TENDÊNCIA NO USO DO CAD E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO/ UFF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TENDÊNCIA NO USO DO CAD E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO/ UFF"

Transcrição

1 TENDÊNCIA NO USO DO CAD E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO/ UFF Sérgio Roberto Leusin do AMORIM D.Sc., Arq., Escola de Arquitetura e Urbanismo, UFF. Rua Passo da Pátria, 256, bloco D, s. 541, São Domingos, Niterói (RJ) Brasil - Correio eletrônico: Patrícia Fraga Rocha RABELO D.Sc., Arq., Escola de Arquitetura e Urbanismo, UFF. Rua Passo da Pátria, 256, bloco D, s. 541, São Domingos, Niterói (RJ) Brasil - Correio eletrônico: RESUMO As Novas Tecnologias da Informação e Comunicação (NTIC s) estão inseridas no mundo contemporâneo e são até mesmo imprescindíveis, em diversas áreas do conhecimento. Na Arquitetura, Urbanismo e áreas afins urge avaliar como estas vêm sendo empregadas no mercado de trabalho e como as Escolas orientam os futuros arquitetos-urbanistas para uma melhor adequação à realidade profissional. Nas últimas décadas, alguns programas vêm sendo desenvolvidos para melhorar o desempenho e agilizar os processos de projetação e execução de obras, sendo o Autocad o mais difundido e utilizado. Será que nas EAU já é uma prática comum a aplicação desse ou de programas diferentes no desenvolvimento das disciplinas de projeto ou outras? A presente pesquisa apresenta um estudo de caso realizado na Escola de Arquitetura e Urbanismo da UFF (Universidade Federal Fluminense), com o objetivo de buscar resposta a esse questionamento, verificando as tendências de uso do CAD (Computer Aided Design), o perfil dos discentes e a aceitação e tolerância deste uso por parte dos professores, visando esclarecer sua influência nos alunos. Serão utilizados os métodos quantitativo e qualitativo, realizando aplicação de questionários, entrevistas e observação direta. Como resultado parcial constatou-se o uso do CAD como fundamental nas etapas de projeto e execução de obras e a necessidade de reavaliação das diretrizes dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e do ensino de projeto no sentido de maior adequação às exigências do mercado. Acredita-se que a partir dos resultados obtidos será possível traçar novas metas e direcionar as perspectivas de ensino na instituição, colaborando também com o debate sobre a aplicação de novas tecnologias no ensino da arquitetura em outras faculdades. Palavras-chaves: gestão do projeto, construção de edifícios, desenvolvimento de produto 1. INTRODUÇÃO O uso das novas tecnologias de informação vem transformando as atividades em todos os setores do conhecimento. O que provoca um problema educativo, convertendo-se em um grande desafio, superar a distância entre o ensino tradicional e o ensino a partir destas novas ferramentas de trabalho, de comunicação, transmissão e compartilhamento de informações. Na área dos desenhos técnicos, o CAD, Computer Aided Design, é uma ferramenta importante, bastante difundida há algumas décadas. Na Arquitetura, os recursos de CAD vêm sendo largamente aplicados nos processos de projetação e execução de obras, possibilitando controlar melhor e mais minuciosamente projetos complexos da arquitetura contemporânea, tendo se tornado uma ferramenta padrão. No curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense (UFF), como na maioria das faculdades de arquitetura e engenharia, os alunos são preparados para utilização destas ferramentas, com disciplinas específicas de utilização de CAD. Vale ressaltar, contudo que o domínio do CAD torna-se ineficaz e inadequado sem o conhecimento e domínio dos fundamentos, normas e procedimentos técnicos de desenho técnico. Até o presente momento, não se tem conhecimento da relação prática entre as disciplinas de

2 desenho técnico e de CAD e a utilização deste nas demais disciplinas do curso e nos trabalhos apresentados pelos alunos na UFF. Em outras instituições, também, o impacto do CAD no ensino e conseqüentemente nos resultados da projetação e na formação dos arquitetos ainda não está bem avaliado. A situação apresentada direciona ao questionamento sobre o uso de CAD dentro e fora do ambiente acadêmico (em estágios), e como isto afeta o processo pedagógico. A fim de responder a estas indagações, o presente trabalho busca identificar o real processo de formação em CAD e verificar como esta tecnologia é utilizada, difundida e aceita por professores e alunos no desenvolvimento das disciplinas do Curso de Arquitetura e Urbanismo, especialmente nas de projeto. Pretende-se com os dados obtidos, reavaliar a metodologia de ensino de projeto e de suas ferramentas de apoio, bem como re-direcionar as diretrizes de perspectivas de ensino na UFF, que podem ser adaptadas a outras instituições de ensino da área. A presente investigação identifica-se com o Estudo de Caso, pois é uma pesquisa empírica que pretende investigar um fenômeno atual em uma conjuntura real, analisar uma intervenção em andamento e possivelmente sugerir modificá-la com base nos resultados obtidos (Yin, 2005). Assim, desenvolve-se investigando o uso do CAD no curso de Arquitetura e Urbanismo da UFF. Adota-se uma abordagem quantitativa e qualitativa, com o intuito de traçar um diagnóstico da realidade do uso de CAD. Para esse estudo de caso, as evidências vêm de fontes distintas e complementares, entre elas. Centrando no estudo de caso concretamente, a aplicação de um questionário misto, aplicados aos alunos do curso tem o objetivo de apresentar o perfil dos alunos e a utilização que estes fazem do CAD. Em um universo total de 454 alunos da graduação da Escola de Arquitetura e Urbanismo (EAU)/ UFF, de todos os períodos, de calouros a formandos, foram obtidos 207 (45,59%) questionários, sendo considerados apenas os 147 (32,37%) que estavam completos. A partir destes, foi possível a elaboração de gráficos e planilhas, permitindo análise de cada tópico de interesse isoladamente e também as inter-relações e complementações entre os dados obtidos. Estão previstas entrevistas semi-estruturadas com os professores com o objetivo de analisar seus conhecimentos e utilização de CAD, dentro e fora do ambiente acadêmico e sua visão sobre a relação existente entre CAD e trabalhos acadêmicos. A observação direta nas salas de aula e laboratórios de computação da instituição está sendo desenvolvida, complementando o levantamento de dados e é útil para adicionar informações ao tópico estudado. Os resultados, embora parciais até o presente momento, já apresentam evidências importantes e contribuem para responder às indagações da pesquisa, além de colaborar também com o debate sobre a aplicação de novas tecnologias de informação no ensino da arquitetura em outras faculdades. 2. NOVAS TECNOLOGIAS E O ENSINO DE CAD NAS ESCOLAS No que diz respeito ao ensino, observa-se que, tanto currículos como objetivos, relacionam-se com a tecnologia na educação, que orienta o produto, dependendo das proposições e práticas necessárias. Rocha e Rabelo (2006) afirmam que, entre os desafios do Ensino Superior nos dias de hoje, pode-se destacar a necessidade de professores preparados, dinâmicos, investigativos, capazes de contribuir na adequada formação acadêmico-profissional, inclusive no que diz respeito ao uso da ciência e da tecnologia. Fazer com que os alunos tenham acesso e domínio dessas tecnologias é a única garantia de sua inserção no mercado de trabalho com a qualidade desejável. Essa é a parte mais difícil desta tecnologia. As novas tecnologias devem ser agentes transformadores nos processos de aprendizagem, uma vez que estas modificam também práticas e relações educativas e os educadores devem observar as mudanças da sociedade para atuar positivamente nesse aspecto (Capisani, 2002; Burbules y Callister, 2001). Hoje em dia se exige uma nova postura na sala de aula, tanto por parte de alunos como por parte de professores, para vencer estes desafios e envolver as NTIC s no contexto pedagógico. Há uma necessidade de metodologias mais adequadas e atualizadas que facilitem a

3 operacionalização do trabalho na direção construtiva e criativa desejável. Os novos profissionais lançados no mercado devem ser educados com metodologias que os preparem para os desafios da vida moderna. Nesse contexto, observa-se que, nos últimos tempos, as escolas de Arquitetura e Urbanismo vêm fazendo mudanças e adaptações sobre seus currículos em busca de melhor se enquadrar às exigências do mercado e preparar melhor seu aluno para a vida profissional contemporâneo. O ensino de disciplinas voltadas para a Informática, Computação Gráfica e CAD já estão inseridas nos currículos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo no país, e pode-se dizer que sua necessidade já é um consenso geral. Na USP Universidade de São Paulo, o referido curso oferece as disciplina de Computação Gráfica, como obrigatória e a disciplina Recursos gráficos avançados na computação como disciplina optativa (FAU/USP, 2006). Na UFBA Universidade Federal da Bahia encontram-se as disciplinas Informática aplicada I e II, Computação Gráfica aplicada e Introdução à Computação Gráfica. No curso da UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro, são oferecidas 6 disciplinas nessa área: Informática Aplicada à Arquitetura e Urbanismo, Computação Gráfica aplicada à Arquitetura e Urbanismo I e II, Arquitetura e mídia digital I e II, e Informática aplicada ao Urbanismo. No curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFF, são oferecidas duas disciplinas voltadas para a informática e preparação para cursos CAD, que são a Informática aplicada à Arquitetura e Informática: conhecimentos avançados. Em outros cursos da área ou áreas similares, também se utiliza programas CAD dentro das disciplinas. Isso faz com que os estudantes reflitam sobre a questão do desenho a mão livre e/ou o projeto de arquitetura mediado pela tecnologia, por exemplo. Rimkus (2006) afirma que o conhecimento e assimilação do entendimento do desenho arquitetônico são possibilitados pelos recursos gráficos que permitem uma melhor compreensão e visualização tridimensional dos processos estudados propiciando o entendimento por parte do aluno, principalmente daqueles novatos no curso. Nas disciplinas de Arquitetura e Urbanismo e áreas fins, percebem-se algumas vantagens na utilização das novas ferramentas disponíveis no mercado, como, por exemplo, disponibilizar mais informações tridimensionais, expor mais seqüências das construções geométricas, esclarecer dúvidas ou questionamentos através de animações interativas. A partir da inclusão destas ferramentas nas aulas, pode-se perceber também uma maior motivação dos alunos. Em alguns casos, como cita Cellani et al (2003), a utilização do CAD dentro das disciplinas, não se limita a ferramentas de representação. São utilizados e explorados como assistentes no processo criativo adaptável e programável. Com essa prática, ainda de forma embrionária, podese notar uma mudança de atitude dos estudantes e profissionais na arte de projetar. Porém, convém frisar que o computador e as ferramentas CAD, podem ser coadjuvantes no processo de criar, pois estas ferramentas não conduzem a uma caça de idéias (Cordiviola, 2006). 3. O ESTUDO DE CASO NA EAU/ UFF 3.1 O discente da EAU/ UFF e o acesso às NTIC s Na visão geral, do ponto de vista sócio-econômico, verifica-se que o estudante do curso de arquitetura da UFF pertence à classe média, oriundo de escolas particulares, vive com os pais e possui computador em casa com acesso a internet banda larga (ver Tabela 1). Apenas 4,08% dos discentes tem renda inferior a 2 salários mínimos (SM). Apesar de ser um número pequeno, necessita fundamentalmente de uma avaliação detalhada da sua relação com os demais itens da presente pesquisa, para possibilitar o entendimento e a inclusão destes na familiarização e utilização de ferramentas de CAD, propiciando-lhes as mesmas condições de aprendizado e trabalho que os demais colegas. Os resultados obtidos na pesquisa variam em porcentagens superiores a esse universo de 4,08% tanto para conhecimento como para utilização de ferramentas CAD e sistemas de compartilhamento de arquivos e colaboração em projetos. O que leva a acreditar que não é

4 somente o fator renda familiar que influencia na formação destes alunos, nem o tipo de ensino médio realizado. Entretanto, um dos pontos de preocupação para inserção de todos os estudantes no mercado de trabalho e nas exigências atuais de conhecimento diz respeito ao seu acesso e facilitação às novas tecnologias. Renda Familiar > 5 Salários Mínimos Ensino Médio Instituição particular Acesso a Computador pessoal 97,6% dos estudantes Computador Pessoal + 18 meses Sistema Operacional Windows XP Internet Banda Larga Tabela 1: Perfil dos Discentes relacionado às NTIC s No que se refere ao acesso a computadores, apenas metade dos alunos com renda abaixo de 2 SM não devem possuir um computador em casa, pois o número dos que fizeram essa afirmação foi de apenas 2,04%. Para estes, o laboratório de informática do curso de arquitetura deve suprir as necessidades de inclusão. Acredita-se, contudo, que o maior dilema e grande desafio no ensino hoje em dia é o acesso total e de qualidade à internet, que muitas vezes exclui algumas pessoas que possuem recursos limitados, pois os serviços não são baratos e requerem atualização constante. Mas esse problema aparece em poucos casos no universo de estudo deste trabalho. 3.2 Formação e utilização de CAD A proximidade e vivência com a prática profissional permitem ao aluno/ estagiário um maior conhecimento com as atividades e ferramentas necessárias ao seu bom desempenho, focalizando aqui, principalmente, as ferramentas de CAD para os estudantes de Arquitetura e Urbanismo. Verifica-se que a maioria dos alunos já tem mais de um ano de experiência de estágio e que a porcentagem dos provenientes de escolas públicas e privadas não varia muito nesse aspecto, apesar de perceber que os de escola particular têm mais tempo de estágio. Analisando formação acadêmica complementar e voltada para a aplicação do CAD, conforme pode-se observar na Tabela 2, este estudante realiza estágio e e já cursou a disciplina básica de Informática aplicada à Arquitetura oferecida no seu curso de graduação. Conhece os programas mais utilizados na área, porém desconhece outros programas de desenho, como o Microstation, intelicad ou similar, Vectworks ou Revit. Diz-se autodidata, observando-se poucos casos de realização de cursos avançados e talvez esta seja a razão do não conhecimento de outras ferramentas de CAD e de sistemas de compartilhamento de arquivos e /ou colaboração em projetos/web, embora, acredita-se que ele possa estar utilizando esses sistemas, sem, no entanto, saber que assim são chamados. Analisando separadamente os alunos provenientes de escolas particulares no ensino médio e aqueles provenientes de escolas públicas, obtém-se o mesmo perfil, apresentando apenas porcentagens um pouco diferenciadas, mas na sua maioria, assaz semelhantes. Tempo de Estágio Estudo de CAD Programas CAD que conhece Programas CAD que desconhece Utilização de CAD + 1 ano Básico: Introdução à Informática AUTOCAD, SKETCHUP, 3 DMAX Microstation, Intelicad, Apresentação de trabalhos Tabela 2: Discentes e Formação em CAD Com o índice de alunos com conhecimento razoável de CAD, natural que a maioria utilize as ferramentas para desenvolver seus trabalhos, seja no âmbito acadêmico, seja na vida profissional, nos estágios. Na presente investigação constatou-se que apenas 10,2% dos estudantes de arquitetura da UFF não utilizam o CAD, seja na faculdade ou no trabalho. Por outro lado, a maioria (68,02%) usa o CAD para apresentação de trabalhos, 48,20% usa já nos

5 desenvolvimentos de croquis. No que se refere a trabalhos em 3D, 40,81% afirmam usar, e 29,25% usa a apresentação 3D. Analisando as respostas gerais e aquelas separando alunos provenientes de ensino médio público ou particular, percebe-se que não há grandes mudanças no desenho geral dos 3 gráficos. Embora o índice percentual para a utilização das ferramentas CAD para elaboração de croquis e 3D, sempre estão um pouco mais acima nos casos das escolas particulares. Os alunos de escolas públicas têm maior número no quesito desenvolvimento e apresentação final de trabalhos. Seguindo para uma análise mais aprofundada do uso do CAD pelos estudantes com relação aos sistemas de colaboração/ compartilhamento em projetos, verifica-se que 70,06% afirmam não conhecer e/ou não utilizar nenhum destes sistemas. Apenas 24,48% conhecem, mas não fazem uso de nenhum. Poucos afirmam usar o compartilhamento de arquivos (4,08%) e um número muito reduzido (0,68%) usa tanto compartilhamento de arquivos como colaboração em projetos/ web. A partir de observações, acredita-se que alguns alunos façam uso de sistemas de compartilhamento ou colaboração, sem, no entanto, saber do que se trata, e talvez por isso, nesta pesquisa, o número de desconhecimento seja tão alto. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho é de grande importância para colocar o curso de Arquitetura da UFF, seus professores e alunos, no caminho da projetação contemporânea. Com base nos dados apresentados, identifica a realidade da sua comunidade acadêmica no que diz respeito ao uso do CAD como ferramenta fundamental nas etapas de projeto e execução de obras e permite uma reavaliação da metodologia de ensino de projeto atualmente em vigor e de suas ferramentas de apoio. A influencia de NT é relevante por oferecer à sociedade possibilidades de mudar a maneira de pensar e agir, promovendo um constante e positivo cambio na criatividade do estudante. O acesso eficaz a estas deve ser um objetivo social de todas as instituições, porque deles dependem, muitas vezes, novas oportunidades educativas e de vida. Deve ser eficaz no sentido de participar e aproveitar os recursos e distinguir o útil do inútil, qualidade de quantidade. Constata que o acesso dos discentes às NTIC s é satisfatório, embora o currículo da EAU/UFF, e algumas outras do Rio de Janeiro, não enfatizam disciplinas específicas para esse fim. Os conteúdos e métodos de ensino podem ser constantemente melhorados. É preciso uma renovação metodológica no ensino, tomando como ponto de partida a identificação de competências e qualificações necessárias para os docentes e permitir que estes alcancem um nível necessário de domínio tecnológico para as funções para as quais será exigido. Verifica-se que o mercado profissional nessa área exige e utiliza programas CAD e a carência de ensino é suprida nas atividades de estágio, pois a maioria dos alunos que têm conhecimento ou fazem uso de programas CAD já estão no mercado de trabalho, como estagiários, há algum tempo. Algumas ferramentas de CAD já são conhecidas de muitos estudantes na UFF. O AutoCAD é o mais conhecido e utilizado por esse universo, que conhece algumas outras ferramentas, como o REVIT, 3DMax e p SKETCHUP. Desde que foi criado o AutoCAD, exite uma discussão para libertar o arquiteto do trabalho manual e do desenho técnico. Mas a libertação de tempo já ocorreu. E a principal observação a fazer é que essas ferramentas são instrumentos de trabalho e não devem influenciar a criatividade. As Universidades devem atender ao mercado. As escolas de Arquitetura e Urbanismo vão além e devem ser capazes de facilitar ao aluno o entendimento de que tanto a prancheta/ lápis /computador não parou no tempo.

6 Aos professores, cabe maior reflexão e comprometimento para criar oportunidades de aprendizagem que ampliem as possibilidades humanas e melhore a qualidade das inter-relações. E, acredita-se que, um dos principais responsáveis pelos problemas em diversos cursos e áreas de conhecimento é a deficiência apresentada pelos profesores no que diz respeito ao domínio das NTI s. Verifica-se que muitos dos professores pouco sabem usar o computador mais do que para receber e enviar , para si mesmo. Constata-se a necessidade de inclusão digital dos discentes, principalmente em cursos de Arquitetura e Urbanismo e áreas afins e a importância das instituições de ensino em colaborar nesse sentido. As EAU têm sua parcela de responsabilidade em proporcionar a inclusão de seus futuros profissionais, não os deixando à margem das competências que o mercado irá lhes exigir. A partir do levantamento e análise dos dados realizados na EUA/UFF, pode-se concluir que urge uma política de re-avaliação da metodologia de ensino das disciplinas de desenho e projeto, bem como da oferta de disciplinas voltadas à utilização de NTIC s, especialmente de programas CAD no curso de AU, já que, percebe-se que os alunos precisam aprender fora da escola e, ainda que aprendam, na maioria das vezes, não podem aplicar o aprendizado nas disciplinas do curso. Ao final da pesquisa, acredita-se que será possibilitado um maior embasamento no sentido de traçar novas diretrizes de ensino no curso de Arquitetura e Urbanismo da UFF que venham a ser úteis para outras EAU e contribuam consideravelmente com a melhoria da qualidade do ensino na área. Consequentemente contribuirá com uma concorrência no mercado de trabalho mais justa e equilibrada socialmente. REFERÊNCIAS BURBULES, N.C. e CALLISTER, T.A. (h). Educación: Riesgos y promesas de las nuevas tecnologías de la información. Barcelona: Granica, CAPISANI, D. A construção do conhecimento na era da informação. Disponível em: <http://www.ead.ufms.br/biblioteca_digital/artigos/a_construcao_do_conhecimento_na_era_da_informacao.p hp> Acessado em: 12 jul CELANI, M.G.C. et alli. CAD O lado criativo. Duas experiências educacionais visando mudar a forma como estudantes de arquitetura usam o CAD. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura da FAUUSP, Pós nº 14, São Paulo, Disponível em:<http://www.usp.br/fau/public/pos/14/revistapos14.pdf>. Acessado em: 25/07/2006. CORDIVIOLA, C. Notas sobre projeto e computador Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq000/esp346.asp>. Acessado em: 16/08/2007; MOUM, A. A framework for exploring the ICT impact on the architectural design process, ITcon Vol. 11, Special Issue The Effects of CAD on Building Form and Design Quality, pg , Disponível em: <http://www.itcon.org/cgi-bin/works/show?2006_30>. Acessado em: 20/07/2006. PENTTILÄ, H. Describing the changes in architectural information technology to understand design complexity and free-form architectural expression, ITcon Vol. 11, Special Issue The Effects of CAD on Building Form and Design Quality, pg , Disponível em: <http://www.itcon.org>. Acessado em: 25/07/2006. REVISTA CADESIGN (2006). Desenho & Projeto. Perfil do uso do CAD na AEC. Ibéria Editora, RIMKUS, C. M F. Multimídia no contexto do ensino/aprendizagem do Desenho Técnico. 5º EREG/NE Encontro Regional de Expressão Gráfica. Educação Gráfica perspectiva histórica e evolução. Salvador, ago/2006. ROCHA, N.M.F. e RABELO, P.F.R. Ensinar a ensinar na Educação Superior. In: Passos, E.S. (org). Ensaios: Múltiplos olhares sobre desenvolvimento humano em educação. Salvador: Fast Design, YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3ª ed. Porto Alegre: Cookman, 2005.

IMPORTÂNCIA DO ARQUITETO NA INCEPÇÃO: O CASO BRASILEIRO

IMPORTÂNCIA DO ARQUITETO NA INCEPÇÃO: O CASO BRASILEIRO IMPORTÂNCIA DO ARQUITETO NA INCEPÇÃO: O CASO BRASILEIRO Arnaldo de Magalhães LYRIO FILHO M.Sc., Arq., Rua Passos da Pátria, 156 Bl. D Sl. 541. Universidade Federal Fluminense, CEP 24220240 - São Domingos,

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID Nataélia Alves da Silva (1) * ; Creuza Souza Silva (1); Lecy das Neves Gonzaga (1); Michelle

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste. 1032 MODELO CRIATIVO E AVALIAÇÃO NO DESIGN Marcelo José da Mota Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.br

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto-SP - 05/2009 Edilson Carlos Caritá - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA. Município: CRUZ DAS ALMAS

ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA. Município: CRUZ DAS ALMAS ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA Município: CRUZ DAS ALMAS O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) apresenta o Relatório do Curso com os resultados do Exame Nacional

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise:

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise: Relatório de análise de dados O presente relatório trata da análise dos resultados provenientes de informações obtidas por meio dos questionários da autoavaliação referentes ao curso de graduação em Dança

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF)

Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF) Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF) 1. Sobre o Programa O Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF) é um programa nacional de pós-graduação

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB): IDEALIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES REALIZADAS. Mariana de SenziZancul (Docente do Núcleo de Educação

Leia mais

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC Lúcio Flávio Nunes Moreira luciof@fumec.br Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade FUMEC Rua Cobre, 200 Cruzeiro 30.310-190 -

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió Lívia Maria Omena da Silva liviamariaomena@gmail.com CESMAC Alexa Luiza Santos Farias alexafarias1@hotmail.com

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF Elisângela Cristina dos Santos Rua Aladim Silva, 128 Bairro: Retiro, Juiz de Fora / MG - CEP: 36072-560 annaeorei@yahoo.com.br

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDNMT07 DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE PARA O LABORATÓRIO DE BROMATOLOGIA DO CURSO DE NUTRIÇÂO Ilsa Cunha Barbosa (1), Estefânia Garcia Fernandes (2), Márcia Gabrielle Ferreira da Silva (2), Geraldo Antonio

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO Edinéia Terezinha de Jesus Miranda PPGEC - UNESP/Bauru Neia.terezinha@gmail.com Nesse

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

!"#$$ %& %'$ %"! "( )" ""*+%!',%" -.

!#$$ %& %'$ %! ( ) *+%!',% -. !"#$$ %& %'$ %"! "( )" ""*+%!',%" -. 2 $ %& %'$ %"! "( 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem por finalidade apresentar os dados computados no questionário elaborado pelo PROPAV, e disponibilizado eletronicamente

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR*

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* Francisco Jeovane do Nascimento Universidade Estadual do Ceará - UECE jeonasc@hotmail.com Neiva Daiane Cordeiro

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

MANUAL DISCENTE 2012

MANUAL DISCENTE 2012 MANUAL DISCENTE 2012 SUMARIO 1. Apresentação da Instituição 02 2. Organização Institucional 03 3. Missão, Visão, Princípios e Valores 04 4. Procedimentos Acadêmicos 05 5. Estágio Supervisionado e Trabalho

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS NAS ATIVIDADES EDUCACIONAIS

AS NOVAS TECNOLOGIAS NAS ATIVIDADES EDUCACIONAIS AS NOVAS TECNOLOGIAS NAS ATIVIDADES EDUCACIONAIS E A FORMAÇÃO DOCENTE Eliani Retzlaff, URI, elianir@urisan.tche.br Rozelaine de Fátima Franzin Contri, URI, rozelaine@urisan.tche.br Rosangela Ferreira Prestes,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO UMA REFLEXÃO SOBRE O PERFIL DO ENGENHEIRO INDUSTRIAL DO CEFET-RJ. José dos Santos Bastos Lilian Martins da Motta Dias Leydervan de Souza Xavier Jorge

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola MORIS, Aline dos Santos 1 aline_morys@hotmail.com Rocha, Marlizane Atanazio 2 SOUZA, Sueli de Oliveira 3 Suelisouza-roo@hotmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Charlotte Couto Melo 2 Gláucia da Silva Brito 3 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Resumo As mudanças

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas FORMAÇÃO CONTINUADA EM BRAILLE VISANDO À EDUCACAO INCLUSIVA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA GT 08 - Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) RESUMO Neste relato apresenta-se o curso de Braille-Módulo

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Leandro Carlos de Souza Gomes(1); Universidade Estadual da Paraíba, leandrouepb@hotmail.com; RESUMO: Essa pesquisa

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE

RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE 1 RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE Fortaleza CE, 01 de maio de 2014 Luciana Rodrigues Ramos Duarte Faculdade Ateneu

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Fisioterapia da Faculdade ASCES constitui uma etapa curricular com

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias

Disciplinas Obrigatórias MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 507/2014 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Grau: Bacharelado. O CONSELHO

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES Andréia Serra Azul da Fonseca 1 Maristela Lage Alencar 2 Sinara Mota Neves 3 Universidade

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Palavras Chave: Monitoria, Matemática no Ensino Superior, Reprovação em Matemática.

Palavras Chave: Monitoria, Matemática no Ensino Superior, Reprovação em Matemática. ISSN 2177-9139 MONITORIAS NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: RESULTADOS E PERSPECTIVAS Juliana Borges Pedrotti julianabpedrotti@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Física

Leia mais

PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO: CONCEPÇÕES DE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO

PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO: CONCEPÇÕES DE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA Programa de Pós Graduação Ensino em Ciências da Saúde TATIANE FERNANDES ALVES PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO Naiara Sousa Vilela Geovana Ferreira Melo Marly Nunes de Castro Kato Marlei José de Souza

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação.

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação. 1 ARTE DIGITAL: O MUNDO DAS TELAS NA TELA DO COMPUTADOR Gláucio Odair Xavier de ALMEIDA Licenciado em Letras e Licenciando em computação Universidade Estadual da Paraíba/CCEA- Patos odairalmeida88@gmail.com

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO DOCUMENTOS BÁSICOS: - Cadernos Paebes; - Ata de resultados finais da Escola em 2010; - Guia de Intervenção Pedagógica;

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais