Caro participante, A ALPAPREV em números ALPAPREV. Rentabilidade. Sustentabilidade em números

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caro participante, A ALPAPREV em números ALPAPREV. Rentabilidade. Sustentabilidade em números"

Transcrição

1 Caro participante, Mais um ano nós estamos juntos, colocando em prática o seu planejamento financeiro para o futuro e acumulando, mês a mês, a garantia de você realizar seus projetos na aposentadoria. O seu plano de aposentadoria é a sua principal ferramenta financeira para cuidar do amanhã. Somando as suas contribuições e as contribuições da empresa com uma boa dose de rentabilidade, nós conseguimos consolidar a reserva necessária para lhe proporcionar segurança financeira no futuro. Tal resultado nos estimula a seguir ainda mais em frente. Nosso trabalho faz todo sentido cada dia que vemos pessoas se aposentando tranquilas, cheias de planos para o futuro e satisfeitas com as suas conquistas passadas. Este é o nosso verdadeiro motivador. Contudo, ainda há muito mais o que se fazer. Do seu lado: o comprometimento com o seu plano de aposentadoria, mantendo suas reservas e contribuições, independente das adversidades do caminho. Do nosso lado: a incessante busca pelas melhores práticas de governança, para que você tenha sempre o melhor para o seu futuro. Nesta receita, o ingrediente transparência das informações é pressuposto de sucesso. Aqui, neste relatório anual, você poderá avaliar todas as informações a respeito de seu plano e da sua ALPAPREV (atual denominação da SPASAPREV), de forma clara e precisa. Em caso de dúvidas, consulte a entidade, por meio dos canais de comunicação disponibilizados a você. Teremos o maior prazer em ajudá-lo. Boa leitura. ALPAPREV Telefone: (11) / (11) Site: A ALPAPREV em números Rentabilidade Confira a rentabilidade por ano e acumulada de seu plano em comparação com os principais índices econômicos (CDI, poupança e INPC) nos últimos 3 anos. Sustentabilidade em números Você conhece a ALPAPREV em números? A ALPAPREV apresenta os números a seguir que evidenciam seu tamanho, solidez e rentabilidade.

2 Quem somos em patrimônio Evolução do patrimônio nos últimos 5 anos (em R$ milhões): Acontecimentos de Plano ALPAPREV 143,3 141,7 172,6 186,2 193,4 Plano Textil Prev 31,4 32,2 38,3 42,7 45,9 Quem somos em pessoas Distribuição dos participantes: ATIVOS APOSENTADOS AUTOPATROCINADOS BPD (Benefício Proporcional Diferido) Quem somos em atitude Plano ALPAPREV Plano Textil Prev Cada dia mais gente com o futuro garantido. Participantes aposentados nos últimos 5 anos: Plano ALPAPREV Plano Textil Prev foi um ano de muito trabalho para a ALPAPREV. Vejam os principais acontecimentos: Implantação do programa de empréstimos para os participantes da Tavex e Dupé, iniciado em 02/2011 e 07/2011, respectivamente Capacitação dos profissionais dos RHs acerca dos benefícios da ALPAPREV Implantação do Plano ALPAPREV na Dupé em 02/2011 Encaminhamento para aprovação da Previc do processo de alteração da razão social da Entidade para ALPAPREV. A aprovação desta solicitação ocorreu em publicação no DOU de 20/04/2012, conforme portaria nº 190 de 19/04//2012. Acompanhamento do processo de retirada de patrocínio das patrocinadoras Locomotiva da Amazônia e da Locomotiva Indústria e Comércio Análise de desempenho dos gestores dos investimentos da ALPAPREV visando a obtenção dos melhores resultados para os planos e garantindo a segurança e solidez do patrimônio dos participantes. O resultado desta análise foi o cancelamento do contrato com o Itaú-Unibanco ficando os recursos distribuídos entre o Bradesco e a Western Assets Para 2012, a ALPAPREV continuará trabalhando pela solidez econômico-financeira da Entidade e pelo alinhamento das suas atividades com as mais modernas regras e práticas de governança corporativa. E para ajudar na entrega com excelencia, o quadro da ALPAPREV agora conta com a contratação de Amanda Sircilli. É com satisfação que podemos dizer que a ALPAPREV é uma entidade transparente, sustentável e comprometida com seus participantes e patrocinadora. Sustente esta ideia Certamente você já ouviu falar muito sobre o tema sustentabilidade. Uma das definições de sustentabilidade é o não comprometimento do futuro com ações predatórias que visam apenas o presente. Ou seja, pensar a longo prazo. Com base neste raciocínio, propomos uma reflexão da sua sustentabilidade financeira: o que você faz hoje para garantir o futuro? Você pensa e age com visão de longo prazo, a fim de garantir a sua segurança e preservação do seu patrimônio? Ou age apenas com foco no presente? Ter um futuro sustentável, além de todas as atitudes responsáveis que devemos ter perante o planeta e a sociedade, também significa garantir a perenidade das nossas conquistas de hoje. 2

3 O velho ditado você irá colher amanhã o que planta hoje é uma síntese do pensamento sustentável. Apesar de muito simples na teoria, a prática depende de muita disciplina e atitude, pois a nossa cultura ainda está muito enraizada em tempos de inflação e incertezas. Reverter nosso pensamento para planejamento e poupança é a chave do sucesso! Comece agora mesmo. Reflita sobre o seu futuro, faça planos para a aposentadoria, avalie se o que você contribui para a ALPAPREV é suficiente para garantir sua estabilidade financeira e sempre engorde mais o seu porquinho. Plantando hoje e colhendo amanhã Existem muitas maneiras de explicar o quanto a disciplina é aliada do seu bolso. Aqui, optamos por mostrar os números que comprovam esta afirmação. Vamos às hipóteses: HIPÓTESE 1: HIPÓTESE 2: *considerando taxa de 6% ao ano. Você gasta R$ 200 todos os meses nas compras de mercado. No entanto, vai a um mercado próximo à sua casa, não pesquisa preço e compra mais coisas do que precisa. Hoje você resolveu fazer uma listinha, se organizar e, assim, conseguiu economizar R$ 50 no fim do mês. Essa economia mensal aplicada por 30 anos se transformou em: R$ * Você abriu uma poupança para seu filho que acabou de nascer e pretende guardar R$ 30 por mês. Quando ele passar no vestibular, 18 anos depois, você terá: R$ * Viu como pequenas economias viram uma verdadeira fortuna no futuro? Cada despesa que você reduzir hoje e guardar para o amanhã fará uma grande diferença no seu patrimônio final. E fazer sobrar dinheiro só depende de disciplina. Quer começar a poupar mais? Pegue um lápis e um papel e comece já a listar suas despesas. Priorize seu dinheiro e corte gastos desnecessários. Lembre-se que só com atitude você será protagonista da sua vida financeira. Um assunto para toda a família Sustentabilidade financeira é um assunto para toda a família. Começando pelos pais, o alinhamento financeiro é fator chave para a harmonia do casal. Controlar o orçamento e planejar, em conjunto, as conquistas da família consolidam uma importante parcela da vida a dois. Existem muitos estudos que apontam os motivos financeiros, de endividamento à falta de controle financeiro de uma das partes, como a principal causa de divórcio. Definitivamente não há amor que resista às brigas por causa de dinheiro. Sem contar que este tipo de atitude impacta negativamente a formação dos filhos. Testemunhar os episódios de briga dos pais por crise financeira é extremamente prejudicial ao desenvolvimento da criança. E por falar em filhos, mesmo que eles sejam novos ou estejam em fase de alfabetização, não pense que é cedo para introduzir os conceitos básicos sobre dinheiro. A consciência financeira dele pode iniciar muito antes do que você imagina. Quer algumas dicas? introduza conceitos de economia em atitudes que visam a sustentabilidade do planeta, como gastar menos água ou não desperdiçar alimentos. Faça o paralelo entre esta economia de recursos com a economia financeira, que ajudará a sobrar mais dinheiro para a família utilizar em outras prioridades; regularize o pagamento das mesadas. Fixe uma data e, caso ele gaste todo o dinheiro em um único dia, faça-o esperar até o novo pagamento. Assim, ele compreenderá que o dinheiro é finito e que é preciso esperar para ganhar mais; ensine-o a poupar parte do dinheiro em prol de uma conquista maior, como um brinquedo mais caro ou algum passeio que ele queira fazer. Introduzir estes conceitos logo cedo é muito mais fácil do que insistir neles depois que a criança já formou seus valores. Mesmo que sua situação financeira atual permita propiciar tudo que seu filho deseja, essas atitudes são importantes para prepará-lo para o futuro, para que ele caminhe firme nas dificuldades da sua própria jornada. 3

4 ALPAPREV, seu melhor amigo no futuro Você já deu um importante passo ao aderir à ALPAPREV. No entanto, isso não significa que conquistou a quantia necessária para satisfazer todas as suas necessidades e desejos no futuro. Veja abaixo os 9 passos para garantir o seu futuro financeiro: 1. Faça a adesão a um plano de previdência; 2. Inicie sua contribuição 3. Acompanhe mensalmente a evolução do seu saldo; 4. Trace objetivos para o seu dinheiro; 5. Calcule o seu saldo no futuro e veja se é suficiente para garantir seus projetos de vida; 6. Se não for suficiente, calcule a diferença entre sua meta a conquistar e o seu saldo no futuro; 7. Calcule quanto você precisará contribuir a mais mensalmente ou esporadicamente; 8. Complemente seu plano com a quantia necessária; 9. Faça esta avaliação regularmente. Seus projetos de vida podem mudar, assim como o seu saldo e a rentabilidade do seu plano podem variar. Economia em 2011 e tendências para 2012 Em mais um ano de inflação elevada e incertezas nos mercados globais, muitos fundos de pensão tiveram dificuldade em obter um retorno de investimentos satisfatório, principalmente se comparada a rentabilidade obtida frente à meta atuarial, ou seja, ao objetivo de retorno do patrimônio no longo prazo. Em 2011, a continuação da crise de dívida da Zona do Euro foi um fator preponderante para a tensão dos mercados, além de decisiva para o desempenho negativo da Bolsa no Brasil. O mau desempenho, em geral, dos investimentos no ano passado também é reflexo do baixo crescimento da economia brasileira e da inflação pressionada para cima. A alta inflação foi verificada nos principais índices utilizados no país. O índice de preços ao consumidor amplo (IPCA), que contabiliza a evolução do custo de vida de famílias com renda de até 40 salários mínimos e é utilizado como referência pelo Banco Central do Brasil (BACEN), fechou o ano passado com inflação de 6,5% a.a. Este nível denota uma inflação pressionada em 2011 e corresponde ao teto da meta de inflação definida pelo BACEN para o ano. Outros índices importantes para os fundos de pensão são o Índice Geral de Preços Disponibilidade Interna (IGP-DI), voltado para o mercado produtivo, e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para famílias com renda de até 6 salários mínimos. Em 2011, estes índices variaram, respectivamente, 5,01% e 6,08%. A pressão inflacionária verificada ao longo do ano passado levou o BACEN a elevar os juros básicos (Selic) na primeira metade do ano com o objetivo de frear a economia aquecida. No entanto, a partir do agravamento da crise da Zona do Euro, o BACEN voltou a reduzir as taxas se ajustando a um cenário externo restritivo, que impactaria negativamente a economia local. O cenário de inflação pressionada, juros em queda na segunda metade do ano e desempenho negativo da bolsa é oposto ao ideal para as Entidades Fechadas de Previdência Complementar, pois reduz o retorno real (acima da inflação) das aplicações em geral. Ainda, sem a contribuição do retorno dos investimentos mais arriscados, como a bolsa, o desafio de trazer uma rentabilidade satisfatória para o plano e para o participante é ainda maior. Em 2011, a contribuição dos investimentos em ações foi, em geral, negativa. Os principais índices acionários brasileiros, Ibovespa e IBrX, caíram 18,1% e 11,4%, respectivamente. Para 2012, a solução para o problema da Zona do Euro e a efetividade da política monetária do BACEN são questões chave para colocar os investimentos dos fundos de pensão em uma rota de recuperação das perdas acumuladas nos últimos dois anos, mas o que é certo é que com um patamar de juros cada vez menor, será cada vez mais necessário incluir investimentos de maior risco na carteira, em busca de uma rentabilidade maior. Nesse contexto, o monitoramento constante dos riscos do plano em relação ao seu passivo é essencial, não incorrendo riscos desnecessários ou que não agreguem valor. Os documentos legais constantes no Relatório Anual não tiveram a alteração da razão social para ALPAPREV, pois foram elaborados em 2011, antes da aprovação PREVIC. Glossário Chegou a hora de analisar os documentos referentes ao ano de 2011 que comprovam a solidez da ALPAPREV. Porém, antes dessa análise, você não deve estar familiarizado com os termos contidos neste documento. Desta forma, preparamos este Glossário para lhe explicar o que significa cada um deles: o Balanço Patrimonial apresenta a posição financeira e patrimonial da entidade em 31 de dezembro, representando, portanto, uma posição estática. O ativo é o conjunto de bens, direitos e aplicações de recursos e o passivo compreende as obrigações para com os participantes e terceiros. a Demonstração da Mutação do Patrimônio Social (DMPS) apresenta a movimentação do patrimônio social da entidade através das adições (entradas) e deduções (saídas) de recursos. a Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios apresenta a movimentação do ativo líquido do plano de benefícios através das adições (entradas) e deduções (saídas) de recursos. a Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios (DAL) evidencia a composição do ativo líquido do plano de benefícios no exercício a que se referir, apresentando saldos de contas do ativo e passivo. a Demonstração do Plano de Gestão Administrativa Consolidada (DPGA) revela a atividade administrativa da entidade, apresentando a movimentação do fundo administrativo através das receitas, despesas e rendimento obtido no exercício a que se referir. a Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por Plano de Benefícios apresenta a atividade administrativa da entidade, relativa a cada plano de benefícios, evidenciando a movimentação do fundo administrativo existente em cada plano. 4

5 a Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios (DOAP) evidencia a composição do patrimônio de cobertura do plano de benefícios no exercício a que se referir, apresentando o detalhamento das provisões matemáticas e o equilíbrio técnico. o Demonstrativo de Investimentos revela a alocação de recursos da entidade, os limites de alocação atual versus o que foi definido pela política de investimentos e a legislação vigente, os recursos com gestão terceirizada, a rentabilidade dos investimentos por segmento (renda fixa, renda variável etc.), a diferença entre a rentabilidade do segmento e a meta atuarial da entidade, os custos de gestão dos recursos e as modalidades de aplicação. o fundo significa o ativo administrado pela entidade, que será investido de acordo com os critérios fixados anualmente pelo Conselho Deliberativo, por meio da política de investimentos. a meta atuarial é uma meta de rentabilidade utilizada como parâmetro para o retorno dos investimentos do fundo, de forma que os eventuais compromissos futuros da entidade possam ser cumpridos. o parecer atuarial é um relatório preparado por um estatístico especializado em seguros e previdência (atuário), que apresenta estudos técnicos sobre o plano de previdência que estiver analisando. Seu objetivo é avaliar a saúde financeira da entidade para poder honrar o pagamento dos benefícios presentes e futuros. o participante é a pessoa que está inscrita como tal no plano. Para conhecer a definição exata de participante e também a de beneficiário, leia o regulamento do seu plano. a patrocinadora é a empresa que custeia o plano junto com os participantes (isso quando as contribuições dos participantes estão previstas no regulamento). Um plano de previdência complementar pode ter uma ou mais patrocinadoras. a política de investimentos é um documento de periodicidade anual que apresenta diversas informações, como: 1) critérios de alocação de recursos entre os segmentos de renda fixa, renda variável etc.; 2) objetivos específicos de rentabilidade para cada segmento de aplicação; 3) limites utilizados para investimentos em títulos e valores mobiliários de emissão e/ou coobrigação de uma mesma pessoa jurídica; 4) limites utilizados para a realização de operações com derivativos e 5) avaliação do cenário macroeconômico de curto, médio e longo prazos, entre outras coisas. Estas informações auxiliam na avaliação dos recursos investidos, na escolha das instituições financeiras que vão administrar os investimentos e na avaliação dos limites de risco de mercado e de crédito, por exemplo. Neste relatório anual, você terá a oportunidade de ver o resumo da política de investimentos. Todos os documentos que você analisará a seguir já foram encaminhados para o controle e a verificação da Previc, que tem como uma de suas principais missões proteger os interesses dos participantes. Balanço Patrimonial (em R$ mil) ATIVO DISPONÍVEL REALIZÁVEL Gestão Previdencial Gestão Administrativa Investimentos Créditos Privados e Depósitos Ações Fundos de Investimento Empréstimos Depósitos Judiciais/Recursais TOTAL DO ATIVO PASSIVO EXIGÍVEL OPERACIONAL Gestão Previdencial Gestão Administrativa Investimentos EXIGÍVEL CONTINGENCIAL Gestão Previdencial 1 - Gestão Administrativa Investimentos PATRIMÔNIO SOCIAL Patrimônio de Cobertura do Plano Provisões Matemáticas Benefícios Concedidos Benefícios a Conceder (-) Provisões Matemáticas a Constituir (133) (602) Equilíbrio Técnico Resultados Realizados Superávit Técnico Acumulado Fundos Fundos Previdenciais Fundos Administrativos TOTAL DO PASSIVO

6 Demonstração da Mutação do Patrimônio Social (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) A) Patrimônio Social - início do exercício ,51% 1. Adições (18,51%) (+) Contribuições Previdenciais (20,87%) (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Previdencial (19,56%) (+) Receitas Administrativas ,60% (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Administrativa - 44 (100,00%) 2. Destinações (13.300) (11.137) 19,42% (-) Benefícios (11.320) (9.553) 18,50% (-) Despesas Administrativas (1.852) (1.502) 23,30% (-) Constituição de Contigências - Gestão Administrativa (128) (82) 56,10% 3. Acréscimo/Decréscimo no Patrimônio Social (1+2) (42,03%) (+/-) Provisões Matemáticas (81,80%) (+/-) Superávit (Déficit) Técnico do Exercício (3.693) (716) 415,78% (+/-) Fundos Previdenciais (382) (2.964,14%) (+/-) Fundos Administrativos (311) (30) 936,67% 4. Operações transitórias - - 0,00% (+/-) Operações Transitórias - - 0,00% B) Patrimônio Social - final do exercício (A ) ,55% Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) A) Ativo Líquido - início do exercício ,99% 1. Adições (20,66%) (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Previdencial (20,66%) 2. Destinações (76) (100) (24,00%) (-) Benefícios (76) (100) (24,00%) 3. Acréscimo/Decréscimo no Ativo Líquido (1+2) (19,02%) (+/-) Provisões Matemáticas (117) (4) 2.825,00% (+/-) Superávit (Déficit) Técnico do Exercício ,41% 4. Operações Transitórias - - 0,00% (+/-) Operações Transitórias - - 0,00% B) Ativo Líquido - final do exercício (A+3+4) ,58% Demonstrações da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano de Previdência Spasaprev (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) A) Ativo Líquido - início do exercício ,82% 1. Adições (19,64%) (+) Contribuições (25,46%) (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Previdencial (17,02%) 2. Destinações (9.778) (8.522) 14,74% (-) Benefícios (9.341) (8.032) 16,30% (-) Custeio Administrativo (437) (490) (10,82%) 3. Acréscimo/Decréscimo no Ativo Líquido (1+2) (42,55%) (+/-) Provisões Matemáticas (70) (100,52%) (+/-) Fundos Previdenciais (46) (24.845,65%) (+/-) Superávit (Déficit) Técnico do Exercício (3.966) (704) 463,35% 4. Operações Transitórias ,00% (+/-) Operações Transitórias ,00% B) Ativo Líquido - final do exercício (A+3+4) ,58% C) Fundos não previdenciais (99,64%) (+/-) Fundos Administrativos (99,64%) Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano de Benefícios Dupé (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) A) Ativo Líquido - início do exercício ,54% 1. Adições (97,49%) (+) Contribuições (92,23%) (+) Resultado Positivo dos Investimentos - Gestão Previdencial (100,00%) 2. Destinações (27) (62) (56,45%) (-) Benefícios - (57) (100,00%) (-) Resultado Negativo dos Investimentos - Gestão Previdencial (27) - 100,00% (-) Custeio Administrativo - (5) (100,00%) 3. Acréscimo/Decréscimo no Ativo Líquido (1+2) (11) 575 (101,91%) (+/-) Provisões Matemáticas (97,51%) (+/-) Fundos Previdenciais (21) (8) 162,50% (+/-) Superávit (Déficit) Técnico do Exercício (10) (221) (95,48%) 4. Operações Transitórias (6.018) - 100,00% (+/-) Operações Transitórias (6.018) - 100,00% B) Ativo Líquido - final do exercício (A+3+4) (100,00%) C) Fundos não previdenciais - 18 (100,00%) (+/-) Fundos Administrativos - 18 (100,00%) 6

7 Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) 1. Ativos ,78% Disponível 1 1 0,00% Recebível 2 18 (88,89%) Investimento ,24% Ações ,28% Fundos de Investimento ,40% 2. Obrigações - 28 (100,00%) Operacional - 28 (100,00%) 3. Fundos não Previdenciais - - 0,00% 4. Resultados a Realizar - - 0,00% 5. Ativo Líquido ( ) ,58% Provisões Matemáticas (18,63%) Superávit/Déficit Técnico ,44% Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano de Previdência Spasaprev (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) 1. Ativos ,08% Disponível ,14% Recebível (84,61%) Investimento ,48% Créditos Privados e Depósitos 8-100,00% Ações ,51% Fundos de Investimento ,73% Empréstimos ,07% Depósitos Judiciais/Recursais ,00% 2. Obrigações (0,62%) Operacional (2,87%) Contingencial ,00% 3. Fundos não Previdenciais (99,64%) Fundos Administrativos (99,64%) 4. Resultados a Realizar - - 0,00% 5. Ativo Líquido ( ) ,58% Provisões Matemáticas ,15% Superávit/Déficit Técnico (33,11%) Fundos Previdenciais ,99% Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Plano de Benefícios Dupé (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) 1. Ativos (100,00%) Disponível - 9 (100,00%) Recebível - 33 (100,00%) Investimento (100,00%) Fundos de Investimento (100,00%) 2. Obrigações - - 0,00% 3. Fundos não Previdenciais - 18 (100,00%) Fundos Administrativos - 18 (100,00%) 4. Resultados a Realizar - - 0,00% 5. Ativo Líquido ( ) (100,00%) Provisões Matemáticas (100,00%) Superávit/Déficit Técnico (100,00%) Fundos Previdenciais (100,00%) Demonstração do Plano de Gestão Administrativa (Consolidada) (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) A) Fundo Administrativo do Exercício Anterior (8,77%) 1. Custeio da Gestão Administrativa ,47% 1.1. Receitas ,47% Custeio Administrativo da Gestão Previdencial (2,52%) Custeio Administrativo dos Investimentos ,71% Resultado Positivo dos Investimentos - 44 (100,00%) Outras Receitas - 15 (100,00%) 2. Despesas Administrativas ,08% 2.1. Administração Previdencial ,92% Pessoal e encargos ,00% Treinamentos/congressos e seminários 3 3 0,00% Viagens e estadias 1-100,00% Serviços de terceiros ,08% Despesas gerais ,29% Contingências ,13% 2.2. Administração dos Investimentos ,30% Serviços de terceiros ,27% Contingências ,29% 3. Resultado Negativo dos Investimentos - - 0,00% 4. Sobra/Insuficiência da Gestão Administrativa (1-2-3) (311) (30) 936,67% 5. Constituição/Reversão do Fundo Administrativo (4) (311) (30) 936,67% 6. Operações Transitórias - - 0,00% B) Fundo Administrativo do Exercício Atual(A+5+6) (99,68%) 7

8 Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por Plano de Benefícios - PGA - Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) A) Fundo Administrativo do Exercício Anterior - - 0,00% 1. Custeio da Gestão Administrativa 8 8 0,00% 1.1. Receitas 8 8 0,00% Custeio Administrativo dos Investimentos 8 8 0,00% 2. Despesas Administrativas 8 8 0,00% 2.1. Administração Previdencial - - 0,00% Despesas Comuns - - 0,00% Despesas Específicas - - 0,00% 2.2. Administração dos Investimentos 8 8 0,00% Despesas Comuns 8-100,00% Despesas Específicas - 8 (100,00%) Serviços de terceiros - 8 (100,00%) 3. Resultado Negativo dos Investimentos - - 0,00% 4. Sobra/Insuficiência da Gestão Administrativa (1-2-3) - - 0,00% 5. Constituição/Reversão do Fundo Administrativo (4) - - 0,00% 6. Operações Transitórias - - 0,00% B) Fundo Administrativo do Exercício Atual(A+5+6) - - 0,00% Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por Plano de Benefícios - PGA - Plano de Previdência Spasaprev (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) A) Fundo Administrativo do Exercício Anterior (7,07%) 1. Custeio da Gestão Administrativa ,05% 1.1. Receitas ,05% Custeio Administrativo da Gestão Previdencial (10,82%) Custeio Administrativo dos Investimentos ,13% Resultado Positivo dos Investimentos 3 40 (92,50%) Outras Receitas - 14 (100,00%) 2. Despesas Administrativas ,91% 2.1. Administração Previdencial ,73% Despesas Comuns ,00% Despesas Específicas (76,24%) Viagens e estadias 1-100,00% Serviços de terceiros (81,66%) Despesas gerais (22,22%) Contingências (14,29%) 2.2. Administração dos Investimentos ,13% Despesas Comuns ,00% Despesas Específicas (88,85%) Serviços de terceiros (99,04%) Contingências ,65% 3. Resultado Negativo dos Investimentos - - 0,00% 4. Sobra/Insuficiência da Gestão Administrativa (1-2-3) (293) (21) 1.295,24% 5. Constituição/Reversão do Fundo Administrativo (4) (293) (21) 1.295,24% 6. Operações Transitórias ,00% B) Fundo Administrativo do Exercício Atual(A+5+6) (99,64%) Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por Plano de Benefícios - PGA - Plano de Benefícios Dupé (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) A) Fundo Administrativo do Exercício Anterior ,64% 1. Custeio da Gestão Administrativa 1 25 (96,00%) 1.1. Receitas 1 25 (96,00%) Custeio Administrativo da Gestão Previdencial - 5 (100,00%) Custeio Administrativo dos Investimentos 1 18 (94,44%) Resultado Positivo dos Investimentos - 1 (100,00%) Outras Receitas - 1 (100,00%) 2. Despesas Administrativas 1 18 (94,44%) 2.1. Administração Previdencial - 1 (100,00%) Despesas Comuns - - 0,00% Despesas Específicas - 1 (100,00%) Contingências 1 (100,00%) 2.2. Administração dos Investimentos 1 17 (94,12%) Despesas Comuns - - 0,00% Despesas Específicas 1 17 (94,12%) Serviços de terceiros 1 17 (94,12%) 3. Resultado Negativo dos Investimentos - - 0,00% 4. Sobra/Insuficiência da Gestão Administrativa (1-2-3) - 7 (100,00%) 5. Constituição/Reversão do Fundo Administrativo (4) - 7 (100,00%) 6. Operações Transitórias (18) - 100,00% B) Fundo Administrativo do Exercício Atual(A+5+6) - 18 (100,00%) Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios - Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) Patrimônio de Cobertura do Plano (1+2) ,58% 1. Provisões Matemáticas (18,63%) 1.1. Beneficios Concedidos (18,63%) Benefício Definido (18,63%) 2. Equilíbrio Técnico ,44% 2.1. Resultados Realizados ,44% Superávit técnico acumulado ,44% Reserva de contingência (18,47%) Reserva para revisão de plano ,98% 8

9 Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios - Plano de Previdência Spasaprev (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) Patrimônio de Cobertura do Plano (1+2) ,87% 1. Provisões Matemáticas ,15% 1.1. Beneficios Concedidos ,97% Contribuição Definida (1,99%) Benefício Definido ,17% 1.2. Benefício a Conceder ,88% Contribuição Definida ,72% Saldo de contas - parcela patrocinador(es)/instituidor(es) (0,47%) Saldo de contas - parcela participantes ,45% Benefício Definido (13,47%) 1.3. (-) Provisões matemáticas a constituir - (376) (100,00%) (-) Serviço passado - (13) (100,00%) (-) Patrocinador(es) - (13) (100,00%) (-) Déficit equacionado - (363) (100,00%) (-) Patrocinador(es) - (363) (100,00%) 2. Equilíbrio Técnico (33,11%) 2.1. Resultados Realizados (33,11%) Superávit técnico acumulado (33,11%) Reserva de contingência ,68% Reserva para revisão de plano (100,00%) Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios - Plano de Benefícios Dupé (em R$ mil) DESCRIÇÃO Variação (%) Patrimônio de Cobertura do Plano (1+2) (100,00%) 1. Provisões Matemáticas (100,00%) 1.1. Beneficios Concedidos - - 0,00% 1.2. Benefício a Conceder (100,00%) Contribuição Definida (100,00%) Saldo de contas - parcela patrocinador(es)/instituidor(es) (100,00%) Saldo de contas - parcela participantes (100,00%) Benefício Definido (100,00%) 2. Equilíbrio Técnico (100,00%) 2.1. Resultados Realizados (100,00%) Superávit técnico acumulado (100,00%) Reserva de contingência (100,00%) Reserva para revisão de plano (100,00%) Notas explicativas da administração às demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 (em R$ mil) 1. Contexto operacional A SPASAPREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar - EFPC, sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado, nos termos do artigo 5º, Item II, da Lei nº 6.435, de 15 de julho de 1977, revogada pela Lei Complementar nº 109, de 29 de maio de O funcionamento da Entidade foi autorizado pela Portaria nº do Ministério da Previdência Social - MPS por prazo indeterminado em 11 de setembro de A SPASAPREV possui autonomia administrativa, financeira e patrimonial, tendo por objetivo complementar os benefícios assegurados pela previdência social oficial, sendo patrocinada pelas seguintes empresas: Alpargatas S.A. (antiga São Paulo Alpargatas S.A.) Locomotiva da Amazônia Indústria e Comércio de Têxteis Industriais Ltda. Locomotiva Indústria e Comércio de Têxteis Industriais Ltda. Tavex Brasil S.A. CBS S.A. Companhia Brasileira de Sandálias. A SPASAPREV administra três planos de benefícios: CNPB Nome: Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas Plano de Aposentadoria Textil Prev Plano de Previdência Alpaprev (atual denominação do Plano de Previdência Spasaprev) Em 20 de junho de 2008, por meio da Portaria nº 2.312, publicada no DOU de 24 de junho de 2008, foi aprovada a incorporação da Textil Prev - Sociedade de Previdência Privada pela SPASAPREV - Sociedade de Previdência Privada. Em virtude da incorporação da Textil Prev pela SPASAPREV, todos os participantes permaneceram vinculados às disposições do Regulamento do Plano de Aposentadoria Textil Prev (CNPB: nº ), passando, contudo a ser participantes da SPASAPREV Sociedade de Previdência Privada, sendo certo que: O custo e o custeio do Plano de Aposentadoria Textil Prev relativo à Patrocinadora são independentes dos respectivos custos e custeios dos demais planos de benefícios administrados pela Sociedade, sendo, portanto, a Patrocinadora integralmente responsável pelo custeio dos benefícios instituídos para os participantes e respectivos beneficiários do Plano de Aposentadoria Textil Prev, bem como por eventuais contingências dele decorrentes. A implantação do Plano de Aposentadoria Textil Prev na SPASAPREV dar-se-á de forma totalmente segregada dos demais Planos por ela administrados, sem qualquer caráter de solidariedade entre a Patrocinadora Tavex Brasil S.A., a Patrocinadora Principal (Alpargatas S.A.) ou quaisquer outras patrocinadoras que venham a aderir a outros Planos administrados pela Entidade. 9

10 Em 29 de outubro de 2008, conforme Portaria nº 2.590, foi aprovado o Termo Aditivo ao Convênio de Adesão celebrado entre SPASAPREV - Sociedade de Previdência Privada e Santista Textil S.A., na condição de patrocinadora do Plano de Aposentadoria Textil Prev (CNPB nº ). Em 17 de novembro de 2010, por meio da Portaria nº 900, foi aprovada a incorporação do Plano de Benefícios Dupé (CNPB nº ) pelo Plano de Previdência Spasaprev (CNPB nº ). Também foi autorizada a aplicação do Regulamento do Plano de Previdência Spasaprev (CNPB nº ), com alterações introduzidas decorrentes da incorporação do regulamento do Plano de Benefícios Dupé (CNPB nº ) e por último, o convênio de adesão celebrado entre a SPASAPREV - Sociedade de Previdência Privada e a CBS S.A. Companhia Brasileira de Sandálias, na condição de patrocinadora do Plano de PrevidênciaSpasaprev. Em 01 de fevereiro de 2011, a Entidade transferiu para o Plano de Previdência Spasaprev a importância de R$ 6.018, correspondente à parcela do patrimônio líquido, que contempla as reservas e saldos de contas individuais dos participantes vinculados ao Plano de Benefícios Dupé, extinguindo assim todos os direitos e obrigações deste plano que se incorpora. Após a conclusão do processo de incorporação, foi publicado no DOU de 13 de outubro de 2011, por meio da Portaria 591 de 11 de outubro de 2011 o encerramento do Plano de Benefícios Dupé (CNPB nº ), cessando-se os efeitos do Art. 2º da Portaria 2.648, de 11 de dezembro de 2008 (publicada no DOU nº 242, de 12 de dezembro de 2008, seção 1, página 54). 2. Apresentação das demonstrações contábeis As demonstrações contábeis da SPASAPREV são de responsabilidade da administração e estão sendo apresentadas em atendimento às disposições legais dos órgãos normativos e reguladores das atividades das EFPC s, especificamente a Resolução CNPC nº 8, de 31 de outubro de 2011, Instrução SPC nº 34, de 24 de setembro de 2009, Instrução Previc nº 05, de 08 de setembro de 2011 e Resolução do Conselho Federal de Contabilidade nº 1.272, de 22 de janeiro de 2010, que aprova a ITG 2001 (NBC TE 11), e as práticas contábeis brasileiras. Essas diretrizes não requerem a divulgação em separado de ativos e passivos de curto prazo e de longo prazo, nem a apresentação da Demonstração do Fluxo de Caixa. A estrutura da planificação contábil padrão das EFPC reflete o ciclo operacional de longo prazo da sua atividade, de forma que a apresentação de ativos e passivos, observadas às gestões previdencial e administrativa e o fluxo dos investimentos, proporcione informações mais adequadas, confiáveis e relevantes do que a apresentação em circulante e não circulante, em conformidade com o item 63 da NBC TG 26 (NBC T 19.27). A sistemática introduzida pelos órgãos normativos apresenta, além das características já descritas, a segregação dos registros contábeis em três gestões distintas (Previdencial, Assistencial, se aplicável, e Administrativa) e o Fluxo dos Investimentos, que é comum às Gestões Previdencial e Administrativa, segundo a natureza e a finalidade das transações. Conforme Resolução CNPC nº 8, de 31 de outubro de 2011, as entidades fechadas de previdência complementar apresentam os seguintes demonstrativos contábeis: Balanço Patrimonial Consolidado; Demonstração da Mutação do Patrimônio Social DMPS (consolidada); Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - DMAL; Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios DAL; Demonstração do Plano de Gestão Administrativa DPGA (consolidada); Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por Plano de Benefícios; Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios - DOAP. A Demonstração da Mutação do Patrimônio Social DMPS substitui a Demonstração da Mutação do Ativo Líquido DMAL (consolidada) apresentada no exercício de Principais práticas contábeis As principais práticas contábeis adotadas pela Entidade estão resumidas a seguir: a) Apuração do Resultado As adições e deduções da Gestão Previdencial, receitas e despesas da Gestão Administrativa, as rendas/variações positivas e deduções/variações negativas do Fluxo de Investimento, são escrituradas pelo regime contábil de competência de exercícios. As rendas/variações positivas de dividendos, bonificações e juros sobre capital próprio recebidos em dinheiro, decorrentes de investimentos em ações, são reconhecidas contabilmente a partir da data em que a ação ficar exdividendo. As contribuições dos autopatrocinados são registradas pelo regime de caixa, por ocasião do recebimento, conforme prazo previsto nos regulamentos dos planos de benefícios. b) Realizável Gestão Previdencial O realizável previdencial é apurado em conformidade com o regime de competência, estando representado pelos valores e pelos direitos da Entidade, relativos às contribuições das patrocinadoras e dos participantes. As contribuições de autopatrocinados são registradas pelo regime de caixa, por ocasião do recebimento, e em concordância com as regras definidas nos regulamentos dos planos de benefícios. Gestão Administrativa O realizável administrativo é apurado em conformidade com o regime de competência, estando representado pelos valores a receber decorrentes de operações de natureza administrativa e os depósitos judiciais/recursais da gestão administrativa. Fluxo dos Investimentos Os principais critérios de avaliação e de reconhecimento de receitas dos investimentos são os seguintes: Renda Fixa Os investimentos em renda fixa estão registrados pelo custo, acrescido dos rendimentos auferidos de forma pro rata até a data de encerramento do Balanço e deduzidos, quando aplicável, das provisões para perdas. As rendas/variações positivas e deduções/ variações negativas da carteira são apropriadas em contas específicas diretamente vinculadas à modalidade de aplicação. 10

11 Marcação a mercado e curva do papel - O BancoCentraleditouaResoluçãonº 2.931, de 14 de fevereiro de 2002, alterando as normas de precificação dos ativos aplicados em carteiras de fundos de investimentos. Paralelamente, a partir de 29 de maio de 2002, com base na Instrução Normativa nº 365, da Comissão de Valores Mobiliários CVM, os fundos contabilizam seus ativos pelo valor de mercado e não mais pelo valor de vencimento (curva do papel). Posteriormente, a CVM emitiu a Instrução Normativa nº 375, de 14 de agosto de 2002, alterando os critérios de marcação a mercado para os fundos. De acordo com tais regras, os administradores dos fundos de pensão podem marcar os títulos pré e pós-fixados e com vencimento superior a 365 dias pelo valor de aquisição, acrescidos da rentabilidade acumulada desde a data da aquisição (marcar pela curva do papel ). A Secretaria de Previdência Complementar publicou a Resolução CGPC nº 04, de 30 de janeiro de 2002, permitindo às entidades fechadas de previdência complementar a marcação pela curva do papel em alguns títulos e valores mobiliários integrantes de suas carteiras próprias e dos fundos de investimentos exclusivos, desde que tais papéis sejam classificados como títulos mantidos até o vencimento. Renda Variável As aplicações em fundos de renda variável estão demonstradas pelos valores de realização, considerando o valor das cotas na data-base das demonstrações financeiras. As aplicações em ações são contabilizadas pelo custo de aquisição, acrescido das despesas de corretagem e outras taxas incidentes, sendo avaliadas pelo valor de mercado, considerando-se a cotação de fechamento do mercado do último dia do mês em que a ação foi negociada em Bolsa de Valores, conforme passou a determinar a Resolução CGPC nº 25, de 30 de junho de Em caso de não haver negociação nos últimos seis meses, a avaliação é efetuada pelo valor patrimonial da ação, deduzidas as provisões para perdas, quando aplicável. As aplicações no segmento de renda fixa estão registradas no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC) e na Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos (CETIP) e os investimentos em ações estão custodiadas na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CLBC), por meio da instituição financeira Bradesco S.A., encarregada pela administração e gestão das carteiras de investimentos, em atendimento a Resolução CMN nº 3.792, de 24 de setembro de Operações com Participantes Os empréstimos estão demonstrados pelos valores originais das concessões (por meio de instrumento particular), atualizados mensalmente pelo IGP- DI do período desde o inicio da vigência, respeitando o regime da competência. A provisão para perdas prováveis no recebimento das parcelas de empréstimos é constituída com base no valor vencido e vincendo, conforme o número de dias de atraso, conforme estabelece o Item 11, Anexo A da Instrução SPC nº 34, de 24 de setembro de Depósitos Judiciais/Recursais Registram os depósitos judiciais/recursais relativos às contingências dos investimentos. c) Exigível Operacional São registrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas, estando representados pelas obrigações decorrentes de direito a benefícios pelos participantes, prestação de serviços por terceiros, investimentos, operações com participantes e obrigações fiscais. d) Exigível Contingencial São registradas ações contra a Entidade que serão objeto de decisão futura, podendo ocasionar impacto na situação econômico-financeira. Essas ações estão classificadas entre Gestão Previdencial, Gestão Administrativa e de Investimentos, de acordo com a sua natureza. Para fins de classificação são usados os termos provável, possível e remota com os seguintes conceitos: Provável: a chance de um ou mais eventos futuros ocorrer é maior do que a de não ocorrer; Possível: a chance de um ou mais eventos futuros ocorrer é menor que provável, mas maior que remota; Remota: a chance de um ou mais eventos futuros ocorrer é pequena. Em conformidade com a Instrução PREVIC nº 5, de 8 de setembro de 2011, os Depósitos Judiciais/Recursais relativos as Gestões Previdencial, Administrativa e Investimentos registrados até o exercício de 2010 como redutores do Exigível Contingencial foram transferidos para as contas do Ativo incluídas na planificação contábil padrão. e) Provisões Matemáticas São apurados com base em cálculos atuariais, procedidos por atuários contratados pela SPASAPREV e representam os compromissos acumulados no encerramento do exercício, quanto aos benefícios concedidos e a conceder aos participantes ou seus beneficiários. f) Estimativas Atuariais e Contábeis As estimativas atuariais e contábeis foram baseadas em fatores objetivos que refletem a posição em 31 de dezembro de 2011 e 2010, com base no julgamento da administração para determinação dos valores adequados a serem registrados nas demonstrações contábeis. Os itens significativos sujeitos às referidas estimativas incluem as provisões matemáticas, calculadas atuarialmente por profissional externo e as contingências cuja as probabilidades de êxito foram informadas pelos advogados. g) Operações Administrativas Em conformidade com a Resolução CNPC nº 8, de 31 de outubro de 2011 e Instrução SPC nº 34, de 24 de setembro de 2009, os registros das operações administrativas são efetuados através do Plano de Gestão Administrativa PGA, que possui patrimônio compartilhado com os planos de benefícios previdenciais. O patrimônio do PGA é constituído pelas receitas (Previdencial, Investimentos e Diretas), deduzidas das despesas comuns e específicas da administração previdencial e dos investimentos, sendo as sobras ou insuficiências administrativas alocadas ou revertidas ao Fundo Administrativo. O saldo do Fundo Administrativo é segregado por plano de benefício previdencial, não caracterizando obrigações ou direitos aos patrocinadores, participantes e assistidos dos planos. 11

12 As receitas administrativas da SPASAPEV são debitadas aos Planos Previdenciais em conformidade com o plano de custeio vigente. Para a determinação do saldo do Fundo Administrativo de cada plano a Entidade utiliza o seguinte critério: Receitas: alocadas diretamente a cada plano que as originou, sendo utilizadas as fontes de custeio previdencial e investimentos; Despesas Específicas: alocadas diretamente ao plano que as originou; Despesas Comuns: utilização de critério de rateio que leva em consideração o estudo realizado pela Diretoria Executiva da Entidade, e aprovado pelo Conselho Deliberativo quando da aprovação do Orçamento Geral de cada exercício.o rateio leva em consideração a complexidade operacional na administração de cada Plano de benefícios e é com base nesta apuração que se define o percentual de participação de cada plano nas despesas administrativas comuns; As fontes de custeio da Gestão Administrativa obedecem às determinações contidas no Regulamento do PGA, aprovado pelo Conselho Deliberativo da SPASAPREV, e estão em conformidade com a Resolução CGPC nº 29, datada de 31 de agosto de h) Provisão de Crédito de Liquidação Duvidosa PCLD A provisão para perdas prováveis na realização dos ativos é constituída com base no valor vencido, conforme o número de dias de atraso, atendendo ao disposto no Item 11, Anexo A da Instrução SPC nº 34, de 24 de setembro de Na constituição da provisão referente aos direitos creditórios de liquidação duvidosa são adotados os seguintes percentuais sobre os valores dos créditos vencidos e vincendos: 25% (vinte e cinco por cento) para atrasos entre 61 (sessenta e um) e 120 (cento e vinte) dias; 50% (cinquenta por cento) para atrasos entre 121 (cento e vinte e um) e 240 (duzentos e quarenta) dias; 75% (setenta e cinco por cento) para atrasos entre 241 (duzentos e quarenta e um) e 360(trezentos e sessenta) dias; e 100% (cem por cento) para atrasos superiores a 360 (trezentos e sessenta) dias. A constituição da provisão para créditos de liquidação duvidosa decorrentes de contribuições previdenciais em atraso deve incidir somente sobre o valor das parcelas vencidas. i) Receitas Administrativas Atendendo à determinação legal contida nas Resoluções CNPC n 8 de 31 de outubro de 2011, CGPC nº 29, de 31 de agosto de 2009 e Instrução SPC nº 34, de 24 de setembro de 2009, as receitas administrativas da SPASAPREV são debitadas no Plano Previdencial em conformidade com o plano de custeio vigente. j) Balanço Patrimonial Com base no principio da comparabilidade e em consonância com o que determina a Instrução MPS/PREVIC n 5, de 8 de setembro de 2011, a Diretoria colegiada da Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, altera a planificação contábil padrão substituindo a rubrica Gestão Previdencial e Administrativa de (-) Depósito Judiciais/Recursais e passa a registrar os depósitos judiciais relativos às contingências da Gestão Previdencial e Administrativa no Ativo. k) Demonstração da Mutação do Patrimônio Social Conforme a Resolução CNPC n 8, de 31 de Outubro de 2011, alterou a apresentação da Demonstração da Mutação do Ativo Líquido - DMAL (consolidada), que deixou de existir e foi substituída pela Demonstração da Mutação do Patrimônio Social - DMPS, porém fica mantida, por exigência da própria Resolução a apresentação da Demonstração da Mutação do Ativo Líquido DMAL individual por plano de benefício e em consonância com o que determina o princípio da comparabilidade as informações do exercício de 2010 foram alteradas. l) Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefício Com base no principio da comparabilidade e em consonância com o que determina a CNPC n 8, de 31 de Outubro de 2011 as informações do exercício de 2010 foram alteradas. 4. Disponível Registra as disponibilidades existentes em bancos, reconhecidas por seus valores em moeda nacional. Banco Bradesco S.A Banco Itaú S.A. 1 4 Western Asset Management Company Realizável gestão previdencial Registra os valores a receber das patrocinadoras, dos participantes e autopatrocinados relativos às contribuições mensais. Bem como outros recursos, conforme destaca-se a seguir: a) Contribuições do mês Refere-se a valores de contribuições previdenciais normais e extraordinárias mensais devidas pelos patrocinadores, participantes e autopatrocinados. Patrocinadores Participantes Autopatrocinados b) Outros Realizáveis Refere-se a benefícios não provisionados que foram pagos pela SPASAPREV. Benefícios não provisionados Realizável gestão administrativa Registra os valores a receber decorrentes de operações da Gestão Administrativa. a) Contribuições para custeio Refere-se a valores a receber relativos às contribuições para o custeio administrativo devidas pelos patrocinadores e autopatrocinados, previstas na avaliação atuarial. Patrocinadores Autopatrocinados

13 b) Outros Realizáveis Refere-se ao direito da Entidade em receber os valores relativos a pagamento de fornecedores ou prestadores de serviços, pagos indevidamente ou a maior. Bem como o direito a restituir, por meio de compensação eletrônica, valores de tributos recolhidos a maior junto a Receita Federal do Brasil. PIS/COFINS/CSLL s/prestadores de Serviços 3 - Prestadores de Serviços Os recolhimentos de impostos realizados à maior são monitorados pela administração e seus respectivos valores são atualizados por meio da taxa SELIC, podendo ser utilizados na redução de pagamentos de tributos futuros, por meio de sistema de compensação eletrônica disponibilizada pela Receita Federal do Brasil. 7. Realizável investimentos Composição da Carteira Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas e Plano de Previdência Spasaprev (1) Investimentos Créditos Privados e Depósitos 8 - Companhias Abertas 8 - Ações Instituições Financeiras Companhias Abertas Fundos de Investimento Referenciado Renda Fixa Ações Multimercado Empréstimos e Financiamentos Empréstimos Depósitos Judiciais/Recusais (2) (1 ) O Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas e o Plano de Previdência Spasaprev possuem gestão compartilhada dos investimentos. (2) Com base no principio da comparabilidade e em consonância com o que determina a Instrução MPS/PREVIC nº 5, de 08 de setembro de 2011 os valores referentes aos depósitos judiciais/recursais foram reclassificados do Exigível Contingencial dos Investimentos para o Ativo em 31 de dezembro de Plano de Benefícios Dupé Investimentos Fundos de Investimento Renda Fixa Ações Multimercado Os Ativos correspondentes a carteira do Plano de Benefícios Dupé foram transferidos em 01 de fevereiro de 2011, quando ocorreu a incorporação pelo Plano de Previdência Spasaprev. Plano de Aposentadoria Textil Prev Investimentos Créditos Privados e Depósitos Companhias Abertas Ações Instituições Financeiras Companhias Abertas Fundos de Investimento Referenciado Renda Fixa Ações Multimercado Empréstimos e Financiamentos Empréstimos Considerando as disposições da Resolução CGPC nº 4/2002, a Entidade classificou toda a sua carteira de títulos e valores mobiliários na categoria Títulos para Negociação, com o propósito de serem negociados, independentemente do prazo com relação da data de aquisição, os quais são avaliados mensalmente ao valor de mercado e seus efeitos reconhecidos no resultado do exercício. Composição por Prazo de Vencimento Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas e Plano de Previdência Spasaprev (1) Custo Valor de Custo Valor de Descrição Vencimento Corrigido Mercado Corrigido Mercado Investimentos Créditos Privados e Depósitos Companhias Abertas VALE 31/12/ Ações Instituições Financeiras BBDC2 - BANCO BRADESCO sem vencto BBDC3 - BANCO BRADESCO sem vencto BBDC4 - BANCO BRADESCO sem vencto BBAS3 - BANCO DO BRASIL sem vencto ITSA4 - ITAÚSA - INVESTIMENTOS sem vencto ITUB4 - ITAU UNIBANCO HOLDIN-PREF sem vencto SANB11 -SANTANDER BR sem vencto Dividendos Juros s/capital Próprio IR Sobre Juros de Capital Companhias Abertas GETI4- AES TIETE sem vencto ALPA4 - APLPARGATAS sem vencto AMBV4 - CIA DE BEBIDAS sem vencto AMIL3 - AMIL sem vencto AEDU3 - ANHANGUERAON sem vencto BISA3 - BOOKFIELD sem vencto BRAP4 - BRADESPAR SA sem vencto BRFS3 - BRF - BRASIL FOODS S.A. sem vencto BRKM5 - BRASKEM sem vencto BVMF3 - BM&FBOVESPA SA sem vencto BRML3 - MALLS PAR sem vencto BRPR3 - BRPR sem vencto

14 BRTO4 - BRASIL TELECPN sem vencto CCR03 - CCR RODOVIAS sem vencto CESP6 - CESPP sem vencto CIEL3 - CIELO sem vencto CTP3 - CETIP sem vencto CMIG4 - CEMIG sem vencto CPLE6 - CIA PARANAENSE sem vencto COCE5 - COELCE sem vencto CSMG3 - COPASA sem vencto CSAN3 - COSAN sem vencto CSNA3 - SID NACIONAL sem vencto CYRE3 - CYRELA REALT sem vencto DASA3 - SASON sem vencto ECOR3 - ECORODOVIAS INFRAEST sem vencto ELET3 - ELETROBRAS sem vencto ELET6 - CENTRAIS ELÉTRICAS BRAS sem vencto ELPL4 - ELETROPAULO METROPOL sem vencto EMBR3 - EMBRAERON EJ sem vencto ENBR3 - ENERGIAS BR sem vencto EVEN3 - EVEN CONSTRUTORA sem vencto FFTL4 - FOSFERTILPN sem vencto FIBR3 - FIBRI sem vencto IGTA3 - IGUATEMI sem vencto GFSA3 - GAFISA sem vencto GGBR4 - GERDAU SA-PREF sem vencto GOAU4 - METALÚRGICA GERDAU sem vencto GOLL4 - GOL sem vencto JBSS3 - JBS sem vencto KLBN4- KLABIN S.A sem vencto HGTX3 - CIA HERING sem vencto HRTP3 - HRT PETROLEO sem vencto LAME4 - LOJAS AMERICANAS sem vencto LREN3 - LOJAS RENNER sem vencto MRVE3 - MRV ENGENHARIA E PART sem vencto MRFG3 - MARFRIG FRIGORÍFICOS sem vencto MILS3 - MILLS ESTR E SERV ENG sem vencto MMXM3 - MMX MINER sem vencto NATU3 - NATURA sem vencto OGXP3 - OGX PETRÓLEO sem vencto ODPV3 - ODONTOPREV sem vencto PDGR3 - PDG REALT sem vencto PETR3 - PETROBRAS sem vencto PETR4 - PETROBRAS sem vencto PCAR4 - P.AÇUCAR-CBD sem vencto PCAR5 - PÃO DE AÇUCAR sem vencto POSI3 - POSITIVO INFORMÁTICA sem vencto RAIA3 - RAIA sem vencto RAPT4 - RANDON PARTICIPAÇÕES sem vencto RENT3 - LOCALIZA sem vencto RDCD3 - REDECARD S.A sem vencto SLED4 - SARAIVA S.A LIVREIROS sem vencto SUZB5 - SUZANO PAPEL -PRA sem vencto TAMM3 - TAM S/AON EDJ sem vencto TAMM4 - TAM S.A -PREF sem vencto TBLE3 - TRACTEVEL sem vencto TCSL4 - TIM PARTICIPAÇÕES sem vencto TGMA3 - TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA sem vencto TLPP4 - TELESP sem vencto TNLP3 - TELE NORTE LESTE sem vencto TIMP3 - TIM PART S/A sem vencto USIM3 - USIMINAS sem vencto UGPA3 - ULTRAPAR sem vencto USIM5 - USIMINAS PNA sem vencto VALE3 - CIA VALE DO RIO DOCE sem vencto VALE5 - CIA VALE DO RIO DOCE sem vencto VIVO4 - VIVO PARTICIPAÇÕES S.A sem vencto VIVT4 - TELEF BRASIL sem vencto VLID3 - VALID sem vencto À Receber Dividendos Juros s/capital Próprio IR Sobre Juros de Capital Fundos de Investimento Referenciado SOVEII_FI106 Western sem vencto Renda Fixa Bradesco FI RF IMA B Bradesco sem vencto UBB Master IMA Itaú sem vencto UBB Master RF IMAB 5 Itaú sem vencto PR_CREDIT24 Western sem vencto INFL_II_FI40 Western sem vencto INFL_IMPL_33 Western sem vencto P_INFL_TOT30 Western sem vencto PREV_FX_FI41 Western sem vencto INFL_II_43 Western sem vencto Ações UBB Previdência IBX Itaú sem vencto Legg Mason PrevIBRX sem vencto Multimercado Bradesco FIM Plus Bradesco sem vencto UBB Fidelidade W - Itaú sem vencto M_INST_FIC31 Western sem vencto STR CR FIC FIM C PRV Western sem vencto Operações Com Participantes Empréstimos Depósitos Judiciais/Recursais

15 Plano de Benefícios Dupé Custo Valor de Custo Valor de Descrição Vencimento Corrigido Mercado Corrigido Mercado Investimentos Fundos de Investimento Renda Fixa UBB Master IMA Itaú sem vencto UBB Master RF IMAB 5 Itaú sem vencto Ações UBB Previdência IBX Itaú sem vencto Multimercado UBB Fidelidade W - Itaú sem vencto Plano de Aposentadoria Textil Prev Custo Valor de Custo Valor de Descrição Vencimento Corrigido Mercado Corrigido Mercado Investimentos Créditos Privados e Depósitos Companhias Abertas PETR 01/08/ Ações Instituições Financeiras BBDC2 BRADESCODIR PRE N1 sem vencto BBDC3 BRADESCOON EB N1 sem vencto BBDC4 BRADESCOPN EB N1 sem vencto BBAS3 BRASILON EJ NM sem vencto ITUB4 ITAU UNIBANCO PN N1 sem vencto ITSA4 ITAUSAPN N1 sem vencto SANB11 SANTANDER UNT N2 sem vencto Dividendos Juros s/capital Próprio Companhias Abertas GETI4 AES TIETEPN * sem vencto ALPA4 ALPARGATASPN N1 sem vencto AMBV4 AMBEVPN *EDJ sem vencto AMIL3 AMIL ON NM sem vencto AEDU3 ANHANGUERAON N2 sem vencto BVMF3 BMF BOVESPA ON NMsem vencto BRML3 BR MALLS PARON sem vencto BRAP4 BRADESPARPN N1 sem vencto BRTO4 BRASIL TELECPN * N1 sem vencto BRKM5 BRASKEMPNA N1 sem vencto BRFS3 BRF FOODS ON NM sem vencto BISA3 BROOKFIELD ON NM sem vencto BRPR3 BRPR ON NM sem vencto CCRO3 CCR RODOVIASON NMsem vencto CMIG4 CEMIGPN * N1 sem vencto CESP6 CESPPNB* N1 sem vencto CTIP3 CETIP - CTIP ON sem vencto HGTX3 CIA HERINGON N1 sem vencto CIEL3 CIELO ON NM sem vencto CPLE6 COPELPNB* sem vencto CSAN3 COSAN ON NM sem vencto CYRE3 CYRELA REALTON NM sem vencto DASA3 DASAON NM sem vencto ECOR3 ECORODOVIAS INFRAESTR sem vencto ELET3 ELETROBRASON * N1 sem vencto ELPL4 ELETROPAULOPN * N2 sem vencto EMBR3 EMBRAERON EJ NM sem vencto ENBR3 ENERGIAS BRON NM sem vencto FFTL4 FOSFERTILPN sem vencto FIBR3 FIBRIA ON N1 sem vencto GFSA3 GAFISAON EB sem vencto GGBR4 GERDAUPN N1 sem vencto GOLL4 GOLPN EDJ N2 sem vencto HRTP3 HRTP - HRT PETROLEO sem vencto IGTA3 IGUATEMION NM sem vencto JBSS3 JBS SAON sem vencto KLBN4 KLABIN S/APN ED N1 sem vencto RENT3 LOCALIZAON NM sem vencto LAME4 LOJAS AMERICPN * sem vencto LREN3 LOJAS RENNERON NMsem vencto MRFG3 MARFRIG ON sem vencto MILS3 MILLS ESTR E SERV ENG sem vencto MMXM3 MMX MINERON NM sem vencto MRVE3 MRV ENGENHARIA E PART sem vencto NATU3 NATURAON NM sem vencto ODPV3 ODONTOPREVON NM sem vencto OGXP3 OGX PETROLEO ON sem vencto PCAR4 P.ACUCAR-CBDPN * N1sem vencto PDGR3 PDG REALTON NM sem vencto PETR3 PETROBRASON sem vencto PETR4 PETROBRASPN sem vencto RAIA3 RAIA ON sem vencto RDCD3 REDECARD ON sem vencto CSNA3 SID NACIONALON sem vencto TAMM3 TAM S/AON EDJ N2 sem vencto TAMM4 TAM S/APN EDJ N2 sem vencto TCSL4 TIM PART S/APN * sem vencto TNLP3 TELEMARON sem vencto TIMP3 TIM PART S/A ON sem vencto TBLE3 TRACTEBELON NM sem vencto UGPA4 ULTRAPARPN N1 sem vencto UGPA3 ULTRAPARON N1 sem vencto USIM5 USIMINAS PNA N1 sem vencto USIM3 USIMINASON sem vencto VALE3 VALE R DOCEON N1 sem vencto VALE5 VALE R DOCEPNA N1 sem vencto VIVO4 VIVOPN sem vencto VIVT4 VIVT - TELEF BRASIL PN sem vencto COCE5 - COELCE sem vencto ELET6 - CENTRAIS ELÉTRICAS BRAS sem vencto EVEN3 - EVEN CONSTRUTORA sem vencto GOAU4 - METALÚRGICA GERDAU sem vencto POSI3 - POSITIVO INFORMÁTICA sem vencto RAPT4 - RANDON PARTICIPAÇÕES sem vencto SLED4 - SARAIVA S.A LIVREIROS sem vencto SUZB5 - SUZANO PAPEL -PRA sem vencto

16 TGMA3 - TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA sem vencto TLPP4 - TELESP sem vencto VLID3 - VALID sem vencto À Receber Dividendos Juros s/capital Próprio Fundos de Investimento Referenciado SOVEII_FI106 Western sem vencto SOVEII_FI107 Western sem vencto Renda Fixa Bradesco FI RF IMA B Bradesco sem vencto UBB Master IMA Itaú sem vencto UBB Master RF IMAB 5 Itaú sem vencto PR_CREDIT24 Western sem vencto PR_CREDIT25 Western sem vencto INFL_II_FI41 Western sem vencto INFL_II_FI44 Western sem vencto INFL_IMPL_34 Western sem vencto P_INFL_TOT31 Western sem vencto PREV_FX_FI42 Western sem vencto Ações UBB Previdência IBX Itaú sem vencto IBRX_AÇÕES35 Western sem vencto Multimercado Bradesco FIM Plus Bradesco sem vencto UBB Fidelidade W - Itaú sem vencto M_INST_FIC31 Western sem vencto M_INST_FIC32 Western sem vencto PREV_STRUC31 Western sem vencto Operações com Participantes Empréstimos Exigível operacional Os compromissos do Exigível Operacional são assim demonstrados: Gestão Previdencial Benefícios a Pagar Aposentadorias Pensões Resgates Portabilidades Retenções a Recolher Imposto de Renda Recursos Antecipados (1) Outras Exigibilidades (1) Contribuições recebidas a maior (1) Refere-se a recursos aportados pelas patrocinadoras no decorrer do período, gerando o direito de utilização da mesma para abater contribuições futuras. Gestão Administrativa Prestadores de Serviços Gestores de Investimentos Consultorias 84 7 Auditorias Retenções a Recolher 2 1 Imposto de Renda Prestadores de Serviços 2 1 Receitas Antecipadas 13 - Investimentos Ações Instituições Financeiras - 8 Companhias Abertas Operações com Participantes 89 7 Concessões 78 - IOF s/concessões Exigível contingencial O Exigível contingencial em 2011 e 2010 possui a seguinte composição: Gestão Previdencial 1 - Benefícios 1 - Gestão Administrativa PIS e COFINS sobre o Custeio Administrativo Investimentos Regime Especial de Tributação PIS e COFINS sobre o Custeio Administrativo Gestão Previdencial Refere-se ao pagamento em juízo de um benefício de pensão por morte de participante. Gestão Administrativa PIS e COFINS Registra o montante das provisões destinadas a cobrir eventuais perdas com contingências fiscais referentes ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público Federal (PIS/PASEP) e a Contribuição para Seguridade Social (COFINS). A SPASAPREV passou a contestar judicialmente a legalidade da exigência do recolhimento do Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público Federal (PIS/PASEP) e da Contribuição para Seguridade Social (COFINS) sobre receitas operacionais e ganhos financeiros que não venham a constituir reservas, fundos e provisões, através do mandado de Segurança nº , obtido em 04 de julho de Essa provisão abrange o PIS e a COFINS sobre receitas operacionais e ganhos financeiros que não venham a constituir reservas, fundos e provisões. Tal provisão passou a ser atualizada pela variação da Taxa Referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custodia SELIC, desde julho de As despesas resultantes dessa atualização monetária serão 16

17 registradas no resultado da Gestão Administrativa e Investimentos, respectivamente. Investimentos A SPASAPREV fez opção pelo novo Regime Especial de tributação das aplicações financeiras conforme Medida Provisória no de 4 de setembro de 2001 através de termo protocolado na Secretaria da Receita Federal em 27 de dezembro de A Entidade participava de uma ação coletiva impetrada pela ABRAPP - Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Privada, a qual obteve uma liminar em 16 de março de 1998, concedida pela 8a. Vara, do Distrito Federal, relativa ao Mandado de Segurança nº , que assegurava a não-incidência do imposto de renda sobre os rendimentos de aplicações financeiras. Os valores decorrentes a esta provisão totalizam o montante de R$ (R$ em 2010) e é suportado por meio de depósito judicial feito pela Entidade. Com a adesão à MP no , a SPASAPREV mantém seu passivo contingencial. 10. Patrimônio social Provisões Matemáticas e Equilíbrio Técnico As provisões matemáticas foram determinadas em bases atuariais, e representam os compromissos acumulados no encerramento do exercício, oriundos de benefícios concedidos e a conceder a participantes, assistidos e seus beneficiários. A movimentação das provisões matemáticas e equilíbrio técnico durante o exercício de 2011 pode ser resumida como segue: Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas 1º janeiro Constituição/ 31 dezembro de 2011 Reversão De 2011 Patrimônio de Cobertura do Plano Provisões Matemáticas 628 (117) 511 Benefícios Concedidos 628 (117) 511 Benef. Definido Estruturado em Reg. de Capitalização 628 (117) 511 Valor Atual dos Benef. Futuros Progr. - Assistidos 366 (58) 308 Valor Atual dos Benef. Futuros Não Progr. - Assistidos 262 (59) 203 Equilíbrio Técnico Resultados Realizados Superávit Técnico Acumulado Reserva de Contingência 157 (29) 128 Reserva Especial para Revisão do Plano Plano de Previdência Spasaprev 1º janeiro Constituição/ 31 dezembro de 2011 Reversão De 2011 Patrimônio de Cobertura do Plano Provisões Matemáticas Benefícios Concedidos Contribuição Definida (679) Saldo de Contas dos Assistidos (679) Benef. Definido Estruturado em Reg. de Capitalização Valor Atual dos Benef. Futuros Progr. - Assistidos Valor Atual dos Benef. Futuros Não Progr. - Assistidos (568) Benefícios a Conceder Contribuição Definida Saldo de Contas - Parcela Patroc./Instituidores (332) Saldo de Contas - Parcela Participantes Benef. Definido Estruturado em Reg. de Capital. Progr (1.014) Valor Atual dos Benef. Futuros Programados (1.018) (-) Valor Atual das Contrib. Futuras dos Patrocinadores (5.746) 3 (5.743) Benef. Definido Estrut. em Reg. de Capital. Não Progr Valor Atual dos Benef. Futuros Não Programados (-) Valor Atual das Contrib. Futuras dos Patrocinadores (2.666) (395) (3.061) (-) Provisões Matemáticas a Constituir (376) (-) Serviço Passado (13) 13 - (-) Patrocinador(es) (13) 13 - (-) Déficit Equacionado (363) (-) Patrocinador(es) (363) Equilíbrio Técnico (3.656) Resultados Realizados (3.656) Superávit Técnico Acumulado (3.656) Reserva de Contingência Reserva Especial para Revisão do Plano (4.487) - Em 01 de fevereiro de 2011 em decorrência ao processo de incorporação do Plano de Benefícios Dupé pelo Plano de Previdência Spasaprev o Patrimônio de Cobertura deste Plano (R$ em 01 de janeiro de 2011) foi somado Patrimônio do Plano de Previdência Spasaprev, passando a compor o saldo do Patrimônio de Cobertura do Plano de Previdência Spasaprev em 31 de dezembro de O superávit do Plano refere-se aos ganhos atuariais relacionados aos Participantes Assistidos recebendo um benefício de renda mensal vitalícia, Participantes aguardando o recebimento do Benefício Proporcional Diferido por Desligamento que também será concedido na forma de renda mensal vitalícia e ganhos atuariais nas parcelas de risco dos Participantes Ativos. Os principais fatores que levaram à constituição do superávit do Plano, em 31 de dezembro de 2011, foram a rentabilidade obtida ao longo dos últimos anos e os ganhos devidos à experiência atuarial, sendo, portanto de natureza conjuntural. No enceramento do exercício findo em 31 de dezembro de 2011, a Reserva de Contingência inicialmente apurada no valor de R$ ficou abaixo do limite de 25% (vinte e cinco por cento) das reservas matemáticas de R$ Portanto o valor de R$ 998 foi revertido do Fundo Previdencial para Revisão de Plano para recomposição da Reserva de Contingência. 17

18 Plano de Aposentadoria Textil Prev 1º janeiro Constituição/ 31 dezembro de 2011 Reversão De 2011 Patrimônio de Cobertura do Plano Provisões Matemáticas Benefícios Concedidos Contribuição Definida Saldo de Contas dos Assistidos Benefícios a Conceder Contribuição Definida Saldo de Contas- Parcela Patroc./Instituidores Saldo de Contas- Parcela Participantes Benefício Definido Estruturado em Reg. de Capital. Progr (298) 775 Valor Atual dos Benef. Futuros Programados (601) (-) Valor Atual das Contrib. Futuras dos Patrocinadores (743) 303 (440) Benefício Definido Estrut. em Reg. de Capital. Não Progr Valor Atual dos Benef. Futuros Não Programados (-) Valor Atual das Contrib. Futuras dos Patrocinadores (816) 15 (801) (-) Provisões Matemáticas a Constituir (226) 93 (133) (-) Serviço Passado (226) 93 (133) (-) Patrocinador(es) (226) 93 (133) O prazo adotado para amortização da subconta Serviço Passado corresponde a oito anos e é o prazo remanescente daquele que vinha sendo adotado nas avaliações anteriores, de acordo com o item 39 da Resolução MPAS/CPC 01/78 (20 anos contados a parir de 01/01/2000). Este prazo esta sendo mantido, pois é inferior ao prazo estipulado nos itens 10 e 11 da Resolução nº 18 do CGPC. FUNDOS Fundo Previdencial O Fundo Previdencial é composto pelas parcelas de contribuição da patrocinadora que não foram utilizadas para o pagamento de benefícios em função as condições de elegibilidade e tipo de benefício pago ao participante no momento de seu desligamento. Este Fundo tem a finalidade de maximizar a segurança dos benefícios previstos nos Planos, podendo ser utilizado pela Patrocinadora, para financiar contribuições devidas no exercício, de acordo coma as regras estabelecidas pelo Conselho Deliberativo. A composição dos Fundos Previdenciais em 31 de dezembro de 2011 e 2010 estão apresentadas a seguir: Plano de Previdência Spasaprev Fundos Previdenciais Reversão de Saldo por Exigência Regulamentar Revisão do Plano Outros Previsto em Nota Técnica Atuarial (*) (*) Às patrocinadoras Locomotiva da Amazônia Indústria e Comércio de Têxteis Industriais Ltda. e Locomotiva Indústria e Comércio de Têxteis Industriais Ltda. encontram-se em processo de retirada de patrocínio, tendo suspendido as suas contribuições previdenciais desde setembro de O Patrimônio correspondente a estas patrocinadoras foi alocado em Fundo Previdencial sob a rubrica Outros Previsto em Nota Técnica Atuarial. Plano de Aposentadoria Textil Prev Fundos Previdenciais Reversão de Saldo por Exigência Regulamentar Fundo Administrativo O Fundo Administrativo é correspondente a diferença entre as receitas e despesas administrativas, acrescida do retorno dos investimentos. O montante deste Fundo em 31 de dezembro de 2011 é de R$ 1 (2010 R$ 312). 11. Hipóteses e métodos atuariais As principais hipóteses atuariais e econômicas utilizadas na apuração do Patrimônio Social são as seguintes: Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas Taxa real anual de juros (1) 5,0% a.a. Projeção de crescimento real de salário (1) Não Aplicável Projeção de crescimento real do maior salário de benefício do INSS (1) Não Aplicável Projeção de crescimento real dos benefícios do plano (1) 0,0% a.a. Fator de capacidade para os salários Não Aplicável Fator de capacidade para os benefícios 0,98 Hipótese sobre rotatividade Não Aplicável Tábua de mortalidade geral (2) AT-2000 Tábua de mortalidade de inválidos IAPB-57 Tábua de entrada em invalidez Não Aplicável Outras hipóteses biométricas utilizadas Não Aplicável (1) O indexador utilizado foi o IGP-DI da Fundação Getúlio Vargas. (2) Foi utilizada a tábua AT-2000, segregada por sexo. Plano de Previdência Spasaprev Taxa real anual de juros (1) 5,0% a.a. (1) (2) Projeção de crescimento real de salário 3,0% a.a. Projeção de crescimento real do maior salário de benefício do INSS (1) Não Aplicável Projeção de crescimento real dos benefícios do plano (1) 0,0% a.a. Fator de capacidade para os salários 1,00 Fator de capacidade para os benefícios (3) 0,98 Hipótese sobre rotatividade (4) Mercer Service Tábua de mortalidade geral (5) AT-2000 Tábua de mortalidade de inválidos IAPB-57 Tábua de entrada em invalidez Mercer Disability Composição Familiar Ativos: 90% são casados na data do evento Assistidos: idade real do cônjuge Pensionista: composição familiar real Outras hipóteses biométricas utilizadas (6) Mercer Retirement (4) (1) O indexador utilizado foi o IGP-DI da Fundação Getúlio Vargas. (2) A hipótese adotada de crescimento salarial foi definida pelas Patrocinadoras levando em consideração a expectativa média de reajustes salariais futuros. (3) O fator dos benefícios pagos sob forma de renda não vitalícia é igual a 1,00 (4) A rotatividade, pela Mercer Service, varia de acordo com o tempo de serviço (TS) e a faixa salarial: - 0 a 10 Salários Mínimos: 0,60 / (TS + 1); - 10 a 20 Salários Mínimos: 0,30 / (TS + 1); - Acima de 20 Salários Mínimos: 0,15 / (TS + 1). (5) Foi utilizada a tábua AT-2000, segregada por sexo. (6) A Mercer Retirement é uma tábua de probabilidades de entrada em aposentadoria: 10% na primeira elegibilidade à aposentadoria antecipada, 3% entre essa data e a data da aposentadoria normal e 100% na data de elegibilidade à aposentadoria normal. 18

19 O método atuarial adotado foi o Crédito Unitário para a avaliação do Benefício Mínimo de Aposentadoria, Incapacidade e Morte e da cobertura do saldo da conta projetada dos benefícios de Incapacidade e Morte do Plano de Previdência Alpaprev (atual denominação do Plano de Previdência Spasaprev). O Benefício Mínimo do Benefício Proporcional Diferido foi avaliado pelo método de Repartição Simples. Para a avaliação dos demais benefícios do Plano foi adotado o método de Capitalização Individual. Plano de Aposentadoria Textil Prev Taxa real anual de juros (1) 6,0% a.a. (1) (2) Projeção de crescimento real de salário 3,0% a.a. Projeção de crescimento real do maior salário de benefício do INSS (1) 0,0% a.a. Projeção de crescimento real dos benefícios do plano (1) 0,0% a.a. Fator de capacidade para os salários 1,00 Fator de capacidade para os benefícios 1,00 Hipótese sobre rotatividade (3) Mercer Service Tábua de mortalidade geral (4) AT-83 Tábua de mortalidade de inválidos Mercer Disability Tábua de entrada em invalidez IAPB 57 Composição Familiar 90% dos ativos são casados na data do evento Outras hipóteses biométricas utilizadas (5) Mercer Retirement (1) O indexador utilizado foi o IGP-DI da Fundação Getúlio Vargas. (2) A hipótese adotada de crescimento salarial foi definida pelas Patrocinadoras levando em consideração a expectativa média de reajustes salariais futuros. (3) A rotatividade, pela Mercer Service, varia de acordo com o tempo de serviço (TS) e a faixa salarial: - 0 a 10 Salários Mínimos: 0,60 / (TS + 1); - 10 a 20 Salários Mínimos: 0,30 / (TS + 1); - Acima de 20 Salários Mínimos: 0,15 / (TS + 1). (4) Foi utilizada a tábua AT-83, segregada por sexo. (5) A Mercer Retirement é uma tábua de probabilidades de entrada em aposentadoria: 10% na primeira elegibilidade à aposentadoria antecipada, 3% entre essa data e a data da aposentadoria normal e 100% na data de elegibilidade à aposentadoria normal. De acordo com o previsto no item 1.2 da Resolução CGPC nº 18/2006, as justificativas para adoção das hipóteses atuariais aplicáveis ao Plano de Previdência Têxtil Prev encontram-se arquivadas na SPASAPREV à disposição da PREVIC. O método atuarial adotado foi o de Capitalização Financeira para a avaliação de todos os benefícios do Plano, exceto o Benefício Mínimo de Incapacidade e Morte, Projeção de Contribuições para Incapacidade e Morte, Integralização da Contribuição Especial e o Benefício Garantido, que foram avaliados pelo método Agregado. 12. Critério de rateio das despesas administrativas As despesas administrativas específicas serão alocadas diretamente nos planos de benefícios que as originaram sem nenhuma forma de rateio. Adicionalmente as despesas administrativas comuns são distribuídas entre os planos de benefícios, conforme definição da administração da SPASAPREV. 13. Apresentação dos efeitos da consolidação O quadro a seguir apresenta as contas contábeis utilizadas e os respectivos valores relativos à consolidação do Balanço Patrimonial em 31 de dezembro de 2011: Código Conta Participação no Plano de Gestão Administrativa Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas - - Plano de Previdência Spasaprev Plano de Aposentadoria Textil Prev - 18 Plano de Benefícios Dupé Participação no Fundo Administrativo do PGA Plano de Benefícios da São Paulo Alpargatas - - Plano de Previdência Spasaprev Plano de Aposentadoria Textil Prev 18 Plano de Benefícios Dupé Recolhimento de tributos Imposto de Renda A Lei nº , de 29 de dezembro de 2004, criou um novo regime de tributação, facultando aos participantes de planos de EFPC estruturados na modalidade de contribuição definida ou contribuição variável, optarem para que os valores que lhes sejam pagos a título de resgate ou benefícios de renda, sejam tributados no imposto de renda na fonte: i. por uma nova tabela regressiva, que varia entre 35% a 10%, dependendo do prazo de acumulação dos recursos do participante no plano de benefícios, ou ii. por permanecerem no regime tributário atual, que utiliza a tabela progressiva do imposto de renda na fonte para as pessoas físicas. Além disso, a Lei nº /04 revogou a MP nº de 4 de setembro de 2001, dispensando a partir de 1o. de janeiro de 2005 a retenção na fonte e o pagamento em separado do imposto de renda sobre os rendimentos e ganhos auferidos nas aplicações de recursos das entidades fechadas de previdência complementar. PIS e COFINS Calculados pelas alíquotas de 0,65% e 4%, respectivamente sobre as receitas administrativas conforme Anexo III da Instrução Normativa nº 247, de 21 de novembro de 2002 (receita bruta excluída, entre outros, pelos rendimentos auferidos nas aplicações financeiras destinadas a pagamento de benefícios de aposentadoria, pensão, pecúlio e de resgate, limitados aos rendimentos das aplicações proporcionados pelos ativos garantidores das reservas técnicas e pela parcela das contribuições destinadas à constituição de reservas técnicas). 15. Eventos subsequentes Em 27 de janeiro de 2012, por meio da Portaria nº 35, publicada no DOU de 30 de janeiro de 2012, foi aprovada a alteração da denominação do Plano de Previdência Spasaprev (CNPB ) para Plano de Previdência Alpaprev, proposta para o Regulamento do Plano de Previdência Spasaprev (CNPB ). Desta forma, todas as informações correspondentes ao Plano de Previdência Spasaprev, posterior a aprovação serão tratadas como informações do Plano de Previdência Alpaprev, enquanto que as informações anteriores a esta aprovação será mantida a antiga denominação do Plano. 16. Outras informações Retirada de Patrocínio do Plano de Previdência Spasaprev O Plano de Previdência Spasaprev, relativamente às patrocinadoras Locomotiva Indústria e Comercio de Têxteis Industriais Ltda. e Locomotiva da Amazônia Indústria e Comercio de Têxteis Industriais Ltda., estão em processo de retirada tendo suspendido as suas contribuições previdenciais desde setembro de

20 Resolução CNPC nº 2, de 3 de março de 2011 Em 3 de março de 2011, o Conselho Nacional de Previdência Complementar, aprovou alterações na Resolução CGPC nº 23, de 6 de dezembro de As alterações referem-se aos procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos dos planos de benefícios de caráter previdenciário. A Resolução foi publicada no DOU em 16 de março de 2011 e entrou em vigor na data da publicação. Instrução MPS/PREVIC nº 5, de 8 de setembro de 2011 Em 9 de setembro de 2011 foi publicada no Diário Oficial da União, a Instrução MPS/PREVICnº 5, de 8 de setembro de De acordo com esta Instrução foram incluídas contas contábeis na Planificação Contábil Padrão e alterada a forma de reconhecimento contábil das rendas e variações positivas provenientes de bonificações, dividendos e juros sobre o capital próprio. Esta Instrução também estabeleceu a transferência dos valores constantes nas rubricas de Depósitos Judiciais/ Recursais do Exigível Contingencial para as novas contas correspondentes incluídas no Ativo. Resolução CNPC nº 8, de 31 de outubro de 2011 Esta Resolução, publicada no Diário Oficial da União em 16 de dezembro de 2011, dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar e revoga a Resolução CGPC nº 28, de 26 de janeiro de 2009, e a Resolução CNPC nº 1, de 3 de março de Além disso, de acordo com a referida Resolução, fica a Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC autorizada a editar instruções complementares para a fiel execução do disposto nesta Resolução, inclusive estabelecer procedimentos contábeis específicos das EFPC, alterar, incluir e excluir rubricas da planificação contábil padrão, e disciplinar a forma, o meio e a periodicidade para envio das Demonstrações Contábeis. Diretoria Contador Responsável José Roberto Lettiere João Batista Borges Martins Diretor Superintendente Contador CPF: CPF: CRC: 1 SP /O-2 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Aos Diretores, Participantes e Patrocinadores da SPASAPREV - Sociedade Previdência Privada Examinamos as demonstrações contábeis da SPASAPREV - Sociedade Previdência Privada ( Entidade ), que compreendem o balanço patrimonial consolidado em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações consolidadas da mutação do patrimônio social e do plano de gestão administrativa, bem como as demonstrações individuais por plano de benefício do ativo líquido, da mutação do ativo líquido, do plano de gestão administrativa e das obrigações atuariais do plano para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as Demonstrações Contábeis A Administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis a entidades reguladas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis da Entidade. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Entidade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as demonstrações contábeis consolidadas e individuais por plano de benefício acima referidas apresentam adequadamente, em todos aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira consolidada da SPASAPREV - Sociedade Previdência Privada e individual por plano de benefício em 31 de dezembro de 2011 e o desempenho consolidado e por plano de benefício de suas operações para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às entidades reguladas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC. Outros assuntos Os valores correspondentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010, apresentados para fins de comparação, são oriundos das demonstrações contábeis consolidadas anteriormente auditados por outros auditores independentes que emitiram relatório de datado de 29 de março de 2011, sem modificação. As demonstrações contábeis individuais por plano de beneficio referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010 não foram auditadas por nós nem por outros auditores independentes. São Paulo, 21 de março de 2012 ERNST & YOUNG TERCO Auditores Independentes S.S. CRC-2SP015199/O-6 Patrícia di Paula da Silva Paz Contador a CRC-1SP198827/O-3 20

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

demonstração da Mutação do ativo Líquido

demonstração da Mutação do ativo Líquido Período: dezembro de 2010 R$ mil demonstração da Mutação do ativo Líquido Visão ATelecom Descrição 2010 A) Ativo Líquido - Início do Exercício 2.207 1. Adições 4.979 (+) Contribuições 4.727 (+) Resultado

Leia mais

Mensagem do Superintendente

Mensagem do Superintendente Mensagem do Superintendente O Sistema Brasileiro dos Fundos de Pensão celebra hoje importantes avanços que o posiciona como referência para assuntos relacionados à base legal e normativa, qualidade da

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Fundação Sabesp de Seguridade Social SABESPREV CNPJ 65.471.914/0001-86 Alameda Santos, 1827 14 º andar CEP 01419.909 Cerqueira

Leia mais

Caro participante, seja muito bem-vindo!

Caro participante, seja muito bem-vindo! Caro participante, seja muito bem-vindo! Mais um ano nós estamos juntos, colocando em prática o seu planejamento financeiro para o futuro e acumulando, mês a mês, a garantia de você realizar seus projetos

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Brasília, 29 de novembro de 2011 1 Sistema de Previdência Complementar instituído pela Lei 6.435/77 e Decreto 81.240/78; normatizar e disciplinar

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF

FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E NOTAS EXPLICATIVAS 2010 SOBRE OS PLANOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS E DE GESTÃO ADMINISTRATIVA CNPJ Nº 42.160.192/0001-43

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014 (Publicado no D.O.U, Nº 227, de 24 de novembro de 2014) Altera a Resolução nº 26, de 29 de setembro de 2008, do Conselho de Gestão da Previdência Complementar,

Leia mais

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14;

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; Aspectos Contábeis TÓPICOS A SEREM ABORDADOS: 1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; 2. Efeitos para equacionamento de déficits

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA

Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA O Fundo de Pensão Multinstituído da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia - SBOTPREV apresenta o relatório das principais atividades da Entidade durante

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA...

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 8 CONHEÇA O PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 9 PARTICIPANTES...

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV...

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... 7 CONHEÇA O PLANO DENTALUNIPREV... 8 PARTICIPANTES... 9 Participante

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

RDEC 06 Demonstrações Contábeis. Junho 2015

RDEC 06 Demonstrações Contábeis. Junho 2015 RDEC 06 Demonstrações Contábeis Junho 2015 Diretoria de Administração Brasília, julho de 2015 1. Introdução Este relatório tem por objetivo apresentar as demonstrações contábeis da Fundação de Previdência

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO ACPREV... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativo... 8 Participante Assistido...

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb.

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014. Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. 1- Na estatística de tempo médio de contribuição, teria que colocar observação para os Regulamentos

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Maio/2012

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Maio/2012 1 ATIVO 103.099.161,56 D 21.051.568,01 20.800.568,57 103.350.161,00 D 1.1 DISPONÍVEL 170.618,82 D 10.279.904,19 10.329.287,48 121.235,53 D 1.1.1 IMEDIATO 170.618,82 D 10.279.904,19 10.329.287,48 121.235,53

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

A Rentabilidade líquida do Plano ALEPEPREV e do PGA ; Resumo de Informações sobre o Demonstrativo de Investimentos. Resumo do Exercício 2014

A Rentabilidade líquida do Plano ALEPEPREV e do PGA ; Resumo de Informações sobre o Demonstrativo de Investimentos. Resumo do Exercício 2014 Síntese dos Resultados dos Investimentos O Pl ALEPEPREV, instituído na modalidade de Contribuição Definida, obteve um desempenho muito satisfatório no de 2014. O Pl de Benefícios superou a sua meta de

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Relatório Anual 2014

Relatório Anual 2014 Relatório Anual 2014 Índice Caro Participante...3 Uma Entidade que Pratica a Governança Corporativa...4 Conheça Alguns Números que Reforçam esta Solidez...4 Principais Mudanças Propostas...5 Rentabilidade

Leia mais

Caro participante, seja muito bem-vindo!

Caro participante, seja muito bem-vindo! Caro participante, seja muito bem-vindo! Mais um ano nós estamos juntos, colocando em prática o seu planejamento financeiro para o futuro e acumulando, mês a mês, a garantia de você realizar seus projetos

Leia mais

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE Art.1º - O presente Regulamento do Plano de Gestão Administrativa - PGA da Ceres estabelece critérios e limites para definição do plano de custeio administrativo

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15 FUNDAÇÃO LIBERTAS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65 Parecer Atuarial 057/15 Fevereiro/2015 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Relatório Anual 2012

Relatório Anual 2012 Apresetanção A Diretoria Executiva da FUNASA, atendendo as disposições legais e estatutária que regem as Entidades Fechadas de Previdência Complementar, vem apresentar o Relatório Anual de informações,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE CAPÍTULO I - DA FINALIDADE CAPÍTULO II - DO GLOSSÁRIO CAPÍTULO III - DA CONSTITUIÇÃO DO PGA CAPÍTULO IV - DAS FONTES DE CUSTEIO ADMINISTRATIVO CAPÍTULO

Leia mais

Plano de Benefícios Investco

Plano de Benefícios Investco Plano de Benefícios Investco ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -2 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -2 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -2 Demonstração do ativo líquido - Plano de

Leia mais

Plano de Benefícios EDP Renováveis

Plano de Benefícios EDP Renováveis Plano de Benefícios EDP Renováveis ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -04 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -04 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -04 Demonstração do ativo líquido -

Leia mais

A PREVI-ERICSON em números: seu investimento em boas mãos

A PREVI-ERICSON em números: seu investimento em boas mãos Caro participante, seja muito bem-vindo! Participar de um Plano de Previdência Complementar demonstra seu compromisso com uma vida mais tranquila para você e sua família. Preparamos este relatório anual

Leia mais

Guia PCD. Conheça melhor o Plano

Guia PCD. Conheça melhor o Plano Guia PCD Conheça melhor o Plano Índice De olho no Futuro...3 Quem é a Fundação Centrus?...5 Conhecendo o Plano de Contribuição Definida - PCD...6 Contribuições do Participante...7 Saldo de Conta...8 Benefícios

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA!

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! Prezado participante, 2 Brasil Foods Sociedade de Previdência Privada Cartilha Plano III Um dos grandes objetivos da política de recursos humanos de

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. ITAUVEST PERSONNALITÉ CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO EM Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização

Leia mais

Balancete Contábil. Referência: Nov/2014. Emissão: 06/01/2015 20:16:15 Página 1 de 11. Balancete(s): 020-PCD - Plano de Contribuição Definida

Balancete Contábil. Referência: Nov/2014. Emissão: 06/01/2015 20:16:15 Página 1 de 11. Balancete(s): 020-PCD - Plano de Contribuição Definida Referência: Balancete(s): 020-PCD - Plano de Contribuição Definida 1.0.0.0.00.00.00.00 ATIVO 252.277.203,94 D 21.631.143,77 20.124.040,12 1.507.103,65 D 253.784.307,59 D 1.1.0.0.00.00.00.00 DISPONÍVEL

Leia mais

Í n d i c e. Apresentação. Sobre a ELETROS. Sobre o Plano CD CERON. Características do Plano CD CERON

Í n d i c e. Apresentação. Sobre a ELETROS. Sobre o Plano CD CERON. Características do Plano CD CERON Í n d i c e Apresentação Sobre a ELETROS Sobre o Plano CD CERON Características do Plano CD CERON 3 4 5 6 A p r e s e n t a ç ã o Bem-vindo! Você agora é um participante do Plano CD CERON, o plano de benefícios

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Maio/2013

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Maio/2013 1 ATIVO 110.659.714,85 D 11.382.915,50 12.144.413,81 109.898.216,54 D 1.1 DISPONÍVEL 676.336,92 D 5.039.632,26 5.650.035,90 65.933,28 D 1.1.1 IMEDIATO 676.336,92 D 5.039.632,26 5.650.035,90 65.933,28 D

Leia mais

Prestação de Contas Libertas - 2014

Prestação de Contas Libertas - 2014 Prestação de Contas Libertas - 2014 participantes aposentados pensionistas patrocinadoras Na Libertas, é assim. Sumário - Prestação de Contas 2014 Relatório Anual de Informações - RAI 2014 Documentação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização Patrimônio R$ Mil Líquido 1.DISPONIBILIDADES 8 0,03 Depósitos

Leia mais

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC João Marcelo Carvalho Agenda COMPARTILHAMENTO DE RISCOS SOLVÊNCIA CONCLUSÕES 2 Agenda COMPARTILHAMENTO DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

2004 78 52.164 4.897 13 47.254 38.474 7.531 1.249 28 28 52.270 48 7 41 68.125. Receitas. Despesas 75.017 19.369 26.261) 15.903) 16.

2004 78 52.164 4.897 13 47.254 38.474 7.531 1.249 28 28 52.270 48 7 41 68.125. Receitas. Despesas 75.017 19.369 26.261) 15.903) 16. 7,7% 7,% 6,17% 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO DISPONÍVEL REALIZÁVEL Operações com Participantes PERMANENTE Imobilizado TOTAL DO ATIVO PASSIVO EXIGÍVEL OPERACIONAL EXIGÍVEL ATUARIAL PROVISÕES MATEMÁTICAS Benefícios

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009 Quadro Comparativo O PRESIDENTE DO CONSELHO DE GESTÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 5º, 18 e 74 da Lei

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Junho/2010

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Junho/2010 1 ATIVO 72.608.824,13 D 30.147.120,69 29.842.629,99 72.913.314,83D 1.1 DISPONÍVEL 190.258,33 D 1.771.877,67 1.812.144,85 149.991,15D 1.1.1 IMEDIATO 190.258,33 D 1.771.877,67 1.812.144,85 149.991,15D 1.1.1.2

Leia mais

PERFIL DE INVESTIMENTOS PERFIL DE INVESTIMENTO

PERFIL DE INVESTIMENTOS PERFIL DE INVESTIMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS O QUE É? É a opção dada ao participante para que indique os percentuais de seu saldo que devem ser alocados em Renda Fixa e em Renda Variável (ações), de acordo com a sua aptidão

Leia mais

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários Um novo plano, com muito mais futuro Plano 5x4 dos Funcionários Sumário 03 Um novo plano, com muito mais futuro: 5x4 04 Comparativo entre o plano 4 x 4 e 5 x 4 08 Regras de resgate 10 Como será o amanhã?

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

C.1 Do Objeto...2. C.2 Das Definições...2. C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4. C.4 Da Constituição do PGA...4

C.1 Do Objeto...2. C.2 Das Definições...2. C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4. C.4 Da Constituição do PGA...4 Conteúdo C.1 Do Objeto...2 C.2 Das Definições...2 C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4 C.4 Da Constituição do PGA...4 C.5 Das Fontes de Custeio Administrativo...4 C.6 Dos Limites de Custeio Administrativo...5

Leia mais