TV DIGITAL: DESAFIO OU OPORTUNIDADE?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TV DIGITAL: DESAFIO OU OPORTUNIDADE?"

Transcrição

1 TV DIGITAL: DESAFIO OU OPORTUNIDADE? ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 - AO1 DIRETOR José Mauro Mettrau Carneiro da Cunha SUPERINTENDENTE Carlos Gastaldoni Elaboração: GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO ELETRÔNICO Paulo Roberto de Sousa Melo - Gerente Evaristo Carlos Silva Duarte Rios - Engenheiro Regina Maria Vinhais Gutierrez - Engenheira Os autores agradecem a colaboração do engenheiro Mauricio dos Santos Neves pela pesquisa sobre a legislação internacional, do Gerente de Informações do BNDES Rosiney Zenaro, da estagiária de economia Morine Alves Fonseca e dos bibliotecários Arthur Adolfo Guarido Garbayo e Maria de Lourdes de Jesus, bem como da Associação Brasileira da Indústria de Radiodifusão (ABIRD), da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), da emissora de televisão Top Cultura de Ouro Preto e das empresas Gober, Linear e Lys-Electronic. Novembro de 2000

2

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO HISTÓRICO ASPECTOS TÉCNICOS Definição de TV Digital Da TV Analógica ao DTTB Descrição dos Sistemas Disponíveis Aspectos Regulatórios Os Testes do Grupo ABERT/SET O Pleito da ABERT MERCADO MUNDIAL ATSC DVB ISDB-T MERCADO BRASILEIRO Os Consumidores A Indústria de Receptores de TV As Operadoras A Indústria de Transmissores INVESTIMENTOS BALANÇA COMERCIAL AÇÃO DO BNDES PROPOSTAS DE AÇÃO CONCLUSÃO...30 BIBLIOGRAFIA:...32 COMPLEXO ELETRÔNICO

4 1. Introdução A televisão aberta e gratuita, fenômeno brasileiro de audiência, atinge cerca de 90% dos lares do País, superando amplamente a TV por assinatura, cuja penetração é da ordem de 7%. A criatividade nacional é atestada diariamente pela programação gerada pelas redes brasileiras abertas de televisão, a qual possui qualidade reconhecida no cenário mundial e que, por isso mesmo, é exportada há vários anos. Em que pesem todas as críticas que lhe são feitas, a programação brasileira é um inegável sucesso de público, constituindo-se na atividade básica de entretenimento da população, seja por razões circunstanciais, culturais ou financeiras. Apesar desse balanço, no geral favorável à televisão aberta no Brasil, algumas questões devem ser levantadas no tocante ao conteúdo apresentado. Dada justamente à sua elevada penetração, a TV aberta assume grande importância como veículo de entretenimento, informação, cultura e educação. Assim, merecem especial atenção as disparidades culturais e de renda, associadas a especificidades locais ou regionais. Observa-se, freqüentemente, a exibição de valores e padrões de consumo estranhos a grande parte das comunidades, refletindo tão somente o perfil das elites econômicas nacionais ou mesmo padrões estrangeiros. Uma resposta a esta questão poderia estar na regionalização da programação ainda que parcial, para não haver perda do efeito de integração nacional já obtido, a qual poderia sanar parte das disparidades entre conteúdo televisivo e realidade. Note-se que a ambientação da programação fora dos grandes centros urbanos, como nas novelas, por exemplo, aparece como uma tentativa de atenuação de tais disparidades. Entretanto, isto se torna tanto mais distante da verdade quanto maior é a heterogeneidade da população atingida, claramente exemplificada nos fortes contrastes existentes dentro das maiores metrópoles do País. Buscando alternativas, a dramaturgia dá vida a estereótipos, construídos a partir de um certo número de personagens reais e coloca em questão temas sociais em evidência ou outros ainda não suficientemente discutidos. Outro ponto para reflexão é a função de formação exercida pela TV. Embora há mais de vinte anos os psicólogos divulguem estudos que concluem sobre a relação entre a violência assistida na televisão e o aumento de comportamentos agressivos entre a população ainda em formação crianças e adolescentes, não se tem notícia ainda de meios efetivos de controle social, e democrático, sobre a qualidade ética da programação exibida. Os especialistas sabem que, para uma criança, todos os programas são educativos, mesmo aqueles considerados como puro entretenimento pelos adultos. As crianças aprendem não somente comportamentos, mas conceitos estereotipados sobre gêneros, etnias, grupos etários etc., de uma maneira pouco controlável pelos adultos, na medida em que tiram dos programas mensagens diversas daquelas que eles poderiam supor. São igualmente vítimas de propagandas enganosas por não possuírem capacidade COMPLEXO ELETRÔNICO 1

5 de crítica desenvolvida, frente a um veículo movido basicamente por interesses econômicos. Disso podem ser tiradas duas conclusões. Primeiro, o perigo que pode representar a importação indiscriminada de programação estrangeira. Note-se, a esse respeito, que alguns países têm maior vinculação com padrões de comportamento violentos que outros, em função de sua história, cultura e instituições. Não é ocioso apontar, por exemplo, que nos Estados Unidos, tradicional fornecedor de conteúdo para televisão, o direito à posse de armas é tido como absolutamente normal, estando assegurado na Constituição. Segundo, a necessidade de instalação do Conselho de Comunicação Social para regular esses assuntos, entre outros. Na verdade estas questões têm sido discutidas em conjunto no Congresso Nacional, onde tramita uma proposta de emenda constitucional prevendo a abertura do capital das empresas de comunicação a investidores estrangeiros. No Brasil, a Constituição assegura à União a competência para legislar sobre a radiodifusão e ao Congresso a apreciação de atos de concessão de emissoras. Por outro lado, parlamentares de diversas bancadas têm demandado do Ministério das Comunicações uma Lei dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa que defina papéis, direitos e responsabilidades nesse contexto, já que a legislação em vigor data de Na prática, a administração do espectro de freqüências, e também das licitações para novas concessões, vêm sendo feitas pela Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, que submete suas propostas ao Ministério das Comunicações e ao Congresso Nacional. É com este pano de fundo que inicia-se no Brasil a discussão sobre a televisão digital, a qual pode vir a possibilitar grandes avanços, desde a qualidade da transmissão e recepção, passando pela elevação do número de canais disponíveis e chegando até à interatividade, o que pode levar a maioria dos espectadores a deixarem para trás seu papel meramente passivo diante desta mídia. Coube à ANATEL dar a partida no processo de definição de um padrão de modulação digital principal parâmetro tecnológico, no caso para a televisão aberta. Três sistemas lutam por essa escolha um americano, um europeu e um japonês. As emissoras e as indústrias brasileiras, incluindo as de origem ou sede nos E.U.A., no continente europeu e no asiático têm se posicionado ativamente, realizando testes e promovendo debates. Deflagrando essa movimentação está a determinação da ANATEL de resolver os inúmeros problemas de recepção do sinal de televisão como chuviscos, fantasmas etc., muito comuns nas periferias das cidades e na recepção de canais outros que não aqueles aos quais está ajustada a antena, como será visto na seqüência. Por outro lado, pelo simples fato de se estar lidando com uma tecnologia digital, surgem inúmeras possibilidades de utilização além da simples transmissão de imagem e som. A coexistência de até quatro sinais de TV distintos em um mesmo canal, a transmissão de dados, a transformação do aparelho receptor em um terminal interativo COMPLEXO ELETRÔNICO 2

6 são algumas das características dessa tecnologia, as quais já vêm sendo exploradas comercialmente no mundo, ainda que de forma incipiente. Busca-se analisar, no presente estudo, os impactos da decisão a ser tomada pela ANATEL e, na sua continuidade, do modelo de negócios a ser adotado sobre o padrão de competição nas indústrias de transmissores e receptores. Afinal, trata-se de, a médio prazo, substituir todos os links de transmissão, estimados em 500 milhões de dólares, e toda a base instalada de televisores, atualmente da ordem de 50 milhões de aparelhos. São também apresentadas considerações sobre a evolução da Balança Comercial brasileira e suas projeções e, por fim, propostas de ação para o BNDES e as instituições brasileiras. Todavia, vale ressaltar que a introdução da televisão digital só se justificará na medida em que o seu uso for difundido por toda a sociedade, a exemplo do que foi feito pela televisão analógica. A esta, enquanto atividade de radiodifusão, se pode creditar o papel de um dos fatores de integração nacional, por propiciar que todo um país de dimensões continentais e carente de infra-estrutura de transportes, de norte a sul, fale a mesma língua e discuta os mesmos principais assuntos. 2. Histórico O surgimento da TV digital se deu em função do desenvolvimento da TV de alta definição (HDTV) no Japão e na Europa, há mais de uma década. O Japão foi pioneiro em programas de alta definição, mas por via analógica. Nos Estados Unidos, a movimentação em torno da TV de alta definição começou em 1987, com o reconhecimento por parte do governo e das emissoras da importância tecnológica e estratégica do serviço. Em 1991 o Federal Communications Commission (FCC) estabeleceu os princípios gerais a serem observados quanto ao emprego da tecnologia digital. Muitas empresas concorreram com propostas diferentes, mas, depois de vários testes, foi conseguido um consenso entre os desenvolvedores dos quatro melhores sistemas e, em 1993, foi formada a Grande Aliança. Foi proposto um sistema comum, que aproveitava características individuais de cada proposta. Esse sistema foi recomendado pelo comitê consultor no final de Em 1996, o FCC adotou o padrão ATSC (Advanced Television Systems Committee) para TV digital. No final de 1998 iniciaram-se, nos E.U.A., as primeiras transmissões digitais. Já na Europa, ao final de 1991, as empresas transmissoras, as produtoras de equipamentos eletrônicos e os órgãos reguladores começaram a discutir a formação de um grupo para examinar a viabilidade do desenvolvimento da televisão digital, o European Launching Group ELG. O ELG se expandiu e passou a incorporar outros grupos, tanto públicos quanto privados, interessados no assunto. Foi feito um MoU (Memorandum of Understanding), COMPLEXO ELETRÔNICO 3

7 estabelecendo as regras a serem seguidas pelos participantes do ELG. Todos os participantes assinaram o MoU em setembro de 1993, e o ELG passou a se chamar Digital Video Broadcasting DVB. Nessa época foi feito um estudo sobre a viabilidade e perspectivas da TV digital terrestre na Europa, introduzindo questões como o fornecimento do serviço a diferentes mercados consumidores ao mesmo tempo. O DVB tinha por objetivo desenvolver um sistema digital completo baseado num só padrão para vários países, cada um com características específicas, como sua geografia, por exemplo. No final de 1995 ocorreram as primeiras transmissões digitais na Europa. Um dos países não europeus a adotar o sistema de DVB foi a Austrália. Lá, o órgão responsável pela área de transmissão, Australian Broadcasting Authority (ABA), nomeou um grupo de especialistas em televisão digital terrestre, que após estudarem o sistema recomendaram sua adoção no País. No Japão, foi criado, em 1995, com o apoio do governo japonês, redes de TV e principais indústrias do setor, o Advanced Digital Television Broadcasting Laboratory (ADTV-LAB), com o objetivo de digitalizar as transmissões de TV no país. O padrão de modulação adotado foi o europeu COFDM e o orçamento aprovado para ser usado no desenvolvimento de tecnologia foi de 30 milhões de dólares, ao longo de quatro anos. Em 1997, foi formado o Digital Broadcasting Experts Group (DIBEG), em cuja constituição estão presentes as mesmas entidades anteriores e também grandes empresas não japonesas. Seus principais objetivos são a promoção de intercâmbio de informações técnicas e a cooperação internacional. Somente em 1999 foi criado o padrão japonês de TV digital, o ISDB Integrated Services of Digital Broadcasting. Os trabalhos de desenvolvimento desse padrão encontram-se mais adiantados no segmento via satélite, cuja operação está prevista para iniciar-se no final de Quanto à transmissão digital terrestre, os primeiros testes foram realizados em 1999 e estima-se que esta fase será concluída em Aspectos Técnicos 3.1. Definição de TV Digital Trata-se de um sistema de radiodifusão televisiva que transmite sinais digitais, em lugar dos atuais, analógicos. É um sistema mais eficiente, no que diz respeito à recepção dos sinais, pois, na transmissão analógica cerca de 50% dos pontos de resolução de uma imagem se perdem e, portanto, apenas metade deles são recebidos nos lares. Já a transmissão digital permite que a íntegra do sinal transmitido pelas emissoras seja recebido pelos televisores domésticos. Isto significa uma sensível melhora na qualidade da imagem, que se torna também imune a interferências e ruídos, ficando livre dos chuviscos e fantasmas. A transmissão digital de sinais se traduz, ainda, em som de qualidade idêntica àquela obtida com um CD (Compact Disc). COMPLEXO ELETRÔNICO 4

8 Essa nova tecnologia, pelo fato de ser digital, permite a interatividade do sistema com o telespectador, que passa da passividade a uma atitude ativa frente à s transmissões. A televisão digital permite a navegação na Internet, o comércio eletrônico, a transmissão de programas on demand e a comunicação através da TV. A interatividade traz consigo a necessidade de retorno, ou seja, que a comunicação flua também no sentido do receptor ao emissor do sinal, diferentemente do que ocorre nas transmissões analógicas. Os sistemas existentes provêem esse retorno através de linha telefônica comum, porém já há estudos no sentido de que ele seja feito via telefonia celular. Comumente a transmissão digital terrestre de TV é designada por DTTB (Digital Terrestrial Television Broadcasting). Na nova transmissão, os sinais de som e imagem são constituídos por uma seqüência de bits (binary digits), que, pela sua natureza digital, são tratados como dados. Esse sinal de televisão pode ser comprimido com outros sinais antes de ser transmitido. No receptor, todo o conjunto de sinais é descomprimido e convertido. Desta forma, na banda de freqüências ocupada por um canal 6MHz no caso brasileiro -, onde cabe apenas um sinal de televisão analógica, podem ser veiculadas diversas transmissões simultâneas. O sistema de modulação é o responsável pela alocação de um sinal de televisão, sempre de mesma largura (por exemplo, 6MHz), como é o de uma emissora qualquer, em diferentes freqüências do espectro. Por exemplo, a correspondência entre os canais VHF e as respectivas faixas de freqüências ocupadas é a seguinte: Limites de freqüência Canal VHF (MHz) 2 54 a a a a a a a a a a a a 216 As modalidades mais conhecidas de televisão digital são a SDTV (Standard Definition Television) e a HDTV. A primeira é um serviço de áudio e vídeo digitais, comumente na relação de aspecto 4:3 (largura:altura da imagem), cujos aparelhos receptores possuem um número de linhas de 408, semelhante à da TV analógica, com 704 pontos em cada uma. A HDTV, cuja imagem possui formato 16:9, é recebida em aparelhos com 1080 linhas de definição e 1920 pontos em cada uma delas. Entre esses dois sistemas existe a EDTV, TV de média definição, que possibilita a utilização de COMPLEXO ELETRÔNICO 5

9 aparelhos com 720 linhas de 1280 pontos. Algumas classificações consideram a EDTV já como televisão de alta definição (HDTV). O HDTV necessita de uma taxa de transmissão de dados (bits por segundo) bem mais elevada do que a do sistema SDTV, apresentando como principal vantagem a sua nitidez, uma vez que possui um número total de pontos por tela maior do que seis vezes o do outro sistema. Por outro lado, a elevada taxa de transmissão de dados da HDTV leva à ocupação de quase toda a banda do canal com um mesmo sinal de televisão. Já a SDTV, pelo fato de poder operar a uma taxa menor, permite que numa mesma banda sejam transmitidos até quatro canais de televisão, ou um menor número de canais de TV e vários canais de dados. A figura mostra como na faixa hoje ocupada por um único canal de televisão analógica, de largura igual a 6MHz, podem ser transmitidos, por exemplo: um canal de HDTV com alta qualidade (HD HQ) mais um canal de dados (D); ou um canal de HDTV com média qualidade (HD MQ) mais um canal de SDTV (SD) mais um canal de dados; ou quatro canais de SDTV mais um canal de dados. POSSIBILIDADES DA TRANSMISSÃO DIGITAL Fonte: ABERT/ SET (ANATEL) 3.2. Da TV Analógica ao DTTB Desde o início da transmissão analógica de sinais de TV, foram criados 14 sistemas, tendo o número de linhas horizontais variado, em valores teóricos, entre 405 e 819. Atualmente, existem três sistemas de transmissão de sinais para televisão: NTSC, PAL e SECAM. O sistema NTSC, utilizado pelos Estados Unidos, Canadá, Groenlândia, Japão e outros países das Américas, possui 525 linhas horizontais e velocidade de 30 quadros por segundo. Na medida em que cada quadro de vídeo é constituído por dois campos, esse sistema possui 60 campos, tendo sido escolhido esse padrão em função de o sistema elétrico ser de 60 Hz (60 ciclos por segundo). Mais da metade do mundo utiliza os sistemas PAL Europa Ocidental exclusive França e SECAM França e países vizinhos, além da C.E.I. (ex-urss). Estes sistemas possuem 625 linhas horizontais e velocidade de 25 quadros, ou seja, 50 campos por segundo. No quesito número de linhas, os sistemas PAL e SECAM propiciam imagens COMPLEXO ELETRÔNICO 6

10 mais nítidas do que o NTSC. Entretanto, em termos de velocidade (quadros por segundo), o padrão NTSC apresenta nível de trepidação de imagem (flicker) ligeiramente menor. Por outro lado, a conversão para vídeo, a partir de filmes de cinema, é mais fácil nos sistemas PAL/SECAM, em virtude do padrão internacional cinematográfico ser de 24 quadros por segundo, valor muito próximo dos 25 quadros desses sistemas. No Brasil é utilizado o PAL-M, ou seja, a adaptação do sistema de origem alemã PAL à s peculiaridades brasileiras. Como nossa energia elétrica é gerada em 60Hz, aqui também se usam as 60 varreduras por segundo, entrelaçadas, que dão origem aos 30 quadros por segundo. O M refere-se ao número de linhas, 525, configurando uma solução híbrida. Observe-se que a diversidade de padrões de transmissão de sinais de TV, anteriormente descrita, faz com que o intercâmbio de programas entre países que utilizam sistemas distintos requeira processo de conversão eletrônica, conhecido como transcodificação. Mais recentemente, através de equipamentos específicos e da utilização de tecnologia digital, esse processo foi bastante facilitado, contribuindo para isso também a existência de receptores (TVs e gravadores de videocassete) multi-sistema. Os principais sistemas de transmissão digital evoluíram dos padrões norteamericano (ATSC, de 1993) e europeu (DVB, de 1993). No fim de 1999, o Japão desenvolveu seu próprio sistema (ISDB), a partir do padrão europeu. Certamente a maior vantagem da transmissão em sistema digital é o fato de não haver perdas em termos de qualidade do sinal, ou seja, o número de linhas horizontais no canal de recepção, mesmo em modo SDTV, é superior a 400, sendo idêntico àquele proveniente do canal de transmissão. Nos sistemas analógicos, em função das perdas, a definição dos transmissores (aparelhos de TV e gravadores de vídeo-cassete) atinge, na prática, somente 330 linhas horizontais, ou seja, ocorre uma perda da ordem de 50%. É importante observar, contudo, que a transmissão digital de TV, se propicia uma recepção sempre de alta qualidade, exige condições de cobertura e robustez do sistema muito mais críticas para fazê-lo. Na transmissão analógica, localidades distantes dos transmissores com sinal fraco - ou que enfrentam vários obstáculos no seu percurso, como morros ou prédios, podem exibir imagens cheias de fantasmas e chuviscos. Entretanto, essas mesmas localidades podem não acusar a recepção de qualquer sinal de TV se o sistema digital utilizado não possuir alta robustez ou não for cuidadosamente configurado. Observe-se que a transmissão digital de TV é binária: excelente recepção ou nenhuma recepção (tela negra), não há estados intermediários Descrição dos Sistemas Disponíveis O ATSC foi desenvolvido pelos Estados Unidos, sob plataformas proprietárias, utilizando a técnica de modulação 8VSB (Vestigial Side Band) e concebido para funcionar na faixa de 6 MHz, além de utilizar o sistema de áudio proprietário Dolby / AC-3. Desde o início, esse padrão pretendia contemplar o HDTV, sendo sua definição de linhas horizontais. Por outro lado, o 8VSB não possibilita a recepção através de aparelhos móveis. COMPLEXO ELETRÔNICO 7

11 O sistema DVB foi resultante do trabalho conjunto de vários países, sendo utilizado o padrão de modulação COFDM (Coded Orthogonal Frequency Division Multiplexing), o qual pode operar com faixas de 6, 7 e 8 MHz. Suas principais características são: o sistema de áudio sob plataforma aberta (MPEG-2), três tipos diferentes de modulação de vídeo (QPSK, 16QAM, 64QAM), compatibilidade com os principais padrões analógicos atuais (PAL, SECAM e NTSC) e possibilidade de transmissão para receptores móveis. Ressalte-se que esse sistema foi concebido com três especificações, para as modalidades de transmissão terrestre (DVB-T), por cabo (DVB-C) e satélite (DVB-S). Inicialmente, a sua implantação não contemplou a HDTV, na medida em que ainda não possui escala comercial compatível, o que resultaria em receptores de alta definição com preços proibitivos. Entretanto, o DVB disponibiliza, desde o começo, imagens e sons de melhor qualidade que os analógicos, além de interatividade com o telespectador. Já estão em operação os primeiros serviços de valor adicionado (transações de Internet e comércio eletrônico, por exemplo), prevendo-se para mais adiante a transmissão em modo HDTV. O ISDB foi desenvolvido pelo Japão, a partir do DVB, utilizando a segmentação do espectro de freqüência de transmissão de sinais, o que redunda em ocupação flexível dos canais. Isto significa que há possibilidade de veiculação simultânea de vários programas e serviços. Além dos tipos de modulação de vídeo definidos pelo DVB, permite também a utilização do DQPSK. Sua premissa de privilegiar a mobilidade dotou o padrão de uma maior robustez, ou seja, imunidade a interferências. Em sua versão para transmissões pela via terrestre é conhecido como ISDB-T Aspectos Regulatórios As políticas regulatórias para a TV têm-se defrontado com três questões críticas: a) garantir que as transmissões digitais serão regidas por regras técnicas que evitem interferência nociva com outros serviços usuários do espectro eletromagnético, bem como homologar tecnologia que garanta qualidade do serviço, considerando-se aspectos de viabilidade econômica; b) gerenciar o espectro de freqüências um bem escasso outorgando licença limitada em número de canais quando a demanda excede a capacidade disponível; c) formular política para o desenvolvimento da cadeia como um todo, da produção à recepção, com ênfase na condução do processo de transição tecnológica e mantendose a competição em todos os segmentos atuantes da cadeia produtiva. Nos E.U.A., as regulamentações acontecem nos níveis: federal, através do FCC; estadual, através das Public Utilities Commission (PUCs); complementar, tanto federal como estadual, pelas instituições antitruste. Em 1996, com a efetivação da nova Lei de Telecomunicações (Telecom Act), a FCC ganhou força para centralizar a direção regulatória no caminho da criação de rápida competição na indústria, com base no fomento à convergência, tanto tecnológica como de mercados entre várias indústrias (telecomunicações, tecnologia da informação, mídia e entretenimento). COMPLEXO ELETRÔNICO 8

12 No segmento de televisão digital, o FCC agiu centrando-se em ações de gestão (alocação e recuperação) de espectro, criação de cronogramas para a transição entre as tecnologias analógica e digital, e ajuda na condução da transposição de barreiras de ordem técnica, homologando padrões desenvolvidos e esperando que os próprios agentes iniciassem seus planos de negócio para o lançamento das transmissões digitais, fossem eles motivados por adesões ou por obrigações. Uma das primeiras questões abordadas pelo FCC tratou da introdução da TV digital por meio da alocação de um segundo canal às operadoras já existentes, sendo estas as únicas elegíveis para esse serviço durante o período de transição. Pelo canal analógico os consumidores continuam a receber a programação tradicional, enquanto que pelo canal digital podem receber novos serviços em receptores digitais ou fazendo uso de aparelhos de conversão especiais (set top boxes), os quais permitem que os programas digitais possam ser assistidos em aparelhos analógicos. Desta forma, as faixas de espectro necessárias a cada um dos canais digitais sempre de 6 MHz de largura - devem ser alocadas dentro da banda já destinada à transmissão de TV aberta, sendo esta transmissão dupla denominada simulcasting. Além da regulamentação do cronograma para implantação da TV digital, foi também definida a quantidade de horas de transmissão digital durante o período de transição. Foi regulamentada ainda a recuperação, ao final da transição, do espaço espectral destinado ao serviço analógico. De uma maneira geral, a discussão regulatória nos E.U.A. tem sido intensa no que tange à criação de regras para reger a transição. Entretanto, a aceitação mercadológica da TV digital não obteve o mesmo sucesso. Por enquanto, nem os anunciantes nem os consumidores estão dispostos a pagar um preço prêmio por um serviço que agrega valor fundamentalmente apenas na qualidade de som e imagem, sendo ainda incerto um mercado para as produtoras que justifique os investimentos e o aumento dos custos operacionais. Com pouca programação, fecha-se um ciclo negativo onde é também inexpressivo o interesse do mercado de equipamentos para recepção. Assim sendo, o FCC precisará exercer seu papel articulador para mais uma discussão entre os atores envolvidos, devendo esta transcender a simples questão tecnológica ou de cronograma. Precisam ser elaborados planos de negócio que viabilizem a penetração da tecnologia, potencializando interatividade e novas oportunidades de serviços, tornando rentável a realização de investimentos que possam obter retornos atrativos no longo prazo. Já o continente europeu, representado pelos países membros da Comunidade Européia (CE), tem concentrado sua regulamentação de telecomunicações na direção de liberalização dos mercados, tentando mudar o padrão histórico vigente de monopólio. A CE estabelece a obrigatoriedade de constituição de autoridades regulatórias nacionais (NRAs), cuja responsabilidade, contudo, tem um caráter subsidiário. Em geral, os reguladores europeus não têm atribuições sobre os segmentos de TV e mídia, cuja COMPLEXO ELETRÔNICO 9

13 responsabilidade cabe a órgãos do governo de cada país, divergindo, portanto, do caso americano. Primeiramente, a CE centrou-se no estabelecimento das diretrizes para regulamentação tecnológica, visando garantir a integração entre equipamentos usados ao longo da cadeia. A partir de 1997, contudo, ela iniciou o estudo da convergência dos setores de telecomunicações, comunicação social e tecnologias da informação e seus reflexos sobre a regulamentação. Esta vem sendo conduzida de forma flexível pelos países membros da CE, porém com ações que possibilitaram a boa aceitação da TV digital no mercado, principalmente no Reino Unido. O modelo europeu está fortemente baseado na estrutura de competição já existente nos diversos países, tendo a TV digital se constituído em diferencial para entrantes ou para expansão da base paga analógica. Inicialmente têm sido focadas as transmissões por satélite e por cabo, mesmo nos países onde existe presença significativa da TV aberta. Isto mostra que ainda não estão claros quais são os modelos de negócio sustentáveis para as emissoras abertas, embora deva-se considerar que parte da explicação está ligada ao próprio desenvolvimento tecnológico anterior dos padrões para satélite. Quanto ao Brasil, ainda não existe legislação específica sobre a transmissão digital de TV Os Testes do Grupo ABERT/SET Desde 1994, um grupo formado pela Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET) e Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), estuda a passagem do atual sistema de radiodifusão analógico para o padrão digital. A ANATEL, órgão regulador do Governo Federal, deu início ao processo de escolha do padrão digital de TV brasileira, através da abertura da Consulta Pública nº 65, de 27 de julho de O objetivo desse procedimento era viabilizar os testes de campo com os sistemas digitais disponíveis. Em novembro de 1998, 17 emissoras manifestaram interesse em participar dos testes, entre as quais a Fundação Padre Anchieta Centro Paulista de Rádio e TV Educativas (SP), SBT e TV Globo. Em seguida, a ANATEL iniciou o processo de contratação de consultorias especializadas para assessoramento em assuntos relativos à TV digital, com destaque para a Universidade Mackenzie (SP) e a Fundação CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (ex-telebras). Ressaltese que o relacionamento com a Universidade Mackenzie adveio da aplicação de recursos oriundos de incentivo fiscal, em montante superior a R$ 2 milhões, provenientes da fornecedora de equipamentos NEC do Brasil. Em janeiro de 1999 foi iniciada a importação dos equipamentos, sendo que os primeiros testes de laboratório ocorreram a partir de setembro desse mesmo ano. Os testes de campo foram realizados durante janeiro de 2000, em São Paulo,. A seguir, entre os meses de fevereiro e junho de 2000, houve demonstrações em diversos shopping centers brasileiros Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Belém (PA), entre outros COMPLEXO ELETRÔNICO 10

14 ao que seguiram-se visitas da ANATEL a entidades representantes dos três padrões testados, além de órgãos reguladores do serviço de radiodifusão, em vários países. Os testes realizados, tanto de laboratório quanto de campo, envolveram os três sistemas, muito embora nas fases de planejamento e de início dos testes o padrão japonês ainda sequer existisse. Na medida em que deve haver um período de transição prolongado, estimado entre 6 e 10 anos, com transmissão simultânea de canais nos padrões analógico (atual) e digital, uma das variáveis estudadas foi a interferência entre canais contíguos, sendo um deles analógico. Além de outros tipos de interferência, foram analisados os comportamentos das variáveis cobertura do sinal transmitido e condições domésticas de recepção, além da transmissão de sinais para receptores móveis. Também foi estudado o desempenho dos sistemas, no que diz respeito à disponibilidade e eficiência dos mesmos, através da variável intensidade de campo. Em fevereiro de 2000, como um dos primeiros resultados dos testes, concluiu-se que a modulação 8VSB, adotada como padrão americano, não atendia às necessidades do telespectador brasileiro pelo seu desempenho insuficiente na recepção doméstica, especialmente quando são utilizadas antenas internas. Este fato ensejou que a ANATEL colocasse em consulta pública a utilização, na futura TV digital brasileira, do COFDM, comum aos padrões europeu e japonês. O relatório final dos testes de TV digital, publicado em maio de 2000, confirmou o melhor desempenho dos padrões europeu e japonês, além do desempenho insuficiente do padrão norte-americano nos quesitos transmissão de sinais em áreas de sombra e para receptores móveis. Mais ainda, o padrão japonês, foi julgado superior ao sistema europeu, no que diz respeito à recepção de sinais televisivos em ambientes fechados, assim como pela sua flexibilidade para recepção de programas ou para acesso a serviços, através de terminais fixos ou móveis. Em 31/07/2000, a ANATEL encerrou a discussão técnica sobre o padrão de TV digital a ser adotado no Brasil através da consulta pública nº 237. Havia expectativa de que esse órgão se pronunciasse quanto à escolha do padrão nacional no mês de setembro de Entretanto, deverá ainda ser realizada uma audiência pública para comentários relativos ao relatório final dos testes de TV digital, além de prazo adicional para réplica desses comentários, fazendo com que a decisão seja adiada para o final do ano. Além disso, segundo a ANATEL, antes da definição do padrão nacional haverá uma análise do espectro de freqüências, visando ao planejamento e alocação dos canais de televisão digitais, que devem coexistir com os analógicos, bem como a definição dos serviços de valor agregado que serão prestados, como o provimento de acesso à Internet e a realização de transações de comércio eletrônico. Ressalte-se que essa escolha deverá levar em consideração não somente aspectos técnicos, mas também os ganhos em termos de qualidade da programação, som e imagens para o cidadão brasileiro. Adicionalmente, a Agência deverá considerar os impactos da escolha do padrão da TV digital brasileira sobre os setores de radiodifusão, bens eletrônicos e informática, além das implicações nos sistemas de TV paga. COMPLEXO ELETRÔNICO 11

15 Desta forma, estima-se que nos primeiros meses de 2001 a ANATEL estabeleça um plano básico de canais no padrão digital, em coexistência com os canais analógicos, e dê início à outorga das concessões. Consequentemente, as primeiras transmissões da TV digital brasileira, em caráter experimental, deverão ocorrer no segundo semestre de O Pleito da ABERT O relatório final dos testes do grupo ABERT/SET apresentou apenas conclusões técnicas, frisando que a escolha do padrão brasileiro deveria levar em consideração também fatores econômicos diversos, de forma a propiciar a rápida disseminação da TV digital por todas as camadas da população. Nesse sentido, a ABERT apresentou ao Governo sugestões sobre aspectos regulatórios e tecnológicos. Um dos mais relevantes pontos abordados é a necessidade de entendimentos entre o Brasil e o país ou grupo detentor da tecnologia do padrão escolhido, antes da divulgação do mesmo, para que não haja tratamento discriminatório na transferência de tecnologia aos fabricantes nacionais e ao fornecimento direto de equipamentos e componentes. Ela propõe, ainda, a participação ativa de representantes do Brasil no organismo responsável pelo desenvolvimento do padrão adotado, sugerindo uma ação junto aos demais países sul-americanos no sentido de haver a opção por um padrão comum de televisão digital. A ABERT pleiteia também a abertura de linhas de financiamento específicas para operadoras e apoio à s fabricantes de receptores de TV, enquanto, por outro lado, solicita a criação de ex tarifários (redução substancial de alíquotas) para importação de equipamentos de transmissão sem produção nacional. Finalmente, essa associação defende um cronograma flexível de implantação do padrão brasileiro de TV digital, compatibilizando interesses e características tanto dos fabricantes de receptores quanto das emissoras. 4. Mercado Mundial O desenvolvimento da TV digital é ainda muito recente, o que faz com que a sua penetração no mundo seja baixa, estando cada tecnologia praticamente restrita ao território que lhe deu origem. Assim, são apresentados alguns dados sobre os três sistemas, seus graus de utilização atual e sobre a transmissão de televisão nesses territórios. Os preços para os produtos receptores que vêm sendo praticados ou suas estimativas são todos altamente dependentes de escalas de produção que, como se verá, não é maciça em nenhum lugar. É a escala que determina a produção de componentes específicos os quais, por sua vez, levam ao barateamento do produto. Embora já existam chips demoduladores para os três sistemas, protótipos no caso japonês, ainda não se consegue saber de que forma evoluirá a integração dos vários blocos de funções dos receptores digitais. Isto é válido tanto para os set top boxes quanto para os televisores. Além disso, é importante lembrar que o principal item de custo dos televisores é, no caso analógico, e continuará sendo, na tecnologia digital, o cinescópio ou outro tipo de tela que possa ser adotado. COMPLEXO ELETRÔNICO 12

16 Por fim, os próprios sistemas estão em transformação. Suas especificações vêm sendo alteradas e há apenas uma definição parcial sobre o leque de aplicações ou de tipos de serviço que a transmissão digital de TV viabilizará ATSC O sistema ATSC, criado nos E.U.A. por um grupo de empresas a partir de uma demanda do FCC, tornou-se internacional em 1996, possuindo atualmente cerca de 200 membros. Tal sistema foi adotado nos próprios E.U.A., no Canadá, em Taiwan e na Coréia do Sul. É interessante observar que a empresa detentora da patente da modulação de vídeo adotada pelo sistema ATSC é a Zenith, a qual, mais recentemente, foi adquirida pela coreana LG. A Argentina chegou a optar pelo padrão ATSC, porém, antes que qualquer investimento fosse feito, o novo governo resolveu revogar a decisão anterior, aguardando uma maior definição do cenário internacional. O sistema americano visava inicialmente a veiculação da HDTV, embora permita também a transmissão de SDTV e de canais de dados para a implementação da interatividade. O serviço de TV digital foi lançado nos E.U.A. em novembro de Desde o início, foi exigido pelo FCC que as principais redes de televisão cumprissem um programa de áreas de cobertura crescentes. Segundo a U. S. National Association of Broadcasters, em julho deste ano, o sistema estava em operação em 52 cidades, sendo operado por 148 estações, eqüivalendo a uma cobertura de 64% dos lares americanos com TV. Cabe ressaltar, entretanto, que existem nos E.U.A. cerca de 1600 estações analógicas, ou seja, apenas 9% das estações ativas são digitais. Além disso, menos de 20% da população assiste à televisão terrestre (off-air), sendo a penetração da TV a cabo da ordem de 70%. As principais redes que, hoje, veiculam programas em HDTV são a CBS, ABC, NBC e PBS, esta última uma rede educativa. Em que pese o interesse do governo americano, a produção de novos programas em HDTV é ainda muito pequena, sendo assim transmitidos, em geral, apenas filmes e competições esportivas. No início de 2000, eram oferecidas aos espectadores americanos não mais que 100 horas de programação digital por semana, somando-se aí todas as redes citadas e as transmissões por assinatura, via cabo e satélite (DTH Banda Ku). Vale observar que a adoção do padrão ATSC na TV a cabo é incipiente, enquanto que na TV paga via satélite vem sendo adotada apenas para a transmissão de filmes e de serviços como o pay per view. Algumas operadoras de televisão aberta (broadcasters), principalmente a Sinclair, pleitearam a utilização do padrão COFDM, tendo em vista os problemas técnicos não resolvidos do padrão americano, porém isto lhes foi negado pelo FCC. A orientação do governo tem sido a de que os receptores deverão ser aperfeiçoados no sentido de sanar COMPLEXO ELETRÔNICO 13

17 quaisquer inadequações técnicas. Entretanto, como tem sido dito por consultores da ABERT, alguns desses problemas são inerentes à forma de modulação do sinal, responsabilidade somente da fonte emissora, que segue determinações do padrão. Os transmissores ATSC diferem dos analógicos e dos digitais dedicados a outros sistemas apenas na parte referente à modulação módulo de modulação. Assim, um fabricante de transmissores pode adquirir apenas esse módulo da Zenith, por exemplo, para poder ofertar o seu produto. Quanto aos receptores, não somente a Zenith os produz, mas também diversas grandes indústrias mundiais como as japonesas, as européias e as coreanas. No mercado americano, estão disponíveis os seguintes produtos: set top boxes, receptores digitais integrados e placas de PC, todos aptos a receber tanto HDTV quanto SDTV. O preço de um set top box caiu 50% nos dois últimos anos, sendo atualmente de 649 dólares. Esperase que esse preço caia ainda mais, atingindo 450 dólares em breve. Já o receptor digital integrado pode ser adquirido por um mínimo de dólares. O cartão plug in para PC, que permite assistir televisão no microcomputador, varia entre 200 e 300 dólares. De acordo com a Consumer Electronics Association, no primeiro semestre de 2000 foram vendidos 50 mil set top boxes e receptores digitais integrados. Foram vendidos também 250 mil receptores com entrada digital (digital prepared), porém isto não caracteriza um movimento que visa a recepção de TV digital aberta e, sim, o uso de aparelhos DVD. Aliás, estatísticas de julho de 2000 mostram que, dos 100 milhões de domicílios americanos com TV, menos de 1% possuem televisores digitais. Apesar das restrições técnicas do sistema de modulação americano, reveladas pelo relatório da ABERT/SET, o padrão ATSC possui uma característica de valor inegável: uma camada de software com interface aberta o DASE (DTV Application Software Environment), que permite que as aplicações e os serviços interativos sejam executados normalmente em qualquer receptor. Além disso, o modelo de negócio adotado, que permite a concorrência não apenas entre operadoras, mas também entre fabricantes de receptores, é um exemplo que deve ser considerado na definição do serviço a ser feita pela ANATEL após a escolha do padrão de modulação DVB O sistema DVB foi criado, em 1993, por um consórcio de países europeus, visando principalmente a multiplicação de canais, já que a televisão digital permite que a mesma banda que comporta apenas um canal analógico transporte até quatro canais digitais de mesmo formato (SDTV). A flexibilidade do sistema foi também contemplada na sua definição, de forma que através de alguns dos canais simultâneos podem ser veiculados dados, o que propicia o desenvolvimento de aplicações interativas, de Internet etc. É desta maneira, aliás, que a TV digital vem sendo utilizada na Europa, especialmente na Inglaterra, onde ela é mais difundida. COMPLEXO ELETRÔNICO 14

18 Alternativamente, o sistema DVB permite que, em lugar de até quatro canais de SDTV, seja transmitido um único canal de HDTV, continuando parte da banda reservada para serviços de dados. Além da flexibilidade, a robustez do sistema foi também privilegiada, na medida em que ele necessita atender a uma grande diversidade de geografias e formas de recepção, como são as dos vários países europeus. Apesar de desenvolvido na Europa, desde o princípio o sistema DVB visava o mercado mundial, pois suas especificações são extremamente abrangentes e prevêem condições de utilização distintas das européias. Como exemplo, tem-se que, embora naquele continente a largura de banda de um canal de televisão seja de 8 MHz, o DVB permite a sua utilização com larguras de banda de 7 e de 6 MHz, que é o caso nas Américas. O consórcio DVB possui atualmente, mais de 260 membros, tendo o seu sistema sido adotado, além dos países europeus, pela Austrália, Nova Zelândia, Singapura e Índia. O gráfico adiante mostra o mercado representado pela televisão e sua distribuição segundo a tecnologia de transmissão, em diversos países do continente europeu. O caso brasileiro é apresentado também para permitir uma melhor comparação. Mercado de Televisão por Tecnologia Fonte: Philips e Pay-TV Survey 100% 80% 60% 40% 20% 0% Holanda Alemanha Inglaterra França Espanha Brasil Cabo e MMDS Satélite Terrestre É importante ressaltar que a Inglaterra é o país de maior penetração do sistema DVB terrestre, com cerca de 1 milhão de usuários. Segundo a Datamonitor, em 2004, cerca de 50% do mercado europeu será ocupado pela televisão digital paga por satélite, enquanto que a TV digital por cabo e terrestre ficarão com 34% e 15%, respectivamente. Na Europa, são produzidos 2,5 milhões de set top boxes por ano. Seus preços aos consumidores são subsidiados pelas operadoras, que os fornecem aos assinantes, caracterizando a televisão digital terrestre como um serviço pago. Já os aparelhos de TV, cujas vendas são ainda muito modestas, permitem o acesso a um número crescente de COMPLEXO ELETRÔNICO 15

19 canais digitais gratuitos. Tais aparelhos, SDTV e EDTV, com formato 16:9 e alguns 4:3, possuem um preço que varia de 750 a 3000 dólares. O modelo de negócio adotado a princípio diferia radicalmente do americano. A televisão digital era mais uma modalidade da TV paga, vinculando usuário e operadora e também impedindo a livre concorrência no mercado de receptores: os set top boxes eram proprietários das emissoras, que colocavam a sua fabricação em indústrias escolhidas, e os subsidiavam aos usuários. Já se verifica, contudo, o surgimento de aberturas nesse mercado, na medida em que transmissões gratuitas começam a ser feitas e produtos são ofertados nas lojas, permitindo ao usuário a livre escolha dos receptores. Isto, aliás, só é possível graças à existência de uma camada de software com interface aberta MHP usada por todos os fabricantes, a qual propicia que os serviços interativos sejam realizados por qualquer receptor, substituindo os aplicativos proprietários da TV paga ISDB-T O sistema ISDB-T (para transmissões terrestres) foi criado em 1999, no Japão, por um grupo de empresas, fabricantes e operadoras de televisão e de telecomunicações, capitaneado pelo governo. Seu recente desenvolvimento deu-se como segundo movimento de um trabalho iniciado em 1995 com o objetivo de digitalizar todos os sistemas de transmissão de televisão. Esse trabalho foi iniciado pela transmissão de TV (broadcasting) via satélite, que deverá ser lançada, no Japão, no final do ano de 2000, veiculando HDTV, SDTV, dados e áudio. Para tanto, os aplicativos necessários estão sendo desenvolvidos. Os receptores para a transmissão via satélite já estão sendo disponibilizados nas lojas japonesas, havendo a previsão de que, a médio prazo, todos os aparelhos de TV possam receber, indistintamente, transmissões terrestres, via satélite ou via cabo. Quanto aos receptores para televisão digital terrestre, deverão ser colocados à venda na mesma época do início das transmissões, previstas para 2003 nos três maiores centros urbanos daquele país Tokyo, Osaka e Nagoya, e para 2006 nos demais. Por enquanto, não existe a fabricação desses aparelhos, até porque a documentação técnica para os fabricantes somente deverá estar disponível no último trimestre de Por ser um sistema bastante recente, ainda nenhum outro país, além do Japão, adotou o ISDB-T. Contudo, tal como o europeu DVB, ele foi desenvolvido visando o mercado mundial. O sistema japonês baseou-se nos conceitos do DVB, com um aprimoramento de suas qualidades de robustez e flexibilidade. Esta última permite que sejam transmitidos dados, imagem e som, com tipos de modulação e taxas de transmissão diferentes, configuráveis em até três grupos independentes e reprogramáveis de sinais. Outra vantagem do ISDB-T é o fato de haver sido desenvolvido tendo a mobilidade como pré-requisito, tornando-o adequado para a recepção portátil de dados e imagens. Os produtos que farão uso desta facilidade ainda não foram criados, podendo o sistema ISDB-T ser visto, em parte, como provedor de uma infra-estrutura a partir do qual serão ofertados aparelhos e construídas aplicações ainda não imaginados. COMPLEXO ELETRÔNICO 16

20 O Japão possui tradição em HDTV analógica, sendo, ao lado da França, um dos únicos lugares do mundo onde ela foi efetivamente implantada. Existem lá, atualmente, mais de 840 mil receptores HDTV analógicos, encontrando-se esse número em franco crescimento nos últimos cinco anos. O número total de horas de programação em HDTV no mês de julho de 2000 foi de 511, esperando-se um pequeno aumento para agosto. As transmissões em HDTV privilegiam os documentários, com cerca de 24% das horas de transmissão, porém distribuem-se de forma harmônica entre os demais gêneros, que ocupam, cada um, entre 10% e 14% do tempo de transmissão. No Japão existem 45 milhões de domicílios e uma base instalada de 100 milhões de aparelhos de TV. É interessante observar que, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE, em 1999 o número de domicílios brasileiros era de 43 milhões. A população japonesa é da ordem de 127 milhões de pessoas, enquanto que, no Brasil, existem cerca de 160 milhões de habitantes. Embora a penetração da TV via satélite no Japão seja elevada, algo em torno de 30%, ela representa um adicional de TV paga com programações especiais. Mais de 78% dos lares japoneses são atingidos pela TV terrestre, da qual existem cerca de 15 mil estações de transmissão, sendo de, aproximadamente, 20% a parcela dos lares que assistem TV via cabo. As vendas anuais de televisores no Japão são de 10 milhões de aparelhos por ano. A esse respeito, cabe observar que no Brasil, em 1996, chegou a ser atingida a marca de 8,5 milhões de televisores vendidos, sinalizando o potencial deste mercado, como será visto na seqüência. Quanto aos preços japoneses, foi anunciado que um televisor digital integrado de 36 top de linha será vendido a 5 mil dólares, enquanto que um display HD de 32 custará 2,3 mil dólares. Já os set top boxes deverão ser comercializados com preços entre 500 e 800 dólares. Não há qualquer definição sobre o modelo de negócio que será adotado no Japão, até porque a potencialidade do sistema dá margem à criação de inúmeras possibilidades de aplicações. Embora concretamente ainda não existam os produtos, como os receptores por exemplo, sabe-se que já foram produzidos os chips protótipos específicos para demodulação do ISDB-T. Além disso, somente esse módulo demodulador deverá diferenciar o receptor de qualquer um dos três sistemas, sendo o restante do aparelho sempre idêntico. Tudo isto faz com que o sistema japonês coloque nas mãos de quem o adotar como padrão, ao lado de inquestionáveis vantagens técnicas de robustez e flexibilidade de operação, propiciando o desenvolvimento de novos serviços, a grande responsabilidade de modelar e regular todo o negócio, especialmente no que tange às aplicações ainda não criadas. 5. Mercado Brasileiro Como preparação para a sua decisão, a ANATEL contratou à Fundação CPqD a realização de uma pesquisa com o objetivo de avaliar o mercado de televisão digital brasileiro sob a óptica dos consumidores (telespectadores), das operadoras de televisão COMPLEXO ELETRÔNICO 17

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA A TV digital O surgimento da TV digital se deu em função do desenvolvimento da TV de alta definição (HDTV) no Japão e na Europa, há mais de duas décadas,

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL Walkyria M. Leitão Tavares Consultora Legislativa da Área XIV Comunicação Social, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO SETEMBRO/2001

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência eduardo.barrere@ice.ufjf.br Panorama Em 2011, a TV atingiu 96,9% (http://www.teleco.com.br/nrtv.asp) TV Digital Uma novidade???? TV Digital Resolve

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL AULA: SUPORTE DIGITAL E RADIODIFUSÃO DIGITAL AULA II (PÁGINA 1) RADIODIFUSÃO DIGITAL Tecnologia que utiliza sinais digitais para transmitir informação através de ondas eletromagnéticas através da modulação

Leia mais

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital 2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital Neste capítulo, serão abordados os aspectos principais da tecnologia digital e suas conseqüências em termos de mercado consumidor (telespectadores).

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

TV Dig ital - S ocial

TV Dig ital - S ocial Edson Luiz Castilhos Gerente Célula Software Livre - RS Marco Antonio Munhoz da Silva Gestor Projeto TV Digital Social 1 AGENDA O que é TV Digital? Histórico TV Analógica x TV Digital Sistema de TV Digital

Leia mais

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro O conteúdo deste tutorial foi obtido do trabalho elaborado pelos autores Aldilenice e Rodrigo para a etapa de classificação do III Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

A TV Digital no Brasil

A TV Digital no Brasil Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa A TV Digital no Brasil 30 de março de 2007 Ara Apkar Minassian Superintendente SET- São Paulo/SP 30 de março e

Leia mais

TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL PESQUISA DE MERCADO

TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL PESQUISA DE MERCADO TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL PESQUISA DE MERCADO 1. Apresentação A administração brasileira vem se preparando para a implantação das transmissões digitais de sinais de televisão no Brasil. Entre as muitas

Leia mais

Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital

Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital ANA LUIZA RODRIGUES REGINA MISSIAS GOMES Instituto de Ensino Superior de Brasília - IESB analurr@hotmail.com.br regina_missias@pop.com.br

Leia mais

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas TV Digital no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br COMO FUNCIONAVA A TV NO BRASIL? Analógico Analógico

Leia mais

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

Espectro de Radiofreqüências TV Digital

Espectro de Radiofreqüências TV Digital QUESTÕES REGULATÓRIAS Espectro de Radiofreqüências TV Câmara dos Deputados Seminário Internacional TV - obstáculos e desafios para uma nova comunicação Brasília - 16/05/2006 Regulamentação Pertinente LGT

Leia mais

TV DIGITAL: ASPECTOS TECNOLÓGICOS E REGULATÓRIOS

TV DIGITAL: ASPECTOS TECNOLÓGICOS E REGULATÓRIOS TV DIGITAL: ASPECTOS TECNOLÓGICOS E REGULATÓRIOS Gierck Guimarães Medeiros Membro do Grupo de Estudos em Regulação de Telecomunicações Núcleo de Regulação Setorial da Faculdade de Direito da UnB Orientador:

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA. TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA. TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS Como tudo em nossa vida e em nosso mundo evolui, com a tecnologia não é diferente, agora você pode contar com alta definição

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social Desenvolvimento de Aplicações Interativas GINGA NCL e LUA Projeto TV Digital Social Marco Antonio Munhoz da Silva DATAPREV Gestor do Proejeto TV Digital Social AGENDA Divisão dos assuntos em quatro partes

Leia mais

Me Engº Leonardo Ortolan. Me Engº Thiago L. S. Santos

Me Engº Leonardo Ortolan. Me Engº Thiago L. S. Santos TV Digital Me Engº Leonardo Ortolan Me Engº Thiago L. S. Santos Sumário Introdução Desenvolvimento TV Digital: O que é? Padrões de TV Digital TV Digital Brasileira Participação da PUCRS no SBTVD Conclusão

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL Questões Centrais Manoel Rangel, Diretor da Agência Nacional do Cinema. Esta apresentação: De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? O uso do espectro

Leia mais

TV Digital Brasileira O que é? E o que de fato vai mudar?

TV Digital Brasileira O que é? E o que de fato vai mudar? TV Digital Brasileira O que é? E o que de fato vai mudar? Por Edson Almeida Junior eaj@cin.ufpe.br Universidade Federal de Pernambuco posgraduacao@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~posgraduacao RECIFE, AGOSTO

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

A Tecnologia Digital na Radiodifusão

A Tecnologia Digital na Radiodifusão A Tecnologia Digital na Radiodifusão Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO/XERÉM-RJ 27 de outubro de 2006 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são s o aqueles que no passado, perderam

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil

ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil Câmara dos Deputados Seminário Internacional TV Digital obstáculos e desafios para uma nova comunicação Sávio Pinheiro Brasília-DF 16 de Maio de 2006

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

DVB, um modelo mundial para TV digital no Brasil?

DVB, um modelo mundial para TV digital no Brasil? DVB, um modelo mundial para TV digital no Brasil? Eduardo Nascimento Lima Consultor de Estratégias Tecnológicas da área de Comunicações Móveis da Siemens para a região Mersocul. Graduado em Engenharia

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

RÁDIO DIGITAL. Fábio Luis Mendes ESTUDO

RÁDIO DIGITAL. Fábio Luis Mendes ESTUDO ESTUDO RÁDIO DIGITAL Fábio Luis Mendes Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO NOVEMBRO/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

Sistema Brasileiro de Tv Digital: Caminhos percorridos e implantação 1

Sistema Brasileiro de Tv Digital: Caminhos percorridos e implantação 1 Sistema Brasileiro de Tv Digital: Caminhos percorridos e implantação 1 Denise Maria Moura da Silva Lopes 2 Universidade Federal do Piauí Resumo Após 31 anos sem avanços significativos no campo da televisão,

Leia mais

TECNOLOGIA DE DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA RADIOFÔNICO BRASILEIRO

TECNOLOGIA DE DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA RADIOFÔNICO BRASILEIRO Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília DF, 17 de setembro de 2013 Rádio: O serviço de radiodifusão sonora em ondas médias é realizado entre 525 khz

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

Sistemas de comunicação e novas tecnologias

Sistemas de comunicação e novas tecnologias Sistemas de comunicação e novas tecnologias Módulo 3: Capitalismo informacional 3.3: Ascensão da TV paga Esta obra estálicenciada sob umalicença CreativeCommons. Prof. Dr. Marcos Dantas 1948 Pequenos empreendedores

Leia mais

PREFÁCIO 1. UMA NOVA ERA TELEVISIVA

PREFÁCIO 1. UMA NOVA ERA TELEVISIVA ÍNDICE PREFÁCIO...9 1. UMA NOVA ERA TELEVISIVA 1.1. O surgimento da Televisão...15 1.2. Como são feitas as transmissões televisivas...17 1.2.1. Transmissão analógica...17 1.2.2 Transmissão digital...17

Leia mais

A escolha do padrão de TV digital no Brasil

A escolha do padrão de TV digital no Brasil OPINIÃO A escolha do padrão de TV digital no Brasil Wellington Pereira A televisão sempre foi objeto de cobiça e esteve presente, com destaque, nos lares dos brasileiros. Mais de 90% das residências no

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Televisão digital. Substituição analógica para digital. Diferenças entre a TV analógica e digital Conceitos básicos de TV digital

Televisão digital. Substituição analógica para digital. Diferenças entre a TV analógica e digital Conceitos básicos de TV digital Televisão digital Diferenças entre a TV analógica e digital Conceitos básicos de TV digital Alta definição,baixa definição Interatividade Histórico A política do governo Módulos de negócio e cadeia de

Leia mais

Desafios da implantação da TV Digital: adaptações na transição do sistema analógico para o sistema digital

Desafios da implantação da TV Digital: adaptações na transição do sistema analógico para o sistema digital Desafios da implantação da TV Digital: adaptações na transição do sistema analógico para o sistema digital TOMITA, Ivan Y.S. TOMITA, Iris Y. RESUMO A mudança da televisão digital não se limita apenas à

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL

ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL Introdução A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), eletroeletrônico e audiovisual é um dos complexos mais importantes da economia, uma vez que pode proporcionar

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Fundamentos de Sistemas Multimídia Padrões de Rádio Digital Agosto/2006 Jailton Neves Padrões de Rádio Digital Agenda - IBOC In

Leia mais

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp 7-8-2013 Agenda Atribuições e missão da SET Grupos SET de Trabalho Testes e estudos no Japão Proposta de consulta

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som.

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som. TELEVISÃO Temos a definição da palavra TELEVISÃO do grego como tele - distante e do latim visione visão; é um sistema eletrônico de recepção de imagens e som de forma instantânea. Funciona a partir da

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

A Escolha de um Padrão Tecnológico O Exemplo da Televisão Digital no Mercado Brasileiro. Autor: Alexandre Mercadante Cidri

A Escolha de um Padrão Tecnológico O Exemplo da Televisão Digital no Mercado Brasileiro. Autor: Alexandre Mercadante Cidri A Escolha de um Padrão Tecnológico O Exemplo da Televisão Digital no Mercado Brasileiro Autor: Alexandre Mercadante Cidri Resumo Definir um padrão tecnológico no Brasil não é tarefa simples, principalmente

Leia mais

SÃO PAULO - 30 DE NOVEMBRO DE 2007

SÃO PAULO - 30 DE NOVEMBRO DE 2007 SÃO PAULO - 30 DE NOVEMBRO DE 2007 Juliana Baroni em Dance Dance Dance : Band e Globo já produzem novelas digitais Guia de compras Como escolher melhores TVs, conversores e antenas Tudo o que você precisa

Leia mais

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast)

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Yapir Marotta Gerente Geral

Leia mais

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito Banda Larga TV por Assinatura Telefonia Fixa Respeito APIMEC RIO Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2013 A GVT é uma empresa autorizada pela Anatel a prestar serviços em todo o país A GVT tem licença STFC

Leia mais

Implantação e Gestão do Sistema Público de Comunicação

Implantação e Gestão do Sistema Público de Comunicação Implantação e Gestão do Sistema Público de Comunicação Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 21 de Outubro de 2009 Retrospectiva Marcos regulatórios/legislativos

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000 Modifica a Lei n.º 8.977 de 6 de janeiro de 1995. Autor: Deputado JOSÉ CARLOS MARTINEZ Relator: Deputado IRIS

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense.

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense. Padrões de Middleware para TV Digital Este tutorial apresenta o conceito de middleware para TV Digital, os atuais padrões de mercado e uma comparação entre eles, em termos de funcionalidades disponibilizadas.

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

UM PASSEIO PELA NAB 2011. Geraldo Cesar de Oliveira Star One

UM PASSEIO PELA NAB 2011. Geraldo Cesar de Oliveira Star One UM PASSEIO PELA NAB 2011 Geraldo Cesar de Oliveira Star One NAB 2011 em Números Mais de 1500 Expositores 151 países representados 92.708 visitantes cadastrados 25.601 visitantes internacionais Brasil uma

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS2 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS2 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS2 MOURA LACERDA TV por satélite Quando a televisão por satélite chegou ao mercado, as parabólicas domésticas eram unidades metálicas bastante caras, que ocupavam um grande

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013 Lançamento da Coleta Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD investiga anualmente, de forma permanente: características

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 1962 Lei nº 4.117, de 27 de agosto de 1962 Institui o Código Brasileiro de Telecomunicações CBT. 1963 Decreto

Leia mais

SITUAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO JAPÃO

SITUAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO JAPÃO ANEXO 4 SITUAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO JAPÃO 1. Padrão de televisão digital adotado A discussão sobre o sistema de televisão digital terrestre no Japão foi conduzida pelo Telecommunications Technology

Leia mais

Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV

Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV Consulta.net Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV Pequenas e médias agências de publicidade podem ter acesso a dados e relatórios de audiência de TV por meio do Consulta.net,

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

TV Digital e o lugar da Paraíba nessa revolução 03/06/2007

TV Digital e o lugar da Paraíba nessa revolução 03/06/2007 TV Digital e o lugar da Paraíba nessa revolução 03/06/2007 Deisy Fernanda Feitosa Kellyanne Alves Carlos Eduardo Batista* Este artigo é um breve estudo sobre o desenvolvimento e a implantação dos sistemas

Leia mais

competente e registro no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA).

competente e registro no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA). EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO (EBC) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº 5 EBC, 26 DE JULHO DE 2011 A DIRETORA-PRESIDENTA

Leia mais

TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES)

TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES) TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES) Introdução Este trabalho apresenta o modelo brasileiro de telecomunicações, seus problemas e motivos de migração para um sistema digital. São abordados

Leia mais

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Telecom Televisão Digital Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Televisão Digital Terrestre na Europa Aposta clara da UE na Televisão Digital Terrestre

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Suporte: TELECO - Inteligência em Telecomunicações Brasília,

Leia mais

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas ARTIGO O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas AUTORES Antonio Eduardo Ripari Neger Presidente da Associação Brasileira de Internet (ABRANET). Engenheiro formado pela Unicamp, advogado formado

Leia mais

Televisão digital: do Japão ao Brasil 1

Televisão digital: do Japão ao Brasil 1 1 Televisão digital: do Japão ao Brasil 1 Lívia Cirne de Azevêdo PEREIRA * Ed Pôrto BEZERRA ** Resumo Ao longo dos anos, no campo da Comunicação Audiovisual, ocorreram muitas mudanças advindas do surgimento

Leia mais

TV Digital no Brasil: uma realidade não vista por todos os brasileiros 1

TV Digital no Brasil: uma realidade não vista por todos os brasileiros 1 TV Digital no Brasil: uma realidade não vista por todos os brasileiros 1 Gleice BERNARDINI 2 Maria Cristina GOBBI 3 Universidade Estadual Paulista, UNESP, Bauru, SP RESUMO O estudo busca demonstrar a realidade

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCAÇÃO DOS CONSULTORES LEGSLATVOS E DE ORÇAMENTO E FSCALZAÇÃO FNANCERA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGS SSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Os caminhos da TV digital no

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

Admirável. 24 2006 diga lá nº 46

Admirável. 24 2006 diga lá nº 46 Admirável 24 2006 diga lá nº 46 TV nova Cena 1: O espectador, acomodado no sofá de casa, assiste ao filme Matrix, e se apaixona pelos óculos escuros usados por Neo, o protagonista da trama interpretado

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Willians Cerozzi Balan

Willians Cerozzi Balan Willians Cerozzi Balan 1 TV Digital: um pouco de história Geral: Espectro de freqüências Propriedade eletromagnética no planeta permite transporte de ondas eletromagnéticas; Tudo que é sem fio se utiliza

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas LIGADORES DE VIDEO: VGA, DVI, S-VIDEO E COMPONENTE VIDEO José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução

Leia mais

Consulta Pública Anatel

Consulta Pública Anatel Consulta Pública Anatel Relatório sobre assuntos técnicos e de mercado de Televisão Digital (Versão 1.0) Comentários apresentados por: Dolby Laboratories Inc. São Francisco, CA 18 de junho de 2001 1 2

Leia mais

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD)

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Início das transmissões 100% digitais Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 07 de abril

Leia mais

Guia de Consulta Rápida sobre TV Digital Terrestre

Guia de Consulta Rápida sobre TV Digital Terrestre Para mais informações sobre Ministério do Interior e Comunicações Call center sobre TV TEL: 0570-07-0101 Dias úteis, das 9h às 21h, e sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h * Para aqueles que não

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MC/MCT/FINEP/FUNTTEL - 01/2004

CHAMADA PÚBLICA MC/MCT/FINEP/FUNTTEL - 01/2004 CHAMADA PÚBLICA MC/MCT/FINEP/FUNTTEL - 01/2004 QUALIFICAÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE APOIO A PROJETOS NO ÂMBITO DO SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL 1. OBJETIVO O GRUPO GESTOR

Leia mais

DESMISTIFICANDO A CONVERGÊNCIA - O CASO DA RADIODIFUSÃO NO CELULAR

DESMISTIFICANDO A CONVERGÊNCIA - O CASO DA RADIODIFUSÃO NO CELULAR DESMISTIFICANDO A CONVERGÊNCIA - O CASO DA RADIODIFUSÃO NO CELULAR Cláudio Nazareno 1. APRESENTAÇÃO As operadoras de telefonia celular estão distribuindo conteúdo produzido por emissoras de radiodifusão

Leia mais