A PREVI-ERICSON em números: seu investimento em boas mãos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PREVI-ERICSON em números: seu investimento em boas mãos"

Transcrição

1 Caro participante, seja muito bem-vindo! Participar de um Plano de Previdência Complementar demonstra seu compromisso com uma vida mais tranquila para você e sua família. Preparamos este relatório anual para que você possa acompanhar em detalhes as atividades desenvolvidas pela PREVI-ERICSSON no sentido de ajudá-lo a entender melhor a dinâmica do mercado e possibilitar a realização dos seus objetivos. Compromisso com a transparência e prudência na gestão dos recursos; Acesso a informações fundamentais, que demonstram a solidez econômico-financeira e atuarial dos benefícios oferecidos pelos planos de aposentadoria administrados pela PREVI-ERICSSON; Acesso aos participantes às informações relativas à administração dos planos através de uma comunicação clara e abrangente; Fomentar a educação financeira e previdenciária aos participantes. Em caso de dúvidas, consulte a entidade, por meio dos canais de comunicação disponibilizados a você. Boa leitura! A PREVI-ERICSON em números: seu investimento em boas mãos A Diretoria Executiva da PREVI-ERICSSON tem a satisfação de apresentar o seu Relatório Anual de acordo com a Resolução CNPC nº. 2, de 02/03/2011, com informações importantes sobre o desempenho da Entidade no exercício de 2011 e as diretrizes para Confira a rentabilidade acumulada do seu plano, em comparação com os principais índices econômicos (CDI, Poupança e Meta Atuarial) nos últimos 5 anos. Veja também a evolução do patrimônio nos últimos 3 anos e como estão distribuídos os participantes do plano R$ 711,3 milhões 2010 R$ 751,8 milhões 2011 R$ 774,0 milhões

2 Veja a distribuição dos diversos tipos de participantes em 31/12/2011 (ativos, assistidos, BPDs e autopatrocinados) por plano de aposentadoria. Principais Acontecimentos Plano Básico ATIVOS ASSISTIDOS Plano Suplementar AUTOPATROCINADOS BPD (Benefício Proporcional Diferido) Destinação do superávit (2008 e 2009) aos participantes; Realização do 3º e 4º Encontro dos Aposentados, sendo uma oportunidade de prestar contas de uma maneira descontraída e responsável; Apresentação dos resultados nos sites de São José dos Campos e Indaiatuba, bem como, nas demais patrocinadoras, tendo como foco principal aproximar a Entidade dos participantes; Atendimento especial aos novos participantes oriundos na LHS; Desenvolvimento da nova webpage; Aprovação do Manual de Governança Corporativa; Treinamento dos Conselheiros, Diretores e Funcionários; e O novo Estatuto Social foi submetido para apreciação da PREVIC, após cumpridas as etapas de apresentação e apreciação das alterações aos participantes. ATIVOS ASSISTIDOS AUTOPATROCINADOS BPD (Benefício Proporcional Diferido) 350 A PREVI-ERICSSON em 2011 Para 2012, a Diretoria Executiva e os demais órgãos de governança (Conselho Deliberativo e Fiscal) deverão dar sequência ao Planejamento Estratégico 2010/2013, garantindo as melhores práticas do nosso fundo de pensão: Em 2011, houve alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria Previ-Ericsson (Básico) conforme Aprovação pela Portaria nº 260, de 25/05/2011, publicada no DOU de 27/05/2011. Já no Regulamento do Plano de Aposentadoria Suplementar Previ-Ericsson (Suplementar) e na Política de Investimentos não houve alterações com relação ao ano anterior. A Entidade fechou o ano de 2011 com uma alocação de 14,8% no Segmento de Renda Variável, um pouco abaixo do alvo de 15,0% estabelecido na Política de Investimentos, mas dentro da faixa de tolerância aceitável. Os demais recursos estão alocados no Segmento de Renda Fixa (84,6%), composto por Títulos do Tesouro Nacional (NTN-B e NTN- C), Títulos Privados (CDB, Dêbentures, e Letras Financeiras), e uma parcela em gestão terceirizada. Há uma alocação (0,6%) no Segmento de Investimentos Estruturados (Fundos de investimentos em Participações e Fundo de Investimentos Imobiliários. A gestão dos investimentos é mista, sendo 43% terceirizada com gestores especialistas no Segmento de Renda Fixa e Renda Variável e 57% própria com foco na administração da carteira de ALM Asset Liability Managment, composta na sua maior parte por títulos públicos e privados de baixo risco e pelos investimentos estruturados com perspectiva de longo prazo. 2

3 Previdência Complementar: o futuro em suas mãos O futuro depende das decisões do presente O tempo é nosso maior aliado e o futuro é normalmente influenciado pelas escolhas que fazemos no presente. A PREVI-ERICSSON, apoiada nesses princípios de gestão profissional, dispõe da seguinte estrutura de governança corporativa: Naturalmente, há fatores em nossa vida financeira que não podemos influenciar. Contudo, existem decisões que só dependem de nós... Conselho Deliberativo e no Conselho Fiscal há representantes dos próprios participantes. Eles cumprem mandatos prédefinidos, estabelecidos no estatuto da entidade. Composição atual dos Conselhos e Diretoria Executiva da PREVI-ERICSSON Conselho Deliberativo: Presidente: Sérgio Quiroga da Cunha Conselheiro: Lourenço Pinto Coelho Conselheiro: Flávio Felício Cafardo Conselho Fiscal: Presidente: Marcos de Souza Santos Conselheiro: Paulo Roberto Dias Conselheiro: José Arnaldo Consorti Diretoria Executiva: Diretor Superintendente: Rogerio Tatulli AEQT: Carla Mattos Marchesino de Oliveira Diretor: Eduardo Ricotta Torres Costa 3

4 Economia em 2011 e tendências para 2012 Em mais um ano de inflação elevada e incertezas nos mercados globais, muitos fundos de pensão tiveram dificuldade em obter um retorno de investimentos satisfatório, principalmente se comparada a rentabilidade obtida frente à meta atuarial, ou seja, ao objetivo de retorno do patrimônio no longo prazo. Em 2011, a continuação da crise de dívida da Zona do Euro foi um fator preponderante para a tensão dos mercados, além de decisiva para o desempenho negativo da Bolsa no Brasil. O mau desempenho, em geral, dos investimentos no ano passado também é reflexo do baixo crescimento da economia brasileira e da inflação pressionada para cima. A alta inflação foi verificada nos principais índices utilizados no país. O índice de preços ao consumidor amplo (IPCA), que contabiliza a evolução do custo de vida de famílias com renda de até 40 salários mínimos e é utilizado como referência pelo Banco Central do Brasil (BACEN), fechou o ano passado com inflação de 6,5% a.a. Este nível denota uma inflação pressionada em 2011 e corresponde ao teto da meta de inflação definida pelo BACEN para o ano. Outros índices importantes para os fundos de pensão são os Índices Geral de Preços Disponibilidade Interna (IGP-DI), voltado para o mercado produtivo, e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para famílias com renda de até 6 salários mínimos. Em 2011 estes índices variaram, respectivamente, 5,01% e 6,08%. A pressão inflacionária verificada ao longo do ano passado levou o BACEN a elevar os juros básicos (Selic) na primeira metade do ano com o objetivo de frear a economia aquecida. No entanto, a partir do agravamento da crise da Zona do Euro, o BACEN voltou a reduzir as taxas se ajustando a um cenário externo restritivo, que impactaria negativamente a economia local. O cenário de inflação pressionada, juros em queda na segunda metade do ano e desempenho negativo da bolsa é oposto ao ideal para as Entidades Fechadas de Previdência Complementar, pois reduz o retorno real (acima da inflação) das aplicações em geral. Ainda, sem a contribuição do retorno dos investimentos mais arriscados, como a bolsa, o desafio de trazer uma rentabilidade satisfatória para o plano e para o participante é ainda maior. Em 2011 a contribuição dos investimentos em ações foi, em geral, negativa. Os principais índices acionários brasileiros, Ibovespa e IBrX, caíram 18,1% e 11,4%, respectivamente. Para 2012, a solução para o problema da Zona do Euro e a efetividade da política monetária do BACEN são questões chave para colocar os investimentos dos fundos de pensão em uma rota de recuperação das perdas acumuladas nos últimos dois anos, mas o que é certo é que com um patamar de juros cada vez menor, será cada vez mais necessário incluir investimentos de maior risco na carteira, em busca de uma rentabilidade maior. Nesse contexto, o monitoramento constante dos riscos do plano em relação ao seu passivo é essencial, não incorrendo riscos desnecessários ou que não agreguem valor. Para entender os documentos a seguir Chegou o momento de avaliar os documentos referentes ao ano de 2011 que comprovam a solidez da PREVI-ERICSSON. Antes disso, porém, entenda o que significam os documentos e alguns termos que você encontrará neste relatório: o Balanço Patrimonial apresenta a posição financeira e patrimonial da entidade em 31 de dezembro, representando, portanto, uma posição estática. O ativo é o conjunto de bens, direitos e aplicações de recursos e o passivo compreende as obrigações para com os participantes e terceiros. a Demonstração da Mutação do Patrimônio Social (DMPS) apresenta a movimentação do patrimônio social da entidade através das adições (entradas) e deduções (saídas) de recursos. a Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios apresenta a movimentação do ativo líquido do plano de benefícios através das adições (entradas) e deduções (saídas) de recursos. a Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios (DAL) evidencia a composição do ativo líquido do plano de benefícios no exercício a que se referir, apresentando saldos de contas do ativo e passivo. a Demonstração do Plano de Gestão Administrativa Consolidada (DPGA) revela a atividade administrativa da entidade, apresentando a movimentação do fundo administrativo através das receitas, despesas e rendimento obtido no exercício a que se referir. a Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por Plano de Benefícios apresenta a atividade administrativa da entidade, relativa a cada plano de benefícios, evidenciando a movimentação do fundo administrativo existente em cada plano. a Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios (DOAP) evidencia a composição do patrimônio de cobertura do plano de benefícios no exercício a que se referir, apresentando o detalhamento das provisões matemáticas e o equilíbrio técnico. o Demonstrativo de Investimentos revela a alocação de recursos da entidade, os limites de alocação atual versus o que foi definido pela política de investimentos e a legislação vigente, os recursos com gestão terceirizada, a rentabilidade dos investimentos por segmento (renda fixa, renda variável etc.), a diferença entre a rentabilidade do segmento e a meta atuarial da entidade, os custos de gestão dos recursos e as modalidades de aplicação. 4

5 o fundo significa o ativo administrado pela entidade, que será investido de acordo com os critérios fixados anualmente pelo Conselho Deliberativo, por meio da política de investimentos. a meta atuarial é uma meta de rentabilidade utilizada como parâmetro para o retorno dos investimentos do fundo, de forma que os eventuais compromissos futuros da entidade possam ser cumpridos. o parecer atuarial é um relatório preparado por um estatístico especializado em seguros e previdência (atuário), que apresenta estudos técnicos sobre o plano de previdência que estiver analisando. Seu objetivo é avaliar a saúde financeira da entidade para poder honrar o pagamento dos benefícios presentes e futuros. o participante é a pessoa que está inscrita como tal no plano. Para conhecer a definição exata de participante e também a de beneficiário, leia o regulamento do seu plano. a patrocinadora é a empresa que custeia o plano junto com os participantes (isso quando as contribuições dos participantes estão previstas no regulamento). Um plano de previdência complementar pode ter uma ou mais patrocinadoras. a política de investimentos é um documento de periodicidade anual que apresenta diversas informações, como: 1) critérios de alocação de recursos entre os segmentos de renda fixa, renda variável etc.; 2) objetivos específicos de rentabilidade para cada segmento de aplicação; 3) limites utilizados para investimentos em títulos e valores mobiliários de emissão e/ou coobrigação de uma mesma pessoa jurídica; 4) limites utilizados para a realização de operações com derivativos e 5) avaliação do cenário macroeconômico de curto, médio e longo prazos, entre outras coisas. Estas informações auxiliam na avaliação dos recursos investidos, na escolha das instituições financeiras que vão administrar os investimentos e na avaliação dos limites de risco de mercado e de crédito, por exemplo. Neste relatório anual, você terá a oportunidade de ver o resumo da política de investimentos. Todos os documentos que você analisará a seguir já foram encaminhados para o controle e a verificação da Previc, que tem como uma de suas principais missões proteger os interesses dos participantes. Balanço Patrimonial Consolidado (em R$ mil) ATIVO Disponível 9 20 Realizável Gestão Previdencial Gestão Administrativa Investimentos Títulos Públicos Créditos Privados e Depósitos Ações Fundos de Investimentos Total do Ativo PASSIVO Exigível Operacional Gestão Previdencial Gestão Administrativa Patrimônio Social Patrimônio de Cobertura do Plano Provisões Matemáticas Benefícios Concedidos Benefícios a Conceder (-) Provisões Matemáticas a Constituir Equilíbrio Técnico Resultados Realizados Superávit Técnico Acumulado (-) Déficit Técnico Acumulado Resultados a Realizar Fundos Fundos Previdenciais Fundos Administrativos Total do Passivo

6 Demonstração da Mutação do Patrimônio Social Consolidado (em R$ mil) A) Patrimônio Social - Início do Exercício % 1 - Adições % (+) Contribuições Previdenciais % (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Previdencial % (+) Receitas Administrativas % (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Administrativa % 2 - Destinações % (-) Benefícios % (-) Resultado Negativo dos Investimentos - Gestão Previdencial % (-) Despesas Administrativas % (-) Resultado Negativo dos Investimentos - Gestão Administrativa % 3 - Acréscimo / Decréscimo no Patrimônio Social (1 + 2) % (+) Provisões Matemáticas % (-) Défict Técnico do Exercício % (-/+) Fundos Previdenciais % (+/-) Fundos Administrativos % 4 - Operações Transitórias (-) Operações Transitórias B) Patrimônio Social - Final do Exercício (A ) % Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano Básico (em R$ mil) A) Ativo Líquido - Início do Exercício % 1 - Adições % (+) Contribuições Previdenciais % (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Previdencial % 2 - Destinações % (-) Benefícios % (-) Resultado Negativo dos Investimentos - Gestão Previdencial % (-) Custeio Administrativo % 3 - Acréscimo / Decréscimo no Ativo Líquido (1 + 2) % (+) Provisões Matemáticas % (-/+) Fundos Previdenciais % (-) Déficit Técnico do Exercício % 4 - Operações Transitórias (-) Operações Transitórias B) Ativo Líquido - Final do Exercício (A ) % C) Fundos Não Previdenciais % (+) Fundos Administrativos % Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano Suplementar (em R$ mil) A) Ativo Líquido - Início do Exercício % 1 - Adições % (+) Contribuições Previdenciais % (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Previdencial % 2 - Destinações % (-) Benefícios % (-) Resultado Negativo dos Investimentos - Gestão Previdencial % (-) Custeio Administrativo Acréscimo / Decréscimo no Ativo Líquido (1 + 2) % (+) Provisões Matemáticas % (-) Fundos Previdenciais % (+) Superávit Técnico do Exercício % 4 - Operações Transitórias (-) Operações Transitórias B) Ativo Líquido - Final do Exercício (A ) % C) Fundos Não Previdenciais % (+) Fundos Administrativos % Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefício - Plano Básico (em R$ mil) 1 - ATIVOS % Disponivel % Recebível % Investimento % Títulos Públicos % Créditos Privados e Depósitos % Ações % Fundos de Investimentos % 2 - OBRIGAÇÕES % Operacional % 3 - FUNDOS NÃO PREVIDENCIAIS % Fundos Administrativo % 4 - RESULTADOS A REALIZAR 0 0 0% 5 - ATIVO LÍQUIDO ( ) % Provisões Matemáticas % Superávit / Déficit Técnico % Fundos Previdenciais % 6

7 Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano Suplementar (em R$ mil) 1 - ATIVOS % Disponivel % Recebível % Investimento % Títulos Públicos % Créditos Privados e Depósitos % Ações % Fundos de Investimentos % 2 - OBRIGAÇÕES % Operacional % 3 - FUNDOS NÃO PREVIDENCIAIS % Fundos Administrativo % 4 - RESULTADOS A REALIZAR 0 0 0% 5 - ATIVO LÍQUIDO ( ) % Provisões Matemáticas % Superávit / Déficit Técnico % Fundos Previdenciais % Demonstração do Plano de Gestão Administrativa Consolidada (em R$ mil) A) Fundo Administrativo do Exercício Anterior % 1 - Custeio da Gestão Administrativa % Receitas % Custeio Administrativo da Gestão Previdencial % Resultado Positivo dos Investimentos % 2 - Despesas Administrativas % Administração Previdencial % Pessoal e Encargos % Treinamento / Congressos e Seminários % Viagens e Estadias 1 1 0% Serviços de Terceiros % Despesas Gerais % Outras Despesas % Administração dos Investimentos % Pessoal e Encargos % Treinamento / Congressos e Seminários % Viagens e Estadias 1 1 0% Serviços de Terceiros % Despesas Gerais % 3 - Resultado Negativo dos Investimentos % 4 - Insuficiência / Sobra da Gestão Administrativa (1-2 -3) % 5 - Reversão / Constituição do Fundo Administrativo (4) % 6 - Operações Transitórias 0 0 0% B) Fundo Administrativo do Exercício Atual (A ) % Demonstração do Plano de Gestão Administrativa - Plano Básico (em R$ mil) A) Fundo Administrativo do Exercício Anterior % 1 - Custeio da Gestão Administrativa % Receitas % Custeio Administrativo da Gestão Previdencial % Resultado Positivo dos Investimentos % 2 - Despesas Administrativas % Administração Previdencial % Despesas Comuns % Despesas Específicas % Outras Despesas % Administração dos Investimentos % Despesas Comuns % 3 - Resultado Negativo dos Investimentos % 4 - Insuficiência / Sobra da Gestão Administrativa ( ) % 5 - Reversão / Constituição do Fundo Administrativo (4) % 6 - Operações Transitórias 0 0 0% B) Fundo Administrativo do Exercício Atual (A ) % Demonstração do Plano de Gestão Administrativa - Plano Suplementar (em R$ mil) A) Fundo Administrativo do Exercício Anterior % 1 - Custeio da Gestão Administrativa % Receitas % Custeio Administrativo da Gestão Previdencial % Resultado Positivo dos Investimentos % 2 - Despesas Administrativas % Administração Previdencial % Despesas Comuns % Despesas Específicas % Outras Despesas % Administração dos Investimentos % Despesas Comuns % 3 - Resultado Negativo dos Investimentos 0 0 0% 4 - Insuficiência / Sobra da Gestão Administrativa ( ) Reversão / Constibuição do Fundo Administrativo (4) Operações Transitórias 0 0 0% B) Fundo Administrativo do Exercício Atual (A ) % 7

8 Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios - Plano Básico (em R$ mil) Patrimônio de Cobertura do Plano (1 + 2) % 1 - Provisões Matemáticas % Benefícios Concedidos % Contribuição Definida % Benefício Definido % Benefícios a Conceder % Contribuição Definida % Saldo de Contas - parcela participantes % Benefício Definido % (-) Provisões Matemáticas a Constituir 0 0 0% 2 - Equilíbrio Técnico % Resultados Realizados % Superávit Técnico Acumulado % Reserva de Contigência % Reserva para Revisão de Plano % Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios - Plano Suplementar (em R$ mil) Patrimônio de Cobertura do Plano (1 + 2) % 1 - Provisões Matemáticas % Benefícios Concedidos % Contribuição Definida % Benefício Definido % Benefícios a Conceder % Contribuição Definida % Saldo de Contas - parcela patrocinador (es) % Saldo de Contas - parcela participantes % (-) Provisões Matemáticas a Constituir 0 0 0% 2 - Equilíbrio Técnico % Resultados Realizados % Superávit Técnico Acumulado % Reserva de Contigência % Reserva para Revisão de Plano Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios Consolidado (em R$ mil) Patrimônio de Cobertura do Plano (1 + 2) % 1 - Provisões Matemáticas % Benefícios Concedidos % Contribuição Definida % Benefício Definido % Benefícios a Conceder % Contribuição Definida % Saldo de Contas - parcela patrocinador (es) % Saldo de Contas - parcela participantes % Benefício Definido % (-) Provisões Matemáticas a Constituir 0 0 0% 2 - Equilíbrio Técnico % Resultados Realizados % Superávit Técnico Acumulado % Reserva de Contigência % Reserva para Revisão de Plano % Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2011 e de 2010 (em R$ mil) 1. Contexto Operacional A PREVI-ERICSSON - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ( Entidade ou Previ-Ericsson ) é uma entidade fechada de previdência complementar e sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado, nos termos do artigo 5º, Item II, da Lei nº 6.435, de 15/07/1977, revogada pela Lei Complementar nº 109, de 29/05/2001. O funcionamento da Entidade foi autorizado pela Portaria nº , de 27/11/1991 do Ministério do Trabalho e da Previdência Social MPS, por prazo indeterminado, conforme publicação do Diário Oficial da União (DOU) de 29/11/1991. A Entidade foi constituida em 16/12/1991. Os Planos de Aposentadorias tiveram o seu início em 01/03/1992. A PREVI-ERICSSON possui autonomia administrativa, financeira e patrimonial, tendo como objetivo complementar os benefícios assegurados pela previdência social oficial, aos participantes, beneficiários e dependentes dos participantes falecidos, sendo patrocinada por: Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Funcionários da Ericsson Damovo do Brasil S.A. Ericsson Telecomunicações S.A. Matepla - Telecomunicações, Planejamento e Projetos Ltda. (a) Previ-Ericsson - Sociedade de Previdência Privada Sony Ericsson Mobile Communications do Brasil Ltda. Venturus Centro de Inovação Tecnológica (a) A Administração da Damovo do Brasil S.A., decidiu descontinuar as operações da controlada Matepla. Para tanto, efetuou as provisões necessárias para o encerramento das atividades. Atualmente, a Matepla não tem mais atividades, possuindo apenas saldos de ativos e passivos que estão sendo liquidados. Atualmente, a Previ-Ericsson administra 2 (dois) planos de aposentadoria, um plano na modalidade Benefício Definido (BD) e outro na modalidade Contribuição Variável (CV). O custeio dos planos é definido anualmente pelo atuário responsável por ocasião da elaboração do Relatório da Avaliação Atuarial. 8

9 Plano de Aposentadoria Previ-Ericsson, registrado no Cadastro Nacional de Planos de Benefícios (CNPB) sob nº , denominado de Plano Básico e caracterizado como benefício definido. Plano de Aposentadoria Suplementar Previ-Ericsson, registrado no Cadastro Nacional de Planos de Benefícios (CNPB) sob nº , denominado Plano Suplementar e caracterizado como benefício de contribuição variável. A PREVI-ERICSSON não distribui lucro ou participações em seus investimentos. A escrituração contábil é centralizada em sua sede e está revestida das formalidades legais, sendo registrada em livros obrigatórios capazes de assegurar a sua exatidão. A PREVI-ERICSSON é qualificada como MULTIPATROCINADA e SINGULAR. O critério de gestão dos investimentos é COMPARTILHADA, que implica na solidariedade na aplicação dos recursos dos planos de benefícios. A segregação patrimonial é mista, onde a gestão previdencial é segregada por plano de benefícios, e a gestão administrativa e de investimentos são compartilhados e segregados por cotas dos planos. Em ambos os casos, entradas e saídas dos recursos são identificadas na gestão previdencial, enquanto na gestão administrativa e de investimentos a documentação de suporte é comum aos planos. Os recursos da Entidade são representados por contribuições das patrocinadoras, participantes ativos, participantes autopatrocinados, portabilidades e dos rendimentos oriundos das aplicações financeiras, que obedece ao disposto na Resolução CMN nº , de 24/09/2009 e complementada pela Resolução CMN nº 3.846, de 25/03/2010. Os participantes autopatrocinados são ex-funcionários das patrocinadoras que optaram em manter o(s) planos(s) de aposentadoria(s) assumindo integralmente seus custos e mais 3 (três) por cento de taxa de administração, aprovada pelo Conselho Deliberativo. A opção da portabilidade de recursos pelo participante pode ser cedente ou receptora, a primeira quando há transferência (saída) de recursos e a segunda quando há o recebimento (entrada) de recursos, ambas vinculadas às entidades de previdência complementar fechada ou aberta na modalidade PGBL Plano Gerador de Benefícios Livres. Os participantes ativos e autopatrocinados podem efetuar contribuições voluntárias ao Plano de Aposentadoria Suplementar Previ-Ericsson (CV). O quadro de colaboradores é dedicado exclusivamente às atividades da Entidade. Atualmente, existem 6 (seis) colaboradores. A gestão dos investimentos é criteriosa, conservadora e diversificada de acordo com a boa técnica. Os recursos financeiros ao longo do ano de 2011 foram geridos parte pela administração interna e parte por gestores externos, escolhidos através de critérios técnicos pré-estabelecidos e avaliados periodicamente. A Previ-Ericsson contratou a BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM S.A. para prestar os serviços de controladoria, custódia e administração fiduciária dos investimentos, de acordo com as normais legais e regulamentares. 2. Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis As demonstrações contábeis estão sendo apresentadas em atendimento às disposições legais dos órgãos normativos e reguladores das atividades das entidades fechadas de previdência complementar, especificamente a Resolução CNPC nº 8, de 31/10/2011, instrução SPC nº 34, de 24/09/2009, Resolução do Conselho Federal de Contabilidade nº. 1272, de 22/01/2010, que aprova a Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Específica nº. 11 NBC TE, e as práticas contábeis brasileiras aplicáveis às entidades reguladas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVI. Essas diretrizes não requerem a divulgação em separado de ativos e passivos de curto e de longo prazo, nem a apresentação da Demonstração do Fluxo de Caixa. A estrutura da planificação contábil padrão das EFPC reflete o ciclo operacional de longo prazo da sua atividade, de forma que a apresentação de ativos e passivos observadas as gestões previdencial e administrativa e o fluxo dos investimentos proporcione informações em circulante e não circulante, em conformidade com o item 63 da Norma Brasileira de Contabilidade Técnica - NBC T nº A sistemática introduzida pelos órgãos normativos apresenta, além das características já descritas, a segregação dos registros contábeis em duas gestões distintas (Previdencial e Administrativa) e o Fluxo dos Investimentos, que é comum às Gestões Previdencial e Administrativa, segundo a natureza e a finalidade das transações. A Entidade não realiza gestão Assistencial. As demonstrações contábeis apresentadas pela Previ-Ericsson em 31/12/2011 estão em conformidade com a Resolução CNPC nº. 8, de 31/10/2011 e são as seguintes: a. Balanço Patrimonial Consolidado; b. Demonstração da Mutação do Patrimônio Social DMPS (1) e (2) (consolidada) - c. Demonstração do Plano de Gestão Administrativa DPGA (PGA consolidado, PGA Plano Básico e PGA Plano Suplementar) (3) d. Demonstração do Ativo Líquido DAL (Plano Básico e Plano Suplementar) e. Demonstração da Mutação do Ativo Líquido DMAL (Plano Básico e Plano Suplementar) (2) f. Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano DOAP (Plano Básico e Plano Suplementar) (1) A Demonstração da Mutação do Ativo Líquido DMAL (consolidada) é atualmente denominada Demonstração da Mutação do Patrimônio Social - DMPS (consolidada). (2) Na Demonstração da Mutação do Patrimônio Social DMPS (consolidada) e na Demonstração da Mutação do Ativo Líquido DMAL (Plano Básico e Plano Suplementar), o valor em Operações Transitórias do ano de 2010 representa a retirada/transferência de gerenciamento da Patrocinadora Emerson Network Power do Brasil Ltda. (3) Na Demonstração do Plano de Gestão Administrativa - DPGA (PGA consolidado, PGA Plano Básico e PGA Plano Suplementar), o item Outras Despesas refere-se à TAFIC Taxa de Fiscalização e Controle da Previdência Complementar. 3. Principais Práticas Contábeis As principais práticas contábeis adotadas pela Entidade estão resumidas a seguir: a. Registro das Adições, Deduções, Receitas, Despesas, Rendas/Variações Positivas e deduções/variações Negativas As adições e deduções da Gestão Previdencial, receitas e despesas da Gestão Administrativa, as rendas/variações positivas e deduções/variações negativas do fluxo de investimento, são escrituradas pelo regime contábil de competência de exercícios, exceto os auto-patrocinados que são regime de caixa. b. Provisões Matemáticas e Fundos da Gestão Previdencial e Administrativo As Provisões Matemáticas, os Fundos Previdenciais e os Fundos Administrativos são determinados em bases atuarias pela, e sob a responsabilidade da, Mercer Human Resource Consulting Ltda., contratada pela PREVI-ERICSSON e representam os compromissos acumulados no encerramento do exercício, relativos aos benefícios concedidos e a conceder aos participantes e/ou aos beneficiários, conforme Parecer Atuarial datado de 26/03/

10 Benefícios Concedidos Representam o valor atual dos compromissos futuros da Previ-Ericsson para com os participantes e/ou beneficiários que já estão em usufruto de benefícios de prestação continuada (vitalícia) ou programada (prazo definido). Benefícios a Conceder Representam o valor atual dos compromissos futuros da Previ-Ericsson para com os participantes e/ou beneficiários que ainda não estão em condição de receber complementação de aposentadoria pela Previ- Ericsson. c. Estimativas Atuariais e Contábeis As estimativas atuariais e contábeis foram baseadas em fatores objetivos que refletem a posição em 31/12/2011, com base no julgamento da administração para determinação dos valores adequados a serem registrados nas demonstrações contábeis. Os itens significativos sujeitos às referidas estimativas incluem as provisões matemáticas, calculadas atuarialmente por profissional externo. d. Operações Administrativas Em conformidade com a Resolução CNPC nº 8, de 31/10/2011, e Instrução SPC nº 34, de 24/09/2009, os registros das operações administrativas são efetuados através do Plano de Gestão Administrativa PGA, que possui patrimônio compartilhado dos planos de benefícios previdenciais. O patrimônio do PGA é constituído pelas receitas (Previdencial, Investimentos e Diretas), deduzidas das despesas comuns e específicas da administração previdencial e dos investimentos, sendo as sobras ou insuficiências administrativas alocadas ou revertidas ao Fundo Administrativo. O saldo do Fundo Administrativo é segregado proporcionalmente por plano de benefício previdencial. As receitas administrativas da PREVI-ERICSSON são debitadas ao plano Previdencial em conformidade com o plano de custeio vigente. As fontes de custeio da Gestão Administrativa obedecem às determinações contidas no Regulamento do PGA, aprovado pelo Conselho Deliberativo da PREVI-ERICSSON e estão em conformidade com a Resolução CGPC nº 29, de 31/08/2009. e. Realizável Gestão Previdencial O realizável é apurado em conformidade com o regime de competência, estando representado pelos valores e pelos direitos da PREVI-ERICSSON, relativos às contribuições das patrocinadoras e dos participantes. Gestão Administrativa O realizável da gestão administrativa é apurado em conformidade com o regime de competência, estando representado pelos valores a receber decorrentes de operações de natureza administrativa. Fluxo dos Investimentos Os títulos e valores mobiliários são classificados em duas categorias, de acordo com a intenção da Administração e a capacidade financeira da PREVI-ERICSSON. As categorias são: Títulos para negociação: títulos e valores mobiliários adquiridos com o propósito de serem negociados independentemente do prazo a decorrer do título na data de aquisição. São contabilizados pelo custo de aquisição, acrescido dos rendimentos auferidos e ajustados pelo valor justo, com os ganhos e as perdas não realizadas reconhecidos no resultado do exercício. Títulos mantidos até o vencimento: títulos e valores mobiliários com vencimentos superiores a 12 (doze) meses da data de aquisição e que a Previ-Ericsson tenha interesse e capacidade financeira de mantê-los até o vencimento. Estes títulos são classificados como baixo risco pelas métricas estabelecidas na Política de Investimentos. Estes títulos são avaliados pelo custo de aquisição, acrescido dos rendimentos auferidos. Os rendimentos produzidos pelos títulos e valores mobiliários são computados e registrados diretamente no resultado do período, independentemente da categoria em que são classificados, conforme art. 4º da Resolução CGPC nº. 4, de 30/01/2002. Renda Fixa Os investimentos em Renda Fixa estão registrados pelo custo, acrescidos dos rendimentos auferidos de forma pro rata até a data de encerramento do Balanço e deduzidos, quando aplicável, das provisões para perdas. As rendas/variações positivas e deduções/ variações negativas da carteira são apropriadas em contas específicas diretamente vinculadas à modalidade de aplicação. O valor residual de R$ 519 mil das Debêntures não Conversíveis em Ações da Feniciapar S.A. estão provisionadas na conta de Provisão para Devedores Duvidosos desde Renda Variável As aplicações em fundos de Renda Variável estão demonstradas pelos valores de realização, considerando o valor das cotas na data-base das demonstrações financeiras. Em 2010, houve a migração integral das posições em ações à vista das carteiras administradas para os fundos exclusivos de renda variável; os direitos sobre dividendos e juros de capital próprio serão migrados gradativamente para os fundos de investimento quando do recebimentos dos mesmos. Atendendo à Resolução CGPC nº 4, de 30/01/2002, seguem os quadros abaixo : Demonstrativo da Composição Consolidada da Carteira de Investimentos (em R$ mil) DESCRIÇÃO Títulos Públicos Títulos Públicos Federais Créditos Privados e Depósitos Aplicações em Instituições Financeiras Companhias Abertas Ações Companhias Abertas Fundos de Investimento Renda Fixa Multimercado Ações Imobiliário Participações Total dos Investimentos

11 Demonstração dos Títulos para Negociação, por sua natureza e avaliação a custo e mercado. O custo representa os respectivos custos de aquisição. Títulos para Negociação Descrição Mercado Custo Mercado Custo Créditos Privados e Depósitos Aplicações em Instituições Financeiras Certificados de Depósitos Bancários Debêntures Não Conversíveis Companhias Abertas Debêntures Não Conversíveis Letras Financeiras Ações Companhias Abertas Ações Fundos de Investimento Renda Fixa Multimercado Ações Imobiliário Participações Total dos Investimentos Apresentação dos Prazos dos Títulos para Negociação, tomando como base para o período, o final do exercício de 2011 até o vencimento dos mesmos Prazos Mercado Custo Mercado Custo De 60 a 180 dias De 181 a 360 dias Acima de 360 dias Sem Vencimento Total dos Investimentos Demonstração dos Títulos Mantidos até o Vencimento, por sua natureza e avaliação a custo e mercado. Títulos Mantidos até o Vencimento Descrição Mercado Custo Mercado Custo Renda Fixa Títulos Públicos Federais NTN-B IPC-A NTN-C IGP-M Total dos Investimentos Apresentação dos Prazos dos Títulos Mantidos até o Vencimento, tomando como base para o período, o final do exercício de 2011 até o vencimento dos mesmos Prazos Mercado Custo Mercado Custo Acima 360 dias Total dos Investimentos Composição dos Fundos de Investimento DESCRIÇÃO Fundos de Investimento - Renda Fixa BNY Mellon Paineiras Hedge HSBC FI Ref. DI LP PB HSBC FI Ref. DI Cash - 34 Fundo Exclusivo Eiffel / BNP-Paribas Fundo Exclusivo Petra FIC FIM / Bradesco Fundo Exclusivo Yaffo FIC Fim / Bradesco Fundo Exclusivo Taj Mahal FIC / HSBC Fundo Exclusivo Aspen FIC / Western Fundos de Investimento Renda Variável Expertise FIA / Sul América Fundo Exclusivo Kista / Goldman Sachs Fundo Exclusivo Estocolmo / Schroders Fundo Exclusivo Arlanda / Franklin Templeton Fundos de Investimento Imobiliário BB Renda Corporativa / Banco do Brasil Renda Corporativa / Rio Bravo Shopping Mais Largo 13 / Bradesco Fundos de Investimento em Participação P2 Brasil Infraestrutura / Pátria Real State II / Pátria Special Opportunities I / Pátria Total dos Investimentos f. Exigível Operacional É registrado pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas, estando representado pelas obrigações de benefícios a participantes, prestação de serviços por terceiros e obrigações fiscais. Resumo dos Investimentos Confira a alocação dos ativos no ano de 2010 e 2011 (em R$ mil) Limite Segmento 2011 % 2010 % Legal (*) Renda Fixa ,8% ,3% 100% ALM (1) ,8% ,9% 100% Renda Variável ,8% ,4% 70% Multimercados - 0,0% ,3% 10% Estruturados ,6% - 0,0% 20% Total - 0,0% - 0,0% 10% Total % % --- (1) ALM - Asset Liability Management (*) Resolução do CMN nº 3.792, 24/09/

12 Resumo da Política de Investimentos Confira o resumo da Política de Investimentos aplicadas no Plano de Aposentadoria, no Plano de Aposentadoria Suplementar e também no Plano de Gestão Administrativa. I Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado Nome Carla Mattos Marchesino de Oliveira CPF Cargo Diretora Técnica Nº da Ata de Aprovação Conselho Deliberativo - Nº 03/2010 II - Controle dos Riscos Risco de Mercado Risco de Liquidez Risco Legal Risco Operacional Risco Sistémico Risco de Crédito III - Quadro Resumo dos Limites e ìndices de Referência LIMITES SEGMENTO / MANDATO BENCHMARK LIMITE LEGAL INFERIOR OBJETIVO SUPERIOR Renda Fixa 100% 64% 77% 100% Carteira ALM IPCA + 5% ao ano Fundos de Renda Fixa 70% CDI + 30% IMA-B Renda Variável IBr-X 70% 0% 15% 20% Investimentos Estruturados IPCA + 5% ao ano 20% 0% 6% 6% Participações IPCA + 5% ao ano 20% Imobiliários IPCA + 5% ao ano 10% Investimentos no exterior IPCA + 5% ao ano 10% 0% 1% 1% Imóveis IPCA + 5% ao ano 8% 0% 0% 8% Operações com participantes IPCA + 5% ao ano 15% 0% 1% 1% IV - Gestão dos Investimentos Critério de Avaliação Benchmark do segmento Tipo Mista Periodicidade Avaliação Mensal Fundos Exclusivos 5 Fundos Abertos 5 Hipóteses e Métodos Atuariais As principais hipóteses atuariais e econômicas utilizadas na apuração do exigível atuarial dos planos foram: Plano Plano Hipóteses Básico Suplementar Taxa real anual de Juros 5% a.a. 5% a.a. Índice de Inflação (1) IPCA IPCA Projeção de crescimento real de salário (2) 2% a.a. Não Aplicável Projeção crescimento real maior salário benefício INSS 0% a.a. Não Aplicável Projeção crescimento real dos benefícios do plano 0% a.a. 0% a.a. Fator de capacidade para os salários 0,98% 0,98% Fator de capacidade para os benefícios 0,98% 0,98% Hipótese sobre rotatividade (3) Mercer Service Não Aplicável Tábua de mortalidade geral (4) AT AT 2000 Tábua de mortalidade de inválidos IAPB 57 IAPB 57 Tábua de entrada em invalidez Mercer Disability Não Aplicável Outras hipóteses biométricas utilizadas (5) Mercer Retirement Não Aplicável Método atuarial Crédito Unitário Projetado Capitalização Individual Observações: (1) Indexador utilizado para a correção dos benefícios é o INPC (IBGE) e o indexador utilizado para meta atuarial é o IPCA (IBGE) de acordo com a política de investimentos. (2) A hipótese adotada de crescimento salarial foi definida pelas Patrocinadoras levando em consideração a expectativa média de reajustes salariais futuros. (3) Pela Mercer Service, a rotatividade varia de acordo com o Tempo de Serviço ( TS ) e a faixa salarial: 0-10 Salários Mínimos: 0,30 / (TS+1); Acima de 10 Salários Mínimos: 0,15 / (TS+1); (4) Foi utilizada a tábua AT-2000, segregada por sexo. (5) A Mercer Retirement é uma tábua de probabilidade de entrada em aposentadoria: 10% na primeira elegibilidade à aposentadoria antecipada, 3% entre essa data e a data da aposentadoria normal e 100% na data de elegibilidade à aposentadoria normal. No Plano de Aposentadoria Previ-Ericsson (Plano Básico), o método atuarial adotado foi o Crédito Unitário Projetado para a avaliação de todos os benefícios do plano. No Plano de Aposentadoria Suplementar Previ-Ericsson (Plano Suplementar), o método atuarial adotado foi o Capitalização Individual para a avaliação de todos os benefícios do plano. Na opinião do atuário, as hipóteses e métodos utilizados na avaliação atuarial com data-base de 31/12/2011, são apropriados e atendem à Resolução CGPC nº. 18, de 28/03/2006 e a Resolução CGPC n. 26, de 29/09/2008, que estabelecem respectivamente os parâmetros técnicoatuariais para estruturação de planos de benefícios de Entidades Fechadas de Previdência Complementar e procedimentos a serem observados por essas Entidades na apuração do resultado, na destinação e utilização de superávit e no equacionamento de déficit dos planos de benefícios. Provisões Matemáticas e Métodos Atuariais As provisões matemáticas foram determinadas por atuário externo contratado pela PREVI-ERICSSON e representam os compromissos acumulados no encerramento do exercício, segregados por plano de benefícios, quanto aos benefícios concedidos e a conceder, assegurados aos participantes ou a seus beneficiários, na forma prevista nos regulamentos dos planos, vigentes em 31/12/2011. As provisões matemáticas de 2011 contemplam as regras estabelecidas na Resolução CGPC nº. 26, de 29/09/2008, que versam sobre a apuração do resultado, destinação e utilização de superávit e equacionamento do déficit dos planos de benefícios. Plano de Custeio para o Exercício de 2012 Certificamos que, de acordo com a legislação vigente, as Patrocinadoras e os Participantes deverão efetuar contribuições estimadas para os Planos nos seguintes níveis, com base na folha salarial dos participantes: Plano de Aposentadoria PREVI-ERICSSON (Plano Básico) Contribuições Previdenciais % de Patrocinadora Patrocinadora Participante Autopatrocinados Desp. Adm. Redução Ericsson (*) 0,44% 1,65% 0,20% 0,68% 90% Venturus Zero Zero 0,03% 0,60% 100% Sony-Ericsson 0,42% 0,13% 0,22% 0,82% 95% Damovo 2,54% 0,70% 0,04% 0,50% Zero (*) Ericsson Telecomunicações S.A., Previ-Ericsson Sociedade de Previdência Privada e Coop. de Crédito Mútuo dos Funcionários da Ericsson. 12

13 Plano de Aposentadoria Suplementar PREVI-ERICSSON (Plano Suplementar) Patrocinadoras Contribuições Previdenciais Patrocinadora Normal Adicional Total Desp. Adm. Ericsson (*) 0,71% 0,04% 0,75% 0,14% Venturus 0,11% 0,01% 0,12% 0,14% Sony-Ericsson 1,01% 0,06% 1,07% 0,17% Damovo 0,34% 0,04% 0,36% 0,13% (*) Ericsson Telecomunicações S.A., Previ-Ericsson Sociedade de Previdência Privada e Coop. de Crédito Mútuo dos Funcionários da Ericsson. Participantes Ativos e Autopatrocinados Contribuições Previdenciais Patrocinadora Básica Voluntária Total Ericsson (*) 1,47% 1,16% 2,63% Venturus 0,67% 0,53% 1,20% Sony-Ericsson 2,20% 1,73% 3,93% Damovo 0,40% 0,32% 0,72% (*) Ericsson Telecomunicações S.A., Previ-Ericsson Sociedade de Previdência Privada e Coop. de Crédito Mútuo dos Funcionários da Ericsson. As despesas administrativas dos Planos são custeadas pelas Patrocinadoras, com base na folha salarial dos participantes. O Plano de Custeio apresentado é aplicável para o período de 01/04/2012 até 31/03/2013. Parecer Atuarial Certificamos que o Plano de Aposentadoria Previ-Ericsson para as patrocinadoras Ericsson Telecomunicações, Coop. Economia e de Crédito Mútuo dos Funcionários da Ericsson, Previ-Ericsson, Venturus e Sony-Ericsson está superavitário em 31/12/2011, e que a utilização de parte desse superávit deverá ser realizada, respeitando os termos da Resolução nº 26, de 29/09/2008. O Plano para a patrocinadora Damovo está superavitário em 31/12/2011. Informamos ainda que a Reserva para Revisão do Plano não apresenta valor registrado, inexistindo qualquer obrigação quanto à destinação do superávit do referido plano de acordo com o disposto na Resolução CGPC nº 26, de 29/09/2008. Certificamos que o Plano de Aposentadoria Suplementar Previ-Ericsson para as patrocinadoras Ericsson Telecomunicações, Coop. Economia e de Crédito Mútuo dos Funcionários da Ericsson, Previ-Ericsson, Venturus, Sony-Ericsson e Damovo está equilibrado, dependendo apenas do pagamento das contribuições previstas no Plano de Custeio para manter este equilíbrio. Para a patrocinadora Venturus, o valor do excesso do Patrimônio do Plano sobre o valor das Provisões Matemáticas foi utilizado para constituição da Reserva de Contigência, limitado à 25% do total das Provisões Matemáticas dos Benefícios Definidos. O valor do superávit excedente a Reserva de Contingência foi contabilizado na Reserva Especial para Revisão do Plano. A Reserva Especial para Revisão do Plano não será utilizada neste exercício, tendo em vista que não apresenta valor em 3 (três) anos consecutivos. A Avaliação Atuarial foi realizada pela Mercer Human Resource Consulting. A consultoria atesta que, com base nas hipóteses e métodos atuariais adotados em 31 de dezembro de 2011, para os planos de aposentadoria sob administração da Previ-Ericsson estão equilibrados, ou seja, financeiramente estáveis para pagamento dos benefícios concedidos e a conceder. Adicionalmente, a consultoria atesta que os dados dos participantes utilizados nesta avaliação atuarial, bem como as hipóteses e métodos atuariais adotados atendem à legislação aplicável e foram considerados adequados. São Paulo, 26 de Março de Mercer Human Resource Consulting Ltda. Carlos Henrique Chavão MIBA nº 917 Ane Conde MIBA º Parecer dos Auditores Independentes Aos Conselheiros, Diretores, Participantes e Patrocinadores da Previ-Ericsson Sociedade de Previdência Privada São Paulo - SP Examinamos as demonstrações contábeis da Previ-Ericsson Sociedade de Previdência Privada ( Entidade ), que compreendem o balanço patrimonial consolidado em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações consolidadas da mutação do patrimônio social e do plano de gestão administrativa,bem como as demonstrações individuais da mutação do ativo líquido, do ativo líquido, do plano de gestão administrativa e das obrigações atuariais por plano de benefício para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações contábeis A Administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis a entidades reguladas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar - PREVIC, e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis da Entidade. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Entidade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. 13

14 Opinião Em nossa opinião, as demonstrações contábeis consolidadas e individuais por plano de benefício anteriormente referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira consolidada da Previ-Ericsson Sociedade de Previdência Privada e individual por plano de benefício em 31 de dezembro de 2011 e o desempenho consolidado e por plano de benefício de suas operações para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às entidades reguladas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar - PREVIC. Outros Assuntos As demonstrações contábeis consolidadas correspondentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010, apresentadas para fins de comparação, foram anteriormente por nós auditadas, cujo relatório, de 31 de março de 2011, não conteve nenhuma modificação. Os procedimentos de auditoria referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010 foram planejados e executados para permitir a emissão de um relatório de auditoria sobre a posição consolidada da Entidade, e não sobre as informações individuais por plano de benefício, portanto, não expressamos nenhuma opinião sobre as informações individuais por plano de benefício naquele exercício. São Paulo, 13 de abril de DELOITTE TOUCHE TOHMATSU Auditores Independentes CRC nº. 2 SP /O-8 Celso de Almeida Moraes Contador CRC nº. 1 SP /O-9 Parecer do Conselho Fiscal Os membros do Conselho Fiscal, no cumprimento das obrigações estatutárias que lhes confere o Estatuto, reuniram-se no dia 30/03/ 2012, na sede da PREVI-ERICSSON para apreciar as Demonstrações Atuariais relativas ao exercício de 2011, bem como os atos apresentadas pela Diretoria Executiva, compostas de Balanço Patrimonial (consolidado), Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - DAL, Demonstração da Mutação do Patrimônio Social DMPS (consolidada), Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios DMAL, Demonstração do Plano de Gestão Administrativa DPGA (consolidada), Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por Plano de Benefícios DPGA, Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios DOAP e respectivas Notas Explicativas, sob administração da Entidade. Após exame dos documentos citados anteriormente, o Conselho Fiscal constatou que as Demonstrações Atuariais apresentam-se corretas e em conformidade com a legislação vigente aplicável às EFPC - Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Desta forma, divulgam parecer favorável às informações constantes nas Demonstrações Atuariais relativas ao exercício social findo em 31/12/2011. Os membros do Conselho Fiscal, no cumprimento das obrigações estatutárias que lhes confere o Estatuto, reuniram-se extraordinariamente no dia 18/04/2012, na sede da PREVI-ERICSSON para apreciar os Demonstrativos Contábeis e Financeiros relativos ao exercício de 2011, relatórios de risco e enquadramento elaborados pela BNY Mellon, relatórios com a avaliação da performance dos gestores apresentados pela PPS, devidamente acompanhado do Parecer dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu, após avaliar todos os documentos citados anteriormente, os Conselheiros aprovaram por unaminadade os Demosntrativos Contábeis e Financeiros relativos ao exercício social encerrado em 31/12/2011. Presidente: Marcos de Souza Santos Conselheiro: Paulo Roberto Dias Conselheiro: José Arnaldo Consorti Parecer do Conselho Deliberativo Os membros do Conselho Deliberativo, no cumprimento das obrigações estatutárias que lhes confere o Estatuto, reuniram-se no dia 30/03/2012, na sede da PREVI-ERICSSON para apreciar as Demonstrações Atuariais relativas ao exercício de 2011, bem como os atos apresentadas pela Diretoria Executiva, compostas de Balanço Patrimonial (consolidado), Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - DAL, Demonstração da Mutação do Patrimônio Social DMPS (consolidada), Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios DMAL, Demonstração do Plano de Gestão Administrativa DPGA (consolidada), Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por Plano de Benefícios DPGA, Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios DOAP e respectivas Notas Explicativas, sob administração da Entidade. Após exame dos documentos citados, bem como, com base na aprovação pelo Conselho Fiscal, constatou que as Demonstrações Atuariais apresentam-se corretas e em conformidade com a legislação vigente aplicável às EFPC - Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Desta forma, divulgam parecer favorável às informações constantes nas Demonstrações Atuariais relativas ao exercício social findo em 31/12/2011. Os membros do Conselho Deliberativo, no cumprimento das obrigações estatutárias que lhes confere o Estatuto, reuniram-se extraordinariamente no dia 18/04/2012, na sede da PREVI-ERICSSON para apreciar os Demonstrativos Contábeis e Financeiros relativos ao exercício de 2011, relatórios de risco e enquadramento elaborados pela BNY Mellon, relatórios com a avaliação da performance dos gestores apresentados pela PPS, aprovação do Conselho Fiscal, devidamente acompanhado do Parecer dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu, após avaliar todos os documentos citados anteriormente, os Conselheiros aprovaram por unaminadade os Demosntrativos Contábeis e Financeiros relativos ao exercício social encerrado em 31/12/2011. Presidente: Sérgio Quiroga da Cunha Conselheiro: Lourenço Pinto Coelho Conselheiro: Flávio Felício Cafardo 14

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO

RELATÓRIO ANUAL RESUMO RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2014 ÍNDICE Despesas Previdenciais e de Investimentos...3 Rentabilidade dos Perfi s de Investimento...3 Investimentos...3 Número de Participantes...4 Resumo do Resultado Atuarial...4

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

demonstração da Mutação do ativo Líquido

demonstração da Mutação do ativo Líquido Período: dezembro de 2010 R$ mil demonstração da Mutação do ativo Líquido Visão ATelecom Descrição 2010 A) Ativo Líquido - Início do Exercício 2.207 1. Adições 4.979 (+) Contribuições 4.727 (+) Resultado

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS

Leia mais

A Rentabilidade líquida do Plano ALEPEPREV e do PGA ; Resumo de Informações sobre o Demonstrativo de Investimentos. Resumo do Exercício 2014

A Rentabilidade líquida do Plano ALEPEPREV e do PGA ; Resumo de Informações sobre o Demonstrativo de Investimentos. Resumo do Exercício 2014 Síntese dos Resultados dos Investimentos O Pl ALEPEPREV, instituído na modalidade de Contribuição Definida, obteve um desempenho muito satisfatório no de 2014. O Pl de Benefícios superou a sua meta de

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

Plano de Benefícios Investco

Plano de Benefícios Investco Plano de Benefícios Investco ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -2 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -2 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -2 Demonstração do ativo líquido - Plano de

Leia mais

Plano de Benefícios EDP Renováveis

Plano de Benefícios EDP Renováveis Plano de Benefícios EDP Renováveis ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -04 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -04 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -04 Demonstração do ativo líquido -

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Brasília, 29 de novembro de 2011 1 Sistema de Previdência Complementar instituído pela Lei 6.435/77 e Decreto 81.240/78; normatizar e disciplinar

Leia mais

Caro participante, A ALPAPREV em números ALPAPREV. Rentabilidade. Sustentabilidade em números

Caro participante, A ALPAPREV em números ALPAPREV. Rentabilidade. Sustentabilidade em números Caro participante, Mais um ano nós estamos juntos, colocando em prática o seu planejamento financeiro para o futuro e acumulando, mês a mês, a garantia de você realizar seus projetos na aposentadoria.

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Maio/2012

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Maio/2012 1 ATIVO 103.099.161,56 D 21.051.568,01 20.800.568,57 103.350.161,00 D 1.1 DISPONÍVEL 170.618,82 D 10.279.904,19 10.329.287,48 121.235,53 D 1.1.1 IMEDIATO 170.618,82 D 10.279.904,19 10.329.287,48 121.235,53

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Maio/2013

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Maio/2013 1 ATIVO 110.659.714,85 D 11.382.915,50 12.144.413,81 109.898.216,54 D 1.1 DISPONÍVEL 676.336,92 D 5.039.632,26 5.650.035,90 65.933,28 D 1.1.1 IMEDIATO 676.336,92 D 5.039.632,26 5.650.035,90 65.933,28 D

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos Relatório Anual 2009 ÍNDICE Introdução 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados 2. Política de Investimentos 2010 3. Distribuição de Investimentos 4. Parecer Atuarial 5. Parecer dos Auditores Independentes

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Junho/2015

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Junho/2015 1 ATIVO 135.948.021,65 D 7.972.075,13 7.101.821,40 136.818.275,38 D 1.1 DISPONÍVEL 112.965,02 D 3.486.006,70 3.402.114,43 196.857,29 D 1.1.1 IMEDIATO 112.965,02 D 3.486.006,70 3.402.114,43 196.857,29 D

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Junho/2010

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Junho/2010 1 ATIVO 72.608.824,13 D 30.147.120,69 29.842.629,99 72.913.314,83D 1.1 DISPONÍVEL 190.258,33 D 1.771.877,67 1.812.144,85 149.991,15D 1.1.1 IMEDIATO 190.258,33 D 1.771.877,67 1.812.144,85 149.991,15D 1.1.1.2

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Julho/2015

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Julho/2015 1 ATIVO 136.818.275,38 D 11.173.181,50 9.398.611,67 138.592.845,21 D 1.1 DISPONÍVEL 196.857,29 D 4.296.773,25 4.309.777,52 183.853,02 D 1.1.1 IMEDIATO 196.857,29 D 4.296.773,25 4.309.777,52 183.853,02

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Fevereiro/2013

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Fevereiro/2013 1 ATIVO 115.678.223,34 D 40.374.433,45 40.033.273,64 116.019.383,15 D 1.1 DISPONÍVEL 101.250,59 D 19.093.776,18 19.079.771,98 115.254,79 D 1.1.1 IMEDIATO 101.250,59 D 19.093.776,18 19.079.771,98 115.254,79

Leia mais

Sumário. Planos de Contribuição Variável

Sumário. Planos de Contribuição Variável Planos de Contribuição Variável Sumário Plano Sanasa Parecer atuarial sobre o balanço...2 Demonstrações patrimonial e de resultados de plano de benefícios de natureza previdencial...7 Demonstrativo de

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Fundação Sabesp de Seguridade Social SABESPREV CNPJ 65.471.914/0001-86 Alameda Santos, 1827 14 º andar CEP 01419.909 Cerqueira

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Santander Associação de Previdência

Santander Associação de Previdência Santander Associação de Previdência Relatório anual de informações 2010 Apresentação Sanprev Em cumprimento às determinações legais que regem as Entidades Fechadas de Previdência Complementar, a Sanprev

Leia mais

2004 78 52.164 4.897 13 47.254 38.474 7.531 1.249 28 28 52.270 48 7 41 68.125. Receitas. Despesas 75.017 19.369 26.261) 15.903) 16.

2004 78 52.164 4.897 13 47.254 38.474 7.531 1.249 28 28 52.270 48 7 41 68.125. Receitas. Despesas 75.017 19.369 26.261) 15.903) 16. 7,7% 7,% 6,17% 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO DISPONÍVEL REALIZÁVEL Operações com Participantes PERMANENTE Imobilizado TOTAL DO ATIVO PASSIVO EXIGÍVEL OPERACIONAL EXIGÍVEL ATUARIAL PROVISÕES MATEMÁTICAS Benefícios

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA

Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA O Fundo de Pensão Multinstituído da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia - SBOTPREV apresenta o relatório das principais atividades da Entidade durante

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014.

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. STEA:- 80/2014/153 Ilma. Sra. Dra. Jussara Carvalho Salustino M.D. Diretora Presidente da ECOS Ref:- Parecer Atuarial sobre o Balanço de 31/12/2013 Plano BD Prezada

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: BUNGEPREV 2- CÓDIGO: 3861 3- RAZÃO SOCIAL: BUNGEPREV - Fundo Múltiplo de Prev idência Priv

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política de Investimento -2012 1 SUMARIO 1. Introdução... 03 2. Divulgação da Política de Investimentos... 03 3. Objetivos... 03 4. Composição dos Investimentos

Leia mais

ACEPREV Acesita Previdência Privada. Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade.

ACEPREV Acesita Previdência Privada. Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade. ACEPREV Acesita Previdência Privada Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade. RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2008 M ENSAGEM DA DIRETORIA A Diretoria Executiva

Leia mais

RDEC 06 Demonstrações Contábeis. Junho 2015

RDEC 06 Demonstrações Contábeis. Junho 2015 RDEC 06 Demonstrações Contábeis Junho 2015 Diretoria de Administração Brasília, julho de 2015 1. Introdução Este relatório tem por objetivo apresentar as demonstrações contábeis da Fundação de Previdência

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14;

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; Aspectos Contábeis TÓPICOS A SEREM ABORDADOS: 1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; 2. Efeitos para equacionamento de déficits

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

Sumário. Planos instituídos. Plano Aduanaprev. Parecer Atuarial... 85. Parecer Atuarial... 46. Balanço do plano... 59. Balanço do plano...

Sumário. Planos instituídos. Plano Aduanaprev. Parecer Atuarial... 85. Parecer Atuarial... 46. Balanço do plano... 59. Balanço do plano... Sumário Planos instituídos Plano Aduanaprev Parecer Atuarial... 02 Balanço do plano... 07 Demonstrativo de investimentos... 08 Plano ANAPARPREV Parecer Atuarial... 10 Balanço do plano... 12 Demonstrativo

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização Patrimônio R$ Mil Líquido 1.DISPONIBILIDADES 8 0,03 Depósitos

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

Mensagem do Superintendente

Mensagem do Superintendente Mensagem do Superintendente O Sistema Brasileiro dos Fundos de Pensão celebra hoje importantes avanços que o posiciona como referência para assuntos relacionados à base legal e normativa, qualidade da

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 2.1 OBJETIVO GERAL... 2 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 2 3 VIGÊNCIA... 3 3.1 MODELO DE GESTÃO... 3 3.2 PROCESSO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 1. Apresentação A presente Política de Investimentos visa atender as Portarias

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC João Marcelo Carvalho Agenda COMPARTILHAMENTO DE RISCOS SOLVÊNCIA CONCLUSÕES 2 Agenda COMPARTILHAMENTO DE

Leia mais