Engenharia Eletricista, com habilitação em Telecomunicações, pela Faculdade Novo Milênio (2006).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia Eletricista, com habilitação em Telecomunicações, pela Faculdade Novo Milênio (2006)."

Transcrição

1 Estrutura de Transmissão de TV e Internet via Cabo O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Wemberson Rosi para a etapa de classificação do II Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) Este tutorial apresenta uma breve descrição da estrutura de transmissão de TV e Internet via Cabo, considerando técnicas de transmissão analógicas e digitais. Wemberson Rosi Engenharia Eletricista, com habilitação em Telecomunicações, pela Faculdade Novo Milênio (2006). Atuou na MZ Informática Ltda. como Estagiário Técnico em Processamento de Dados, executando atividades de desenvolvimento, instalação e suporte de sistemas, e como Técnico de Manutenção também na MZ Informática Ltda., exercendo atividades de desenvolvimento, suporte, instalação e manutenção de sistemas de controle de tráfego. Atuou também como Auxiliar de Manutenção Planta Interna na Siemens Serviços Técnicos Ltda., exercendo atividades de operação e gerenciamento de sistemas de logística e auxílio de manutenção de sistemas de telefonia fixa. Atualmente trabalha como Técnico de Head End. Atuou também como Assistente de Manutenção de Rede Interna na ESC90 Telecomunicações Ltda., exercendo atividades de vistoria, fiscalização e auxílio à manutenção de sistemas de TV e Internet a Cabo. Categorias: Banda Larga, TV por Assinatura Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 22/10/2007 1

2 TV e Internet via Cabo: Introdução A tradicional recepção de TV através de Antenas individuais em residências vem mudando ao decorrer dos tempos, superada por meios de sistemas de antenas com recepção via satélites e retransmitida via cabo. Uma extensão deste sistema é chamada cabodifusão ou televisão via cabo (Cable Television - CATV)[07]. Os sinais via satélite são recebidos em um local identificado como Head End que recebe os sinais digitais e analógicos de vários canais de TV, e retransmite os mesmos por cabos para vários assinantes através de em sinais analógicos ou digital onde causa uma recepção, maior confiabilidade e, com alternativa de escolha para programas de melhor nível, tendo estética de eliminação de antenas em cima de casas e prédios das cidades. E mesmo tendo boa segurança e qualidade, pode melhorar, pois o mercado vem com novas tecnologias com TV s Digitais visando a melhorar a qualidade da imagem. Esta tecnologia de mercado que cresce ao decorrer dos anos, força as empresas que transmitem sinais analógicos a se adequarem as novas tecnologias, como também, transmitir sinais digitais, para ter compatibilidade com alta qualidade, e sempre visando a necessidade de se adequar as novas tecnologias continuas com qualidade de bons serviços. A rede de TV a cabo é composta de três partes: CMS - Central Multisserviços ou denominada como head-end; Planta de distribuição e unidade de assinante (conversor ou Decoder); Caminhos para aplicações de Internet. 2

3 TV e Internet via Cabo: Central Multisserviços A CMS recebe os múltiplos sinais de TV, VHF e UHF dos canais livres das emissoras de broadcast (ou via fibra óptica direta dos estúdios) e também de geradoras de programas via satélites. Figura 1: Ilustração do sistema de TV e Internet a cabo. Além dos programas já prontos, a CMS faz geração local, padrões de barras coloridas, proteção dos canais codificados para pay-per-view, geração do menu eletrônico da programação de todos os canais (guia eletrônico da malha de programas) e, finalmente, um processamento dos sinais recebidos para condicioná-los para a distribuição. 3

4 Figura 2: Ilustração de uma das formas de sinais recebidos e codificados. Os canais recebidos sob forma codificada são decodificados antes de entrar no processamento interno da CMS. O processamento se faz nas seguintes fases: recebem-se os sinais de TV que a seguir são separados canal a canal e demodulados para separar os componentes de vídeo e áudio. Os canais de vídeo e áudio são encaminhados a uma matriz roteadora que vai alocar os canais nas posições do espectro de RF. Assim, o operador determina onde ficará cada canal no espectro a ser distribuído. Aqueles canais que terão pagamento por assinatura especial (ou pay-per-view), isto é, aqueles canais aos quais os assinantes comuns somente terão acesso mediante um pagamento extra, são codificados. Após a codificação, o canal é modulado na portadora RF correspondente ao canal do espectro e passam por um combinador para seguir para a planta de distribuição. Figura 3: Ilustração de combinação de vários canais(tv) e Internet. 4

5 TV e Internet via Cabo: Distribuição e Conversor As plantas de distribuição são compostas por componentes ativos (amplificadores, fontes de suprimento de energia e set top-box) e componentes passivos (cabos coaxiais, cabos ópticos, acopladores direcionais, splitters e taps). Os cabos troncais partem da CMS e alimentam a distribuição aos assinantes nos prédios e casas. As plantas, hoje, são estruturadas em três níveis: tronco óptico, distribuição óptica e distribuição coaxial. Nas grandes redes, o tronco óptico parte da CMS e passa por centros de distribuição (CDB-hub) intermediários onde o sinal óptico pode ser amplificado e o tronco dividido em cabos secundários para alimentar os BONU s (Broadband Network Unit). A distribuição coaxial aplica-se nas extremidades dos troncos ópticos para alimentar os assinantes e, também, em torno da CMS que os alimenta diretamente. A rede coaxial de distribuição alimentada pelo BONU pode ser passiva (sem amplificadores) ou ter alguns deles, em geral, um máximo de quatro, e talvez usar o extensor de linha para reforçar o sinal em algum ramal da rede de distribuição de grande extensão [02]. O Decoder (ou conversor), é o aparelho que fica no assinante e que recebe o sinal do cabo coaxial e repassa para a TV. O decoder decodifica os canais que chegam codificados à casa do usuário. Este utiliza a entrada de antena VHF, ou de áudio e vídeo ou s-vídeo do televisor. Os televisores mais modernos têm entrada apropriada para TV a cabo e, se o sinal não está codificado, a função set top-box já está no televisor e o cabo pode ser conectado diretamente. Projeto de Planta de Distribuição Com os elementos descritos anteriormente, podem-se elaborar projetos coaxiais. Esses projetos eram os que predominavam antes dos anos 90, e hoje não se fazem projetos integralmente com cabos coaxiais. Os sucessivos passos para o desenvolvimento de um projeto de planta de distribuição coaxial são [04]: Determinar a quantidade máxima de amplificadores; Calcular os níveis de operação e distorções; Projetar a via de retorno; Preparar os mapas de área de cobertura; Posicionar no mapa todos os elementos ativos e passivos; Posicionar as fontes de alimentação de energia; Produzir a lista de material. O desenvolvimento do projeto deve ser feito levando em conta várias considerações, a saber [04]: Atenuações nas freqüências altas e baixas; Variação de temperatura no cabo; Níveis de sinais desejados no ponto de conexão do assinante (casa e prédio); Não conectar assinantes na extremidade do cabo; Suprimento de energia (amplitude de alimentação das unidades de energia); A planta coaxial não pode prosseguir indefinidamente pelo acréscimo de mais amplificadores (problemas com ruído e distorções). 5

6 Planta Hibrida Óptica-Coaxial (HFC) Devido às perdas nos cabos coaxiais e necessidades de muitos amplificadores em série ao longo do cabo troncal, a fibra óptica substituiu com vantagens os coaxiais nos troncos de distribuição. A tecnologia mista de projeto denomina-se HFC. A planta de distribuição de assinantes continua com cabos coaxiais. Os cabos ópticos partem da CMS para alimentar essas células através de um conversor óptico/elétrico BONU. Entre a CMS e BONU pode haver unidade de distribuição CDB, se necessário. Cada rota óptica para a alimentação de um BONU ocupa três fibras no cabo: uma fibra conduz os sinais para a distribuição (todos os canais, vídeo e dados), outra conduz o canal de retorno com informações da supervisão e sinais dos assinantes, caso se use interatividade, e uma terceira fibra que opera como reserva para as duas anteriores, caso apresentem problemas. Usam-se fibras monomodo com janela de 1310 nanômetros. Preferem-se cabos do tipo LOOSE que protegem mais a fibra contra esforços de tração na fase de instalação. Componentes Ópticos A conversão do sinal elétrico de RF em sinal óptico se faz com transmissores. Usam-se dois tipos de transmissores ópticos em CATV: Laser semicondutor DFB (Distributed Feedback), que utiliza modulação direta a partir das portadoras de RF. Respondem a 1-2 GHz. São moduladores mais simples, porém com alguns problemas de não-linearidade do laser e baixa potência; Laser em estado sólido (Nd-YAG), que é modulado externamente por um dispositivo eletro-óptico de niobato de lítio. A conversão óptica em sinal elétrico se faz com fotodetectores PIN ou avalanche photo diode. Um único receptor óptico (dentro do BONU) serve a uma única célula contendo centenas de assinantes. A envoltória do sinal óptico é detectada pelo fotodiodo que recupera o sinal composto de vídeo e a entrega ao amplificador. Para compensar as atenuações nas fibras ópticas que, apesar de pequenas em relação aos cabos coaxiais, precisam ser administradas para alcançar os receptores ópticos acima do seu limiar de sensibilidade, usam-se amplificadores ópticos que atuam sobre o sinal óptico. Terminar a fibra diretamente no assinante ainda não é econômico. Há várias alternativas aplicáveis na detecção direta do sinal óptico no televisor ou no set top-box. Um delas é ter no assinante o receptor semelhante ao incluído no BONU, porém o custo é alto por assinante. Outra possibilidade é cada assinante possuir um detector óptico coerente ou com pré-filtragem óptica. Na atualidade, todas as redes têm distribuição para os assinantes via cabo coaxial. Parâmetro de Desempenho O desempenho do sistema é atacado de todos os lados por fenômenos inerentes à tecnologia e eventuais nas regras de projeto e instalação. Os ruídos e distorções precisam ser limitados. Ruído O ruído térmico causado pela agitação dos elétrons nos materiais resistivos, depende da largura da faixa, 6

7 temperatura e resistência. A relação portadora-ruído (CNR - Carrier to Noise Ratio) é muito importante nos amplificadores e quando esses são conectados em série nos cabos coaxiais geram valores consideráveis e devem ser verificados de perto. O CNR é a relação entre o valor de pico da portadora e a raiz da potência quadrática média do ruído na faixa. É expresso em db. Os amplificadores apresentam outra característica: a figura de ruído, que é a quantidade de ruído em db adicionada pelos amplificadores ao ruído já existente. Distorção As distorções são causadas pela não-linearidade dos amplificadores que provocam geração de sinais adicionais devido a batimentos das freqüências. As distorções mais relevantes para sistemas CATV são: modulação cruzada (Xmod), distorção de segunda composta (CSO - Compound Second Order) e o batimento triplo composto (CTB - Compound Triple Beat). A rede óptica é mais sensível aos efeitos do ruído e da distorção. 7

8 TV e Internet via Cabo: Aplicações Aplicações de Internet Como vimos, num sistema de TV a cabo, para cada um dos canais é atribuído uma banda de 6 MHz. Os sinais dos diversos canais são recebidos nos head ends seja através de antenas (que captam sinais via satélite, por exemplo), seja através de fibras ópticas conectadas a outros head ends, seja através de antenas comuns captando os sinais transmitidos via rádio em VHF e UHF. O sinal dos diversos canais de TV é então retransmitido pelo cabo para os usuários de forma analógica utilizando-se multiplexação por divisão de freqüência (FDM - Frequency Division Multiplexing). Para atingir a cobertura geográfica pelo bairro, os cabos, oriundos do head end são ramificados em múltiplos cabos e cada um dos assinantes recebe o sinal de todos os canais que são transmitidos - é uma estrutura em árvore. Assim como os aparelhos de TV possuem um sintonizador para escolher o canal desejado que é recebido via rádio, os aparelhos de recepção dos assinantes de TV a cabo, também possuem um sintonizador para escolha do canal recebido pelo cabo. Pelo fato de os sinais serem atenuados à medida que viajam pelo cabo até os assinantes, amplificadores devem ser inseridos na planta para restaurar a potência do sinal. Quanto mais longo for o cabo ou quanto mais ele for ramificado, maior também será o número de amplificadores necessários. Algumas considerações devem ser feitas no sentido de se observar as limitações que o sistema instalado para TV apresentaria para aplicações que necessitassem de dois caminhos: um para upstream e outro para downstream. Para aplicações em Internet, tem de haver dois canais de comunicação um no sentido do head end para o usuário (downstream - DS) e outro em sentido contrário (upstream - US). Figura 4: Ilustração após filtro sobre a amplificação de Upstream e Downstream. Alguns aspectos importantes do processo de inicialização do cable modem são descritos a seguir. Busca do Sinal de Downstream Verifica se consegue sintonizar a última freqüência de downstream sintonizada. Se não obteve sucesso no passo anterior, procura em todo o plano de canais por canal digital com sinalização DOCSIS. Após encontrar a freqüência, o CM analisa o sinal enviado pelo CMTS e sincroniza. 8

9 Sintonia do Canal de Upstream Através das informações enviadas pelo CMTS no sinal de downstream, o cable modem descobre quais as freqüências disponíveis para enviar o sinal de upstream. UCD Upstream Channel Descriptor Neste momento, o CM tenta estabelecer uma comunicação bidirecional com CMTS. Se o cable modem não conseguir estabelecer a comunicação bidirecional com o CMTS, ele volta para o processo de Tune e procura outro canal digital com sinalização DOCSIS. Este ciclo de Tune/Range se repete até que seja estabelecida a comunicação bidirecional. Após estabelecer a comunicação com o CMTS, o cable modem negocia com o CMTS a menor potencia necessária para estabelecer a comunicação. Comunicação em Camada 3 (OSI) O cable modem solicita um endereço IP ao servidor de DHCP do CMTS. Ao receber o endereço IP, o cable modem também recebe do servidor DHCP: Nome do arquivo de configuração; IP do servidor de TFTP; IP do servidor de Tempo; IP do servidor de Syslog. O servidor de DHCP somente fornece um endereço IP se o cable modem estiver provisionado corretamente. Se o cable modem estiver configurado para outro CMTS (geralmente nó óptico errado), ele não receberá o endereço IP e não será possível terminar o processo de registro. Arquivo de configuração DOCSIS O cable modem recebe o arquivo de configuração DOCSIS do servidor de TFTP e ajusta com o CMTS os seguintes parâmetros: Velocidade de Downstream; Velocidade de Upstream; Garantia de banda; Prioridade; Número de CPE. Além disso, são ajustado ainda o seguintes parâmetros adicionais: Baseline Privacy; SNMP; Upgrade de firmware; Outras funções proprietárias. Após baixar o arquivo de configuração e aplicar as configurações, o cable modem também pede ao servidor de TIME atualização do seu relógio interno. 9

10 Envio de mensagens de SYSLOG O cable modem envia informações para o CMTS que foi configurado de acordo com o arquivo recebido. Após a configuração de recebimento o cable modem está pronto para operar. Neste momento o cable modem está totalmente operacional e pronto para trafegar dados entre o CMTS e a CPE do usuário. Agora o computador do usuário inicia o processo de pedido de endereço IP ao DHCP e depois libera para tráfego de dados [02]. Transmissão Analógica e Digital As transmissões Analógica e Digital são descritas a seguir. Transmissão Analógica De um modo geral, em troncos de curto ou médio alcance, as técnicas de transmissão analógica são atualmente mais atraentes em razão da simplicidade e custos mais baixos. Uma das técnicas de modulação analógica para transmissão é a Intensity Modulation (IM), que é uma técnica fácil de implementar com componentes ópticos menos sofisticados. A intensidade do sinal luminoso na saída do foto-emissor está diretamente correlacionada com a tensão do sinal na sua entrada. O desempenho desta técnica de modulação analógica depende das características de resposta do foto-emissor, bem como do nível e do comprimento de onda da potência óptica emitida. Na prática, os dispositivos ópticos ativos não apresentam uma característica de conversão linear ideal, causando distorção nos sinais transmitidos pela técnica IM. Os fotodiodos PIN, embora menos eficientes que os APD s - Fotodiodo de avalanche (Avalanche PhotoDiode), apresentam características de conversão opto-eletrônica mais linear, sendo, portanto, preferidos no caso de sistemas analógicos IM [08]. As técnicas de transmissão analógica, de um modo geral, são mais vantajosas no uso em enlaces de curto ou médio alcance em razão da simplicidade e custos mais baixos. Entretanto, seu uso apresenta desvantagens em relação à qualidade da imagem e do som apresentados. Multiplexação Digital Síncrona A hierarquia digital síncrona permite uma rede de transmissão sincronizada. Dentro do quadro STM-1 pode-se transmitir todos os sinais plesiócronos dos padrões dos EUA, cujas informações úteis são empacotadas em containers, acrescentando-se após isto informações de controle (Path Overhead), e finalizando com o entrelaçamento de byte no STM-1, com ajuda da técnica de ponteiro de dados (Pointer). Os containers apresentam capacidades definidas de transmissão, sincronizadas com a rede e foram projetados de tal forma que se possa transmitir qualquer sinal determinado da hierarquia atual de multiplex. A cada container se acrescenta um pathoverhead (POH), isto é, são acrescentadas informações adicionais que o convertem no virtual container (VC). Este virtual container (VC) não guarda, por princípio, nenhuma posição fixa em relação ao quadro imediatamente superior, podendo ser localizado em qualquer posição dentro deles. 10

11 Para se conhecer a posição de inicio de cada virtual container, um pointer (Ponteiro de Dados), que está amarrado em freqüência à entidade de nível mais elevado, contém a informação útil e é facilitada pela avaliação do endereço do Pointer. Sem este procedimento do pointer, teríamos que sincronizar o quadro com a informação útil mediante memórias buffers temporizadoras. Os pointers não servem somente para o ajuste da diferença de freqüência entre o virtual container e o quadro superior, também oferecem a possibilidade de compensar as informações plesiócronas que se apresentam nas velocidades binárias, mediante bits de enchimento (justificação), byte a byte [01]. São vantagens da transmissão digital: A qualidade da imagem e do som é muito superior, praticamente igual à de estúdio; Maior confiabilidade no sistema, uma vez que os equipamentos são de última geração; Maior número de canais, oferecendo mais opção ao telespectador; Possibilidade de outros serviços; Sistema de televisão de alta definição. São desvantagens da transmissão digital: A comutação digital requer maior largura de banda; Geralmente necessita de sincronização. 11

12 TV e Internet via Cabo: Considerações Finais O sistema de TV e Internet a Cabo é uma forma de proporcionar serviço estável de qualidade de recepção, maior confiabilidade e, em muitos casos, uma ampliação das alternativas de escolha de programas de melhor nível, e a internet com melhor estabilidade, desempenho e velocidade. Define-se que o Head End vem da tradição dos sistemas dos sistemas de TV à cabo norte-americano. Incluindo a filosofia do projeto Telebrás [08]. Lembrando também que nos sistemas convencionais de TV a Cabo é comum haver roteamento de até dezenas de canais de um head end para outro, com o propósito de transporte apenas, ou para redundância de sinais. Com isto se economizam muitos equipamentos na captação de sinais e onde existem situações em que o head end é único para múltiplas cidades, utilizando-se sistemas de transporte ópticos do head end até os pontos mais distantes através de troncos analógicos e digitais de alta qualidade. Nesse transporte óptico podem ser alugadas fibras também para transmissão de dados para outras empresas. No Sistema de internet, podem-se ter vários provedores ou um próprio, neste sistema a cabo, onde seu sinal é combinado com o sinal de TV. Mantém-se o processo para envio de dois sinais (um para upstream e outro para downstream) e de cadastramento do MAC que se encontra entre as partes de US e DS do modem a cabo, que atua como a interface entre a parte de software e hardware dos vários protocolos de rede. Todos os dispositivos de rede de computadores têm MAC s, mas no caso de modems a cabo as tarefas são mais complexas do que as realizadas pelo MAC de uma interface de rede comum. Por essa razão, na maioria dos casos, algumas das funções MAC serão atribuídas para uma unidade central de processamento (CPU - central processing unit) - tanto a CPU do modem a cabo como a CPU do sistema do usuário. Referências [01] Equitel SA Equipamentos e Sistemas de Telecomunicações- Centro de Treinamento Wener Von Siemens Curitiba/PR. [02] ESC90 TELECOMUNICAÇÕES LTDA Representante da NET Brasil. Av. Desemb. Santos Neves, 1469 Vitória ES. [03] Engenharia de Antenas - 2ª Edição - Luiz Gonzaga Rios e Eduardo Barbosa Perri. [04] Princípios de Comunicações - 3 Edição - Rogério Muniz Carvalho. [05] Sistemas CATV - Beta Telecom - 1 Edição - Eng. Carlos Ottoboni. [06] Sistema de Telecomunicação Telebrás - Série Engenharia Emissão 01 Jan. [07] Sistemas de Recepção de TV via satélite e televisão por assinatura NETSAT Treinamento & Desenvolvimento Autores Marcelo Luiz Rossetti e Carlos Eduardo Rabelo. [08] Universidade Estadual de Londrina - (Comunicação de Dados). Disponível em: Acesso em: 12/09/

13 TV e Internet via Cabo: Teste seu Entendimento 1. No contexto deste tutorial, qual das alternativas abaixo representa uma parte da rede de TV a cabo? CMS - Central Multisserviços ou denominada como head-end. Planta de distribuição e unidade de assinante (conversor ou Decoder). Caminhos para aplicações de Internet. Todas as alternativas anteriores. 2. Por que a fibra óptica é usada como alternativa aos cabos coaxiais nas redes de TV a Cabo? Devido às perdas nos cabos coaxiais e necessidades de muitos amplificadores em série ao longo do cabo troncal. Devido ao fato da transmissão de sinais usar modulação analógica. Devido às perdas nos cabos coaxiais causadas por interferência elétrica. Devido às perdas nos amplificadores ao longo do cabo troncal. 3. Como dever ser o sistema de TV a cabo para aplicações em Internet? Deve ter conexão com vários pontos de interconexão com a Internet. Não pode apresentar perda de sinal digital. Deve ter dois canais de comunicação um no sentido do head end para o usuário (downstream - DS) e outro em sentido contrário (upstream - US). Deve considerar que o usuário final tenha um roteador ou modem convencional. 13

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC

PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC Marcelo Melo da Costa mmc@amazon.com.br RESUMO As empresas de TV a cabo atualmente estão implementando redes para a distribuição dos sinais do tipo HFC (híbrida

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

REDES DE ACESSO ÓPTICO

REDES DE ACESSO ÓPTICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO EM SISTEMAS

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio III DISPOSITIVOS

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

DOCSIS. A evolução do DOCSIS. 1.0 a 3.0. DOCSIS 1.0 a 3.0. 1 Marcelo Costa

DOCSIS. A evolução do DOCSIS. 1.0 a 3.0. DOCSIS 1.0 a 3.0. 1 Marcelo Costa DOCSIS A evolução do DOCSIS 1.0 a 3.0 1 O que é DOCSIS Data Over Cable Service Interface Specification (DOCSIS) É o método utilizado para transportar dados através da rede HFC (Hybrid Fiber Coaxial) utilizando

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA Foi inventada em 1989 por um engenheiro da Bell Labs. O seu uso começou no final da década de 1990 como forma de acesso à internet de banda larga. TECNOLOGIAS DSL

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de enlaces rádio digitais ponto a ponto.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de enlaces rádio digitais ponto a ponto. Enlace Rádio Digital Ponto a Ponto Este tutorial apresenta os conceitos básicos de enlaces rádio digitais ponto a ponto. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01 UFSM-CTISM Teoria da Comunicação Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Objetivo Objetivos da disciplina: Ter conhecimento dos princípios básicos da telecomunicação; Conhecer os conceitos

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS e acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10. Prof. Moises P. Renjiffo

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10. Prof. Moises P. Renjiffo Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10 1) Repetidor. Em informática, repetidor é um equipamento utilizado para interligação de redes idênticas, pois eles

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Como melhorar o sinal da rede sem fio mudando o canal Wi-Fi do roteador

Como melhorar o sinal da rede sem fio mudando o canal Wi-Fi do roteador Como melhorar o sinal da rede sem fio mudando o canal Wi-Fi do roteador Em poucos minutos você pode configurar seu roteador para obter mais velocidade e estabilidade durante a transmissão massiva de dados

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Camada Física Trata da geração de sinais físicos e sua propagação através do

Leia mais

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br O Padrão Ethernet Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br Origens O início do desenvolvimento da tecnologia Ethernet ocorreu nos laboratórios da Xerox PARC,

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA ANTENAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS ACUMULADORES DE ENERGIA (BATERIA) CABOS COAXIAIS CABOS ÓPTICOS E FIBRAS ÓPTICAS CABOS PARA TRANSMISSÃO DE DADOS

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br Rádio sobre Fibra: Tecnologia Chave para Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016 Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior 1 Contexto Tecnológico 2 Sumário da apresentação I. Contexto Tecnológico II.

Leia mais