UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Atividades Físicas no Auxílio ao Combate as Drogas no Meio Escolar Douglas Everton da Cunha Silva. Laerce Hasmann Junior. Neir da Luz Pereira. São José dos Campos/SP 2014

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES FÍSICAS NO AUXÍLIO AO COMBATE AS DROGAS NO MEIO ESCOLAR DOUGLAS EVERTON DA CUNHA SILVA LAERCE HASMANN JUNIOR NEIR DA LUZ PEREIRA Projeto de Pesquisa elaborado como parte das exigências da disciplina. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenação de TCC do curso de Educação Física da Faculdade de Educação e Artes da Universidade do Vale do Paraíba. Orientador: Professor Me. Claudio Alexandre Cunha São José dos Campos/SP 2014

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO Objetivos Gerais 2.2 Objetivos Específicos 3 JUSTIFICATIVA METODOLOGIA REVISÃO DE LITERATURA drogas no mundo 5.2. Efeito das drogas na sociedade 5.3. Drogas no ambiente escolar 5.4. Prevenção as drogas 5.5. Prevenção do uso indevido de drogas em ambiente escolar 5.6. O esporte no combate as drogas 5.7. A educação física no combate as drogas 6 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS...18

4 3 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste trabalho é o de mostrar o quanto a prática da educação física pode ser importante na prevenção às drogas nas escolas. Utilizada como uma ferramenta poderosa, a educação, através do esporte, vem se tornando um caminho para a promoção de pessoas, do cidadão e de profissionais na prevenção, ao invés de transmitir apenas mensagens negativas a respeito, como o diga não. (Moreira et al, 2006) Constata-se que é preciso trabalhar os alunos, promovendo atividades esportivas enriquecedoras, sadias, com proposta de articular a educação, a cultura e os esportes, fazendo com que o aluno reflita e se conscientize quanto à responsabilidade e respeito à própria vida (Carmo; Junior, 1999). Para a reflexão e análise sobre esta temática, a estrutura deste trabalho segue o seguinte processo: num primeiro momento, especifica-se o objetivo geral e os específicos; em seguida, discorre-se sobre a metodologia utilizada para a coleta, leitura, interpretação e articulação de artigos acadêmicos e textos. Na revisão de literatura procurou-se analisar autores pertinentes e relevantes para a fundamentação desta temática sobre drogas no ambiente escolar e a importância da atividade física como preventiva e auxiliar no seu combate junto aos alunos. Na conclusão estão expostos desafios da comunidade escolar frente a esta realidade, bem como a importância de um trabalho conjunto escola, família, comunidade, profissionais da saúde e interdisciplinar. Despertar a motivação e o interesse pelas atividades físicas como meio de prevenção e auxílio no combate às drogas no meio escolar é o resultado que se espera.

5 4 A escolha dos autores citados neste trabalho foi por experiências com uso de drogas lícitas e ilícitas, inclusive vivenciado no ambiente escolar e familiar (REGINA; DÉA 2004). Esses autores citados mostram em sua escrita um lado que se vivencia desde a infância até os tempos atuais, mostrando a realidade e a falta de programas de prevenção nas escolas e na sociedade brasileira (SOARES, 1997 apud CANOLETTI; SOARES, 2004).

6 5 2. OBJETIVO 2.1. Geral Demonstrar como a atividade física pode ser uma aliada na prevenção e no auxílio ao combate às drogas. 2.2 Específico a) Discutir as questões da droga em âmbito mundial e nacional b) Analisar os fatores que levam o uso das drogas; c) Demonstrar o papel da atividade física no auxilio à prevenção ao uso de drogas.

7 6 3 JUSTIFICATIVA As drogas são consideradas hoje uma epidemia mundial que causam danos em vários setores da sociedade, sendo o meio escolar um local importante para o combate deste grande mal. Apesar da existência de tantos projetos, muitas escolas públicas ainda não conseguiram banir as drogas de seu meio e, mesmo com tantas informações voltadas para o uso indiscriminado das drogas, os casos de uso, dependência química e violência só têm aumentado. Acreditase que com a troca de experiências entre alunos e professores, bem como com uma confiança mútua, pode-se levar os alunos a refletirem bem antes de tomar qualquer atitude que o prejudique no futuro, seja ele próximo ou não.

8 7 4 METODOLOGIA Metodologicamente, para a elaboração deste foi realizada uma revisão de literatura por meio de pesquisa de artigos acadêmicos extraídos de sites da internet e de revista especializada, bem como de textos e cartilhas de combate e prevenção às drogas lícitas e ilícitas. Após a realização da pesquisa, foram elaborados resumos de todo o material e, em seguida, selecionados os materiais.

9 8 5 REVISÃO DE LITERATURA 5.1.DROGAS NO MUNDO Este estudo mostra as drogas licitas e ilícitas mais utilizadas por estudantes brasileiros; são elas: o álcool e o tabaco (cigarro), que começam a ser utilizadas por volta dos 10/12 anos de idade por cerca de 50% dos jovens brasileiros. Entre as drogas ilícitas mais utilizadas estão, a cocaína, a maconha, o doce ou bala e a heroína. Mas o que vem chamando atenção é a maconha, pelo crescimento elevado de seu uso nas escolas (REGINA; DÉA, 2004). As drogas nos Estados Unidos e seu combate são antigos. No ano de 1989 o consumo de drogas era tão absurdo e sem controle do governo, que o presidente Jorge W. Bush criou um programa de prevenção e redução ao consumo, sendo adotado no mundo todo (CARLINI-COTRIM, 1992 apud CANOLETTI; SOARES, 2004). Na Europa, a prevenção às drogas vem sendo debatida desde 1972 e, em 1993, juntamente com a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Cultura) passou a investir em projetos que visavam a prevenção do uso abusivo de drogas nas escolas e demais ambientes (CARLINI- COTRIM, 1992 apud CANOLETTI; SOARES, 2004). No Brasil a prevenção as drogas são bem nítidos e tímidos no estado de São Paulo tem o projeto Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD) que foi adotado como um programa modelo, mas, existem outros (MOREIRA et al, 2006). A história da prevenção de drogas mostra a aderência à abordagem de guerra às drogas no Brasil, recentemente algumas práticas mostrem-se simpáticas à perspectiva da redução de riscos (SOARES; JACOBI, 2000 apud CANOLETTI; SOARES, 2004). Segundo a Organização Mundial da Saúde (2010 apud MORGADO; LUDMILA) o termo droga é qualquer substância não produzida pelo

10 9 organismo, que age diretamente sobre um ou mais de seus sistemas, alterando o seu funcionamento. São variados os tipos de droga, bem como suas funções, nem todas completamente boas ou más; há desde medicamentos até drogas psicotrópicas EFEITO DAS DROGAS NA SOCIEDADE É de conhecimento de todos que a droga, a cada dia que passa, atinge cada vez mais as pessoas, independente de classe social e está presente cada vez mais em lugares nunca imaginados pela população. A escola, como uma importante peça no contexto social, infelizmente não está fora dessa realidade. Nessa fase da vida, como se trata de descobertas dos alunos, em muitos dos casos o adolescente não se dá conta que está entrando em um caminho sem volta (MOREIRA et al 2006). Fatores como a urbanização em massa, o surgimento das periferias e o desemprego, muitas vezes levam as pessoas ao desespero e, a utilização e o tráfico de drogas, acabam se tornando uma tentativa desesperadora de saída. Com isso, o aumento da criminalidade é iminente, causando problemas na estrutura familiar e afetando principalmente crianças e adolescentes e tornandoos mais vulneráveis a ingressar no mundo das drogas, marginalidade e roubo. Problemas esses que, embora citados como exemplos em periferias, a classe baixa está longe de ter exclusividade quando se diz respeito a essa problemática que assola o país (Carmo; Junior, 1999). Também nas classes médias e altas, muitas vezes, o fácil acesso atrelado à oportunidade e à possibilidade de conseguir o entorpecente devido ao maior poder aquisitivo, acabam se tornando uma arma poderosa de acesso às drogas (Carmo; Junior, 1999). Um grande combatente dessa epidemia é a utilização do esporte como uma espécie de antivírus. Com base nisso, partindo da premissa de que todos tenham que passar uma fase importante dentro das escolas e salas de aula, acredita-se em fazer da escola, mais especificamente da disciplina Educação

11 10 Física, um combatente direto contra as drogas com a finalidade de mostrar a importância de se adquirir um estilo de vida saudável, agindo de forma preventiva (Carmo; Junior, 1999) Quando se trata de drogas, pode-se afirmar que as mais nocivas ao ser humano são aquelas que já foram liberadas pelos órgãos responsáveis, tornando sua acessibilidade cada vez mais facilitada, tais como o álcool, o tabaco e alguns medicamentos. Nesses casos, a prevenção ainda é o melhor remédio contra a sua proliferação. Por isso é necessário que o trabalho comece nas casas com o auxílio da família, e, principalmente, nas escolas com projetos que mantenham essas crianças ocupadas, felizes e saudáveis para que não precisem sequer se aproximar de tais situações (Carmo; Junior, 1999) 5.3. DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR O ambiente escolar é propício para a formação de círculos de amizades, de vínculos que unem pessoas da mesma idade e talvez com as mesmas afinidades (ZAMPRONIO; ADRIANO, 2011). Pode-se afirmar que as drogas, atualmente, são elementos presente na vida de muitos adolescentes brasileiros (MAIA; ALBUQUERQUE, 2002). O período da adolescência proporciona variadas experiências assim como o início do uso de drogas lícitas ou ilícitas, em consumo ocasional indevido ou abusivo (SCHENKE; MINAYO, 2005). Experimentar drogas lícitas ou ilícitas e usá-las socialmente são atitudes que fazem parte de culturas e é um fato na atualidade. Segundo Lewin (1924 apud Schenke; Minayo, 2005), pelo menos 1/4 da humanidade usa algum tipo de droga. Costa e Goulart (2010 apud Siqueira) afirmam que: (...) o esporte tem a função de auxiliar na educação da criança, ajudando-a a formar seu imaginário social e cultural, através do seu pensar, agir e sentir. Neste momento o esporte funciona como um fator motivador e estimula a criança a

12 11 correr, pular, subir e rolar. Outro trabalho realizado através do esporte, na qual o fator sociabilidade é desenvolvido e contribui para uma melhor educação e convívio no meio que ela vive. Desta forma a criança também desenvolve a coordenação motora, o raciocínio, estimula a concentração e a atenção, ajuda a entender regras e a respeitar o próximo. O aluno que cresce em um ambiente saudável tem uma tendência menor ao uso de drogas. Nada indica com 100% de fidedignidade que o meio saudável impedirá que essa pessoa consuma drogas ou cometa algum tipo de delito (ZAMPRONIO; ADRIANO, 2011). A Educação Física escolar, através das modalidades esportivas, recreativas e de lazer, deve oferecer aos alunos as mais variadas formas de desenvolvimento motor, proporcionando o crescimento e a consciência de suas capacidades físicas e movimentos (MACEDO; ANTUNES, 1999). Segundo Zampronio (apud ADRIANO, 2011), a chance de um desenvolvimento saudável livre das drogas é bem mais provável. Nesse contexto, o papel dos pais e educadores é fundamental para que a proposta da prevenção seja eficaz. Guedes (2002 apud Maia; Albuquerque) sugere que a escola, de maneira geral, e a disciplina Educação Física, pelas suas características voltadas à atividade motora, assumam a tarefa de desenvolver programas que conduzam os alunos a perceberem a importância de se adquirir um estilo de vida saudável, fazendo com que a atividade física direcionada à promoção da saúde se torne um hábito no dia-a-dia das pessoas. Nessa perspectiva, espera-se que a Educação Física propague a saúde, como a prevenção ao uso indevido de drogas. A escola através de seus professores e de sua característica peculiar pode auxiliar no desenvolvimento do senso crítico e da construção de um saber mais elaborado e formal a respeito das drogas (ZAMPRONIO; ADRIANO, 2011). A Educação Física é a disciplina mais adequada e demonstra maior facilidade para se trabalhar a prevenção (MAIA; ALBUQUERQUE, 2002).

13 12 Segundo Paraná (2006 apud Malheiros; Alves), com relação aos professores, constata-se algumas dificuldades para tratar pedagogicamente a prevenção ao uso indevido de drogas nas escolas; por isso, a Educação Física pode e deve realizar um trabalho de combate às drogas, por meio da prática esportiva, ocupando o tempo livre dos alunos, acrescentando-lhes conhecimentos e qualidade de vida. O esporte e a atividade física podem ser considerados como a principal estratégia na prevenção ao uso indevido de drogas nas escolas (MAIA; ALBUQUERQUE, 2002). O professor de Educação Física no âmbito escolar é aquele que, na maioria das vezes, recebe dos alunos uma maior parcela da sua confiança, tendo consigo uma arma poderosa em mãos no que diz respeito à confiabilidade e liberdade (MACEDO; ANTUNES, 1999). A Educação Física, como disciplina obrigatória para a promoção da saúde como modelo pedagógico, é um dos melhores meios de prevenção para reduzir a demanda e o abuso de drogas. Assim, utilizar-se do esporte e da atividade física como principal estratégia no combate às drogas é, definitivamente, o caminho para deixar os jovens longe das drogas (MOREIRA et al 2006). Tão importante quanto necessária é a troca de experiência entre os profissionais. O ideal é capacitar cada vez mais os profissionais para lidar com esse tipo de situação, pois, quanto mais preparados para lidar com a situação tanto preventiva quanto diretamente haverá mais chances de se auxiliar e de se prevenir o uso de drogas em ambiente escolar (MOREIRA et al 2006). Muitos trabalhos de conclusão de curso ou artigo revisão trabalhos que acabam virando revisão da revisão e não mostram o lado crítico em suas palavras ou a realidade desta doença social no Brasil e no Mundo inteiro (CARLINI-COTRIM, 1992 apud CANOLETTI; SOARES, 2004).

14 PREVENÇÃO AS DROGAS Segundo Buche (1992 apud, MONTEIRO, et al 2003) diversos estudos, nacionais e internacionais, indicam que os programas voltados para a prevenção contra o uso abusivo de drogas devem abordar a dimensão socioeconômica e política deste fenômeno. Enfatizam-se aqui o importante papel dos sistemas públicos de educação e de saúde nessas ações de prevenção e combate as drogas (Ministério da Saúde, 1999 apud MONTEIRO, et al 2003). Diversos educadores do campo da educação compartilham da idéia de que os materiais educativos são ferramentas facilitadoras na prática pedagógica no combate e prevenção às drogas dentro do ambiente escola. (Monteiro et al., 2001 apud) Quando se fala em programas de prevenção as drogas logo esbarram no poder publico e em políticas públicas de saúde, na legislação e na própria realidade do local (Soares, 1997 apud CANOLETTI; SOARES, 2004). A importância a avaliação dos programas de prevenção ao consumo de drogas, é o conhecimento da realidade local, para qualquer ação que determina as estratégias que devem ser utilizadas (SOARES; JACOBI, 2000 apud CANOLETTI; SOARES, 2004). O jogo da onda foi implantado em três escolas do estado Rio de Janeiro, o jogo adota o tema de relacionamento ao uso de drogas segundo a legislação brasileira sendo ela licita ou ilícita, O foco do jogo e a troca de informações entre alunos de uma forma que o aluno passa a fornecer informações do seu dia a dia na escola no qual obteve os resultados que proporcionaram à prevenção as drogas (MONTEIRO, et al 2003).

15 5.5. PREVENÇÃO DO USO INDEVIDO DE DROGAS EM AMBIENTE ESCOLAR 14 Em 1970 a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) convocou especialistas para discutirem a previsão ao uso de drogas no mundo. A escola passou a ser o espaço para o desenvolvimento de atividades preventivas (MOREIRA et al 2006). Na década de 1980, a Organização Mundial de Saúde (OMS) mudou seu foco do comportamento de indivíduos para o desenvolvimento de ambientes saudáveis. Isto resultou no conceito de promoção de saúde definido na Carta De Ottawa: Segundo (MOREIRA et al 2006) Promoção de saúde é o processo que capacita os educadores com o objetivo de aumentar e melhorar a saúde, para alcançar o estado de bem-estar físico e mental. Os alunos devem ser ouvidos e orientados, indiferentes se fazem uso ou não de droga, sejam elas quais forem. O educador ou a escola tem que ter uma atitude que consiga manter e renovar os seus vínculos com alunos que faz algum uso drogas lícitas ou ilícitas, e assim pode ser o grande divisor de águas entre o uso de drogas (MOREIRA et al 2006). Dentro do cotidiano, o aluno passa por varias fases que são perceptíveis aos professores e familiares. Na escola, onde não ha contato visual dos pais, é onde o uso de drogas se inicia. Após observar a diferença no comportamento do aluno deve ser feita uma abordagem junto ao aluno pra saber o que esta acontecendo, logo em seguida uma reunião com os pais, se a situação se agravar ou se perpetuar. São métodos simples, mas auxiliam na prevenção as drogas. (MOREIRA et al 2006). Este aluno com problemas com o uso de drogas não pode ser excluído do ambiente escola assim como todos os outros alunos. Deve continuar a ser estimulados a participar de atividades da sala de aula e físicas. Este aluno deve ser estimulado assim como os alunos que fazem reforço. Cabe a escola ter

16 atenção e compreensão com este aluno e aos pouco orientá-lo a se afastar das drogas. Esse é o melhor meio de prevenção as drogas. (MOREIRA ET AL 2006) O ESPORTE NO COMBATE AS DROGAS Um ponto relevante é o esporte promover a saúde e afastar os alunos das drogas. Por promover interesses dos alunos o esporte auxilia combater o uso de drogas (MACEDO; ANTUNES, 1999). Segundo D2 (apud MACEDO; ANTUNES, 1999) no seu ponto de vista, aquele que demonstra interesse e participação nas atividades físicas, repele as drogas. Lopes (1987 apud MACEDO; ANTUNES, 1999) diz que o esporte é educação e afirma que esporte é saúde. O esporte promove saúde e se torna uma ferramenta de combate às drogas, e busca uma melhoria na qualidade da população. O esporte não e droga, esporte e vida, o esporte combate as drogas, auxilia na saúde e proporciona qualidade de vida (FREIRE, 1991 apud MACEDO; ANTUNES, 1999). Os órgãos do governo federal Esporte e Turismo (MET) e Ministério da Educação e Cultura (MEC) relata em 2002 que a melhoria da qualidade de vida e do estado de saúde da população brasileira, tem um importante papel de coadjuvante no combate às drogas, à violência, na formação social, no aprimoramento da personalidade da criança, entre outros benefícios sociais, e como conseqüência a revelação de novos talentos esportivos (BRACHT; ALMEIDA, 2003) A EDUCAÇÃO FÍSICA NO COMBATE AS DROGAS Na educação física temos inúmeras modalidades esportivas, que na verdade pode ser abordado como um meio mais saudável na prevenção às drogas praticando esporte. O Karatê, Capoeira e o Judô, modalidades que treina a

17 16 hierarquia e respeito com o os mestres com todo integrante praticante e a sociedade como todo. O futebol faz o aluno conviver e trabalhar em grupo. O xadrez e dama, ajuda a desenvolver o cérebro, ou seja, a atividade física é um método saudável para combater as drogas (Carmo; Junior, 1999). Jogos educativos e recreativos aplicado em crianças do ciclo I são atividades que ocupam a mente e o tempo das crianças, desviando o pensamento do assunto drogas a cada dia que passa a ser conhecido por ela, através de familiares, musicas e outros meios de mídia (Carmo; Junior, 1999).

18 17 6 CONCLUSÃO Como resultado deste trabalho, A educação física escolar é uma ferramenta eficaz no combate ao uso de drogas, por promover diversas modalidades esportivas e recreativas, assim desenvolvendo afeto com professores e facilitando um dialogo, além de proporcionar um acesso para orientação na prevenção ao uso drogas. Sem se esquecer de comentar os benefícios que as atividades físicas trás ao aluno promovendo saúde e bem estar.

19 18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS CANOLETTI, B. S. C. B. Programas de prevenção ao consumo de drogas no Brasil. v. 9, n.16, p , set. 2004/fev Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/1801/ pdf>. Acesso em: 01 out FLORINDO, A. A. Educação Física e promoção em saúde Disponível em: <http://www.ceap.br/artigos/art pdf>. Acesso em: 01 out GEVAERD, M. S. et al Atividade física e conscientização na prevenção ao uso indevido de drogas. Disponível em: <https://www.ufmg.br/congrext/saude/saude34.pdf>. Acesso em: 01 out MAIA, L. B.; ALBURQUERQUE, V. L. M. O esporte e a atividade física como estratégia de prevenção ao uso indevido de drogas nas escolas Disponível em: <http://www.sbafs.org.br/_artigos/373.pdf>. Acesso em: 01 out Estilo de Vida Ativo: avaliação de um programa de prevenção às drogas na escola Disponível em: <http://www.educacion.udc.es/grupos/gipdae/documentos/congreso/xcongreso/pdfs/ t8/t8c275.pdf>. Acesso em: 01 out MALHEIROS, I. J. A.; ALVES, S. Uma proposta pedagógica sobre prevenção ao uso indevido de drogas Disponível em: <http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/923_956.pdf>. Acesso em: 01 out MORGADO, S. L. O. Uso indevido de drogas: oportunidades para a violência, desafio para a gestão escolar Disponível em: <http://repositorio.ucb.br/jspui/bitstream/10869/811/3/ludmilla.pdf>. Acesso em: 01 out SCHENKER, M.; MINAYO, S. C. M. Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n3/a27v10n3.pdf>. Acesso em: 01 out SIQUEIRA, L. C.; DANIEL, I. C.; Junior A, F. M. Projeto esportivo modifica estilo de vida de crianças e adolescente em vulnerabilidade social Disponível em: <http://www.uepg.br/proex/anais/trabalhos/302.pdf>. Acesso em: 01 out

20 TAVARES, S. B.; BERIA, U. J.; LIMA, S. M. Prevalência do uso de drogas e desempenho escolar entre adolescentes Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsp/v35n2/4399.pdf>. Acesso em: 01 out ZAMPRONIO, V. A. Prevenção ao uso de drogas: uma ação educativa, o caso de jataizinho-pr Disponível em: <http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/1134/1/ct_gpm_i_2011_09.pd F>. Acesso em: 01 out

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

O Currículo das Séries Iniciais e a Educação para a Saúde

O Currículo das Séries Iniciais e a Educação para a Saúde Nas séries iniciais do ensino fundamental, o currículo enfatiza a assimilação de conceitos e busca desenvolver as estruturas cognitivas. Ele procura fornecer aos alunos condições necessárias para aprendizagens

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR Welton Alves Ribeiro Júnior 1 ; Robécia Graciano de Souza 2 ; Lúcia Maria de Almeida 3; Silvia Beatriz Fonseca de Melo 4. Centro Universitário

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PREVENÇÃO AOS VICIOS: ALCOOLISMO, TABAGISMO E DROGAS ILICITAS NA ADOLESCÊNCIA.

ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PREVENÇÃO AOS VICIOS: ALCOOLISMO, TABAGISMO E DROGAS ILICITAS NA ADOLESCÊNCIA. ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PREVENÇÃO AOS VICIOS: ALCOOLISMO, TABAGISMO E DROGAS ILICITAS NA ADOLESCÊNCIA. Ipezal/Angélica MS Maio de 2012. ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES PREVENÇÃO AOS VICIOS:

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos Instituto Educacional Santa Catarina Faculdade Jangada Atenas Cursos Curso de Capacitação em AEE Aluna: Ivete D. Poleto De Cezare Vanini, 01 de Maio de 2015. 1 - Tema: Deficiência Intelectual 2 - Problema:

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DROGAS O DILEMA DAS DROGAS ADOLESCÊNCIA E DROGAS Segundo Valdi Craveiro Para uma abordagem do uso de drogas na perspectiva da REDUÇÃO DE DANOS, devemos antes de tudo proceder com duas ações: 1) redefinir 2) contextualizar

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família Autoras: Margarida Maria Rocha Bernardes Elaine Cristina Valadares Gertrudes Teixeira Lopes Grupo de Estudos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS

Leia mais

Recepção às Escolas Públicas: Oficina sobre Química Forense

Recepção às Escolas Públicas: Oficina sobre Química Forense Recepção às Escolas Públicas: Oficina sobre Química Forense Geovana Stafin¹, Adrielle Cristina dos Reis 1, Aline Alves Migliorini 1, Pamela Catarina Tomiatti 1, Maísa da Cunha 1, Nadhine Assis Rios 1,

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

Curta Saneamento Básico

Curta Saneamento Básico Curta Saneamento Básico Justificativa: As temáticas propostas pela Campanha da Fraternidade (CF) têm como objetivo conscientizar a sociedade em relação a problemas sociais que afetam a população brasileira,

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA

VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CALDAS JUNIOR SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NOVO HAMBURGO VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA Professoras: Jane Engel Correa Patrícia

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 E como está a juventude HOJE aos olhos da sociedade? - 22% perderam a virgindade antes dos 15 anos - 18%

Leia mais

PROJETO PRAÇA VIVA. INTEGRANTES: Profissionais/ Alunos/ Professores envolvidos.

PROJETO PRAÇA VIVA. INTEGRANTES: Profissionais/ Alunos/ Professores envolvidos. PROJETO PRAÇA VIVA INTEGRANTES: Profissionais/ Alunos/ Professores envolvidos. Coordenador: Itamar José de Oliveira Junior (Profissional de Educação Física) Acadêmicos do Curso de Educação Física, Nutrição

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UTILIZAÇÃO DO LABORATORIO DE INFORMÁTICA Guarapuava 2013

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Geyza Pedrisch de Castro Joana Darc Macedo Passos Sandra Lima Karantino A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Guajará Mirim RO. 2012. 1. JUSTIFICATIVA O presente Projeto

Leia mais

Grupo de Trabalho: Temas Livres

Grupo de Trabalho: Temas Livres ATIVIDADE FÍSICA, LAZER E SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA: POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES Alipio Rodrigues Pines Junior (alipio.rodrigues@gmail.com) Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer - GIEL/USP/CNPq Tiago Aquino

Leia mais

Esporte, Paz e Desenvolvimento Humano

Esporte, Paz e Desenvolvimento Humano Encontro de Capacitação Programa Segundo Tempo Esporte, Paz e Desenvolvimento Humano Brasília, 12 de abril de 2007 O Esporte no contexto das ações da UNESCO A ONU incumbiu a UNESCO de coordenar o tratamento

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixar filhos melhores para o nosso planeta PROJETO: CONVIVÊNCIA

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM Acácio Silveira de Melo (UFCG); Adriano dos Santos Oliveira (UFCG); Filipe da Costa Silva (UFCG), Francinildo Ramos de Macedo (UFCG),

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

PROJETO MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA: CONVIVÊNCIA, CIDADANIA, SAÚDE E LAZER

PROJETO MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA: CONVIVÊNCIA, CIDADANIA, SAÚDE E LAZER SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fazenda Sobradinho, s/ nº, Município de Uberlândia, CEP: 38.400-974, telefone: (34) 3233-8800 Fax: (34) 3233-8833,

Leia mais

É assustador observarmos o elevado índice de crianças que são vítimas da prostituição, as quais são exploradas sexualmente em troca de alguma forma

É assustador observarmos o elevado índice de crianças que são vítimas da prostituição, as quais são exploradas sexualmente em troca de alguma forma É assustador observarmos o elevado índice de crianças que são vítimas da prostituição, as quais são exploradas sexualmente em troca de alguma forma de sustento ou amparo, e está situação vem ocorrendo

Leia mais

PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG

PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG ALCÂNTARA, Franciele Brandão Ferreira 1 OLIVEIRA, Leandro Damas de 2 SANTOS JÚNIOR, Porfírio Azevedo dos 3 SILVA, André Carlos 4 SILVA, Elenice Maria Schons 5 SILVA, Élida

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Expansão das liberdades individuais

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 SENHOR DO BONFIM - BAHIA 2015 1 ATIVIDADES: DESCRIÇÃO A correta utilização

Leia mais

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania R e s g a t e M i r i m Comunitário Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania 1 B E L O H O R I Z O N T E, S A N T A L U Z I A

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-2 DISCIPLINA: Vida Saudável, Saúde e Prevenção às drogas JP0056 PROFESSOR: Ms. Claudemir Madeira I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária : 30 h II EMENTA Estudo do fenômeno das drogas,

Leia mais