Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha"

Transcrição

1 Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha A VH2C adota como principio básico de gestão a simplificação dos processos, para que as pessoas os entendam e executem com maior precisão e satisfação. Na nossa visão, essa é uma das atribuições mais importantes do corpo de executivos: simplificar. Outra base que orienta nossa filosofia é que todos devem conhecer o caminho para onde a empresa está se dirigindo. Dessa forma todos se sentem parte de algo maior, a construção do futuro. Porém como podemos ter certeza de que estamos indo na direção certa? Como podemos conhecer e controlar a velocidade em que nos movemos? Se compararmos nossa empresa e nossos processos com um veículo que esta prestes a realizar uma viagem, podemos exemplificar melhor a importância de conhecermos nossa situação atual e nossa performance. Você está prestes a entrar no carro em direção a praia de Mar Azul. Será que nós conseguiríamos imaginar tal evento sem uma verificação prévia do estado geral do veículo que servirá como meio de transporte? Estado geral dos pneus, se estão cheios, óleo, água, combustível, amortecedores, luzes de freio, faróis, enfim tudo o que pode comprometer o resultado final esperado: chegar a praia. Depois dessa verificação inicial (check list), planejaremos a rota, as paradas e a velocidade de cruzeiro. Entramos então no veiculo, damos a partida e iniciamos nosso trajeto. A partir desse momento nossos braços e pernas se concentram na operação da máquina enquanto nossos olhos de dividem entre os eventos que ocorrem durante o percurso e os indicadores. Como somos condutores experientes, nos habituamos a olhar o indicador de combustível e de velocidade sem nenhuma hesitação. Paramos no posto para reabastecimento de combustível e adequamos nossa velocidade aos limites estabelecidos pela sinalização externa ou aos nossos próprios objetivos. É uma operação de gerenciamento dos recursos automática, graças a prática de observarmos os indicadores corretos. Agora imagine o que aconteceria se nós simplesmente desprezássemos o indicador de combustível? Ou então se este não estivesse funcionando corretamente?

2 Sem dúvida nenhuma as conseqüências comprometeriam o resultado final. Então os indicadores estão aí para orientar nossas decisões e ajudar-nos a priorizar as ações. Indicadores de Resultado, de Processo e de Progresso Numa empresa encontramos três tipos de indicadores: De resultado, de processo e de progresso. Resultado Os indicadores de resultado, como o próprio nome diz, apontam para o resultado da empresa afetando diretamente o bottom line. Por exemplo: Faturamento, Margem de Contribuição, Custos Logísticos, Custo da Não Qualidade, Eficiência e Produtividade da Fábrica (RGU ou TRS), entre outros. Processo Os indicadores de processo medem a performance de processos necessárias ao atendimento de um indicador de resultado. Por exemplo: a) Para que a empresa X possa controlar os custos logísticos, ela deve manter a taxa de confiabilidade de entregas de seus fornecedores em, 88%, no mínimo; b) Para que o custo da não qualidade se mantenha dentro dos valores definidos no budget, precisamos que os índices de peças rejeitadas não ultrapassem a marca de 0,2%. Progresso Indicadores de progresso são aqueles utilizados em projetos e visam verificar o cumprimento de ações no tempo. Definimos um conjunto de ações, ponderamos a importância dessas ações e acompanhamos sua realização. Exemplo: A obra já foi concluída em 80%. A Escolha dos Indicadores Certos É muito difícil dizer quais são os indicadores corretos a seguir em uma operação mesmo porque essa decisão depende muito da forma como o gestor do negócio vê e interpreta as informações, porém alguns desses pontos de apoio são tão óbvios que seria imprudência negligenciá-los, assim como não olhar para o marcador de combustível enquanto estamos dirigindo um carro.

3 Não são raras as ocasiões em que somos impelidos a trocar a forma ou o modo de cálculo de um indicador para que ele se torne visível ou falante para o gestor. Dessa forma se vamos analisar a performance de um armazém de estocagem de materiais listamos os possíveis indicadores conforme exemplo abaixo: 1. Percentual de Ocupação; 2. Volume de Entradas e Saídas; 3. Custo dos Incidentes de Estocagem; 4. Tempo Médio de Ciclo da Operação; 5. Custo da Operação por metro cúbico; 6. Quantidade de realocações por período; 7. Tempo Médio de Guarda por Embalagem; 8. Quantidade de Embalagens com mais de 60 dias de armazenagem Poderíamos listar uma centena de indicadores, mas somente o gestor do armazém poderá escolher quais são os indicadores-chave que asseguram os níveis de performance que ele se propôs a alcançar. E isso depende do momento, da necessidade, das características de cada operação. Apesar das variações de uma operação para outra, fica claro que não analisar periodicamente o Percentual de Ocupação e o Volume de Entradas e Saídas, pode comprometer toda a operação caso haja uma situação de aumento do volume armazenado que ultrapasse a capacidade de estocagem nominal. São dois indicadores-chave da grande maioria das operações de armazenagem. Agora imaginemos uma outra situação, onde o espaço físico é abundante. Talvez o percentual de ocupação perca sua importância, pois o risco inerente ao espaço é desprezível. A escolha dos indicadores certos depende então de uma análise dos objetivos e riscos da operação, que indicarão quais os índices que devemos acompanhar. Procuramos, sempre que possível, limitar a 3 o número de indicadores para cada processo: um econômico, um de qualidade e um de serviço. Dessa forma conseguimos um foco melhor dos colaboradores naquilo que é critico para a boa performance da operação. Definindo as Regras do Jogo Uma vez escolhidos os indicadores que queremos acompanhar, é importante definirmos o modo como calculamos esses índices.

4 A documentação dessas fórmulas definem as regras do jogo, que portanto não devem ser mudadas durante o período de análise. Acompanhamento dos Indicadores Todos os dias ouvimos falar dos indicadores econômicos. Até acompanhamos diariamente alguns deles, como a taxa do dólar ou o índice Bovespa. As vezes por mera curiosidade ou por considerar que, de alguma forma, esse ou aquele indicador pode alterar nosso contexto pessoal ou profissional. Normalmente olhamos o índice, tiramos nossas conclusões e nos preparamos para a nova ordem de uma forma espontânea. Nesses casos dificilmente verificamos se as medidas que tomamos em função da analise desses indicadores foram eficientes ou não. Quando estamos diante de uma operação empresarial, as coisas devem ser tratadas de uma maneira diferente, ou corremos o risco de comprometermos seriamente os resultados. Voltando ao exemplo do veiculo que parte em viagem para a praia de Mar Azul, imagine que nosso imprudente condutor olhe o medidor de combustível mas não tome nenhuma ação ao ver o consumo total do combustível. Ou então podemos imaginar que ele para no posto a tempo, mas ao invés de reabastecer o reservatório com gasolina, coloca água. Por mais estranho que possa parecer o exemplo citado, quando estamos acompanhando processos, o diagnóstico do que está faltando e a aplicação das medidas preventivas e corretivas não são tão evidentes quanto a parada em um posto de gasolina para reabastecimento. Logo, num ambiente empresarial, o indicador por si só não é suficiente para assegurarmos a performance a qual nos comprometemos. Precisamos também de uma análise diagnóstica, de planos de ação e da comprovação de que essas ações efetivamente resolveram os problemas apontados na análise diagnóstica. Analisamos o indicador e as causas dos eventuais disfuncionamentos

5 estabelecendo uma curva ABC ou gráfico de Pareto, conforme figura ao lado. Depois priorizamos os planos de ações, implementamos e verificamos se eles efetivamente resolveram o disfuncionamento, confirmando a assertividade do diagnostico. A VH2C recomenda o modelo BOS de acompanhamento de indicadores porque ele reúne em um só documento todas etapas necessárias ao bom acompanhamento dos indicadores, conforme metodologia PDCA (Plan/Do/Check/Act). O Plano de Ações Um bom plano de ação tem necessariamente 3 atributos : Descrição, Piloto e Prazo. Dependendo da criticidade da operação devemos complementá-lo com a informação de custos, pois as vezes o remédio pode sair mais caro do que o mal. Muitas empresas não conseguem desenvolver essa cultura de fazer a conta, ou seja, existe um disfuncionamento que prejudica a performance de uma determinada atividade. Quanto financeiramente essa atividade está prejudicada e qual é o investimento necessário para recuperar essa perda de performance? Fazer essa análise é fundamental para priorizarmos nosso plano de ações buscando a otimização dos resultados. Porém se já desenvolvemos esse hábito e temos uma boa análise das causas, tudo o que precisamos é responsabilizar os colaboradores e acompanhar a evolução do processo, conforme mostrado a seguir.

6 Acompanhamento da Eficiência das Ações Uma vez definidas as ações necessárias e os prazos, só nos resta verificar que essas ações resolveram efetivamente os problemas que a equipe se propôs a resolver. Essa analise pode ser feita através da tabela histórica de disfuncionamentos. A vantagem dessa tabela é que ela nos ajuda a identificar a recorrência de itens que já foram solucionados no passado, além de confirmar a assertividade das ações.

7 O sentido desse acompanhamento se faz mais evidente quando analisamos o modelo do BOS abaixo, onde juntamos todos os elementos descritos anteriormente, num único documento de acompanhamento e análise. Quando implantamos esse modelo, normalmente ganhamos também a facilidade de compreensão dos indicadores dentro da empresa, pois todas as áreas começam a interpretar e analisar os indicadores através da mesma ferramenta, ou seja, mesmo quando um colaborador da fábrica vê um indicador da engenharia, reconhece imediatamente o indicador, objetivo, pareto de causas e plano de ações. O quadro de exemplo mostra o acompanhamento da taxa de refugo de uma determinada célula de produção, onde vemos a evolução do indicador nas colunas azuis, a analise das causas nas colunas cor de laranja, o plano de ações na parte superior direita e a comprovação da pertinência do plano de ações na parte inferior direita. MODELO BOS

8 Cuidado Especial na Analise de Indicadores Um cuidado fundamental no bom funcionamento do processo de análise dos indicadores, é a escolha das causas do disfuncionamento que irão alimentar a curva ABC e determinar o plano de ações. As pessoas tem uma certa dificuldade de encontrar as causas raiz dos problemas e muitas vezes se prendem a falsas causas. Por exemplo : O fornecedor A está sempre em atraso, prejudicando o indicador de performance de entregas dos fornecedores em geral. Os colaboradores da área de logística fizeram o pareto de causas e nomearam o fornecedor A como sendo a causa principal do não atingimento das metas estabelecidas. Porém o fornecedor A tem uma limitação de capacidade que tem sua origem na ferramenta da peça Z, que produz somente 300 peças por dia, quando o consumo diário é de 300 peças, ou seja, justo demais para oferecer flexibilidade de entregas. A duplicação ou modificação dessa ferramenta, por sua vez, custará R$

Posicionamento Estratégico de Compras Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Posicionamento Estratégico de Compras Por Vitor Hugo De Castro Cunha Posicionamento Estratégico de Compras Por Vitor Hugo De Castro Cunha Todos os dias falamos em globalização e internet. O mundo ficou pequeno e as distâncias não são mais vistas como antigamente. A comunicação

Leia mais

Organização por Processos Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Organização por Processos Por Vitor Hugo De Castro Cunha Organização por Processos Por Vitor Hugo De Castro Cunha Com a ploriferação das técnicas de administração, estratégia e normas de qualidade, freqüentemente nos perguntamos se nossa organização oferece

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha Você encontrará nesse artigo uma análise dos sistemas de gestão integrada na área de supply chain (MRPs) e uma visão diagnóstica sobre os motivos pelos

Leia mais

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores A sua empresa sabe como se preparar para as incertezas do futuro? Conheça

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO A BgmRodotec Empresa de tecnologia que desenvolve, implanta e presta consultoria ao Software de gestão Globus. Atuamos exclusivamente no mercado de transportes há 30 anos;

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio Dicas para segurança no trânsito realização apoio 1 Dicas de viagem segura. Viajar sozinho ou com toda a família requer certas responsabilidades. Aqui você encontrará várias recomendações para uma viagem

Leia mais

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante.

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Diagnóstico Empresarial Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Introdução Nos últimos anos as empresas têm focado pesadamente em gestão por resultados, proporcionando a seus gestores e equipes

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

O que é o Direção Positiva?

O que é o Direção Positiva? JUNHO - 2015 1 2 O que é o Direção Positiva? Projeto da Sirtec busca conscientizar os colaboradores sobre a importância das medidas preventivas no trânsito. Objetivo: Contribuir com a redução dos acidentes

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS

Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS Olá a todos. Seguem os comentários às questões da matéria de ARM que caíram na prova do INSS, aplicada pela banca FUNRIO. Como de

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Como aumentar a Retenção e a Rentabilidade no Pós Venda

Como aumentar a Retenção e a Rentabilidade no Pós Venda Como aumentar a Retenção e a Rentabilidade no Pós Venda Quem é a Fundada em 1939 Pertende ao Grupo ITW US$ 17 bi /70.000 Funcion. 850 Empresas (7 Brasil) Fábrica no Brasil (Embú-SP) Líder mundial no segmento

Leia mais

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP ÍNDICE Introdução Planejamento Financeiro Gestão do Fluxo de Caixa Gestão por Centros de Custo Otimizando o seu

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

C Por que é preciso fazer rápido o produto web?

C Por que é preciso fazer rápido o produto web? C Por que é preciso fazer rápido o produto web? Já falamos sobre algumas denições e requisitos para se ter uma startup. Depois falamos sobre como ter ideias de produtos para a startup e que essas ideias

Leia mais

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/ Continuando a série 100 motivo para implantar um CRM, veremos agora motivos referentes a BackOffice de CRM. Se você não tem a primeira parte da nossa apresentação, com os primeiros 15 motivos para implantar

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Passar o bastão - Desenvolver parcerias

Passar o bastão - Desenvolver parcerias CAPÍTULO VI CONSTRUINDO A VISÃO DA QUALIDADE TOTAL... não fui desobediente à visão celestial Apóstolo Paulo Como já vimos anteriormente, as empresas vivem num cenário de grandes desafios. A concorrência,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Classificação de Materiais

Classificação de Materiais Classificação de Materiais A classificação de materiais é o processo de aglutinação de materiais por características semelhantes. O sucesso no gerenciamento de estoques depende, em grande parte, de bem

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Etapas de uma campanha de e-mail marketing

Etapas de uma campanha de e-mail marketing Etapas de uma campanha de e-mail marketing Conheça as principais etapas de uma campanha de e-mail marketing, desde o planejamento de ações, até a análise das métricas de resultados. Ao contrário do que

Leia mais

Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção

Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção 2008: issue 3 A publication of Caterpillar Global Mining Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção Minas de sucesso usam medidas-chave para melhorar a disponibilidade O

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa

Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa Este tutorial se propõe a mostrar a importância de uma gestão administrativa acoplada a área de telecomunicações para uma gestão de custos eficiente.

Leia mais

Hoje eu vou falar de um tema no qual eu tenho muito conforto em falar! Primeiro, porque a Wiki é uma empresa de serviços B2B. Segundo, porque a maior

Hoje eu vou falar de um tema no qual eu tenho muito conforto em falar! Primeiro, porque a Wiki é uma empresa de serviços B2B. Segundo, porque a maior Hoje eu vou falar de um tema no qual eu tenho muito conforto em falar! Primeiro, porque a Wiki é uma empresa de serviços B2B. Segundo, porque a maior parte dos nossos clientes são da área de serviços.

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

Titulo: Fluxo de Caixa. 2016 Fernando Nunes. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos. Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição

Titulo: Fluxo de Caixa. 2016 Fernando Nunes. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos. Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição Titulo: Fluxo de Caixa 2016. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição Introdução Pedro era um pequeno empresário que trabalhava muito em seu negócio.

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO Uma responsabilidade de todos QUEM SOMOS A FUNDACIÓN MAPFRE, instituição criada em 1975 pela MAPFRE, desenvolve atividades de interesse geral na Espanha e em outros países

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Em um cenário competitivo, o sucesso não é determinado apenas pela oferta

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Assessoria Swagelok em Energia Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Conheça a experiência de alguns clientes sobre a Assessoria Swagelok em Energia Com serviços de

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

Comentários de questões sobre COBIT na prova do CESPE. Olá servidores!

Comentários de questões sobre COBIT na prova do CESPE. Olá servidores! Comentários de questões sobre COBIT na prova do CESPE Olá servidores! Com o tão esperado edital do TCU vamos focar em resolução de exercícios e decidi compartilhar com vocês algumas questões. Preparados?

Leia mais

Programas de Manutenção Scania.

Programas de Manutenção Scania. . Melhor performance, maior economia. SCAN1112_0857_Folheto_210x297mm.indd 1 A alta produtividade que somente um Scania pode apresentar é potencializada com os Programas de Manutenção Scania. Para oferecer

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Entrega e Distribuição

Entrega e Distribuição Entrega e Distribuição 1 - Simplifique o processo de picking e embalagem O nome do jogo é evitar a duplicação de esforços. Os encargos salariais são baseados no tempo, por isso desenhe um gráfico operacional

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Como Implantar Agora 03 Controles Simples e Efetivos Para Você Garantir A RASTREABILIDADE Da Sua Empresa Sem Precisar Investir em Softwares Caros!

Como Implantar Agora 03 Controles Simples e Efetivos Para Você Garantir A RASTREABILIDADE Da Sua Empresa Sem Precisar Investir em Softwares Caros! Como Implantar Agora 03 Controles Simples e Efetivos Para Você Garantir A RASTREABILIDADE Da Sua Empresa Sem Precisar Investir em Softwares Caros! Olá...eu sou a Samira! Sou engenheira química e atuo há

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Solução para Central ACTIVE Leucotron. Opere seu ramal usando seu próprio computador!

Solução para Central ACTIVE Leucotron. Opere seu ramal usando seu próprio computador! Solução para Central ACTIVE Leucotron Opere seu ramal usando seu próprio computador! O software Contact Phone é rápido e fácil de usar, reúne todas as facilidades de um terminal KS físico mais os recursos

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início Investimentos em máquinas Faça certo desde o início Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Muito mais rápido. 12 minutos podem reduzir 12 meses Se você estiver

Leia mais

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE O diferencial que sua empresa busca para os negócios Índice APRESENTAÇÃO 03 CAPÍTULO 1 MOTIVOS DE SOBRA PARA TERCERIZAR SUA FROTA! 05 CAPÍTULO 2 POR QUE A TRANSMIT?

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

22 DICAS para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER. em Clínicas de Imagem

22 DICAS para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER. em Clínicas de Imagem para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER em Clínicas de Imagem Objetivo Um atendimento eficiente e personalizado é um dos principais fatores que o cliente leva em consideração ao iniciar um processo de fidelização

Leia mais

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e Demanda NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Paulo Viola paulo.viola@neogrid.com Introdução Tema: Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Workshop de Engenharia de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Workshop de Engenharia de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Auxiliar

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais