Monitoramento e Avaliação de Programas O que aprendemos em 10 anos na SAGI/MDS. Paulo Jannuzzi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento e Avaliação de Programas O que aprendemos em 10 anos na SAGI/MDS. Paulo Jannuzzi"

Transcrição

1 Monitoramento e Avaliação de Programas O que aprendemos em 10 anos na SAGI/MDS Paulo Jannuzzi

2 SAGI Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação do MDS

3 CONHEÇA MAIS SOBRE A SAGI

4 BOLETIM SAGI

5 MATERIAL DE REFERÊNCIA DISPONÍVEL EM

6 MATERIAL DE CONSULTA COMPLEMENTAR DISPONÍVEL EM

7 MATERIAL DIDÁTICO DISPONÍVEL EM -> CAPACITANDO MDS

8 SAGI BOLETIM DEZ ANOS CONTRACAPA Boletim 10 anos SAGI

9 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 00 (PRESSUPOSTO) Avaliação de Políticas Públicas não é uma soma de avaliação de programas Políticas Públicas são empreendimentos governamentais complexos, desenhadas para atender uma demanda social específica, propostas em geral pelo Poder Executivo e discutido/modificado continuamente pelos Poderes Legislativo, Judiciário e Ministério Público e operadores na ponta Operacionalmente, as Políticas Públicas estruturam-se em Normativas que buscam regulamentar direitos e deveres Políticas de Quotas, NOB-SUAS Incentivos fiscais desoneração de impostos de alimentos básicos Oferta de produtos e serviços por meio de programas públicos serviços socioassistenciais, Pronatec

10 Avaliação de Políticas Públicas envolve esforços analíticos em Análises Institucionais da Políticas, em termos de sua motivação, disputa de agenda, atores envolvidos, sustentabilidade etc. Meta-Avaliações - compilação crítica das pesquisas já realizadas sobre os programas componentes da Política Os estudos sobre Componentes Sistêmicos da Política Públicaanálises comparativas no tempo e território sobre um ou mais dos elementos constituintes e operacionais das Políticas, dos públicos, agentes implementadores e resultados efetivos junto à sociedade.

11

12 Políticas de Desenvolvimento Social Articulam leis, normativas e programas de Transferência de renda, Assistência Social, Segurança Alimentar e Nutricional e Inclusão Produtiva, coordenadas pelo MDS, criado em 2004 Integram-se ao conjunto de Políticas Sociais que estruturam o Sistema de Proteção Social em processo de construção, particularmente após a Constituição de 1988 Representam inovações programáticas que procuram superar a estratégia fragmentada de ações voltada a públicos vulneráveis em Saúde e Nutrição e de acesso ao alimento pela distribuição de cestas básicas, que operaram nos anos 1980 e complementar o Sistema de Seguridade Social, até então estruturado sob a ótica contributiva

13 Políticas de Desenvolvimento Social Tem a natureza de políticas de cunho redistributivo, emancipatório e compensatório, com estratégia de implementação voltada a populações vulneráveis por diferentes aspectos: pela fome, insegurança alimentar, insuficiência de renda, trabalho irregular e falta de oportunidades de geração de renda, violência, etc. Estruturam-se em arranjos federativos de implementação, com papéis e responsabilidades pactuadas entre União, Estados e Municípios, com apoio de entidades socioassistenciais Tem um novo significado com o Plano Brasil Sem Miséria, iniciado em 2011, no sentido de potencializar e promover o acesso a políticas sociais estruturantes do Sistema de Proteção Social brasileiro Educação, Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social - e na busca de superar os desafios da articulação intersetorial e federativa da implementação de Políticas Sociais

14 Programas de Desenvolvimento Social no Sistema de Proteção Social brasileiro Educação Serviços Socioassistenciais PAIF, SCCA, SCI Desenvolvimento Agrário Saúde Trabalho Inclusão Produtiva QP, MEI Famílias pobres e vulneráveis Segurança alimentar e nutricional PAA, ESAN Igualdade Racial Políticas para Mulheres Previdência Transferência de renda Direitos Humanos PBF, BPC, Auxílios 14

15 Os Públicos das Políticas de Desenvolvimento Social

16 Plano Brasil Sem Miséria - Eixos de atuação Pobreza é privação de acesso a direitos Em uma sociedade democrática e solidária, em um mundo urbanizado e rico, ninguém deve ser privado de meios para garantir a sua sobrevivência, privado dos meios para acessar direitos e serviços sociais, e privado dos meios de informação e de acesso a oportunidades de autoaperfeiçoamento Garantia de meios para sobrevivência, acesso a serviços públicos e oportunidades de emancipação pessoal Garantia de Renda Inclusão Produtiva Urbana e Rural Acesso a Serviços Públicos Elevação da renda Aumento das condições de bem-estar

17 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 01 Informação e Conhecimento são insumos fundamentais para orientar a ação governamental, tanto para formuladores e dirigentes ao nível estratégico como para os gestores e técnicos ao nível tático e operacional, responsáveis pelos programas e serviços e que podem, no trabalho cotidiano, gerar mudanças contínuas na realidade social vivenciada pela população;

18 Milhões Milhões Bilhões Bilhões A NECESSIDADE DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS E DE RECURSOS HUMANOS É CRESCENTE 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 IBGE 2,958 2,155 1,938 1,542 1,654 1,593 1,664 0,748 0,807 1,051 1, ,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 INEP 1,280 1,102 0,802 0,574 0,568 0,496 0,268 0,228 0,260 0,316 0, ,0 158,8 173,8 168,5 IPEA 255,9 213,3 298,5 327,6 420,5 330,8 323, ,1 22,4 SAGI 16,0 16,1 14,5 11,8 18,5 10,2 20,8 13,4 14,

19 POLÍTICAS E PROGRAMAS PÚBLICOS Apontamentos fundamentais No Brasil, as Políticas Sociais representam 25% do PIB, mais de 300 programas federais, além dos existentes em 27 UF e nos municípios, envolvendo 10 milhões de gestores e técnicos públicos nas 3 esferas Uma parte muito expressiva das Políticas e programas sociais foram efetivamente criados nos últimos 25 anos, pós Constituição de 1988, estando pois em diferentes estágios de maturidade institucional As Políticas e programas operam em contextos sociais e econômicos muito diversos, múltiplos públicos-alvo e em ambientes diferenciados de capacidade de gestão

20 A INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO PARA POLITICAS SOCIAIS É DEMANDADA POR MUITOS ATORES DIFERENTES, EM UM CONTEXTO DE ARRANJO FEDERATIVO E COMPARTILHADO DE IMPLEMENTAÇÃO Políticas de Desenvolvimento Social e Plano Brasil Sem Miséria Gov Federal: Secretaria Estaduais : Municípios: Técnicos e gestores - Conselheiros - Entidades Sociedade Civil Universidades População Brasileira

21 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 02 Formuladores de políticas, gestores e técnicos de programas, nos escritórios de planejamento ou nos postos de serviços, não necessitam de Informação e Conhecimento exaustivo, mas de informação relevantes, consistente, compreensível e no tempo adequado à sua apropriação na decisão para as diferentes etapas do ciclo de um programa;

22 Produtos de Informação e Conhecimento: Site personalizado para facilitar a coleta de dados e relatórios do Plano Brasil Sem Miséria para gestores de programas e operadores

23 Produtos de Informação e Conhecimento - O produto mais acessado: relatórios customizados para todos os 27 Estados e municípios, atualizados a cada 2 ou 3 meses

24 Produtos de Informação e Conhecimento: painéis de indicadores organizados pelos burocratas de nível estratégico, estaduais e operadores Número de beneficiários do Programa Bolsa Família Atendimento das condicionalidades de saúde Número de pessoas inscritas no Cadastro Único formalizadas como microempreendedores Frequência Escolar para crianças de 6 a 15 anos

25 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 03 Sistemas de Monitoramento e Avaliação constituem-se em processos articulados de levantamento, organização e disseminação de informação e conhecimento para o ciclo de gestão de políticas e programas públicos, dirigidos a subsidiar o aprimoramento de seu desenho e sua gestão, garantir mais transparência da ação governamental e prover evidências do mérito e da efetividade de políticas e programas;

26 Desafios da Produção de Informação para Políticas Públicas Maior detalhamento territorial/granu laridade Demanda crescente de informação para Políticas Públicas Maior detalhamento temático Maior confiabilidade Maior regularidade

27 Desafios da Produção de Informação para Políticas Públicas Maior detalhamento territorial/granula ridade - Ex: EducaCenso Demanda crescente de informação para Políticas Públicas Maior detalhamento temático - Ex: Pequisa Painel Longitudinal de Pobreza Maior confiabilidade - Projeções populacionais (por UF pelo método componentes ) Maior regularidade - Ex: Pnad Contínua

28 Desafios da Produção de Informação para Políticas Públicas Maior detalhamento territorial/granula ridade - Ex: EducaCenso Demanda crescente de informação para Políticas Públicas Maior detalhamento temático - Ex: Pequisa Painel Longitudinal de Pobreza Maior confiabilidade - Projeções populacionais (por UF pelo método componentes ) Sistemas de Monitoramento e Avaliação Maior regularidade - Ex: Pnad Contínua

29 Sistemas de Monitoramento e Avaliação precisam ter claro sua finalidade e unidade de análise Política Programas Produtos Responsabilização / Prestação de contas Estudos realizados em universidades / Dados das agências de estatística Universidades ONGs Desempenho e mérito Think Tanks Agências multilaterais Ministério do Planejamento e Finanças Departamentos de Ministérios sociais Melhoria do progrma ou projeto Departamentos de Ministérios sociais Departamentos de Ministérios sociais

30 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 04 Estes sistemas envolvem um conjunto de atividades articuladas, sistemáticas e tecnicamente orientadas de registro, produção, organização, acompanhamento e análise crítica de informações resultantes da Gestão de Políticas Públicas, para identificação de demandas sociais, desenho, seleção, implementação e avaliação de soluções para essas, com a finalidade de subsidiar a tomada de decisão de técnico e gestores envolvidos nas diferentes etapas do ciclo de vida ou maturação das políticas e de seus programas;

31 Políticas e Programas demandam diferentes Produtos de Informação e Conhecimento: tipos de avaliações de acordo com a implementação do programa, incluindo Estudos de Cenários, Programa de Prospecção e Meta-avaliações Estudos de Cenários Futuros Prospecção de programas existentes Avaliação das demandas sociais Avaliação dos custos e efetividade Problemas sociais Meta-Avaliações Necessidades de informação e conhecimento Avaliação somativa Definição da agenda Avaliação dos Impactos e efeitos Formulação Decisão Implementação Avaliação de desenho do projeto Avaliação de Processos e Implementação

32 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 05 Os produtos desses sistemas devem responder às necessidades do estágio de maturidade de um programa, podendo se constituir em documentação de programas e seus modelos lógicos; serviços de organização de dados, computação de indicadores de monitoramento, realização de pesquisas de campo, elaboração de estudos com dados secundários, resenhas de publicações e artigos em temáticas correlatas; compilação de estudos em meta-avaliações; prospecção de programas já existentes em outros países, etc;

33 POLÍTICAS SOCIAIS DEMANDAM INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO DIVERSOS

34 Produtos de Informação e Conhecimento: dados e indicadores sociais organizados, relevantes e personalizados a nível nacional, estadual e municipal em ferramentas web para facilitar a obtenção de dados relevantes

35 Produtos de Informação e Conhecimento: ferramentas interativas da web para apresentar mapas e indicadores específicos para ajudar e orientar a equipe técnica para direcionar seus esforços em níveis submunicipais SAGI Secretariat of Evaluation and Information Management

36 O ACESSO E USO DO DADOS, PESQUISAS E PRODUTOS GOOGLE ANALYTICS De 5 mil usuários/mês em 2011 para 50 mil em 2014

37 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 06 Monitoramento e Avaliação são processos analíticos organicamente articulados, que se complementam no tempo, com o propósito de subsidiar o gestor público de informações mais sintéticas e tempestivas sobre a operação do programa resumidas em painéis ou sistemas de indicadores de monitoramento e informações mais analíticas sobre o funcionamento desse, levantadas nas pesquisas de avaliação;

38 Políticas e Programas demandam diferentes Produtos de Informação e Conhecimento: avaliações segundo o desenho de implementação como por ex PRONATEC-BSM Características do alunado potencial e acesso Público BSM Equipe Acessuas Mobilização de alunos Outros Ministérios Prefeitura/ SMAS SETEC/MEC SPE/MTE Intermediação dos alunos ao mercado de trabalho SESEP/MDS Satisfação da oferta Impactos emprego formal emprego informal Escola Mercado de Trabalho Centros CRAS Referênciamento aos cursos Ofertante Sistema S e IFs Alunos Adequação dos cursos - Pontos de oferta - Desenho ao público - Aderência à dinâmica local MEI Ecosol Escola Qualificação

39 INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO E PESQUISAS DISPONÍVEIS PARA AVALIAÇÃO DO PRONATEC Público BSM Equipe Acessuas Registro de Mobilizações Outros Ministérios Prefeitura/ SMAS SETEC/MEC SPE/MTE Intermediação pelo Mais emprego SESEP/MDS CAdUnico RAIS Caged PPP PNAD 2014 Mercado de Trabalho CRAS Ofertante Cursos alunos MEI Ecosol PADS Registro Ind de Atendimentos Sis Pronatec Escola Qualificação

40 A NECESSIDADE E PERTINÊNCIA DO PROGRAMA No início de 2012, em pesquisa nacional contratada pela SAGI (PADS) verificou-se que o acesso à Qualificação Profissional ainda era baixo, sobretudo entre os mais pobres (ED2, cerca de 18% da amostra), em que somente 12% revelaram ter feito algum curso de qualificação na sua vida) 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 46,7% Sim 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 35,3% 19,4% 11,8% 29,2% Não 0,0% AB C D1 ED2 BRASIL

41 A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA A aderência dos cursos ofertados frente à dinâmica do mercado formal A aderência da oferta dos cursos ao mercado de trabalho é maior no Nordeste, embora em alguns estados do Sudeste (SP, MG) o indicador é maior que 70% Indicador de aderência da oferta Pronatec BSM frente à dinâmica RAIS Todos os cursos 66% 64% 62% 60% 58% 56% 54% Norte Nordeste Sudeste Sul C-Oeste Brasil

42 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 07 Informação deve ser disponibilizada segundo padrões aceitáveis de validade e confiabilidade. Pior que não ter informação é dispor de informação equivocada, mal levantada ou organizada. Interpretações descuidadas de resultados de estudos avaliativos podem levar à produção de factoides que conspiram contra o aprimoramento da ação pública;

43 Produção, Disseminação e Capacitação em Monitoramento e Avaliação: A Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação do MDS

44 Produtos de Informação e Conhecimento - Publicações personalizadas para todos os diferentes usuários potenciais de estudos avaliações: resumo e apresentação mais detalhada dos resultados das avaliações

45 Produtos de Informação e Conhecimento - Publicações personalizadas para todos os diferentes usuários potenciais dos estudos das avaliações: apresentar resultados anuais do Censo SUAS Versão eletrônica: Gráficos e manchetes Publicação: dados selecionados (mais descritivos)

46 Produtos de Informação e Conhecimento - Publicações personalizadas para todos os diferentes usuários potenciais de estudos avaliações: contribuições para disseminar a cultura de monitoramento e avaliação pela Revista Brasileira de Monitoramento e Avaliação e financiamento de seminários acadêmicos Seminários Acadêmicos e Técnicos patrocinados Revista Brasileira de Monitoramento e Avaliação

47 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 08 Informação e Conhecimento devem ser produzidos a partir de uma perspectiva multi-métodos e de triangulação de sujeitos. Não há método ou técnica padrão-ouro de coleta de dados ou de avaliação de programas. Problemas e programas complexos requerem abordagens integradas de monitoramento e avaliação;

48 Produtos de Informação e Conhecimento: Triangulação de métodos é o padrão-ouro. Estratégia avaliativa pode contemplar métodos qualitativos, quantitativos, quasiexperimentais, painéis longitudinais, amostras probabilíticas, amostras intencionais Pesquisas nacionais e específicas por públicoalvo Cadastro Único e Integração de dados administrativos Programa Estudos de Impacto Quasi-experimental Pesquisa Painel Longitudinal de Pobreza Evidências qualitativas: Entrevistas estruturadas com as famílias e funcionários Grupos focais Cartas de pessoas

49 Pesquisas fichas, sumários e microdadosestão disponíveis no site Diferentes metodologias: Análise documental Dados secundários Grupos de discussão Entrevistas Etnografias Pesq.Amostrais Censos Quasi- Experimentais

50 Pesquisas e Estudos Avaliativos SAGI 2004 a Pesquisas Acumulado

51 Pesquisas e Estudos Avaliativos SAGI 2004 a MDS Bolsa Fam Seg Alim Nt BSM Inc Prod Assist Soc 73

52 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 09 No desenvolvimento de pesquisas de avaliação, assim como nos demais produtos, o uso de equipes mistas, garante a sinergia entre conhecimento interno de gestão e especialidade técnica trazida de fora, gerando produtos com maior potencialidade de uso, não apenas pela adequação às demandas mais relevantes como também pela legitimidade conferida pelo envolvimento inicial dos agentes internos ao programa;

53 Produtos de Informação e Conhecimento: Triangulação de avaliadores também é o padrão-ouro. Avaliações de estudos feitos pela equipe interna Pesquisas de agências estatísticas Estratégias participativas de coleta de informações (cartas de beneficiários) Programa Projetos de pesquisas universitárias financiados por Conselhos de Pesquisa Firmas nacionais ou internacionais de Consultores

54 Produção de Estudos e Pesquisas Equipe interna da Secretaria (20 técnicos) Pregão eletrônico Empresas de consultoria Fundações Universitárias Organismos multilaterais Editais CNPq (pesquisadores) IBGE e outros órgãos

55 Produtos de Informação e Conhecimento: Estudos técnicos escritos por equipe interna a respeito de questões específicas sobre a agenda de Monitoramento e Avaliação SAGI Secretariat of Evaluation and Information Management

56 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 10 Além de se dispor de competência técnica de produzir pesquisas específicas, estudos avaliativos apoiados em registros administrativos, cadastros públicos e base de dados de sistemas informatizados de gestão de programa é estabelecer parceria com instituições produtoras de estatísticas públicas e estatísticas setoriais para que as descontinuidades administrativas e eventuais cortes orçamentários não interrompam o ciclo de produção de conhecimento para aprimoramento das políticas;

57 Parcerias entre MDS e IBGE PNAD - Suplementos Aspectos Complementares de Educação e Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais e Segurança Alimentar Aspectos Complementares de Educação, Afazeres Domésticos e Trabalho Infantil e Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais Aspectos Complementares da Educação de Jovens e Adultos e Educação Profissional Segurança Alimentar 2013 Segurança Alimentar 2014 Qual.Profissional, Inclusão Produtiva, Cadastro Único, Mob. Social

58 Parcerias entre MDS e IBGE MUNIC Pesq.Inf.Básicas Municipais 2005, 2009 e Assistência Social 2014 Inclusão Produtiva Estadic Pesq.Inf. Básicas Estaduais 2012 e Assistência Social 2014 Inclusão Produtiva Pesquisa de Entidades da Assistencia Social 2007 e 2014 Cadastro Único Formulário da versão 7 e compatibilização endereços Pesquisa Painel Longitudinal de Pobreza

59 Estudos avaliativos com base na Integração de dados longitudinais do Cadastro Único, Bolsa Família e outros Registros Administrativos SISVAN PRONATE C MEI CAGED Produção de informações tempestivas e úteis para: CadÚnico FOMENT O PAA Censo Educ Superior RAIS Formulação de serviços e programas Monitoramento de ações, serviços e programa Avaliação de ações, serviços e programas

60 2 a 7 anos 3 a 8 anos 4 a 9 anos 2 a 7 anos 3 a 8 anos 4 a 9 anos 0 a 5 anos 1 a 6 anos 0 a 5 anos 1 a 6 anos 20% 18% 16% 1. Integração de BDs: rotinas e estratégias 2. Integração de BDs: CadÚnico x Sisvan 3. Dados descritivos Transversais 4. Dados analíticos Transversais 5. Análise Longitudinal Proporção das crianças menores de 5 anos, beneficiárias do PBF e acompanhadas nas condicionalidades de saúde, que estão com desnutrição crônica, segundo as perspectivas Longitudinal e Transversal Brasil 2008/2012 Integração Cadastro e SISVAN 14% 12% 10% 8% % 4% 2% 0% Longitudinal Transversal

61 2 a 7 anos 3 a 8 anos 4 a 9 anos 4 a 9 anos 1 a 6 anos 0 a 5 anos 1 a 6 anos 2 a 7 anos 3 a 8 anos 0 a 5 anos 18% 1. Integração de BDs: rotinas e estratégias 2. Integração de BDs: CadÚnico x Sisvan 3. Dados descritivos Transversais 4. Dados analíticos Transversais 5. Análise Longitudinal Proporção das crianças menores de 5 anos, beneficiárias do PBF e acompanhadas nas condicionalidades de saúde, que estão com excesso de peso, segundo as perspectivas Longitudinal e Transversal - Brasil 2008/ % 14% Integração Cadastro e SISVAN 12% 10% 8% % 4% 2% 0% Longitudinal Transversal

62 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 11 Tão importante quanto produzir informação é se esforçar para que ela chegue aos destinatários que podem fazer uso inteligente e efetivo da mesma. Informação para o Ciclo de Gestão de Políticas e Programas é complexa e requer esforço intenso de Capacitação e Formação e deve ser sistematizada em suportes adequados documentos, sínteses, portais, produtos multimídia e customizados para diferentes tipos de usuários no governo federal, estadual, municipal e nos equipamentos sociais;

63 Ciclo de Formação em Conceitos e Técnicas para Elaboração de Diagnósticos, Monitoramento e Avaliação de Programas e Ações do MDS

64 Produtos de Informação e Conhecimento: Oferecendo cursos personalizados presenciais e à distância sobre o acompanhamento e as questões de avaliação, utilizando manuais básicos e ferramentas multimídia e virtuais

65 TOTAL DE ALUNOS CERTIFICADOS e AVALIAÇÃO Taxa de aproveitamento: 73% Avaliação de Reação: 78% Muito Bom 21% Bom

66 Gráfico 33 Avaliação da pertinência do Curso Diagnóstico (Edição 02) Os exercícios e a prova final estão claros e de acordo com o conteúdo ensinado. 0% 14% 86% Os conteúdos facilitaram a compreensão e utilização das ferramentas do Portal SAGI. 0% 20% 80% Procurei situações em que fosse possível aplicar o conteúdo do curso. 1% 20% 78% Associei os conteúdos às minhas experiências. 0% 17% 83% Associei os conteúdos aos meus conhecimentos. 0% 17% 83% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Não concordo Concordo Parcialmente Concordo Plenamente

67 SAGI LIÇÃO APRENDIDA 12 A apropriação da Informação e Conhecimento na Política ou no programa não é, pois, tarefa trivial, guiada por voluntarismo ingênuo ou tecnocrático, mas por juízo adequado de oportunidade, conveniência e poder político. Afinal, programas públicos são sistemas complexos e dinâmicos, passam por mudanças significativas em seu desenho e mesmo em seus objetivos em seu período de implantação; são operados em geral por meio de arranjos federativos, envolvendo diversos processos de trabalho e milhares ou centenas de milhares de agentes.

68 O ACESSO E USO NA PESQUISA ACADÊMICA GOOGLE ACADÊMICO Fator de Impacto H de 17

69 Obrigado!!

Avaliação como Processo de aprendizagem organizacional e inovação no desenho e gestão de programas sociais: a experiência da SAGI/MDS

Avaliação como Processo de aprendizagem organizacional e inovação no desenho e gestão de programas sociais: a experiência da SAGI/MDS Avaliação como Processo de aprendizagem organizacional e inovação no desenho e gestão de programas sociais: a experiência da SAGI/MDS Paulo Jannuzzi Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família. - Projeto CadSISVAN -

Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família. - Projeto CadSISVAN - Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família - Projeto CadSISVAN - Bolsa Família e Atenção Básica à Saúde Condicionalidades de Saúde PBF REDUÇÃO DE INIQUIDADES Garantia do

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Mapa de Oportunidades e de Serviços Públicos para Plano Brasil Sem Miséria: Proposta de construção em rede colaborativa de instituições brasileiras

Mapa de Oportunidades e de Serviços Públicos para Plano Brasil Sem Miséria: Proposta de construção em rede colaborativa de instituições brasileiras Mapa de Oportunidades e de Serviços Públicos para Plano Brasil Sem Miséria: Proposta de construção em rede colaborativa de instituições brasileiras O que é o Mapa de Oportunidades e de Serviços Públicos?

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 MONIB: Painel de Indicadores de Monitoramento do Plano Brasil Sem Miséria concepção e funcionalidades MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Enfrentamento ao trabalho infantil no Sistema Único de Assistência Social - SUAS 12 de junho de 2013 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Ms. Waleska Ramalho Ribeiro - UFPB A concepção republicana do SUAS requer

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS Objetivos específicos Avaliar do ponto de vista do controle social os processos de acompanhamento da gestão dos benefícios e transferência de renda, Avaliar e fortalecer

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

O Sistema de Monitoramento e Avaliação dos Programas de Promoção e Proteção Social do Brasil

O Sistema de Monitoramento e Avaliação dos Programas de Promoção e Proteção Social do Brasil O Sistema de Monitoramento e Avaliação dos Programas de Promoção e Proteção Social do Brasil Brasília, 27 de Agosto de 2008 Programa Brasil África de Cooperação em Promoção e Proteção Social Missão de

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social I. Como o Brasil chegou ao modelo de Sistema Único adotado na política de Assistência Social? II. O que é e como funciona o SUAS? III.

Leia mais

Redução da Fome, da Pobreza e da Desigualdade. Taquara/RS 16/10/2015

Redução da Fome, da Pobreza e da Desigualdade. Taquara/RS 16/10/2015 Redução da Fome, da Pobreza e da Desigualdade Taquara/RS 16/10/2015 Terceira maior redução do número de pessoas subalimentadas no mundo 2002/2014 % População BRASIL - POPULAÇÃO EM SUBALIMENTAÇÃO (%) 15,0

Leia mais

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 Luis Otavio Farias Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social Departamento de Gestão do SUAS Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 07/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 07/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 07/2014 Breve nota sobre a natureza multifacetada e multidimensional da pobreza na concepção da abordagem multissetorial de programas e ações do Plano Brasil Sem Miséria MINISTÉRIO DO

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013.

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Sistemas de Monitoramento e Avaliação Pode ser entendido, em sentido lato, como o conjunto de

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional - CAISAN Secretaria-Executiva Proposta

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS 1988 Constituição Federal Política Pública MARCO LEGAL Novos atores 1993 Lei Orgânica da Assistência Social- Novas estratégias Novas práticas LOAS 2004 Política Nacional de Assistência Social- PNAS Reordenamento

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua LOAS benefício de prestação continuada (BPC), previsto pelo art. 203 da Constituição. garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência

Leia mais

Fórum Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação Bahia, 16 de maio de 2013. www.brasilsemmiseria.gov.br

Fórum Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação Bahia, 16 de maio de 2013. www.brasilsemmiseria.gov.br Fórum Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação Bahia, 16 de maio de 2013 www.brasilsemmiseria.gov.br IMPACTOS NOS INDICADORES DE EDUCAÇÃO Taxas de rendimento escolar na rede pública Ensino Fundamental

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

Cadernos de Estudos DESENVOLVIMENTO SOCIAL EM DEBATE SÍNTESE DAS PESQUISAS DE AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS DO MDS 2011-2014

Cadernos de Estudos DESENVOLVIMENTO SOCIAL EM DEBATE SÍNTESE DAS PESQUISAS DE AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS DO MDS 2011-2014 Cadernos de Estudos DESENVOLVIMENTO SOCIAL EM DEBATE NÚMERO 16 ISSN 1808-0758 SÍNTESE DAS PESQUISAS DE AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS DO MDS 2011-2014 Paulo Jannuzzi Júnia Quiroga (organizadores) SÍNTESE

Leia mais

Programa Nacional de Promoção. do Acesso ao Mundo do Trabalho ACESSUAS-TRABALHO

Programa Nacional de Promoção. do Acesso ao Mundo do Trabalho ACESSUAS-TRABALHO Programa Nacional de Promoção do Acesso ao Mundo do ACESSUAS-TRABALHO MARCOS NORMATIVOS RESOLUÇÃO CNAS Nº 33/2011: Promoção da Integração ao Mercado de no campo da assistência social. RESOLUÇÃO CIT nº

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

Políticas de Proteção Social destinadas às Famílias para a redução da Pobreza no Brasil

Políticas de Proteção Social destinadas às Famílias para a redução da Pobreza no Brasil Políticas de Proteção Social destinadas às Famílias para a redução da Pobreza no Brasil Capacitação Técnica no Chile sobre Políticas de Proteção Social destinadas às Famílias para a redução da Pobreza

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

Plano Brasil sem Miséria e a Educação para redução da pobreza e das desigualdades UNDIME 15/06/2015

Plano Brasil sem Miséria e a Educação para redução da pobreza e das desigualdades UNDIME 15/06/2015 Plano Brasil sem Miséria e a Educação para redução da pobreza e das desigualdades UNDIME 15/06/2015 Terceira maior redução do número de pessoas subalimentadas no mundo 2002/2014 BRASIL - POPULAÇÃO EM SUBALIMENTAÇÃO

Leia mais

Oficina de Planejamento Participativo

Oficina de Planejamento Participativo Oficina de Planejamento Participativo 2010 Facilitadora Laura Maria Pedrosa de Almeida Planejamento - planejar significa pensar antes de agir; - planejar não é adivinhar ou predizer o futuro, e sim, calcular,

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

A Importância da Gestão do Pronatec como Estratégia de Inclusão Social e Produtiva

A Importância da Gestão do Pronatec como Estratégia de Inclusão Social e Produtiva A Importância da Gestão do Pronatec como Estratégia de Inclusão Social e Produtiva Belo Horizonte, outubro de 2015 Estratégias do Plano Mapa da Pobreza Aumento das capacidades e oportunidades Garantia

Leia mais

Observatórios do Trabalho

Observatórios do Trabalho Observatórios do Trabalho O que são? Ferramentas de estudo, análise e de apoio ao diálogo social e à elaboração de políticas públicas de emprego, trabalho e renda e de desenvolvimento local / regional.

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL

POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL Rosilene Cristina Rocha 1 O Brasil é uma república federativa formada pela união de 26 estados federados e do Distrito Federal. O país conta com 5.564 municípios,

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Ana Fonseca Secretária Extraordinária de Superação da Extrema Pobreza (SESEP/MDS) Reunião do SASF 2 de agosto de 2011 Brasília

Ana Fonseca Secretária Extraordinária de Superação da Extrema Pobreza (SESEP/MDS) Reunião do SASF 2 de agosto de 2011 Brasília Ana Fonseca Secretária Extraordinária de Superação da Extrema Pobreza (SESEP/MDS) Reunião do SASF 2 de agosto de 2011 Brasília LINHA E PÚBLICO DA EXTREMA POBREZA Linha de extrema pobreza: renda familiar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Governo de Santa Catarina

Governo de Santa Catarina Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação GESTÃO E FINANCIAMENTO NA EFETIVAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL outubro 2013 Florianópolis Níveis

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

Programa Bolsa Família (PBF)

Programa Bolsa Família (PBF) FICHA DE PROGRAMA Área temática: Transferência de renda. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO Programa Bolsa Família (PBF) DATA DE ATUALIZAÇÃO: 23/06/2015 O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência

Leia mais

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA RESUMO AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA Antônio Dimas Cardoso 1 Vânia Cássia Miranda Mota 2 As condicionalidades são instrumentos primordiais de controle social para acesso e manutenção

Leia mais

As entidades e organizações da Assistência Social no Sistema Único de Assistência Social

As entidades e organizações da Assistência Social no Sistema Único de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistencia Social Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS As entidades e organizações da Assistência Social

Leia mais

Ações de Educação Alimentar e Nutricional

Ações de Educação Alimentar e Nutricional Ações de Educação Alimentar e Nutricional Marco Aurélio Loureiro Brasília, 17 de outubro de 2006. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Fome Zero: Eixos Articuladores Acesso ao alimento

Leia mais

9 de septiembre de 2008

9 de septiembre de 2008 SEMINARIO REGIONAL LA CONTRIBUCIÓN N DE LOS PROGRAMAS SOCIALES AL LOGRO DE LOS OBJETIVOS DE DESARROLLO DEL MILENIO EXPERIÊNCIA DO GOVERNO BRASILEIRO M. Andréa a Borges David Santiago de Chile, 8-98 9 de

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS.

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. OFICINA 2 Ofertas da Assistência Social: Serviços por níveis de proteção básica e especial de média

Leia mais

Caderno de Resultados População Negra 2011 abril/2015

Caderno de Resultados População Negra 2011 abril/2015 Caderno de Resultados População Negra 2011 abril/2015 Superação da pobreza da população negra junho/2011 a abril/2015 maio de 2015 NOTA As informações desta publicação são provenientes do Ministério do

Leia mais

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1.

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. Com base no estudo do texto anterior, pode-se constatar que o Bolsa Família pode ser compreendido

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO NA POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL: experiência do setor de Vigilância Socioassistencial de Pindamonhangaba/SP

SISTEMA DE MONITORAMENTO NA POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL: experiência do setor de Vigilância Socioassistencial de Pindamonhangaba/SP SISTEMA DE MONITORAMENTO NA POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL: experiência do setor de Vigilância Socioassistencial de Pindamonhangaba/SP Vinicius Cesca de Lima Julia Rossato Oliveira Pereira Juliana

Leia mais

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Bogotá, junho de 2013 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o Plano Mais Brasil PPA 2012-2015 Dimensão Estratégica do Desenvolvimento

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005

PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU nº 217, de 11 de novembro de 2005) Regulamenta a gestão das condicionalidades do

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA COFINANCIAMENTO DO SUAS O Sistema Único de Assistência

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas social.vania@gmail.com Mapeamento e cobertura da rede prestadora de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

Iniciativa: O Censo Suas como processo de aprimoramento e institucionalização da Política de Assistência Social no Brasil

Iniciativa: O Censo Suas como processo de aprimoramento e institucionalização da Política de Assistência Social no Brasil Iniciativa: O Censo Suas como processo de aprimoramento e institucionalização da Política de Assistência Social no Brasil Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME XI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios A visão dos municípios sobre o Pacto Federativo ROSILENE CRISTINA ROCHA SECRETÁRIA EXECUTIVA ADJUNTA

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO

BOLSA FAMÍLIA À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais