FUNDAMENTOS DA PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE DROGAS ENTRE ESTUDANTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS DA PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE DROGAS ENTRE ESTUDANTES"

Transcrição

1 FUNDAMENTOS DA PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE DROGAS ENTRE ESTUDANTES Saulo Rios Mariz' Josilene Pinheiro Mariz' Maria Esther Candeira Valois'" Érico Brito VaI' RESUMO Este trabalho apresenta uma revisão sobre os fundamentos teóricos da prevenção ao uso indevido de drogas, analisando aspectos como: padronização conceitual; trajetória e ideologia de ações preventivas; modelos de prevenção propostos para a escola; o controle do uso de drogas no ambiente de trabalho e ainda, o meio universitário como fator de risco ao abuso de drogas. Apresentam-se diretrizes essenciais para a implementação de _ programas preventivos ao uso indevido de drogas a fim de contribuir para que tais ações sejam otimizadas racionalizando recursos e maximizando resultados. Palavras-chave: Uso indevido de drogas, prevenção, escolas, educação. ABSTRACT This work presents a review of the theoretical basis for drug abuse prevention. It analyzes aspects such as the standardization of concepts, the trajectory and ideology of preventive measures, proposed prevention models for schools, the control of drug abuse in the workplace, and the university environment as a breeding Professor de Toxicologia - Departamento de Farmácia - UFMA. Mestre em Toxicologia - USP. R. dos Duques, Q M, BI 01, Ap São Luís-MA. CEP: \40. sj Professora do Colégio Universitário - UFMA. Mestre em Letras - USP Professora de Toxicologia - Departamento de Farmácia - UFMA. Doutora em Toxicologia - USP. Graduando em Farmácia-Bioquímica - UFMA. Bolsista de Extensão - UFMA Cad. Pesq.. São Luís. v. 14. n 1. p , jan.ijun

2 ground for drug abuse. It presents essential pattems for the implementation of drug abuse prevention programmes in order to ensure that measures are as effective as possible, through rationalising resources and maximising results. Keywords: drug abuse, prevention, schools, education. 1 INTRODUÇÃO o uso de substâncias psicoativas com o objetivo de obtenção de efeitos subjetivos, denominado de uso indevido (MOREAU, 1996, p. 233), tem acompanhado o ser humano ao longo de sua história. Talvez, tal fato se deva, entre outros fatores, ao desejo (ou necessidade) latente que cada indi víduo tenha de "autotranscender", de romper com a "armadura de pele" que o limita, ou ainda, de "tirar umas férias químicas de si mesmo" (AQUINO, 1998, p.ll; SÃO PAULO, 2000, p.25)..ultimamente, tal prática tem crescido e se iniciado cada vez mais cedo na vida humana, constituindo-se como um problema de saúde pública significativoem:fi.mção dos prejuízos individuais e coletivos que acarreta (GALDUROZ et ai, 1997, p. 105; NOTO et ai, 1999, p.38). Entre os vários níveis de combate ao uso de drogas, destaca-se a prevenção, face aos evidentes fracassos da priorização de investimentos exclusivamente em repressão e as dificuldades inerentes ao tratamento da farmacodependência, um dos principais malefícios do uso indevido de psicoativos, que hoje é compreendida como uma patologia de etiologia complexa e que tem na interdisciplinaridade, um dos pilares da moderna intervenção terapêutica (CONTRIM, 1999, p.58; SAAD, 2001, p.28; SILVAeMARIZ,2000,p.171). Na perspectiva da prevenção ao uso de drogas, o meio estudantil, inclusive o universitário, destaca-se como clientela prioritária pois tem sido apresentado como estimulante à experimentação de drogas em função das oportunidades, desafios, frustrações e influências que oferece aos jovens, associado às peculiaridades desta faixa etária 70 càd. Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p , jan.rjun. 2003

3 (CONTRIM, 1999, p.62; FREITAS, 1999, p.50; PIMONT, 1982, p.1279). Por outro lado, o uso de drogas no ambiente de trabalho tem despertado a preocupação de empregadores e instituições sindicais de tal modo que, atualmente, o combate ao uso de drogas tem sido incluído em sistemas de qualidade empresarial (BARRETO,. 2000, p.55). Atualmente está bem estabelecido que a prevenção ao uso indevido de drogas deve constar de ações sistemáticas desenvolvidas em um programa através da viabilização de projetos diversos considerando pontos indispensáveis entre os quais destacamos: a necessidade de uma equipe coordenadora devidamente treinada sobre o assunto e capacitada areproduzir ações de formação de novos agentes multiplicadores; a realização de inquéritos. epidemiológicos sobre o uso de droga para diagnóstico de realidades específicas e posterior acompanhamento; realização de eventos de sensibilização da população alvo a fim de estimular a discussão sobre o tema e o surgimento de sugestões aproveitáveis além de diversas outras atividades que objetivem fornecer ao ser humano forrnasaltemativas (às drogas) de obtenção de prazer, tais como: engajamento em projetos sociais, desenvolvimento artístico-cultural, práticas esportivas, entre outras (AQUINO,1998,p.27;PEREIRA efiglie,2002,p.02; CONTRIM, 1999, p.63; NIDA, 2002, p.oi; SÃO PAULO, 2000, p. 83) que não se pode mais admitir é o reducionismo da prevenção a ações informativas esporádicas sobre eventuais maleficios do uso de drogas, considerando-se que o simples fato de estar informado sobre os prejuízos de determinado comportamento não se constitui como fator determinante para abandono deste pelo ser humano. (AQUINO, 2001,p.186). Além disso, tal procedimento pode funcionar como uma "droga" para os responsáveis pela comunidade trabalhada, entorpecendo-os, anestesiando as consciências, fazendo-os pensar que cumpriram com sua missão de "proteger" a saúde de seus atendidos quando, na verdade, nenhum resultado concreto pode ser evidenciado. Sendo assim, este trabalho pretende, mediante uma ampla re- Cad. Pesq., São Luís, v. 14,-n. l, p , jan.rjun

4 visão bibliográfica, aglutinar informações e reflexões sobre os principais aspectos a serem considerados quando da realização de um programa de prevenção ao uso indevido de drogas psicotrópicas. 2 PADRONIZAÇÃO CONCEITUAL Nos últimos anos muitos conceitos têm mudado no estudo da dependência química pelo uso de substancias que alteram a atividade mental. Desse modo, esclarecer o significado de alguns termos é de fimdamental importância para comunicação de experiências sobre o assunto. A Organização Mundial da Saúde (OMS) defrne droga como toda e qualquer entidade química (ou conjunto de entidades) que produzem uma ou mais modificações no fimcionamento normal do organismo. Se tais alterações são benéficas para o usuário a droga é chamada de medicamento, se maléficas, estamos diante do tóxico, sempre considerando-se que um medicamento pode se tomar em um agente tóxico e vice- versa' dependendo do uso dado ao produto. Quando a droga tem a propriedade de agir alterando as funções cerebrais recebe o nome de droga psicoativa ou psicotrópica (MOREAU, 1996, p.231; SÃO PAULO, 2000, p.4). Contudo, alguns autores ressaltam a importância da diferenciação entre Droga e Fármaco. Segundo estes, ao nos referirmos ao produto deveríamos usar o termo Droga, enquanto que Fármaco seria um termo mais apropriado para a substância química com atividade biológica, ou seja o princípio ativo. Desse modo, só para citar alguns exemplos, as folhas ou o cigarro de maconha seriam a droga enquanto que o tetrahidrocanabinol seria o principal fármaco responsável pelos efeitos subjetivos desta droga; o pó de cocaína ou as pedras de Crack: as drogas, enquanto que a cocaína (substância química): o fármaco (MOREAU, 1996, p.233). Apesar disso, é comum entre profissionais da área e diversos autores de textos científicos, o uso dos termos: "Droga" e "Fármaco" como sinônimos, referindo-se à substância química. biologicamente ativa. Os fármacos psicotrópicos são substâncias que, após absor- 72 Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p.69-87,jan.ljun. 2003

5 vidas, agem em regiões específicas do cérebro (especialmente núcleo acúrnbens) aumentando a concentração de neurotransmissores (especialmente doparnina) e conseqüentemente o funcionamento deste orgão. O usuário experimenta sensações extremamente agradáveis denominadas genericamente de efeitos de recompensa. Estes englobam sensações de prazer intenso (semelhante ao sexual, porém mais intenso e generalizado), alterações agradáveis do humor e da percepção, ou ainda, alívio de tensões. Quanto maior for a capacidade da droga de produzir recompensa, maior será o desejo incontrolável do indivíduo em repetir e prosseguir com o uso desta droga. Esta capacidade é conhecida corno propriedade reforçadora ou simplesmente reforço (MOREAU, 1996,p.236). A utilização de drogas para alteração da consciência e do comportamento é chamado de uso indevido, considerando-se que alguns psicotrópicos podem ser utilizados com finalidade terapêutica, ou seja, de modo devido. Contudo, nem todos os usuários de psicotrópicos são dependentes destes. O indivíduo com um uso experimental, inicia onde se dá o primeiro contato com a droga. Dependendo de quão agradável for esta experiência e de outros fatores influentes corno os ligados ao meio social ou às suscetibilidades individuais, o usuário poderá nunca mais voltar a usar o produto ou então aumentar a freqüência de uso indo para outra categoria chamada de ocasional, onde a droga é usada quando se tem urna ocasião estimuladora ou favorecedora. Se a utilização se dá independente de motivações externas e com uma determinada periodicidade temos o uso freqüente. No momento em que o usuário já não tem mais controle sobre o usar ou não a droga é porque muito provavelmente já se tenha instalado a farrnacodependência (SÃO PAU- LO, 2000, p.l0). A Dependência química, j á reconhecida pela OMS corno doença primária, pode ser entendida como[...] um comportamento de busca ativa pela droga tão intenso e fortemente reforçado que se torna dominante [... ] (MOREAU, 1996, p.234). Para diagnóstico preciso desta patolo- Cad. Pesq., São Luís, v. J 4, n. J, p , jan.ijun

6 gia temos estabelecidos alguns critérios bem específicos tais como, segundo Palhano (2000, p.26 ): - Forte desejo de consumo: Varia em função do potencial de reforço da substância, ou seja, da capacidade desta em causar dependência. Este desejo incontrolável de usar a droga é popularmente conhecido como "fissura". - Priorização de consumo: No momento em que o organismo reclama pela droga, nada mais é importante para o dependente além de usar mais uma dose. O indivíduo fará o que for preciso para conseguir outra dose. Outras atividades, antes importantes, passam a ocupar um lugar secundário. Pode-se observar queda de desempenho nos estudos ou trabalho, além de graves problemas de relacionamento fumiliar. - Síndrome de Abstinência: conjunto de sinais e sintomas decorrentes da falta da substancia no organ ismo. Geralmente são opostos aos efeitos da droga no organismo. - Tolerância: necessidade de usar doses do fármaco psicotrópico cada vez maiores para obtenção dos efeitos conseguidos no início do processo. Chega-se a um nível de desgaste orgânico tal que o usuário passa a consumir o produto apenas para manutenção do equilíbrio psíquico. Além destes, outros pontos podem ser considerados como por exemplo, a possibilidade de recaídas após um período de abstinência evidenciando a dificuldade em manter-se em abstinência e a continuidade da utilização apesar da constatação de danos evidentes ao próprio paciente. Deve-se atentar para o fato de que termos como dependência fisica e psicológica, drogado, viciado, alcoólatra, entre outros, tornaram-se obsoletos devendo ser evitados, ou por serem pejorativos ou simplesmente por não colaborarem com a compreensão dos complexos mecanismos de instalação e progressão da farmacodependência, 3 TRAJETÓRIA E PERSPECTIVAS o uso de drogas psicotrópicas pelo homem é bastante antigo. Contudo, somente no século passado a compreensão dos maleficios do uso indevido de drogas se tornou mais significativa ao 74 Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p.69-87,jan./jun

7 ponto da sociedade se movimentar no sentido de combater, controlar ou prevenir o uso destas substâncias com atividade especial sobre a mente. A idéia de se exercer controle social sobre o uso de drogas manifestou-se inicialmente no início do século XIX em países como Estados Unidos (EUA) e alguns da Europa. Os movimentos de combate às drogas cresceram não somente porque contavam com o esforço de pessoas comprometidas com a melhoria da saúde pública, mas muitas vezes porque determinado discurso era útil à ideologia dominante. Podese citar como exemplos a proibi-. ção ao uso de bebidas alcoólicas nos EUA como forma de encontrar um "responsável" para os insucessos do propalado "sonho americano" de prosperidade ejustiça social e ainda a proibição, neste mesmo país e ao final do mesmo século, do uso do ópio como uma forma de expulsar os imigrantes chineses que, em função do término da construção de ferrovias e da exploração de minérios no oeste americano, já começavam a competir pelos mesmos postos de trabalho que os americanos (CONTRIM, 1999, p.58). -Isso deve nos fazer refletir sobre quais os verdadeiros interesses que motivam ações de combate ao uso indevido de drogas a fim de não sermos manipulados em nossas boas intenções. Atualmente em nosso país as políticas de combate ao uso de drogas são fundamentadas na redução da oferta mediante a repressão policial ao tráfico e em termos de prevenção, autoridades e mídia esforçam-se em repassar informações sobre os diversos prejuízos das drogas ilícitas observando-se uma conivência aparentemente inexplicável com o uso indiscriminado de drogas lícitas como medicamentos, solventes, tabaco e, principalmente, bebidas alcoólicas. Alguns autores explicam que esta postura de maximização dos danos de drogas ilícitas, chegando-se a falar de uma "epidemia de uso de drogas", teria uma motivação politico-ideológica Em uma ideologia neoliberal prega-se a redução do estado e conseqüentemente da sua interferência na vida do cidadão passando este, a ser responsabilizado por seus pró-. Ca{L Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p.69-87,jan./jun

8 prios sucessos e fracassos. Considerando-se que os socialmente excluídos estão mais suscetíveis aos maleficios do uso de drogas ilícitas, tal política de "guerra às drogas" pode constituir-se como um aliado para legitimar o abandono social (CONTRIM, 1999, p.60). Recentemente, uma nova forma de compreender o problema tem sido apresentada pelos especialistas, denominada de Política de Redução de Danos. Esta visão parte do pressuposto que a construção de uma sociedade completamente isenta do uso de drogas é utopia e que mesmo que isso fosse possível, um adulto poderia exercer o seu livre arbítrio de dispor do seu próprio corpo conforme melhor lhe convier, desde que não prejudicasse a outro (BUCHER, 1992, p. 140). O que se precisa fazer é trabalhar para que os maleficios do uso destes produtos sejam ao máximo minimizados, com ênfase na redução da demanda por drogas através da educação não apenas informativa sobre maleficios das drogas, mas com finalidade de mudança de comportamento. Ainda deve-se priorizar esforços preventivos sobre as drogas lícitas que, estatisticamente, são muito mais prejudiciais para o indivíduo e a sociedade e, em se tratando de drogas ilícitas, a maior preocupação passa a ser com as drogas injetáveis pelos riscos de proliferação de doenças infecciosas. A redução de danos não é sinônimo de legalização de drogas, até porque compreende que o ideal seria a abstinência total ao uso de drogas, contudo, admite que, em alguns casos, pode ser proveitoso para a recuperação do indivíduo a substituição da droga usada por outra menos nociva e com menor propriedade reforçadora, como por exemplo a utilização de metadona (via oral) no tramento de dependentes de fármacos opiáceos como a heroína (BRASIL, 2001, p.11; CONTRIM, 1999, p.61). 4 A PREVENÇÃO NO MEIO ESTUDANTIL De um modo geral, a prevenção ao uso indevido de drogas deve ser uma preocupação de vários grupos sociais, em vários ambientes e níveis (VARGAS; NUNES; VARGAS, 1993, p.47). 76 Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p , jan./jun. 2003

9 Uma educação que priorize o diálogo, o respeito e a compreensão entre pais e filhos, sem dúvida contribuirá para a formação de indivíduos mais preparados para a rej eição de modelos artificiais e imediatistas de satisfação pessoal. Em nível comunitário o indivíduo deve ser, desde cedo, estimulado a inserção social através atividades diversas que visem o bem-estar da coletividade. No ambiente de trabalho, em função de questões ligadas principalmente à saúde e segurança do trabalhador, mas também relacionadas ao desempenho e à produtividade, o uso de drogas tem sido combatido inclusive com a implementação de programas específicos (SILVA, 1999, p.29). Alguns destes lançam mão de recursos bastante objetivos como, por exemplo, a realização de análises toxicológicas em amostras de urina para diagnóstico precoce do uso de drogas por parte dos indivíduos que formam a corporação. Contudo, deve-se cuidar para que isso não se constitua como forma de demissão sumária ou de exclusão, mas como meio de diagnóstico precoce do problema para encaminhamento adequado. Entre os diversos ambientes que requerem prevenção ao uso de drogas, a escola de ensino fundamental e médio tem sido apresentada como um dos mais propícios para ações desta natureza considerando-se diversas peculiaridades. (CENTRO..., 2000,p.34; GROSSO, 2000, p.26; MARIZ, 2000, p.95; MENEZES, 1998; NISKIER, 2000, p.41). Inicialmente, a clientela atendida pela escola encontra-se em uma faixa-etária que corresponde, segundo as estatísticas, à fase da vida onde a grande maioria das pessoas começa a experimentar alguma droga. Portanto, uma intervenção preventiva neste momento será muito mais eficaz no sentido de se interromper a tendência do usuário em prosseguir para outros níveis de utilização da droga em maior freqüência. Outras várias características da adolescência têm sido apresentadas como fatores de risco para o início do uso de drogas entre as quais podemos destacar a tendência de contestar o que é estabelecido como certo e a necessidade de inserção no grupo social, de ser aceito. (ASSOCI- AÇÃO..., 2002, p.l; CARPER Cad. Pesq., São Luís. v. 14, n. 1, p , jan./jun

10 e DIMOFF, 1992, p.82; INEM, 2001, p.122; OLIVEIRA e MELCOP, 2001, p.240) Outro ponto importante é que a escola representa um ambiente onde o adolescente passa grande parte do seu dia e ali está ávido pelo novo, aberto ao aprendizado, disposto a canalizar as efervescências pessoais para novas experiências. Se por um lado estas constatações podem funcionar como fatores de risco ao uso de drogas, por outro, ao conseguirse interceptá-ias pode-se encontrar formas objetivas de prevenir o uso de dro gas. Vários modelos de prevenção ao uso de drogas tem sido propostos, conforme: Bucher (1992, p. 148), Imesc (2001, p.1), Pereira e Figlie (2002, p.1) e Pereira e Silva (2002, p.1): - Modelo do conhecimento científico: acredita que o mais importante é informar, de modo exato e imparcial, os adolescentes quanto aos efeitos de cada droga sobre o organismo, inclusive sobre os efeitos prazeirosos quando do início da utilização, mas também sobre o processo de tolerância que induz a um desgaste destas sensações agradáveis iniciais. Segundo este modelo, um dos mais graves erros das ações preventivas no passado foi a ênfase apenas nos malefícios causados por psicoativos, ou seja a "demonização" das drogas sem reconhecimento dos efeitos agradáveis no início do uso. Quando o adolescente começava a experimentar e obtinha sensações prazerosas, desqualificava os seus educadores como pessoas que combatiam o uso de drogas por nunca terem experimentado seus efeitos. Ao começar a experimentar os efeitos desagradáveis, na grande maioria dos casos, o jovem já se encontrava em estágios mais avançados de utilização. - Modelo da educação para a saúde: prega que a prevenção ao uso de drogas deve ser apenas mais um dos temas trabalhados visando a adoção de um estilo de vida saudável, onde também seriam incluídas questões como reeducação alimentar e alimentação alternativa; preservação do meio ambiente; realização de atividades anti-estresse e orientação sobre sexualidade, entre outros temas transversais. Nesta perspectiva, é importante sincronizar as ações dos professores de cada disciplina fazendo com que estes, propiciem aos alunos não só a aplicação de co- 78 Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. J,p.69-87,jan./jun. 2003

11 nhecimentos adquiridos em sala de aula como também, a oportunidade de c~l!r.reender o problema sob óticas variadas. - Modelo da oferta de alternativas: ressalta a importância de se oferecer ao adolescente, formas alternativas de obtenção de prazer e realização pessoal, fazendo com que este não seja levado a usar a droga como recurso imediatista e egoísta para obtenção de um prazer transitório. De modo objetivo recomenda: atividades artísticas, culturais e esportivas; inserção em programas de orientação escolar para alunos de séries anteriores e ainda o estímulo ao desenvolvimento de um perfil empreendedor através da criação de núcleos empresarias ou programas comunitários, - Modelo da educação afetiva: destaca a necessidade urgente da modificação das condições de ensino a fim de melhorar a vivência escolar contribuindo para uma formação integral e sadia. Isso pode ser obtido por atitudes específicas e relativamente simples como o cuidar da auto-estima; das relações em grupo e do relacionamento entre professor e aluno; o desenvolvimento da habilidade em trabalhar ansiedades e frustrações; o estímulo à expressão oral e escrita; a democratização do ambiente escolar com uma maior participação tanto dos pais e responsáveis como da comunidade na qual a escola está inserida. Não é possível considerar que um modelo seja melhor que o outro. Obviamente que, dependendo das peculiaridade de cada realidade, talvez seja possível propor um destes como o mais apropriado, contudo, o ideal é que se consiga implementar o que de melhor é apresentado por cada um deste modelos preventivos. Isso nos faz constatar que, de fato, a prevenção ao uso de drogas na escola não deve fundamentar-se em eventos esporádicos, mas sim em um programa duradouro e consistente com ações que gerem resultados a curto, médio e longo prazo A simples realização de eventos informativos como palestras por especialistas de fora, portanto alheios à realidade escolar, não basta pois já está provado que o simples fato de saber que determinado comportamento é prejudicial não é, por si só, suficiente para que o indivíduo abandone tal prática. Além disso, estas palestras esporádicas e descontextualizadas podem despertar curiosidades desnecessárias e funcionar como uma "droga" Cad. Pesq.. São Luís. v. 14. n. 1. p jan./jun

12 entorpecendo a direção escolar, anestesiando suas consciências e trazendo urna falsa sensação de - "dever cumprido". No ensino superior, muito se tem discutido sobre a real influencia que o meio universitário teria no início ou expansão do uso de drogas entre jovens, considerando-se óbvios fatores de risco, como, por exemplo, a maior sensação de liberdade e independência experimentada pelo jovem ao ingressar na Universidade, além do estresse ao qual este é constantemente submetido em função dos constantes desafios oferecidos, necessidade de superação, competição, etc. Inquéritos epidemiológicos sobre o uso de drogas entre universitários têm mostrado que, ao ingressar no ensino superior, a grande maioria dos jovens já traz consigo urna experiência quanto ao uso de drogas, contudo, o quanto esta experiência foi ampliada ao longo da vida universitária e a influência do meio universitário nesta eventual expansão é, sem dúvida, algo que precisa ser melhor avaliado (CUTRIM e MARIZ, 2000, p.75; BRASIL, 2002, p.55). Mesmo assim, deve-se atentar que qualquer ação preventiva ao uso de drogas entre estudantes do ensino superior precisa estar fundamentadana ampla discussão sobre o assunto, desprovida de clichês sociais, estereótipos ou dogmas, e cada item deve ser debatido a exaustão com toda a comunidade universitária, desde a motivação que nos leva a trabalhar este tema até a eficácia de medidas concretas como, por exemplo, a restrição ao uso e comercialização de drogas lícitas como bebidas alcoólicas e tabaco no ambiente do campus. 5 SUGESTÕES PARAA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO Cada instituição, de acordo com suas peculiaridades, terá que desenvolver a sua própria experiência a) definição de uma política institucional É fundamental que a instituição defma a sua posição em relação ao assunto. É preciso decidir. atuar no sentido de desestimular o uso de drogas e resolver fazê-lo de 80 Cad. Pesq., São Luís, , n. J, p , jan.ljun. 2003

13 modo programado, não somente mediante ações esporádicas. Considerando-se a interdisciplinaridade do tema, há que se relacionar possíveis parceiros, executando-se um trabalho integrado com outras instituições atuantes no combate ao uso de drogas contribuindo-se com a criação de redes de atenção aos usuários de drogas. b) definição da equipe coordenadora É necessário que haja uma coordenação não somente para manter o programa por um período longo de tempo, mas também para viabilizar avaliações e redirecionamentos que otimizem resultados. Esta equipe deve ser o primeiro grupo de pessoas da instituição a receber um treinamento específico sobre os diversos aspectos interdisciplinares que envolvem a questão do uso de drogas e da dependência química a fim de que esteja preparada a trabalhar o tema dentro dos mais atuais princípios teóricos e também para que seja capaz de organizar outros treinamentos dando seqüência à formação continuada de agentes multiplicadores. É estratégica a composição desta equipe com indivíduos representantes dos diferentes segmentos da instituiçãoeducacional, principalmente professores por serem aqueles que, na grande maioria dos casos, se constituem como referência aos adolescentes e jovens, estando em contato direto com estes, sendo os responsáveis primeiros pelo repasse de informações e esclarecimento de questões do cotidiano. Contudo, devem estar presentes na coordenação do programa representantes de alunos, funcionários, pais e responsáveis, membros da comunidade e, indispensavelmente, a direção da instituição que deve estar à frente em cada etapa da implantação do projeto. c) diagnóstico preliminar através de inquéritos epidemiológicos A aplicação de questionários de auto-preenchimento para estimar o uso de drogas entre estudantes tem se constituído como um valioso instrumento de pesquisa. Críticas anteriores sobre a validade das informações coletadas tem sido invalidadas através de diversos estudos sobre confiabi- Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p , jan.rjun

14 lidade de relato os quais tem demonstrado que, quando o caráter sigilosodas respostasé plenamente assegurado, o entrevistado se sente plenamente à vontade para responder, de modo transparente, as perguntas que lhe são feitas. Além disso, o próprio instrumento de coleta de dados pode conter perguntas sobre o uso de substâncias que não existem como forma de avaliar a sinceridade das respostas. Se o entrevistado responde já ter usado tais substâncias, seu questionário é descartado entrando este em um percentual de perdas estatisticamente aceitável e já previsto quando da amostragem aleatória para coleta de dados em determinada população-alvo. As estatístisticas sobre uso de drogas, realizadas em realidades distintas, apesar de apresentarem diversos resultados semelhantes, são extremamente úteis por evidenciarem peculiaridades do perfil de utilização de drogas por determinado segmento populacional, que podem contribuir significativamente com a otimização de ações preventivas mediante a canalização da aplicação de recursos em atenção a aspectos que se mostrem mais significativos em dada realidade (SOUZA e MARIZ, 2001, p.65; BRASIL, 2002, p.l O; CUTRlM e MARlZ, 2000, p.75). d) ações de sensibilização São propostas como forma de despertar a intenção dos integrantes da instituição para a discussão do tema. A realização de eventos científicos como Jornadas, Seminários, Debates, entre outros, é recomendável desde que conte com a participação de especialistas diversos a fim de transmitir várias visões do problema e enriquecer a compressão da clientela trabalhada sobre o quanto o uso de drogas é um tema interdisciplinar e exige uma abordagem multiprofissional. É firndamental que estes especialistas estej am plenamente comprometidos com a verdade científica sobre o assunto e não com a reprodução de idéias pré-concebidas que servem apenas como sustentação ideológica e não para a promoção da saúde integral. e)formação de multiplicadores O treinamento recebido inicialmente pela equipe coordena- 82 Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p , jan./jun. 2003

15 dora deve ser periodicamente repassado por esta, obviamente com a-ajuda de especialistas, a outras pessoas da instituição interessadas não apenas em trabalhar na linha de frente das ações do programa como simplesmente se sentirem mais preparadas para abordar a questão com alunos, amigos e até mesmo familiares. Em pouco tempo a insti tuição terá grande parte do seu contingente bem melhor preparado para se relacionar como o problema, evitando erros graves cometidos ao longo dos anos, na grande maioria das vezes, simplesmente por falta de informação. f) projetos específicos Um programa deve englobar projetos planejados e executados de modo sincronizado. Cada projeto deve ter sua própria identidade, a qual não pode fugir, em essência, das diretrizes gerais do programa Épreciso um planejamento específico onde se defina itens como: tema; público-alvo; justificativa, objetivos; metodologia; previsão de recursos humanos e materiais (inclusive traduzida em orçamento) e cronograma de atividades, entre outros. A avaliação deve ser contínua não apenas de modo informal, através de reuniões dos coordenadores do projeto, como também mediante a elaboração de relatórios a fim de registrar a superação de eventuais obstáculos. Este portanto, é o momento ideal para a aplicação dos modelos de prevenção propostos atualmente. Entre as diversas possibilidades podemos destacar arealização de eventos que possibilitem ao jovem expressar sua forma de compreender o problema do uso de drogas nos dias de hoje, através de mostras artísticas e/ou culturais; concursos de cartazes e slogan (que podem, inclusive, contribuir para a criação da imagem visual do programa). Ainda são importantes, conforme já mencionado, projetos que insiram o jovem em atividades esportivas, de ação comunitária, artísticas, de desenvolvimento da espiritualidade, de orientação escolar e iniciação empresarial, além de outras. 6 CONCLUSÃO Épossível constatar que a prevenção é a forma mais eficaz de Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. 1,p.69-87,jan.ljun

16 combate ao uso indevido de drogas, sendoimportantenão somente pelosprejuízosindivíduais,masprincipalmente coletivos, que o uso de psicotrópicos pode acarretar. Vários princípios teóricos e ações objetivas têm sido propostos por especialistas no assunto ao longo dos anos, contudo, tal conhecimento deve servir como ponto de partida e de apoio aos interessados em trabalhar com prevenção nesta área, pois as peculiaridades e possibilidades de cada realidade é que devem nortear as ações. Na escola e na universidade. as ações devem ser constituintes de um programa, portanto, continuadas. Deve-se buscar resultados não somente a curto prazo. É consenso que, associado ao fornecimento de informações sobre os efeitos das drogas no organismo, o adolescente e/ou jovem deve receber a oportunidade e ser estimulado a encontrar prazer mediante atividades que o ajudem a expandir-se enquanto pessoa, contribuindo com o desenvolvimento social e a melhoria da qualidade de vida individual e comunitária REFERÊNCIAS AQUINO, J. G. (Org). Drogas na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, p. AQUINO, M. T. Prevenção ao abuso de drogas: o possível e o impossível. In: CRUZ, Marcelo Santos;FERRElRA, SaletteMaria Barros (Org). Álcool e Drogas: usos, dependência e tratamentos. Rio de Janeiro:Ed. IPUB-CUCA, p.l ASSOCIAÇÃO PARCERIA CONTRA AS DROGAS. Drogas na adolescência. Disponível em: http// sites.uol.com.br/ juventudeedrogas/>. Acesso em: 29 jan BARRETO, L. M. Dependência Química: nas escolas e nos locais de trabalho. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., p. B~SIL Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids. Manual de redução de danos: saúde e cidadania Brasilia: Ministério da Saúde, p. BRASIL, V. V. L. Avaliação do uso de drogas lícitas e ilícitas 84 Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p , jan.rjun. 2003

17 entre os alunos concludentes dos cursos da área de ciências biológicas e da saúde- UFMA, f. Monografia (Graduação em Farmácia) -.Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal do Maranhão, São Luís. BUCHER, R. Drogas e drogadiçãonobrasil PortoAlegre: Artes Médicas, p. CARPER, S.; DIMOFF, T. Vos enfants consomment-ils des drogues? Québec: Les Êditions de L'homme, p. CENTRO DE INTEGRAÇÃO EMPRESA ESCOLA (CIEE)- NACIONAL. I Seminário Nacional Antidrogas. Revista Agitação. São Paulo: CIEE. n 34. p jul.lago CONTRIM, B. C. A prevenção ao uso indevido de drogas nas escolas In: SEIDL, E. M. F.(Org). Prevenção ao uso indevido de drogas: diga SIM à vida Brasília: CEARDlUnB; SENAD/ SGJIPR, V.1.p CUTRIM, M. D.; MARIZ, S. R. Prevalênciado uso de drogas entre estudantes ingressantes em cursos da área de saúde - UFMA, In: CONGRESSO LATINO- AMERICANO DE TOXI- COLOGIA (ALATOX), 11., 2000, Campinas-Si', Revista Brasileira de Toxicologia v.l3. p FREITAS, C. C. As drogas na adolescência: risco e proteção. In: SEIDL, E. M. F. (Org). Prevenção ao uso indevido de drogas: diga SIM à vida. Brasília: CEARD/UnB; SENAD/ SGJ/ PR, 1999, V.1. p GALDURÓZ, J. C. F; NOTO, A R.; CARLINI, E. A. IV Levantamento sobre o uso de drogas entre estudantes de 1 0 e 2 0 graus em 10 capitais brasileiras São Paulo: UNIFESP, l30p. GROSSO, A B. Independência ou morte: família, escola e sociedade unem-se no combate às drogas e à dependência química. Revista Educação. São Paulo, n. 227, p IMESC. Info Drogas: modelos de prevenção. Disponível em: modelos.htm>. Acesso em: 29 jan INEM, C. L.. Adolescência e suas viscissitudes: impasses do desejo. Ca{L Pesq., São Luís, v. 14, n. i,p , jan.rjun

18 In: CRUZ, Marcelo Santos; FERREIRA, SaletteMaria Barros (Org). Álcool e Drogas: usos, dependência e tratamentos. Rio de Janeiro: Ed. IPUB - CUCA, p MARIZ, S. R. et al. Programa de prevenção ao uso indevido de drogas no Colégio Universitário (COLUN/UFMA). In: CON- GRESSO LATINO-AMERI- CANO DE TOXICOLOGIA (ALATOX), 11.,2000, Campinas- SP. Revista Brasileira de Toxicologia, [S.l], v.l3. p MENEZES, M. S. Uso de drogas: escola deve preparar-se para agilizar ações preventivas. Rev. do Professor. Porto Alegre, v. 14, n.55, MOREAU, R. L. de M. Fármacos e drogas que causam dependência. In: OGA, S. (Org.).Fundamentos de Toxicologia. São Paulo: Atheneu, capo4.1. NIDA - NATIONAL INSTI- TUTE ON DRUG ABUSE. Lessons from Prevention Research. Disponível em: <http:/ /www.drugabuse.gov/intotax/ lessons.htm.> Acesso em: 25 novo NISKIER,AAdroga vai à escola. Revista Agitação. São Paulo: CIEE. n 34. p.41. jul./ago NOTO, A R.; GALDURÓZ, J. C. F.; NAPPO, S. O Consumo de drogas psicotrópicas na sociedade brasileira. In: SEIDL, E. M. F. (Org). Prevenção ao uso indevido de drogas: diga SIM à vida. Brasília: CEARD/ UnB; SENAD/ SGJ/PR, 1999, V.1. p OLIVEIRA, E. M.; MELCOP,A G. Adolescência: rumos e metamorfoses. In: CRUZ, Marcelo Santos; FERRElRA, Salette Maria Barros (Org). Álcool e Drogas: usos, dependência e tratamentos. Rio de ~ Janeiro: Ed. IPUB - CUCA, p PALHANO, R. Drogas: saiba mais a seu respeito. São Luís: Lithograf, p. PEREIRA, C; FIGLIE, B. A prevenção na prática - o que fazer? Disponível em: <http:// wwwuniad.org.br.independencia/. matprevencaonapratica.htrn.> Acesso em: 25nov PEREIRA, C.; SILVA, C. J. Conceitos e prática em prevenção. Disponível em: 86 Ca(L Pesq., São Luís, v. 14, n. 1, p , jan.rjun. 2003

19 <http://www.uniad.org.br. independencia/mat_ concei tosprevencao.htm.> Acesso em: 25 novo2002. PIMONT, R. P.; BARRERA, L. O universitário brasileiro frente ao problema dos tóxicos. Revista Ciência e Cultura, [S.l.], V. 34, n. 10, p , out SAAD, A C. Tratamento para a dependência de drogas: uma revisão da história e dos modelos. In: CRUZ, Marcelo Santos; FERREIRA, Salette Maria Barros (Org). Álcool e Drogas - usos, dependência e tratamentos. Rio de Janeiro: Ed. IPUB - CUCA, p SÃO PAULO (Estado): Secretaria de Educação. ~ Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania. I Curso de Capàcitação para educadores da rede pública: prevenção ao uso de drogas. São Paulo, / 117p. (apostila). SILVA, E. L. Q. A.; MARIZ, S. R. Atualidades no tratamento da farmacodependência: análise de um modelo local. In: SEMI- NÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 12., 2000, São Luís. Resumos... São Luís: EDUFMA, p SILVA, O. A. Drogasde abuso no ambiente de trabalho no Brasil. Revista Brasileira de Toxicologia, [S.l],, v.12, n.2, p SOUZA, A. L. O; MARIZ, S. R. Levantamento sobre o uso indevido de drogas entre os estudantes do Colégio Universitário da Universidade Federal do Maranhão (COLUN-UFMA). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE TOXICOLOGIA, 12.,2001, Porto Alegre. Revista Brasileira de Toxicologia, [S.l], V. 14. p VARGAS, H. S.; NUNES, S. V; VAR<:;TAS,H. O. Prevenção geral das drogas. São Paulo: Ed. Ícone, p. Cad. Pesq., São Luís, v. 14, n. J, p_69-87,jan/jun

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS:

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: 32 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: MODELOS DE PREVENÇÃO E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL UM ENSAIO Aurélio Fabrício Torres

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas PÚLBLICO ALVO: Toda a comunidade escolar e a sociedade local de modo geral. APRESENTAÇÃO: Todos concordam que a Escola tem um papel fundamental em nossa sociedade,

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

Palavras chave: Jornalismo Científico - Saúde - Neurociências

Palavras chave: Jornalismo Científico - Saúde - Neurociências PENSE EM QUEM PENSA POR MIM Relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Marilisa de Melo Freire Rossilho, Li Li Min Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DROGAS O DILEMA DAS DROGAS ADOLESCÊNCIA E DROGAS Segundo Valdi Craveiro Para uma abordagem do uso de drogas na perspectiva da REDUÇÃO DE DANOS, devemos antes de tudo proceder com duas ações: 1) redefinir 2) contextualizar

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

SMES. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011. Audiência Pública no Senado Federal

SMES. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011. Audiência Pública no Senado Federal SMES Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011 Audiência Pública no Senado Federal CASDEP Comissão de Assuntos Sociais Premissas Se aplica

Leia mais

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack.

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. MÓDULO 2 Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. Você aprenderá alguns conceitos relacionados à temática, como os padrões

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS SIM PARA A VIDA, NÃO ÀS DROGAS AUTORES: Nadyeshka Sales Araújo (nadyeshka.saq@bol.com.br), Edgar Vieira do Nascimento (edgarvn@bol.com.br), Hérika Dantas Modesto (herikamodesto@bol.com.br),

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Sistema único de Assistência Social

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO

TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência

Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Marilisa de Melo Freire Rossilho Li Li Min Santiago, outubro de 2015. UNICAMP

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy Políticas Públicas sobre drogas no Brasil Luciana Cordeiro Aline Godoy O que são políticas públicas? Para que servem? Como são elaboradas? Políticas Públicas para quê? Instrumento na organização da sociedade

Leia mais

Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica

Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa: "Atuação

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR Welton Alves Ribeiro Júnior 1 ; Robécia Graciano de Souza 2 ; Lúcia Maria de Almeida 3; Silvia Beatriz Fonseca de Melo 4. Centro Universitário

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS Coordenação geral: Prof. Dr. Paulo Eduardo M. Rodrigues da Silva, Pro-Reitor de Desenvolvimento Universitário/UNICAMP Assessores

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO

2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 2 Conversando sobre drogas famílias APRESENTAÇÃO 3 Você já deve ter percebido que a família é a base de tudo, tendo papel decisivo na formação do sujeito e da própria sociedade. Sabendo da relevância do

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar

As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar CAMARA DOS DEPUTADOS As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar Lúcio Henrique Xavier Lopes XII Encontro da Associação dos Secretários- Gerais dos Parlamentos de Língua Portuguesa CAMARA

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENSINO BÁSICO Nomes das instituições representadas: SEE/AL, SEMED-Maceió, SEMED-Barra de Santo Antônio- Campestre e Novo Lino, Associação Clube

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult JUSTIFICATIVA O estatuto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Capítulo 1, artigo 3º. define como finalidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO DE GRUPOS DE REFLEXÃO DO CONFLITO AUTONOMIA- ADOLESCÊNCIA E A QUESTÃO DAS DROGAS. 1

MULTIPLICAÇÃO DE GRUPOS DE REFLEXÃO DO CONFLITO AUTONOMIA- ADOLESCÊNCIA E A QUESTÃO DAS DROGAS. 1 MULTIPLICAÇÃO DE GRUPOS DE REFLEXÃO DO CONFLITO AUTONOMIA- ADOLESCÊNCIA E A QUESTÃO DAS DROGAS. 1 Patrizia Vizzuso 2 Sidnei José Casetto 3 Laura Câmara Lima 4 CATEGORIA: PROPOSTA DE ENSINO (CÓDIGO 3) TIPO:

Leia mais

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório XXI Congresso Brasileiro da ABEAD Do Uso à Dependência: a integração das políticas públicas com a clínica 08 a 11 de setembro de 2011 - Recife/PE Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS TREINAMENTO EM EDIBS EM RIBEIRÃO PRETO

ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS TREINAMENTO EM EDIBS EM RIBEIRÃO PRETO PAI-PAD PAD Programa de Ações Integradas para Prevenção e Atenção ao Uso de Álcool e Drogas na Comunidade Núcleo de Pesquisa em Psiquiatria Clínica e Psicopatologia ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família Autoras: Margarida Maria Rocha Bernardes Elaine Cristina Valadares Gertrudes Teixeira Lopes Grupo de Estudos

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

TÍTULO: AUTORA: , mintza@bol.com.br INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA : INTRODUÇÃO OBJETIVOS uso da droga

TÍTULO: AUTORA: , mintza@bol.com.br INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA : INTRODUÇÃO OBJETIVOS uso da droga TÍTULO:TEMAS TRANSVERSAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS AUTORA: MINTZA IDESIS JÁCOME, mintza@bol.com.br INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ÁREA TEMÁTICA : SAÚDE INTRODUÇÃO: Eleger

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

RBAC 120. Norma ANAC

RBAC 120. Norma ANAC RBAC 120 Norma ANAC A Norma RBAC 120 da ANAC...03 Quem deve implementar o Programa...04 Serviços de Assessoria e Consultoria...05 Rede de Tratamento Especializado...06 Capacitação de Multiplicadores...07

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CISOTTO, Laurindo ROSSETO, Marisa, Ester, A.

CISOTTO, Laurindo ROSSETO, Marisa, Ester, A. ... Cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto, abrange mais um momento de atenção, de zelo e desvelo. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilidade, de envolvimento afetivo

Leia mais