Pauta Pernambuco de Combate às Drogas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pauta Pernambuco de Combate às Drogas"

Transcrição

1

2 Autor: Deputado EDUARDO DA FONTE RECIFE/2013

3 SUMÁRIO Resumo executivo das ações propostas...4 A Pauta Pernambuco de Combate às Droga...6 Os números da epidemia em Pernambuco...13 Ações Propostas A) Incluir como disciplina obrigatória nas escolas públicas e privadas de ensino médio a prevenção do uso de drogas...28 B) Criar incentivos específicos para apoiar o trabalho das Comunidades Terapêuticas...29 C) Promover a internação involuntária ou compulsória dos dependentes químicos quando for a única alternativa para proteger o dependente ou a população...32 D) Ampliar e reforçar o programa de Justiça Terapêutica do TJPE destinado a recuperação e socialização do infrator usuário de drogas...34 E) Criar vagas específicas nas 19 escolas técnicas estaduais e nas 4 Escolas de Referência em Ensino Médio destinadas a programas de reinserção social de usuários e dependentes de drogas...36 F) Desenvolver campanhas institucionais permanentes de rádio, mídia impressa, outdoors e banners que incentivem a responsabilidade no consumo de bebida alcoólica e esclareçam sobre o perigo das drogas...42 G) Realizar convênios entre o Governo do Estado a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas para que os recursos oriundos da alienação ou do perdimento dos bens apreendidos de traficantes sejam destinados diretamente ao Fundo Estadual de Políticas sobre Drogas...43 H) Desenvolver uma política pública de segurança específica para o combate às drogas que desenvolva parcerias com a sociedade pernambucana, que preste contas de suas ações e resultados e que valorize e aperfeiçoe a atuação das polícias civil e militar...45 I) Incluir a prevenção e recuperação dos usuários de álcool e drogas no Programa Saúde da Família e promover o treinamento e atualização dos Agentes Comunitários de Saúde de Pernambuco para que possam participar de ações educativas, estratégias de prevenção e controle do uso de drogas...47

4 RESUMO EXECUTIVO DAS AÇÕES PROPOSTAS - Incluir como disciplina obrigatória nas escolas públicas e privadas de ensino médio a prevenção do uso de drogas. - Criar incentivos específicos para apoiar o trabalho das Comunidades Terapêuticas (CT). - Promover a internação involuntária ou compulsória dos dependentes químicos quando for a única alternativa para proteger o dependente ou a população. - Desenvolver uma campanha institucional permanente destinada às escolas municipais e estaduais, públicas e privadas, para trabalhar de forma didática e continuada a conscientização quanto ao perigo das drogas. - Ampliar e reforçar o programa de Justiça Terapêutica do TJPE destinado à recuperação e socialização do infrator usuário de drogas. - Criar vagas específicas nas 19 escolas técnicas estaduais e nas 4 Escolas de Referência em Ensino Médio destinadas a programas de reinserção social de usuários e dependentes de drogas. - Desenvolver campanhas institucionais permanentes de rádio, mídia impressa, outdoors e banners que incentivem a responsabilidade no consumo de bebida alcoólica e esclareçam sobre o perigo das drogas. - Realizar convênios entre o Governo do Estado e a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD) para que os recursos oriundos da alienação ou do perdimento dos bens apreendidos de traficantes sejam destinados diretamente ao Fundo Estadual de Políticas sobre Drogas. 4

5 - Desenvolver uma política pública de segurança específica para o combate às drogas que desenvolva parcerias com a sociedade pernambucana e que valorize e aperfeiçoe a atuação das polícias civil e militar, que preste contas de suas ações e resultados. - Incluir a prevenção e recuperação dos usuários de álcool e drogas no Programa Saúde da Família e promover o treinamento e atualização dos Agentes Comunitários de Saúde de Pernambuco para que possam participar de ações educativas, estratégias de prevenção e controle do uso de drogas. 5

6 A O fenômeno social mais preocupante deste início de século no Brasil e no Estado de Pernambuco é a escalada do uso e abuso de drogas. Segundo dados da Polícia Federal, o Brasil consome até uma tonelada de crack por dia. 2. A droga é hoje um impeditivo à paz social, pois gera intranquilidade no seio das famílias, na saúde e na segurança pública. É inequívoca a relação entre o binômio droga/criminalidade e o seu peso na movimentação da máquina da violência. 3. Inobstante todos os esforços já realizados pelo Estado na busca de solução para a questão das drogas, observa-se uma enorme frustração quando se examina o balanço das políticas de enfrentamento implementadas. O consumo de drogas aumentou e são minguados os resultados das ações de prevenção ao uso, de reeducação e de recuperação de usuários. 4. É inegável que qualquer política de combate às drogas deverá contribuir para a responsabilização dos indivíduos, buscando a sua conscientização e a mudança de seus comportamentos e atitudes. 5. A ação do Estado brasileiro necessita ser ampliada. Estamos em guerra contra as drogas e não há mais espaço para retórica. 6. As medidas implementadas têm baixa eficiência e pouca eficácia na produção dos efeitos esperados e demonstram um sério problema de gestão. Falta foco e importância às políticas do 6

7 Estado de Pernambuco no combate às drogas. Não basta consignar recursos orçamentários. É preciso um choque de gestão. 7. Estudo realizado em 2012 pelo Instituto Nacional de Pesquisa de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas (INPAD) 1 da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) indica que o Brasil é o maior mercado mundial do crack e o segundo maior de cocaína. 8. Intitulado Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (LENAD) a pesquisa ouviu pessoas com mais de 14 anos em 149 municípios do país. Os resultados apontam que o Brasil representa 20% do consumo mundial do crack. A cocaína fumada (crack e oxi) já foi usada pelo menos uma vez por 2,6 milhões de brasileiros, representando 1,4% dos adultos. Já os adolescentes que experimentaram esse tipo da droga equivalem a 1% (150 mil pessoas). 9. De acordo com o relatório, cerca de 4% da população adulta brasileira, 6 milhões de pessoas, já experimentaram cocaína alguma vez na vida. Entre os adolescentes, jovens de 14 a 18 anos, 44 mil admitiram já ter usado a droga, o equivalente a 3% desse público. Estima-se que em 2011, 2,6 milhões de adultos e 244 mil adolescentes usaram cocaína. 1 7

8 10. O levantamento do INPAD revelou também que a cocaína usada via intranasal (cheirada) é a mais comum. Aproximadamente 5,6 milhões de pessoas já a experimentaram na vida e, somente no último ano, 2,3 milhões fizeram uso. Entre os adolescentes, o uso é menor, 316 mil experimentaram durante a vida e 226 mil usaram no último ano. 8

9 9

10 11. A pesquisa também comparou o consumo de cocaína nas regiões brasileiras em No Sudeste está concentrado o maior número de usuários, 46% deles. No Nordeste estão 27%, no Norte 10%, Centro-Oeste 10% e Sul 7%. 10

11 12. A Presidenta Dilma Rousseff assumiu o desafio de combater o crack. O Governo elaborou o Plano Nacional de Enfrentamento contra o crack, álcool e outras drogas. 13. Em razão disso, parlamentares e especialistas das áreas de prevenção e repressão do tráfico de drogas e de experts em recuperação de usuários reuniram-se, sob a Coordenação Técnica do Deputado Federal Eduardo da Fonte, do Dr. Ronaldo Laranjeira, do Dr. Cloves Eduardo Benevides e da Federação Nacional dos Policiais Federais (FENAPEF), e elaboraram em 2011 a Pauta Brasil de Combate às Drogas, que apresentou propostas concretas e emergenciais para o início do enfrentamento deste que é, sem dúvida, um dos maiores desafios da sociedade moderna. 14. Dando continuidade a esse trabalho em âmbito estadual, elaboramos a Pauta Pernambuco de combate às drogas para oferecer ao Governo do Estado as várias experiências de entidades que trabalham na prevenção, repressão e recuperação de usuários de drogas para contribuir efetivamente no enfrentamento do problema em Pernambuco. 15. A Pauta Pernambuco não pretende esgotar o tema. A intenção é oferecer propostas concretas e emergenciais voltadas para a prevenção e repressão ao uso de drogas e para a recuperação dos usuários e iniciar a discussão de uma nova política pública estadual de combate às drogas. 16. No que tange à recuperação dos usuários é importante ter em mente que se trata de matéria interdisciplinar e que não existe uma política ideal e nem única, pois cada modelo deverá 11

12 considerar as peculiaridades e a realidade socioeconômica e cultural da população a ser atendida. 17. Nosso estado vive hoje uma verdadeira epidemia e não podemos mais perder tempo com discursos. É preciso agir imediatamente. 18. É o momento de a sociedade pernambucana somar esforços e contribuir para que se crie uma política estadual eficiente e eficaz de enfrentamento às drogas. 12

13 OS NÚMEROS DA EPIDEMIA EM PERNAMBUCO 19. A pesquisa realizada pelo INPAD 2 no Nordeste indica que: 36% dos usuários iniciaram o uso de drogas antes dos 18 anos; 54% dos usuários nordestinos apresentam dependência de cocaína; 65% dos usuários consideram fácil conseguir cocaína; e 26% dos usuários nordestinos transformaram-se em traficante ao revenderem parte da cocaína que possuíam

14 20. Em Pernambuco o levantamento do INPAD foi feito nos municípios de Bom Conselho, Camaragibe, Goiana, Jucati, Olinda, Petrolina e Recife. 21. Em 2011/2012 a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) fez um amplo estudo sobre a difusão do crack nos municípios brasileiros. Em Pernambuco foram pesquisados 84,2% municípios do Estado, ou seja, 155 das 184 unidades. Segundo a CNM, 119 dos 125 municípios pesquisados em Pernambuco enfrentam problemas relacionados ao crack e a outras drogas. Conforme a entidade os dados do nosso Estado ultrapassam a média nacional. Mapa do crack em Pernambuco 14

15 22. Abaixo o resumo do levantamento feito pelo CNM em Pernambuco que demonstram a gravidade do problema em nosso Estado. 15

16 16

17 17

18 18

19 19

20 23. Pesquisa realizada pelo Grupo de Estudos sobre Álcool e Outras Drogas (GEAD) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) aponta que 70% dos usuários que estão em Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPsAD) do Recife começaram a tomar drogas após o uso excessivo do álcool. 24. Segundo o GEAD, 78% dos usuários/dependentes são do sexo masculino e, destes, 42% têm entre 37 e 59 anos. Essa também é a principal faixa etária entre as mulheres. A droga mais consumida é o álcool. Das substâncias ilegais, o crack é o mais consumido, seguido pela maconha. 25. O estudo mapeou os usuários/dependentes que procuraram o CAPsAD segundo sua classe social e observou que apenas 2,5% vêm de bairros de classe média como Boa Viagem e Casa Forte. 20

21 26. Outro aspecto relevante identificado pelo GEAD é que a maioria dos usuários/dependente procurou o CAPsAD por vontade própria. 18% foram encaminhados por familiares e amigos e 5% estão nos centros por determinação da justiça. 27. A taxa de abandono do tratamento é enorme, 58% dos usuários de crack, 57% dos de maconha e 55% dos de álcool. 28. Apenas 43% dos usuários/dependentes está desempregada ou procurando emprego. Isso indica a necessidade de criar mecanismos específicos voltados para a criação de oportunidades de trabalho, como forma de incentivar a recuperação. 29. Outro dado importante é observar que 72% dos usuários/dependentes residem com seus familiares. Isso indica a necessidade de criar mecanismos de recuperação que envolvam toda a família. 30. A relação entre a violência e o uso de drogas é evidente. Segundo dados apurados pelo do Programa Atitude, da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos de Pernambuco, entre setembro de 2011 e junho de 2012, nos municípios de Recife, Jaboatão, Cabo, Caruaru e Floresta, 51% dos que foram atendidos alegaram já terem contraído dívidas com traficantes, 48% já estiveram em situação de ameaça de morte, 56% disseram já ter sofrido tentativa de homicídio, 44% são egressos do sistema prisional ou da FUNASE e 80% são usuários de crack. 31. O Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPE) divulgou números alarmantes sobre a relação entre o uso de drogas e o cometimento de atos infracionais por menores de idade, no âmbito do programa Pernambuco contra o crack. 21

22 32. Segundo o MPE, 67% dos envolvidos em atos infracionais são usuários de drogas e 82% dos jovens levados ao Ministério Público pela Polícia Civil e pelos Conselhos Tutelaras tem problemas com drogas. 33. Abaixo os principais números do MPE. 22

23 23

24 24

25 25

26 Fonte: Ministério Público de Pernambuco 34. A quantidade de crack, cocaína e pasta base apreendida pelos Órgãos de segurança, divulgados pela Secretaria de Defesa Social de Pernambuco, indicam o crescimento do uso de droga em nosso Estado. Em 2011, foram apreendidos 183kg de crack. Em 2012, apenas em janeiro e fevereiro, foram apreendidos 54Kg da droga, ou seja, nos dois primeiros meses do ano foram apreendidos 30% de toda a quantidade de

27 35. Todos esses elementos demonstram a necessidade e a urgência da adoção, alteração e ampliação da política de enfrentamento às drogas em Pernambuco. 36. A seguir estão detalhadas as ações propostas. 27

28 A) Incluir como disciplina obrigatória nas escolas públicas e privadas de ensino médio a prevenção do uso de drogas e desenvolver campanhas institucionais permanentes destinadas às escolas, para trabalhar de forma didática e continuada a conscientização quanto ao perigo das drogas. 37. É essencial trabalhar o processo de prevenção do uso de drogas nas escolas. É importante levar logo na infância e na adolescência o conhecimento didático dos malefícios e consequências irreparáveis que a droga proporciona na vida das pessoas e da família. 38. Dados divulgados pela Associação Nacional das Entidades Associativas dos Servidores da Polícia Federal (ANSEF) esclarecem que até a década de 90 a faixa etária predominante no ingresso das drogas era de 13 anos. 39. Hoje em dia, segundo a ANSEF essa faixa etária tem declinado de maneira preocupante e assustadora ao limite de 10 anos. Crianças portam armas de fogo e cometem crimes graves. 40. Dados estatísticos dos órgãos policiais mostram que o trabalho repressivo junto às faixas etárias mais precoces tem se tornado inócuo, não resolve o problema e desgasta os órgãos de repressão perante a opinião pública. 41. Na linha de que a atuação preventiva na questão das drogas é muito mais eficaz que a atuação repressiva, é essencial que as escolas municipais e estaduais trabalhem de forma didática e continuada a conscientização das crianças e dos jovens pernambucanos. 28

29 B) Criar incentivos específicos para ampliar e apoiar o trabalho das Comunidades Terapêuticas (CT) 42. As Comunidades Terapêuticas são instituições não governamentais, de atendimento ao dependente químico, em ambiente não hospitalar, com orientação técnica e profissional. Seu principal instrumento terapêutico é a convivência entre os residentes. 43. O livro Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas entre Crianças e Adolescentes em Situação de Rua nas 27 Capitais Brasileiras , produzido pelo Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID) e divulgado pelo Observatório Brasileiro de Informações Sobre Drogas (OBDID), demonstra como tem sido negligenciado o tema da recuperação dos usuários de drogas. Segundo o levantamento, embora 44,3% dos entrevistados tenham relatado o desejo de parar ou reduzir o consumo de drogas, apenas 0,7% procura ajuda em postos de saúde ou hospitais, mostrando a dificuldade de acesso ao sistema de saúde. As principais referências mencionadas foram as instituições que atendem diretamente a essa população. 44. No entanto, a fragilidade da rede de assistência é evidente. Das 70 instituições mapeadas nas seis capitais pesquisadas em 1997, apenas 11 permaneciam atuantes em As CTs surgiram no cenário brasileiro, ao longo dos últimos 40 anos, antes mesmo de existir qualquer política pública de atenção à dependência química no país. Essas instituições cresceram, 3 Disponível em: ESTAT%C3%8DSTICAS%2FEstat%C3%ADsticas/Popula%C3%A7%C3%B5es+especif%C3%ADcas 29

30 multiplicaram-se e ocuparam espaços na medida em que inexistiam programas e projetos de caráter público que oferecessem alternativas para o atendimento às pessoas dependentes de substâncias psicoativas (SPAs), desejosas de tratamento. 46. Nos dias 26 e 27 de janeiro de 2011, a Associação Norte e Nordeste de Comunidades Terapêuticas (ANNOTE), a CRUZ AZUL NO BRASIL, a Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas (FEBRACT) e a Federação das Comunidades Terapêuticas Evangélicas do Brasil (FETEB), representando as comunidades terapêuticas brasileiras, que desenvolvem ações nas áreas de prevenção, tratamento e reinserção social de dependentes químicos e seus familiares, divulgaram um documento denominado Carta do Piauí, no qual reivindicaram: a) o reconhecimento das CTs pelo Poder Público Federal, Estadual e Municipal, como um modelo eficaz de tratamento da dependência química; b) o apoio técnico e financeiro, incluindo as CTs nas políticas públicas e na rede de serviços de atenção aos dependentes químicos de álcool e outras drogas e seus familiares; c) que as legislações, resoluções, editais e outros instrumentos legais que tratarem e regulamentarem o financiamento, convênios, parcerias, se vinculem e se submetam a legislação que regulamenta as CTs quanto aos seus serviços, suas características e princípios. 30

31 47. As CTs devem ser entendidas como parte da rede complementar e devem ser vinculadas como nova alternativa na modalidade de Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT), para além das pessoas egressas de hospitais psiquiátricos ou hospitais de custódia e tratamento psiquiátrico, que perderam os vínculos familiares e sociais; moradores de rua com transtornos mentais severos, quando inseridos em projetos terapêuticos acompanhados nos CAPS-AD em regime residencial. Ou, criar uma nova modalidade que atenda melhor o perfil dos serviços prestados pelas CT para Clínicas Dia e Ambulatórios. 48. No âmbito estadual, a Lei nº , de 2011, que instituiu, no âmbito do Poder Executivo, a Política Estadual sobre Drogas, prevê em seu art. 4º, inciso IV que é diretriz de Governo o apoio e a ampliação da rede de proteção, tratamento e acolhimento de usuários e dependentes de drogas, envolvendo todas as esferas de governo e organizações da sociedade civil, incluindo as Comunidades Terapêuticas e a Rede Complementar de Assistência. 49. Nossa proposta é que seja dada concretude ao que já dispõe a Política Estadual sobre Drogas, por meio da criação de incentivos fiscais, materiais e legais específicos. 31

32 C) Promover a internação involuntária ou compulsória dos dependentes químicos quando for a única alternativa para proteger o dependente ou a população. 50. Implantar um centro com representantes do Poder Judiciário Estadual, do Ministério Público de Pernambuco (MPE) e da Ordem dos Advogados Seção Pernambuco (OAB/PE) para promover a internação involuntária (com consentimento da família) ou a internação compulsória (sem necessidade de autorização de parentes) dos dependentes químicos, quando for comprovada a sua necessidade para fins terapêuticos ou quando necessária à ordem pública. A internação dos dependentes químicos restringir-se àqueles com estado de saúde considerado grave e sem consciência de seus atos, devidamente atestado por psiquiatra. 51. São raros os casos de dependentes que conseguem se libertar sem o auxílio da família ou de profissionais especializados. A internação involuntária deve estar restrita àqueles casos em que for a única alternativa. 52. Uma pesquisa americana revelou que 50% dos dependentes químicos apresentam algum tipo de transtorno mental, sendo o mais comum deles a depressão. Em razão dos distúrbios causados pelas drogas e pelo álcool, a maioria dos dependentes não consegue entender a gravidade e a nocividade de seu comportamento para si mesmo e para os que o cercam. Essa desorientação desemboca, quase sempre, em violência e em grandes tragédias familiares. 53. O próprio Ministério da Saúde vem trabalhando com a hipótese da internação compulsória. No lançamento do conjunto de 32

33 ações para o enfrentamento ao crack que o governo divulgou em 7/12/2011, o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou que a pasta considera a internação compulsória de usuários de drogas um mecanismo fundamental em situações nas quais há risco de vida. 54. A internação compulsória ou involuntária não deve ser principal política das ações de combate ao crack. Deve funcionar como estágio de recuperação dos usuários quando a vida, a integridade física do viciado, bem como a preservação da segurança da sociedade estiver em perigo. 55. Essa política de internação implica a ampliação de vagas, leitos e na reestruturação do atendimento social e a ampliação do atendimento de saúde. 33

34 D) Ampliar e reforçar o programa de Justiça Terapêutica do TJPE destinado à recuperação e à socialização do infrator usuário de drogas e à designação de varas especializadas em drogas no âmbito do Tribunal. 56. A ideia é criar um conjunto de medidas visando aumentar a possibilidade dos usuários e dependentes de drogas entrarem e permanecerem em tratamento. A proposta é prevenir e tratar o uso de drogas e promover a reinserção social através de medidas como o atendimento individual e familiar, o acompanhamento em instituições destinadas à recuperação de usuários e dependentes e visitas domiciliares/institucionais. 57. As ações da Justiça Terapêutica incentivam os usuários e dependentes que praticam crimes de menor potencial ofensivo, nos quais o elemento droga esteja presente de alguma forma, a modificar seu comportamento delituoso para um comportamento socialmente aceito e positivo. É essencial focalizar o enfrentamento da violência e da criminalidade relacionadas direta ou indiretamente ao uso, abuso e dependência de drogas ilícitas e das socialmente aceitas. 58. O TJPE possui um programa judicial que estimula a aplicação e o monitoramento de medidas legais aos autores de infrações leves, usuários de álcool e outras drogas, para esclarecerlhes sobre o abuso dessas substâncias e sua relação com a conduta praticada. 59. É preciso reforçar e ampliar o programa para todos os municípios pernambucanos. Para tanto, o Governo do Estado, em 34

35 conjunto com as prefeituras, precisa participar de forma integrada e coordenada para avaliar os dependentes, identificar suas necessidades e proporcionar cursos profissionalizantes, em um trabalho individual e coletivo com os familiares. 35

36 E) Criar vagas específicas nas 19 escolas técnicas estaduais e nas 4 Escolas de Referência em Ensino Médio destinadas a programas de reinserção social de usuários e dependentes de drogas. 60. A proposta é criar um meio eficaz de reinserção social de usuários e dependentes de drogas, por meio do acesso ao ensino técnico de qualidade oferecido pelas Escolas Técnicas Estaduais e pelas Escolas de Referência em Ensino Médio. 61. O usuário e o dependente de drogas também são cidadãos portadores de direitos, como saúde, educação, lazer entre outros, cabendo ao Estado garantir o cumprimento deles. Dessa forma os usuários terão oportunidades para libertar-se das drogas. 62. O custo no resgate dessas pessoas é inferior, em termos financeiros, aos valores que envolvem a construção de presídios. 63. Conforme dados de pesquisa realizada pelo Grupo de Estudos sobre Álcool e Outras Drogas (GEAD) da UFPE, 61% dos usuários de drogas cursaram até o ensino fundamental. Os usuários/dependentes acabam deixando os estudos devido ao envolvimento com o uso de drogas. Segundo o estudo, 20% estão na faixa etária dos 12 aos 24 anos. 64. A falta de qualificação, aliada à baixa escolaridade, traz uma baixa perspectiva de vida, prejudicando o futuro profissional dos dependentes de droga. A situação profissional reflete a real condição econômica dos dependentes químicos. 65. Em razão disso, as ações de reinserção social de usuários e dependentes de drogas são tão importantes quanto o 36

37 combate ao tráfico e ao consumo de substâncias psicotrópicas e narcóticos. 66. Reinserção social é entendida como o processo que o indivíduo, família, comunidade e Estado desenvolvem para a recuperação, integração ou reintegração do dependente químico na sociedade. Concretiza-se com a conscientização do indivíduo no aprendizado ou resgate de valores morais e éticos. 67. Além da individualização, o tratamento de fármaco dependente deve ser abordado de forma global, incluindo as dimensões médica, psicoterápica e social. No processo de reinserção, é importante que a família, a sociedade e o Estado criem mecanismos de educação, saúde, trabalho, esporte, lazer, cultura, apoio psicológico e espiritual destinado a prestar apoio àqueles que desejam libertar-se do julgo das drogas. 68. De acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime para o Brasil e o Cone Sul (UNODC), o perfil da maioria dos usuários problemáticos de drogas incluiu pessoas que já sofreram abandono, violência doméstica, abuso sexual e exclusão familiar. 69. Cabe inicialmente uma distinção extremamente importante: a diferenciação entre o usuário recreativo e o dependente de drogas. Embora a fronteira entre essas duas categorias não seja nítida, alguns elementos de distinção podem ser identificados. A grande maioria dos usuários de droga não é, e provavelmente nunca venha a ser, dependente do produto. Na grande maioria das vezes, a droga é procurada como fonte de prazer tanto pelo usuário como pelo dependente. 37

38 70. Um dependente, ao contrário do usuário, não pode prescindir da sua droga. Nesse sentido, o dependente de drogas é um indivíduo no qual a droga passou a desempenhar um papel central na sua organização psíquica, na medida em que - através do prazer - ocupa lacunas importantes, tornando-se assim indispensável ao seu funcionamento psíquico. 71. É importante criar novas vagas específicas nas instituições de ensino técnico de nível médio, de forma a não diminuir as posições disponíveis aos demais estudantes. 72. Pernambuco conta com 19 Escolas Técnicas Estaduais (ETE). As ETEs oferecem 30 cursos presenciais e sete cursos na modalidade educação a distância em todas as regiões do Estado: Agreste, nas cidades de Surubim, Limoeiro, Bonito e Bezerros; Zona da Mata, em Carpina, Goiana e Timbaúba; Sertão, em São José do Egito e Sertânia; Região Metropolitana, em Jaboatão dos Guararapes, Recife, Paulista e Camaragibe. 73. Segundo informações da Secretaria Estadual de Educação, as ETEs oferecem os seguintes cursos profissionalizantes: - Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães (Recife): Mecatrônica; Mecânica; Edificações; Comunicação Visual; Design de Interiores; Manutenção e Suporte de Informática; Química; Logística. - Escola Técnica Estadual Almirante Soares Dutra (Recife): Enfermagem; Análises Clínicas; Saúde Bucal; Prótese Dentária; Segurança do Trabalho; Interpretação e Tradução em Libras; Registros e 38

39 Informações em Saúde; Nutrição Dietética; Meio Ambiente. - Escola Técnica Estadual Cícero Dias (Recife): Programação de Jogos Digitais; Multimídia. - Escola Técnica Estadual de Criatividade Musical (Recife): Técnico em Instrumento Musical. - Escola Técnica Estadual Luiz Dias Lins (Escada): Segurança do Trabalho; Logística; Agropecuária; Meio Ambiente; Química; Redes de Computadores. - Escola Técnica Estadual Clóvis Nogueira Alves (Serra Talhada): Agropecuária; Enfermagem; Segurança do Trabalho; Edificações. - Escola Técnica Estadual de Palmares (Palmares): Segurança do Trabalho; Agropecuária; Logística; Manutenção e Suporte em Informática; Administração. - Escola Técnica Estadual Maria Eduarda Ramos de Barros (Carpina): Comércio; Redes de Computadores. - Escola Técnica Estadual Miguel Arraes de Alencar (Timbaúba): Informática; Administração. - Escola Técnica Estadual Aderico Alves de Vasconcelos (Goiana): Rede de Computadores; Hospedagem. - Escola Técnica Estadual José Humberto de Moura Cavalcanti (Limoeiro): Enfermagem; Informática; Informática para Internet; Registros e Informações em Saúde. 39

40 - Escola Técnica Estadual Antônio Arruda de Farias (Surubim): Vestuário; Comércio; Administração; Informática para a Internet. - Escola Técnica Estadual Arlindo Ferreira dos Santos (Sertânia): Agropecuária; Informática; Enfermagem; Redes de Computadores. - Escola Técnica Estadual Maximiano Accioly Campos (Jaboatão): Logística e Rede de Computadores. - Escola Técnica Estadual Alcides do Nascimento Lins (Camaragibe): Logística. - Escola Técnica Estadual Maria Jose Vasconcelos (Bezerros): Administração. - Escola Técnica Estadual Célia De Souza Leão Arraes de Alencar (Bonito): Administração. - Escola Técnica Estadual Professora Célia Siqueira (São José do Egito): Administração. - Escola Técnica Estadual José Alencar Gomes da Silva (Paulista): Logística. - Escola de Referência Epitácio Pessoa (Cabo de Santo Agostinho): Hospedagem, Guia de Turismo, Redes de Computadores e Segurança do Trabalho. - Escola de Referência José Carlos Dias (São José da Coroa Grande): Guia de Turismo. - Escola de Referência Wilson de Andrade (Rio Formoso): Hospedagem e Eletrotécnica. 40

41 - Escola de Referência Eurico Chaves (Sirinhaém): Hospedagem e Segurança do Trabalho. 41

42 F) Desenvolver campanhas institucionais permanentes de rádio, mídia impressa, outdoors e banners que incentivem a responsabilidade no consumo de bebida alcoólica e esclareçam sobre o perigo das drogas. 74. É preciso massificar e multiplicar as ações preventivas, utilizando mídias adequadas a cada faixa etária dispersas nos locais de maior circulação de pessoas nas cidades. 75. Prevenir o uso de drogas é uma decisão política e deve prever um projeto integrado que não trate o tema com sensacionalismo ou com terrorismo, pois isso pode surtir efeitos inversos do esperado, com o aguçamento da curiosidade dos jovens. 76. Nos últimos anos o consumo de cigarro no Brasil e no mundo caiu vertiginosamente graças a uma política pública que envolveu a sociedade e que conscientizou os usuários dos perigos e malefícios do tabaco. Precisamos levar essa experiência exitosa para a prevenção do uso de drogas. 77. Assim, a proposta é desenvolver, no curto prazo, uma campanha de mídia que trata de forma inteligente: a) o lado negativo do abuso do álcool e do uso de drogas; b) as informações científicas sobre o tema, pois quanto mais informações sobre as drogas, mais condições terá a pessoa de decidir usá-las ou não; c) o estímulo à autoestima das pessoas. 42

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 1 ESCOLAS TÉCNICAS ESTADUAIS 1 ARARIPINA PEDRO MUNIZ FALCÃO ARARIPINA N O I T E 90 19 0,21 17 MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA N O I T E 90 15 0,17 2 BEZERROS MARIA JOSÉ VASCONCELOS BEZERROS N O I T

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José

Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José 1 2 Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José dos Campos-SP. Trata-se de um conjunto de ações intersecretariais,

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE. Projeto de Lei n..., de de de 2012.

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE. Projeto de Lei n..., de de de 2012. ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE Projeto de Lei n..., de de de 2012. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de e dá outras providências. A Câmara Municipal de (nome

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

O crack em números: Usuários de crack reunidos no centro de São Paulo em. imagem de janeiro (Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP)

O crack em números: Usuários de crack reunidos no centro de São Paulo em. imagem de janeiro (Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP) Brasil tem 370 mil usuários regulares de crack nas capitais, aponta Fiocruz Estudo indireto com 25 mil pessoas mediu consumo por 6 meses em 2012. Nordeste lidera lista em números absolutos, e 14% do total

Leia mais

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy Políticas Públicas sobre drogas no Brasil Luciana Cordeiro Aline Godoy O que são políticas públicas? Para que servem? Como são elaboradas? Políticas Públicas para quê? Instrumento na organização da sociedade

Leia mais

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO Coordenadora Deputada Iracema Portella Membros: Deputadas Carmen Zanotto e Rosane Ferreira e Deputado Pastor Eurico 1 Propostas do grupo

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Álcool e Outras Drogas no Contexto da Saúde Mental

Álcool e Outras Drogas no Contexto da Saúde Mental Álcool e Outras Drogas no Contexto da Saúde Mental 1º SEMINÁRIO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO AO CRACK 05 DE JULHO DE 2010 Rossana Rameh Psicóloga, Mestre em Saúde Coletiva, Técnica de saúde Mental e Redução

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS CARTA DE CURITIBA Os participantes do I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS, realizado em Curitiba PR, de

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL SOBRE DROGAS

POLÍTICA NACIONAL SOBRE DROGAS GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL CONSELHO NACIONAL ANTIDROGAS RESOLUÇÃO Nº3/GSIPR/CH/CONAD, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005 Aprova a Política Nacional Sobre Drogas O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL ANTIDROGAS

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS Número de Publicação: 9546 D E C R E T O Nº 1.763, DE 24 DE JUNHO DE 2009 Institui a Política Estadual sobre Drogas, cria o Sistema

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

Região Metropolitana de São Paulo. Município de Diadema

Região Metropolitana de São Paulo. Município de Diadema Região Metropolitana de São Paulo Área total: 7.944 Km² População: 20,3 milhões de habitantes Densidade hab/km² Município de Diadema Área total: 30,7 Km2 População: 386.089 (IBGE/2010) Densidade demográfica:

Leia mais

SELEÇÃO ESCOLAS TÉCNCIAS E CENTROS TECNOLÓGICOS - CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO - MODALIDADE: PRESENCIAL

SELEÇÃO ESCOLAS TÉCNCIAS E CENTROS TECNOLÓGICOS - CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO - MODALIDADE: PRESENCIAL ERRATA PORTARIA SECTMA Nº 00 de de de 2009. Da Portaria SECTMA Nº. 128/2009 de 29/04/09 D.O.E de /04/ 2009 Onde se lê: SELEÇÃO S TÉCNCIAS E CENTROS TECNOLÓGICOS - TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO - MODALIDADE:

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

APRESENTAÇÃO erapêutica

APRESENTAÇÃO erapêutica erapêutica Justiça APRESENTAÇÃO No Brasil, a proposta de cumprimento da legislação penal de forma harmônica, com medidas sociais e de tratamento às pessoas que praticam crimes, nos quais o elemento droga

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Seja Bem Vindo! Comunidade Terapêutica: Como Começar com o Pé Direito?

Seja Bem Vindo! Comunidade Terapêutica: Como Começar com o Pé Direito? Seja Bem Vindo! Comunidade Terapêutica: Como Começar com o Pé Direito? Comunidade Terapêutica: Como Começar com o Pé Direito? Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy

Leia mais

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local MANUAL do sistema SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local 1 Observação: Recomenda-se a leitura prévia da cartilha do programa Crack, É Possível Vencer, disponível no endereço http://www.brasil.gov.br/crackepossivelvencer/home/publicacoes/materialinformativo/destaques/cartilha-crack-e-possivel-vencer-compromisso-detodos-1

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012 Proposta Projeto Brasileiro Brasília, outubro de 2012 1 - Existe, em seu país, política pública, programa ou estratégia de acesso ao Direito, para a população em condição de vulnerabilidade (grupos vulneráveis)?

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

Ações de enfrentamento ao crack Proposta de Plano Saúde e Segurança Pública

Ações de enfrentamento ao crack Proposta de Plano Saúde e Segurança Pública Ações de enfrentamento ao crack Proposta de Plano Saúde e Segurança Pública Eixo 1: Cuidado Eixo 2: Autoridade Eixo 3: Prevenção Rede de Atenção à Saúde Comunidades Terapêuticas Intervenção nas Cracolândias

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS A Política Estadual sobre Drogas em Minas Gerais Conferencista: Dr. Cloves Eduardo Benevides

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA RESUMO EM SANTA MARIA Raisa Crestani Calegaro 1 Carolina Elisa Suptitz 2 O uso do crack tem aumentado cada vez mais no Brasil, principalmente em grandes

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Conheça os projetos lançados no Acre

Conheça os projetos lançados no Acre Conheça os projetos lançados no Acre 1. Renaesp e Bolsa Formação Os policiais que trabalharão no Território de Paz estão mais capacitados e valorizados. O Bolsa Formação oferece um auxílio mensal de R$

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO

TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO TÍTULO: FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS EM CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Realização, Apoio e Colaboração: Sociedade Santos Mártires JARDIM ÂNGELA

Realização, Apoio e Colaboração: Sociedade Santos Mártires JARDIM ÂNGELA TÍTULO: UNIDADE COMUNITÁRIA DE ÁLCOOL E DROGAS JARDIM ÂNGELA NOVEMBRO 2002 AUTORES: Sérgio Luís Ferreira - Psicólogo Ronaldo Laranjeira INSTITUIÇÃO:Escola Paulista de Medicina UNIFESP Área Temática: Saúde

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN. MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN. MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro LEI Nº 4.622 / 2013, DE 15 DE OUTUBRO DE 2013. EMENTA: AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia RELATÓRIO CONSOLIDADO 6º DIA DO CARNAVAL 2015 Salvador-BA Revisado 24-02-15 Das 18 horas de 12/02/2015 às 06 horas de 17/02/2015 foram consolidados/analisados pelo Observatório um total de 1126 atendimentos:

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS)

PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS) PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS) Estabelece diretrizes para a Política Municipal de Promoção da Cidadania LGBT e Enfrentamento da Homofobia, e dá

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização-

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Prof. Dr. William Dunningham FMB UFBA PRM Psiquiatria HJM/SESAB-SUS Dados sobre a Saúde Mental

Leia mais

ÁLCOOL: UM MAL. Senhor Presidente,

ÁLCOOL: UM MAL. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 29/03/2012. ÁLCOOL: UM MAL Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Foi aprovado na última terça-feira, dia 27, o relatoria

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 RESUMO Este projeto visa a atender crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados ou que necessitam ser

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

REVOGADA PELA LEI Nº 1.593, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. Cria o Conselho Municipal de Enfrentamento às Drogas, e dá outras providências.

REVOGADA PELA LEI Nº 1.593, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. Cria o Conselho Municipal de Enfrentamento às Drogas, e dá outras providências. REVOGADA PELA LEI Nº 1.593, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. LEI N.º 1.323, DE 14 DE OUTUBRO DE 2010. Cria o Conselho Municipal de Enfrentamento às Drogas, e dá outras providências. O Sr. Sadi Ribeiro Ramos,

Leia mais

DIRETIVAS DA PAUTA BRASIL DE COMBATE ÀS DROGAS

DIRETIVAS DA PAUTA BRASIL DE COMBATE ÀS DROGAS 3 DIRETIVAS DA PAUTA BRASIL DE COMBATE ÀS DROGAS Autor: Deputado Eduardo da Fonte 1) ANVISA 1) Realizar um encontro na Câmara dos Deputados entre a Frente Parlamentar e a Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR

CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR www.mariz.eti.br CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR Dentre as mudanças trazidas pela Portaria nº 3.233/12, podemos destacar a ampliação da carga horária de alguns cursos oficiais. O Curso

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Perfil do usuário de crack no Brasil

Perfil do usuário de crack no Brasil Lígia Bonacim Dualibi Prof. Dr. Marcelo Ribeiro Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - INPAD Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD Universidade Federal

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES CONSIDERANDO que o art. 227 da Constituição da República

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

1 Ampliar e qualificar as ações do GGIM - Gabinete de Gestão Integrada Municipal

1 Ampliar e qualificar as ações do GGIM - Gabinete de Gestão Integrada Municipal Fortalecer a atuação conjunta das Forças de Reuniões Operações conjuntas das Forças de Número de reuniões Número de operações conjuntas das forças PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SEGURANÇA

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

Adolescentes Ameaçados de Morte

Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência da República

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack.

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. MÓDULO 2 Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. Você aprenderá alguns conceitos relacionados à temática, como os padrões

Leia mais

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 Relatório do Painel PANORAMA LEGAL 1. A DEFENSORIA PÚBLICA ESTADUAL NA PREVENÇÃO E NO COMBATE À VIOLÊNCIA Carência de

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL PARA O ENFRENTAMENTO DO CRACK

COMISSÃO ESPECIAL PARA O ENFRENTAMENTO DO CRACK Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais COMISSÃO ESPECIAL PARA O ENFRENTAMENTO DO CRACK RELATÓRIO FINAL Belo Horizonte Dezembro de 2012 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS, COMPOSIÇÃO E PRAZO

Leia mais