8º Encontro dos Coordenadores. Monitoramento do Portfólio Estratégico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8º Encontro dos Coordenadores. Monitoramento do Portfólio Estratégico"

Transcrição

1 8º Encontro dos Coordenadores Monitoramento do Portfólio Estratégico Setembro / 2012

2 AGENDA Encontro dos Coordenadores 20/09/2012 Objetivos das iniciativas a serem apresentadas; Sistemática de monitoramento do portfólio estratégico; Avaliação das AGEIs pela coordenação técnica; Avaliação da coordenação técnica pelas AGEIs; Planejamento 2013.

3 OBJETIVOS As iniciativas que serão apresentadas tem como principais objetivos: Promover a consolidação do Modelo de Monitoramento do Portfólio Estratégico; Melhorar o fluxo e a qualidade das informações geradas; Aprofundar o relacionamento entre Gerente, AGEIs e NCGERAES; Esclarecer o papel a ser desempenhado por cada ator; Tornar as reuniões mais produtivas e proveitosas; Reorganizar o fluxo de forma a aproveitar melhor o tempo disponível.

4 OBJETIVOS Nesse primeiro momento o foco será o Monitoramento do Portfólio Estratégico, sendo o Monitoramento do Acordo de Resultados o próximo foco definido.

5 AGENDA Encontro dos Coordenadores 20/09/2012 Objetivos das iniciativas a serem apresentadas; Sistemática de monitoramento do portfólio estratégico; Avaliação das AGEIs pela coordenação técnica; Avaliação da coordenação técnica pelas AGEIs; Planejamento 2013.

6 NÍVEIS DE MONITORAMENTO LÓGICA GERAL Redes de Desenvolvimento Integrado do Governo Analisar a evolução da execução das redes de desenvolvimento, seus resultados finalísticos e suas principais entregas Reunião gerencial do Governador Rede de Monitoramento Programas Estruturadores da Rede de Desenvolvimento Integrado Gestão das restrições dos programas Análise da execução física e financeira dos programas, marcos críticos e resultados dos programas Comitês de Resultados Reuniões de Integração da Rede Comitês Temáticos Suporte técnico, preparação de informações e acionamento do processo decisório GERAES Projetos e Processos Estratégicos do Programa Gestão das restrições dos projetos e processos Registro e análise da execução física e financeira, marcos críticos, resultados dos projetos e processos Reunião Gerencial do órgão AGEIs

7 AGEI GERAES GOVERNADOR OU SEPLAG SEPLAG, SECRETÁRIO GERENTE DE PROCESSOS (MELHORIA) PRÉ-STATUS GERENTE DE PROCESSOS (DIA A DIA) GERENTE DE PROJETOS STATUS REPORT GERENTE DE PROGRAMA E EQUIPE DO PROGRAMA COMITÊS GERENTES DE PROGRAMAS DA REDE E PARCEIROS ENVOLVIDO E GERENTES DOS PROJETOS, PROCESSOS E PROGRAMAS* INTEGRAÇÃO Reunião da Rede Integrada de Desenvolvimento Potencializar Integrações e elaborar Planos de Ação Restrição na execução do Programa Restrição na execução do projeto restrição na execução do processo Restrição na execução do plano de melhoria Oportunidades de integração aproveitadas Reunião dos Projetos e Processos do Programa Analisar se consegue sanar a restrição sozinho Analisar se consegue sanar a restrição sozinho Analisar se consegue sanar a restrição sozinho Não Sim Não Sim Não Comitês Temáticos Comitê de Resultados Preparar briefing sobre a restrição e mostrar alternativas de solução Preparar briefing sobre a restrição e mostrar alternativas de solução Preparar briefing sobre a restrição e mostrar alternativas de solução Analisar se consegue sanar a restrição na Equipe do Programa (Gerentes de Projetos e Processos) FLUXO GERAL DE RESTRIÇÕES Analisar se consegue sanar a restrição Realizar reunião sanar a restrição Não Sim Preparar briefing sobre a restrição e mostrar alternativas de solução Não Sim * Será avaliado a necessidade da presença em cada reunião dos gerentes Sim Elaborar, monitorar e executar Plano de Ação Elaborar, monitorar e executar Plano de Ação Elaborar, monitorar e executar Plano de Ação Elaborar, monitorar e executar Plano de Ação Elaborar, monitorar e executar Plano de Ação restrição resolvida restrição resolvida restrição resolvida restrição resolvida restrição resolvida restrição resolvida GERAES ATIVIDADES Monitoramento do programa Follow up e apoio à execução dos planos de ação no nível de programa Provocar a articulação entre as áreas em torno da solução do restrição Preparar de forma seletiva as reuniões de Comitê: priorizar as restrições; formular alternativas de solução; selecionar os envolvidos; provocar a decisão e definição das medidas e prazos Aprovar as liberações de cotas orçamentárias e mudanças AGEI ATIVIDADES Monitoramento dos projetos e processo Follow up e apoio a execução dos planos de ação no nível de projeto e processo Facilitar a solução dos restrição no nível dos projetos e processos Preparar as reuniões gerenciais do órgão Avaliar em conjunto com gerente de programa as solicitações de liberação de cotas orçamentárias e mudanças no projeto INSTRUMENTOS Alerta de situação: relatório executivo (uma página) para Gerente de Programa Relatório de restrições e Relatório Executivo Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia Governamental Plano de Ação INSTRUMENTOS Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia Governamental Plano de Ação

8 LÓGICA GERAL Comitê de Resultados GERAES Dia 30 do mês corrente (Bimestral) Escopo: Programas Estruturadores e demais componentes da 1ª Etapa do Acordo de Resultados Participantes: Secretária Renata Vilhena, Secretário de Estado, Dirigentes Máximos de órgãos e entidades vinculadas, GERAES, Gerentes dos Programas, AGEI. Reunião Gerencial do Órgão Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação - AGEI Dia 30 do mês corrente (mensal) Escopo: 1ª e 2ª etapas do Acordo de Resultados e Agenda Positiva (sugestão) Participantes: Secretário de Estado, Secretário Adjunto, Subsecretários, Chefe de Gabinete, Superintendentes, Assessores, AGEI. (sugestão) STATUS REPORT GERAES Dia 20 do mês corrente (mensal) Escopo: Programas Estruturadores, Projetos e Processos Estratégicos Participantes: GERAES, Gerentes de Programa, AGEI, gerentes de projetos e processos estratégicos. PRÉ-STATUS Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação - AGEI Dia 10 do mês corrente (mensal) Escopo: Projetos e Processos Estratégicos, componentes da 1ª e 2ª Etapas do Acordo de Resultados Participantes: Gerentes de Projetos e Processos Estratégicos, AGEI e GERAES quando julgar necessário. Alimentação do Sistema de Gestão e Monitoramento da Estratégia Governamental Gerentes de Projetos e Processos Estratégicos Dia 05 do mês corrente (mensal) Escopo: Programas Estruturadores, Projetos e Processos Estratégicos Não se aplica.

9 SISTEMA DE MONITORAMENTO MUDANÇAS Inclusão dos comentários nos relatórios; Encaminhamento do Plano de Ação ao Gerente e ao Responsável pela Ação; Encaminhamento dos relatórios de Status Report e Relatório Executivo aos responsáveis.

10 REUNIÃO DE PRÉ-STATUS REPORT Objetivos: Transição Discussão sobre o andamento do projeto, a partir das informações previamente inseridas no Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia Governamental; Levantamento de problemas e possíveis soluções com elaboração de Plano de Ação; Registro de justificativas para atrasos e comentários sobre a execução; Verificação e pré-análise das solicitações de cotas orçamentárias; Discussão de possíveis mudanças no projeto com preenchimento de formulário específico; e Identificação e registro de Agendas Positivas.

11 REUNIÃO DE PRÉ-STATUS REPORT Inputs Pré-Status Outputs Definição prévia de agenda; Informações atualizadas e levantamento de problemas / dificuldades no Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia Governamental. Observar roteiro de atualização do Sistema para o Pré- Status! Acesso ao Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia Governamental; Discussão da execução física e financeira; Discussão do Cronograma; Discussão dos riscos do Projeto Estratégico; Discussão dos Indicadores de Desempenho (Processos) ou de Qualidade (Projetos); Elaboração / atualização de planos de ação; Elaboração dos pedidos de cotas orçamentárias; Definição da Agenda Positiva; Análise de possíveis solicitações de mudança. Geração de Status Report; Planos de ação elaborados; Levantamento de pontos críticos para as Reuniões de Status Report do Programa Estruturador e Reunião Gerencial; Riscos atualizados; Proposta de solicitação de cota orçamentária definida.

12 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROJETOS ESTRATÉGICOS) Item 1- Execução Física e Financeira O quê? Como fazer? Houve detalhamento da execução física para todos os subprojetos? Observar qual é o produto e unidade de medida cadastrado para cada subprojeto. Houve detalhamento da execução financeira para todos os subprojetos? O valor a ser lançado deverá ser o referente à despesa liquidada no mês específico. Importante que seja retirado do SIAFI. O total do somatório dos subprojetos não poderá ser superior ao do produto do PPAG.

13 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROJETOS ESTRATÉGICOS) Foi realizada a regionalização da meta física? (se aplicável) Preencher através da importação da planilha de regionalização que é disponibilizada no sistema. É importante que seja alinhado com o GERAES qual produto deverá ser regionalizado ou não. Foi realizada a regionalização da meta financeira? (se aplicável) Preencher através da importação da planilha de regionalização que é disponibilizada no sistema. É importante que seja alinhado com o GERAES qual produto deverá ser regionalizado ou não. Foi preenchido o campo de informações dos subprojetos em todos os meses? Deve-se preencher mensalmente o campo de informações contendo uma descrição sucinta do andamento do projeto (produto do PPAG/SGPLAN) e de cada subprojeto.

14 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROJETOS ESTRATÉGICOS) Item 2- Planejamento de Qualidade Foram apurados todos os indicadores do projeto? Item 3- Plano de Ação Foram elaborados planos de ação para problemas identificados no acompanhamento do projeto? Os planos de ação estão com todas as atividades atualizadas até a data da reunião de pré-status? Deve-se preencher mensalmente a execução dos indicadores. Se a apuração for somente em dezembro deverá ser preenchido 0 (zero) em cada mês. Após a identificação de um risco e visualizada a necessidade de traçar alguma ação, deverá ser criado plano de ação. Em casos em que se observa atrasos no cronograma geralmente é esperado que se tenha elaborado planos de ação. Todos os planos de ação devem estar devidamente atualizados até a data da reunião de pré-status.

15 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROJETOS ESTRATÉGICOS) Item 4- Agenda Positiva Foram criadas agendas positivas para as principais entregas do projeto? Deve-se criar agenda positiva para as principais entregas. As mais importantes deverão ser sugeridas para aparecer para o Governador e o GERAES deverá aprová-las. As agendas positivas cujas realizações já se concluíram tiveram fotos/ informações lançadas adequadamente? Deve-se lançar informações que qualificam as entregas e inserção de fotos/notícias/publicações sobre as mesmas (quando possível).

16 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROJETOS ESTRATÉGICOS) Item 5- Cronograma Todas as atividades dos cronogramas foram atualizadas até a data da reunião de pré-status? Todas as atividades anteriores à reunião de préstatus devem estar como concluídas,ou, com tendência de término posterior à reunião de préstatus. Mesmo que não se tenha a previsão da conclusão de uma atividade ela nunca poderá ficar com previsão passada, exceto se houver solicitação de mudanças para a mesma. Houve o preenchimento adequado dos comentários que permitem qualificar o acompanhamento dos subprojetos? Deve-se preencher o campo de anotações nas atividades "mães" com os principais acontecimentos dos subprojetos a fim de qualificar o acompanhamento. Deve-se iniciar o comentário com a data, exemplo: "12/03: Foram licitados...", sempre deixando a data do último mês na parte de cima do comentário

17 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROCESSOS ESTRATÉGICOS) Item 1- Execução Física e Financeira O quê? Como fazer? Houve detalhamento da execução física para todos os subprocessos? Observar qual é o produto e unidade de medida cadastrado para cada subprocesso. Houve detalhamento da execução financeira para todos os subprocessos? O valor a ser lançado deverá ser o referente à despesa liquidada no mês específico. Importante que será retirado do SIAFI. O total do somatório dos subprocessos não poderá ser superior ao do produto do PPAG.

18 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROCESSOS ESTRATÉGICOS) Foi realizada a regionalização da meta física? (se aplicável) Preencher através da importação da planilha de regionalização que é disponibilizada no sistema. É importante que seja alinhado com o GERAES qual produto deverá ser regionalizado ou não. Foi realizada a regionalização da meta financeira? (se aplicável) Preencher através da importação da planilha de regionalização que é disponibilizada no sistema. É importante que seja alinhado com o GERAES qual produto deverá ser regionalizado ou não. Foi preenchido o campo de informações dos subprocessos em todos os meses? Deve-se preencher mensalmente o campo de informações contendo uma descrição sucinta do andamento do processo (produto do PPAG/SGPLAN) e de cada subprocesso.

19 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROCESSOS ESTRATÉGICOS) Item 2- Planejamento de Qualidade Foram apurados todos os indicadores do processo? Deve-se preencher mensalmente a execução dos indicadores. Se a apuração for somente em dezembro deverá ser preenchido 0 (zero) em cada mês. Item 3- Planejamento de Custos O planejamento de custos está devidamente preenchido? Observar se o planejamento de custos está feito da forma correta, com o cronograma de desembolso elaborado para cada GFP, não excedendo os limites pré-estabelecidos.

20 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROCESSOS ESTRATÉGICOS) Item 4- Plano de Ação Foram elaborados planos de ação para problemas identificados no acompanhamento do projeto? Após a identificação de um risco e visualizada a necessidade de traçar alguma ação deverá ser criado plano de ação. Em casos em que se observa atrasos no cronograma geralmente é esperado que se tenha elaborado planos de ação. Os planos de ação estão com todas as atividades atualizadas até a data da reunião de préstatus? Todos os planos de ação devem estar devidamente atualizados até a data da reunião de pré-status.

21 PRÉ-REQUISITOS PARA UMA BOA REUNIÃO DE PRÉ-STATUS (PROCESSOS ESTRATÉGICOS) Item 5- Agenda Positiva Foram criadas agendas positivas para as principais entregas do processo? As agendas positivas cujas realizações já se concluíram tiveram fotos/ informações lançadas adequadamente? Item 6- Planos de Melhoria Deve-se criar agenda positiva para as principais entregas. As mais importantes deverão ser sugeridas para aparecer para o Governador e o GERAES deverá aprová-las. Deve-se lançar informações que qualificam as entregas e inserção de fotos/notícias/publicações sobre as mesmas (quando possível). Os planos de melhoria estão devidamente atualizados? Deve-se atualizar as atividades dos cronogramas dos planos de melhoria vencidas até a data da reunião de monitoramento.

22 REUNIÃO DE PRÉ-STATUS REPORT Com o intuito de garantir um mínimo de padronização e Transição uniformização do entendimento da Reunião de Pré-Status, resultando na melhoria das informações geradas, o NCGERAES durante determinado tempo irá acompanhar as AGEIs nas Reuniões em uma OPERAÇÃO ASSISTIDA. Operação assistida é a execução de determinada atividade com determinado auxílio, de forma que se consiga transmitir o máximo de conhecimento possível até que esse auxílio não seja mais necessário.

23 Operação Assistida: REUNIÃO DE PRÉ-STATUS REPORT SEE SETE SETUR SEAPA ARMBH SEC SEDE SEDVAN SES SECOPA SEDS SEDRU SECTES SEEJ SEDESE SEMAD SETOP SEPLAG SEF EPE out/12 nov/12 dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 Transição

24 REUNIÃO DE STATUS REPORT Redirecionamento de foco: Transição Menos informativa e mais resolutiva; Informações devem estar disponíveis e tratadas previamente; Busca pela integração entre os projetos e processos; Monitoramento dos riscos.

25 REUNIÃO DE STATUS REPORT Roteiro: Visão geral do Programa Projetos Transição Taxa de execução Situação no mês anterior Situação Atual Físico Financeiro Físico Financeiro Caminhos de Minas 18,26% K K L K Nova Metrópole 93,02% K J L J Processos Taxa de execução Situação no mês anterior Situação Atual Indicadores Financeiro Indicadores Financeiro Manutenção e Recuperação da Malha Viária Pavimentada e não Pavimentada 50,00% K K K L

26 REUNIÃO DE STATUS REPORT Roteiro: Resumo da situação dos Projetos e Processos Entregas Restrições Dificuldade em operacionalizar desapropriações conforme definição do BNDES, necessário apresentar contraproposta ao Banco. Necessário adequar cronograma de desembolsos à cronograma de liberação de recursos por parte da CODEMIG Marco Término planejado Tendência de Término Atraso Acesso Entr. BR-259 (Resplendor)-Santa Rita de Itueto concluído 30/11/ /12/ Acesso Passa Vinte-Entr. MG-457 concluído 31/12/ /07/ Acesso Cordislândia - São Gonçalo do Sapucaí concluído 30/09/ /09/ Financeiro Crédito Inicial Crédito Autorizado Cota Aprovada Despesa Empenhada Despesa Liquidada Saldo de Cota Aprovada Saldo de Empenho Solicitação , , , , , , , ,00 Solicitação de Setembro referente às medições do mês corrente, incluindo betuminoso e supervisão

27 Roteiro: Integração no Programa REUNIÃO DE STATUS REPORT Oportunidades de Integração Utilização de mão de obra de presos para execução de obras: necessário alinhar junto à SEDS (Helil Brunzadelli) para que os novos editais prevejam a utilização de mão de obra, de acordo com a localização geográfica das Unidades Prisionais; Alinhar junto à SEGEM para que localização das Novas Centralidades leve em consideração os trechos do Caminhos de Minas priorizados na RMBH. Restrições Sistêmicas Elevado saldo de empenho nas ações orçamentárias do DER tem dificultado o fluxo de liberação de cotas.

28 Gerentes O QUE SE ESPERA AGEI NCGERAES Pré-Status Informações atualizadas no Sistema sobre o andamento do Projeto / Processo; Solicitação de cotas orçamentárias; Encaminhamento de soluções sob seu alcance. Análise crítica das informações; Elaboração de Planos de Ação; Encaminhamento de soluções internas à Secretaria. Apoio metodológico; Status Report De projeto Informações atualizadas; Encaminhamento de soluções sob seu alcance. De programa Promoção da integração no programa e resolução de restrições em nível estratégico Validação das cotas solicitadas para o mês. Informações qualificadas e tratadas sobre Projetos e Processos; Análise crítica das informações; Elaboração de Planos de Ação. Encaminhamento a questões que fogem da alçada da AGEI; Integração entre projetos e processos. Liberação de cota. Comitê de Resultados De Programa, Projeto e Processo Discussão dos principais entraves do seu Programa. Preparação do Secretário e dos Gerentes de Programa; Encaminhamento interno e apoio à execução dos Planos de Ação. Preparação e apresentação do Comitê. Registro dos Planos de Ação; Encaminhamento da ata da reunião.

29 AGENDA Encontro dos Coordenadores 20/09/2012 Objetivos das iniciativas a serem apresentadas; Sistemática de monitoramento do portfólio estratégico; Avaliação das AGEIs pela coordenação técnica; Avaliação da coordenação técnica pelas AGEIs; Planejamento 2013.

30 AVALIAÇÃO PELA COORDENAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Histórico Avaliação pelas Partes Interessadas Avaliação pela Coordenação Técnica Avaliação pelos Clientes Internos

31 AVALIAÇÃO PELA COORDENAÇÃO TÉCNICA Quem avalia Subsecretária AMG Comitê de Coordenação Técnica das AGEIs Coordenação NCGERAES Coordenação Setorial NCGERAES

32 AVALIAÇÃO PELA COORDENAÇÃO TÉCNICA Aspectos metodológicos 1 Cumpre com seu papel e suas responsabilidades nas metodologias, seguindo os fluxos determinados pelas mesmas. 2 Utiliza corretamente as ferramentas e elabora os relatórios e documentos definidos para a execução das metodologias. Relacionamento e Informação 3 Presta informações com tempestividade e qualidade. 4 Apresenta postura adequada nas reuniões. 5 Tem profundo conhecimento das atividades do Sistema Operacional. Percepção de valor gerado 6 Age como um facilitador interna e externamente ao Sistema Operacional na execução das iniciativas estratégicas. 7 Age como indutor da gestão estratégica dentro do Sistema Operacional e contribui para a melhoria da mesma. 8 Contribui para a existência de alinhamento organizacional entre a SEPLAG e seu respectivo Sistema Operacional, e de alinhamento dentro do próprio Sistema, entre seu órgão e as vinculadas.

33 AVALIAÇÃO PELA COORDENAÇÃO TÉCNICA Forma de avaliação A Avaliação é composta por 08 itens, aos quais deve ser atribuída uma nota, que varia de acordo com a escala abaixa. Item atendido muito abaixo do esperado Item atendido abaixo do esperado Item atendido próximo ao esperado Item atendido conforme esperado

34 AGENDA Encontro dos Coordenadores 20/09/2012 Objetivos das iniciativas a serem apresentadas; Sistemática de monitoramento do portfólio estratégico; Avaliação das AGEIs pela coordenação técnica; Avaliação da coordenação técnica pelas AGEIs; Planejamento 2013.

35 AVALIAÇÃO DA COORDENAÇÃO TÉCNICA Objetivo: O objetivo central da Avaliação da Coordenação Técnicas pelas AGEIs é receber feedback da atuação da Coordenação Técnica, de forma a verificar se a mesma está gerando valor para o trabalho da AGEI, além de possibilitar possíveis redirecionamentos de ação por parte da SEPLAG.

36 AVALIAÇÃO DA COORDENAÇÃO TÉCNICA A Coordenação Técnica é... AMG NCIS NCGERAES AGI NCIM NCPO

37 AVALIAÇÃO DA COORDENAÇÃO TÉCNICA Aspectos metodológicos 1 Dissemina as metodologias relacionadas à Gestão da Estratégia Governamental. 2 Define e elabora metodologias relacionadas à Gestão da Estratégia Governamental Transição respeitando as especificidades dos órgãos. 3 Fornece apoio metodológico à AGEI para o cumprimento das metodologias. 4 Cumpre com seu papel e suas responsabilidades nas metodologias, seguindo os fluxos determinados pelas mesmas. Relacionamento e Informação 5 Apresenta disponibilidade para prestar esclarecimentos sempre que necessário. 6 Apresenta demandas tempestivas e estruturadas para as AGEIs. 7 Apresenta postura colaborativa e profissional nas reuniões. 8 Tem conhecimento satisfatório sobre as atividades desenvolvidas pelos órgãos. Percepção de valor gerado 9 Atua como articulador entre Secretarias de Estado quando necessário. 10 Promove o desenvolvimento profissional e organizacional das AGEIs e suas equipes.

38 AVALIAÇÃO PELA COORDENAÇÃO TÉCNICA Feedback Relatório de Avaliação pela Coordenação Técnica; Momento presencial: Feedback por parte da SEPLAG em relação à Avaliação pela Coordenação Técnica das AGEIs; Respostas estruturadas aos questionamentos das Rodadas de Diálogo; Feedback por parte da AGEI em relação à Avaliação pelas AGEIs da Coordenação Técnica.

39 AVALIAÇÃO DA COORDENAÇÃO TÉCNICA Cronograma dos encontros de feedback: AGEI DATA HORA AGEI DATA HORA AGE 05/out 14:00 SEDVAN 03/out 09:00 ARMBH 04/out 10:00 SEE 08/out 11:00 CGE 05/out 16:00 SEEJ 04/out 17:00 OGE 05/out 15:00 SEF 01/out 15:00 SEAPA 28/set 16:00 SEGOV 02/out 10:00 SEC 04/out 09:00 SEMAD 04/out 15:00 SECCRI 02/out 11:00 SEPLAG 01/out 10:00 SECTES 04/out 16:00 SES 03/out 11:00 SEDE 03/out 10:00 SETE 28/set 15:00 SEDESE 04/out 14:00 SETOP 01/out 16:00 SEDRU 28/set 11:00 SETUR 02/out 09:00 SEDS 08/out 10:00

40 AVALIAÇÃO DA COORDENAÇÃO TÉCNICA Participarão dos encontros: Subsecretária de Gestão da Estratégia Governamental; Assessor Chefe da AGEI; Coordenadora Geral do NCGERAES; Coordenador Setorial do NCGERAES; Assessor Chefe da AMG. As salas serão marcadas e encaminhadas em momento posterior.

41 AGENDA Encontro dos Coordenadores 20/09/2012 Objetivos das iniciativas a serem apresentadas; Sistemática de monitoramento do portfólio estratégico; Avaliação das AGEIs pela coordenação técnica; Avaliação da coordenação técnica pelas AGEIs; Planejamento 2013.

42 PLANEJAMENTO 2013 Nome da tarefa Duração Início Término Responsável Planejamento 2013 do Portfólio Estratégico 89 dias Seg 01/10/12 Qui 31/01/13 Reunião de start 0 dias Seg 01/10/12 Seg 01/10/12 Programas Estruturadores 5 dias Seg 01/10/12 Sex 05/10/12 Atualização de Informações de Programa no Sistema 5 dias Seg 01/10/12 Sex 05/10/12 GERAES

43 PLANEJAMENTO 2013 Nome da tarefa Duração Início Término Responsável Projetos Estratégicos 89 dias Seg 01/10/12 Qui 31/01/13 Revisar a declaração do escopo e estratégia de implementação, inclusive EAP Análise interna de informações inseridas no sistema 15 dias Seg 01/10/12 Sex 19/10/12 AGEI e Gerentes 5 dias Seg 22/10/12 Sex 26/10/12 GERAES Detalhamento do planejamento (metas e marcos) 30 dias Seg 29/10/12 Sex 07/12/12 GERAES, AGEI e Gerentes Apresentação do planejamento aos gerentes de Programa 9 dias Seg 10/12/12 Qui 20/12/12 GERAES Realização de ajustes 6 dias Sex 21/12/12 Sex 28/12/12 GERAES, AGEI e Gerentes Realização de workshops de Riscos 22 dias Qua 02/01/13 Qui 31/01/13 AGEI

44 PLANEJAMENTO 2013 Nome da tarefa Duração Início Término Responsável Processos Estratégicos 50 dias Seg 01/10/12 Sex 07/12/12 Revisão da Ficha de Processo 6 dias Seg 01/10/12 Seg 08/10/12 AGEI e Gerentes Análise interna de informações inseridas no sistema 5 dias Ter 09/10/12 Seg 15/10/12 GERAES Revisão dos Planos de Melhoria 19 dias Ter 16/10/12 Sex 09/11/12 GERAES, AGEI e Gerentes Revisão dos Indicadores e metas 20 dias Seg 12/11/12 Sex 07/12/12 GERAES, AGEI e Gerentes

45 PLANEJAMENTO 2013 Nome da tarefa Duração Início Término Responsável 1ª Etapa do Acordo de Resultados 60 dias Qua 02/01/13 Ter 26/03/13 Preparação Interna 8 dias Qua 02/01/13 Sex 11/01/13 GERAES Reuniões de discussão da proposta preliminar com gabinete SEPLAG 10 dias Seg 14/01/13 Sex 25/01/13 GERAES Apresentação da proposta de Acordo aos órgãos 10 dias Seg 28/01/13 Sex 08/02/13 GERAES Discussão e ajustes 14 dias Seg 11/02/13 Qui 28/02/13 GERAES Reuniões de Pré-Pactuação 12 dias Sex 01/03/13 Seg 18/03/13 GERAES Assinatura do Acordo 1 dia Ter 26/03/13 Ter 26/03/13 GERAES

46 PLANEJAMENTO 2013 Nome da tarefa Duração Início Término Responsável 2ª Etapa do Acordo de Resultados 147 dias Seg 01/10/12 Ter 23/04/13 Matriz de Aderência 68 dias Seg 01/10/12 Qua 02/01/13 Fechar proposta macro de matriz de aderência 23 dias Seg 01/10/12 Qua 31/10/12 Adriane, Coordenadores GERAES, Rodrigo Fechar proposta de matriz para cada órgão 22 dias Qui 01/11/12 Sex 30/11/12 GERAES Apresentação CCGPGF 20 dias Seg 03/12/12 Sex 28/12/12 Adriane Disponibilizar matriz aos órgãos 3 dias Seg 31/12/12 Qua 02/01/13 GERAES Elaboração das minutas da 2ª Etapa do AR 102 dias Seg 03/12/12 Ter 23/04/13 Realizar ajustes nos mapas estratégicos 21 dias Seg 03/12/12 Seg 31/12/12 AGEI Discussão de metas com equipes 71 dias Ter 01/01/13 Ter 09/04/13 AGEI Validação com dirigente máximo 5 dias Qua 10/04/13 Ter 16/04/13 AGEI Envio de minuta assinada para SEPLAG 5 dias Qua 17/04/13 Ter 23/04/13 AGEI

47

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETÁRIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Renata Maria Paes de Vilhena SUBSECRETÁRIA DE

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM GESTÃO FINANCEIRA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.307, DE 20 DE MARÇO DE 2014. (publicado no DOE n.º 055, de 21 de março de 2014) Estabelece o Sistema

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para apoiar a gestão de projetos e o monitoramento da estratégia institucional.

Estabelecer critérios e procedimentos para apoiar a gestão de projetos e o monitoramento da estratégia institucional. APOIAR E MONITORAR A GESTÃO ESTRATÉGICA E DE PROJETOS DO PJERJ Proposto por: Equipe do Departamento de Gestão Estratégica e Projetos (DGDIN/DEGEP) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão Estratégica

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 O trabalho faz a diferença. Manaus, maio de 2007. Manual de Operação do Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento -

Leia mais

Plano de Comunicação

Plano de Comunicação PLANO DE COMUNICAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS PMIMF Plano de Comunicação É o artefato que visa planejar e documentar a comunicação existente entre os projetos, o escritório de projetos, o Ministério da

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007

Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007 Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007 Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas

Leia mais

MONITORAMENTO 2008. Este documento visa indicar as alterações no módulo do monitoramento para o exercício 2008.

MONITORAMENTO 2008. Este documento visa indicar as alterações no módulo do monitoramento para o exercício 2008. MONITORAMENTO 2008 O Módulo de Monitoramento no SIGPlan apresenta algumas alterações em relação aos anos anteriores. Estes ajustes visam incorporar a estrutura do PPA 2008 2011 e facilitar o acesso e a

Leia mais

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 05/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 18 de maio de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CURSO DE FISIOTERAPIA

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CURSO DE FISIOTERAPIA ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CURSO DE FISIOTERAPIA NORMAS GERAIS PARA REALIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Conforme decisão do colegiado do Curso

Leia mais

Sistema de Gestão do Planejamento da ANEEL SIGANEEL. Anna Flávia de Senna Franco Superintendente de Planejamento da Gestão

Sistema de Gestão do Planejamento da ANEEL SIGANEEL. Anna Flávia de Senna Franco Superintendente de Planejamento da Gestão Sistema de Gestão do Planejamento da ANEEL SIGANEEL Anna Flávia de Senna Franco Superintendente de Planejamento da Gestão Brasília, 03 de abril de 2009 1 Estrutura Básica do Planejamento Política Governamental

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

CONVERJ Analisar Proposta

CONVERJ Analisar Proposta 1 CONVERJ Analisar Proposta Concedente Versão 1.3 Outubro/2014 2 Sumário 1 Como analisar uma Proposta?... 3 1.1 Analise Técnica... 7 1.2 Pronunciamento Coordenador... 10 1.3 Registrar Escolha do Proponente...

Leia mais

Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação Monitoramento do PPAG; Sistema de

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?)

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?) Reunir com o Gabinete do Procurador-Chefe, para apresentação da metodologia de trabalho março, Anna e Vânia Castro Consolidar a lista de procedimentos e rotinas que serão mapeadas em toda a PRR1 1 "Mapear

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROJETO

PLANEJAMENTO DO PROJETO PLANEJAMENTO DO PROJETO 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O presente projeto foi aberto para realizar a gestão de todos os processos de prestação de serviços de informática, fornecimento de licença de uso perpétua,

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM LICITAÇÕES PARA O

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

Status da Gestão de Projetos

Status da Gestão de Projetos DEZ/2013 Status da Gestão de Projetos Procuradoria Geral da República PGR 4 º Encontro de Gerentes de Projetos do MPF Monitoramento e Controle de Projetos Assessoria de Modernização e Gestão Estratégica

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado.

Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado. MODELODEPROJETODEPESQUISA (Form_pesq_01) TÍTULO DO PROJETO Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado. AUTORES Relacionar todos os autores participantes do projeto: coordenador,

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

SME Sistemática de Monitoramento Estratégico

SME Sistemática de Monitoramento Estratégico SME Sistemática de Monitoramento Estratégico Secretaria-Geral de Governo Gestão para Resultados Premissas e principais desafios Eixos programáticos Recuperação das funções públicas do Estado Ativação e

Leia mais

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) PMI O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? O PMBoK Guide 3º Edition (2004) é uma denominação que representa todo o somatório de conhecimento dentro da área de gerenciamento de projetos, além de fornecer uma

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO Estratégia & Desempenho Empresarial Gerência de Análise e Acompanhamento de Projetos de Investimento Março 2010 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Brazil Improvement Plan Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Programme Title: MDGs beyond averages: Promoting Food Security and Nutrition for Indigenous Children in Brazil Rascunho do Plano

Leia mais

PMO AeC: RESULTADOS OBTIDOS Fernando Parreiras e Vera Lott

PMO AeC: RESULTADOS OBTIDOS Fernando Parreiras e Vera Lott PMO AeC: RESULTADOS OBTIDOS Fernando Parreiras e Vera Lott 2 NECESSIDADES Controle Padronização Complexidade COLABORAÇÃO Necessidades executivas Utilização amigável NECESSIDADES PÚBLICO INTERNO Executivos

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Elaboração do Projeto de Pesquisa

Elaboração do Projeto de Pesquisa Elaboração do Projeto de Pesquisa Pesquisa Pesquisa é um conjunto de atividades, que tem como finalidade solucionar e esclarecer dúvidas e problemas; comprovar hipóteses; Utiliza procedimentos próprios,

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Versão 1.0 Setembro de 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Felipe de Souza Leão Gabinete do Secretário

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line Sistema on-line O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de

Leia mais

Gestão de Projetos. Treinamento dos APGE s. Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF

Gestão de Projetos. Treinamento dos APGE s. Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF 2014 Gestão de Projetos Treinamento dos APGE s Procuradoria Geral da República PGR Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF Assessoria de Modernização

Leia mais

Descentralização de acesso a informação aos dados funcionais por meio de consulta ao Sistema de Administração de Pessoal SISAP

Descentralização de acesso a informação aos dados funcionais por meio de consulta ao Sistema de Administração de Pessoal SISAP Descentralização de acesso a informação aos dados funcionais por meio de consulta ao Sistema de Administração de Pessoal SISAP Julho 2014 1 Sumário Categoria:... 3 Temática:... 3 Ementa:... 3 Ideia:...

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Painel de Contribuição ASGE (Outubro/2015)

Painel de Contribuição ASGE (Outubro/2015) ASGE (Outubro/2015) Objetivo Estratégico / Iniciativa Estratégica/ Meta Estratégica 1. Alcançar 82% dos Projetos dentro do Prazo/ Aperfeiçoar a gestão de projetos 2. Implementar a Gestão de Riscos a) Criar

Leia mais

GESTORES/FISCAIS INSTITUCIONAIS. Módulo Monitoramento Obras 2.0 - FNDE

GESTORES/FISCAIS INSTITUCIONAIS. Módulo Monitoramento Obras 2.0 - FNDE GESTORES/FISCAIS INSTITUCIONAIS Módulo Monitoramento Obras 2.0 - FNDE CGIMP 06/09/2013 Como consultar e preencher o Modulo Monitoramento de Obras Simec 2.0 Sumário 2 Definições Apresentando o Sistema Integrado

Leia mais

Apresentação. O acompanhamento dos planos de ação que vierem a seguir a ferramenta é de responsabilidade da unidade autora e executora da proposta.

Apresentação. O acompanhamento dos planos de ação que vierem a seguir a ferramenta é de responsabilidade da unidade autora e executora da proposta. Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Ceará Secretaria Especial de Planejamento e Gestão FERRAMENTA PARA ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE PLANOS DE AÇÃO 1 Apresentação Com o objetivo de oferecer

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Relatório da Comissão de Avaliação do Termo de Parceria celebrado entre FEAM e FIP

Relatório da Comissão de Avaliação do Termo de Parceria celebrado entre FEAM e FIP 8º Relatório da Comissão de Avaliação (CA) do Termo de Parceria celebrado entre a Fundação Estadual do Meio Ambiente e a OSCIP Fundação Israel Pinheiro. Período Avaliatório: 07 de maio de 2010 a 31 de

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. por. Fábio Zschornack Clarissa Tarragô Candotti CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. por. Fábio Zschornack Clarissa Tarragô Candotti CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS por Fábio Zschornack Clarissa Tarragô Candotti CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR Conforme

Leia mais

FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR

FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR Versão 4.0 Histórico de Revisão do Manual Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 14/09/2012 Documento 1.1 2.0 3.0 4.0 Equipe suporte

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO PERÍODO AVALIATÓRIO: 2011 Belo Horizonte, 18 de Junho de 2012. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DO SISTEMA

Leia mais

1. Objetivos da 2ª Etapa do Treinamento de Avaliadores:

1. Objetivos da 2ª Etapa do Treinamento de Avaliadores: ª 1. Objetivos da 2ª Etapa do Treinamento de Avaliadores: Etapas do Processos de Avaliação Abordar de maneira descritiva cada etapa do Processo de Avalição na prática. Etapas do Processos de Avaliação

Leia mais

Eventos Anulação e Retificação

Eventos Anulação e Retificação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios SICONV Eventos Anulação e Retificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E VOLUNTARIADO EM INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (ENSINO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos PROCESSO SELETIVO 2011 Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos REGULAMENTO Prezado Gestor, Criado em 2006, o Instituto HSBC Solidariedade é responsável por gerenciar

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório.

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais REGULAMENTO 001, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. Regula o Monitoramento da Inserção e das Atividades

Leia mais

EDITAL UFRGS CT- INFRA 2013

EDITAL UFRGS CT- INFRA 2013 EDITAL UFRGS CT- INFRA 2013 A UFRGS lança este edital interno com vistas a receber propostas de financiamento no âmbito da Chamada Pública MCTI/FINEP/CT-INFRA 01/2013

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE

TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE Brasília/DF Agosto/2015 Sumário Introdução... 2 1 Sistema de Gestão Estratégica... 3 2 Colegiados Em Rede... 5 2.1 Menu Cadastro... 6 2.1.1 Dados do Colegiado... 7 2.1.2 Composição

Leia mais

ESCRITÓRIO CORPORATIVO DE PROJETOS (ECP) Reunião de Acompanhamento com Gerentes de Projetos Estratégicos 17 de dezembro de 2013

ESCRITÓRIO CORPORATIVO DE PROJETOS (ECP) Reunião de Acompanhamento com Gerentes de Projetos Estratégicos 17 de dezembro de 2013 ESCRITÓRIO CORPORATIVO DE PROJETOS (ECP) Reunião de Acompanhamento com Gerentes de Projetos Estratégicos 17 de dezembro de 2013 AGENDA 1. PRINCIPAIS AÇÕES 2013 2. PRINCIPAIS RESULTADOS (ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS Departamento de Logística e Serviços Gerais ÍNDICE PREPARAÇÃO... 3 A) IDENTIFICAÇÃO DA COMISSÃO GESTORA... 4 B) INSTITUIR POR

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 20/05/2016 17:15:31 Endereço IP: 201.76.165.227

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS Alberto Wajzenberg Gerente de Desenvolvimento Organizacional alberto.wajzenberg@eletrobras.com Brasilia 7 de novembro de 2013 GESTÃO DE PROCESSOS

Leia mais

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido,

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4.

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4. MANUAL TÉCNICO-OPERACIONAL DO MÓDULO DE MONITORAMENTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR Brasília/DF, 23 julho de 2009 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSO AO SISTEMA... 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO...6

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Modelo de Referência Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Versão 1.0 Premissas do modelo 1. Este modelo foi extraído do material didático do curso Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS ROTEIRO DE VLIÇÃO DE PROGRMS valiação de Programas O roteiro de avaliação de programa constitui-se em um instrumento de coleta padronizado e utilizado, obrigatoriamente, para todos os programas do PP 2008-2011.

Leia mais