Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas."

Transcrição

1 Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Tese submetida à Universidade Federal de Sanat Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Doutor em Engenharia Elétrica Roberto Alexandre Dias, Florianópolis, Abril de 2004 Resumido por Adriano Orlando Campestrini Este trabalho tem como principal objetivo desenvolver algoritmos de roteamento que permitam a implementação de ET (Engenharia de Tráfego) em redes IP sobre tecnologia MPLS. Além disso, o trabalho propõe uma abordagem de implementação de engenharia de tráfego dinâmica, avalia o desempenho computacional dos algoritmos e qualidade das soluções e compara os resultados de algoritmos de roteamento atuais com os do proposto. Engenharia de tráfego e MPLS Engenharia de tráfego em redes IP. Com o crescimento da demanda por recursos de redes, apenas o aumento da capacidade dos enlaces não é suficiente. Do ponto de vista de QoS (Qualidade de Serviço), nem sempre o caminho mais curto é o melhor caminho a se trafegar por uma rede. Neste cenário, a ET tem muito a contribuir mapeando os fluxos de tráfego de forma balancear a carga entre os componentes de uma infra-estrutura de rede. Protocolos de roteamento atuais, como OSPF e IS-IS, classificados como protocolos LS (Link State) não consideram banda máxima e banda residual dos enlaces ao computar o destino dos fluxos da rede. Apesar de estarem previstas extensões aos protocolos LS, tornando-os capacitados a tratar estes parâmetros, não é recomendado o uso de novos protocolos de rede pois estes podem causar inundação (ou flood) de mensagens de sinalização. Tecnologia MPLS: conceitos básicos e terminologia. Em ambientes de roteamento convencionais, a decisão sobre o roteamento de cada pacote é realizada em cada roteador da infra-estrutura. Para permitir o estabelecimento prévio da rota a ser seguida pelos pacotes, o MPLS (Multiprotocol Label Switching), nos LERs (Label Edge Routers), insere rótulos nos pacotes que entram no domínio, associando-os a uma FEC (Forward equivalence class), que representa o caminho fim-a-fim que o pacote deverá percorrer no domínio. Uma FEC é definida como sendo uma classe correspondente a um

2 conjunto de pacotes encaminhados de uma mesma forma através da rede. Cada FEC define explicitamente os nodos que os pacotes de cada classe irá percorrer. Com as FECs é possível criar uma LIB (Label Information Base), mantida em cada LSR (Label Switch Router). MPLS é denominado multiprotocolo, pois pode ser empregado de forma independente dos protocolos da camada de rede e enlace, p.e. ATM, Frame Relay, PPP com IP, IPX, Appletalk... Eis alguns conceitos relacionados a MPLS: Rótulo: conjunto de informações resumido e de tamanho fixo utilizado para busca na tabela de encaminhamento; LIB: é a tabela presente em cada LSR que contém informações necessárias ao encaminhamento dos pacotes; LSP: é uma rota pré-definida na qual um conjunto de pacote de uma mesma FEC é encaminhado através de uma rede MPLS; e Protocolos de distribuição de rótulos: Para que decisões de encaminhamento sejam definidas em um domínio MPLS, é necessário que informações sejam intercambiadas entre todos os LSRs vizinhos. Para isto, existem os protocolos de distribuição de rótulos. Roteamento baseado em restrições. RBR (Roteamento baseado em restrições) é um conjunto de processos voltados ao cômputo de rotas de rede sujeito ao atendimento de uma ou mais restrições (regras). Estas regras normalmente são relacionada às especificações de QoS das aplicações, informações de segurança e/ou tarifação. A partir disto, as rotas configuradas podem ser as que melhor atendem tais restrições. Para possibilitar roteamento explícito - requisito de RBR - é necessário utilizar protocolos de distribuição de rótulos MPLS. No mercado existem duas propostas: RSVP-TE e CR-LDP. MPLS e Engenharia de Tráfego. O MPLS permite esquemas sofisticados de roteamento baseados na capacidade de estabelecimento de LSPs explicitamente roteados. Também tem como vantagem para a ET, a possibilidade de mapear troncos de tráfego em LSPs e o suporte a RBR. Engenharia de tráfego e otimização Modelagem de problemas. O processo de modelagem de problemas consiste em três etapas: 1. Definição do problema: objetivos, variáveis de decisão ou controle, nível de detalhamento e restrições; 2. Formulação do modelo: tradução do problema normalmente expresso de forma matemática; e 3. Solução e validação: concepção de uma abordagem de resolução da formulação. Programação Linear Inteira. Uma variedade de problemas reais podem ser formulados e resolvidos empregando-se notação de PLI (Programação Linear Inteira). Todos eles visam resolver as mesmas categorias de problemas: otimização da utilização dos recursos. Constata-se que para uma categoria de problemas complexos, chamados de NP-difíceis ou NP-completos, sua solução exata utilizando programação linear inteira gera um custo computacional muito grande, impossibilitando a resolução em tempo hábil. Existem diversas técnicas dispostas a contornar este problema, entretanto não garantem que um tempo computacional polinomial na busca da solução exata, ou ótima. Desta forma, este trabalho recorreu a métodos de aproximativos.

3 Métodos de soluções aproximados dos problemas de PLI. Dois métodos aproximativos de solução de problemas de programação inteira foram empregados neste trabalho: 1. Relaxações: procedimento que permite a busca de um conjunto de soluções para um problema PLI que sejam próximos das soluções ótimas. A principal vantagem das relaxações é de permitir ao analista estabelecer uma relação de compromisso entre a qualidade da solução e o tempo computacional. 2. Soluções heurísticas: uma heurística é uma técnica que busca alcançar uma boa solução, utilizando um esforço computacional considerado razoável, sendo capaz de garantir a viabilidade e/ou otimalidade da solução encontrada. Engenharia de tráfego como um problema de otimização. O emprego de programação matemática para modelagem de problemas de ET tem se tornado uma alternativa promissora. Os problemas de ET, em geral, podem ser formulados como problemas de programação linear inteira, sendo variantes do problema de caminhos mínimos sujeitos a restrições, que como visto, é do tipo NP-completo. A solução destes problemas pode ser obtida em tempo hábil, através de métodos aproximativos, como as relaxações e heurísticas. No presente trabalho, foram adotados os métodos de relaxação Lagrangeana, com o emprego do algoritmo subgradiente para obtenção de uma solução viável, em tempo polinomial, para um problema de engenharia de tráfego em redes IP sobre MPLS. Modelagem de um Problema de Engenharia de Tráfego (PET) Problema de Engenharia de Tráfego. O objetivo deste problema de ET é maximizar a vazão global dos fluxos de dados injetados em uma topologia de rede com tamanho significativo, respeitando a largura de banda dos enlaces e o atraso fim-a-fim máximo de cada fluxo de dados. Modelagem e formulação do problema. A modelagem e formulação do problema de ET proposto define: Características topológicas: modeladas por um grafo direcionado; Características lógicas da rede: o número de LSPs e o número de níveis de largura de banda a serem configurados, o máximo atraso fim-a-fim permitido pelos LSPs e um parâmetro de prioridade de admissão; A função objetivo: visa maximizar a vazão global dos fluxos de dados injetados na rede, segundo uma política de priorização; As variáveis de decisão: permitem a seleção do nível de largura de banda a ser configurado em cada LSP, e a rota seguida por cada um deles; e As famílias de restrições: corresponde à limitação de capacidade de transmissão dos enlaces e atraso fim-a-fim de cada fluxo de dados. Solução Lagrangeana (RLH). O procedimento RLH possui as seguintes características: 1. Uso de dois multiplicadores Lagrangeanos para relaxar respectivamente as famílias de restrições; 2. Aplicação do algoritmo subgradiente para obter uma solução aproximada do problema Lagrangeano dual; e 3. Finalmente, pós-processamento desta solução candidata, obtida no passo anterior, com uma heurística, com a finalidade de verificar e recuperar a viabilidade das soluções para o PET.

4 O algoritmo subgradiente pode ser visto como uma adaptação do algoritmo de passos decrescentes para funções não diferenciáveis. Mesmo que o algoritmo subgradiente possa encontrar uma solução, não há nenhuma garantia que a mesma seja uma solução viável para o problema PET. Sendo assim, foi desenvolvida uma heurística que visa verificar e recuperar a viabilidade da solução para o problema primal PET. Solução heurística pura. Um procedimento de otimização foi desenvolvido, denominado Procedimento Heurístico Puro (PHP), que não considera a priori os procedimentos de relaxação Lagrangeana. Apesar do PHP encontrar uma solução viável para o PET, não existe garantia de sua otimalidade. Uma série de experimentos demonstrou que o desempenho computacional e também a qualidade de solução de PHP foi superior à obtida pela abordagem RLH em todos os casos experimentadas. Experimentos e resultados. A estratégia de avaliação dos algoritmos corresponderá as seguintes análises: Avaliação de desempenho dos algoritmos: onde serão contrastados o grau de otimalidade e os tempos de execução para o PET, contrastando os procedimentos RLH, PHP e soluções exatas obtidas por um pacote comercial de alto desempenho, chamado Xpress-MP. Análise do controle de admissão: contendo o número de rejeições de fluxos quando o PET é resolvido pelo PHP. Foram usadas duas topologias de redes para os experimentos, uma de complexidade média (com 17 roteadores) e outra de grande complexidade (com 50 roteadores e 200 enlaces). Nelas, foram inseridas duas categorias de fluxos: 1. Fluxos de baixa prioridade, com taxa de transmissão entre 20 e 150Kbps e atraso fim-a-fim entre 100 e 150ms; e 2. Fluxos de alta prioridade, com taxa de transmissão entre 380 e 870Kbps e atraso fim-a-fim entre 30 e 60ms. Para a primeira topologia foram injetados até 500 fluxos de dados e para a segunda topologia foram gerados fluxos. Em ambos os cenários, os fluxos de alta prioridade correspondem à 1,5% do total de fluxos injetados nas topologias. A avaliação de desempenho mostrou que o tempo computacional consumido pelo PHP é menor que 0.06s para rotear 490 fluxos de dados. O RLH por sua vez, ultrapassa 25s para o mesmo caso e o Xpress-MP não consegue resolver estes casos em tempo hábil. A qualidade da solução PHP é confirmada pela função objetiva, que confere com a função objetiva do Xpress- MP até o ponto que este consegue resolver. A solução PHP chegou a rejeitar 57% dos 490 fluxos de dados configurados para a topologia 1, enquanto protocolos de roteamento convencionais, p. e. RIP e OSPF chegam a ter 60% de perda de pacotes, evidenciando um alto grau de congestionamento da rede. Com a segunda topologia, verificou-se que o PHP resolve os fluxos de dados em menos de 10s de execução e com uma função objetivo melhor que o RHL, que leva cerca de 3 horas para resolver o mesmo PET nesta topologia. Uma abordagem para solução de um problema de engenharia de tráfego dinâmico (PETDIN) Tendo em vista o ótimo desempenho computacional do PHP, este capítulo mostra como este procedimento pode ser usado em cenários de Engenharia de Tráfego Dinâmicos, melhorando a QoS dos fluxos de dados de alta prioridade, com a rede operando em temporeal.

5 Definição do problema. O problema de ET dinâmico consiste em atender de forma dinâmica novas requisições de serviço submetidas a um domínio de rede. O problema PETDIN se processa da seguinte forma: 1. Num primeiro instante requisições de serviço aguardam admissão na rede. A partir das informações lógicas destas primeiras requisições de serviço (demanda de taxa de bits, atraso máximo fim-a-fim e demais restrições de QoS), é executado um procedimento de ET; 2. No instante seguinte, após um certo intervalo de tempo, correspondente ao processamento do procedimento de ET do passo anterior, as configurações da rede, representadas pelo conjunto de soluções são aplicados à rede. Um conjunto de fluxos pode ter a admissão rejeitada após a obtenção desta solução. Ainda neste instante de tempo, outras requisições de serviço aguardam admissão na rede. Este segundo conjunto de requisições de serviço é a soma das requisições rejeitadas do procedimento anterior com os fluxos que pediram admissão entre o primeiro instante e o atual; e 3. No terceiro instante, após um intervalo de tempo suficiente para o processamento do procedimento de ET referente ao passo 2, as configurações dos fluxos de dados, representados pelo conjunto de soluções são aplicados à rede. Novamente, um conjunto de fluxos pode ter a admissão rejeitada na rede. Este conjunto, será somado ao conjuntos das requisições entre o instante do passo 2 e do passo 3 e o procedimento de ET se repete de forma similar aos passos anteriores. Caso algumas requisições não sejam atendidas em seguidas rodadas, estas podem ser descartadas por timeout. Proposta de solução. Para resolução do problema PETDIN, a proposta é um processo simples de seqüencialização do procedimento de otimização PHP descrito no capítulo anterior. Este procedimento de solução caracteriza-se por ser centralizado, pois cabe a uma entidade centralizada executar as rodadas de otimização, e prescritivo, pois o processo de ET ao encontrar uma solução para a distribuição do tráfego na rede, tem como saída a configuração dos LSPs. Implementação da solução. A estrutura lógica da solução do PETDIN é composta por um processo de entrada de dados, pelo componente de otimização (PHP) e por um componente de monitoração e geração de logs, responsável por registrar eventuais exclusões por timeout, renivelamentos, reroteamentos, rejeições e tempo de espera de admissão do fluxo. A estrutura lógica da solução do PETDIN é similar ao COPS (Common Open Police Service), onde uma estrutura centralizada define as ações a serem implementadas na rede. Estratégia de avaliação proposta. A estratégia de avaliação foi dividida em três etapas, de forma similar ao que foi apresentado à solução do PET: Desempenho do algoritmo: da mesma forma que na etapa anterior, foi avaliado o tempo de execução e a função objetivo do PHP ao longo do tempo; Controle de admissão: parâmetros correspondentes ao comportamento do PHP durante a obtenção das soluções do PETDIN, como tempo de espera dos fluxos, rejeições, interrupções, reroteamentos, renivelamentos e exclusões; e QoS dos fluxos: parâmetros de desempenho de rede para o encaminhamento dos fluxos, como vazão, atraso fim-a-fim e jitter (variação do atraso) fim-a-fim.

6 Experimentos e resultados. A topologia utilizada é a mesma topologia de complexidade média utilizada no capítulo anterior e, também é a mesma, a estratégia de geração de carga utilizada, com os mesmo 1,5% de fluxos de alta prioridade. Através da análise do crescimento da função objetivo de acordo com o crescimento do número de fluxos injetados na rede, verificou-se que com 754 fluxos a rede fica num alto nível de saturação. O tempo de execução do PHP fica em 41ms em média, no pior caso considerado. Quanto ao controle de admissão, verifica-se que a grande maioria dos fluxos de alta prioridade levam em torno de 10 a 50 ms para serem admitidos, enquanto fluxos de baixa prioridade sofrem bastante rejeições e aguardam tempos de admissão maiores. Praticamente um terço deles aguardam a mesma quantidade de tempo que os fluxos de alta prioridade. Um quarto dos fluxos de baixa prioridade sofrem exclusão por não serem admitidos num período de 60s, enquanto isto não ocorre para nenhum fluxo de alta prioridade. Nenhum fluxo de alta prioridade foi rejeitado. O nível de transmissão máximo foi admitido em 92% dos fluxos de alta prioridade, enquanto os fluxos de baixa prioridade tiveram nível máximo em 83% dos casos. Parâmetros de QoS também mostraram um bom desempenho. Constata-se que nenhum fluxo de alta prioridade tem a restrição de atraso máximo fim-a-fim violada. O nível de satisfação quanto à taxa de transmissão admitida para os fluxos é sempre acima dos 50% do requerido. Mesmo para os piores casos, os fluxos de dados têm vazão maior que o dobro da vazão utilizando OSPF e mais que o triplo utilizando RIP. O atraso médio fim-a-fim fica em torno de 0,03s enquanto OSPF e RIP giram em torno de 0,2s e 0,4s respectivamente. A análise do jitter do PHP em relação ao jitter do RIP e so OSPF, mostra apenas em 1 dos 9 fluxos de alta prioridade medidos o jitter do PHP é maior que do RIP e do OSPF. Trabalhos relacionados. Outra abordagem de ET dinâmica é utilizada pelo MIRA (Minimal Inference Routing Algorithm). O MIRA busca selecionar caminhos de rede que maximizem os fluxos de dados de forma que a rota selecionada interfira minimamente nas rotas dos fluxos que percorrem outros enlaces, utilizando o algoritmo maxflow. Conclusão Final e Perspectivas de Trabalhos Futuros O presente trabalho corrobora a viabilidade de utilização de ferramentas de ET para melhoria geral da QoS de aplicações de tempo-real. A fim de viabilizar estas ferramentas, as soluções propostas devem ser simples, do ponto de vista de implementação e eficientes do ponto de vista do tempo de execução. Este trabalho possibilita operadoras de telecomunicações a oferecerem níveis de serviços com tarifação diferenciada de acordo com os requisitos dos clientes.

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Roberto Willrich (INE-UFSC) Roberto A. Dias (CEFET-SC), Fernando Barreto, Renato D. V. de Oliveira,

Leia mais

Engenharia de Tráfego Dinâmica em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas

Engenharia de Tráfego Dinâmica em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas Engenharia de Tráfego Dinâmica em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas Roberto A. Dias 1, Jean-Marie Farines 2, Eduardo Camponogara 2, Roberto Willrich 3, Adriano O. Campestrini

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

AUGUSTO CASTELAN CARLSON ROTEAMENTO BASEADO EM CAMINHOS COM PERFIS VARIANTES NO TEMPO

AUGUSTO CASTELAN CARLSON ROTEAMENTO BASEADO EM CAMINHOS COM PERFIS VARIANTES NO TEMPO AUGUSTO CASTELAN CARLSON ROTEAMENTO BASEADO EM CAMINHOS COM PERFIS VARIANTES NO TEMPO FLORIANÓPOLIS 2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ROTEAMENTO

Leia mais

PNNI. Prof. José Marcos C. Brito

PNNI. Prof. José Marcos C. Brito PNNI Prof. José Marcos C. Brito 1 Introdução O PNNI compreende um protocolo de roteamento e um protocolo de sinalização. O PNNI se aplica na interface entre dois switches ou na interface entre duas redes.

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Aujor Tadeu Cavalca Andrade Tadeu@lrg.ufsc.br Carlos Becker Westphall Westphall@lrg.ufsc.br Laboratório de Redes e Gerência LRG

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há um estabelecimento de um caminho dedicado Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há reserva de recursos Não guarda informação de estado Informações a serem enviadas são quebradas em

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Funções da Camada de Rede Repasse Conduzir o pacote que chega pelo enlace de entrada até o enlace de saída apropriado através de uma tabela de repasse. Roteamento

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Controle de Congestionamento em TCP Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Controle de Congestionamento em TCP Princípios de controle de congestionamento Saber que congestionamento está ocorrendo Adaptar para

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Universidade Santa Cecícila Prof. Hugo Santana Introdução requisitos mínimos de largura de banda, engenharia de tráfego e QoS. convergência das tecnologias (voz e vídeo

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso

QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso Esta série de tutoriais sobre Qualidade de Serviço (QoS) para Voz sobre IP (VoIP) apresentará algumas particularidades relativas à Qualidade

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System

Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System Junghee Han, G. Robert Malan e Farnam Jahanian 21st IEEE Symposium on Reliable Distributed Systems (SRDS 2002) Fault-TolerantVirtual

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006 1 DINF / UFPR 08 de novembro de 2006 2 3 4 5 6 são redes lógicas construídas sobre redes físicas. Nas são estabelecidos enlaces lógicos entre nós que pertencem a rede. Estes enlaces podem ou não ser enlaces

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Roberto Alexandre Dias Gerência de Tecnologia de Informações - Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Av. Mauro

Leia mais

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer Protocolo de roteamento EIGRP Cronograma Introdução Formato das mensagens Módulos independentes de protocolos Tipos de pacote Protocolo Hello Atualizações associadas Algoritmo DUAL Distância administrativa

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Evolução de Técnicas de Roteamento Redes de Computadores 2 1 Experimentos iniciais instalação e manutenção a mão Crescimento

Leia mais

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT Aulas 22 & 23 Controle de Fluxo e de Congestionamento Eytan Modiano MIT 1 Controle de Fluxo Controle de fluxo: mecanismo fim a fim para controlar o tráfego entre fonte e destinatário. Controle de congestionamento:

Leia mais

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs Apostila 05 Multiprotocol t l Label Switching (MPLS) MPLS - Definição O MPLS ou Multiprotocol Label Switching É uma arquitetura t de rede, que tem como principal i característica a utilização de labels

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR P25 Fase 1 Requisitos Gerais Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na

Leia mais