Área. Científica COMPUTADORES MEEC Instituto de Superior Técnico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área. Científica COMPUTADORES MEEC 2006-2007. mario.nunes@inesc.pt http://comp.ist.utl.pt. Instituto de Superior Técnico"

Transcrição

1 Área Científica COMPUTADORES MEEC Instituto de Superior Técnico

2 COORDENAÇÃO Coordenador da Área Científica de Computadores Prof. José Alberto Tomé Coordenador da Área de Especialização em Computadores/MEEC Prof. Mário Serafim Nunes Coordenadores de Grupos de Disciplinas Arquitectura de Computadores: Prof. Horácio Neto Metodologia de Programação: Prof. Luis Miguel Silveira Redes de Comunicação e Informação: Prof. Augusto Casaca

3 Grupos de Disciplinas Arquitectura de Computadores - técnicas de projecto de sistemas digitais, - arquitecturas de computadores. Metodologia e Tecnologia da Programação - software de sistemas computacionais, - técnicas de programação, - algoritmos e estruturas de dados, - compiladores, - biologia computacional. Redes de Comunicação e Informação - redes de computadores, - mobilidade, segurança, multimédia e QoS.

4 MEEC disciplinas (1) Bases Engenharia: Programação (1º Ano, Inv. e Pri.) Bases Engenharia Electrotécnica e Computadores: Algoritmos e Estruturas de Dados (1º ano, Pri.) Arquitectura de Computadores (1º ano, Pri.) Programação de Sistemas (3º Ano, Inv.) Sistemas Digitais (1º ano, Inv.) Especialização: Compiladores (AE: C) Inv. Projecto Sistemas Digitais (AE: C,SE) Inv. Redes com Integração de Serviços (AE: C) Inv. (Redes Neuronais) Aprend. Autom. (AE C,SDC) Inv.

5 MEEC disciplinas (2) Especialização: [Sistemas Operativos (AE C,SE) Inv.] Sistemas Operativos Distribuídos (AE: C) Inv. Arquitecturas Avançadas Computadores (AE: C,SE) Pri. Computação Móvel (AE: C) Pri. Processamento da Fala (AE: SDC) Pri. Programação por Objectos (AE: C,SE) Pri. Redes de Acesso (AE: C) Pri. Sistemas Computacionais (AE: C,SDC) Pri. [Sistemas Distribuídos (AE: C) Pri.] Software de Telecomunicações (AE: C) Pri. [última vez 2006/7], nova em 2007/8

6 Programação por Objectos UML e JAVA. Computação em WWW, Applets

7 Sistemas Computacionais Sistemas embebidos tempo-real Sistemas de Controlo

8 Computação MóvelM (Redes Móveis M e Sem Fios) UMTS, DAB, DVB CDMA2000, TETRA... ad hoc WLAN, WPAN, WiFi, Bluetooth, Zigbee...

9 Redes de Acesso Tecnologias de acesso de banda larga: -Par Entrançado (ADSL) -Cabo Coaxial -Fibra Óptica -Acesso Rádio (UMTS, WiMax) -Linha de Energia (PLC) Triple play: -Internet -VoIP -IPTV Integração Fixo-Móvel

10 Software Telecomunicações Especificação de protocolos Virus e firewalls Assinaturas digitais Segurança em redes Cifras fluxo de chaves para Bluetooth, GSM e WPA. Protocolos seguros SSH e HTTPS.

11 Processamento de Fala Interdisciplinar: Proc. Sinais, Informática, Linguística

12 Sistemas Distribuídos Um Sistema Distribuído é um conjunto de computadores independentes que para os seus utilizadores aparenta ser um sistema único e coerente Exemplos e tópicos: World Wide Web Remote Procedure Calls Clusters

13 Biologia Computacional Origens Sequenciação do genoma Bases de dados genómicas Estado da arte Detecção de motivos em genomas Análise de dados globais (microarrays) Inferência de mecanismos regulatórios Modelação de redes genéticas, metabólicas, sinais, etc Futuros desenvolvimentos Biologia de sistemas Biologia sintética

14 Algoritmos e Optimização EDA - Electronic Design Automation Algoritmos para verificação de sistemas Optimização de desempenho Síntese de sistemas Co-projecto hardware/software Ferramentas indispensáveis actualmente milhões de dispositivos como lidar com esta complexidade avanço tecnológico implica aumento de abstracção mas também mais precisão nos modelos

15 Ex: : Processador Cell - Playstation 3 CPU 4 GHz 256 G cálculos/segundo 2.5MB of on-chip memory Transferência dados de-para memória a velocidade 100Gbytes/segundo 234 milhões de transistores

16 Supervisão de Teses Mestrado (32) Doutoramento (10) Propostas directamente com os docentes da Área ou na página da Área:

17 INVESTIGAÇÃO Centros de investigação e desenvolvimento: - INESC-ID + INOV -IT Áreas de Investigação: AC - Arquitecturas de Computadores (9) RCI - Redes de Comunicação e de Informação (6) MTP - Metodologia e Tecnologia da Programação (3)

18 INVESTIGAÇÃO (2) Projectos Nacionais: TECNOVOZ (INESC-ID, INOV, 9 empresas nacionais) Projectos europeus: EuroNGI - Design and Engineering of the Next Generation Internet AirNet - Airport Network for Mobiles, Surveillance and Alerting (JEEC) UbiSec&Sens - Ubiquitous Sensing and Security in European Ho. (JEEC) Candidatura a 20 projectos europeus FP7

19 Saídas Profissionais (1) Siemens : empresa líder em Telecom e Computadores Investimentos em I&D: 2004: 50 M, 2005: 55 M Emprego : 500 engenheiros para novo centro de inovação Áreas estratégicas para os próximos 10 anos de actividade : alta tecnologia, software, serviços Fonte: Carlos Melo Ribeiro, administrador-delegado da Siemens em Portugal, em conferência de imprensa. 22/02/

20 Saídas Profissionais (2) Ericsson Centro de I&D até 200 Engenheiros Aplicações de Redes Móveis PT, PT Multimédia, TMN Optimus, Novis Vodafone ONI Telecom, AR Telecom Microsoft, Priberam, editoras

21 Saídas Profissionais (3) Indústria farmacêutica Fabricação de medicamentos personalizados Laboratórios de genética Testes de DNA Empresas de biotecnologia Identificação e modelação de mecanismos de regulação genética

22 Saídas Profissionais (4) ChipIdea Suporte ferramentas apoio ao projecto Projecto Digital, teste Octal Desenvolvimento de software e hardware para sistemas Set-top box TV Cabo Bilhética

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares:

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares: ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO e Inteligência Artificial Aplicada a Jogos, com 6 Paradigmas de Programação I, com 9 Paradigmas de Programação II, com 9 Algoritmos e Estrutura de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

PT Wi-Fi: Internet em Movimento

PT Wi-Fi: Internet em Movimento PT Wi-Fi: Internet em Movimento Clipping de Media (05 a 09 de Dezembro de 2003) Meio: Diário Económico Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 6 Meio: Jornal de Negócios Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 8

Leia mais

Serviços para o cliente residencial: que desafios?

Serviços para o cliente residencial: que desafios? Serviços para o cliente residencial: que desafios? Vitor Manuel Ribeiro PT Inovação, S. A. Conferência Habitação Digital ao Serviço o das Pessoas 21 de Outubro de 2005 Escola Superior de Tecnologia de

Leia mais

FICHA DE CURSO. 1. Designação do Curso: 2. Denominação do Diploma ou Certificado. 3. Objectivos Gerais e Enquadramento: 4.

FICHA DE CURSO. 1. Designação do Curso: 2. Denominação do Diploma ou Certificado. 3. Objectivos Gerais e Enquadramento: 4. 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Computação Móvel Aplicada 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Computação Móvel Aplicada 3. Gerais e Enquadramento:

Leia mais

Supercomputação em Portugal: realidade e perspectivas Pedro Alberto Centro de Física Computacional Laboratório de Computação Avançada Universidade de Coimbra Ciência 2008 3 Julho 2008 1 O que é supercomputação?

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

ENSINO SUPERIOR DIPLOMADOS ATENÇÃO: É INDISPENSÁVEL A LEITURA DAS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO IMPRESSO

ENSINO SUPERIOR DIPLOMADOS ATENÇÃO: É INDISPENSÁVEL A LEITURA DAS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO IMPRESSO 6. Grau: MESTRADO - 2º CICLO 7. Curso: Engenharia de Electrónica e Telecomunicações 6 3 5 7 8. Ramo: Área de especialização: Electrónica 9. Duração do curso: 3 semestres letivos 23 anos 0 0 24 anos 1 1

Leia mais

INESC-ID. Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores: Investigação e Desenvolvimento em Lisboa

INESC-ID. Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores: Investigação e Desenvolvimento em Lisboa INESC-ID Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores: Investigação e Desenvolvimento em Lisboa Contrato de Laboratório Associado Janeiro 2011- Dezembro 2020 Abril de 2011 1 Introdução... 2 1.1 Apresentação

Leia mais

CEF Pastelaria - 3ºG

CEF Pastelaria - 3ºG CEF Pastelaria - 3ºG Curso de Educação e Formação, Tipo II, Nível II Tecnologias de Informação e Comunicação aula 5 e 6 2013/2014 1 REVISÕES - Rede de computadores; - Serviços prestados pela Internet;

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Regras de transição curricular do MERC

Regras de transição curricular do MERC Regras de transição curricular do MERC Este documento define as regras de transição entre o currículo em vigor no ano de 2008/2009 e o currículo que vigorará no ano de 2009/2010. Os casos omissos serão

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS Especificação do Projecto Grupo nº: 9 Turno (e campus): Taguspark Nome Número Luís Silva 68672 Ivo Marcelino 70684 José Lucas 70685 Nome do Projecto Enterprise Digital Content

Leia mais

Redes de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores 1º semestre 2009/2010 Capítulo 1 Introdução João Pires Redes de Telecomunicações (09/10) 2 Aspectos da Evolução das Telecomunicações

Leia mais

ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL

ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Universidade d de Coimbra A Universidade nº 1 dos países de expressão portuguesa (World University Rankings, The Times Higher Education Supplement e QS QuacquarelliSymonds) É a universidade portuguesa

Leia mais

Secção de Telecomunicações. http://tele1.dee.fct.unl.pt

Secção de Telecomunicações. http://tele1.dee.fct.unl.pt Secção de Telecomunicações 1. Oferta letiva 2. Oferta de sub-áreas: Redes e Comunicação 3. Conteúdo das unidades curriculares 4. Percursos possíveis 5. Percursos limite 6. Correlação com outras áreas 7.

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e Microeletrônica Área: Sistemas de Computação Nome do Líder:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Informática Informática - Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

FTTH FORUM 2008. Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008. Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento

FTTH FORUM 2008. Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008. Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento FTTH FORUM 2008 Sociedade da Informação Portugal em Mudança CCB, 5 Nov 2008 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Principais Orientações

Leia mais

Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT

Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT Abel M. Mateus Presidente Autoridade da Concorrência Lisboa, de 22 Dezembro de 2006 A decisão Decisão de não oposição acompanhada da

Leia mais

UNIESP Ribeirão Preto Curso de Sistemas de Informação

UNIESP Ribeirão Preto Curso de Sistemas de Informação UNIESP Ribeirão Preto Curso de Sistemas de Informação Áreas Temáticas para Trabalho de Conclusão de Curso ( o estudante poderá optar por uma das áreas temáticas sugeridas ou ainda optar por área não contemplada

Leia mais

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Instituto Superior Miguel Torga Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Estrutura das Aulas 5 Aulas Aula 10 (20 de Abril) Classificação Componentes Aula 11 (27 de Abril)

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 Pág. 167 Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SOBRE O CURSO A revolução tecnológica das últimas décadas, especialmente na área de informática, tem alterado nossa sociedade. O Engenheiro de Computação é um profissional que

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Departamento de Ciências e Tecnologias

Departamento de Ciências e Tecnologias Futuro Departamento de Ciências e Tecnologias Licenciatura em Engenharia Informática Missão Dotar os alunos de uma sólida formação teórica e experimental que garanta aos futuros licenciados a capacidade

Leia mais

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis VoIP Coimbra, 16 de Setembro 2005 O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis Índice A rede da Novis Transmissão Rede Multi-Serviços O VoIP como tecnologia de Transporte o enabler do

Leia mais

Introdução à Eng. Eletrotécnica e de Computadores

Introdução à Eng. Eletrotécnica e de Computadores Introdução à Eng. Eletrotécnica e de Computadores Luis M. Correia 1 A Engenharia ocupa-se da aplicação das ciências e técnicas [ ] nas atividades de investigação, conceção, estudo, projeto, fabrico, construção,

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC)

Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC) Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC) No segundo Ciclo do Mestrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC), i.e, 7º a 10º

Leia mais

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares:

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares: ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO Engenharia em Desenvolvimento de Jogos Digitais Inteligência Artificial Aplicada a Jogos, com 6 Paradigmas de Programação I, com 9 Paradigmas de

Leia mais

World Wide Web. Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto. Disciplina de Informática, PEUS 2006 Universidade do Porto

World Wide Web. Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto. Disciplina de Informática, PEUS 2006 Universidade do Porto World Wide Web Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Redes de Comunicação Nos anos 60 surgem as primeiras redes locais destinadas à partilha de recursos fisicamente próximos (discos, impressoras).

Leia mais

1.2. Ramo de especialização: Automação Industrial Créditos (ECTS)

1.2. Ramo de especialização: Automação Industrial Créditos (ECTS) 1. Áreas científicas e créditos para a obtenção do grau: 1.1. Ramo de especialização: Eletrónica e Instrumentação Área Científica Sigla (ECTS) Obrigatórios Optativos (1) Matemática Mat 36 0 Física Fis

Leia mais

Técnico em Informática

Técnico em Informática Técnico em Informática Desenvolvimento de Software, I e II Administração de Administrativos em Processamento de Análise de Científica Design Digital Engenharia da Engenharia de Física - Opção Informática

Leia mais

escola superior de tecnologia e gestão instituto politécnico de leiria

escola superior de tecnologia e gestão instituto politécnico de leiria instituto politécnico de leiria http://sites.ipleiria.pt/mtelecom/ escola superior de tecnologia e gestão instituto politécnico de leiria Contactos Instituto Politécnico de Leiria ESTG (Campus 2) Morro

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

MODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

MODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE MODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Telefone Fax PEDRO MIGUEL CAMILO TENREIRO Rua Cónego Luciano Afonso dos Santos Nº5 3ºDireito 4700-371 Braga (S. Vicente) PORTUGAL (+351)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3.

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012.

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012. Bem Brasília vindos 9 de Maio de 2012 AGENDA REFER TELECOM Desafios da Modernização Interoperabilidade Operação Ferroviária Modelo de negócio Gestão de Telecomunicações Gestão do Património Engenharia

Leia mais

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br Rádio sobre Fibra: Tecnologia Chave para Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016 Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior 1 Contexto Tecnológico 2 Sumário da apresentação I. Contexto Tecnológico II.

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

Seminário. O Desenvolvimento Sustentável das Telecomunicações. Artur Calado

Seminário. O Desenvolvimento Sustentável das Telecomunicações. Artur Calado Seminário Ferramentas de Gestão nas Tecnologias de Informação Aveiro, 19 de Março de 2009 O Desenvolvimento Sustentável das Telecomunicações Artur Calado Introdução A região de Aveiro possui condições

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 11. Plano de estudos: «1º Ano / 1º semestre» QUADRO N.º 2 Arquitecturas e Sistemas de Computadores CE Semestral 160 TP: 40 PL: 40 6 Algoritmos e Estruturas de Dados CE Semestral 186 TP: 46 PL: 46 7 Análise

Leia mais

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 1 Secção II ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 2 Alternativas para redes de telecomunicações Alternativa de rede Redes Suportes Processadores Software Canais Topologia/arquitectura Exemplos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Telecomunicaçõ ções e Redes de Computadores Prof. João Pires (em substituição do Prof. Paulo Lobato Correia) IST, 2007/2008 Objectivos Rever alguns marcos

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA E e F

1ª ETAPA - TURMA E e F Atualizado em: 20/05/2013 1/7 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PF 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PF 3 ÉTICA E CIDADANIA I PF 3 FÍSICA GERAL I PF 3 GEOMETRIA ANALITICA E VETORES PF 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Agenda Novas formas de comunicação online Perspectivas e entendimentos O porquê da linguagem mais visual e cinestésica Inovar é preciso IPTV versus Web TV

Leia mais

DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO À INOVAÇÃO DE BASE CIENTÍFICA

DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO À INOVAÇÃO DE BASE CIENTÍFICA DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO À INOVAÇÃO DE BASE CIENTÍFICA Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Transferência e Valorização de Tecnologia Formação Avançada Consultoria Vantagem de participar em projetos

Leia mais

Mendes Sousa Carlos Fernando. Rua do Falcão, 2005-046 Vale de Santarém - Portugal. Web Site http://cfmsousa.no.sapo.pt

Mendes Sousa Carlos Fernando. Rua do Falcão, 2005-046 Vale de Santarém - Portugal. Web Site http://cfmsousa.no.sapo.pt Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido Nome Morada Mendes Sousa Carlos Fernando Rua do Falcão, 2005-046 Vale de Santarém - Portugal Telefone 918662718 Correio electrónico cfmsousa@sapo.pt Web Site

Leia mais

Apresentação. Seminário: Resultados da Lei de Informática

Apresentação. Seminário: Resultados da Lei de Informática Apresentação Seminário: Resultados da Lei de Informática Painel 14: A Lei de Informática como instrumento de estímulo à pesquisa e desenvolvimento no segmento de software Antonio Guilherme de Arruda Lorenzi

Leia mais

NE Report Digital 2013

NE Report Digital 2013 Índice 1. Economia Digital em Portugal (/17) e no Mundo () 2. Evolução dos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (acesso fixo) - Internet Service Providers 3. Evolução das quotas de acessos de banda

Leia mais

Módulos de Comunicação Wireless para Sensores

Módulos de Comunicação Wireless para Sensores Módulos de Comunicação Wireless para Sensores Identificação de características desejáveis Para uma adequada integração no ambiente industrial / de linha produtiva a que se destinam, os módulos de comunicação

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO)

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO) SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO) Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras

Leia mais

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação Introdução à Programação 2006/07 Computadores e Programação Objectivos da Aula Noção de computador. Organização Interna de um Computador Noção de Sistema Operativo. Representação digital de informação

Leia mais

Grade Curricular - Engenharia de Computação

Grade Curricular - Engenharia de Computação Grade Curricular - Engenharia de Computação SEMESTRE 1 - Obrigatórias FCM0101 Física I 6 0 6 FFI0180 Laboratório de Física Geral I 2 0 2 SAP0678 Desenho 2 0 2 SAP0679 Humanidades e Ciências Sociais 2 0

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

Sociedade da Informação e Investigação Científica e Tecnológica

Sociedade da Informação e Investigação Científica e Tecnológica Sociedade da Informação e Inestigação Científica e Tecnológica Figura: Cooperatie Association for Internet Data Analysis Luis Magalhães Abril de 2000 Os instrumentos da Sociedade da Informação são resultados

Leia mais

Formação BEYOND INNOVATION

Formação BEYOND INNOVATION Formação BEYOND INNOVATION 05 APLICAÇÕES E SERVIÇOS INTRODUÇÃO Conceitos de Segurança - BYOD Triple Play Gestão de Identidades - Estado da Arte e Tendências Instalação de Soluções Triple Play - MEO MEO:

Leia mais

N.º Trabalhadores Volume de facturação

N.º Trabalhadores Volume de facturação engenharia de comunicações Evolução da Wavecom 15 10 N.º Trabalhadores 5 0 12 7 2 2 3 2003 2004 2005 2006 2007 * 1.600.000,00 1.400.000,00 1.200.000,00 1.000.000,00 Volume de facturação 1.455.165 800.000,00000

Leia mais

Pacote de Comunicações Condições Especiais Agentes Generali

Pacote de Comunicações Condições Especiais Agentes Generali Pacote de Comunicações Condições Especiais Agentes Generali Condições Agentes Generali -Apresentação A PT Prime, em parceria com a Generali apresenta um pacote de comunicações exclusivo aos agentes Generali

Leia mais

Criptografia e Segurança

Criptografia e Segurança Criptografia e Segurança das Comunicações MEEC - 2011/12 http://comp.ist.utl.pt/ec-csc Os acetatos foram escritos de acordo com a ortografia antiga Prof RG Crespo Criptografia e Segurança das Comunicações

Leia mais

3 Hamanor St. Holon 58861 Israel, P.O.Box 5 AZOR 58008 Tel: +972-3-5599661 Fax: +972-3-5599677 mars@marsant.co.il www.mars-antennas.

3 Hamanor St. Holon 58861 Israel, P.O.Box 5 AZOR 58008 Tel: +972-3-5599661 Fax: +972-3-5599677 mars@marsant.co.il www.mars-antennas. MARS Antennas & RF Systems, é um líder mundial na fabricação e projeto de soluções de antenas de RF e uma Companhia de R&D, com uma capacidade comprovada para projetar e fornecer produtos de custo efetivo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof o : Marcelo Mendes. Padrões IEEE Termos importantes a saber: PACOTE Pacote é a estrutura de dados unitária de transmissão em uma rede de computadores. A informação a transmitir

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

Departamento de Informática..:Engenharia Informática:. revisão para adequação ao processo de Bolonha

Departamento de Informática..:Engenharia Informática:. revisão para adequação ao processo de Bolonha Departamento de Informática.:Engenharia Informática:. revisão para adequação ao processo de Bolonha 1 Cursos 1 ciclo em Engenharia Informática 2 perfis 2 ciclo em Engenharia Informática 1 perfil 1 ciclo

Leia mais

A Lei de Informática como fator motivador das atividades de pesquisa e desenvolvimento: resultados.

A Lei de Informática como fator motivador das atividades de pesquisa e desenvolvimento: resultados. A Lei de Informática como fator motivador das atividades de pesquisa e desenvolvimento: resultados. Seminário: Resultados da Lei de Informática - 02 de dezembro de 2003 Omar Abou Samra Secretário Executivo

Leia mais

Perfis, Papéis e Competências em Engenharia de Software

Perfis, Papéis e Competências em Engenharia de Software Perfis, Papéis e Competências em Engenharia de Software João Rocha ei02049 Pedro Rodrigues ei03081 Tiago Cavaleiro ei01099 Tiago Teixeira ei04125 Resumo. Este artigo de síntese pretende fornecer uma análise

Leia mais

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa.

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Os temas de interesse da Fapesp e da Telesp e que serão objeto de Chamadas de Propostas de Pesquisa para projetos de pesquisa cooperativa entre

Leia mais

A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia

A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia Em 2001, na Áustria Central (Styria), num contexto marcado pela rápida mudança tecnológica e contínuo processo de inovação, surgiu um projecto de cooperação em

Leia mais

Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões

Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões MAC 5743 Computação móvel Eduardo Teruo Katayama Sumário Introdução Acesso a Internet em aviões Dificuldades Tipos de conexões disponíveis Acesso

Leia mais

ISEL. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

ISEL. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa A Marca Marvila O como parceiro activo na visibilidade e na economia de Marvila José Carlos Quadrado O que é o? É das mais antigas Escolas públicas de Engenharia

Leia mais

1. Contexto. Página 1 de 5

1. Contexto. Página 1 de 5 REFERENCIAL REDES DE NOVA GERAÇÃO OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO E DE CONHECIMENTO SI INOVAÇÃO Nº 14 / SI / 2009 SI I&DT Nº 15 / SI / 2009 1. Contexto A Resolução do Conselho de Ministros n.º 120/2008, de 30

Leia mais

Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores

Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores Análise e estudos de dispositivos semelhantes existentes no mercado (Versão 1.1) Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Proposta de Adequação de LESI- Ramo de Sistemas em Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica e Telecomunicações. Versão 6.0

Proposta de Adequação de LESI- Ramo de Sistemas em Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica e Telecomunicações. Versão 6.0 Proposta de Adequação de LESI- Ramo de Sistemas em Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica e Telecomunicações Versão 6.0 Preâmbulo LESI (Ramo de Informática) LI LEI (3 anos) MEI (2 anos) LESI (Ramo

Leia mais

Semanais. Disciplina. Codigo Disciplina. 1º Semestre

Semanais. Disciplina. Codigo Disciplina. 1º Semestre Licenciatura em Informática com habilitação em Engenharia de Desenvolvimento de Sistemas/ Engenharia de Redes/Ensino de Informática/ Design e Multimédia Primeiro Ano (Major) Codigo Disciplina Disciplina

Leia mais

NE Report Digital 2013

NE Report Digital 2013 Índice 1. Economia Digital em Portugal (/17) e no Mundo () 2. Evolução dos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (acesso fixo) - Internet Service Providers 3. Evolução das quotas de acessos de banda

Leia mais

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Introdução à Administração Pública Noções Fundamentais de Direito Ciência

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 2 REDES, INTERNET E SERVIDORES (cont...) Conectividades de redes sem fio Uma rede sem fio (ou comunicação sem fio) refere-se a uma passagem aérea sem a necessidade do uso de cabos sejam eles telefônicos,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS A Internet global A World Wide Web Máquinas de busca Surgiram no início da década de 1990 como programas de software relativamente simples que usavam índices de palavras-chave.

Leia mais

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal A Vodafone tem estado sempre na linha da frente da introdução de novas tecnologias e desenvolvimento de serviços de dados móveis. Foi pioneira em Portugal

Leia mais

TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO (TI) TECNOLOGIAS ORIGEM DA PALAVRA

TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO (TI) TECNOLOGIAS ORIGEM DA PALAVRA TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO (TI) TECNOLOGIAS ORIGEM DA PALAVRA Provém das palavras gregas technê, que significa saber fazer, e logia, que significa conhecimento organizado SIGNIFICADO É o conhecimento

Leia mais

Características dos operadores

Características dos operadores RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 21 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 29 Características dos operadores Salvo indicação em contrário, os números apresentados neste documento

Leia mais

InovaçãoemPortugalcaiparaníveisde2010

InovaçãoemPortugalcaiparaníveisde2010 14deJunhode2013 PIB Défice InovaçãoemPortugalcaiparaníveisde2010 http://www.publico.pt/economia/noticia/inovacao-em-portugal-cai-para-niveis-de-2010-1583482 http://www.freegreatpicture.com/3d-business-people/d-villain-30435

Leia mais

As Telecomunicações. Constituição do grupo: Alexandre Fialho 9ºA N.º 1 Henrique Calisto 9ºA N.º 11

As Telecomunicações. Constituição do grupo: Alexandre Fialho 9ºA N.º 1 Henrique Calisto 9ºA N.º 11 As Telecomunicações Constituição do grupo: Alexandre Fialho 9ºA N.º 1 Henrique Calisto 9ºA N.º 11 Sumário A evolução das telecomunicações?...3 O que e a aldeia Global ou a globalização?...4 O que a comunicação

Leia mais

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Listagem de UC por curso Semestre * 2013-14 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Direito Administrativo Contabilidade Financeira Introdução aos Estudos das Organizações Fundamentos

Leia mais

Mas afinal, o que é a CONVERGÊNCIA?

Mas afinal, o que é a CONVERGÊNCIA? Tecnologia 40 Mas afinal, o que é a CONVERGÊNCIA? DSL Cabo Fibra Móvel Móvel WiFi em movimento Convergência TERMINAL é poder MULTI- se comunicar ÓTIMO MÍDIA independente de local, dispositivo de acesso

Leia mais