expositor de congelados John segue-o) Figura 1: Audio-descrição: exemplo série de televisão That 70 s Show Em mercados avançados de Televisão Digital, como é o caso do Reino Unido, operadores e canais de televisão têm vindo a oferecer este tipo de serviço aos seus espectadores nos últimos anos, como é o caso da BSkyB que actualmente oferece mais de horas de programação com Áudio-Descrição através do 4 Web site RNIB TV Help: 3

4 seu serviço Sky Digital 5. Actualmente, existem dois sistemas de transmissão do serviço de Áudio-Descrição em Televisão, segundo Jane Silver e John Gill, investigadores do RNIB: - o sistema utilizado pela BSkyB, com recurso ao método pre-mix ou aberto, no qual a áudiodescrição é uma parte integral da banda-sonora e é ouvida por todos numa sala, para o qual não é necessário nenhum equipamento especial, somente configurar a set-top box de forma a receber este canal de áudio; - o sistema utilizado pela BBC, ITV e Channel 4, conhecido por "receiver-mixed" ou "fechado, mais flexível, que permite ouvir a áudio-descrição através de auscultadores, enquanto os outros espectadores podem ouvir o áudio normal pelas colunas do televisor, bem como regular o volume do som de ambos os canais. No entanto, é necessário possuir um equipamento específico para ter acesso a este sistema 6. Num estudo realizado em 1998, a American Foundation for the Blind verificou que a maioria das pessoas com deficiências visuais que tinham utilizado o serviço de Áudio-Descrição consideraram este como muito útil, bem como davam preferência aos conteúdos com Áudio-Descrição. Os principais benefícios do serviço citados por pessoas invisuais ou com deficiências visuais graves foram os seguintes: - ficar a conhecer os ambientes visuais do programa, - compreender melhor os materiais televisivos, - sentir-se independente, - sentir-se igual a uma pessoa sem deficiências visuais, - sentir satisfação, - alivio dos espectadores sem deficiência visual com quem assistiam aos programas. 7 A relevância deste tipo de serviço para os espectadores Portugueses é atestada pelos seguintes números: 1,6% da população residente em Portugal possui deficiências visuais, ou seja, indivíduos de acordo com os resultados dos Censos De notar que a deficiência visual é a deficiência com maior expressão em Portugal 8. 5 Web Site Sky Digital; URL: 6 Silver, Janet; Gill, John - Guidelines for the Design of Accessible Information and Communication Technology Systems, RNIB, Disponível online em: 7 ASTC Accessible Practices/ Best Practices/ Audio-Description, Association of Science Technology Centres. Disponível online: 8 INE - CENSOS 2001: Análise de População com Deficiência (Resultados Provisórios ), INE 2001, 4 de Fevereiro de Disponível online em: 4

5 2. Audio-descrição via Televisão Digital no Reino Unido No Reino Unido, o serviço de Áudio-Descrição está disponível através dos operadores de Televisão Digital Satélite (DTH) e de Televisão Digital Terrestre (DTT), estando previsto que os principais operadores de Televisão Digital por Cabo iniciem a sua transmissão em breve, segundo informação prestada por Denise Evans, Head of Broadcasting and Talking Images do Royal National Institute of the Blind (RNIB). A oferta do serviço de Áudio-Descrição está regulamentado pelo Communications Act de 2003, no qual está estabelecido os broadcasters deverão atingir os 10 por cento de nível mínimo de oferta nos próximos dez anos. Actualmente, o nível de oferta está nos 6 por cento de programação com Áudio-Descrição, de acordo com a responsável máxima da área de Broadcasting and Talking Images do RNIB. Em relação aos géneros de programação aos quais se adiciona habitualmente este tipo particular de narração, há a considerar os filmes, as séries de ficção e novelas, bem como os documentários. Já programas como talkshows, noticiários e concursos não são particularmente adequados. No entanto, recomenda o RNIB, cada programa ou filme deve ser analisado individualmente de forma a avaliar se o serviço de Audio-Descrição é ou não apropriado 9. Assim, o operador de DTH BSkyB oferece mais de horas por ano de programação com Áudio- Descrição em 8 canais: Sky One, Five e 6 canais de filmes (Sky Movies) 10. Para ter acesso ao serviço, o utilizador deve configurar a sua set-top box para a opção Narrative (Language Selection). Para além da programação, a BSkyB fornece no canal 996 informação em áudio com os nomes dos canais e correspondente posição na grelha, destinado aos espectadores invisuais ou com deficiências visuais graves. De referir ainda que a BSkyB disponibiliza horas por ano de programação com legendagem destinada a pessoas com surdez ou com deficiências auditivas graves, em canais como a Sky News, Sky Sports, Sky Movies, entre outros. A actividade da BSkyB no domínio da Acessibilidade valeu-lhe o prémio Business In The Community's Awards for Excellence 2004, pelo seu trabalho na promoção da compreensão de assuntos relacionados com acessibilidade e por fornecer serviços especificamente para espectadores com necessidades especiais 11. Por seu turno, os espectadores do operador de DTT Freeview têm ao seu dispor pelo menos 13 canais com programas que incluem Áudio-Descrição BBC One, BBC Two, BBC Three, BBC Four, CBBC, Ceebies, 2 canais ITV, Channel 4, Five, UK History, Sky Travel -, segundo informação prestada por Denise Evans do RNIB. No entanto, para ter acesso ao serviço é necessário adquirir uma set-top box específica: o Netgem i- Player AD foi lançado comercialmente em Dezembro de 2003, sendo vendido directamente pela Netgem 9 Web Site RNIB: 10 Web site Sky: 11 BSkyB - BSkyB wins 'Business in the Community' award for its disability strategy, Press-release, Junho Disponível online em: 5

6 por (mais 5 para entrega). A Netgem disponibiliza ainda uma help-line especial para responder às dúvidas e questões dos consumidores relativas ao serviço de Audio-Descrição 12. Figura 2: Netgem i-player Até ao momento, a RNIB não possui dados concretos sobre a audiência do serviço de Áudio-Descrição, mas estimam que alguns milhares de pessoas invisuais e com deficiências visuais graves o utilizem. Sendo verdade que a maioria das pessoas com deficiências visuais graves tem mais de 65 anos, é precisamente neste grupo etário em que se verifica uma menor penetração no domicílio de Televisão Digital. Daí que o Governo e os operadores e canais de televisão estejam a trabalhar numa estratégia de comunicação com o objectivo de encorajar a adopção de TV Digital por toda a população. Para além da Televisão, o serviço de Áudio-Descrição está disponível nas salas de cinema e nas salas de teatro, sendo ainda cada vez mais frequente encontrar a opção de English for Impaired em DVDs. 12 Web Site RNIB: 6

7 3. Audio-Descrição via Televisão Digital em Espanha Em Espanha, as primeiras experiências de Áudio-Descrição foram realizadas pela TV3 (Televisión Autonómica Catalana) e pelo Canal Sur (Televisión Autonómica Andaluza), de acordo com informação prestada por Javier Navarrete, coordenador técnico do sistema Audesc da ONCE (Organización Nacional de Ciegos Españoles). Assim, em 1995, o Canal Sur iniciou a transmissão de filmes com Áudio-Descrição, recorrendo a uma emissora de rádio, já que não transmitia em estéreo. Esta solução técnica viria a ser adoptada pela RTP em 2003, na primeira experiência do género na Televisão Portuguesa. Já a TV3 transmitiu várias séries com Áudio-Descrição, com recurso à inserção num dos canais de estéreo. Em Dezembro de 2001, a TVE iniciou a transmissão do serviço de Áudio-Descrição com recurso ao sistema Audesc com uma série de desenhos animados para crianças, em colaboração com a ONCE. O sistema Audesc nada mais é do que o nome que a ONCE optou por dar ao serviço de Áudio-Descrição, por considerá-lo mais apelativo em termos de divulgação e promoção para o público em geral 13. Ainda, a empresa produtora de legendagem para pessoas surdas Mundovisión implementou o serviço de Áudio- Descrição num canal por cabo designado via Digital, que resultou num fracasso já que o acesso ao serviço obrigava ao pagamento de uma subscrição, de acordo com o coordenador técnico do sistema Audesc da ONCE. Com a aprovação da lei de Igualdad, No Discriminación y Accesibilidad de las Personas con Discapacidad, 51/2003 de 2 de Dezembro, ficou estabelecido o prazo de quatro a dez anos para que o acesso às tecnologias de comunicação seja devidamente adaptado às necessidades das pessoas com deficiências. A TVE começou a transmitir filmes adaptados às necessidades de espectadores com surdez e com deficiências visuais graves, aos sábados e domingos. De momento, o serviço só está disponível na região de Madrid e na Catalunha, segundo o responsável do sistema Audesc da ONCE. Ainda de referir a iniciativa da ONCE - Premios Tiflos de Cine Corto Audesc, promovido com o objectivo de difundir a aplicação do sistema Audesc entre os criadores e profissionais de Cinema. O concurso de curtas-metragens de 35 mm vai na terceira edição, caracterizando-se pela obrigatoriedade da aplicação do sistema Audesc nas obras 14. Os prémios estão repartidos num primeiro prémio no valor de euros, um segundo prémio no valor de euros, sete prémios de euros cada, como subsídio à produção de projectos e, finalmente, sete prémios no valor de 750 euros como ajuda à adaptação das curtas-metragens com o sistema Audesc Navarrete, Javier Sistema Audesc: el fin de los susurrus, comunicação Seminário sobre Medios de Comunicación sin Barreras, Universidad Cardenal Herrera-CEU, 27 de Novembro Disponível online em: 14 Navarrete, Javier Sistema Audesc: el fin de los susurrus, comunicação Seminário sobre Medios de Comunicación sin Barreras, Universidad Cardenal Herrera-CEU, 27 de Novembro Disponível online em: 15 Web site ONCE: 7

8 4. Áudio-Descrição via Televisão em Portugal: os primeiros passos A questão da acessibilidade em Televisão Digital, mais concretamente, da acessibilidade à Televisão Digital Terrestre (DTT) foi publicamente levantada pelo Grupo Português para Iniciativas em Acessibilidade (GUIA). Em inícios de 2001, esta organização enviou um conjunto de quinze medidas às três entidades responsáveis pelo concurso para a DTT: Alta Autoridade para a Comunicação Social (AACS), Instituto da Comunicação Social e Instituto das Comunicações de Portugal (ICP, actualmente ANACOM), que na altura preparavam o regulamento do concurso 16. O GUIA resultou de um movimento cívico, coordenado por Francisco Godinho e Ricardo Silva, que teve início em Dezembro de 1998 com a promoção de uma petição pela acessibilidade da Internet para pessoas com necessidades especiais 17. A encabeçar a lista de recomendações do GUIA encontravam-se serviços como a legendagem, a interpretação em Língua Gestual, a descrição de imagens e a conversão de texto em voz. "Para pessoas com necessidades especiais (acamados, idosos e pessoas com deficiência), confrontadas com limitações físicas, sensoriais, de mobilidade e participação social, o acesso aos benefícios da televisão, como instrumento de comunicação de massas e equipamento doméstico, representa, sem dúvida, um factor muito significativo de qualidade de vida", considerou na altura o responsável do GUIA Francisco Godinho, também líder do Centro de Engenharia de Reabilitação em Tecnologias da Informação e Comunicação (CERTIC) da Universidade de Trás-os-Montes e Alto-Douro 18. O Plano Nacional para a Participação dos Cidadãos com Necessidades Especiais na Sociedade da Informação é omisso relativamente a serviços destinados a pessoas invisuais ou com deficiências visuais graves. Assim, este plano limita-se a prever a duplicação em três anos da acessibilidade da programação em Língua Portuguesa da RTP para pessoas com deficiência auditiva (sob a forma de legendagem ou da interpretação em Língua Gestual Portuguesa (acção 1.1. RTP mais acessível, prioridade 1 Acessibilidade), tendo por objectivo que no início de 2005 a transmissão em média de 5 horas/dia de programação adaptada às necessidades das pessoas com deficiência auditiva 19. De igual forma, a Lei da Televisão não menciona como obrigação específica do serviço público de televisão promover a possibilidade de acompanhamento das emissões por pessoas invisuais ou com deficiências visuais graves, apenas fazendo referência às necessidades de pessoas surdas ou com deficiência auditiva no Artigo 47.º ( Obrigações específicas dos operadores que actuem ao abrigo de concessão do serviço público de televisão do Capítulo IV Serviço Público de Televisão) Web site AACS: 17 Web site CERTIC/ Acessibilidade: 18 Santos, Isabel Gorjão GUIA lança proposta para necessidades especiais, jornal O Público, 8 Janeiro Disponível online em: 19 Web site Acesso UMIC: 20 Lei da Televisão, Lei n.º 32/2003, de 22 de Agosto; Publicada no D.R. n.º 193 (Série I - A), de 22 de Agosto. Disponível online em: 8

9 A legendagem de programas em Português destinada a pessoas com surdez ou deficiências auditivas graves foi iniciada em Abril de 1999 pela RTP, através de teletexto 21. No entanto, só em 2003 a RTP viria a disponibilizar o serviço de Áudio-Descrição. Assim, no dia 1 de Dezembro de 2003: o filme Menina da Rádio emitido pela RTP 1 foi complementado pela transmissão de Áudio-Descrição pela RDP, sendo necessário sintonizar a Onda Média da Antena1. Ainda, de referir que os pessoas com surdez ou com deficiências auditivas tiveram a oportunidade de acompanhar a legendagem de todo o filme através da página 887 do teletexto da RTP 22. Figura 3: A Menina da Rádio, transmissão com Áudio-Descrição e legendagem para pessoas com surdez RTP/ RDP Mais recentemente, a RTP promoveu a transmissão de filmes com Áudio-Descrição em duas ocasiões, novamente em parceria com a RDP: a 27 de Agosto, voltaram a exibir o filme A Menina da Rádio, enquanto que a 3 de Setembro foi a vez do filme A Canção de Lisboa 23. Finalmente, a RTP promoveu uma emissão especial com Áudio-Descrição, ao exibir no episódio da série de ficção A Ferreirinha, transmitido na noite de 15 de Outubro de No entanto, a solução encontrada pela RTP e RDP para prestar o serviço de Áudio-Descrição não é a mais satisfatória, já que é necessário recorrer a um aparelho de rádio para ter acesso ao serviço e sintonizar correctamente a frequência de rádio na qual é transmitida a narração. Assim, é possível oferecer este serviço de forma mais cómoda e simples, recorrendo apenas ao comando de televisão para obter a faixa de áudio adicional que descreve verbalmente os detalhes visuais mais significativos, à semelhança das soluções oferecidas por operadores de Televisão Digital em países como o Reino Unido e Espanha. 21 Pinto, Manuel (coord.) - A Comunicação e os Media em Portugal, : cronologia e leituras de tendências, Colecção Comunicação e Sociedade, vol. 1, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, Disponível online em: 22 RTP Primeira exibição televisiva de um filme adaptado para cidadãos com necessidades especiais, Press-release, Dezembro Disponível online em: 23 Acesso - UMIC RTP volta a exibir com Áudio-Descrição, Press-release, Agosto Disponível online em: 24 Disponível online em: 9

10 5. Áudio-Descrição via Televisão Digital em Portugal: o projecto da PT Multimédia Em 2004, na TV Cabo surgiu a iniciativa de desenvolver e lançar um serviço de Áudio-Descrição para subscritores de Televisão Digital cabo e satélite, em parceria com os canais de cinema Lusomundo. A data fixada para o piloto do serviço foi 3 de Dezembro de 2004, de forma a assinalar devidamente o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. O filme seleccionado foi o clássico do cinema Português O Pátio das Cantigas. Esta comédia de costumes no quotidiano de uma ilha simbólica, onde cabe e palpita o coração de Lisboa, nas palavras de José de Matos-Cruz, foi realizada em 1941 por Francisco Ribeiro (Ribeirinho) e protagonizado pelo próprio e ainda por António Vilar, Maria das Neves, Vasco Santana e António Silva 25. Figuras 4 e 5: Cartaz promocional e fotograma do filme O Pátio das Cantigas A transmissão do filme O Pátio das Cantigas com Áudio-Descrição pode ser considerado como um marco na história da Televisão Digital em Portugal, já que é o primeiro serviço destinado a pessoas com deficiências a ser difundido por um operador de Televisão Digital a nível nacional. Também significativo é o facto desta iniciativa não se limitar a uma transmissão, antes representando o primeiro de uma série contínua e regular de filmes falados em Português com Áudio Descrição. Desta forma, a PT Multimédia definiu como sendo seu objectivo a produção e transmissão de um novo filme por mês com Áudio-Descrição em 2005, que poderá ser exibido diversas vezes num período de tempo a fixar. 25 Matos-Cruz, José de Cinema Português, web site Instituto Camões, URL: 10

11 A primeira fase do desenvolvimento do serviço de Áudio-Descrição consistiu no estudo e análise do projecto, com levantamento de tarefas, áreas de responsabilidade e custos associados à produção dos conteúdos e desenvolvimento do serviço. Ainda, procedeu-se ao levantamento de dados e informação relacionados com o serviço, nomeadamente, contactando a RNIB e ONCE para apurar qual o estado da arte no Reino Unido e Espanha. Esta fase foi concluída em finais de Setembro de 2004, tendo sido submetido um dossier de projecto à aprovação do Concelho de Administração (CA) da PT Multimédia, após a validação de dois administradores da TV Cabo e dos canais Lusomundo. A aprovação formal do projecto pelo CA da PT Multimédia ocorreu a 19 de Outubro de Assim, depois da aprovação formal seguiram-se reuniões de trabalho operacionais, com responsáveis de diferentes áreas da TV Cabo e Lusomundo, para além do contacto com os profissionais e empresas subcontratadas para o efeito. Do lado da Lusomundo procedeu-se à confirmação da contratação do guionista, tendo a escolha recaído no historiador de cinema José de Matos-Cruz, garantindo assim a qualidade do texto-base do produto final. A escolha do narrador recaiu sobre o actor Nicolau Breyner, devido à sua notoriedade junto do grande público e também por ser uma das vozes do Grupo Portugal Telecom (PT). O guião foi entregue cerca de duas semanas antes da exibição do piloto, tendo a gravação de voz de narrador e sincronização com diálogos do filme decorrido na semana seguinte nos Matinha Estúdios Som, uma empresa dedicada principalmente à dobragem, legendagem e gravação de publicidade para televisão e vídeo. Na semana da exibição do piloto, o estúdio de gravação entregou ao Centro de Multimédia da TV Cabo uma cassete Betacam, com 4 canais de áudio gravados, tendo sido utilizados os canais 3 e 4 para colocar a narração de Áudio-Descrição misturada com a banda-sonora do filme. Do lado da TV Cabo foram efectuados testes de envio de um canal de vídeo com dois áudios diferentes para o head-end e, posteriormente, testes na rede digital com a colocação dos dois áudios no sistema de encriptação. Um dos constrangimentos do piloto de 3 de Dezembro foi a questão do acesso à funcionalidade de selecção do canal de áudio: a TV Cabo tem actualmente cinco modelos distintos de settop boxes de Televisão Digital, que totalizam mais de set-top boxes distribuídas em casa de clientes. Estes cinco modelos de set-top boxes correspondem a cinco formas diferentes de aceder ao canal de áudio. Para o piloto de dia 3 de Dezembro recorreu-se à tecnologia que as set-top boxes já suportavam, já que não se dispunha de tempo suficiente para fazer desenvolvimentos específicos de software para simplificar ainda mais o acesso ao canal de áudio. Assim, os clientes com o modelo Powerbox acedem ao serviço de modo semelhante ao dos Multi-jogos e Multi-câmaras, pressionando a tecla verde do comando e, de seguida, fazendo OK na opção Áudio-Descrição. Os restantes clientes que possuem modelos Sagem e Humax acedem ao serviço pressionando as teclas 1, 2 e 3 do comando. 11

12 Figuras 6, 7 e 8: Instruções de acesso à narração de Áudio-Descrição na powerboxes da TV Cabo Portugal No entanto, a questão da simplificação e optimização do acesso ao canal de áudio secundário foi discutida internamente na TV Cabo, de maneira a que seja o mais simples possível aceder ao serviço de Áudio- Descrição, independentemente do grau de deficiência visual. Para tal, será necessário produzir e distribuir uma nova versão de software para as set-top boxes, o que poderá levar 2 a 4 meses. Outros serviços e conceitos podem vir a ser desenvolvidos no decurso de

13 Finalmente, um factor fundamental do sucesso de qualquer serviço de Televisão Digital é a sua comunicação de forma atempada e eficaz. O plano de comunicação do serviço de Áudio-Descrição foi esboçado em finais de Outubro e aprovado formalmente em inícios de Novembro: o recurso a meios do grupo PT Multimédia foi a base do plano, nomeadamente, com a produção e exibição de spots promocionais nos principais canais temáticos da TV Cabo e a divulgação nos sites Sapo, TV Cabo e Canais Lusomundo. Desta forma, a PT Multimédia e o Grupo PT reforçam a sua actividade na área da Responsabilidade Social, cada vez mais uma obrigação das empresas para com a sociedade, sobretudo no campo das novas tecnologias da comunicação e informação. Curiosamente, na mesma altura em que a PT Multimédia produzia o piloto de Áudio-Descrição por sua própria conta e risco, a Presidência do Conselho de Ministros aprovava uma linha de apoio financeiro ao Programa Nacional para a Participação dos Cidadãos com Necessidades Especiais na Sociedade da Informação: a publicação da respectiva portaria no Diário da República foi a 25 de Outubro de Entre os projectos elegíveis definidos consta a promoção da aplicação do conceito de desenho universal, tal como o desenvolvimento de produtos, conteúdos e serviços inovadores ou de elevada importância para cidadãos com necessidades especiais, em condições economicamente acessíveis. Ainda de acordo com a portaria desta linha de financiamento, o co-financiamento máximo a conceder pelo POSI é de 80%, devendo o restante financiamento ser assegurado pelas entidades beneficiárias. No entanto, em casos excepcionais, o co-financiamento a atribuir poderá atingir os 100%. O financiamento de cada projecto terá como limites: Euros para projectos baseados em apetrechamento de equipamento, formação, redes de conhecimento ou produção de conteúdos e Euros para projectos de desenvolvimento de produtos ou serviços. A formatação preliminar das candidaturas decorreu de 5 de Novembro a 31 de Dezembro, seguindo-se uma segunda fase na qual os promotores deverão formatar as suas candidaturas de acordo com os formulários do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento até 31 de Janeiro de Presidência do Conselho de Ministros Linha de apoio financeiro ao Programa Nacional para a Participação dos Cidadãos com Necessidades Especiais na Sociedade da Informação, Diário da República, número 251, série I B, pp Portaria nº 1354/2004. Segunda-feira, 25 de Outubro de Disponível online em: 13

14 6. Conclusão: tecnologias centradas nas necessidades dos utilizadores As tecnologias bem sucedidas são aquelas estão em harmonia com as necessidades dos utilizadores. Devem suportar relações e actividades que enriqueçam as experiências dos utilizadores 27, escreveu Ben Shneiderman em Leonardo s Laptop, o livro-manifesto a favor do desenvolvimento de tecnologias verdadeiramente orientadas para as necessidades humanas. O serviço de Áudio-Descrição é um bom exemplo de serviço de Televisão Digital e Interactiva no qual foram efectivamente consideradas desde o início as necessidades dos utilizadores. Outro projecto orientado para as necessidades e preferências dos utilizadores de serviços de Televisão Digital e Interactiva é o Laboratório de Usabilidade da Universidade Lusófona de Tecnologias e Humanidades. Este laboratório, do qual a PT Multimédia é parceira desde o primeiro minuto, tem por missão avaliar e desenvolver interfaces que sejam úteis, funcionais e atractivos para os utilizadores, em particular produtos e serviços de Televisão Digital e Interactiva, Telemóveis e Internet de Banda-Larga. A unidade será interdisciplinar, composto por investigadores, estudantes e profissionais das áreas da Psicologia, Ciências da Comunicação, Engenharia Informática, Design Multimédia e Educação. O pontapé de saída do laboratório foi dado em Junho de 2004, tendo sido a equipa constituída durante os meses de Agosto e Setembro. O primeiro projecto a ser realizado no âmbito da parceira da PT Multimédia com a Universidade Lusófona consistiu no estudo comparativo de usabilidade de Guias de Programação ou Electronic Programming Guides (EPGs). Assim, passo a passo, progressivamente a PT Multimédia e a TV Cabo adoptam processos de desenvolvimento de produtos de Televisão Digital e Interactiva que se iniciam com os utilizadores e com as suas necessidades em vez de começar pela tecnologia, tal como advoga Donald A. Norman, uma das autoridades mundiais em human-centred product development. Ainda significativo é o facto de se promover a execução de projectos socialmente relevantes na área das novas tecnologias e novos Media, em sintonia com as seguintes palavras de Brenda Laurel: O trabalho cultural é um trabalho guiado por valores. É um trabalho que uma pessoa faz porque acredita que fazê-lo é positivo. Retira a sua força do valor fundamental que se encontra no coração do humanismo: a crença no poder da humanidade em dar forma ao seu próprio destino através da aplicação do conhecimento e do pensamento 28 palavras retiradas no seu livro Utopian Entrepreneur, no qual descreve as dificuldades e recompensas de se trabalhar em novos Media com um apurado sentido de responsabilidade social e defendendo valores humanistas. Será utopia a defesa de valores humanistas nos novos Media? Se houver mais quem acredite que a utopia pode ser uma realidade, decerto que muitos outros projectos serão desenvolvidos e lançados para benefício de todos. 27 Shneiderman, Ben Leonardo s Laptop: Human Needs and the New Computing Technologies, MIT Press, 2002, Pag. 28 Laurel, Brenda - Utopian Entrepreneur, MIT Press, Excertos disponíveis online: 14

15 Agradecimentos: A todos quantos colaboraram na realização do projecto de Áudio-Descrição da PT Multimédia, em particular a Domingas Amante, José e Fátima de Matos-Cruz, Nicolau Breyner, José Pedro Salas Pires, Antunes João, Margarida Ferreirinha, Margarida Cunha, Carlos Andrade, Clara Cidade, João Carita, Lígia Rodrigues, Sérgio Leemann, Carlos Gomes, Pedro Marques, Pedro Pereira, Ashok Bhagubai, Tânia Ulisses, Ana Vicente, João Neves. Um agradecimento especial ainda a Peter Looms e a Manuel José Damásio, pelo continuado apoio e inspiração e, finalmente, ao André, porque sim. 15

16 BIBLIOGRAFIA ASTC Accessible Practices/ Best Practices/ Audio-Description, Association of Science Technology Centres. Disponível online: INE - CENSOS 2001: Análise de População com Deficiência (Resultados Provisórios ), INE 2001, 4 de Fevereiro de Disponível online em: Laurel, Brenda - Utopian Entrepreneur, MIT Press, Lei da Televisão, Lei n.º 32/2003, de 22 de Agosto; Publicada no D.R. n.º 193 (Série I - A), de 22 de Agosto. Disponível online em: Matos-Cruz, José de Cinema Português, web site Instituto Camões, URL: Navarrete, Javier Sistema Audesc: el fin de los susurrus, comunicação Seminário sobre Medios de Comunicación sin Barreras, Universidad Cardenal Herrera-CEU, 27 de Novembro Disponível online em: Pinto, Manuel (coord.) - A Comunicação e os Media em Portugal, : cronologia e leituras de tendências, Colecção Comunicação e Sociedade, vol. 1, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, Disponível online em: Presidência do Concelho de Ministros - Plano Nacional para a Participação dos Cidadãos com Necessidades Especiais na Sociedade da Informação, Resolução do Conselho de Ministros nº 100/2003, 185 SÉRIE I-B, 12 Agosto de 2003 (emissão). Disponível online em: Presidência do Conselho de Ministros Linha de apoio financeiro ao Programa Nacional para a Participação dos Cidadãos com Necessidades Especiais na Sociedade da Informação, Diário da República, número 251, série I B, pp Portaria nº 1354/2004. Segunda-feira, 25 de Outubro de Disponível online em: Santos, Isabel Gorjão GUIA lança proposta para necessidades especiais, jornal O Público, 8 Janeiro Disponível online em: Shneiderman, Ben Leonardo s Laptop: Human Needs and the New Computing Technologies, MIT Press, Silver, Janet; Gill, John - Guidelines for the Design of Accessible Information and Communication Technology Systems, RNIB, Disponível online em: 16

17 LINKS RELACIONADOS AD Introdução Audio Description Associates Association of Science - Tecnology Centers, Accessible Practices/ Best Practices/ Audio-description The Promise of the Information Society -Good Practice in Using the Information Society for the Benefit of Older People and Disabled People, EU project AD Guidelines OFCOM - Subtitling, Signing & Audio Description - Guidance on Standards for Audio Description Guidelines for the Design of Accessible Information and Communication Technology Systems This document is a DRAFT created by the AD Guidelines committee. RNIB - Information for broadcasting professionals AD Reino Unido Interactive Digital Television [itv]: The Usability State of Play in Digital Television Project, Accessibility for Impaired Sight and Hearing Royal National Institute for the Blind Digital TV Help RNIB UK Sky Digital disability site 17

18 AD Portugal Web site Acesso UMIC Web site Acessibilidade CERTIC UTAD Web site CERTIC UTAD 18

Acessibilidade na TDT em Portugal Sugestões do CERTIC/UTAD Documentação complementar disponível em: http://www.acessibilidade.

Acessibilidade na TDT em Portugal Sugestões do CERTIC/UTAD Documentação complementar disponível em: http://www.acessibilidade. ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM PORTUGAL Documento Técnico 7 de Junho de 2007 1/13 Índice POPULAÇÃO-ALVO E ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS...

Leia mais

ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM PORTUGAL

ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM PORTUGAL Enviado por: Eng.º Francisco Godinho Email: godinho@utad.pt Telefone: 259350376 Fax: 259350300 ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM

Leia mais

Áudio Descrição em Televisão: uma perspetiva de evolução em Portugal

Áudio Descrição em Televisão: uma perspetiva de evolução em Portugal Áudio Descrição em Televisão: uma perspetiva de evolução em Portugal Rita Oliveira Resumo Apesar dos avanços efetuados nos serviços de áudio descrição (AD) para televisão em alguns países, estes podem

Leia mais

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada.

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada. DECISÃO relativa ao programa para a atribuição de subsídio à aquisição de equipamentos de recepção das emissões de TDT por parte de cidadãos com necessidades especiais, grupos populacionais mais desfavorecidos

Leia mais

Maria da Conceição Gonçalves Costa

Maria da Conceição Gonçalves Costa Maria da Conceição Gonçalves Costa Identificação pessoal Conceição Costa tem um Master of Arts in Business Communication and Public Relations pela European University (equivalência a grau de mestre pela

Leia mais

Tecnologias de Informação e Comunicação Trabalho de Projecto O Mundo da TV

Tecnologias de Informação e Comunicação Trabalho de Projecto O Mundo da TV Dedicamos o trabalho a todos aqueles a que, neste país, fazem tudo para existir uma melhor televisão e àqueles que trabalham horas a fio para dar continuidade a uma emissão. Dedicamo-lo também àqueles

Leia mais

3. Oferta de produtos e serviços ZON

3. Oferta de produtos e serviços ZON AGENDA 1. A Empresa e a sua história 2. Contexto do mercado de Telecomunicações e Entretenimento em Portugal 3. Oferta de produtos e serviços ZON 4. Novos projectos e iniciativas estratégicas 12 REDE AVANÇADA

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Resposta à consulta pública ao projecto de decisão sobre preço praticado pela PT Comunicações no âmbito da TDT (MUX A)

Resposta à consulta pública ao projecto de decisão sobre preço praticado pela PT Comunicações no âmbito da TDT (MUX A) Resposta à consulta pública ao projecto de decisão sobre preço praticado pela PT Comunicações no âmbito da TDT (MUX A) Como o blogue TDT em Portugal já afirmou, desde há 20 anos que a televisão portuguesa

Leia mais

PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado

PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado entre o Ministério da Cultura (MC) e a Radiotelevisão

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer!

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer! GUIA TDT PREPARE-SE para a televisão digital terrestre saiba o que fazer! MENSAGEM DO PRESIDENTE José Amado da Silva Presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (ICP-ANACOM) Num momento crucial para

Leia mais

Condições. A nova edição de Macau - O Poder da Imagem arranca agora! Uma aventura para os sentidos!

Condições. A nova edição de Macau - O Poder da Imagem arranca agora! Uma aventura para os sentidos! A nova edição de Macau - O Poder da Imagem arranca agora! Uma aventura para os sentidos! Macau - O Poder da Imagem está de volta para continuar a estimular o cinema local, incentivando os nossos artistas

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

Recursos de Tradução Audiovisual aplicados à área de educação e acessibilidade

Recursos de Tradução Audiovisual aplicados à área de educação e acessibilidade Recursos de Tradução Audiovisual aplicados à área de educação e acessibilidade Ana Beatriz Taube Stamato UNESP/Bauru e-mail: ana_stamato@hotmail.com Lucinéa Marcelino Villela UNESP/Bauru e-mail lucinea@rocketmail.com

Leia mais

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer!

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer! GUIA TDT PREPARE-SE para a televisão digital terrestre saiba o que fazer! MENSAGEM DO PRESIDENTE Num momento crucial para a modernização tecnológica de Portugal, é com grande empenho que o(a) alerto para

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 13/98, de 17 de Abril Segundo Protocolo Adicional de Cooperação no Domínio da Comunicação Social entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo aos 28 de Novembro

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES SOCIEDADE PORTUGUESA DE ONCOLOGIA 2010

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES SOCIEDADE PORTUGUESA DE ONCOLOGIA 2010 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES SOCIEDADE PORTUGUESA DE ONCOLOGIA 2010 2010 RESUMO: este documento apresenta o relatório de actividades da Sociedade Portuguesa de Oncologia no ano de 2010 Índice 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas Apresentação do Estudo Acessibilidade Web Ponto da Situação das maiores empresas Portuguesas 17 de Setembro de 2009 Átrio da Casa do Futuro da Fundação Portuguesa das Comunicações Acessibilidade Web -

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA e PGE Tecnologias Avançadas de Multimédia

Leia mais

PROTOCOLO RTP / SIC / TVI

PROTOCOLO RTP / SIC / TVI PROTOCOLO RTP / SIC / TVI (Protocolo assinado pelos três operadores, em 21 de Agosto de 2003, e alterado pela Adenda ao Protocolo, de 15 de Fevereiro de 2005) VERSÃO CONSOLIDADA Entre: RÁDIO E TELEVISÃO

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

Case Study 2: Deaf Community 2.3.2. Questionnaire 2.3.

Case Study 2: Deaf Community 2.3.2. Questionnaire 2.3. Case Study 2: Deaf Community 2.3.2. Questionnaire 2.3. SÍNTESE PROCESSO INQUÉRITO SURDOS Objectivos: Analisar as condições de acesso ao texto audiovisual por parte de pessoas surdas. Recolher a opinião

Leia mais

FICHEIROS COM EXEMPLOS

FICHEIROS COM EXEMPLOS FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

Acessibilidade Boas práticas que marcam a diferença. Ponto de situação da Acessibilidade em Portugal

Acessibilidade Boas práticas que marcam a diferença. Ponto de situação da Acessibilidade em Portugal Acessibilidade Boas práticas que marcam a diferença Ponto de situação da Acessibilidade em Portugal Francisco Godinho CERTIC/UTAD (email: godinho@utad.pt Web: www.acessibilidade.net) Auditório da Microsoft,

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Acção 3 Projectos de Promoção do Ensino Superior Europeu. Leonor Santa Clara DGES Universidade do Algarve, 12 de Abril de 2011

Acção 3 Projectos de Promoção do Ensino Superior Europeu. Leonor Santa Clara DGES Universidade do Algarve, 12 de Abril de 2011 Acção 3 Projectos de Promoção do Ensino Superior Europeu Leonor Santa Clara DGES Universidade do Algarve, 12 de Abril de 2011 Acção 3 Categoria de projectos Projectos para reforçar a atractividade do ensino

Leia mais

SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO

SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO NOVEMBRO 2006 Sobre a Netsonda A Netsonda, em actividade desde Julho de 2000, é líder e pioneira em Portugal na recolha e análise

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

Manual de Utilizador Acesso e Navegação na Plataforma de Web TV da Assembleia da República

Manual de Utilizador Acesso e Navegação na Plataforma de Web TV da Assembleia da República Manual de Utilizador Acesso e Navegação na Plataforma de Web TV da Assembleia da República Índice 1 Página de Entrada / Home 1.1 Endereço Internet de Acesso ao Interface WEB 3 2 Transmissões em Direto

Leia mais

Televisão Interactiva

Televisão Interactiva Televisão Interactiva Impacto e procura de um novo perfil de utilizador Enquadramento teórico OBJECTO DO TRABALHO Estudar um novo meio de comunicação, resultante da convergência dos media Abordar a TVDI

Leia mais

Design de Interacção - IxD

Design de Interacção - IxD Design de Interacção - IxD Formadores: Bruno Nobre e Cláudia Pernencar PORQUÊ FAZER ESTA FORMAÇÃO? Só uma parceria próxima entre o Design, a Tecnologia e o Utilizador permite obter soluções adequadas,

Leia mais

Integração da Internet nas aulas de Educação Visual e Tecnológica

Integração da Internet nas aulas de Educação Visual e Tecnológica Conferência Nacional de Educação Artística Integração da Internet nas aulas de Educação Visual e Tecnológica Marta Pinto de Carvalho Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho marta.martapinto@gmail.com

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

PT Wi-Fi: Internet em Movimento

PT Wi-Fi: Internet em Movimento PT Wi-Fi: Internet em Movimento Clipping de Media (05 a 09 de Dezembro de 2003) Meio: Diário Económico Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 6 Meio: Jornal de Negócios Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 8

Leia mais

Zeinal Bava. Presidente Executivo. Diário Económico III Fórum Telecom & Media

Zeinal Bava. Presidente Executivo. Diário Económico III Fórum Telecom & Media Zeinal Bava Presidente Executivo Diário Económico III Fórum Telecom & Media Lisboa, 22 de Setembro de 2004 TV Cabo I novos desafios melhorar I qualidade de serviço de referência TV Digital para mais conteúdos

Leia mais

PONTNews Solução Comercial de e-marketing

PONTNews Solução Comercial de e-marketing PONTNews Solução Comercial de e-marketing Dossier de Produto DP010.03 02/01/2009 A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais, cuja principal actividade é implementação de Sistemas de Informação

Leia mais

AMA ajuda a promover Ensino à Distância

AMA ajuda a promover Ensino à Distância AMA ajuda a promover Ensino à Distância DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS DE ENSINO A DISTÂNCIA PARA TV DIGITAL, ATRAVÉS DE CANAIS ABERTOS E/OU CANAL DEDICADO Projecto Financiado pelo Compete Programa Operacional

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

índice Equipamentos Comando Ver TV Pausa TV Guia TV Gravador Videoclube Passou na TV Fotos e Música Controlo Parental Compra de Canais

índice Equipamentos Comando Ver TV Pausa TV Guia TV Gravador Videoclube Passou na TV Fotos e Música Controlo Parental Compra de Canais índice 01 04 03 02 05 06 10 09 08 07 11 12 13 p.05 Boas-vindas / Vantagens p.06 p.08 p.11 p.12 p.13 p.14 p.15 p.16 p.16 p.18 p.19 p.19 Equipamentos Comando Ver TV Pausa TV Guia TV Gravador Videoclube Passou

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

A Gestão da experiência do consumidor é essencial

A Gestão da experiência do consumidor é essencial A Gestão da experiência do consumidor é essencial Sempre que um cliente interage com a sua empresa, independentemente do canal escolhido para efetuar esse contacto, é seu dever garantir uma experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INGLÊS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INGLÊS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INGLÊS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular INGLÊS

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1 Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal João Varajão 1, Cidália Pereira 2, Luís Amaral 3, Sandra Castro 2 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias,

Leia mais

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer!

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer! GUIA TDT PREPARE-SE para a televisão digital terrestre saiba o que fazer! MENSAGEM DO PRESIDENTE Num momento crucial para a modernização tecnológica de Portugal, é com grande empenho que o(a) alerto para

Leia mais

CRID - Centro de Recursos para a Inclusão Digital

CRID - Centro de Recursos para a Inclusão Digital CRID - Centro de Recursos para a Inclusão Digital Célia Sousa Coordenadora Técnica Escola Superior de Educação e Ciências Sociais Instituto Politécnico de Leiria Campus 1 R. Dr. João Soares Apartado 4045

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Ficha de Identificação. Nome: Sónia Joaquim Empresa: Universidade de Aveiro Cargo/Função: Produtora Programa: 3810-UA. Questões. 1.

Ficha de Identificação. Nome: Sónia Joaquim Empresa: Universidade de Aveiro Cargo/Função: Produtora Programa: 3810-UA. Questões. 1. Ficha de Identificação Nome: Sónia Joaquim Empresa: Universidade de Aveiro Cargo/Função: Produtora Programa: 3810-UA Questões 1. O Programa Com a reestruturação da televisão pública portuguesa em 2003,

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

2.9. SDH in the newspapers

2.9. SDH in the newspapers SDH in the newspapers 2.9.3. Mulheres Apaixonadas project 2.9. A SACI Acessibilidade Deficiência Educação Trabalho Índice "Mulheres Apaixonadas" com closed caption para Portugal Equipe da Escola Superior

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa.

Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa. Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa. > Sobre o Workshop Nos últimos anos surgiu um novo movimento de designers e artistas que reconhece o potencial do uso

Leia mais

Professores e Alunos do Departamento de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

Professores e Alunos do Departamento de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa Professores e Alunos do Departamento de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa Encontro de História da Arte Encontrharte LXD: Vivências e experiências

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Telecom Televisão Digital Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Televisão Digital Terrestre na Europa Aposta clara da UE na Televisão Digital Terrestre

Leia mais

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer!

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer! GUIA TDT PREPARE-SE para a televisão digital terrestre saiba o que fazer! MENSAGEM DO PRESIDENTE José Amado da Silva Presidente da Autoridade Nacional das Comunicações (ICP-ANACOM) Num momento crucial

Leia mais

ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS

ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR TODAS AS ETAPAS DO FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE CANDIDATURAS AO CIÊNCIA NA HORA MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS POR VIA

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Questões mais frequentes FAQs Maio/2012 Versão 2.0 DDO É obrigatório adoptar o novo formato para envio da informação de Folhas de Férias estabelecido na legislação em vigor

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Kulto

Entrevista sobre o Programa Kulto Entrevista sobre o Programa Kulto Ficha de Identificação Nome: Rute Gil Empresa: Estado do Sítio Cargo/Função: Produtora e Guionista Programa: Kulto Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO A Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa - APCL propõe-se desenvolver um projecto, designado CLEAN, que consiste na criação de um Centro de Limpeza Ecológica de Automóveis

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

Ações de Interatividade

Ações de Interatividade Ações de Interatividade Fundação Padre Anchieta TV Cultura Julho de 2007 Diário de Bárbara Em agosto de 2007, 14 adolescentes de várias partes do mundo foram convidados a conhecer o Pólo Norte para ver

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 01/2005: IMPRESA / SIC / BPI I INTRODUÇÃO

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 01/2005: IMPRESA / SIC / BPI I INTRODUÇÃO DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 01/2005: IMPRESA / SIC / BPI I INTRODUÇÃO 1. Em 3 de Janeiro de 2005, a Autoridade da Concorrência recebeu uma notificação relativa a uma projecto

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel Universidade Cruzeiro do Sul/CETEC, Av. Ussiel Cirilo, 225 São Paulo Resumo A TV é um importante

Leia mais

BoxOffice Perguntas Frequentes

BoxOffice Perguntas Frequentes BoxOffice Perguntas Frequentes GERAL 1. O que é o BoxOffice? O BoxOffice é um serviço de Vídeo a Pedido que lhe permite alugar e assistir no conforto da sua sala aos mais recentes filmes de sucesso de

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010 COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE FCCN - Dezembro 2010 Rui Ribeiro colibri@fccn.pt Módulo COLIBRI Concebido por: José Coelho Universidade Aberta Apoiado por: Rui Ribeiro FCCN Vitor

Leia mais

nada se perde tudo se transforma

nada se perde tudo se transforma Do Analógico Ao Digital nada se perde tudo se transforma Lavoisier XIV CONGRESSO APODEMO 27 Maio 2009 Analógico Anos 80 Introdução sistemas de medição electrónica de audiências de televisão. Substituição

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais